Version classiqueVersion mobile

O «saque de Évora» no contexto da Guerra Peninsular

 | 
Fernando Martins
, 
Francisco Vaz

Capítulo 7. As Invasões Francesas na Comarca de Castelo Branco: Repercussões no Poder Local (1807-1810)

Nuno Pousinho

Texte intégral

Introdução

1Quando as tropas francesas e espanholas atravessaram a fronteira portuguesa em Novembro de 1807, ninguém poderia prever as profundas alterações políticas, económicas e sociais que Portugal iria viver nas décadas seguintes. As invasões francesas representam um marco importantíssimo na nossa História, não só pelas consequências que daí advieram, mas também pela violência que a população sentiu durante esses anos.

2Na realidade, Portugal procurou manter-se sempre neutral na cena política europeia, tentando passar ao lado das grandes contendas continentais. Para além das rivalidades seculares com Castela, o país estava pouco habituado a intervenções militares de grande monta. A chamada guerra peninsular foi a excepção. De facto, aqui se jogou o destino imperial da França com a aposta britânica de fazer da Península Ibérica o palco ideal do início do fim do poder napoleónico.

3Perante o jogo da política internacional, a população portuguesa viveu anos de operações militares quase constantes, significando para os súbditos de Sua Majestade do Reino de Portugal, requisições forçadas e pilhagens dos seus haveres, levando ao aparecimento de guerrilhas e de luta espontânea contra o invasor.

  • 1 Castelo Branco era sede de comarca, concelho da coroa com juiz de fora residente. Em 1535 o rei D. (...)

4A Beira Baixa foi a primeira região do país a conhecer esta realidade e Castelo Branco a primeira cidade importante do Reino a tomar consciência dos tempos conturbados que aí vinham1.

5O que este pequeno artigo procura retratar é precisamente o impacto da I.a invasão francesa na comarca de Castelo Branco, explorando com mais detalhe os acontecimentos que tiveram lugar na cidade.

6Em primeiro lugar, analisaremos a chegada do exército invasor ao território nacional, os primeiros contactos com as populações e a sua reacção. De seguida, veremos de que forma a cidade de Castelo Branco recebeu as tropas invasoras e as consequências materiais e económicas da sua passagem. Depois, serão escalpelizadas as consequências económicas e políticas, nomeadamente no poder local, das invasões francesas.

7Para a realização deste pequeno estudo muito contribuiu um relato publicado, entre 1929 e 1930, no jornal Terra da Beira, onde se descreve, com minúcia, a passagem do invasor por estas paragens, bem como a bibliografia sobre este assunto, citada no final.

I – A chegada do exército invasor

8Quando em Novembro de 1806 Napoleão decretou o Bloqueio Continental, segundo o qual nenhuma Nação da Europa podia comerciar ou manter relações de qualquer tipo com as ilhas Britânicas, Portugal ficou numa posição difícil, pois o seu comércio e economia dependiam fortemente das relações com a Inglaterra, para além de existir entre os dois Estados uma aliança que se perdia no tempo.

9A diplomacia portuguesa procurou sempre manter-se neutral no conflito europeu, que tinha rebentado no Continente, como consequência da Revolução Francesa, mas essa neutralidade tornou-se inviável, Lisboa ou aderia à pretensão francesa ou se colocava ao lado da Inglaterra.

  • 2 Em Julho de 1807 Napoleão enviou uma nota diplomática, ao governo português, com ordem de prisão de (...)

10O governo português tentou ganhar algum tempo face à pressão gaulesa, mas era já tarde demais2.

  • 3 D. João tomara o governo do país em 1792 como regente, como consequência da loucura de sua mãe, D. (...)

11Em Agosto de 1807 foi apresentado um ultimato ao Príncipe regente D. João3. Ou Portugal aderia ao Bloqueio Continental ou os exércitos franco-espanhóis invadiam o país. Em fins de Outubro do mesmo ano França e Espanha assinaram o tratado de Fontainbleau, que contemplava a divisão de Portugal entre aqueles dois países. Estava consumado o pla no de invasão do território nacional. Em meados de Novembro de 1807 o general Junot entrou em Portugal à frente de um poderoso exército.

12A organização da força invasora iniciou-se em Agosto de 1807. O Corpo de Observação da Gironda, composto por 30 000 homens, estava estacionado em Baiona com o comando confiado a Andoche Junot. Junot deveria entrar em Espanha e escalonar-se até à fronteira de Portugal, ocupando Valladolid, Toro, Zamora e Cidade Rodrigo.

13O Exército pôs-se em marcha a 7 de Outubro de 1807 em direcção à fronteira espanhola. Entre 18 de Outubro e 16 de Novembro cruzaram o território espanhol. A Marcha foi penosa, feita em pleno Inverno, por estradas ínvias, sem abastecimentos e sem descanso.

14Quando se dirigia de Valladolid para Salamanca Junot recebeu novas ordens de Napoleão. Ordenava o imperador a rápida progressão para Lisboa pela margem direita do rio Tejo e não pela linha natural do rio Mondego como seria lógico, pelo que Junot se deveria dirigir a Alcântara para se reunir às tropas do general espanhol Caraffa. Esta nova orientação esteve ligada, como sabemos, à decisão da coroa portuguesa em se retirar para o Brasil.

15Desta forma, a I.a invasão iria entrar no território português pelo vale do Tejo, atravessando a Beira Baixa, tornando obrigatória a passagem por Castelo Branco. Decisão que em termos militares já em anteriores conflitos se revelou desastrosa para as tropas invasoras.

16Em 1704, na sequência da participação portuguesa na guerra da sucessão espanhola, um exército invasor franco-espanhol, pretendeu chegar a Lisboa, pelo Vale do Tejo. Chegaram a Vila Velha de Ródão e face ao esquema defensivo do exército português, protegido pelas dificuldades do terreno, obrigou o inimigo a retirar pelo Alentejo. Entraram por Segura, passaram por Castelo Branco e Vila Velha de Ródão, trajecto que será retomado em 1807.

17Também durante a guerra dos sete anos, em 1762, mais uma vez um exército franco-espanhol entrou por Castelo Branco e Vila Velha de Ródão, mas perante a disposição do exército português, comandado pelo Conde Lippe, foi obrigado a retroceder por Segura.

18Estas duas invasões claudicaram em Vila Velha de Ródão, nas Talhadas, um formidável maciço que se desenvolve de Nisa a Moradal, com cerca de 27 km, com passagens difíceis, sendo possível desgastar o inimigo até ao limite.

  • 4 Paul Thiébault, Relation de l’expedition en Portugal faite en 1807 et 1808 par le Ies Corps d‘Obser (...)

19Junot cairá no mesmo erro, do ponto de vista estratégico foi uma má opção. Não foi derrotado aqui, pois as orientações dadas à tropa portuguesa foram de não resistir. Mas as dificuldades do terreno deixaram as suas marcas no exército. Relatos posteriores franceses demonstram como a tropa invasora se sentiu impressionada com esta zona do país, a dificuldade da sua transposição e a sua excelente posição defensiva4. Isto demonstra o fraco conhecimento do terreno por parte dos franceses.

  • 5 João de Macedo Pereira da Guerra Forjaz, “Extracto de uma Memória Sobre o Estado da Agricultura da (...)

20A tropa portuguesa não opôs qualquer resistência e as possibilidades de o tentar eram muito limitadas. Apenas existia na zona um regimento de linha em Penamacor, dois regimentos de milícias, um em Idanha-aNova, outro em Castelo Branco e outro ainda na Covilhã, mas este fora da linha de invasão. Todos eles muito desfalcados e sem instrução ou capacidade de combate. A única possibilidade era retardar o avanço dos invasores, mas não houve tempo para esboçar qualquer defesa. Para além do mais, D. João, na fuga para o Brasil, ordenara que se recebesse bem os franceses. Junot terá de lutar contra os elementos naturais; clima e topografia. O final do Outono foi rigoroso e abateu-se sobre a Beira chuvas constantes que, aliadas à falta de vias de comunicação e de pontes sobre os rios, veio dificultar o avanço das tropas, tornando-se um verdadeiro pesadelo. O mau estado das vias era sobejamente conhecido, após as invasões, em 1816 num relatório João de Macedo Pereira da Guerra Forjaz escrevia “na Beira baxa, são ellas tão ruins, que nem ainda a cavallo se podem transitar.”5

21Mas voltemos ao percurso do general Junot. No dia 16 de Novembro estava em Alcântara, já perto da fronteira portuguesa. Aqui chegado a situação não podia ser pior. A infantaria havia perdido 2/5 dos seus efectivos, a cavalaria estava em grande parte apeada, e a artilharia era puxada a bois. O estado do exército era lamentável.

22Antes de entrar em Portugal, Junot dividiu as suas tropas em duas colunas, com itinerários diferentes, e puseram-se em marcha sem qualquer distribuição de víveres. Procurava assim evitar a confusão numa região pobre e com péssimas vias de comunicação, distribuindo os homens na esperança de mais facilmente obterem alojamento e alimentação. De realçar que o exército francês tinha poucos abastecimentos, recorrendo aos locais que invadia para colher víveres, as suas tropas viveram sempre da pilhagem, das requisições violentas e das pesadas contribuições impostas aos vencidos. A falta de aprovisionamento levava os soldados à pilhagem, conduzindo-o à indisciplina.

23No dia 19 de Novembro as tropas avançadas do exército francês chegaram a Zebreira e Idanha-a-Nova, onde pernoitaram, seguindo para Castelo Branco na manhã de dia 20 de Novembro. As tropas chegaram a Castelo Branco esfomeadas, descalças, esfarrapadas e cansadas.

24Entretanto, começava-se a verificar os primeiros sinais de violência por parte dos invasores. Em localidades como Rosmaninhal, Zebreira, Ladoeiro e Idanha-a-Nova as tropas cometeram os maiores excessos à procura de alimentos e alojamento, provocando a fuga dos habitantes e as primeiras reacções violentas. Já em Espanha estes soldados tinham abandonado as formaturas para assaltarem montes, casais, herdades e celeiros, roubar os transeuntes e ou simples guardadores de gado. Em Portugal cometeram também tais actos de bandoleirismo, promovendo a reacção imediata das populações.

  • 6 Um afluente da margem direita do rio Tejo. Nasce em Idanha-a-Nova e passa pelo concelho de Castelo (...)

25Os primeiros actos de revolta não tardaram a manifestar-se. No dia 20 de Novembro em Idanha-a-Nova, o exército deixou muitos doentes no Hospital. O povo, logo que a coluna deixou a vila, atacou o hospital, trazendo um grande número de franceses para a rua e vindo lançá-los do alto da serra sobre o rio Pônsul6. Há relatos de ataques aos soldados mais atrasados das colunas, ataques sem piedade.

  • 7 Vasco Pulido Valente, Ir Pró Maneta, A Revolta Contra os Franceses (1808), Lisboa, Aletheia Editore (...)

26De notar a pronta reacção popular, o povo a tomar a iniciativa da revolta, como bem estudou Vasco Pulido Valente7.

II – A presença francesa em Castelo Branco

27A estada dos franceses e espanhóis em Castelo Branco está bem descrita num relatório anónimo, editado no jornal Terra da Beira, entre 1929 e 1930 que pela descrição minuciosa tudo indica que o autor terá presenciado aos acontecimentos.

28As forças chegaram à cidade no dia 20 de Novembro. Nesse dia, entre as 18 e 19 horas, entrou em Castelo Branco um comissário do Império Francês que se dirigiu ao Paço Episcopal com ordens para o corregedor e juiz de fora, para que sem demora aprontassem 5 000 rações de pão, carne, vinho para 5 000 soldados franceses. As autoridades civis e religiosas depressa tentaram cumprir as ordens, retirando os mantimentos aos habitantes da cidade para a tropa que chegou pouco depois das 21 horas.

29A chegada dos soldados marca o início de uma permanente passagem militar, francesa e espanhola, que vai durar perto de um mês a escoar, entre 20 de Novembro e 16 de Dezembro. Os dias 20 e 21 de Novembro foram os dias de maior movimentação de tropas, onde se calcula que terão passado pela cidade mais de 20 000 homens, entre os quais o próprio Junot, recebido no Paço Episcopal onde pernoitou.

30Os soldados ficaram alojados nos conventos, igrejas da cidade e habitações dos munícipes. Os oficiais graduados em casas particulares das famílias mais abastadas. Os oficiais de alta patente no Paço Episcopal, onde foram cordialmente recebidos pelo Bispo D. Vicente Ferrer da Rocha. Há, no entanto, relatos de grandes distúrbios por parte dos soldados, nomeadamente ataques às casas dos habitantes, saqueando os seus parcos haveres. Cada casa recebia aos 30 e 40 homens, que uma vez aí instalados partiam portas, arrancavam o sobrado, saqueavam o que restava, apesar de lhes ter sido provido alimento. Os conventos foram deixados em completa ruína e totalmente saqueados.

31A tropa pedia e saqueava aquilo que necessitava, não só para as necessidades imediatas como para a restante caminhada que os esperava. Pão, vinho, arroz, feijão, legumes, roupa, sapatos, capotes para a chuva, bois, mulas e cavalos, faziam parte da lista.

  • 8 José Teodoro Prata, O Concelho de S. Vicente da Beira Na Guerra Peninsular, 2006.

32Com a permanente chegada de soldados os habitantes da cidade começaram a fugir para os campos e montes, deixando a urbe abandonada e propícia ao saque. Alimentavam-se do que a natureza dava e o corregedor teve que se socorrer dos víveres de outros pontos da comarca para alimentar a cidade e abastecer a tropa invasora, como demonstram estudos recentes8. O comércio e os serviços estavam totalmente paralisados. A chegada de novos soldados implicava sempre a recolha de mais alimentos, para homens e cavalos, roupas e calçado para os soldados, para além dos animais confiscados. Os homens fugidos atacavam os soldados que se atrasavam ou se perdiam das colunas.

33A cidade estava em completo estado de sítio, abandonada à sua sorte, tendo as autoridades civis e religiosas feito todos os possíveis para contentar os franceses na tentativa de evitar males maiores.

34No dia 3 de Dezembro de 1807 chegou conjuntamente com um regimento espanhol um governador francês para Castelo Branco. No dia 6 de Dezembro o Governador fez uma proclamação. Procurava acalmar os habitantes, referindo que a partir daquele momento a mais feroz disciplina seria observada pelos soldados. Apelava ao regresso de toda a população à cidade, numa clara tentativa de evitar as guerrilhas que já se verificavam, e para que fossem providas as tropas com os mantimentos necessários para evitar desacatos.

35De facto, enquanto esteve como governador os desacatos terminaram e o sossego voltou à cidade.

36No dia 9 de Janeiro o governador e a guarnição deixaram Castelo Branco com destino a Lisboa. Até ao dia 30 de Maio de 1808, os albicastrenses viveram em sossego apenas ameaçados, de tempos a tempos, pelas movimentações do exército francês.

37O período entre Novembro de 1807 e Janeiro de 1808 a cidade viveu o Inferno e o desastre. Não se imagina a destruição e a dimensão do saque, principalmente nos conventos, que ainda hoje são recordados. A população lentamente foi recuperando a confiança sempre mantendo o ódio ao francês, bem visível a partir de Maio de 1808, aquando da sublevação espanhola. O povo de Castelo Branco começou a fazer distinção no tratamento de espanhóis e franceses, aquartelando e tratando bem os primeiros.

38No dia 2 de Julho de 1808 o povo amotinou-se, estimulados pelo bispo, e proclamou os príncipes de Portugal e Espanha junto ao Paço Episcopal e reclamava a descoberta das armas reais do Paço que se encontravam cobertas com cal preta desde a chegada dos franceses. A revolta popular deu azo a grandes retaliações por parte dos franceses na Beira, comandados pelo famoso general Loison, o maneta.

39São célebres os massacres perpetrados na Guarda no dia 3 de Julho, onde terão morrido muitas pessoas, como simples vingança pelo ataque aos soldados e pela negação de abastecimentos. No dia 4 de Julho foi a vez de Alpedrinha se amotinar e de Loison a saquear não poupando nada nem ninguém. No dia 6 de Julho a cidade recebeu a ordem do odiado general Loison, para entregar rapidamente mantimentos para os seus 3 400 homens e 600 cavalos. A cidade, temendo o saque e a matança, tal como tinha acontecido na Guarda e Alpedrinha, a tudo anuiu. Na preparação da entrega dos mantimentos há a destacar mais uma vez a acção do Bispo D. Vicente Ferrer, que recebeu Loison, oferecendo-lhe uma soberba refeição e este comportou-se dignamente.

40De salientar a acção diplomática do Bispo em todo este processo. Gere a chegada dos franceses em 1087, incita à revolta em 1808 e gere com diplomacia os acontecimentos do verão de 1808. A sua acção demonstra claramente a importância da Igreja no Portugal do final do Antigo Regime e a sua capacidade de influência social e política, contando com elementos clarividentes e altamente qualificados como foi o caso de D. Vicente Ferrer. O Bispo esteve sempre ao lado das autoridades civis e liderou mesmo algumas acções, pondo os bens da Igreja ao dispor dos invasores, evitando assim, talvez, males maiores.

III – Impacto da invasão

41Durante o final de 1807 e princípio de 1808 o concelho de Castelo Branco recebeu perto de 30 000 homens. Foi um impacto tremendo na vida da cidade e do concelho, existindo ainda hoje reminiscências desse período na memória colectiva, aqui e ali salpicadas com episódios que não passam de imaginação e de lendas.

42Hoje não é fácil perspectivar o impacto de todas estas acções numa região do país pobre e muito pouco povoada. Na realidade, a comarca de Castelo Branco não ultrapassava os 60 000 habitantes em 1801, o concelho de Castelo Branco teria 11 500 habitantes e a cidade perto de 5 500, para já não falar nos concelhos mais pequenos afectados pela invasão, como o de Idanha-a-Nova, que contabilizava 3 500 habitantes, ou de Zebreira com 770 habitantes.

43Ora, entre 20 e 24 de Novembro de 1807 passaram por estas zonas 32 000 homens, o que significava metade dos habitantes da comarca e quase seis vezes mais o número de habitantes da única cidade desta região. Num ápice surgiu uma força invasora superior à sua população que reclama alojamento e alimento, era natural que o caos se instalasse.

44Os recursos não eram muitos. Em termos económicos, estamos numa região onde a actividade predominante era a agricultura, onde a exploração comunitária abrangia a generalidade dos terrenos, com pequenas hortas onde se produziam legumes e frutas, alguns cereais, principalmente o centeio. A produção satisfazia as necessidades básicas, os excedentes praticamente não existiam. Uma das maiores riquezas era a pastorícia, criação de ovelhas e cabras, existindo também a criação de porcos. Todos estes produtos foram requisitados pelos franceses. O relato já citado refere que num dos dias os franceses teriam morto perto de 300 porcos para se alimentarem.

  • 9 David Justino, A Formação do Espaço Económico Nacional-Portugal 1810-1913, Lisboa, Vega, II vol.,19 (...)

45Uma das exigências francesas era a requisição de cavalos, mulas, burros e bois, para transporte. Em relação aos primeiros a região era com toda a certeza bastante deficitária, já que num inquérito industrial de 1852, bastante mais tardio, apenas existiam em todo o distrito de Castelo Branco 1 280 cavalos, 1 002 mulas e 6 300 burros9.

46Todos estes números demonstram a total impossibilidade de poderem ser satisfeitas todas as exigências francesas e as dificuldades vividas pelas populações perante as sucessivas requisições de bens materiais e alimentares.

III – Alterações no poder local

47A primeira invasão não teve apenas impactos económicos, também se fez sentir ao nível dos actores políticos. A desestruturação do poder municipal e alterações no recrutamento dos vereadores foram os sinais mais visíveis a este nível.

  • 10 Nuno Pousinho, Castelo Branco, Governo, Poder e Elites, Lisboa, Colibri, 2004.

48Castelo Branco era um concelho da coroa e as eleições para os órgãos camarários eram confirmados pelo Tribunal do Desembargo do Paço. As eleições realizavam-se de três em três anos, sendo as vereações confirmadas anualmente. À data da invasão estava em vigor a eleição realizada em 1806 e, aparentemente, tudo decorreu dentro da normalidade. A pauta com os novos vereadores para 1808, chegou a 3 de Fevereiro e a câmara tomou posse normalmente, não há notícias de escusas (Quadro n.o l)10.

Quadro n.o 1: Data da chegada da pauta com a nova câmara (1800-1812)

Quadro n.o 1: Data da chegada da pauta com a nova câmara (1800-1812)

Fonte: A.M.C.B, Actas de Vereação da Câmara Municipal de Castelo Branco

  • 11 Henrique Matos, O Minho e as Invasões Francesas, Uma Perspectiva Municipal, Universidade do Minho, (...)

49Noutros pontos do país não foi assim. Em Braga a câmara de 1807 mantêm-se até ao final de 1809. Noutras câmaras minhotas as vereações tomaram posse relativamente mais tarde do que o habitual, Guimarães, Barcelos, Ponte de Lima, Viana, Vila Nova de Cerveira ou Caminha. As causas apontadas são a profunda perturbação política e a difícil comunicação entre o centro e a periferia11.

50Já em relação às reuniões da câmara a situação é diferente. Durante o período de Novembro e Dezembro de 1807 o senado da câmara de Castelo Branco não reuniu uma única vez. Os anos que duraram as invasões são aqueles em que se realizaram menor número de sessões desde o início do século só voltando ao normal em 1812 (Quadro n.o 2). Perante o caos e o desespero era normal não haver tanta preocupação com o governo municipal.

Quadro n.o 2: Reuniões da Câmara Municipal de Castelo Branco entre 1800 e 1812

Ano

Total

1800

44

1801

23

1802

27

1806

20

1807

22

1808

22

1809

18

1810

17

1811

17

1812

24

Fonte: A.M.C.B, Actas de Vereação da Câmara Municipal de Castelo Branco

  • 12 Henrique Matos, Op. Cit.

51Comparando com o Minho a situação é semelhante. As câmaras diminuem a frequência das suas reuniões no momento da invasão de Soult em 1809, existindo mesmo câmaras como a de Guimarães, tal como Castelo Branco, que não reuniu uma única vez durante o período da Invasão12.

52Já no que diz respeito ao apuramento dos elegíveis, as eleições de 1809 mostram algumas alterações nas escolhas feitas para a vereação de Castelo Branco. Neste concelho o poder municipal, durante o Antigo Regime, estava nas mãos de uma dinastia de famílias. Os vereadores eram pessoas fidalgas, da principal nobreza da cidade.

  • 13 Nuno Pousinho, Op. Cit.
  • 14 Henrique Matos, Op. Cit.

53No ano de 1809 foram eleitos para o triénio de 1810-1812, cinco, em nove possíveis, novas personagens que nunca tinham desempenhado o cargo antes. Aliás a vereação de 1810 é toda estreante. Os informadores do corregedor davam sempre indicações muito selectas para os cargos da vereação, mas neste ano de 1809, ele acrescentou na pauta sobre dois indivíduos “Incapaz pelo seu exercício de boticário e falta de conhecimento para o governo municipal da cidade” e sobre outro “Incapaz pela sua pobreza de bens e de juízo que o fizerão já praticar alguns vergonhosos descaminhos da Fazenda Real”13. Estes factos podem demonstrar que perante a situação caótica que se encontrava o concelho a elite local não pretendia assumir responsabilidades, ou também poderá significar que perante uma situação de incerteza novos elementos aproveitassem para desempenhar funções que antes lhe estavam vedadas. Estes factos também acontecem no Minho na Câmara de Viana em 180914.

54Em relação aos cargos de corregedor e juiz de fora as situações são diferentes. Se em relação ao primeiro as nomeações se encontram dentro da normalidade, à data da invasão era corregedor Manuel José Vaz Leitão, desempenhando o cargo entre 1806 e 1810, já em relação ao segundo, José Mourão, foi o juiz de fora que mais tempo esteve no cargo, nove anos e três mandatos. Dado curioso, durante o período de operações militares até 1812, revelou-se um juiz de fora presente e interventivo nas sessões da câmara, mas entre 1813 e 1817 revelou um elevado grau de absentismo, fruto também do estado de paralisia administrativa do país após as invasões ou talvez algum cansaço pelo tempo que esteve no cargo.

55Podemos concluir que em relação aos vereadores operou-se de facto uma mudança nos indivíduos seleccionados, fruto do momento politicamente conturbado, surgindo novos actores, alguns deles permanecerão em vereações seguintes, podendo afirmar-se que a I.a invasão francesa significou alguma ruptura no sistema de recrutamento da elite local. Já em relação aos outros cargos, juiz de fora e corregedor, o recrutamento segue a sua normalidade, apenas salientando o prolongamento do mandato do juiz de fora que se pode entender no clima político da época e pela dificuldade de actuação do poder central.

Conclusão

56A 1.a invasão francesa teve um impacto terrível em Castelo Branco e nos territórios envolventes. Nunca o país esteve perante uma catástrofe desta dimensão. Quando as primeiras tropas passaram a fronteira em Novembro de 1807, ninguém previa a dimensão das consequências para o país.

57A Beira Baixa experimentou em primeira mão essa experiência. O exército franco-espanhol entrou no país, não encontrando nenhuma resistência e Castelo Branco foi a primeira cidade portuguesa a tomar contacto com a tropa invasora. Como vimos, não havia condições para satisfazer as necessidades exigidas, um território pobre e pouco povoado viu em poucos dias chegar um exército que ultrapassava largamente os habitantes dos concelhos por onde transitava, exigindo alimentos e bens materiais.

58A cidade ficou devastada no seu património, viu delapidar todo o seu sustento e experimentou algumas alterações no poder municipal.

59Como é natural, perante tamanha violência, totalmente inesperada e desconhecida, as primeiras reacções populares contra os franceses começaram a desenhar-se aqui, uma reacção espontânea e nada organizada, mas foi o prenúncio do grande levantamento de 1808.

60Esta época deixou inúmeros episódios no imaginário colectivo, que é recordado mais como um período de saque do que de guerra, sendo alguns deles imaginários não passando, alguns, de lendas. Mas isso é demonstrativo da dimensão do sucedido na época e num período em que a memória histórica é por muitos desvalorizada e da qual há uma ignorância gritante, as invasões francesas continuam como um marco inolvidável da nossa história que dificilmente será esquecido e varrido da memória popular, tais foram as suas consequências.

Bibliographie

Bibliografia

César, Vitoriano José, Estudos de História Militar. Breve estudo sobre a invasão franco-espanhola de 1807 em Portugal e as operações realizadas até à convenção de Sintra, Lisboa, 1903.

Dias, José Lopes “Primeira Invasão Francesa - o Liberalismo”, in Estudos de Castelo Branco. Revista de História e Cultura, n.o 36, Março de 1971, pp. 299-308.

Ferrão, António, A I.a invasão francesa vista através dos documentos da IGP 1807-1808, Coimbra, 1925.

Justino, David, A Formação do Espaço Económico Nacional-Portugal 1810-1913, Lisboa, Vega, II vol.,1988-89.

Matos, Henrique, O Minho e as Invasões Francesas, Uma Perspectiva Municipal, Universidade do Minho, 2000.

Nunes, António Pires, “A primeira invasão francesa”, in Nova História Militar de Portugal, Volume III, Lisboa, Círculo de Leitores, 2004.

Pousinho, Nuno, Castelo Branco, Governo, Poder e Elites, Lisboa, Colibri, 2004.

Prata, José Teodoro, O Concelho de S. Vicente da Beira Na Guerra Peninsular, 2006.

Valente, Vasco Pulido, Ir Pró Maneta, A Revolta Contra os Franceses (1808), Lisboa, Aletheia Editores, 2007.

Jornal Terra da Beira 15-7-1929 a 1-7-1930

Notes

1 Castelo Branco era sede de comarca, concelho da coroa com juiz de fora residente. Em 1535 o rei D. João III concedeu-lhe o título de vila notável. Em 1771 D. José elevou a vila a cidade.

2 Em Julho de 1807 Napoleão enviou uma nota diplomática, ao governo português, com ordem de prisão de todos os cidadãos ingleses, confisco dos seus bens e o corte de relações diplomáticas com Londres.

3 D. João tomara o governo do país em 1792 como regente, como consequência da loucura de sua mãe, D. Maria I.

4 Paul Thiébault, Relation de l’expedition en Portugal faite en 1807 et 1808 par le Ies Corps d‘Observation de la Gironde, Paris, 1817.

5 João de Macedo Pereira da Guerra Forjaz, “Extracto de uma Memória Sobre o Estado da Agricultura da Comarca de Castellobranco” in História e Memórias da Academia Real das Sciencias de Lisboa, Lisboa, Tomo IV, Parte II, 1816, p. 16.

6 Um afluente da margem direita do rio Tejo. Nasce em Idanha-a-Nova e passa pelo concelho de Castelo Branco.

7 Vasco Pulido Valente, Ir Pró Maneta, A Revolta Contra os Franceses (1808), Lisboa, Aletheia Editores, 2007.

8 José Teodoro Prata, O Concelho de S. Vicente da Beira Na Guerra Peninsular, 2006.

9 David Justino, A Formação do Espaço Económico Nacional-Portugal 1810-1913, Lisboa, Vega, II vol.,1988-89, pp. 273-275.

10 Nuno Pousinho, Castelo Branco, Governo, Poder e Elites, Lisboa, Colibri, 2004.

11 Henrique Matos, O Minho e as Invasões Francesas, Uma Perspectiva Municipal, Universidade do Minho, 2000.

12 Henrique Matos, Op. Cit.

13 Nuno Pousinho, Op. Cit.

14 Henrique Matos, Op. Cit.

Table des illustrations

Titre Quadro n.o 1: Data da chegada da pauta com a nova câmara (1800-1812)
Légende Fonte: A.M.C.B, Actas de Vereação da Câmara Municipal de Castelo Branco
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4160/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 74k

Auteur

IHC/FCSH

© Publicações do Cidehus, 2010

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search