Version classiqueVersion mobile

O «saque de Évora» no contexto da Guerra Peninsular

 | 
Fernando Martins
, 
Francisco Vaz

Capítulo 2. A “guerra peninsular” no salazarismo: memória colectiva, ideologia e política

Fernando Martins

Texte intégral

História e memória no salazarismo: continuidade e mudança

  • 1 Oliveira Salazar, “As Grandes Certezas da Revolução Nacional” in Discursos e Notas Políticas, II, 1 (...)
  • 2 António Costa Pinto, “nacionalismo” in Dicionário de História de Portugal, vol. VIII. Suplemento F/ (...)
  • 3 Rui Ramos, “A Segunda Fundação (1890-1926)” in História de Portugal, vol. VI, dir. José Mattoso, 1.(...)

1O salazarismo – solução política autoritária nascida e consolidada na década de 1930 – teve como um dos seus principais pressupostos políticos e doutrinais a indiscutibilidade da “pátria” e da sua “história”. Este argumento político-ideológico, glosado repetidamente por apoiantes e críticos do regime, como por muitos dos seus estudiosos, foi pela primeira vez utilizado como auto-retrato do Estado Novo no discurso proferido por Oliveira Salazar em Braga aquando das comemorações do chamado ano X da Revolução Nacional.1 É verdade que estes como outros dos seus principais pressupostos políticos e doutrinais tiveram uma história que foi a do próprio regime e das suas circunstâncias, o que significa que não foram proferidos, utilizados e compreendidos da mesma forma, por emissores e por destinatários, ao longo do salazarismo e da curta experiência marcelista. Independentemente do momento e das suas circunstâncias, e do salazarismo ter apelado a outros princípios políticos e doutrinais naquele mesmo discurso de Braga ou noutros momentos da sua existência, é óbvio que a evocação da indiscutibilidade da “pátria” e da sua “história” clarifica aquela que foi uma das dimensões mais importantes do discurso e da prática política nacionalista no decurso da vigência do moderno autoritarismo português enquanto regime político consolidado. No entanto, esta realidade remete ainda para uma corrente de pensamento cujas origens se encontram nas tradições monárquicas e republicanas portuguesas, quer enquanto movimentos políticos e doutrinários, quer enquanto regimes políticos.2 Ou seja, independentemente dos elementos novos, que tanto no discurso como na prática, o salazarismo trouxe à vida política portuguesa em geral e ao nacionalismo português e à (re)constituição de uma identidade histórica portuguesa em particular, a verdade é que em Portugal, política e ideologicamente, o fenómeno do nacionalismo assente numa forte identidade histórica constituiu um importante elemento de continuidade desde, pelo menos, as últimas décadas do século XIX.3

  • 4 Note-se que o ideal das épocas douradas e sua evocação recorrente pelos mais vários grupos ou indiv (...)
  • 5 Valentim Alexandre, “A Política Colonial em Finais de Oitocentos. Portugal e a Sacralização do Impé (...)
  • 6 Rui Ramos identificou e analisou em vários trabalhos seus aquilo que, sobretudo em diversos sectore (...)
  • 7 Cujo ponto alto e emblemático foi a realização no ano de 1940, em Lisboa, da exposição do duplo cen (...)
  • 8 António Costa Pinto, op. cit., pp. 590-591. Fernando Catroga vai ainda mais longe na identificação (...)

2A opção pela evocação de determinadas personagens e épocas douradas da história portuguesa4 enquanto alicerce da identidade nacional lusa (caso dos descobrimentos e da expansão e de figuras que os protagonizaram como o Infante D. Henrique ou Vasco da Gama, entre muitos outros), ou a emergência e consolidação, num outro registo, do princípio da “sacralização”5 da soberania portuguesa sobre os seus territórios e povos coloniais como pedaço inalienável da nação, foram uma constante no discurso nacionalista português desde o último terço do século XIX, sendo raro encontrar vozes dissonantes capazes de criticarem o mito sobre o carácter sagrado dos territórios coloniais e aquilo que seria o destino trágico da nação se amputada daqueles.6 Nesse sentido, o discurso identitário nacional do Estado Novo, centrando a sua atenção na chamada fundação da nacionalidade, na restauração da independência nacional de 1640,7 no fenómeno da reconquista cristã, em episódios militares como a batalha de Aljubarrota ou em todo o processo de ocupação e colonização da África portuguesa ao longo do século XIX, a que se juntaria a chamada acção civilizadora portuguesa exercida um pouco por todo o mundo – intimamente associada à cristianização de África, da Ásia e da América –, além da já citada gesta dos descobrimentos (geográficos), pouco ou nada trouxe de novo no que respeita à escolha de eventos e/ou a protagonistas.8

  • 9 Jorge Seabra, “O Império e as Memórias do Estado Novo: Os Heróis de Chaimite” in Revista de Históri (...)

3No entanto, e por comparação com a I República ou a Monarquia Constitucional, a história e a memória do século XIX nunca mereceram especial atenção, e menos ainda, os favores e a simpatia do salazarismo – com a provável excepção do rei D. Carlos e do seu ministro João Franco, para além da já citada expansão e consolidação do império africano e da admiração circunspecta por alguns dos chamados militares africanistas levados à ribalta da vida política na passagem do século XIX para o século XX.9 Ora este esquecimento quase total e voluntário a que o salazarismo votou um século XIX que associava depreciativamente ao liberalismo e ao parlamentarismo e, portanto, ao início da degenerescência da nação e do Estado, não deixa ainda assim de suscitar uma interrogação sobre aquele terá sido o lugar ocupado pela “guerra peninsular” e pelos seus “heróis” na história e na memória do salazarismo, nomeadamente enquanto recursos utilizáveis na definição e consolidação da sua visão da identidade nacional portuguesa. Na verdade, e ao menos num momento delicado das relações político-diplomáticas luso-britânicas quando se cumpria o primeiro ano da guerra civil espanhola, Salazar não hesitou em evocar memórias da cooperação político-militar que os dois estados desenvolveram antes, durante e após as campanhas que expulsaram de Portugal e de Espanha as tropas napoleónicas:

  • 10 Oliveira Salazar, “Portugal, a Aliança Inglesa e a Guerra de Espanha” in Discursos e Notas Política (...)

“E é efectivamente numa troca de utilidades e serviços, que nós teimamos em crer vitais para ambas as nações [Portugal e Reino Unido], que a aliança tem funcionado sem outros embaraços ou atritos que os provenientes das pequenas desavenças familiares. Assim se não podemos esquecer a colaboração inglesa nas lutas que tivemos de manter quando das invasões napoleónicas em que Wellington se enchera de glória, também a Inglaterra certamente não esquece que já desde 1797-1799 a esquadra portuguesa colaborava com a britânica no Mediterrâneo e o Marquês de Nisa, seu comandante, recebia de Nelson o reconhecimento dos serviços prestados e do seu alto valor: «o procedimento de V. Ex.a, diz-lhe a carta de 24 de Outubro de 1797, ganhou-lhe o amor e a estima do governador Ball [governador de Malta], de todos os oficiais britânicos, dos seus marinheiros e do povo de Malta, e permiti-me que eu acrescente o nome de Nelson como um dos vossos mais calorosos admiradores como oficial e como amigo.»
Mais tarde, na preparação da campanha que levou a Waterloo, Wellington, cuja recordação do Buçaco se não obliterara, manifestava o desejo de que lhe fossem dados soldados portugueses, a cujas qualidades rendia os maiores elogios, certo, dizia, de que eles estimariam servir sob as ordens daquele que já os conduzira à glória.
Quando Nelson e Wellington assim falam a soldados portugueses, que atitude poderemos ter que não seja de pé e em sentido?”
10

  • 11 “Memória colectiva” é aqui entendida como sinónimo de “recordação colectiva”, apesar de se tratarem (...)

4Nada disto, porém, esconde a importância marginal que a guerra peninsular (ou as “invasões francesas”), teve na memória histórica e política do salazarismo. Mas a verdade é que uma análise de algumas manifestações daquela memória poderá ajudar a perceber e a clarificar aquilo que foram certos elementos de continuidade e de descontinuidade entre o salazarismo e a tradição monárquica e republicana enquanto regimes e ideologias, mas ainda ajudar a identificar o tipo de acontecimento histórico e respectiva memória colectiva que o salazarismo privilegiou ou desvalorizou.11 E isso que se poderá inferir de um exame dos relatos jornalísticos sobre as cerimónias de inauguração de dois monumentos (“lugares de memória”) aos “heróis” da “guerra peninsular”. A primeira ocorreu em Lisboa em Janeiro de 1933 e a segunda teve lugar na cidade do Porto em Maio de 1952, sendo que ambas, na sua especificidade e alguma modéstia, demonstram apesar de tudo que pertenciam a uma tradição comemorativista iniciada em Portugal no último terço do século XIX e que República, Ditadura Militar e Estado Novo continuaram e, tanto quanto lhes foi possível, rentabilizaram ideológica e politicamente.

O que é a memória e as utilizações da memória

5Antes de dar início a uma descrição e análise de dois acontecimentos que celebraram a resposta dos portugueses e dos seus aliados às invasões francesas, importa reflectir sobre algumas questões teóricas em torno do problema da memória e das suas utilizações.

  • 12 Alan Lacey, “Memory” in The Oxford Companion to Philosophy, Ed. Ted Hoderich, s.e., Nova Iorque-Oxf (...)

6No patamar do senso comum poder-se-á afirmar que ter “uma boa memória é ser-se capaz de recordar muitas coisas, rigorosa e facilmente. Mas o que é lembrar alguma coisa?”. Esta é a pergunta feita por Alan Lacey ao procurar definir “memória” enquanto conceito estritamente filosófico.12 Nesta acepção, o passado manifesta-se sempre de alguma maneira, mesmo que se imagine a existência de criaturas sem passado porque sem memórias ou memória. Porém, mesmo partindo deste pressuposto, tais criaturas teriam “algum conhecimento inato de factos acerca do passado,” além de que seriam possuidores de “imagens vividas e inexplicavelmente exactas de acontecimentos passados”, o que significa que este tipo percepção decorre sempre da lógica (ou da coerência) das palavras “memória” e “recordar”. Portanto, tudo e todos têm passado, memória e meios para recorrer a esta. Ou seja, e independentemente de, em teoria, apenas se poder recordar aquilo que se conhece, a verdade é que tal pode não acontecer em sentido estrito. Se alguém esquece alguma coisa e a reaprende mais tarde, não está a recordar essa “coisa” porque a sabia anteriormente. Ou seja, uma teoria causal da memória não só não explica essa reaprendizagem, como é possível recordar algo que não tenha acontecido, tanto a nível individual como colectivo (por ex., um indivíduo, uma comunidade, uma sociedade, um Estado, podem lembrar-se de alguma coisa mesmo que essa coisa nunca [lhe/lhes] tenha acontecido).

  • 13 Idem, ibidem, pp. 550-551.
  • 14 David Lowenthal, El Pasado es un País Extraño. Traducción de la séptima edición inglesa: Pedro Pied (...)
  • 15 David Lowenthal, op. cit., p. 283 e pp. 292-298

7Daí que o exercício da memória sobre factos passados e experimentados seja um acto da imaginação que inclui imagens uma vez que, para (tentar) recordar algo, são formadas (imaginadas) imagens daquilo que se recorda. Faz-se por isso a pergunta e suscita-se a dúvida: como distinguir aquilo que recordamos daquilo que imaginamos? Não sendo possível responder definitivamente a esta pergunta, certo é que relembrar uma experiência significa ter um qualquer tipo de imagem que se considera, de alguma maneira, corresponder à memória daquilo que se pretende recordar.13 Nesta perspectiva, memória e história tornam-se realidades similares. Ambas “são processos de intuição” e cada realidade contendo “componentes” da “outra” e, por isso, com “limites indefinidos”. No entanto, história e memória também se distinguem entre si uma vez que a recordação que preenche a memória é “iniludível e indubitável à primeira vista”, enquanto que a história é “contigente e pode ser examinada de modo empírico.”14 Nada disto impede que se considere que exista “«verdade»” nas recordações ou na memória, embora aquela e estas sejam “tão somente fragmentos dos fragmentos”.15

  • 16 No sentido em Benedict Anderson afirmou que uma nação é uma realidade construída e, portanto, imagi (...)

8Esta incursão pelos caminhos de uma definição do significado do termo “memória”, e da sua comparação com a história (ou historiografia) lança alguma luz sobre a utilidade que a “memória” (ou as “memórias”), e em particular a memória da “guerra peninsular”, teve para um regime político que começou a ganhar forma por volta de 1930, nasceu em 1933 e morreu em Abril de 1974, mas que foi mudando em muitas das suas características essenciais ao longo da sua história. Por outro lado, também ajuda a explicar a essência da memória colectiva e do uso que, a vários níveis, pode ser feito da memória ou das memórias. Por mais rigorosa que seja ou pretenda ser a memória de um acontecimento ou de uma personagem mais ou menos relevante, e o exercício dessa memória seja feito por um indivíduo, por uma família, por um clã, por uma comunidade, por um agrupamento político ou cívico, por um grupo social, por um Estado, por um regime, ou por uma nação, a verdade é que esse exercício supõe sempre o recurso à imaginação. Ou seja, a memória, por mais rigorosa que seja ou pretenda ser, é sempre imaginada e, portanto, uma construção.16

  • 17 Embora existam recordações e/ou memórias individuais, aqui considera-se que esta(s) só têm expressã (...)
  • 18 Pelo contrário, a “história formal [...] aspira chegar a um relato objectivo do passado, independen (...)

9Por outro lado, a memória é um elemento essencial da identidade humana no sentido em que ela reflecte a “consciência de uma ligação pessoal com o passado.” Já no caso de identidades culturais colectivas (nações ou etnias), é particularmente relevante o facto das gerações mais novas partilharem memórias daquilo que consideram ser o seu passado – as “experiências das gerações anteriores da mesma colectividade, e portanto de uma etno-história peculiar.” Como é óbvio, e no limite, uma experiência étnica pode ser – e é-o para muitos estudiosos do fenómeno do nacionalismo – a pedra angular da definição de uma comunidade de indivíduos, e em particular de uma nação. Nesse sentido, a memória individual ou colectiva17 de um determinado acontecimento ou personagem só ganha uma grande relevância no contexto da experiência nacional a partir do momento em que passe a fazer parte da essência das referências étnicas que contribuem para a formação e/ou consolidação de uma nação ou de uma nacionalidade. Por isso, a memória colectiva possui um projecto identitário normalmente baseado em narrativas heróicas, na evocação de pelo menos uma era dourada ou em referências a martírios individuais e/ou colectivos. Simultaneamente, é intolerante com a “ambiguidade” e ignora ou desvaloriza todas as evidências que questionem seriamente narrativas preestabelecidas. Por último, assenta numa explicação simplista do passado e tende a ser conservadora e resistente à mudança.18

  • 19 Anthony D. Smith, “Zionism and Diaspora Nationalism” in idem, op. cit., p. 208.
  • 20 Idem, “Introduction: ‘Ethno-symbolism’ and the Study of Nationalism” in ibidem, pp. 911 e James V. (...)

10A memória colectiva transmite-se das mais variadas formas. Tanto através das tradições orais no seio da família, do clã ou de uma comunidade, seja ela religiosa ou não. Noutros casos, a tradição oral é suplantada por textos “canónicos” – romances épicos, crónicas, hinos, profecias, leis codificadas, tratados, canções e outras manifestações de natureza política e cultural, como é caso de diversas formas de arte, artesanato, arquitectura, música ou dança.19 A verdade é que é através do uso recorrente deste tipo de ferramentas que se podem, por um lado, transformar grupos étnicos em proto-nações e estas em nações. Mas por outro lado, e é isso que aqui importa, muitos daqueles recursos, se devidamente rentabilizados, podem e são usados pelos Estados para afirmarem e reforçarem sentimentos identitários nas circunstâncias mais variadas e com fins muitas vezes divergentes. No entanto, esta leitura étnica do fenómeno nacionalista chama a atenção para o facto de tais manifestações não serem necessariamente um fenómeno eminentemente elitista do ponto de vista social e político, mas em grande medida uma manifestação que nasce junto à base da pirâmide social, influenciando posteriormente as suas camadas superiores. Por outro lado, no topo, na base ou nas camadas intermédias, a memória – enquanto manifestação, ou não, de uma etnicidade específica – é recorrentemente reinventada e adaptada às circunstâncias, apesar de apenas se tornar colectiva quando os membros de um determinado grupo partilham “ferramentas culturais” e o uso que delas fazem em ocasiões particulares.20

  • 21 Idem, “The Ressurgence of Nationalism? Myth and Memory in the Renewal of Nations” in ibidem, p. 262 (...)
  • 22 A “guerra peninsular” deu-se com a corte a salvo no Brasil, no contexto de vários levantamentos pop (...)

11No caso da memória da “guerra peninsular”, e dos usos comedidos que dela fez o salazarismo, cabe ajuizar em que medida foi essa memória utilizada para compor o espectro dos acontecimentos particularmente fundadores e definidores daquilo que seria o carácter essencial da nação portuguesa tal como imaginada entre 1930 e 1974. Ou seja, um exercício feito à imagem da teorização produzida por Ernest Renan que reconhecia o significado que tinham as memórias partilhadas de grandes sacrifícios e experiências bélicas para formação das nações,21 sendo que uma das possíveis razões para o lugar modesto ocupado pela “guerra peninsular” na galeria dos acontecimentos míticos da história, da memória e da identidade portuguesa durante o salazarismo se deva ao facto daquela, comparativamente, ter representado um êxito assinalável em si mesmo, mas frustrado e frustrantes nas suas repercussões, nomeadamente ao ter contribuído para a introdução do liberalismo em Portugal, enfraquecendo política e socialmente o país por dividir irremediavelmente os portugueses e promovido a separação do Brasil do restante império português.22

  • 23 Jacques Le Goff, “Memória” in Memória História, volume 1, Enciclopédia Einaudi (dir. Ruggiero Rom (...)

12Finalmente, e embora a “memória colectiva” possa ser interpretada como “um instrumento e um objectivo de poder”, ou que seja utilizada para “salvar o passado [e] para servir o presente e o futuro”, não parece que conduza necessariamente à sua continuada utilização apenas com objectivos perversos. De facto, e ao contrário daquilo que concluiu Jacques Le Goff, haverá (subsistirá) sempre uma distinção entre aquilo que é a utilização da “memória colectiva” para “a libertação” dos “homens” ou tão somente para garantir a sua “servidão”.23 Aliás, qualquer análise sobre a utilização, criação e manipulação de memórias colectivas depara-se sistematicamente com a ambiguidade na adjectivação a usar. Isto porque aquilo que para alguns será a “libertação” através de uma determinada utilização, criação e manipulação de memórias colectivas, para outros poderá ser sempre sinónimo de “servidão”.

O Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular de Lisboa (1933)

  • 24 “O sr. general Carmona assistiu ao desfile, tendo a seu lado o sr. dr. Oliveira Salazar e os Embaix (...)
  • 25 Diário da Manhã, 8 de Janeiro de 1933, p. 5.

13Por volta das 14,30h do dia 8 de Janeiro de 1933, realizou-se em Lisboa, entre o Campo Grande e a Avenida da República, a “inauguração solene do Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular.” Diante do presidente da República,24 de vários ministros, a começar pelo próprio presidente do Conselho, Oliveira Salazar, de “altas patentes do Exército de Terra e Mar, [d]o Corpo Diplomático acreditado em Lisboa, a Comissão do Monumento, representante do Município da capital e outras entidades que para esse efeito foram convidadas”, Albino dos Reis, ministro do Interior, seria o membro do Governo a discursar em “nome do Governo”, dirigindo-se “Ao povo e aos heróis da Guerra Peninsular.” Da cerimónia constaria ainda a entrega, por parte da Comissão do Monumento à comissão administrativa da Câmara Municipal de Lisboa, para que esta o guardasse “carinhosamente”, do “padrão que perpetua na pedra e no bronze a heroicidade da gente portuguesa nas campanhas napoleónicas.” Por fim, o Exército prestaria a sua “homenagem [...] aos heróis que foram seus antepassados” desfilando e “desfraldando estandartes e ao toque alacre e guerreiro dos clarins [...].” Fá-lo-ia perante o novo Monumento, um dos “mais lindos que Lisboa” passava a possuir.25

  • 26 A “cerimónia do lançamento da primeira pedra” ocorreu no dia 15 de Setembro de 1908. Na cerimónia d (...)
  • 27 Diário da Manhã, 9 de Janeiro de 1933, pp. 6-7. Nas palavras do general Teixeira Botelho, o monumen (...)

14Como recordou o general Teixeira Botelho, a ideia de construção do monumento remontava ao ano de 1907,26 quando “alguns artigos publicados na imprensa militar lembraram que se completava um século” sobre o momento em que Portugal “tinha sido convulsionado por acontecimentos tão indelevelmente gravados na alma e na memória do povo”. Acontecimentos esses que a “tradição” trouxera até ao presente, nomeadamente “nas mais recônditas aldeias da terra portuguesa”, ainda que “por vezes” esses acontecimentos tivessem sido “fantasiosamente alterados.” A partir daquele ano, a generalidade da imprensa apoiou a ideia da comemoração do centenário do início das invasões francesas. Constituiu-se então uma Comissão Oficial Executiva do Centenário da Guerra que só cessaria as suas funções no dia de inauguração do monumento localizado em Lisboa junto ao parque do Campo Grande, mas deixando por executar um outro que, com as mesmas características, deveria ser erguido no Porto (na Rotunda da Boavista) mas que apenas em 1952 ficaria concluído.27

15A citada comissão, proposta por um deputado, aceite por aclamação pelo parlamento e organizada a nível governamental ainda no tempo da monarquia, sobreviveu a vários regimes políticos, concebendo um programa de comemorações que “abrangia os acontecimentos principais” dos “calamitosos seis anos de luta, de glória e de sofrimento:”

  • 28 Como recordou o general Teixeira Botelho, presidente da “comissão do “Monumento”, o programa das co (...)

o lanço decisivo de Vimieiro, o restabelecimento do Governo Nacional, depois de expulso o inimigo, a defesa do rio Minho contra as arremetidas das forças invasoras, e a do Castelo de Chaves, a restauração do Porto; o encontro glorioso do Buçaco, a barreira formidável de Torres Vedras, que, no dizer do grande escritor, libertou a Europa, o cerco de Campo Maior, a série imensa e gloriosa dessas lutas aquém e além da fronteira até o memorável dia 19 de Abril de 1814, que pôs termo à guerra [...].”28

  • 29 Ibidem, p. 7.

16De qualquer modo, para o general Teixeira Botelho, era com orgulho e um certo alívio que se consumava a muito aguardada e desejada inauguração de um monumento que pagava “a dívida que a nação contraíra com os que lidaram pela sua independência.” Na opinião do general, havia que cumprir o “dever” para com aqueles que tinham feito “tantos e tão grandes sacrifícios pela Pátria.” O monumento era pois “dedicado ao Povo e aos Heróis da Guerra Peninsular”, um “povo que nesse ímpeto leonino – tão bem simbolizado no leão, de ameaçadora catadura, que orna o pedestal – se ergueu para libertar a Pátria, sem se deixar vencer pelo terror napoleónico que dominava a Europa.”29

  • 30 “A companhia de Marinha é constituída por três pelotões de 16 filas cada pelotão; os batalhões de C (...)
  • 31 “Na formatura e no desfile das tropas da guarnição comparecerá uma força de Caçadores 7, sob o coma (...)

17Sucedeu, porém, que no ocaso da Ditadura Militar, mas num momento em que não se sabia exactamente quando e como terminaria este regime político transitório, a cerimónia de inauguração do monumento de celebração dos “heróis” da Guerra Peninsular foi acima de tudo um acontecimento político-militar porque nela se destacou o papel excepcional que o exército português tivera naquelas campanhas, mas também, e acima de tudo, o protagonismo que esse mesmo exército tivera na vida pública portuguesa desde a Grande Guerra e, especialmente, desde Maio de 1926. Daí a presença de grande número de militares nas cerimónias,30 mas, sobretudo, a especial evocação que foi feita do papel que o batalhão de Caçadores 7 tivera nas campanhas de resistência e expulsão das tropas napoleónicas da Península Ibérica.31

  • 32 Os autores do monumento eram dois portuenses. José de Oliveira Ferreira foi o estatuário e Francisc (...)
  • 33 “«Armas não deixarão, enquanto a vida
    Os não deixar ou nelas for perdida.»”

18Mas se na forma como as cerimónias foram organizadas, e depois decorreram, coube ao exército um lugar de relevo, o monumento em si evocava outros protagonistas da história portuguesa e da resistência aos franceses. Na descrição do monumento32 feita no Diário da Manhã destacavam-se as “linhas e figuras de um simbolismo profundo” que representavam “o Portugal glorioso dos nossos antepassados célebres, relicário que o povo defende.” A sua “base” irregular aludiria ao “acidentado do nosso pitoresco País. De um lado o mar limita-o, do outro o escudo de Afonso Henriques marca a linha de fronteira.” Nos “grupos esculturais” do monumento podiam ver-se, na fachada sul, a “principal”, o “povo exaltado, cioso da sua independência”, a defender e a “guardar religiosamente as glórias que o Monumento representa, jurando junto ao túmulo de Vasco da Gama, encimado pelo brasão de Portugal na época de D. João I.” Na fachada nascente podia ver-se “um grupo de combatentes” afadigado em “trabalhos bélicos”. Ao “fundo” havia um “pórtico” de “estilo manuelino que agasalha o túmulo de D. Nuno Álvares Pereira, encimado pelo brasão de tão extraordinário patriota e guerreiro”, podendo ler-se “por baixo” deste grupo uma estrofe do IV canto dos Lusíadas,33 A fachada poente, por seu lado, “alude às ruínas”.

“No limiar de um pórtico religioso, demolido, uma rapariga ultrajada implora, de joelhos, perdão a seu pai que chora também a sua desdita, renegando o inimigo e os horrores da Guerra. No cunhal do mesmo, um grupo caído intensifica mais a dor que a todos punge.
Na fachada posterior – Norte: um leão, símbolo da força, e como alusão ao povo português, repousa finalmente, lambendo a garra sempre pronta, sobre os despojos da Guerra.
Ao fundo o túmulo de Luís de Camões, lendo-se sobre este uma estrofe do seu poema, alusiva ao amor pátrio desinteressado, dos portugueses.”

  • 34 Ibidem (2.a e 3.a coluna).

19O “conjunto”, “dominado por uma alegoria ao feito” celebrado, nela figurando “um grupo que, lutando, arranca a sua bandeira das garras da águia napoleónica, que a abandona, fugindo e deixando algumas penas”, é ainda composto por um “grupo” que entrega da “bandeira à Pátria, figura primacial, que a recebe agradecida levantando a gloriosa espada, envolta em louros do fundador da nossa nacionalidade.” A “base” do citado “grupo era orlada com os brasões das cidades e vilas que mais se distinguiram na Guerra Peninsular.” Por fim, no “cunhal principal do Monumento encimado pelo brasão de Portugal, da época de D. Manuel I, suportado por um dragão, estão gravados a caracteres de ouro os nomes das principais batalhas feridas desde Vimeiro a Tolosa.”34

  • 35 Embora muito associadas ao movimento republicano português, movimento aliás politicamente muito fra (...)

20Como é óbvio, e embora o elemento militar não estivesse de todo ausente do monumento inaugurado a 8 de Janeiro de 1933, a mensagem emitida pelo monumento, e pelos seus autores, era essencialmente de glorificação do “povo” (ou da “nação”) e das suas principais figuras históricas, com especial destaque para Camões que, a partir das comemorações do III centenário da sua morte, viu renascer e consolidar o seu papel de símbolo maior da identidade nacional portuguesa.35 Ou seja, enquanto que a mensagem política dos autores do monumento era nacionalista e democrática (ou popular), a daqueles que organizou a cerimónia da sua inauguração era nacionalista e corporativa, no sentido em que centrava no exército o protagonismo e a responsabilidade pelos êxitos político-militares obtidos no decurso da guerra peninsular. Ora era também o exército que protagonizara, ou se desejara que protagonizasse, a vida política portuguesa desde o 28 de Maio de 1926 o, que na sua óptica e na dos seus apoiantes, iniciara e consolidara um processo de regeneração política e social da nação. Por outro lado, as cerimónias davam lugar de destaque ao exército de forma a proporcionar-lhe uma imagem de unidade político-ideológica que efectivamente nunca tivera desde o nascimento da Ditadura Militar.

21Embora a inauguração do monumento de Entrecampos não tenha merecido por parte dos principais jornais portugueses a atenção dos editoriais – a imprensa cingiu-se a relatar o acontecimento – a verdade é que uma das poucas, senão a única opinião sobre o evento, seria publicada no Jornal de Notícias. E aí, além da valorização do elemento popular na luta contra o invasor francês, o cronista juntou-lhe o elemento potencialmente modernizador e indiscutivelmente revolucionário da guerra peninsular:

  • 36 “Carta de Lisboa” in Jornal de Notícias, 11 de Janeiro de 1933, p. 1.

Foi o tremendo desaire das três invasões francesas que principiou a outorgar a Portugal a maioridade, depois daquela segunda infância, do marasmo em que mergulhara após o rijo abalo imprimido pela administração severa, despótica, do marquês de Pombal.
E nas três violações [invasões] foram outras tantas janelas bruscamente abertas sobre o mundo exterior. Os nossos oficiais e soldados com os ingleses, de espada e espingarda na mão, viram mundo. Reconheceram mais uma vez que valiam, pelo menos, tanto como os outros. Aprenderam a ter confiança em si. Trouxeram para os focos intelectuais das escolas, dos livros, das salas, dos regimentos, das lareiras, ideias novas. A propaganda natural, expontânea, sem o sentir, igualou-se a um apostolado. Portugal, neste segundo ciclo da sua história, esboçou o primeiro passo para ser conhecido além Pirinéus.
[...]
O monumento erguido aos combatentes da Guerra Peninsular não perpetua apenas o valor militar da raça. Vai mais adiante. Equivale um marco miliário na marcha progressiva da sua intelectualidade e civismo.
36

22No entanto, este não foi o padrão. As noticias, à falta de editoriais, ou bem que destacavam nos seus relatos a valorização do lado oficial e militar do evento, ou então interpretavam o papel do povo nos acontecimentos de início do século XIX, ou a presença de populares na cerimónia de inauguração do monumento, não como agentes com vontade própria mas sempre submetidos a uma lógica que os transcendia e enquadrava. Povo ou populares existiam e tinham existido, agiam e tinham agido, em função da nação, da pátria e do exército (este sendo uma das superiores e legítimas emanação daquelas).

  • 37 “Ao povo e aos heróis da guerra peninsular. Foi ontem inaugurado o novo monumento que perpetua a he (...)

23Para o Diário da Manhã, jornal criado para apoiar a Ditadura Militar e que posteriormente se tornou em jornal oficioso do Estado Novo, a evocação do povo, nas referências aos eventos celebrados, na forma como era retratado no monumento ou no que se referia à sua assistência à inauguração deste, fez-se, na prosa nacionalista típica dos chamados regimes autoritários nacionalistas, recordando e louvando as respectivas “virtudes rácicas” e a sua condição de agente colectivo, orgânico, enquadrado por uma hierarquia de valores e de organização social cristalizada. Ainda assim, o Diário da Manhã não deixou de evocar aqueles que poderiam ser interpretados como típicos valores republicanos quando, ao pretender sublinhar o “alto valor da cerimónia” realizada numa tarde solarenga de Domingo, vincou o “Valor patriótico, cívico, moral, valor que acalenta as almas e prepara para o futuro o peito sempre forte da gente lusitana.”37

O Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular do Porto (1952)

  • 38 Como sublinhou, em editorial, o Diário da Manhã, “Eis por que, - se o Chefe do Estado aceitou a coi (...)

24Quando, em Lisboa, foi inaugurado o monumento aos heróis da Guerra Peninsular, fez-se referência ao facto de haver o compromisso, que remontava a 1908, de construção no Porto de um monumento que celebrasse e perpetuasse o centenário daquele acontecimento que, aliás, marcara profunda e tragicamente a história da cidade. No entanto, apenas em Maio de 1952 a construção do monumento foi dada como concluída e inaugurada, o que sucedeu na sequência de uma visita que o presidente Craveiro Lopes fez àquela cidade e no decurso da qual presidiu às cerimónias do 26.o aniversário do 28 de Maio de 1926.38

25Nos dezanove anos e quatro meses que separaram Janeiro de 1933 de Maio de 1952, Portugal e o mundo tinham mudado substancialmente, embora muito mais o segundo do que o primeiro. No decurso de quase duas décadas, a Europa conhecera o fim dos fascismos e do nazismo, a ascensão do comunismo, fora destruída por uma guerra que alastrou ao Atlântico, ao norte de África e ao extremo oriente, transformando as grandes potências europeias em actores secundários na política internacional. A Europa, protegida e/ou vigiada a leste pela URSS e a ocidente pelos EUA, tornara-se no epicentro da Guerra Fria e num espaço ora de cooperação ora de conflito nos domínios militar, económico e político. Em Portugal, e apesar do Estado Novo, corporativo e nacionalista ter sobrevivido às ofensivas lançadas por oposições internas renovadas com a mudança da conjuntura política e ultrapassado com êxito os desafios externos colocado pela guerra civil de Espanha, pela Segunda Guerra Mundial e pela vitória e consolidação progressiva das democracias na Europa ocidental depois de 1945, não deixara ainda assim de ter que se adaptar às novas realidades. A sociedade e economia tinham mudado muito com o impacte de duas guerras sucessivas, da mesma forma que a oposição política ganhara novos rostos, novos programas e novos objectivos. Por outro lado, se os desafios e as sucessivas crises provocadas pela conjuntura iniciada em 1936 e concluída em 1945 pareceram poder impor uma mudança no regime ou de regime, a verdade é que o Estado Novo a atravessou intacta, mesmo que pagando um preço, e sabendo adaptar-se a muitos dos novos desafios e circunstâncias. O regime manteve a matriz político-ideológica, mas renovou razoavelmente a elite política que o sustentava, nomeadamente a nível governamental. Por outro lado, rendendo-se ao acessório para salvaguardar o essencial, soube no domínio da política externa participar em iniciativas que acabariam por mudar substancialmente o perfil político e social da Europa ocidental, o que sucedeu com o lançamento do Plano Marshall ou a fundação do Pacto do Atlântico.

  • 39 O comboio em que Craveiro Lopes, a sua mulher e alguns elementos do Governo se deslocaram entre Lis (...)

26Portanto, em finais de Maio de 1952, com Craveiro Lopes ainda no seu primeiro ano de mandato após a morte de Carmona no ano anterior, ultrapassada que estava a crise política lançada por monárquicos salazaristas que viram no desaparecimento do marechal uma oportunidade para tentar impor a restauração da monarquia, o Estado Novo recuperou ânimo e iniciativa política que as comemorações do 28 de Maio no Porto pretendiam ratificar. Ora a sucessão de eventos ocorridos naquela cidade nos últimos dias de Maio, entre eles várias inaugurações de todo o tipo de “melhoramentos materiais”, não deu azo a que a inauguração do monumento evocativo da participação portuguesa na guerra peninsular assumisse grande significado, podendo até parecer acima de tudo um capricho. Por isso, a imprensa destacou, além do alegado vigor do regime e das principais personagens que lhe dariam forma e substância no momento de mais um aniversário, a presença de milhares de portuenses nas ruas para verem e aplaudirem o circunspecto e não muito popular Craveiro Lopes.39 Além disso, a “obra” de Salazar, a verdadeira e única pedra angular do regime, mereceu elogios em diversos editoriais, ao mesmo tempo que a propósito das comemorações ocorridas no Porto e arredores se destacaram as inaugurações de variados “melhoramentos materiais” que, beneficiando as condições de vida das populações, pretendiam reflectir o vigor e os méritos do regime.

27Na tarde em que ocorreu a chegada de Craveiro Lopes ao Porto, realizou-se a inauguração do “monumento comemorativo da guerra peninsular.” Localizado na rotunda da Boavista (ou praça Mousinho de Albuquerque), Craveiro Lopes deslocou-se a pé para junto daquele após a inauguração, em Matosinhos, do novo mercado do Bom Sucesso.

  • 40 “Um esquadrão de Cavalaria 6 e forças de Metralhadoras 3 e Infantaria 6, com banda de música e tern (...)
  • 41 Ibidem.

28Nas imediações do monumento encontravam-se perfiladas forças militares que prestavam guarda de honra.40 Mas para além da tropa, davam especial solenidade à cerimónia, pela sua presença na “tribuna”, as “Ligas dos Combatentes da Grande Guerra, portuguesa, francesa e britânica.” No discurso feito pelo presidente da Câmara Municipal do Porto, chamou-se a atenção para o atraso de décadas na conclusão da obra, mas sobretudo para o facto da inauguração ter tido a maior “solenidade” por ter podido contar com a presença do presidente da República. Em seguida, afirmou que nas “pedras erguidas e na escultura do bronze” estava contida a “homenagem do Porto aos Heróis de uma defesa bem lusitana contra poderes estranhos à liberdade da Pátria e do seu Povo.” Concluiu afirmando que o monumento ficaria, “pelo tempo fora, testemunhando morredoiramente um preito de justiça e de solidariedade, afirmando o espírito forte da nossa Independência, vitoriando o brio da nossa gente, o heroísmo dos nossos soldados, consagrando, na dureza da pedra e na eternidade do bronze, a altivez de um povo, a perspectiva de uma eterna Nação!”41

29Ao contrário do sucedido em acontecimento idêntico dezanove anos antes em Lisboa, o presidente da República discursou. Este facto pode ser interpretado como querendo significar a maior importância que Craveiro Lopes deu à inauguração de um monumento que homenageava os heróis da Guerra Peninsular, por comparação com aquela que lhe terá sido atribuída por Carmona em Lisboa, quase vinte anos antes. Seja como for, Craveiro Lopes celebrou “o valor dum povo que em período trágico da vida nacional [...] soube sacrificar vidas e fazendas numa luta sem quartel em defesa da sua Pátria.” Evocando o papel da região norte na luta contra os invasores franceses, Craveiro Lopes lembrou diversas escaramuças ocorridas entre forças muito desiguais e o talento dos seus líderes. O discurso presidencial concluiu-se depois com a celebração das virtudes de uma vida pacífica e a preocupação pela gravidade da conjuntura política internacional:

  • 42 Ibidem. “Acompanhado pelos membros da sua casa militar e pelas individualidades da sua comitiva, [. (...)

“O conhecimento das violências, das ruínas e das misérias então sofridas dá-nos boas razões para desejar ardentemente que Portugal possa continuar a viver em paz, mas as condições em que se encontra o Mundo Ocidental, ameaçado por uma poderosa nação do Oriente que dia a dia aumenta a sua formidável máquina militar, obriga-nos a juntar os nossos recursos aos de outras nações pacíficas, para nos prepararmos para combater onde for necessário em defesa da nossa civilização, desses mesmos bens materiais e espirituais que herdámos dos nossos maiores, e que aqueles cuja memória aqui agora celebramos – vai em cerca de século e meio – tão heroicamente defenderam.”42

Epílogo

30Ao contrário do sucedido com outros acontecimentos marcantes da história portuguesa, a memória da Guerra Peninsular viu perder importância ao longo do século XX, sobretudo no longo período que mediou entre as celebrações do l.° e do 2.° centenário do seu início. De qualquer modo, e comparativamente, as comemorações do 2.° centenário não tiveram qualquer expressão política e/ou pública comparável à ocorrida em torno do ano de 1908. Durante a vigência da Ditadura Militar e do Estado Novo, essa memória e o uso dessa memória, feito quer pelos poderes públicos – político ou militar – quer pela sociedade civil também esmoreceu muito significativamente, sendo que os diferentes níveis de solenidade e de projecção pública que tiveram as inaugurações dos monumentos de Lisboa, em 1933, e do Porto, em 1952, são disso um claro exemplo. Enquanto que a inauguração do monumento de Lisboa se tratou de uma cerimónia que valeu por si própria e teve grande lugar de destaque na vida pública, a cerimónia de inauguração do monumento portuense fez-se aquando de uma visita de Craveiro Lopes ao Porto, facto político com grande importância em si mesmo tendo em conta o destaque que mereceu nos media da época, ao mesmo tempo que se diluiu num programa mais vasto de comemoração do 26.° aniversário do 28 de Maio. É por isso evidente que para a liderança político-militar do regime autoritário nascido em 1933 e desaparecido em 1974, a Guerra Peninsular não beneficiou da atenção e do interesse político que mereceram outros acontecimentos da história portuguesa. Compare-se, por exemplo, a projecção que tiveram as comemorações dos descobrimentos e da fundação e restauração da nacionalidade em 1940, a comemoração do V centenário da morte do infante D. Henrique em 1960, ou a celebração dos 800 anos da conquista cristã de Lisboa aos mouros, com a ausência de cerimónias públicas minimamente relevantes em torno dos 150 anos do início da Guerra Peninsular, já para não falar na relativa modéstia dos eventos ocorridos no Campo Grande em Lisboa em Janeiro de 1933 e, sobretudo, na rotunda da Boavista em Maio de 1952.

31Como é bom de ver, qualquer sociedade, Estado ou regime político escolhe os heróis e os eventos que celebra com mais fervor colectivo e, portanto, desse ponto de vista, a Guerra Peninsular, como muitos outros eventos, poderia, ou não, ser preterida ou favorecida. No entanto, convém sublinhar que embora acarinhada por alguns sectores da sociedade portuguesa e pelo poder político aquando do seu I centenário, a Guerra Peninsular veio, em boa medida por causa da queda da monarquia e pelo subsequente agravamento da conjuntura política, económica e social, a perder importância. Em 1933, essa importância foi recuperada, em 1952 também, uma vez que se concluíram e inauguraram monumentos que foram pensados em 1908. No entanto, a utilização política do acontecimento e das celebrações foi reduzida, particularmente em 1952 quando foi discreta para não dizer envergonhada. E isto porquê? Provavelmente por duas razões. A primeira terá tido que ver com o facto da galeria de acontecimentos e personagens verdadeiramente aproveitáveis pela memória colectiva se encontrar relativamente saturada com acontecimentos e personagens ligadas à “fundação da nacionalidade”, à crise de 1383-85 e à sua guerra de independência contra Castela, à época dourada dos Descobrimentos com as suas grandezas e misérias, à Restauração e, finalmente, ao século XVIII joanino e pombalino. A segunda terá essencialmente que ver com o facto de a Guerra Peninsular, a luta contra as invasões e a ocupação francesa ter iniciado em Portugal o processo de destruição de um sistema político e social tradicional que desaguou na instauração e consolidação das instituições políticas liberais e, antes disso, na perda do império brasileiro. Ou seja, como acontecimento mítico ou fundador, sobretudo, para um regime político autoritário e anti-liberal a Guerra Peninsular, excepto na sua dimensão militar, pouco ou nada tinha que merecesse grandes atenções e cuidados do ponto de vista do uso político da memória. Assim foi até aos dias de hoje.

Bibliographie

Bibliografia

ANDERSON, Benedict, Imagined Communities: Reflections on the Origin and Spread of Nationalism. Revised Edition, s.e., Londres e Nova Iorque, Verso, 1991.

ALEXANDRE, Valentim, “A Política Colonial em Finais de Oitocentos. Portugal e a Sacralização do Império” in idem, Velho Brasil. Novas Africas. Portugal e o Império (1808-1975), s.e., Porto, Ed. Afrontamento, 2000, pp. 147-162.

ALMEIDA, Lopes de, “A “guerra peninsular”” in História de Portugal, vol. VI, dir. Damião Peres, s.e., Barcelos, Portucalense Editora, 1934, pp. 321-348.

AMEAL, João, “D. João VI e o Brasil” in Separata das Memórias, Lisboa, 1965.

AMEAL, João, História de Portugal: Das Origens até 1940, 7.a ed., Porto, Livraria Tavares Martins, 1974.

CATROGA, Fernando, O Céu da Memória. Cemitério Romântico e Culto Cívico dos Mortos em Portugal, s.e., Coimbra, Minerva, 1999.

CATROGA, Fernando, Memória, História e Historiografia, 1.a ed., Coimbra, Quarteto, 2001.

COLLINGWOOD, R. G., A Ideia de História, 7.a ed., Lisboa, Ed. Presença, 1989.

CUNHA, Augusto M. Lopes da, Memórias das Festas da Inauguração do Obelisco Comemorativo da “guerra peninsular” e Catálogo da Exposição Histórico-Bibli-Iconográfica: 10 de Outubro de 1954, s.e., s.l., s.d. (1955).

LACEY, Alan, “Memory” in The Oxford Companion to Philosophy, Ed. Ted Hoderich, s.e., Nova Iorque-Oxford, Oxford University Press, 1995, pp. 550-551.

LE GOFF, Jacques, “Memória” in Memória – História, volume 1, Enciclopédia Einaudi (dir. Ruggiero Romano), s.e., s.l., Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1997, pp. 11-50.

LOWENTHAL, David, El Pasado es un País Extrano. Traducción de la séptima edición inglesa: Pedro Piedras Monroy, s.e., Madrid, Ediciones Akal, 1998.

PEREIRA, Angelo, D. João VI Príncipe e Rei. A Retirada da Família Real para o Brasil. 1807, s.e., Lisboa, Empresa Nacional de Publicidade, 1953.

PINTO, António Costa, “nacionalismo” in Dicionário de História de Portugal, vol. VIII. Suplemento F/O, coord. António Barreto e Maria Filomena Mónica, s.e., Porto, Livraria Figueirinhas, 1999, pp. 589-593.

RAMOS, Rui, “A Segunda Fundação (1890-1926)” in História de Portugal, vol. VI, dir. José Mattoso, 1.a ed., s.l., Círculo de Leitores, 1994.

RAMOS, Rui, “As origens ideológicas da condenação das descobertas e conquistas em Herculano e Oliveira Martins”, Análise Social, XXXII (140), 1997, pp.113-141.

RAMOS, Rui, “Um novo Brasil de um novo Portugal: a história do Brasil e a ideia de colonização em Portugal nos séculos XIX e XX”, Penélope, n.o 23, 2000, pp. 129-152.

RAMOS, Rui, “O Império Que Nunca Existiu. A Cultura da Descolonização em Portugal. C. 1960 - C. 1980”, Revista de História das Ideias, vol. 28, 2007, pp. 429-478.

SALAZAR, Oliveira, “Portugal, a Aliança Inglesa e a Guerra de Espanha” in Discursos e Notas Políticas, II, 1935-1937, 2.a ed., Coimbra, Coimbra Editora, 1945, pp.301-316.

SALAZAR, Oliveira, “As Grandes Certezas da Revolução Nacional” in Discursos e Notas Políticas, II, 1935-1937, 2.a ed., Coimbra, Coimbra Editora, 1945, pp.127-141.

SEABRA, Jorge, “O Império e as Memórias do Estado Novo: Os Heróis de Chaimite” in Revista de História das Ideias, vol. 17, 1995, pp. 33-78.

SMITH, Anthony D., “The Resurgence of Nationalism? Myth and Memory in the Renewal of Nations” in idem, Myths and Memories of the Nation, s.e., s.l., Oxford University Press, 1999, pp. 253-281.

SMITH, Anthony D., The Nation in History. Historiographical Debates about Ethnicity and Nationalism, s.e., s.l., Polity Press, 2000.

WERTSCH, James V. e ROEDIGER III, Henry L., “Collective memory: Conceptual foundations and theoretical approaches” in Memory, vol. 16 (n.o 3), Abril, 2008, pp. 318-326.

Notes

1 Oliveira Salazar, “As Grandes Certezas da Revolução Nacional” in Discursos e Notas Políticas, II, 1935-1937, 2.a ed., Coimbra, Coimbra Editora, 1945, pp. 127-141. Proferido em Braga, da varanda do quartel de infantaria n.o 8, em 26 de Maio de 1936, por ocasião da grande parada e festas ali realizadas em comemoração do décimo aniversário do movimento de 28 de Maio.

2 António Costa Pinto, “nacionalismo” in Dicionário de História de Portugal, vol. VIII. Suplemento F/O, coord. António Barreto e Maria Filomena Mónica, s.e., Porto, Livraria Figueirinhas, 1999, pp. pp. 589-593.

3 Rui Ramos, “A Segunda Fundação (1890-1926)” in História de Portugal, vol. VI, dir. José Mattoso, 1.a ed., s.l., Círculo de Leitores, 1994, pp. 67 e ss. Um outro novo e importante elemento na formação da identidade nacional portuguesa, desde meados do século XVIII ao início do regime republicano, foi o “culto cívico dos mortos” e a criação, consolidação e evolução do “cemitério romântico.” Fernando Catroga, O Céu da Memória. Cemitério Romântico e Culto Cívico dos Mortos em Portugal, s.e., Coimbra, Minerva, 1999.

4 Note-se que o ideal das épocas douradas e sua evocação recorrente pelos mais vários grupos ou indivíduos pertencentes a uma determinada comunidade – seja ela nacional ou não – é um fenómeno generalizado e parte do pressuposto segundo o qual é possível definir aquilo que, no passado, deve ou não ser admirado ou emulado, e aquilo que é ou que não é distintivo nessa mesma comunidade. As “épocas douradas” definem um “ideal” que serve não para ser ressuscitado mas sim para ser recreado em “termos modernos.” Foi isso que, nas suas diferenças, as mais diversas sensibilidades políticas e ideológicas da nação portuguesa procuraram e usaram nos momentos e nas personagens históricas que sistematicamente evocaram e usaram para construírem os mitos e as memórias dos vários rostos da nação e do nacionalismo português. Sobre as funções do ideal das épocas douradas na dimensão etno-histórica dos nacionalismos, Anthony D. Smith, “The Resurgence of Nationalism? Myth and Memory in the Renewal of Nations” in idem, Myths and Memories of the Nation, s.e., s.l., Oxford University Press, 1999, pp. 261-266.

5 Valentim Alexandre, “A Política Colonial em Finais de Oitocentos. Portugal e a Sacralização do Império” in idem, Velho Brasil. Novas Africas. Portugal e o Império (1808-1975), s.e., Porto, Ed. Afrontamento, 2000, pp. 147-162.

6 Rui Ramos identificou e analisou em vários trabalhos seus aquilo que, sobretudo em diversos sectores da inteligência portuguesa, nos séculos XIX e XX, foi a crítica sistemática aos descobrimentos e expansão portuguesa. Rui Ramos, “As origens ideológicas da condenação das descobertas e conquistas em Herculano e Oliveira Martins”, Análise Social XXXII (140), 1997, 113-141; idem, “Um novo Brasil de um novo Portugal: a história do Brasil e a ideia de colonização em Portugal nos séculos XIX e XX”, Penélope, n.o 23, 2000, 129-152 e idem, “O Império Que Nunca Existiu. A Cultura da Descolonização em Portugal. C. 1960-C. 1980”, Revista de História das Ideias, vol. 28, 2007, 429-478.

7 Cujo ponto alto e emblemático foi a realização no ano de 1940, em Lisboa, da exposição do duplo centenário do Mundo Português.

8 António Costa Pinto, op. cit., pp. 590-591. Fernando Catroga vai ainda mais longe na identificação das continuidades ao afirmar que “descontando algumas especificidades, desde o século XIX, um acervo transversal de mitos e de heróis”, o que no “caso português” é demonstrado através das “comemorações cívicas promovidas desde a Monarquia Liberal até praticamente aos nossos dias.” Fernando Catroga, Memória, História e Historiografia, 1.a ed., Coimbra, Quarteto, 2001, p. 59.

9 Jorge Seabra, “O Império e as Memórias do Estado Novo: Os Heróis de Chaimite” in Revista de História das Ideias, vol. 17, 1995, pp. 33-78.

10 Oliveira Salazar, “Portugal, a Aliança Inglesa e a Guerra de Espanha” in Discursos e Notas Políticas, II, 1935-1937, 2.a ed., Coimbra, Coimbra Editora, 1945, pp. 309-310. Discurso proferido na Sala dos Passos Perdidos da Assembleia Nacional, em 6 de Junho de 1937, ao agradecer aos oficiais de terra e mar os seus cumprimentos pelo malogro do atentado de 4 de Julho daquele ano. Itálico no original.

11 “Memória colectiva” é aqui entendida como sinónimo de “recordação colectiva”, apesar de se tratarem de realidades diferentes. Memória colectiva é um corpo de conhecimento partilhado por uma “cultura de indivíduos”, ao passo que a recordação colectiva se caracterizará por sublinhar a contestação política e social que constitui muitos relatos do passado. Por isso, a memória colectiva é um espaço privilegiado de confronto entre “cultura oficial” e “cultura vernácula.” James V. Wertsch e Henry L. Roediger III, “Collective memory: Conceptual foundations and theoretical approaches” in Memory, vol. 16 (n.o 3), Abril, 2008, p. 319.

12 Alan Lacey, “Memory” in The Oxford Companion to Philosophy, Ed. Ted Hoderich, s.e., Nova Iorque-Oxford, Oxford University Press, 1995, p. 550.

13 Idem, ibidem, pp. 550-551.

14 David Lowenthal, El Pasado es un País Extraño. Traducción de la séptima edición inglesa: Pedro Piedras Monroy, s.e., Madrid, Ediciones Akal, 1998, pp. 273-274. Ainda assim, e convém recordá-lo, Colingwood sustentou de modo convincente de que o “pensamento histórico é a actividade da imaginação” e que é “a ideia de imaginação histórica” – “forma de pensamento autónoma, autodeterminada e autojustificada” – que rege o “curso” do “trabalho” do historiador. R. G. Collingwood, A Ideia de História, 7.a ed., Lisboa, Ed. Presença, 1989, p. 306.

15 David Lowenthal, op. cit., p. 283 e pp. 292-298

16 No sentido em Benedict Anderson afirmou que uma nação é uma realidade construída e, portanto, imaginada pelos seus cidadãos, individual e colectivamente. Benedict Anderson, Imagined Communities: Reflections on the Origin and Spread of Nationalism. Revised Edition, s.e., Londres e Nova Iorque, Verso, 1991.

17 Embora existam recordações e/ou memórias individuais, aqui considera-se que esta(s) só têm expressão se “indivíduos situados socialmente” forem “agentes” de recordações ou memórias. James V. Wertsch e Henry L. Roediger III, op. cit., p. 321.

18 Pelo contrário, a “história formal [...] aspira chegar a um relato objectivo do passado, independentemente das consequências para a identidade.” Reconhece ainda a “complexidade e a ambiguidade”, ao mesmo tempo que está disponível para “rever as narrativas existentes à luz de nova evidencia.” Por isso, a história muda em resposta à disponibilização de nova informação. James V. Wertsch e Henry L. Roediger III, op. cit., pp. 320-321. Na verdade, nem todas as escolas historiográficas têm estas características benignas apontadas pelo autor. Historiografia há que, objectiva ou subjectivamente, se aproxima das características definidoras do discurso político identitário que define a “memória colectiva.” Por isso, não é apenas a “memória colectiva” (ou a “recordação colectiva”) que inventa, reinventa e reconstrói o passado para o colocar ao serviço do presente. A história (ou a historiografia) também o faz.

19 Anthony D. Smith, “Zionism and Diaspora Nationalism” in idem, op. cit., p. 208.

20 Idem, “Introduction: ‘Ethno-symbolism’ and the Study of Nationalism” in ibidem, pp. 911 e James V. Wertsch e Henry L. Roediger III, op. cit., p. 324.

21 Idem, “The Ressurgence of Nationalism? Myth and Memory in the Renewal of Nations” in ibidem, p. 262 e idem, The Nation in History. Historiographical Debates about Ethnicity and Nationalism, s.e., s.l., Polity Press, 2000, p. 12.

22 A “guerra peninsular” deu-se com a corte a salvo no Brasil, no contexto de vários levantamentos populares contra as tropas invasoras e/ou contra a o poder político vigente no reino e com a dupla ocupação político-militar (britânica e francesa) do território português. Por último, a guerra significou um empobrecimento material generalizado do país e dos seus habitantes.

23 Jacques Le Goff, “Memória” in Memória História, volume 1, Enciclopédia Einaudi (dir. Ruggiero Romano), s.e., s.l., Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1997, p. 47.

24 “O sr. general Carmona assistiu ao desfile, tendo a seu lado o sr. dr. Oliveira Salazar e os Embaixadores inglês e espanhol.” Sir Claud Russel, embaixador britânico em Lisboa, era neto paterno do lorde William Russel que acompanhara Wellington a Portugal na Guerra Peninsular, sendo mais tarde nomeado ministro do Reino Unido em Lisboa. A Voz, 9 de Janeiro de 1933, p. 4.

25 Diário da Manhã, 8 de Janeiro de 1933, p. 5.

26 A “cerimónia do lançamento da primeira pedra” ocorreu no dia 15 de Setembro de 1908. Na cerimónia de Setembro de 1908, como na de Janeiro de 1933, coube ao general Craveiro Lopes, pai daquele que veio a ser presidente da República (1951-1958), passar revista às tropas. A Voz, 9 de Janeiro de 1933, p. 4. Este jornal monárquico e católico deu cobertura noticiosa idêntica aos acontecimentos separados no tempo por 24 anos.

27 Diário da Manhã, 9 de Janeiro de 1933, pp. 6-7. Nas palavras do general Teixeira Botelho, o monumento do Porto “não pôde a Comissão levá-lo a cabo”, pelo que passou o “encargo, por acordo mútuo, e assentimento do Governo, para a Câmara Municipal do Porto”. Ibidem, p. 7.

28 Como recordou o general Teixeira Botelho, presidente da “comissão do “Monumento”, o programa das comemorações permitiu que ao longo de anos, de acordo com os “recursos” disponíveis e com as “circunstâncias”, se inaugurassem inscrições, lápides e padrões. Ibidem, p. 7.

29 Ibidem, p. 7.

30 “A companhia de Marinha é constituída por três pelotões de 16 filas cada pelotão; os batalhões de Caçadores 5 e 7 e Infantaria 1, serão constituídos por sua vez, por duas companhias de atiradores e uma de metralhadoras pesadas - cada unidade - com as respectivas bandas, bandeiras e corneteiros; o batalhão de Metralhadoras 1 apresentar-se-á com uma companhia apeada, com três pelotões, estandarte e clarins; nas tropas de pé figuram mais o B. Sapadores dos C. de Ferro com 1 companhia a 3 pelotões, bandeira, banda e clarins; e outra companhia da G.N.R. a 3 pelotões, igualmente com bandeira, banda e clarins. O regimento de Artilharia Ligeira n.o 3 comparece com uma bataria, material, estandarte e banda de clarins.
Mais um grupo de 2 esquadrões dos regimentos de Cavalaria 2 e 7 que formará em Belém para se organizar.
O desfile far-se-á por linhas de colunas, sendo pontos de continência o Monumento e a tribuna onde se encontra o Sr. Presidente da República.
Junto ao Monumento ficarão as bandas do regimento de Infantaria 1 e do batalhão de Caçadores 5 que tocarão durante o desfile das unidades.”
Diário da Manhã, 8 de Janeiro de 1933, p. 5.

31 “Na formatura e no desfile das tropas da guarnição comparecerá uma força de Caçadores 7, sob o comando do alferes sr. Sousa Machado que vestirá o uniforme de alferes de Caçadores 7, dos começos do século passado. O alferes sr. Sousa Machado será o portador da força, cujos componentes envergarão uniformes de Infantaria 1, 3, 7, 8, 12, 13, 14, 15 e 19, e Caçadores 1,3, 5 e 6.
[...] A bandeira que [...] será empunhada na cerimónia é uma cópia da antiga bandeira, que após a batalha da [sic.]
Vitória foi oferecida a esta unidade. Foi tal a heroicidade comque ela se portou naquela batalha, que uma real ordem de D. João VI, determinou que o batalhão citado usasse essa bandeira com as cores da sua casa.
Só os regimentos, nesse tempo, tinham direito a bandeira, o que demonstra o valor da intervenção de Caçadores 7 na batalha.”
Ibidem.

32 Os autores do monumento eram dois portuenses. José de Oliveira Ferreira foi o estatuário e Francisco de Oliveira Ferreira o arquitecto. Eram jovens estudantes na altura do lançamento do concurso

33 “«Armas não deixarão, enquanto a vida
Os não deixar ou nelas for perdida.»”

34 Ibidem (2.a e 3.a coluna).

35 Embora muito associadas ao movimento republicano português, movimento aliás politicamente muito fracturado ao longo da sua história, as comemorações do III centenário da morte de Luís de Camões (1580-1880) “constituíram uma grande confraternização cívica que envolveu todos os sectores sociais e empenhou por todo o país indivíduos das mais variadas proveniências ideológicas. Porém, as resistências oficiais à iniciativa, a simbologia do cortejo (em que era dado lugar privilegiado às entidades que representavam a descentralização, a ciência e o trabalho-valores caro aos republicanos), e a criação de um clima de revivescência mítica da grandeza nacional foram factores que levaram à fusão desse momento colectivo, de ardor quase religioso, com as expectativas republicanas.” Fernando Catroga, O Republicanismo em Portugal. Da Formação ao 5 de Outubro de 1910, 2.a ed., Editorial Notícias, 2000, pp. 33-34.

36 “Carta de Lisboa” in Jornal de Notícias, 11 de Janeiro de 1933, p. 1.

37 “Ao povo e aos heróis da guerra peninsular. Foi ontem inaugurado o novo monumento que perpetua a heroicidade da Raça nas campanhas napoleónicas” in Diário da Manhã, 9 de Janeiro de 1933, p. 6 (1.a coluna).

38 Como sublinhou, em editorial, o Diário da Manhã, “Eis por que, - se o Chefe do Estado aceitou a coincidência da sua visita oficial ao Porto com a data aniversári da Revolução, - a jornada hoje iniciada toma igualmente expressivos aspectos de natureza política.” Diário da Manhã, 27 de Maio de 1952, p. 1.

39 O comboio em que Craveiro Lopes, a sua mulher e alguns elementos do Governo se deslocaram entre Lisboa e o Porto, foi alvo, segundo a imprensa, de várias manifestações de simpatia e de ardor patriótico da parte de milhares de portugueses. As paragens do comboio presidencial em Santarém, em Fátima e em Aveiro valeram à comitiva expressivas manifestações de apoio aparentemente muito bem ensaiadas e executadas. Chegado ao Porto, onde desembarcou na estação de São Bento, Craveiro Lopes foi alvo de uma “grandiosa manifestação.” “O primeiro movimento da multidão - dezenas de milhares de pessoas do povo, do povo autêntico, humilde - que se estendia pela Praça Almeida Garrett, ruas de Mouzinho da Silveira, das Flores, Praça da Liberdade até ao cimo das Ruas dos Clérigos, foi de respeito: mal o Chefe do Estado apareceu à porta da estação de S. Bento, todas se descobriram a escutar o hino nacional. Terminado este, reboaram as salvas de palmas, enquanto sobre o ilustre visitante choviam milhões de pétalas, os «vivas» não cessavam. Vivia-se, sem a menor sombra de exagero, uma maré alta de entusiasmo sincero, espontâneo.
Quando o sr. Presidente da República subiu para o carro descoberto que havia de conduzi-lo à Câmara a onde, de pé, fez o percurso, as manifestações atingiram o rubro. E foi debaixo de um ininterrupta chuva de pétalas que caíam das janelas engalanadas com colchas, ao estrugir de aclamações, no delírio do entusiasmo, que o cortejo encetou a marcha, tomando pela Rua de Santo António.
O Chefe do Estado e os ministros que o acompanhavam tiveram ensejo de verificar quanto a população portuense sabe ser grata àqueles que lhe dispensam atenções, cuidam do seu bem estar e do seu progresso. E quando, amanhã, o sr. general Craveiro Lopes entrar no Estádio do Futebol Clube do Porto, estamos absolutamente certos de que a manifestação de vai ser alvo há-de ficar marcada, para sempre, no seu espírito.”
O Século, 28 de Maio de 1952, pp. 1-2.

40 “Um esquadrão de Cavalaria 6 e forças de Metralhadoras 3 e Infantaria 6, com banda de música e terno de clarins, prestava a guarda de honra.” Jornal de Notícias, 28 de Maio de 1952, p. 2.

41 Ibidem.

42 Ibidem. “Acompanhado pelos membros da sua casa militar e pelas individualidades da sua comitiva, [...] Craveiro Lopes prestou, depois, homenagem aos heróicos vencedores da Guerra Peninsular, depondo no sopé do monumento uma coroa de louros e guardando um minuto de silêncio, enquanto os ternos de clarim tocavam a sentido e a banda executava a marcha de continência.
Finda a tocante e expressiva cerimónia e rodeado pelo alto elemento militar e civil, o Presidente da República assistiu ao impecável desfile das forças, depois do que, sempre acarinhado pela multidão, regressou ao hotel onde teve lugar o jantar.”
Ibidem.

© Publicações do Cidehus, 2010

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search