Version classiqueVersion mobile

O «saque de Évora» no contexto da Guerra Peninsular

 | 
Fernando Martins
, 
Francisco Vaz

Capítulo 1. Primeiro centenário das invasões francesas (1908-1914)

Alice Samara

Texte intégral

1Este artigo pretende, em primeiro lugar, traçar as linhas gerais do que foi a “Comemoração Centenária da Guerra Peninsular”, analisando parte das iniciativas que foram levadas a cabo para a concretizar, nomeadamente as que foram programadas pela comissão oficial. Considerando que qualquer utilização pública da memória histórica tem um significado político, este texto visa, em segundo lugar, pensar o significado destas comemorações no quadro político da passagem da monarquia para a república e nos anos que antecedem a Primeira Guerra Mundial, ou seja, de 1908 a 1914. Assim, a análise da organização destas comemorações permite-nos conhecer tanto a imagem das invasões francesas e da guerra peninsular como as inquietações e problemas da sociedade que as comemorava.

“Comemoração Centenária da Guerra Peninsular”

  • 1 Revista Militar resultou da fusão da Revista Militar, Revista do Exército e da Armada, Revista da A (...)
  • 2 José Estevão de Morais Sarmento (1843-1930) foi oficial da arma de Infantaria, deputado e par do Re (...)
  • 3 Revista Militar, Ano LIX, Novembro de 1907, n.o 11.

2Em Novembro de 1907, a Revista Militar1, presidida pelo general José Estevão de Morais Sarmento2, propôs-se levar a cabo a comemoração da Guerra da Península, com início neste número de 1907 e indo até 1914, reconhecendo que “Entre os acontecimentos memoráveis que a história da nossa pátria regista, avulta, pelo abalo formidável que nela produziu, a guerra da Península (...)”3. Tratava-se, segundo esta publicação, de uma conjuntura repleta de “acontecimentos extraordinários”: a fuga “desvairada” e “precipitada” da família real, a opressão dos invasores, as armas portuguesas picadas dos edifícios públicos, o desterro da melhor parte do exército e o esfacelamento do resto, o comportamento predatório dos franceses, a insurreição, a chegada do general inglês que vinha salvar o país e logo a independência se parecia perder e, finalmente, a reorganização do exército. Para os homens por detrás desta iniciativa da Revista Militar teria ficado uma memória do tempo dos franceses na “alma e imaginação populares”. No entanto, a vontade de comemorar é também um esforço para evitar o esquecimento e para reorganizar a memória.

  • 4 Veja-se A Lucta, em Novembro e Dezembro de 1907.
  • 5 A Lucta, 2 de Dezembro de 1907, n.o 696.

3Sensivelmente ao mesmo tempo que a Revista Militar, o jornal republicano A Lucta de Brito Camacho publicava as suas “Lições de História, 1807-1907”4, uma série de artigos dados à estampa durante cerca de dois meses. Para estes republicanos o que havia a relembrar era o “(...) centenário de uma crise tremenda da qual o país se salvou principalmente pelo patriotismo do povo em que os cortesãos, egoístas e cobardes, não queriam acreditar.”5 Estava dado o tom da posição republicana, a saber, a preocupação em salientar o papel do povo na conjuntura da “tempestade napoleónica”.

4Por seu turno, uma das preocupações óbvias e centrais da Revista Militar foi a memória do corpo castrense e como é que esta devia ser recuperada, bem como a dinâmica estabelecida com a sociedade coeva. Existiu uma ideia norteadora, patente desde logo, no enunciado da ideia de comemoração: o exército português, embora os “estrangeiros” ocupassem os lugares “culminantes”, teve um papel de “magna importância” nas campanhas militares. Ou dito de outra forma, a colaboração do exército português foi essencial para o êxito da luta, tornando, assim, a guerra parte da gesta heróica do exército e da nação.

5Tendo em mente o papel dos militares portugueses, parecia necessário, por um lado, estudar e pensar as diferentes campanhas e, por outro, prestar culto aos que se tinham batido contra os franceses. A comemoração serviu também para o estudo de várias questões militares, aumentando, assim, o conhecimento do próprio campo ou seja, tratar deste centenário significou, também, organizar as aprendizagens e estruturar os saberes.

  • 6 Revista Militar, Ano LX, Março de 1908, n.o 3.

6A direcção da Revista Militar, apelando para todos os seus leitores, propôs o estudo de alguns temas, que se poderiam agrupar sob a denominação de história militar, numa vasta panóplia que abrange o género biográfico, o estudo das diferentes armas do exército e da marinha, passando pela análise dos planos de campanha, dos quais saliento o estudo “crítico” das campanhas inglesas, até ao estudo “psicológico-militar” do exército português. Em Março de 19086, surgiu nas páginas deste órgão de imprensa o primeiro de uma série de artigos publicados até 1914, não obstante as diferentes posições na economia estrutural da revista. Inicialmente estes artigos surgiam a abrir a Revista, com ilustrações e sendo mesmo publicados números especiais. À medida que o tempo foi passando e a conjuntura política se modificava, os trabalhos sobre este tema começaram a surgir no meio da publicação.

  • 7 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão no (...)
  • 8 A 22 de Maio de 1917, na sessão 71 da Câmara dos Deputados, foi comunicada a morte de João Carlos R (...)

7Mas as comemorações não ficaram somente a cargo das iniciativas dos militares da Revista. No início de Maio de 1908 foi nomeada pelo governo uma comissão oficial para “estudar a forma condigna de comemorar o centésimo aniversário da guerra peninsular”7. A sua composição revelava, mais uma vez, o predomínio de elementos castrenses. Era presidida por João Carlos Rodrigues da Costa8, General de Brigada, e contava ainda com a presença de Alfredo Pereira Taveira de Magalhães, coronel do serviço do estado maior, Maximiliano Eugénio de Azevedo, coronel do estado maior de artilharia, Cristovão Aires de Magalhães Sepulveda, tenente-coronel de cavalaria, Luís Henrique Pacheco Simões, capitão do estado maior de infantaria, e José Justino Teixeira Botelho, capitão de artilharia, secretário e relator. O major de engenharia Francisco Maria Esteves Pereira tinha também direito a voto. De notar também que a comissão oficial não trouxe para o seu seio a voz do general Morais Sarmento.

  • 9 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão no (...)

8Estas comemorações foram pensadas como tendo um escopo educativo e patriótico, ou seja, procurando “estimular as gerações (...), ensinando-lhe o exemplo dos antepassados, e arraigando-lhes na alma o amor das glórias nacionais (...)”9.

9A comissão resolveu, por unanimidade, apresentar um programa de actividades com um calendário relativamente extenso desde Junho de 1908 até Abril de 1914, data da batalha de Toulouse. Tratava-se de um projecto ambicioso, que se queria de grande importância política e cultural. Não existia, olhando apenas para as linhas gerais deste programa, grandes diferenças entre a comissão oficial e a “comissão oficiosa” da Revista Militar. Ambos privilegiavam uma abordagem diacrónica que se centrava nos eventos militares e salientava o papel do corpo castrense nesta conjuntura. A maneira de o fazer revelou, contudo, que não existia coincidência de posições nestas comemorações.

  • 10 Revista Militar, Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.

10Para reforçar a sua posição neste processo de construção da memória e de celebração do centenário, a Revista Militar fez distribuir uma circular, datada de 22 de Maio de 1908, a todos os que se dedicavam ao estudo da história, independentemente de serem civis ou militares. Naquela, explicava-se, a traços largos, a origem do seu próprio projecto, deixando claro que fora a Revista Militar que tomara a iniciativa da comemoração do centenário da chamada guerra peninsular, “(...) que foi sobretudo uma luta pela independência nacional.”10. De notar que não deixavam de capitalizar a sua tomada de posição pioneira em relação a esta questão, de modo a firmar a sua legitimidade de acção face a propostas oficiais.

  • 11 Revista Militar. Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.

11O corpo editorial da revista considerava que a comemoração não devia ficar no exclusivo de “uma classe da nação” e, por isso, apelava para uma participação mais alargada. A imprensa, entendida como “(...) o elemento mais poderoso para divulgar os factos patrióticos a comemorar, e para orientar a opinião pública no sentido de fazer vibrar novamente o espírito nacional (...)”11, foi chamada a escolher representantes para estarem presentes numa comissão para se assentarem as bases de uma acção comum. Os militares procuravam mobilizar forças e esforços, trazendo a opinião publicada e o mundo da imprensa, sectores políticos dos mais dinâmicos e influentes deste início do século XX, para as comemorações. Seguiam um “modelo” de dinamização que já tinha demonstrado as suas virtualidades em comemorações anteriores, nomeadamente a camoniana. Sem o concurso da imprensa, os eventos a programar não teriam o mesmo impacte sobre o público, que seria, inevitavelmente, mais restrito.

  • 12 De Lisboa, estiveram presentes ou deram a sua adesão os seguintes órgãos de imprensa: Anais do Club (...)

12A reunião teve lugar a 27 de Maio de 1908, em Lisboa, nas salas da Revista Militar, contando com a presença de grande número de representantes de jornais de Lisboa12 e da “província”. Para além de geograficamente diversificada, esta assembleia era composta por representantes de diferentes tendências políticas, não excluindo, por exemplo, o republicaníssimo O Mundo, a par de órgãos de imprensa “generalista” como o Diário de Notícias, ou os monárquicos Diário Popular, O Dia e A Época.

  • 13 Revista Militar, Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.

13O general Morais Sarmento, que presidiu à reunião, considerou que aquele era um “momento histórico”, tornando-se “(...) necessário agrupar a nação num mesmo pensamento em que se fundissem todos os matizes políticos.”13. Se se reconhecia que existiam, internamente, divisões de “crenças” e “doutrinas”, dado que os olhos do “mundo culto” estavam postos em Portugal, era absolutamente necessário evidenciar o cumprimento do dever patriótico. O país pequeno e periférico, que fora notícia em Fevereiro de 1908 com a morte do rei e do príncipe, precisava de, acreditavam estes homens, ter uma imagem de seriedade, de ordem e de união ao estrangeiro. No argumentário da época, comum tanto a monárquicos como a republicanos, surpreendemos a necessidade de projectar uma imagem de Portugal para o estrangeiro, capaz de reabilitar o que se pensava – ou o que se imagina que se pensava – sobre o país. As comemorações tinham também um objectivo internacional.

  • 14 Foram nomeados: General Morais Sarmento, Moreira de Almeida, Zeferino Cândido, Melo Barreto, José d (...)
  • 15 Revista Militar, Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.
  • 16 Revista Militar, Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.

14A reunião foi, segundo observadores coevos, um êxito e a assembleia nomeou uma grande comissão de imprensa14. Esta era composta por individualidades de vários quadrantes políticos. De entre elas, cumpre destacar a presença de Magalhães Lima, Brito Camacho e França Borges, conhecidos republicanos e influentes jornalistas. O comentário escrito na Revista é muito significativo: “Só um facto altamente patriótico como aquele que a Revista se propôs comemorar permitiria reunir, numa significativa unidade de pensamento, uma tão notável plêiade de individualidades a quem a consideração popular cerca duma luminosa aureola tão brilhante quanto merecida pelas suas comprovadas qualidades quer como homens públicos, quer como astros do jornalismo, quer, finalmente, como infatigáveis lutadores pelo bem da terra que se orgulha de os contar no número dos seus filhos.”15. Acreditava-se que estes homens se tinham despojado das suas individualidades políticas para serem “(...) simples portugueses cheios de calor e entusiasmo (...)”16 e, assim, abraçarem este projecto como forma de prestarem um serviço ao país, levantando o espírito nacional e contribuindo para a educação cívica dos seus compatriotas. Os organizadores queriam encontrar uma causa aglutinadora, capaz de fazer cessar ou, pelo menos atenuar, os conflitos políticos. No entanto, de 1908 a 1910, nem as comemorações tiveram a unanimidade esperada, nem cessou a luta política, registando-se, ao contrário, um agudizar das lutas políticas e sociais. Se alguns republicanos aderiram inicialmente a estas comemorações, pouco antes de Outubro de 1910 as mesmas já serviam para tecer críticas ao regime monárquico.

  • 17 In O Mundo, 27 de Setembro de 1910, n.o 3566.

15Segundo o republicano Marinha de Campos17, esta iniciativa da Revista Militar visava neutralizar o espírito conservador e burocrático que dominava a comissão oficial, imprimindo às comemorações um carácter nacional. Escrevendo em Setembro de 1910, Marinha de Campos relatou o que lhe parecia o falhanço desta tentativa de criação de uma comissão “particular”, não oficial, presidida pelo general Morais Sarmento, com a colaboração da imprensa. Não fora possível, por exemplo, organizar na capital um grande cortejo histórico e cívico.

16Perante esta situação, continuou Marinha de Campos, dissolveu-se a comissão presidida pelo general Morais Sarmento, a imprensa desinteressou-se, deixando a comissão oficial firmar-se no que era visto como uma posição conservadora. De facto, a leitura dos jornais republicanos confirma não só a falta de interesse como a crítica à forma como os eventos são organizado pelos monárquicos.

  • 18 Intervenção de Correia Mendes, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 23 de 5 de Junho (...)

17Em Junho de 190818, na Câmara dos Deputados, Correia Mendes, membro da Grande Comissão de Imprensa, enviou para a mesa um projecto de lei que tinha por fim habilitar o Governo com os meios necessários para fazer face às despesas com a comemoração do centenário da guerra peninsular. O executivo ficaria autorizado a cunhar e emitir até à quantia de 300.000$000 réis em moeda de prata especial.

  • 19 Intervenção de Correia Mendes, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 23 de 5 de Junho (...)

18Este projecto foi assinado por representantes de diferentes partidos: Afonso Costa (partido Republicano), Alberto Pinheiro Torres (partido Nacionalista), Ernesto de Vasconcelos, João Pinto dos Santos (dissidentes de Alpoim), Malheiro Reimão (franquista), João Carlos de Melo Barreto (partido Regenerador). Correia Mendes acentuou a ideia que a assinatura de deputados dos diferentes quadrantes político-partidários significava a unanimidade face a esta comemoração: “Separados por ideias políticas, às vezes até por agravos, quando se trata de comemorar uma data gloriosa para a nossa história, todos, no mesmo pensamento, se congregam em volta da bandeira da pátria.”19

  • 20 Intervenção de Correia Mendes, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 23 de 5 de Junho (...)

19No projecto de lei, para além de se fazer referência à grande “epopeia militar”, foram recuperadas as ideias de “movimento puramente nacional”, que expulsou o invasor e a de “unânime dedicação de todas as classes” na luta pela independência. Ou dito de outra forma, os militares já não eram os únicos a serem elogiados. A razão da comemoração também foi escrita de uma forma bastante clara: “Ora tais exemplos são por certo a melhor lição de educação cívica que se pode apresentar ao povo para que nele revigore o seu patriotismo (...)”20.

  • 21 No mesmo dia era inaugurado solenemente o padrão do Vimeiro
  • 22 Intervenção de João de Menezes, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 73 de 21 de Ago (...)

20A 21 de Agosto de 190821, o republicano João de Meneses apresentou à Câmara dos Deputados a proposta para que se registasse na acta a homenagem à memória daqueles que, na batalha do Vimeiro, combateram pela independência da nação portuguesa. Este deputado considerou que o que “(...) ressalta d’essa batalha é que ela se deve principalmente ao povo, e que se alguém tem de vangloriar-se com essa homenagem, é o povo e só o povo.”22 Conseguimos perceber nesta afirmação uma significativa mudança do centro de gravidade do actor central das invasões francesas: do exército enquanto corpo passava-se para o “povo” que combateu o inimigo.

  • 23 Intervenção de Pinheiro Torres, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, sessão n.o 73 de 21 de ago (...)

21Os representantes das outras forças partidárias associaram-se a esta proposta e o nacionalista Pinheiro Torres fez um comentário bastante interessante, que mostrava bem como para estes parlamentares: “Celebrar e glorificar os feitos admiráveis do povo e do exército português nessa angustiosa época é dever de todos nós (...). Fazendo relembrar a heroicidade e patriótica dedicação dos nossos antepassados, sobretudo neste período de dúvida e abatimento, damos uma bela lição de educação cívica, que retempera energia e robustece caracteres, de que tanto precisamos para a remodelação urgente da sociedade portuguesa.23 [sublinhado meu] Celebrar um passado mítico era uma forma de encontrar uma causa aglutinadora para resolver a situação difícil do presente.

Programa Oficial das Comemorações

  • 24 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão no (...)

22Pensando sobre o que consideravam ser as datas gloriosas da conjuntura de inícios do século XIX, os militares que formavam a comissão oficial distinguiram entre os acontecimentos de carácter cívico, como a sublevação de Junho de 1808, e os de feição militar, entendidos como as operações que tiveram início nos campos de Roliça e do Vimeiro e terminadas além Pirinéus, “(…) depois de uma série de inolvidáveis batalhas, decerto as mais notáveis de toda a nossa história militar, sob o ponto de vista técnico”24. As comemorações centravam-se nos acontecimentos militares, evitando temas mais polémicos. Tinham a preocupação de procurar dinamizar diferentes sectores, da “esfera oficial”, nomeadamente municipalidades e professores e diversificar geograficamente a realização dos eventos.

23Para levarem a cabo o seu programa, propuseram que se apelasse para as municipalidades e para os mestres e guias da juventude escolar, de modo a poder chegar a todo o território nacional. Reconheciam, assim, que o professor era um dos meios mais eficazes para fazer passar esta mensagem patriótica. O seu objectivo era, contudo, um pouco mais ambicioso, procurando tocar individualmente todos os corações portugueses para criar “um frémito de orgulho e piedosa gratidão para com os intrépidos patriotas de há um século (...)”.

24A comissão defendeu que se deveria erigir um monumento, consagrado aos heróis da guerra peninsular, numa das principais praças de Lisboa. Quanto à questão dos feitos militares e na impossibilidade de se celebrarem todas as batalhas e todas as vitórias, a comissão escolheu uma, entendida como exemplar. A batalha do Buçaco surgia como a maior das pugnas travadas em território nacional, continuando viva na tradição popular. O exército português apresentara-se, segundo a comissão, reorganizado e disciplinado, distinguindo-se pela sua briosa conduta. A celebração deveria então ter lugar no Buçaco, mas, de modo a não perder o desejado carácter popular, não se podia deixar de efectuar também em Lisboa, em forma de cortejo cívico-militar.

25De entre as várias propostas para a celebração da batalha, a comissão salientou a da criação de uma bandeira comemorativa. Os militares defendiam que sendo aquela objecto de culto dito fervoroso, seria possível, assim, capitalizar a veneração que a cercava, dinamizando as homenagens programadas.

26Para além da comemoração da batalha do Buçaco, a comissão propôs ainda que se clebrassem as batalhas do Vimeiro, vista como decisiva, e de Toulouse, que fechava o período em questão.

  • 25 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão no (...)

27Dos objectivos da comissão oficial não esteve ausente a preocupação com a produção e difusão de conhecimento. A comissão reconheceu, contudo, a existência de obstáculos à realização de um encontro científico: “Dada a dificuldade de realizarmos no nosso país um congresso histórico, relativo ao período de 1808-1814, para o qual escasseavam os elementos, julgámos suprir a falta estimulando os escritores nacionais a trazerem as suas obras a um concurso (...)”25. Ou dito de outra forma, era necessário estimular a criação e o estudo sobre este período que se pensava estar insuficientemente trabalhado e merecedor de uma maior atenção.

  • 26 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão no (...)

28O programa contemplava ainda a comemoração de outras batalhas e feitos militares, através da realização de conferências e sessões solenes. Para além da capital, a comissão sugeriu que em Caminha, Vila Nova da Cerveira, Chaves, Porto, Abrantes e Campo Maior, não se olvidassem os feitos “memoráveis” que ali tinham tido lugar. A celebração na cidade Invicta revestia-se de grande importância pois fora dali que saíra o “(...) primeiro grito de independência, foi lá que, sacudido o jugo estrangeiro, primeiro se estabeleceu o governo supremo do reino; foi lá, enfim, que os generais portugueses Sepulveda, Bernardim Freire, Bacellar e Silveira, e o bravo tenente coronel Champalimaud, (...), salvaram a honra das armas portuguesas.”26 No Porto, recomendavam, deveria erguer-se, à semelhança de Lisboa, um monumento aos “heróis” da guerra peninsular. Estes monumentos, quer em Lisboa, quer no Porto, só foram concluídos no Estado Novo.

29As comemorações foram pensadas por diferentes módulos temporais, de acordo com os acontecimentos históricos considerados fundamentais.

30Para 1908, estava programada a “comemoração cívica” do “levantamento nacional” para o “restabelecimento da independência”. Trata-se de um evento singular neste plano de comemorações já que não tinha um cariz exclusivamente militar. Esta comemoração assentaria em três vectores e desejava-se a colaboração de diferentes agentes. Em primeiro lugar, as municipalidades das povoações que foram focos de “sublevação” deveriam promover “manifestações festivas”; em segundo lugar, os professores das escolas primárias e da instrução secundária deveriam explicar aos alunos a importância destas comemorações; em terceiro lugar, a comissão considerou fundamental que todos os soldados conhecessem a “magnitude do acto”, promovendo-se para o efeito conferências nos quartéis e nos navios de guerra. A comissão propôs ainda que se lançasse neste ano a primeira pedra do monumento aos heróis da guerra peninsular. O dia 15 de Setembro, primeiro centenário do restabelecimento do governo nacional em Lisboa deveria ser considerado de grande gala.

31Ainda para 1908 estava programada a comemoração da batalha do Vimeiro devendo, para isso, erguer-se uma lápide ou padrão no campo onde se dera a batalha, fazendo-se a inauguração no dia 21 de Agosto. A comissão considerou que deviam estar presentes representantes de todas as armas e serviços, bem como os regimentos de artilharia 4, cavalaria 6, infantaria 12, 21 e 24 e caçadores 6, que tomaram parte na referida batalha, e ainda adidos militares estrangeiros, representantes das duas câmaras do parlamento, autoridades locais, representantes da imprensa, oficiais ingleses representantes dos antigos regimentos e dos oficiais portugueses que tomaram parte na batalha.

32Para o ano de 1909, a comissão escolheu relembrar quatro grandes momentos: a defesa do Minho, a 16 de Fevereiro de 1808; a do sítio e tomada de Chaves, entre 20 e 25 de Março de 1809; a defesa da ponte de Amarante, de 18 de Abril a 2 de Maio de 1809; a passagem do Douro e a restauração do Porto pelo exército anglo-luso em 12 de Maio de 1809. As respectivas municipalidades seriam convidadas a celebrarem os acontecimentos, não deixando de se colocar uma lápide comemorativa. No caso do Porto, a comissão determinou que se fizesse o lançamento da primeira pedra de um monumento consagrado à memória dos “heróis mortos pela pátria”, acompanhado de uma parada militar.

33O ano de 1910 tinha como objectivo a comemoração da batalha do Buçaco, que já fazia parte das datas memoráveis da história de Portugal. A festividade que anualmente se realizava a 27 de Setembro (este evento, pela continuidade comemorativa, estava já inscrito na memória) teria, neste ano, uma especial pompa, bem como uma encenação de cariz militar e religioso. A comissão determinou a celebração de uma missa campal com a presença de todos os corpos do exército e de outros dignatários. No final da mesma, estava marcada a cerimónia de benção da bandeira, criada especialmente para as comemorações da guerra peninsular, tendo por guarda de honra um pelotão formado por praças dos corpos que tomaram parte na batalha, fardados “à época”. Esta bandeira, segundo indicações da comissão, deveria ter inscritas a letras de ouro as datas das batalhas mais célebres e a legenda camoniana atribuída aos corpos que mais se distinguiram na batalha da Vitória. Junto à haste deveria ter um colar da ordem de Torre e Espada e ficaria confiada aos cinco corpos que maior número de citações por feitos conseguiram durante a guerra. Depois de 1914, com o final do centenário, a bandeira, investida de toda esta carga simbólica, deveria ser guardada no Ministério da Guerra ou no Museu Militar. Depois de terminadas as cerimónias religiosas, a comissão pensou ser adequado uma visita ao campo de batalha.

34As celebrações não estavam previstas apenas para o Buçaco, devendo realizar-se em Lisboa um cortejo, que deveria ter uma carácter “nacional”, para prestar culto aos heróis da guerra.

35Para o ano de 1911 estava planeada a comemoração da defesa das praças de Abrantes (9 de Outubro de 1810 a 7 de Março de 1911) e de Campo Maior (12 a 22 de Março de 1811), com a mesma organização que fora proposta para os casos de Caminha, Vila Nova da Cerveira, etc.

  • 27 Programa e Regulamento do Concurso Literário Comemorativo a efectuar em 10 de Abril de 1914, Lisboa (...)
  • 28 Formada por um Presidente e seis vogais. O presidente é o Presidente da Comissão do Centenário e os (...)

36Para 1914 estava prevista a abertura de um concurso para todos os livros e artigos sobre a guerra peninsular, escritos durante o período da sua comemoração. O programa e regulamento foram aprovados em 1910, pelo decreto n.o 48 de 30 de Novembro27. Aberto exclusivamente a escritores nacionais, a comissão especial nomeada para júri28 avaliaria os trabalhos e concederia um avultado prémio pecuniário. Esta era maioritariamente constituída por militares e professores de História das Escolas Naval e do Exército.

37Os trabalhos deveriam privilegiar a história do período, com particular relevo para a questão militar, sem excluir a problemática política e social. De entre os tipos de trabalhos admitidos a concurso cumpre salientar o da história popular de vulgarização, para alcance do povo, preocupação muito própria da época. Apesar de vários agentes referirem que esta conjuntura continuava viva na memória popular, o certo é que não se descurou esta vertente, indiciando o receio que estes episódios fossem esquecidos.

38A comissão para a comemoração da guerra peninsular não deixou de fazer outros alvitres para as comemorações a “realizar em data indeterminada”. Considerou que não podiam ficar esquecidos outros episódios “honrosos” para o exército português tais como: a defesa das Linhas de Torres, as batalhas de Talavera, Fuentes de Honor, Albuera, Salamanca, Victoria, Nivelle, Ortiz, sítios de Badajoz, S. Sebastião e Cidade Rodrigo. O esquema das comemorações era o já referido, com sessões solenes e conferências em quartéis.

39Para além das propostas já referidas, a comissão sugeriu que fosse enviado a Londres um general para depor no túmulo de Lord Wellington uma coroa de bronze, uma forma de procurar um traço de internacionalização nestas comemorações, fazendo lembrar, na capital inglesa, a história que ambos os países partilhavam e a sua condição de aliados.

40Deveriam ser organizadas ainda duas exposições: uma no Museu de Artilharia sobre a guerra peninsular e outra de cariz bibliográfico, sob a direcção da Biblioteca Nacional de Lisboa. Ainda dentro destas preocupações científicas, a comissão propôs que se reorganizasse o arquivo do Ministério da Guerra, que se publicassem documentos e trabalhos relativos à guerra peninsular, que se organizassem visitas de estudo e que se trabalhasse num inventário dos monumentos militares nacionais.

41Foi feita uma importante advertência ao Estado português, já que se considerou que este deveria tomar a seu cargo os monumentos funerários, peças centrais na marcação da paisagem simbólica do rememorar histórico.

  • 29 Criado oficialmente em 10 de Dezembro de 1851.

42A Exposição Histórica Comemorativa realizou-se de 16 de Fevereiro a 24 de Abril de 1910 no Museu de Artilharia29. A sua estrutura expositiva contemplava os seguintes grupos: material de guerra, uniformes, troféus militares, medalheiro, recordações histórico-militares, belas artes e indústrias diversas. Sem surpresas, a exposição centrava-se na questão militar.

  • 30 Constituída pelos vogais da Comissão Oficial Executiva, coronel de artilharia Jaime Leitão de Casto (...)
  • 31 Exposição Histórica Comemorativa. Catálogo, Lisboa, Imprensa Nacional, 1910, pág. VI.

43Segundo a sub-comissão30 incumbida da organização da Exposição Histórica, a tarefa não foi fácil. “O Museu de Artilharia não possuía classificados e ordenados separadamente os poucos objectos com que poderia concorrer à Exposição. Da existência de coleccionadores privativos havia pouca notícia, e com boa vontade dos que eram conhecidos não havia segurança em confiar.”31

44Os trabalhos iniciaram-se com a inventariação e reunião dos elementos de que dispunha o Museu de Artilharia. A comissão tratou de adquirir fora do país, designadamente em Amesterdão, uma colecção de medalhas e condecorações oficiais.

45Para conseguir a participação de vários agentes e a sua contribuição para este trabalho a sub-comissão enviou circulares e convites noticiando a exposição e indicando como “acto patriótico” a comparência dos coleccionadores. Como a exposição era essencialmente militar, a sub-comissão pediu a colaboração dos diferentes comandos militares, muito embora a resposta não fosse a esperada. Segundo a sub-comissão, ainda que vários expositores tivessem prestado o seu concurso, outros não colaboraram com este trabalho, sendo esta atitude motivo de censura por parte destes militares. Do comércio de antiguidades não conseguiram nada de substancial, nem por compra nem por oferta, excepção feita para a colecção de Joaquim Vitorino Ribeiro.

46Para além do alcance educativo, a exposição permitiu que se organizasse no Museu de Artilharia a “Sala da Guerra da Península”.

47O processo de organização da exposição histórica demonstrou a dificuldade em interessar mesmo o grupo dos militares nas comemorações, já que várias delegações não responderam aos apelos da comissão. Perpassa a descrição desta exposição uma certa “desilusão” com a falta de entusiasmo sentida.

48A Exposição Bibliográfica, constituída por manuscritos, gravuras, folhetos e livros, realizou-se de 19 de Janeiro a 21 de Março de 1910, na Biblioteca Nacional.

O significado das Comemorações Centenárias

  • 32 SCHWARTZ, Barry, “The Social Context of Commemoration: A Study in Collective Memory” in Social Forc (...)

49Comemorar um evento ou conjunto de eventos não é apenas uma recolha de informação, mas antes um processo de reconstrução do próprio passado, investido de um significado extraordinário e assinalado de uma forma qualitativamente distinta. Comemorar significa dar relevo a acontecimentos que encarnam valores tidos como fundamentais32.

  • 33 Citado in SCHWARTZ, Barry, “The Social Context of Commemoration: A Study in Collective Memory” in S (...)
  • 34 Le Goff citado em OLICK, Jeffrey K. E ROBBINS, Joyce, “Social Memory Studies: From «Collective Memo (...)
  • 35 Podemos referir como exemplos o centenário camoniano de 1880, o centenário pombalino de 1882, o do (...)

50O sociólogo Maurice Halbwachs afirma que a nossa compreensão do passado é sempre instrumental, relacionando-se com a solução de problemas presentes33. Jacques Le Goff, por seu turno, identificou cinco períodos na história da memória34. No quarto período, do Renascimento até ao século XX, Le Goff considera que no século XIX, com o contributo do romantismo, se verificou um crescente fervor comemorativo – patente em Portugal no final do século XIX, inícios do século XX35 – acompanhado por uma proliferação de formas de rememorar o passado através de moedas, medalhas, selos postais, estatuária, inscrições e, ainda, memorabilia. Neste período histórico assistiu-se ainda ao nascimento de arquivos, bibliotecas, museus, reflectindo assim o interesse das diferentes nações em construir identidades partilhadas com os seus cidadãos.

  • 36 Citado em OLICK, Jeffrey K. E ROBBINS, Joyce, “Social Memory Studies: From «Collective Memory» to t (...)

51Ariès36, por seu lado, levantou a hipótese de que a crescente importância e frequência das práticas comemorativas no século XIX possa estar directamente relacionada com um cada vez maior sentimento de mudança. Num mundo em mutação, parecia importante encontrar pontos de estabilidade e pontes para um passado que se queria ligado ao presente, como se a continuidade fizesse esquecer a angústia da mudança.

  • 37 “Mass-Producing Traditions: Europe, 1870-1914” In HOBSBAWM, Eric and RANGER, Terence, (ed.), The In (...)

52Eric Hobsbawm37, num trabalho central para toda esta problemática, notou a proliferação dos esforços levados a cabo pelos Estados para “inventar” tradições úteis para reforçar a legitimidade de que se viam carecidos. Essa conjuntura acentuou-se depois de 1870, com a emergência da política de massas. Os líderes teriam, então, redescoberto a importância de factores “irracionais” para a manutenção do tecido social e da ordem.

53Vários autores referem mesmo a construção de uma religiosidade civil ou cívica, com um investimento nos conteúdos nacionalistas, nas cerimónias públicas e na produção de monumentos, não sendo os agentes exclusivamente provenientes da esfera oficial e do poder, antes alargando-se também à “sociedade civil” e a diferentes grupos políticos.

54Sem querer negar a importância histórica da “tempestade napoleónica”, neste artigo escalpelizamos a maneira de olhar o passado a partir de 1908-1914. Não se pretende recuperar o que foi esta conjuntura de inícios do século XIX mas o que foi recuperado oficialmente no início do século XX. Estamos, assim, a analisar o observador e a procurar perceber qual era a sua “imagem do passado” e as preocupações do presente. Estas comemorações e a maneira como foram pensadas e executadas permitemnos perceber parte dos problemas políticos do início do século XX e da importância atribuída a determinados valores e crenças.

55As comemorações centenárias, no que se refere à comissão e ao programa oficial, revelam a hegemonia do elemento militar. Ou seja, foram os militares os catalizadores destas comemorações, bem como os autores do programa oficial – e do oficioso –. Tudo indica que existia inicialmente uma convergência de ideias no que tocava ao objectivo central entre estes militares, que partilhavam a mesma linha orientadora para as comemorações, a saber, a valorização do papel do exército numa conjuntura extremamente complicada da história portuguesa e europeia. As forças armadas queriam ser vistas como tendo uma posição como essencialmente patriótica, capazes de acudir à nação em momentos de crise.

56No entanto, estes militares não eram um grupo monolítico e parecem ter tido divergências acerca de questões que não eram despiciendas, nomeadamente em torno da abertura à sociedade civil, através da comissão de imprensa. A Revista Militar mostrava-se mais interessada em chamar para as comemorações outras forças e agentes sociais e políticos enquanto que a comissão oficial optou por não permitir aberturas que poderia não controlar.

  • 38 LOURENÇO, Eduardo, O Labirinto da Saudade. Psicanálise Mítica do Destino Português, Lisboa, Gradiva (...)

57Noutros casos, como o centenário camoniano, o evento teve uma conotação política muito mais vincada, associado, claramente, a uma forma de luta dos republicanos. Eduardo Lourenço considerou que “(...) o centenário da morte de Camões serviu, não sem sucesso, de máquina de guerra ideológica contra a monarquia e o conjunto de valores ou de referências a que se identificava ou a identificavam.38

58Em 1880 existira uma comissão de imprensa, tal como se procurou fazer para as comemorações da guerra peninsular. Nessa conjuntura, contudo, o grande vulto dinamizador das comemorações foi Teófilo Braga, um dos mais importantes intelectuais republicanos, a par da Sociedade de Geografia e de Luciano Cordeiro.

59O programa oficial desenhado em 1908 tinha a preocupação de comemorar os feitos militares numa óptica nacional, geograficamente diversificada. Pretendia mobilizar vontades, utilizando a própria rede militar, nomeadamente através da realização de eventos em diversos quartéis, e as municipalidades, envolvendo a memória local num programa mais vasto e consistente.

60A festa e a participação cívica das massas não foram, contudo, prioridades do programa oficial. Excepção feita para as manifestações festivas programadas para o ano de 1908, o programa era solene e fazia do povo um espectador, não um colaborador. Aprendia-se com estas comemorações, não se participava nelas. Houve um cuidado em controlar o sentido destas comemorações para que não se tornassem eventos de protesto contra o regime monárquico.

61Através do programa das comemorações do centenário da guerra peninsular percebemos que houve outras duas preocupações importantes para os militares: o monumento e o documento.

62Em primeiro lugar, não deixaram de procurar marcar o espaço público com monumentos comemorativos em Lisboa, Porto e noutras localidades. Ou seja, o exército pretendia inscrever no espaço público a memória da guerra e, dessa forma, fazer o apelo às virtudes cívicas que lhes pareciam imprescindíveis para navegar as águas tumultuosas do presente.

  • 39 Revista Militar, Ano LX, Agosto de 1908, n.o 8.
  • 40 Revista Militar, Ano LX, Agosto de 1908, n.o 8.

63Em Agosto de 1908 foi inaugurado o padrão do Vimeiro para relembrar o combate entre as forças anglo-lusas, sob o comando de Arthur Wellesley, e o exército francês, comandado por Junot, entendido como um dos mais importantes da guerra peninsular. O padrão consistia numa coluna de pedra no topo de uma ladeira. Este monumento era visto como “modesto”39, mas evocando, através da sua forma, outros que tinham sido erguidos “(...) pelo esforço dos nossos maiores muito longe da pátria, em dias de inolvidável glória (...)”40, participando assim de uma genealogia que tinha raízes profundas na história de Portugal. Faziam, assim, a ligação entre os padrões dos descobrimentos e as vitórias militares em território nacional. Era um monumento patriótico, que relembrava a vitória das armas lusas e a coragem dos combatentes, remetendo para um campo semântico da honra e do dever, tendo como ornato as datas, as armas nacionais e em grande relevo uma cabeça de leão, que não pode deixar de evocar a bravura.

  • 41 O Mundo, 22 de Agosto de 1908, n.o 2800.

64Os republicanos relataram esta inauguração, não deixando, contudo, de tecer críticas. Para O Mundo “A comemoração do 1.o centenário da guerra peninsular, que devia ser uma festa profunda e essencialmente patriótica, degenerou simplesmente numa mesquinha manifestação realenga.”41

  • 42 Combatendo por um lado forças anglo-portuguesas, comandadas por Wellesley, e, por outro, as forças (...)

65Em Setembro de 1910 foi deixada uma coroa de bronze no monumento comemorativo da batalha do Buçaco42 que já existia (1873). A semelhança do de Vimeiro, tratava-se de uma coluna (obelisco), inicialmente feita com apenas um tipo de pedra, tendo no topo uma estrela. Estava rodeado de oito peças de artilharia. O Museu Militar e Biblioteca do Buçaco, foram criados na mesma altura, por iniciativa da comissão oficial. Mais uma vez, encontramos a dupla preocupação de comemorar a efeméride e organizar o saber.

  • 43 D. Manuel nas festas do Centenário da Guerra Peninsular, Portugal, 1909, 1 minuto.
  • 44 PROENÇA, Maria Cândida, D. Manuel II, Lisboa, Temas & Debates, 2008.
  • 45 “Atitude a ser observada pelo Governo de Sua Majestade na eventualidade de uma República ser instau (...)

66D. Manuel II esteve presente nas cerimónias da comemoração do centenário da batalha do Buçaco, um dos seus últimos actos públicos, aliás registado em filme43. “O monarca convidara para assistir às cerimónias o duque de Wellington, Lord Arthur Charles Wellesley, neto do herói inglês, a quem concedeu os títulos de conde de Vimeiro, marquês de Torres Vedras e duque da Vitória, usados por seu avô. Acompanhado por este convidado, partiu para o Buçaco, em comboio especial. Faziam parte da comitiva os ministros da Guerra e dos Negócios Estrangeiros (...)”44, bem como outros dignitários. Tratou-se de um acto público de gala, com a presença do duque de Wellington, como que a atestar as boas relações entre as duas monarquias. Contudo, neste mesmo Verão de 1910, a “embaixada republicana” fazia contactos em Paris e em Londres para tomar o pulso à sensibilidade das potências sobre uma eventual implantação da República em Portugal e convencê-las da justeza da causa republicana. O Foreign Office tinha como princípio não interferir nos assuntos internos de outras nações e considerava que “(…) no caso da instauração de uma república em Portugal, não só o Governo de Sua Majestade se sentiria impedido de tomar quaisquer medidas para a restauração da monarquia, como também teria seriamente de ponderar, na eventualidade de uma terceira Potência invadir Portugal com o objectivo de efectivar uma restauração, se tal invasão não constituiria casus foederis à luz dos tratados, obrigando a Grã-Bretanha a prestar assistência a Portugal, se esta lhe fosse pedida.”45 Caso a República tivesse uma feição ordeira e “sem sangue”, a Inglaterra não teria uma postura hostil.

67Assim, o encontro luso-britânico em torno das comemorações podia fortalecer a aliança, mas não significava a defesa da monarquia.

68A presença dos chefes militares no Buçaco também não significou a unanimidade no apoio a D. Manuel II. De facto, exactamente nesta altura, existia já um forte núcleo de conspiração dentro do exército e em breve a revolução sairia à rua.

69As comemorações de Setembro de 1910 não significaram a consagração do monarca, mas serviram para legitimar, tal como todos os outros eventos, o papel do exército português.

70Em segundo lugar, o programa da comissão significou a vontade de deixar um corpus de trabalhos científicos sobre esta questão, marcando o campo intelectual com monumentos textuais. A historiografia não deixava de ter, assim, um objectivo nacionalista. Ainda para mais, segundo a comissão, não existia a concentração de saber suficiente para um colóquio científico, nem de trabalhos, sendo, por isso necessário abrir um concurso.

71As comemorações centenárias significaram uma clara utilização política da memória. Nesta série de eventos comemorou-se a vontade de independência, o valor do exército, a importância das “glórias militares”. Era fundamental marcar a importância da resistência e do exército português ao lado do inglês, firmando a ideia de uma colaboração e não de um “salvamento” por parte da “velha aliada”. Tanto republicanos como monárquicos partilhavam a postura elogiosa face ao exército, tanto mais que para uns e outros este seria uma peça central nos seus cálculos políticos: as forças armadas eram essenciais quer para a defesa do regime monárquico, quer para fazer a revolução defendida por sectores do movimento republicano.

  • 46 O primeiro a ser referido foi o General Silveira (Revista Militar, Ano LX, Setembro de 1908, n.o 9)

72O exército surgia, assim, como um corpo digno de ser glorificado pelos seus feitos mas, apesar do encómio colectivo, não estavam ausentes as figuras de grandes homens e chefes militares46. No entanto, a imagem hegemónica era a de um corpo, procurando recuperar a ideia de unidade, que se desejava extensível até aos tempos presentes. Nesta glorificação há a procura de uma causa aglutinadora capaz de fomentar a lealdade e fidelidade no tempo vivido.

73O programa, tal como foi desenhado pela comissão oficial e mesmo nas tentativas da grande comissão de imprensa, pretendia não levantar ou fomentar clivagens ideológicas, antes procurando temas consensuais. Tal como foi pensado excluía a existência de um agitado contexto político e cultural patente, por exemplo, no aumento extraordinário de publicação de títulos de imprensa e folhetos vários.

74Não se fez referência a qualquer divergência política de inícios do séc. XIX, não se questionou a atitude do rei, nem a participação de militares portugueses no Grande Exército de Napoleão, nem se discutiu a questão dos “afrancesados”. Não se fez qualquer referência ao “pedido de constituição”, no qual se rogava por um rei constitucional e por uma constituição semelhante a que o imperador dos franceses tinha outorgado ao grã-ducado de Varsóvia, salvaguardando-se, contudo, o regime monárquico e a religião católica. De igual modo, não surgiu nenhuma relação directa entre a conjuntura das invasões francesas e a revolução liberal em 1820.

75As comemorações tinham um nítido fundo nacionalista e nesse sentido não foram especificamente monárquicas, muito embora tenham tido origem ainda em 1908, antes da implantação da República. O certo é que, depois do 5 de Outubro de 1910, o novo poder manteve o programa anteriormente gizado. O fundo nacionalista e patriota era passível de ser apropriado e reutilizado, pelos republicanos e pelo novo regime.

76Dito de outra forma, foi possível criar uma plataforma de consenso em torno da ideia de pátria, de independência nacional e do valor do exército português que encontrou adesão em vários campos políticos, partidários e de opinião. Embora monárquicos e republicanos manifestassem o seu apoio às forças armadas enquanto corpo e no geral, os republicanos tinham uma forma particular de imaginar o exército, vendo-o como a “nação em armas” e não uma máquina ao serviço do rei.

77Um largo número de agentes dos mais variados quadrantes considerava necessário estimular e fazer vibrar o sentimento nacional, bem como promover a educação cívica. E isto parecia necessário já que o diagnóstico que a maior parte dos observadores políticos fazia do seu presente era bastante negro. Do franquismo ao final da monarquia existiu uma conjuntura de instabilidade e agitação políticas e de crescimento dos movimentos reivindicativos de cariz social, num contexto que era lido como de crise.

78No entanto, existem várias maneiras de ser patriota ou nacionalista. Os republicanos, aderindo a esta comemoração, não deixaram de salientar um aspecto que lhes parecia merecedor de atenção e que não era de somenos importância: o papel e a importância do povo. Aqueles que se entendiam como os seus legítimos e verdadeiros representantes davam-lhe relevo e importância, elogiavam a sua força e coragem, a sua determinação e patriotismo. E isto era uma forma de fazer política. Por um lado, credibilizando o povo e as suas virtude transferiam esse capital simbólico para si próprios. Por outro lado, acentuando o papel do povo na solução da crise de inícios do século XIX, mostravam que para a crise do seu presente a resolução também passava pelas massas populares, logo pelos republicanos.

79De igual modo, foi defendida pelos republicanos a oposição entre o povo e os traidores das classes dirigentes na conjuntura das invasões francesas. Salvaguardavam ciosamente, também, as diferenças entre os submissos a Junot e os partidários das ideias francesas. A França podia ser mais do que a potência predadora, representava também a pátria das ideias novas e da revolução.

80Os republicanos não deixaram de criticar a postura do rei, designadamente a sua fuga. Não aceitavam qualquer subtileza nesta questão, nem qualquer tipo de interpretação que pensasse este acto de outra forma. Não consideram sequer a possibilidade da saída do rei ter evitado, tal como aconteceu depois das abdicações de Baiona, em Espanha, que o trono fosse ocupado por um membro da família Bonaparte.

  • 47 O Mundo, 27 de Setembro de 1910, n.o 3560.

81D. João VI abandonara o país, ainda para mais com dinheiro, jóias e valores: “Ficou então evidenciado que os reis são um luxo caro e supérfluo e que, dizendo-se a suprema encarnação das nações que os suportam, são quem mais se apressa a abandoná-las à sua sorte na hora do perigo.”47 Mais uma vez, encontramos uma preocupação do presente, a imagem do rei perdulário dos “adiantamentos”, tão cara à propaganda republicana, aplicada ao passado como forma de criticar a instituição monárquica.

  • 48 Intervenção de António José de Almeida, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 62 de 1 (...)

82No mês da comemoração do Vimeiro, António José de Almeida, no parlamento, tratando da questão de militares presos, proferiu um discurso de recorte político no qual, fez referências às invasões francesas. Recordando que o Rei planeava uma visita a Torres Vedras, “(...) esse palmo da pátria onde, com tanto heroísmo, os portugueses defenderam a terra de Portugal.48, fez uma importante advertência: “Nessa hora negra um antepassado do Senhor D. Manuel ia mar fora fugindo, cheio de riquezas e rodeado por uma frota; e Junot, chapeado de ouro, como um semi-deus coruscante, brigão e galante, do alto do seu cavalo com crinas tratadas a água de Colónia, rodeado de generais e de tambores, descia o Chiado, espalhando com os fulgores do olhar petulante o seu desprezo de conquistador. Suprema humilhação!

  • 49 Intervenção de António José de Almeida, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 62 de 1 (...)
  • 50 Intervenção de António José de Almeida, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 62 de 1 (...)

83Lembre S. Ex.a mais ao Monarca que foi o povo e o exército que libertaram o território, encobrindo a vergonha do Rei que fugira, e castigando a insolência de quem nos avassalara ao préstito da guerra desse grilheta da História que se chamou Napoleão!49 Para este político republicano, não lhe parecia justo punir alferes e sargentos (era essa a questão política que discutia), descendentes de um exército e de um povo que tinham libertado a nação da tirania: “Os do século XIX da tirania estrangeira. Os do século XX da tirania interna, não menos cruel e repugnante.”50

  • 51 Revista Militar, Ano LX, Agosto de 1908, n.o 8.

84O artigo de Abel Botelho na Revista Militar, em Agosto de 190851 é bastante ilustrativo da posição republicana. O autor congratulava-se por os poderes públicos prontamente terem amparado a ideia lançada por este órgão de imprensa e a comissão oficial se ter inspirado no pensamento expresso por estes militares. Defendeu que a comemoração destas campanhas podia contribuir para o enaltecimento das virtudes cívicas, pela lição que encerrava. Para Abel Botelho o êxito desta campanha devia-se ao povo, que defendeu a sua terra e se ergueu de armas em punho. Acrescentou um importante comentário à actuação do Príncipe Regente, dizendo que o egoísmo e fraqueza deste foram resgatados por um gesto heróico da alma nacional. O autor foi, contudo, um pouco mais longe na sua argumentação: “Quasi todas as grandes figuras d’este período,José Jorge Loureiro, Sá da Bandeira, o conde de Antas, o duque da Terceira, Saldanha,fizeram na guerra da Península as suas primeiras armas; d’essa aprendizagem sangrenta, desse tirocínio de abnegação e de fogo trouxeram a lição e o estímulo que mais tarde havia de salutarmente arvoral-os em invencíveis paladinos da liberdade.

  • 52 Revista Militar, Ano LX, Agosto de 1908, n.o 8.

85A termos que a realeza, que saira d’aqui absoluta, houve de pedir à Constituição que lhe reabrisse as portas de Portugal52 Abel Botelho não hesitou em utilizar uma explicação causal para encontrar na conjuntura napoleónica a génese do liberalismo português, caro ao republicanismo.

  • 53 BRANDÃO, Raul, El-Rei Junot, Lisboa, 1912, Edição Facsimilada de Arquimedes Livros, p. 343.

86Raúl Brandão, na sua obra El-Rei Junot, reflectiu sobre o que poderiam ter significado Napoleão e esta conjuntura política e social: “Eu sou dos que crêem. Por isso repito: se a França tem continuado a bater-se por um ideal, tinha com ela todos os povos oprimidos, farta de côrtes corrompidas ou grotescas. A República era a dôr e a dôr redime. A república com mortes, gritos, cóleras, era idealista e tinha a seu lado todas as almas. Napoleão foi a matéria: alimentou paixões grosseiras, encheu os soldados de oiro e de rapina: desvirtuou a revolução e trabalhou pelo seu próprio poderio: perdeu-se e atrazou o mundo um século.”53

87Para muitos, com as invasões vieram ideias. E se se rejeitava o estrangeiro no território nacional, as ideias tiveram uma sorte diferente e não deixaram de ser lançadas à terra e frutificar.

  • 54 ARAÚJO, XAVIER de, A Revolução de 1820. Memórias, (Introdução de António Ventura), Casal de Cambra, (...)

88Xavier de Araújo, que deixou as suas memórias sobre a revolução de Agosto de 1820, não deixou de fazer uma ligação entre este movimento e o contexto político que o antecedeu: “A Revolução de 24 de Agosto de 1820 abriu uma nova era em Portugal; ela foi o resultado necessário dos acontecimentos que conduziram o príncipe regente de Portugal ao Brasil no ano de 1807, onde lançou as bases de um novo império, com uma administração separada, um erário separado e todos os estabelecimentos próprios de uma monarquia absoluta; se este sistema não fosse levado ao seu extremo resultado, talvez o povo português, pacífico naturalmente amigo dos seus reis, toleraria por mais tempo a pesada carga, e digamos ainda a humilhação de ser colónia do Brasil, aquele mesmo terreno que nós descobrimos e civilizamos!”54 Xavier de Paiva considerou que o pequeno partido que pensava em reformas da administração do Estado cresceu imenso nesta conjuntura.

89A ideia que de este contexto enfraqueceu o poder e o prestígio do rei, tão própria do republicanismo, não foi, nem é a única forma de analisar o significado dos levantamentos populares e a sua consequência política.

  • 55 Revista Militar, Ano LXII, Novembro de 1910, n.o 11.

90Logo após o 5 de Outubro, a Revista Militar55 pronunciou-se sobre a transformação do regime político nacional. A direcção afirmava abster-se de entrar na apreciação dos factos que levaram à transformação operada nas instituições políticas do país. No entanto, não deixou de explicitar a sua posição quanto à questão militar, relembrando que sempre se pronunciara a favor da transformação das instituições militares no sentido da constituição da nação armada com base no sistema miliciano. A direcção da Revista tinha, inclusive, apresentado uma tese sobre a defesa nacional que fora elogiada por republicanos. Este jornal pretendia continuar a defender as doutrinas militares que sustentara nos últimos anos, assumindo que estas se harmonizavam com o programa do Governo Provisório da República, concordando com o decreto de 15 de Outubro de 1910, que nomeara uma comissão para proceder à reorganização do exército. A publicação continuaria pois a manter a sua linha editorial, dita absolutamente alheia aos assuntos de natureza política. A Revista Militar reconhecia virtudes no regime republicano e fazia uma transição suave entre a monarquia e a república. Do mesmo modo, o novo poder não pretendia afrontar o exército, antes trazê-lo para o seu seio. Todos os militares que jurassem fidelidade ao novo regime continuavam no seu posto e o facto é que não foi feito um “saneamento” do exército.

91No tocante às comemorações do centenário, este órgão de imprensa manteve a publicação de artigos sobre a guerra peninsular. No entanto, na estrutura da Revista estes passaram a ter uma posição mais secundária, sendo discutidos outros temas de interesse como o exército e as novas instituições, o poder militar e a democracia ou a organização da defesa nacional. A conjuntura política nacional e internacional mudara; as preocupações eram outras: era preciso harmonizar as forças armadas e o novo regime e pensar a questão da defesa nacional face a um eventual conflito que muitos pensavam poder aproximar-se.

92As comemorações do centenário encerraram no ano em que a Grande Guerra rebentou na Europa. Fechou-se um ciclo de comemorações e iniciou-se uma diferente conjuntura na história portuguesa e europeia. A aliança com a Inglaterra, que fora relembrada, assumia, em 1914, um renovado interesse e a ligação que vinha de trás, nomeadamente das invasões francesas, era um dos vários pontos chave do argumentário político intervencionista. Lutava-se, agora, ao lado da velha aliada, mas com a França. Lutava-se, agora, como se dizia, pela democracia.

  • 56 Câmara dos Deputados, Sessão n.o 94 de 7 de Julho de 1925.

93Em 192556, surgiu a ideia de juntar num mesmo espaço, no Palácio da Independência Nacional, o Museu da Guerra de Restauração, o da Guerra Peninsular e o da Grande Guerra. Tratava-se de uma forma de criar uma genealogia da gesta heróica nacional, apagando da memórias as divergências ideológicas que atravessaram cada um destes momentos históricos. Porém, depois do conflito mundial, a República preocupou-se mais em escrever e celebrar o papel que tivera na Grande Guerra, deixando cair a questão da Guerra Peninsular, cuja comemoração acabara no mesmo ano do início da I Guerra Mundial. Esta fora feita, estava por isso fechada e urgia, ao tempo, pensar a política da memória em relação à Grande Guerra.

94As comemorações do primeiro centenário das guerra peninsulares revelaram as semelhanças entre republicanos e monárquicos na defesa de um programa nacionalista e patriótico, dando relevo ao papel dos militares e das forças armadas. Mas mostraram diferenças fundamentais por detrás desta primeira camada “patriótica”. O centro de gravidade de uns e outros é diferente: para os republicanos é o povo o herói maior desta epopeia. Os republicanos não pouparam críticas ao rei, numa óbvia manobra de prolongar a censura até aos dias que viviam. A comissão oficial queria celebrar o exército e defender a necessidade de patriotismo sem pôr em causa o rei.

95Neste processo comemorativo foi o exército enquanto corpo que retirou os dividendos simbólicos. Não é de estranhar já que foi dele que partiu a ideia inicial, foi o corpo exclusivamente encarregue de organizar os eventos por si pensados.

96As comemorações do primeiro centenário da guerra peninsular, evitando os temas mais polémicos e procurando o consenso em tomo de valores que podiam ser apropriados por diferentes campos políticos, tiveram lugar numa sociedade que se imaginava em crise. As expectativas de união em torno de uma celebração com objectivos patrióticos saíram goradas. De 1908 a 1914 viveram-se, ao invés, anos de clivagens políticas, tempos nos quais se confrontaram diferentes maneiras de pensar o país e a forma de conseguir lançá-lo na almejada senda do progresso. Cem anos depois da conjuntura das invasões francesas, o tempo também não era de paz.

Notes

1 Revista Militar resultou da fusão da Revista Militar, Revista do Exército e da Armada, Revista da Administração Militar e Portugal Militar.

2 José Estevão de Morais Sarmento (1843-1930) foi oficial da arma de Infantaria, deputado e par do Reino, Ministro da Guerra em 1896, 11.o Presidente da Sociedade Histórica da Independência de Portugal. Fundou o Diário Popular e pertenceu ao Partido Progressista.

3 Revista Militar, Ano LIX, Novembro de 1907, n.o 11.

4 Veja-se A Lucta, em Novembro e Dezembro de 1907.

5 A Lucta, 2 de Dezembro de 1907, n.o 696.

6 Revista Militar, Ano LX, Março de 1908, n.o 3.

7 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão nomeada por portaria de 2 de maio de 1908, Lisboa, Imprensa Nacional, 1908.

8 A 22 de Maio de 1917, na sessão 71 da Câmara dos Deputados, foi comunicada a morte de João Carlos Rodrigues da Costa que foi “(...) um distinto parlamentar, escritor erudito, professor de merecimento e presidente da comissão do centenário da guerra peninsular (...)”.

9 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão nomeada por portaria de 2 de maio de 1908, Lisboa, Imprensa Nacional, 1908, pág. 4.

10 Revista Militar, Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.

11 Revista Militar. Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.

12 De Lisboa, estiveram presentes ou deram a sua adesão os seguintes órgãos de imprensa: Anais do Club Militar Naval, Boletim da Liga Naval, Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa, Brasil Portugal, Correio da Noite, O Dia, Diário de Notícias, Diário Popular, O Economista Português, A Época, Gazeta da Relação de Lisboa, Ilustração Portuguesa, Jornal das Colónias, A Lucta, Mala da Europa, O Mundo, A Nação, A Nossa Pátria, Notícias de Lisboa, Novidades, O Preto no Branco, Revista de Artilharia, Revista de Engenharia Militar, Revista de Infantaria, Revista Portuguesa de Medicina Veterinária, O Século.

13 Revista Militar, Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.

14 Foram nomeados: General Morais Sarmento, Moreira de Almeida, Zeferino Cândido, Melo Barreto, José de Azevedo Castelo Branco, Brito Camacho, Carlos Ferreira, Carneiro de Moura, Magalhães Lima, França Borges, Gomes de Sousa, Alberto Bessa, Raul Esteves, João Costa, Correia Mendes e Eduardo Noronha.

15 Revista Militar, Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.

16 Revista Militar, Ano LX, Junho de 1908, n.o 6.

17 In O Mundo, 27 de Setembro de 1910, n.o 3566.

18 Intervenção de Correia Mendes, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 23 de 5 de Junho de 1908.

19 Intervenção de Correia Mendes, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 23 de 5 de Junho de 1908.

20 Intervenção de Correia Mendes, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 23 de 5 de Junho de 1908.

21 No mesmo dia era inaugurado solenemente o padrão do Vimeiro

22 Intervenção de João de Menezes, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 73 de 21 de Agosto de 1908.

23 Intervenção de Pinheiro Torres, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, sessão n.o 73 de 21 de agosto de 1908.

24 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão nomeada por portaria de 2 de maio de 1908, Lisboa, Imprensa Nacional, 1908.

25 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão nomeada por portaria de 2 de maio de 1908, Lisboa, Imprensa Nacional, 1908, pág. 6.

26 Programa para a Comemoração da Guerra Peninsular e Respectivo Relatório Elaborados pela Comissão nomeada por portaria de 2 de maio de 1908, Lisboa, Imprensa Nacional, 1908, pág. 7.

27 Programa e Regulamento do Concurso Literário Comemorativo a efectuar em 10 de Abril de 1914, Lisboa, Imprensa Nacional, 1912.

28 Formada por um Presidente e seis vogais. O presidente é o Presidente da Comissão do Centenário e os vogais seriam um representante da Academia das Ciências de Lisboa, um lente de História do Curso Superior de Letras, um lente de História da Escola do Exército, um lente de História da Escola Naval e um membro da Comissão Centenária.

29 Criado oficialmente em 10 de Dezembro de 1851.

30 Constituída pelos vogais da Comissão Oficial Executiva, coronel de artilharia Jaime Leitão de Casto, major (em 1910 tenente-coronel) de engenharia João Severo da Cunha, major de infantaria, na reserva, Guilherme Luís Santos Ferreira e o capitão de infantaria Luís Henrique Pacheco Simões. Esta sub-comissão contou com a cooperação do general de divisão reformado Jaime Agnello dos Santos Couvreur.

31 Exposição Histórica Comemorativa. Catálogo, Lisboa, Imprensa Nacional, 1910, pág. VI.

32 SCHWARTZ, Barry, “The Social Context of Commemoration: A Study in Collective Memory” in Social Forces, vol. 61, n.o 2, (Dec., 1982), pp. 374-402.

33 Citado in SCHWARTZ, Barry, “The Social Context of Commemoration: A Study in Collective Memory” in Social Forces, vol. 61, n.o 2, (Dec., 1982), pp. 374-402.

34 Le Goff citado em OLICK, Jeffrey K. E ROBBINS, Joyce, “Social Memory Studies: From «Collective Memory» to the Historical Sociology of Mnemonic Practices” in Annu. Rev. Sociol. 1998.24: 105-40.

35 Podemos referir como exemplos o centenário camoniano de 1880, o centenário pombalino de 1882, o do Infante D. Henrique de 1894, de Santo António de 1895, o caminho marítimo para a índia de 1898 e o achamento do Brasil em 1900.

36 Citado em OLICK, Jeffrey K. E ROBBINS, Joyce, “Social Memory Studies: From «Collective Memory» to the Historical Sociology of Mnemonic Practices” in Annu. Rev. Sociol. 1998.24: 105-40.

37 “Mass-Producing Traditions: Europe, 1870-1914” In HOBSBAWM, Eric and RANGER, Terence, (ed.), The Invention of Tradition, Cambridge University Press, 1996, primeira edição de 1983.

38 LOURENÇO, Eduardo, O Labirinto da Saudade. Psicanálise Mítica do Destino Português, Lisboa, Gradiva, 2004, 3.a edição, pág. 148.

39 Revista Militar, Ano LX, Agosto de 1908, n.o 8.

40 Revista Militar, Ano LX, Agosto de 1908, n.o 8.

41 O Mundo, 22 de Agosto de 1908, n.o 2800.

42 Combatendo por um lado forças anglo-portuguesas, comandadas por Wellesley, e, por outro, as forças francesas de Massena.

43 D. Manuel nas festas do Centenário da Guerra Peninsular, Portugal, 1909, 1 minuto.

44 PROENÇA, Maria Cândida, D. Manuel II, Lisboa, Temas & Debates, 2008.

45 “Atitude a ser observada pelo Governo de Sua Majestade na eventualidade de uma República ser instaurada em Portugal e uma terceira Potência intervir para restaurar a Monarquia”, citado in MORAIS, Jorge, Com permissão de Sua Majestade. Família Real inglesa e Maçonaria na instauração da República em Portugal, Occidentalis, 2005.

46 O primeiro a ser referido foi o General Silveira (Revista Militar, Ano LX, Setembro de 1908, n.o 9).

47 O Mundo, 27 de Setembro de 1910, n.o 3560.

48 Intervenção de António José de Almeida, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 62 de 10 de Agosto de 1908.

49 Intervenção de António José de Almeida, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 62 de 10 de Agosto de 1908.

50 Intervenção de António José de Almeida, Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão n.o 62 de 10 de Agosto de 1908.

51 Revista Militar, Ano LX, Agosto de 1908, n.o 8.

52 Revista Militar, Ano LX, Agosto de 1908, n.o 8.

53 BRANDÃO, Raul, El-Rei Junot, Lisboa, 1912, Edição Facsimilada de Arquimedes Livros, p. 343.

54 ARAÚJO, XAVIER de, A Revolução de 1820. Memórias, (Introdução de António Ventura), Casal de Cambra, Caleidoscópio, 2006, página 19.

55 Revista Militar, Ano LXII, Novembro de 1910, n.o 11.

56 Câmara dos Deputados, Sessão n.o 94 de 7 de Julho de 1925.

Auteur

© Publicações do Cidehus, 2010

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search