Version classiqueVersion mobile

O «saque de Évora» no contexto da Guerra Peninsular

 | 
Fernando Martins
, 
Francisco Vaz

Introdução

Texte intégral

I

1A intervenção de Napoleão em Espanha e em Portugal, ocorrida nos últimos meses de 1807, foi em parte o resultado da insatisfação com o modo como a sua vizinha do sul se comportava desde que, em finais de 1804, se aliara à França na guerra europeia em curso. Não era de admirar. Afinal, enquanto a Espanha de Godoy preparou e conduziu a guerra construindo e tornando operacional uma armada que lhe permitisse obter ganhos em Gibraltar, na Jamaica e, sobretudo, ocupando Portugal, a França de Napoleão pretendia que a marinha de guerra espanhola fosse utilizada para cumprir os seus planos de invasão da Grã-Bretanha ao mesmo tempo que esperava que se rompessem as relações entre Portugal e a sua velha aliada. Logo em 1805, e após a violação pelos britânicos da neutralidade lusa, houve planos para uma intervenção francesa na Península por causa da questão portuguesa. A campanha militar europeia que decorreu na altura impediu uma intervenção francesa em Portugal tão do agrado de Godoy, da mesma forma que a vitória britânica na batalha de Trafalgar (Outubro de 1805) privou a marinha de guerra espanhola dos argumentos que dela Napoleão esperava dar uso.

2No entanto, o interesse de Napoleão por Portugal, ao contrário daquele que obsessivamente Godoy sempre demonstrou pelo vizinho ocidental, dependeu acima de tudo das circunstâncias. O peso das circunstâncias é demonstrado pelo facto de, em 1806, o imperador francês, ao mesmo tempo que cedia às pretensões do Príncipe de la Paz em ver concretizada a sua tão ambicionada partilha de Portugal, ter negociado com russos e britânicos uma paz geral na Europa temida por Godoy, amplamente desejada pelos espanhóis e totalmente desconhecida daquele e por estes. O progressivo afastamento entre a França de Napoleão e a Espanha de Godoy fez com que este, em Outubro de 1806, divulgasse um manifesto em que apelava a um levantamento dos espanhóis contra um inimigo não nomeado mas que todos sabiam serem os franceses. Como é óbvio, o manifesto de Godoy revelou-se de uma enorme imprudência uma vez que presumia que a campanha francesa contra a Prússia então em curso seria demorada, facto que daria a Godoy e aos espanhóis tempo para se libertarem da camisa-de-forças imposta pelos franceses. No entanto, ainda em 1806 a Prússia quebrou militar e politicamente o que permitiu a Napoleão uma intervenção política em Espanha materializada na obrigação espanhola de integrar o “sistema continental” e no recrutamento de 15 mil homens para servirem no Grande Armée no norte da Alemanha. Como se não bastasse, Napoleão afastou a Espanha das negociações de paz de Tilsit (Julho de 1807).

3Finalmente, a 1 de Setembro de 1807, e outra vez num momento de afastamento entre Londres e Paris, Napoleão exigiu que Portugal encerrasse os seus portos ao comércio britânico. Caso não obedecesse enfrentaria uma invasão franco-espanhola. É certo que Portugal conseguiu temporariamente apaziguar a França. No entanto, em Outubro, a guerra foi declarada e Portugal invadido, sendo evidentes duas coisas. Em primeiro lugar, que a cedência portuguesa ao ultimato francês ocorrera demasiado tarde. Em segundo lugar, que o tratado franco-espanhol de Fontainebleau (27 de Outubro de 1807), que selou a ocupação e divisão de Portugal, demonstrava uma vez mais haver algo de profundamente errático no pensamento e acção de Napoleão.

  • 1 Desafiar e combater a segurança e os interesses britânicos; criar e consolidar laços dinásticos e f (...)
  • 2 Paul W. Schroeder, The Transformation of European Politics. 1763-1848, s.e., Oxford, Clarendon Pres (...)

4O tratado de Fontainebleau, que dividia Portugal em três regiões governadas por três soberanos estrangeiros, foi sobretudo um expediente utilizado por Napoleão para, com custos reduzidos, introduzir em Espanha tropas francesas comandadas por Junot que depois foram utilizadas para ocupar parte do território português e reforçar a presença francesa em zonas estratégicas da Península que iam desde a Catalunha ao País Basco, Galiza, Lisboa e grande parte da região centro-norte de Portugal. Fossem quais fossem as razões que conduziram Napoleão a interessar-se por uma ocupação militar da Península e a imiscuir-se na política espanhola impondo a abdicação de Fernando, príncipe das Astúrias,1 a favor de Carlos de Bourbon, seu pai, para este ceder depois o seu trono e direitos acessórios a Napoleão (a 20 de Julho, Napoleão proclamou o seu irmão José rei de Espanha), a verdade é que a atitude francesa e as reacções que foi provocando seriam profundas para a história da Península Ibérica e das suas dependências imperiais, mas também do próprio império napoleónico.2

  • 3 Francisco António Lourenço Vaz (introd.), O saque de Évora pelos franceses em 1808, 1.a ed., Casal (...)

5Desde o célebre e celebrado 2 de Maio de 1808 que a população de Madrid e, progressivamente, gente de outras regiões de Espanha e Portugal se foram levantando contra um ocupante que reagiu usando a força como argumento que lhe permitiria consolidar as suas posições. O saque de Évora de Julho de 1808, acontecimento tão trágico como marcante na história da cidade e de uma parte significativa do Alentejo,3 foi, neste contexto, uma operação militar punitiva com claros intuitos políticos que não se limitou a Évora, à província do Alentejo, mas fez parte de uma estratégia de acção usada variadas vezes contra as populações peninsulares que se levantaram contra uma ocupação francesa cada vez mais insuportável.

6Perante as origens e as condicionantes históricas enunciadas, os textos reunidos neste livro desenvolvem uma reflexão, à escala ibérica, daquilo que foi a história, a memória e o impacte patrimonial de uma operação político-militar que teve o saque de Évora como principal mas não como único protagonista.

II

7O texto da autoria de Alice Samara é dedicado às comemorações do primeiro centenário das Invasões Francesas, que se realizaram entre 1908-1914. As comemorações ficaram marcadas pela conjuntura politica que, como é sabido, corresponde ao fim do regime monárquico e à implantação da República. Tendo a iniciativa das comemorações partido do Exército, que por isso retirou todos os dividendos simbólicos inerentes, elas foram pautadas pelas divergências ideológicas entre as várias tendências políticas, que apenas terão estado em sintonia ao aprovarem um programa vincadamente nacionalista e patriótico. Mas enquanto os republicanos se norteavam pela ideia de que o verdadeiro herói durante as invasões francesas tinha sido o povo e que o Rei se pautara por uma conduta cobarde, ao abandonar a Nação com o seu exílio voluntário no Brasil, já os monárquicos, pelo menos antes de 1910, não tinham essa leitura dos factos e procuravam a comparação dos eventos de 1808-1814 com outras épocas de crise e ameaça à independência nacional. Como saldo destas comemorações, conclui Alice Samara que nessa sociedade de inícios de novecentos, marcada pela sensação de crise, as comemorações estiveram muito longe do objectivo inicialmente delineado, que era o de reforçar a união das várias tendências ideológicas em torno da memória de uma das épocas mais criticas e que ficou marcada na consciência dos portugueses sobre o significado da violência e da guerra.

8Também no domínio da memória e ideologia política, Fernando Martins analisa a evocação e comemorações da guerra peninsular pelo salazarismo. É sabido que, ao contrário do sucedido com outras épocas históricas, a História do século XIX não gozou da simpatia do salazarismo, dado que o regime associava essa época histórica ao liberalismo, parlamentarismo e início “da degenerescência da nação e do Estado”. Contudo, e apesar da importância marginal que a guerra peninsular e as “invasões francesas” tiveram na memória histórica e política do salazarismo, deu-se continuidade a algumas das iniciativas previstas pela Comissão Oficial Executiva do Centenário da Guerra constituída em 1907, com a construção de dois monumentos aos heróis da guerra Peninsular, um em Lisboa e outro no Porto. Tomando como base os relatos jornalísticos feitos, aquando da inauguração desses monumentos, o primeiro em Lisboa em Janeiro de 1933, e o segundo no Porto em Maio de 1952, Fernando Martins considera que a inauguração do Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular (1933) «foi acima de tudo um acontecimento políticomilitar porque nela se destacou o papel excepcional que o exército português tivera naquelas campanhas, mas também, e acima de tudo, o protagonismo que esse mesmo exército tivera na vida pública portuguesa desde a Grande Guerra e, especialmente, desde Maio de 1926»; já a inauguração do Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular do Porto (1952), dada a evolução política ocorrida nos 19 anos que medeiam entre as duas, acabou por ser integrada num conjunto de outras inaugurações feitas pelo Presidente da República Craveiro Lopes e que pretendiam sublinhar o progresso e fomento material conseguido pelo regime. Mesmo assim, o discurso que o Presidente fez, na inauguração do monumento do Porto, pode ser considerado como o retomar da ideia do povo como herói da guerra peninsular, ao evocar: “o valor dum povo que em período trágico da vida nacional [...] soube sacrificar vidas e fazendas numa luta sem quartel em defesa da sua Pátria.” Palavras que iam ao encontro da mensagem que os dois monumentos veiculam ainda hoje e que os autores dos mesmos quiseram perpetuar, e que estão bem visíveis no monumento de Lisboa: «essencialmente de glorificação do “povo” (ou da “nação”) e das suas principais figuras históricas, com especial destaque para Camões que, a partir das comemorações do III centenário da sua morte, viu renascer e consolidar o seu papel de símbolo maior da identidade nacional portuguesa».

9Domingo González Lopo analisa o impacto da presença das tropas francesas na Galiza em 1809. Começa por constatar que o pouco interesse pela investigação sobre a guerra peninsular na Galiza se pode ficar a dever à fraca mobilização popular, que se evidencia na tardia e mínima presença dos seus heróis e episódios nas comemorações a nível local. Sendo a Galiza no início de oitocentos uma das regiões mais populosas da Península, fruto da grande fertilidade dos seus campos em milho e batata e com uma população predominantemente rural, não admira que a população urbana não tenha desempenhado um papel determinante no conflito e tenha sido no meio rural que se fez a gestão da situação e dela tenham surgido “[…] los caudillos y las fuerzas de choque que durante la contienda llevaron el peso de la lucha, alcanzándose en sus escenarios los éxitos más destacados”. Goncalez Lopo dá-nos uma visão completa da situação, desde o contexto económico e social prevalecente nas vésperas da invasão dos franceses, ao prelúdio dos acontecimentos e a seu desenvolvimento.

10O estudo apresentado por Luís Assis toma como fundamento os relatos do tenente-general Thiébault, chefe do estado-maior do corps d’observation de la Gironde, sobre a expedição do corpo do exército francês, comandado pelo general Loison, ao Alentejo. Esta é uma perspectiva que nos fornece uma visão da guerra do lado do invasor, o que certamente proporciona ao leitor uma óptica distinta dos acontecimentos relativos ao Saque de Évora. O destaque é dado aos aspectos militares, possibilitando um melhor conhecimento do que foi a marcha do corpo francês comandado pelo tenente-general Loison na sua expedição ao Alentejo no Verão de 1808. A análise centra-se em dois momentos: o primeiro, sobre a formação do corpo francês em Lisboa e as estratégias ensaiadas por Junot; “no segundo, sobre a movimentação do exército francês comandado por Loison no Alentejo”, a “confrontação com as forças portuguesas e sua relação com as altas autoridades e com o povo português nos locais por onde passaram”. O texto permite ver as dificuldades enfrentadas pelos invasores, que tantas vezes a narração ideológica ou propagandística das fontes esquece, como por exemplo no assalto e ataque à cidade de Évora: «Nos dias 30 e 31 de Julho as forças francesas descansam em Évora. O repouso era indispensável. A estação do ano só por si provocara grandes sofrimentos, a fadiga das tropas, de maneira que durante os combates realizados no dia 29, um grande número de homens caíram mortos, rendidos pelo efeito do calor que lhes provocava hemorragias fazendo-os sangrar pela boca, pelo nariz e pelos ouvidos». Ou ainda, as grandes dificuldades que a marcha do exército francês após abandonar Évora implicou: «Os habitantes das aldeias, vilas e cidades por onde passou depois de Eivas, tinham quase todos fugido à sua aproximação e não forneceram quaisquer víveres. A carne, o vinho, o pão tinham faltado. A falta total de água durante dias inteiros no percurso da marcha contribuiu ainda mais para a penúria e miséria das tropas».

11A atitude popular, ou o papel desempenhado pela população, é o tema do texto de Lourenço Coutinho que analisa a importância da guerrilha e resistência popular para a derrota do exército napoleónico, não só no caso português mas também espanhol. É um texto que permite contextualizar a guerrilha e resistência popular ao exército francês num quadro geográfico mais amplo, o que traz obviamente a vantagem de compreender as várias revoltas que se deram de Norte a Sul de Portugal, ao chamar a atenção para os dados que efectivamente estavam em jogo na Península ibérica e na Europa. Ou seja, se efectivamente os exércitos napoleónicos marchavam pela Europa com as bandeiras erguidas em 1789 – a Igualdade, a Liberdade e a Fraternidade – e por isso poderiam ser vistos como agentes fundamentais da mudança que se avizinhava; o que de facto as populações indefesas sentiam era a violência, a fome e a miséria e terá sido nestas filhas de todas as guerras que o nacionalismo encontrou boa terra para germinar e alimentar as revoltas que por toda a Europa se ergueram contra o avanço napoleónico.

12Da guerra e estratégia militar fala também o texto de Antoni Moliner Prada, dedicado à estratégia napoleónica e às cidades sitiadas, analisando os casos de duas cidades ibéricas, Évora em Julho de 1808 e o de Tarragona, em Maio e Junho de 1811. Reconhecendo que os êxitos conseguidos por Napoleão assentavam numa nova atitude perante a guerra, baseada numa melhor preparação e empenho dos soldados, o autor reflecte sobre a importância assumida pelas fortalezas e fortificações para travar o avanço napoleónico na Península Ibérica. Neste mesmo contexto, as cidades sitiadas transformaram-se em autênticas “ratoeiras de morte” para as populações civis com os invasores a praticarem toda a sorte de violências: “[...] el saqueo de las casas, los robos, las violaciones de las mujeres, los incendios y todo tipo de excesos sin limite”. Os exemplos de Évora e Tarragona são bem elucidativos dessa violência perpetrada pelos invasores e tem outros aspectos em comum que Moliner Prada nos descreve com pormenor. De facto, como assinala: “En ambos casos los imperiales se ensanaron con los religiosos, las mujeres y la población civil. Destruyeron lo que más preciaban sus enemigos, el Santísimo Sacramento expuesto en las iglesias y en la Catedral”.

13O impacto da presença dos militares franceses nas comunidades locais e as alterações que essa presença trouxe para vida económica e social, é o tema central do texto de Nuno Pousinho. O texto descreve as repercussões das invasões francesas na Comarca de Castelo Branco. Numa cidade de província, marcada muito mais que na actualidade, pelos custos de interioridade e isolamento – não podemos esquecer que no inicio de oitocentos, as comunicações eram lentas, os obstáculos à circulação de notícias e ao transporte de bens e serviços eram imensos – a presença de um exército de 30 mil homens teve necessariamente grandes repercussões na vida económica e política. Nuno Pousinho dá-nos esse quadro de alterações, que vão desde as complexas necessidades de abastecimento desse exército, até as próprias mudanças políticas na vereação da Câmara da cidade.

14A guerra e as invasões são sempre épocas críticas para o património, pelo roubo e vandalismo que as acompanha. Os atentados ao património artístico e bibliográficos perpetrados pelos invasores na cidade de Évora em 1808 constituem o tema central do texto de Francisco Vaz. Tomando como fonte os relatos de alguns autores locais que viveram e sofreram nesses trágicos dias 29, 30 e 31 de Julho de 1808, o autor dá-nos o quadro da violência e roubo feito pelos franceses durante esses três dias, em que todos os estabelecimentos religiosos, conventos, mosteiros, igrejas e muitas casas particulares foram alvo da fúria dos franceses. Nas descrições avultam os relatos pormenorizados dos sacrilégios e atentados contra o Santíssimo Sacramento, que merecem um relato muito mais pormenorizado que as violações de mulheres ou outros atentados contra a vida e outros direitos humanos. O património sofreu mais pelo vandalismo praticado pelos soldados que pelo roubo, uma vez que os invasores assumiram “uma atitude que se pautou por não levar objectos de grande dimensão”, concentrando-se no roubo de dinheiro e objectos de ouro e prata tais como cálices, crucifixos, anéis e jóias. A mesma atitude esteve na origem da destruição de muitos cartórios e do espólio bibliográfico das livrarias conventuais e da própria Biblioteca Pública de Évora.

15O esbulho das colecções, particularmente das mineralógicas, onde existiam metais nobres e diamantes envolvidos, é o tema do texto de João Brigola. A cobiça dos franceses sobre as colecções que o labor de alguns naturalistas portugueses tinha reunido em Lisboa, sobretudo no Museu Real da Ajuda, vinha já de época anterior a 1808, que, neste ano e antes da invasão, fora visitado pelo cunhado de Junot para avaliar da riqueza em ouro e diamantes da sua colecção. De facto, devemos situar este interesse internacional em finais do século XVIII, época em que, como nos diz João Brigola: «A natureza imperial do país (Portugal) aliada a um tradicional desconhecimento dos seus recursos naturais, metropolitanos e coloniais, concitara uma geral curiosidade e expectativa internacional face à criação e condução (a partir da década de sessenta) dos estabelecimentos museológicos lusitanos a cargo de Domingos Vandelli». Era portanto manifesto o interesse dos franceses – bem como de muitas outras nações – pelas colecções que os nossos naturalistas tinham reunido. O esbulho tem os seus pontos altos a partir de início do século XIX, em 1803, 1804 e 1808 e resultam não apenas da situação de guerra, mas também da desarticulação administrativa e do atraso português em termos de investigação em Ciências Naturais.

16A concluir esta antologia, Fernando Dores traz-nos uma perspectiva da Guerra Peninsular tomando como base a documentação produzida pela Intendência Geral da Policia, o que possibilita captar os efeitos sociais criados pelas situações de guerra e pelas tarefas de preparação dos conflitos. Esta instituição, que foi fruto do reformismo político de Pombal e teve com Pina Manique uma importância política e social notável – basta lembrar a Casa Pia de Lisboa, ou as perseguições que Manique fez aos pedreiros-livres e afrancesados –, assumiu no contexto de guerra um papel determinante pelas funções que lhe estavam atribuídas e que Fernando Dores elenca logo no inicio. Não deixa também o autor de nos apontar alguns exemplos da perseguição política movida pela Intendência contra os franceses e afrancesados, como o que se passou com o célebre Jacome Ratton; e também a associação que então se fez entre judeus e jacobinos e que se traduziu na perseguição movida pela Intendência contra os judeus comerciantes na praça de Lisboa, onde avulta o exemplo do rico comerciante Gaspar Pessoa Tavares. O autor coloca em causa a interpretação “simplista” desta perseguição, como expressão de uma irrupção patriótica, ou de manifestação natural de um povo alvo de agressão. Entende, e bem, que “[...] a defesa da pátria não era uma força que se manifestava de forma unívoca, era uma referência para fundamentar a legitimidade dos indivíduos ou das autoridades que se reclamavam da sua direcção”, o que está muito bem documentado nos testemunhos que a Intendência produziu. Relativamente ao período da guerra a análise e documentação que Fernando Dores nos traz permite-nos uma perspectiva sobre a guerra peninsular em que abundam os pormenores sobre a logística, sejam sobre o efectivo de animais (cavalos) necessários para as tropas, ou às botas também indispensáveis para os soldados e que constituíam um verdadeiro problema para os exércitos em confronto.

Notes

1 Desafiar e combater a segurança e os interesses britânicos; criar e consolidar laços dinásticos e familiares; motivações de natureza económica, militar ou pessoal.

2 Paul W. Schroeder, The Transformation of European Politics. 1763-1848, s.e., Oxford, Clarendon Press, 1996, pp. 337-346. Ver ainda Vasco Pulido Valente, Ir Pró Maneta. A Revolta Contra os Franceses (1808), s.e., Lisboa, Aletheia, 2007, passim. Sobre a política externa e a diplomacia portuguesa na conjuntura que conduziu à “primeira invasão francesa”, Valentim Alexandre, Os Sentidos do Império. Questão Nacional e Questão Colonial na Crise do Antigo Regime Português, s.e., Porto, Ed. Afrontamento, 1993, pp. 93-164 e Jorge Borges de Macedo, História diplomática portuguesa: constantes e linhas de força, s.e., s.l., Instituto da Defesa Nacional, 1987, pp. 348-356; pp. 93-164. Para uma perspectiva da conjuntura com enfoque na história de Espanha, Raymond Carr, Espana 1808-1975. Edición espanola corregida y aumentada pelo autor, 5.a ed., Barcelona, Ariel, 1990, pp. 89-101. Finalmente, um resumo da perspectiva e da acção “inglesa”, face aos acontecimentos de 1807 e 1808 na Península Ibérica, pode ser vista em Rory Muir, Britain and the Defeat of Napoleon, 1807-1815, s.e., New Haven e Londres, Yale University Press, 1996, pp. 21-31.

3 Francisco António Lourenço Vaz (introd.), O saque de Évora pelos franceses em 1808, 1.a ed., Casal de Cambra, Caleidoscópio, 2008.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search