Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Contextos de promoção da leitura: bibliotecas públicas, escolares, universitárias e outras

BiblioDOMUS, a leitura em casa

Vera Silva

Résumé

As bibliotecas públicas desempenham um papel relevante para a qualificação das pessoas e para a afirmação e exercício da cidadania ao providenciar-lhes acessibilidade a recursos informativos, culturais e tecnológicos. Garantir a democratização ao seu acesso, promover a inclusão social e a valorização da comunidade são pressupostos em que assentam a visão, missão e objectivos da Biblioteca Municipal do Seixal. BiblioDOMUS é um projecto que tem por finalidade contribuir para a materialização dos pressupostos do nosso trabalho, um serviço de leitura domiciliária prestado a munícipes com necessidades especiais devido a problemas de mobilidade, permanentes ou temporários. Pretende-se que estas pessoas, apesar das suas limitações possam, como todos os outros cidadãos, usufruir dos seus direitos de acesso à cultura e à informação.

Public Libraries play an important role in training the people, clamming and exercise of citizenship by providing then access to informational, cultural and technological resources. Ensure the democratization oh its access, promoting social inclusion and appreciation of the community, are assumptions that underpin the vision, mission and goals of Seixal Public Library. A project which aims contribute to realization of the assumptions of our work is BiblioDOMUS, a service provided at home reading householders with special needs due to permanent or temporary mobility problems. It is intended that these people, despite their limitations can, like all other citizens, enjoy their rights of access to culture and information.

Texte intégral

Enquadramento do BiblioDOMUS no contexto da acção da biblioteca e da II Conferência Internacional Bibliotecas Para a Vida – práticas de promoção da leitura

1BiblioDOMUS, a leitura em casa, é um projecto para a promoção da (s) leitura (s). No âmbito desta conferência propomo-nos fazer a sua apresentação e partilhar informação sobre as metodologias e trabalho desenvolvido na fase piloto para a sua implementação. O enquadramento do BiblioDOMUS decorre de considerarmos que as bibliotecas públicas devem posicionar-se, no actual contexto social e na realidade da Internet, como parceiras propiciadoras de social network, ao desempenharem um papel relevante para a qualificação das pessoas, afirmação e exercício da cidadania, providenciando-lhes acessibilidade a recursos informativos, culturais, tecnológicos e comunicacionais. As bibliotecas podem também contribuir positivamente para a qualificação, coesão e inclusão social e individual ao promoverem as literacias, difundirem a informação e o conhecimento, facultando a todos recursos e oportunidades para ampliar uma consciência para a importância de escolhas críticas e fundamentadas dos indivíduos e serem factores indutores de acção e partilha na comunidade, de convergência cívica em torno de perspectivas, interesses e práticas conjuntas.

2Garantir a democratização ao acesso a recursos culturais, informativos e formativos, promover a inclusão social e a valorização das pessoas e da comunidade são direitos sociais inquestionáveis e pressupostos em que assentam a visão, missão e objectivos da Biblioteca Municipal do Seixal. Estes devem ser concretizados nas nossas práticas quotidianas e também nos projectos que desenvolvemos, no sentido de materializar a visão social que temos do papel das bibliotecas em geral e do horizonte de acção que, em particular, visamos para a nossa biblioteca. É neste contexto que se enquadra o BiblioDOMUS.

Objectivos do BiblioDOMUS

3O BiblioDOMUS é um serviço de apoio à leitura domiciliária para os munícipes com problemas de mobilidade permanentes ou temporários. É um projecto que afirma e compromete expressamente a biblioteca com dimensões de ética, solidariedade e justiça social, pois um desafio a que devemos responder é o de contribuir para consolidar, defender e estruturar o tecido cultural, informativo e social, práticas que credibilizam e afirmam o nosso trabalho na comunidade ampliando-o de acrescido sentido.

4São objectivos do BiblioDOMUS:

  • ser um serviço que efectivamente garanta aos utilizadores com necessidades especiais condicionados por limitações de mobilidade (ainda que temporárias), o cumprimento da visão, missão e objectivos da Biblioteca Municipal do Seixal;

  • promover a inclusão social;

  • contribuir, em termos de serviço de leitura pública para a democratização da prestação de serviços para a informação, a educação, a cultura e o lazer; apoiar os direitos de cidadania, valorização e crescimento das pessoas;

  • fornecer um serviço que, adaptado às necessidades especiais dos seus utentes, seja equiparável àquele que, localmente, na biblioteca se disponibiliza ao acesso à informação e uso da documentação;

  • procurar que estes utentes, apesar das suas limitações, possam, como todos os outros cidadãos, usufruir dos seus direitos de acesso à cultura e à informação.

5É pois uma evidência a convergência dos objectivos particulares do BiblioDOMUS com os das próprias bibliotecas.

Implementação do BiblioDOMUS

6O Gabinete de Acção Social e a Biblioteca Municipal são as estruturas da Câmara Municipal do Seixal que asseguram o BiblioDOMUS que, adaptado às necessidades especiais dos seus utentes, se pauta pelos critérios gerais de funcionamento dos serviços regulares da Biblioteca. Os utilizadores podem, pela Internet ou pelo computador portátil que acompanha o serviço domiciliário, consultar a base de dados da Biblioteca Municipal do Seixal a fim de se informarem sobre a existência no catálogo e disponibilidade dos documentos. O acesso a esta base de dados pode pois ser feito na casa dos utentes. Neste caso, se necessário, os leitores podem contar com a ajuda das funcionárias que, nos seus domicílios lhes prestam apoio. Quando, fora das visitas programadas, desejem obter qualquer informação sobre as nossas existências podem usar o telefone ou e-mail.

7Após a identificação dos documentos seleccionados por qualquer um dos procedimentos anteriormente referidos, a biblioteca faz chegar os documentos aos domicílios dos utentes e procede à recolha dos que lhes foram anteriormente emprestados. Todo este processo é registado em impressos apropriados, sendo deles entregue uma cópia aos utentes com a finalidade de se constituir como comprovativo do empréstimo e da respectiva devolução. São disponibilizados para uso domiciliário, durante um mês, até 6 livros, 3 vídeos, 2 DVD’s, 2 CD’s e 1 jogo ou CD-ROM.

8Além do serviço de entrega e recolha de livros e outros suportes, quando os leitores domiciliários aderem ao BiblioDOMUS são informados que podem também beneficiar do Serviço de Informação à Comunidade, para lhes fornecer informação que necessitem para o seu quotidiano e que tenham dificuldade em aceder ou encontrar. As informações pesquisadas pelo S. I. C. são, de acordo com a sua natureza, fornecidas por telefone, e-mail ou correio.

9As visitas domiciliárias para entrega e recolha de documentos são objecto de uma rotina previamente acordada com os leitores domiciliários. Os serviços municipais comprometem-se a informar os leitores de qualquer alteração imprevista que ocorra (e o mesmo se passa com estes), ajustando-se uma nova data. Garantimos, por motivos de segurança, que os leitores domiciliários nunca serão visitados por nenhum funcionário que eles não tenham conhecido anteriormente. Os utilizadores são informados que poderão apresentar livremente propostas de aquisição, críticas e/ou sugestões que julguem poder contribuir para a melhoria dos serviços prestados, pois os técnicos que garantem o Serviço Domiciliário de Apoio à Leitura estarão sempre munidos dos impressos destinados a esta finalidade e facultam-nos sempre e quando os leitores os solicitem. Pedimos também que colaborem connosco respondendo a um inquérito/questionário anual de avaliação, processo que é acompanhado por um funcionário habitualmente não envolvido na equipa visitante.

10Pontualmente, para algumas iniciativas que se realizam na biblioteca convidamos, e transportamos num veículo especial, os utentes que possam ser deslocados para nelas participarem, uma prática que logo que tenhamos mais recursos desejamos ampliar. É um procedimento relevante, pois estas pessoas para além de dificuldades de mobilidade e disponibilidade têm também graves problemas de isolamento. Refira-se que para além da pessoa que tem a limitação motora aceitamos integrar também no BiblioDOMUS os familiares que lhes prestam acompanhamento (por exemplo mães, maridos, mulheres). Estas são, frequentemente, pessoas idosas que, por necessitarem de assegurar cuidados ao seu familiar (alguns deles acamados), não têm oportunidade de se deslocar à biblioteca sem que isso signifique terem de abandonar a assistência que lhes prestam, dado que estes podem ter muito pouca, ou mesmo nenhuma, autonomia. Decorre desta situação que o isolamento que os afecta reflecte-se igualmente naqueles que deles cuidam. Ao contrário de um projecto semelhante que se desenvolve em Espanha, e do qual tivemos recentemente conhecimento, tal como sucede com os leitores da biblioteca não temos qualquer limite de idade para integrar leitores domiciliários no BiblioDOMUS. É uma evidência que, seja por motivo de doença ou acidente, a idade não é um factor que autonomamente determine ou isente um indivíduo de situação de limitação de mobilidade.

11Para aderir ao BiblioDOMUS, o leitor domiciliário necessita de preencher e fazer chegar à Biblioteca Municipal (via fax, e-mail ou correio) o inquérito concebido para se poder proceder à avaliação e selecção dos leitores que integrarão o projecto. O inquérito está na Internet em http://biblioteca.cm-seixal.pt:8082/​Paginas/​PaginasdoSiteBiblioteca/​BiblioDOMUS.aspx, e pode ser remetido via fax, e-mail ou correio. Também se encontra localmente disponível na Biblioteca Municipal do Seixal e respectivos Pólos de Amora e Corroios e Pontos de Acesso da Biblioteca Municipal que se localizam em todas as freguesias do concelho nas Lojas do Munícipe. Assim, familiares ou amigos podem contribuir para divulgar o projecto e dar inicio ao processo. O inquérito pode também ser pedido e o envio feito por correio. A divulgação do projecto é feita no Boletim Municipal, no site e espaços da Biblioteca. Solicitamos também a colaboração do Hospital Garcia da Horta, Centros de Saúde, clínicas, Centros de Dia da 3ª idade, escolas e comunicação social local. Fazemos chegar às instituições folhetos de divulgação e inquéritos que podem aí ser entregues aos próprios ou aos seus familiares.

12Após análise do inquérito, a selecção é complementada com uma visita a casa das próprias pessoas para melhor determinar a sua situação. Procede-se depois à inscrição do leitor domiciliário na sua própria casa, sendo isso antecedido da apresentação das regras de funcionamento e dos procedimentos do serviço BiblioDOMUS. Nessa ocasião procuramos fazer uma primeira aproximação para confirmar informação (com base nas respostas dadas no inquérito) e saber com maior detalhe os interesses, preferências e necessidades destes leitores. Esta proximidade é particularmente importante junto deste tipo de utentes pois quer a entrevista inicial, quer as visitas de rotina não se compaginam com o mecanicismo de um mero chegar/entregar/recolher documentos/adeus até à próxima. Estas pessoas estão muito solitárias, isoladas e circunscritas, pelo que carecem que lhes seja dada alguma atenção, que se manifeste interesse em saber o que gostaram ou o que não lhes agradou nos documentos que utilizaram, de trocar com eles opiniões e comentários de leitura(s), de lhes serem dadas sugestões, de ouvirmos as suas recomendações. Ao fim de algum tempo, a equipa visitante já consegue estabelecer um perfil muito aproximado dos interesses e características destes utilizadores, passando a tê-los em conta quando fazemos novas aquisições documentais, quer no aspecto formal, quer de conteúdo.

Pertinência do BiblioDOMUS

13Apesar de estarmos empenhados em acompanhar e incorporar os desenvolvimentos que emergem no universo das bibliotecas, importa não abandonar valores básicos e matriciais. Um deles, alicerçado desde o séc.XIX: a importância social da leitura gratuita percepcionada como valiosa para a “ilustração” das pessoas. Associada a essa “ilustração” acreditava-se que ela inferia também na elevação de níveis informativos que se reflectiam positivamente na urbanidade, civismo, progresso cultural e social. Ora o BiblioDOMUS assegura não só esta visão de base como a amplia e integra necessidades e perspectivas emergentes associadas a novos contextos.

14O BiblioDOMUS, como qualquer projecto, foi concebido visando atingir os objectivos que se propunha e a ter em conta que deve responder a um conjunto de problemas e/ou necessidades específicas de um grupo destinatário que é parte da nossa comunidade. O resultado é um projecto que assenta num processo dinâmico de intervenção social de âmbito cultual e informativo que pressupõe estimulo à interacção e participação efectiva dos utentes e uma atitude activa da biblioteca perante eles e a comunidade.

15O Serviço Domiciliário de Apoio à Leitura ainda que eventualmente pouco afirmado, está firmemente ancorado nos objectivos fundamentais das bibliotecas públicas: oferecerem recursos e prestarem serviços informativos, formativos, educativos culturais e de lazer a toda a população. Ora os diversos segmentos de leitores com necessidades especiais são parte integrante deste universo e assiste-lhes o direito de não serem excluídos. É inaceitável por parte das bibliotecas que, mais por força de inércia e falta de hábito do que por deliberação, se persista na discriminação ou apatia face a um segmento, ainda que minoritário, do universo dos seus utilizadores potenciais. Deve ser claro que quando se está no plano ético de direitos e deveres e no dos princípios que consubstanciam uma visão e uma missão, estes não são redutíveis ou validados pela expressão da grandeza aritmética que representem. A evidência da nossa interiorização deste conceito está plasmada na formulação da missão da Biblioteca Municipal do Seixal: “ser um serviço público que proporciona o livre acesso à informação, formação e à cultura a todos os munícipes independentemente das suas idades, sexo, raça, condição de saúde, níveis culturais e económicos, credos religiosos ou opções políticas”.

16Há estratégias que devem sempre estar presentes na generalidade dos nossos projectos e, por força de razão, também no BiblioDOMUS: gerar confiança; alargar espaços de comunicação; procurar ampliar níveis de cultura, conhecimento, informação e autonomia; motivar vontade de agir e de práticas com potencial transformador de quotidianos; perspectivar sempre os interesses e necessidades específicas das pessoas concretas. Estes são aspectos que importa focalizar. E decorre do exposto, quer em termos de atitude, quer de natureza deste projecto, a necessidade muito especial de não o encarar como um serviço de massas; de não ter uma abordagem anónima e tipificada face aos seus utilizadores; de não ter uma visão unilateral e unidimensional quando interagimos com eles

17Tal como sucede com a leitura, não obstante a progressiva melhoria de níveis de alfabetização, literacia, proximidade espacial do livro e outros suportes, isso não tem sido suficiente para abolir a distância social e cultural ao seu acesso. Também os leitores com necessidades especiais necessitam de enquadramentos particulares e específicos. Incorporar o BiblioDOMUS, e outros serviços de intervenção social, nas vertentes correntes do trabalho e da oferta das bibliotecas são meios que contribuem para progressivamente esbater esta distância. Mas carecem de continuidade de investimento em recursos documentais e informativos adequados (quer necessários, quer da expressa preferência dos utilizadores); de fidelizar leitores; de procurar melhorar formas de chegar a grupos sociais e a pessoas que estejam cultural, social ou por situação de saúde afastadas da leitura; de promover a afirmação de outras práticas culturais e de leitura(s); de estratégias de como fazer, de como incentivar e de como activar, divulgar e multiplicar a heterogeneidade de práticas existentes.

Levantar o BiblioDOMUS: metodologias e procedimentos

18Para começar, pelo princípio. Em 1998, no âmbito de uma candidatura ao concurso de apoio a projectos integrados e acções de promoção da leitura, fizemos a proposta de desenvolver um conjunto de iniciativas de apoio à leitura e uso de informação para segmentos específicos da comunidade. O seu acrónimo era BiblioARC e o BiblioDOMUS já aí era expressamente referido e exposto. Sucedeu que o projecto não foi apoiado. Entretanto desenvolvemos outros projectos e fomos continuando a referir superiormente o interesse do BiblioDOMUS, tendo ficado assente que seria desenvolvido logo que houvesse oportunidade. Em 2004 retomámos o BiblioDOMUS enquanto projecto autónomo e propusemos formalmente à Câmara Municipal do Seixal a sua aprovação.

19Para desenvolver o projecto BiblioDOMUS seguimos uma metodologia, produzimos uma série de documentos e desenvolvemos um conjunto de procedimentos que aqui, pontual e brevemente, expomos:

  • Reavaliámos o conceito do projecto autónomo e, em 2005, fizemos superiormente a sua apresentação formal.

  • Obtivemos a aprovação para iniciar o desenvolvimento do projecto.

  • Diligenciámos a colaboração do Gabinete de Acção Social da Câmara Municipal do Seixal, dada a importância de incorporarmos o conhecimento e experiência deste serviço, tendo-lhe sido enviado dossier do projecto e, em sequência, agendada uma primeira reunião visando a sua cooperação.

  • Entre meados de 2005 e 2006 procedemos a reuniões internas e outras para, conjuntamente, aferir a validade do projecto no âmbito das competências dos dois serviços; acordar aspectos operacionais e do interesse de efectuar uma fase piloto, necessidade de fazer um inquérito para seleccionar os participantes, apresentação do projecto a possíveis cooperantes e respectiva selecção; determinar recursos logísticos necessários ao projecto e quem os afectaria, determinar o financiamento necessário, calendarização das acções e fases do projecto, afectação financeira, avaliação do perfil dos colaboradores internos a associar ao projecto.

  • Concepção do modelo de inquérito para selecção dos utentes do BiblioDOMUS.

  • Realização do inquérito e respectivo tratamento.

  • Reuniões em 2006 para discussão de aspectos operacionais: definir o universo dos utilizadores da fase piloto do projecto (número de participantes; duração da participação); determinar as entidades cooperantes a associar ao projecto; determinar as condições de participação dos utentes; aferir as alterações organizativas a introduzir na biblioteca (criar na base de dados a tipologia leitores domiciliários; alterar o modelo de estatística de recolha de dados; conceber fichas de pedidos de empréstimos e de devoluções); afectação de recursos humanos ao Serviço Domiciliário de Apoio à Leitura; perspectivar o desenvolvimento operacional e logístico do projecto; determinar as competências e colaborações por parte da Biblioteca e do Gabinete de Acção Social; procedimentos para a divulgação do projecto; processo de avaliação; perspectivas de possibilidades de desenvolvimento futuro.

  • Concepção da imagem gráfica do BiblioDOMUS e respectivos sacos para transporte de documentos.

  • Visitas para entrevistar os leitores seleccionados nos seus domicílios.

  • Elaboração das linhas orientadoras, para informação e distribuição interna, destinadas aos funcionários da Biblioteca e do Gabinete de Acção Social para terem conhecimento do projecto, seus objectivos, procedimentos e quais os colegas que ficariam associados ao BiblioDOMUS.

  • Elaboração de uma folha informativa para os leitores domiciliários.

  • Elaboração de uma síntese para divulgação externa do Biblio DOMUS.

  • Implementação do projecto em 2006.

  • Divulgação do projecto nos meios de comunicação social.

  • Memorando, para conhecimento superior, sobre o andamento da fase piloto do BiblioDOMUS (2007).

  • Elaboração do modelo de inquérito de avaliação do projecto.

  • Realização do inquérito e tratamento dos dados (2007).

  • Relatório de avaliação da fase piloto do BiblioDOMUS, acompanhado pelos dados obtidos no inquérito realizado (tendo sido muito positiva a avaliação que os utentes fizeram ao projecto).

  • Reuniões para aferir a continuidade e desenvolvimento do projecto. Memorando sobre alterações operacionais e logísticas a considerar e a introduzir para melhorar a concretização dos objectivos do BiblioDOMUS (2008).

  • Elaboração de comunicações visando a divulgação e o debate sobre o projecto “A intervenção social da biblioteca na comunidade: o projecto BiblioDOMUS para a qualificação individual e o crescimento colectivo”, apresentada no IX Congresso da BAD no painel “Cidadania e acesso à informação” e no V Fórum Seixal Saudável (ambas em 2007); referências ao projecto na comunicação “Na busca do Graal: experiências e perspectivas da Biblioteca Municipal do Seixal”, no âmbito do IV Encontro Oeiras a Ler (2009).

  • Relançamento do BiblioDOMUS (Maio de 2009).

20A fase piloto do BiblioDOMUS teve um acolhimento muito positivo por parte dos meios de comunicação nacionais, sendo objecto de várias entrevistas, reportagens e artigos, como se pode constatar no quadro seguinte:

21Destaque-se a participação muito activa e entusiasta dos utentes domiciliários nesta divulgação, a quem foi dado grande destaque e protagonismo na cobertura que os meios de informação fizeram ao projecto.

O BiblioDOMUS no contexto de serviços/projectos de intervenção social da Biblioteca e perspectivas de futuro

22Depois da fase piloto do BiblioDOMUS, feita a sua avaliação, desejamos que, entrando em pleno funcionamento, se afirme junto do público-alvo potencial e seja, como outros serviços, uma vertente e recurso da actividade regular disponibilizada pela biblioteca.

23Mas o BiblioDOMUS é apenas um entre outros dos projectos de intervenção social para a promoção da (s) leitura (s) e do desenvolvimento pessoal e social em que a Biblioteca Municipal do Seixal (inaugurada a 26 de Novembro de 1993) está localmente empenhada. Exemplos de projectos e serviços deste tipo, e que estão em curso, são:

24Equipamento informático para invisuais, recurso disponibilizado em 1995, composto por um computador, impressora Braille e um sintetizador de voz que permite acesso à leitura na Internet.

25Livros procuram… uma duradoura iniciativa permanente para recolha, troca e oferta de livros e outros documentos entre os leitores e que teve início em 1999.

26Aprender numa tarde um projecto de formação em competências básicas de tecnologias de informação e comunicação para os munícipes e que decorre ininterruptamente desde 2002, pois o universo da informação e recursos electrónicos carecem de aquisição de competências para poderem ser lidos e usados.

27Dar de Volta, um projecto iniciado em 2006, que proporciona aos munícipes a reutilização de manuais escolares. Baseia-se numa rede social de partilha e em conceitos de solidariedade, combate ao desperdício, equilíbrio ecológico e rentabilização de recursos que procura facilitar a todos alguns dos meios essenciais ao processo individual de acesso às vantagens do ensino e da aprendizagem, bases essenciais para a literacia e a leitura que são valores fundamentais para a construção das pessoas e afirmação social da democracia.

28Direitos por Direito? concebido em 2006 no âmbito da promoção da leitura, e operacionalizado a partir de 2007. É destinado às crianças, perspectivando a informação e a formação para a cidadania e a aquisição de competências informativas, que lhes permite analisarem e reflectirem conceitos afectos aos direitos humanos enquanto paradigmas de dignidade e coesão nas nossas sociedades. Fazem-no com recurso a documentos textuais, visuais, sonoros e materiais para role play disponibilizados em maletas pedagógicas e usados no contexto de estratégias de filosofia para crianças. Estas maletas, contém também diversos auxiliares pedagógicos para professores e alunos.

29Espaço Intercultural da Biblioteca Municipal do Seixal um serviço inaugurado em 2007, que disponibiliza recursos documentais e informativos para minorias, nas suas línguas maternas, informação relevante e actividades especificamente preparadas para as pessoas provenientes de outros países e culturas. Ao proporcionar a manutenção da oportunidade de ler nas línguas de origem, visamos contribuir para uma inclusão equilibrada pela presença de referenciais relevantes, democratização do acesso ao conhecimento, à cultura e à informação e ser um espaço de sociabilização na comunidade,

30Seixal Qu@lifica um projecto lançado em 2008 para a qualificação e certificação dos munícipes em TICs, o que os prepara melhor para os desafios da Sociedade da Informação e valoriza os seus currículos pessoais.

31Estes são exemplos de práticas, serviços, projectos e recursos em que, na Biblioteca Municipal do Seixal, estamos envolvidos no sentido de materializar a visão social que temos do papel das bibliotecas. Está também na nossa agenda um conjunto de acções e projectos no âmbito de serviços educativos (quer limitados no tempo, quer de continuidade), uma área de trabalho e intervenção em que estamos envolvidos e onde tencionamos investir mais.

32Não desejamos, de todo, renunciar a ideias e ícones identitários partilhados pelas bibliotecas, mas, mais do que enunciá-los, faz sobretudo sentido procurar materializar a sua visão. Todos os serviços e projectos referidos têm por eixos comuns: procurar afirmar a possibilidade de perspectivas e de dinâmicas de mudança; o investimento no desenvolvimento humano e na coesão social; a promoção e valorização de uma cidadania informada, activa e crítica; o potencial de validade e interesse para as pessoas a quem tocam directamente; a contribuição para que a acção da biblioteca possa fazer a diferença na comunidade. Com isto desejamos influenciar positivamente alterações de atitudes, ampliar práticas culturais, educativas, informativas e de leitura(s), sendo que estamos permanentemente dispostos a deixarmo-nos desafiar e contagiar por projectos, práticas e processos válidos que ocorram em outras bibliotecas e instituições e que possam melhorar e ampliar o que fazemos e oferecemos. Potencialmente, também podemos ser um pequeno foco de contaminação. Isso já sucedeu quer com o “Dar de Volta” (que emerge em várias bibliotecas), quer com o “BiblioDOMUS” que, recentemente, começou a desenvolver-se na Biblioteca de Odivelas. Para além de perspectivas positivas oriundas do domínio da gestão, estas práticas de benchmarking afirmam-se também entre nós porque todos ambicionamos que a leitura, a informação, o conhecimento sejam efectivamente instrumentais para a formação e qualificação das pessoas e, por consequência, para a consciência e vivência da cidadania e afirmação de paradigmas de dignidade, desenvolvimento, inclusão e coesão nas nossas sociedades.

33Mas o nosso percurso não deve limitar-se a ser apenas um frenesim que se esgota, por si, num sucessivo processo de levantar e experimentar projectos, numa ânsia acrítica e irrealista de estar à la page sem que estejam reunidas condições básicas que a assegurem. Claro que gostamos de fazer coisas novas e úteis que importem às nossas comunidades. E, por vezes, é necessário iniciá-las antes de estarem reunidas as condições ideais mas, no mínimo, devemos assegurar que, para isso, dispomos das essenciais. E quando a pertinência e validade de um projecto são reconhecidas pelos destinatários devemos voltar a recentrar-nos na razão essencial da sua origem e procurar dar-lhe sustentabilidade, ampliar o seu âmbito e potencial de desenvolvimento. Por isso, acreditamos que devemos garantir ao BiblioDOMUS um horizonte de projecção para que ele possa crescer, qualificar-se e, mais tarde, segmentar-se em outros projectos e englobar também novos objectivos. Estes projectos derivados do BiblioDOMUS teriam, para além de uma finalidade cultural, educativa, formativa e informativa, também finalidades sociais e terapêuticas, pois é frequente as pessoas com limitações de mobilidade serem afectadas por graves problemas de isolamento e deficit de sociabilização, o que agudiza problemas psicológicos ao nível da auto-estima, e sentido de vida.

34Exemplos de projectos deste tipo, e que estamos a considerar implementar (mas sempre enquadrados em finalidades consequentes com o amplo trabalho das bibliotecas e coerentes com a crescente diversidade do métier de bibliotecário), é o BiblioDOMUS poder dar origem ao AutoDOMUS (em que levaremos os leitores domiciliários aos locais da acção de um livro ou filme e, nesse contexto, à realização de uma “comunidade de leitores”, ou promover a sua participação em iniciativas locais culturais, educativas e informativas que contextualizem, ampliem e qualifiquem as leituras); ao InfoDOMUS (levar-lhes a casa o “Aprender numa tarde” e/ou o “Seixal Qu@lifica”, abrindo perspectivas de mecenato e patrocínio a empresas locais no que concerne a equipamentos informáticos); ao VolunDOMUS (relançar nas suas casas a prática esquecida da(s) leitura(s) acompanhada(s) em voz alta e debatidas, uma iniciativa que se poderá desenvolver em parcerias com estagiários de escolas, e/ou voluntariado). E ainda a outras novas vertentes que se venham a perspectivar e que dêem maior emancipação, auto-estima e valorização aos leitores domiciliários garantindo-lhes direitos básicos de cidadania.

35Agradam-nos particularmente dois pensamentos de Óscar Wilde: “na vida só há duas coisas verdadeiramente aborrecidas: não se obter nada daquilo que se sonha ou, pelo contrário, obter tudo aquilo com que se sonha” epode-se resistir a tudo menos às tentações”. Ora nas Bibliotecas Públicas não temos este problema: haverá sempre muito mais para fazer do que aquilo com que poderemos sonhar. E isso porque trabalhamos para as pessoas, todas tão singulares e espantosamente diversas. E, de todo, não sabemos como resistir à tentação de as seduzir e desafiar, oferecendo-lhes novos projectos que elas gostem, que as, e nos apaixonem e que… não podem mais ser abandonados. Por isso, espero num próximo evento poder dar conta de um novo projecto: o AutoDOMUS.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/409/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 151k

Auteur

Chefe da Divisão de Biblioteca e Arquivo Histórico Municipal – Biblioteca Municipal do Seixal.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr