Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Género, Diversidade e Cidadania

 | 
Fernanda Henriques

Terceira Parte. Trabalho, Género e Cidadania

Industrialização e Domesticidade no século XIX. A edificação de um novo modelo social de género

Teresa Pinto

Texte intégral

Introdução

  • 1 Cf. LAGRAVE, Rose-Marie, “Uma emancipação sob tutela. Educação e trabalho das mulheres no século XX (...)

1Nos dias de hoje, o desemprego e o trabalho a tempo parcial substituem, como sublinha Rose-Marie Lagrave, os discursos ideológicos sobre o regresso das mulheres ao lar1. O paradigma da domesticidade feminina continua a marcar as relações sociais de género, apesar das mudanças ocorridas na situação de mulheres e de homens. A associação da domesticidade à natureza feminina confere-lhe um cariz intemporal e, portanto, imutável. Este texto pretende contribuir para conferir historicidade ao processo de consolidação do modelo social de género que configurou a contemporaneidade, focando, em particular, a sua relação com o processo de industrialização.

1. O paradigma da domesticidade feminina

2A consolidação da família nuclear moderna, fruto do processo combinado de industrialização e de desenvolvimento urbano, está associada à demarcação entre o espaço doméstico, tornado privado, e a comunidade exterior, identificada com o espaço público. Esta dicotomia, decorrente da afirmação da mentalidade burguesa, confinou decisivamente as mulheres à esfera privada, nelas incorporando, como realidades constitutivas indissociáveis, a maternidade e a domesticidade.

  • 2 Cf. POPE, Barbara Corrado, “The Influence of Rousseau’s Ideology of Domesticity”, in BOXER, Marilyn (...)

3O século XIX assimilou e validou a herança do pensamento iluminista que, como corolário da enfatização da «natureza» reprodutora da mulher, a excluiu da racionalidade e, congruentemente, do exercício da cidadania. Na configuração do modelo de domesticidade oitocentista, materializado em inícios do século em Inglaterra e progressivamente integrado na Europa continental, foi particularmente determinante a influência de Rousseau. A concepção Rousseauniana de mulher ideal, apropriada ideologicamente pela burguesia vitoriana, seria propagada pelo pensamento político europeu oitocentista e legitimada, do ponto de vista científico, pelo discurso biomédico, que popularizou uma imagem de mulher determinada pelo seu destino biológico, e, do ponto de vista teórico, pelo positivismo, o qual alicerçou a estabilidade social no princípio da diferenciação e complementaridade entre os sexos.2

  • 3 Cf. GIORGIO, Michela De, “O Modelo Católico”, in DUBY, Georges, PERROT, Michelle (dir.), História d (...)
  • 4 Cf. COVA, Anne, «Au Service de 1’Eglise, de la Patrie et de la Famille». Femmes catholiques et mate (...)

4O discurso religioso não foi menos importante na configuração do modelo feminino de esposa e de mãe, verificando-se que a focalização do discurso católico na imagem da Virgem como redentora do pecado de Eva proporciona, em simultâneo, nas palavras de Michela De Giorgio, “a intensa devoção mariana e a recuperação dos valores da maternidade”3. Estes são reiterados com a encíclica Rerum novarum, de 1891, que definiu a mulher como mãe por natureza e desenvolveu a noção, predominante em finais de oitocentos, da complementaridade dos papéis de mulheres e de homens, competindo a elas as tarefas domésticas e a eles a responsabilidade de governar e sustentar a família.4

5A construção do aforismo da domesticidade foi acompanhada pela valorização da família, que ganhou um novo significado com a consolidação do ideal de «família — santuário», baluarte da estabilidade social, na qual a mulher, idealizada como «anjo», consumava os seus deveres conjugais e maternais. Domesticidade e maternidade não funcionavam só como elementos constitutivos da identidade feminina, mas tornavam-se pedras basilares da família e, através desta, da sociedade.

6A família converteu-se num elemento central do sistema social pela sua função mediadora entre as esferas pública e privada. Garantindo a reprodução e a integração social de cada indivíduo, através de um processo cada vez mais complexo de socialização das crianças, ela passou a ser o sustentáculo dos recursos humanos produtivos necessários, não só à sua sobrevivência, mas também ao crescimento económico das nações. Compreende-se, pois, que se argumentasse insistentemente, ao longo de oitocentos, na necessidade de manutenção da família, entendendo-se esta como a família nuclear burguesa, como se esta correspondesse à instituição familiar tradicional. A realidade era, no entanto, distinta.

  • 5 Censo da População do Reino de Portugal no 1.° de Dezembro de 1890, vol.3, Lisboa, Imprensa Naciona (...)

7A família nuclear não se generalizaria, ao conjunto da população, antes de decorridas algumas décadas do século XX e a própria representação coeva de família exibia uma grande amplitude. Em Portugal, no Censo de 1890, a «família» é definida como “o grupo de pessoas, parentes ou não, que residem usualmente na mesma habitação, vivendo em comum, na dependência de um mesmo chefe. Os serviçais são, pois, considerados como fazendo parte da Família. Uma pessoa vivendo só, em habitação separada, é considerada como uma Família”5 e nos resultados do recenseamento a família nuclear está longe de ser predominante.

2. Industrialização e domesticidade — a emergência da noção de mulher inactiva

8Nos séculos XVII e XVIII a divisão sexual do trabalho não implicava uma delimitação precisa entre as esferas doméstica e produtiva, ou entre a produção para uso e a produção para troca, ou entre a economia formal e a informal. As actividades realizadas por cada um dos sexos eram valorizadas como produtivas.

  • 6 Cf. MARX, Karl, O salário, o preço e o lucro, Lisboa, Estampa, 1975.

9Com o desenvolvimento da sociedade industrial ocorre uma progressiva dissociação do trabalhador do produto do seu trabalho, tal como do local, dos meios e dos saberes necessários à produção. O salário que recebe expressa o valor atribuído, não ao trabalho que realiza, mas à sua força de trabalho, que passou a ser vendida como qualquer mercadoria6. Foi com base neste critério que se demarcou a população activa da não activa. Nesta conformidade, o estatuto de mulher trabalhadora não se aplicava àquelas que ganhavam a vida trabalhando no interior das suas casas.

  • 7 Cf. LEWIS, Jane, Women in England, 1870-1950: Sexual Divisions and Social Change, Sussex, Wheatshea (...)

10As investigações têm revelado, todavia, que em inúmeros contextos os rendimentos auferidos pelas mulheres representavam mais de 50% do orçamento familiar7. Não obstante, as actividades por elas exercidas no contexto doméstico e no seio da economia informal eram excluídas da categoria trabalho e consideradas tão-só como funções e responsabilidades, de acordo com a ideologia que confinava as mulheres ao lar e ao seu papel de mãe e de esposa. Esta situação contribuiu para privar de valor produtivo o resultado do seu desempenho.

  • 8 Cf. BLUNDEN, Catherine, Le travail et la vertu. Femmes au foyer: une mystification de la révolution (...)
  • 9 Cf. SCOTT, Joan Wallach, “A mulher trabalhadora”, in DUBY, Georges, PERROT, Michelle (dir.), Histór (...)

11O paradigma da domesticidade trouxe como corolário o princípio da mulher inactiva8, ou seja, da mulher que não trabalha segundo o novo conceito de trabalho decorrente do primado da economia de mercado. Foi nessa base que se argumentou, ao longo do século XIX, no sentido de considerar a «mulher trabalhadora» como um produto indesejável da industrialização e, portanto, como um problema social. É neste contexto que Joan Scott considera que a «mulher trabalhadora» é um produto conceptual oitocentista9.

12A exclusão das mulheres do trabalho considerado produtivo foi escamoteada, em termos discursivos, pela noção de que a função de gestão do orçamento familiar que lhes era cometida se traduzia em actividades geradoras de poupança, ou seja, que a mera contenção de despesas era equivalente a um acréscimo de rendimento no orçamento familiar. A imagem das mulheres como gestoras do consumo, ideal das classes médias, tornou-se, gradualmente, uma aspiração das classes trabalhadoras. A gestão do consumo permitia igualmente, a par das funções maternais, converter a situação de inactividade feminina face ao trabalho considerado produtivo numa situação ocupacional compatível com a proclamada «natureza feminina».

  • 10 Cf. BOLUFER PERUGA, Mónica, “Actitudes ante el trabajo femenino en el siglo XVIII”, in RAMOS PALOMO (...)
  • 11 Cf. SOHN, Anne-Marie, Chrysalides. Femmes dans la vie privée (XIXe-XXe siècle), vol. I, Paris, Publ (...)

13Estas actividades, às quais podemos acrescentar, no caso das classes médias, a filantropia, têm como elemento comum o facto de serem realizadas em função do outro e não das próprias mulheres, isto é, são fruto do altruísmo inerente à virtude feminina. Deste modo supera-se, ideologicamente, a antinomia entre duas concepções coexistentes: a da mulher trabalhadora como desviante, viciosa e perversa e, em contraposição, a da mulher inactiva como ociosa, perniciosa e moralmente condenável, que correspondia à atitude face ao trabalho feminino anterior ao século XIX10. Como sublinha Anne-Marie Sohn, mesmo no período finissecular, a mulher que não concorria para o orçamento familiar era malvista nos meios operários e pequeno burgueses, que preferiam a mulher activa à mulher preguiçosa11.

  • 12 Cf. SOHN, Anne-Marie, “Un siècle décisif pour les femmes?", in RUANO-BORBALAN, Jean-Claude (coord.) (...)

14A exclusão das mulheres da esfera da produção e a sua circunscrição ao espaço doméstico foram sustentadas, como destacou Joan Scott, por uma imagem distorcida do trabalho das mulheres antes e depois da revolução industrial, de modo a criar uma imagem de conciliação impossível entre produção e reprodução na sociedade industrializada. Contrastava-se o suposto carácter informal e doméstico do trabalho da mulher na sociedade pré-industrial às exigências de dedicação em tempo e de deslocação espacial, encaradas como uma novidade do trabalho industrial. A ideia das mulheres associadas à esfera doméstica surgia, pois, validada pela alegada realidade de um passado histórico, um passado diluído na intemporalidade e, desse modo, ajustado notavelmente à argumentação da perenidade da «natureza feminina»12.

3. Novas perspectivas sobre a industrialização e o trabalho das mulheres

15A investigação histórica tem vindo a questionar os referentes historiográficos que representam a unidade económica familiar, característica do Antigo Regime, como uma realidade homogénea. Inúmeras pesquisas monográficas, locais e regionais, bem como estudos de carácter comparativo têm evidenciado as diversidades geográfico-temporais, mostrando que uma parte significativa da população dos séculos XVII e XVIII não se encontrava inserida numa mesma unidade económica familiar, mas, pelo contrário, os seus elementos integravam-se em sectores de actividade económica distintos.

  • 13 Cf. GARRIDO ARCE, Estrella, “El trabajo de las mujeres en la economia familiar preindustrial. La Hu (...)

16Muitas mulheres jovens empreendiam longas deslocações para assegurarem sustento como trabalhadoras agrícolas, como aprendizas ou como criadas domésticas e mesmo as mulheres casadas não se coibiam de trabalhar frequentemente fora de casa ou durante longas jornadas, recorrendo a amas para lhes tratar dos filhos13.

  • 14 Cf.BORDERÍAS, “El trabajo de las mujeres... op. cit..
  • 15 HALL, Catherine, “Lar, doce lar”, in ARIÈS, Philippe, DUBY, Georges (dir.), História da Vida Privad (...)
  • 16 Cf. SCOTT, Joan, “A Mulher Trabalhadora... op. cit.; HUDSON, Pat, “Women and Industrialization... o (...)

17Uma outra ideia que tem vindo a ser questionada e relativizada é a de que os ofícios pré-industriais eram um mundo masculino. Cristina Borderías, por exemplo, salienta que em Barcelona as mulheres desempenharam um papel central no funcionamento e manutenção dos ofícios, claramente assumida com a viuvez, revelando ser detentoras de um nível suficiente de saber especializado para poderem gerir e dirigir as oficinas. Integradas desde a infância nas actividades produtivas do ofício, este continua a marcar a sua vida depois do casamento devido à endogamia socioprofissional14. Como afirma Catherine Hall, “só as pessoas ricas podiam permitir-se não fazer trabalhar a mulher. A mulher do rendeiro tinha a seu cargo a leitaria; a mulher do negociante ocupava-se do estabelecimento ou da contabilidade; a viúva de um fabricante podia retomar a empresa por morte do marido”15. A multiplicidade dos trabalhos realizados pelas mulheres, que podiam conciliar actividades de produção e de prestação de serviços, tal como trabalhar, no mesmo dia, fora e dentro de casa são outras características reveladas pelas pesquisas16.

  • 17 Cf. ARBAIZA VILALLONGA, Mercedes, “La construcción social del empleo femenino... op. cit..

18A historiadora Mercedes Arbaiza sintetiza os resultados da investigação mais recente, realizada em diversos países, ao afirmar que a redução do trabalho feminino durante o processo de transição para a sociedade industrial, na segunda metade do século XIX, corresponde mais a um efeito discursivo do que à realidade17.

  • 18 Cf. FRANZOI, Barbara, “«... with the wolf always at the door...».... op. cit..

19A industrialização assentou, desde o seu início, numa pluralidade de mercados de trabalho, decorrente da coexistência de diversos sistemas de produção. A par do desenvolvimento das manufacturas e das fábricas, persistem as unidades oficinais, o trabalho ao domicílio é incrementado e verifica-se a proliferação de um conjunto de serviços exigidos pelas novas formas de organização social e do trabalho. As duas últimas modalidades (produção ao domicílio e prestação de serviços) estavam, sobretudo, a cargo das mulheres e representavam uma percentagem muito significativa dos proventos familiares. As mulheres vão inserir-se, massivamente, em inúmeros ramos da economia informal e esta, quer gerando novas actividades, quer integrando outras mais tradicionais, perdurou como elemento constitutivo do próprio sistema capitalista18.

  • 19 Cf. FRANZOI, Barbara, Ibidem; PERROT, Michelle, “Funções da Família”, in ARIES, Philippe, DUBY, Geo (...)
  • 20 Cf. SALGADO, Maria Teresa, “Angelina Vidal: entre le socialisme et le féminisme”, in AAVV, Utopie e (...)

20No que respeita ao trabalho fabril assistiu-se, na Grã-Bretanha, na Alemanha, em França, em Espanha e em Portugal, entre outros países, à progressiva feminização de determinadas indústrias, particularmente as têxteis, do vestuário, da alimentação e do tabaco19. Teresa Salgado salienta, aliás, que nas três indústrias de ponta, em Portugal, na segunda metade do século XIX, têxtil, tabaco e papel, predominava a mão-de-obra feminina, a qual era proveniente do Norte e das Beiras interiores20.

  • 21 Cf. DUBESSET, Mathilde e ZANCARINI-FOURNEL, Michelle, Parcours de femmes. Réalités et représentatio (...)

21O trabalho realizado ao domicílio constituía uma condição do próprio desenvolvimento capitalista e determinados sectores, designadamente o têxtil, a confecção e o papel, intensificaram o trabalho familiar a cargo das mulheres, permitindo-lhes realizar uma actividade produtiva mercantilizada que se coadunava com o princípio da domesticidade21.

22Apesar do trabalho ao domicílio obrigar a longas jornadas de trabalho, que se traduziam numa redução substancial da capacidade de resposta das mulheres às solicitações do foro doméstico, o facto é que, não sendo conferida visibilidade a esta realidade, a sua existência não tinha lugar no universo mental da época. Esta produção ocupava, todavia, um elevado número de mulheres e, na segunda metade do século XIX, determinados sectores dependiam de uma produção oficinal que se feminizava.

  • 22 Cf. BORDERÍAS, Cristina, “El trabajo de las mujeres... op. cit.; a autora estima que os homens trab (...)

23Ao mesmo tempo que ocorre uma feminização da indústria domiciliária, a presença das mulheres na esfera produtiva pública é intransigentemente desaconselhada. Esta é considerada espaço dos homens que nela deverão obter os rendimentos necessários, não só ao seu sustento, mas ao de todos os elementos da família, cumprindo um novo atributo da masculinidade, o de «ganha-pão». Embora o paradigma que vinculava o sexo feminino à esfera doméstica tenha logrado firmar-se, progressivamente, ao nível da ideologia e das práticas sociais, verificou-se que as condições materiais de sobrevivência das famílias, entre outros factores, impediram sempre a que a maioria das mulheres se tivesse desligado da esfera produtiva. Como afirma Cristina Borderías, no século XIX, embora os homens tenham sido libertados dos labores considerados de reprodução, as mulheres continuaram a exercer actividades remuneradas, trabalhando mais dias por ano e em jornadas mais prolongadas22.

  • 23 Cf. ALMEIDA, Ana Nunes de, “Mulheres e Famílias Operárias: a «esposa doméstica»”, Análise Social vo (...)
  • 24 Cf. LEWIS, Jane, Women in England... op. cit..

24As possibilidades laborais para as mulheres aumentaram em muitos casos e em Portugal, por exemplo, só após o primeiro terço do século XX é que o ideal de domesticidade feminina parece ter sido assimilado pelas classes populares, através da comutação do referencial da família burguesa em modelos de «família-cópia», para usar o termo utilizado por Ana Nunes de Almeida23. São, pois, os espaços e os tempos profissionais dos homens que resultam mais rigidamente definidos, em congruência com a nova lógica de ruptura entre produção e lar e entre público e privado. As fronteiras entre o público e o privado parecem, aliás, ter-se definido mais vincadamente nas áreas da cidadania política e do trabalho doméstico do que no respeitante ao emprego remunerado24.

4. A industrialização e o novo modelo social de género

  • 25 SCOTT, Joan Wallach, “A mulher trabalhadora... op. cit..
  • 26 PÉREZ-FUENTES HERNANDEZ, Pilar, “El trabajo de las mujeres en la España... op. cit.”, p. 35 (traduç (...)

25O processo de industrialização e a decorrente monetarização da economia, com a crescente fractura entre produção e lar, determinaram uma individualização das relações laborais e uma reorganização das funções de produção e de reprodução que se traduziram num novo modelo social de género. Ao sublinhar-se a diferenciação entre lar e trabalho, não só ao nível do espaço, mas também do tempo para o exercício de cada uma das incumbências, construiu-se, como refere Joan Scott, um discurso que acentuou e naturalizou a divisão sexual do trabalho.25 Convocando a dimensão de género na oposição entre lar e trabalho entre reprodução e produção instituiu-se, nas palavras de Pilar Pérez-Fuentes, “um novo marco normativo e simbólico através do qual se gera uma nova identidade feminina e masculina com diferenças substanciais relativamente às sociedades pré-industriais”26, ou seja, procedeu-se a uma reconceptualização da feminidade e da masculinidade.

26A ênfase conferida no século XIX ao problema do trabalho das mulheres e ao carácter a-histórico da domesticidade feminina, ou seja, a naturalização deste constructo ideológico, com base numa caracterização antitética do trabalho das mulheres antes e depois da revolução industrial, favoreceu o enfoque que foi dado pela historiografia ao impacto das alterações resultantes da revolução industrial sobre as mulheres. Durante muito tempo o processo de industrialização foi associado a uma alteração radical da «economia familiar», com a clivagem entre produção e reprodução, entre produção para uso e produção para troca e entre esfera pública e esfera privada. Este quadro não deixava outra alternativa às mulheres senão confinarem-se ao espaço doméstico e às funções de reprodução, de acordo com a incorporação da domesticidade na noção de feminidade.

  • 27 Cf. BALLESTEROS DONCEL, Esmeralda, “Contribuciones de las mujeres al bienestar material de los hoga (...)

27Os censos oitocentistas, considerados instrumentos objectivos de recolha de informação sobre a população, contribuíram para ocultar o trabalho feminino. Os seus critérios de organização e de classificação não se podem dissociar dos valores sociais dominantes. As categorias profissionais da população activa foram deixando de incluir as actividades que não se exerciam fora do âmbito doméstico e mediante um salário, excluindo, assim, uma elevada percentagem de mulheres rurais e urbanas. Constata-se, ainda, que a exclusão sistemática dessas mulheres das estatísticas coevas se deveu, também, à inexistência de categorias que se ajustassem à pluriactividade que caracterizava o trabalho feminino, ou seja, à realização simultânea de diversas ocupações sem espaços e tempos profissionais bem definidos27. Com efeito, os recenseamentos da população apenas registavam a actividade principal de cada indivíduo, homem ou mulher, o que implicava dificuldades de opção na seriação profissional das mulheres e a impossibilidade de inscrever todas as actividades efectivamente exercidas.

  • 28 Cf. SOTO CARMONA, Alvaro, “Cuantificación de la Mano de Obra Femenina (1860-1930)”, in AAVV, La Muj (...)
  • 29 Cf BAPTISTA, Virgínia do Rosário, As Mulheres no Mercado de Trabalho em Portugal: Representações e (...)

28O progressivo sub-registo do trabalho feminino naquelas fontes estatísticas, a partir, sobretudo, do último quartel do século XIX, levou a que se concluísse que o emprego feminino decrescera de forma acentuada, tendência que só se teria invertido após a II Guerra Mundial. Alimentou-se, assim, a ideia de que o «acesso das mulheres ao trabalho» se consolidara somente após aquele conflito, em resultado das reivindicações feministas e do crescimento de sector terciário. As investigações desenvolvidas no Reino Unido, nos EUA, em França, em Espanha e em Portugal, entre outros países, têm analisado o processo de reclassificação das categorias de trabalho nos Censos ao longo do século XIX e primeiras décadas do século XX28. No caso português, o estudo de Virgínia Baptista mostra como a alteração dos critérios de classificação dos censos ocasionou a definição de grupos socioprofissionais que não se adequavam às profissões exercidas pelas mulheres. Em consequência, verificou-se, sobretudo a partir de 1900, uma redução das taxas de actividade feminina e um aumento das mulheres inscritas na categoria de «trabalhos domésticos»29.

29A utilização de novos indicadores sobre o trabalho feminino, resultantes do cruzamento de diversas fontes, demonstrou que os índices de participação das mulheres, incluindo as casadas, em actividades remuneradas se mantiveram elevados durante todo o século XIX e primeiras décadas do século XX. Estes dados obrigam a questionar a ênfase atribuída ao aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho depois da II Guerra Mundial e à eleição desta como um momento de ruptura na situação das mulheres.

Conclusão

30A história das mulheres tem mostrado, em primeiro lugar, que o processo de industrialização não implicou uma quebra substancial do trabalho das mulheres na segunda metade do século XIX e inícios do século XX, em segundo lugar, que o trabalho ao domicílio foi incrementado e se feminizou, tendo persistido em toda a sua pujança até bem dentro do século XX e, em terceiro lugar, que o trabalho após a revolução industrial não implicou, na prática, deslocações geográficas ou afectações de tempo muito diferentes às que se verificaram para as fases de pré e de proto-industrialização. Acima de tudo, no entanto, o que tem emergido é a grande diversidade (geográfica, sector de actividade, classe social, etc.) das situações, quer nos períodos de pré e de proto-industrialização, quer no de industrialização, evidenciando a impossibilidade, por um lado, de estabelecer um padrão único caracterizador da situação e do trabalho das mulheres para qualquer dos períodos enunciados e, por outro lado, de definir uma tendência evolutiva linear da relação das mulheres com o trabalho.

31O impacto da industrialização traduziu-se menos numa radical mudança na relação das mulheres com o trabalho do que na redefinição das relações entre mulheres e homens, gerando um reforço da divisão sexual do trabalho. Esta reconceptualização da feminidade e da masculinidade foi sustentada por representações simbólicas bem hierarquizadas e convergentes com um edifício ideológico-discursivo naturalizador da diferenciação sexual. Isto significa que a industrialização contribuiu para a construção de um modelo social de género alicerçado na cisão sexuada dos espaços público e privado, das funções de produção e de reprodução, dos sectores e actividades profissionais, das esferas política e familiar, a que são atribuídos valores sociais e simbólicos desiguais.

  • 30 DOSSE, François, Paul Ricoeur, Michel de Certeau. L’Histoire: entre le dire et le faire, Paris, L’H (...)

32O entrosamento entre o processo de industrialização e o paradigma da domesticidade evidencia a importância de conferir historicidade à reconstrução das relações sociais de género, pois, como postula François Dosse, na senda de outros pensadores, negligenciar o passado é deixá-lo actuar à nossa revelia e, portanto, nas palavras do autor, “viver sob a sua tutela, enquanto que a operação historiográfica torna possível pensar o futuro do passado”30.

Bibliographie

Referências bibliográficas

ALMEIDA, Ana Nunes de, “Mulheres e Famílias Operárias: a «esposa doméstica»”, Análise Social, vol. XXVIII, n.o 120, 1993, pp. 105-132.

ARBAIZA VILALLONGA, Mercedes, “La construcción social del empleo femenino en Espana (1850-1935)”, Arenal. Revista de historia de las mujeres, vol. 9, n.o 2, 2002, pp. 215-239.

BALLESTEROS DONCEL, Esmeralda, “Contribuciones de las mujeres al bienestar material de los hogares en la España contemporánea: aproximaciones socio-históricas”, Arenal. Revista de historia de las mujeres, vol. 9, n.o 2, 2002, pp. 241-267.

BAPTISTA, Virgínia do Rosário, “A progressiva invisibilidade do trabalho feminino em Portugal (1890-1940)”, in VAZ, Maria João, RELVAS, Eunice, PINHEIRO, Nuno (orgs.), Exclusão na História. Actas do Colóquio Internacional sobre exclusão social, Oeiras, Celta, 2000, pp. 8597.

BAPTISTA, Virgínia do Rosário, As Mulheres no Mercado de Trabalho em Portugal: Representações e Quotidianos (1890-1940), Lisboa, ONG/CC da CIDM, 1999.

BLUNDEN, Catherine, Le travail et la vertu. Femmes au foyer: une mystification de la révolution industrielle, Paris, Payot, 1982.

BOLUFER PERUGA, Mónica, “Actitudes ante el trabajo femenino en el siglo XVIII”, in RAMOS PALOMO, María Dolores, VERA BALANZA, María Teresa (eds.), El Trabajo de las Mujeres, pasado y presente. Congreso Internacional del Seminario de Estudios Interdisciplinarios de la Mujer, Tomo I, Málaga, Diputación Provincial de Málaga/Univ. de Málaga, 1996, pp.215-225.

BORDERÍAS, Cristina, “El trabajo de las mujeres en la Cataluña contemporánea desde la perspectiva de los hogares: balance y perspectivas”, Arenal. Revista de historia de las mujeres, vol. 9, n.o 2, 2002, pp. 269-300.

CAPEL MARTÍNEZ, Rosa María, “Las etapas iniciales de una incorporación. 1850-1918”, in Mujer y trabajo en el siglo XX, Madrid, Arco Libros, 1999, pp. 11-33.

Censo da População do Reino de Portugal no 1.o de Dezembro de 1890, vol. 3, Lisboa, Imprensa Nacional, 1896.

COVA, Anne, «Au Service de l'Eglise, de la Patrie et de la Famille». Femmes catholiques et maternité sous la IIIe République, Paris, l’Harmattan, 2000.

DE GIORGIO, Michela, “O Modelo Católico”, in DUBY, Georges, PERROT, Michelle (dir.), História das Mulheres no Ocidente, vol. 4, FRAISSE, Geneviève, PERROT, Michelle (dir.), O Século XIX, Porto, Ed. Afrontamento, 1994, pp. 199-237.

DOSSE, François, Paul Ricoeur, Michel de Certeau. L'Histoire: entre le dire et le faire, Paris, L’Herne, 2006.

DUBESSET, Mathilde e ZANCARINI-FOURNEL, Michelle, Parcours de femmes. Réalités et représentations. Saint-Etienne 1880-1950, Lyon, Presses Universitaires de Lyon, 1993.

FOLBRE, Nancy, “The Unproductive Housewife: Her Evolution in Nineteenth-Century Economic Thougt”, Signs: Journal of Women in Culture and Society, vol. 16, n.o 3, 1991, pp. 463-484.

FOLGUERA, Pilar, “Hubo una revolución liberal burguesa para las mujeres? (1808-1868)”, in GARRIDO, Elisa (ed.), Historia de las Mujeres en España, Madrid, Ed. Sintesis, 1997, pp. 421-449.

FRANZOI, Barbara, “«...with the wolf always at the door...»: Women’s Work in Domestic Industry in Britain and Germany”, in BOXER, Marilyn J., QUATAERT, Jean H. (eds.), Connecting Spheres. Women in the Western World, 1500 to the Present, New York, Oxford University Press, 1987, pp. 146-155.

GARCÍA ABAD, Rocío, PAREJA ALONSO, Arantza, “Servir al patrón o al marido. Mujeres con destino a la Ría de Bilbao durante la primera industrialización”, Arenal. Revista de historia de las mujeres, vol. 9, n.o 2, 2002, pp. 301-326.

GARRIDO ARCE, Estrella, “El trabajo de las mujeres en la economía familiar preindustrial. La Huerta de Valencia en el siglo XVIII”, in RAMOS PALOMO, María Dolores, VERA BALANZA, María Teresa (eds.), El Trabajo de las Mujeres, pasado y presente. Congreso Internacional del Seminario de Estudios Interdisciplinarios de la Mujer, Tomo I, Málaga, Diputación Provincial de Málaga/ Universidade de Málaga, 1996, pp. 105-115.

HALL, Catherine, “Lar, doce lar”, in ARIÈS, Philippe, DUBY, Georges (dir.), História da Vida Privada, vol. 4, PERROT, Michelle (dir.), Da Revolução à Grande Guerra, Porto, Afrontamento, 1990, pp. 62-63.

HENRIQUES, Fernanda, “Rousseau e a exclusão das mulheres de uma cidadania efectiva”, in FERREIRA, Maria Luisa Ribeiro (org.), O que os Filósofos pensam das mulheres, Lisboa, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 1998, pp. 171-190.

HUDSON, Pat, “Women and industrialisation”, in PURVIS, June (ed.), Women’s History Britain, 1850-1945: an introduction, London, 2.a ed., UCL Press, 1997, pp. 23-49.

KNIBIEHLER, Yvonne, et al., De la pucelle à la minette. Les jeunes filies de l'âge classique à nos jours, Paris, Temps Actuels, 1993.

LAGRAVE, Rose-Marie, “Uma emancipação sob tutela. Educação e trabalho das mulheres no século XX” in DUBY, Georges, PERROT, Michelle (dir.), História das Mulheres no Ocidente, vol. 5, THÉBAUD, Françoise (dir.), O Século XX, Porto, Ed. Afrontamento, 1994, pp. 505-543.

LEWIS, Jane, Women in England, 1870-1950: Sexual Divisions and Social Change, Sussex, Wheatsheaf Books, 1984.

MARX, Karl, O salário, o preço e o lucro, Lisboa, Estampa, 1975.

PÉREZ-FUENTES HERNANDEZ, Pilar, “El trabajo de las mujeres en la España de los siglos XIX y XX: algunas consideraciones metodológicas”, in NASH, Mary, BALLESTER, Rosa (coord.), Mulheres, Trabalho e Reprodução. Atitudes Sociais e Práticas de Protecção à Vida. Actas do III Congresso da ADEH, vol. 2, Porto, Ed. Afrontamento, 1996, pp. 33-55.

PERROT, Michelle, “Funções da Família”, in ARIÈS, Philippe, DUBY, Georges (dir.), História da Vida Privada, vol. 4, PERROT, Michelle (dir.), Da Revolução à Grande Guerra, Porto, Afrontamento, 1990, pp. 105-119.

PERROT, Michelle, “Personagens e Papéis”, in ARIÈS, Philippe, DUBY, Georges (dir.), História da Vida Privada, vol.4, PERROT, Michelle (dir.), Da Revolução à Grande Guerra, Porto, Afrontamento, 1990, pp. 121-185.

POPE, Barbara Corrado, “The Influence of Rousseau’s Ideology of Domesticity”, in BOXER, Marilyn J., QUATAERT, Jean H. (eds.), Connecting Spheres. Women in the Western World, 1500 to the Present, New York, Oxford University Press, 1987, pp. 136-145.

SALGADO, Maria Teresa, “Angelina Vidal: entre le socialisme et le féminisme”, in AAW, Utopie et Socialisme au Portugal au XIXe siècle. Actes du Colloque (10-13 Janvier 1979), Paris. Fondation Calouste Gulbenkian, Centre Culturel Portugais, 1982, pp. 307-318.

SCOTT, Joan Wallach, “A mulher trabalhadora”, in DUBY, Georges, PERROT, Michelle (dir.), História das Mulheres no Ocidente, vol. 4, FRAISSE, Geneviève, PERROT, Michelle (dir.), O Século XIX, Porto, Ed. Afrontamento, 1994, pp. 443-475.

SOHN, Anne-Marie, “Un siècle décisif pour les femmes?, in RUANO BORBALAN, Jean-Claude (coord.), L’Histoire aujourd’hui, Auxerre, Sciences Humaines Editions, 1999, pp. 95-100.

SOHN, Anne-Marie, Chrysalides. Femmes dans la vie privée (XIXe-XXe siècle), vol. I, Paris, Publ. de la Sorbonne, 1996.

SOTO CARMONA, Alvaro, “Cuantificación de la Mano de Obra Femenina (1860-1930)”, in AAW, La Mujer en la Historia de España (siglos XVI-XX). Actas de las Jornadas de Investigación Interdisciplinaria, Madrid, Universidad Autónoma de Madrid, 1984, pp. 279-298.

VAQUINHAS, Irene, «Senhoras e Mulheres» na Sociedade Portuguesa do século XIX, Lisboa, Colibri, 2000.

Notes

1 Cf. LAGRAVE, Rose-Marie, “Uma emancipação sob tutela. Educação e trabalho das mulheres no século XX” in DUBY, Georges, PERROT, Michelle (dir.), História das Mulheres no Ocidente, vol. 5, THÉBAUD, Françoise (dir.), O Século XX, Porto, Ed. Afrontamento, 1994, pp. 505-543.

2 Cf. POPE, Barbara Corrado, “The Influence of Rousseau’s Ideology of Domesticity”, in BOXER, Marilyn J., QUATAERT, Jean H. (eds.), Connecting Spheres. Women in the Western World, 1500 to the Present, New York, Oxford University Press, 1987, pp. 136-145; HENRIQUES, Fernanda, “Rousseau e a exclusão das mulheres de uma cidadania efectiva”, in FERREIRA, Maria Luisa Ribeiro (org.), O que os Filósofos pensam das mulheres, Lisboa, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 1998, pp. 171-190; VAQUINHAS, Irene Maria, «Senhoras e Mulheres» na Sociedade Portuguesa do século XIX, Lisboa, Colibri, 2000.

3 Cf. GIORGIO, Michela De, “O Modelo Católico”, in DUBY, Georges, PERROT, Michelle (dir.), História das Mulheres... op. cit., vol. 4, p. 230.

4 Cf. COVA, Anne, «Au Service de 1’Eglise, de la Patrie et de la Famille». Femmes catholiques et maternité sous la IIIe Republique, Paris, 1’Harmattan, 2000.

5 Censo da População do Reino de Portugal no 1.° de Dezembro de 1890, vol.3, Lisboa, Imprensa Nacional, 1896, p. 241 (nota ao quadro VIII). Itálico no original.

6 Cf. MARX, Karl, O salário, o preço e o lucro, Lisboa, Estampa, 1975.

7 Cf. LEWIS, Jane, Women in England, 1870-1950: Sexual Divisions and Social Change, Sussex, Wheatsheaf Books, 1984; FRANZOI, Barbara, “«...with the wolf always at the door...»: Women’s Work in Domestic Industry in Britain and Germany”, in BOXER, Marilyn J., QUATAERT, Jean H. (eds.), Connecting Spheres. Women in the Western World, 1500 to the Present, New York, Oxford University Press, 1987, pp. 146-155; KNIBIEHLER, Yvonne, et al., De la pucelle à la minette. Les jeunes filies de l' âge classique à nos jours, Paris, Temps Actuels, 1993; HUDSON, Pat, “Women and industrialisation”, in PURVIS, June (ed.), Women’s History Britain, 1850-1945: an introduction, London, 2.a ed., UCL Press, 1997, pp. 23-49(1.a ed. 1995); PÉREZ-FUENTES HERNANDEZ, Pilar, “El trabajo de las mujeres en la Espana de los siglos XIX y XX: algunas consideraciones metodológicas”, in NASH, Mary, BALLESTER, Rosa (coord.), Mulheres, Trabalho e Reprodução. Atitudes Sociais e Práticas de Protecção à Vida. Actas do III Congresso da ADEH, vol. 2. Porto, Ed. Afrontamento, 1996, pp. 33-55; CAPEL MARTÍNEZ, Rosa María, “Las etapas iniciales de una incorporación. 1850-1918”, in Mujer y trabajo en el siglo XX, Madrid, Arco Libros, 1999, pp. 11-33; GARCÍA ABAD, Rocio, PAREJA ALONSO, Arantza, “Servir al patrón o al marido. Mujeres con destino a la Ría de Bilbao durante la primera industrialización”, Arenal. Revista de historia de las mujeres, vol.9, n.° 2, 2002, pp.301-326; BORDERÍAS, Cristina, “El trabajo de las mujeres en la Cataluña contemporánea desde la perspectiva de los hogares: balance y perspectivas”, Arenal. Revista de historia de las mujeres, vol. 9, n.° 2, 2002, pp.269-300; ARBAIZA VILALLONGA, Mercedes, “La construcción social del empleo femenino en Espana (1850-1935)”, Arenal. Revista de historia de las mujeres, vol. 9, n.° 2, 2002, pp.215-239.

8 Cf. BLUNDEN, Catherine, Le travail et la vertu. Femmes au foyer: une mystification de la révolution industrielle, Paris, Payot, 1982.

9 Cf. SCOTT, Joan Wallach, “A mulher trabalhadora”, in DUBY, Georges, PERROT, Michelle (dir.), História das Mulheres no Ocidente, vol.4, FRAISSE, Geneviève, PERROT, Michelle (dir.), O Século XIX, Porto, Ed. Afrontamento, 1994, pp. 443-475.

10 Cf. BOLUFER PERUGA, Mónica, “Actitudes ante el trabajo femenino en el siglo XVIII”, in RAMOS PALOMO, María Dolores, VERA BALANZA, María Teresa (eds.), El Trabajo de las Mujeres, pasado y presente. Congreso Internacional del Seminario de Estudios Interdisciplinarios de la Mujer, Tomo I, Málaga, Diputación Provincial de Málaga/ Univ. de Málaga, 1996, pp. 215-225.

11 Cf. SOHN, Anne-Marie, Chrysalides. Femmes dans la vie privée (XIXe-XXe siècle), vol. I, Paris, Publ. de la Sorbonne, 1996.

12 Cf. SOHN, Anne-Marie, “Un siècle décisif pour les femmes?", in RUANO-BORBALAN, Jean-Claude (coord.), L’Histoire aujourd’hui, Auxerre, Sciences Humaines Editions, 1999, p. 99.

13 Cf. GARRIDO ARCE, Estrella, “El trabajo de las mujeres en la economia familiar preindustrial. La Huerta de Valencia en el siglo XVIII”, in RAMOS PALOMO, María Dolores, VERA BALANZA, María Teresa (eds.), El Trabajo de las Mujeres, pasadoy presente. Congreso Internacional del Seminario de Estudios Interdisciplinarios de la Mujer, Tomo I, Málaga, Diputación Provincial de Málaga/Universidade de Málaga, 1996, pp.105-115.

14 Cf.BORDERÍAS, “El trabajo de las mujeres... op. cit..

15 HALL, Catherine, “Lar, doce lar”, in ARIÈS, Philippe, DUBY, Georges (dir.), História da Vida Privada, vol. 4, PERROT, Michelle (dir.). Da Revolução à Grande Guerra, Porto, Afrontamento, 1990, pp. 62-63.

16 Cf. SCOTT, Joan, “A Mulher Trabalhadora... op. cit.; HUDSON, Pat, “Women and Industrialization... op. cit.; GARRIDO ARCE, Estrella, “El trabajo de las mujeres en la economia... op. cit..

17 Cf. ARBAIZA VILALLONGA, Mercedes, “La construcción social del empleo femenino... op. cit..

18 Cf. FRANZOI, Barbara, “«... with the wolf always at the door...».... op. cit..

19 Cf. FRANZOI, Barbara, Ibidem; PERROT, Michelle, “Funções da Família”, in ARIES, Philippe, DUBY, Georges (dir.), História da Vida... op. cit., pp. 105-119; FOLGUERA, Pilar, “Hubo una revolución liberal burguesa para las mujeres? (18081868)”, in GARRIDO, Elisa (ed.), Historia de las Mujeres en España, Madrid, Ed. Sintesis, 1997, pp. 421-449.

20 Cf. SALGADO, Maria Teresa, “Angelina Vidal: entre le socialisme et le féminisme”, in AAVV, Utopie et Socialisme au Portugal au XIXe siècle. Actes du Colloque (10-13 Janvier 1979), Paris. Fondation Calouste Gulbenkian, Centre Culturel Portugais, 1982, pp. 307-318.

21 Cf. DUBESSET, Mathilde e ZANCARINI-FOURNEL, Michelle, Parcours de femmes. Réalités et représentations. Saint-Etienne 1880-1950, Lyon, Presses Universitaires de Lyon, 1993; PERROT, Michelle, “Personagens e Papéis”, in ARIÈS, Philippe, DUBY, Georges (dir.), História da Vida... op. cit., pp. 121-185; LEWIS, Jane, Women in England... op. cit., SCOTT, Joan Wallach, “A mulher trabalhadora... op. cit.; FRANZOI, Barbara, “«... with the wolf always at the door...»... História da Vida... op. cit.

22 Cf. BORDERÍAS, Cristina, “El trabajo de las mujeres... op. cit.; a autora estima que os homens trabalhavam 255 dias por ano e as mulheres 284 dias (p.294).

23 Cf. ALMEIDA, Ana Nunes de, “Mulheres e Famílias Operárias: a «esposa doméstica»”, Análise Social vol. XXVIII (120), 1993, (1.°), pp.105-132.

24 Cf. LEWIS, Jane, Women in England... op. cit..

25 SCOTT, Joan Wallach, “A mulher trabalhadora... op. cit..

26 PÉREZ-FUENTES HERNANDEZ, Pilar, “El trabajo de las mujeres en la España... op. cit.”, p. 35 (tradução da autora).

27 Cf. BALLESTEROS DONCEL, Esmeralda, “Contribuciones de las mujeres al bienestar material de los hogares en la España contemporánea: aproximaciones socio-históricas”, Arenal. Revista de historia de las mujeres, vol.9, n.° 2, 2002, pp. 241-267.

28 Cf. SOTO CARMONA, Alvaro, “Cuantificación de la Mano de Obra Femenina (1860-1930)”, in AAVV, La Mujer en la Historia de España (siglos XVI-XX). Actas de las Jornadas de Investigación Interdisciplinaria, Madrid, Universidad Autónoma de Madrid, 1984, pp.279-298; ARBAIZA VILALLONGA, Mercedes, “La construcción social del empleo femenino... op. cit.; LEWIS, Jane, Women in England... op. cit.; HALL, Catherine, “Lar Doce Lar... op. cit.; FOLBRE, Nancy, “The Unproductive Housewife: Her Evolution in Nineteenth-Century Economic Thougt”, Signs: Journal of Women in Culture and Society, vol.16, n.° 3, 1991, pp.463-484; BAPTISTA, Virgínia do Rosário, “A progressiva invisibilidade do trabalho feminino em Portugal (1890-1940)", in VAZ, Maria João, RELVAS, Eunice, PINHEIRO, Nuno (orgs.), Exclusão na História. Actas do Colóquio Internacional sobre exclusão social, Oeiras, Celta, 2000, pp. 85-97.

29 Cf BAPTISTA, Virgínia do Rosário, As Mulheres no Mercado de Trabalho em Portugal: Representações e Quotidianos (1890-1940), Lisboa, ONG/CC da CIDM, 1999.

30 DOSSE, François, Paul Ricoeur, Michel de Certeau. L’Histoire: entre le dire et le faire, Paris, L’Herne, 2006, p. 134 (tradução da autora).

Auteur

Investigadora do CEMRI da Universidade Aberta. Mestre e Doutoranda em Estudos sobre as Mulheres, especialidade História das Mulheres e do Género (Universidade Aberta).

© Publicações do Cidehus, 2008

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr