Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Género, Diversidade e Cidadania

 | 
Fernanda Henriques

Terceira Parte. Trabalho, Género e Cidadania

Globalização, Pobreza e Género1

Manuela Silva

Texte intégral

  • 1 Este texto reproduz a conferência que a Professora Manuela Silva proferiu no Colóquio Género, Diver (...)

A igualdade de género é uma questão fundamental para a realização da Agenda do milénio.... A igualdade de género não tirará da pobreza apenas as mulheres, mas também as suas crianças, as suas famílias e os seus
países.
Relatório da UNICEF sobre “A situação mundial da infância 2007”

1. Breve apontamento sobre a globalização

1A palavra “globalização” entrou na linguagem corrente das cidadãs e dos cidadãos medianamente informados. Contudo, à popularidade do termo não corresponde idêntico grau de compreensão da realidade de que se trata e, muito menos, uma mesma apreciação dos seus aspectos positivos e negativos. Vale, pois, a pena começar por clarificar a linguagem e equacionar o balanço das virtudes e dos males associados ao fenómeno em causa.

2Num livrinho de Mário Murteira, que vivamente recomendo a quem se interessa pela questão (O que é a Globalização? Ed. Quimera, 2003), o Autor fala de uma “falsa ideia clara”, para pôr em evidência que, se à primeira vista a globalização entrou facilmente no léxico corrente, nem sempre, porém, tal acontece com o alcance que seria devido.

3O fenómeno da globalização é — e não é — um fenómeno novo.

4Muitos autores demonstram que o processo da globalização vem de longe, pelo menos desde o século XV, quando os navegadores portugueses (e, mais tarde, espanhóis, ingleses, holandeses e outros) abriram as rotas marítimas para o comércio com povos longínquos e iniciaram, então, o rumo da especialização produtiva, que está na origem do capitalismo. Desde então, não parou o movimento de alargamento das fronteiras do comércio mundial e a importância de que se foram revestindo as transacções comerciais internacionais.

5Ainda assim, há que reconhecer que esta é apenas uma dimensão do fenómeno da globalização. A partir do último quarto de século e, mais aceleradamente, desde o início da década de 90, a globalização passou por uma “mutação genética” que ainda não terminou.

6A globalização, tal como hoje nós a conhecemos, tomou conta do sistema produtivo e da reprodução do capital. Deixaram de existir fronteiras geográficas ou políticas para os negócios e os empreendimentos económicos são concebidos em função de lógicas de maximização dos lucros potenciais, independentemente da sua respectiva localização espacial. Tal opção é cada vez mais viável, graças aos progressos da tecnologia, que permitem a minuciosa divisão de tarefas de um dado processo produtivo e de comercialização, a par de crescentes facilidades de informação, que proporcionam uma gestão transnacional e em rede. É hoje possível e prática comum conceber um negócio repartido por diferentes localizações espaciais e envolvendo recursos humanos, matérias-primas e técnicas, repartidos por vários países e continentes.

7A globalização da economia vem adquirindo uma dimensão sistémica e irreversível.

8Mas não só.

9A globalização não ocorre apenas na mega economia da produção. Está também intrinsecamente associada à crescente financeirização da mesma. No mercado mundial, as transacções sobre mercadorias já não representam senão uma ínfima parte do total dos fluxos transaccionados. Cerca de 5% apenas, sendo os restantes 95% relativos a movimentos de fluxos financeiros. Convirá ainda precisar que, entre estes últimos, o investimento directo estrangeiro (IDE) é apenas uma modesta parcela. O fenómeno mais espectacular é, seguramente, o que se refere às transacções de títulos em carteira, operações em divisas e outras de carácter mais ou menos especulativo. Também nestes casos, a tecnologia e os meios de comunicação deram — e estão dando — um forte impulso à globalização.

10Para entender a natureza e o alcance da globalização em curso, há, ainda, que recordar o aparecimento das empresas transnacionais e o poder económico de que estas, hoje, dispõem na cena mundial. Basta lembrar que, em alguns casos, o seu volume de negócios ou capitais envolvidos excedem o PIB de alguns países. Não admira, pois, que estas empresas ditem as suas regras no mercado mundial e forcem a sua transposição para as economias nacionais, como presentemente vem sucedendo.

11Por último, deverá assinalar-se que a globalização que conhecemos se tem processado no contexto de um mercado global desregulado, sustentado por ideologias sócio-políticas de índole liberal com ressonância na própria cultura e no estilo de vida das populações.

12Em síntese, gostaria de deixar claro que a globalização é um processo em marcha com múltiplos contornos e conexões estreitas entre economia, política e cultura. Hoje, não é possível equacionar a nossa vida em sociedade sem ter em conta este fenómeno.

13Não queria, porém, deixar pairar a ideia de que possa existir um total determinismo na história. Há, seguramente, margens de liberdade no complexo jogo do aproveitamento das oportunidades criadas e é um facto que esta globalização tem a seu favor alguns aspectos positivos de inegável alcance, designadamente os progressos alcançados em termos de volume de produção de bens materiais e de conhecimento, em aumento espectacular de produtividade e eficiência económica, em redução de penosidade do trabalho humano e qualidade de vida nas suas múltiplas vertentes. Há, seguramente, um lado luminoso da globalização em curso, mas também uma face lunar obscurecida pela grande e crescente desigualdade na repartição dos custos e dos proveitos, pela incidência negativa no equilíbrio ecológico e multiplicação de riscos de rupturas na preservação do meio ambiente, e, de modo particular, na extensão, intensidade e severidade da pobreza para largos estratos de população do Globo.

14A globalização é, assim, uma realidade socio-economico-cultural de sentido ambivalente, o que abre caminho a um enorme desafio: o do protagonismo possível em relação à construção do futuro.

2. Pobreza e exclusão social

15Falemos agora da pobreza e exclusão social no mundo em que vivemos, a tal face sombria da globalização desregulada e de forte componente financeira.

16São conhecidos os dados de relatórios internacionais de várias proveniências que traçam as rotas da extensão, incidência e severidade da pobreza à escala mundial e no interior dos vários países, incluindo aqueles que apresentam níveis de desenvolvimento económico mais elevados. A pobreza é uma realidade incontornável neste nosso mundo do século XXI, com particular acuidade em África, em alguns países asiáticos e no continente latino-americano.

17Estima-se que cerca de mil milhões de pessoas vivem em pobreza absoluta (com rendimento equivalente a menos de um dólar por dia) com o que tal implica de fome, falta de acesso a cuidados de saúde básicos, carência de habitação, saneamento, abastecimento de água e energia eléctrica ou sem ensino básico assegurado. São pessoas condenadas a viver à margem do progresso e sujeitas a doenças evitáveis e morte prematura. Outros mil milhões vivem em privação relativa, com rendimentos que ficam abaixo dos limiares considerados mínimos segundo os padrões de vida dos seus respectivos países. Ou seja, um terço da população mundial é pobre e muito pobre.

18O que é mais perturbador é que esta situação não resulta tanto da falta de meios de subsistência, mas da forma como a riqueza e o rendimento estão distribuídos. Sem querer cair no fetiche das estatísticas, afigura-se útil recordar um indicador de repartição de rendimento à escala mundial. Cerca de 60% da população mundial dispõe de apenas 6% do rendimento, o que, lido de outro modo, quer dizer que 94% do mesmo é apropriado pelos restantes 40%. Tão grande desigualdade, além de constituir causa de pobreza para muitos, é factor de insegurança para todos, pois não pode alcançar-se uma paz justa e duradoura quando os bens estão tão iniquamente repartidos.

19A pobreza não é apenas uma questão de disponibilidade de bens materiais e possibilidades de satisfação de necessidades básicas.

20A pobreza é também uma privação de liberdade e de autonomia, uma vulnerabilidade acrescida, um défice de vez e de voz, uma cidadania mutilada, uma negação de direitos humanos fundamentais e universalmente reconhecidos.

21Por todas estas razões, as Nações Unidas decidiram celebrar um Pacto Mundial de compromisso com a redução da pobreza num horizonte temporal de 15 anos, a contar desde o início do milénio.

  • 1 Os objectivos do Milénio são os seguintes: Erradicar a pobreza extrema e a fome; alcançar o ensino (...)

22Previa o Pacto a prossecução de 8 objectivos concretos e 18 metas específicas devidamente quantificadas.1

23Estamos quase a meio da vigência do Pacto e a avaliação feita mostra que o seu grau de execução tem ficado muito aquém das expectativas. A redução da extensão da pobreza entretanto ocorrida não ficou a dever-se às medidas previstas naquele instrumento, mas sim ao crescimento económico espectacular ocorrido nos dois gigantes asiáticos, a China e a Índia. Em outras regiões do Globo, designadamente na África subsahariana, a situação não pára de piorar.

3. O necessário recurso à perspectiva da igualdade de género

24Muitos dos estudos que se fazem acerca do balanço dos prós e contras da globalização económica são análises cegas em relação ao género.

25Baseando-se em valores médios de diferentes variáveis, tais análises omitem as especificidades decorrentes do lugar das mulheres nas diferentes sociedades, designadamente a posição que ocupam no mercado de trabalho, no acesso ao capital, à propriedade da terra e ao poder económico, no grau de responsabilidade efectivamente assumida na condução da economia doméstica, na incidência de certas doenças, nomeadamente o HIV, na educação, na participação no poder político. Ora, é manifesta a desigualdade que se observa na posição relativa dos homens e das mulheres em relação a estes diferentes vectores, com desvantagem para as mulheres.

26Idêntico fenómeno se observa em relação à situação da pobreza. Por via de regra, as mulheres são as maiores vítimas da pobreza extrema e relativa. São as mulheres que mais sofrem com a falta de emprego remunerado, com as dificuldades de acesso aos cuidados primários de saúde e ao ensino, com a falta de saneamento e escassez de comodidades domésticas. São as mulheres pobres que mais sujeitas estão a práticas atentatórias de direitos humanos fundamentais, com vidas mais precárias e de maior risco relativamente à prostituição e ao tráfico humano.

27Estas discriminações estão muitas vezes ocultas porque os dados estatísticos de muitos países não são apresentados por sexo.

28Cabe notar, porém que, graças aos esforços feitos em prol da afirmação da igualdade de género, os relatórios das Nações Unidas e suas Organizações Especializadas têm conhecido, nos últimos anos, um notório progresso no que concerne aos indicadores estatísticos mais sensíveis à variável género. É assim que as afirmações acima feitas não resultam apenas da observação empírica da realidade, mas são sustentadas por dados estatísticos consistentes e integrados nos sistemas de informação estatística oficialmente avalizados. Para maior desenvolvimento conferir gráficos no fim do texto.

4. Globalização, pobreza e género

29Retomo agora, o trinómio que é o fio condutor desta reflexão: o da relação entre globalização, pobreza e género.

30Recordo que no Pacto do Milénio de eliminação da pobreza humana, ficou formalmente consignado como objectivo o seguinte: Promover a igualdade de género e dar poder às mulheres” (Objectivo 3). Também os objectivos 2 (Alcançar o ensino primário universal) e 5 (Melhorar a saúde materna) explicitam preocupações com a maior igualdade de género. Entende-se, assim, que a promoção da igualdade de género é factor que concorre para a eliminação da pobreza no Mundo.

31Ainda num Relatório recente da UNICEF sobre a situação da infância no Mundo se escrevia: “A igualdade de género não tirará da pobreza apenas as mulheres, mas também as suas crianças, as suas famílias e os seus países. Sob esse ponto de vista, a igualdade de género não é apenas uma atitude moralmente correcta — é crucial para o progresso humano e para o desenvolvimento sustentável. Além disso, a igualdade de género rende um duplo dividendo: beneficia a mulher e a criança”.

32A primeira e mais óbvia razão que sustenta esta afirmação reside no facto de que as mulheres constituem mais de metade da população mundial e vivem mais tempo. São, pois, simultaneamente, o maior potencial de recursos humanos, como também a parcela mais elevada de destinatários do desenvolvimento humano.

33Acresce que as mulheres, por razões biológicas e culturais, são as primeiras responsáveis pela gestação saudável e pela educação das novas gerações.

34Cabendo-lhes, na maioria das civilizações e culturas, papel primordial na economia doméstica, sobre as mulheres pesam os ónus, mas também as realizações, em matéria de bem-estar das famílias e do desenvolvimento humano das comunidades de proximidade.

35Neste quadro de análise, a globalização tem as suas luzes e sombras.

36Por um lado, a globalização, na medida em que tem tido efeitos muito negativos em matéria de desestruturação de algumas economias locais, designadamente no que diz respeito a desemprego, precariedade de trabalho, redução de salários reais em alguns sectores e profissões, agravamento de desigualdades entre ricos e pobres, etc., tem acarretado para as mulheres custos agravados. São elas as primeiras a conhecer o desemprego, a inviabilidade da agricultura de subsistência, a redução dos salários e a precariedade no emprego, a par de maior intensidade do esforço laboral e alongamento dos horários de trabalho. São elas também as primeiras vítimas das redes de traficantes de seres humanos, que operam à escala mundial com a maior impunidade. São elas também as grandes vítimas das doenças sexualmente transmissíveis propagadas por grandes fluxos de população deslocada.

37A globalização traz, porém, um horizonte de potencialidades favoráveis às mulheres. A facilidade de comunicação, que é inerente a este mundo globalizado, tem permitido a milhões de mulheres terem conhecimento de diferentes formas de viver e de percepcionar os seus direitos e bem assim tem aberto canais de comunicação e redes de interacção em favor da afirmação dos direitos das mulheres.

38Por outro lado, a globalização permitiu a disponibilização de uma multiplicidade de bens de consumo que muito concorrem para a facilitação da vida doméstica, permitindo maior qualidade e eficiência nas actividades domésticas e, por conseguinte, possibilitando às mulheres mais tempo livre.

39A grande revolução está, porém, para chegar com a economia baseada no conhecimento. É que, em muitos países, as mulheres jovens conheceram nos últimos anos um maior acesso e melhor desempenho na educação secundária e superior. Estão, pois, melhor preparadas para concorrer no mercado global nesta nova era do modelo produtivo da economia baseada no conhecimento que está a despontar.

40Por ganhar está uma batalha importante, mesmo nos países economicamente mais desenvolvimentos. Estou a pensar na igualdade de oportunidades de participação das mulheres na governação e na esfera pública, em geral. Os dados disponíveis falam por si. É relativamente escasso e sem atingir massa crítica para fazer a diferença o número de mulheres parlamentares ou que ocupam cargos de decisão política e são fortíssimos os preconceitos que obstam a que a situação se altere. Mas também nesse tabuleiro do xadrez político podem ocorrer alterações significativas, a curto prazo. Basta pensar no papel relevante que as redes e os movimentos sociais estão tendo em vários domínios, desde as lutas por grandes causas políticas às acções pontuais e de alcance imediato. As mulheres parecem estar particularmente bem representadas nesta esfera de um novo poder político emergente.

41Para concluir — se conclusão pode existir em problemática tão vasta e complexa — o que podemos afirmar é que se trata de tema que deve ser acompanhado de perto com grande investimento em conhecimento e acção. É que estão em causa valores fundamentais como a justiça e a equidade, mas também a própria qualidade do desenvolvimento humano e sustentável e a viabilidade de uma co-existência pacífica entre os humanos que habitam o nosso vasto mundo globalizado.

Gráfico A — Países que não possuem dados desagregados por sexos relativamente a um conjunto de variáveis. Em muitos países, dados desagregados por sexo não estão disponíveis para indicadores básicos

Gráfico A — Países que não possuem dados desagregados por sexos relativamente a um conjunto de variáveis. Em muitos países, dados desagregados por sexo não estão disponíveis para indicadores básicos

* Os dados referem-se ao ano mais recente com dados disponíveis durante o período especificado
Nota: ‘Países com dados’ inclui apenas os países para os quais há dados baseados em recenseamentos, levantamentos ou outras fontes; não inclui países cujos dados são extraídos de estimativas modeladas; inclui apenas dados de recenseamentos; inclui apenas dados de levantamentos nacionais.
Em outros 30 países, os levantamentos cobrem apenas parte do país.
Fonte: Nações Unidas, Departamento de Assuntos Sociais e Económicos. The World's Women 2005: Progress in Statistics, Nações Unidas, Nova Iorque, 2006.

Gráfico B — Taxa bruta e líquida de rapazes e raparigas com matrícula e frequência da educação secundária. Em muitas regiões em desenvolvimento, meninas têm maior probabilidade de não frequentar a educação secundária do que meninos

Gráfico B — Taxa bruta e líquida de rapazes e raparigas com matrícula e frequência da educação secundária. Em muitas regiões em desenvolvimento, meninas têm maior probabilidade de não frequentar a educação secundária do que meninos

Notas: ‘A taxa bruta de matrículas na educação secundária refere-se ao número de crianças matriculadas na escola secundária, independentemente de idade, expresso como percentagem do número total de crianças na idade oficial para a educação secundária. A taxa líquida de frequência à escola secundária refere-se ao número de crianças que frequentam a escola secundária, com a idade oficial para a educação secundária, expresso como percentagem do número total de crianças nessa idade. Esses dados são extraídos de levantamentos domiciliares nacionais.
* Os dados referem-se ao ano mais recente com dados disponíveis durante o período especificado.
** Exclui China.
Fontes: Taxa bruta de matrículas na educação secundária; Instituto da Unesco para Estatísticas. Ver dados subjacentes nas Tabelas Estatísticas deste relatório, página 98. Taxa líquida de frequência à escola secundária; Pesquisas de Demografia e Saúde e Pesquisas por Agrupamento de Indicadores Múltiplos. Ver dados subjacentes nas Tabelas Estatísticas deste relatório.

  • 2 Os cálculos do UNICEF para Países em desenvolvimento incluem países e territórios nos agregados reg (...)

Gráfico C — Os salários nominais das mulheres são significativamente mais baixos do que os dos homens. Os salários nominais das mulheres são significativamente mais baixos do que os dos homens2

Gráfico C — Os salários nominais das mulheres são significativamente mais baixos do que os dos homens. Os salários nominais das mulheres são significativamente mais baixos do que os dos homens2

Países industrializados: Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Chipre, Dinamarca, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Irlanda, Islândia, Japão, Luxemburgo, Malta, Noruega, Nova Zelândia, Portugal, Reino Unido, Suécia, Suíça.
Fonte: Organização Internacional do Trabalho, banco de dados de LABORSTA, http://laborsta.ilo.org, acessado em Março de 2006.

Gráfico D — Diferenças de género em relação à propriedade da terra na América latina. Diferenças significativas entre homens e mulheres em relação à propriedade da terra na América Latina

Gráfico D — Diferenças de género em relação à propriedade da terra na América latina. Diferenças significativas entre homens e mulheres em relação à propriedade da terra na América Latina

Nota: Não havia dados disponíveis para Brasil e México sobre terras de propriedade conjunta entre mulheres e homens. Os totais podem não somar 100% devido a arredondamentos.
Fonte: Grown, Caren, Geeta Rao Gupta e Aslihan Kes, Taking Action: Achieving gender equality and empowering women, Força-tarefa do Projecto das Nações Unidas para o Milénio sobre Educação e Igualdade de Género, Earthscan, Londres/Virgínia, 2005, p. 78.

Gráfico E — Participação de mulheres em parlamentos nacionais por regiões. Participação de mulheres em parlamentos nacionais através das regiões

Gráfico E — Participação de mulheres em parlamentos nacionais por regiões. Participação de mulheres em parlamentos nacionais através das regiões

Fonte: Os dados sobre ‘Mulheres em Parlamentos Nacionais’ são extraídos do banco de dados de União InterParlamentar, http://www.ipu.org/​wmn-e/​classif.htm.a, acessado em Junho de 2006.

Gráfico F — Participação das mulheres nos órgãos políticos (médias mundiais). Mulheres na governança

Gráfico F — Participação das mulheres nos órgãos políticos (médias mundiais). Mulheres na governança

Fonte: Os dados sobre mulheres parlamentares e mulheres ministras são extraídos do banco de dados de União InterParlamentar sobre ‘Women in National Parliaments’.
http://www.ipu.org/​wmn-e/​classif.htm, acessado em Junho de 2006. Os dados sobre mulheres chefes de governo são extraídos de
sites oficiais dos governos nacionais.

Gráfico G — Preconceitos discriminatórios contra as mulheres. Atitudes discriminatórias dos homens em relação às mulheres variam entre as regiões, mas são significativas em todos os lugares

Gráfico G — Preconceitos discriminatórios contra as mulheres. Atitudes discriminatórias dos homens em relação às mulheres variam entre as regiões, mas são significativas em todos os lugares

Os cálculos da UNICEF baseiam-se em dados da Pesquisa Mundial sobre Valores, Etapa 4 (1999-2004). Os dados para cada país e território nos agregados regionais referem-se ao ano mais recente com dados disponíveis durante o período especificado. Os seguintes países e territórios estão incluídos nos agregados regionais citados: Oriente Médio e Norte da África: Arábia Saudita, Argélia, Egipto, Irão, Iraque, Jordânia, Marrocos. América Latina e Caribe: Argentina, Chile, México, Peru, Venezuela. Ásia Meridional: Bangladesh, Índia, Paquistão. Leste da Ásia e Pacífico: China, Singapura, Coreia do Sul, Filipinas, Indonésia, Vietname. África ao Sul do Saara: África do Sul, Nigéria, Tanzânia, Uganda. Países em transição: Albânia, Bielo-Rússia, Bósnia-Herzegovina, Bulgária, Croácia, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Federação Russa, Hungria, Letónia, Lituânia, Macedónia, Moldova, Montenegro, Polónia, Quirguistão, República Checa, Roménia, Sérvia, Turquia, Ucrânia. Países industrializados: Áustria, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Islândia, Itália, Japão, Luxemburgo, Malta, Portugal, Reino Unido, Suécia. Ver notas sobre metodologia em Referências.
Fonte: World Values Survey, www.worldvaluessurvey.org, acessado em Junho de 2006.

Notes

1 Os objectivos do Milénio são os seguintes: Erradicar a pobreza extrema e a fome; alcançar o ensino primário universal; promover a igualdade de género e dar poder às mulheres; reduzir a mortalidade das crianças; melhorar a saúde materna; combater o HIV/SIDA; assegurar a sustentabilidade ambiental; promover uma parceria mundial para o desenvolvimento.

Notes de fin

1 Este texto reproduz a conferência que a Professora Manuela Silva proferiu no Colóquio Género, Diversidade e Cidadania, realizado na Universidade de Évora de 1 a 3 de Fevereiro de 2007. A professora Manuela Silva iniciou a sua conferência com as seguintes palavras: “As minhas primeiras palavras dirigem-se à Prof.a Doutora Maria Fernanda Henriques e seus colaboradores e colaboradoras na organização deste Congresso Internacional. Quero expressar-lhes as minhas felicitações pela sua iniciativa de trazer para a boca de cena do debate académico questões tão pertinentes quanto silenciadas. Refiro-me ao trinómio Género, Identidade e Diversidade. Quero também agradecer-lhes o convite que me fizeram e que me deu a oportunidade de poder participar neste evento com uma conferência que, também ela, procurará cruzar três problemáticas de grande complexidade e actualidade, ainda que, incompreensivelmente, bastante arredadas de muitos ambientes universitários. A Universidade de Évora merece os parabéns por mais esta iniciativa, ousada e inovadora, e formulo votos de que o debate, que aqui vai ocorrer nos próximos dias, rompa as fronteiras dos claustros universitários e encontre o campo aberto da sua melhor divulgação. Tal é um dos papéis, a meu ver irrecusáveis, da Universidade: servir a sociedade, contribuindo para fazer progredir o conhecimento e para o disponibilizar no espaço público.”

2 Os cálculos do UNICEF para Países em desenvolvimento incluem países e territórios nos agregados regionais a seguir: Oriente Médio e Norte da África: Brein, Egipto, Jordânia, Territórios Palestinos; Leste da Ásia e Pacífico: Singapura, Coreia do Sul, Filipinas, Malásia, Mianma, Tailândia; Países em transição: Bulgária, Cazaquistão, Croácia, Geórgia, Letónia, Lituânia, República Checa, Roménia, Turquia, Ucrânia; América Latina e Caribe: Brasil, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, México, Panamá, Paraguai, Peru; África ao sul do Saara: Botsuana, Eritreia, Quénia, Suazilândia.

Table des illustrations

Titre Gráfico A — Países que não possuem dados desagregados por sexos relativamente a um conjunto de variáveis. Em muitos países, dados desagregados por sexo não estão disponíveis para indicadores básicos
Légende * Os dados referem-se ao ano mais recente com dados disponíveis durante o período especificadoNota: ‘Países com dados’ inclui apenas os países para os quais há dados baseados em recenseamentos, levantamentos ou outras fontes; não inclui países cujos dados são extraídos de estimativas modeladas; inclui apenas dados de recenseamentos; inclui apenas dados de levantamentos nacionais.Em outros 30 países, os levantamentos cobrem apenas parte do país.Fonte: Nações Unidas, Departamento de Assuntos Sociais e Económicos. The World's Women 2005: Progress in Statistics, Nações Unidas, Nova Iorque, 2006.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4073/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre Gráfico B — Taxa bruta e líquida de rapazes e raparigas com matrícula e frequência da educação secundária. Em muitas regiões em desenvolvimento, meninas têm maior probabilidade de não frequentar a educação secundária do que meninos
Légende Notas: ‘A taxa bruta de matrículas na educação secundária refere-se ao número de crianças matriculadas na escola secundária, independentemente de idade, expresso como percentagem do número total de crianças na idade oficial para a educação secundária. A taxa líquida de frequência à escola secundária refere-se ao número de crianças que frequentam a escola secundária, com a idade oficial para a educação secundária, expresso como percentagem do número total de crianças nessa idade. Esses dados são extraídos de levantamentos domiciliares nacionais.* Os dados referem-se ao ano mais recente com dados disponíveis durante o período especificado.** Exclui China.Fontes: Taxa bruta de matrículas na educação secundária; Instituto da Unesco para Estatísticas. Ver dados subjacentes nas Tabelas Estatísticas deste relatório, página 98. Taxa líquida de frequência à escola secundária; Pesquisas de Demografia e Saúde e Pesquisas por Agrupamento de Indicadores Múltiplos. Ver dados subjacentes nas Tabelas Estatísticas deste relatório.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4073/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre Gráfico C — Os salários nominais das mulheres são significativamente mais baixos do que os dos homens. Os salários nominais das mulheres são significativamente mais baixos do que os dos homens2
Légende Países industrializados: Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Chipre, Dinamarca, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Irlanda, Islândia, Japão, Luxemburgo, Malta, Noruega, Nova Zelândia, Portugal, Reino Unido, Suécia, Suíça.Fonte: Organização Internacional do Trabalho, banco de dados de LABORSTA, http://laborsta.ilo.org, acessado em Março de 2006.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4073/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Gráfico D — Diferenças de género em relação à propriedade da terra na América latina. Diferenças significativas entre homens e mulheres em relação à propriedade da terra na América Latina
Légende Nota: Não havia dados disponíveis para Brasil e México sobre terras de propriedade conjunta entre mulheres e homens. Os totais podem não somar 100% devido a arredondamentos.Fonte: Grown, Caren, Geeta Rao Gupta e Aslihan Kes, Taking Action: Achieving gender equality and empowering women, Força-tarefa do Projecto das Nações Unidas para o Milénio sobre Educação e Igualdade de Género, Earthscan, Londres/Virgínia, 2005, p. 78.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4073/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Gráfico E — Participação de mulheres em parlamentos nacionais por regiões. Participação de mulheres em parlamentos nacionais através das regiões
Légende Fonte: Os dados sobre ‘Mulheres em Parlamentos Nacionais’ são extraídos do banco de dados de União InterParlamentar, http://www.ipu.org/​wmn-e/​classif.htm.a, acessado em Junho de 2006.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4073/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Gráfico F — Participação das mulheres nos órgãos políticos (médias mundiais). Mulheres na governança
Légende Fonte: Os dados sobre mulheres parlamentares e mulheres ministras são extraídos do banco de dados de União InterParlamentar sobre ‘Women in National Parliaments’.http://www.ipu.org/​wmn-e/​classif.htm, acessado em Junho de 2006. Os dados sobre mulheres chefes de governo são extraídos de sites oficiais dos governos nacionais.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4073/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Gráfico G — Preconceitos discriminatórios contra as mulheres. Atitudes discriminatórias dos homens em relação às mulheres variam entre as regiões, mas são significativas em todos os lugares
Légende Os cálculos da UNICEF baseiam-se em dados da Pesquisa Mundial sobre Valores, Etapa 4 (1999-2004). Os dados para cada país e território nos agregados regionais referem-se ao ano mais recente com dados disponíveis durante o período especificado. Os seguintes países e territórios estão incluídos nos agregados regionais citados: Oriente Médio e Norte da África: Arábia Saudita, Argélia, Egipto, Irão, Iraque, Jordânia, Marrocos. América Latina e Caribe: Argentina, Chile, México, Peru, Venezuela. Ásia Meridional: Bangladesh, Índia, Paquistão. Leste da Ásia e Pacífico: China, Singapura, Coreia do Sul, Filipinas, Indonésia, Vietname. África ao Sul do Saara: África do Sul, Nigéria, Tanzânia, Uganda. Países em transição: Albânia, Bielo-Rússia, Bósnia-Herzegovina, Bulgária, Croácia, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Federação Russa, Hungria, Letónia, Lituânia, Macedónia, Moldova, Montenegro, Polónia, Quirguistão, República Checa, Roménia, Sérvia, Turquia, Ucrânia. Países industrializados: Áustria, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Islândia, Itália, Japão, Luxemburgo, Malta, Portugal, Reino Unido, Suécia. Ver notas sobre metodologia em Referências.Fonte: World Values Survey, www.worldvaluessurvey.org, acessado em Junho de 2006.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/4073/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 120k

Auteur

Economista. Professora Catedrática aposentada do Instituto Superior de Economia e Gestão/Universidade Técnica de Lisboa. Membro do Grupo de Peritos do Conselho da Europa sobre a Estratégia de Mainstreaming para a Igualdade de Oportunidades. Actualmente, é Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz.

© Publicações do Cidehus, 2008

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr