Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Género, Diversidade e Cidadania

 | 
Fernanda Henriques

Segunda Parte. Género, Diversidade e Conhecimento

Carolina Michäelis de Vasconcelos construção científica nas Ciências Humanas1

Fátima Nunes

Texte intégral

  • 1 Trabalho inserido no CEHFC no âmbito do projecto His&Port20- História das Práticas Culturais e Cien (...)

1Carolina Michäelis nasce na Alemanha em 1851 e morre em Portugal em 1925. Longa trajectória que podemos incluir nas vivências culturais portuguesas. No contexto da História da Cultura em Portugal podemos ver na prática cultural e científica que Carolina de Michäelis de Vasconcelos exerceu uma forte influência do modelo de investigação e de formação académica da Universidade alemã, o célebre modelo de Humbolt para a política científica, conjugando a investigação e o ensino. Paralelamente percebemos pela bibliografia produzida sobre Carolina, e pela própria, que esta «fada da Alemanha que rumou até Portugal» (segundo o olhar de Menendez Pelayo) muito contribuiu para o movimento de emancipação da Mulher em Portugal, sendo um modelo de prestígio e de exemplaridade no âmbito da história dos movimentos femininos em Portugal. E porquê? Acima de tudo porque o seu trabalho como investigadora, e como primeira mulher com a titularidade de Catedrática da Universidade Portuguesa, trouxe à «causa feminina» um enorme prestígio e valências políticas e ideológicas.

2Em tempo de cultura republicana e de cultura de cientismo, num contexto de busca e de concretização de estudos científicos sobre as identidades nacionais os seus trabalhos, e a sua projecção enquanto figura pública, trouxeram o nome desta Mulher para as primeiras fileiras dos consagrados Homens, nas galerias das instituições universitárias e nos lugares de Academias de Ciências.

3Mas, temos também que perceber que Carolina Michäelis trouxe consigo muitas das ideias de igualdade e de utopia, herdadas da Revolução Francesa. Carolina Michäelis de Vasconcelos (por casamento com o Arqueólogo e Historiador de Arte português Joaquim de Vasconcelos) conseguiu impor a sua vitalidade feminina e científica na época, constituindo um importante suporte para a construção da memória e da identificação do feminino e Portugal ao longo do século XX e XXI...!

4Recentemente a revista feminina de grande divulgação de temas no «feminino» dedicou o seu número 200 a Carolina Michäelis de Vasconcelos. Falamos da Máxima que aqui nos interessa apenas por nos colocar no âmago da divulgação e da popularização do espaço público esta mulher catedrática da Universidade de Coimbra. Pretendemos criar uma genealogia de temas entre o imaginário da Revolução Francesa — utopia, progresso, mudança. Igualdade, intervenção na sociedade — e o «progresso» da Ciência com efeito civilizador que doutrinariamente legitimou o Positivismo em Portugal e na Europa. Partindo da construção de locais e de temas de construção de memória / identidade feminina / identidade científica vamos confrontar-nos com um conjunto variado de produtos e veículos culturais em função desta figura da língua e da literatura em Portugal.

5As imagens, as bibliografias, as biografias, as homenagens, os estudos académicos, as ruas e os nomes de instituições culturais e científicas assim como a história (fotografada...) da família foram o terreno da história da cultura que nos permitiu contextualizar Carolina Michäelis de Vasconcelos no Portugal da transição da Monarquia para a Primeira República. Descobrimos a figura da cientista que foi determinante para a consolidação e institucionalização de uma área do saber — Humanidades vs. Linguística vs. Literatura e as ligações que estas componentes de investigação tiveram com as demais Ciências Humanas e Sociais ao longo do século XX, quer em Portugal quer na Alemanha.

  • 1 Usámos a abundante documentação fotográfica (e informativa) texto «Carolina Micháelis de Vasconce (...)
  • 2 Consultámos os sítios (Janeiro 2007): www.ongcccidm.blogspot.com;http://cidm. madbug.com; www.leme. (...)

6Uma primeira pesquisa da imagem de Carolina Michäelis remete-nos para o mundo dos gabinetes dos fotógrafos — a fotografia da jovem Carolina quer na Alemanha, quer no Porto, e a Carolina Mãe de família, na casa de família ou no espaço familiar de veraneio1. Uma incursão aos suportes informativos de sítios de pesquisa e de bibliografia especializada exibem-nos o ar sério e grave de traje académico, catedrática da Universidade de Coimbra, Mulher de Letras e Humanidades de grande prestígio da comunidade científica portuguesa2.

7Parece-nos de particular interesse fazer aqui um pequeno balanço sobre o material encontrado, sobretudo centrado na generosa oferta de fotografias que sempre enquadram a figura de Carolina Michäelis. Tudo começa com um itinerário pela jovem de Berlim que posa em ambiente romântico e que se vai desdobrando em várias outras fotografias — em família, em casa, com o marido, Joaquim de Vasconcelos, e a fotos institucionais da Universidade de Coimbra, incluindo a sala que ainda hoje tem como designação o seu nome. Assim se vai construindo um discurso fotográfico sobre Carolina Michäelis, da beleza feminina à superioridade que o saber académico — e o respectivo traje — implica e permite impor à sociedade. Assim, percebemos como a figura da Mulher das Humanidades e das Letras foi singrando em dois contextos diferenciados, qual laboratório de discursos e de imagens. Um, o dos contextos da cortesia e do cavalheirismo perante a Mulher da Universidade de Coimbra e também da Academia das Ciências de Lisboa. Uma figura entre iguais, no que toca aos seus pares. Um outro contexto, que se desenvolveu sobretudo no período após a Revolução dos Cravos de 1974, que utiliza a figura de reputação e de prestígio nacional e internacional de Carolina Michäelis de Vasconcelos como uma percursora e a boa memória dos movimentos cívicos, republicanos, democráticos e de igualdade entre Homens e Mulheres.

8Curiosamente é neste conjunto de fotografias que percebemos a continuidade da VIDA — a jovem, a professora, a avó com os netos — o encontro harmonioso e original entre o universo da família, com o campo da investigação, do ensino universitário e da edição científica. Assim percebemos a trajectória de Carolina entre Porto — Coimbra — Porto, depois de uma breve passagem por Lisboa.

  • 3 Cf. Maria Assunção Pinto Correia, Carolina Michäelis de Vasconcelos, Lisboa, IN/CM, 1986. Uma breve (...)

9Em Coimbra, ou a outra alma mater de Carolina Michäelis Vasconcelos, encontramo-la entre as práticas feministas / femininas do início do século XX e as práticas de primeira mulher a ser considerada Catedrática na Universidade Portuguesa, depois de lhe ter sido conferido um Doutoramento Honoris Causa na Alemanha3.

  • 4 Cf. Dr.a Carolina Michaelis de Vasconcelos, Lisboa, oficina Gráfica do Instituto Profissional dos P (...)

10Percebemos pelas leituras desenvolvidas, e pelas homenagens prestadas após da sua morte4, legitimidade e reconhecimento da Universidade — uma Mulher diferente do seu tempo português, marca de distinção no tempo feminino da Europa, irradiado a partir da Alemanha.

11A partir deste pressuposto de «meritocracia feminina» avançamos para o ideal de feminino do final da segunda metade no século XX, ou seja o tempo das biografias no feminino, o tempo das organizações não governamentais, o tempo de apresentar prémios para prestigiar mulheres científicas com o nome de Carolina Michaelis. É neste contexto que ganha sentido que o seu nome seja utilizado para promover o Prémio de ONG — Organizações Não Governamentais — e fomentar investigação científica sobre as Mulheres e a Igualdade Feminina — CMV, ou seja Carolina Michaelis de Vasconcelos.

12Em termos de arqueologia de ideias remontamos ao ano de 1930, quando se organiza a grande homenagem universitária à figura das Letras e da Linguística em Portugal. Nesta homenagem que teve lugar em Coimbra participaram um vasto leque de personalidades que publicamente organizaram as suas intervenções públicas para evidenciar a originalidade e o enorme lastro cultural do trabalho de Carolina. Estava totalmente reconhecido o seu mérito científico e a igualdade do seu papel para o mundo académico e para o mundo das sociedades científicas. Passou a ser um ícone para o universo feminino e para um suporte de questões manifestamente importantes para a valorização intelectual e científica da mulher na sociedade portuguesa, por via da conjugação do «tradicional» papel feminino com o trabalho intelectual e profissional na Universidade,

13Mas no seu tempo Carolina foi uma mulher civicamente empenhada e conscientemente difusora de mensagens de trabalho, seriedade e imagem pública, qual porta-estandarte de bandeira. Neste contexto convém salientar a sua presença na Liga de Mulheres Portuguesas e no Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas. Duas instituições que hoje se encontram em primeiro plano da memória científica dos estudos sobre as Mulheres e sobretudo da importância que a componente científica teve quer para o contexto republicano, quer para o contexto do feminismo de início do século: o voto, o saber científico, a retórica da importância do duplo papel da Mulher — célula familiar associada com a célula da sociedade no trabalho, na vida profissional e na vida activa.

14Prestígio que já vinha da Alemanha e que vem coroar o seu trabalho em Portugal. Em 1893 recebe o doutoramento honoris-causa pela Universidade de Friburgo, sendo condecorada em período da monarquia constitucional, em 1901, com a Ordem de Santiago, classe honorífica a evidenciar publicamente o mérito literário, científico e artístico. É nesta época que é nomeada professora de Curso Superior de Letras, transferindo-se mais tarde para a Universidade de Coimbra, onde a vamos encontrar em 1916, já em plena Primeira República, recebendo o seu segundo Doutoramento Honoris-Causa por esta Universidade.

15Marca desta mundividência de saberes universitários e científicos encontram-se espelhados nos livros de homenagens que se organizaram em sua memória, após a sua morte, quer por via da Lusitânia: revista de estudos portugueses (na qual colaborou em diferentes números) quer por via da grande homenagem empreendida pela Universidade de Coimbra, em 1930, atrás mencionada. Do balanço editorial destas iniciativas retiramos para os nossos objectivos o registo dos cruzamentos nacionais e internacionais, por via da presença de investigadores estrangeiros e portugueses que se agremiaram numa espécie de cosmopolitismo científico na alta coimbrã do início da década de trinta, ou seja no dealbar institucional do Estado Novo...

16Vejamos os quadros que mostram os resultados do trabalho de cruzamentos científicos que Carolina Michäelis de Vasconcelos desenvolveu ao longo da sua vida universitária e de investigadora.

Quadro 1 (1927):

AUTOR

TITULO ARTIGO

Meyer-Lubke, W.

Carolina Michäelis und die romanische sprachwissenschaft

Meyer-Lubke, W.

Carolina Michäelis e a filologia românica

Redação-revista

Bibliografia de Dona Carolina Michäelis Vasconcelos

Rodrigues, José Maria

C. Carolina e os estudos camonianos

Votetzal, E. A

Historia do Japão do P. Luís Fróis

Entwistle, William J.

The «Lusiads», da Gama and Nodern Criticism

Vasconcellos, J. Leite de

Uma carta de Dona Carolina Michäelis

Figueiredo, José de

Arte Primitiva Portuguesa. Gregório Lopes e Infanta D. Maria

Vieira, Afonso Lopes

O Poema do Cid

Redação-revista

Transcrições Carolina Michäelis Vasconcelos

  • 5 Revista Lusitania - número de homenagem, Outubro de 1927, fascículo X.

175

Quadro 2 (1930):

AUTOR

TITULO

Azevedo, J. Lúcio de

Algumas notas relativas a pontos de história social

Azevedo, Pedro de

Os reguengos da Estremadura na 1.a Dinastia

Baião, António

D. António Caetano de Sousa como censor literário

Bertoni, Giulio

Osservazioni sulla leggenda di Tristano e Isoltta nel drama di R. Wagner

Bohigas I Balaguer, P.

El manuscrit de Lisboa de la traducción de 1’étic d’Aristóteles

Bonilla y San Martin, Adolfo

Sobre un tomo de Lope de Vega

Campos, Agostinho de

Sobre o valor literário do “Cancioneiro da Ajuda”

Carvalho, Joaquim de

Sobre o lugar de origem dos antepassados de Baruch de Espinosa

Gassner, Armin

Zwanzig lieder des Jona Ayras de Santiago

Gonzales de la Calle, Pedro Urbano

Contribución a la biografia de Manuel da Costa «doctor subtilis»

Meyer-Lubke, Wilhelm

“Ene” mit “To... partizipium und varwandtes im altspanischen und im altportugiesischen”.

Nunes, J. J.

Cancioneiro de D. Dinis

Peixoto, Afrànio

Mestra

Pessoa, Alberto

O quadro de S. Cosme e Damião do Museu Machado de Castro

Remédios, Mendes dos

As comédias de Sá de Miranda

Rennert, Hugo A.

Sobre la comedia de Lope de Veja, «Quién más no puede»

Rubió I Lluch, A.

El sentiment poétic de la musica en el Dante i en fra lluis de Leon

Silva, J. de Brito e

O colégio de Tomar (1556-1713) Subsídio para a História do ensino em Portugal. Universidade de Coimbra

Tallgren, O.J.

Notas filológicas de Astronomia Alfonsina

Thomas, Henry

English translation of Portuguese books before 1640

Ventura, Carlos Simões

Algumas observações a propósito do sistema desinencial indo-europeu

Vising, Johan

Remerkungen zur geschite des intervokalen Nin portugiesischen

Wechssler, Eduard

Humor bei Moliere

Wurzbach, Wolfgand

Das motiv von Lope de Veja Komodie, «la corona merecida»

  • 6 Miscelânea de estudos em honra de D. Carolina Michäelis de Vasconcelos, professora da Faculdade de (...)

186

19Dona Carolina Michäelis, a fada que veio da Alemanha, teve homenagens científicas no tempo do Estado Novo; porém, o tempo da Democracia possibilitou a construção da memória em espaço público, nas ruas, no moderno equipamento urbano de Lisboa, do Porto, de Coimbra. Lembramos Rua Carolina Michäelis em Lisboa no bairro de Benfica, a sala da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, o antigo Liceu Carolina Michäelis no Porto e a Estação do Metro Carolina Michäelis, na cidade do Porto como um símbolo da adaptação de memória da urbe com as novas vivências citadinas em renovação.

20Se até agora nos preocupámos com a imagem construída é tempo de lançar um olhar para a obra da Autora. Que circuitos, que cruzamentos Carolina Michäelis teve para se perceber a construção desta imagem de cientificidade e de importância não discutível?

21É neste campo dos encontros de intelectuais e da comunidade científica portuguesa integrada na comunidade de etnografia, de linguística, de teoria literária europeia que temos que entender o percurso e o terreno desbravado por Carolina, o seu papel de Mulher reinante e admirada no/pelo universo das Letras dos Homens.

22Alguns tópicos, algumas reflexões. Lembremos a importância do seu trabalho na Lusitânia. Revista de Estudos Portugueses ao lado de Leite de Vasconcelos, na senda de Teófilo Braga e outros intelectuais portugueses da viragem do Republicanismo oitocentista para o de novecentos.

  • 7 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Carolina Michäelis. Lista dos seus trabalhos acompanhada de um preâmbu (...)

23Não é de estranhar que o seu cunhado — Leite de Vasconcelos — faça uma apresentação e elogio na Academia das Ciências de Lisboa, em 1912, como forma de introduzir e valorizar esta personalidade feminina, de origem alemã e há muito enraizada em Portugal7. Trabalhos de investigação que combinava com intervenções escritas para a revista Alma Feminina, revista do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas, em prol das ideias e dos ideais de modernidade para as Mulheres em Portugal.

  • 8 Cf. Carolina Michäelis Vasconcelos, A Infanta D. Maria de Portugal (1521-1577) e as suas damas, ed. (...)
  • 9 Cf. Carolina Michäelis de Vasconcelos, O Movimento Feminista em Portugal, organização, prefácio e n (...)

24No conjunto da obra de Carolina Michäelis há que aqui fazer lembrar os textos escritos e editados que demonstravam uma determinada prática cultural e de representação do mundo por parte da Autora. Edições que nos colocam em corredores de leitura relacionados com a investigação linguística, literária e etnográfica mas também nas pontes de ligação sobre o imaginário e as representações no feminino de assuntos históricos da sociedade portuguesa. L neste grupo de publicações que consideramos de grande mais valia o trabalho sobre a Infanta D. Maria de Portugal (1521-1577)8 e o conjunto de artigos publicados em 1902 nas páginas do jornal portuense O Primeiro de Janeiro sobre o «Movimento Feminista em Portugal»9.

  • 10 Lembremos a criação em 1929 da Junta de Educação Nacional que se traduziu por uma política de bolsa (...)

25Assim chegamos ao feminismo e também aqui à corrente germanófila que influenciou as ciências e as ideias em Portugal na primeira República, antes do ano de 1926. A existência de influências do modelo de investigação alemão e da universidade alemã — pode não ter sido totalmente executado, mas registou-se a existência de um grupo de seguidores no âmbito da comunidade científica portuguesa, talvez como alternativa ao sistema da Universidade francesa, ou da Politécnica de França. Cabe neste contexto interrogarmo-nos sobre o papel que a investigação deveria ter no ensino universitário; o caso de Carolina parece-nos, pois, da maior importância para revisitar alguns destes tópicos ainda a desabrochar na produção historiográfica portuguesa10.

  • 11 Conjunto de textos recolhidos e editados no século XX que em muito facilitam a sua consulta e manus (...)

26Mas detenhamos por momentos nos artigos do O Primeiro de Janeiro, 190211. Em primeiro lugar registemos a gramática de estilo publicista do Manual Feminista de Helena Lange e Gerturde Baumer que iniciaram a sua publicação na Alemanha em 1901. Uma vez mais se fez sentir o vento de cultura germanófila em Portugal, sob o protagonismo de Carolina Michäelis de Vasconcelos, o que a tornou cidadã portuguesa, factor importante para os tempos de Primeira Grande Guerra que se iam aproximar na década seguinte.

27Deixemos alguns dos excertos seleccionados para entendermos a força das palavras e eco das suas mensagens no feminino.

“Setembro 1902 — palavras de ordem!

  • 12 Idem, ibidem.
  • 13 Idem, ibidem. Referência a de Stuart Mill, Libertação do Sexo Feminino, 1869!

Faltam revistas, e escasseiam as corporações femininas. Nos congressos internacionais não consta que até agora tenha aparecido delegado algum representando ligas ou associações de mulheres portuguesas ou brasileiras, espanholas ou do sul da América. As comunicações, os apelos, os questionários referentes à condição e ao trabalho feminino, emanados de escritoras, artistas ou letradas de reputação europeia, ficam geralmente sem resposta, parecendo que as raras personalidades femininas da Península, às quais o assunto merece real interesse e cuidados, se esquivam a tratar com as suas animosas irmãs nesse apostolado universal”12O século XIX é o século da civilização e do papel da Mulher na Civilização!13

28Em outra intervenção Carolina reflecte sobre o papel social e profissional da Mulher, num novo binómio de abordagem de Ciência e Profissão.

  • 14 Idem, ibidem.

“O caminho está pois nitidamente traçado: fundar escolas, libertar as futuras gerações femininas da ignorância e da superstição, de preconceitos mesquinhos e de prevenções dogmaticamente incutidas. pregar-lhes o evangelho do trabalho. Urge, acima de tudo, desenvolver as tendências nativas nas futuras esposas e mães, por da educação intelectual, moral e física apropriadas, e pela instrução doméstica, científica ou artística. Em segundo lugar importa utilizar as actividades que espontaneamente forem surgindo, facultando-lhes a indispensável independência material no exercício das profissões de mais pronto acesso — tais como professoras, médicas, parteiras, aias, enfermeiras”14

29E numa perspectiva de acção e de crítica:

  • 15 Idem, ibidem.

“Como é de prever, a mulher d’aquém dos Pirinéus é mais primitiva que as demais companheiras da Europa. As mulheres que se pretendem emancipar são ridicularizadas pelos intelectuais homens (como Oliveira Martins). Mas na prática as Mulheres trabalhadoras trabalham tanto como os homens e não recebem respeito nem o mesmo tipo de salário! A instrução ainda não é generalizada para as mulheres! A mulher é o mote dos poetas... pela beleza, pelo amor, pelo enlevo… Mas ficamos por aí!”15

30No que toca à revolução das ideias e das mentalidades, Carolina não hesita em afirmar:

  • 16 Idem, ibidem.

“A evolução preparada pela expulsão dos jesuítas no século XVIII, filia-se no vasto movimento de libertação nacional que derivou da Revolução Francesa e, depois da longa guerra civil, substitui a monarquia absoluta pelo regime liberal, extinguindo as ordens religiosas”16

31Um outro tema que valeu a notabilidade nacional e o reconhecimento da Pátria Republicana a esta figura de origem alemã foi o facto de Carolina ter escolhido como Autor eleito das letras portuguesas e do nosso passado glorioso literário a figura de Camões. Camões que ultrapassou a Primeira República, o Estado Novo e a Democracia, tal como a figura nacional de Carolina Michäelis de Vasconcelos.

32Olhemos, pois, para os seus estudos designados camonianos, quer em estudos quer em traduções, com especial destaque para a tradução de Os Lusíadas. Este trabalho camoniano, a par dos estudos de tradição oral, de linguística, de etnografia e literatura valeram a Carolina Michäelis o suporte necessário e suficiente para entrar na galeria dos «sábios» da Nação que contribuíram para o estudo e divulgação científica da construção da NAÇÃO. Ou seja, Carolina Michäelis de Vasconcelos faz parte dos fazedores da memória nacional.

33Em forma de balanço gostaríamos de afirmar que este «estudo de caso» em aberto tem de ser cruzado com a história das instituições culturais e científicas do século XX, sempre em íntima conexão com o final do grande laboratório de ideias e de projectos que constituiu o século XIX. As imagens, as bibliografias, as biografias, as homenagens, os estudos académicos, as ruas e os nomes de instituições culturais e científicas assim como a história (fotografada...) constituem terrenos da história da cultura que nos permite contextualizar D. Carolina Michäelis de Vasconcelos no Portugal da transição da Monarquia para a Primeira República.

34Através dela marcamos encontro com uma personalidade legitimada pela Ciência e pelo (seu) Público, determinantes para a consolidação e institucionalização de uma área do saber, as Humanidades: Linguística vs. Literatura vs. História vs. Etnografia.

35Registamos também a emergência das ligações científicas, quer em termos nacionais quer em termos internacionais da nossa (pequena) comunidade científica portuguesa. E tomamos contacto (ainda que rápido) com as instituições científicas e culturais presentes na vida de Carolina, ou seja a Universidade, a Academia das Ciências de Lisboa, as Revistas culturais e científicas. Por outro lado percebemos como o seu itinerário científico (e feminino) conseguiu criar a inteligibilidade necessária e suficiente para a construção de redes de contactos científicos, contribuindo para o alargamento da história das instituições e dos seus rostos, FEMININOS E MASCULINOS, no século XX.

36Afinal, Carolina Michäelis de Vasconcelos pode ser visualizada em diferentes locais da memória, pontos de encontro da cultura, com a história, com a memória; espaços de sociabilidades e informações biográficas que irrompem pelo quotidiano do cidadão do século XX. Todos estes factores são percursos de investigação e de construção de saberes de Cultura. Carolina Michäelis de Vasconcelos foi um agradável pretexto para mais este encontro com a história da cultura e da construção da cultura científica no Portugal da Europa do século XX.

Notes

1 Usámos a abundante documentação fotográfica (e informativa) texto «Carolina Micháelis de Vasconcelos (1851-1925)», www.romanistinnen.de/frauen/michaelis.html (86p) (Janeiro-Junho 2007).

2 Consultámos os sítios (Janeiro 2007): www.ongcccidm.blogspot.com;http://cidm. madbug.com; www.leme.pt/biografias/carolina-michaelis;www.mulheres-ps20.ipp.pt;www.uc.pt.iea.historial;www.instituto-camoes.pt/cvc/hlp/biografias/cmvasconcelos.html; a pesquisa de Carolina Michäelis em www.google.com permitiu-nos também ter acesso a um alargado e prolixo número de sítios universitários/institucionais, quer de Portugal quer da Alemanha. Foi uma das nossas opções iniciais trabalhar com este novo suporte informativo e de fonte para a história da cultura e da cultura científica. Recomendamos ainda a pesquisa bibliográfica na base de dados da BN: www.bn.pt que nos dá uma visão informativa extremamente vasta sobre a produção de CMV e dos trabalhos que existem sobre a sua personalidade e sobre o seu trabalho.

3 Cf. Maria Assunção Pinto Correia, Carolina Michäelis de Vasconcelos, Lisboa, IN/CM, 1986. Uma breve síntese o essencial sobre que nos permite ter um enquadramento de biografia contextualizada.

4 Cf. Dr.a Carolina Michaelis de Vasconcelos, Lisboa, oficina Gráfica do Instituto Profissional dos Pupilos Exército, 1926; Dr.a Carolina Michaelis de Vasconcelos: homenagem do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas, Separata da «Revista Alma Feminina», Lisboa, 1926.

5 Revista Lusitania - número de homenagem, Outubro de 1927, fascículo X.

6 Miscelânea de estudos em honra de D. Carolina Michäelis de Vasconcelos, professora da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1930.

7 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Carolina Michäelis. Lista dos seus trabalhos acompanhada de um preâmbulo e de um appêndice, Separata do «Boletim de Segunda Classe», vol. V da Academia das Ciências de Lisboa, Lisboa, Imprensa Nacional, 1912.

8 Cf. Carolina Michäelis Vasconcelos, A Infanta D. Maria de Portugal (1521-1577) e as suas damas, ed. Fac-similada, Lisboa, Biblioteca Nacional (Prefácio e notas de Américo da Costa Ramalho), 1983 (primeira edição, 1902).

9 Cf. Carolina Michäelis de Vasconcelos, O Movimento Feminista em Portugal, organização, prefácio e notas de Luís Carlos PATRAQUIM, Lisboa, Ed. Fradique, 1902/2002.

10 Lembremos a criação em 1929 da Junta de Educação Nacional que se traduziu por uma política de bolsas e de bolseiros para o estrangeiro de modo a elevar o estado da investigação em Portugal. E não se pode confundir estes objectivos de «política científica do Estado» com a «política do espírito» de António Ferro, como propaganda ideológica para consumo externo e interno. Foram políticas distintas e com objectivos diferenciados para o dealbar dos anos trinta em Portugal do século XX.

11 Conjunto de textos recolhidos e editados no século XX que em muito facilitam a sua consulta e manuseamento - Vasconcelos, Carolina Michalis de (2002) (1902), O Movimento Feminista em Portugal, organização, prefácio e notas de Luís Carlos PATRAQUIM, Lisboa, Ed. Fradique

12 Idem, ibidem.

13 Idem, ibidem. Referência a de Stuart Mill, Libertação do Sexo Feminino, 1869!

14 Idem, ibidem.

15 Idem, ibidem.

16 Idem, ibidem.

Notes de fin

1 Trabalho inserido no CEHFC no âmbito do projecto His&Port20- História das Práticas Culturais e Científicas em Portugal, Séc. XX.

Auteur

Professora Associada da Universidade de Évora. Doutorada em História da Cultura. Investigadora do Centro de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora. Linhas de investigação: História da Cultura e da Cultura Científica nos séculos XVIII, XIX e XX.

© Publicações do Cidehus, 2008

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr