Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Género, Diversidade e Cidadania

 | 
Fernanda Henriques

Introdução

Fernanda Henriques

Texte intégral

1Um dos textos desta colectânea, fazendo-se ressonância do pensamento de Hannah Arendt, identifica o plano político como o transcendental da humanidade, ou seja, aquilo que torna possível a humanidade do humano. Esta é uma velha ideia que bebemos, como muitas outras, na Grécia e na importância da vida da polis. Aprendemos aí que, sozinho, isolado, o ser humano se converte em algo mais ou menos que humano, mas perde a sua humanidade porque esta carece de uma vida em comum para se configurar como tal.

2Esta obra colectiva alimenta-se da mesma convicção, a de que é no espaço público da megapolis que constitui o nosso Mundo de hoje que têm de ser analisadas todas as questões que digam respeito à vida humana. A afirmação “todo o pessoal é político” é mais do que um mero princípio teórico inerente a uma certa maneira de analisar as relações de poder. É a nossa vivência quotidiana que nos faz sentir a força empírica de tal afirmação ao ponto de nos obrigar a olhar de outra maneira para tudo aquilo que considerávamos pacificamente como vida privada.

3Por isso, nesta publicação se decidiu por fazer do conceito de cidadania o seu eixo de referência e questionar, a partir dele, o desenvolvimento sócio-cultural, para avaliar se ele se traduz num efectivo progresso, ou seja, se esse desenvolvimento permite que a humanidade, no conjunto das diversidades que a constituem e especificamente na que respeita à diferenciação sexual, aceda a uma vida plena, quer no plano pessoal quer no plano da vida colectiva.

4Os onze textos que integram a obra provêm de áreas científicas diversificadas para permitir uma abordagem plural e multifacetada das problemáticas, fornecendo a quem a ler um quadro de compreensão mais completo.

  • 1 Importa fazer aqui uma nota explicativa de carácter formal. Uma vez que os textos são oriundos de (...)

5O livro está dividido em três partes correspondendo aos três eixos temáticos organizadores dos textos, a saber: Primeira Parte, Diversidade e cidadania inclusiva, Segunda Parte, Género, diversidade e conhecimento e Terceira Parte, Trabalho, género e cidadania1.

6Na primeira parte estão incluídos os textos centrados na problemática da cidadania, fazendo dela pivot para a compreensão dos fenómenos da diversidade e do desenvolvimento, numa hermenêutica circular que os mostra numa interdependência intrínseca, de tal modo que cada uma das parcelas determinadoras da cidadania, como é o caso, por exemplo, da paridade – como explora o texto de Maria do Céu da Cunha Rêgo –, ou do constrangimento e compressão – desenvolvido pelo texto de Silvério Rocha e Cunha –, condiciona efectivamente a qualidade da nossa vivência colectiva em termos do uso efectivo da liberdade e de uma realização pessoal equitativa.

7Nesta primeira parte, para além das contribuições já referidas de Maria do Céu da Cunha Rêgo e de Silvério Rocha e Cunha, estão ainda incluídos mais dois textos – o de Adela Cortina e o de Rosa Cobo. O desta última autora mostra as concepções e as estratégias teóricas que possibilitaram a conceptualização de uma cidadania que exclui as mulheres, subalternizando-as e coarctando-lhes o direito a um estatuto público em igualdade de circunstâncias com os homens. O de Adela Cortina, a partir de uma visão entrosada dos conceitos de ética, de desenvolvimento e de cidadania, constrói a proposta de uma mundividência capaz de sustentar um desenvolvimento que assegure, simultaneamente, a dimensão ética e a dimensão universal, desenhando o quadro de uma “vida boa” possível.

8A segunda parte do livro contém quatro textos que utilizam a categoria do conhecimento para problematizarem o modo como, a esse nível, são tratados, quer a diversidade cultural, quer a igualdade de género e, portanto, a cidadania no seu âmago constitutivo. Dois desses textos – o de Teresa Alvarez e o de uma equipa de docentes coordenada por Paula Botelho Gomes –, dedicam-se directamente à análise crítica de manuais escolares, realçando não só a ausência de diversidade cultural que eles apresentam, mas também pondo em evidência o facto de eles se manterem cegos em relação às questões de género, continuando a reproduzir um conhecimento marcadamente androcêntrico, embora vestindo a pele de uma pretensa objectividade neutral.

9O texto de Antonia Fernández Valência faz a proposta de se usar a pintura como fonte de aprendizagem da História, no contexto de uma perspectiva de género, fazendo apelo a um exercício pedagógico imaginativo para tornar frutuosa uma compreensão do processo histórico que desoculte o papel das mulheres.

10Finalmente o texto de Fátima Nunes, que abre esta segunda parte, mostra o exemplo de um percurso feminino bem sucedido, o de Carolina Michäelis de Vasconcelos, que colheu o reconhecimento público e contribuiu, com o seu exemplo de Professora e de investigadora, para prestigiar o papel das Mulheres em Portugal e para dignificar a sua luta pela emancipação.

11A terceira e última parte centra-se sobre a questão complexa do trabalho, incluindo três textos – o de Manuela Silva, o de Sara Falcão Casaca e o de Teresa Pinto.

12O primeiro texto, de Manuela Silva, focaliza a sua análise a partir da perspectiva da pobreza, lugar de onde interroga a globalização para poder situar nesse binómio a posição das mulheres, com a finalidade de pôr a nu enviesamentos que desprezam valores fundamentais de justiça, ameaçando a possibilidade de uma cultura de paz.

13O texto de Sara Falcão Casaca centra-se na problemática específica do emprego para questionar a articulação entre a crescente participação feminina na esfera laborai e as diferentes pressões no sentido de uma maior flexibilização da relação de emprego.

14O último texto é de autoria de Teresa Pinto e tem como objectivo destacar as raízes do modelo social de género da modernidade, através de uma análise onde articula a relação entre a industrialização e a domesticidade no século XIX.

Agradecimentos

15Como coordenadora desta publicação cumpre-me o grato dever de expressar um agradecimento profundo às instituições e às pessoas que a possibilitaram: a FCT, a CIG e o NEHM/CIDEHUS e o Departamento de Pedagogia e Educação, da Universidade de Évora.

16Do conjunto das pessoas que apoiaram a publicação, quero salientar os nomes de: Mafalda Soares da Cunha, Elza Pais, Teresa Santos, Irene Borges-Duarte, Luís Sebastião, Teresa Alvarez, Filomena Barros, Alexandra Serra e Valentina Castro.

17Quero também agradecer a todas as pessoas que estiveram disponíveis para escrever os textos e os dar a publicar nesta obra.

18Devo, por fim, um agradecimento especial ao grupo de Mestrand@s do Mestrado em Questões de Género e Educação para a Cidadania, com um destaque especial para quem esteve directamente envolvido na realização do Colóquio onde se enraizou esta publicação: a Ana Carina Vilares, a Bertolina Palma, a Cláudia Feitosa e a Saudade Simões.

Notes

1 Importa fazer aqui uma nota explicativa de carácter formal. Uma vez que os textos são oriundos de diferentes campos disciplinares @s autor@s usam diferentes modos de fazer as referências e as citações bibliográficas. Uma vez que todas essas formas correspondem a modos canónicos de o fazer, dependendo apenas da escola a que se filiam, optou-se por deixar ficar essas diferentes maneiras de fazer, para não impor aqui um monolitismo que seria incoerente com a intencionalidade fundante da obra de se abrir à diversidade de modos de ser e de estar.

Auteur

Universidade de Évora

© Publicações do Cidehus, 2008

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr