Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As elites de Évora ao tempo da dominação Filipina

 | 
Rute Pardal

Anexos

Texte intégral

Anexo I – Esquema genealógico n.o 1 – Condes de Tentúgal

Anexo II – Esquema genealógico n.o 2 – Condes de Vimioso

Anexo III – Esquema genealógico n.o 3 – Condes de Basto

Anexo IV

Quadro n.o 1 – Os Mesários/Vereadores – 1580/1640

Quadro n.o 1 – Os Mesários/Vereadores – 1580/1640

Abreviaturas: o – eleito; or – eleitor; v – vereador; p – procurador; t – tesoureiro; vl – velho

Anexo V

Quadro n.o 2 – Os Mesários/Procuradores – 1580/1640

Quadro n.o 2 – Os Mesários/Procuradores – 1580/1640

Abreviaturas: o – eleito; or – eleitor; v – vereador; p – procurador; t – tesoureiro; vl-velho

Anexo VI

Quadro n.o 3. Provedores da Santa Casa da Misericórdia de Évora (1580/1640)

Provedor

Anos

Domingos Fuzeiro

1580

Gonçalo de Sousa

1581

D. Francisco de Lima

1582

D. João de Castro

1583; 1590; 1597

Fernão Martins Mascarenhas

1584; 1585

Jerónimo Corte Real

1586

Luís de Miranda Henriques

1587; 1588; 1589; 1593; 1599; 1608

D. Fernando de Castro

1591; 1594; 1606; 1620; 1621; 1622; 1634; 1635

D. João Freire de Andrade

1592; 1595

D. João de Bragança

1596

D. Luís de Portugal

1598

Diogo de Miranda Henriques

1600; 1605; 1610; 1612; 1623; 1624; 1627; 1629; 1631

Rui da Silva

1601

Martim Afonso de Oliveira

1602

Luis Lopes Lobo

1603

D. António de Melo

1607

D. António de Meneses

1609

D. José de Melo

1613

D. Francisco de Melo

1614

Fernão de Sousa

1615; 1616

D. Francisco de Almeida

1617

D. Frei Nuno Cogominho

1618; 1619

Fernão Freire de Andrade

1622

D. Teotónio Manuel

1625; 1626

D. Álvaro de Melo

1630

D. Diogo de Castro

1632

D. Francisco de Lencastre

1633

D. João Coutinho

1636; 1637

D. Jorge de Melo

1638; 1639

D. Afonso de Portugal

1640

Anexo VII

1531, Agosto, 31 – «Estatutos da Casa da Santa Misericordia desta çidade deuora feitos em louvor de noso senhor deus e da santíssima virgem maria sua madre nosa auogada pera deuação e homra da Santa irmandade e confraria da dita Casa».

[fl. 10]

«Somente as Regras que nosso senhor neste mundo nos deixou para alcançarmos a gloria e bem aventurança asy forão as XIIII obras da misericordia/para que comprindoas fosemos compridos prefeitos e capazes de Recebermos o premio e gualardão que nos por isso nos prometeo E por que com tam santa tenção por nosas deuações fomos escolhidos e chamados por numero a esta casa e confraria da santa misericordia: não por uãas opiniois nem estados que o mundo por tempo promete e daa mas com toda a umildade desejosos de comprir o que as nosas forças for posiuel/Em o anno do naçimento de nosso senhor Jeshu Cristo de mil quinhentos e quorenta e hum/derradeiro dia do mês daguosto/sendo prouedor o catholico e manifico senhor Francisco de Miranda fidalgo da casa del rei nosso senhor e do seu conselho/e jrmãos os deuotos e honrados senhores pero Ribeiro e diogo fernandes/cristouão de figueiredo e femão lopes/lourenço rodrigues e simão martins/andre silveira e bras pires [fl. 10v] bras dias e bastião lopes/e joão rodrigues e seu companheiro/Estando a mesa em sua vituosa pratica determinarão que fose chamado o numero do çento jrmãos para com seus pareçeres asentasem para estatutos alguas cousas que fosem seruiço do senhor deus e da dita casa e homrra das mesmas pesoas e dos que pelos tempos forem jrmãos do dito numero/como de feito forão chamados pera som de cãpainhas segundo costume/e sendo juntos e preposta a causa de seu chamamento/forão eleitos por uozes dantre todos/dez nobres barões tementes ao senhor deus/e sãas condiçõis.s. Johão dias deuora, jorje carualho fernão gonçaluez baltezar gonçalvez, manoel peguas pedro afonso cristouão vaz e jeronimo mousinho gil gonçaluez e francisco gonçaluez pera que eles dez juntos com o numero anal dos doze da mesa e o senhor prouedor que são por todos vinte e tres hordenassem e fizessem em nome dos mais tudo aqilo que visem ser mais seruiço de deus/e as cousas que por seus pareçeres foy asentado são seguintes/o quoall foy escrito por symão pero marquez escriuão o dito ano/

Estatutos da casa da Santa Misericordia desta çidade deuora feitos em louvor de nosso senhor Jesus e da santíssima Virgem Maria sua madre nosa auogada pera deuoção da santa irmandade e confraria da dita casa

Primeiramente acordarão que se fizese huma tumba dourada que seruise comumente Pera o enterramento dos irmãos e suas molheres e se fizese acusta dos irmãos do numero com a ajuda que cada hum podese dar e estando asy hordenado entrou depois o senhor Vicente da Silveira pera prouedor e deu a que hoie serue nos ditos enterramentos a sua custa

[fl.11]

Outrosy acordarão que quando os jrmãos do numero forem nas proçiçoes ou enterramentos que vão com os rostos descobertos e com sombreiros saluo seruindo/nam leuarão balandraos nem çirios diferentes dos acostumados

E quando a jrmandade for em algun enterramento a tumba e tochas leuarão os jrmãos da mesa e quando não abastarem os ajudarão os irmãos do ano pasado.

Outrosy acordarão que quando alguma piedade deixar que o enterre a jrmandade deixando de esmola dez mil reis que a jrmandade seja obrigada a hir ao enterramento asy e da maneira que fazem a cada hum dos jrmãos e jsto pera ser seruiço de deus e o sostentamento dos pobres/

E quando algum jrmão for remisso e não seruir como he obrigado o prouedor junto os jrmãos da mesa o amoestara que cumpra o Regimento e não cumprindo/o prouedor com os jrmãos o poderão riscar e por vago o seu lugar conforme ao Regimento.

Hordenarão que não entre nesta santa confraria nenhum cristão nouo asy de moyseis como da mofamida nem dalgumas opiniois inuertidas

[fl. 11v]

Outrosy acordarão que os jrmãos tenhão os balandraos e çirios em sua casa asy pera limpeza dos balandraos como pera reformarem os çirios a sua custa/os quais serão de dous arateis pouco mais ou menos pera que va tudo em hordem.

E por quanto pelo curso do ano ouuer cousas que são neçesarias comunicaremse com todo o numero o Prouedor não poder ajuntar no tomar nouo parecer hordenarão que o prouedor e jrmãos do ano pasado com os do presente hordenem o que toda a jrmandade podia fazer e o que por eles for asentado se cumpra como se fose feito por todo o numero.

E porque a misericordia comprindo seu regimento he obriguada em enterrar os pobres e darlhes a mortalha e mandarlhes dizer huma misa por sua alma e os que tem fazenda he Rezão que paguem o que a misericordia em seu enterramento guasta e por que não he razão guastar com os ricos o que se da para pobres/E por se acharem muitas vezes os tais não tão somente não fazerem esmola mas não quererem paguar o que a misericordia em seus enterramentos guasta/ordenarão que quando alguma pesoa que tiuer fazenda e mandar enterrar com a misericordia ouuer Razam o tall enterramento deixe hum penhor [fl. 12] pelo que a misericordia guastar pelo que a demais esmola ficara em oluidio dos que a que a quiserem fazer/E porquamto se souber que o defunto deixa em testamento esmola não sera pedido penhor/e quando o mordomo da capela não pedir os taes penhores o paguara a sua custa/».

(ADE, ASCME, Acórdãos Letra A – 1531/1635, no 1, fls.l0-11v. Estatutos datados de 31 de Agosto de 1531).

Anexo VIII

1554, Janeiro, 31— «Asento em capitalos que tomou sobre a enleisão e enleitores e sobre os enterramentos e ir fora da cidade a irmandade».

[fl. 15]

«Aos XXXI dias do mês de Janeiro deste ano de mil quinhentos e cinquoenta e quatro estando juntos o senhor fernão da silveira prouedor e os jrmãos que com ele seruem o presente ano asentarão as cousas seguintes pera seruiço Do senhor deus e bom regimento da casa/

Ordenarão que os emleitores sejão a mitade macanicos e a mitade doutra condição e tanto que forem eleitos e tomarem juramento se apartarão de dous em dous como se eles conçertarem não sendo dous de huma pauta e quando não poderem conçertar o prouedor os repartira da sobredita maneira e loguo se apartarão e farão cinquo pautas asinadas e cerradas ficarão em hum cofre com duas chaues huma leuara o prouedor e outra o escriuão e ao outro dia acabada a misa se abrirão de manha que o regimento manda/

E ao fazer das pautas trabalharão os parçeiros por se conçertarem ambos em huma pauta e quando não se poderem conçertar fara cada hum sua e asynara/

Os enleitores nomearão no principio das pautas o prouedor/e loguo hum homem que parecer auto pera escriuão/e terão tão bem lembrança de nomear hum jrmão do ano pasado que fique por uelho para dar razão do que em outro tempo pasou e ajuda que aja com uozes não ficara mais que hum que fica o demais uozes e quando forem com uozes iguoais ficara por sortis/

[fl. 15v]

Hordenaão que os enleitores que forem em hum ano não sejão dahy a tres anos nem os irmãos que seruirem em hum ano não seruirão dahi a tres saluo o que ficar por uelho e o escriuão dara lembrança de por no pricipio dos liuros da reçeita e despesa quem forão os jrmãos e enleitores pera se saber em todo o tempo

Hordenarão que quando algum jrmão ou outra pesoa se mandar enterrar em nosa senhora do espinheiro ou san bento a jrmandade não pase da porta da çidade e dahy se tornarão em preçição a casa da misericórdia/

Hordenarão que quando ouuer algum enterramento em dia de mesa que não ua o mordomo da capela a ele porque naquele tempo he neçesario ser presente na casa/e jra o mordomo que foy do mês pasado e quando não ouuer do mês pasado jra o do mês atras/

Hordenarão que os balandraos que forão dos jrmãos que falecerão se desfação em uestimentas pera seruiço da casa e se não de a nenhuma pesoa posto que por eles de esmola por na casa auer neçessidade de uestimentas».

(ADE, ASCME, Acórdãos Letra A – 1531/1635, no 1, fls. 15-15v. Documento datado de 31 de Janeiro de 1554).

Anexo IX

1579, Janeiro, 25- «Carta antecedente aos capítulos sobre as eleições que a Misericórdia de Lisboa enviou à de Évora por pedido desta».

[fl. 86]

«Senhores Os dias pasados nos foy dada huma das vossas merces em a qoal nos pedião que lhe mandasemos çertos capitollos do compromisso o que ateguora não fizemos por muita ocupação desta casa não por falta de nos ser lembrado muitas vezes por o çolicitador de vosas mercês mas aguora lhos mandamos como pedem. E quoamto aos enleitores se asynarem nas pautas asy o fazem. E acerqa dos sobornos não há no compromiso capitolo que nisso fale. Se desta casa se ofereçer cousa que ela posa fazer estamos prestes com muyto inteira vontade outro não se ofereçe. Escrita na mesa oje 25 de Setembro de 1579 annos. Francisco dalmada que este anno siruo descrivão a fez escrever.

Capitolo do dia da festa e inuocação da confraria E como se hão de tomar os uotos para a inleição

E por que a jnuocação desta santa confraria ser de nossa senhora da misericordia ordenarão os fundadores e irmãos delia tomarem por orago e dia de festa da santa confraria o dia da uisitação quoamdo nosa senhora uisitou a santa [fl86v] jsabell que aos dous dias do mês de Julho porque naquele dia obrou nossa senhora com santa jsabell visitando-a E neste dia da uisitação serão juntos todos os ditos irmãos na casa da misericordia e acabados as uesporas o prouedor e irmãos que seruirão aquele ano se asentarão na sua mesa redomda em que ordinariamente aiuntão a quoale uespora na jgreja na naue do meio dibaixo do coro difronte do altar mor omdi por costume for e os mais jrmãos se sentarão nos bancos que para isso são ordinados de huma parte e da outra e loguo por ordem do dito prouedor e jrmãos da mesa hum capelão que for domairo Aquela somana lera no pulpito os capitolos deste compromiso que terão atenção pera a todos ser notorio a maneira em que se tomarão uotos e como forem lidos o prouedor dara juramento ao escriuão e capelão que bem e uerdadeiramente tomão os ditos uotos e tomando o dito juramento jrão ajuntar em huma mesa apartados por si e tomarão os ditos votos começando pelo prouedor e irmãos da mesa dandolhes primeiro juramento dos santos auangelhos que cada hum delles nomeie dez irmãos cinquo nobres e cinquo ofiçiais quoais uir que milhor e mais sãa conçiençia saberão escolher prouedor e oficiais que o ano seguinte ajão de seruir nosso senhor nesta irmandade [fl. 87]

Capitolo dos irmãos que poderão ser eleitores e do lugar e modo omde os rois dos votos ficarão fechados

Os irmãos que hum anno forem emleitores não o poderão ser dahi a tres e o escriuão que seruir tera huma folha dos nomes dos irmãos que nos tres annos pasados forão emleitores pera que não reçeba voto em nenhum dos ditos irmãos e asy se não dara voto ao escriuão pera e emleitor por ser elle o que os toma e como todos os jrmãos que forem presentes tiiuerem uotado o escriuão com o capelão que com elle estiuer tomarão os rois que tiuerem feitos e dobrados os leuarão a mesa do prouedor e jrmãos e elles todos juntos os hirão meter na arca do cruçifixo e ahi ficarão fechados com duas chaues das quoais huma leuara o prouedor e a outra o escriuão e por nenhum caso se alimparão os ditos rois aquele dia ajnda que aja para jsso tempo

Capitolo de como alimparão os rois dos uotos e se chamarão os emleitores e da forma do juramento que lhe hade ser dado

E ao outro dia seguinte pola menhão çedo virão o prouedor e escriuão e todos os jrmãos da mesa a casa da misericordia e abrirão a arqua onde os ditos rois ficarão fechados e os leuarão a casa do despacho e na mesa perante todos retirarão dos ditos rois os dez jrmãos que mais uotos tiuerem para enleitores cinquo nobres e cinquo oficiais e quando forem jguoais nos uotos retirarão aqueles que primeiro estiuerem nos ditos rois e os dez jrmãos que tiuerem mais uotos pera enleitores se escreuerão em huma folha que o escriuão da casa fara dos nomes e o prouedor os mandara loguo chamar.

E como os enleitores forem juntos jrão o prouedor e jrmãos da mesa e eles juntamente a jgreja e se asentarão o prouedor e jrmãos da mesa no seu asento custumado e os enleitores da outra banda do euangelho onde se acostumão asentar e loguo se dira huma misa santa da do espirito santo quando juntamente ouuirão e acabada a misa se pora huma mesa diante do altar mor e nela hum liuro misale e da banda da epistola se pora o escriuão da casa em joelhos e o capelão que diser a misa darão juramento aos enleitores de dous em dous tendo elles postas as mãos no misale aos quoais o escriuão lera a forma do juramento que hão de tomar e he o seguinte

Por estes samtos euangelhos em que pomos as mãos juramos que bem e uerdadeiramente E conforme a nosas conçiençias Enlegeremos hum irmão pera prouedor e outro pera escriuão e dez pera conselheiros pera seruirem [fl. 88] este ano que uem a seus e a nosa senhora nesta sua casa E nesta enleição não teremos respeito a parentesquo/amizade nem odio/a nenhuma pesoa se pera seruir forem aptos E suficientes como pera tais carguos e seruiço E asy não descobriremos esta enleição nem daremos parte dela a nenhuma pesoa.

E tomado o dito juramento o prouedor e jrmãos da mesa e enleitores uirão a casa do despacho e o escriuão fara cinquo escritos dos nomes dos jrmãos ofiçiais que meterão na bolsa de nosa senhora dos quoais escritos cada hum dos jrmãos nobres tomarão hum e o prouedor apartara a cada hum deles com o companheiro que lhe couber pelo dito escrito dentro da dita casa donde se não jrão ate o prouedor que for eleito não ter açeitado sendo presentes na [...] e os enleitores não se darão uotos huns aos outros pera seruirem aquele ano nem poderão enleger para prouedor e conselheyros pera aquele anno os jrmãos que tiuerem seruindo os tres anos atras 25 de Setembro de 1579».

(ADE, ASCME, Acórdãos Letra A – 1531/1635, no 1, fls. 86/87. Documento datado de 25 de Setembro de 1579).

Anexo X

1591, Maio, 7 – «Apontamentos que o provedor e irmãos da misericordia da cidade de Evora fizerão para se ajuntarem ao compromisso e estatutos antigos da dita casa da misericordia, e confirmarense por el Rey nosso senhor».

[fl. 293]

«Posto que o compromisso da irmandade da misericordia desta cidade d’Éuora pareça que tem bastantemente prouido em tudo o que toca ao bom gouerno delia e administração de sua fazenda tem o tempo e experiençia delle mostrado que muitas cousas se deuem de atalhar, mudando o que estaua em antiguo costume e acrecentando o que de nouo he neçesario. E ainda que os Zelosos do seruiço da misericordia há muitos dias que desejam de o por por obra, como se ella gouerna por nosso senhor, parece que foy agora seruido inspirar em V. Magestade mandaruolo, e assy ficamos comprindo com duas obrigações, huma que deuemos ao seruiço desta casa, a outra servimos vossa Magestade no que nos manda na sua carta, trabalhando de nos conformarmos com a misericordia de Lixboa. E para este effecto se chamou toda a irmandade que elegeo doze consultores para iuntos com o prouedor e irmãos da mesa tudo o que ordenassem tiuesse tanta força como que se fizera por toda a irmandade tirando e acrescentando aos statutos antigos o que o estado das cousas presentes permitem, e se começou esta reforma sendo prouedor D. João de Castro, tomandosse para ella as tardes das quintas feiras em que se ajuntaua com os irmãos da mesa e consultores nas quais juntos primeiramente se asentou o seguinte:

Primeiramente que a eleição dos consultores se faça todos os annos no dia que se faz a eleição do prouedor e irmãos da misericordia, os quais servirão aquelle anno somente para com elles se consultar tudo o que de novo succeder, e nam estiver prouido pelos statutos, e assy o mais que o prouedor e irmãos da mesa assentarem que se lhe de conta como se faz na cidade de Lixboa.

[fl.293v]

Que estes consultores seião os mesmos que forem escolhidos por electores aquelle anno e siruão com o prouedor e irmãos que elegerão assy por se escusarem nouas elecções e não possão seruir mais de hum anno nem tornar a ser electos, senam passados tres como se guardou sempre nos electores.

Que o prouedor, escriuão e mais irmãos da mesa nam possão tornar a seruir mais que hum so anno, e que os irmãos nam possão tornar a seruir senão depois de passados tres: porem o prouedor e esciuão, porquanto para estes cargos se requere particular talento e qualidade de que nam há muita copia na irmandade, poderão ser electos passados dous annos depois da sua elecção.

Que o prouedor que estiuer seruindo, nam possa ser aquelle anno elector, nem outro sy o poderá ser algum hora o capellão da casa ou prioste enquanto for official delia, pelo perigo que há em poderem Ter mais olho a seu respeito que ao bem da casa.

Que o prouedor nouamente electo depois de tomar o juramento da mão do que acabou, fique logo em mesa e seja o que ouça as rezões dos irmãos electos, se algum as tiuer pera nam seruir e determinara o que lhe parecer por se escusa poder o prouedor que acabou escusar alguns irmãos, que o nam foram pelo que serue actualmente no que podem interuir respeitos e tenções particulares.

Que o prouedor abra em mesa diante de todos os irmãos as pautas dos electores, as quais virão assinadas por elles. E nam as podera romper, nem nomeara o prouedor ou irmãos electos ate nam serem vistas dos presentes por nam se presumir que antepoem os de minos votos ou nenhum, [fl. 294] e se saiba que escolhe cada hum dos electores.

Que os eleitores da primeira e segunda condição se ajuntem por sortes pondose çinco escritos çerrados, dos quais outros çinco tomarão cada hum seu para fazerem sua pauta com aquelle cujo nome leuarem para que assy mais sem suspeita tratem cada hum que lhe pareçer sem proçeder comunicação dantes.

Que acontecendo uiren nas pautas alguns irmãos com uotos iguais para o prouedor, se determine por sortes que aja de seruir, e nam podendo seuir o que em sorte cahio, ou qualquer outro electo se torne a fazer noua elecção de prouedor pelos mesmos electores e se nam tire pelas pautas outro nenhum por que nam aconteça que venha a seruir algum irmão que nas primeiras pautas leuasse algum voto ou uotos perdidos, pelo qual inconveniente nam poderia ficar por irmão da mesa quem nas pautas nam uier ao menos com dous uotos.

E por que esta casa: que por urgentes respeitos tem fazenda propria que lhe deixaram alguns defuntos com encargos de missas, casamento de orfãas e outras obras pias: tem mais obrigação de nouo acudir a elles, aos pobres, prezos e outra necessidades da casa, mormente das rendas e propriedades que para isso lhe foram deixadas: Assentouse que aja dous depositos separados em que se recolha todo aquelle dinheiro que se achar necessario para estes encargos, hum para as missas outro para os dotes das orfãas, tomandose o tal dinheiro das rendas que pera cada huma destas cousas estão deputadas do primeiro e melhor parado e não podera tirar delles para outra alguma obra posto que seja muito pia, nem para outra qualquer necessidade da casa, nem ainda por via de emprestimo por que nam haja lugar de por Rispeito algum se defraudarem as almas de seus seus suffragios e fiquem por comprir suas vontades de que se torna motivo de [fl. 294v] murmuração e nam quererem os uiuos deixar nada a misericordia.

Que o dinheiro das orfãas e rendas da casa se nam Receba senão em mesa para que se lançe logo em liuro a paga delle e conste assy do que se recebeo como do que se deue.

Que nam possa o prouedor nem irmãos da mesa tomar algum dinheiro trigo ou ceuada nem outra alguma cousa inda que seja por via demprestimo dos bens e rendas da casa do hospital do spirito sancto de que a misericordia tem administração para se gastar em outras obrigações da mesa e fazendoo lhe nam possa ser leuado em conta, antes o pagarão de sua casa e fazenda, porquanto as obrigações do hospital e misericordia são muito destintas, assy na obra como na tenção dos defuntos que para isso deixarão os seus bens, e polia façilidade de se poder usar do que tem o hospital, acontecera carregar a misericordia de maneira que depois não possa pagar o que assy tiuer Reçebido. E por que mor parte das rendas da misericordia se gastão com o liuramento dos prezos e acontece muitas vezes deixar de acudir a outras obrigaçõe mayores, como são as missas e os casamentos de orfãas e da visitação dos enfermos das quadrelas, e montar tanto os liuramentos dos prezos por rezão de dobrarem os selarios aos escrivãos, que auendose de acodir a estes liuramentos necessariamente se hade cortar polas outras obrigações de mayor peso. E porquanto estaa assentado que aja depositos separados do milhor parado das Rendas da misericordia e fica nam se podendo acodir aos liuramentos dos prezos com a continuação de dinheiro que se Riquer, do que se segue endiuidarse a casa com os officiais da justiça e receber alguns escandalos sobre a arrecadação querendo prender os soliçitadores da casa e parando os feitos por lhe nam pagarem. Se assentou que ou das [fl. 295] Rendas da misericordia fora das principais obrigações ou de qualquer esmolla a casa venha se deposite o dinheiro que se puder ajuntar aplicandose ao liuramento dos prezos e nam correrãos os feitos senão conforme ao dinheiro que ouuer para os pagar nam se endiuidando nunca a casa com os officiais da justiça em cousa alguma.

E por que hum dos mores trabalhos que os escrivão da misericordia há lançar per sua letra a dispesa que os mordomos fazem cada hum no seu mês acreçentandoselhe outras muitas obrigações com que fica o cargo muito mais trabalhoso de seruir, pelo que aconteçerão escusaremse as pessoas que sam importantes para elle. Se assentou que os mordomos lance a sua despesa num liuro, e primeiro que de a quitação a cada hum sera uista a conta pello escriuão e lido por elle todas as adições e mesa e depois assinada por elle e pollo prouedor e irmãos por que na outra ordem que se tinha guiasse delia muito pouco fruito e mui grande trabalho aos escriuães.

Assentousse mais assy por nos conformarmos com a misericordia de Lixboa, como por euitar sobornos, que nam fique irmão na mesa per velho e ficara o escriuão que acaba seruindo hum mes na outra mesa que começa alumiando o nouo escriuão e lembrando à mesa as coisas que necessarias forem. E sendo caso que aja de perguntar alguma cousa de que nam estejão aduertidos os da mesa presente e for acabado o mes da assistencia do escriuão velho, o mandarão chamar e se enformarão delle o que necessario for.

Titulo do que toca ao hospital do spiritu sancto desta cidade d’Evora honde se curão os enfermos

[fl. 295v]

Tense alcançado que huma das gramdes faltas que há no hospital he auer poucas enfermarias e nam sendo mais que duas em que se curam os doentes de febres, numa os homens noutra as molheres e outra em que se curãos os feridos, e acontece muitas vezes por falta de enfermarias acodir ao doente que de nouo vem dispedindo o convaleçente antes de tempo do que se lhe segue notauel dano tornando a recahir e nam no dispedindo he ficar na mesma casa e no mesmo ar e com propria Roupa, o que muitas vezes he causa de tornar a recahir. E por que há muitos dias que os irmãos da misericordia desejão de atalhar isto com fazerem huma casa de convaleçentes e a renda do hospital não ser tanta que delia se posa tirar a despesa dos doentes e o custo das obras permetio nosso senhor como protector desta casa dar hum meio muy conuiniente assy pera se poder fazer esta casa de conualeçentes como pera se poder acodir a outra obra de tanto seu seruiço e mor neçesidade que he a dos incuraueis, a qual gente nam tem nesta çidade nenhum abrigo andando por casas mal ripairadas sem nenhuma cura nem Remedio senam a esmolla que a misericordia lhe daa quando pode, e muitas vezes lhe nam basta pera sua sustentação e aconteçe morrerem sem sacramentos pola falta de continuarem com elles E mouido Dom Fernando de Castro de piedade dos incuraueis e assy dos convaleçentes, antes de Deos os leuar pera sy mandou que de sua fazenda se dessem trezentos mil reis a misericordia desta cidade de Evora para que no hospital do spiritu sancto se fizesse uma casa terrea capaz de ter dez leitos em que recolhão dez homens doentes de doenças incuraueis naturais desta cidade e seu termo, os quais fiquem [fl. 296] debaixo da administração dos irmãos da misericordia como esta o dito hospital.

E posto que Dom Fernando de Castro desejasse de dar renda a estes homens com que se sustentassem lhe não foy possiuel tirar de sua fazenda e da de seus filhos mais que estes trezentos mil reis deixando em testamento que morrendo seus filhos sem herdeiros se compre a renda em que montar em sua terça para sustentação dos incuraueis e mandou que se fizesse um contrato com a misericordia em que ella se obrigasse a sustentar dez destes homens incuraueis continuamente com as condições que declara no contrato, e por que a misericordia ganha os bens seguintes: desta obra acceitou os trezentos mil réis pera ella. Primeiramente dá suas esmollas a estes incuraueis em casas particulares, como a de Branca Nunis e de Perpetua Luis e em outras casas da çidade e de contino faz despesa com elles ficandolhe muito mais façil e menos trabalhoso sustentalos juntos nesta casa. Ficaos sacramentando o capellão do hospital, curandoos o físico do hospital. Visitandoos o mordomo da propria casa e finalmente remeandolhe todas as suas neçessidades assy da alma como do corpo. Seguese mais outro bem desta obra para o hospital que he nos altos desta casa dos incuraueis se fazer outra em çima para os conualeçentes forrando o hospital tudo o que ouuera de custar esta obra ate o andar de çima e muitas outras rezões se deixa de apontar in proueito desta obra por que bastão as que estão dadas, as quais pareceram tambem ao prouedor e irmãos da mesa e consultores que acceitarão a esmolla que Dom Fernando de Castro deixa a misericordia com a obrigação de sustentar os dez pobres incuraueis continuamente».

1(ADE, ASCME, Livro dos Privilégios da Santa Casa da Misericórdia de Évora – 1557/1559, no 48, fl. 293-296. Apontamentos datados de 7 de Maio de 1591).

Anexo XI

Elvas, 1581, Fevereiro, 11 – «Edicto do legado pontifício Alexandre Riario proibindo prégar ou aconselhar em confissão sobre o estado do Reino de Portugal».

«Tendo nos emtendido nõ sem grande dor de nosso coração, que mytos pregadores, assi regulares como seculares, nas suas pregações tratarão no tempo passado, eno presente tratão de pregar cousas que pertencem ao estado temporal, e especialmente ao estado deste reyno de Portugal, havendo puramente de tratar à palavra de Deos e do caminho que os fieis christãos hã de seguir pera viver bem e salvarem suas almas, movendo nos coraçois do povo alteraçõis e alevantamento. E de mesma maneira muitos confessores havendo d’alimpar as almas dos penitentes de seus peccados com a mezinha do sacramento da penitencia, se lanção a tratar das sobreditas causas do estado deste reyno, criando maos conceptos e alteraçõis, d’onde poderão socceder guerras, mytos males e incovenentes. E querendo nós atalhar a taes escândalos, mandamos em vertude de obediência, e sob pena de excomunhão, ipso facto incurrenda, em estes presentes escritos declarada, e sob outras penas a nosso arbítrio, que nenhum pregador, nem comfessor, depois de em qualquer modo ter noticia deste nosso publico edicto não ouse, nem presuma debaixo de qualquer cor que seja assi em pregaçõis como nas confissõis tratar alguma cousa tocante à maneira do estado deste reyno de Portugal, salvo aquillo que pertencer à paz e quietação delle, pera mayor serviço de Deos, sendo certos que contra os desobedientes se procedera à aggravação e reaggravação das penas e censuras, cuja absolvição reservamos a nós e a nosso superior».

(BN, RES. 103//12A).

Anexo XII

Évora, 1510, Junho, 3 – «Treslado de hum instrumento que contem em si hum privilegio pera que os cidadães desta cidade gozem dos privilegios de cavaleiros».

[fl. 29v]

«Saibão quantos este instrumento de treslado de hum privilegio que EI Rey nosso senhor deu aos cidadões que nesta cidade andarem por verdadeira eleição, e agovernarem dado por authoridade de justiça em publica forma virem que no anno do nascimento de nosso senhor Jesus Cristo de mil quinhentos e dez anos sabbado trez dias do mez de julho do ditto anno en a camara desta muy nobre e sempre Leal cidade de Evora sendo em ella fazendo vereação Pedro Vaz bacharel em Leiz, e juiz por El Rei nosso Senhor com alçada, e Fernão Gonçalves Cogomingo, e Jorge de Paiva vereadores, e João Godinho procurador, por o ditto João Godinho foy ditto aos dittos Juiz e Vereadores que na ditta Camara estava hum privilegio que o ditto senhor dera aos cidadões que por verdadeira eleição sahirem por pilouros por que sua alteza lhe fez merce que gozem e tenhão de privilegios de cavaleiros, e por quanto elle sahio por verdadeira eleição escripta por o ditto senhor por procurador como hora serve e se entendia de ajudar delle lhes pedia por merce que lhe mandassem dar delle o treslado em publica forma, e visto por elles seu requerimentto mandarão a mim João Estaço escrivão da ditta camara. E publico em todas as escripturas que a ella pertencem por authoridade Real que o buscasse, e lho desse como pedia, e em comprimento de seu mandado o busquey, e tresladey, e concertey com o proprio, e porque o ditto previlegio he feito em capitullos que falão em outras couzas lhe dey somente o apontamento, e capitullo que pede do qual o theor he o que se segue. Nos pedirão que por a ditta cidade de Evora ser a segunda de nossos Reinos em dignidadez, e principal nos serviços e dignidade, grandez merecimentos pellos muy longos, e grandes serviços que tinha feitos, e delia se esperavão mayores cada vez//Ella nos pedia por merce que nos provesse lhe conçeder que aquelles cidadões que governão e andão em pilouros por seu regimento por verdadeira elleição ouvessem de gozar de privilegios de Cavaleiros//Da qual couza a nos apraz, e hauemos por bem que todos os Cidadões que a ditta cidade governão, e governarem, e em ella andarem em pellouros por verdadeira informação

[fl. 30] Por verdadeira eleição hajam e gozem de previlegios de Cavaleiros e assim mandamos que se lhe guardem//e tresladado assim o ditto previlegio de Cappitullo de Cortes, e conçertado como ditto he o ditto João Godinho supplicante o pedio, e os dittos Juiz e Vereadores lho mandarão dar, testemunhas Fernão Visozo e Bastião Pescosso, e outros, e eu João Estaço escrivão da ditta Camera e publico por El Rei nosso senhor emtodas as escrituras que a ditta cidade pertençem que este instrumento fiz e por seu mandado lho dey e em elle meu signal fis que tal hé. E depois desto quarta feira trez dias de Dezembro em a Camara desta cidade de Evora disse o dito João Godinho que lhe pusesse neste preuilegio declaração se era de El Rey Nosso Senhor se de El Rey Dom João que Deus tem por quanto por quanto lhe assim fora mandado na relação, e logo feiro o ditto previlegio, e he de EI Rey Dom Manuel nosso senhor assinado por sua Alteza e dado em Lisboa a vinte e tres de Março de quatrocentos e noventa e outo annos Francisco Pereira mexia, e no signal diz Rey e Princepe, e por que assim he verdade o puz aqui, João Estaço o escrevi».

(ADE, ACME, Livro Verde dos Originais da Câmara, no 145. fls. 29v-30. Transcrição efectuada em 3 de Junho de 1510 de um privilégio datado de 3 de Março de 1498).

Anexo XIII

Lisboa, 1612, Março, 12 – «Carta do Rei à Câmara de Évora sobre as qualidades dos elegíveis para vereadores».

[fl. 357]

«D. Filipe per graça de Deos Rej de Purtugal e dos algarues daquem e dalem mar em Africa senhor da guinee faço saber a uos juis vereadores e procurador da cidade de Euora que ui a uosa carta, sobre a prouisão que mandei passar da ordem que se hade ter quando se fizerem as elleiçois das pessoas que nessa camara ande seruir de uereadores da qual se usara como nella se contem sem alteração alguma e os fidalgos que na ditta prouisão se dis que ande ser nomeados pera seruirem de uereadores se entende dos que o são filhados em meus livros no dito foro e tem disso aluara e não de outros que não tenham estes requesitos el Rej nosso senhor a mandou pellos doutores Fernão de Magalhais e Luis machado de Gouuea ambos do seu conselho e dezembargadores do Paço João Feo a fez em Lisboa a doze de Março de mil seiscentos e doze».

(ADE, ACME, Livro 1.° dos Originais da Câmara, n.o 71, fl. 357).

Anexo XIV

Évora, 1630, Junho, 19 – «Carta do Rei respondendo à petição dos procuradores dos mesteres de Évora».

«Dom Philipe per graça de Deos Rey de Portugal e dos Algarues daquem e dalem mar en Africa senhor da Guinee e conquista faço saber a uos offeciais da camera da cidade de euora que os procuradores dos misteres dessa cidade me fizerão tres petições, pedindome na primeira ouuesse por bem que elles pudesem ter asentos nas Igreas aonde essa cidade fosse em corpo de camera asy como tinhão os misteres desta cidade. E na segunda lhe fizesse merçe conçeder que os ditos misteres gozasem das provizões e regimento de que gozam os desta cidade; e na terceira que mandasse ao corregedor dessa comarca que quoando fisesse eleyção aseytase uoto nas pesoas nobres ainda que não tiuesem seruido de vereadores nem fosem filhos nem nettos delles nem fidalgos. E vista a Resposta que a todos estes particullares destes por meu mandado e petição que me fisestes sobre não hauer de mandar de seruir aos dittos misteres e informação que mandey thomar pello doctor frrancisco de carvalho do meu dezembargo e dezembargador da casa da supplicação; Hey por bem e me praz que nos particullares do primeiro e segundo requerimento dos dittos procuradores dos misteres se não inoue o que nessa cidade de seu principio ate agora se uzou e guardou; e no terceiro particular de que mande ao corregedor aseite uottos nas pessoas nobres ainda que não sejão filhos nem nettos de vereadores nem fidalgos. Hey por bem que se cumpra o que tenho ordenado, acerqua da forma que se deue guardar nas eleyções e se cumprão asy neste particullar, como nos mais as prouisões conçedidas a essa camera por mim e pellos senhores reis meus predeçessores e esta inteiramente como nella se conthem pera o que a fareis registar nos livros delia, el Rey o mandou pellos doctores Fernão Cabral, e João de Salazar, ambos do seu Conselho e seus dezembargadores do paço. João de Sousa a fez em Lisboa a dezenoue de Junho de mil seicentos e trinta».

(ADE, ACME, Livro l.° dos Originais da Câmara, no 71 fl. 349. Carta datada de 19 de Junho de 1630).

Anexo XV

Sem data – «Lamentação ao Reino de Portugal, que amanheceo na sanchristia da Santa Misericordia sabbado pella menhãa o derradeiro de Janeiro de 632».

2[fl. 224 v]

«Portugal porco de Luso
ja gora por teus peccados
pagastes os gostos passados
em moeda de outro uso

Como tenro Leitamzinho
de pequeno te criaste
porem crescendo ficaste
como forte porco espinho

Depois de seres Leitão
os Reinos te dauão de arras
e as estrangeiras barras
te temião por barrão

Se arreganhauas
o dente e a colera te creçia
Toda castella tremia
Azia, Africa e Oriente

Tinhas debaixo da mão
tudo por ter bons porqueirosos
tirãote os companheiros
ficaste porco senão

[fl. 225]

Vieste tanto a engordar
e foy por tua mofina
que te fizerão chasina
antes do entrudo chegar

Pagaras o que não pastaste
quando tu liure pastauas
e o montado que montauas
perderas pois não montaste

Chega o tempo da matança
hasde morrer te paçiençia
pois te vende a conçiencia a olho,
e não por balança

Não tens fauor que o impida
por acabado te dou
e se hum conde te criou
tres te hão de tirar a vida

Mendonça da com o martelo
com que te hão de derribar
diz não te hão de chamuscar
por leuar couro e cabelo

Ataide por regalo
pertende darte a sangria
mas se a vea esta vazia
o sangue quem hade dalo

[fl. 225v]

Mascarenhas sem reçeo
imitando as casas manhas
so por te ver as entranhas
diz que te hade abrir pello meo

E depois de bem vingados
hãode chegar todos juntos
a tyrar a fersura, e untos
com que hãode ficar untados

A tua carne metida
inteira em sal hade ser
dizem por não se perder
e eu digo por mais perdida

Outros por que mais feneça
de todo em estado tal
dizem lhe tirão o sal
por que mais presto apodreça

Enfim salgão carne e osso
feito bem de animo danado
por que a quente quer salgado
soubeste tão mal em osso

Farão hum çarapatel
da fersura a sua vontade
dando o Reino e a çidade
a lingoa, o sangue, o fel

A lingoa dão por mais mingoa
aos fidalgos pois são galgos [fl. 226]
e he bem dem a lingoa a fidalgos
pois são fidalgos de lingoa

Por que da questa maneira
pagão seu pouco juizo
e he bem para terem sizo
lhe ponhão sal na moleira

E não so aos de Lisboa
mas ainda aos das terras
razas lhe hão de salgar as
cazas por traidores da coroa

O fel mandarão dar ao pobre
no que fazem seu descargo
por que querem que em amargo
suas desventuras cobre

O sangue que lhe sobeja
para desgraças e ajudas
que Dom jorge como judas
que se lançe pella igreja

De arrependido confesso
e he razão com que me ajusto
mas não pello justo preço

Que qual o do justo Abel
que seu proprio irmão derrama
justiça este sangue chama
sobre hum falso irmão cruel

[fl. 226v]

Queira Deos depois de fartos
este de tua fersura
para mor desventura
não queirão defazerte em quartos

Porco acabou teu poder
teu esforço, e fama rara
foste bom porco de vara
oje seras de correr

Varas teras de corrido
pois os teus proprios te corres
e se elles te não socorrem
de que seras socorrido

Corrida se vio Bisacaia
Por tal tributo em si ver
e não quis por o sofrer
que o mundo lhe desse vaia

Em campo formado vão
dar remedio aquella chaga
dizem se ele Rej quer por paga
armas sim, tributos não

Ninguem de ti caso faça
nem te chame Portugal
pois se te tirão o sal
tambem te tirão a graça

Os fidalgos não acodem
por titulos não perderem [fl.227]
os pobres tem bom querer
mas que importa se não podem

Desejo tem, e cobiça
valerte nesta occasião
mas faltalhe capitão
e amor da patria os atiça

Do clero seu bom intento
era quererte remediarte
como morres nesta parte
so te ajuda cum morrente

Não ressuscitara agora
a remediar tal pensão
hum Veriato ou Tamorlão
ainda que de palhas fora

Venha ja por qualquer via
bem que tanto se deseja
pois inda que hereje seja
não fara tal heresia

Quando Deos quis libertar
ao mundo do captiueiro
mandou cesar primeiro que primeiro
listasseem todo o lugar

Cirino era Presidente
de Siria quando a Listarão
por se saber que fintarão
no seu tempo aquellas gentes

Estando nesta discordia
veo christo a remedialos [fl. 227v]
juntamente a libertalos
com sua misericórdia

Listado esta Portugal
para pagar per’o demo
e hade ser tanto, que temo
que hade ficar sem Real»

(BPE, cod. CXII/1-36, fls. 224v-227v).

Anexo XVI

Sem data- «Pasquim que se fixou na porta de Palacio».

«solto un pedo una beata
una tarde a su despecho
y por que le hizo prouecho
le piden la media nata
ella que nadie dilata
hablando con reuerençia
por dar gusto a su excellencia
otro gran pedo solto
y al officio lo embio
del secretario valencia»

(BPE, cod. CXII/1-36, fl.340).

Anexo XVII

Sem data – «Soneto a Don Diego de Castro seruindo de visorej».

«Senhor Don Diego barbas en remo
que toca media anata el conde Du
dexa el olades en Penanbu
pues dexan a Mathias lo que
Se quereis sustentar os en el tro
imponed los quinientos de tribu
que ia el electo Dios le guarde el ju
por puso con unzello muy deuo
La despedida da quel caso ami
dizen que fue por dar os un bofe
aquel valido con ingrata ma
Sy podeis peruenir la despedi
que si en boluer lo iusgan indiscre
por cuerda jusgan la retira
Sy La casa de auero y Bragan
os culparen direis con sufrime
echado esta por tierra el fundame»

(BPE, cod. CXII/1-36, fl. 288v).

Anexo XVIII

Sem data – «Sátira, em soneto, a D. Diogo de Castro».

[fl. 283]

«Querer os para mi no es desamarme

Soneto a Don Diego de castro

Querer os para mi no es desamarme
quererme para vos todo es quererme
iustamente dare en aborreçerme
sy usurpo algo de amar os por amarme

[fl. 283v]

Vengan los inposibles ajudarme
pues no han podido, ny podran verçerme
del amor proprio pueden defenderme
Pero el que os tengo no podran quitarme
Quanto mas amo menos de vos quiero
y aun que excedo en razon los mas quexosos
mucho deuo a my misma desventura
Amor desconfiado es verdadero
ser amado se dexe a los dichosos
que para amor nos es menester ventura»

(BPE. cod. CXII/1-36, fls. 283-283v).

Anexo XIX

Évora, 1637, Novembro, 12 – «Convocatória do Conde de Basto sobre a resolução das alterações de Évora em 1637».

[fl.453]

«Os Senhores da Juncta, sobre a quietação desta cidade, que depois d’amanã sabbado quatorze deste, as oito horas da manhã, se hão d’achar na Camara para se veerem aly as cartas de sua Majestade que Deos guarde, que o Senhor frei João de Vasconcellos, traz para a Camara e para os Mesteres, e vinte e quatro, que pedem o recebimento destas castas, achareense prezentes todas as peçoas da governança e os cidadãos a que se costuma mandar recado em semelhantes occaziois aduertindose que antes sejão demais que demenos, e aos mesteres, e vinte e quatro emais peçoas que parecer a VS Ms:

12 de Novembro de 637

D.Diogo de Castro

Évora, 1637, Novembro, 17 – «Convocatória do Conde de Basto sobre a resolução das alterações de Évora em 1637».

[fl. 455]

«Estes Senhores a que Vs Ms pedem pello seu scripto, que hontem se recebeo, se achem amanhãa na Camara, estão nesta materia com todo o cudado, que se deu ao pezo delia, teendo por muito importante a breuidade em tudo;

Esta manhãa se ajuntarão e pareceu trattarse com o Sr fr. João de Vascocellos destas couzas, hoje em dia da sua sezão, amanhãa pella manhãa nos ajuntamos todos para este effeito, e para com menos dettença se poder caminhar nellas, e logo apos isto veerão estes Senhores, o dia que conueem vão a Camara, e serão Vs Ms auizados

Em 17 de Nouembro de 637.

D. Diogo de Castro».

(A.D.E., ACME, Livro 9° dos originais da Câmara, fls.453 e 455).

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3969/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3969/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3969/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Titre Quadro n.o 1 – Os Mesários/Vereadores – 1580/1640
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3969/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 500k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3969/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3969/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 216k
Légende Abreviaturas: o – eleito; or – eleitor; v – vereador; p – procurador; t – tesoureiro; vl – velho
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3969/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Quadro n.o 2 – Os Mesários/Procuradores – 1580/1640
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3969/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 192k
Légende Abreviaturas: o – eleito; or – eleitor; v – vereador; p – procurador; t – tesoureiro; vl-velho
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3969/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 168k

© Publicações do Cidehus, 2007

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr