Desktop versionMobile Version
OpenEdition Books

As elites de Évora ao tempo da dominação Filipina

 | 
Rute Pardal

Parte I – Évora: de Corte a «Cidade»

Volltext

1Estudar grupos de elite pressupõe explicitamente estudar o seu espaço de implantação. Por esta razão, parece-nos pertinente começar por equacionar algumas questões relativas à situação geográfica, política e cultural de Évora. Não o faremos isolando a cidade, mas considerando também o seu peso relativo nos equilíbrios inter-regionais e inter-urbanos.

  • 1 Apesar de se reportar ao período moderno, e ao caso francês, não podemos deixar de referir o estudo (...)

2Um dos factores que demonstraram a importância de Évora ao longo dos séculos XV e XVI foi a presença da Corte1. Com ela, a cidade adquiriu, a todos os níveis, um dinamismo fora do comum para uma cidade do interior sul de Portugal. Sem a Corte o brilho da cidade esmoreceu significativamente, nunca mais conseguindo recuperar o esplendor da época renascentista. É verdade que não soçobrou completamente, mantendo-se entre as primeiras do reino. Como, aliás, o demonstra o papel das suas elites no panorama social e político no Portugal da primeira modernidade. Entremos, então, na cidade.

1. A evolução geo-política e cultural: séculos XV-XVII2

  • 2 As seguintes páginas devem ser entendidas como a contextualização mínima necessária ao desenvolvime (...)
  • 3 Manuel Fialho, Évora ilustrada, tomo primeiro, Biblioteca Pública de Évora (doravante BPE), tomo l. (...)

3Numa descrição de finais do século XVII, princípios do século XVIII, o padre Manuel Fialho delimitava geograficamente a província alentejana considerando que a oriente os seus limites eram fixados pela linha do rio Guadiana, desde Badajoz até à foz, que situava em Mértola, e a sul pela serra e reino do Algarve. Segundo o mesmo autor, a oeste o Alentejo estendia-se do Oceano Atlântico até à foz do rio Tejo, que dividia a norte a província transtagana da Estremadura e da Beira3.

  • 4 Nas palavras dos geógrafos, “O traço geográfico dominante da região transtagana é a peniplanície on (...)
  • 5 Para o conhecimento da evolução das descrições geográficas de Portugal desde a Idade Média até à Id (...)

4Com se pode constatar, esta é uma caracterização geofísica com incorrecções resultantes, com certeza, do desconhecimento parcial do terreno, o que se nota nomeadamente quando situa a foz do rio Guadiana em Mértola. Para um leigo na geografia alentejana, a descrição servirá para demonstrar a imensidão desta província4. Certo mesmo é que, estendendo-se desde as margens do Tejo até à serra Algarvia, o Alentejo se desenvolveu tendo como centro geográfico Évora que, por isso, ocupou uma posição de centralidade económica, social e política no seio da região5.

  • 6 Maria Ângela Rocha Beirante, Évora na Idade Média, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1995, p. 1 (...)
  • 7 Enumeramos aqui algumas das possessões das ordens militares em Évora: Templários – foros de casas n (...)
  • 8 Joaquim Romero Magalhães, «O Enquadramento do Espaço Nacional», História de Portugal, (José Mattoso (...)

5Conhecida a sua importância para épocas mais recuadas, seria com a reconquista cristã que Évora assumiu papel de charneira na política dos primeiros reis. Segundo Angela Beirante, um dos elementos estruturadores do seu poder ter-se-á ficado a dever “(...) aos meios adoptados por D. Afonso Henriques, obstando a que Évora voltasse à posse do Islão pela sua conversão num centro estratégico de ataque ao inimigo. Ou seja, recorrendo às ordens militares como barreira ao avanço muçulmano”6. Deste modo, praticamente todas as ordens militares que actuaram na conquista e defesa dos territórios a sul de Portugal estiveram presentes em Évora ou nas suas imediações7. Uma situação que Joaquim Romero Magalhães apelida de “variedade espacial dos poderes”8, ou seja, uma atitude de visão estratégica do equilíbrio social e político, tendo em vista a não concentração de vários direitos e/ou jurisdições, os primeiros monarcas distribuíram de forma mais ou menos equitativa o território que, a sul, se ia retirando aos infiéis.

  • 9 Cf. Portugaliae Monumenta Historica, Leges e consuetudines, I, Lisboa, Typis Academicis, 1856, pp. (...)
  • 10 Documentos situados no Arquivo da Câmara Municipal de Évora e nas Chancelarias Régias, segundo Mari (...)

6Como normalmente acontecia em situações análogas, a delimitação do termo de Évora não se tornou clara a partir da outorga do foral por D. Afonso Henriques em 11669. A instabilidade militar provocada pelos avanços e recuos da reconquista terá sido, talvez, a razão mais forte para que tal tivesse acontecido. Como bem demonstra Angela Beirante, o termo da cidade vai-se efectivando ao longo da Idade Média10, não sofrendo, segundo a mesma autora, alterações de monta entre os finais do século XIII e XVI, como dá conta o tombo de 1536.

  • 11 Lisboa e Santarém foram os locais mais procurados para a sua realização.

7Um dos aspectos que mais valorizou a cidade de Évora foi o facto de aqui se terem reunido Cortes por diversas vezes. Concretamente doze vezes entre 1391 e 1535, embora muitas delas fossem compartilhadas com outras localidades, como Lisboa e Coimbra11.

  • 12 À medida que a Idade Média caminhava para o fim e a Modernidade se aproximou, aspectos como o das p (...)

8O outro indicador que avalia o peso desta cidade relativamente a outras do reino relaciona-se com a organização e localização dos corpos sociais no espaço físico das Cortes12.

  • 13 Pedro Cardim, Cortes e Cultura Política no Portugal do Antigo Regime, Lisboa, Cosmos, 1998, pp. 53- (...)

9No corte temporal que nos interessa – finais do século XVI e primeiras décadas do XVII –, as Cortes assumiram uma função fulcral na sociedade de Antigo Regime, considerando-as Pedro Cardim como possuidoras de uma “componente expressiva”13. Na verdade, as Cortes parecem ter funcionado como um local de representações simbólicas e de demonstração de estatuto ou posição social. No entanto, o facto de as Cortes se terem reunido em Évora pela última vez em 1535, coloca a carga cerimonial que lhes esteve associada fora do período do nosso trabalho.

  • 14 Todas as três ordens sociais tinham por direito apresentar os denominados capítulos às cortes. Deno (...)
  • 15 Vejam-se algumas plantas das salas das cortes realizadas ao longo do século XVII, em Pedro Cardim, (...)

10Contudo, o facto que ressalta como óbvio é, nesta matéria, por um lado, a importância que a cidade teve para os monarcas, pelo menos até D. João III, por outro, a visibilidade e eventual capacidade de reivindicação dos seus corpos sociais14, dado que Évora manteve uma posição de destaque nas Cortes que se realizaram ao longo do século XVII, nomeadamente através dos seus procuradores, que continuaram a preceder cidades como Coimbra ou Santarém na disposição do cerimonial da distribuição espacial da sala de reuniões. Ao contrário do que se verificou com algumas vilas, que foram despromovidas, a capital de Entre Tejo e Odiana continuou entre Lisboa e o Porto15.

  • 16 D. João II, D. Manuel e D. João III foram os monarcas que mais tempo passaram na capital do Além-Te (...)
  • 17 Joaquim Romero Magalhães, «O enquadramento do espaço nacional... cit.», p. 53. (Cf. Luís de Matos, (...)
  • 18 Tal como na descrição geográfica feita pelo engenheiro Alexandre Massaii, ao serviço de Filipe III. (...)

11Numa época em que ainda não se tornavam evidentes as vantagens da fixação da Corte, e onde a noção de capitalidade não estava arreigada, Évora foi, como se sabe, uma das sedes eleitas para acomodação do rei e das estruturas administrativas, políticas, jurídicas económicas e sociais. Sendo consensual atribuir as causas do desenvolvimento da cidade à frequente presença da Corte entre os finais do século XV e meados do século XVI16, “Évora, não sendo a segunda cidade do reino, que era o Porto, pesava fortemente pela frequente presença da corte e da multidão clientelar que a acompanhava”17. Évora era considerada a segunda cidade do reino, nas fontes coevas que se lhe referiam18. Facto que teremos oportunidade de comprovar.

  • 19 Cf. Luís de Matos, «Ebora Humanistica... cit.», p. 8.

12Naturalmente que entre os maiores ganhos desta urbe pela estância do rei e da Corte, se destaca a esfera económica, tornando-a palco de um certo cosmopolitismo a que “(...) carpinteiros e alvanéis, entalhadores, ourives, arquitectos, pintores e escultores de mais que uma nacionalidade cruzam-se com mercadores portugueses e estrangeiros que vêm ultimar contratos de compra de especiarias ou de açúcar da Madeira”19, davam o tom. Mas, para além da dimensão económica que a Corte emprestou à cidade, também a dimensão cultural se agitaria, e de 1490 a 1550, a Liberalitas Julia dos romanos, a Yabora dos muçulmanos, tornar-se-ia a pérola do humanismo em Portugal, que efectivamente se desenvolveu em redor do núcleo cortesão.

  • 20 Nascido, como bem se sabe, em Itália no século XV, o humanismo expandiu-se por toda a Europa na cen (...)
  • 21 Cataldo Parísio Sículo acabou por ocupar a cátedra de leis e retórica na Universidade de Lisboa. (C (...)

13Pela Europa fora, os intelectuais humanistas e os artistas do Renascimento20 em geral foram-se apoiando em reis, príncipes e nobreza, no intuito de espalharem a semente da renovação cultural. Também da Corte portuguesa irradiava um grande interesse pelos novos conhecimentos e pela sapiência dos sábios humanistas. Muitos dos que passaram por Portugal fizeram-no na condição de mestres de instrução da família real. Foi o caso de Cataldo Parísio Sículo, que chegou ao reino provavelmente por volta de 1485 para exercer de tutor em gramática latina de D. Jorge, filho bastardo de D. João II. Mas também Nicolau Clenardo que, incitado por André de Resende – insigne humanista eborense, com quem se correspondeu –, chegaria a Évora por volta de 153321.

  • 22 O primeiro abandona a cátedra de Salamanca, o segundo a de Lisboa. (Cf. Luís de Matos, «Ebora Human (...)

14Mas não foram só estrangeiros que abrilhantaram a Corte. Nela também se destacaram Álvaro Rodrigues, Martim Afonso e João de Menelau – mestres do futuro D. João II. Ou ainda Aires Barbosa e Pedro Nunes – professores do Cardeal Infante D. Afonso22.

  • 23 Destacámos apenas os mais conhecidos. Para uma bio-bibliografia mais apurada do humanismo em Évora, (...)

15Deste núcleo cortesão irradiavam ainda outros intelectuais, nomeadamente os que gravitavam em torno de Jorge Coelho (futuro secretário latino do infante D. Henrique) e de João Petit (arcediago da Sé), e de Joana Vaz (dama da infanta D. Maria) e Rodrigo Sanches (sacerdote Espanhol vindo para Portugal no séquito da rainha D. Catarina)23.

  • 24 De outro modo não poderia ser, porque, “La difusión de las nuevas ideas nace también de las relacio (...)
  • 25 Exemplo deste contacto com o exterior foi, Nicolau Clenardo, que se correspondia activamente com o (...)
  • 26 Estas duas razões são as apontadas por Joaquim Romero Magalhães para que, progressivamente, mas com (...)

16Contudo, como seria de esperar, o humanismo eborense não se isola24. De facto, estes homens e mulheres estão em contacto não só com vários pontos do país onde o humanismo também esteve fortemente presente, em Lisboa, Coimbra, Porto ou Braga, como também com o estrangeiro25. Bafejada pelos ventos mediterrâneos do humanismo, Évora esteve em contacto com a Europa através dos seus intelectuais e mestres estrangeiros que até ela acorriam. Todavia, ainda o século XVI não chegava ao final da primeira metade e a Corte abandonava a cidade. O aumento da burocracia e o chamamento do comércio ultramarino26 tornavam Lisboa muito mais atractiva que a capital alentejana.

  • 27 Cf. Diogo Ramada Curto, «Contra-Humanismo, Classicismo católico, Neo-escolasticismo», História de P (...)

17Com a ausência da Corte, Évora não paralisou mas desceu do pedestal a que tinha sido guindada. O eclectismo cultural proporcionado pelo humanismo não voltará a surgir, nem mesmo depois da fundação da Universidade na segunda metade do século XVI. Eram outros os tempos culturais, mentais e políticos que se avizinhavam. Com efeito, a partir da última fase do reinado de D. João III, criou-se uma atmosfera contrária à mundividência proporcionada pelo humanismo. Tal como aconteceu no resto do país, o humanismo eborense também sofreria um duro golpe com a intolerância dirigida aos seus intelectuais. Por exemplo, o Tribunal do Santo Ofício começava a ceifar a eito. Uma das suas vítimas, André de Resende, apagar-se-ia no anonimato de Évora27.

  • 28 Idem, Ibidem, p. 412.

18Por outro lado, e como já foi referido, a fundação da Universidade de Évora, em 1559, não aportou novo fôlego crítico e renovador à cultura cidade. Como se sabe, fundada por iniciativa do Cardeal D. Henrique (arcebispo de Évora), foi de domínio exclusivo da Companhia de Jesus. Obedecendo ao espírito do Concílio de Trento, englobou na sua luta pela defesa dos valores católicos todos aqueles que assumiam uma atitude de racionalidade crítica face ao clericalismo, aos homens e à existência “(…) Essa plêiade de humanistas desaparece de cena nos anos de cinquenta e sessenta do século XVI. A sua morte «histórica» - física ou cívica arrastou a do humanismo enquanto cultura secular e autónoma – cultura da confiança no poder do Homem e da rejeição do domínio teológico-eclesial, sem negação dos valores religiosos. É uma mudança geracional, mas é também uma mudança na vida política, espiritual e cultural do país”28.

2 – Évora, a província e o reino: perspectivas demográficas e económicas

19Vejamos agora, ainda que sumariamente, qual foi o comportamento demográfico e económico da cidade no tempo em estudo.

  • 29 O conhecimento global, regional e local da população portuguesa, apesar de algumas disparidades de (...)
  • 30 Nestas circunstâncias está o estudo de Joaquim Veríssimo Serrão, que apesar de tudo, refere que é p (...)

20Importa contudo referir que as dúvidas são mais que as certezas. Exceptuando o numeramento ordenado por D. João III em 152729, tudo o que existe até ao século XVIII são dados parcelares, estimativas locais ou regionais, que nos permitem uma aproximação ao tema, mas nunca uma síntese. Merecem, por isso, todas as cautelas30.

  • 31 Cf. Maria Ângela Beirante, Évora na Idade Média... cit., pp. 151-157.
  • 32 Cf. Idem, Ibidem, p. 142.
  • 33 Todavia, estes dados merecem-nos algumas precauções. Em primeiro lugar, devido à crise demográfica (...)

21Para a Idade Média, em especial para os séculos XIV e XV, Ângela Beirante estabelece como critérios para a definição da população de Évora o rácio entre o número dos tabeliães e a população e o rol dos besteiros do conto. Conta ainda com documentos de cariz fiscal, como as indicações do almoxarifado de Évora aquando do empréstimo a D. Afonso V entre 1475 e 147631. Deste modo, e atendendo ao cálculo das pensões dos tabeliães da comarca de Entre o Tejo e Odiana, Évora ocupava, já desde os finais do século XIII, o quinto lugar nas cidades portuguesas mais populosas, atrás de Lisboa, Santarém, Bragança e Guimarães32. Ainda segundo a mesma autora, o número de tabeliães desta cidade viu-se incrementado ao longo do século XIV-XV atingindo então a dúzia33.

  • 34 Ângela Beirante, recorrendo à Chancelaria de D. João I e às Ordenações Afonsinas, consegue construi (...)

22Por outro lado, o número de besteiros do conto com que a cidade tinha que contribuir determinava também a sua importância a nível populacional. Porém, neste caso, ao contrário dos tabeliães, o número de besteiros decresceu na passagem do século XIV para o XV, o que pode ter significado um retrocesso da população, ainda que a explicação para esse fenómeno possa estar relacionada com situações de concessão de isenções por parte do rei, nomeadamente “(…) por influência dos fidalgos (...)”. Apesar de ter baixado dos cento e cinquenta para os cem besteiros, Évora conservar-se-ia acima de todos os lugares da comarca de Entre o Tejo e Odiana. Beja e Eivas, as duas Vilas mais significativas, passaram respectivamente de setenta e cinco e sessenta e cinco besteiros no século XIV, para oitenta, nas primeiras décadas do século XV34, uma diferença considerável portanto.

  • 35 O maior número encontrava-se na Beira (260) e na Estremadura (126), seguidas de Entre Tejo e Odiana (...)

23Como bem sabemos, o Numeramento de 1527-1532 mostra-nos um país heterogéneo em termos demográficos. Atesta-o desde logo a distribuição das unidades administrativas – compreendidas entre cidades, vilas, concelhos, coutos, honras, terras, julgados comendas ou lugares35. Aqui começam exactamente as assimetrias. Em relação à Beira e Estremadura, a província de Entre Tejo e Odiana demonstra – sem mais dados importantes—a sua fraca densidade populacional, já que numa área substancialmente superior não atingia metade das divisões administrativas que, por exemplo a Beira possuía.

  • 36 Idem, Ibidem, p. 20.
  • 37 Por outro lado, entre Douro e Minho e a Beira lideravam os índices de densidade populacional com vi (...)

24Como referimos, estas informações demográficas permitem concluir desde logo da fraca densidade populacional da província transtagana, situação que, segundo Júlia Galego e Suzanne Daveau, está historicamente associada a uma longa tradição urbana existindo “(...) grandes cidades, vilas e aldeias rodeadas por extensas áreas completamente ermas (...)”36. Assim sendo, Entre Tejo e Odiana teria cerca de quarenta e oito mil e oitocentos moradores, logo a seguir à Estremadura37.

  • 38 Adoptámos aqui o “índice quatro” como multiplicador do número de habitantes por fogo – como vem ref (...)
  • 39 Não enveredámos aqui pela polémica sobre a definição de vila ou cidade. Contudo, João José Dias ind (...)
  • 40 No cômputo geral dos centros urbanos podemos considerar, através dos dados fornecidos pelo Numerame (...)

25Enquanto centro urbano, Évora teria, tal como o Porto, cerca de doze mil habitantes, sobrepondo-se a cidades como Santarém, ou Coimbra, onde a Corte também estanciava frequentemente38. Diferença ainda mais visível em relação às restantes cidades de Entre o Tejo e Odiana, tendo Eivas cerca de 7.600 habitantes, seguida de Beja e Portalegre com cerca de 4.800 cada39. Ou seja, no século XVI, Évora destacava-se, naturalmente, em termos populacionais, assumindo-se como capital da província40.

  • 41 Cf Joaquim Veríssimo Serrão, «Uma estimativa da população de Portugal... cit.»., p. 236. Esta estim (...)
  • 42 Cf. Teresa Ferreira Rodrigues, «As estruturas populacionais», História de Portugal (José Mattoso di (...)

26Para a centúria seguinte, a de seiscentos, os números da população ainda se tornam mais duvidosos, havendo necessidade de se recorrer a fontes indirectas. Por isso os estudos demográficos que se têm efectuado para o século XVII constituem abordagens, quase sempre estimativas, que apesar do seu valor, têm que ser encaradas com as reservas necessárias a este tipo de fontes. Por outro lado, no que a Évora diz respeito, a ideia de que o século XVII foi um tempo de crise demográfica também não é aceitável41, havendo, pelo contrário, alguns indicadores que apontam para um certo crescimento populacional. Autoras como Teresa Ferreira Rodrigues e Teresa Fonseca indicam que a capital alentejana teria, por volta de 1620, cerca de 14.000 habitantes42.

  • 43 Atrás destas cidades outras com um assinalável efectivo populacional – Braga, Portalegre e Beja – à (...)

27Por outro lado, usando a Población General de España, de Rodrigo Mendez da Silva e Manuel Severim de Faria, Veríssimo Serrão indica que em 1640 Évora teria cerca de 4.000 vizinhos, o que corresponderia a cerca de 16.000 habitantes. Deste modo, a capital de Entre Tejo e Odiana continuaria a ser, em termos populacionais, uma das mais importantes em todo o reino, todavia nesta altura já se tinha deixado ultrapassar por Coimbra, com cerca de 5.000 vizinhos, o que equivaleria a 20.000 habitantes, equiparando-se agora à terceira cidade – o Porto – que teria sensivelmente os mesmos 16.000 habitantes43.

  • 44 Cf. António de Oliveira, Poder e oposição política em Portugal no período Filipino (1580 – 1640), L (...)
  • 45 Esta é também a opinião de António de Oliveira quando refere que em 1640 os efectivos populacionais (...)

28Assim, e a crer nos números referidos anteriormente, podemos concluir que, apesar das fomes, pestes e epidemias que assolaram Portugal sobretudo em finais do século XVI e princípios do XVII, e dos picos de mortalidade do século XVII – 1622, 1631-1632, 1632-163444 –, os efectivos populacionais eborenses conseguiram manter-se mais ou menos equilibrados, com tendência para o crescimento, devido, naturalmente, às altas taxas de natalidade45. Quanto a Évora, dos 12.000 habitantes em 1527-1532 terá passado para os 16.000 habitantes em 1640.

  • 46 Manuel Fialho, Évora ilustrada.... cit., cap. 8, fls. 27-27v.

29Todavia, segundo alguns escritos de finais do século XVII, Évora ressentia-se muito da ausência da mais nobre estirpe fidalga de Portugal. A maior parte tinha partido com a Corte, segundo o padre Manuel Fialho, “Na falta de gente corre Évora parelhas com o mais Alentejo: supostas as causas, que teve e tem, tem mais gente do que se podia cuidar ao menos da gente menor, miuda e do povo (...) a grande e de maior polpa lhe fogio para a corte, porém queiram ou não ca tem o seo solar sem dele se gozarem”46.

  • 47 Uma ideia bem difundida pela política liberal do século XIX, com poucos efeitos práticos no terreno (...)
  • 48 Cf. Joaquim Romero Magalhães, «As estruturas da produção agrícola e pastoril», História de Portugal(...)

30Em termos agrícolas, a associação do Alentejo a celeiro de Portugal47 ainda não se fazia no Portugal quinhentista e seiscentista, ainda que, por motivos climatéricos, fosse considerado o espaço mais propício para o cultivo dos cereais, essencialmente do trigo – o cereal mais nobre e mais estimado para o fabrico do pão48.

  • 49 Idem, Ibidem, p. 350.
  • 50 “(...) os cereais ocupam os terrenos de eleição nas grandes propriedades enquanto que as vinhas ocu (...)
  • 51 Apenas tomámos em consideração as propriedades ou bens/rendimentos que tinham a sua localização no (...)
  • 52 Como se pode constatar adiante, no gráfico n.o 1, entre os bens/propriedades mais frequentemente do (...)
  • 53 Colhemo-las especialmente num documento onde se dá notícia da deslocação de Bretões a Évora, em 148 (...)

31Em Évora, até meados do século XIV, o cultivo dos cereais esteve em ascensão, decaindo de seguida por motivos da mortandade da «Grande Peste», para só voltar a recuperar no primeiro quartel do século XV49. Associados pela alimentação mediterrânea, os cereais e a vinha foram os principais cultivos de Évora e do Alentejo50. Ainda que não tenhamos números globais, a análise dos bens doados à Santa Casa da Misericórdia de Évora51 no período entre 1530-1692, permite-nos, de algum modo, reconstruir o tipo de agricultura praticada na cidade e nos seus arrabaldes. Se o trigo surge em segundo lugar, em primeiro estão as vinhas52, cuja produção afamada era de fácil escoamento, inclusivamente para fora do reino, comercializando-se com a Grã-bretanha e com a liga Hanseática, conforme a documentação camarária53.

Anmerkungen

1 Apesar de se reportar ao período moderno, e ao caso francês, não podemos deixar de referir o estudo pioneiro sobre a sociedade de Corte de Norbert Elias, A Sociedade de Corte, Lisboa, Editorial Estampa, 1987. Para Portugal tardo medieval, veja-se Rita Costa Gomes, As Cortes dos Reis de Portugal no final da Idade Média, Lisboa, Difel, 1995.

2 As seguintes páginas devem ser entendidas como a contextualização mínima necessária ao desenvolvimento do nosso trabalho. Para um quadro mais completo é imprescindível consultar, Teresa Fonseca, Absolutismo e municipalismo: Évora... cit., pp. 53-62.

3 Manuel Fialho, Évora ilustrada, tomo primeiro, Biblioteca Pública de Évora (doravante BPE), tomo l.° – cod. CXXX/1-8, fls. 26-27v.

4 Nas palavras dos geógrafos, “O traço geográfico dominante da região transtagana é a peniplanície ondulada, descoberta nos vastos horizontes”. (A. de Amorim Girão, Geografia de Portugal, 3.a ed., Porto, Portucalense Editora, 1960, p. 31).

5 Para o conhecimento da evolução das descrições geográficas de Portugal desde a Idade Média até à Idade Moderna veja-se Joaquim Romero Magalhães, «As descrições geográficas de Portugal – 1500/1650: esboço de problemas», Revista de História Económica e Social, n.o 5, [Janeiro/Julho-1980], pp. 14-57.

6 Maria Ângela Rocha Beirante, Évora na Idade Média, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1995, p. 19.

7 Enumeramos aqui algumas das possessões das ordens militares em Évora: Templários – foros de casas na cidade, comenda de Mendo Marques; Freires de Évora/Ordem de Calatrava-casas em Évora, castelo de Coruche; ordem de Avis – comenda da Freiria; ordem do Hospital – comenda de Marmelar, posse de Montoito. (Cf. Maria Ângela Beirante, Évora na Idade Média.... cit., pp. 19-21).

8 Joaquim Romero Magalhães, «O Enquadramento do Espaço Nacional», História de Portugal, (José Mattoso dir.), vol. III, Lisboa, Círculo de Leitores, 1993, p. 40.

9 Cf. Portugaliae Monumenta Historica, Leges e consuetudines, I, Lisboa, Typis Academicis, 1856, pp. 392-393. E ainda, Humberto Baquero Moreno, Os municípios portugueses nos séculos XII a XVI, Lisboa, Editorial Presença, 1986, pp. 33-43.

10 Documentos situados no Arquivo da Câmara Municipal de Évora e nas Chancelarias Régias, segundo Maria Ângela Beirante, Évora na Idade Média... cit., pp. 29-37. Veja-se a título de exemplo, Tombo das Demarcações desta Cidade de Évora e das Propriedades, Rendas e Direitos que no Concelho delia Pertencem, Arquivo Distrital de Évora, Arquivo da Câmara Municipal de Évora (doravante ADE, ACME), n.o 134, 1536.

11 Lisboa e Santarém foram os locais mais procurados para a sua realização.

12 À medida que a Idade Média caminhava para o fim e a Modernidade se aproximou, aspectos como o das precedências entre os actores sociais inflacionaram-se e contribuíam para clarificar a valorização simbólica dos intervenientes na sociedade. Neste caso específico, a posição que cada uma das localidades ocuparam.

13 Pedro Cardim, Cortes e Cultura Política no Portugal do Antigo Regime, Lisboa, Cosmos, 1998, pp. 53-54.

14 Todas as três ordens sociais tinham por direito apresentar os denominados capítulos às cortes. Denota-se contudo um determinado «favoritismo» em direcção à cidade anfitriã das mesmas, como é patente numa carta dos procuradores da cidade às cortes de 1535 “Os procuradores desta vossa cidade deuora que per mandado de vossa alteza vymos a estas cortes ora per ele celebradas na dita cidade lhe note ficamos como pela carta que lhe enviou pera que se emlejesse seus procuradores (...) declarou que a dita cidade podria mandar apontamentos das cousas que lhe parecesse que se deviam de requerer a V. A. assy pera o que há dita cidade tocasse em especial como em geral a todo o Reyno (...)”. (ADE, ACME, Livro 12 dos originais, fl. 251).

15 Vejam-se algumas plantas das salas das cortes realizadas ao longo do século XVII, em Pedro Cardim, Cortes e cultura política... cit.), pp. 68-69.

16 D. João II, D. Manuel e D. João III foram os monarcas que mais tempo passaram na capital do Além-Tejo. O primeiro, apesar da sua movimentação constante, passou os últimos anos da sua vida em Évora. O Venturoso foi talvez, dos três, o que estanciou mais prolongadamente, sendo possível encontrá-lo aqui entre 1496 e 1520, permanecendo na cidade vários meses. Mas foi D. João III, o mais sedentário, já que aqui fixou residência ininterruptamente entre 1531 e 1537. Relativamente a esta questão da permanência do rei e da Corte em Évora bem como os seus limites cronológicos, cf. Luís de Matos, «Ebora Humanistica – 1490 – 1550», A Cidade de Évora, n.o 59 [JaneiroDezembro-1976], pp. 7-8.

17 Joaquim Romero Magalhães, «O enquadramento do espaço nacional... cit.», p. 53. (Cf. Luís de Matos, «Ebora Humanistica... cit.», p.7).

18 Tal como na descrição geográfica feita pelo engenheiro Alexandre Massaii, ao serviço de Filipe III. (Cf. Lívio da Costa Guedes, Aspectos do Reino de Portugal nos Séculos XVI e XVII – a descrição de Alexandre Massaii [1621], separata do 58.° volume do Boletim do Arquivo Histórico Militar, Lisboa, 1989, p. 19).

19 Cf. Luís de Matos, «Ebora Humanistica... cit.», p. 8.

20 Nascido, como bem se sabe, em Itália no século XV, o humanismo expandiu-se por toda a Europa na centúria seguinte, e foi nela que chegou a Portugal, precisamente num tempo em que Évora acolhia a Corte.

21 Cataldo Parísio Sículo acabou por ocupar a cátedra de leis e retórica na Universidade de Lisboa. (Cf. Luís de Matos, «Nótulas sobre o humanista italiano Cataldo Parísio Sículo», A Cidade de Évora, n.o 35-36 [Janeiro – Dezembro – 1954], pp. 5-6). Já Nicolau Clenardo saiu de Salamanca onde dava aulas e instalou-se em Évora, para onde fora chamado por D. João III e D. Henrique. (Cf. José Manuel Guerreiro, «André de Resende e o humanismo em Portugal», Cidade de Évora, 37-38 [Janeiro-Dezembro – 1955/1956], p. 27).

22 O primeiro abandona a cátedra de Salamanca, o segundo a de Lisboa. (Cf. Luís de Matos, «Ebora Humanística... cit.», p. 13).

23 Destacámos apenas os mais conhecidos. Para uma bio-bibliografia mais apurada do humanismo em Évora, cf. Américo da Costa Ramalho, «Algumas figuras de Évora no Renascimento», A Cidade de Évora, n.o 65-66 [1982/1983].

24 De outro modo não poderia ser, porque, “La difusión de las nuevas ideas nace también de las relaciones permanentes que se estabelecen entre los hombres, por medio de los viajes (...) y por la correspondencia abundante (...)”. (François Lebrun et al., Historia moderna, Madrid, Akal Ediciones, 4.a ed, 1998, p. 73).

25 Exemplo deste contacto com o exterior foi, Nicolau Clenardo, que se correspondia activamente com o bispo de Brindisi. (Cf. José Manuel Guerreiro, «André de Resende e o Humanismo em Portugal... cit.», pp. 28-29).

26 Estas duas razões são as apontadas por Joaquim Romero Magalhães para que, progressivamente, mas com tendência para o último quartel do século XVI, os monarcas portugueses optassem por Lisboa como capital. (Cf. Joaquim Romero Magalhães, «O enquadramento do espaço nacional... cit.», pp. 53-59). Depois desta apresentação sumária, uma questão central se manteve – a capital do país. Face ao exposto, parece pertinente a questão: fixá-la em Évora? A viragem do país para o atlântico, as vicissitudes e o chamariz do império marítimo, tornaram Lisboa mais atractiva, como tantas vezes tem sido referido, nomeadamente por Frédéric Mauro. Segundo este autor, o movimento secular da economia portuguesa do século XVII manifestou-se no plano geográfico. Na verdade, a partir de finais do século XVI, com um interregno entre 1600 e 1620, Lisboa assumiu-se como o principal porto do país. (Cf. Frédéric Mauro, Le Portugal et 1’Atlantique au XVIIéme siécle – 1570/1670: étude économique, s.l., SEVPEN, 1960, pp. 490-492). Mas não são razões suficientes, pelo menos se as compararmos com Espanha. Filipe II – o primeiro monarca Espanhol a fixar a Corte – escolheu Madrid, ao invés de Toledo, Valladolid, ou do grande porto marítimo e comercial de Sevilha. Autores como Manuel Fernández Álvarez ou José Antonio Maravall Casesnoves apontaram razões que se prendem essencialmente com o livre desígnio e carácter introspectivo de Filipe II. A caça, e a limpidez de ares que proporcionavam a serra de Guadarrama, o Pardo e Aranjuez teriam segundo os mesmos influído decididamente na escolha de Madrid para cabeça do reino. (Cf. Manuel Fernádez Álvarez, José Antonio Maravall Casesnoves, El Madrid de Felipe II: en torno a una teoria sobre la capitalidad, Madrid, Real Academia de la Historia, 1987, pp. 16-20).

27 Cf. Diogo Ramada Curto, «Contra-Humanismo, Classicismo católico, Neo-escolasticismo», História de Portugal (José Mattoso dir.)... cit., pp. 402-403.

28 Idem, Ibidem, p. 412.

29 O conhecimento global, regional e local da população portuguesa, apesar de algumas disparidades de critério aquando da recolha dos mesmos, só se efectuará através do Numeramento de 1527-1532, de D. João III. Com a chegada do período moderno, a contagem da população tornou-se importante, dado que o poder é associado cada vez mais ao número de súbditos que cada monarca tinha. Deles dependia a capacidade de mobilização de um país para a guerra. E porque o Estado Moderno em construção necessitava de homens, necessitava consequentemente de capitais, que advinham essencialmente das exacções fiscais. Por outro lado, no plano institucional concreto, o absolutismo e concentração do poder processou-se através da assunção progressiva pela coroa de atribuições até aí periféricas: a fiscalidade “entre nós com maior dinamismo a partir dos finais do século XVI (...)”. Por isso era de fulcral importância o conhecimento do número de pessoas para a gradual centralização e concentração do poder real. (Cf. António Manuel Hespanha, Poder e instituições na Europa do Antigo Regime, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1984, p. 63).

30 Nestas circunstâncias está o estudo de Joaquim Veríssimo Serrão, que apesar de tudo, refere que é possível estabelecer aproximações regionais, muitas delas também incompletas, através dos capítulos das cortes, do Numeramento de 1527-1532 e dos relatos de alguns viajantes e “curiosos” da geografia, como Manuel de Severim de Faria e Duarte Nunes Leão. (Cf. Joaquim Veríssimo Serrão, «Uma estimativa da população de Portugal em 1640», Memórias da Academia de ciências de Lisboa – classe de letras, Lisboa, t. XVI, 1975, pp. 213-215).

31 Cf. Maria Ângela Beirante, Évora na Idade Média... cit., pp. 151-157.

32 Cf. Idem, Ibidem, p. 142.

33 Todavia, estes dados merecem-nos algumas precauções. Em primeiro lugar, devido à crise demográfica desta centúria. Em segundo lugar, como a própria autora refere, o aumento do número dos tabeliães entre os séculos XIV e XV traduziram mais uma forma do rei distribuir privilégios que a evolução demográfica de Évora. (Cf. Idem, Ibidem, pp. 144-145).

34 Ângela Beirante, recorrendo à Chancelaria de D. João I e às Ordenações Afonsinas, consegue construir um quadro evolutivo do número de besteiros do conto da comarca de Entre Tejo e Odiana entre os séculos XIV e XV. (Cf. Évora na Idade Média... cit., p. 47).

35 O maior número encontrava-se na Beira (260) e na Estremadura (126), seguidas de Entre Tejo e Odiana e Entre Douro e Minho (59). (Cf. Júlia Galego, Suzanne Daveau, O numeramento de 1527-1532: tratamento cartográfico, Lisboa, Centro de Estudos Geográficos, 1986, pp. 15-17).

36 Idem, Ibidem, p. 20.

37 Por outro lado, entre Douro e Minho e a Beira lideravam os índices de densidade populacional com vinte e quatro por cento do total da população – cerca de cinquenta e cinco mil moradores. (Cf. Idem, Ibidem, p. 22).

38 Adoptámos aqui o “índice quatro” como multiplicador do número de habitantes por fogo – como vem referido no Numeramento de 1527-1532. (Cf. Suzanne Daveau, Júlia Galego, O Numeramento de 1527-1532... cit., p. 22). É de resto o índice adoptado por outros autores (Cf. Virgínia Rau, «Para a história da população portuguesa dos séculos XV e XVI: resultados e problemas de métodos», Do tempo e da História, Lisboa, Tomo I, 1965, pp. 7-46), ainda que outros autores tenham adoptado índices superiores, nomeadamente 4,5 e 5. (Cf. Orlando Ribeiro, «Portugal», Geografia de España y Portugal, vol. V, Barcelona, 1954, p. 98, cit. in Virgínia Rau, «Para a História da população portuguesa... cit.,», p. 15).

39 Não enveredámos aqui pela polémica sobre a definição de vila ou cidade. Contudo, João José Dias indica que Estremoz e Beja foram elevadas a cidade por D. Manuel, enquanto que Elvas e Portalegre só o teriam sido depois do numeramento joanino. (Cf. João José Dias, Gentes e espaços: em torno da população portuguesa na primeira metade do século XVI, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1996, pp. 186-193).

40 No cômputo geral dos centros urbanos podemos considerar, através dos dados fornecidos pelo Numeramento de 1527-1532, que Lisboa, com os seus cerca de 50.000 habitantes, se tornou desproporcional em relação ao resto do país.

41 Cf Joaquim Veríssimo Serrão, «Uma estimativa da população de Portugal... cit.»., p. 236. Esta estimativa da população portuguesa em 1640 mereceu alguns reparos, por parte de António de Oliveira, nomeadamente no que se refere à crítica das fontes. Sobretudo se se der como adquirido, tal como fez Veríssimo Serrão, que a «Población General de Espana» teve como base os recrutamentos militares mandados fazer pela duquesa de Mântua entre 1636 e 1639. Sendo estes arrolamentos de índole secreta, António de Oliveira questiona se o autor da «Población» teria tido acesso a eles. (Cf. António de Oliveira, «Joaquim Veríssimo Serrão. Uma estimativa da população portuguesa em 1640», Revista Portuguesa de História, 1975, pp. 494-505).

42 Cf. Teresa Ferreira Rodrigues, «As estruturas populacionais», História de Portugal (José Mattoso dir.), Vol. III, Lisboa, Círculo de Leitores, 1993, p. 213; Teresa Fonseca, Absolutismo e municipalismo: Évora... cit., p. 56.

43 Atrás destas cidades outras com um assinalável efectivo populacional – Braga, Portalegre e Beja – à volta dos 12.000 habitantes Em relação aos dados apresentados. (Cf. Joaquim Veríssimo Serrão, «Uma estimativa da população de Portugal... cit.», quadro II da p. 226).

44 Cf. António de Oliveira, Poder e oposição política em Portugal no período Filipino (1580 – 1640), Lisboa, Difel, 1991, pp. 53-55.

45 Esta é também a opinião de António de Oliveira quando refere que em 1640 os efectivos populacionais teriam voltado aos cômputos do início do século. (Cf. António de Oliveira, «Joaquim Veríssimo Serrão. Uma estimativa da população portuguesa... cit.», p. 496).

46 Manuel Fialho, Évora ilustrada.... cit., cap. 8, fls. 27-27v.

47 Uma ideia bem difundida pela política liberal do século XIX, com poucos efeitos práticos no terreno e recuperada com mais obstinação pelo Estado Novo. (Cf. Rui Santos, Celeiro de Portugal algum dia: crescimento e crises agrárias na região de Évora – 1595/1850, Lisboa, Universidade Nova de Lisboa, (Dissertação de Doutoramento, policopiada), 1995).

48 Cf. Joaquim Romero Magalhães, «As estruturas da produção agrícola e pastoril», História de Portugal (José Matoso dir.), Lisboa, Círculo de Leitores, Vol. III. 1993, p. 257. Era, de facto, em trigo, ou cevada, que os foros normalmente eram pagos. (Cf. Maria Ângela Beirante, Évora na Idade Média... cit., p. 349).

49 Idem, Ibidem, p. 350.

50 “(...) os cereais ocupam os terrenos de eleição nas grandes propriedades enquanto que as vinhas ocupam pequenas parcelas de cerca de um hectare situadas em volta da cidade (...)”. (Idem, Ibidem., p. 350).

51 Apenas tomámos em consideração as propriedades ou bens/rendimentos que tinham a sua localização no termo ou zona de influência de Évora. Para a elaboração deste gráfico foram utilizados os dados recolhidos no tombo das fazendas da Santa Casa da Misericórdia de Évora. (ADE, ASCME – Tombo da Fazenda 1680 – 1681, Livro 76).

52 Como se pode constatar adiante, no gráfico n.o 1, entre os bens/propriedades mais frequentemente doados à Misericórdia situavam-se as vinhas, constituindo cerca de 11% do total (entre vinhas inteiras e foros). O segundo valor mais significativo corresponde aos cereais, essencialmente, trigo, (valores distribuídos entre foros, rendas e número de ferragiais, número muito perto dos 9%). Esta predominância do “vinho” sobre o “trigo”, ainda que não possamos generalizar pela falta de dados mais globais, pode estar eventualmente relacionada com as exigência de cultivo que a vinha tinha em relação à ceara. Quanto à localização das vinhas, encontramos com assinalável persistência os nomes de Peramanca, Lagardona e Retorta. Seriam, portanto, esses os lugares de eleição para o cultivo da vinha. Vinha que ainda tinha vestígios da sua associação medieval com a oliveira, apesar de muito pouco expressiva na documentação consultada, dado que nos surge por uma só vez. Os ferragiais eram normalmente pequenos terrenos em redor das cidades onde se cultivavam os cereais.

53 Colhemo-las especialmente num documento onde se dá notícia da deslocação de Bretões a Évora, em 1483, para aquisição de vinhos. (Cf. ADE, ACME, Livro 2.° dos originais, fl. 84, n.o 72, cit. in: Túlio Espanca, «Miscelânea Histórico-Artística», Cidade de Évora, n.o 29-30 – [Julho-Setembro-1952], pp. 478-479).

© Publicações do Cidehus, 2007

Nutzungsbedingungen http://www.openedition.org/6540

Kaufen

Printversion

amazon.fr