Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As elites de Évora ao tempo da dominação Filipina

 | 
Rute Pardal

Prefácio

Laurinda Abreu

Texte intégral

1Aparte a complexidade dos conceitos em presença e da especificidade do tempo em análise, é sobre gente da governança, estratégias de manutenção do poder, formas e modos de influenciar as instituições, que nos dá conta a obra da Dr.a Rute Pardal, As elites de Évora ao tempo da dominação filipina: estratégias de controlo do poder local (1580-1640). O trabalho, alicerçado numa investigação histórica sólida e rigorosa – infelizmente cada vez mais rara neste tipo de trabalhos académicos, que resistem mal às novas configurações impostas ao ensino universitário –, tem como objectivo principal o conhecimento das elites governantes de Évora durante a monarquia dos Áustria. Sustentado em dois dos mais importantes pólos do poder local – a Câmara e a Misericórdia –, o livro desenvolve-se sobre três eixos principais: a caracterização institucional do município e da Santa Casa e a identificação dos grupos que os dominaram, a mobilidade interna dos ocupantes dos lugares do Mando, e a circulação inter-instituições. Apresentando os indicadores em que se alicerçavam as prerrogativas das duas instituições e idiossincrasias que caracterizavam a realidade eborense, a Autora identifica os rostos do poder local, acompanhando o seu trajecto pelos espaços onde o mesmo se exercitava, procurando desvendar os seus reflexos na sociedade em que estavam inseridos, nomeadamente ao nível do investimento na caridade e na assistência.

2Na senda de outros trabalhos sobre idêntica temática, a Dr.a Rute Pardal não só contribui para um melhor conhecimento das estruturas sociais da administração municipal de Évora, para o período em causa, como aprofunda o conhecimento das redes sociais e políticas que dominaram a cidade. Outras elites se cruzaram com as que apresenta, como o desenvolvimento da investigação tem vindo a revelar, entretecendo malhas de poder que, ainda que com alguma renovação, se continuaram a afirmar pela exclusão social e política da maioria dos cidadãos. Porventura, uma das principais mais-valias deste livro é o facto de apresentar dados concretos sobre o modo de actuação da monarquia filipina, sobretudo nas primeiras décadas de governo, em relação às estruturas do poder local, às tradições que as suportavam e aos poderes adquiridos. Em Évora, como em outros locais, nem na Câmara nem na Misericórdia se verificou uma mudança radical à chegada da nova dinastia. É certo que se registaram várias alterações, como não podia deixar de ser atendendo às circunstâncias políticas. Todavia, a colocação de apoiantes da causa filipina à frente destas instituições, generosamente recompensados com mercês e ofícios, não implicou qualquer renovação de índole estrutural nos seus corpos sociais. Continuidade, portanto, mas uma continuidade vigilante. De facto, nunca como ao tempo dos Filipes as Misericórdias foram alvo de uma intervenção tão atenta e controladora por parte da Coroa, de que aqui se dão alguns exemplos. Em certa medida, o mesmo aconteceu com as actividades das Câmaras que estavam sob o poder régio. A exacta percepção que o poder central tinha das teias de benefício pessoal, ou clientelar, que se podiam urdir a partir do controlo das Câmaras e das Misericórdias, e das implicações que tais comportamentos podiam ter ao nível da autoridade do monarca e prejuízo das populações, apreende-se, de forma clara, no alvará de 3 de Dezembro de 1603: um exemplo, dos muitos diplomas exarados entre 1580 e 1640, que dá conta, pelos processos judiciais que motivou, de um efectivo exercício de poder e de controlo por parte da Coroa. Dentro dos limites que caracterizavam, bem entendido, o exercício do poder régio no período Moderno.

3Sem abandonar as elites da Misericórdia e da Câmara Municipal de Évora, a Dr.a Rute Pardal estuda-as neste momento, em dissertação de doutoramento, numa outra vertente: enquanto administradoras e distribuidoras de recursos assistenciais, com directas responsabilidades sobre a vida dos grupos mais vulneráveis, ou melhor, segundo as valorações culturais do tempo, dos grupos de risco.

4Abrir caminhos, apontar direcções, e depois deixar os estudantes construir o seu percurso, ultrapassar as suas próprias encruzilhadas e afirmar as suas escolhas, é, creio, o maior mérito, e também o maior privilégio, de ser professor. E nesse sentido, acompanhar o percurso científico da Dr.a Rute Pardal tem sido extremamente gratificante.

5Évora, Setembro de 2006

© Publicações do Cidehus, 2007

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr