Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Contextos de promoção da leitura: bibliotecas públicas, escolares, universitárias e outras

Práticas de leitura dos jovens do ensino secundário

Contributo para a sua compreensão

Natália Caseiro

Résumé

Centrado num espaço escolar específico (Escola Secundária de Domingos Sequeira em Leiria), o estudo apresentado incide sobre as práticas de leitura dos jovens do ensino secundário e pretende desenvolver uma abordagem compreensiva e desapaixonada dessas práticas, explorando uma diversidade de recursos de investigação ao dispor, no ambiente da respectiva biblioteca escolar.
Em termos metodológicos, foram explorados três tipos de dados. Por um lado, as evidências de uso acumuladas ao longo do tempo pelos utilizadores no espaço da biblioteca; incluem dados estatísticos de requisição de documentos e marcas de uso deixadas pelos alunos nos livros e que transmitem ao observador distanciado um perfil de leitor e da própria instituição. Por outro lado, e com vista a um conhecimento mais grupal dos práticas de leitura do jovens, foram recolhidos dados através de um questionário por inquérito, aplicado a uma amostra de três turmas do 11 º ano de diferentes áreas de estudo da escola. Estes dados de natureza quantitativa foram complementados com abordagens individuais de casos atípicos de jovens leitores e com a análise de registos de recepção de leitura de um corpus de fichas; estes contributos de natureza qualitativa alargaram a compreensão do objecto de estudo, facetando-o na sua complexidade, nem sempre redutível a determinismos familiares, geográficos ou sociais.
Esta investigação localizada foi complementada com um enquadramento mais global do fenómeno da leitura, inserindo o jovem no actual contexto da sociedade da informação e de consumo cultural massificado que determinam novas práticas de leitura e de apropriação de cultura impressa. Não estigmatizar essas novas práticas mas saber acompanhá-las e integrá-las é a ideia forte final que este estudo pretende acentuar.

The main goal of this study is trying to provide an objective and passionless approach concerning the reading practices of secondary school teenagers, centred on a specific school library. This study is based on three methodologies of observation: collecting evidence of pupils’ presence in a school library; holding surveys about their reading and leisure practices and questioning young people’s personal statements which escape a sociological and group approach. Through these supports of investigation, we can delineate a new scenery of teenagers’ reading practices: they read but in a different way, different from the adults ’ones. However, the understanding of these reading procedures tend to be incomplete if it is limited to the boundaries of a certain school; a local reading practice reflects a global social environment, in which mass culture and the information society have created a new code of reading and appropriation of the printed culture. Social stigmatization on reading means social exclusion and the school libraries must avoid this trend, because the young generation cannot grow without information, books and knowledge.

Texte intégral

1. Objecto e objectivos do estudo

1Conhecer as práticas actuais de leitura dos jovens e caracterizar as tendências manifestadas assumem-se como os objectivos primordiais deste trabalho. Para os atingir, é necessário desdobrá-los em questões que complexifiquem os interrogativos genéricos o que lêem e como lêem. Questões como: quais as práticas de leitura dos jovens em espaço escolar? Essas práticas mantêm-se homogéneas ao longo do tempo? O que distingue o jovem leitor do leitor adulto? Há identidade grupal nos consumos juvenis de leitura e lazer em geral? Que traços caracterizam efectivamente os hábitos de leitura dos jovens, a nível das práticas e representações declaradas? Os comportamentos de leitura na escola passam essencialmente pela biblioteca? As declarações de leitura correspondem a práticas efectivas? Qual o grau de fiabilidade do discurso dos sujeitos sobre as suas leituras? Que bitolas permitem aferir a verdade desse discurso? Quais as condicionantes que marcam a recepção da leitura? O comportamento juvenil é geracional ou enquadra-se numa cultura social mais geral? Pode-se falar de um novo paradigma de leitura e escrita? Como deve a escola lidar com as manifestações diferentes de padrões de leitura e cultura?

2Para ir ao encontro das respostas a estas questões são, à partida, definidas algumas estratégias de levantamento de dados e aprofundamento de problemática: por um lado, recolher, numa biblioteca escolar, evidências de consumo de leituras dos jovens através de indicadores de requisição de documentação, marcas de usos nos livros, documentação desaparecida e outras evidências de utilização, caracterizando as variáveis que interferem no diálogo jovem/livro. Por outro lado, reunir, a partir de um inquérito por questionário, dados sobre as práticas de leitura e outros consumos culturais dos jovens, tendo como referência outros estudos publicados no âmbito da leitura juvenil, em bibliotecas escolares e bibliotecas públicas. Outra das estratégias deste trabalho consiste em recolher testemunhos individuais de práticas de leitura, no âmbito de projectos de animação implementados, no ano de aplicação deste estudo, na biblioteca escolar e da apresentação de livros na sala de aula na disciplina de Português.

3O contexto deste estudo corresponde a uma escola secundária situada em Leiria – Escola Secundária de Domingos Sequeira –, a partir de dados recolhidos na respectiva biblioteca escolar e em situação de aula, em alunos de 15 a 18 anos, no ano lectivo de 2005/06.

1.1. Suportes metodológicos

4O contexto deste estudo cria um campo de investigação onde são possíveis de ensaiar vários métodos de recolha de dados que, só o prosseguimento do estudo, irá filtrar e adequar.

5Por um lado, o levantamento de evidências de utilização numa biblioteca escolar por parte da população alvo deste estudo, ao longo de 18 anos. Certamente que as preferências e o comportamento leitor dos jovens passa pelas marcas que deixam nestes espaços dos livros. São as evidências de leitura numa Biblioteca Escolar. Suficientes? Apenas uma parte do todo.

6Por outro lado, a abordagem por inquérito de uma amostra da população alvo irá ser igualmente explorada, aproveitando as possibilidades do campo de trabalho e complementando, assim, uma abordagem mais genérica e abrangente. Suficiente? Apenas mais uma parte do todo.

7Por outro lado ainda, a oportunidade de gerir projectos de animação de leitura dentro da sala de aula e na sala de leitura da biblioteca estimula a observação de casos individuais de recepção e o contacto com os mecanismos mais internos de recepção do livro. Suficientes? Igualmente mais um pedaço do mesmo problema.

8Na sua base, estão em mistura diferentes metodologias de pesquisa e de investigação.

9Concilia-se, por um lado, uma perspectiva diacrónica do objecto em estudo, observando-a num devir temporal, com segmentos desse mesmo objecto num determinado corte sincrónico.

10Concilia-se um tipo de pesquisa que, a nível de objectivos é de tipo descritivo e até explicativo com uma pesquisa mais exploratória porque desbrava um terreno de investigação pouco trabalhado.

11Concilia-se, por outro lado, ferramentas de pesquisa preparadas especificamente pelo investigador, como o inquérito por questionário, com evidências e vestígios que o tempo vai deixando nos espaços em estudo, e que, em vez de serem criadas pelo investigador, apelam à sua descoberta interpretativa.

12Concilia-se, finalmente, métodos extensivos de carácter quantitativo que caracterizam comportamentos grupais em matéria de leitura e lazeres juvenis, com métodos intensivos de natureza qualitativa, baseados na observação directa da recepção individual de leitura.

13Com o risco de se incorrer numa certa dispersão e heterodoxia metodológica, abre-se a oportunidade de abrir vasos comunicantes entre suportes de investigação, de forma a responder ao compromisso de fundo que este trabalho faz, ao definir a sua finalidade e objectivos.

14Ao enunciar o processo de investigação como uma mera soma de partes com vista ao alcançar do todo, parece estar subjacente uma perspectiva totalizadora e fundamentalista de verdade, que deve estar arredada do espírito científico de investigação. Não há verdades, há ideias de verdades. Melhor dizendo, há discursos sobre o real, que o pretendem explicar. É consciente deste carácter redutor da linguagem que, neste trabalho, se pretendem ensaiar várias perspectivas de focalizar a mesma problemática, quais pedaços de espelho partido sobre a realidade.

1.2. Suportes teóricos

15A heterodoxia metodológica, assumida no ponto anterior, é extensível ao campo dos contributos teóricos. O sociólogo João Teixeira Lopes falava em Heterodoxia controlada, no seu estudo sobre as práticas culturais estudantis (1997, p.33). Reivindica-se, assim, um intercâmbio de reportórios teóricos que se ajustem à versatilidade do real em análise, de forma a que a complexidade desse mesmo real surja, com os suportes necessários do quadro teórico. É assim que, nalguns capítulos, se encontrem referenciais teóricos a anteriori e, noutros, elas apareçam a posteriori, isto é, há situações de análise que partem de corpus teóricos já construídos e onde se ensaia a sua aplicação, e outros em que se chega a ferramentas teóricas de autores depois de ensaiada a análise com os dados da realidade. A título de exemplo, incluem-se na primeira situação os estudos da Sociologia da Leitura, e no segundo, os estudos da Estética da Recepção.

16Os contributos da Sociologia da Leitura tornam inevitável que esta seja uma referência obrigatória a incorporar num estudo sobre práticas de leitura. Ela está presente em diversos estudos nacionais e internacionais, caracterizadores de consumos de leitura e culturais em geral, tanto ao nível da população adulta, como do sector juvenil. Efectivamente, a perspectiva sociológica apresenta contributos únicos para a compreensão do fenómeno da leitura, ao debruçar-se sobre: os mecanismos grupais que actuam nas opções dos jovens; os factores de identidade juvenil; a importância da socialização primária com a leitura; as raízes culturais, sociais, familiares e geográficas do problema. Concebendo a leitura como um dado empírico analisável, a sociologia tem contribuído para um levantamento de dados através de métodos objectivos e quantificáveis, operacionalizando categorias de análise, tipologias, padrões e momenclatura metodológica. Foi com estas ferramentas que foi construído o questionário do Capítulo II.

17Numa segunda fase desse estudo por questionário, depois das conclusões dos resultados, foram ensaiadas outras facetas de investigação, em que se procurou um corpus teórico que sustentasse o corpus do real. Foram cruzadas, assim, perspectivas e incorporadas neste estudo outras abordagens que valorizassem os mecanismos individuais de recepção e o próprio texto em si, desterritorizado do seu produtor ou leitor. Daí que os contributos da Estética da Recepção da leitura estejam, igualmente, na perspectiva de análise teórica do presente estudo.

18Efectivamente, a leitura é uma problemática complexa e essa complexidade deve emergir através dos diferentes contributos teóricos de abordagem, sem filiações exclusivistas ou manta-de-retalhos incoerente. A leitura participa na esfera do público e do privado dos indivíduos, tanto no trabalho como no lazer, e condiciona o acesso a todas as formas e sistemas de comunicação. Principalmente no mundo actual em que a actividade de leitor se complexificou, é imprescindível compreender outras maneiras de ler e descodificar formas novas de escrita e comunicação. O jovem leitor proposto como alvo deste estudo está no turbilhão destas mudanças. Analisá-lo com lentes do passado não ajudará a compreendê-lo e a torná-lo melhor consumidor das diferentes leituras. Que são leituras do mundo, para uma pessoa em construção.

2. Leitura juvenil: evidências num espaço

19A primeira parte deste estudo orientou-se para materiais de análise não preparados especificamente para a investigação e deixados, no espaço de uma biblioteca escolar, pelos respectivos utilizadores, ao longo do tempo. Nessas evidências de uso, incluem-se os dados de requisição de documentos, as marcas físicas nos livros e também o seu desaparecimento dos fundos escolares. Esses elementos constituirão dados que permitem uma primeira abordagem às práticas de leitura dos jovens numa biblioteca escolar e os respectivos condicionamentos e especificidades.

20A observação das práticas de leitura através de evidências deixadas pelos seus utilizadores, ao longo dos anos, representa um desafio interessante para o investigador, porque lhe fornece dados objectivos em estado puro que resistem à subjectividade de olhares e sensibilidades: olhares dos sujeitos da leitura quando testemunham num inquérito ou depoimento; sensibilidades de um animador ou responsável quando convidado a interpretar ou analisar. A característica principal desses dados de recolha é que o investigador não controla as variáveis, que estão dependentes apenas do curso natural dos processos e fenómenos. Poder-se-á estabelecer uma ligação com a pesquisa ex-post-factum, que trabalha sobre dados emergentes da realidade.

21No material recolhido, optou-se, por um lado, pelo levantamento de requisições presenciais e domiciliárias de material impresso e não impresso, feitas pelos alunos entre 2000/06; por outro lado, foram recolhidas evidências da interacção dos alunos com a documentação requisitada, manifestada em marcas físicas: sublinhados, anotações, objectos abandonados, recortes e supressão de folhas. Os livros recuperados e os desaparecidos foram ainda incluídos neste corpus da intervenção do leitor com os documentos de uma biblioteca escolar.

2.1. Conclusões parcelares

22Do estudo efectuado, é possível inferir que o livro instrumental de apoio às disciplinas é o tipo de documentação que mais reflecte a utilização dos alunos da ESDS na biblioteca e, logicamente, o que exibe maior desgaste físico, acentuando a vocação deste espaço de apoio ao currículo. A nível da ficção, os consumos têm-se orientado para autores e títulos de novidade editorial, quer a nível do livro, quer do vídeo, o que reflecte uma preocupação, por parte das equipas de gestão, de actualização de fundos documentais. Apesar desta tendência de ligação às novidades do mercado, as marcas de utilização de livros evidenciam também o consumo de obras clássicas e literárias; a inclusão destes livros nos diferentes cânones escolares da disciplina de Português explica, certamente, os respectivos índices de leitura, mas não só. Eles podem, igualmente, reflectir uma maior diversidade e riqueza leitural dos alunos da ESDS em décadas anteriores, em que a oferta era menor em títulos (o mercado editorial era efectivamente mais modesto) e em suportes (o mercado videográfico e electrónico era inexistente).

23Acima de tudo, pode extrair-se a conclusão que o jovem leitor do ensino secundário exibe, na respectiva biblioteca, marcas de um leitor triplamente constrangido. Constrangido pela própria vocação do espaço: a biblioteca escolar é uma bolsa da escola ao serviço de um currículo e de uma vocação de apoio ao estudo. É precisamente no livro pragmático, utilitário e instrumental que o aluno mais marca a sua presença (pode-se ler ira, desagrado, dedicação, rebeldia, organização, civismo, conforme o perfil de cada um). Constrangido pela oferta do mercado editorial que condiciona as escolhas dos livros que aparecem nas estantes, elegendo aqueles que se destinam às diferentes idades de leitores; como todos os leitores, os jovens são permeáveis a esta determinação de destinatários e correspondem ao marketing do mercado da edição. Constrangido ainda à oferta da própria coordenação de biblioteca, escola ou edifício educativo que, por um lado, marca as leituras do cânone escolar, por outro, escolhe e promove os livros que julga adequados à leitura dos jovens. O aluno leitor de espaço escolar pode ser entendido, assim, como uma construção de adultos, moldado por ofertas que podem ser ricas ou pobres, mas que reflectem sempre opções que lhes são oferecidas para consumo.

24Será o leitor médio adulto muito diferente deste padrão normalizado de consumo leitural? Não está ele também constrangido a um mercado que promove modas de temas e autores?! A diferença destes relativamente àqueles pode estar, tão somente, na presença dos mediadores de leitura que são os professores (alguns) e pais (alguns), criando diferentes reacções: adesão, entusiasmo, indiferença ou repúdio. E, como se observou nas evidências apresentadas, os jovens dificilmente controlam as suas emoções.

3. Leitura juvenil – abordagens do estudo

25Nesta parte do trabalho, são ensaiados dois tipos de abordagem ao objecto de estudo desta investigação: um de natureza quantitativa, através da construção e aplicação de um inquérito por questionário; outro de natureza qualitativa, a partir da observação de registos sobre leitura e entrevistas a alunos. Reflectir-se-á sobre os contributos teóricos e limitações operacionais de cada uma das abordagens, e sobre a forma como estes instrumentos de trabalho iluminam a compreensão da leitura juvenil em espaço escolar.

3.1. Dados do inquérito aplicado

26Na selecção da amostra para o inquérito por questionário, foram estabelecidos dois critérios: um para uniformizar as idades e outro para diferenciar os cursos dos alunos inquiridos. Relativamente à idade, optou-se por um ano situado no meio do ciclo de estudos do secundário, o 11º ano, por ser aquele que já ultrapassou o ano de adaptação pós-básico e não tem a pressão inerente a um 12º ano, em que as práticas de leitura podem ser mais condicionadas. Relativamente aos cursos, e dentro do leque de oferta da escola, foi escolhida uma turma do Curso Tecnológico de Administração, uma do Curso Geral de Artes Visuais e outra do Curso Geral de Ciências e Tecnologias (total de 60 sujeitos), por abrangerem alunos com características próprias, alargando, assim, as opções das respostas e diversificando os dados em análise.

3.1.1. Síntese conclusiva da aplicação do inquérito

27O inquérito oferece um panorama geral das práticas, representações e perfis associados à relação dos jovens com a leitura e dá conta de outros hábitos relacionados com estas práticas como a ocupação de tempos livres, os hábitos de escrita, a relação com a biblioteca escolar e a utilização de suportes audiovisual e multimédia.

28Globalmente, é possível concluir que os jovens, com idades compreendidas entre os 15 e os 18 anos da ESDS, apresentam padrões de comportamento de leitura não muito diferentes daquilo que se conhece de estudos análogos para a população juvenil e população adulta no seu todo.

29A leitura de livros apresenta uma presença mais limitada na ocupação de tempos livres, comparada com outros hábitos e actividades que têm maior centralidade, como o convívio com amigos, o televisionamento e a audição de música, exercidas de modo cumulativo. Relativamente a outros suportes do impresso, a leitura de jornais e revistas apresenta vantagem sobre a leitura de livros e ao considerarem-se, globalmente, as frequências “Muitas vezes” e “Algumas vezes” nos dois tipos de leitura, os índices podem ser lidos como positivos.

30Sobre o tipo de leitor dominante no grupo de inquiridos, predomina com larga vantagem o Pequeno Leitor, atendendo ao número de livros lidos por ano e, não ficou comprovada uma relação unívoca entre as práticas de leitura e variáveis como rendimento escolar, residência (alunos da cidade e fora da cidade) e socialização primária com o livro; actuando estes factores de uma forma favorável no perfil de leitor, não foi possível estabelecer um determinismo directo. Já relativamente ao género, é possível observar comportamentos leiturais femininos e masculinos, não só no tipo de livros lidos, como nas actividades de ocupação de tempos livres. Genericamente, evidenciam uma atitude de integração e não de hostilidade na sua relação com o livro, admitindo-o como normal nas suas conversas no grupo de pares, com quem se aconselham, predominantemente (65%), nas suas escolhas de títulos. A escola e os professores têm um papel mais modesto nesse aconselhamento, apesar de se assumirem como um fulcral agente condicionador dos hábitos e práticas de leitura, observável não só no ambiente de biblioteca escolar (mais ao serviço da leitura instrumental de apoio curricular), como no reconhecimento que os alunos fazem do contributo positivo que a disciplina de Português desempenha na promoção da leitura, quer através dos livros obrigatórios do programa, quer através da leitura extensiva de contrato. A biblioteca escolar apresenta-se, nas declarações dos inquiridos, como um espaço indutor de leitura, não só pela oferta documental, como pelos serviços que disponibiliza.

31Na relação com novos suportes, os inquiridos revelaram forte apetência pelas novas tecnologias multimédia, não só na utilização que fazem do computador e da Internet em situações de lazer e de trabalho escolar, como da incorporação de ambientes electrónicos no seu convívio social. As práticas de leitura e escrita dos alunos apresentam-se condicionadas por estes novos media, não parecendo registar-se um fenómeno de mútua exclusão, mas de coexistência entre os suportes do impresso, do audiovisual e do electrónico.

32No actual contexto pouco favorável à cultura do impresso, o livro continua a ocupar algum espaço nas práticas dos jovens, segundo transparece da pesquisa. No entanto, foram detectadas situações de descoincidência entre práticas efectivas e práticas declaradas, o que permite admitir uma certa tendência de sobredeclaração denunciadora de uma certa sensibilidade da temática, onde se jogam fortes representações sociais.

3.1.2. Conclusões parcelares

33A. SOBRE A VULGATA SOCIOLÓGICA – Tal como os estudos sobre jovens leitores no âmbito da Leitura Pública, também o inquérito efectuado aponta para o relativismo de factores geográficos, rendimento escolar, proveniência social e ambiente familiar nas práticas de leitura; sendo factores que interagem no comportamento dos jovens com os livros, não revelam determinismo absoluto ou fatalismo biológico – quando traçamos o quadro do bom e mau leitor juvenil: o primeiro pode ser tipificado “numa rapariga com sucesso escolar médio ou bom” e o segundo “num rapaz com rendimento médio ou mau”, mas não fatalmente proveniente de zona rural ou famílias carenciadas.

34B. SOBRE A GEOGRAFIA DE SEXOS NAS PRÁTICAS DE LEITURA – Os resultados do inquérito confirmavam a opinião geral de que a abertura de oportunidades na escola e no mundo do trabalho, acentuam uma clara afirmação do sexo feminino no aproveitamento dessas portas de acesso ao saber, à informação e à valorização pessoal e profissional. No ambiente escolar, esta afirmação do feminino é evidenciada no rendimento escolar e no comportamento dentro e fora da aula; também o universo do livro e da leitura beneficia desta atitude, manifestando-se na frequência da leitura, na utilização dos recursos documentais e nos géneros de livros lidos. A ficção é claramente o território onde as raparigas recrutam os seus romances, diários e aventuras fantásticas; os rapazes situam-se, por outro lado, mais no livro informativo e de actualidade, no policial e na biografia. Apesar de um certo carácter unissexual da cultura jovem, continuam a observar-se sensibilidades e interesses que não são esbatidos por uma certa globalização de costumes juvenis que os media promovem.

35C. SOBRE A IDENTIDADE DA CULTURA JOVEM – A par desta diferenciação do feminino, os resultados do inquérito apontam para traços identitários dos rapazes e das raparigas que se manifestam na sua ocupação de tempos livres, caracterizados por actividades “fora de casa”, onde a música, o convívio, o desporto e o espectáculo são as formas mais comuns de socialização. A convivialidade sendo o traço estruturante da cultura juvenil, vai reflectir-se na homogeneização de gostos e padrões de consumo. Mas também nesta matéria, as raparigas apresentam algumas diferenças quando declaram cultivar hobbies de carácter “doméstico-receptivos” e formas de lazer menos massificadas. Diversificação de interesses tem assim o género feminino.

36D. SOBRE O PADRÃO DE LEITURAS – As práticas manifestadas pelos inquiridos revelam permeabilidade ao cânone escolar e ao gosto do mercado. Globalmente, exibem nas suas preferências pouca diversidade, pouca informação e uma conformação com o livro ou autor consagrado pelo público. A disciplina de Português, através da sua política de autores de leitura obrigatória ou actividades de leitura controlada, assegura, neste cenário, uma fonte de referentes importante na formação destes leitores.

37E. SOBRE AS REPRESENTAÇÕES SOBRE A LEITURA – Apesar de não podermos falar de uma cultura do livro entre os jovens e do tipo de gostos massificados que exibem, os indicadores que nos dão, revelam atitudes positivas sobre leitura: no espaço que reservam ao hábito de ler nos tempos livres, que não sendo sagrado/dominante, se combina com outras formas plurais de leitura do impresso; na valorização e na falta de preconceito que revelam sobre a “atitude leitora” entre pares; no reconhecimento que fazem dos contributos da leitura na sua formação. O livro assume-se, assim, como um recurso entre tantos recursos disponíveis, uma forma de lazer entre tantas outras, sem a sacralização e protagonismo que a geração adulta lhe dá, mas sem exclusão ou hostilidade. Foi visível, igualmente, que, a par destas declarações de sinal positivo, há aqui e ali algumas incongruências que podem revelar alguma incoerência nas reais práticas de leitura e que um questionário, mesmo anónimo, não pode controlar. O peso do discurso socialmente correcto sobre o livro e a leitura, condiciona logicamente qualquer inquirido e também um jovem em formação.

38F. SOBRE AS NOVAS FORMAS DE LEITURA E ESCRITA – Pesquisar na Net, escrever em fóruns, e-mails, Messenger ou em telemóvel são formas poderosas de promover a leitura e a escrita, mas parecem esgotar-se na linha da comunicação e convivialidade. Globalmente, os indicadores de desempenho escolar dos jovens não reflectem uma mais valia nesta democratização no acesso à escrita e à informação. Talvez porque informação não seja sinónima de conhecimento.

39G. SOBRE O ESPAÇO DA BIBLIOTECA ESCOLAR – A relação com a BE é globalmente positiva, considerando a opinião expressamente manifestada e a utilização efectiva que fazem dos seus fundos; o inquérito reforça ainda a vocação instrumental deste espaço, na utilização de respectivos recursos impressos e electrónicos para pesquisa, empréstimo de livros escolares, não escolares e de referência e local de estudo. Ler um jornal ou revista na biblioteca é mais frequente do que ler um livro e o número de fidelizados na leitura (através de do cartão de Créditos de Leitura) é pouco mais de um quarto dos inquiridos. Apesar deste grupo revelar mais informação acerca de livros e exibir mais interesses culturais, há também não utilizadores deste espaço que têm práticas de leitura. Assim nem todos os leitores activos de uma escola tiram partido dos recursos de uma biblioteca, havendo não utilizadores que são leitores e utilizadores não leitores.

3.1.3. Limites de uma abordagem por questionário

40A abordagem sociológica por questionário efectuada dá conta das características grupais dos comportamentos de leitura dos inquiridos e aponta, eventualmente, para tendências mais gerais, do grupo etário em questão. No entanto, a objectividade de resultados, pretensamente oferecida por este tipo de métodos quantitativos, tem as limitações próprias dos números, em que se deixa de ver sujeitos e processos, para se verem tendências e situações gerais (generalistas, até). Um investigador externo ao universo das bibliotecas e do ensino de literatura nas escolas, poderia, devidamente munido de um inquérito elaborado em conformidade com os estudos sociológicos sobre a leitura, chegar às conclusões que remataram o capítulo anterior e dar por encerrado o tema. Não é esta a situação do investigador do presente estudo que tem acumulado um capital de experiência profissional em BE e em sala de aula que tornam inevitável uma certa insatisfação perante os resultados obtidos. A associação entre o saber científico e pessoal pode constituir uma mais valia importante que estruture e consolide uma abordagem científica da realidade em estudo.

41A insatisfação perante os resultados obtidos advém de dois tipos de razões: por um lado, o grau de fiabilidade das respostas a um inquérito sobre a temática em questão; por outro lado, a capacidade de um inquérito por questionário controlar a complexidade do processo de leitura.

42Sobre a fiabilidade de um instrumento de análise de natureza quantitativa, foi possível encontrar algumas incoerências nas respostas ao questionário, que se prendem com variáveis diferentes: verdadeira noção das quantidades pedidas (por exemplo o nº de livros existente em casa – Questão 17. ou o número de livros lidos por ano); comportamentos de leitura pedidos em situações diferentes de inquérito e com respostas contraditórias (cruzamento das questões 1., 18. e 25). De uma maneira geral, o investigador tem de admitir a possibilidade de respostas socialmente correctas num inquérito deste tipo, em que se jogam representações e discursos muito fortes do mundo adulto sobre o livro e práticas de leitura, mesmo que o leque de respostas controladas para escolha tenha sido feito de modo a permitir, não só um cenário grande de respostas, como algum realismo/verosimilhança. Por exemplo, nas questões mais directamente ligadas às atitudes e representações, o inquirido talvez não fosse tão além na ousadia da opinião se tivesse de exprimir livremente a sua resposta.

43Foi equacionando essas incongruências com a percepção de que a abordagem dos comportamentos de leitura não pode dispensar recepções mais individualizadas do fenómeno, que se vai ensaiar uma outra perspectiva de abordagem que tende aprofundar mais a complexidade do comportamento leitor.

4. Recepção da leitura

4.1. Três sujeitos de leituras

  • 1 Trata-se de uma categorização da responsabilidade do sujeito deste estudo, que pretendeu etiquetar (...)

44A proximidade de contactos na biblioteca faculta a observação de sujeitos de leitura curiosos que, dificilmente, podem ser enquadrados, explicados e, acima de tudo, detectados num questionário sobre comportamentos grupais de leitura. Isolaram-se, nesse conjunto, 3 casos não lineares que mereceram alguma análise de caso e com quem foram feitas entrevistas não muito dirigidas. Da observação dos casos em presença, procedeu-se a uma classificação de cada um desses leitores, de acordo com a sua característica dominante: o Leitor Tribal que transporta para a leitura representações do seu grupo identitário; o Leitor Obsessivo que actua com os livros com evidentes traços de personalidade; e o Leitor Envergonhado que exibe contradições entre as práticas efectivas e as declarações assumidas.1

A. Leitor tribal

45A aluna A tem 18 anos e completou, no final de 2005/06, (ano lectivo da aplicação do inquérito) o 11º ano de um percurso escolar irregular, marcado por repetências e dificuldades estruturais a Português. Mantém com a biblioteca uma relação muito familiar de 4 anos, com flutuações, pouco eclécticas, de gostos: fase Paulo Coelho, fase literatura fantástica e fase gótica. Na conversa mantida com a aluna, esta reconhece que, em termos de leitura, já foi consumidora regular de Paulo Coelho, Marian Zimmer, Juliette Marilier, mas que, agora, “prefere ambientes mais pesados, com bruxaria e ocultismo pelo meio”, em contexto histórico “bem medieval”. Quando se pediram nomes, ela hesitou, mas lembrou-se do português José Luís Peixoto e do americano Stephen King, no conto Quick cat eyes, que teve de ler para a disciplina de Inglês. Em filmes do género, foi mais célere na resposta: Rainha dos vampiros, Vidoc e A mansão Rose Red. Em matéria de música, especificou, com bastante propriedade, que na área da música alternativa havia vários géneros que ouvia como: “Heavy Metal, Black Metal, Dead Metal, Gothic Metal, Epic Metal e Doom Metal, mas identifico-me mais com os três últimos”. À medida que ia enumerando entusiasmada estas tendências metaleiras, as suas correntes do pulso tilintavam em contacto com as que trazia à cintura sobre uma saia e blusa negras, acentuando a sua pose alternativa. Sobre “livros mais literários, tenho dificuldade em encontrar aquilo que quero, mas o meu livro preferido é O principezinho, pela linguagem, pela diferença…”. Relativamente aos colegas de turma, sente que o seu hábito regular de ler (“dois livros por mês”) é bem aceite e até a elogiam. Apesar das suas fortes marcas exteriores tribais, não se considera isolada dos colegas, com quem “convive normalmente”. Também os seus problemas escolares não são assumidos com grande dramatismo, “sempre tive falta de bases e o meu problema são as línguas, principalmente os erros ortográficos,… é que sou muito distraída!”.

B. Leitor obsessivo

46A aluna B tem 15 anos, completou o 10º ano, tem bom rendimento escolar e boa integração na turma e no grupo de pares em geral. Revela uma competência de leitura fora do comum: pelos títulos escolhidos, pelo volume de leituras registadas no seu cartão e pela capacidade de compreender e verbalizar o que leu. Na entrevista mantida com a aluna, diz gostar de autores portugueses, principalmente o romance histórico e o romance reflexivo sobre comportamentos humanos e ambientes sociais: “comecei com livros mais básicos e hoje leio Saramago com facilidade e gosto; a pontuação irregular de que tanto falam, não lhe faz falta nenhuma; neste momento tenho o desafio de Os Miseráveis de Victor Hugo e Ulisses de James Joyce. Os casos difíceis estimulam-me, mas também depende da altura.” Por detrás deste entusiasmo e dedicação aos livros, está, no entanto, uma atitude obsessiva que preocupa o pai e que, inclusivamente, procurou a psicóloga escolar que a considerou um caso patológico de leitura. Convidada a reflectir sobre esta patologia, a aluna admitiu ser dada a depressões que se manifestaram no 3º ciclo (8º e 9º anos) que a levaram a refugiar-se nos livros. O caso parece merecer acompanhamento, uma vez que a própria psicóloga a encaminhou para um psiquiatra de Coimbra; o seu comportamento na biblioteca não revela manifestações de desequilíbrios: requisita títulos, fala sobre eles, colabora nas actividades com entusiasmo. Curiosamente, atribui ao pai esta sua tendência para os livros: “foi com ele que me iniciei em autores mais difíceis, lemos as mesmas coisas, com a excepção de Nicholas Sparks que eu leio e ele não, costumamos até lançar desafios um ao outro e disputamos a revelação do final do livro”. Quando comenta o nível de leitura dos seus colegas, parece ouvir-se o discurso de um adulto sobre os jovens: “Pouco lêem a não ser a leitura de contrato, claro que é mais fácil verem filmes; é pena porque a leitura enriquece-nos, tanto a nível de vocabulário como no conhecimento do mundo.”

C. Leitor envergonhado

47O aluno C tem 16 anos, completou o 11 º ano, tem um rendimento escolar razoável mas abaixo das suas capacidades. Evidencia boa selecção de livros e competência para escrever sobre eles, não só nas fichas de leitura, como nos registos que faz no Fórum da biblioteca sobre livros, música e filmes. Nas aulas tem uma atitude rebelde, não assumindo aquilo que escreve e pensa.

48A entrevista realizada com o aluno centrou-se em aspectos mais informativos sobre o seu perfil de leitor (“quantos livros lês?”, “Como escolhes os livros?”, “Que géneros preferes?”), e análise de atitudes e comportamentos. Apesar da cordialidade recíproca que caracterizou a entrevista, ele acabou por não colaborar, fechando-se laconicamente nas respostas, numa atitude manifesta de defesa e recusa a reconhecimentos. A situação de o entrevistado ser simultaneamente um aluno da entrevistadora, pode ter funcionado de factor inibidor que fez abortar a entrevista, enquanto fonte de informação e análise de comportamento leitural do jovem.

49Independentemente de estes alunos terem respondido ou não ao inquérito, objectivamente as suas respostas ficariam enquadrados em dois grupos: os alunos A e B têm todas as características para integrarem o grupo de leitores com boas performances de leitura a nível de livros lidos, relação com a biblioteca e atitude face à leitura; o aluno C, pela sua postura rebelde poderia ser incluído no grupo dos resistentes, num claro desafio ao instrumento anónimo de respostas. A análise de resultados não tem qualquer hipótese de filtrar estas tipologias, mesmo que cruze variáveis e faça uma abordagem quase individualizada aos inquéritos (longe da vocação deste instrumento que se preocupa acima de tudo com grupos).

50Estas entrevistas, cada uma estruturada à sua maneira (porque incidiam sobre sujeitos diversos) revelam a fragilidade na determinação do estatuto de leitor quando se fazem abordagens de comportamentos em fases de grande estruturação dos indivíduos; os seus condicionamentos são muito fortes e dificilmente há capacidade de fazer classificações absolutas: a aluna A parece ter, acima de tudo, uma relação afectiva com o livro e os seus agentes (no seu passado escolar poderá ter possivelmente tropeçado com professores que estimularam essa ligação, porque os dados do ambiente familiar não permitem deduzir qualquer convivialidade especial com a leitura), mas nunca resultou dessa relação uma incorporação favorável que se reflicta no plano escolar, na atitude crítica, na versatilidade de expressão escrita, oral ou de conhecimentos em geral. A aluna B exibe, como traço dominante do seu percurso de leitora, o estímulo do seu pai que empresta ao seu comportamento traços adultos, mas, simultaneamente, desequilibrados porque excessivos. Com o aluno C parece ter ocorrido um mecanismo contrário: em vez de circunstâncias que tenham favorecido uma relação afectiva com os livros, poderá ter ocorrido exactamente o contrário: talvez uma pedagogia desajustada. Talvez um ambiente familiar excessivamente dirigista e moralista com os livros. Talvez um grupo de pares afirmativo. A entrevista não permitiu respostas a estas questões.

51A introdução destas abordagens individuais permite concluir que, no fenómeno da leitura, se cruza um feixe de características psicológicas e intelectuais dos sujeitos e de circunstâncias específicas que cada um está a experienciar num determinado momento, e que dificultam uma leitura linear e definitiva do seu perfil de leitores.

52Ainda na pista das recepções individuais de leitura, irão ser analisados testemunhos sobre livros, de forma a observar os modos de apropriação de textos e as modalidades de expressão dos seus traços.

4.2. Recepção ao livro em fichas de leitura

53Para melhor analisar este mecanismo da recepção, esta parte da análise vai socorrer-se, mais uma vez, do material proporcionado pela experiência da investigadora como professora de Português, nomeadamente as fichas de Leitura de Contrato exigidas ao aluno ao longo do ano lectivo de 2005/06 (uma por período), sendo algumas registadas no Fórum sobre Livros, Música e Filmes que a Biblioteca alimenta regularmente. Do conjunto de registos aí feitos no tópico Fichas de Leitura, foi escolhido um conjunto de 44, onde foi efectuada uma análise de conteúdo, com vista a uma compreensão mais alargada da opinião dos jovens sobre aquilo que lêem.

54Quais os mecanismos de recepção dos jovens relativamente à construção de sentidos do que lêem?

  • O jovem é versátil para ler a vida através dos livros e só não lê livros nos livros porque o seu universo de referências é reduzido e se limita à vox populi de autores e géneros.

  • Outra observação a fazer, nesta matéria, diz respeito à utilização de ferramentas de análise de texto evidenciadas nos registos. Genericamente, os alunos referem aspectos de conteúdo e forma (mais aquele que esta), alguns (poucos) comentam o género e aventuram-se igualmente na análise de alguns elementos da narrativa como acção, espaço, tempo e personagens. Evitando usar nomenclatura classificativa desses elementos, o estilo dos comentários aproxima-se dos textos de divulgação de livros, usado no marketing promocional (sendo de salvaguardar sempre a hipótese de casos de captura de texto na Net, com ou sem adaptação).

55O que fica, afinal? O impressionismo de gosto e a história enquanto mimésis da vida ou de uma experiência, parecem ser os critérios que legitimam a aceitação de um livro no universo de leitura juvenil. Poderiam existir outros critérios? Claro sim, mas têm todos basicamente a ver com o domínio de outros textos de referência que dão espessura ao que se comenta, mas que são, quase inevitavelmente, território da formação do adulto letrado. Dito de outro modo: perante o mesmo livro, um receptor jovem e um receptor adulto têm graus de expectativas diferentes, porque diverso é o capital de referentes acumulado sobre o livro, autor ou género. A Estética da Recepção dá contributos interessantes nesta discussão.

5. Conclusões finais

56Recuperando o tema e o problema enunciados neste trabalho, urge, agora, articular as diferentes conclusões apresentadas parcelarmente no final de cada abordagem, para construir uma interpretação da problemática em estudo que feche, assim, o círculo de investigação.

57Começaram por ser exploradas marcas de leitura deixadas pelos jovens no espaço da biblioteca escolar e concluiu-se que elas apresentam, relativamente aos dias de hoje, traços de homogeneização e diferenciação: são, por um lado, leituras condicionadas ao constrangimento do currículo e da gestão desse mesmo espaço; por outro, apresentam, nas últimas décadas, aspectos singulares que originam hoje um novo tipo de leitor jovem. Por alguma razão Anne-Marie Chartier centra o seu estudo, publicado inicialmente em França em 2000 (Chartier, 2002), nas duas últimas décadas do Século XX, quando aparecem novas formas de iliteracia e novas formas de ler e escrever.

58Para ir ao encontro dessas singularidades, foram feitas duas abordagens: uma de natureza quantitativa a uma amostra de jovens, outra qualitativa dirigida a testemunhos e registos de recepção de leitura de vários sujeitos. O levantamento efectuado deu conta de uma problemática complexa onde se cruzam valências sociológicas, psicológicas e geracionais.

59Em termos gerais, as práticas de leitura, em espaço escolar, estão condicionadas pela sua instrumentalização ao serviço do currículo e, em ambiente não escolar, comungam de um espaço partilhado com outros consumos culturais e de lazer, mais residual e limitado nuns sujeitos, mais significativo e expressivo noutros, principalmente no que diz respeito a sujeitos femininos. Apesar desta diferenciação por géneros, as representações que globalmente parecem manifestar sobre o livro são positivas e não preconceituosas, reflectindo uma aura de algum prestígio, idealização e romantismo que a escola e sociedade em geral emprestam à temática da leitura. Salvaguardando a hipótese de alguma sobredeclaração nesta matéria, foram analisados alguns casos particulares de sujeitos leitores, cada um com características psicológicas e geracionais próprias, que relativizam categorizações definitivas de Pequeno, Médio e Grande Leitor e introduzem nuances psicológicas de relevo na relação do jovem com o livro. O percurso individual de cada um, a socialização familiar com o livro, a acção do grupo de pares podem instituir em cada sujeito uma categoria de leitor que torna redutoras as classificações estanques, em sujeitos em construção. A atitude, como traço individual de valorização ou desvalorização de cada sujeito no seu universo de experiências, parece constituir a pedra de toque fulcral da sua relação com o livro.

60Neste processo complexo de construção do leitor jovem, a escola, também ela com as suas fases e contradições, parece constituir uma peça fundamental desse edifício ao assumir-se como um agente condicionador dos hábitos, das práticas e também das atitudes. Acompanhando leituras obrigatórias. Propondo leituras extensivas. Sugerindo comportamentos e atitudes. Criando situações formais ou informais para se falar ou escrever sobre livros. A este propósito, a análise dos registos de leitura, em ambiente de fórum electrónico, constituiu uma oportunidade para se observarem tendências de recepção de leitura, onde foi possível detectar também uma sobredeclaração dos sujeitos sobre as respectivas emoções de leitura, mas que rasga caminhos para se exercitarem opiniões. Podendo não constituir recensões acabadas, estes registos reflectem, em termos gerais, um sujeito pensante sobre aquilo que leu e donde extraiu as ideias e mensagens que, para si, fazem sentido. De acordo com o seu referencial leitor e o seu horizonte de expectativas.

61Estes aspectos de background cultural nem sempre são os ideais e os expectáveis por parte do universo do adulto, mas são os possíveis, no contexto actual, marcado pelas novas tecnologias e por formas culturais globalizantes e massificadas. Neste âmbito, foram abordadas, no último capítulo, as novas condições na produção, reprodução e acesso da informação e as novas práticas de leitura daí decorrentes. O jovem está no centro desta, por muitos considerada, revolução, conciliando culturas e paradigmas diferentes e nem sempre fáceis de articular. Cabe aos adultos e à escola filtrar e adequar estes dois universos estruturantes da formação do jovem de hoje, o universo da cultura escrita e o universo electrónico. O aprofundamento desta articulação pode constituir, igualmente, uma oportunidade de novo estudo que reflicta sobre as formas e os meios de a fazer.

Bibliographie

Referências bibliográficas

CHARTIER, Anne-Marie; HÉBRARD, Jean – La lectura de un siglo a otro: discursos sobre la lectura (1980-2000). Barcelona: Editorial Gedisa, 2002.

LOPES, João Teixeira – Tristes escolas: práticas culturais estudantis no espaço escolar urbano – Porto: Afrontamento, 1997.

Notes

1 Trata-se de uma categorização da responsabilidade do sujeito deste estudo, que pretendeu etiquetar de uma forma expressiva os casos em presença.

Auteur

Professora-Bibliotecária. Escola Secundária de Domingos Sequeira – Leiria/Portugal.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr