Version classiqueVersion mobile

Elites e Poder

 | 
Manuel Baiôa

IV – O Integralismo Lusitano

Integralismo Lusitano e Política Nacional: as metamorfoses e os desafios da década de 1920

Fernando Martins

Texte intégral

  • 1 Base VIII do Estatuto da Junta Central do Integralismo Lusitano (Novembro de 1916). Citado em Leão (...)

«O Integralismo Lusitano, diverso, por naturezas e fins, de todos os partidos monárquicos que possam existir, abstém-se de toda a cooperação prática ou de manifestações de solidariedade política com pessoas e colectividades que não sejam integralistas, salvo os casos de interesse nacional, devidamente apreciados pela junta central, ou de obediência a indicações de El-Rei»1.

1. O problema

  • 2 A história da fundação do Integralismo Lusitano, assim como as peripécias da edificação e caracteri (...)
  • 3 “Pobre, filho de pobres, devo àquela casa [refere-se ao Seminário] grande parte da minha educação q (...)
  • 4 António Costa Pinto, “A formação do integralismo lusitano: 1907-17” in Análise Social, vol. XVIII ( (...)

1Independentemente das circunstâncias da sua criação e consolidação, já durante a Grande Guerra, independentemente do teor do seu ideário2, o Integralismo Lusitano foi um movimento político que, acima de tudo, sempre se caracterizou por um grande elitismo social e cultural. Nas suas origens ou, se quisermos, na sua pré-história, os integralistas, ao “contrário de Salazar”, por exemplo, não chegavam a Coimbra “pela via modesta do patrocinato católico das Beiras”, facto que aliás o futuro chefe de Governo convenientemente reconheceu e agradeceu3. Os integralistas distinguiam-se por cultivarem um “aristocracismo, que os individualizava no comportamento”, além de serem parte de uma “base social cujo estatuto económico era superior à média dos estudantes de Coimbra, já que provinham ou do latifúndio alentejano ou da aristocracia nortenha Porém, “mais do que aristocratas por genealogia, no que não se distinguiam de dezenas de outros, eram-no, acima de tudo, por elitismo de afirmação intelectual4.

  • 5 “O Integralismo teve uma organização: Juntas Provinciais, Municipais e Escolares, núcleos, e chegou (...)

2Mais tarde, já durante boa parte da década de 1920, e para além das adversidades e dos erros cometidos, independentemente do Integralismo Lusitano ter aparentado ser uma força em crescimento e capaz de concentrar as atenções de vários quadrantes, inclusive de adversários declarados e intransigentes, de suscitar simpatias e de arregimentar partidários5, a verdade é que a realidade do movimento não conheceu alterações substanciais. Como veio a ser afirmado mais tarde

  • 6 Leão Ramos Ascensão, op. cit., 43, p. 82. De qualquer forma, convém também sublinhar que a generali (...)

O Integralismo foi sempre um movimento de elite e mais de doutrina do que de acção política. Não vejo que pudesse vir a ser um movimento de massas, – o que, moralmente, só o honra. Os chefes integralistas, aristocratas de pensamento e de uma elegância moral inconfundível, não sabiam lisonjear a multidão nem atraí-la. Podiam ser políticos (e tê-lo-iam sido sempre?), mas não demagogos. Suscitaram, sem dúvida, numerosas dedicações e contam-se actos magníficos de heroísmo e abnegação pelo Integralismo, praticados por gente de todas as condições sociais. Isto não bastava, porém6.

3É verdade que Rolão Preto, uma das figuras mais notáveis do Integralismo, se insurgiu sempre contra esta ideia de que o movimento era uma entidade elitista. Mesmo que tivesse razão – e não tinha – nunca apresentou argumentos e muito menos factos suficientemente convincentes que demonstrassem o absurdo das acusações de que se defendia. Escreveu uma vez que

  • 7 Rolão Preto, Para Além da Guerra, s.e., s.l., Edições Gama, 1942, p. 16. Uma vez que o sidonismo ca (...)

também a nossa, geração integralista, foi caluniada, apodada de snobismo, de estulta pretensão, de retrógrada, de artificial, de vã, e todavia ela e só ela que liquidou a república demagógica e que tão levianamente a desprezou, como Teófilo Duarte recorda no seu belo livro sobre Sidónio Pais e o seu Consulado há pouco publicado7.

  • 8 É verdade que pelo menos uma individualidade teve essa premonição. Na Primavera de 1913 “o correspo (...)
  • 9 Com Raul Proença a merecer um destaque especial na sua cruzada contra os integralistas mais diverso (...)

4Mas a verdade é que a realidade sempre o desmentiu. Mesmo que quisessem fazer o bem à Nação e, portanto, ao Povo, em vários e sucessivos momentos a Nação e o Povo sempre lhes voltaram as costas. Apesar de tudo, e como consequência das circunstâncias muito específicas que deram forma à história portuguesa imediatamente após a implantação da República, como, um pouco mais tarde, já devido à conjuntura da história europeia e portuguesa do pós Primeira Guerra Mundial, o Integralismo Lusitano assumiu uma importância desproporcionada e antecipadamente imprevisível, muito mais um desejo do que uma realidade8. A aceitação nunca discutida de uma desconformidade entre aquilo que alguma vez foi o (escasso) peso social do Integralismo Lusitano e a sua (relativa) importância político-ideológica, acentuou-se mais tarde com o relevo exagerado que lhe foi sendo atribuído por historiadores e outros estudiosos dos fenómenos políticos entre as duas guerras mundiais do século XX, muito por causa não apenas daquele que foi o volume produtivo dos seus teóricos, mas também da importância que lhes foi atribuída pelos seus adversários na altura, sendo disso reflexo as polémicas desenvolvidas com alguns intelectuais coevos de extracção tida por distinta e ainda hoje muito glosados9.

  • 10 “Muito se tem escrito sobre a proximidade ideológica entre Salazar e os integralistas lusitanos, ha (...)
  • 11 “Movimento doutrinário e político de oposição ao regime democrático e parlamentar da Primeira Repúb (...)
  • 12 Pouco antes ou pouco depois de Oliveira Salazar ter ocupado a pasta das Finanças, o autor não é cla (...)

5Esta acumulação de equívocos é uma consequência do desconhecimento que se possui do Integralismo Lusitano no domínio da prática política, e que provavelmente nunca será ultrapassado, e da notoriedade que normalmente se lhe decidiu atribuir, enquanto movimento político e de ideias, para explicar o salazarismo, nomeadamente na sua fase de ascensão e formação/institucionalização político-ideológica. A interpretação que daí resulta tem conhecido algumas críticas pertinentes10, embora também seja justo reconhecer que os alvos dessas mesmas críticas apontaram nos seus escritos limites às generalizações que os próprios produziram sobre esta espécie de relação causa/efeito entre Integralismo e Estado Novo11. Esta acumulação de ambiguidades é tanto mais de estranhar quando os contemporâneos, em particular aquela escassa minoria que em Portugal acompanhava as múltiplas vicissitudes do fenómeno político, como os próprios simpatizantes e “militantes” do Integralismo, sempre tiveram e mantiveram, ao longo das suas vidas, uma percepção muito mais equilibrada e realista da importância do movimento e daquela que seria a sua capacidade para conduzir os acontecimentos, nomeadamente nas décadas de 1920 e 1930, quando pareciam criadas as condições para a sua afirmação12.

  • 13 Há quem tenha falado na promoção de “realizações unitárias”. António José Telo, op. cit., p. 65.

6Como não sabemos, a não ser de forma superficial, de que forma os integralistas foram fazendo política quotidianamente antes e depois do 28 de Maio – não naqueles momentos mais ou menos emblemáticos e agitados, como os respeitantes aos desentendimentos em torno dos projectos do restauracionismo monárquico ou ao difícil relacionamento entre os seus vários ramos restauracionistas, mas aos esforços que desenvolveram para se afirmarem em busca da constituição de uma federação da direita nacionalista e antidemocrática portuguesa13 – os equívocos tendem a acumular-se. Ignoram-se, com um mínimo de detalhe, os termos da convivência com a Ditadura Militar nas suas várias fases e, posteriormente, com Oliveira Salazar e os seus mais directos apoiantes, antes e depois de Abril de 1928. Estão por conhecer as condicionantes da evolução das relações – e teor destas – entre tendências e, quiçá, entre gerações, no seio do movimento. Apenas se intuem as efectivas consequências políticas da morte de António Sardinha, além das diversas formas como o seu prestígio e legado foram apropriados e utilizados. De tudo isto, uma coisa parece certa. Enquanto, por um lado, os integralistas se destacavam de todos os outros por produzirem jornais e revistas, proferirem conferências e publicarem livros, com uma perseverança e uma aparente linha de continuidade ao longos das décadas de 1910, 1920 e 1930, o que lhes permitiu transmitirem aos contemporâneos e à posteridade uma representatividade e uma força que de facto, fora do campo teórico, nunca possuíram, uma vez que se tal tivesse acontecido Portugal se teria tornado num Estado, ou antes, numa Monarquia “Integralista”, por outro lado, se quisessem ver cumpridos alguns dos seus objectivos mínimos – sendo o primeiro o derrube da República – o Integralismo via-se acima de tudo obrigado a chegar a um entendimento com terceiros que perseguissem este objectivo mínimo. Finalmente, os Integralistas, para não ficarem totalmente alheados do processo conspirativo que conduziu ao derrube da I República, não apenas deviam transigir a priori naquelas que eram as ambições legítimas de verem aplicado o seu programa mas, sobretudo, constatar a impossibilidade de o verem posteriormente aceite por um número suficiente e necessário de aliados políticos na luta contra a República e, posteriormente, na institucionalização de uma nova ordem. Neste sentido, portanto, olhar o Integralismo Lusitano como mais do que um movimento sectário, marginal, radical e com escassa expressão social, mesmo junto das próprias elites, apesar da aparente coerência do seu pensamento, do volume da sua produção teórica e da sua extraordinária perenidade, é no mínimo pouco sensato porque desligado da realidade. Em particular na história da afirmação do Estado Novo, como das conspirações contra a República e em prol da viabilização da Ditadura Militar, aquilo que importa não é tanto a (escassa) capacidade do ideário integralista para influenciar soluções institucionais, mas muito mais a acção concreta de indivíduos ou grupos que (ainda) mantinham ou tinham mantido alguma relação político-ideológica com o Integralismo Lusitano.

  • 14 Em 1921, com 18 anos, já Pedro Teotónio Pereira se correspondia com António Sardinha e frequentava (...)
  • 15 Convém salientar que, tanto quanto é possível apreender, o “sidonismo”, ao contrário da Ditadura Mi (...)

7Apesar de não se pretender nem se poder ainda suprir as lacunas respeitantes ao desconhecimento existente da história do Integralismo Lusitano, este texto procura redefinir parcialmente o fenómeno do Integralismo Lusitano, especialmente no decurso da década de 1920, não com a intenção de o voltar a analisar doutrinariamente ou ideologicamente, ou com a pretensão de aspirar uma vez mais a esmiuçar o seu contributo para a formação do “fascismo” português, seja por via do Nacional Sindicalismo, seja por via da criação, afirmação e estruturação institucional do regime saído da Constituição de 1933 (independentemente de uma ou outra realidade poderem ser, de animo leve, caracterizadas ou não como fascistas). Aquilo que aqui se pretende é chamar a atenção para alguns acontecimentos – mais ou menos significativos – para, dessa forma, melhor caracterizar o movimento, não tanto naquilo que possa respeitar à sua matriz político-ideológica, mas à sua intervenção quotidiana na vida política do país, em função dos factos e dos dilemas ou desafios com que se ia deparando. Para cumprir estes objectivos optou-se pelo recurso a uma abordagem que valoriza o percurso de um elemento dos mais dinâmicos, mais destacado e, como muitos outros, mais insatisfeito e impaciente com o rumo, tantas vezes contraditório e inconsequente, que o Integralismo Lusitano foi tomando na conjuntura particularmente difícil, mas para alguns considerada favorável, dos anos 20 do século XX. Acompanhar o caminho percorrido por Pedro Teotónio Pereira14 – será ele a referência – e para além das suas peculiaridades, nomeadamente por nunca ter sido um teórico e, muito menos, um intelectual do movimento, possibilita a descrição e análise, ainda que breve, do seu percurso integralista e do próprio Integralismo. Permite que se perceba e se redefinam algumas das ideias feitas e transmitidas sobre o Integralismo Lusitano, nomeadamente sobre a sua estrutura, a sua putativa coerência ou homogeneidade e, finalmente, sobre a sua importância social, política e ideológica, tanto no combate à República extinta na sequência do golpe 28 de Maio, como nos contributos que terá dado para a afirmação de uma solução de regime alternativa, baseada em pressupostos nacionalistas, corporativos e autoritários que teriam tido o Estado Novo, sob a chefia de Oliveira Salazar, como desenlace mais ou menos óbvio, mais ou menos inevitável15.

2. Preâmbulo aos factos e à sua narrativa

8No primeiro volume das suas Memórias, publicadas no início da década de 1970, Pedro Teotónio Pereira não pôde deixar de se pronunciar sobre o início da sua vida política, ainda muito jovem, nas fileiras do Integralismo Lusitano. No essencial, resumiu o movimento de que foi “soldado” e os problemas essenciais que suscitava, e com os quais se confrontou na década de 1920 e primeira metade da de 1930, numa reflexão incisiva e genericamente verosímil. Escreveu Pedro Teotónio Pereira:

  • 16 Jornal diário, vespertino, órgão oficial do Integralismo Lusitano. Iniciou a sua publicação a 12 de (...)
  • 17 Pedro Theotónio Pereira, Memórias. Postos em que servi e algumas recordações pessoais, vol. I, Ia. (...)

Logicamente, a minha formação ideológica levou-me para o Integralismo.
Era o terreno mais sólido à minha frente, por recolher toda a minha herança no campo dos princípios.
O movimento integralista surgira como uma cruzada de salvação pública contra os desmandos dos partidos políticos e, sem se limitar ao papel de os combater em todos os terrenos, apresentava pela primeira vez ao País um programa de acção que se apoiava nas fontes mais puras do nacionalismo português, ao mesmo tempo que proclamava, com igual ardor, inadiáveis reformas no domínio económico e social. [...]

A Monarquia
16 publicava todos os dias um quadro encimado pela declaração: O que nós queremos.
Indiscutivelmente, todos os propósitos e objectivos ali expressos eram bons, e só no terreno da pura especulação política, ou na controvérsia sobre o regime, seria possível encontrar quem discordasse.
Tudo na nossa doutrina nos parecia perfeito e acabado, tal qual Minerva nascendo já armada de elmo e lança.
Restava, porém, ver como se iriam realizar essas fórmulas no terreno dos factos. E foram talvez essas inquietações que me puseram a discutir o grau de realismo político que se podia conter nos programas partidários
17.

  • 18 A designação de “segunda geração”, com as implicações de natureza político-ideológica e também pess (...)

9Este testemunho sobre um percurso individual, mas também com uma expressão colectiva – se nos lembrarmos que também outros jovens integralistas de segunda geração mais cedo ou mais tarde se desvincularam do Integralismo –, independentemente de conter algumas imprecisões e, sobretudo, omissões de facto – em particular o alcance e o significado político e a natureza um tanto dolorosa, do ponto de vista pessoal, do seu processo de afastamento e desvinculação daquele movimento –, sublinha um ponto que constituiu sempre a grande fraqueza do Integralismo Lusitano, e contra o qual se debateram, primeiro paulatinamente e depois de forma sistemática, vários dos seus elementos, sobretudo da chamada segunda geração, tendo-se chegado ao ponto de contra estes se começaram a insurgir e mobilizar vários dos seus membros que, se não se podem apelidar de ortodoxos, pelo menos não desdenhariam o epíteto de históricos18. Em causa está a dupla e contraditória realidade existente por trás do Integralismo Lusitano no pós Grande Guerra. Por um lado, a “doutrina” parecia perfeita e acabada, pelo que todos os “propósitos e objectivos” nela “expressos” eram tidos como “bons”, sendo que “só no terreno da pura especulação política, ou na controvérsia sobre o regime, seria possível encontrar quem discordasse”. Mas por outro, e isso é na realidade aquilo que importa em política (e a política e a vontade de exercício de poder que lhe está inerente constituíam-se naquilo que naturalmente movia muitos integralistas), tal como existia e se comportava o movimento não podia continuar uma vez que não saía da diminuta base de apoio em que nascera e conseguira dar os seus primeiros passos. Após o fracasso da Monarquia do Norte em 1919, impôs-se cada vez mais a tese segundo a qual a acção do Integralismo deveria ser meramente teórica e de proselitismo, mesmo quando os seus membros andavam metidos em movimentações e conspirações mais ou menos golpistas, antes e depois do 28 de Maio, formalmente o Integralismo Lusitano deveria limitar-se a organizar conferências e a publicar livros, jornais e revistas. Esta imposição, ainda por cima ambígua, não agradava aos mais novos, ansiosos não de sinecuras mas das oportunidades que permitissem a aplicação das linhas consideradas essenciais do programa integralista e que no futuro, seriam vertidas no texto de uma nova lei fundamental, tal como sucedera em 1918. Desejavam os mais novos que, globalmente, o Integralismo descesse ou passasse do mundo das ideias e da doutrina (ou das “fórmulas”) ao “terreno dos factos”. Ora a resolução desta contradição, deste dilema, impunha a assunção, muitas vezes dolorosa, enquanto percurso tanto pessoal como político, de que para se fazer política concretizando ideias, doutrinas, programas, se acaba cedo ou tarde – mais cedo do que tarde –, por se agir contra vários dos aspectos matriciais das ideias, das doutrinas, dos programas que precedem a acção.

  • 19 No início da década de 1920, juntamente com o chamado grupo da Seara Nova, o Integralismo Lusitano (...)

10Antes que se avance um pouco mais na narrativa, vale a pena chamar a atenção para o facto de nesta contradição detectada por vários integralistas, e claro que também por Pedro Teotónio Pereira, se deve precisamente começar a procurar e a encontrar as razões que conduziram àquilo que pode ser considerado como o enfatuamento do Integralismo Lusitano enquanto fenómeno político do Portugal do pós Grande Guerra e do Sidonismo. O facto de os integralistas terem escrito muito e, pelo menos formalmente, bem; de possuírem uma ideologia, uma doutrina, um programa19; de controlarem e criarem inúmeras publicações – nomeadamente jornais e revistas –; de se envolverem e serem envolvidos em polémicas; e de, pela natureza e força das suas ideias e o empenho e inteligência de muitos dos seus militantes, o Integralismo se ter visto abraçado por muitos – nas Forças Armadas, na Igreja, nos governos e até nos projectos de um novo regime que sucedesse primeiro à República e, depois, à Ditadura Militar – fez com que se exagerasse a sua importância. Sucede que o percurso político e as reflexões de muitos Integralistas demonstram precisamente a fraqueza e, em certa medida, a insignificância objectiva do Integralismo. Isto é, caso o Integralismo tivesse alguma vez possuído a importância que não só gostava de se atribuir, como muitos lhe atribuíram na época, ou que os estudiosos gostam hoje de lhe conferir, de forma alguma se teria assistido, já não direi à sua desagregação – que é a posteriori fácil de prever – mas, pelo menos, a uma história tão conturbada, tão cheia de conflitos que mais do que indiciarem o quase desaparecimento institucional posterior do Integralismo, demonstram uma clara incapacidade para se afirmar naquela que era a realidade política das décadas que se estenderam do pós sidonismo às vésperas da consolidação do Estado Novo.

Os factos e a sua narrativa

  • 20 O outro órgão do Integralismo Lusitano, a revista Nação Portuguesa, publicou-se entre 1914 e 1926, (...)
  • 21 Idem, ibidem, p. 63. “O jornal [A Monarquia] era constantemente apreendido. Quando a polícia o não (...)

11A Monarquia, o jornal do Integralismo Lusitano fundado em Fevereiro de 191720, somente nos seus dois primeiros anos de existência, foi suspenso “violentamente por três meses”, querelado “vinte vezes”, apreendido “mais de oitenta”, tendo os seus escritórios sido diversas vezes “fechados e selados”, além de “encarcerados os seus redactores, administrador e compositores”21. Estes poucos factos servem não apenas para ilustrar o agitado, complexo e em grande medida ainda hoje desconhecido período que vai desde a derradeira incursão monárquica de 1919 até ao 28 de Maio – o da Nova República Velha –, mas para sinteticamente demonstrar a natureza do combate político, o lugar que o Integralismo Lusitano nele ocupava e o tipo de algumas das lutas que protagonizava. Neste contexto, se é verdade que a dispersão de objectivos dos integralistas, que iam desde a restauração monárquica à substituição do modelo constitucional vigente por um outro, sem que tal implicasse qualquer alteração do tipo de regime, nunca lhes facilitou a vida, convém sublinhar também aqueles que sempre foram os seus dois pressupostos essenciais: a expansão, o proselitismo e o fortalecimento do ideal integralista, por um lado, o estabelecimento de entendimentos e consequente definição de uma estratégia com forças político-ideológicas que partilhassem o mesmo horror à República, à “ditadura” do Partido Democrático e a tudo aquilo que representavam, por outro. Ora, no seio do Integralismo Lusitano decorreu, durante uma boa parte da década de 1920, um confronto político surdo em torno daquela que seria, em primeiro lugar, a melhor forma de alargar a influencia do Integralismo e, em segundo lugar, o melhor meio para a construção de um entendimento alargado com outras forças políticas, fundamentalmente de direita, mas também de uma pouca esquerda, ambas anti-jacobinas, que não se reviam no regime constitucional herdado de 1911. Para além destes, o movimento foi marcado de forma dramática pela questão dinástica e sucessória e não apenas no caso do regime monárquico poder ser restaurado em Portugal. Factos políticos francamente menores como este, mas que historicamente causam situações de forte confrontação em formações e movimentos políticos minoritários que vivem nas franjas da paisagem político-ideológica, tanto à direita como à esquerda, mobilizando os seus militantes e simpatizantes em torno da defesa do purismo e da virtude dos ideais, condenavam e ridicularizavam o Integralismo Lusitano aos olhos do país político em geral e ainda tanto da direita republicana como dos monárquicos minimamente lúcidos.

12Pedro Teotónio Pereira foi testemunha e protagonista em várias etapas da fase inicial da sua longa vida política, dos dilemas e dos confrontos internos e externos ao Integralismo suscitados pela forma como se fazia quotidianamente o combate político e, em particular, da questão dinástica. A correspondência que endereçou a António Sardinha, que vai de 1921 a 1924 (descontando os problemas de datação que algumas missivas colocam), ajuda a compor o entendimento dessa realidade no seio do Integralismo e deste para e com o exterior. Por outro lado, e para um período posterior, uma pequena série de artigos de imprensa, da autoria do mesmo Pedro Teotónio Pereira, reconstituem o quadro que aqui se pretende descrever, ou seja o de como se fazia política no Integralismo, e como era difícil fazê-lo, numa demonstração clara dos profundos e insanáveis conflitos que o marcaram por dentro, muito mais importantes e sintomáticos do que a presumível coerência e discutível valor intelectual da doutrina que construiu e dos doutrinadores que a ergueram.

  • 22 António José Telo, op. cit., pp. 63-64.

13Em finais de Fevereiro de 1922, na qualidade de presidente nomeado da Junta Escolar de Lisboa, Pedro Teotónio Pereira produziu um discurso, dirigido à Junta Central, no qual com uma aparente franqueza não apenas fazia um balanço possível da situação política do ponto de vista do Integralismo, como definia pontos tácticos e estratégicos de intervenção mais ou menos imediata e que deveriam naturalmente contribuir para que se ultrapassassem as dificuldades que se colocavam ao movimento. Assim, na sequência da promulgação de uma amnistia que permitiu o regresso a Portugal, entre outros, de vários dirigentes e membros do Integralismo Lusitano, numa conjuntura em que o mesmo Integralismo consolidava a sua ruptura com D. Manuel II, aproximando-se do chamado ramo legitimista corporizado pelo pretendente D. Miguel II que, na sequência das negociações com a Junta Central, abdicaria no seu filho D. Duarte Nuno22, Pedro Teotónio Pereira dirigiu-se à Junta Central identificando os desafios e apontando caminhos.

  • 23 “[...] eu resolvo hoje com a serenidade e o desassombro com que outrora os Juizes do Povo cingindo (...)

14Preocupava-o, e dizia-o francamente aos responsáveis políticos da Junta Central23, o facto da ruptura com D. Manuel II e a subsequente aproximação ao ramo legitimista ter provocado um desbaratar na capacidade de recrutamento e mobilização de apoiantes (efectivos ou potenciais). E afirmava:

Basta citar um facto a V. Ex.as. A personalidade do Senhor D. Duarte é absolutamente impopular. Desde o momento que o Integralismo lhe prestou obediência eu entendi que era absolutamente necessário desfazer essa má impressão.

[…]

Dizer que dum momento para o outro, por espirito de reacção contra o Integralismo, haja uma volta à miséria das doutrinas constitucionais? Tudo isso é de esperar a continuarmos assim. O máximo que se poderá fazer será permanecer no sistema que Ayala Monteiro segue no jornal, o que eu sigo na Junta e que se não tem a virtude de conquistar elementos novos para a nossa Causa, ao menos não acaba de a liquidar... Estamos como um exército que tem sofrido derrotas e se acolhe a um monte a ganhar tempo, à espera que os chefes resolvam!

15Mais à frente, expondo a sua estratégia naquela que era a tentativa de contribuir para a resolução de um problema que ameaçava aniquilar o Integralismo, continuava:

  • 24 Órgão de imprensa monárquica afecto a D. Manuel II.

Uma vez que revestimos o carácter de organização política, e querendo seguir nesse sentido, precisamos dum esforço hercúleo para vencer. Vamos dar batalha ao Manuelismo e aos constitucionais na certeza de que temos de os esmagar para não morrermos. Continuar como até aqui é a morte, e uma morte sem defesa por que ninguém nos houve. O jornal [A Monarquia] tem que ser outra coisa, e não o jomaleco, sem força nem prestígio que ninguém atende nem lê. É preciso ir gritar a verdade aonde for preciso e reconquistar o terreno perdido palmo a palmo. O Correio da Manhã24 tem que ser esmagado e não passar a vida a prometer pancada ao Aníbal Soares. É tempo de se acabar com o Senhor D. Manoel e com os equívocos. É indispensável que a voz da Regente se faça ouvir para calar os risos de troça que nós deixámos começar. Só assim se poderá vencer. Tudo o que não seja isto é tempo perdido.

16E rematava assumindo que caso os objectivos essenciais propostos não fossem cumpridos o melhor seria

  • 25 Idem, ibidem.

[...] abandonar de vez todas as veleidades de ordem numérica e muito serenamente recolher á torre de marfim da doutrina, donde nós espalharemos a Verdade com o mesmo ardor e a mesma Fé, mas já sem os embaraços e os espinhos que hoje nos sufocam e esmagam toda a acção e ao menos teremos a consolação de realizar essa máxima integralista de “que mais valem seis que sessenta”25.

17Era por demais evidente que o Integralismo atravessava uma crise de afirmação – seria demasiado generoso classificá-la como crise de crescimento –, o que demonstrava a incapacidade das suas estruturas para enfrentarem com êxito os desafios colocados, e que evocavam o confronto sem quartel existente no seio do campo monárquico, mais do que no nacionalista. A crise era uma consequência indiscutível de vários erros acumulados, nomeadamente da impotência do jornal A Monarquia e da forma como a Junta Central tratara a questão dinástica, retirando o seu apoio à restauração monárquica através de D. Manuel. Todo este problema, e o sério desafio político que, do ponto de vista dos monárquicos, por trás dele se insinuava, suscitava dilemas de grande melindre, apesar de rotundamente insignificantes caso os integralistas fossem capazes de se concentrar no essencial da confrontação política. Mas isso era algo que a Junta Central não era capaz de resolver. De facto, se há alguma coisa que as palavras de Pedro Teotónio Pereira sublinham, ainda que por omissão, é a total ausência de uma estratégia de acção política. Fora do campo doutrinal, o Integralismo Lusitano era insignificante. Como se ao movimento faltasse o dirigente político, por um lado, e um organizador, por outro. Um Lenine e um Estaline. Por um lado, alguém capaz de definir o que fazer em função da acumulação de sucessivos fracassos e da necessidade de (re)agir perante uma realidade que mudava todos os dias. Por outro, alguém capaz de montar um aparelho político e de propaganda interdependentes e eficazes, capaz de ir para o terreno levantar o moral dos “soldados” e dos seus “superiores”, identificar os problemas, erradicar moléstias, impor disciplina.

  • 26 Pedro Theotónio Pereira, Memórias. Postos em que servi e algumas recordações pessoais, vol. I, 2a. (...)

18No entanto, nesta fase, e apesar dos erros cometidos pela Junta Central aos olhos de Pedro Teotónio Pereira, a intransigência deste não é apenas de monta, como decorre da sua crença na superioridade tanto teórica como potencialmente prática da causa integralista. Tendo presente a discussão e o confronto existente no seio da direita nacionalista e monárquica (ainda mais monárquica que nacionalista), para Pedro Teotónio Pereira a razão está exclusivamente com o Integralismo Lusitano, sendo que os adversários políticos mencionados, para não dizer inimigos, se reduzem exclusivamente ao campo monárquico. As críticas ao órgão imprensa integralista, A Monarquia, pela sua manifesta brandura e ineficácia, são importantes não apenas por revelarem sérias divergências no seio do movimento, mas sobretudo por demonstrarem que o autor dessas críticas era corajoso e frontal, embora não necessariamente sensato. Por outro lado, demonstra a sua disponibilidade para enfrentar e confrontar tudo aquilo que no seio do movimento lhe parecesse errado. Finalmente, também as críticas e adjectivos derramados sobre os seguidores de D. Manuel II (depreciativamente alcunhados de manuelinos), e os insultos dirigidos ao Correio da Manhã e à gente que se movimentava na sua área, mais do que nos apresentarem um militante e jovem dirigente de discurso radical e capaz também de actos extremos de violência verbal e física, anunciam o Integralismo Lusitano como um movimento tipicamente radical e extremista. Radical e extremista porque minoritário, e minoritário porque radical e extremista mas, sobretudo, socialmente elitista. Embora o núcleo duro mais ortodoxo do Integralismo nunca se tornasse num movimento de massas, como o bolchevismo e fascismo já se tinham tornado nesta data, preferindo que o Integralismo hibernasse a que pudesse ser contaminado pelo espírito dos radicalismos que então se iam afirmando e captando grandes simpatias, não sendo também por isso legítima uma comparação absoluta entre fenómenos em si diversos e existentes em realidades históricas incomparáveis, a verdade também é que a fé apresentada por todos integralistas e assente na crença naquela que seria a indiscutível qualidade e superioridade da sua doutrina, tornaram o Integralismo, da década de 1920, num fenómeno ideológica e, sobretudo, politicamente radical. Restava apenas saber, até que ponto poderia ser levado o radicalismo, quem é que o movimento poderia integrar e que objectivos se poderiam fazer cumprir. Como é óbvio, reconhecida a justeza de um programa, ainda por cima radical, o maior ou menor grau da sua efectivação dependia da capacidade de o tornar tanto quanto possível o mais escolhido por todos aqueles portugueses que pensassem e fizessem política e que estivessem preocupados pelo futuro da pátria e empenhados na muito evocada “cruzada de salvação pública”26.

  • 27 Pedro Teotónio Pereira não tinha ainda completado 20 anos.

19O rebentamento de um pequenos escândalo – o que sucedeu na sequência de uma conferência realizada no princípio de Março de 192227, na qual usou da palavra um estudante universitário convidado por Pedro Teotónio Pereira confirmou muito daquilo que este escrevera acerca da bondade de máximas favoráveis ao abandono definitivo de “todas as veleidades de ordem numérica”, pelo que seria desejável “serenamente recolher à torre de marfim da doutrina, donde nós espalharemos a Verdade com o mesmo ardor e a mesma Fé,” havendo “a consolação de realizar essa máxima integralista de «que mais valem seis que sessenta»”. Por outro lado, se o acontecimento sublinhou a sua convicção de que toda a “Verdade” se encontrava no campo do Integralismo, também pôs em xeque o pressuposto de que não era apenas indiferente mas até hostil face a todos aqueles que questionassem a doutrina e a prática política integralista.

  • 28 Carta de Pedro Teotónio Pereira a António Sardinha, 7 de Março de 1922. CPTP, EAS, BJPII-UCP.

20Tal como Pedro Teotónio Pereira descreveu os factos a António Sardinha, o estudante Amado – o conferencista – fora apresentado como sendo um “rapaz, absolutamente pouco vulgar,” com “uma vida de filósofo rico, vivendo entre os seus livros, reservado”, um “pouco Almada Negreiros, mas duma sinceridade” que se garantia “absoluta”, muito embora o texto apresentado encerrasse “alguns erros doutrinários, mas muito leves, quase insignificantes”. Para além disso, era “um conjunto admirável, soberbo, revelador, dum grande temperamento de filósofo que há-de vir a ser alguém”. Sucedeu que, como se não bastasse a intrínseca desconfiança de vários dirigentes e militantes integralistas quanto à bondade destas iniciativas “abrangentes”, antes e durante a palestra, o convidado cometeu uma gafe. A certa altura o “amigo Amado [...] fala de repente na cisão dos monárquicos e comenta: ‘não posso deixar de reconhecer que da parte dos mais novos tem havido um radicalismo grave e inconveniente’”28. Simplesmente, tomando por boa toda a sequência dos factos relatados por Pedro Teotónio Pereira, o que ficava demonstrado não era a monstruosidade da gafe mas sim a natureza intransigente do Integralismo e dos seus membros individualmente, independentemente de uns terem demonstrado sê-lo mais do que outros. Daí que valha a pena seguir outros pormenores do incidente tal como relatados na missiva enviada a António Sardinha.

  • 29 Idem, ibidem.

[Amado] mudou logo de assumpto, felizmente sem ninguém ter percebido a desgraçada frase, tão infeliz como incoerente, e evitando-me o desgosto de ter de intervir. Lá acabou e foi muitíssimo felicitado porque de facto, toda a gente, mesmo os muitos que o não compreenderam por vezes sentiram que estava ali um homem. O Hipólito vem ter comigo e despega-me: “Só lhe tenho a dizer que se estas coisas não fossem feitas pela Junta Escolar eu tinha-me levantado e tinha-o liquidado!” Eu justifiquei-me imediatamente, mas o Hipólito e o Pequito foram-se logo embora, mal encarados, e sem ao menos cumprimentar o rapaz. Tenho impressão que só eles notaram o facto! E como vê não mo perdoaram. Já lhe disse, ao meu querido amigo que foi um abuso de confiança do Amado, mas estou pronto a assumir a responsabilidade toda da questão. Enfim, uma maçada! É um inferno! Outro qualquer que faça uma conferencia já não ma torna a repetir! A Junta Central anda tratando da minha ida ao Porto e a Coimbra. Deus queira que desta vez possa satisfazer todos! Que pena o Doutor não estar cá! Estou convencido que acharia no trabalho do Amado um mérito que certas pessoas lhe negam tão rasgadamente. Pela minha parte, isto incomodou-me imenso, porque como sempre sou sincero e custa sempre ver os nossos esforços incompreendidos. Escrevo-lhe este relatório porque tenho a certeza que há-de ouvir dizer mal de mim29.

  • 30 O motivo deste incidente é ainda mais estranho se nos lembrarmos que no mês de Abril de 1922 foi fi (...)
  • 31 Citado em António José Telo, op. cit., p. 59.

21Algumas das consequências políticas deste tipo de atitudes são óbvias. Indiciam a dificuldade existente no meio Integralista para concretizar aquilo que deveria ser uma definição minimamente consertada da sua acção política, mas também dos obstáculos que se levantavam a qualquer entendimento com outras formações – neste caso apenas indivíduos – que com o Integralismo tivessem afinidades político-ideológicas30. Por outro lado, era este tipo de incidentes, em si mesmo insignificantes, que permitem dar um outro sentido às palavras proferidas por António Sardinha neste mesmo ano quando afirmou: “O que nos mata principalmente é, com a falta de uma ideia directriz, a falta de um grupo ou classe social em que se apoie qualquer tentativa séria de reaportuguesar Portugal”31. Ou seja, o Integralismo não tinha uma base social de apoio que lhe permitisse tornar-se numa força capaz de influenciar, ou até conduzir, os destinos do País, pelo simples facto de não agir politicamente em conformidade com os objectivos. O seu exclusivismo doutrinário e, sobretudo, a incapacidade de se organizar de forma eficaz de maneira a tomar (de assalto) o poder – ou alguém pelo Integralismo – transformavam – no num movimento com uma bela doutrina-pelo menos para quem a perfilhasse – mas não mais do que isso.

  • 32 “[...] uma concentração militar que se estendia por aquelas colinas então inteiramente rústicas e q (...)
  • 33 Idem, ibidem, pp. 52-54.

22Até ao 28 de Maio de 1926, e apesar dos esforços, ninguém à direita do espectro político sucedeu nos seus intentos de derrubar o regime vigente ou, antes disso, de criar uma frente política única ou, pelo menos, dominante. O golpe fracassado de 18 de Abril de 1925, protagonizado por militares monárquico e republicanos, e com o qual colaboraram, ainda que a contragosto daqueles, alguns civis “nacionalistas, monárquicos e integralistas”, limitou-se praticamente ao acantonamento dos revoltosos nas imediações da Rotunda32. Pedro Teotónio Pereira descreveu de forma viva o ambiente que pressentiu in loco, uma vez que assim que soube das movimentações dirigiu-se para o local da capital onde encontravam as tropas revoltosas33.

  • 34 O mais relevante, nas vésperas do 28 de Maio, foi a criação por alguns integralistas de 2.a geração (...)
  • 35 Douglas Wheeler, História Política de Portugal de 1910 a 1926, s.e., s.l., Publicações Europa-Améri (...)
  • 36 “Em Março de 1926, cheirando a revolução, cuja trama podiam acompanhar ao pormenor na redacção de ‘ (...)
  • 37 Veja-se a lista incompleta, como o próprio autor confessou, de integralistas que participaram no 28 (...)
  • 38 Na altura dirigia a revista Nação Portuguesa e colaborava com o jornal católico e monárquico A Époc (...)

23Nesse mesmo ano, em Janeiro, António Sardinha morrera e esse facto acelerou não apenas todo o potencial desintegrador do Integralismo Lusitano mas ainda qualquer possibilidade do movimento se constituir numa formação agregadora das direitas monárquicas e nacionalistas. Entretanto, militares e civis movimentavam-se, sobretudo em Lisboa, em busca de uma solução de força definitiva que pusesse fim a um regime que cada vez mais era considerado contrário aos interesses nacionais. Porém, e isso poderá parecer estranho se pensarmos na importância política que se dá ao Integralismo Lusitano na história política deste período, enquanto formação política organizada não se lhe conhece qualquer iniciativa ou conjunto de iniciativas que fosse consequente na organização de qualquer movimento político que pudesse ambicionar derrubar a República e instituir uma nova ordem político-constitucional. Andavam, os seus membros mais activos e mais jovens, como se costuma dizer, “aos caídos”. Corriam atrás dos acontecimentos e raramente provocavam qualquer um34. Toda a direita antidemocrática e nacionalista portuguesa rejubilava com os êxitos de Mussolini em Itália e de Primo de Rivera em Espanha. Uma e outra realidade pareciam demonstrar que, com o papel passivo ou activo do Exército seria possível, duma penada, varrer a vigência das democracias parlamentares e a ameaça bolchevique (independentemente dela existir e de ser realmente bolchevique). No entanto, o 28 de Maio de 1926 foi antes de tudo um movimento original no contexto da época. Tratou-se de um pronunciamento consequência de uma conspiração “longa e bem urdida” com duas características que, para além de ter saído vitorioso, o distinguiram de todos aqueles que anteriormente tinham procurado derrubar a ordem constitucional vigente. Não “houve derramamento de sangue [...] e o público soube que os oficiais estavam planeando um movimento sério algumas semanas antes da conspiração vir para a rua.” Por isso, o 28 de Maio, ao contrário, por exemplo, do 18 de Abril, foi “um acto repentino e espontâneo, [...] o resultado de conspirações intrincadas, complicadas e tortuosas”35. Enquanto formação política homogénea e consequente, o Integralismo Lusitano não teve no 28 de Maio qualquer papel determinante que se lhe conheça36 – o que aliás sucedeu com as restantes formações políticas que viam com bons olhos a consumação de um golpe que pusesse fim à chamada ditadura do Partido Democrático. Individualmente, porém, vários integralistas conspiraram a favor dos golpistas, ou de determinados sectores entre os golpistas37. Manuel Múrias38, por exemplo, redigiu a proclamação com que o general Gomes da Costa apresentou ao país o golpe militar que protagonizou.

  • 39 A ideia de que o 28 de Maio foi, à partida, e indiscutivelmente, ou um golpe necessariamente proto- (...)

24Nos dias subsequentes ao 28 de Maio, e no momento em que crescia a expectativa quanto àquele que seria o desenlace mais imediato dos acontecimentos, vários integralistas, mas não só, foram elementos de ligação entre militares e civis, procurando desta forma fazer com que não houvesse qualquer recuo dos golpistas, nomeadamente quanto à decisão de não contemporizar com os guardiões golpistas da ordem constitucional que se pretendia ver derrubada39. A indecisão inicial que permaneceu nestes primeiros dias chave após o pronunciamento militar – muitos outros lhe sucederiam – também os relatou Pedro Teotónio Pereira:

Recordo-me de que Gomes da Costa fez duas entradas em Lisboa. [...] Aconteceu, da primeira vez, como é sabido, que o general não se sentiu feliz na capital e resolveu dias depois retirar para o seu quartel general em Sacavém. As tropas cercavam Lisboa [...] e ao longo da Estrada de Circunvalação corriam a toda a hora correios a cavalo, portadores de despachos e de intrigas de palácio.

  • 40 Idem, ibidem, p. 60.

Porém, [...] a certa altura correu como coisa certa que algumas das forças militares começavam a dobrar as tendas para retirarem para os seus quartéis na província40.

  • 41 “Clarins que esmorecem” in Época, (n.o 2447, ano VIII), 6 Junho de 1926 (1.a página).
  • 42 Pedro Teotónio Pereira, op. cit., pp. 60-61.

25O resultado, e quando parecia que o golpe ainda não consumado poderia mesmo abortar, foi a mobilização do “campo nacionalista”, do qual muitos integralistas faziam parte. No decurso de vários meses anteriores ao golpe tinham desempenhado um papel activo, e desejavam mantê-lo. Muitos deles reuniam-se e dependiam politicamente – quando não financeiramente – do jornal A Época dirigido pelo conselheiro Fernando de Sousa, um decano do jornalismo monárquico e nacionalista português, especialista em caminhos de ferro, que além de não poucas vezes assinar os seus artigos com o pseudónimo NEMO, polemizara ora com a esquerda e, sobretudo, com a direita a propósito dos mais variados temas de natureza política, ideológica, financeira, económica e social. Como parte desse esforço que pretendia dar um impulso a Gomes da Costa, quando este parecia querer desistir, no dia 6 de Junho o jornal de Fernando de Sousa publicou um editorial da autoria de Pedro Teotónio Pereira com o título “Clarins que esmorecem” e cuja pretensão se deduz do título41. Os esforços da direita nacionalista e no qual os integralistas individualmente participaram, por uma vez tiveram êxito. Muitos tinham dado o seu apoio seguindo para Sacavém em side-cars, que se alugavam então junto ao monumento aos Restauradores, outros escreveram longas cartas ao caudilho.” O resultado imediato de todas as movimentações foi a segunda entrada, esta definitiva, do general em Lisboa. Tanto quanto se sabe, os jovens integralistas da segunda geração, não mais do que tropa apeada, encontravam-se entusiasticamente à espera na Rotunda acenando “romanticamente com os chapéus.” Eram suficientemente entusiastas, curiosos e cúmplices dos acontecimentos, uma vez que assistiram de muito perto às peripécias que precederam a entrada de Gomes da Costa no edifício do Ministério do Interior localizado no Terreiro do Paço42.

  • 43 Sobre a história política de Portugal neste período ver Damião Peres, História de Portugal. Edição (...)
  • 44 Este vespertino era dirigido pelo antigo exilado e figura de proa do Integralismo desde 1914, João (...)
  • 45 “Nestes dez ou doze anos decorridos desde que em Portugal se ergueu a bandeira do Integralismo, imp (...)
  • 46 Os signatários deste documento eram José Maria Ribeiro da Silva, Pedro Teotónio Pereira, Manuel Már (...)

26Os incidentes políticos que se seguiram ao 28 de Maio, e apesar da matriz conservadora e autoritária que muito a custo acabaria por se afirmar no seio da Ditadura Militar, demonstraram, para além de muitas outras coisas, a impotência política do Integralismo Lusitano43. Continuava a ser uma referência para alguns, a começar por aqueles que nele a custo iam militando, mas que com o tempo se afastaram e que com ele cedo ou tarde cortaram todos os laços formais. Por exemplo, a constituição do jornal A Ideia Nacional44 e as propostas políticas que neste vespertino foram sendo avançadas, demonstram a intensidade das contradições que a conjuntura produzia e um dramatismo relativo nas acções conduzidas no seio daquilo que restava do Integralismo Lusitano pós 1919. A Ideia Nacional, além de sintomaticamente reproduzir todos os dias a célebre declaração “O Que Nós Queremos” que anteriormente encimara com a mesma regularidade as edições de A Monarquia, o órgão de imprensa mais marcante dos integralistas, propagandeava, de acordo com as circunstâncias que agora caracterizavam a nova situação, a pertinência e a bondade das ideias do nacionalismo integral mas, e sobretudo, os prejuízos que a democracia impusera não apenas a Portugal e aos portugueses mas a toda a civilização ocidental45. Simultaneamente, e apesar, ou precisamente por causa da fé na bondade do Integralismo, um grupo de integralistas comunicou à Junta Central que, “tendo considerado a situação actual do país e apreciado as soluções que considerava mais conformes ao interesse nacional”, considerar ser um dever da “sua consciência [...] desligar-se da obediência devida” à Junta Central, “retomando a sua actividade política”46.

  • 47 Manuel Braga da Cruz (organização), António de Oliveira Salazar, Inéditos e Dispersos. II. Estudos (...)
  • 48 António José Telo, “A obra financeira de Salazar: a «ditadura financeira» como caminho para a unida (...)

27O fracasso da intentona de 12 de Agosto de 1927 condicionou a partir daí as esperanças dos sectores mais radicais que viam na Ditadura Militar o prelúdio da fundação de um regime política e ideologicamente próximo, mas devida e profundamente adaptado, daquele vigente na Itália de Mussolini. O impasse a que se chegou, com a consequente relativa acalmia que se lhe seguiu, foi perturbado pela questão do empréstimo externo a contrair junto da Sociedade das Nações e pelos artigos sobre finanças públicas que Oliveira Salazar começou a publicar sistematicamente no jornal católico As Novidades. O primeiro, foi dado à estampa na edição de 30 de Novembro de 1927. Publicou outros seis artigos ao longo do mês de Dezembro. No dia 3 de Janeiro aparecia um dedicado ao empréstimo externo. Seguiram-se, ainda em Janeiro, e depois em Fevereiro, artigos sobre, respectivamente, o “Equilíbrio Orçamental e Estabilização Monetária” e a questão do “Déficit ou Superavit”. Entre 24 de Fevereiro e 13 de Abril entregou para publicação no mesmo diário católico vários artigos sobre finanças públicas47. No dia 27 de Abril, tomava posse como ministro das Finanças. Estão naturalmente por conhecer as razões que conduziram Salazar ao poder em circunstâncias que não lhe eram, à partida, e olhando para o estado em que se encontravam as finanças públicas (mesmo que não estivessem já em estado tão calamitoso como muitos não se cansavam de afirmar), favoráveis. No entanto, iniciou uma caminhada que se tornaria inexorável no sentido da acumulação e consolidação de poder e prestígio político, independentemente dos revezes sofridos ou dos adversários que foi fazendo, incluindo no universo da Ditadura Militar48.

  • 49 Se não a melhor, pelo menos a mais interessante definição dos grupos existentes no seio do Integral (...)
  • 50 Caso se considere, o que é aliás bastante discutível, que Oliveira Salazar chegou ao Ministério das (...)

28Neste contexto, nada indica de forma minimamente convincente que o Integralismo Lusitano, ou o que dele restava, tivesse tido qualquer interferência, directa ou indirecta, na escolha de Oliveira Salazar para ocupar a pasta das Finanças, sendo conveniente recordar que foi o então ministro da Instrução, Duarte Pacheco, normalmente apontado como representante de sectores do chamado republicanismo conservador, no seio da Ditadura Militar e no Estado Novo, o escolhido por Vicente Freitas e Óscar Carmona para ir a Coimbra convidar Salazar a voltar a ocupar a pasta das Finanças. Embora seja verdade que um número significativo de integralistas (ou de integralistas muito especiais) vieram paulatinamente a colaborar o futuro presidente do Conselho – não vamos contabilizá-los ou aferir a sua importância absoluta ou relativa na história do salazarismo – a verdade, e tanto quanto se sabe, é que Oliveira Salazar nunca convidou nenhum dos jovens integralistas, ou até dos antigos membros da chamada primeira geração, como era o caso de João do Amaral, para com ele colaborarem tendo como razão mais ou menos próxima o labor político que tinham realizado e a influência que poderão ou não ter tido na sua indigitação para o Ministério das Finanças em Abril de 192849. O caso de Pedro Teotónio Pereira é particularmente exemplar. Em Abril de 1928, Salazar sabia certamente de quem se tratava politicamente, mas não o desafiou para com ele colaborar por desejar governar segundo uma matriz Integralista, independentemente de Pedro Teotónio Pereira ter, cerca de um ano antes, e como se viu, rompido com a Junta Central. Oliveira Salazar instou Pedro Teotónio Pereira a consigo colaborar porque no campo político-ideológico apesar de tudo vasto que a Ditadura Militar conseguia abarcar, os tecnocratas escasseavam50.

  • 51 Curiosamente, um dos últimos políticos a conversar seriamente com Oliveira Salazar antes da sua tom (...)
  • 52 Amigo de Oliveira Salazar e “velho sócio” do CADC. No início de 1918, quando politicamente as coisa (...)
  • 53 Todas as citações são retiradas de Pedro Teotónio Pereira, op. cit., pp. 64-66. Se recordarmos o re (...)
  • 54 Segundo testemunho de Marcelo Caetano, Pedro Teotónio apenas terá conhecido Salazar no dia 27. Pode (...)

29De facto, naquilo que a Pedro Teotónio Pereira diz respeito, Salazar não perdeu tempo. Na noite da sua tomada de posse como ministro das Finanças, logo depois do jantar, Teotónio Pereira foi fazer-lhe “uma visita à casa de um amigo comum a cuja hospitalidade” o novo ministro das Finanças “recorrera para passar aqueles momentos de grande alvoroço”51. Naquele dia, o “amigo comum, o Dr. Joaquim Dinis da Fonseca”52, telefonou a Teotónio Pereira ao princípio da noite, para “avisar que o Dr. Salazar” o “esperava às 9 horas”53. Conduzido a “uma pequena saleta” onde aguardou “curtos minutos” porque “chegara antes da hora”, aí apareceu Salazar “tranquilo e simples.” Trazia um “ar um pouco mais severo, que a vida em Coimbra necessariamente lhe imprimira durante aqueles dois anos de voluntário afastamento” – referia-se ao par de anos que mediaram entre Junho de 1926 e Abril de 1928. Salazar “escutou com uma cortesia, que não chegou a um sorriso, as felicitações” que Teotónio Pereira lhe transmitiu “com alvoroço, na qualidade de velho nacionalista com 25 anos de idade, pelo efeito galvanizador da sua posse.” Sendo óbvio já se conheciam, qualquer contacto, de maior ou menor regularidade, fora uma consequência da aproximação e proximidade crescente que passara a haver – pelo menos a partir de 1924 – entre jovens estudantes integralistas e jovens estudantes católicos através do CADC de Coimbra. Pelo facto do amigo comum não se encontrar presente para as apresentações formais que se exigiam, e pelo menos Pedro Teotónio Pereira lembrava-se de Salazar no momento da sua fugaz passagem por Lisboa, quando pela primeira vez foi sondado para ocupar a pasta das Finanças54, era óbvio que se conheciam.

30Salazar falou de seguida. Pedro Teotónio Pereira, no relato que deixou deste seu encontro, quis deixar claro, o que não significa que fosse verdade, que o titular das Finanças “estava [...] sozinho,” que não “havia nenhum partido à sua volta, nem apaniguados, nem amigos, políticos condicionando o seu apoio [talvez quisesse dizer que não havia um apoio formal do Integralismo nem do Republicanismo Conservador e, sobretudo, da Igreja]. Nem grupos, nem postulantes, nem destes impacientes aventureiros que se atrelam por toda a parte ao carro do vencedor.” Mais interessante é o juízo que em seguida Teotónio Pereira produz para justificar uma conversa a dois logo na noite do dia da tomada de posse de Oliveira Salazar:

[...] começava assim o seu labor no Governo com uma conversa quase de trabalho (igual a milhares de outras que viria a realizar com o mesmo espírito), sentando, sempre que podia, do outro lado da mesa, não propriamente um correligionário nem um membro do seu partido – que não existia –, mas um amigo que pudesse ser útil.

31Fica depois subentendido o momento em que Salazar e Teotónio Pereira se conheceram. Terá sido em Coimbra, em 1928, nas vésperas do 27 de Abril.

  • 55 É verdade que não foi possível encontrar estes artigos no citado diário católico.

Eu tinha escrito uma série de artigos nas Novidades sobre seguros sociais e seguros em geral que Salazar tinha lido, parece que com agrado, e acerca de cujas ideias não tardou em me dizer uma palavra amável55.

32Nessa altura, ficou mesmo assente que os dois se encontrariam por ocasião da próxima vinda de Salazar a Lisboa. No entanto, os “acontecimentos precipitaram-se” e nunca se chegou “a saber se essa prevista vinda era já causada pela sua entrada no Governo” que teve o comandante Mendes Cabeçadas como Presidente do Ministério. Ficou com a ideia de que assim não terá sido.

  • 56 Lendo com atenção a descrição de Pedro Teotónio Pereira que a seguir se transcreve, percebe-se clar (...)

33A conversa da noite de 27 de Abril de 1928 “durou mais – com mais vagar – do que viriam a durar outras nossas conversas oficiais do futuro, sempre sob a premência do tempo.” Pedro Teotónio Pereira, que chegou às 9, confessa ter saído apenas às 11. E muito embora nas suas Memórias se tenha preocupado em sublinhar que falaram sobretudo de “seguros sociais”, não tendo havido da parte de Salazar “desabafos políticos, nem confidências, nem o menor propósito de falar para a galeria, ali representada pelo seu único interlocutor daquela noite”, a verdade é que poderá ter sucedido precisamente aquilo que se pretende negar56. Uma importante e prolongada conversa política na qual dois conhecidos das lides políticas terão discutido a nova realidade e os desafios decorrentes da nomeação do novo ministro. Aliás, antes de 1928, Teotónio Pereira terá sempre mantido não apenas algum contacto com Salazar, mas terá também observado quase à lupa a forma como o país o ia avaliando, daí retirando também as suas próprias conclusões políticas, uma vez que não hesitou em testemunhar, não sem um certo exagero e faltando um pouco à verdade, que o

prestígio do Dr. Salazar crescera todos os dias desde a sua primeira vinda a Lisboa. Não que ele fizesse qualquer esforço para se colocar ante as luzes da ribalta ou para alargar o seu círculo de amizades ou de influências. Ao mesmo tempo tímido e orgulhoso, estava sempre disposto a ceder oportunidades a todos os mais e dava a impressão de não ter nenhuma pressa.

  • 57 Ibidem, p. 70.

34Passadas algumas semanas sobre o 27 de Abril tiveram a tal conversa sobre a reforma da “lei de seguros de João Franco.” A partir daqui iniciou-se uma colaboração entre os dois homens, e embora tenha ficado o testemunho de que terão sido os “trabalhos da reforma da lei de João Franco” a provocarem “muitas oportunidades de trocar impressões com o Dr. Salazar sobre aquele importantíssimo tema”57, certo é que um conjunto variado e complexo de circunstâncias os tornou no curto prazo não apenas íntimos cúmplices na acção política mas cúmplices no próprio convívio pessoal – o que da parte de Salazar foi pouco habitual ao longo de toda a sua vida.

A chave

  • 58 O mais longe que o Integralismo Lusitano pôde ir ficou expresso num “comunicado” tornado público a (...)
  • 59 Entre muitos exemplos: “Lamentavelmente, este talentoso jurista [Marcelo Caetano] deixou-se depois (...)
  • 60 Reconheço que será discutível comparar friamente, e sem mais, sidonismo e salazarismo (i.e. Ditadur (...)

35Independentemente das circunstâncias terem sido outras e os protagonistas em grande parte também, a verdade é que, enigmaticamente, o Integralismo Lusitano não apoiou Oliveira Salazar como sucedera anteriormente com Sidónio Pais. Também não se pôs de forma inequívoca ao lado da Ditadura Militar, como o fizera com o movimento militar que catapultou Sidónio Pais para a ribalta política58. Além disso, aqueles integralistas, e foram muitos, que se passaram para o Estado Novo foram sistemática e violentamente criticados e apodados se não de traidores, pelo menos de gente sem escrúpulos, disposta a transigir nos princípios a troco de “um prato de lentilhas”59. Com adesão ou sem ela ao sidonismo, o Integralismo Lusitano conseguiu introduzir no projecto de reforma da Constituição de 1918 alguns dos seus princípios doutrinários, enquanto Xavier Cordeiro chegou a senador e Pequito Rebelo, António Sardinha e o Visconde do Sardoal a deputados. Estes e outros factos não provocaram qualquer ruptura no seio do movimento, independentemente de não ter sido um empenho sem custos, o do Integralismo, na chamada República Nova. Mais tarde tudo seria diferente60. E neste facto residiam todas as limitações do Integralismo Lusitano e a sua total incapacidade para, enquanto formação, partido ou movimento político, se poder considerar no seu todo como uma entidade global que além de possuidora de uma doutrina coerente, agisse de forma consequente ou se insinuasse como interlocutor credível. Simplesmente, e mais do que uma vez, inúmeros integralistas não se cansaram de sublinhar que não os movia a conquista e o exercício do poder. Bastava-lhes ser uma espécie de consciência crítica da pátria e daqueles que nela viviam. Como é óbvio, e no que ao sidonismo diz respeito, a colaboração dos integralistas deve ser sempre interpretada à luz da escassa duração do regime, por um lado, da experiência histórica do País e, sobretudo, do movimento à época. Quanto à Ditadura Militar e ao Estado Novo, é indiscutível que para além de outros argumentos que possam relacionar a distância maior ou menor do Integralismo com o facto de ambas as realidades contrariarem em vários pontos mais ou menos essenciais da sua doutrina, a verdade é que aos integralistas sempre lhes desgostou a realidade. Fazer política era, como é, a arte do compromisso, da transigência, sobretudo quando se actua sujeito à indagação e às pressões. Aqueles que sempre se consideraram, e ainda se consideram, como os fieis interpretes da doutrina, não apenas nunca quiseram descer ao concreto, como além de se pretenderem manter como guardiães de uma tradição condenaram todos aqueles que, saindo do Integralismo Lusitano, procuraram adaptar os seus princípios doutrinários integralistas à realidade e não o contrário. Isto é, quiseram fazer tudo, menos política.

  • 61 Basta ler os artigos de Marcelo Caetano na Ordem Nova, revista muitas vezes apelidada de fascista o (...)
  • 62 Na conferência pronunciada em Junho de 1933, em Lisboa, no Teatro de São Carlos, o subsecretário da (...)
  • 63 Convém recordar que nunca Oliveira Salazar reconheceu ter sido o Estado Novo um legado, ainda que p (...)

36E a verdade é que, entre muitos outros, Pedro Teotónio Pereira acabou por chegar à colaboração política com Salazar e a tornar-se numa das figuras de referência do Estado Novo, pode dizer-se, muito mais como católico do que como integralista. Parte das suas referências permaneceram e permaneceriam integralistas, o seu estilo, sobretudo quando ainda jovem subsecretário das Corporações e da Previdência Social e, depois, como ministro do Comércio e Indústria, parecia o do estudante dirigente da Junta Escolar do Integralismo ou, até, dos nacionais-sindicalistas que protagonizaram a vida política portuguesa nos primeiros anos da década de 1930. Mas na realidade, era um “democrata-cristão” muito heterodoxo e pragmático à maneira de Salazar, durante as décadas de 1920 e 1930 muito mais marcado pela experiência fascista italiana do que o Presidente do Conselho. Mas terá Pedro Teotónio Pereira, como por exemplo Marcelo Caetano61, sido sempre muito mais um “democrata cristão” do que um integralista sem o saber ou sem ser capaz de o reconhecer? O congresso de Coimbra de 1924, de que acima se falou, terá sido a sua estrada de Damasco da democracia cristã, acentuando-se após a morte de António Sardinha a 10 de Janeiro de 1925? Não o sabemos, embora seja verdade que em 1926 e 1927 as ligações à imprensa e os textos que escrevia o adivinhavam ainda mais integralista que outra coisa. Porém, a sua obra corporativa, a começar pelo Estatuto do Trabalho Nacional, era de inspiração social católica, ainda que lá tenha chegado através do exemplo italiano dado por Mussolini62. Por outro lado, é difícil que a sua aproximação a Oliveira Salazar, antes e depois de Abril de 1928, quando o futuro Presidente do Conselho dava os seus primeiros passos na difícil política lisboeta, não se fizesse através daquela que terá sido a sua capacidade para estabelecer pontes – como muitos outros também o fizeram – entre personalidades e programas. Para que essa tarefa acontecesse com êxito, é pouco credível que Pedro Teotónio Pereira se apresentasse como Integralista. Formalmente deixou de sê-lo em 1927, de facto talvez ainda antes. Não como a referência moral – o que nunca sucedeu —, mas como a referência programática. Neste sentido, o seu contributo político e ideológico para a formatação do Estado Novo teve muito pouco de integralista63, o que naturalmente contribuiu para o encerramento de um capítulo na história do salazarismo e do Integralismo Lusitano. Neste caso, aqueles que abandonaram a “torre de marfim” (a que se referiu Pedro Teotónio Pereira em missiva já citada enviada a António Sardinha) foram ainda importantes, não por terem retirado o Integralismo Lusitano do seu elitismo e, portanto, do seu isolamento social e político, mas terem ajudado renitentemente ao fabrico de um equívoco: o de que o Integralismo Lusitano fora uma das referências e essenciais do salazarismo, a começar pelo texto constitucional de 1933.

Notes

1 Base VIII do Estatuto da Junta Central do Integralismo Lusitano (Novembro de 1916). Citado em Leão Ramos Ascensão, O Integralismo Lusitano, s.e., s.l., Edições Gama, 1943, p. 41.

2 A história da fundação do Integralismo Lusitano, assim como as peripécias da edificação e caracterização do seu ideário original, encontra-se em José Manuel Alves Quintas, Filhos de Ramires. No Advento do «Integralismo Lusitano», 1913-1916”. Dissertação de Mestrado em História Contemporânea (século XX), Lisboa, Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, 1997; António Costa Pinto, “A formação do integralismo lusitano: 1907-17” in Análise Social, vol. XVIII (72-73-74), 1982-3°.-4°.5°., pp. 1409-1419 e Manuel Braga da Cruz, “O Integralismo Lusitano nas origens do Salazarismo” in Monárquicos e Republicanos no Estado Novo, 1.a ed., Lisboa, Publicações D. Quixote, 1986, pp. 13-74.

3 “Pobre, filho de pobres, devo àquela casa [refere-se ao Seminário] grande parte da minha educação que de outra forma não faria; e ainda que houvesse perdido a fé em que lá me educaram, não esqueceria nunca aqueles bons padres que me sustentaram quase gratuitamente durante tantos anos, e a quem devo, além do mais, a minha formação e disciplina intelectual.” Oliveira Salazar, “A Minha Resposta (No processo de sindicância à Universidade de Coimbra, 1919” in António de Oliveira Salazar, Inéditos e Dispersos, I, Escritos Político-Sociais e Doutrinários (1908-1928), Organização e Prefácio de Manuel Braga da Cruz, s.e., Venda Nova, Bertrand Editora, 1997, p. 242.

4 António Costa Pinto, “A formação do integralismo lusitano: 1907-17” in Análise Social, vol. XVIII (72-73-74), 1982-3°.-4°.5°., p. 1413. “Consonante com esta atitude, estes [futuros integralistas] revelavam um elitismo e um aristocratismo intelectuais que se manifestam nos seus próprios comportamentos no interior da comunidade estudantil. Não era só por ironia que Gonçalves Cerejeira descrevia Sardinha «de monóculo irritante [...] com aqueles ares superiores e pretensiosos», ou H. Raposo «expondo à noite, no França Amado, olimpicamente, a sua erecta figura de Adónis.»” Gonçalves Cerejeira, Vinte Anos de Coimbra, Lisboa, 1945, p. 214, citado em António Costa Pinto, op. cit..

5 “O Integralismo teve uma organização: Juntas Provinciais, Municipais e Escolares, núcleos, e chegou mesmo a organizar-se nos meios operários. [...]” Leão Ramos Ascensão, op. cit., p. 82.

6 Leão Ramos Ascensão, op. cit., 43, p. 82. De qualquer forma, convém também sublinhar que a generalidade dos movimentos e agremiações políticas têm uma matriz essencialmente elitista. No entanto, ela pode ser atenuada, e às vezes é atenuada, quando a sua implantação medra e alastra pelo todo social. Por outro lado, o elitismo de uma força política também tende a aligeirar-se quando esta é criada para servir, ou dizer servir, os interesses daqueles grupos que ocupam a base da pirâmide social. Mas mesmo nestes casos o retrato social dessas formações políticas não é totalmente nítido e a sua implantação democrática a maior parte das vezes uma miragem. Sobre a base social do Integralismo Lusitano, Hermínio Martins, Classe, Status e Poder e outros ensaios sobre o Portugal contemporâneo, s.e., s.l., Imprensa de Ciências Sociais, 1998, p. 24, onde afirma: “Pela sua categoria social, cultura e carreira universitária, os chefes integralistas não eram casos atípicos na elite intelectual portuguesa. Entre os mais brilhantes categorizados, muitos provinham de famílias de latifundiários que, em dois ou três casos, possuíam grandes propriedades rurais no Alentejo e estavam, assim, em condições de financiarem parcialmente as actividades organizadoras, jornalísticas e conspiradoras do movimento”.

7 Rolão Preto, Para Além da Guerra, s.e., s.l., Edições Gama, 1942, p. 16. Uma vez que o sidonismo cai fora das balizas cronológicas desta análise, preferiu-se ignorar os comentários respeitantes ao contributo do Integralismo para o triunfo, ainda que espúrio, do sidonismo.

8 É verdade que pelo menos uma individualidade teve essa premonição. Na Primavera de 1913 “o correspondente do jornal A Capital em Paris, Aquilino Ribeiro, avisava os republicanos portugueses contra a maior de todas as ameaças: a nova moda intelectual em Paris. A França racionalista, anticlerical e pacifista, que servira de referência à República portuguesa, já não existia. Em Paris, o «director espiritual» da geração nova, Bergson, contestando a ciência em nome da intuição, abrira o caminho ao regresso do catolicismo. Os estudantes da Sorbonne, antes do ténis, iam à missa e comungavam. A Action Française [...] dominava os cabeçalhos dos jornais, exigindo uma guerra de vingança contra a Alemanha. A massa do povo francês ainda parecia democrática, mas as elites eram já reaccionárias. Ora, notava Aquilino, «Portugal é uma colónia intelectual da França». A República portuguesa estava em perigo. O País tinha que isolar-se, «pôr em quarentena as novas remessas de pensamento e de política expedidas de França. A democracia portuguesa devia fincar-se numa «opinião nossa, temerária que seja, errónea que seja», e esquecer Paris.” Rui Ramos, “A Segunda Fundação (1890-1926)”, in História de Portugal, vol. VI, dir. José Mattoso, 1.a ed., s.l., Círculo de Leitores. 1994, pp. 540-541. O principal demérito da profecia residia na sua natureza demasiadamente genérica.

9 Com Raul Proença a merecer um destaque especial na sua cruzada contra os integralistas mais diversos. O início das polémicas entre a Seara Nova e a Monarquia, “órgão do snobismo integralista”, foi publicado em Raul Proença, Polémicas (Organização, Prefácio e Cronologia de Daniel Pires), 1.a ed., Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1988, pp. 347-360.

10 “Muito se tem escrito sobre a proximidade ideológica entre Salazar e os integralistas lusitanos, havendo mesmo uma corrente historiográfica (de que se destacam, entre outros, Manuel Braga da Cruz e António Costa Pinto) que tem vindo a considerá-los, no campo da produção ideológica, como os principais responsáveis da criação das condições propícias ao derrube daquilo a que chamam o “Estado liberal”. Para Manuel Braga da Cruz, a pura “democracia-cristã” de Salazar, que o era inicialmente, ter-se-ia tornado depois uma “democracia-cristã pervertida e invertida porque ‘integralizada’ e ‘fascizada’”. José Manuel Quintas, “Escritos da Juventude: Origens do Pensamento de Salazar” in História, Ano XX (nova série), n.o 4-5, Julho-Agosto, 1998, p. 80.

11 “Movimento doutrinário e político de oposição ao regime democrático e parlamentar da Primeira República, foi com expectativa crítica que o integralismo lusitano viu o movimento do 28 de Maio, a instauração da Ditadura e a formação do Estado Novo. Bem cedo, porém, se viria dele a demarcar, passando mesmo alguns dos seus mais destacados elementos a engrossar as fileiras da oposição ao regime salazarista.” Manuel Braga da Cruz, “O Integralismo Lusitano nas origens do Salazarismo” in op. cit., p. 13. Ou ainda: “Apesar de muitos dos militares e civis que apoiaram o golpe de 28 de Maio de 1926 terem sido inspirados ideologicamente pelo IL [Integralismo Lusitano], este movimento desempenhou um papel menos importante na consolidação do ‘Estado Novo’ de Salazar. Com efeito, o IL encontrava-se enquanto movimento político, relativamente enfraquecido aquando do desencadear do golpe de Estado de 1926, com a cisão da Acção Realista Portuguesa, por clivagens no interior do movimento monárquico. Por outro lado, a dispersão dos seus quadros foi também rapidamente observada pela diversidade de atitudes políticas após a institucionalização da Ditadura, muito embora a sua institucionalização ideológica esteja presente em vários movimentos políticos e tenha moldado parte da ideologia do regime de Salazar.” António Costa Pinto, “Integralismo Lusitano” in Dicionário de História de Portugal, volume VIII, suplemento F/O, António Barreto e Maria Filomena Mónica (coord.), 1.a ed., Porto, Figueirinhas, 1999, p. 280. É verdade que uma interpretação extrema da promiscuidade existente entre o Integralismo Lusitano e o Estado Novo, sustentou que os “chefes integralistas, sem preocupações com a actividade política do grupo, puderam dedicar-se completamente ao trabalho de elaboração teórica da doutrina e vieram a lançar as bases das teorias históricas, literárias, artísticas e rácicas do Estado Novo.” António José Telo, Decadência e Queda da I República (2.° volume), s.e., Lisboa, A Regra do Jogo, 1984, p. 63. É notável a fé demonstrada pelo autor na capacidade do Integralismo Lusitano para influenciar o curso dos acontecimentos políticos a favor dos interesses da direita “conservadora”, sobretudo depois da dissolução da Junta Central do Integralismo Lusitano, tanto no imediato como no médio ou longo prazo. Chega a escrever: “A «Nação Portuguesa» procuraria manter-se sempre no campo teórico, o que fez com que a sua influência fosse enorme. É nela que se desenvolve o que viriam a ser as teorias do «Estado Novo», na literatura, história, teoria jurídica, e até mesmo nos princípios de organização do Estado.” António José Telo, Decadência e Qxieda da Primeira República, 1.° vol., Lisboa, A Regra do Jogo, 1980, pp. 65-67.

12 Pouco antes ou pouco depois de Oliveira Salazar ter ocupado a pasta das Finanças, o autor não é claro, ficou registado o seguinte testemunho: “Neste passo, também não nos parecia [aos Tenentes do 26] inteiramente boa uma fórmula inspirada apenas no «Integralismo Lusitano», recentemente objectivado pelo grupo coimbrão de António Sardinha [...] por ser muito empírica e pouco orgânica, mas que viria a ser o germe de um «nacionalismo salazarista» com janelas abertas à convivência e colaboração.” Assis Gonçalves, Intimidades de Salazar. O Homem e a sua Época (Memórias do seu Secretário nos primeiros sete e difíceis anos da sua Vida Pública), 2.a ed., Lisboa, Liv. Bertrand Editora, 1972, p. 88. Quanto às múltiplas opções, formações e soluções político-ideológicas de direita, e em especial da direita radical, disponíveis em Portugal entre meados das décadas de 1920 e 1930 ver, entre outros, Ernesto Castro Leal, Nação e Nacionalismos: A Cruzada Nacional de D. Nuno Alvares Pereira e as Origens do Estado Novo (1918-1938), 1.a ed., Lisboa, Edições Cosmos, 1999 e António Costa Pinto, “A Direita Radical e a Ditadura Militar: A Liga Nacional 28 de Maio (1928-1933)” in Conflitos e Mudanças em Portugal: 1974-1984, Eduardo de Sousa Pereira e Walter C. Opello (ed.), s.e., Lisboa, Teorema, 1985, pp. 23-39; idem, “O Fascismo e a Crise da Primeira República: Os Nacionalistas Lusitanos (1923-25)” in Penélope: Fazer e Desfazer História, n.o 3, Junho, 1989, pp. 44-62.

13 Há quem tenha falado na promoção de “realizações unitárias”. António José Telo, op. cit., p. 65.

14 Em 1921, com 18 anos, já Pedro Teotónio Pereira se correspondia com António Sardinha e frequentava as redacções dos jornais A Monarquia e A Época. Foi dirigente estudantil pelas cores integralistas. Após a sua ruptura institucional com o movimento – de que mais frente se dará notícia – reforçou a sua aproximação a outros sectores nacionalistas no seio da Ditadura Militar. Colaborou com Oliveira Salazar a partir do momento em que este ocupou, em Abril de 1928, a pasta das Finanças. Seria seu subsecretário de Estado das Corporações e Previdência Social (1933-1936), ministro do Comércio e Indústria (1936-1937) e ministro da Presidência (1958-1961). Foi agente especial junto do generalíssimo Franco (1937-1938) e embaixador em Madrid (1938-1944), no Rio de Janeiro (1945), em Washington (1946-1949 e 1961-1963) e em Londres (1953-1958). Uma doença grave afastou-o de qualquer responsabilidade política a partir de 1963. Até à sua morte-14 de Novembro de 1972-ocupou o seu cargo de administrador da Fundação Calouste Gulbenkian. No início da década de 1950, foi administrador do Banco Nacional Ultramarino. Foi membro vitalício do Conselho de Estado.

15 Convém salientar que, tanto quanto é possível apreender, o “sidonismo”, ao contrário da Ditadura Militar e do Estado Novo, proporcionou muito mais protagonismo ao “reduzido grupo que era o integralismo lusitano, nas suas manobras de influência e intriga palaciana, única forma de intervenção política ao seu alcance e de acordo, aliás, com as suas concepções elitistas de poder.” Manuel Braga da Cruz, op. cit., pp. 19-20.

16 Jornal diário, vespertino, órgão oficial do Integralismo Lusitano. Iniciou a sua publicação a 12 de Fevereiro de 1917, sendo encerrado em Janeiro de 1919. O seu reaparecimento data de 18 de Agosto daquele ano.

17 Pedro Theotónio Pereira, Memórias. Postos em que servi e algumas recordações pessoais, vol. I, Ia. ed., s.l., Verbo, 1972, pp. 34 e 36. Em 1936, no prefácio a um livro da autoria do Conde d’Aurora, um dos seus mais fiéis colaboradores na Subsecretaria de Estado das Corporações, não deixava de sublinhar que o importante era a “acção [...] grande bela poesia do esforço”, o “trabalho construtivo” e o “sacrifício” e não as “abstracções dos caçadores de utopias.” Pedro Teotónio Pereira, “Prefácio” in Conde D’Aurora, Pela Grei. Exortações, s.e., Porto, 1936, p. 10.

18 A designação de “segunda geração”, com as implicações de natureza político-ideológica e também pessoal que encerravam, era utilizada pelos próprios integralistas, a começar pelos seus reais ou putativos membros dessa geração mais nova. Numa carta enviada por Pedro Teotónio Pereira a Hipólito Raposo, e na qual reafirma a o fim da sua “obediência [...] à Junta Central”, a dado passo refere-se “à minha geração – a 2.a do Integralismo”. Carta de Pedro Teotónio Pereira para Hipólito Raposo, Lisboa, 30 de Abril de 1927. Espólio de José Hipólito Raposo, Correspondência, Arquivo de Teresa Martins de Carvalho, Lisboa. Este documento foi-me gentilmente cedido pelo Dr. José Manuel Quintas, a quem agradeço. Daqui em diante todos os documentos citados, apresentando como referência este mesmo espólio, têm implícito este mesmo agradecimento ao Dr. José Manuel Quintas.

19 No início da década de 1920, juntamente com o chamado grupo da Seara Nova, o Integralismo Lusitano era a única formação política com um projecto ideológico minimamente coerente e construtivo. Nesta altura, este facto era de extrema importância, sobretudo se tomarmos como boas palavras de Raul Proença: “Como os senhores estão cegos! Pois não viram ainda que o facto que mais compromete a existência da República é o alastramento das ideias monárquico-integralistas entre a mocidade das escolas, e que esse facto se deve à inanidade mental do regime? ! A juventude da escola apega-se à ideologia monárquica, porque não encontra, no terreno dos factos, senão uma República monstruosa, e, no terreno dos princípios, a completa ausência duma ideologia republicana de reconstrução e revolução.” Raul Proença, “A ‘Seara Nova’ e certos republicanos” in Seara Nova, n.o 1, 15 de Outubro de 1921. Citado em António Reis, “Raul Proença: Biografia de um intelectual político republicano”, 2 volumes. Dissertação de Doutoramento em História Cultural e das Mentalidades, Lisboa, Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, 2000, p. 410 (nota 856).

20 O outro órgão do Integralismo Lusitano, a revista Nação Portuguesa, publicou-se entre 1914 e 1926, em três séries. “A primeira de 1914a 1916, sob a direcção de Monsaraz; a segunda, de 1922 a 1923 (12 números), sob a direcção de Sardinha; a terceira, de 1924 a 1926, ainda sob a direcção de Sardinha e depois de Manuel Múrias.” A. Jacinto Ferreira, Integralismo Lusitano: Uma doutrina política de ideias novas, s.e., Lisboa, Edições Cultura Monárquica, 1991, p. 41n.

21 Idem, ibidem, p. 63. “O jornal [A Monarquia] era constantemente apreendido. Quando a polícia o não fazia, as autoridades irregulares da República, instaladas na Brasileira do Rossio, chamavam o caso a si: arrancavam violentamente aos ardinas os exemplares que estes tinham para a venda e com eles acendiam enormes fogueiras rituais em desagravo à república ofendida...” Leão Ramos Ascensão, op. cit., p. 66. “political violence was a constant occurrence in urban Portugal towards the end of Constitutional Monarchy and during the years of the First Republic. The early 1920’s were the most violent period of all.” António Costa Pinto, “Portugal: Crisis and Early Authoritarian Takeover” in Dirk Berg-Schlosser e Jeremy Mitchell (ed.), Conditions of Democracy in Europe, 1919-39: Systematic Case Studies, s.e., s.l., Macmillan, 2000, p. 367.

22 António José Telo, op. cit., pp. 63-64.

23 “[...] eu resolvo hoje com a serenidade e o desassombro com que outrora os Juizes do Povo cingindo os distintivos do seu cargo iam gritar a Verdade aos Reys.” Pedro Teotónio Pereira, “Da Junta Escolar de Lisboa à JUNTA CENTRAL do Integralismo Lusitano”, 22 de Fevereiro de 1922. Correspondência de Pedro Teotónio Pereira (CPTP), Espólio António Sardinha (EAS), Biblioteca João Paulo II-Universidade Católica Portuguesa (BJPII-UCP).

24 Órgão de imprensa monárquica afecto a D. Manuel II.

25 Idem, ibidem.

26 Pedro Theotónio Pereira, Memórias. Postos em que servi e algumas recordações pessoais, vol. I, 2a. ed., s.l., Verbo, 1972, p. 34.

27 Pedro Teotónio Pereira não tinha ainda completado 20 anos.

28 Carta de Pedro Teotónio Pereira a António Sardinha, 7 de Março de 1922. CPTP, EAS, BJPII-UCP.

29 Idem, ibidem.

30 O motivo deste incidente é ainda mais estranho se nos lembrarmos que no mês de Abril de 1922 foi firmado o chamado Pacto de Paris entre Aires d’Ornelas e o Conde Almada e Avranches que encontrou uma solução que pouco duraria para pôr fim “às dissensões entre a Família Monárquica.” Em Novembro de 1925, os Integralistas denunciaram o Pacto de Paris. A. Jacinto Ferreira, op. cit., pp. 67 e 73.

31 Citado em António José Telo, op. cit., p. 59.

32 “[...] uma concentração militar que se estendia por aquelas colinas então inteiramente rústicas e que se situavam dentro de um quadrilátero limitado por Marquês de Pombal, Avenida António Augusto Aguiar, Marquês da Fronteira e Rua Artilharia Um.” Pedro Teotónio Pereira, op. cit., pp. 52-53.

33 Idem, ibidem, pp. 52-54.

34 O mais relevante, nas vésperas do 28 de Maio, foi a criação por alguns integralistas de 2.a geração da revista Ordem Nova e em de que se destacou Marcelo Caetano. Desejava-se que a jovem publicação fosse muito interventora e agitadora de consciências. As acusações de fascismo que Raul Proença lançou à Ordem Nova e aos seus membros foram muito mais notados do que a sua publicação, tornando-a, por isso, num acontecimento político. Em dúzia e meia de linhas, numa polémica que claramente preferiam não ter mantido com o antifascismo demonstrado por Raul Proença (a propósito de um artigo publicado por este na Seara Nova), confessavam não ser “camisas negras” e não percebiam a razão pela qual o “Sr. Raul Proença” dava “indícios duma verdadeira fobia pelo sistema político que restituiu à Itália a dignidade de nação.” Sorriam perante a “má vontade” do “Sr. Raul Proença” e a “incoerência” com que comentava “os actos de Mussolini e a situação política italiana actual”. Confessavam responder-lhe por uma questão de “bom senso”, algo que, convém registar, não é apanágio daqueles que, pertencendo à geração de Marcelo Caetano e Pedro Teotónio Pereira, em Portugal e por essa Europa fora, procuravam mudar o mundo com os olhos postos na Itália fascista. Era tudo de tal forma pacífico que até prometiam a Raul Proença não lhe “dar uma purga de óleo de rícino.” Ordem Nova, ano 1, n.o 2, Abril de 1926, pp. 71-72.

35 Douglas Wheeler, História Política de Portugal de 1910 a 1926, s.e., s.l., Publicações Europa-América, s.d., p. 261.

36 “Em Março de 1926, cheirando a revolução, cuja trama podiam acompanhar ao pormenor na redacção de ‘A Voz’ [na verdade A Época], onde Manuel Múrias servia como elemento de ligação e porta-voz dos oficiais conspiradores, Marcello Caetano e Pedro Teotónio Pereira fundam a ‘Ordem Nova’ [...].” Manuel Maria Múrias, De Salazar a Costa Gomes, 2.a ed., Lisboa, Nova Arrancada, 1998, p. 160.

37 Veja-se a lista incompleta, como o próprio autor confessou, de integralistas que participaram no 28 de Maio em Oscar Paxeco, Os que Arrancaram em 28 de Maio, s.e., Lisboa, Editorial Império, 1937, p. 9. Além de Pedro Teotónio Pereira, lá estão Pequito Rebelo, João do Amaral, Rodrigues Cavalheiro, Afonso Lucas, etc.. “O Integralismo Lusitano, seguro das suas responsabilidades, não podia deixar de acompanhar a ânsia geral de salvação nacional e, inclusivamente, de colaborar com todas as formas de oposição.” Podia ser-lhe assim atribuído "não oficialmente, mas por acção pessoal de muitos aderentes, intervenção activa nos movimentos militares de 18 de Abril de 1925 e de 28 de Maio de 1926, bem como nos acontecimentos subsequentes que caracterizaram a Ditadura Militar.” A. Jacinto Ferreira, op. cit., p. 82 (itálico nosso).

38 Na altura dirigia a revista Nação Portuguesa e colaborava com o jornal católico e monárquico A Época. Uns anos mais tarde, em 1928, Marcello Caetano seria o secretário de redacção daquela revista.

39 A ideia de que o 28 de Maio foi, à partida, e indiscutivelmente, ou um golpe necessariamente proto-salazarista ou o início de uma caminhada em direcção à afirmação de uma ordem autoritária preestabelecida que desembocaria no Estado Novo, não se encontra ainda totalmente abandonada. A incerteza mais absoluta quanto àquele poderia ser o resultado final do 28 de Maio, no preciso momento em que começou a acontecer, pode ser apreciada num pedaço de prosa publicado quase cinquenta anos mais tarde. “Quando o sargento da força da Guarda Nacional Republicana, que tinha a seu cargo a vigilância do Palácio de S. Bento, fechou pesadamente os portões de ferro que lhe davam acesso na entrada principal e se retirou depois tilintando o molho de chaves antigas, mal sabia ele e mal sabiam os escassos espectadores dessa cena que a interrupção saída do 28 de Maio ia ter consequências a um tempo tão extensas e tão profundas.” Pedro Teotónio Pereira, op. cit., p. 59.

40 Idem, ibidem, p. 60.

41 “Clarins que esmorecem” in Época, (n.o 2447, ano VIII), 6 Junho de 1926 (1.a página).

42 Pedro Teotónio Pereira, op. cit., pp. 60-61.

43 Sobre a história política de Portugal neste período ver Damião Peres, História de Portugal. Edição Monumental. Comemorativa do 8.°. Centenário da Fundação da Nacionalidade. Suplemento, s.e., Porto, Portucalense Editora, 1954, pp. 425-497 e Fernando Rosas (coord.), “O Estado Novo (1926-1974)”, in História de Portugal, vol. VII, dir. José Mattoso, 1.a ed., s.l., Círculo de Leitores/Ed. Estampa, 1994, pp. 151-229.

44 Este vespertino era dirigido pelo antigo exilado e figura de proa do Integralismo desde 1914, João do Amaral. Pretendia, entre outras coisas, promover um consenso político alargado à direita não apenas em torno dos pontos essenciais do chamado ideário nacionalista mas, sobretudo, da liderança pessoal de João do Amaral. Publicou-se em Lisboa a partir o dia 30 de Março de 1927, no rescaldo da revolta frustrada iniciada no Porto no início do mês de Fevereiro. Foi suspenso a 13 de Agosto, na sequência do golpe radical de direita fracassado que tivera lugar na véspera - o “golpe dos Fifis”. N’A Ideia Nacional colaboraram várias personalidades e gerações do Integralismo Lusitano, entre elas Pedro Teotónio Pereira, Manuel Múrias ou Marcelo Caetano.

45 “Nestes dez ou doze anos decorridos desde que em Portugal se ergueu a bandeira do Integralismo, impressionante se torna, na verdade, constatar como os factos e os tempos se têm empenhado em nos dar razão! []E logicamente nem poderia deixar de o estar, hoje que os povos civilizados atravessam uma crise aguda, um momento histórico particularmente grave, para fazer face ao qual necessário se torna procurar remédios a sério. O século XIX bastou. Ele serviu largamente para campo de experiência dos imortais princípios. Permitiu bem que todos os povos esbanjassem as suas reservas morais materiais que durante séculos de construção haviam arrecadado, para se darem à extravagância de introduzirem o sistema democrático, ao bom figurino francês.” Pedro Teotónio Pereira, “O Levantar da Feira” in A Ideia Nacional, 13 de Abril de 1927 (p. 1,1.a coluna-Editorial).

46 Os signatários deste documento eram José Maria Ribeiro da Silva, Pedro Teotónio Pereira, Manuel Márias, Rodrigues Cavalheiro, Marcelo Caetano e Pedro de Moura e Sá. Carta dirigida à Junta Central do Integralismo Lusitano, Lisboa, 23 de Abril de 1927. Espólio de José Hipólito Raposo, Correspondência, Arquivo de Teresa Martins de Carvalho, Lisboa.

47 Manuel Braga da Cruz (organização), António de Oliveira Salazar, Inéditos e Dispersos. II. Estudos Económico-Financeiros (1916-1918), Tomo 2, s.e., Venda Nova, Bertrand Editora, 1998, pp. 207-313.

48 António José Telo, “A obra financeira de Salazar: a «ditadura financeira» como caminho para a unidade política, 1928-1932” in Análise Social, vol. XXIX (128), 1994, pp. 779-800 e Fernando Rosas, op. cit., pp. 164-206.

49 Se não a melhor, pelo menos a mais interessante definição dos grupos existentes no seio do Integralismo, “na sua relação com o fascismo internacional e com as únicas escolhas ideológicas do «Estado Novo»” encontra-se em Hermínio Martins, op. cit., pp. 27 e 28.

50 Caso se considere, o que é aliás bastante discutível, que Oliveira Salazar chegou ao Ministério das Finanças como homem de mão da Igreja Católica, podemos fazer recuar ao ano de 1924 e à realização do Congresso Preparatório da União Católica dos Estudantes Portugueses, no qual Pedro Teotónio Pereira e Marcelo Caetano participaram, na qualidade de jovens dirigentes estudantis integralistas, o princípio de uma colaboração política retomada a partir 1928. No entanto, não existe qualquer testemunho de que Salazar tenha então conhecido os seus dois futuros jovens colaboradores, nem que este evento de Coimbra tenha tido qualquer influência no sucedido a quatro anos de distância. M. D’Almeida Trindade (Reitor do Seminário Maior de Coimbra), O Padre Luís de Melo e a Sua Época (1885-1951), s.e., Coimbra, Casa do Castelo-Editora, 1958, pp. 257-258. Novidades, 31 de Março a 4 de Abril de 1924 e, ainda, o número de 6 de Abril. O jornal A Época, também deu destaque ao evento. O Século tratou-o a 2 e 3 de Abril, tendo o Diário de Notícias dado alguma cobertura noticiosa aos factos. Do ponto de vista da história da Democracia Cristã conimbricence, o congresso foi analisado em Manuel Braga da Cruz, As Origens da Democracia Cristã e o Salazarismo, s.e., s.l., Editorial Presença, s.d. (1980), pp. 251-258. No decurso dos trabalhos, Pedro Teotónio Pereira declarou, com “palavras cheias de sinceridade e de humildade cristã”, que tinha andado, até à data, “longe” da orientação que o Congresso discutiu e aprovou. Reconheceu que “ela era a única própria de católico, e que daqui por diante por ela iria traçar o seu caminho.” M. D’Almeida Trindade, op. cit., p. 258. Parece ter sido este acontecimento político, e tão só, um importante sinal político no sentido de uma aproximação entre as juventudes estudantis integralistas e as juventudes do CADC.

51 Curiosamente, um dos últimos políticos a conversar seriamente com Oliveira Salazar antes da sua tomada de posse em Abril de 1928, e um dos primeiros a fazê-lo depois desta, Duarte Pacheco e Pedro Teotónio Pereira, eram política e ideologicamente de campos distintos.

52 Amigo de Oliveira Salazar e “velho sócio” do CADC. No início de 1918, quando politicamente as coisas corriam de feição aos católicos, Salazar, Joaquim Dinis da Fonseca e muitos outros estiveram presentes num jantar no Palace Hotel de Coimbra, e aí participaram numa “festa” em que se reuniram os “sócios mais antigos” do Centro Académico. Franco Nogueira, Salazar, I, A mocidade e os princípios (1889-1928), Estudo Biográfico, s.e., s.l., Livraria Civilização Editora, s.d., pp. 181-182.

53 Todas as citações são retiradas de Pedro Teotónio Pereira, op. cit., pp. 64-66. Se recordarmos o relato do primeiro encontro que Salazar teve com Marcelo Caetano, percebemos que neste caso o que poderia estar realmente em causa na colaboração então iniciada não seria qualquer cumplicidade de natureza estritamente política, mas muito mais de natureza técnica, neste caso jurídica. Marcelo Caetano, Minhas Memórias de Salazar, 3a edição, Lisboa, Ed. Verbo, 1977, pp. 23-25.

54 Segundo testemunho de Marcelo Caetano, Pedro Teotónio apenas terá conhecido Salazar no dia 27. Pode ser que tenha razão. Mas as condições em que escreveu este seu testemunho permitem pensar que se tratou de um dos muitos lapsos que esse seu importante trabalho contém. Marcelo Caetano, op. cit., p. 23. Informação que pode ser recolhida junto de Manuel Alves de Oliveira ajuda a sustentar a tese de um conhecimento prévio: “Só em Abril de 1928 Salazar deixou, pela segunda vez, a sua cadeira de Lente de Coimbra para assumir o encargo da pasta das Finanças. A partir de aí se estabeleceram os contactos mais íntimos de Pedro Teotónio Pereira com o Professor de Coimbra [...]”. Manuel Alves de Oliveira, “Pedro Theotónio Pereira – da nossa saudade e em achega às suas Memórias —” in Gil Vicente. Revista de Portugalidade, vol. XXIV, 49.° ano, 2.a série, Guimarães, 1973, p. 9.

55 É verdade que não foi possível encontrar estes artigos no citado diário católico.

56 Lendo com atenção a descrição de Pedro Teotónio Pereira que a seguir se transcreve, percebe-se claramente que em duas horas se terá falado muito pouco de “seguros sociais”: “À saída disse-me:
– Voltaremos a encontrar-nos. Temos muito que fazer. Preciso de quem me ajude. Pense na questão dos seguros sociais e também na actualização da lei de João Franco”. Idem,
ibidem, p. 66.

57 Ibidem, p. 70.

58 O mais longe que o Integralismo Lusitano pôde ir ficou expresso num “comunicado” tornado público a 14 de Agosto de 1930. Nele a Junta Central congratulava-se “de ver reconhecidos e proclamados pelos Poderes Públicos alguns dos princípios em que deve assentar a verdadeira reconstrução nacional.” Interpretava “as palavras” de Oliveira Salazar” proferidas a “30 de Junho [i.e. Julho] último” como “um apelo de salvação pública”, pelo que os “filiados da sua organização” que o desejassem poderiam “cooperar oportunamente com a Ditadura Militar.” Mais tarde, em Julho de 1932, uma outra nota publicada na revista Integralismo Lusitano – Estudos Portugueses, continha já opiniões de muito “maior reserva” face à evolução da Ditadura Militar. A. Jacinto Ferreira, op. cit., pp. 85-88.

59 Entre muitos exemplos: “Lamentavelmente, este talentoso jurista [Marcelo Caetano] deixou-se depois seduzir pela ambição do mando, e acabou, não só por abandonar a doutrina que tão brilhantemente havia defendido, como inclusivamente por se opor à sua possível realização, facilitando o campo aos que a contrariavam.” A. Jacinto Ferreira, op. cit., p. 11.

60 Reconheço que será discutível comparar friamente, e sem mais, sidonismo e salazarismo (i.e. Ditadura Militar pós-Abril de 1928). No entanto, não parece que tenha sido o reconhecimento sistemático e objectivo das diferenças entre as duas realidades que suscitou a total indisponibilidade de muitos integralistas quanto à possibilidade de um entendimento com um regime e/ou um governo dirigidos por Oliveira Salazar.

61 Basta ler os artigos de Marcelo Caetano na Ordem Nova, revista muitas vezes apelidada de fascista ou de um integralismo fascizado. Juntamente com Albano Pereira Dias de Magalhães, Marcelo Caetano repartia a responsabilidade e o título de “redactor fundador”. Estreou-se no número inaugural com um texto de pendor “monárquico e católico, apostólico, romano”, absolutamente inofensivo, intitulado “A falência do Senhor dos Passos”. De qualquer forma, parece ter provocado algumas reacções. Veja-se uma pequena nota da autoria de Marcelo Caetano no n.o 2 da Ordem Nova (Abril de 1926, pp. 67 e 68). Mais tarde referiu-se à sua passagem por aquilo que se suspeita ser a Ordem Nova nos seguintes termos: “Cedo comecei a escrever nos jornais. Ainda estudante destaquei-me quer na acção católica, quer como militante do movimento de doutrinação monárquica, denominado Integralismo Lusitano, mantendo em 1925 [sic] uma pequena revista combativa.” (itálico nosso). Marcelo Caetano, op. cit., p. 16. Marcelo Caetano dá muito mais importância à sua passagem, em 1927, por A Ideia Nacional e, mais tarde, pelo jornal A Voz. No primeiro número da revista, fazia-se a promessa, educada, de em Abril publicar “a primeira entrevista sobre o renascimento tomista em Portugal” e “um conto regionalista de Nuno Montemór.” A Ordem Nova reflectia ainda o típico e necessário fascínio português por aquilo que se passava “lá fora”, ao anunciar, para o mesmo segundo número, a publicação de uma “resenha mensal, acompanhada de comentários, do que houver de mais interessante para as nossas ideias nas revistas nacionais e estrangeiras”.

62 Na conferência pronunciada em Junho de 1933, em Lisboa, no Teatro de São Carlos, o subsecretário das Corporações na presença de Salazar, na qual Pedro Teotónio Pereira procurava apresentar e definir os princípios fundamentais do Corporativismo, afirmou em determinado passo: “A organização corporativa tem que assentar em bases de mais vibrante realidade. Tem que ser uma obra viva. Por isso se renunciam de momento a uma concepção totalitária que abraçasse todos os domínios da actividade nacional exactamente por não se desejar criar precipitadamente organismos que pudessem não corresponder a uma função real ou que viessem a enfermar de abstracçóes geométricas que não estão no nosso pensamento.” Citado em A Época, 15 de Novembro de 1972.

63 Convém recordar que nunca Oliveira Salazar reconheceu ter sido o Estado Novo um legado, ainda que parcial, do Integralismo Lusitano. Da mesma forma que os sectores mais moderados do salazarismo ignoraram o eventual contributo do movimento para a construção do regime saído da Constituição de 1933. Além de historiadores, sociólogos e cientistas políticas que aceitaram a filiação do Estado Novo e do salazarismo no Integralismo, apenas os antigos integralistas viram no “sistema corporativo português” e na Lei Fundamental as influências do Integralismo. Deviam antes ter dito, mas talvez a modéstia lhes não permitisse, que Oliveira Salazar se afirmara e a institucionalização do Estado Novo se confirmara também pela acção de muitos jovens políticos que, sobretudo na primeira metade da década de 1920, militavam naquilo que então restava do Integralismo Lusitano nascido nas vésperas da Grande Guerra.

© Publicações do Cidehus, 2004

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search