Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Contextos de promoção da leitura: bibliotecas públicas, escolares, universitárias e outras

Para que os meus filhos gostem de ler

Histórias de leituras partilhadas

Maria João Sampaio

Résumé

A apresentação Para que os meus filhos gostem de ler: histórias de leituras partilhadas pretende sistematizar o processo de planificação e implementação deste projecto, analisando as metodologias adoptadas e os resultados obtidos, tendo em vista promover a reflexão e partilhar informação com os participantes, sobre o trabalho de promoção da leitura junto das famílias. Este projecto decorreu na Biblioteca Municipal Almeida Garrett – Porto, de Janeiro de 2006 a Junho de 2007, tendo obtido financiamento do Programa de Apoio a Projectos de Promoção da Leitura em Bibliotecas Públicas promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian. Elegeu como público-alvo os pais e as crianças dos 6 aos 12 anos, o grupo que na escola aprendia a ler e que se pretendia que, com a ajuda da família, adquirisse e consolidasse hábitos de leitura. O desenvolvimento de um projecto de formação de leitores com o apoio das famílias enquadrou-se num dos objectivos estratégicos da BMAG, mas o programa pretendeu também dar resposta às solicitações dos pais que frequentam a biblioteca com os seus filhos e que aqui procuram orientações para acompanhar as crianças no seu processo de crescimento como leitores.

This presentation will try to summarize the planning and developing stages of the project I want my children to enjoy reading, as well as to analyse its methodology and the final results.
The project was developed in Biblioteca Municipal Almeida Garrett from January 2006 until June 2007. It was co-financed by Calouste Gulbenkian Foundation under the framework of the Reading Promotion Programme for Public Libraries. Parents and children of six to twelve years old were the targets, thus aiming both at children who are learning how to read and at children who are consolidating their reading skills – in both cases children who, with their parents’help, can acquire and improve reading routines. Coaching young readers with their families’involvement has been settled as one of the strategic objectives of the Library; but this project also intended to give an answer to the parents’demand for guiding on their children reading, a role which a Library has to be able to accomplish.

Texte intégral

Nunca encontrámos o Graal.
Não eram verídicos os relatos.
Só o cansaço dos caminhos acompanhou
os que se aventuraram,
mas esperávamos histórias
-que seria das nossas vidas
sem elas?
Rafael Cadenas
La Búsqueda

Introdução

1O Projecto Para que os meus filhos gostem de ler foi promovido pela secção infantil da Biblioteca Municipal Almeida Garrett e coordenado pela bibliotecária Ana Chaves, entre Janeiro de 2006 a Junho de 2007, tendo recebido financiamento da Fundação Calouste Gulbenkian através do Programa de Apoio a Projectos de Promoção da Leitura em Bibliotecas Públicas.

2O convite para apresentação desta experiência no âmbito da II Conferência Internacional Bibliotecas para a vida permitiu-nos sistematizar a evolução deste projecto de promoção da leitura junto de famílias, com vista a partilhá-lo com todos aqueles que se empenham numa questão primordial da missão das Bibliotecas Públicas.

Antecedentes

3Fazendo eco do manifesto da UNESCO sobre Bibliotecas Públicas, a criação e consolidação de hábitos de leitura junto das crianças são objectivos estratégicos da Biblioteca Municipal Almeida Garrett desde a sua abertura ao público, em 2001. Nesse sentido tem desenvolvido regularmente programas de actividades em articulação com as escolas e com as famílias.

4Associada à dinâmica da programação, a qualidade do espaço onde está instalada a secção infanto-juvenil da BMAG foi fundamental para conquistar o interesse das crianças, que frequentemente conhecem a biblioteca através das visitas das escolas. Podemos dizer que a BMAG começou por conquistar a camada mais jovem da população, verificando-se que frequentemente são as crianças que ao fim-de-semana trazem os pais à biblioteca.

5A Hora do conto nas tardes de sábado tornou-se um roteiro obrigatório para muitas famílias. É o momento em que pais e crianças se reúnem em torno dos livros e das actividades lúdicas com eles relacionadas. Os pais que participavam nestas actividades colocavam-nos questões do tipo: Que livros devo aconselhar ao meu filho? Este ou aquele livro serão adequados ao meu filho? O meu filho não gosta de ler, o que devo fazer? Como devo fazer a abordagem à leitura? Devo ler alto para o meu filho? Deverei deixá-lo ler sozinho com o livro e não comentar nem perguntar nada, deixando-o evoluir por si próprio? Se ele não terminar de ler um livro, devo intervir e obrigá-lo a lê-lo até ao fim? Devo contar histórias antes de dormir? Até que idade? Como posso explorar uma história? Poderei explorar as ilustrações e ir além do que a história conta? Que tipo de actividades poderei desenvolver a partir deste ou daquele livro?

6O projecto para que os meus filhos gostem de ler surgiu, assim, para motivar as famílias no estímulo à leitura das crianças, e como resposta às dúvidas e preocupações colocadas pelos pais que frequentam a Biblioteca Municipal Almeida Garrett com os seu filhos, e que vinham solicitando orientações para acompanhar as crianças no seu percurso de crescimento como leitores. Formar leitores como percurso, como projecto que está no centro das preocupações de todos aqueles que têm responsabilidades no domínio da Educação, quer como profissionais, quer como familiares, implica uma reflexão constante e problematizadora em torno das atitudes que povoam o quotidiano. De facto, a formação de leitores só acontecerá se todos se sentirem responsáveis: a família, a escola, a biblioteca pública, o poder central e local[…] (SOUSA, 1999, 25)

Planificação

7As necessidades colocadas pelos pais impulsionaram a concepção do projecto que elegeu como público-alvo os pais e crianças dos 6 aos 12 anos, o grupo que na escola aprendia a ler e que se pretendia que, com o apoio da família, adquirisse e consolidasse hábitos de leitura. Procurou-se também dar continuidade à experiência que já tínhamos construído nas sessões da hora do conto: valorizar o potencial que o livro e a leitura encerram para proporcionar momentos lúdicos, de conhecimento, cumplicidade e crescimento mútuo entre pais e filhos. Sim, a história lida todas as noites, constituía a mais bela função da oração, a mais desinteressada, menos especulativa, a que dizia respeito apenas aos homens: o perdão das ofensas. Não se confessava nenhuma falta, não havia qualquer preocupação em receber uma porção de eternidade, era um momento de comunhão entre nós, a absolvição do texto, o regresso ao único paraíso que tem valor: a intimidade[…] A história nocturna aligeirava-lhe o peso do dia. Largavam-se as amarras. Ia com o vento, levíssimo, o vento que era a nossa voz. (PENNAC, 1993, 31-32). Por outro lado as questões colocadas pelos pais implicavam respostas cientificamente fundamentadas por parte de especialistas em várias áreas: literatura infantil, psicologia, ilustração e o encontro com os próprios escritores e ilustradores.

8Neste sentido optou-se por um modelo de sessões teóricas dirigidas a pais e orientadas por especialistas em áreas relacionadas com o desenvolvimento psico-social das crianças, criação e consolidação de hábitos de leitura e literatura infantil e em paralelo a realização de sessões práticas dirigidas a pais e filhos, em que a leitura em conjunto de determinados livros era o ponto de partida para a realização de oficinas de banda desenhada, escrita criativa, construção de cenários ou realização de jogos nos jardins da biblioteca. Foram também previstos encontros com escritores e ilustradores. Uma simples feira do livro e um encontro com um escritor transformaram-se em momentos privilegiados de um processo de colaboração com os pais em torno da necessidade de promover o livro, fomentar o gosto de ler e contribuir para o sucesso escolar e pessoal – o qual passa, cada vez mais, pela melhoria das competências de leitura […] (GOMES, 1996, 16).

9Tínhamos então um programa que visava proporcionar orientação teórica e prática aos pais na criação de incentivos e hábitos de leitura nos filhos, com a vantagem de contemplar situações experimentais onde pais e filhos interagiam directamente. Pretendendo-se reforçar a ligação da comunidade à biblioteca e aos seus serviços, realizaram-se as sessões em diferentes espaços interiores e exteriores do edifício, aos sábados, com periodicidade quinzenal.

10Em síntese:

Objectivo geral

11 Promover o livro e a leitura junto de crianças entre os 6 e os 12 anos, tendo como mediador a família, em particular os pais.

Objectivos específicos

  • Esclarecer os pais sobre a importância do livro e da leitura no desenvolvimento psico-social das crianças;

  • Dar a conhecer aos pais a literatura infantil e juvenil actualmente disponível em Portugal;

  • Orientar os pais no incentivo à leitura dos filhos;

  • Proporcionar a aproximação e interacção entre pais e filhos a partir do livro e da leitura;

  • Estimular o desenvolvimento de diferentes formas de expressão (escrita, plástica, musical e dramática), a partir do livro e da leitura, utilizando o contributo de diferentes talentos existentes no seio familiar.

Metodologia

12O Programa constituiu-se em duas acções semestrais, cada uma delas compostas por sessões quinzenais. Mensalmente realizava-se uma sessão exclusivamente dirigida a pais e outra para pais e filhos.

  • PARA PAIS: Sessões de esclarecimento, reflexão e debate com especialistas em diversas áreas: psicologia do desenvolvimento da criança; a importância da leitura; literatura infantil e juvenil; como explorar a leitura; a leitura e o desenvolvimento das expressões, a leitura e as novas tecnologias.

  • PARA PAIS E FILHOS: Actividades de animação em torno do livro, da leitura e das expressões.

Público-alvo

13Pais e/ou mães de crianças entre os 6 e os 12 anos

14Crianças entre os 6 e os 12 anos

15No caso de crianças sem pais e/ou a cargo de outros familiares ou não familiares, poderão ser estes a frequentar o programa

Desenvolvimento

16O projecto foi apresentado ao Programa de Apoio a Projectos de Promoção da Leitura em Bibliotecas Públicas promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, tendo sido aprovado em 2005. Desenvolveu-se de Janeiro de 2006 a Junho de 2007, tendo recebido inscrições de 36 famílias.

17Para além das despesas relativas aos honorários dos orientadores das sessões, o projecto contemplava também uma verba para aquisição de um núcleo documental que apoiava as sessões, constituído por obras de carácter teórico sobre os temas abordados e exemplares dos títulos de literatura infanto-juvenil que iriam ser lidas pelos participantes nas oficinas. Estavam também previstas despesas para materiais de apoio às oficinas e para divulgação do projecto. Em termos de avaliação foi elaborado um inquérito sócio-demográfico que contou com o apoio da socióloga Helena Santos. Este inquérito foi aplicado no final de cada semestre, procurando retirar conclusões que permitissem ajustar a segunda acção aos anseios e propostas dos participantes.

Divulgação

18O projecto contou com uma imagem própria/logótipo concebido pelo ilustrador Gémeo Luís que foi utilizado em todos os materiais de divulgação.

PARA QUE OS MEUS FILHOS GOSTEM DE LER. BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT

PARA QUE OS MEUS FILHOS GOSTEM DE LER. BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT

19Produziram-se folhetos e cartazes que foram distribuídos nas Bibliotecas Municipais (BMAG, Bibliocarro e BPMP). A iniciativa foi divulgada na Agenda Cultural e site da CMP e através de nota de imprensa enviada à comunicação social. A estratégia de comunicação foi pensada em termos do público adulto/pais. Mas uma vez que o projecto também se dirigia às crianças, a biblioteca concebeu e produziu um folheto/convite vocacionado para os mais novos. Foi enviado pelo correio para todos os leitores inscritos na Biblioteca com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos. Esta opção revelou-se o melhor veículo de divulgação da iniciativa, tendo a maioria das famílias inscritas revelado que teve conhecimento do projecto através desta via, tendo muitas delas participado por insistência dos filhos.

Conteúdos e calendarização

1 ª Acção: Sábados das 10:30 às 12:30 sessões teóricas e sessões práticas

1 ª Acção: Sábados das 10:30 às 12:30 sessões teóricas e sessões práticas

2 ª Acção: Sábados das 15:30 às 17:30 sessões teórico-práticas

2 ª Acção: Sábados das 15:30 às 17:30 sessões teórico-práticas

Implementação

20O balanço da 1ª acção permitiu-nos concluir que a participação nas oficinas para pais e filhos era em média de 20/22 participantes, no entanto as sessões teóricas dirigidas a pais tinham apenas uma média de 8/10 presenças. Concluímos que o horário e o modelo das sessões deveriam ser ajustados à disponibilidade do público. As alterações não foram realizadas ao longo da 1ª acção, porque tanto o projecto como o horário das sessões já se encontravam amplamente divulgados.

21Optou-se por introduzir as alterações na 2ª acção. Modificou-se o modelo anterior que separava as sessões teóricas das oficinas, substituindo-se por sessões teórico-práticas que começavam com uma abordagem teórica das questões seguindo-se a componente prática dirigida a pais e filhos. Na mesma actividade os pais começavam por assistir à palestra enquanto os filhos utilizavam a biblioteca, em seguida juntavam-se para participarem em conjunto na oficina. Considerou-se também que seria preferível alterar o horário das sessões, passando os encontros a realizar-se aos sábados de tarde, a partir das 15:30 e com uma periodicidade mensal, uma vez que numa mesma sessão se integrava a componente teórica e a prática. Considerámos também que a capacidade de comunicação do orientador, bem como a componente lúdica seria fundamental.

22Para fazer face a este desafio optou-se por convidar escritores, organizando-se a sessão em torno de um determinado livro da sua autoria. Procurou-se também que os autores encarassem a sessão como um momento para contar e partilhar histórias. Quer as do livro que estava em destaque no encontro, quer as suas pessoais em torno da leitura e da escrita. Este modelo deu resultados, uma vez que as sessões passaram a registar uma média de 30 participantes entre adultos e crianças.

23Por outro lado a presença de um autor conhecido do grande público revelou-se um elemento de atracção. Os autores convidados, Isabel Alçada, Vergílio Alberto Vieira, Luísa Dacosta e António Mota tiveram a capacidade de se dirigir a crianças e adultos e de mobilizarem a sua atenção. Talvez pela sua capacidade de contadores de histórias e pelos relatos na primeira pessoa, em que referiram as experiências pessoais de como foram conquistados pela leitura e da importância dos livros na sua formação e como companheiros das suas vidas. A vibração com a alegria e o sofrimento das personagens permite à criança sair do seu casulo egocêntrico, sentir curiosidade em relação ao pensamento do outro, dialogar com ele. Acresce que a própria leitura da narrativa literária é um diálogo entre a voz que conta e o leitor, podendo por sua vez, suscitar a conversa entre leitores. (GOMES, 1996, 23).

24Alguns autores convidaram um parceiro para orientar a oficina, no caso de António Mota foi João Caetano que orientou a oficina de ilustração, no caso do João Paulo Seara Cardoso a escolha recaiu sobre um músico que dinamizou a oficina de expressão, pondo pais e filhos a entoar as canções do texto dramático Óscar. Vergílio Alberto Vieira orientou ele próprio uma oficina de escrita de poesia, a partir do seu livro A cor das vogais e Luísa Dacosta optou por dinamizar o grupo de pais e filhos para a escrita e ilustração dos textos do seu livro O elefante cor-de-rosa. O resultado dos trabalhos foi exposto na secção infanto-juvenil.

25É de salientar que as sessões com Sandra Ramos, professora de Português do 3º ciclo e Luísa Dacosta foram as mais concorridas, atraindo famílias que não estavam previamente inscritas no projecto, mas que receberam convite para participarem através das professoras dos seus filhos.

Sessão de encerramento

26Para encerrar o projecto de uma forma festiva convidaram-se as famílias a partilharem um lanche convívio em que cada um deu o seu contributo. Duas animadoras também actrizes seleccionaram alguns dos livros abordados no projecto e organizaram uma caça ao tesouro nos jardins envolventes da Biblioteca. Pais e crianças brincaram em torno das histórias e da poesia, conviveram e estreitaram laços entre si.

Análise dos resultados dos questionários aplicados às famílias participantes

27De forma a conhecer melhor os participantes, as suas características sócio-demográficas, motivação e hábitos de leitura, bem como informações sobre a participação no projecto, elaborou-se um inquérito, que foi preenchido por 25 famílias participantes e que permitiu obter as seguintes informações:

  • A maioria dos acompanhantes adultos era pais e mães, havendo apenas um caso em que uma das acompanhantes era uma avó;

  • Os inquéritos foram preenchidos na sua maioria por mães (72%);

  • A média de idades dos pais foi 41 anos;

  • O número de filhos varia entre 1 e 3, com maior incidência em 2;

  • O concelho de residência mais representado foi o do Porto (11 famílias, 44%), mas também houve proveniências de outros concelhos: Matosinhos (5 famílias, 20%); Gondomar (3 famílias, 12%); Vila Nova de Gaia (3 famílias, 12%); Maia (2 famílias, 8%); Guimarães (1 família, 4%), o que permite estabelecer um paralelo com a origem geográfica dos leitores inscritos na biblioteca;

  • A principal escolaridade dos pais é o Bacharelato/Licenciatura (56%), bem distanciada da seguinte que é o Ensino Secundário (16%), seguidos mais longe ainda pelo 3º Ciclo (8%) e o Mestrado (8%), a Pós-Graduação (4%) e o Doutoramento (4%), e, finalmente, com muito pouca representatividade o 2º Ciclo (2%);

  • No que se refere à situação profissional dos pais, a maior percentagem são trabalhadores por conta de outrem (80%). Bem menos são os que trabalham por conta própria sem empregados (8%), os patrões com menos de 10 empregados (4%), os que trabalham por conta própria com empregados (2%) e os trabalhadores familiares não remunerados (2%);

  • As profissões mais representadas entre os pais são: professores (13 casos) e engenheiros (7 casos).

Dados relativos aos hábitos de leitura

28Os dados relativos aos hábitos de leitura dos participantes permitem concluir que:

  • Todos os pais têm o costume de ler livros. Para 64% deles a leitura é um prazer/distracção e para os restantes 36% é uma necessidade;

  • 56% dos pais lêem todos os dias (ou quase), 28% lêem 2 a 3 vezes por semana e apenas 16% lêem raramente, não se podendo associar em geral às outras variáveis por não haver correlação directa. Todavia é possível afirmar que em relação às profissões mais representadas: dos 13 professores, 7 lêem todos os dias (ou quase) e 3 lêem 2 a 3 vezes por semana; dos 6 engenheiros, 4 lêem 2 a 3 vezes ao dia e 2 lêem todos os dias (ou quase);

  • Todos os pais leram livros no último ano, variando a quantidade lida: 32% leram entre 1 e 5 livros, 20% leram entre 6 e 10 livros, 12% leram entre 11 e 20 livros, 16% leram mais de 20 livros. De referir que 20% (5 casos) não registaram a quantidade de livros lidos no último ano;

  • A maioria, lê com/para os filhos, 68% lêem com eles todos os dias, 24% lêem mais raramente e 4% lêem 2 a 3 vezes por semana.

Dados relativos à participação

  • A maioria dos participantes teve conhecimento do projecto através de folheto enviado por correio (36%) ou através da divulgação feita na própria biblioteca (36%). Os restantes conheceram o projecto através dos professores de português dos filhos e por amigos. A Agenda do Porto como fonte de informação teve apenas influência em 8% dos participantes que tiveram conhecimento do projecto através daquela publicação;

  • Relativamente ao número de filhos com que os pais participaram no projecto, 56% participaram com 1 filho, 28% participaram com 2 filhos, 8% com 3 filhos. De salientar que em vários casos os pais têm mais filhos dos que os que participaram no projecto, não o tendo feito por não terem as idades a que o projecto se destinava;

  • Quanto à participação de um ou de ambos os pais, só em 9 inquéritos se encontra registada a participação de ambos os progenitores no projecto, perfazendo por isso 18 presenças. Os restantes 16 participaram sozinhos, prevalecendo a presença das mães, com a participação apenas de um pai sozinho e de uma avó;

  • De referir que 56% dos participantes afirmaram que terá sido a primeira vez que participaram numa actividade da Biblioteca.

29Salientamos o facto de que a Biblioteca parece ter um circuito de divulgação eficaz, uma vez que o projecto foi conhecido pela maioria dos participantes através da comunicação enviada pelo correio ou directamente no espaço da Biblioteca.

30É também de referir que o projecto atingiu de facto de forma mais ou menos equilibrada as diversas idades das crianças a que se destinava, havendo pouca variação de participantes entre as várias faixas etárias.

31Não é surpresa o facto de serem muito mais as mães que participaram sozinhas com os filhos no projecto, pois sabemos que são estas as principais acompanhantes dos filhos no que se refere à frequência da biblioteca e inscrição em actividades de animação que a biblioteca regularmente organiza.

32É curioso que diversos participantes tenham referido ter sido a primeira vez que participaram numa actividade de animação da biblioteca, o que parece revelar a disponibilidade das famílias que frequentam a Biblioteca para participar em iniciativas que lhe são dirigidas.

Razões para participar

33Os depoimentos dos intervenientes sobre as razões que os levaram a participar no projecto destacam a importância que atribuem à leitura na formação dos seus filhos. Referem ainda a oportunidade para realizarem uma actividade em família e para ocuparem o seu tempo livre de forma criativa, adquirindo novos conhecimentos. O interesse pela literatura para a infância e o contacto com os escritores, bem como a qualidade do trabalho desenvolvido pela biblioteca foram também referidos.

34Eis alguns dos depoimentos na primeira pessoa, participei no projecto:

  • “Para o desenvolvimento do meu filho e de mim própria”.

  • “Para proporcionar mais um espaço na vida do meu filho que o ajude a crescer”.

  • “Ocupar as tardes de sábado de forma lúdica, interessante e educativa; fazer trabalho em equipa”.

  • “Como Professora de língua Portuguesa e também como mãe interesso-me pela leitura e sobre a literatura infantil actual.”

  • “Adquirir metodologias de abordagem dos livros com o meu filho e com os alunos”.

  • “Pela natureza do projecto e pela qualidade do trabalho que tive oportunidade de conhecer na biblioteca”.

  • “Porque a minha filha mostrou muita vontade de participar”.

  • “Porque tenho uma filha que gosta de literatura infantil e quer conhecer os escritores”.

  • “Porque sinto necessidade de uma informação e actualização permanentes”.

  • “Porque queria imenso que os meus filhos lessem mais e não consigo motivá-los”.

  • “Envolver-me com os meus filhos num projecto relacionado com a leitura”.

  • “Ler é a principal razão. Porque ler é saber mais, é somar mais, é viver mais!”

Conclusões

35O projecto chegou a um público específico, com uma formação média/alta e em situação profissional estável, que habitualmente lê, que gosta de o fazer e que lê regularmente com/para os filhos. Verificou-se que na maioria dos casos quem participou nas actividades era já frequentador da Biblioteca, ou tinha os seus filhos inscritos como leitores da Biblioteca. Poderemos considerar que o projecto permitiu fidelizar “clientes” e dar resposta a muitas questões colocadas por pais preocupados com a educação dos seus filhos e já cientes de que a leitura dá um contributo fundamental ao processo educativo das crianças e ao seu sucesso escolar.

36Em suma, o projecto permitiu contribuir para o cumprimento dos objectivos estratégicos da biblioteca e para a satisfação das necessidades de um importante segmento dos seus leitores, mas não conseguiu cativar aqueles que não utilizam a Biblioteca e que estão inseridos na camada socialmente mais desfavorecida da população.

37Podemos considerar que o projecto cumpriu os objectivos a que se propunha, trabalhando com as famílias e dando resposta às questões colocadas pelos pais. Foi também consequente relativamente à atenção que a Biblioteca presta às necessidades colocadas pelo seu público. Abrangeu 36 famílias que na sua maioria já utilizavam a biblioteca e houve capacidade por parte da coordenação do projecto para o reformular, tendo em conta as opiniões dos inscritos, privilegiando a vertente lúdica de ocupação criativa dos tempos livres e o reforço dos laços familiares entre pais e filhos e mesmo a articulação entre famílias participantes.

38Ficaram de fora as famílias socialmente menos favorecidos e que não têm acesso aos livros, aquelas crianças que vêm à biblioteca através da escola mas que depois não conseguem aqui trazer os pais nos seus tempos livres.

39Futuros projectos devem tentar chegar a estas famílias, sendo para isso necessário reforçar a articulação com a escola e com os professores. Estamos certos de que a melhor forma de chegar às famílias é através dos seus filhos e da escola, de quem a biblioteca pública é uma parceira privilegiada no processo de formação de leitores.

Bibliographie

Bibliografia

GOMES, José António – Da Nascente à Voz: Contributos para Uma Pedagogia da Leitura. Lisboa: Editorial Caminho, 1996. 972-21-1046-2.

IFLA-UNESCO – Manifesto da UNESCO sobre Bibliotecas Públicas. Lisboa: Instituto Português do Livro e das Bibliotecas, [1996].

IFLA-UNESCO – Manifesto da UNESCO sobre Bibliotecas Públicas. [Em linha]. Holanda, Abril, 2009. [consult. 31 Ag. 2009]. Disponível em http://archive.ifla.org/VII/s8/unesco/port.htm

IFLA-UNESCO; GILL, Philip (ed. lit.) – Os Serviços da Biblioteca Pública: directrizes da IFLA-UNESCO (2001). Lisboa: Editorial Caminho, 2003. ISBN 972-21-1567-7.

PENNAC, Daniel – Como Um Romance. Porto: Edições Asa, 1993. ISBN 972-41-1200-4.

SOUSA, Maria Elisa – O Livro no Jardim de Infância. MALASARTES. Porto: Campo das Letras. ISSN 0874-7296, n º1, (1999), p. 25

Annexes

ANEXO

1 – Caracterização sócio-demográfica

1.1. Sexo

1.3 Nacionalidade

1.5. Residência

1.6. Nível de Escolaridade (o mais elevado que frequentou)

1.7. Situação na profissão, actual ou última que teve

1.8. Profissão dos pais, actual ou última, que tiveram

(Descreva, o mais exactamente que possa, qual é a sua profissão; evite expressões como “militar”, funcionário público e outras afins; se é reformado ou desempregado, indique a última profissão que exerceu)

Actualmente está:

2 – Hábitos de leitura

2.1. O que é para si a leitura? (Assinale apenas uma resposta)

2.2. Costuma ler livros (não profissionais/não escolares)?

Se costuma ler livros:

2.3. Com que frequência costuma ler livros

2.4. Quantos livros leu durante o último ano (2005)?

2.5. Costuma ler com/para os seus filhos?

3 – Situação perante o projecto” Para que os meus filhos gostem de ler”

3.1. Como teve conhecimento deste projecto?

3.2. Com quem participa no projecto

3.3. Participam ambos os pais? Sim [] Não []

3.4. É a primeira vez que participa numa iniciativa cultural da Biblioteca?

Sim [] Não []

3.5. Se não, qual foi a última em que participou?

3.6. Indique, por favor, as duas principais razões por que decidiu participar neste projecto:

Se quiser deixar-nos algum comentário, o que desde já agradecemos, queira por favor fazê-lo nas linhas seguintes.

Table des illustrations

Titre PARA QUE OS MEUS FILHOS GOSTEM DE LER. BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 1 ª Acção: Sábados das 10:30 às 12:30 sessões teóricas e sessões práticas
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 392k
Titre 2 ª Acção: Sábados das 15:30 às 17:30 sessões teórico-práticas
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 224k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 284k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/380/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 4,3k

Auteur

Chefe da Divisão Municipal da Rede de Leitura. Biblioteca Municipal Almeida Garrett – Porto

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr