Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Contextos de promoção da leitura: bibliotecas públicas, escolares, universitárias e outras

«@Ler e a Ler» leituras para todos os gostos…

Elisabete Fiel

Résumé

Como se faz um leitor? Ou melhor como se recupera um leitor e optimiza os que já sentem o apelo pela leitura? Estas questões são cruciais para qualquer professor ou para qualquer professor que desempenhe a função de Coordenador de uma Biblioteca Escolar. Num mundo de mudanças constantes resolvemos encetar algumas leituras que nos poderiam ajudar a encontrar soluções ou pelo menos a entender qual seria o futuro das Bibliotecas, dos leitores e das novas tecnologias.
O ano lectivo de 2008/09 foi marcado por várias formas de promoção da leitura… em diferentes ecologias… para «Todos os Gostos».

Entrées d'index

Palavras-chave :

livro, leitura, promoção da leitura

Texte intégral

«@ Ler e a Ler» – Leituras para Todos os Gostos

1A Biblioteca Escolar da Escola Secundária de Campo Maior tem como comunidade leitora um público diversificado em interesses e gostos, que contempla: alunos, professores, funcionários e Encarregados de Educação.

2No domínio da leitura, as bibliotecas escolares devem responder em larga medida aos interesses dos alunos, mas também proporcionar-lhe outras fontes alternativas. O convívio com docentes, adultos e professores-bibliotecários ou da equipa que sejam leitores competentes, constituem um modelo, tal como tem sido referido através do Plano Nacional de Leitura. O problema da leitura não se pode cingir apenas a uma semana, a uma feira do livro ou a uma recepção de autores, deve ser um acto contínuo no tempo realizado nas diferentes áreas curriculares, pois todos utilizamos textos em diferentes formatos, imagens, etc. Assim, a competência leitora pode ser desenvolvida e promovida em todas as áreas curriculares. A meta a atingir deve estar consagrada no Projecto Educativo da Escola e nos Projectos Curriculares de Turma para que formalmente exista uma referência e a respectiva avaliação. O trabalho colaborativo exige tempo para ser implementado. Mas sobretudo espírito de abertura e partilha, o que nas nossas escolas pode ainda levar algum tempo a ser concretizado, uma vez que a formação inicial dos docentes é um pouco individualista. No entanto, como Coordenadora da Biblioteca posso testemunhar que uma vez implementado o espírito de partilha podemos «angariar» novos colaboradores basta que os resultados tenham sucesso e sejam reconhecidos. Penso que podemos ir ainda mais longe, as bibliotecas devem ser o «coração» da escola colaborando de forma continuada com as diferentes áreas curriculares, para tal, dotando os parceiros-docentes de conhecimentos sobre o catálogo da biblioteca, as ferramentas de pesquisa e guiando o percurso autónomo de pesquisa em diferentes suportes.

3O conhecimento do público e o contacto directo deste tipo de bibliotecas, permitem-nos uma maior aproximação dos utilizadores, bem como a selecção de estratégias passíveis de sucesso. A «sedução» para a leitura é um exercício trivial utilizando diversas estratégias com um objectivo claro: ler e colocar a leitura «na moda!». A promoção da leitura junto dos leitores e potenciais leitores é feito segundo um plano sistemático que contempla actividades diferenciadas de forma a «surpreender», entre essas, recorremos a «instalações» de livros em ambientes pouco convencionais para uma Biblioteca, onde o leitor pode interagir com o livro, numa aplicação clara do conceito de «instalação» própria das belas-artes. Nas acções, temos em consideração uma máxima descrita por PROLE (….) num artigo sobre promoção da leitura: «O que é verdadeiramente importante numa acção de animação da leitura é o processo da própria acção, esse contacto regular das crianças com a leitura literária, e não o evento onde esta desemboca. O evento é relevante enquanto potencial alavanca motivadora de outras leituras ou o culminar enriquecedor de uma actividade onde a leitura foi o centro de interesse.»

4Destacamos algumas experiências:

  • As «Leituras Negras», numa celebração do bicentenário de Edgar Allan Poe, à noite, entre um clima de obscurantismo e experiências químicas, as leituras foram feitas à luz das velas e o autor ganhou mais leitores, bem como a descoberta de outros «mestres do terror»

  • Construção de um ambiente dedicado à Literatura Africana de Expressão Portuguesa, com escultura pintura, café e muitos livros à mistura na tentativa de descobrir estes autores fora das estantes, onde os sentidos despertam para outras experiências leitoras. A exposição tinha como objectivo a recepção do escritor Luandino Vieira, cujos textos já estavam a ser trabalhados nas aulas de Língua Portuguesa e de Expressão Dramática: «Kaxingenjele e o Poder» e «Kiombokiadimuka e a Liberdade», além dos contos da obra: «A Cidade e a Infância». O autor assistiu à dramatização de «Kaxingenjele e o Poder». Depois, tivemos oportunidade de ouvir o autor ler a fábula «Kiombokiadimuka e a Liberdade» e a conversa girou à volta da temática: poder, liberdade e a intrusão entre o crioulo e a Língua Portuguesa. A recepção ao escritor ocasionou ainda oficinas de escrita do conto «Bebiana» e foi considerada muito positiva por toda a comunidade.

  • A actividade «Contos & Encontros» foi dedicado ao encontro das crianças «da casa» ou seja, a Biblioteca convidou filhos, afilhados, primos e sobrinhos dos professores, funcionários e alunos. As crianças encontraram-se por volta da hora do lanche e tinham um repasto saudável à sua espera: maçãs e peras, pois a actividade além da participação das alunas dos cursos profissionais de Técnico de Apoio à Infância e respectivos professores e da Biblioteca, contou com a parceria do Grupo de Promoção da Saúde. A tarde não podia ter sido mais divertida, houve contos, fantoches, ateliês de pintura. Os livros autênticos tesouros que a Biblioteca Municipal partilhou connosco. Esta actividade envolveu a exploração da leitura infantil, por parte das alunas do Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância exigiu o domínio dos textos e aplicação de conhecimentos adquiridos ao serviço dos mais pequenos. Para os familiares e crianças permitiu mais um momento de encontro com a leitura, os livros e os autores.

  • A «Leitura a la carte» fez parte das actividades de promoção da leitura, com uma ementa variada e os livros, levámos a todas as turmas a possibilidade de escolha de obras e de as ouvir ler, rapidamente foram requisitadas, pois a leitura expressiva de um agente que o faz propositadamente «seduziu» os alunos a lerem o que se apresentava nas «Ementas Livreiras». A «Leitura Domiciliária» permitiu que «Chocolate» de Joanne Harris. A proximidade da hora do lanche… deixou os alunos a pensar no chocolate e em toda a Festa de Armande. No dia seguinte, fizemos cerca de dez sessões de animação à leitura… continuámos a «Leitura Domiciliária» desta feita com a escolha entre as «leituras saborosas» e as «leituras elegantes». O conto mais lido: «Singularidades de uma Rapariga Loura» de Eça de Queirós. As saborosas recordaram de novo Joanne Harris, com: «Vinho Mágico» e «Cinco Quartos de Laranja».

  • A abordagem à Poesia: O ambiente recordava todo o universo de Fernando Pessoa em destaque, bem como dos espaços mais importantes para o Poeta, escritor, pensador. Destacámos a Biografia e obras que fizeram parte do percurso para a realização dos worshops de Poesia para 7º e 8º ano. O workshop consistiu em fornecer aos alunos um poema cortado para que estes o pudessem reconstruir, tinham que respeitar a métrica, bem como a mensagem tinha que fazer sentido. Surgiram poemas novos, no final ouviram os poemas musicados. Os alunos do 9º Ano tiveram que preencher espaços em branco e tentar acertar na versão original do poema «O Monstrengo» e fazer um puzzle sobre uma ilustração. No final ouviram o poema recitado. Para o 12º ano celebrámos Pessoa, a «Mensagem», «O Monstrengo», «O Homem do Leme» e os «30 anos da Banda Rock Xutos e Pontapés». Vimos um filme sobre Pessoa, de seguida distribuímos o poema: «O Monstrengo» esquartejado para que os alunos fizessem uma proposta, seguiram-se reinvenções muito interessantes. A voz de Ary dos Santos deu a solução do poema, para ouvir um registo diferente: «O Homem do Leme» deixou a inspiração. De seguida, fizemos publicidade ao site: multipessoa.net que imediatamente teve adeptos.

5A leitura motiva discussões, tal como o fazemos periodicamente num espaço que designámos de «Partilha», cujo objectivo é dar a conhecer autores e leituras em ambiente de tertúlia, motiva conselhos por parte dos leitores, utilizando a rádio local, para ter um público mais abrangente, onde se recomendam obras e lê-se para os ouvintes, considerando a leitura «infinita», assim surge na rubrica da rádio local: «Leitura a Metro», fala-se de livros, impressos.

6A leitura impressa continua a ser a forma de abordagem mais trivial junto da comunidade de leitores, consideramos a leitura na acessão clássica da palavra da descodificação de um texto escrito e impresso, o livro aparece associado a um objecto de culto, no entanto, pode ter múltiplos significados. MEDEL (1996, p.11) refere que o livro pode assumir o papel de objecto vendável para o livreiro, objecto de arte para os coleccionadores, objecto de decoração para um decorador que o considere esteticamente perfeito, o «queijo» de um «rato de biblioteca» que sacia a sua fome de leitura. No entanto, o livro também pode ser um «inimigo» para quem não goste de ler e chegamos a um desafio: o que fazer perante uma comunidade que não é atraída pelo livro? Quais são os novos reptos da biblioteca, do livro e da leitura para esta sociedade tecnológica?

7O Projecto «@ler e a Ler» resultou da procura de soluções para uma comunidade que tinha pouco gosto pela leitura, mas adita às tecnologias e a todas as potencialidades que estas oferecem, considerando o som, o ecrã, o multimédia. Partimos dos conceitos: Leitor Tradicional: leitor de livros, competente, leitor literário e que experimenta outros suporte e do Novo Leitor: consumidor – novas tecnologias que só lê através de “rede”, lê apenas neste ambiente: informação, divulgação, jogos, «chat» e não é um leitor de livros impressos.

8O «@ler e a Ler» foram desenvolvidos em parceria com a docente de Português: Maria Luz de Sousa, em duas turmas de 10 º ano. A titular da turma e parceira neste projecto solicitou que o nome do projecto também contemplasse o «Ler», pois havia a esperança que alguns alunos se dedicassem à leitura do livro e o tornassem objecto de culto. O nome definitivo do projecto contemplou as duas formas de leitura.

9O projecto começou com uma apresentação de uma forma de leitura que permitia a utilização do computador, oferecemos um cd-rom a cada aluno com uma pequena biblioteca em formato digital e proporcionámos a audição de um conto em MP3. O encontro seduziu de imediato, abordar os livros e leitura com computadores. Seguiu-se a acção de marketing, os benefícios da leitura em ecrã, a possibilidade de ter à disposição cerca de 50 obras de vários autores e poder escolher, imprimir ou ler directamente no computador, que na maioria das vezes é portátil. A selecção de obras contemplou os autores cuja obra está acessível em formato digital, desde Eça de Queirós a Antero de Quental, Fernando Pessoa, Edgar Allan Poe entre outros. Os alunos adictos às tecnologias rapidamente ficaram seduzidos pela possibilidade de ler num formato mais «amistoso» e de acordo com os seus interesses e optimizaram a utilização dos seus conhecimentos informáticos. Embora os textos em formato digital não tivessem as características do hipertexto com as suas «janelas» para outros conhecimentos adicionais, o facto de ler em ecrã e ligado à internet permite fazer o mesmo tipo de abordagem dinâmica, procurar outras fontes de informação escritas ou imagens sobre o que está a ler, melhorando a compreensão do texto ou simplesmente adicionando mais conhecimento. O dinamismo deste tipo de leitura perde na concentração do objecto livro em si, mas ganha na exploração sistemática de outras abordagens. O complemento de ler a biografia do autor, as fotografias do lugar, apesar do nomadismo a que se parecesse votado, os verdadeiros leitores também «pulam de livro em livro» pelo que o princípio é o mesmo.

10As opiniões da avaliação do projecto foram de extrema importância, quer da docente-parceira neste projecto, quer dos alunos, que experimentaram outra forma de ler, de acordo com os seus interesses e gostos e que encaixam no conceito destes «novos leitores».

Foi a primeira vez que li/ouvi um conto no meu computador (…). O que me fascinou mais neste projecto foi poder associar o meu gosto por computadores, pela leitura, mas também pela música, uma vez que pude apreciar a música de fundo e a voz do leitor. Este projecto foi bastante bom para mim, visto que me fez entusiasmar pela leitura e pela disciplina de Português.
Daniel Rondão, 10 º B
É inovador (…) e verde, pois abatemos menos árvores. Contribui para novos hábitos de leitura, nos indivíduos agarrados aos computadores. Mas, para mim não tem, aquela magia transmitida pelo livro em papel.
Leonel Quintas, 10 º B

11Na opinião da docente Maria da Luz Sousa: «Não há expressão que melhor traduza o facto de conseguir que alunos, habitualmente, avessos e que reagem com contrariedade a propostas de leitura, tenham aderido, entusiasticamente, a este projecto no âmbito das novas ecologias da leitura.

12Paradigma do que afirmo, o aluno David Portela, adepto fervoroso dos jogos de computador (que lhe consomem muitas horas do quotidiano) e confesso «inimigo» do livro impresso que escolhia, obrigado, pelo menor número de páginas, e lia, como quem cumpria um castigo, e que aderiu, desde o primeiro momento, ao projecto, tornando-se um leitor entusiasta das obras de Edgar Allan Poe, cuja temática o fascina. Um sucesso! – não apenas (e já seria razão mais do que sobeja!) por ter levado o David a ler, de facto, mas sobretudo, por ter conseguido um leitor literário que lê e partilha a experiência de leitura com um prazer genuíno, um entusiasmo dos que garante outras leituras (e isso é genial!).

13Por minha parte, enquanto professora, confesso-me, também rendida às evidentes potencialidades das novas ecologias da leitura.»

14Em paralelo a este projecto, colocámos a WEB 2.0 ao nosso dispor em acções de divulgação da leitura: os blogues, wikis, facebook, hi5 e todas as ferramentas que facilitem a comunicação entre a biblioteca escolar e utilizadores constituem uma oportunidade. Nestes espaços, damos opiniões, sugerimos livros, divulgamos o catálogo, recebemos sugestões, a biblioteca deve acompanhar os tempos, as mudanças sem medo das consequências. Recordamos frequentemente Erasmo de Roterdão que colocou o texto impresso ao serviço do ensino e da aprendizagem operou muitas revoluções, causou grandes incertezas e desagrado por parte dos mais conservadores, mas nada seria assim sem esta mudança.

15De acordo com VALVERDE et tal (1996) da mesma forma que o papel foi decisivo no desenvolvimento da imprensa, os novos suportes magnéticos possibilitam novas formas de produzir e ler textos escritos. Provavelmente, nunca se leu tanto, nunca se escreveu tanto, portanto este é o futuro, muito presente. Nunca a Biblioteca esteve tão próxima dos utilizadores e dos potenciais utilizadores.

Bibliographie

Referências bibliográficas

MEDEL, J. – Libros, nuevas tecnologias y otras formas de leer. Puertas a da lectura. Universidad de Extremadura. Vicerrectorado de Extensión Universitária. Seminario Interfacultativo de la Lectura. 1996. Badajoz. n°5, Dezembro de 1998, pp.11-14.

VALVERDE [et tal] (1996) – El libro de texto ante el reto de las nuevas tecnologias de la información y la comunicación. Puertas a da lectura. Universidad de Extremadura. Vicerrectorado de Extensión Universitária. Seminario Interfacultativo de la Lectura. 1996. Badajoz. n°5, Dezembro de 1998, pp.20-24.

Auteur

Coordenadora da Biblioteca Escolar. Escola Secundária de Campo Maior.

© Publicações do Cidehus, 2010

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search