Version classiqueVersion mobile

Causas de Morte no Século XX

 | 
Maria da Graça David de Morais

Conclusão

Texte intégral

1Ao percorrermos o espaço temporal que medeia entre 1920 e 1990 no território continental português, em termos de uma análise mais minuciosa da mortalidade e dos processos de transformação na prevalência de determinadas causas de morte, do seu desaparecimento ou atenuação (ou substituição por outras formas), ficaram subjacentes considerações que fomos tecendo no decurso desta investigação para tentarmos responder a duas questões de fundo: uma, de âmbito mais vasto, ou seja, o fenómeno da mortalidade em Portugal Continental como se caracterizou ao longo do século XX, dado o interesse crescente que tem vindo a suscitar modernamente o seu conhecimento; e outra, de âmbito mais restrito, mas sequente daquela: onde, quando e como, no espaço físico, os processos mórbidos mais se evidenciaram, enquanto elementos caracterizadores daquele fenómeno. Neste contexto, a nossa finalidade foi a de darmos a conhecer a transição epidemiológica, isto é, o declínio da mortalidade, que acompanhou a transição demográfica, de forma a que nos fosse permitido descrever as mutações que se produziram nas dinâmicas populacionais e nas condições de saúde subjacentes (ligadas também ao processo de desenvolvimento socioeconómico ocorrido ao longo do século), contextualizando as diferenças acontecidas: redução e controlo de doenças infecciosas e transmissíveis, aumento das patologias crónicas e degenerativas, emergência de novos riscos nosológicos, etc.

2Assim, procederemos no sentido de fazer ressaltar aquelas conclusões da investigação que julgámos importantes, ainda que não as reconheçamos como definitivas pois muito fica por completar num trabalho desta natureza.

3No capítulo relacionado com o processo da transição demográfica em Portugal, na I Parte, sublinhámos a consolidação de uma tendência para a regressão da população concretizada através da superioridade das taxas de mortalidade relativamente às da natalidade, fruto da luta contra a doença e a morte e também de um efectivo controlo de fecundidade. Em 1996, em apenas três distritos continentais (Aveiro, Braga e Porto) e na Região Autónoma dos Açores aquela propensão era contrariada. Assim, o declínio da mortalidade apareceu como um elemento fundamental para poder explicar a transformação demográfica ocorrida na nossa sociedade.

4No capítulo expressamente reportado à análise da evolução daquele fenómeno em Portugal Continental, e por referência a trabalhos de certos autores aludidos ao século XIX até 1920 (F. de Sousa 1979, O. Marreca 1854, Daniel A. da Silva 1870), concluímos pelos elevados níveis de mortalidade geral (30,40‰ e 22,73‰) e uma mortalidade infantil acima dos 130‰ enquanto a esperança de vida à nascença (eo), nos meados do século, não ultrapassava os 32 anos.

5Já durante o século XX, e também segundo autores como J. Fronteira (1950), Pais Morais (1945, 1964), R. Freire (1945), O. Marques (1970), M. José Carrilho (1980) e Cónim et al (1988), a esperança de vida passou de 35 anos para 70 anos, no sexo masculino, e de 40,06 para 77,50 anos no sexo feminino, relevando-se a diferença entre os sexos, caracterizada por uma mortalidade masculina cada vez mais notória. Relativamente às probabilidades de morte, assistimos a acentuados progressos, especialmente ao nível dos 0 anos.

6No Capítulo 5 da I Parte, reportado à análise dos níveis e tendências da mortalidade, vimos, a nível distrital, a confirmação da tendência geral para o País anteriormente expressa, com incidência, agora, também sobre a diminuição dos riscos de morrer antes dos 60 anos.

7Objectivamente, pudemos resumir a situação que encontrámos da seguinte forma, para sexos reunidos (HM):

  1. Modelo de mortalidade geral de nível elevado
    1920 (eo = 36/38 anos; qo = 190,69/148,98‰; q60 = 198,18/154,29‰)
    – Porto, Vila Real, Bragança, Lisboa, Castelo Branco e Guarda

1940 (eo = 43 anos; q0 = 177,10‰; q60 = 147,43‰) - Porto

1960 (eo = 58/60 anos; q0 = 102,62/111,41‰; q60 = 219,14/243,50‰)
– Porto, Vila Real e Bragança

1980 (eo = 69 anos; q0 = 38,27‰; q60 = 78,18‰)
– Vila Real

1990 (eo = 72 anos; q0 = 15,47‰; q60 = 73,44‰)
– Vila Real

  1. Modelo de mortalidade geral de nível intermédio/alto
    1920 (eo = 40/43 anos; q0 = 132,34/168,58‰; q60 = 140,46/182,63‰)
    – Braga, Évora, Portalegre, Viseu e Viana do Castelo

1940 (eo = 46/49 anos); q0 = 124,/162,20‰; q60 = 115,22/151,30‰)
– Braga, Guarda, Bragança, Lisboa, Setúbal e Vila Real

1960 (eo = 61/64 anos; q0 = 76,17/93,57‰; q60 = 184,58/215,52‰)
– Braga, Guarda, Viseu e Aveiro

1980 (eo = 71/72 anos; q0 = 24,71/34,86‰; q60 = 65,05/77,97‰)
– Braga, Guarda, Viseu, Bragança e Porto

1990 (eo = 73/74 anos; q0 = 6,24/18,35‰; q60 = 59,80/69,41‰)
– Braga, Guarda, Viseu, Bragança, Porto, Viana do Castelo, Beja e Faro

  1. Modelo de mortalidade geral de nível intermédio/baixo
    1920 (eo = 46/48 anos; q0 = 125,04/151,34‰; q60 = 100,71/137,43‰)
    – Aveiro, Coimbra, Beja, Faro e Santarém

1940 (eo = 51/56 anos); q0 = 95,17‰/137,16‰; q60 = 94,08/127,49‰)
– Aveiro, Coimbra, Beja, Faro, Évora, Viana do Castelo, Leiria, Viseu, Castelo Branco e Portalegre

1960 (eo = 64/66 anos; q0 = 61,98/86,17‰; q60 = 182,89/225,13‰)
– Beja, Évora, Viana do Castelo, Lisboa e Setúbal

1980 (eo = 72/73 anos; q0 = 16,45/24,65‰; q60 = 57,98/76,51‰)
– Aveiro, Viana do Castelo, Lisboa, Setúbal, Beja, Coimbra, Leiria, Santarém, Castelo Branco e Faro

1990 (eo = 74/75 anos; q0 = 7,93/8,45%»; q60 = 59,65/64,89‰)
– Leiria, Lisboa, Setúbal e Castelo Branco

  1. Modelo de mortalidade geral de nível baixo
    1920 (eo = 51 anos; q0 = 137,67‰; q60 = 120,44‰)
    – Leiria

1940 (eo = 57 anos; q0 = 103,76‰; q60 = 90,85‰)
– Santarém

1960 (eo = 66/68 anos; q0 = 49,88/76,37‰; q60 = 166,19/206,03‰)
– Leiria, Santarém, Portalegre, Coimbra, Castelo Branco e Faro

1980 (eo = 74 anos; q0 = 20,20/25,41‰; q60 = 58,56/61,99‰)
– Portalegre e Évora

1990 (eo = 72/74 anos; q0 = 16,45/25,41‰; q60 = 58,56/70,28‰)
– Portalegre, Évora, Santarém, Coimbra e Aveiro

8Ressalta destes quatro modelos a prevalência acentuada de uma mortalidade mais elevada no norte e no interior do País, e de uma mortalidade menor ou média/ baixa no Sul e no litoral, reflectindo-se estas ocorrências nos maiores ou menores contributos para o crescente aumento da esperança de vida no final do lapso de tempo observado. A estes factos não foram alheias as reformas sanitárias ocorridas em 1901, passando pela de 1945, de 1971, de 1979 e ainda de 1980, cuja aplicabilidade foi por vezes controversa, bem como as mutações conjunturais de natureza social, económica e política, como a Revolução de 25 de Abril de 1974.

9A diferenciação na mortalidade foi encontrada na II Parte e perspectivada através da idade, sexo, mortalidade infantil e da mortalidade por causas.

10Quanto à mortalidade por idades (HM), analisada segundo as taxas específicas (nmx), concluímos que a tendência evolutiva seguiu o padrão universal de uma curva em forma de U, onde entre os 10-14 anos se atingiram os valores mais reduzidos nos diferentes modelos de mortalidade decenais. Na globalidade, os grandes ganhos foram obtidos nas idades jovens (1-14 anos), mais lentos na idade adulta e entre os idosos (70 + anos). Quando procedemos a cortes na estrutura etária da população observou-se o seguinte:

1110-14 anos – Valores mais significantemente declinantes (de 3,0-4,00‰ a <0,30‰) no Sul do País com distritos do interior (Beja e Évora) a evidenciarem-se. No início das décadas de 60 e 70 houve total uniformidade em torno dos valores 0,51-l,00‰ e, a partir daqui, apenas ocorreu a manutenção ou o declínio da mortalidade.

1230-34 anos – grupo etário de grande variabilidade: o norte do País (com evidência para os distritos do Porto, Vila Real, Bragança e Viseu) apresentou valores muito elevados (acima dos 9,50‰) em 1920, que se atenuaram a partir de 1950. Entre 1980 e 1990 ocorreu uma nítida conjugação na propensão para uma mortalidade abaixo de l,5‰ de alguns distritos do interior (Castelo Branco, Santarém e Setúbal) e alguns distritos do litoral (Aveiro, Porto e Braga), enquanto os restantes se mantiveram acima daqueles limites.

1350-54 anos – A regressão das nmx mais elevadas (18‰ em 1920: Porto, Vila Real, Bragança e Lisboa), até às taxas de mortalidade mais moderadas só ocorreu no início da década de 50, quando se deu a atenuação a partir do interior (com 6,01-8,00‰: Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Évora e Beja). No início da década de 80 e de 90 tendeu-se para o esbatimento da diversidade regional existente, para a uniformização, em torno de taxas de 4,0-6,00‰.

1470+ anos – A redução da mortalidade neste grupo etário fez-se em cerca de 50%, salientando-se um agravamento no início da década de 70 (valores de 90,01-110,00‰), sendo, porém, ultrapassado em 1980 e 1990 (valores de 70,01-80,00‰ e <70,00‰).

15Numa apreciação mais sintética relativa às mortes precoces, aquelas que ocorreram antes dos 60 anos, desde 1920, a sua representatividade proporcional declinou sistematicamente (de 74,02‰ para 25,01‰, em 1990). Destacando o grupo de -15 anos, cujo peso, em 1920, era de cerca de metade, ou seja, 43,15%, foi-se esbatendo gradualmente até chegar ao início das décadas de 80 e 90 em que foi de apenas 5,38% e 2,07% do conjunto das mortes precoces, decorrendo daqui que a evolução do processo, no espectro etário, foi muito mais acentuada nestas idades mais jovens.

16Dentre os sexos, fez-se, por vezes e não sempre, uma clara diferenciação distrital entre uma mortalidade masculina de níveis elevados e uma mortalidade feminina menor, como em síntese se apresenta, por comparação entre 1920 e 1990, através dos limites máximos (M) e mínimos (m) verificados nas taxas específicas de mortalidade de alguns grupos de idades.

17Na primeira idade analisada (10-14 anos), tanto no início da década dos anos 20 como na década dos anos 90, os valores máximos e mínimos foram coincidentes nos dois sexos, sendo os homens mais representados nos distritos de valores mais elevados e as mulheres mais representadas nos distritos de menor mortalidade (1990). Conforme se avança na idade a distinção é cada vez mais notória, ocorrendo em 1990, ao nível dos 3034 anos, uma total concomitância, no sexo feminino, em torno dos valores mínimos (<l,50‰) em todo o território continental.

18A análise mais aprofundada da sobremortalidade masculina, por recurso às probabilidades de morrer (nqx), apontou para um agravamento no início das décadas de 80 e 90, que passou por dois máximos: um, fortemente marcante por volta da idade de 20 anos, ligado às causas de morte acidentais e violentas determinadas em grande parte por patologias sociais (acidentes, alcoolismo...), e outro, mais esparso, por volta dos 55/60 anos, consequente dos estilos de vida, com um peso maior das doenças crónicas e degenerativas.

19Uma outra faceta da mortalidade diferencial é a mortalidade infantil, ou seja, dos menores de 1 ano. A sua evolução tendeu para uma redução de cerca de 94% no espaço temporal por nós analisado, como pudemos constatar:

20Este tipo particular de mortalidade foi mais incidente em distritos do norte interior do Continente, de onde se destacaram Bragança e Vila Real. Esteve também patente uma visível sobremortalidade masculina.

21Na caracterização diferenciada da mortalidade através das principais causas de morte concluímos, genericamente, pela regressão das doenças do aparelho respiratório e do aparelho digestivo (doenças infecciosas e parasitárias), por oposição ao crescendo das doenças do aparelho circulatório, com especial incidência nas doenças cerebro-vasculares. Os tumores malignos e as mortes por acidente difluiram também no modelo mais recente da mortalidade geral.

22Na última parte do estudo e decorrente da situação que foi encontrada no capítulo que acabamos de referenciar, privilegiámos a transição da mortalidade enquanto determinada por uma reestruturação das principais causas de morte que se desenvolveu segundo uma tendência razoavelmente perceptível definida como Transição Epidemiológica, como já referido: a substituição lenta do controlo da mortalidade causada pelas doenças infecciosas e parasitárias, de natureza exógena, pelo combate contra a morte especialmente causada por doenças crónicas e degenerativas, concentrada nas idades mais avançadas, de natureza endógena.

23Cingindo-nos aos grandes agrupamentos geográficos continentais, (previamente definidos no Capítulo 2, ponto 2.2 da III Parte) que contêm em si os dezoito distritos analisados (e optando por uma análise da globalidade das causas de morte caracterizadoras de cada uma das cinco principais categorias na informação percentual final de cada distrito e não apenas pela causa mais discriminante como apresentámos no Capítulo 2, ponto 2.2, da III Parte), concluímos:

  1. Agrupamento Norte
    Doenças infecciosas e parasitárias – Apresentou-se como o espaço continental onde ocorreu a maior concentração de distritos com predominância deste tipo de mortalidade. Evoluíram de 30,5% (Porto/1940) até ao limite mínimo de 1,7% (Porto/1980), com os distritos de Braga e Vila Real acompanhando de perto os valores mais elevados (27,6%//1940 e 25,5%/1960, respectivamente). Notou-se a significativa discriminação do distrito do Porto em torno das diarreias e enterites, antes e após os 2 anos de idade e da tuberculose do aparelho respiratório.
    Doenças do aparelho respiratório – As patologias desta natureza incidiram sobre os mesmos distritos que as enfermidades anteriores, conjugando-se para a progressão da mortalidade, com limites balizados entre 17,8% (Porto/1970) e 4,2% (Porto/1990). Foram mais exuberantes principalmente a pneumonia e a bronquite, nos anos de início das décadas 60 e 70.
    Doenças do aparelho circulatório – Doenças desta natureza tiveram, diacronicamente, pouca expressão nos cinco distritos constitutivos do agrupamento. Apenas o de Viana do Castelo esteve representado durante três anos consecutivos (1920/1930: 7,0% e 1940: 12,1%), enquanto Bragança, Porto e Vila Real só se revelaram na década de 1990, mas com valores de 33,3%, 36,4% e 33,1%, respectivamente.
    Tumores malignos – Da totalidade dos distritos estiveram representados, por esta causa de morte, unicamente o do Porto (9,25%/1930, 7,68%/1990) e o de Braga (12,9%/1980).
    Acidentes, envenenamentos e traumatismos – Não ultrapassando os 5% do conjunto obituário, no início da década de 30 e 40, estavam Braga e Viana do Castelo, enquanto que nas de 80 e 90, em Braga recrudesceram até por volta dos 10%, bem como se representaram também aqui Bragança e Vila Real.

  2. Agrupamento Centro
    Doenças infecciosas e parasitárias – Manifestamente o agrupamento menos tocado por estas afecções derivantes para causas de morte. Apenas Leiria (22,0%) e Aveiro (3,3%) foram atingidos, mas em anos distintos.
    Doenças do aparelho respiratório – Em conjugação com a mortalidade infecciosa, apenas Aveiro esteve representado em 1960 e 1970, com valores acima dos 10% (12,5% e 16,6%, respectivamente).
    Doenças do aparelho circulatório – O conjunto dos seis distritos constitutivos (Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu), esteve caracteristicamente demarcado por se apresentar, em tempo diferenciado ou coincidente, desde os anos 30 até 1990, com valores expressivamente acima dos 15%. Os anos de 1980 e 1990 fizeram ressaltar a progressão das causas de morte desta natureza, em especial Coimbra que atingiu 46,4% e Leiria 43,8% do conjunto da mortalidade em 1980. Todos os distritos foram tocados em 1990, mediando os valores entre os 38,9% de Viseu e os 33,5% do distrito da Guarda.
    Tumores malignos – Significativamente assinalados apenas dois distritos, acima dos 10%, no início da década de 80: Aveiro (13,5%) e Leiria (13,3%).
    Acidentes, envenenamentos e traumatismos – Sem qualquer excepção, os seis distritos característicos deste agrupamento estiveram representados. Para alguns era já visível a sua incidência no início das décadas de 30, 40 e 50, com valores abaixo de 5%, aumentando para além dos 10% nos de 70 e 80. Atingiram mesmo, em 1990, a maior expressividade em Coimbra e Aveiro, com 14,8% e 14,4%.

  3. Agrupamento Lisboa e Vale do Tejo
    Doenças infecciosas e parasitárias – Neste agrupamento a sua incidência vai decrescendo desde o início dos anos 20 e o seu limite são os anos 50, mas permanecendo sempre acima dos 10%. Lisboa e Setúbal são os dois distritos, dos três regionais, com a mais elevada representatividade.
    Doenças do aparelho respiratório – Estas afecções estiveram presentes também nos dois distritos afectados anteriormente, mas apenas em 1920 e 1930 e com uma mortalidade menor (Lisboa: 5,1%, Setúbal: 3,9%, em 1930).
    Doenças do aparelho circulatório – Dentre os três distritos do agrupamento (Lisboa, Santarém e Setúbal), Santarém foi visivelmente o mais comprometido com este tipo de causalidade de morte: o número de óbitos ultrapassou sempre os 15%, no período que medeia entre 1930 e 1990, com valores máximos de 37,2% e mínimos de 17,2%.
    Tumores malignos – O distrito de Lisboa percorreu todos os anos analisados, sem excepção, sendo que, entre o início da década de 50 e a de 80, o número de ocorrências obituárias se situou para além de 10%. O distrito de Santarém apenas esteve representado em 1980, enquanto Setúbal seguiu um percurso algo semelhante ao de Lisboa.
    Acidentes, envenenamentos e traumatismos – Neste contexto da mortalidade violenta, dentre os três distritos regionais, o distrito de Santarém distinguiu-se por ser afectado desde 1930. A partir de 1970 até final do período ostenta valores acrescidos, de 5-10%. Em Setúbal houve um registo relevante apenas a partir de 1960, culminando no início da década de 90, com 10,9%.

  4. Agrupamento Alentejo
    Doenças infecciosas e parasitárias – Categoria de causas de morte muito pouco expressiva neste agrupamento, com representação somente no início da década de 20, ainda que com valores acima dos 10%, nos distritos de Évora e Portalegre. O distrito de Beja, em nenhum ano, se discriminou nesta contextura.
    Doenças do aparelho respiratório – Foram também aqueles dois distritos referidos anteriormente que representaram uma mortalidade desta natureza afinal complementar àquela. O distrito de Beja foi apenas afectado em 1990, mas a nível baixo (2,3%).
    Doenças do aparelho circulatório – A implantação destas patologias ocorreu desde 1930. A partir daqui evidenciou-se claramente a sua permanência até ao início da década de 90, em qualquer dos três distritos, distinguindo-se Portalegre pelo seu elevado grau evolutivo, iniciando-se, em 1940, com 19,3% do obituário total e atingindo os 45,4%, em 1990, ao abranger a totalidade das patologias incidentes desta natureza.
    Tumores malignos – Fracamente predominante esta causa de morte no agrupamento. Évora e Beja patentearam-na em 1960 e 1990, mas com valores inferiores a 10%.
    Acidentes, traumatismos e envenenamentos – Não a níveis manifestamente elevados mas em crescendo, especialmente a partir do início da década de 70, a mortalidade violenta esteve também presente neste agrupamento.

  5. Agrupamento Algarve
    Doenças infecciosas e parasitárias – Caracterizaram cerca de um quarto (25,9%) do conjunto obituário do distrito de Faro, em 1930.
    Doenças do aparelho circulatório – Como causas de morte mais incidentes actuaram no início das décadas de 20 de 40 e de 90, sempre com valores cada vez mais significativos, de 6,6%, 17,3% e 37,3%, respectivamente.
    Acidentes, envenenamentos e traumatismos – A mortalidade violenta foi mais fortemente discriminante em 1990 (16,2%) do que em 1940 (2,2%), os únicos anos mais representados.
    O agrupamento não figurou, em nenhum ano observado, ligado às doenças do aparelho respiratório e aos tumores malignos.

24Na revista sistemática das causas de morte que concorreram para caracterizar o Continente que acabámos de fazer, torna-se pertinente referenciar o impacto dos dois grupos de óbitos de causas imprecisas: sintomas, sinais e afecções mal definidas e a senilidade, na medida em que coarctaram a situação real. Em 1920 agrupavam cerca de dois quartos (44,92%) dos óbitos do Continente, sofrendo até 1990 um declínio na ordem dos 71%, sem contudo, mesmo assim, deixar de ser um valor expressivo (12,83‰). O agrupamento Norte e o agrupamento Centro foram os mais atingidos: a não identificação da causa de morte ou a sua imprecisão foram um comportamento persistente nos distritos de Bragança, Castelo Branco e Guarda.

25Concretamente, podemos agora traçar as linhas básicas das mutações mais significativas ocorridas na transição da mortalidade em Portugal Continental, tendo em conta a heterogeneidade espacial observada no calendário, na duração e na intensidade do processo:

  1. Uma pronunciada quebra na incidência da mortalidade global.

  2. Um notável aumento da duração média da vida humana entre 1920 (41,70 anos) e 1990 (74,60 anos), tendo mesmo duplicado (37/38 anos para 74/75 anos) em situações pontuais: Bragança, Castelo Branco, Guarda, Lisboa, Porto e Vila Real.

  3. Uma mutação substancial na distribuição relativa dos óbitos segundo as idades: progressiva concentração nas idades mais avançadas em oposição à perda de importância da mortalidade centrada nas idades mais jovens.

  4. Desigual dinâmica da mortalidade distrital cujas causas foram variadas: a) existência de desequilíbrios estruturais – desigual desenvolvimento socioeconómico, factores ambientais, peculiaridades culturais ou de estilos de vida, etc. b) inacessibilidade ou difícil acesso às novas formas de luta contra as causas de morte dominantes.

  5. Reestruturação das principais causas de morte

26Deste último ponto, o perfil da mortalidade que resultou reflectiu-se da seguinte forma, nos diferentes domínios patológicos:

  1. até às décadas de 50 e 60 - lento controlo e tentativa de eliminação da mortalidade prematura e evitável mais provocada pelas doenças infecciosas e parasitárias (de carácter exógeno), que dizimavam particularmente nos primeiros anos de vida.

  2. a fase mais actual de luta contra a morte, em que a mortalidade se concentrou em idades cada vez mais avançadas e foi causada fundamentalmente por doenças crónico-degenerativas (de carácter endógeno).

27Graças ao controlo da mortalidade do primeiro tipo, produziu-se um acréscimo sensível da e0. Por outro lado, a prevenção das doenças sociais e o controlo das doenças endógenas constituíram a fase mais recente da transição epidemiológica, que relevou ainda a importância das mortes acidentais e violentas provocadas, em grande medida, por patologias sociais (acidentes de viação e outros, alcoolismo, tabagismo, droga, etc.) e pelo estilo de vida e incidência acumulada do comportamento.

28Se tempo houve em que foi possível fazer a distinção clara entre o comportamento da mortalidade no Norte e no Sul do Continente (há cerca de três décadas essas diferenças entre distritos eram acentuadas), nos anos 80 e 90 tendeu-se para o esbatimento desta diversidade regional, para uma certa “uniformização”, o que demonstra a pertinência dos argumentos de A Coale e de G Guo (1989) quando na sua última revisão dos modelos das tábuas-tipo de mortalidade fizeram convergir todas as “famílias” para um único modelo. Mas o futuro modelo da mortalidade do Continente português vais depender, por um lado, do conhecimento cada vez mais aprofundado dos factores que estão envolvidos, que são complexos, e, por outro, da variedade de causas de morte predominantes e emergentes e das determinantes subjacentes. Para o prever, não nos poderemos basear numa extrapolação directa das tendências de um passado recente, assim como podemos estar certos de que a situação actual não reflecte exactamente as tendências futuras, até porque as características e perfil da mortalidade de hoje, na sociedade portuguesa, para além de condicionar a dinâmica futura da própria população, podem evidenciar os aspectos básicos e essenciais do próprio funcionamento da sociedade na sua história actual, que podem não ter reflexo vinculativo no futuro.

29Uma nova estratégia sanitária implica o envolvimento de cada indivíduo na luta contra a doença, através da mudança de comportamentos e estilos de vida, económica e social, e consciencializando-se também de que a saúde não depende apenas do sistema sanitário.

Table des illustrations

Titre 10-14 anos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3668/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 30-34 anos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3668/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 50-54 anos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3668/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 70+ anos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3668/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3668/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 89k

© Publicações do Cidehus, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search