Version classiqueVersion mobile

Causas de Morte no Século XX

 | 
Maria da Graça David de Morais

III Parte - A transição da mortalidade e estruturas de causas de morte em Portugal Continental durante o século XX

Capítulo 2 — Transição da mortalidade e evolução das estruturas de causas de morte

Texte intégral

2.1 – Introdução

1O objectivo deste capítulo é o de analisar o papel representado pelas diferentes causas de morte a nível da transição da mortalidade e suas características, melhor dizendo, e retomando a ideia expressa no Capítulo 1 da I Parte, da transição epidemiológica.

2Em Portugal a informação sobre a causalidade obituária apenas começou a ganhar corpo aquando da sua publicação, na forma mais permanente, a partir dos anos 20 (para trás, já no séc. XIX, ficaram algumas tentativas parcelares de dar a conhecer este tipo de registo), numa época em que a transição demográfica já havia começado a avançar, se pensarmos que ela se iniciara tenuemente com o abrandamento da intensidade dos surtos de doenças epidémicas, como a varíola, o tifo, a gripe ou mesmo a disenteria. Deste modo, o conhecimento da evolução dos processos mórbidos, no qual aquela se apoia para identificar as causas externas que permitiram o declínio da mortalidade, foi tardio e raramente se torna possível estudar, na totalidade, as mutações da estrutura da mortalidade por idade e sexo e, ainda mais difícil, apreciar o papel protagonizado pelas diferentes causas de morte ao longo do período que precedeu o início da transição epidemiológica ou mesmo na sua fase imediatamente posterior.

3Pareceu-nos, neste momento, pertinente, percepcionarmos um pouco melhor o conceito de causa de morte, até aqui empregue sem especificação, no que ele tem de subjectivo desde o início do seu emprego, ligado às diferentes nomenclaturas médicas propostas, desde a de Bertillon em 1893, às de 1900, 1910, 1920 até aos nossos dias.

4Estas nomenclaturas internacionais médicas eram, e são, basicamente constituídas por uma lista de termos aprovados para descrever e registar observações clínicas e patológicas. Porém, a necessidade de comparabilidade da situação dos diferentes países levou, por outro lado, à criação de uma classificação que servisse fins estatísticos (primeiro, a Comissão Internacional da 4.a Revisão da CID, em 1929, e depois a Conferência para a 6.a Revisão da CID, em 1948, marcaram o início de uma nova era em matéria de estatísticas internacionais sanitárias e demográficas), e que se deveria limitar a um número restrito de categorias, que abrangesse a totalidade das afecções mórbidas.

5Neste contexto, o que significa afinal causa de morte? Para muitos, era a doença terminal ou as condições responsáveis pela morte. Para outros, era a principal doença sob a condição de tratamento.

6Em Saúde Pública o que estava proposto era que causa de morte “is the disease or injury that initiated the train of events leading to death” (Moriyama 1956), sendo a morte a consequência de um encontro entre um processo mórbido específico e um alvo vulnerável humano, e que deriva da função da potência de um agente e da vitalidade de um hospedeiro, como refere Samuel H. Preston (1972).

7Assim, o conceito de causa que surgia como simples, no início quando era usado para classificar causas de morte como anotadas nos registos, na prática apresentou um certo grau de dificuldade porque as variações acerca da interpretação dos termos tais como causa primária, causa principal, causa básica de morte, causa subjacente, etc. constituíram uma fonte de obstáculos na classificação das causas de morte, dado o facto de a morte resultar de mais do que uma entidade morbífica, e de, além disso, existirem vários eixos de classificação das doenças, uns mais centrados na etiologia, outros na localização anatómica ou nas circunstâncias do início da doença ou até nos factores que influenciaram o estado de saúde.

8Apenas quando a classificação das doenças se limitou a um número restrito de categorias que abrangia a totalidade das afecções mórbidas foi possível uma classificação de causas de morte mais completa. Foi um imenso contributo para uma actuação mais eficaz do utilizador no preenchimento dos atestados de óbitos, uma vez que a morte pôde ser registada através de uma causa básica, principal, mesmo quando condições várias são listadas no certificado. Deste modo, o certificado de óbito passou a ser a base das estatísticas de causas de morte, preenchido segundo determinados requisitos, evitando-se serem exarados em terminologia heterogénea.

9A definição internacional oficial de causa de morte clarificou-se em 1955, através da World Health Organization e depois reafirmada na 20.a Assembleia Mundial de Saúde, em Maio de 1967, como “todas aquelas doenças, estados mórbidos e lesões que produziram a morte, ou que contribuíram para ela e também as circunstâncias do acidente ou da violência que produziram aquelas lesões”, ainda hoje em vigor, e presente nas Estatísticas da Saúde portuguesas.

10Feita a explicitação e partindo das primeiras informações mais substantivas, procuraremos delinear uma confrontação de características de estrutura e de tendências da mortalidade por causas no Continente português, entre os dezoito distritos, para obtermos um certo número de indicações que nos ajudarão a uma melhor interpretação da redução da mortalidade e mostrar como se passou de um quadro nosológico, tipificado por certas doenças que eram mais do foro infeccioso e parasitário (doenças transmissíveis), em que os óbitos estavam distribuídos por todas as idades mas com uma concentração nas idades mais jovens, para um outro dominado por patologias de degenerescência (doenças não transmissíveis) e traumatismos, em que os óbitos estão concentrados no fim da vida. Portanto, observaremos qual foi o seu papel no declínio da mortalidade geral e que modificação acarretaram no perfil sanitário da população, numa perspectiva do contributo relativo de cada uma das diversas causas, isto é, que as tendências que observaremos completam os dados precedentemente descritos para a mortalidade geral, nos seus níveis e propensões.

2.2 – O perfil da mortalidade através dos principais domínios patológicos na transição epidemiológica do século XX

11Atendendo a que, a partir dos anos 20, a tendência geral foi a da intensificação do recuo da mortalidade, ainda que se processasse segundo ritmos e tempos diferenciados, como constatámos ao estudarmos a transição demográfica em Portugal, apresentaremos, para estes anos e até 1990, a caracterização intrínseca dos declínios através da incidência e da formulação das estruturas de causas de morte.

12Rememorando, as taxas distritais globais da mortalidade (Anexo A) apontaram-nos para uma declinação universal, acentuada, de 1920 a 1940 e desta data até 1970. Nestes dois últimos anos ocorreu um refluxo nos valores para alguns casos e apenas um abrandamento das taxas para outros (ex: Braga, Coimbra, Porto e Viana do Castelo, em 1940, e Castelo Branco, Évora, Faro, Leiria e Santarém, em 1970). De 1970 até ao fim do período em análise verificaram-se ainda pequenas oscilações que divergiram de caso para caso. Quanto à esperança de vida à nascença (e0) e numa brevíssima análise, dá-se conta que também esta sofreu, no seu ritmo evolutivo, em alguns distritos, um retrocesso algo significativo entre 1930 e 1940, nomeadamente no distrito de Braga: de 50,04 anos para 47,89 anos; no do Porto: de 45,83 anos para 43,80 anos; no de Coimbra: de 56,46 anos para 54,79 anos; no de Aveiro: de 54,69 anos para 53,04 anos e no de Portalegre: de 53,30 anos para 52,62 anos.

13Passaremos agora a reconstituir séries de dados de causas de morte, estruturados em função dos principais capítulos de patologias responsáveis pela mortalidade (Anexo D). A apresentação dos dados, sob uma forma que fosse compatível entre a mortalidade de 1920 com a dos anos seguintes até 1990 não foi linear devido a algumas mudanças de classificação, dependentes do próprio progresso dos conhecimentos, da evolução particular das doenças e do grau de detalhe adoptado para a elaboração das estatísticas da mortalidade. Poderemos dar como exemplo as perturbações vasculares cerebrais que foram incluídas nas doenças do aparelho circulatório ainda que tenham figurado nas doenças do sistema nervoso central até à 7.a Revisão da CID, em 1955; as doenças diarreicas, antes e após dois anos de idade, que foram sistematicamente incluídas nas doenças infecciosas e não no capítulo digestivo.

14Como já foi referido no Capítulo 3 da II Parte, não tentámos interpretar o conteúdo suposto de tal ou tal denominação da época, mas tão-somente utilizá-lo conforme estava expressado nas estatísticas e integrá-las no capítulo a que pertencia, na terminologia geral.

15As séries cronológicas, simples, de estruturas de causas de morte que apresentaremos assentam em dois pontos:

  • reagrupamento das causas em vastos conjuntos de patologias que correspondem quase sempre a capítulos inteiros da CID em uso, mas caracterizador também da mortalidade do início do século.

  • periodicidade decenal, ou seja, toda a informação apresentada é o reflexo das prevalências nos dois primeiros anos de cada decénio observado.

16Impõe-se primeiramente uma chamada de atenção para a parte das causas não especificadas e ignoradas que incluem sintomas e estados mórbidos mal definidos e a senilidade e representam, a priori, uma dificuldade importante quando se pretende comparar a mortalidade nas diferentes épocas ou nos diferentes distritos, porque enviezam a validade do conjunto, como já referido noutra parte deste estudo.

17Agrupavam cerca de dois quartos (44,92%) dos óbitos do Continente que, em 1920, não haviam recebido causa claramente especificada no conjunto obituário, mas reduziram-se de forma significativa em 1930, passando a constituir, a partir de agora até 1970, cerca de um sexto das mortes registadas. Em 1980 e 1990 não ultrapassavam já os 12,83% (e mais recentemente, em 1996, os 11,88%) o que ainda assim constituía um número expressivo se pensarmos que a sua representatividade era já bastante menor noutros países e em datas anteriores (como por exemplo, em 1975, a Áustria com 1,6%, a Dinamarca com 2,4%, a Itália com 2,6% e a Espanha com 4,7% – Caselli et Egidi 1981 – ou a França, em 1986, com 6% – Hatton et alii 1990). Mas podemos obviar que a propensão para a quebra nas causas imprecisas tem sido um indicador não só da melhoria da declaração mas também do desenvolvimento médico. Observá-la-emos de forma mais detalhada em esquema próprio, de seguida.

Sintomas, Sinais, Afecções Mal Definidas e Senilidade

Quadro 18 – Evolução da categoria Sintomas, Sinais, Afecções Mal Definidas e Senilidade (%)

Quadro 18 – Evolução da categoria Sintomas, Sinais, Afecções Mal Definidas e Senilidade (%)

* Nesta rubrica estão incluídas: 1920 e 1930-causas 37 (outras doenças) e 38 (doenças ignoradas ou mal definidas); 1940 e 1950-causa 43 (causas não especificadas ou mal definidas); 1980 e 1990-causa 46 (sintomas, sinais e afecções mal definidas, com inclusão de senilidade sem menção de psicose).
** Nesta rubrica estão incluídas:
1920 e 1930-causa 34 (senilidade); 1940 e 1950-causa 39 (senilidade); 1960 e 1970-causa B45 (senilidade sem menção de psicose e causas mal definidas e desconhecidas).
***Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde 1996, INE.

18Uma leitura linear, simples, da forma como se processou a passagem dos valores muito elevados de 1920 (vejamos Bragança, com 81,84% dos óbitos não identificados) até aos casos de Lisboa e de Setúbal, em 1990 (com 5,56% e 9,63%, respectivamente), poder-nos-ia induzir em erro se não tivéssemos em conta que ocorreram variações de decénio para decénio. A primeira situação muito clara que se evidencia é entre 1920 e 1930, em que a nível do Continente se passa de 44,92% para 14,17% na classificação geral dos Sintomas, Sinais e Afecções Mal Definidas, consequente da “(...) incipiência dos meios de diagnóstico e a falta de rigor no preenchimento dos verbetes (...)” mas “(...) são, aliás, modificações neste último aspecto, coincidentes com a centralização desta informação na Direcção Geral de Estatística, em Fevereiro de 1929, que determinam a enorme descida, de 1920 para 1931, das taxas de mortalidade por senilidade e causas não especificadas ou mal definidas (...)”(Simões 1989).

19Conforme se avançou no tempo, de uma pormenorização mínima até 1950 passou-se para uma especificação cada vez mais qualificada em que se fez a associação entre os dois grandes grupos de óbitos de causas imprecisas, deixando portanto de se apresentar individualizados. Assiste-se à persistência dos valores acima do 12%. Por uma questão de esclarecimento da necessidade de comparação de uma situação tão próxima quanto possível no tempo, incluímos na nossa análise o ano de 1996 que nos aponta para uma descida de apenas um ponto percentual no espaço de seis anos.

20Cingir-nos-emos agora à evolução nos clusters constituídos no capítulo anterior (a sombreado no quadro 18), ou seja, aqueles distritos que mais discriminantemente se organizaram, ao longo do tempo, em torno destas duas principais formas de imprecisão.

21De 1920 e ao longo de todo o período em observação, o mais atingido foi o interior norte e centro em termos de deficiente certificação médica, o que recaía, em grande volume, sobre a causa “doenças ignoradas ou mal definidas”. Por outro lado, neste ano, coincidentemente, todos aqueles distritos em que a Senilidade prevalecia, esta estava consubstanciada com a causa 37 (outras doenças), como podemos ver ainda na Figura 88. Já em 1930 esta causa é apenas caracterizadora dos distritos de Lisboa, Setúbal e Porto, mas de forma pouco preponderante.

22Nos anos de 1940 e 1950 a segunda causa de imprecisão, a Senilidade, vai-se sobrepondo às causas não especificadas ou mal definidas, para, no início dos dois decénios seguintes, aparecer ao nível da nomenclatura classificativa individualizada, com a denominação de “Senilidade sem Menção de Psicose e Causas Mal Definidas e Desconhecidas” (B45). Em 1980 e 1990 dá-se de novo a inversão na terminologia usada para esta categoria, que passou a ser apenas descrita como “Sintomas, Sinais e Afecções Mal Definidas”, mas admitindo a inclusão da senilidade sem menção de psicose.

23Denotou-se, de uma forma muito específica, que a não identificação da causa de morte foi um comportamento persistente nos distritos de Bragança, Castelo Branco, Guarda e Faro, que mantiveram sempre a constância dos valores, mesmo estando, em 1996, classificados acima da média continental, como podemos observar.

24Esporadicamente, distritos do litoral (excepção para Faro) foram conotados com esta categoria que estamos a analisar.

25Na evolução verificada para o conjunto continental manifestou-se uma tendência para o decréscimo, ainda que com oscilações temporárias, que reflectiu o procedimento distrital. Neste foi patenteada a situação dos que se encontravam mais apetrechados em termos da cobertura na assistência médica e de diagnóstico (casos, por exemplo, de Lisboa, Setúbal, Aveiro e mesmo de Évora) cujos níveis se manifestaram sempre inferiores, não ocorrendo, se não casualmente, a sua organização em torno dos sintomas, sinais e afecções mal definidas.

Figura 88 – Evolução da categoria Sintomas, Sinais, Afecções Mal Definidas e Senilidade

Doenças Infecciosas e Parasitárias

Quadro 19 – Evolução da categoria Doenças Infecciosas e Parasitárias*

Quadro 19 – Evolução da categoria Doenças Infecciosas e Parasitárias*

* Inclui as causas: 13 (Tuberculose dos pulmões): 25 (diarreia e enterite antes dos dois anos); 25B (diarreia e enterite aos dois e mais anos), em 1920 e 1930; 10 (tuberculose do aparelho respiratório): 11 (todas as outras tuberculoses): 29 (diarreia e enterite antes dos dois anos); 29B (diarreia e enterite depois dos dois anos), em 1940 e 1950; B1 (tuberculose do aparelho respiratório), no ano de 1960; 01-07 (doenças infecciosas e parasitárias), no ano de 1980.
** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.

26No contexto desta categoria patológica ressalta a sua diminuição progressiva, a perda de importância a partir dos anos 50 que conduziu ao nível de 1,39% de 1980, mas que, por comparação com o ano de 1996, se traduziu num ligeiro acréscimo, sem, contudo, ser expressivo.

27Até 1950 as Doenças Infecciosas e Parasitárias permaneceram como uma das principais causas de morte no País, sendo imputado às diarreias e enterites o grande peso na mortalidade, claramente no que concerne às que ocorreram antes dos dois anos de idade. Em 1920, no Continente, foram responsáveis por cerca de 10100 óbitos, em 1930 por cerca de 11800 e em 1940 por cerca de 13 200, evidenciando-se o contributo dos distritos de Lisboa, do Porto e de Setúbal (Figura 89). De notar ainda que, em 1920, em termos absolutos e relativos, e por ordem de importância, doze dos dezoito distritos tinham esta causa como a primeira de um conjunto de doze. A etiologia destas doenças, fortemente ligadas ao meio ambiente social (habitação, alimentação...) e à higiene, explica facilmente estas vicissitudes. Acrescentaríamos que no Continente estas doenças encontravam condições particulares favoráveis ao seu desenvolvimento, provocando, provavelmente, na época de verão um máximo destes óbitos infantis.

Figura 89 – Evolução da categoria Doenças Infecciosas e Parasitárias

28Entre os anos de 1930 e 1940 notou-se a recrudescência da tuberculose do aparelho respiratório, ocupando mesmo o primeiro lugar no conjunto obituário dos distritos de Lisboa e Setúbal, o terceiro no do Porto e Faro e o quarto no de Coimbra e Beja, com forte incidência nas idades compreendidas entre os 15 e os 69 anos. Denotou-se, porém, que a grande concentração das mortes ocorreu, com particularidade para o sexo masculino, nas idades entre os 20-39 anos no distrito de Lisboa, entre 15-29 anos no distrito de Setúbal, entre os 20-34 anos no distrito do Porto, entre os 25-34 anos no distrito de Faro e entre os 20-29 anos nos distritos de Coimbra e Beja. Estas circunstâncias sucederam-se, muito provavelmente, devido à situação conjuntural socioeconómica vivida na sequência da última Grande Guerra (Morais 1995). A sua menor representatividade noutros distritos podemos ligá-la a um processo de urbanização menos rápido e menos avançado que pôde constituir um travão à difusão desta doença que se expandia rapidamente naqueles distritos de características inversas.

29Tanto o Quadro 19 como a Figura 89 indiciam a ocorrência, na sua forma mais discriminante, destas patologias no litoral continental. Os progressos que se realizaram e tornaram possível a sua acentuada atenuação estão ligados não só a terapias específicas, cada vez mais eficazes (como por exemplo, a vacinação e o alargamento da rede de postos de rastreio, o uso expandido de antibióticos, etc.), mas também a mutações ocorridas nas condições de vida das populações, a factores de ordem estrutural, que tiveram um papel tão importante quanto o dos avanços biomédicos.

Doenças do Aparelho Respiratório

Quadro 20 – Evolução da Categoria Doença do Aparelho Respiratório*

Quadro 20 – Evolução da Categoria Doença do Aparelho Respiratório*

* Inclui as causas: 20 (bronquite aguda); 22 (pneumonia); 23 (outras doenças do aparelho respiratório, excepto tísica), em 1920 e 1930; 26 (bronquite); 27 (pneumonia), em 1940 e 1950; B31 (pneumonia); B32 (bronquite), em 1960 e 1970; 321 (pneumonia); 323 (bronquite, enfisema e asma), em 1980 e 1990.
** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.

30A evolução temporal da mortalidade deste sector nosográfico processou-se através de um ritmo ondulante cujos picos se encontraram no início dos anos 40, 60 e 70. Registaram-se posteriormente níveis bastante reduzidos. Quando comparamos 1990 com o ano de 1996, porém, somos confrontados com uma variação de 156%, ou seja, a situação no Continente mais que duplicou em número de casos, com sete distritos acima da média geral.

31Dois grandes tipos de afecções representaram cerca de 2/3 das doenças respiratórias: as pneumonias e as bronquites.

32No conjunto das idades, em termos absolutos, estas doenças respiratórias foram responsáveis pelo maior número de óbitos no sexo masculino do que no feminino, em todos os anos de observação. Isto mesmo podemos observar, a título de exemplo, no Quadro 21.

33Notou-se, porém, uma maior frequência nos adultos, a partir dos 45 anos, com forte incidência acima dos 75 e mais anos e com agravamento da letalidade feminina, como se prova ainda no mesmo quadro.

Quadro 21 – Sobremortalidade masculina por Pneumonia e Bronquite, 1990

Quadro 21 – Sobremortalidade masculina por Pneumonia e Bronquite, 1990

34As doenças aqui tratadas estão notoriamente ligadas às condições ambientais e também à resistência física dos indivíduos “(...) La vulnérabilité d’un individu à un âge donné ne tient pas seulement au potentiel vital théorique correspondant à cet âge combine aux conditions sanitaires du moment mais aussi à la détérioration (ou à l’amélioration) de ce potentiel resultant de son vécu antérieur (...)” (Wilmoth 1989)-daí que as variações climáticas possam de alguma forma influir no agravamento destas patologias, nomeadamente durante os meses de inverno, com alguma susceptibilidade no que toca às crianças e aos idosos e também àqueles que usufruem de menores rendimentos.

35Não podemos deixar de associar estas duas principais enfermidades respiratórias (também elas do foro infeccioso) com a causa anteriormente descrita, a tuberculose pulmonar, porque se complementam. Ainda que sejam actualmente de fraca representatividade, continuam presentes no panorama nosológico nacional. O distrito do Porto, se exceptuarmos 1920, encontramo-lo sempre representado com níveis, de uma forma geral, crescentes (Figura 90).

Doenças do Aparelho Circulatório

36Confrontados com o peso desta patologia na mortalidade geral nota-se a sua importância crescente. Contribuiu para explicar os valores que rondaram os 30/40% da mortalidade global nos últimos anos do período em análise. Em 1980, este valor subiu aos 43,20% no Continente.

Figura 90 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Respiratório

Quadro 22 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Circulatório*

Quadro 22 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Circulatório*

Nota: até 1970 estão inclusas nesta categoria também as Doenças do Sistema Nervoso e dos Órgãos dos Sentidos com as causas 18, 22 e B22.
* Inclui as causas: 18 (Congestão, hemorragia e amolecimento do cérebro); 19 (lesões orgânicas do coração), em 1920 e 1930; 22 (hemorragia cerebral, embolia ou trombose cerebral); 24 (doenças do coração) em 1940 e 1950; B22 (lesões vasculares afectando o sistema nervoso central); B26 (doença arteriosclerótica e degenerativa do coração); B27 (outras doenças do coração); B28 (hipertensão com doença do coração) em 1960 e 1970; 25-30 (doenças do aparelho circulatório); 29 (doenças cerebrovasculares); 270 (enfarte agudo do miocárdio); 300 (aterosclerose), em 1980 e 1990.
** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.

37Analisando a situação em termos de transição epidemiológica, na fase inicial da nossa observação, quando não ultrapassavam os 9,16%, estas enfermidades tinham um papel relativamente marginal, mas transformaram-se ao longo do tempo em elementos chaves da patologia moderna.

38Numa primeira abordagem, a parte das doenças do aparelho circulatório na globalidade dos óbitos (Anexo C), salienta-se que as percentagens diferem segundo o sexo: mais frequentes no sexo feminino, em todo o conjunto distrital, do que no sexo masculino. Porém, no que concerne à idade, e como podemos comprovar através dos dois anos paradigmáticos destas patologias (1980 e 1990), apresentados nos quadros seguintes e que se conformam com o que se passou em anos transactos, a mortalidade circulatória, após o primeiro anos de vida, onde tem alguma expressão, é praticamente inexistente entre os 1-4 anos. As taxas elevam-se de seguida de forma regular, segundo, podemos dizer, uma curva exponencial. Não se nota descontinuidade e os valores mais elevados observaram-se nas idades avançadas. Modernamente, nenhum outro domínio patológico atingiu taxas tão elevadas.

39As doenças cérebro e cardiovasculares apresentaram-se como a principal causa de óbitos nas idades mais avançadas, qualquer que seja o sexo.

Quadro 23 – A sobremortalidade masculina por Doenças do Aparelho Circulatório, 1980

Quadro 23 – A sobremortalidade masculina por Doenças do Aparelho Circulatório, 1980

Quadro 24 – A sobremortalidade masculina por Doenças Cerebrovasculares, 1990

Quadro 24 – A sobremortalidade masculina por Doenças Cerebrovasculares, 1990

Fonte: Dados de base retirados de Risco de Morrer em Portugal, 1990. Direcção-Geral dos Cuidados de Saúde Primários, 1992

40Contudo, a sua intensidade torna-se nitidamente mais contrastante a partir dos 75 e mais anos, com um aumento substancial de óbitos do sexo feminino. Por sua vez, a intensidade masculina é mais notória entre os 45 e 74 anos. Não se pode esquecer que este tipo de mortalidade é correlativa do envelhecimento da estrutura demográfica portuguesa.

41O tipo de doença circulatória também contribuiu para uma certa diferenciação entre os sexos, nos vários grupos etários: a doença isquémica do coração (CID:27) é de forma marcadamente típica do sexo masculino até aos 75 e mais anos, de onde sobressai o enfarte agudo do miocárdio; nas doenças cerebrovasculares, até aos 64 anos, os casos de óbitos femininos são metade dos óbitos masculinos. A partir daqui dá-se uma aproximação no número de mortes e até quase duplica a partir dos 75 e mais anos.

42Em termos espaciais, e dado que interveem contextos económicos e sociais diferenciados e uma situação sanitária, em alguns casos, ainda tributária de patologias mais tradicionais e dos fracos avanços técnicos na medicina, ao observarmos a Figura 91 verificamos que existe um conjunto de distritos do interior centro e do interior norte (Castelo Branco, Guarda, Bragança e Vila Real) que apenas em 1990 pareceu sofrer uma melhoria na acessibilidade social aos equipamentos colectivos de saúde. Desde 1920 uma parte dos distritos do litoral atlântico gozou de uma situação de privilégio no campo de diagnóstico das doenças do aparelho circulatório.

43Em face da situação observada, a redução da mortalidade por doenças do aparelho circulatório pode ser um objectivo a alcançar porque se, por um lado, são a principal causa de morte, por outro, são também as que melhor beneficiam de medidas preventivas. Sensibilizar e ensinar a população sobre factores de risco e a necessidade de adoptar estilos de vida saudáveis, mediante campanhas de rastreio e de informação, pode ser uma via para a sua redução.

Figura 91 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Circulatório

Tumores

44Os tumores tiveram um papel importante na mortalidade geral, marcadamente de tendência crescente, sem retorno: se em 1930 apenas representavam 2,67%, em 1980 o seu peso ascendeu a 15,06%. Na sua evolução mais recente (1996) a variação foi de +27%.

Quadro 25 – Evolução da categoria dos Tumores*

Quadro 25 – Evolução da categoria dos Tumores*

* Inclui as causas: 16 (Cancro e outros tumores malignos), no ano de 1930; 15 (Cancro e outros tumores malignos), em 1940 e 1950; B18 (Tumores malignos, incluindo tumores dos tecidos linfáticos e hematopoiéticos), em 1960 e 1970; 08-14 (Tumores malignos); 091 (Tumor maligno do estômago); 101 (Tumor maligno da traqueia, dos brônquios e do pulmão), em 1980 e 1990.
** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.

45Estas proporções, no conjunto dos distritos do Continente, variaram segundo o sexo, em termos relativos (Anexo C): foram mais frequentes entre as mulheres até 1970; a partir daqui houve um registo maior do número de casos de óbitos do sexo masculino.

46Se se pretender ter em conta a frequência segundo a idade e o sexo, podemos constatar, a título de exemplo, as taxas de mortalidade por tumores no Continente, em 1980 e 1990 (Figuras 92 e 93 e Anexo D-Quadro 7): permaneceram bastante fracas da nascença até aos 25 anos. A sua progressão foi, ao contrário, muito acentuada na idade adulta e evidenciou-se entre os homens a partir dos 45 nos, tendo o seu ponto culminante, em 1980, aos 65-74 anos. Seguiu-se um agravamento, no início do decénio seguinte, mas diferindo-se o número máximo de óbitos para os 75+ anos.

Figura 92 – Tumores no conjunto dos óbitos, segundo o sexo e a idade. Continente, 1980

Figura 93 – Tumores no conjunto dos óbitos, segundo o sexo e a idade. Continente, 1990

47A relação de sobremortalidade masculina (Quadro 26) ultrapassou permanentemente a unidade a partir dos 55 até aos 74 anos em qualquer dos distritos analisados, quer em 1980 quer em 1990. De salientar que foi entre os 5-14 anos que se verificaram os valores mais elevados da sobremortalidade masculina.

Quadro 26 – A sobremortalidade masculina por Tumores, 1980 e 1990

Quadro 26 – A sobremortalidade masculina por Tumores, 1980 e 1990

* Fonte: Risco de Morrer em Portugal, 1990. Direcção-Geral dos Cuidados de Saúde Primários, 1992.

48Das numerosas localizações tumorais susceptíveis de causar a morte, sobressaíram, em 1990, especificamente, os tumores malignos do estômago e os tumores malignos da traqueia, dos brônquios e do pulmão. A evolução da mortalidade nestes dois domínios causou progressivamente um desvio entre os dois sexos, sendo os homens superiormente atingidos em relação às mulheres. O cancro da mama feminina, depois dos do aparelho digestivo, foi o mais significativo no sexo feminino, em 1980, no Continente (Anexo D, Quadro 8).

Figura 94 – Evolução da categoria Tumores

49Espacialmente (Figura 94), na distribuição dos distritos que mais discriminantemente sobressaíram em torno da causa de morte Tumores, o de Lisboa (acompanhado de perto pelo de Setúbal) assumiu especial importância dado que desde logo apresentou registos, ou seja, desde 1930, e persistiu até final do período, ainda que com informação globalizante, não especificando a localização dominante dos tumores. Em 1996, aqueles dois distritos continham em si as taxas mais elevadas, evidenciando a melhoria e a expansão de meios de diagnóstico, mesmo quando muito ainda há a descobrir sobre a etiologia dos tumores malignos, dado que cada tipo de cancro parece ter a sua própria evolução em função da idade.

50Toda a intervenção na prevenção primária, ainda que se tenha revelado pouco eficaz, e um diagnóstico precoce são factores capazes de fazer reduzir os níveis de mortalidade neste domínio patológico.

Doenças do Aparelho Digestivo

Quadro 27 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Digestivo*

Quadro 27 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Digestivo*

* Inclui as causas: 32 (Outras doenças do aparelho digestivo), no ano de 1950; B36 (gastrite, duodenite, enterite e colite, excepto diarreia do recém-nascido); B37 (cirrose do fígado), em 1960 e 1970; 347 (doenças crónicas do fígado e cirrose), em 1980 e 1990.
** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.

51Foi apenas a partir da década de 50 que pontificaram as doenças do foro digestivo, primeiro de forma indiscriminada, mas, a partir dos anos 70, a cirrose do fígado tornou-se, de longe, a causa dominante, a de maior incidência entre todas as doenças do aparelho digestivo. No início da década de 60, porém, como um peso de 7,64% no conjunto das causas de morte no Continente, e correspondendo a uma surto nos distritos de Braga, Bragança e Vila Real, não reconhecido na maior parte dos restantes quinze distritos, temos evidenciada a gastrite, duodenite, enterite e colite, com excepção da diarreia do recém-nascido.

52A evolução da mortalidade por Doenças Crónicas do Fígado e Cirrose foi no sentido de se inverter nas últimas duas décadas analisadas, passando do sexto lugar que ocupou na mortalidade global, em 1980, a nível continental, para décimo lugar, em 1990. Naqueles distritos que mais discriminantemente continham esta causa de morte os valores também baixaram. Senão, vejamos o que se passou ao nível da sua evolução, por sexo e idade.

Quadro 28 – Mortalidade por Doença Crónica do Fígado e Cirrose, por idade e sexo

Quadro 28 – Mortalidade por Doença Crónica do Fígado e Cirrose, por idade e sexo

53Depois do vazio dos 0 aos 15 anos, os casos deste tipo de mortalidade subiram de forma importante dos 25 até aos 64 anos e inflectiram claramente de seguida, nos três distritos, de forma mais marcada no sexo feminino, até aos 74 anos. Como é habitual, os valores femininos são inferiores aos masculinos: a diferença é particularmente marcante entre 55 e 74 anos e, em alguns casos, atingiram mesmo o dobro e o triplo.

54A partir dos 75+ anos, em 1980 e em 1990, os valores globais reduziram-se de forma expressiva, mas neste última data o número de mulheres era ligeiramente superior, tendo este facto mais a ver com as alterações na estrutura demográfica porque o alargamento da esperança de vida favoreceu o sexo feminino.

55O decréscimo destas afecções pode testemunhar as melhorias de um problema social de grandes dimensões, quer através dos avanços tecnológicos no seu diagnóstico quer de uma maior equidade no seu acesso e dos efeitos prováveis de uma educação sanitária sobre hábitos alimentares.

Figura 95 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Digestivo

Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos

Quadro 29 – Evolução da categoria Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos*

Quadro 29 – Evolução da categoria Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos*

* Inclui as causas: 35 (mortes violentas, excepto suicídios), no ano de 1930; 42 (morte violenta ou acidental, excepto suicídio e homicídio), em 1940 e 1950; BE-BE (acidentes, envenenamentos e violências), no ano de 1960; BE47 (acidentes com veículos automóveis); B48 (todos os outros acidentes) no ano de 1970; E47-E53 (acidentes e efeitos adversos); OC (outras causas externas), no ano de 1980; CNE (outras causas não especificadas); 47 (fracturas); E471 (acidentes de trânsito com veículos a motor), no ano de 1990.
** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.

56A evolução das causas de morte violenta é caracterizada pela importância crescente que ela revestiu no interior da mortalidade global. Aumentaram até atingirem, a nível continental, valores máximos em 1990 (13,84%). Em 1996, porém, registou-se um decréscimo geral.

57O início da década 80 foi fortemente marcante nos seus valores, que resultaram de uma informação, sem grande especificação e que são o conjunto dos acidentes e os efeitos adversos com outras causas externas.

58Vejamos como se apresentaram estas tendências nos distritos mais representativos.

59Espacialmente (Figura 96) denotou-se que apenas o distrito do Porto, em nenhuma data observada, foi caracterizado por esta categoria de causa de morte. Dos restantes dezassete distritos em quase todos se assistiu a um crescendo deste tipo de mortalidade por acidentes, envenenamentos e traumatismos. A razão de tal poderemos encontrá-la quer ligada a um moderno avanço na motorização quer ao aumento do fluxo de tráfego. A facilidade de acesso a veículos motorizados também é um aspecto a ter em conta.

Figura 96 – Evolução da categoria Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos

60A ocorrência destas categorias de causas de morte nos distritos não predominou igualmente ao longo do tempo. Houve bastante variabilidade na sua incidência, contudo, os distritos de Évora e de Santarém mantiveram ao longo do tempo a sua representatividade, mas no ano de 1990 apenas cinco do conjunto distrital não se encontram patenteados. A mancha alastrou dentro de uma certa continuidade espacial.

61Dois grandes tipos de acidentes dominaram o conjunto: os acidentes de viação e as quedas acidentais. Estiveram diversamente associados à idade, aos diferentes períodos da vida, e constituíram como que dois modelos: enquanto as quedas acidentais apareceram mais a partir da idade adulta, os acidentes de viação com veículos motorizados estiveram fortemente ligados às idades da adoslescência até aos 25 anos. Neste último contexto, a parte das mortes violentas na mortalidade geral é máxima (Anexo D - Quadro 11). Por um lado, em razão do número importante de traumatismos, por outro lado, da fraca incidência de outras patologias nestas idades, muito em especial a partir dos anos 70.

62A originalidade das mortes violentas, em termos de distribuição etária, encontramo-la na configuração dos valores: pouco elevados na infância, de uma forma genérica para ambos os sexos, mas com um aumento brutal entre os jovens de 15 a 24 anos. Os valores decaem então e ocorre mesmo uma certa estabilidade entre os 25 e 54 anos. Porém, os valores masculinos ultrapassam os femininos, como podemos confirmar através do Quadro 30.

Quadro 30 – Sobremortalidade masculina por Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos, 1980 e 1990

Quadro 30 – Sobremortalidade masculina por Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos, 1980 e 1990

63A diferença entre os sexos é, pois, considerável, acontecendo que, nos distritos de Bragança, Portalegre, Castelo Branco e Évora, a ocorrência de mortes violentas nos homens foi de entre 16 e 20 vezes superior à das mulheres, em 1990, nas idades 15/34 anos. A partir dos 55 anos até 74 anos a relação de masculinidade atenua-se ainda que os valores sejam, mesmo assim, significativos. Aqui, as quedas acidentais foram as principais responsáveis. Aos 75+ anos as mortes femininas, por vezes, ultrapassaram as masculinas, sendo em parte consequência do envelhecimento e da estrutura demográfico própria de cada distrito.

64Se em 1996 esta situação pareceu estar mais atenuada, poderá indiciar uma relação com medidas de prevenção rodoviária e de assistência nas estradas mais eficaz e também uma melhoria das condições de segurança nos locais de trabalho.

As Outras Patologias

65Nesta rubrica incluiremos afecções que perderam importância na mortalidade geral e as afecções emergentes, cujo registo significativo se reporta apenas aos anos 80 e 90.

Malformações Congénitas e Certas Doenças da Primeira Infância

Quadro 31 – Malformações Congénitas e Certas Doenças da1.a Infância*

Quadro 31 – Malformações Congénitas e Certas Doenças da1.a Infância*

* Inclui as causas: 33 (debilidade congénita e vícios de conformação), em 1920 e 1930; 38 (debilidade congénita, vícios de conformação congénitos, nascimento prematuro), em 1940 e 1950; B44 (outras doenças particulares da primeira infância e prematuridade não qualificada), em 1960 e 1970.

66De notar que ao invés de outras patologias até aqui observadas, esta categoria teve expressão apenas até 1970, ocupando neste ano o último lugar dentre as doze causas de morte mais representativas, enquanto entre 1920 e 1960 ocupou o 8.° lugar.

67Interessantes no plano epidemiológico, são doenças cujo número nunca foi muito elevado e que estão concentradas num período particular da vida. Estão divididas em dois capítulos: o da debilidade congénita e vícios de conformação e o das doenças particulares da primeira infância, sendo as primeiras mais responsáveis pela mortalidade infantil no início das décadas de 20 até 50, com valores no Continente entre 3,84% e 6,04%, e as segundas nos anos 60 e 70 (4,58% e 2,05%, respectivamente). Espacialmente diversificadas e sem incidência contínua no tempo em praticamente todos os distritos. Contudo, poderemos afirmar que até 1940 a região Alentejo foi a que teve maior número de ocorrências e que a partir da década de 50 apenas três distritos da região Norte foram mais afectados, com o distrito de Vila Real em evidência. Desde os anos 80 uma melhor assistência materno-infantil, uma melhor informação e vigilância durante o período da gravidez proporcionaram a redução activa deste tipo de obituário.

68Das doenças emergentes no registo das doze causas de morte mais representativas do obituário continental faremos referência, em primeiro lugar, às Doenças das Glândulas Endócrinas, da Nutrição e do Metabolismo e Transtornos Imunitários

Quadro 32 – Evolução da categoria Doenças das Glândulas Endócrinas, da Nutrição e do Metabolismo e Transtornos Imunitários*

Quadro 32 – Evolução da categoria Doenças das Glândulas Endócrinas, da Nutrição e do Metabolismo e Transtornos Imunitários*

* Inclui a causa 181 (diabetes mellitus), em 1980 e 1990
** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.

69Dentre estas doenças a que se apresentou com a maior representatividade, no conjunto da mortalidade global, foi a diabetes mellitus, responsável por 1,32% das mortes continentais em 1980 e 3,17%, em 1990 – neste caso parece não ter sido alheia a utilização de meios de diagnóstico cada vez mais aperfeiçoados. Notou-se a persistência dos valores no ano de 1996.

70Na sua distribuição distrital a mancha de 1980 formou como que um bloco contíguo, com os distritos de Leiria, Lisboa, Santarém e Setúbal.

71De uma análise em termos de sexos (Quadro 33), poderemos dizer que em qualquer dos seis distritos observados, em 1980, a mortalidade feminina foi mais importante que a dos homens, por vezes de forma bastante significativa (no distrito de Lisboa, por exemplo, representou cerca de 60 a 70% do conjunto dos óbitos desta origem). Porém, a frequência para a diferenciação segundo a idade ganhou ainda maior significância, ou seja, pronunciou-se no início da década de 90.

Quadro 33 – Mortalidade por Doenças do Sistema Endócrino, 1980 e 1990

Quadro 33 – Mortalidade por Doenças do Sistema Endócrino, 1980 e 1990

72A diabetes mellitus é uma doença caracterizada por hiperglicémia e, para alguns autores, devido a uma relativa ou absoluta carência de insulina, e a sua expansão está ligada a factores hereditários mas também a lesões do pâncreas (órgão responsável por aquela hormona que regula o modo como o organismo utiliza o açúcar no sangue); as campanhas de prevenção e de correcção de desequilíbrios nutricionais poderão concorrer para atenuação da sua evolução.

73Dever-se-á também notar que esta afecção intervém como causa associada muito mais vezes do que como causa principal de morte.

74Como segunda causa de morte emergente e apenas com expressão no início da década de 80, surgiu a categoria das Doenças do Aparelho Geniturinário, configurada na causa de morte 350 da CID, ou seja, na Nefrite, Síndrome Nefrótica e Nefrose.

75A sua representatividade, no Continente, onde teve uma distribuição espacial semelhante à da categoria das doenças das glândulas endócrinas, da nutrição e do metabolismo e transtornos imunitários, foi diminuta, não ultrapassando os 0,97%. Nos distritos de Santarém e de Leiria estiveram fixados os valores mais discriminantes. Contudo, mesmo na abrangência total das doenças do aparelho geniturinário, em 1996, estas afecções continuaram sem expressão significativa.

Quadro 34 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Geniturinário*

Quadro 34 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Geniturinário*

* Inclui a causa 350 (nefrite, síndrome nefrótica e nefrose)
** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.

76A rubrica em questão, no início da década de 80, embora recobrisse três etiologias diferentes das doenças renais, como vimos, repartiu-se de forma irregularmente diferenciada entre homens e mulheres e foi apenas expressiva a partir dos 45 anos, como poderemos ver na informação abaixo indicada.

Quadro 35 – Mortalidade por Nefrite, Síndrome Nefrótica e Nefrose

Quadro 35 – Mortalidade por Nefrite, Síndrome Nefrótica e Nefrose
  • 1 A sua denominação foi inspirada na nomenclatura das unidades territoriais (NUTS) de nível II, no Co (...)

77Em jeito de síntese e para concluir esta análise da mortalidade e da evolução das estruturas de causas de morte, figuraremos espacialmente a transição epidemiológica, ordenando os distritos de forma a contiguamente constituírem agrupamentos geográficos1 (Agrupamento Norte: Braga, Bragança, Porto, Viana do Castelo e Vila Real; Agrupamento Centro: Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu; Agrupamento Lisboa e Vale do Tejo: Lisboa, Santarém e Setúbal; Agrupamento Alentejo: Beja, Évora e Portalegre; Agrupamento Algarve: Faro), para daí se extrair homogeneidade ou heterogeneidade de situações.

Doenças Infecciosas e Parasitárias

Doenças Infecciosas e Parasitárias

78Notória a situação vivida no agrupamento Centro, manifestamente o menos afectado: dos seis distritos que a constituem apenas Leiria teve uma representação significativa, em 1930, e, com valores de 3%, o distrito de Aveiro, em 1960, último ano em que são registadas estas afecções como causas de morte.

Doenças do Aparelho Respiratório

Doenças do Aparelho Respiratório

79Aqui também se demarca a zona Centro não sendo atingida, na prática, por estas enfermidades, assim como o Algarve. É evidenciada a perda de importância deste tipo de doenças ainda que recuperadas, excepcionalmente, no distrito do Porto, no início das décadas de 80 e 90, e no distrito de Beja, em 1990.

Doenças do Aparelho Circulatório

Doenças do Aparelho Circulatório

80Partindo de uma representatividade expressiva acima dos 15%, os dezoito distritos continentais estão comprometidos com estas afecções. O grupo Central (com excepção de Castelo Branco e da Guarda, onde apenas em 1990 são manifestas), ao invés do que se passou com as situações descritas anteriormente, em termos nosográficos, aqui ocupa lugar de destaque no conjunto, por estar caracteristicamente demarcada.

81Os anos de 1980 e 1990 fizeram ressaltar a progressão destas enfermidades.

82Foram os anos de 80 que trouxeram a maior indexação a esta patologia. Lisboa e Vale do Tejo foi a região pioneira no registo sistemático dos tumores como causa de óbitos, a partir dos anos 30. Sem prevalência significativa, porém, nos agrupamentos Alentejo e Centro e não tem representação no do Algarve.

Doenças do Aparelho Digestivo

Doenças do Aparelho Digestivo

83Doenças de forte incidência no início da década 60 nos três distritos do agrupamento Norte (Braga, Bragança e Vila Real) e que têm uma componente estreitamente ligada ao regime alimentar e a processos infecciosos. Acima dos 10% não têm expressão em qualquer dos outros agrupamentos e, mesmo nos níveis inferiores, não são grandemente significativas.

Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos

Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos

84Estas causas de morte não deixaram de estar representadas em todos os agrupamentos e, de uma forma mais permanente, a partir da década de 70. Os agrupamentos com o maior volume de ocorrências foram os do Centro e Lisboa e Vale do Tejo, com valores entre 5 e 10% do obituário global. Menos atingidos, com representação percentual inferior a 5%, estão o Alentejo e o Algarve.

Malformações Congénitas e Certas Doenças da Primeira Infância

Malformações Congénitas e Certas Doenças da Primeira Infância

85A totalidade dos distritos do agrupamento Norte está inclusa no grupo dos valores entre 5-10%, bem como a do Alentejo e Algarve.

86Os agrupamentos do Centro e Lisboa e Vale do Tejo foram pouco atingidos por estas afecções. O ano limite da sua preponderância, entre as doze causas de morte mais representativas, foi o de 1970. A partir daqui tornam-se praticamente inexpressivas.

Doenças das Glândulas Endócrinas,

Doenças das Glândulas Endócrinas,

87A diabetes mellitus como principal causa de morte nesta estrutura nosológica só esteve presente no registo obituário a partir dos anos 80, relacionada com os distritos de maior desenvolvimento global e maior capacidade de diferenciação diagnóstica. Lisboa e Vale do Tejo, como agrupamento, sobressai neste conjunto.

Doenças do Aparelho Geniturinário

Doenças do Aparelho Geniturinário

88Relativamente a estas afecções, fundamentalmente de natureza renal, elas estão mais representadas no agrupamento de Lisboa e Vale do Tejo. Não têm existência em qualquer dos distritos do Alentejo ou do Algarve, enquanto fazendo parte das doenças/causa de morte mais representativas.

89Concluindo, em termos de agrupamento, percepciona-se um perfil comum específico apenas para o Centro, no qual a não existência ou a secundarização das doenças infecciosas e parasitárias e a assunção da mortalidade por doenças crónico-degenerativas estão muito claras. Estas situações decorreram, por um lado, das condições de vida inerentes a cada distrito e da acessibilidade aos equipamentos nas áreas mais urbanizadas e, por outro lado, do envelhecimento da população, dado que à excepção dos acidentes, envenenamentos e traumatismos, a maior incidência dos óbitos decorreu por efeito deste facto, nas idades mais avançadas.

90Assumiu também um percurso característico o agrupamento de Lisboa e Vale do Tejo, derivado da sua maior capacidade de resposta de diagnóstico, na sequência de um melhor apetrechamento médico-sanitário.

91Dentro dos agrupamentos há também distritos com um comportamento nosológico idêntico: são os casos de Castelo Branco e da Guarda, do Centro ou de Setúbal e Lisboa, de Lisboa e Vale do Tejo. Os primeiros por razões endógenas, próprias do seu baixo nível de desenvolvimento com os consequentes serviços de saúde insuficientes e deficiente assistência médica, e os segundos pelo seu nível de diferenciação diagnóstica e mais elevado padrão de vida.

Síntese

92Ao findar esta III Parte referiremos que a simples descrição da evolução das estruturas de causas de morte aqui consideradas, quer como principais agentes da mortalidade quer como agentes essenciais da transição epidemiológica, permitiram visualizar as mutações, ao longo do tempo, da estrutura nosológica da mortalidade.

93Se ao aumento crescente de determinadas causas se deveu um aparente agravamento da mortalidade, as taxas gerais e a esperança de vida nos distritos, como vimos noutras partes desta investigação, indiciaram, pelo contrário, uma progressão em ganhos de anos de vida decorrente de uma relativa estabilidade no contexto geral da mortalidade de outras causas que fez ressaltar as patologias modernas, firmadas nas afecções cardiovasculares e tumorais e, secundariamente, nas mortes violentas. É que as variações nas causas de morte podem ser virtualmente independentes do nível total da mortalidade.

94No interior do quadro das estruturas de causas de morte poderemos percepcionar essas particularidades, porque, em primeiro lugar, ocorreu um declínio acentuado nos registos das causas não identificadas e da senilidade, mantendo-se, porém, com valores indicativos mesmo em 1990 e 1996.

95A perda de expressividade das doenças infecciosas e parasitárias no quadro da transição epidemiológica, bem como das doenças do foro respiratório, esteve em paralelo com o agravamento das doenças do aparelho circulatório enquanto patologias que contribuíram negativamente para o alongamento da esperança de vida, bem como os tumores que tiveram uma evolução desfavorável acima dos 45 anos, com os homens a sofrerem um maior desgaste.

96As mortes violentas mereceram também um destaque especial, evidenciando-se pelo aumento crescente de acidentes com veículos motorizados e pela sobremortalidade masculina.

97Assim, à questão posta na introdução desta Parte poderemos afirmar que a mortalidade seguiu o esquema geral europeu, porque a transição epidemiológica se traçou segundo o modelo mais prevalecente (ainda que saibamos que a transição da estrutura de causas de morte possa não seguir um modelo universal).

98Denotou-se também que, na realidade, cada unidade distrital apareceu com um perfil de mortalidade específico, havendo apenas coincidências evolutivas pontuais. Este facto não se deveu só aos efeitos das estruturas demográficas próprias, mas sabemos que subsiste sempre uma variável geográfica, regional, que aparece muito dependente de factores de comportamentos e de hábitos de vida da população.

99Os factores envolvidos na alteração da mortalidade são complexos, implicando uma grande variedade de causas de morte e determinantes subjacentes, como já frisado. Uma análise detalhada dos factores que influenciam a mortalidade, abrangendo um estudo da importância relativa em cada causa de morte é, portanto, essencial para a compreensão das recentes mutações neste campo e mesmo na previsão das tendências futuras, mas não constitui objectivo deste estudo.

100Através de perdas e ganhos obtidos em termos de mudança de nível do conjunto da mortalidade, segundo as principais afecções que conduziram á morte, pudemos avaliar o papel desempenhado por cada patologia. Assim, e apenas a título ilustrativo, dentre as doze causas de morte mais significativas, em 1980 e 1990, foram escolhidas aquelas cujo compromisso com a evitabilidade é perceptível. São causas evitáveis, daí que ao aplicar-se um índice sintético denominado de “anos potenciais de vida perdidos”, tivemos a informação para aqueles distritos onde a sua predominância poderá ser atenuada.

101Este índice permitiu apreender â importância relativa das patologias na mortalidade. Admitimos um limite de 75 anos (correspondendo à esperança de vida à nascença actualmente registada em Portugal) para além dos quais os anos se perderam.

102Vejamos o que ocorreu, em 1980, relativamente às lesões traumáticas e envenenamentos em alguns distritos e qual o comportamento, em 1990, das doenças do aparelho digestivo, noutros (Quadros 36 a 40).

Quadro 36 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Aveiro, 1980 (idade limite 75 anos)

Quadro 36 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Aveiro, 1980 (idade limite 75 anos)

Quadro 37 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Braga, 1980 (Idade limite 75 anos)

Quadro 37 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Braga, 1980 (Idade limite 75 anos)

Quadro 38 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Setúbal, 1980 (idade limite 75 anos)

Quadro 38 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Setúbal, 1980 (idade limite 75 anos)

Quadro 39 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Braga, 1990 (idade limite 75 anos)

Quadro 39 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Braga, 1990 (idade limite 75 anos)

Quadro 40 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Viana do Castelo, 1990 (idade limite 75 anos)

Quadro 40 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Viana do Castelo, 1990 (idade limite 75 anos)

103É bem patente, quer numa situação quer noutra, que ainda há algum trabalho a fazer no tocante à mudança de mentalidade e de comportamentos, pelo facto constatado no fosso entre os anos potenciais de vida e os anos efectivamente vividos.

104Para finalizar, podemos dizer que o desenvolvimento socioeconómico ocorrido em alguns distritos (ex: Lisboa, Porto, Setúbal, Aveiro e Leiria) ao longo do tempo observado poderia ter tido um papel nefasto na evolução de certas doenças ligadas ao ambiente, mas que se acompanhou, por outro lado de efeitos positivos, tais como as melhorias das condições de vida e as inovações terapêuticas e de diagnóstico. Estes progressos permitiram a baixa da mortalidade, mas é de salientar que o conjunto do sistema sanitário de alguns outros distritos é que se torna ainda necessário pôr em causa.

Notes

1 A sua denominação foi inspirada na nomenclatura das unidades territoriais (NUTS) de nível II, no Continente, ainda que estejamos conscientes da falta de coincidência no conteúdo mas que mesmo assim pensamos ser útil e ajustada a sua consideração.

Table des illustrations

Titre Quadro 18 – Evolução da categoria Sintomas, Sinais, Afecções Mal Definidas e Senilidade (%)
Légende * Nesta rubrica estão incluídas: 1920 e 1930-causas 37 (outras doenças) e 38 (doenças ignoradas ou mal definidas); 1940 e 1950-causa 43 (causas não especificadas ou mal definidas); 1980 e 1990-causa 46 (sintomas, sinais e afecções mal definidas, com inclusão de senilidade sem menção de psicose).** Nesta rubrica estão incluídas: 1920 e 1930-causa 34 (senilidade); 1940 e 1950-causa 39 (senilidade); 1960 e 1970-causa B45 (senilidade sem menção de psicose e causas mal definidas e desconhecidas).***Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde 1996, INE.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 212k
Légende Figura 88 – Evolução da categoria Sintomas, Sinais, Afecções Mal Definidas e Senilidade
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre Quadro 19 – Evolução da categoria Doenças Infecciosas e Parasitárias*
Légende * Inclui as causas: 13 (Tuberculose dos pulmões): 25 (diarreia e enterite antes dos dois anos); 25B (diarreia e enterite aos dois e mais anos), em 1920 e 1930; 10 (tuberculose do aparelho respiratório): 11 (todas as outras tuberculoses): 29 (diarreia e enterite antes dos dois anos); 29B (diarreia e enterite depois dos dois anos), em 1940 e 1950; B1 (tuberculose do aparelho respiratório), no ano de 1960; 01-07 (doenças infecciosas e parasitárias), no ano de 1980.** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Légende Figura 89 – Evolução da categoria Doenças Infecciosas e Parasitárias
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre Quadro 20 – Evolução da Categoria Doença do Aparelho Respiratório*
Légende * Inclui as causas: 20 (bronquite aguda); 22 (pneumonia); 23 (outras doenças do aparelho respiratório, excepto tísica), em 1920 e 1930; 26 (bronquite); 27 (pneumonia), em 1940 e 1950; B31 (pneumonia); B32 (bronquite), em 1960 e 1970; 321 (pneumonia); 323 (bronquite, enfisema e asma), em 1980 e 1990.** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Quadro 21 – Sobremortalidade masculina por Pneumonia e Bronquite, 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Figura 90 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Respiratório
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 212k
Titre Quadro 22 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Circulatório*
Légende Nota: até 1970 estão inclusas nesta categoria também as Doenças do Sistema Nervoso e dos Órgãos dos Sentidos com as causas 18, 22 e B22.* Inclui as causas: 18 (Congestão, hemorragia e amolecimento do cérebro); 19 (lesões orgânicas do coração), em 1920 e 1930; 22 (hemorragia cerebral, embolia ou trombose cerebral); 24 (doenças do coração) em 1940 e 1950; B22 (lesões vasculares afectando o sistema nervoso central); B26 (doença arteriosclerótica e degenerativa do coração); B27 (outras doenças do coração); B28 (hipertensão com doença do coração) em 1960 e 1970; 25-30 (doenças do aparelho circulatório); 29 (doenças cerebrovasculares); 270 (enfarte agudo do miocárdio); 300 (aterosclerose), em 1980 e 1990.** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Titre Quadro 23 – A sobremortalidade masculina por Doenças do Aparelho Circulatório, 1980
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Quadro 24 – A sobremortalidade masculina por Doenças Cerebrovasculares, 1990
Légende Fonte: Dados de base retirados de Risco de Morrer em Portugal, 1990. Direcção-Geral dos Cuidados de Saúde Primários, 1992
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Légende Figura 91 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Circulatório
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 216k
Titre Quadro 25 – Evolução da categoria dos Tumores*
Légende * Inclui as causas: 16 (Cancro e outros tumores malignos), no ano de 1930; 15 (Cancro e outros tumores malignos), em 1940 e 1950; B18 (Tumores malignos, incluindo tumores dos tecidos linfáticos e hematopoiéticos), em 1960 e 1970; 08-14 (Tumores malignos); 091 (Tumor maligno do estômago); 101 (Tumor maligno da traqueia, dos brônquios e do pulmão), em 1980 e 1990.** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Légende Figura 92 – Tumores no conjunto dos óbitos, segundo o sexo e a idade. Continente, 1980
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Légende Figura 93 – Tumores no conjunto dos óbitos, segundo o sexo e a idade. Continente, 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Quadro 26 – A sobremortalidade masculina por Tumores, 1980 e 1990
Légende * Fonte: Risco de Morrer em Portugal, 1990. Direcção-Geral dos Cuidados de Saúde Primários, 1992.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Légende Figura 94 – Evolução da categoria Tumores
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Titre Quadro 27 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Digestivo*
Légende * Inclui as causas: 32 (Outras doenças do aparelho digestivo), no ano de 1950; B36 (gastrite, duodenite, enterite e colite, excepto diarreia do recém-nascido); B37 (cirrose do fígado), em 1960 e 1970; 347 (doenças crónicas do fígado e cirrose), em 1980 e 1990.** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre Quadro 28 – Mortalidade por Doença Crónica do Fígado e Cirrose, por idade e sexo
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Légende Figura 95 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Digestivo
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Titre Quadro 29 – Evolução da categoria Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos*
Légende * Inclui as causas: 35 (mortes violentas, excepto suicídios), no ano de 1930; 42 (morte violenta ou acidental, excepto suicídio e homicídio), em 1940 e 1950; BE-BE (acidentes, envenenamentos e violências), no ano de 1960; BE47 (acidentes com veículos automóveis); B48 (todos os outros acidentes) no ano de 1970; E47-E53 (acidentes e efeitos adversos); OC (outras causas externas), no ano de 1980; CNE (outras causas não especificadas); 47 (fracturas); E471 (acidentes de trânsito com veículos a motor), no ano de 1990.** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Légende Figura 96 – Evolução da categoria Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 216k
Titre Quadro 30 – Sobremortalidade masculina por Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos, 1980 e 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Quadro 31 – Malformações Congénitas e Certas Doenças da1.a Infância*
Légende * Inclui as causas: 33 (debilidade congénita e vícios de conformação), em 1920 e 1930; 38 (debilidade congénita, vícios de conformação congénitos, nascimento prematuro), em 1940 e 1950; B44 (outras doenças particulares da primeira infância e prematuridade não qualificada), em 1960 e 1970.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre Quadro 32 – Evolução da categoria Doenças das Glândulas Endócrinas, da Nutrição e do Metabolismo e Transtornos Imunitários*
Légende * Inclui a causa 181 (diabetes mellitus), em 1980 e 1990** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Quadro 33 – Mortalidade por Doenças do Sistema Endócrino, 1980 e 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Quadro 34 – Evolução da categoria Doenças do Aparelho Geniturinário*
Légende * Inclui a causa 350 (nefrite, síndrome nefrótica e nefrose)** Cálculo a partir de Informação Disponível não Publicada da Saúde, 1996, INE.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Quadro 35 – Mortalidade por Nefrite, Síndrome Nefrótica e Nefrose
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Doenças Infecciosas e Parasitárias
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Doenças do Aparelho Respiratório
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Doenças do Aparelho Circulatório
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Tumores
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Doenças do Aparelho Digestivo
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Acidentes, Envenenamentos e Traumatismos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Malformações Congénitas e Certas Doenças da Primeira Infância
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Doenças das Glândulas Endócrinas,
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Doenças do Aparelho Geniturinário
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Quadro 36 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Aveiro, 1980 (idade limite 75 anos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Quadro 37 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Braga, 1980 (Idade limite 75 anos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Quadro 38 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Setúbal, 1980 (idade limite 75 anos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Quadro 39 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Braga, 1990 (idade limite 75 anos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Quadro 40 – Repartição dos anos potenciais de vida perdidos (HM). Viana do Castelo, 1990 (idade limite 75 anos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3665/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 58k

© Publicações do Cidehus, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search