Version classiqueVersion mobile

Causas de Morte no Século XX

 | 
Maria da Graça David de Morais

III Parte - A transição da mortalidade e estruturas de causas de morte em Portugal Continental durante o século XX

Capítulo 1 – A variação espacial das doze principais causas de morte

Texte intégral

1.1 – Introdução

1Neste capítulo procuraremos aquilatar da importância das doze principais causas da mortalidade em cada uma das unidades distritais do Continente português, no início de cada decénio, entre 1920 e 1990.

2Observaremos como elas foram evoluindo na sua implantação, porque é suposto não terem o mesmo peso e não seguirem exactamente o mesmo perfil distributivo, tanto mais que algumas desapareceram enquanto outras se assumiram com uma nova amplitude. Sabemos ainda que, se a mortalidade por causas se vai modificando ao longo do tempo, ela depende também das características individuais ou colectivas que distinguem os indivíduos ou as subpopulações.

1.2 – A repartição nosográfica distrital

3Se nos ativermos à informação constante do Anexo C-12 Causas de Morte mais Representativas, que patenteia as incidências no início de cada decénio, somos confrontados com comportamentos diferenciados ao nível dos distritos, ao longo do tempo.

4Porém, como anteriormente referenciado, foi por recurso à técnica multivariada de análise das correspondências binárias que a aproximação à realidade se tornou mais clara, tanto mais que este método de análise de dados, que se tornou já clássico no estudo destes problemas, elimina a influência dos níveis de mortalidade das diferentes causas de morte e faz ressaltar as diferenças e as analogias entre as estruturas nosográficas dos distritos. Representa, pois, um instrumento de classificação da mortalidade muito útil.

5Ainda assim, dado que nos pareceu insuficiente esta explicitação anterior, encaminhámos o nosso estudo para uma análise pós-factorial das correspondências, utilizando o critério de agregação não hierárquica Quick-Cluster, método interactivo, divisivo, de agrupamento de indivíduos predefinido, disponível no Statical Package for Social Sciences 6.1, em função dos cinco eixos mais discriminantes da correspondência binária, admitindo como pressuposto a possibilidade de se obterem cinco grupos homogéneos entre si, que nos facultassem uma maior clarificação das situações atrás encontradas.

6Concluímos por uma observação mais pormenorizada dos valores encontrados dado que nos puderam revelar elementos importantes na leitura da realidade, como veremos de seguida.

7Assimilando as categorias aos indivíduos (distritos/linhas) da análise factorial e tomando como variáveis as causas de morte (colunas) reagrupadas nas doze rubricas mais significativas, ao longo do tempo, é possível efectuar uma análise de correspondência binária, como referido anteriormente, recorrendo à técnica ANACOR, versão 0.4, disponível no programa SPSS-Win 6.1. Genericamente, construímos duas matrizes: uma, de dimensão [17*12] para o caso de 1920/21 e, outra, de dimensão [18*12] que manteve o mesmo perfil para todas as restantes situações em análise.

8Obtivemos em todos os casos uma relação significativa entre distritos e causas de morte, como podemos observar pelos valores abaixo indicados:

X2

P

1920

31852.93

0.00000

1930

21869.20

0.00000

1940

30003.25

0.00000

1950

26774.34

0.00000

1960

23723.82

0.00000

1970

09190.28

0.00000

1980

08383.82

0.00000

1990

09158.49

0.00000

9As relações calculadas na tabela de contingência entre indivíduos/distritos (linhas) e as variáveis/causas de morte (colunas) foram projectadas, em todos os casos, sobre 11 (de 12) eixos factoriais, por ordem decrescente da sua importância e permitiram interpretar e escolher apenas os dois mais significativos, eliminando aqueles cuja intervenção na compreensão do fenómeno foi considerada desprezável. Ao primeiro podemos atribuir-lhe a significação de factor do nível de desenvolvimento distrital médico-sanitário e ao segundo denominá-lo de factor diferenciador da causalidade da morte.

10Podemos agora partir para um estudo diacrónico mais detalhado.

111920/21 – Tendo em conta o que a aplicação extraiu dos dados, temos de imediato a percepção de que os onze eixos projectados apresentaram uma inércia total de 0,16863, sendo a primeira de 0,13990 e a segunda de 0,00911, o que traduz que o primeiro factor comporta uma proporção de variância explicada de 0,830 do total da massa da informação das relações. O segundo factor apenas detém 0,054. Denota-se que até ao quinto factor é possível explicar 97,1% do total das relações entre os distritos e as causas de morte.

12Olhando para as Figuras 56, 57 e 58, temos as projecções das posições das categorias das variáveis num espaço reduzido de duas dimensões (quer para linhas/distritos quer para as variáveis/causas de morte/colunas) e ainda a projecção conjunta.

13Se nos ativermos à informação da Figura 56, veremos que, tendo em conta a importância do primeiro factor, que capta a quase totalidade da massa informativa e está representado pelo eixo 1 na projecção gráfica, discrimina o perfil dos distritos na sua distribuição simbólica das influências do peso das diferentes causas de morte. Dois grandes blocos são formados: o primeiro é constituído por Bragança (1,064), Vila Real (0,988), Castelo Branco (0,765), Guarda (0,745), Braga (0,303), Viseu (0,226) e Beja (0,142), para o qual a variável mais discriminante e a melhor representada é a 38 (doenças ignoradas ou mal definidas), como veremos mais adiante. O segundo bloco, correlacionado negativamente com o primeiro, é formado pelos distritos: Lisboa (-0,916), Aveiro (-0,883), Évora (-0,839) e Porto (-0,588) (ainda que este distrito se oponha a Lisboa em função das variáveis mais discriminantes).

14Intermediariamente, estão os restantes distritos do conjunto continental, que se apresentam com fraca força explicativa.

15Numa outra perspectiva, em que se mede as contribuições dos pontos de cada linha ou de cada coluna para a inércia total, são uma importante ajuda na solução para a interpretação de uma análise do tipo da que estamos a proceder. Assim, dentro daqueles grupos, e em termos de contribuições absolutas de cada categoria da variável para a estruturação do eixo, o factor 1 é basicamente definido por quatro pontos dominantes: Lisboa, Vila Real, Bragança e Aveiro, cujo contributo para a inércia desta dimensão são, respectivamente, 0,183, 0,153, 0,145 e 0,119. Os distritos de Portalegre e Coimbra, por outro lado, são os pontos dominantes do factor 2: a sua contribuição para a inércia é de 0,472 e 0,124.

Figura 56 – Representação dos distritos: 1920

Figura 57 – Representação das causas de morte: 1920

16Quanto às contribuições relativas para a inércia, sobressaem dez distritos cujos valores estão acima de 50%, ou seja, aqueles que apresentavam valores mediando entre um máximo de 0,978 (Vila Real) e um mínimo de 0,631 (Braga).

17Interpretando, finalmente, as coordenadas dos pontos-linha, verifica-se que no eixo gráfico do factor 1 se colocam essencialmente em oposição os distritos com um registo relativamente diferenciado das causas de morte (ex: Lisboa:-0,916; Aveiro:-0,883; Évora:-0,839) dos que predominantemente se apresentaram com um registo muito fraco, com predominância de uma causa em detrimento do restante universo de onze causas.

18No tocante às distâncias para as projecções das variáveis/coluna (Fig. 57), temos como ponto mais dominante para o 1.° factor, nas contribuições absolutas, a causa de morte 38 (doenças ignoradas ou mal definidas: 0,573). Na conformação do 2.° factor, a causa 25b (diarreia e enterite aos 2 e mais anos) contribuiu mais do que a causa 34 (senilidade) ou a causa 37 (outras doenças). Em termos relativos, as causas mais contributivas, para o factor 1, foram a 38, 13, 18, e 33 não se excluindo, contudo, as mais moderadas: 23, 25 e 37.

19A finalizar, pela leitura das coordenadas dos pontos-colunas, a representação gráfica do factor 1 coloca em oposição causas pouco preponderantes (ex: 23: -1,187 e 18: -0,825) nos dezassete distritos e as fortemente representativas (ex: 38: 0,573). No factor 2 as causas de morte 25b e 23 eram dominantes por contraste com as causas 34 e 37.

20Em suma, e observando a Figura 58, síntese do que acabamos de expôr, temos no primeiro quadrante (superior direito) projectados quatro distritos (Vila Real, Guarda, Braga e Viseu) que, juntamente com Castelo Branco, Bragança e Beja (quadrante inferior direito) estão associados de maneira muito específica à causa de morte 38, como anteriormente constatado. Por outro lado, a maior parte das restantes causas de morte estão relativamente afastadas, o que nos aponta para registos de óbitos muito deficitários, inviabilizando uma leitura correcta das prevalências específicas. Denota-se, para o efeito, que correspondem a regiões do interior, tradicionalmente agrícolas, cujo isolamento condiciona o seu desenvolvimento geral e, por consequência, o seu desenvolvimento médico-sanitário.

21No segundo quadrante (superior esquerdo) estão situados distritos como o do Porto, balizado entre as patologias cardíacas (19) e as infecciosas (25B), e de Portalegre, associado à predominância das doenças do foro respiratório (13 e 20) (com especial incidência da tuberculose dos pulmões) e das doenças de origem infecciosa e digestiva, como as diarreias e enterites antes dos dois anos de idade.

Figura 58 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1920

22No terceiro quadrante (inferior esquerdo) distribuem-se os distritos que têm maior correspondência com as causas 33, 18, 37, 34 e 22. Mas numa leitura mais pormenorizada, Évora, assim como Lisboa, aparecem mais ligadas a um conjunto de causas de morte relacionadas com as doenças infecciosas (13, 25) e doenças do aparelho respiratório (20), enquanto Coimbra, Leiria, Santarém e Faro estão associados às doenças do sistema nervoso central e dos órgãos dos sentidos, como sejam a congestão, a hemorragia e amolecimento do cérebro (18), isto é, com doenças cerebrovasculares. Este grupo liga-se fortemente às causas inespecíficas, como a senilidade (34) e “outras doenças” (37), podendo revelar que existia aqui uma forte tendência para a não descrição nos registos de óbito de doenças causa de morte.

23Em função das relações que acabámos de descrever segundo a técnica estatística de correspondência binária, de conjugação e de oposição, foi possível desagregar a estrutura da representação referente às causas de morte nos diferentes distritos do Continente. Os resultados que obtivemos traduzem uma deficitária cobertura do País em termos de registo de causas de morte neste período observado. Contudo, por aplicação do método interactivo Quick Cluster, na solução final conseguida (Figura 59) verificou-se ainda que o primeiro cluster surgiu na forma de monogrupo, isto é, apenas representado pela categoria/causa de morte 23 (outras doenças do aparelho respiratório, excepto tísica), com fraca expressão ao nível dos distritos. O segundo cluster comportava oito elementos que detêm como causa de morte prevalecente “doenças ignoradas ou mal definidas” (38) e integra os distritos de Bragança, Beja, Braga, Castelo Branco, Guarda, Vila Real e Viseu. O terceiro agrupamento continha nove elementos que associavam as causas de morte 18, 34 e 37 ao agrupamento dos distritos de Aveiro, Coimbra, Faro, Leiria, Santarém e Viana do Castelo. O quarto cluster integrava apenas o distrito do Porto associado às causas de morte cuja origem estava mais ligada às doenças do aparelho circulatório e às doenças infecciosas (19 e 25b), enquanto a última formação juntava Évora, Lisboa e Portalegre, distritos com prevalência das causas de morte 13, 20, 22, 25 e 33, maioritariamente doenças do foro respiratório e também infeccioso, consequências prováveis das fracas condições gerais de vida e do trabalho.

Figura 59 – Causas de morte nos distritos em 1920

24Foram ainda finalmente testadas as diferenças entre os cinco factores e denotou-se que estas diferenças eram significativas nos eixos 1 e 2, isto é, que as do eixo 1, dentre os cinco clusters, eram as que mais distinguiam (F= 24,259; P= 0,000), seguidas do eixo 2 (F= 14,425; P= 0,000).

25Concluindo, na fase inicial da década de 1920, temos ainda uma forte prevalência das causas de morte incertas (doenças ignoradas ou mal definidas, senilidade e “outras doenças”) em 72% do conjunto distrital do Continente, o que prejudica uma visibilidade nosográfica e invalida qualquer análise que se pretenda mais aprofundada.

261930/31 – A informação que se reporta ao início desta década revela que a inércia total dos onze eixos factoriais projectados foi de 0,13842, sendo a primeira de 0,09144 e a segunda de apenas 0,01924, donde o primeiro factor suportar 66,1% de variância explicada, e o segundo factor deter 13, 9% apenas, do total da massa da informação das relações; 95% do total das ligações entre os distritos e as causas de morte pode ser explicada até ao quinto factor.

27A Figura 60 destaca o factor 1 que capta, como atrás já vimos, a grande massa informativa e permite-nos deduzir algumas formações: Bragança (1,129), Guarda (1,034), Viseu (0,845), Castelo Branco (0,626) e Beja (0,497) que estão correlacionadas negativamente com Lisboa (-0,786), Porto (-0,400), Aveiro (-0,312) e Viana do Castelo (-0,219) por efeito da discriminação diferenciada do diagnóstico das causas de morte, como veremos adiante. Com menor força representativa se encontram todos os restantes distritos.

28Quanto ao factor 2, que reflecte uma massa de informação que é cerca de um quinto (13,9%) da dispersão explicada pelo factor 1, sobressaem Bragança (0,497), Porto (0,379) e Lisboa (0,336), Setúbal (0,292), Guarda (0,268) e Viseu (0,251) opondo-se fortemente a Viana do Castelo (-0,649), Leiria (-0,557), Coimbra (-0,520) e Vila Real (-0,512).

29No campo das contribuições absolutas para a inércia na organização do eixo 1, temos essencialmente quatro pontos dominantes, constituídos por Lisboa (0,303), Guarda (0,178), Viseu (0,169) e Bragança (0,151). Na organização do eixo 2, temos Porto (0,144), Lisboa (0,121), Viana do Castelo (0,111) e Leiria (0,103).

Figura 60 – Representação dos distritos: 1930

30Relativamente, as maiores contribuições advêm dos distritos da Guarda (0,922), Castelo Branco (0,913), Bragança (0,893), Lisboa (0,846) e Viseu (0,831), enquanto que para o eixo 2 sobressaem Leiria (0,838) e Viana do Castelo (0,607).

31Em termos práticos, em 1930/31, observamos que no eixo gráfico do factor 1 se continua a desenhar a oposição entre os distritos com uma razoável diferenciação diagnóstica das causas de morte e os que se identificam com valores opostos, ou seja, aqueles que se apresentam com uma fraca discriminação nosográfica, na sequência provável da insuficiência de meios de diagnóstico e de assistência médica e de deficitária acessibilidade aos cuidados de saúde primários.

32Relativamente às distâncias para as projecções das variáveis/colunas (Figura 61) verificou-se que, no primeiro factor o peso mais expressivo veio do registo das “doenças ignoradas ou mal definidas” (38: 1,228), seguida, mas com menor representatividade, das diarreias e enterites aos 2 e mais anos (25b: 0,335) e da senilidade (34: 0,236). Em sentido oposto ocorreu claramente o registo das causas 16 (cancro e outros tumores malignos) e 13 (tuberculose dos pulmões). Na configuração do 2.° factor a predominância foi da causa infecciosa tuberculose dos pulmões (13: 0,389), da causa “outras doenças do aparelho respiratório, excepto tísica” (23: 0,366) e ainda da causa 38 (0,349) que estavam correlacionadas negativamente com a causa 34 (senilidade: -0,884) e também com a causa 35 (mortes violentas, excepto suicídios: -0,404).

Figura 61 – Representação das causas de morte: 1930

33Na solução das contribuições absolutas para a inércia, detectou-se como ponto fortemente predominante, no eixo 1, a causa 38 (0,651) seguida de forma muito menos clara da causa 13 (0,162). Como mais preponderantes na formação do eixo 2, surgiram a senilidade (34: 0,515) e também, em segundo lugar, a tuberculose dos pulmões (13: 0,139). Em termos das contribuições relativas dos eixos para a inércia de cada variável/coluna, diremos que se distinguiram claramente as doenças ignoradas ou mal definidas (38: 0,941), a tuberculose dos pulmões (13: 0,798), o cancro e outros tumores malignos (16: 0,782), “outras doenças” (37: 0,732) e ainda a causa 23 (outras doenças do aparelho respiratório, excepto tísica: 0,704), enquanto que, para a conformação do eixo 2, a contribuição advém da causa de morte senilidade (34: 0,783) e das mortes violentas, excepto suicídios (35: 0,486).

34Na prática, em 1930/31, e observando a Figura 62, no eixo 1 eram colocados em contrastante posição distritos com um registo diferenciado de causas de morte dos não diferenciados, isto é, agrupamentos como o do primeiro quadrante (Bragança, Guarda, Viseu e Castelo Branco) em torno da fortemente discriminante causa de morte 38 (doenças ignoradas ou mal definidas) por oposição a Lisboa, Porto e Setúbal (quadrante superior esquerdo), configurados com quatro causas de morte mais específicas de regiões mais urbanizadas e que se representam pelo cancro e outros tumores malignos e doenças relativas ao aparelho respiratório, nomeadamente, a tuberculose dos pulmões.

35No quadrante inferior direito apresentam-se os distritos que são fortemente discriminados pela causa 34 (senilidade): Leiria, Vila Real e Faro. O último quadrante (inferior esquerdo) podemos classificá-lo de residual.

36Contudo, para uma leitura mais retocada, observemos os cinco clusters (Fig. 63) que se obtiveram a partir do material anteriormente trabalhado, não sem antes chamar a atenção para o facto de o eixo 1 ser o mais discriminante naquela formação, com F= 52,479 e P= 0,000, seguido, com muito menor expressividade, do eixo 2 com F= 13,559 e P= 0,000.

Figura 62 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1930

Figura 63 – Causas de morte nos distritos em 1930

37O primeiro cluster, constituído por nove elementos, os quais se conjugaram da seguinte forma: os distritos de Aveiro, Braga, Coimbra, Évora, Santarém e Viana do Castelo têm em comum, como causas mais discriminantes as originadas no aparelho circulatório (18, 19) e nos acidentes, envenenamentos e violências (35), isto é, as mortes violentas, com excepção do suicídio.

38O segundo agrupamento, composto por cinco elementos, configurou-se em torno de uma única causa de morte inespecífica, a 38: Bragança, Castelo Branco, Guarda e Viseu.

39Quanto ao terceiro cluster, indica-nos que Beja e Portalegre se associaram à causa 33 (debilidade congénita e vícios de conformação). Na quarta disposição encontramos agregados os distritos de Lisboa, Porto e Setúbal, com as causas de morte 13, 16, 23 e 37. No último cluster, formado por seis elementos, encontramos os distritos de Faro, Leiria e Vila Real, com predominância das causas de morte 25 e 25b, doenças infecciosas, e 34 (senilidade).

40Fim conclusão, poderíamos indicar que se afigurava a seguinte situação no início da década de 1930/31: um interior continental marcadamente em retardamento no tocante aos avanços da medicina, com prevalência de uma fraca discriminação nosográfica, pelo facto de coexistir insuficiência dos meios de diagnóstico e de assistência médica e medicamentosa e uma deficitária acessibilidade aos cuidados de saúde primários, o que ganha notória visibilidade em quatro distritos – Bragança, Castelo Branco, Guarda e Viseu – intensamente identificados com “doenças ignoradas ou mal definidas” (causa 38); um litoral urbano onde, genericamente, as condições gerais de vida pareciam favorecer as doenças do aparelho respiratório e a identificação de um certo número de tumores.

411940/41 – Vejamos o conteúdo resultante da aplicação da análise a que procedemos. Numa primeira aproximação, verificamos que a inércia total dos onze eixos factoriais projectados foi de 0,16501, sendo a do eixo 1 de 0,09723 e a do segundo de 0,03129. Daqui, o primeiro eixo ostentar 58,9% da variância explicada e o segundo apenas 19,0%, sendo que 96,4% do total das relações entre distritos e causas de morte podem ser explicadas até ao quinto factor.

42Da Figura 64 ressalta que o factor 1, com preponderância da massa informativa como atrás vimos, capta dominantemente o distrito de Lisboa (0,880) e, de forma mais moderada, Santarém (0,302), Porto (0,274) e Aveiro (0,235), enquanto em oposição, negativamente, se conjugam Guarda (-1,329), Bragança (-1,213), Castelo Branco (-0,676),Viseu (-0,549) e Beja (-0,353). Intermediariamente surgem todos os restantes nove distritos, mas com pouca força explicativa.

43Para o factor 2, cuja massa informativa era de cerca de um terço da dispersão explicada pelo eixo anterior, para a sua conformação contribuíram Braga (0,644), Vila Real (0,624), Porto (0,616) por contraste essencialmente com Lisboa (-0,503), Beja (-0,459), Faro (-0,366), Coimbra (-0,334), Guarda (-0,316) e Santarém (-0,306). Numa perspectiva das contribuições dos distritos para a inércia de cada eixo factorial, temos que, para o primeiro destes, os casos de Lisboa (0,330), Guarda (0,285) e Bragança (0,176) são dominantes enquanto que para o segundo são-no o distrito do Porto (0,329), de Lisboa (0,190) e de Braga (0,187).

Figura 64 – Representação dos distritos: 1940

44Por outro lado, nas contribuições relativas dos eixos para a inércia de cada distrito e na configuração do primeiro eixo, os pontos dominantes foram Castelo Branco (0,918), Guarda (0,906), Bragança (0,895), Lisboa (0,753) e Viseu (0,743), enquanto que no segundo eixo foram Braga (0,782), Vila Real (0,609) Porto (0,606) e Beja (0,360).

45Nas distâncias para as projecções das variáveis (Figura 65) foi notória a contribuição, na sua distribuição espacial, das causas de morte: cancro e outros tumores malignos (15: 0,797), tuberculose do aparelho respiratório (10: 0,761), doenças do coração (24: 0,314) e pneumonias (27: 0,271) para a conformação do eixo 1, discriminantemente opostas às causas não especificadas ou mal definidas (43: -1,368), à senilidade (39: -0,306) e às diarreias e enterites nas idades inferiores a 2 anos (29b: -0,279). Para a estruturação do segundo eixo concorreram, significativamente, as causas 29b e 29 (0,888 e 0,706), e 26 (bronquite: 0,487), correlacionadas negativamente com as causas 15 (-0,643), 43 (-0,455), 10 (-0,339) e com mortes violentas ou acidentais, exceptuando suicídio e homicídio (42: -0,295).

46Como contribuíram estas variáveis/causas de morte para a inércia de cada eixo factorial? Como pontos dominantes, no primeiro eixo, temos, visivelmente destacada, a causa de morte 43 (0,592) e a 10 (0,197). Na configuração do eixo 2 detectou-se a dominância das causas 29 e 29b (0,412 e 0.175) e 43 (0,115).

Figura 65 – Representação das causas de morte: 1940

47Por outro lado, no concurso relativo dos eixos factoriais para a inércia de cada causa de morte/coluna, sobressaem, no eixo 1, as causas não especificadas ou mal definidas (43: 0,882), a causa 10 (0,724), a 15 (0,635) e as doenças do coração, ou seja, do aparelho circulatório (24: 0,577); no segundo eixo factorial a dominância vai especificamente para a as diarreias e enterites antes e depois dos 2 anos (respectivamente, 0,879 e 0,755).

48Sintetizando e em razão da informação constante da Figura 66, confrontamo-nos com uma dualidade nítida, ocorrida por separação de áreas mais urbanizadas, como, por exemplo, Lisboa e Setúbal, apetrechadas medicamente, com uma presumível boa aptidão nosográfica, de áreas rurais de interior (Bragança, Guarda) caracterizadas pela incipiência dos meios de diagnóstico e afastadas das inovações profilácticas e terapêuticas, isto é, com uma acentuada deficiência de cobertura na assistência médica e medicamentosa. Se as primeiras se caracterizam pelas doenças típicas das áreas mais desenvolvidas (10 e 15), as segundas pautam-se por uma forte ligação à indiscriminação, concentrando-se nas causas de morte mal definidas ou não especificadas (43).

Figura 66 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1940

49Ao clarificarmos a situação, o que ressalta da aplicação do método na formação de agrupamentos mais homogéneos é que, dentre os cinco eixos mais tipificantes para a formação dos clusters, o primeiro e o segundo apresentam F= 47,411 e 23,549 e P= 0,000, respectivamente. Vejamos a Figura 67.

50O primeiro cluster contém apenas dois elementos, os distritos de Castelo Branco e de Viseu, que não aparecem ligados a qualquer das variáveis discriminantes.

51O segundo aglomerado congregou os distritos de Bragança e da Guarda, consistentemente unidos às causas não especificadas ou mal definidas (43).

Figura 67 – Causas de morte nos distritos em 1940

52O terceiro cluster gerou-se em torno de nove distritos (Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Faro, Leiria, Portalegre, Santarém e Viana do Castelo) agregados a cinco causas de morte fracamente discriminantes, isto é, originadas no sistema nervoso e nos órgãos dos sentidos (22), no aparelho circulatório (24), nas mortes violentas ou acidentais (42) e na senilidade e estados mal definidos (39).

53No quarto agrupamento, constituído pelos distritos de Braga, Porto e Vila Real sobressaem as causas de morte 26 (bronquite), 27 (pneumonias), 29 e 29b (diarreias e enterites antes e após os 2 anos), ou seja, doenças de duas naturezas: do aparelho respiratório e infecciosas. Na quinta formação, finalmente, Lisboa e Setúbal estavam associadas às causas 15 e 10, tumores e doenças infecciosas e parasitárias, respectivamente.

54Concluindo, em 1940/41, continua a ser evidente a ligação entre os distritos de maior desenvolvimento e o registo das causas de morte mais específicas, como sejam o cancro e outros tumores malignos e a tuberculose do aparelho respiratório, em contraste com distritos cujo progresso avançou pouco ao nível do próprio sistema sanitário, ou mesmo ao nível da estrutura social e do rendimento da população ou das deficientes condições de acessibilidade geográfica, nos quais a forte representatividade das causas não especificadas ou mal definidas e a senilidade são bem a prova do facto.

551950/51 – Da leitura do output de correspondência binária para o início da década de 1950, confrontamo-nos com onze dimensões factoriais, que explicam a totalidade da massa da informação (com uma inércia total de 0,17241), mas que as cinco primeiras detêm 97% da variância explicada. Porém, o valor da inércia da primeira é de 0,09143 e o da segunda de 0,04346, o que traduz que o primeiro eixo factorial contém em si uma proporção de 53% e o segundo eixo 25,2% do total da massa da informação das relações entre distritos e causas de morte.

56Por recurso às Figuras 68 e 69, façamos uma leitura de maior pormenor.

57Na Figura 68, e iniciando a nossa análise pelo factor 1 (que explica 53,0% da inércia global da massa de informação, como atrás vimos), percepcionamos três distritos mais urbanizados (Lisboa: 0,874, Setúbal: 0,585 e Porto: 0,370) correlacionados negativamente com Bragança (-1,093), Guarda (-1,055), Castelo Branco (-0,980) e ainda Viseu (-0,520), distritos do interior continental. Com menos força explicativa encontram-se os restantes onze distritos.

58No factor 2 capta-se uma configuração de distritos do norte continental: Porto (-0,650), Braga (-0,604), Vila Real (-0,545), Bragança (-0,479), constrastante em especial com Coimbra (0,576), Faro (0,568), Santarém (0,537), Leiria (0,412) e Viana do Castelo (0,403). Os distritos do Alentejo, Évora, Beja e Portalegre aproximam-se.

Figura 68 – Representação dos distritos: 1950

59No que concerne à contribuição dos distritos para a inércia de cada eixo factorial, a distribuição dos pontos é a seguinte: o eixo factorial 1 é basicamente definido por dois extremos dominantes: por um lado, Lisboa (0,366) e, por outro, Braga e Portalegre (0,000). Na formação do eixo 2, os pontos mais dominantes cabem ao distrito do Porto (0,334) e ao distrito de Aveiro (0,000).

60Na contribuição dos eixos para a inércia de cada distrito/ponto-linha demarcam-se, no primeiro eixo, os distritos da Guarda (0,916), Lisboa (0,803), Bragança (0,788), Viseu (0,718), Setúbal (0,654) e Castelo Branco (0,641) e, no eixo 2, Coimbra (0,648), Porto (0,640), Braga (0,595), Santarém (0,561) e Faro (0,518).

61Para um segundo aspecto em observação, no que concerne às contribuições dos pontos-coluna/variáveis/causas de morte (Figura 69), genericamente, temos que, para a estruturação do eixo factorial 1, concorreram significativamente as causas de morte 11: 0,810 (todas as outras tuberculoses), 15: 0,806 (cancro e outros tumores malignos), 10: 0,718 (tuberculose do aparelho respiratório), que se correlacionavam negativamente com as causas 43: -1,208 (causas não especificadas ou mal definidas), e 39: -0,605 (senilidade). Todas as restantes causas se apresentaram com pouca força explicativa.

62No segundo factor estão projectados, destacadamente, a causa 15 (0,597) – cancro e outros tumores malignos e a causa 39 (0,527) – senilidade. Em distribuição significativamente oposta estão as causas de morte 29: -1.070 (diarreia e enterite, nas idades inferiores a 2 anos) e 27: -0.477 (pneumonia), doenças essencialmente infecciosas.

Figura 69 – Representação das causas de morte: 1950

63Quanto às contribuições absolutas das variáveis/causas de morte para a inércia de cada dimensão, as que mais ponderantemente se impõem para a estruturação do eixo factorial 1 são a causa 43: 0,402 (causas não especificadas ou mal definidas), a causa 10: 0,203 (tuberculose do aparelho respiratório) e a causa 39: 0,164 (senilidade). Por outro lado, o eixo factorial 2 tem como ponto dominante a causa 29: 0,493 (diarreia e enterite nas idades inferiores a 2 anos).

64Quanto às contribuições relativas dos factores para a inércia de cada variável/causa de morte, denota-se que se encontram bem representados, com valores de associação entre cada ponto e o eixo acima dos 0,70, sendo a causa 10 na ordem de 0,861 (tuberculose do aparelho respiratório), a causa 11 na ordem de 0,825 (todas as outras tuberculoses), a causa 43 na ordem de 0,772 (causas não especificadas ou mal definidas). As outras causas apresentam valores mais baixos, sendo ainda as contribuições relativas do cancro e outros tumores malignos de 0,575.

65O que se extrai, em conclusão, de uma leitura conjunta, para o início da década de 1950 (Figura 70). No primeiro quadrante (superior direito) sobressai o distrito de Lisboa associado à variável 15, a mais discriminante e melhor representada. Os distritos de Coimbra, Aveiro e Portalegre estão em correspondência com as causas de morte dominantes: 22, 24, 32 e 42. No segundo quadrante (superior esquerdo) estão bem patenteados os distritos de Castelo Branco e Guarda, em correspondência com a causa 43 e Faro e Beja com a causa 39, ou seja, nestes distritos continuava a subsistir o recurso às causas de morte não especificadas e à senilidade que se sobrepunham a uma boa capacidade de diagnóstico e nosográfica.

66No terceiro quadrante (inferior esquerdo) encontramos também Bragança em correlação perfeita com a causa 43 e o distrito de Vila Real em relação directa com as causas 38 e 29, ou seja, doenças do foro infeccioso e congénito.

Figura 70 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1950

67No quarto e último quadrante encontramos duas situações distintas em termos espaciais mas conjugados em termos nosográficos: Setúbal, no sul do País, com um forte grau de correspondência com as doenças do aparelho respiratório (causas 10 e 11) bem como os distritos do norte, Porto e Braga (causa 27).

68Em síntese, da aplicação da técnica Quick Cluster de que resultaram identificadas cinco entidades a partir de características próprias, fazendo ressaltar, porém, que dentre os cinco eixos seleccionados dos quais foram testadas as diferenças para a estruturação dos clusters, que o primeiro e o segundo são expressivamente os mais significativos com valores de F=40,42 e F=15,17 e P= 0,000, respectivamente.

69Observando a Figura 71, a primeira formação, constituída por cinco elementos, na qual os distritos de Beja, Faro, Guarda e Viana do Castelo se concentram em torno da causa de morte 39, ou seja, senilidade, o que de alguma forma aponta para a falta de qualidade dos dados e da qual também podemos aferir que poderia funcionar como obstáculo a um bom diagnóstico da afecção que conduziu à morte.

70Numericamente mais numeroso, o segundo cluster congregou onze elementos dos quais destacamos os distritos de Aveiro, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Santarém e Viseu, que se encontravam associados às seguintes causas de morte: 22 (hemorragia cerebral, embolia ou trombose cerebral), 24 (doença do coração), 32 (outras doenças do aparelho digestivo) e 42 (morte violenta ou acidental - excepto suicídio e homicídio).

71Na terceira formação encontramos apenas Lisboa e Setúbal fortemente associadas às causas de morte 10, 11 e 15, ou seja, a todas as formas de tuberculose e ainda aos tumores malignos.

Figura 71 – Causas de morte nos distritos em 1950

72No cluster quatro, dos seis elementos constitutivos, três são as causas de morte 27 (pneumonia), 29 (diarreia e enterite antes dos 2 anos) e 38 (malformações congénitas e certas doenças da primeira infância) e que se encontram predominantemente nos distritos de Braga, Porto e Vila Real.

73A causa 43, ou seja, as causas não especificadas ou mal definidas, predominaram nos distritos de Bragança e Castelo Branco, que formaram o último cluster.

74Em suma, poderemos afirmar que seis dos 18 distritos do Continente, no início da década de 1950, ainda estavam fortemente marcados por uma deficiente oferta de cuidados de saúde, de meios de diagnóstico, dado que a prevalência de sintomas, senilidade e estados mal definidos (39,43) registada como primeira causa, tal indicia. Nalguns casos, como seja Faro e Guarda, os seus valores representam mesmo 20% da totalidade dos óbitos registados.

75As doenças infecciosas do aparelho respiratório (10,11) juntamente com os tumores malignos, configuraram-se numa região de cobertura médico-sanitária bastante mais diferenciada, como sejam os distritos de Lisboa e Setúbal.

76Foi nos distritos litorais de Aveiro e Coimbra e nos do interior, Évora, Portalegre e Viseu, que as doenças do foro do aparelho circulatório (24) marcaram a primeira posição, seguida das lesões vasculares que afectam o sistema nervoso central, enquanto as doenças infecciosas e parasitárias (27 e 29), quer ligadas ao aparelho respiratório quer ao digestivo, tinham incidência em três distritos contíguos do norte: Porto, Braga e Vila Real.

77Percepciona-se, nestes anos 50, algum progresso em termos de aperfeiçoamento do registo mais aturado das causas de mortalidade, por ventura ligado à melhoria na rede e na equidade dos cuidados de saúde primários.

781960/61 – Da análise feita ao início do decénio de 1960, fomos confrontados com uma inércia total dos onze eixos projectados de 0,16373, sendo a do primeiro de 0,7905 e do segundo 0,6167, donde comportarem, respectivamente 48,3% e 37,7% da proporção da variância explicada do total da massa da informação das relações. Até ao quinto factor é possível explicar 96,6% do total das relações distrito/causas de morte, observado através da proporção da variância cumulativa.

79Na Figura 72, na qual são representadas as projecções das posições dos distritos em função das variáveis, um espaço reduzido das duas primeiras dimensões, observa-se que o primeiro factor, que abarca a quase totalidade da informação, representado pelo eixo 1, discrimina positivamente, de forma muito clara, os distritos de Lisboa (0,833), Évora (0,495), Setúbal (0,487), Santarém (0,354) e Leiria (0,353), correlacionados negativamente com Bragança (-1,008), Vila Real (-995) e Braga (-0,534).

Figura 72 – Representação dos distritos: 1960

80No segundo factor a oposição opera-se entre Castelo Branco (1,371), Guarda (0,982) e Faro (0,684) e os distritos do Porto (-0,684) e Lisboa (-0,388).

81Vejamos de que modo estão distribuídas as diferentes contribuições de cada distrito para a estruturação do eixo, ou seja, de que forma contribuem para a inércia de cada dimensão. Pontos dominantes do eixo 1: Lisboa (0,370), Vila Real (0,173) e Bragança (0,120); pontos dominantes do eixo 2: Porto (0,294), Castelo Branco (0,276) e Guarda (0,150).

82Das contribuições relativas, isto é, das contribuições dos eixos para a inércia de cada ponto linha/distrito, notificaram-se acima dos 60% os distritos de Bragança (0,860), Vila Real (0,858), Lisboa (0,811), Setúbal (0,643) e Évora (0,608) no eixo 1. No eixo 2, que reflecte uma massa de informação na ordem dos 38%, como atrás vimos, temos: Castelo Branco (0,887), Faro (0,801), Guarda (0,732) e Porto (0,713).

83Interpretando as contribuições dos pontos-colunas (Figura 73), a representação gráfica do factor 1 coloca em oposição o registo das causas de morte B18 (0,623), BE-BN (0,515), B22 (0,431) e B26 (0,419), isto é, os tumores malignos, os acidentes, envenenamentos e violências e as doenças ligadas ao aparelho circulatório, com o registo das causas B36

Figura 73 – Representação das causas de morte: 1960

84(-1,081), B32 (-0,693), B44 (-0,482) e B31 (-0,324) ou seja, as enfermidades relativas ao aparelho digestivo, ao aparelho respiratório, às doenças particulares da primeira infância. Quanto ao factor 2, é basicamente definido por um ponto positivo dominante, que é a causa de morte B45 (0,929): senilidade por contraste com B31 (-0,607), B1 (-0,557) doenças do aparelho respiratório, e B36 (-0,428), doenças do aparelho digestivo.

85Pela observação das contribuições absolutas dos pontos-coluna/causa de morte para a inércia de cada eixo factorial, verificou-se que, para o primeiro, o peso mais significativo advinha da causa B36 (0,403): gastrite, duodenite, enterite e colite. No segundo eixo factorial a causa mais expressiva era a senilidade (B45: 0,647).

86Pela leitura das contribuições relativas dos eixos para a inércia de cada ponto/coluna, as causas B36 (0,827), B18 (0,818), B22 (0,764), B32 (0,758) e B26 (0,609) são os pontos dominantes do eixo 1, enquanto que para o segundo concorreram as causas B45 (0,889) e B31 (0,607).

87Numa observação final conjunta da Figura 74 e na sequência das relações de oposição e conjunção, temos em correlação negativa, numa primeira abordagem, os distritos de Lisboa, Évora e Setúbal (como anteriormente visto) com os distritos de Bragança, Vila Real e Braga, sendo esta distinção fruto da forte discriminação das causas de morte do aparelho circulatório, dos tumores malignos e dos acidentes, envenenamentos e violência, relativamente a causas menos discriminantes, como doenças do aparelho digestivo, certas doenças da primeira infância e bronquite.

Figura 74 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1960

88Quanto a uma outra leitura, através do factor 2, representado graficamente pelo eixo 2, a oposição da distribuição dos distritos colocou Castelo Branco, Guarda e Faro, fortemente polarizados na causa de morte B45 (senilidade) em contraste com o distrito do Porto, adstrito às causas B31 e B1, doenças do aparelho respiratório e também infecciosas e parasitárias.

89Num exame mais fino, por recurso à análise pós-factorial que nos ajuda a uma melhor visualização, e admitida a possibilidade da conformação de cinco grupos homogéneos entre si, foram testadas as diferenças significativas entre eixos, que denotaram que os mais tipificantes eram o primeiro com F=22,81 e o segundo com F= 19,48 e com P=0,000.

90A solução final proporcionou as seguintes formulações (Figura 75): primeiro cluster, formado pelos distritos de Lisboa, Évora e Setúbal, fortemente associados de forma específica a causas de morte que são o reflexo de uma maior diversificação e especialização no campo do diagnóstico e tratamento das doenças e, mesmo, de maior e melhor acessibilidade aos cuidados de saúde e de um registo das causas de morte mais cuidado: os tumores malignos e as doenças arteriosclerótica e degenerativa do coração. Corresponde também a regiões favorecidas simultaneamente por todos os indicadores de nível de vida: urbanização, índices de consumo, nível de instrução, etc.

91O segundo agrupamento, implantado no norte do País, constituído pelos distritos de Bragança, Vila Real e Braga, associados em torno das doenças do aparelho digestivo e das doenças da primeira infância, tipo de doenças fracamente discriminantes noutras regiões. Este cluster reúne regiões tradicionalmente agrícolas, caracterizadas normalmente por indicadores de vida fracos.

Figura 75 – Causas de morte nos distritos em 1960

92A terceira configuração associa os distritos de Aveiro, Porto e Viana do Castelo a causas de morte predominantemente de foro infeccioso, do aparelho respiratório. Corresponde às regiões com alguma industrialização, em que as condições gerais de trabalho provavelmente favorecem as doenças daquela natureza.

93O cluster quatro, constituído pelo maior número de elementos (nove) inclui Santarém, Leiria, Coimbra, Portalegre, Viseu e Beja, para os quais as doenças mais discriminantes e melhor representadas são as do foro do aparelho circulatório, nomeadamente hipertensão com doença do coração, lesões vasculares afectando o sistema nervoso central e todas as outras doenças do coração, indicando uma maior preocupação no diagnóstico diferenciado deste tipo de doença, já que estamos perante distritos com algum desenvolvimento dos meios de diagnóstico e algum rigor no preenchimento dos verbetes obituários.

94A última formação, tendo a senilidade e as causas mal definidas e desconhecidas como causas de morte mais preponderantes, remete-nos para o precário estado sanitário e de desenvolvimento dos distritos do interior, isolados, Castelo Branco e Guarda.

951970/71 – Passemos a descrever a situação nosográfica encontrada para o Continente no início da década de 70.

96Dos onze eixos factoriais projectados extraiu-se uma inércia total de 0,12312, donde a primeira dimensão se apresentou com 0,06216 e a segunda com 0,03981 de inércia. Assim sendo, o primeiro factor comporta, correspondentemente, uma proporção de variância explicada de 0,505 e o segundo de 0,323 do total da massa da informação das relações. Ainda se denota que, até ao quinto factor, é possível explicar 96,3% do total das relações entre os distritos e as causas de morte.

97Vejamos agora as projecções num espaço reduzido de duas dimensões (Figura 76). O primeiro factor, representado pelo eixo 1, e que capta 50,5% da massa informativa, discrimina fortemente Lisboa (0,809), Setúbal (0,459), Portalegre (0,245) e Coimbra (0,218), para uma correlação negativa com os distritos de Castelo Branco (-0,912), Vila Real (-0,841), Bragança (-0,834), Guarda (-0,572) e Viana do Castelo (-0,477). Quanto ao segundo factor, opõe os distritos do Porto (0,613), Braga (0,575), Vila Real (0,413) e Aveiro (0,374) aos distritos de Castelo Branco (-0,928), Faro (-0,827), Guarda (-0,683) e Évora (-0,581).

98Dentro destes dois blocos de informação e em termos de contribuições absolutas dos distritos/pontos-linha para a inércia de cada eixo factorial, evidenciaram-se, na estruturação do primeiro, como ponto dominante, o distrito de Lisboa (0,490) seguido de longe pelos distritos de Castelo Branco (0,117) e Vila Real (0,105). Évora contribuiu com 0,000. Para o segundo factor concorreu o distrito do Porto (0,274) e, muito menos significativamente, Castelo Branco (0,151), Faro (0,141) e Braga (0,116).

Figura 76 – Representação dos distritos: 1970

99No tocante às contribuições relativas, ou seja, às contribuições das dimensões factoriais para a inércia de cada ponto-linha/distritos, temos a informação seguinte: a dominância no primeiro factor centra-se em torno dos distritos de Lisboa (0,951), Bragança (0,923), Setúbal (0,690), Viana do Castelo (0,670), Vila Real (0,595) e Castelo Branco (0,511); no segundo factor, com uma contribuição acima dos 50%, temos: Faro (0,803), Porto (0,780), Évora (0,776) e Braga (0,528).

100Debruçando-nos sobre as variáveis/causas de morte (Figura 77) é-nos dado verificar que são mais fortemente discriminantes, no primeiro factor, as causas BE 47 (0,561), B46 (0,485) e B18 (0,429), respectivamente, acidentes com veículos automóveis, sintomas, senilidade e estados mal definidos e os tumores malignos, correlacionados negativamente com B36 (-1,068), B45 (-0,737) e B32 (-0,651), ou seja, gastrite, duodenite, enterite e colite, senilidade sem menção de psicose e bronquite.

101Para o segundo factor pesaram essencialmente as causas B31 (pneumonia: 0,911), B44 (certas doenças da primeira infância: 0,715) e B36 (gastrite, duodenite, enterite e colite: 0,695), em contraposição às causas de morte B45 (senilidade sem menção de psicose: -0,611), BE48 (todos os outros acidentes: -0,505) e BE47 (acidentes com veículos a motor: -0,411).

102Pela leitura das contribuições absolutas das causas de morte/pontos-coluna para a inércia de cada eixo factorial, verificou-se que a causa B45 e a causa B36 apresentam o maior peso para a estruturação do factor 1, respectivamente 0,394 e 0,166, enquanto que, para o segundo, concorreram a causa B31 (0,388) e a causa B45 (0,338). Pela leitura das contribuições relativas, as causas de morte B46, B18, B26 e B45 apresentaram, no eixo 1, uma associação na ordem dos 0,766, 0,755, 0,709 e 0,638, respectivamente. Para o eixo 2, com uma contribuição acima dos 40%, temos B31 (0,772), B44 (0,559) e BE48 (0,458).

Figura 77 – Representação das causas de morte: 1970

103Na observação de síntese apresentada através da Fig. 78 podemos ver, em termos genéricos, dois grandes blocos de informação: distritos com características de urbanismo (Lisboa, Setúbal, Coimbra) associados à prevalência de causas de morte de diagnóstico mais moderno e avançado (B18: tumores, B26: doenças do aparelho circulatório), correlacionados negativamente com os distritos de Castelo Branco, Guarda, Bragança e Viana do Castelo, nos quais as causas de morte mais específicas são a senilidade e doenças mal definidas e, de alguma forma, as doenças do aparelho digestivo, como seja, gastrite, duodenite, enterite e colite.

104É fácil de observar que doenças como a cirrose do fígado, as doenças da primeira infância ou mesmo também a pneumonia eram fracamente discriminantes, em 1970/71, ainda que se encontrem presentes em todos os distritos.

Figura 78 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1970

105Por outro lado, num outro ângulo de observação, temos também a oposição entre aqueles distritos que se polarizam fortemente em torno da causa de morte 45 (senilidade sem menção de psicose) (Castelo Branco, Faro, Guarda) e os que se polarizam (Porto, Braga e Vila Real) em torno de causas fracamente discriminantes menos específicas, como pneumonia, doenças do aparelho digestivo e doenças da primeira infância.

106Numa perspectiva complementar de recurso a uma análise pós-factorial de agregação não hierárquica, em função de cinco factores da correspondência e no pressuposto da obtenção de cinco grupos homogéneos entre si (depois de testadas as diferenças significativas entre os eixos, sendo que no 1.° se denota F=26,13 e o 2.° 22,28 com P=0,000), obtivemos um primeiro cluster (Figura 79) constituído por quatro elementos em associação, ou seja, o distrito de Lisboa ligado às causas de morte B18, B26 e B46, correspondendo as duas primeiras aos tumores malignos e às doenças arteriosclerótica e degenerativa do coração e a última, residual, abarcando o conjunto de sintomas, senilidade e estados mal definidos.

107A segunda conformação comportou 3 elementos, na qual o distrito de Vila Real se encontrava mais representado pelas categorias de causa de morte B36 e B44, ou seja, doenças do aparelho digestivo e certas doenças da primeira infância.

108A terceira configuração, com o maior número de elementos, associou cinco distritos do interior do Continente e três do Litoral atlântico a quatro causas de morte, sendo, neste caso, significativa a prevalência da causa de morte B22 (lesões vasculares que afectam o sistema nervoso central), seguida das causas BE 47 e 48, ou seja, acidentes com veículos automóveis e outros acidentes; em último lugar, menos discriminante, surgia a cirrose do fígado (B37).

Figura 79 – Causas de morte nos distritos em 1970

109No quarto cluster encontramos os distritos de Braga, Porto e Aveiro, que integravam as doenças do aparelho respiratório, pneumonia e bronquite.

110Por fim, no último cluster observamos oito elementos constitutivos, em que encontramos os distritos de Castelo Branco, Bragança, Guarda, Viana do Castelo e Faro, configurados com a senilidade sem menção de psicose e causas mal definidas e desconhecidas.

111Em conclusão, podemos afirmar que, no início da década de 70, 44% do conjunto dos distritos continentais, ou seja, cerca de metade, tinha como causa de morte predominante registada as doenças cerebrovasculares, explicitamente lesões vasculares que afectam o sistema nervoso central, e que 28% dos distritos se limitavam maioritariamente ao registo das causas de morte residuais, como sejam, senilidade e doenças mal definidas. Toda esta situação deverá ser encarada como o reflexo do estado de desenvolvimento socioeconómico e de uma ligeira melhoria das condições de assistência médica e medicamentosa, comparada com a do decénio anterior, ressaltando uma dicotomia nítida entre os distritos gozando de uma certo urbanismo e avanço no campo da saúde, por oposição à interioridade, caracterizadora dos distritos de menores recursos e de fraco desenvolvimento e reduzida acessibilidade geográfica e social aos cuidados de saúde.

1121980/81 – No início da década de 1980, tendo em conta o exame das relações entre as duas variáveis nominais em estudo, fomos confrontados com a situação seguinte. Projectados que foram onze eixos factoriais, apresentaram-se com uma inércia total de 0,04840, sendo a do primeiro de 0,3150 e a do segundo de 0,00854, o que nos remete, primeiramente, para uma proporção de variância explicada de 65,1% do total da massa da informação das relações, com um segundo factor a deter apenas 17,6%. Cumulativamente, é possível explicar até ao quinto factor 95,9% do total das relações entre os distritos e as causas de morte.

113Observemos agora a Figura 80. Denota-se que, no factor 1, Lisboa (0,648) e Setúbal (0,319) se discriminaram em correlação negativa com Vila Real (-0,958), Guarda (-0,771), Castelo Branco (-0,733) e Bragança (-0,534). No segundo factor são os distritos de Évora (0,445), Faro (0,378), Guarda (0,329) e Castelo Branco (0,317) que se opõem negativamente aos distritos do Porto (-0,555), Vila Real (-0,390) e Braga (-0,340).

Figura 80 – Representação dos distritos: 1980

114Com algum pormenor acrescentado, podemos agora ver em que termos se processaram as contribuições absolutas, ou seja, as contribuições dos distritos/pontos-linha para a inércia de cada eixo factorial.

115Na formação do vector 1 concorreram, como pontos mais dominantes, o distrito de Lisboa (0,492) e, de forma menos evidenciada, os distritos de Vila Real (0,163) e Guarda (0,103), enquanto que, para o segundo factor, dominantemente, o distrito do Porto (0,463).

116No que concerne às contribuições relativas, às contribuições dos eixos factoriais para a inércia de cada ponto-linha, temos no primeiro vector, como pontos fortemente dominantes, os distritos de Lisboa (0,983), Vila Real (0,877), de Castelo Branco (0,861), Guarda (0,841) e de Bragança (0,805). No segundo vector temos Porto (0,870), Évora (0,604), Santarém (0,546), Coimbra (0,543) e Braga (0,407).

117Relativamente às variáveis/causas de morte (Figura 81), a sua configuração espacial, no eixo 1, indicia a oposição entre causas bem definidas e sintomas, sinais e afecções mal definidos. Em termos práticos, visualizamos a causa 181 (0,419: diabetes mellitus) e a causa 08-14 (0,383: tumores malignos) correlacionados negativamente com a causa 46 (-1,011: sintomas, sinais e afecções mal definidas), traduzindo o nível de desenvolvimento geral dos correspondentes distritos.

Figura 81 – Representação das causas de morte: 1980

118Noutra leitura, reportada ao segundo eixo factorial, o confronto pronuncia-se entre a causa 350 (0,480: nefrite, síndroma nefrótico e nefrose), de diagnóstico mais avançado, e a causa E47-E53 (0,332: acidentes e efeitos adversos), consequente do progresso sócio-económico, e as causas 45 (-1,216: certas afecções originadas no período perinatal), 323 (-0,896: bronquite, enfisema e asma), 321 (-0,685: pneumonia), 347 (-0,589: doença crónica do fígado e cirrose) e 01-07 (-0,564: doenças infecciosas e parasitárias).

119Contribuiu predominantemente para inércia do 1.° eixo factorial a causa 46 (0,768) e, menos expressivamente, a causa 08-14 (0,130); por outro lado, para o 2.° eixo factorial, concorrem as causas 45 (0,269), 323 (0,234), 321 (0,151) e 347 (0,126). Detalhadamente, podemos falar das contribuições relativas que se conformam da maneira seguinte: a maior contribuição adveio, para a estruturação do factor 1, da causa de morte 46 (0,987) e também das causas 08-14 (0,796), 25-30 (0,601) e 181 (0,600); para o segundo factor convergiram predominantemente as causas 323 (0,724) e 45 (0,714), seguidas das causas 01-07 (0,593), 321 (0,532) e a causa 350 (0,412).

120A leitura de síntese da anterior informação explicitada encontramo-la na Figura 82.

Figura 82 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1980

121A utilização da análise pós-factorial possibilitou-nos uma abordagem através de cinco grupos homogéneos entre si, em função de cinco factores da correspondência, entre os quais existem diferenças significativas (eixo factorial 1: F=13,84 e eixo factorial 2: F=16,35, com P=0,000).

122A solução final obtida (Figura 83) remeteu-nos para uma primeira formação, composta por seis elementos, associando os distritos de Bragança, Castelo Branco, Faro, Guarda e Vila Real a uma única causa de morte, a causa 46, ou seja, a sintomas, sinais e afecções mal definidas.

123O segundo cluster constituiu-se também apenas em torno de uma causa, da causa 25-30 (doenças do aparelho circulatório), com os distritos de Beja, Coimbra, Évora, Portalegre, Viana do Castelo e Viseu, significando que 33% do conjunto continental era atingido por enfermidades desta origem, que eram a primeira causa de morte, o que também permite deduzir que os diagnósticos eram mais concisos pelo reconhecimento de entidades patológicas cada vez mais precisas.

124O terceiro agrupamento foi numericamente o mais expressivo, porque constituído por 11 elementos, sendo as causas de morte prevalecentes os tumores malignos, a diabetes mellitus, a nefrite, síndrome nefrótica e nefrose e as lesões traumáticas e envenenamentos, que conferiam um perfil específico a cinco distritos do litoral português: Aveiro, Braga, Leiria, Lisboa e Setúbal, aos quais se associa um distrito do interior, Santarém.

Figura 83 – Causas de morte nos distritos em 1980

125No seio daqueles quatro domínios patológicos, certos diagnósticos apareceram como prioritários, dado que eram relativamente frequentes, como por exemplo, os tumores malignos que surgiram como segunda causa no contexto global da mortalidade (ex. Lisboa, Braga e Setúbal) ou mesmo em terceiro lugar para os três restantes distritos; os acidentes e efeitos adversos eram, no início desta década de 80, também destacáveis. Constituíam a quarta causa de morte para todos os distritos constitutivos do cluster, à excepção de Santarém.

126Na quarta formação, ao distrito do Porto aparecem mais associadas a doenças do aparelho respiratório, bronquite, enfisema e asma, as doenças infecciosas e parasitárias e as do aparelho digestivo, cuja representatividade na mortalidade geral não era de se negligenciar: cada qual contribuiu com cerca de 4% da totalidade dos óbitos. Mais raras são as primeiras, responsáveis por cerca de apenas 1% da mortalidade geral.

127O último cluster, constituído por 2 elementos, representados pelas causas de morte 321 e 45, respectivamente pneumonia e certas afecções cuja origem se situa no período perinatal, não se congregou em torno de nenhum distrito específico, pela sua fraca significância.

128Em síntese, podemos afirmar que, por um lado, no início da década de 80, a falta de especificação da causa de morte no registo do óbito ainda era uma realidade: o desconhecimento do diagnóstico de entidades patológicas ou a falta de meios que tal possibilitasse, estava patente em quatro distritos do interior/norte (Castelo Branco, Guarda, Bragança e Vila Real) e de Faro, o que nos pode revelar o diminuto desenvolvimento socioeconómico e do campo dos cuidados de saúde; por outro lado, 66% dos distritos Continentais estavam maioritariamente associadas a duas causas de morte distintivas: às doenças do aparelho circulatório e aos tumores malignos, que constituíam um bloco que se estendia do litoral atlântico ao interior.

129No contexto, o distrito do Porto sobressai isolado, não ficando correlacionado com nenhuma daquelas causas, ainda que, no seu conjunto nosográfico as encontremos representadas.

1301990/91 – Através da análise dos dados obtidos por aplicação da análise de correspondência binária, para o início do decénio de 1990, concluiu-se que as relações que pretendíamos estudar se projectaram sobre onze vectores factoriais, que se apresentaram com uma inércia total de 0,6729, sendo a do primeiro de 0,04070 e a do segundo 0,01228. Em termos de proporção de variância explicada, a primeira dimensão comportava 0,605 do total da massa da informação das relações e a segunda detinha 0,183. Até ao quinto factor é possível explicar 95,4% do total das relações entre distritos e causas de morte.

131No espaço reduzido a duas dimensões (Fig. 84) temos, no eixo 1 a ilustração da dicotomia do Continente português em que são apresentados os distritos de Bragança (0,775), Vila Real (0,680), Guarda (0,572) e Braga (0,414), negativamente correlacionados com Lisboa (-0,703),

Figura 84 – Representação dos distritos: 1990

132Setúbal (-0,558) e Portalegre (-0,416), na ocorrência de uma maior e melhor diferenciação de diagnóstico da causa de morte e da sua prevalência. Quanto ao factor 2, a situação desenhou-se da seguinte forma: os distritos de Setúbal (0,994) e Faro (0,313) estavam contrapostos aos distritos do Porto (-0,363), Lisboa (-0,289), Viana do Castelo (-0,179) e Beja (-0,180).

133Pela observação das contribuições absolutas dos pontos-linha/distritos, o factor 1 é basicamente definido por dois extremos: por um lado, pela dominância do distrito de Lisboa (0,478) e por outro lado, pelos distritos de Santarém (0,000) e Viana do Castelo (0,000); no factor 2 é ponto principal o distrito de Setúbal (0,574), seguido de Lisboa, mas de forma menos acentuada (0,147).

134Nas contribuições dos factores para inércia de cada ponto-linha/distrito, ou seja, nas contribuições relativas, temos como pontos mais dominantes no l.° eixo os distritos de Bragança (0,921), Lisboa (0,906), Guarda (0,887), Vila Real (0,815) e Braga (0,710) em oposição a Faro (0,000), Viana do Castelo (0,000) e Santarém (0,001); na segunda dimensão são dominantes os distritos de Setúbal (0,582), Faro (0,383) e do Porto (0,342), opostos principalmente a Évora e a Vila Real, valorados em 0,000.

135Pela leitura das coordenadas pontos-coluna/causas de morte (Figura 85) a representação gráfica do factor 1 colocou a causa de morte 46 (0,711: sintomas, sinais e afecções mal definidas) correlacionada negativamente de forma evidente com as causas 300 (-1,273: aterosclerose), 47 (-0,902: fracturas) e, de forma mais atenuada, com as causas 270 (-0,444: enfarte agudo do miocárdio), 101 (-0,357: tumor maligno da traqueia, dos brônquios e do pulmão) e E471 (-0,320: acidentes de trânsito com veículos a motor); quanto ao factor 2 que, como atrás vimos, reflecte apenas uma massa de informação na ordem dos 18,3%, posicionou a causa de morte E471 (1,277), contraposta às causas NE (-0,445: outras causas não especificadas), 101 (-0,327) e 321 (-0,304: pneumonia).

Figura 85 – Representação das causas de morte: 1990

136Especificando as contribuições absolutas dos pontos-coluna para inércia de cada eixo factorial, assumimos que se apresentaram como pontos dominantes as causas 46 (0,411) e causa 300 (0,301) no vector 1 e que, no vector 2, a causa E471 (0,641) se colocou em oposição preferencial com a causa 29 (0,000: doenças cerebrovasculares).

137Quanto às contribuições relativas: para o vector 1 contribuíram fortemente a causa 46 (0,894), a causa 300 (0,859), a 270 (0,820) e a 47 (0,765) e para o vector 2 as causas E471 (0,843), causas NE (0,618) e também a 321 (0,315).

138Na Figura 86 é apresentada a síntese do que acabamos de expôr, de forma mais explícita e em função das relações de oposição e conjunção segundo a estratégia estatística da correspondência binária, que iremos validar através da formação de grupos homogéneos, em função de cinco factores de correspondência. Denotou-se, porém, que existiam diferenças significativas dos eixos 1 a 3, tendo o eixo 1 F= 10,67 e P=0,000; o eixo 2 F=32,99 e P=0,000 e o eixo 3 E=19,76 e P=0,000.

Figura 86 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1990

139O primeiro cluster (Figura 87) congregou um máximo de treze elementos, dos quais constavam os distritos de Aveiro, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Faro, Guarda, Leiria, Santarém, Vila Real e Viseu fortemente associados às causas 29, 46 e às causas NE. Na prática, tal significa que, em 56% do universo distrital, as doenças cerebrovasculares prevaleciam como primeira causa de morte, sendo que metade dos casos tinham valores acima dos 30%. Por outro lado, todo o conjunto mantinha como segunda e terceira causa de morte “sintomas, sinais e afecções mal definidas” e “outras causas não especificadas”, ligadas a lesões traumáticas e envenenamentos, ou seja, o registo dos óbitos cuja causa exacta não era conhecida. Tal significa a coexistência de identificação de causas com diagnóstico bem diferenciado com causas de morte não conhecidas com precisão, fenómeno provavelmente ligado ao desconhecimento de certas causas de morte violenta, não declaradas pela medicina legal e também à outra causa de imprecisão: a senilidade.

Figura 87 – Causas de morte nos distritos em 1990

140A segunda formação conjuga os distritos de Braga e Viana em torno de uma única causa, a causa 347, ou seja, a cirrose e doenças crónicas do fígado, no contexto das doenças do aparelho digestivo.

141Ao terceiro cluster correspondem os distritos de Évora e Portalegre, homogeneizados pela prevalência da aterosclerose, como doença do aparelho circulatório, e pelas lesões traumáticas e envenenamentos, traduzidos na prática por fracturas.

142No quarto cluster surge-nos apenas o distrito de Setúbal, configurado em torno da causa E471, isto é, dos acidentes de trânsito com veículos a motor.

143Finalmente, o quinto agrupamento, surge constituído por oito elementos que integram cinco causas de morte diversificadas na sua natureza patológica, mas com forte incidência no enfarte agudo do miocárdio, que constituiu a segunda causa de morte no distrito de Lisboa, terceira no de Beja e quarta no do Porto; nos tumores (neoplasmas) quer do aparelho digestivo quer do aparelho respiratório, e também na diabetes mellitus, doença de forte componente genética. Relativamente à pneumonia, era especialmente expressiva no distrito do Porto, onde ocupa o quinto lugar no obituário geral.

144A título conclusivo, diremos que no início da década de 90, o país continental estava assim repartido, em termos nosológicos: o litoral centro (Leiria, Coimbra e Aveiro) unia-se com o interior centro norte (Santarém, Castelo Branco, Guarda, Viseu, Braga e Vila Real), e também com o distrito de Faro (56% do território) aglutinados especificamente às doenças cerebrovasculares e, também, a causas cuja origem era imprecisa.

145Os distritos mais urbanizados de Lisboa e Porto, aos quais se unia Beja, mantinham a excelência da diferenciação diagnóstica das doenças do aparelho circulatório, nomeadamente do enfarte agudo do miocárdio e dos tumores malignos (neoplasmas).

146O interior alentejano (Évora e Portalegre) caracterizou-se essencialmente pela predominância da mortalidade por doenças do aparelho circulatório, especificamente aterosclerose como causa de morte mais importante, seguida das lesões traumáticas e envenenamentos, que ocupavam lugar de destaque no distrito de Évora. Neste plano podemos agregar o distrito de Setúbal, que se destacou pelos acidentes de trânsito com veículos a motor.

147O litoral norte (Viana do Castelo e Braga) caracterizou-se pelas doenças do aparelho digestivo, com destaque para as doenças crónicas do fígado e cirrose, causas de morte ligadas ao consumo do álcool, em zonas agrícolas tradicionais, caracterizadas simultaneamente por indicadores de vida fracos, uma grande proporção de habitantes vivendo em aldeias e possuindo, no conjunto, níveis de instrução baixos.

148Na conclusão deste capítulo acrescentaríamos que, apesar da relativa homogeneidade da classificação das principais causas de morte, as diferenças entre taxas permanecem sensíveis nos diferentes distritos e provocam os desvios que separam ainda os níveis de sobrevivência.

149Reconhecemos também que as diferenças geográficas observadas, contudo, não podem ser apoiadas unicamente sobre dados estatísticos relativos à mortalidade. É impossível dizer em que medida estas diferenças relevam da diversidade do tipo de desenvolvimento económico, social e sanitário e das condições do meio, e não dependem, ao contrário, de factores fisiológicos e genéticos que têm, sem dúvida, um papel importante porque podem favorecer ou combater o aparecimento destas doenças, aumentar ou diminuir a sua letalidade.

150A análise que acabamos de efectuar reporta-se a uma evolução normal no mundo ocidental, em que se evoluiu das doenças infecciosas para a predominância das doenças relacionadas com o aparelho circulatório, tumores e causas de morte violentas, isto é, evoluiu-se no sentido da diminuição das doenças que os progressos terapêuticos e diagnósticos tornaram evitáveis, ou menos letais, e da incidência da mortalidade “social”, melhor dizendo, a que depende mais estritamente das condições económicas e sociais ligadas ao modo de vida das sociedades desenvolvidas, hoje designadas “doenças da civilização”.

Table des illustrations

Légende Figura 56 – Representação dos distritos: 1920
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Figura 57 – Representação das causas de morte: 1920
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Légende Figura 58 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1920
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Figura 59 – Causas de morte nos distritos em 1920
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Légende Figura 60 – Representação dos distritos: 1930
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Figura 61 – Representação das causas de morte: 1930
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Figura 62 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1930
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Figura 63 – Causas de morte nos distritos em 1930
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Légende Figura 64 – Representação dos distritos: 1940
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Figura 65 – Representação das causas de morte: 1940
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Légende Figura 66 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1940
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Figura 67 – Causas de morte nos distritos em 1940
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Légende Figura 68 – Representação dos distritos: 1950
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Légende Figura 69 – Representação das causas de morte: 1950
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Légende Figura 70 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1950
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Légende Figura 71 – Causas de morte nos distritos em 1950
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Légende Figura 72 – Representação dos distritos: 1960
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Figura 73 – Representação das causas de morte: 1960
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Légende Figura 74 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1960
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Légende Figura 75 – Causas de morte nos distritos em 1960
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Légende Figura 76 – Representação dos distritos: 1970
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Légende Figura 77 – Representação das causas de morte: 1970
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Légende Figura 78 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1970
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Légende Figura 79 – Causas de morte nos distritos em 1970
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Légende Figura 80 – Representação dos distritos: 1980
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Légende Figura 81 – Representação das causas de morte: 1980
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Légende Figura 82 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1980
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Figura 83 – Causas de morte nos distritos em 1980
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Légende Figura 84 – Representação dos distritos: 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Légende Figura 85 – Representação das causas de morte: 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Légende Figura 86 – Representação das causas de morte e dos distritos: 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Légende Figura 87 – Causas de morte nos distritos em 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3662/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 64k

© Publicações do Cidehus, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search