Version classiqueVersion mobile

Causas de Morte no Século XX

 | 
Maria da Graça David de Morais

II Parte — A mortalidade diferencial em Portugal Continental no século XX

Capítulo 3 – A mortalidade por causas

Texte intégral

3. 1 – Introdução

1O estudo que ora iniciaremos tem como objectivo analisar a evolução diferencial da mortalidade por causas segundo a Classificação Internacional de Doenças (CID) da Organização Mundial de Saúde (OMS), apenas a nível do espaço continental português como um todo, dado que este assunto será retomado e aprofundado na III Parte, constituindo o seu ponto central de análise.

2As causas foram seleccionadas pela sua frequência (as doze mais frequentes nos dois primeiros anos de cada decénio, tendo em conta que o cálculo recaiu sobre um período de dois anos consecutivos para que os óbitos do distrito a observar não fossem em número tão restrito para que se não reduzisse o significado das taxas que daí resultassem, e também com o fim de eliminar o mais possível a influência de oscilações aleatórias) e, sempre que possível, a sua apresentação foi feita por sexos separados para o total dos óbitos e para o conjunto das idades.

3Foram elaboradas listas de referência (Quadros 15 e 16) para a identificação de qualquer das causas de morte indicadas no texto que correspondem às rubricas da CID da OMS, mas apenas referentes aos anos a que dizem respeito, dado não entrarmos nas correspondências entre as diferentes revisões da Classificação porque, como afirmam Meslé e Vallin (1993), “(...) Malheureusement, cette pratique n’a guère duré et, notamment depuis la seconde guerre mondial, les révisions de la CIM sont systématiquement publiées sans référence à l'état précédent de la classification (...)”. Com efeito, esta preocupação entre antigas e novas definições só existiu nas primeiras revisões da CID. Aqui, apenas nos reportaremos, como já dito, à forma como estão expressadas nos documentos a partir dos quais foi feita a recolha. Até porque, tanto ao nível teórico da definição médica das rubricas como no plano concreto do seu conteúdo estatístico, na prática, encontramo-nos desprovidos de toda a informação sobre a correspondência entre as rubricas de duas versões sucessivas da CID. Elas somente reflectem a evolução dos conhecimentos médicos mas não têm em conta a continuidade necessária para a observação das evoluções.

4Podemos mesmo falar de uma ruptura nas definições e uma quebra de continuidade das séries temporais de mortes por causas que se pretendam analisar sequencialmente, sobretudo as que referem valores absolutos e relativos que, mesmo quando comparáveis, não têm de facto o mesmo significado sanitário, não se reflectem por igual importância. Contudo, para determinados casos, tentaremos uma aproximação.

Quadro 15 – Principais causas ou grupos de causas de morte, segundo a Classificação Internacional de Doenças (CID)

1920/1930

1940/1950

Rubricas CID(1)

Rubricas CID(2)

13. Tuberculose dos pulmões/aparelho respiratório
16. Cancro e outros tumores malignos
18. Congestão, hemorragia e amolecimento do cérebro
19. Lesões orgânicas do coração
20. Bronquite aguda
22. Pneumonia
23. Outras doenças do aparelho respiratório (excepto tísica)
25. Diarreia e enterite (antes dos 2 anos)
25 b. Diarreia e enterite (2 e mais anos)
29. Nefrite aguda e mal de Bright
33. Debilidade congénita e vícios de conformação
34. Senilidade
35. Mortes violentas (excepto suicídios)
37. Outras doenças

38. Doenças ignoradas ou mal definidas

10. Tuberculose do aparelho respiratório
11. Todas as outras tuberculoses
15. Cancro e outros tumores malignos
22. Hemorragia cerebral, embolia ou trombose cerebral
24. Doenças do coração
26. Bronquite
27. Pneumonias
29. Diarreia e enterite (nas idades inferiores a 2 anos)
29 b. Diarreia e enterite (a partir dos 2 anos de idade)
32. Outras doenças do aparelho digestivo
38. Debilidade congénita, vícios de conformação congénitos, nascimento prematuro, etc.
39. Senilidade
42. Morte violenta ou acidental (excepto Suicídio ou homicídio)
43. Causas não especificadas ou mal definidas

(1) 2a Revisão CID, 1909 - Lista Abreviada de 38 rubricas
(2) 4
a Revisão CID, 1929 - Lista Abreviada de 43 rubricas

5Por outro lado, houve que ter em conta certas limitações na utilização das estatísticas de causa de morte tal como se nos apresentaram nos diversos documentos do trabalho de base e ao interpretá-las à luz dos resultados obtidos. Podemos seguir de perto o trabalho de A. M. S. Cardoso (1994) que nos permite a síntese dessas observações: a) o elevado número de casos atribuídos às “doenças ignoradas”, “causas não especificadas”, “causas mal definidas e desconhecidas”, “sintomas, sinais e afecções mal definidas”

  • 1 Julgamos oportuno incluir igualmente esta causa que, obviamente, não descreve as características da (...)

61 foi um indicador indirecto da qualidade dos dados, pois é sabido que se a sua proporção é superior a 10% traduz geralmente certificação médica não adequada, podendo significar que algumas dessas mortes seriam atribuídas a doenças ou lesões específicas; b) a determinação das causas de óbito foi, muito provavelmente, feita com graus de exactidão diferentes de distrito para distrito, na sequência das diferenças na disponibilidade e uso de serviços médicos e auxiliares de diagnóstico, experiência médica e à participação de pessoal não médico na certificação do óbito, nos diferentes tempos. Contudo, e apesar das suas limitações, as estatísticas de causas de morte representam para nós uma fonte de informação relevante e, como diz Maia de Loureiro (1945) “embora imperfeita, fornece elementos suficientes para servir de base a um profícuo trabalho de análise”.

Quadro 16 – Principais causas ou grupos de causas de morte, segundo a Classificação Internacional de Doenças (CID)

1960/1970

1980/1990

Rubricas CID(3)

Rubricas CID(4)

B1 Tubercolose do aparelho respiratório
B1 8 Tumores Malignos, incluindo os tumores dos tecidos linfáticos hematopoiético
B22 Lesões vasculares afectando o sistema nervoso central
B26 Doença arteriosclerótica de degenerativa do coração
B27 Outras doenças do coração
B28 Hipertensão com doença do coração
B31 Pneumonia
B32 Bronquite
B36 Gastrite, duodenite, enterite e colite, excepto a diarreia do recém-nascido
B37 Cirrose do fígado
B44 Outras doenças particulares da primeira infância e prematuridade não qualificada
B45 Senilidade sem menção de psicose e causas mal definidas e desconhecidas
B46 Todas as outras doenças
Acidentes, envenenamentos e violências
Causa externa:
BE47 Acidentes com veículos automóveis
BE48 Todos outros acidentes
BE49 Homicídio traumatismo proveniente de operações de guerra

Natureza do traumatismo:

BN47 Fractura, traumatismo da cabeça e lesões traumáticas internas
BN48 Queimaduras
BN49 Efeitos de venenos
BN50 Todas as outras lesões

01-07 Doenças infecciosas e parasitárias
08-14 Tumores malignos
091 Tumor maligno do estômago
101 Tumor maligno da traqueia, dos brônquios e do pulmão
181 Diabetes mellitus
25-30 Doenças do aparelho circulatório
270 Enfarte agudo do miocárdio
29 Doenças cerebro-vasculares
300 Aterosclerose
321 Pneumonia
323 Bronquites, enfisema e asma
347 Doenças crónicas do fígado e cirrose
350 Nefrite, síndrome nefrótica e nefrose
45 Certas afecções cuja origem se situa no período perinatal
46 Síndrome, sinais e afecções mal definidas
47 Fracturas
Outras causas
E47-E53 Acidentes e efeitos adversos
E471 Acidentes de trânsito com veículo a motor causas não especificadas

(3) 6° Revisão CID, 1948 - Lista Abreviada de 50 rubricas
(4) 9° Revisão CID, 1975 - Lista Abreviada de 50 rubricas

7Assim sendo, tentaremos de seguida traçar a evolução das principais causas de morte desde o início do século e captar as tendências através da modificação da estrutura nosológica, devido à redução de certas causas e aumento de outras, tanto mais que este conhecimento é necessário para o entendimento do processo de transição epidemiológica.

3. 2 – Um primeiro conhecimento das principais causas de morte

8Esta observação far-se-á através da análise da prevalência das taxas específicas de cada causa de morte em relação ao total dos óbitos, ou seja, seguindo um processo de cálculo que nos permite uma abordagem à questão. Estruturá-la-emos da seguinte forma: principiaremos por uma leitura das taxas, ano a ano, mas igualmente referenciadas aos pares de anos em que se encontram agrupados segundo idêntica nomenclatura da CID, seguida de uma leitura combinada daqueles conjuntos de causas de morte susceptíveis de assim serem examinados, para que se possam articular as tendências verificadas com as da mortalidade geral, precedentemente descrita. A base da análise, o ponto de partida, será a Figura 55 e os Anexos C.

9Os anos de 1920 e 1930 serão analisados à luz do registo de causas de morte segundo a Lista Abreviada de 38 rubricas, da 2.a Revisão da CID, de 1909.

101920 – No Continente português, neste ano, dentre as doze causas seleccionadas (Anexo Cl), a que apresenta maior visibilidade é, sem dúvida, a rubrica 38, ou seja, o registo de óbitos de “doenças ignoradas ou mal definidas”, com cerca de 40% do total. Tal pode indiciar os fracos meios de diagnóstico e/ou ausência de estrutura sanitária adequada ou ainda provar o pouco cuidado dispensado ao preenchimento do certificado de óbito e o elevado número de mortes ocorridas no domicílio com certificação duvidosa. A esta rubrica podemos aliar uma outra, também de carácter residual, e que contribuiu com 5,0% dos óbitos, que é a rubrica 37 “outras doenças”. Podemos, agora, afirmar que os óbitos não identificados foram, neste ano, de cerca de 45%.

11Assim, não está garantida uma boa representatividade dos dados relativamente à realidade do fenómeno e, daí, estarmos perante um facto consumado que nos permite apenas uma certa margem de aproximação. De facto, somente cerca de 55% dos óbitos foram atribuídos a uma causa determinada.

Figura 55 – Repartição dos óbitos segundo as principais causas de morte (%), Continente, 1920-1990

12De acordo com os elementos disponíveis, como primeira causa de morte mais representativa, surge a rubrica 25 “diarreia e enterite (antes dos 2 anos)”, contribuindo com 8% dos óbitos, reflexo de uma mortalidade infantil muito intensa nesta época. Certos óbitos contidos nesta categoria poderiam ser o resultado da subnutrição (normalmente acompanhada por uma complicação infecciosa) ou, de forma genérica, das próprias condições de vida (higiene e habitação) que tinham um papel fulcral, não só nestas idades como para o resto dos efectivos.

  • 2 Para uma maior facilidade de leitura, todas as causas de morte referenciadas serão seguidas da rubr (...)

13A “tuberculose pulmonar”(13)2 expressava-se como segunda causa, com uma contribuição de 5,48% do conjunto dos óbitos. Com um valor semelhante, em 3.° lugar, encontravam-se registadas as “lesões orgânicas do coração” (19). A “senilidade”(34) representava, neste ano, 4,69% da totalidade dos óbitos classificados, seguida da “congestão, hemorragia e amolecimento do cérebro” (18), com 4,00%.

14Ainda relacionada com a mortalidade infantil, aparece-nos, dentro da ordem decrescente por que estão a ser apresentadas estas causas, a rubrica 33 “debilidade congénita e vícios de conformação”, que contribuiu com 3,84% dos óbitos totais. A “diarreia e enterite com 2 e mais anos”(25b) surgiu como sétima causa de morte, com 3,41%; a “pneumonia”(22), a “bronquite aguda”(20) e “outras doenças do aparelho respiratório (excepto tísica)”(23) concentraram 6,49% dos óbitos.

15Em resumo, podemos afirmar que a predominância, em 1920, era das doenças do foro do aparelho digestivo, que no seu conjunto perfaziam 11,10% da totalidade dos óbitos, seguida das afecções relacionadas com o aparelho respiratório (10,16%) e das lesões orgânicas do coração (5,16%).

161930 – O tipo de doenças descrito para o ano anterior esteve também na origem das principais causas de morte neste ano. Ainda que as deficiências da cobertura da assistência médica, a incipiência dos meios de diagnóstico e a presumível falta de rigor no preenchimento dos verbetes se mantivessem há, contudo, uma progressão patenteada na significativa descida das taxas de mortalidade das rubricas 38 e 37, respectivamente “doenças ignoradas ou mal definidas” e “outras doenças” que passaram, no conjunto, de 44,92% para 14,17%. Esta questão prende-se, muito provavelmente, com a centralização da informação contida nos verbetes na Direcção Geral de Estatística, a partir de Fevereiro de 1929.

17Avaliemos como especificamente estavam distribuídas as causas de morte em 1930/1931 (Anexo C2).

18A “diarreia e enterite”(25, 25b) aparecem notoriamente como a principal causa, representando 14,20% do total dos óbitos; secundariamente colocava-se a “tuberculose do aparelho respiratório” (13) que, aliada a “outras doenças do aparelho respiratório (excepto tísica)”(23), constituíram 12,64% do obituário, seguida das “lesões orgânicas do coração” (19) (8,52%) e de “congestão, hemorragia e amolecimento do cérebro” (18) (7,00%).

19Os óbitos atribuídos à quinta causa de morte, a “senilidade”(34), registaram uma contribuição de 6,70% e os atribuídos, na infância, à “debilidade congénita e vícios de conformação”(33) 5,25%.

20A rubrica 16, “cancro e outros tumores malignos” representavam uma modesta contribuição no conjunto dos óbitos, com 2,67%. As “mortes violentas (excepto suicídios)”(35) constituíram a décima segunda causa de morte: 2,44% do total.

21Concluindo, em 1930, foram registados, ainda maioritariamente, os óbitos de enfermidades relacionadas com o aparelho digestivo e, secundariamente, de afecções do aparelho respiratório. Neste ano, as doenças de natureza cardíaca ocuparam igualmente o terceiro lugar no conjunto das principais causas de morte.

22De seguida, os anos de 1940 e 1950 serão vistos através do registo das causas de morte segundo a Lista Abreviada de 43 rubricas da 4.a Revisão da CID, ocorrida em 1930 (Portaria n° 6:983 de 15 de Dezembro de 1930).

231940 – A primazia, neste ano, está ainda intensamente relacionada com as doenças das vias respiratórias: a representação percentual da “tuberculose do aparelho respiratório” (10), juntamente com as “pneumonias” (27) e “bronquite” (26) faz jus a esta posição, porque por cada 100 óbitos do conjunto 18 sucumbiram devido a estas moléstias (Anexo C3).

24Relativamente à “diarreia e enterite” (29, 29b) elas representaram 14,25% do total dos óbitos. As “doenças do coração” (24) e a “senilidade” (39) registaram uma contribuição muito idêntica relativa nas causas de morte, com 9,90% e 9,64%, respectivamente, revelando uma tendência evolutiva crescente.

25“Hemorragia cerebral, embolia ou trombose cerebral” (22) estiveram na causa de 7,20% dos óbitos, enquanto, na primeira infância, a “debilidade congénita, vícios de conformação congénitos, nascimento prematuro, etc.” (38) foram responsáveis por 5,37%.

26O “cancro e outros tumores malignos” (l5) bem como “mortes violenta ou acidental (excepto suicídio e homicídio) ” (42) concorreram com uma quota de cerca de 2,5% da totalidade dos óbitos.

27A rubrica “causas não especificadas ou mal definidas” (43) perdeu importância relativamente aos anos anteriores, sem, contudo, deixar de ser representativa: na ordem decrescente de cada uma das doze causas de morte ela ainda surge no quinto lugar, com um registo de 7,5%.

28Podemos afirmar que, no início da década de 40, foram susceptíveis de ser observadas tendências evolutivas significativamente crescentes no que se refere às doenças do aparelho respiratório e a seguir, em menor grau, do aparelho digestivo, revelando uma provável alteração da conjuntura no Continente que assim o determinasse e cujas causas serão procuradas mais adiante. Distanciadamente, mas a seguir, estão as enfermidades relacionadas com o coração.

291950 – A prevalência das principais causas de morte, neste ano (Anexo C4), foi como se segue: destacadamente surgem as “doenças do coração”(24) com 12,42% dos óbitos totais, logo seguida da “senilidade” (39) com 11,02% e da “tuberculose do aparelho respiratório”(10) (9,55%). A rubrica 22 “hemorragia, embolia ou trombose cerebral” ocupou o quarto lugar no conjunto das doze causas (9,43%), enquanto a “diarreia e a enterite (nas idades inferiores a dois anos)” (29) eram a quinta causa de morte, com 7,20%, mostrando-se em sentido regressivo acentuado. Ainda no âmbito das doenças do aparelho respiratório, as “pneumonias”(27) registaram uma contribuição de 6,38%, enquanto em oitavo lugar se destacavam, na mortalidade infantil, a “debilidade congénita, vícios de conformação congénitos, nascimento prematuro, etc.”(38).

30O “cancro e outros tumores malignos” (15) abrangiam uma faixa relativamente reduzida, com 4,89% do total dos óbitos, bem como as mortes violentas ou acidentais (42), com 2,74%.

31A proporção dos óbitos registados nas “causas não especificadas ou mal definidas”(43) foi de apenas 6,69%.

32Como nota final, podemos afirmar que, enquanto rubricas isoladas, a hierarquização das principais causas de morte foi a apresentada, contudo, se falarmos em conjuntos afins assistiremos a uma inversão no tocante às enfermidades do aparelho respiratório que, por si só, constituíram 15,93% dos óbitos, passando a ocupar a posição cimeira ao invés das doenças do coração que ocuparam o segundo lugar.

33A leitura das causas de morte para os anos de 1960 e 1970 baseia-se na Lista Abreviada de 50 rubricas da 6.a Revisão da CID, de 1948, promulgada por Portaria n° 13:748 de 23 de Novembro de 1951 e Decreto-Lei n° 39721, de 3 de Julho de 1954.

341960 – Seguindo uma distribuição decrescente das principais causas de morte, neste ano (Anexo C5), diremos que a rubrica B45, “senilidade sem menção de psicose e causas mal definidas e desconhecidas” ocupou o primeiro lugar na escala, com 14,95% dos óbitos, colocando-nos, de novo, perante uma informação que poderá não garantir a boa representatividade dos dados em relação à realidade do fenómeno mortalidade, por ser naturalmente residual.

35Secundariamente, as “lesões vasculares afectando o sistema nervoso central” (B22) contribuíram com 12,89% do total das mortes ocorridas. A seguir, com a representatividade de 9,14%, surgem os” tumores malignos, incluindo os tumores dos tecidos linfáticos e hematopoiéticos” (B18). A “doença arteriosclerótica e degenerativa do coração” (B26) foi responsável por cerca de 9,00% dos óbitos. Contribuindo de forma semelhante, estão a “pneumonia” (B31) e a “gastrite, duodenite, enterite e colite, excepto a diarreia do recém-nascido” (B36), com 7,82% e 7,64%, respectivamente.

36Menos significativamente, com a taxa de 4,61%, temos os “acidentes, envenenamentos e violências” (BE-BN) e, ligado com a mortalidade infantil, “outras doenças particulares da primeira infância e prematuridade não qualificada” (B44) com 4,58%. A “tuberculose do aparelho respiratório” (Bli) e a “bronquite” (B32) contribuíram com 3,65% e 2,44%, respectivamente. No fim da classificação das principais causas de morte, com uma expressão reduzida, estão representadas as “outras doenças do coração” (B27) ” (1,73%) e a “hipertensão com doença do coração” (B28) (1,58%).

37Resumindo, por conjunto de causas afins, diremos que as enfermidades relacionadas com o aparelho respiratório perfizeram 13,91% das mortes registadas e que as doenças do foro cardíaco contribuíram com 12,41%, constituindo-se como primeira e terceira causas, seguidas dos tumores malignos e pertencendo o segundo lugar às lesões vasculares.

381970 – Com grande destaque no conjunto das principais causas para este ano (Anexo C6), com uma representatividade de 18,75%, registaram-se os óbitos consequentes das “lesões vasculares afectando o sistema nervoso central” (B22), apenas seguido de perto pela “senilidade sem menção de psicose e causas mal definidas e desconhecidas” (B45), com 15,55%, patenteando uma tendência para o agravamento relativamente ao ano transacto.

39A “doença arteriosclerótica e degenerativa do coração” (B26) ocupou o terceiro lugar, com 12,36% dos óbitos e os “tumores malignos, incluindo os tumores dos tecidos linfáticos e hematopoiéticos” (B18) (11,72%) a quarta posição. A “pneumonia” (B31) destaca-se com 8,01% do conjunto. Os óbitos atribuídos à “cirrose do fígado” (B37), à “gastrite, duodenite, enterite e colite, excepto a diarreia do recém-nascido” (B36) e ainda à “bronquite” (B32) registaram uma contribuição relativamente idêntica, representando cada uma cerca de 2,00% da totalidade dos óbitos.

40Começa agora a ganhar expressão a sinistralidade, concretizada nas rubricas “todos os outros acidentes” (BE48) e ”acidentes com veículos automóveis” (BE47), ocupando, na repartição obituária, deste ano, o décimo e o décimo primeiro lugar.

41A rubrica residual referente a “todas as outras doenças” (B46) aparece ainda com um significado de 4,23%.

42Concluindo, no início da década de 70, eram prevalecentes as enfermidades relacionadas com lesões vasculares afectando o sistema nervoso central, a doença arteriosclerótica e degenerativa do coração e os tumores malignos. No conjunto, as afecções relacionadas com o aparelho respiratório representavam 10,64% da globalidade das mortes verificadas.

43A nomenclatura das principais causas de morte seguida para os anos de 1980 e 1990 é a constante da Lista Abreviada de 50 rubricas da 9.a Revisão da CID, de 1975 (Decreto-Lei n° 513-C1/79 de 27 de Dezembro).

441980 – Neste ano a multiplicidade das causas seleccionadas estão marcadamente concentradas num pequeno número de áreas patológicas (Anexo C7). As “doenças do aparelho circulatório” (25-30) constituíram 43,20%, ou seja, quase cerca de metade do conjunto das doze causas, sendo, assim, a primeira causa da mortalidade. Os “tumores malignos” (08-14) (15,06%) vêm em seguida e, depois, os “acidentes e efeitos adversos” (E47-E53) (11,22%), as doenças do aparelho respiratório (“pneumonia”(321) e “bronquite, enfisema e asma”(323)) com 5,44% e as “doenças crónicas do fígado e cirrose”(347) com 3,22% do total dos óbitos. Com pesos semelhantes, mas ainda não negligenciáveis pela sua significação epidemiológica, estão “certas afecções cuja origem se situa no período perinatal” (45) (1,62%), as “doenças infecciosas e parasitárias” (01-07) (1,39%) e ainda a “diabetes mellitus” (181) (1,32%).

45A rubrica 46 “sintomas, sinais e afecções mal definidas” ocupou ainda uma posição de destaque, englobando o registo de cerca de 13% da totalidade obituária para este ano.

461990 – O peso das doenças relacionadas com o aparelho circulatório no conjunto da mortalidade verificada neste ano foi o mais significativo, colocando-as como primeira causa de morte. Este obituário reagrupa um número de afecções que corresponderam a diagnósticos cada vez mais precisos. Foram três as categorias das afecções mais numerosas: as “doenças cérebro-vasculares”(29) com 28,37% dos óbitos; o “enfarte agudo do miocárdio” (270) com 7,86% e a “aterosclerose” (300) com 3,04% (Anexo C8).

47Os tumores malignos associados nas rubricas 091 (tumor maligno do estômago) e 101 (tumor maligno da traqueia, dos brônquios e do pulmão) constituíram-se em quinto e décimo primeiro lugar, respectivamente, no conjunto das causas, contribuindo com 3,36% e 2,51% dos óbitos. Os “acidentes de trânsito com veículo a motor”(E471) eram, no início da década de 90, a sexta causa de morte, com um registo de 3,24% de óbitos do conjunto, logo seguidos da “diabetes mellitus” (181) (3,05%). As doenças do aparelho respiratório apenas apareceram representadas pela rubrica 321 “pneumonia” (3,17%). A um nível de contribuição relativamente semelhante estão as afecções relacionadas com o aparelho digestivo, “doenças crónicas do fígado e cirrose” (347) (2,87%) e as “fracturas” (47) com 2,44%.

48A imprecisão na ocorrência recolhe não só os “sintomas, sinais e afecções mal definidas” (46) (13,32%) como “outras causas não especificadas” (Causas NE) (8,16%), colocando este conjunto na segunda posição da hierarquização das causas de morte.

49A finalizar, numa segunda leitura desta informação (Quadro 17) poderemos observar a evolução de certos domínios patológicos que nos dão uma ideia da amplitude das evoluções que marcaram o século XX no Continente português.

Quadro 17 – Proporção de óbitos segundo grandes grupos de causas de morte

Quadro 17 – Proporção de óbitos segundo grandes grupos de causas de morte

50Variaram de um tempo a outro. Contudo, a interpretação destas proporções é delicada. Podemos levantar a hipótese de que, na ausência de uma transformação notória da mortalidade, uma simples evolução das causas mal definidas, por exemplo, teria podido mascarar a realidade das mutações ocorridas nas doenças mais responsáveis da morte.

51Há razões para pensar que a evolução das proporções é reveladora de transformações intervenientes na mortalidade, mesmo se a importância relativa de certas causas pôde ser modificada em razão de mudanças ocorridas nas outras patologias.

52No início do século, cerca de 50% dos óbitos eram de causas mal definidas ou de doenças ignoradas. Recordemos que nesta época não existia ainda a obrigatoriedade extensiva de fazer declaração de causa de morte por um médico. Agora que estas condições estão realizadas, restam, mesmo assim, 13,32% de óbitos nesta categoria. Esta proporção é diversamente interpretada e ainda considerada muito elevada quando comparada com o que se observa noutros países europeus (por exemplo, França: 6%). Convém constatar, por um lado, que ela indica uma melhoria sensível na precisão das declarações médicas e, por outro lado, continua a constituir também um impedimento para se apreciar a exacta evolução das patologias precisas. Se se admitir que as causas mal definidas (contemplando a senilidade) se repartissem como as causas detalhadas, poder-se-ia rectificar os números observados repartindo proporcionalmente os óbitos registados sob uma menção precisa. Os resultados deste cálculo, feito a título de exemplo para os anos de 1920 e 1930, mostraram que isto não mudaria o sentido das conclusões a que chegámos previamente.

53A primeira causa de morte no início do século, as doenças do aparelho digestivo, permaneceram sempre em crescendo até 1940. Representaram de 11 a 14% das mortes, em razão fundamental da importância das diarreias e enterites nas idades de menos de 2 anos, as quais não regrediram a menos de 3% se não no início da década de 90.

54As doenças do aparelho respiratório foram quase tão importantes quanto estas. Seguindo um percurso evolutivo diferente, iniciaram-se com uma representatividade de 10% em 1920, sofreram um ligeiro decréscimo em 1930, registando, contudo, uma subida espectacular em 1940 (17,53%) que declina lentamente de 1950 até 1970 e se atenua fortemente no início dos anos 90.

55Assim, até meados do século XX, estas duas categorias de afecções constituíram a parte mais significativa da mortalidade registada.

56As doenças do aparelho circulatório parecem ter evoluído doutra forma: a sua importância na mortalidade desenvolveu-se sobretudo a partir do meio do século (12,42% de óbitos em 1950) e não sofreu grandes oscilações até ao início da década de 70. Vão ocupar em 1990 o primeiro lugar, com 39,27% do total, sendo atribuídos 28,37% exclusivamente às doenças cerebro-vasculares.

57Vários outros grupos de causas, importantes no fim do período da nossa análise, figuram com uma proporção reduzida. Os tumores e os acidentes estão neste caso. Os primeiros aumentaram consideravelmente: de 2,67% em 1930, 4,89% em 1950 e 15,06% em 1980. Porém, o registo desta afecção apenas conteve, no Continente, em 1990, 5,87% do total dos óbitos observados mas reportados apenas aos tumores malignos do estômago e aos da traqueia, dos brônquios e do pulmão. Os acidentes e mortes violentas representavam 2% dos óbitos no início do século mas os acidentes da circulação com veículos a motor não existiam. A sua importância, no início da década de 90, era de 3,24% numa proporção de 14,40% de mortes por acidente.

Síntese

58Analisando no seu conjunto os dados anteriormente trabalhados, podemos dizer que a mortalidade diferencial veio confirmar as tendências de declínio descritas para a mortalidade geral.

59Esta análise permitiu-nos ver algumas diferenças regionais desde o início da década dos anos 20, mas a sua diluição é um factor relativamente recente.

60Constatou-se que, enquanto no norte as mutações na mortalidade, observadas dos vários ângulos, foram, de uma forma geral, mais lentas e tardias, no sul e centro houve uma maior predisposição para a mudança.

61Os tempos e os ritmos foram analisados com algum pormenor, tendo sido especialmente realçados os diferentes aspectos do declínio em termos de mortalidade por idade, sexo, principais causas de morte e mortalidade infantil.

62Especificando:

  1. Relativamente à idade – existiu um forte contributo dos grupos de idade inferiores a 15 anos, com especial incidência para os óbitos infantis, em franca regressão; diminuição significativa de óbitos para além dos 60 anos, ainda que de forma não espectacular.

  2. Quanto ao sexo – tendência para um agravamento da sobremortalidade masculina geral, com algumas flutuações regionais, atingindo em todos os casos a sua expressividade máxima por volta dos 20-25 anos e, depois, com menor exuberância, por volta dos 55-60 anos.

  3. Mortalidade por causas – franca regressão das doenças do aparelho digestivo e do aparelho respiratório por oposição ao crescendo das doenças do aparelho circulatório, com especial incidência nas doenças cerebro-vasculares e dos tumores. Grande progresso das mortes por acidente, nomeadamente de veículos a motor, no início da década de 90.

  4. Mortalidade infantil – comparativamente à forte prevalência do início do século (158 óbitos por 1000 nascimentos em 1920) a mortalidade infantil caiu a um nível ínfimo (menos de 10‰ no sexo feminino). Isto foi um resultado obtido por etapas distintas, das quais as mais características, na globalidade, foram: a primeira, até 1940, com quocientes de mortalidade acima dos 130‰; a segunda, abrangeu as décadas de 1950, 1960 e 1970 com valores que mediavam entre 53 e 88‰; a última, no início da década dos anos 80, com 22,67‰ e, em 1990, com 10,70‰. Regionalmente é de salientar a distribuição de distritos que regrediram de uma forma praticamente linear (casos de Beja, Setúbal e Castelo Branco) enquanto noutros se manifestou a manutenção dos valores elevados (Bragança e Vila Real).

63Em todos os capítulos procurámos determinar explicações, basicamente no plano demográfico, porque a abordagem de causas de outra natureza, embora reconhecidas como essenciais, não é, no entanto, compatível com o objectivo deste estudo e exige uma outra pesquisa.

Notes

1 Julgamos oportuno incluir igualmente esta causa que, obviamente, não descreve as características da mortalidade mas cuja manutenção se patenteia como um bom índice da fiabilidade dos dados pelo facto de ser inversamente correlativa à diligência colocada no preenchimento dos certificados de óbito, nos diferentes distritos e nos diferentes anos, bem como por poder indiciar as mutações graduais das estruturas sanitárias.

2 Para uma maior facilidade de leitura, todas as causas de morte referenciadas serão seguidas da rubrica correspondente na CID, entre parêntesis.

Table des illustrations

Légende Figura 55 – Repartição dos óbitos segundo as principais causas de morte (%), Continente, 1920-1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3653/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 352k
Titre Quadro 17 – Proporção de óbitos segundo grandes grupos de causas de morte
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3653/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 186k

© Publicações do Cidehus, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search