Version classiqueVersion mobile

Causas de Morte no Século XX

 | 
Maria da Graça David de Morais

II Parte — A mortalidade diferencial em Portugal Continental no século XX

Capítulo 1 – A mortalidade por idades e por sexo

Texte intégral

1.1 – Introdução

1Procede-se a uma análise dos dois elementos mais caracterizadores da diferenciação da mortalidade e que são tradicionalmente privilegiados pelos demógrafos em todas as análises da mortalidade: a idade e o sexo.

2A comparação entre a evolução diferencial e os níveis de sobrevivência dos dois sexos sugerem alguns reparos.

3Na observação por idades, teremos a primeira informação partindo das taxas específicas, das quais faremos uma selecção de alguns grupos mais representativos, e que convergirá para a discriminação regional. Passaremos um breve olhar sobre a mortalidade precoce e, dentro desta, sobre a mortalidade antes dos 15 anos.

4No exame que faremos à diferenciação dos sexos, a sobremortalidade masculina constituirá um elemento primordial de análise. A evolução divergente dos dois sexos irá reproduzir uma transformação acentuada naquela, em especial em alguns grupos de idade, mas que se atenua nas idades em que os riscos de morte se tornam elevados para ambos os sexos, facto bem evidente em alguns distritos, como veremos.

1. 2 – A mortalidade por idades

5Um dos factores que torna diferenciada a acção da mortalidade é a estrutura etária, enquanto ela é fundamentalmente crescente com a idade e que as modificações ocorridas em si afectam a mortalidade geral.

6Na análise a que procedemos da estrutura da mortalidade por idades (Fig. 23), os dados seguiram as características geralmente observadas, quer dizer, uma mortalidade muito elevada na infância que vai diminuindo até alcançar um mínimo entre os 10 e os 14 anos e que começa, a partir daqui, com um aumento, de início ligeiro e depois cada vez mais forte, conforme o avanço das idades.

7Foi por recurso às taxas específicas (nmx) que fizemos esta observação. Salvaguardámos, no entanto, que elas são influenciadas por todos aqueles factores que, de um modo ou outro, têm importância no facilitar ou dificultar a ocorrência do facto biológico que é a morte. Daqui a necessária restrição na sua leitura. Mesmo assim, consideramos que o seu conhecimento, no confronto da população em diferentes épocas, numa base do conhecimento da maior ou menor proporção de óbitos, é necessário e satisfaz esta primeira abordagem.

8Ao longo do período observado (1920/1990), o declínio da mortalidade foi praticamente linear, em termos globais, não havendo a salientar “acidentes de percurso” gravosos, em qualquer das idades. Se excluirmos a mortalidade infantil (por ser alvo de tratamento individualizado), poderemos proceder a três cortes etários: 1-14 anos, 15-54 anos e 55-70+ anos.

9No grupo 1-14 anos há apenas a salientar o pouco progresso ocorrido, entre 1930 e 1940, nas idades 10-14 anos, compensado nos avanços dos anos seguintes.

10Entre os 15-54 anos assistimos a uma sequência de transformações lentas, contudo, afigurando-se orientadas para uma determinada direcção que é a da sua redução.

Figura 23 – Taxas de Mortalidade (sexos reunidos) – Continente 1920 a 1990

Figura 24 – Evolução de 5m10 (ambos os sexos) observado

Figura 25 – Evolução de 5m10 (ambos os sexos) observado

11Ao nível do grupo 55-70+ anos, as tendências para o declínio são, por vezes, mais flutuantes, em termos numéricos, que nos grupos anteriores.

12Vejamos, no entanto, outras particularidades relativas a idades contidas nestes agrupamentos (evidenciadas por representação cartográfica), como sejam, 10-14 anos, 30-34 anos, 50-54 anos e 70+, justificada a sua escolha em função do seu significado no contexto global: por representar o grupo menos susceptível aos riscos de morte, ou a idade média adulta, ou a idade pré-senil ou ainda os maiores riscos de morte.

13Em termos distritais, em primeiro lugar, por contraste com a situação de 1920, o grupo 10-14 anos (sexos reunidos – Fig. 24 e 25) evoluiu de forma algo significativa entre os anos de 1930 e 1940 em praticamente todos os distritos, para de seguida entrar numa dinâmica muito forte de recuperação, generalizada, em 1960 e 1970, que culminou com os mais baixos níveis em 1990. A diferenciação de comportamentos entre os distritos fez-se através da contraposição norte/sul, na fase inicial e final do período, apresentando o sul valores sempre mais significativamente declinantes. No norte, o distrito de Bragança manteve uma posição de retardamento. O distrito interior de Castelo Branco, que iniciou o ciclo com uma das taxas de mortalidade mais elevadas (4,67‰), evoluiu de forma a alcançar os valores mais reduzidos (0,21‰), juntamente com Évora e Beja.

14O grupo 30-34 anos (Fig. 26 e 27) experimentou uma variabilidade muito grande em ganhos, em ambos os sexos. Um conjunto de distritos do norte do País (Porto, Vila Real, Bragança e Viseu), juntamente com Lisboa, assumiu valores muito elevados (>9,50‰) em 1920. A atenuação acentuou-se a partir de 1950, com Castelo Branco numa posição de excepção. A diferenciação ocorreu a partir de 1980 para 1990, com uma faixa de distritos que vai do interior ao litoral (Castelo Branco, Santarém e Setúbal) e no litoral norte (Aveiro, Porto e Braga) com taxas de mortalidade abaixo de l,5‰.

15Ao nível dos 50-54 anos (Fig. 28 e 29), grupo etário que pode ser signicativo como um dos indicadores do nível sanitário de qualquer agregado populacional, quando observado sob o ângulo da sua proporcionalidade no conjunto dos óbitos e através da leitura dos cartogramas, constatamos a sua elevada incidência na mortalidade no norte do País, em 1920. Entre 1930 e 1940, a parte central do Continente homogeneiza-se (Coimbra, Leiria, Santarém, Castelo Branco e Portalegre – taxas de mortalidade entre 8,00 e 10,00‰) apresentando posteriormente (1960, 1970, 1980) uma certa variabilidade para, de novo, em 1990 permanecer com taxas de valores de 4,00 e 6,00‰. Os distritos mais representativos do conjunto do País, Lisboa e Porto, comportaram-se com total similitude ao longo de todos os anos em observação, quer com taxas elevadas ou baixas.

Figura 26 – Evolução de 5m30 (ambos os sexos) observado

Figura 27 – Evolução de 5m30 (ambos os sexos) observado

Figura 28 – Evolução de 5m50 (ambos os sexos) observado

Figura 29 – Evolução de 5m50 (ambos os sexos) observado

Figura 30 – Evolução de m70+ (ambos os sexos) observado

Figura 31 – Evolução de m70+ (ambos os sexos) observado

16No grupo 70+ anos (Fig. 30 e 31), a redução da mortalidade fez-se em cerca de 50%, iniciando-se, em 1920, com valores superiores a 150‰ e estacionando, em 1990, com cerca de 70‰. É notória a grande variação dos valores ao longo do tempo bem como um agravamento generalizado, no ano de 1970, bastante suavizado no início do decénio seguinte e em 1990. Até quase final do período, os distritos do norte do País foram os mais representativos da maior mortalidade dos indivíduos de 70+ anos, embora a tendência para uma identidade de comportamento fosse evidente. Em 1990, eram apenas duas as excepções, a níveis de mortalidade entre 80 e 90‰: Beja e Braga.

17Uma outra perspectiva de análise de aspectos da mortalidade diferencial por idades é a que se reporta a dois tipos de indicadores simples que, de forma ilustrativa expõem as transformações da mortalidade, e se referem a) à distinção do tipo de óbitos segundo a idade em que ocorre e b) ao número de mortes evitadas graças à quebra da mortalidade. A nossa referência só será feita relativamente ao Continente, para evitar o alongamento excessivo do pormenor distrital, nesta parte do trabalho.

18Em primeiro lugar, é possível diferenciar as mortes precoces das mortes tardias, tendo em conta que tanto a natureza da perda como as acções políticas diferem em ambas as categorias. Neste contexto, definem-se mortes precoces, um tanto arbitrariamente, como as que ocorrem antes dos 60 anos e, dentro destas, por sua vez, distinguem-se os óbitos de menos de 15 anos. Esta questão aponta-nos para o custo social da perda da força de trabalho.

19Quanto a b) – este indicador traduz as mutações do fenómeno em mortes evitadas ao reduzir-se a sua incidência, e podem também ser utilizados para quantificar as vidas que devem ser salvas para atingir níveis meta. Por outras palavras, através destes parâmetros calcula-se o número de pessoas que morreriam se fossem afectadas pelos riscos de morte iniciais, mas que sobrevivem graças à diminuição desses mesmos riscos.

20Utilizaremos, primeiramente, as proporções de óbitos que ocorreram antes dos 60 anos e, neste grupo, os de menos de 15 anos.

21No Continente português, tanto as mortes dos menores de 15 anos como as mortes precoces observaram uma considerável descida, se bem que ainda hoje se apreciem níveis menos baixos nestas últimas. Nestes dados observados, a elevada proporção de óbitos de jovens, nos primeiros anos, tenderam a incrementar aquelas percentagens. Desta forma, em 1920, 74,02% dos que faleceram tinham menos de 60 anos e, dentro deste grupo, 43,15% tinham menos de 15 anos; em 1940, as mortes precoces representavam 66%, em 1960 44,10%, em 1980 31,13% e, em 1990, apenas 25.01%, enquanto a mortalidade de menores de 15 anos passava de 43,15%, em 1920, para 2,07% em 1990. De notar, a ausência de progressão, se não mesmo um agravamento, dos óbitos precoces entre 1970 e 1980, algo que poderá encontrar a razão de ser ao nível da incidência e da prevalência de uma qualquer causa de morte específica.

Quadro 12 – Proporção de óbitos precoces e de - 15 anos observados (HM) no Continente

Quadro 12 – Proporção de óbitos precoces e de - 15 anos observados (HM) no Continente

22A outra forma de apreciar as mutações ocorridas nos níveis de mortalidade consiste em calcular o número de sobreviventes em grupos de idade, entre diferentes anos, a partir das tábuas de mortalidade, numa base de 100 000 nascimentos.

Quadro 13 – Sobreviventes (/x) e vidas ganhas (HM) em diferentes períodos

Quadro 13 – Sobreviventes (/x) e vidas ganhas (HM) em diferentes períodos

23Podemos, facilmente, observar que os grandes ganhos se operaram a partir de 1940, tendo o seu pico mais evidente nos anos de 1940/1960. Entre os decénios seguintes, a recuperação processou-se de uma forma cada vez mais lenta, atingindo como que um ponto de inércia, em qualquer dos cinco grupos observados.

24Em conclusão, poderemos afirmar que na mortalidade por idades foi fortemente evidenciada uma tendência para o declínio do fenómeno global, sendo de salientar as maiores progressões nas idades de-15 anos e uma tendência para uma quase-estacionaridade ao nível dos 70+ anos, ainda que uma leitura por distritos, como anteriormente posto em destaque, nos mostrasse situações diferenciadas em termos etários.

1. 3 – A mortalidade por sexos

25Abordaremos agora a mortalidade no Continente do ponto de vista dos sexos separados, quer de forma global quer por distritos. A observação dos gráficos relativos às taxas específicas de mortalidade (nmx) para os anos de 1920, 1940, 1960, 1980 e 1990 (Fig. 32 e Fig. 33) permite-nos a referência à primeira diferença de comportamentos, relativamente aos sexos: o ponto de partida nos homens situa-se a níveis mais elevados do que nas mulheres. Estas apresentavam valores aos 0 anos de menos de metade dos valores masculinos (121,44‰ e 268,67‰, respectivamente). A equiparação fez-se apenas ao nível de 1-4 anos, sendo depois comparativamente dissemelhantes.

26De salientar que, em 1940, enquanto o sexo feminino prosseguia o processo de declínio, no sexo masculino deu-se uma recrudescência dos valores das taxas aos 0 anos, fortemente ligada com o aumento substancial dos óbitos nos primeiros meses de vida, identificado com um surto de “diarreia e enterite”.

27O ano de 1960 marcou o ponto de viragem no conjunto, sendo, por outro lado, os anos de 1980 e 1990 equiparados, a níveis muito baixos, em termos de progresso na mortalidade, nos dois sexos. De referir, porém, nestas duas últimas datas, a grande diferença de comportamento no grupo 15-19 anos: conquanto as mulheres mantivessem uma evolução aparentemente linear, nos homens houve uma ruptura abrupta, com um elevado número de óbitos, em grande parte como consequência dos acidentes de trânsito com veículos a motor, como veremos posteriormente.

28Numa perspectiva espacial, podemos agora retomar a análise anteriormente feita para sexos reunidos.

29Entre 10-14 anos (Fig. 34 e Fig. 35) vemos surgir um perfil de diferenciação da mortalidade segundo o sexo que expressa a maior exposição dos homens ao risco e às propensões de morte, traduzido numa mortalidade inferior das mulheres.

30Iniciando a observação pelo ano de 1920, podemos notar que enquanto a mortalidade feminina se distribuía por um leque mais aberto (que ia de 1 a 5‰), alargado a 5 agrupamentos de distritos, o dos homens estava mais compactado, constituído por apenas 4 aglomerações, oscilando predominantemente entre 3 e 5‰.

Figura 32 – Taxas de mortalidade (homens) – Continente

Figura 33 – Taxas de mortalidade (mulheres) – Continente

Figura 34 – Evolução de 5m10 (homens) observado

Figura 35 – Evolução de 5m10 (mulheres) observado

31Daqui a primeira indicação da sobremortalidade masculina. Bragança encontrava-se entre os distritos com a mais elevada mortalidade para ambos os sexos, sendo seguido de Braga, Lisboa e Portalegre. A oposição dos comportamentos era mais nítida nos distritos de Viseu e da Guarda: enquanto no primeiro caso a mortalidade oscilava entre 1 e 2‰ para o sexo masculino, excepcionalmente, no feminino estava entre 3-4‰; a situação era inversa no distrito da Guarda, sendo que para os homens as taxas se elevavam a 4-5‰.

32Em 1940, era nítida a tendência para a homogeneização de comportamentos, com valores entre 1 e 3‰, nos dois sexos. Há prevalência dos valores menores (entre 1 e 2‰) em 12 dos 18 distritos observados no sexo feminino e 9 no sexo masculino. O grande contraste é feito ao nível do distrito de Bragança: morriam menos de 50% de mulheres que de homens. Em 1960, enquanto os homens se distribuíam por apenas dois grupos, constituindo-se um deles maioritariamente em torno de 1,00 a 0,50‰, as mulheres já apresentavam valores abaixo destes (0,31-0,50‰), agregadas num conjunto formado por Coimbra, Leiria, Santarém e Castelo Branco, firmando como que um contínuo que ligava o litoral ao interior.

33Em 1980, era muito claro o número mais reduzido de mortes do sexo feminino no norte e no centro do país e ainda mais evidenciado no sul. Apenas no distrito de Portalegre encontramos semelhança de valores em ambos os sexos. Situação algo contrastante ocorreu em 1990: à progressão muito positiva das mulheres (9 dos 18 distritos analisados ostentavam valores de <0,30‰) contrapõe-se a situação do sexo masculino com uma prevalência de valores mais elevados (10 distritos com 0,50-l,00‰); somente Beja se mantinha com aqueles valores. Braga e Aveiro equiparavam-se em ambos os sexos.

34Finalizando, a constância de comportamento idêntico apenas encontramos no distrito de Lisboa, exceptuando-se o ano de 1990, em que a mortalidade é de nível menor no sexo feminino.

35No tocante ao grupo etário 30-34 anos, da observação das Figuras 36 à 37, poderemos dizer que, em 1920, e referenciando o sexo masculino, cerca de 50% dos distritos ainda tinham taxas superiores a 9,5‰, enquanto no sexo feminino apenas o distrito do Porto, de Vila Real e de Bragança comungavam daqueles valores. Neste sexo a concentração prevalecente dava-se nas taxas entre 8,00 e 9,50‰ e o número de distritos com os valores mais baixos registados (5,51-6,50‰) era já o dobro dos do sexo masculino.

36Após vinte anos de evolução, em 1940, as taxas de mortalidade dos homens tinham predominantemente caído para valores de 3,50 a 5,50‰, enquanto as mulheres atingiam valores entre 4,50 e 2,50‰. No ano de 1960 deu-se um fortíssimo incremento no nível de mortalidade, havendo, no sexo masculino, 11 distritos cujo nível mediava entre l,51-2,50‰. No sexo feminino, seis dos 18 distritos já apresentavam valores de <l,50‰. Os anos de 1980 e 1990 consolidaram esta tendência enquanto, por outro lado, o sexo masculino apresentava um agravamento nas taxas de mortalidade em 1990.

Figura 36 – Evolução de 5m30 (homens) observado

Figura 37 – Evolução de 5m30 (mulheres) observado

37Poderemos então dizer que, ao nível dos 30-34 anos, a mortalidade masculina estava fortemente implantada em todo o norte e centro do País, em especial no início dos anos em observação, e de forma mais atenuada relativamente às mulheres. No sul, porém, a mortalidade era menos manifesta no caso dos homens, situação que se inverte visivelmente quando ultrapassado o ano de 1960.

38Relativamente ao grupo etário 50-54 anos, e observando as Figuras 38 e 39, enquanto um pouco mais de metade dos distritos (9) se apresentavam, no sexo masculino, com taxas de mortalidade superiores a 18,00‰, no sexo feminino nenhum distrito tinha atingido aqueles valores, estando, por comparação, predominantemente aquém daquele nível.

39Em 1940, a diferenciação ainda é mais nítida, começando a contagem do nível de mortalidade feminino no limite mínimo do dos homens (10,01-12,00‰), com apenas nesta situação os distritos do Porto, Vila Real, Bragança e Beja. Santarém, neste ano, atingiu já o limiar dos 5,00‰. Os anos de 1960, 1980 e 1990 confirmaram plenamente esta evolução diferencial entre os dois sexos, no Continente português.

40Resumindo: é neste grupo etário (50-54 anos) que, no plano da mortalidade, o desvio entre homens e mulheres mais se aprofunda. Era nítido o contraste comportamental em 1920, sendo o norte e o interior significativamente representativo da prevalência da sobremortalidade masculina. As características diferenciais registadas nestas idades podem esclarecer sobre as condições da existência ambientais e de capacidade biológica de enfrentar a morte, ou que, pelo menos, a constituição genética terá um papel importante na determinação da sobremortalidade masculina.

41À uniformização generalizada ao País do modelo de mortalidade feminina de níveis diminutos, nos anos 80 e 90, contrapõe-se a irregularidade da distribuição distrital masculina, com níveis médios/elevados.

42Na faixa etária dos 70+ anos (Fig. 40 e 41), em 1920, ainda 33% dos distritos eram representativos da predominância da sobremortalidade masculina, com taxas de mortalidade acima dos 150,00‰. Relativamente ao sexo feminino, havia uma certa flutuação, que ia também de >150,00‰ (Beja, Viseu e Bragança) até 90-100‰ (Leiria e Santarém). Em 1940, enquanto os homens se mantinham em alguns distritos com valores entre 103,01 e 150,00‰ (Braga, Vila Real e Bragança), a mortalidade das mulheres estava fortemente concentrada entre 90,01-110,00‰, ou seja, 56% dos distritos apresentavam estes valores, com tendência para descer. No ano de 1980 desenhou-se uma linha de força na zona do interior continental português caracterizada por níveis mais baixos do que no litoral, quer para os homens quer para as mulheres, situação muito mais nítida nas cada vez mais inferiores taxas de mortalidade destas. Em 1990, enquanto se propendeu para uma quase total homogeneização do Continente, no sexo masculino (valores de 80,01-90,00‰), a mortalidade entre as mulheres bipolarizou-se segundo uma tendência de distritos do interior (com <70,00‰) versus distritos do litoral (70,01-80,00‰). De notar que, neste ano, não houve taxas de mortalidade masculinas com valores de <70,00‰ em nenhum distrito.

Figura 38 – Evolução de 5m50 (homens) observado

Figura 39 – Evolução de 5m50 (mulheres) observado

Figura 40 – Evolução de m70+ (homens) observado

Figura 41 – Evolução de m70+ (mulheres) observado

43Em síntese, foi notória a manutenção da sobremortalidade masculina, com tendência para a correcção com a melhoria progressiva dos valores, em especial nos distritos do interior. Como visto, em 1990, consolida-se a “interiorização” da mortalidade feminina, a baixos níveis.

44A título de conclusão, poderemos acrescentar que existem certas particularidades da estrutura por sexo (e por idades), que se evidenciam quando comparamos determinados instrumentos de análise, como sejam os quocientes de mortalidade (nqx) ou mesmo quando examinamos o número de sobreviventes (lx), em tempos diferentes. Neste procedimento, e observando a Figura 42, vemos que ela reflecte a razão entre os quocientes masculinos e femininos, nos anos de 1920,1940,1980 e 1990. De acordo com este gráfico, podemos constatar que, em relação à estrutura da mortalidade no Continente, se caracterizou por elevados índices de mortalidade infantil masculina, em 1920. Existe um agravamento progressivo e depois rápido da sobremortalidade masculina, principalmente entre os 15 e os 35 anos. Com efeito, quando em 1920 se situava ao nível dos 51,15% no conjunto dos óbitos, muito próximo dos valores femininos (48,87%), em 1980 quando aconteceu a ruptura ficámos perante uma diferença que ultrapassa o dobro dos óbitos das mulheres (72,43% H e 27,57% M) e que vai mais que triplicar em 1990 (75,09% H e 24,93% M). A explicação para este facto encontramo-la, em grande medida, nas mortes violentas, que são muito mais elevadas no sexo masculino, como veremos.

45A nível regional, como poderemos observar na Figura 42, esta evolução deu-se em alguns distritos de forma relativamente similar, enquanto que noutros surgiram picos seguidos de afundamentos, o que pode expressar a importância de alguns grupos de idade sobre outros (Beja, Portalegre e Guarda). Fácil de reconhecer é o limite reduzido do grupo 1014 anos, na generalidade dos distritos. A incidência da mortalidade entre os 15 e 25 anos é, na realidade, uma constante, tirante algumas excepções mais evidentes (Beja e Bragança). Contudo, em Évora e em Beja, o maior número de óbitos masculinos ocorreu antes dos 20 anos, em 1980 e 1990.

Figura 42 – Sobremortalidade masculina por idades, nos Distritos

46O agravamento da sobremortalidade masculina foi geral em 1990.

47Em síntese, a sobremortalidade masculina variou fortemente com a idade e passou por dois máximos: um muito agudo, por volta dos 20 anos, e um segundo, mais esparso, por volta dos 55-60 anos. Estes dois topos ocultam, com efeito, fenómenos inteiramente diferentes, apelando para patologias bem distintas, como veremos mais adiante.

48No tocante ao número de sobreviventes (lx, numa base de 100 000), Figuras 43 e 44, a comparação entre os anos de 1920 e 1990 liga-nos à certificação da sua evolução crescente, concomitante com as taxas de mortalidade anteriormente examinadas. As curvas de sobrevivência falam por si: “rectilinearizaram-se”, segundo a terminologia de demógrafos e epidemiologistas, em especial a das mulheres. Como se pode observar, a maioria dos efectivos morreram, em média, em idades cada vez mais avançadas com a consequente multiplicação das gerações. Contudo, os ganhos mais evidentes foram ao nível das primeiras idades, sendo os mais distintos o distrito da Guarda e Lisboa.

49O paradoxo da diferenciação entre homens e mulheres, porém, é que o desvio entre si se aprofunda, no plano da mortalidade no tempo, mesmo quando tudo parece indicar uma aproximação entre as condições sociais nas quais vivem os indivíduos dos dois sexos e ocorrem os efeitos da simetrização parcial dos papéis masculino e feminino.

Figura 43 – Sobreviventes em 1920 e 1990

Figura 44 – Sobreviventes em 1920 e 1990, nos Distritos

Table des illustrations

Légende Figura 23 – Taxas de Mortalidade (sexos reunidos) – Continente 1920 a 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Légende Figura 24 – Evolução de 5m10 (ambos os sexos) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Légende Figura 25 – Evolução de 5m10 (ambos os sexos) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 300k
Légende Figura 26 – Evolução de 5m30 (ambos os sexos) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 284k
Légende Figura 27 – Evolução de 5m30 (ambos os sexos) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Légende Figura 28 – Evolução de 5m50 (ambos os sexos) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 312k
Légende Figura 29 – Evolução de 5m50 (ambos os sexos) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 312k
Légende Figura 30 – Evolução de m70+ (ambos os sexos) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 308k
Légende Figura 31 – Evolução de m70+ (ambos os sexos) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 312k
Titre Quadro 12 – Proporção de óbitos precoces e de - 15 anos observados (HM) no Continente
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Quadro 13 – Sobreviventes (/x) e vidas ganhas (HM) em diferentes períodos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Légende Figura 32 – Taxas de mortalidade (homens) – Continente
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Légende Figura 33 – Taxas de mortalidade (mulheres) – Continente
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Légende Figura 34 – Evolução de 5m10 (homens) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 368k
Légende Figura 35 – Evolução de 5m10 (mulheres) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 368k
Légende Figura 36 – Evolução de 5m30 (homens) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 360k
Légende Figura 37 – Evolução de 5m30 (mulheres) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 348k
Légende Figura 38 – Evolução de 5m50 (homens) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 380k
Légende Figura 39 – Evolução de 5m50 (mulheres) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 376k
Légende Figura 40 – Evolução de m70+ (homens) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 304k
Légende Figura 41 – Evolução de m70+ (mulheres) observado
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 320k
Légende Figura 42 – Sobremortalidade masculina por idades, nos Distritos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 232k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Légende Figura 43 – Sobreviventes em 1920 e 1990
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Légende Figura 44 – Sobreviventes em 1920 e 1990, nos Distritos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3647/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 137k

© Publicações do Cidehus, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search