Version classiqueVersion mobile

Causas de Morte no Século XX

 | 
Maria da Graça David de Morais

II Parte — A mortalidade diferencial em Portugal Continental no século XX

Introdução

Texte intégral

1Constitui objectivo da II Parte o estudo circunstanciado da mortalidade diferencial em Portugal continental, de 1920 a 1990, após termos considerado a evolução dos níveis e tendências da mortalidade geral.

2Não se ignora que a morte tem na sua origem a diferença. Mas as razões destas diferenças variaram segundo a época, segundo a natureza das causas de morte e também com o tipo de dinâmica demográfica que lhe subjazeu. Por conseguinte, releva-se a importância de uma análise da mortalidade diferencial, designando esta as diferenças de nível de mortalidade definidas no seio de uma população, na base de critérios biológicos, sociais, económicos ou geográficos, isto é, das condições de vida dos indivíduos.

3A análise destas diferenças não é simples porque múltiplos factores (alimentação, alojamento, condições de trabalho, rendimento, acesso aos cuidados de saúde, habitat, etc.) cruzam os seus efeitos. Sabe-se que, apesar da evidência dos factores biológicos na origem de fenómenos patológicos, as desigualdades sociais perante a morte parecem tornar-se uma questão premente, assim como o papel dos serviços de saúde na produção dessas desigualdades.

4A abordagem desta matéria far-se-à da seguinte forma: dado que a mortalidade geral é um fenómeno cuja intensidade depende da idade, o primeiro capítulo será dedicado à diferenciação etária. Pretenderemos analisar os ganhos e perdas nas diferentes idades: verificar até que ponto os progressos serão maioritariamente atribuídos às idades mais jovens ou o essencial será adquirido graças à baixa de mortalidade entre 15 e 50 anos e ao recuo da mortalidade além dos 60 anos.

5Com a diferenciação da mortalidade por sexos, abordaremos uma questão antiga que é a da sobremortalidade masculina, pondo de relevo que, ao acompanhar a tendência geral, o desvio entre os sexos é, na época contemporânea, cada vez mais acentuado, porque a mortalidade dos homens se generalizou e ampliou consideravelmente.

6No caso particular da mortalidade infantil, apresentá-la-emos na sua evolução passada e mais actual, tanto mais que, quanto se sabe, o seu declínio foi um elemento importante do recuo do conjunto da mortalidade na transição demográfica e que está muito correlacionada com a esperança de vida: quanto mais fraca esta é mais elevada é a esperança de vida. No capítulo que lhe dedicaremos, referiremos as suas variações geográficas, por recurso à metodologia da análise de clusters.

7O último capítulo será consagrado à evolução das causas de morte em Portugal continental, que nos permitirá apresentar uma leitura mais apurada das tendências observadas precedentemente, descritas para a mortalidade geral. Poder-se-à compreender por que o declínio da mortalidade pôde variar consoante os anos.

8Deverá ficar claro que não temos por fim explicar a mortalidade diferencial mas tão só fazer uma avaliação possível, a fim de possibilitar ir mais além na análise e na compreensão do fenómeno.

© Publicações do Cidehus, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search