Vous l’avez sans doute déjà repéré : sur la plateforme OpenEdition Books, une nouvelle interface vient d’être mise en ligne.
En cas d’anomalies au cours de votre navigation, vous pouvez nous les signaler par mail à l’adresse feedback[at]openedition[point]org.

Précédent Suivant

Capítulo 3 – A mortalidade em Portugal: os factos através dos estudos de alguns autores

p. 51-65


Texte intégral

3.1 – Introdução

1Com o fim de estabelecer o estado de conhecimento do nível da mortalidade em Portugal, começaremos, neste capítulo, por examinar os principais trabalhos sobre a matéria, o que permitirá precisar as contribuições mais importantes, assim como as principais lacunas e, consequentemente, orientar os nossos esforços em certas direcções.

2A revisão bibliográfica compreende tanto estudos feitos no séc. XIX e no séc. XX até 1920, como depois de 1920. Como o nosso estudo é principalmente de ordem metodológica, os estudos posteriores a 1920 classificam-se de acordo com os métodos utilizados: tábuas de mortalidade, fundamentalmente.

3O exame dos trabalhos compreende a apresentação da metodologia adoptada pelos vários autores, referências às suas hipóteses e análise comparativa dos resultados.

3.2 – Breve conhecimento da mortalidade: do séc. XIX até 1920

4Um estudo de certa profundidade, abarcando o início do séc. XIX, encontramo-lo em Fernando de Sousa (1979), a partir dos recenseamentos de 1801 e 1802. Este autor elaborou o estudo exaustivo das taxas de mortalidade das seis Províncias existentes ao tempo e das respectivas Comarcas. Aponta para Portugal, em 1801, um valor de 30,40‰ e para as Províncias do Minho 24,8‰, de Trás-os-Montes 28,2‰, da Beira 27,4‰, da Estremadura 32,6‰, do Alentejo 50,3‰ e do Algarve 31,3‰. Significativa era a posição da Província do Alentejo no contexto nacional por oposição à do Minho, cuja mortalidade se encontrava bastante abaixo da média nacional.

5Para o ano de 1802, F de Sousa remete-nos também, por comarcas, para a taxa de mortalidade infantil, conforme podemos verificar no quadro seguinte.

Quadro 4 – Mortalidade de Portugal – 1802

Comarcas

TBM

TMI

Aveiro

32.5

188.1

Avis

36.2

126.4

Barcelos

32.2

217.9

Braga

23.6

105.0

Bragança

42.9

160.8

Castelo Branco

43.9

357.0

Elvas

28.3

180.5

Guimarães

23.1

197.7

Lamego

37.2

124.1

Leiria

43.4

246.1

Miranda

35.6

414.1

Moncorvo

32.9

362.8

Penafiel

19.0

89.7

Portalegre

31.6

196.7

Porto

19.2

78.1

Tomar

36.0

184.1

Valença

22.0

159.8

Viana

22.0

97.9

Vila Real

31.4

256.8

Vila Viçosa

39.3

322.2

Fonte: F de Sousa (1979)

6As comarcas do Sul aparecem, neste ano, com valores de taxas brutas de mortalidade quase normais, no contexto geral. Quanto às TMI, o seu valor médio era de cerca de 238,4‰, no conjunto das 20 comarcas observadas, valor enquadrável nos representativos para a época. São situações significativamente desviantes as que se reportam a Miranda (414,l‰), Moncorvo (362,8‰), Castelo Branco (357,0‰) e Vila Viçosa (322,2‰). Por outro lado, os valores inferiores a 100‰ (Porto, Penafiel e Viana) careceriam de uma análise mais aprofundada, pois parece estarmos em presença de dados omissos nos registos de óbitos.

7Na nossa perspectiva, sem dúvida que o estudo de maior interesse sobre a mortalidade no passado foi o elaborado por Daniel Augusto da Silva, intitulado “Contribuições para o Estudo Comparativo do Movimento da População em Portugal”, publicado em 1870, ainda que preparado durante o ano de 1869, no jornal de Sciencias Matematicas, Physicas e Naturaes.

8No capítulo dedicado à mortalidade, se bem que o autor se servisse em especial das estatísticas que coligiu nos montepios geral e da marinha,”… nas quaes o relativamente pequeno numero de observações é de alguma sorte compensado pela sua incontestavel exactidão, constantemente abonada pelos authenticos registos d’aquelas associações (...)”, não foi excluído que, para o estudo mais aturado do movimento da população, e que serviram de fundamento às suas conclusões, o autor tivesse recorrido aos resumos de 1860 e 1861 e o mapa desenvolvido de 1862, sobre baptismos, casamentos e óbitos, publicações oficiais do Ministério dos Negocios Ecclesiasticos e de Justiça. A sua preocupação leva-o a tornar extensivo o estudo aos Açores e à Madeira.

9Por recurso a Oliveira Marreca (1854), Daniel A da Silva começa por fornecer a percentagem anual de mortalidade para o Continente, para os anos de 1838, 1841, 1843, 1849 e 1850, e que são completadas pelos seus valores para a totalidade do País, relativamente a 1860, 1861 e 1862. Destes, a média para o Continente cifrou-se em 2,20%.

10Seguindo uma metodologia simples, que consistiu em “tomar a média da edade dos fallecidos em um anno, ou n’uma serie d’annos”, dá a conhecer que, no Continente português, a vida média em 1860 era de 31,48 anos, em 1861 era de 30,31 e em 1862 era de 30,37 anos.

11Define aquilo que considera tábua de sobrevivência em vez de mortalidade, pelo facto de ela traduzir “(...) para um determinado paiz, ou para uma certa classe de pessoas, o numero dos individuos que, em média, deverão attingir cada uma das edades sucessivas, suppondo um grupo numericamente expresso de existentes na edade em que começa a tabua (...)” e tece comentários às condições em que assenta a fiabilidade de uma tábua de sobrevivência, quer no tocante à exactidão dos dados oficiais quer à existência de movimentos migratórios. Refere ainda, neste contexto, a importância da tábua de Halley, feita para a cidade de Breslau, na Silésia, a tábua de Deparcieux, assim como o trabalho de Montferrand, sobre a mortalidade em França.

Image 1000000000000056000000348E30F961.jpg

12Parte depois o autor para a confrontação dos seus cálculos, nos diferentes grupos de idade, com os de outras tábuas de sobrevivência conhecidas: Hubbard, Deparcieux, Montferrand, Duvillard (para a França), Farr (Surrey, Londres Liverpool, Northampton), Wargentin, Halley, Süssmilch (Brandburgo), entre outras. Os seus valores eram como se segue:

Quadro 5 – Coeficientes de mortalidade, segundo Daniel A. da Silva

Idades

Montepio
Geral

Montepio de
Marinha

Portugal

21-25

-

0.0124

0.0106

26-30

0.0067

0.0133

0.0103

31-35

0.0073

0.0138

0.0126

36-40

0.0058

0.0125

0.0160

41-45

0.0122

0.0177

46-50

0.0141

0.0235

0.0214

51-55

0.0222

0.0386

56-60

0.0235

0.0386

0.0417

61-65

0.0407

0.0337

66-70

0.0653

0.0679

0.0645

71-75

0.0968

0.0912

76-80

-

0.1103

0.0832

81-85

0.1923

86-90

-

-

0.0873

91-95

-

-

96-100

-

-

Fonte: D A da Silva (1870)

13Concluindo, é o próprio autor que atribui importância moderada a estas suas tábuas por se referirem a um período de muito poucos anos.

14Entre trabalhos de somenos importância, e anteriores ao acima referenciado, podemos citar o de António d’01iveira Marreca (1854): no Capítulo II do seu “Parecer e Memoria Sobre um Projecto de Estadistica”, intitulado “Estadistica do Movimento da População”, no que se refere à mortalidade no continente português (que resulta da estatística oficial da população existente em 1838, 1841, 1843, 1849 e 1850) proporciona a visualização de uma realidade concretizada através da “expressão mais verídica da nossa lei de mortalidade nos distritos administrativos do continente” como podemos ver no Quadro 6.

Quadro 6 – A mortalidade no Continente, a partir de A. O. Marreca (1853)*

Image 10000000000002330000028E38661FD6.jpg

* Por questão de comodidade de leitura, foi feita por nós a conversão da informação original (1 óbito/x habitantes) para taxas de mortalidade.

15Da leitura destes valores a conclusão a que se pode chegar é que existiram entre estas cinco operações censitárias, fortes oscilações na mortalidade que, de uma forma geral, não tenderam para um declínio: se em 1838 as taxas não acusaram valores acima de 30‰, o mesmo não se pode dizer dos anos seguintes, em que se reconhece uma subida dos valores em alguns distritos, nomeadamente nos do interior, que culmina com o ano de 1849, reconhecidamente como “anno mortífero”. Deverão, porém, estas taxas ser observadas dentro das condicionantes da efectivação de cada um dos censos por si.

16Em 1875, encontramos em Gerardo A Pery a retomada da ideia de Daniel A da Silva. Das suas três principais publicações, subsiste a intenção de, sobre os mesmos dados, no tocante à mortalidade, realizar algumas melhorias. Contudo, o autor (1878) refere as limitações inerentes às condições de trabalho para justificar não ser possível avançar para além de determinados limites: “(...) Pour obtenir une bonne table de mortalité, applicable à notre pays, ou une table de survie, par sexe et par âges, et, par suite, la vie moyenne pour chaque groupe, il nous faudrait des élèments que la statistique officielle n’est pas en mesure de nousfournir. En outre, nous ne connaissons la constitution par âges de la population portugaise, que pour l’année 1864. (...)”.

17Porém, G A Pery (1875) referindo o recenseamento de 1862, adianta valores sobre a duração média de vida, não sem primeiro justificar que era “(...) impossivel calcular com probabilidade de acerto o numero de annos da vida media. É sómente como approximação que damos os seguintes:

A partir do nascimento

31,0

Vida media

A partir dos tres annos

49,0

Calculada pelos nascimentos

.. 32,2 (...)”

18Em 1878, Pery apresenta novos dados sobre a vida media “(...) Calculée, faute de mieux, par les naissances, et comparée à l’age moyen des décédés, (...)

Vie moyenne par les naissances

Age moyen des décédés

1860

32.53

31.48

1861

31.29

30.31

1862

31.07

30.37 (...)”

19Todas estas deduções se apoiam em elementos estatísticos muito restritos, assim considerados pelo próprio autor, que não permitem um conhecimento mais aprofundado do movimento da população portuguesa, por se não basear numa série de anos de observação mais ampla.

20Estudos mais limitados sobre a mortalidade específica infantil, foram também elaborados para as duas principais cidades do reino: Lisboa e Porto.

21De 1894, e da autoria de Francisco da Silva Carvalho, da Escola Medico-Cirurgica do Porto, temos “A Mortalidade das Creanças e a Assistencia Publica”. Ainda que ”(...)pelo que respeita à mortalidade são incompletissimos os dados officiaes(...)”, o autor apresenta, para o país, as taxas médias para 1860/1862, entre os 0 anos e os 10 anos: 0-1 ano – 13,89%; 1-3 anos – 5,89%; 3-7 anos – 1,41%; 7-10 anos – 0,58; média geral – 3,84%.

22Partindo do número total de óbitos, retirados do “Boletim hebdomadario d’estatistica demographica e medica”, desde 1880 a 1892, e determinados pelas doenças mais comuns na infância, caracteriza a mortalidade, por idades, na cidade de Lisboa: foi na primeira infância que se deu um grande aumento da letalidade, sendo as principais doenças responsáveis por tal o sarampo, a difteria, o garrotilho e o catarro intestinal agudo, sendo o reflexo da “falta de prophylaxia e de assistencia das creanças d’uma cidade, que se diz civilisada”. Seguidamente, apresenta a estatística para a cidade do Porto, para concluir por condições muito comparáveis às de Lisboa.

23Guilherme Urbano da Costa Ribeiro (1902), numa tese inaugural apresentada à Escola Medico-Cirurgica do Porto, dá a conhecer “A Mortalidade Infantil no Porto”, isto é, o obituário ocorrido entre 1896 e 1900, dos menores de 5 anos, em 15 freguesias. Caracteriza-a, genericamente como se segue: a mortalidade até aos 5 anos representou cerca de metade da mortalidade total, com predomínio notório do sexo masculino. A mortalidade no primeiro ano de vida abrangeu um quarto do total e excedeu o dobro da de 1 e 2 anos; a mortalidade infantil pareceu tender a diminuir e, nos anos em que foi mais elevada, o aumento deveu-se a epidemias.

24As taxas correspondentes eram, respectivamente, em 1896-1900: 0 a l ano – 280,57‰; 1 a 2 anos – 157,10‰ e de todas as idades – 30,1 l‰.

25Este estudo é complementado com a distribuição nosográfica etária e por sexo, e a conclusão foi de que os grandes factores da mortalidade infantil, na cidade do Porto, foram a gastro-enterite, a pneumonia, a bronco-pneumonia, a meningite, debilidade congénita, tuberculose, difteria, sarampo e varíola, de uma forma geral, todas causas evitáveis.

26Em síntese, a deficiente qualidade dos dados anteriores a 1920 e os problemas inerente aos métodos de estimação impediram a obtenção de parâmetros mais fiáveis. Não obstante, os resultados obtidos proporcionaram as principais características da época como:

  • elevados níveis de mortalidade, com taxas que mediavam entre 30.40‰ em 1801 (Sousa 1979), 20,96‰ em 1838 e 22,73‰ em 1850 (O Marreca 1854)

  • a mortalidade infantil, no Continente, em 1802, colocava-se entre 414.1‰ em Miranda e 78,l‰ no Porto (Sousa 1979) e, em 1860/1862, era de 138.9‰; a mortalidade entre os 0-10 anos situava-se em 38,4‰ (Carvalho 1894)

  • a esperança de vida para o País, nos meados do séc. XIX (1860/1862), não ultrapassava os 30,72 anos, segundo Daniel A da Silva (1870), ou os 31,63 anos para G Pery (1878).

3.3 – Os estudos posteriores a 1920 e até 1990

27Na época contemporânea, os estudos sobre a mortalidade multiplicaram-se, muito em especial os estudos através das tábuas de mortalidade.

28Com o surgimento dos dados do Registo Civil cada vez mais aperfeiçoados, bem como com os recenseamentos sucessivos da população, verificou-se uma maior fidedignidade na sua construção.

29Entre as primeiras que surgiram, para o total do País, foram as tábuas completas de R. Cabral Campeão (1936) para 1930-1931. Seguiram-se as de J. Remy T. Freire (1945) reportadas aos anos de 1940 e 1941; as abreviadas de Joaquim Fronteira (1950, 1953) para os anos de 1920, 1930, 1940 e 1950; as completas de J. J. Pais Morais (1945, 1953, 1964) referentes a 1939/1942, 1949/1952 e a 1959/1962; as abreviadas de M. P. Oliveira Marques (1970) para 1950-51, 1960-61 e para os anos de 1962 a 1967; as abreviadas de M. J. Carrilho (1983) para o período 1976-1979 e as tábuas completas de C. Cónim (1986) para 1979-1982.

30Entre as tábuas abreviadas regionais e distritais publicadas, salientamos as de J. J. Pais Morais (1976) para 1959-1962 e 1969-1972; as de J. M. Nazareth (1977) para 1929-1932, 1939-1942 e 1949-1952; as de M. J. Carrilho (1980) para os anos de 1941-1975 e ainda as de C. Cónim, A. Marques e J. E. Pinto (1988) para 1979-1982.

31Comecemos por uma análise das tábuas de nível global. As publicações referenciadas, com excepção de R. Cabral Campeão e J. Remy T. Freire, seguem uma metodologia relativamente similar. Os quocientes 1 q0 e 4 q1 foram calculados a partir dos dados dos nascimentos e dos óbitos – reconstrução de coortes. Os outros quocientes obtiveram-se através das relações funcionais aproximadas com as taxas específicas por idade, directamente ou por recurso à fórmula e às Tabelas de Reed e Merrell. Em comum têm o facto de terem sido todas publicadas pelo Instituto Nacional de Estatística.

32Nas tábuas de J. Fronteira, o autor achou necessário proceder à correcção dos lx (número de sobreviventes com idade x) devido a distorções na informação sobre a esperança de vida para as idades mais avançadas, recorrendo para tal à subtabulação por mínimos quadrados de diferenças finitas. Pais Morais procedeu também a correcções no sentido da formação dos grupos de vivos de idade x, deduzidos do censo de 1940, bem como para o cálculo dos coeficientes de mortalidade para as idades de 0 a 4 anos, finalizando com o ajuste de todos os coeficientes, deduzidos depois por interpolação, para a idade central do grupo. M. J. Carrilho elaborou as tábuas de mortalidade para o período 1976-1979 fazendo recurso a um reajustamento que foi introduzido nas estimativas da população residente.

33Os índices principais, a nível global, das tábuas examinadas, figuram no Quadro 7.

Quadro 7 – Portugal: parâmetros da mortalidade segundo alguns autores – 1920-1990

Image 10000000000002AE00000375C8C64530.jpg

Fontes: (a) Fronteira 1950; (b) Morais 1945; (c) Freire 1945; (d) Morais 1964; (e) Marques 1970; (f) Carrilho 1980; (g) Cónim, Marques, Pinto 1988; (h) INE-Gabinete de Estudos/Serviço de Estudos Demográficos e Sociais - Dados provisórios, s d.

34O facto mais evidente destes indicadores é a considerável diminuição da mortalidade em Portugal, observável na evolução da esperança de vida, a qual aumentou o seu valor de cerca de 35 anos para 70 anos, no sexo masculino, e de 40,06 anos para 77,50 anos no sexo feminino, entre 1920 e 1990, acréscimos na ordem de 96,6% e 93,5%, respectivamente.

35A diminuição da mortalidade é particularmente acentuada a partir de 1960, período em que a e0 aumenta cerca de 25 anos, o que permitiu, no caso das mulheres passar de 40,06 para 66,35 anos e nos homens de 35,82 para 60,73 anos.

36Em 1980, as mulheres alcançaram 76,69 anos e os homens 69,11, diferença entre os sexos que se acentuou.

37No tocante à estrutura da mortalidade por idade e sexo, visualizada através dos quocientes, os dados de Portugal seguem as características geralmente observadas, isto é, uma sobremortalidade masculina e uma mortalidade muito elevada nas idades próximas do nascimento, que diminui conforme avança a idade, para alcançar um mínimo entre os 10 e os 14 anos e começar, a partir de então, um incremento ligeiro no início, mas cada vez mais forte, conforme a idade aumenta. É importante, todavia, assinalar uma sobremortalidade masculina no grupo de idade 65-69 anos, a qual tendeu a diminuir com o tempo, mas mantendo-se ainda a níveis muito elevados para os homens, enquanto no grupo das mulheres se verificou uma redução de cerca de 63%.

38As comparações entre os resultados dos estudos apresentados evidenciaram as seguintes características:

  • as diferenças entre os valores das esperanças de vida à nascença dos diversos autores são relativamente reduzidas, o que pode definir a margem de aproximação da mortalidade em Portugal

  • em relação aos quocientes por idades, estão em geral muito aproximados, ainda que os ajustamentos apresentem certas diferenças, caso especial de P. Morais e J. Fronteira. Contudo, ainda assim seguem, em geral, traços similares.

39Ao compulsarmos os trabalhos existentes relativos às tábuas de nível regional e distrital, o panorama aparece-nos muito menos rico que o anterior. Num breve levantamento diremos que fomos confrontados com apenas dois autores para os estudos sobre as regiões geográficas: Pais Morais (1976) e J. M. Nazareth (1977), e existindo somente, neste segundo autor, a informação por sexos separados e para o ano de 1950. Para datas mais recentes não existem trabalhos desta natureza, pelo menos que sejam do nosso conhecimento.

40Para os distritos, temos elementos dos seguintes autores: Pais Morais (1976), M. J. Carrilho (1980) – não se verificando em nenhum destes trabalhos a análise da mortalidade por sexos separados – e Cónim, Marques, Pinto (1988) que constituem a excepção.

41Vejamos, então, as esperanças de vida aos 0, 10 e 65 anos, por regiões geográficas e por sexos separados, em 1950 e 1970 (Quadro 8).

Quadro 8 – Esperança de vida nas regiões geográficas do Continente, segundo dois autores, em 1950 e 1970

Image 100000000000021F00000278102CA320.jpg

Fontes: (a) Nazareth 1977; (b) Pais Morais 1976

42Sobressai desta informação, relativamente à e0, que as regiões Sul e Centro, no tocante ao sexo masculino, se encontravam, em 1950, ao mesmo nível, com valores superiores ao nacional, enquanto a região Norte apresentava o valor mais reduzido do conjunto. Verifica-se situação idêntica para o sexo feminino. Valores muito aproximados tornaram semelhantes as regiões do Litoral e do Interior. Leitura relativamente análoga poderemos fazer para o ano de 1970.

43Quanto à e10, em 1950, nota-se de novo um ligeiro retardamento da região Norte, em relação à média nacional e mesmo às outras regiões.

44O litoral e o interior assumiam uma diferença de cerca de um ano e meio entre si, diferença essa que é encurtada, no sexo feminino, em 1970.

45Para e65, em 1950, praticamente são uniformizados os valores para o sexo masculino, enquanto que a região Sul e a região Centro assumem os valores mais elevados, ultrapassando mesmo a média do País. Em 1970, foi a região Sul que conheceu os valores mais baixos nos homens, assim como a região Litoral. Neste ano, uniformizaram-se os valores para as mulheres.

46Em síntese, os ganhos são substanciais ao nível da esperança de vida à nascença e da esperança de vida aos 10 anos, entre 1950 e 1970, e menos significativos aos 65 anos. As regiões Centro e Sul assemelham-se muito na sua evolução, enquanto a região Norte surge com uma capacidade de recuperação muito mais lenta e sempre significativamente abaixo do valor médio do País.

47Restringindo a nossa informação a uma escala distrital, podemos fazer uma análise semelhante à anterior, a partir do Quadro 9, tendo em conta, como atrás referido, que esta informação existe por sexos reunidos para os anos de 1950, 1960, 1970 e, para sexos separados, apenas para 1980.

48Da globalidade da informação distrital sobressai a situação de que, no que se refere à esperança de vida à nascença, e em relação à média do País, já no ano de 1950, se encontravam situações extremadas, como seja o distrito do Porto com um valor de apenas 52,63 anos por oposição à de Santarém (65,97 anos) e à de Castelo Branco (64,00 anos). Em situação intermédia encontravam-se a grande maioria dos restantes distritos. Chamativa é ainda, neste ano, a situação de Braga, Bragança e de Vila Real, rondando os 55 anos. Uma leitura algo semelhante se pode fazer para a esperança de vida aos 10 e aos 55 anos.

49Quanto ao quociente de mortalidade 1 q0, Porto e Coimbra detêm os valores mais determinantes, 125,31‰ e 57,88‰, respectivamente, ficando em posição imediatamente a seguir os distritos de Braga (106,75‰), Santarém (62,58‰), Leiria (65,07‰) e Castelo Branco (69,30‰), e todos os outros acima destes valores.

50As probabilidades de morte para os 65-69 anos variam entre os 109,32‰ de Santarém e os 183,25‰ de Vila Real, com as aproximações mais flagrantes a este último caso dos distritos do Porto e de Beja.

51A análise do ano de 1960 sugere uma evolução do conjunto muito semelhante nos dois autores. Castelo Branco e Santarém mantêm o mesmo nível de superioridade evolutiva em quase todos os parâmetros, o que, aliás, se irá manter até 1970. Vila Real e Bragança apresentam-se com os valores mais diminutos, respectivamente, 58,78 e 59,02 anos. Em termos de nqx, a posição do distrito de Bragança é verdadeiramente excepcional, quer para 0 anos quer para os 65-69 anos, bem como a do Porto.

Quadro 9 – Esperança de vida e quocientes de mortalidade nos distritos do Continente, segundo dois autores

Image 10000000000003C60000024620951D0A.jpg

Fontes: para maior facilidade de leitura os valores foram assinalados com (1) para Carrilho 1980 e com (2) para Pais Morais 1976

52Em 1970, Setúbal teve a melhor recuperação, com uma e0 de 72,4 anos seguindo-se Santarém (70,lanos). Todos os restantes valores medeiam entre os 63 e os 69 anos. Relativamente à «55, em Lisboa encontramos o menor valor do conjunto continental (19,5 anos).

53Por oposição a 1960, no ano de 1970 a probabilidade de morrer aos 0 anos diminuiu de forma quase espectacular ocorrendo, por exemplo, para alguns distritos quebras na ordem dos 58,2% (Setúbal), 47,5% (Leiria) e 33,6% (Porto), sendo mesmo para o Continente de 29,5%. Os ganhos aos 65-69 anos são muito menores, até em número muito reduzido, verificando-se, por antítese, a sua perda.

54Concluindo, da análise do Quadro 9 podemos inferir que os maiores progressos ocorreram nas probabilidades de morte e na esperança de vida aos 0 anos. Na e10, se ocorreu evolução positiva entre 1950 e 1960 o mesmo não aconteceu, de forma tão evidente, entre 1960 e 1970. Progressos mais lentos também se verificaram na e55.

55No Quadro 10 apresentam-se, no ano de 1980 e nos distritos do Continente, as esperanças de vida e os quocientes de mortalidade em diferentes idades, por sexos separados. Não consideramos significativas as ligeiras diferenças nos parâmetros observados entre as fontes (1) e (2), o que permite falar de uma esperança de vida máxima, no sexo feminino, de 78,30 anos (Faro) e de 71,66 anos (Évora) para o sexo masculino, o que marca um desvio entre os dois sexos de cerca de sete anos. Portalegre e Évora ostentam os valores mais elevados de e10 para os homens – 63 anos. Castelo Branco marca uma posição de realce, no sexo feminino (70 anos). Este mesmo distrito exibe os melhores valores para homens e mulheres aos 55 anos.

56Quanto às probabilidades de morte aos 0 anos (1q0), é bem patente a diferença entre os sexos, sendo exemplos flagrantes desta situação os distritos de Portalegre, Leiria e de Santarém. Coimbra tem os valores mais baixos em qualquer dos dois sexos.

57Para 5q65 é ainda muito mais significativa a diferença entre homens e mulheres. Relativamente aos valores médios encontrados para o Continente, encontramos em Faro os valores mínimos para mulheres e os mais elevados no distrito do Porto e em Braga. Portalegre e Guarda são os mais representativos em termos de menores probabilidades de morte, por antítese com os distritos de Lisboa e Vila Real, onde estes quocientes são, por seu lado, bastante elevados.

58Em resumo, as tábuas de mortalidade de Portugal que acabamos de analisar proporcionam uma ideia muito aproximada da evolução do nível e da estrutura por idades e sexos, se bem que seja possível observar certas diferenças relacionadas com a utilização da metodologia da análise demográfica.

Quadro 10 – Esperança de vida e quocientes de mortalidade nos distritos do Continente, em 1980

Image 1000000000000324000002697465C80D.jpg

(1) Cónim, Marques e Pinto 1988 (2) Cálculos próprios a partir de dados do INE

Précédent Suivant

Le texte seul est utilisable sous licence Licence OpenEdition Books. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.