Version classiqueVersion mobile

Diplomacia & Guerra

 | 
Fernando Martins

Apresentação

Fernando Martins

Texte intégral

I

1Não sei até que ponto vale a pena apresentar um conjunto de trabalhos que falam por si, seja nos resumos que se apresentam, seja nas versões integrais. De qualquer forma, existe uma tradição em livros desta natureza que penso merece não deixar aqui de cumprir. Convém começar por dizer que o conjunto de textos que dá forma a este livro, ao procurar tratar aquilo que poderíamos designar como o papel dos militares e dos diplomatas na história portuguesa num intervalo cronológico que se estende do Ultimato à queda do governo e do regime chefiados por Marcelo Caetano, reconhece que, tanto sob o ponto de vista português como internacional, foram as guerras – internas ou externas – e a diplomacia os factores essenciais no exercício do poder. Reconhece-se, por outro lado, ter sido o Estado-Nação a unidade privilegiada para a análise e síntese históricas.

2Mas, para além disso, este trabalho procura cumprir dois objectivos. Um primeiro, tido como mais relevante no meio em que foi concebido e produzido – a Universidade –, dá notícia de um balanço, apresenta uma reflexão e promove um debate, mais empírico do que teórico, em torno daquilo que se designa por política de defesa e política externa. Tendo em conta aquilo que tem sido, nos últimos cerca de dez anos, o contínuo avanço historiográfico naqueles dois campos – embora o domínio da política de defesa se revele, por enquanto, menos profícuo –, procurou-se produzir não apenas um ponto da situação e uma síntese, naturalmente fragmentada mas necessária, como ainda, em virtude de algumas hipóteses e conclusões avançadas, abrir alguns caminhos que, não sendo na sua totalidade necessariamente novos, têm sido pouco trilhados. Por isso mesmo, aliás, merecem ser percorridos uma e outra vez até que, das duas uma, ou fiquem completamente abertos, ou então se constate que não merecem ser andados.

3O segundo objectivo de todo este trabalho, mais prosaico, embora, mas do ponto de vista do autor deste texto introdutório e coordenador “científico” da iniciativa que conduziu à publicação deste livro – e penso também que da generalidade, senão da totalidade, dos colaboradores –, pretende tão-só cumprir uma função de lazer junto de um público que, dentro ou fora da Universidade, se interessa por estas temáticas. Assume-se aqui que a produção historiográfica pode, e muitas vezes deve, ter uma estratégia que sirva a comunidade na forma mais alargada que lhe seja possível sem que, naturalmente, seja posta em causa a seriedade do trabalho apresentado. Penso que esta intenção será mais facilmente cumprida pelo facto de a totalidade dos textos apresentados serem trabalhos não apenas de história política mas, sobretudo, de história política feita à maneira clássica ou tradicional, para não dizer conservadora, que é a história narrativa. Aquela que, na opinião de muitos, além de ser a mais fácil de ler e de entender não é, necessariamente, a mais fácil de produzir.

II

4Todo o projecto cujo remate foi a publicação deste livro deve-se à colaboração de algumas instituições e pessoas. No campo institucional, cabe-nos agradecer o importante apoio financeiro que nos foi dado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Sem ele, nem o Ciclo de Conferências nem o livro seriam uma realidade. Depois o CIDEHUS.UE. Este Centro de investigação da Universidade de Évora pôs à nossa disposição, além de indispensáveis recursos financeiros, uma equipa exemplar composta pelas Dr.as Valentina Castro e Fernanda Rosado. A mostra fotográfica que foi apresentada publicamente, no decurso e após a realização do Ciclo de Conferências, não teria sido possível sem o profissionalismo do Vítor Castro e a colaboração do Dr. Fernando Costa do Arquivo de Fotografia de Lisboa do Centro Português de Fotografia, a cujo espólio os originais pertencem. Agora, as pessoas. Começo por agradecer a todos aqueles que apresentaram os seus trabalhos em Dezembro de 2000 na Universidade de Évora, e que depois os entregaram graciosamente para publicação. Desejo reconhecer publicamente o empenho da Doutora Mafalda Soares da Cunha. Este reconhecimento é especialmente importante pelo facto de ter tomado conta do CIDEHUS.UE já com o projecto na sua fase de pré-publicação. Não apenas deu continuidade a um trabalho que vinha de trás, como se empenhou institucional e pessoalmente para que ele pudesse prosseguir até ao desenlace aguardado, que era a publicação final. Finalmente, uma palavra de agradecimento muito especial é devida ao Doutor Helder Fonseca, que, desde o início, e quando se encontrava ainda à frente dos destinos do CIDEHUS.UE, apoiou a realização desta iniciativa. Uma vez que não foi possível, ao contrário daquilo que à partida se pensava, terminar todo este trabalho com o Doutor Helder A. Fonseca dirigindo uma instituição que se ergueu, em grande medida, em virtude do seu próprio esforço e vontade, o mínimo que posso fazer é, em meu nome, e penso que os restantes autores não me levarão a mal o atrevimento, dedicar-lhe este livro.

Lisboa, Maio de 2001

Auteur

Licenciado em História e mestre em História do Século XX pela FCSH da UNL, com a tese intitulada Portugal e a Organização das Nações Unidas. Uma história da política externa e ultramarina portuguesa no pós-guerra (Agosto de 1941-Setembro de 1968). Prepara o seu doutoramento em História na Universidade de Évora. Publicou vários textos em diversas revistas e obras colectivas.

© Publicações do Cidehus, 2001

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search