Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Conceitos, técnicas e práticas da promoção da leitura em bibliotecas

Born digital

Os novos leitores

Teresa Silveira

Résumé

Os Born Digital são a nova geração que nasceu e tem crescido fruto da Sociedade da Informação. A neurociência, mais especificamente a neurobiologia e a neuroplasticidade, têm mostrado que esta geração apresenta e desenvolve um perfil diferente, quer do ponto de vista das suas características sociais quer ao nível das suas aptidões e competências. Este artigo versa sobre o (s) contexto (s) que moldam este perfil bem como a sua influência na relação que esta geração tem com a leitura.
Sabendo que a Sociedade da Informação assenta na conjuntura de rede onde a escrita e a capacidade de compreender mensagens são os canais que permitem a circulação da comunicação, emerge a cabal importância do saber ler e escrever. Assim, o problema aqui tratado relaciona-se com a capacidade da geração dos educadores, ou seja, a geração dos baby-boomers e daqueles que nasceram entre esta geração e a dos Nativos Digitais de reciclarem os seus saberes e adquirirem novas aptidões e competências, que permitam a criação e o desenvolvimento de ambientes e estratégias que estimulem os cérebros dos Born Digital no sentido de, por um lado, adquirem, eficazmente, competência leitora e por outro mudarem a sua relação com a leitura. Apresentam-se exemplos de promoção da leitura e da escrita assentes no ambiente desta geração e lançam-se desafios à geração dos educadores.

Texte intégral

Introdução

1Dificilmente se conseguirá encontrar, em outros tempos da história da humanidade, a cabal importância, peso e necessidade quotidiana da leitura e da escrita. Inegavelmente, ambas tiveram um papel fundamental ao longo dos tempos, já que através da escrita foi possível exteriorizar e virtualizar a memória, e através da leitura actualizar e difundir essas memórias permitindo, assim, que hoje se saiba um pouco mais sobre nós e sobre o mundo. Mas a verdade é que nem a escrita nem a leitura foram durante séculos um direito de massas, aliás lia e escrevia apenas uma elite social, e foram necessários muitos séculos para reverter esta situação.

2Na verdade, verifica-se ao longo da história um crescente gradual da necessidade de saber ler e escrever para o sucesso e integração do cidadão no tecido social. Este crescimento acentuou-se bastante a partir da década de 80, em particular nos Estados Unidos da América, onde estas alterações foram primeiramente sentidas com a potencialização dos média e com o surgimento das primeiras soluções ligadas às Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC). Assim, iniciava-se a mudança do modelo social: da sociedade pós-industrial passava-se para a sociedade da informação e com esta transformação a leitura e a escrita assumiam-se, definitivamente, como as duas competências essenciais para o saber fazer e o saber ser.

  • 1 Expressão utilizada por Don Tapscott na sua obra Growing up Digital. Segundo este autor o gap gerac (...)

3Nos alvores do século XXI vivemos em plena Sociedade da Informação. Este novo modelo social implementou-se praticamente à escala mundial em menos de 30 anos, e as transformações por si operadas, do ponto de vista económico, social e ético num espaço de tempo tão curto levou a que os cidadãos vivam numa sociedade não tanto de gaps geracionais, mas sim de lap geracional1 entre aqueles que viveram e foram educados na sociedade pós-industrial e os que sempre viveram na sociedade da informação; ou entre aqueles que iniciaram a sua vida nos alvores da sociedade da informação e cresceram ainda sob a influência da geração pós-industrial e, concomitantemente, com o novo modelo social que se impõe.

4Mas o que é a Sociedade da Informação? Quais as principais transformações por si operadas? Por que é que a leitura e escrita constituem hoje as competências vitais para a integração e sucesso do cidadão na Sociedade da Informação?

Sociedade da Informação: do conceito ao impacto social

5Sociedade da Informação foi a designação atribuída a um novo modelo, que assenta num modo de desenvolvimento social e económico onde a informação é um meio de criação de conhecimento, uma vez que a Internet e a criação da Web 2.0 gerou os Prosumidores, ou seja, cidadãos que consomem informação e produzem conhecimento. A Sociedade da Informação desempenha igualmente um papel fundamental na produção de riqueza, tendo como objectivo o bem-estar e qualidade de vida dos cidadãos.

  • 2 Conceito desenvolvido por Manuel Castells na sua obra A Era da Informação: economia, sociedade e cu (...)
  • 3 As consequências e os efeitos da Economia da Informação foram estudados pela Associação Portuguesa (...)
  • 4 Ibidem
  • 5 Ibidem.
  • 6 A Internet tem sido a chave desta aproximação. Várias empresas utilizam neste momento o Google Tren (...)

6Este novo modelo social não só gerou profundas alterações nos sistemas económicos, como também está a gerar profundas transformações na ética, nos comportamentos sociais e no desenvolvimento neurocerebral e cognitivo das gerações nascidas sob a plena Era da Informação. Numa breve análise, verifica-se que a Sociedade da Informação, sob o ponto de vista das transformações económicas, encara a informação como matéria-prima2, o que deu origem à chamada Economia da Informação. A informação tem gerado, nos últimos anos toda, uma indústria: as indústrias TIC3: computadores e equipamentos conexos; equipamentos de telecomunicações; componentes electrónicos; equipamento áudio e vídeo; sistemas de operação; e pacotes de software. As indústrias de conteúdos: sítios Internet, programas de e-learning; programas de televisão, rádio, jornais, etc.4; e por fim, os serviços TIC: serviços de distribuição e manutenção de equipamentos, produtos de processamento e comunicação de informação; serviços de distribuição e manutenção de conteúdos; (…) serviços de manutenção de aplicações, e outros serviços.5 Ou seja, este novo e amplo sector da economia, em crescimento, está a gerar mercados globais de concorrência monopolista do lado da oferta, no entanto, os mercados do lado da procura são fragmentados, como consequência das possibilidades TIC de aproximação ao cliente enquanto entidade individual. Isto é, o mercado da oferta consegue aferir6 das necessidades e desejos de produtos do seu cliente – um Prosumidor. Por isso, hoje produz-se em grande variedade e em pouca quantidade, realidade completamente distinta da sociedade industrial e pós-industrial.

7A ética e o comportamento social também estão em franca mudança. As possibilidades oferecidas pelas tecnologias têm alterado conceitos como o privado, o longe, o perto, a confiança, a segurança, a paciência, mas também a forma como os cidadãos socializam. A Web 2.0 e as redes sociais muito têm contribuído para uma forma virtual de socialização, onde parece ser cada vez mais difícil o estabelecimento de relações sociais Homem-Homem. Num ritmo crescente, os cidadãos sentem-se mais próximos de pares que fisicamente estão longe. Mas se por um lado as tecnologias fazem com que os cidadãos estejam mais sós fisicamente, por outro, sob o ponto de vista psicológico, os cidadãos cada vez se sentem mais em reunião e acompanhados. As tecnologias conferem a sensação de que nunca se está só. Ex.: veja-se o que acontece quando se sai de casa sem o telemóvel…. Na verdade as tecnologias e as possibilidades que oferecem de se estar sempre acompanhado geram um certo horror à solidão e introspecção.

8As tecnologias têm criado nos cidadãos a sensação de liberdade e possibilidade de realizar e concretizar tudo, já, aqui e agora, mas também não é menos verdade que nunca o Cidadão foi tão controlado e dependente de alguma coisa como hoje é das TIC. Ou seja, está a mudar a forma de comunicar, partilhar, socializar e de estar.

9As mudanças também são verificadas sob o ponto de vista cognitivo e da produção neurocerebral. Os mais recentes estudos neste domínio revelam que a exposição à tecnologia permanente em computadores, iPodes, telemóveis e videojogos liberta neurotransmissores, provocando alteração nas células cerebrais. Assim, geram-se novas conexões neurocerebrais e desenvolvem-se diferentes processos cognitivos.

  • 7 Don Tapscott autor, investigador e Professor da Universidade de Toronto tem estudado e escrito obra (...)
  • 8 A propósito Umberto Eco escreveu um artigo para a revista L’espresso a 06.02.09 intitulado: As memó (...)

10Uma das primeiras investigações levadas a cabo neste campo remonta à década de 80, tendo sido operacionalizada por Don Tapscott7. Após entrevistar 300 jovens, Tapscott verificou que o denominador comum era o de constante contacto com a tecnologia digital, e que todos os entrevistados tinham formas de perceber, pensar, executar, decidir e criar tarefas completamente distintas da geração dos seus pais. De facto, numa pesquisa mais recente, levado a cabo pela Universidade da Califórnia, verificou-se que apenas cinco horas de buscas na Web levam à produção de novas conexões neurais. Este processo ocorre, quer em cidadãos que habitualmente utilizam as TIC, quer naqueles que as utilizam mais esporadicamente. Quer isto dizer que o cérebro humano está a desenvolver novas competências e aptidões ao nível da assimilação do conhecimento, da avaliação, da criação de ligações entre assuntos, do processo criativo e inventivo, da mediação e da configuração da memória8.

11Assim, parece pertinente referir que todas estas mudanças não são pura consequência da tecnologia, mas sim da revolução de conceitos que esteve e está na base da criação, expansão e desenvolvimento da mesma. Sem uma prévia revolução de conceitos, provavelmente, não estaríamos a viver na Era da Informação.

  • 9 Armando Malheiro no seu artigo: Inclusão Digital e Literacia Informacional em Ciência da Informamaç (...)
  • 10 Armando Malheiro no seu artigo: Inclusão Digital e Literacia Informacional em Ciência da Informamaç (...)
  • 11 Entendendo por competência leitora a capacidade de descodificar, interpretar e compreender um texto

12Mas a Era da Informação só é, e será, sustentada de forma equilibrada e harmoniosa, se cada cidadão gozar de três condições: acesso garantido aos equipamentos TIC; ser um incluído digital9 e, finalmente, possuir competência leitora, que permitirá dominar a literacia informacional10. A não existência desta última condição – possuir competência leitora11 – pode comprometer os objectivos e a construção de uma sociedade mais equilibrada.

13Assim, compreende-se o facto de a leitura e a escrita se figurarem como a base quer da integração e sucesso do Cidadão, quer do êxito e desenvolvimento das economias. O mundo virtual e digital exige competências de leitura e de escrita como garantia do sucesso em todos os processos de comunicação, gestão da informação, produção do conhecimento e manuseamento de conteúdos. Todos os produtos e serviços provenientes deste ambiente requerem a prática leitora e o uso da escrita, razão pela qual no início deste texto se afirmou que não há outro tempo na história onde a leitura e a escrita tenham sido tão necessárias para a integração no meio social. Sempre houve a consciência de que ser um leitor competente e capaz de expressar em código escrito o pensamento seria sempre uma mais-valia, mas, actualmente, mais do que este facto, é uma questão de necessidade, pois o próprio sistema económico gerou uma economia que vive da informação, da lógica do trabalho em rede e da flexibilidade laboral que a tecnologia permite.

14Estamos, portanto, sob um novo paradigma, um novo modelo social e uma nova geração – os Born Digital. Para as gerações mais velhas, a Sociedade da Informação lança três grandes desafios: perceber a mudança, aceitar e adaptar-se a ela e conhecer o perfil dos Born Digital, para que seja possível desenvolver políticas educativas, do ponto de vista formal/académico e informal, que não acentuem mais o lap geracional existente. Porque, por mais revolucionária que seja a mudança, existem sempre elementos de transição e conciliação da mesma, residindo aí o equilíbrio do sistema social.

Os Born Digital: do retrato psicológico à sua relação com a leitura

15Born digital, Geração Net ou Nativos Digitais, são todas designações que definem o mesmo: geração que cresceu e foi educada no contexto do mundo digital.

  • 12 Alan Curtis Kay é um dos mais importantes cientistas Norte-Americanos na área da computação. Tornou (...)

16Esta geração, naturalmente, apresenta um perfil diferente da geração anterior, já que, e tal como foi analisado no capítulo anterior, foram, e são, educados num sistema social com novos conceitos estimulados pelas tecnologias. Curiosamente, para esta geração, a tecnologia não é vista como tal. Alan Kay12, a propósito, considera que a tecnologia só é considerada e sentida como tal para as pessoas que nasceram antes desta ser inventada. Para quem nasceu e cresceu com a tecnologia, esta apresenta--se como um ambiente. De facto, os Born Digital estão tão familiarizados com as tecnologias, que consideram que tudo faz parte integrante do ambiente em que vivem, sendo elas tão naturais quanto a vida. Por isso, advinha-se que esta geração, certamente consequência do meio em que cresce, desenvolve aptidões, competências e comportamentos sócio--psicológicos distintos da geração que os educa.

17Para melhor compreender este lap geracional teremos de nos concentrar em primeiro no perfil sócio-psicológico desta geração. Relativamente a este aspecto, estamos na presença de uma geração activa, comunicativa e impaciente. O uso das tecnologias gera este perfil: actividade, porque as tecnologias estimulam a permanente acção, sobretudo quando se passou de uma Web de consumo para a Web de Prosumidores (Web 2.0); comunicativa, já que as tecnologias permitem constantemente que esta geração comunique entre si, no computador, no telemóvel, nos iPhones; impaciente, pois a internet revolucionou conceitos como o tempo e o espaço. Para esta geração tudo é agora e já, tudo está à distância de um clique ou de um estar on-line.

18Façamos, agora, o mesmo exercício para aferir das aptidões e competências desta geração. Considera-se que esta geração tem três aptidões centrais: o multifuncionalismo, a compreensão através do visual e o sentido prático.

  • 13 A título de exemplo veja-se o novo gestor do conhecimento: wolframalpha. com capaz de responder a q (...)

19O multifuncionalismo é consequência dos estímulos das tecnologias. Estas têm estimulado de tal maneira a produção neurocerebral e alterado os processos cognitivos, que esta geração consegue em simultâneo desenvolver diferentes tarefas, como estar a conversar e simultaneamente estar a digitar uma mensagem no telemóvel, ou estar a trabalhar em dois computadores diferentes. A aptidão para compreender bem o visual também é natural, já que esta geração é diariamente confrontada com a imagem através dos média e da Internet; e, finalmente, o sentido prático advém da facilidade com que no mundo digital e virtual se operacionaliza e com que se obtêm resultados13 e produtos.

20Ao nível das competências, esta geração é quase que inatamente competente, do ponto de vista da utilização das tecnologias, ou seja, são cidadãos que conseguem utilizar e dominar quer os equipamentos, quer os programas. Na sua esmagadora maioria, são incluídos digitais, isto é, são uma geração que reúne um conjunto de dois grupos de competências básicas: as tradicionais de domínio do ler, escrever e contar e as novas derivadas do impacto directo, na conduta humana, das Tecnologias da Informação e da Comunicação (MALHEIRO, 2008, 21). Mas num mundo francamente marcado pela leitura e pela escrita, chegarão competências básicas de leitura e de escrita? E como é que os Nativos Digitais percepcionam e se relacionam com a leitura e a escrita?

21Num mundo onde a comunicação e a socialização recorrem, obrigatoriamente, à leitura e à escrita, ambas são percepcionadas como necessidades, pois ambas são vistas como os canais de integração e ligação no e ao seu ambiente. Portanto, quanto mais competente esta geração for, do ponto de vista da competência leitora e das competências de escrita, mais beneficiarão neste modelo social. Assim, não basta ter competências básicas de leitura, pois a incapacidade de descodificar, interpretar e compreender fará com que a Geração Net não consiga aceder, seleccionar, utilizar e produzir conhecimento – literacia informacional – quer em contexto digital, quer noutro qualquer contexto.

22Profissionais da educação comungam da mesma opinião: os Born Digital são leitores do ponto de vista funcional, e embora saibam como utilizar e potencializar os equipamentos tecnológicos, do ponto de vista do equipamento em si, não o fazem ao nível dos conteúdos informativos que provêm de si. Conclui-se que ao nível da literacia informacional, esta geração apresenta falhas acentuadas, o que significa lacunas, também, ao nível das suas competências de leitura.

23Se estamos perante uma geração com falhas ao nível da competência leitora, então, será complicado esperar que esta geração sinta ou percepcione a leitura como um prazer. Estamos perante aquilo a que se pode chamar um paradoxo, já que: por um lado necessitam de ter competência leitora, mas por outro lado só se adquire a competência leitora praticando intensivamente o acto de ler ao longo da vida. Mas se os Nativos Digitais apenas recorrem à leitura no contexto em que necessitam dela, como podem tornar-se leitores mais competentes? E como mudar a percepção que se tem da leitura de uma necessidade imperativa para um prazer? Será que essa relação é passível de ser alterada?

Leitura: da competência ao prazer

Finalmente, distingamos entre fazer leitores, fazer leitores competentes e fazer-se leitor.
Não significam o mesmo.
Fazer leitores não tem significado. É uma frase vaga. Não implica compromisso algum. É o que se tem vindo a fazer através da chamada animação da leitura. Nada sabe a ciência exacta no que consiste. (…)
Fazer leitores competentes é a função específica da instituição educativa. Desenvolver habilidades que são inerentes ao acto – reconhecer, interpretar, valorar e organizar o lido, e finalmente, reescrever, mediante diferentes estratégias leitoras, que tem lugar antes, durante e depois da leitura.
Fazer-se leitor (….). Pertence à liberdade de decisão pessoal. Cada pessoa e não sabe bem porque razões, decide ser leitor e ao fazê-lo converte-se em algo raro.
Victor Moreno La Lectura en tiempos de crisis
Texto traduzido

24A escolha deste excerto de Victor Moreno responde na perfeição à pergunta que encerra o capítulo anterior e introduz as considerações que se levarão a cabo neste e no capítulo que se segue.

25É tempo de parar e de pensar sobre o papel e as funções que cada profissional educativo tem mediante a leitura. É um facto que vivemos na Sociedade da Informação, a leitura e a escrita assumem-se como os canais de comunicação, socialização, trabalho e manuseamento de conteúdos. Para isso é fundamental dotar a Geração Net de uma forte e consolidada competência leitora, bem como de competências no âmbito da utilização da internet não só do ponto de vista da literacia informacional como do ponto de vista da formação cívica para a sua utilização.

26Assim, acreditamos que o papel dos docentes é absolutamente crucial no processo. Tal como Victor Moreno escreve, Fazer leitores competentes é a função específica da instituição educativa. Se este processo falhar, tudo o que se possa fazer em torno da consolidação e da aproximação à leitura, entendendo por isto promoção da leitura, nunca surtirá efeitos, pois só se pode ser um leitor competente, independente e polivalente se tiver competências para tal. A Geração Net só poderá fazer-se leitora se anteriormente as instituições educativas (com o auxílio, caso seja possível da família) a tiverem feito leitora competente.

27Desta forma, o ensino da leitura tem de ser encarado e desenvolvido como tal, como um processo exigente, imperativo, avaliativo e que requer esforço.

28Não significa isto que a promoção da leitura não seja uma actividade da responsabilidade das instituições educativas. De facto, também cabe a elas procurarem mostrar a leitura como um prazer, mas este trabalho obriga os docentes ao diálogo e construção de programas, para tal efeito, entre si e os mediadores de leitura, a família, a biblioteca escolar e também a biblioteca pública.

29É fundamental que os Nativos Digitais sintam a diferença entre a escolarização da leitura e o prazer da mesma. Se não o sentirem, os média e a internet serão sempre “os prazeres” por excelência. Ou seja, um prazer só o é se não exigir um esforço e nada em troca. É por isso que os média e a internet são tão atractivos, pois para além de não requerem qualquer tipo de esforço no seu acesso, oferecem uma variedade imensa de escolha e podem ser consultados ou vistos sem que nada seja exigido em troca, acrescentando o facto de encaixarem nas necessidades e aptidões da Geração Net.

30Se é objectivo aproximar a leitura desta geração, é essencial afastar da promoção da leitura os processos da sua escolarização: avaliar, medir, verificar o grau de compreensão, enfim não pedir nada em troca. Se se continuar a recorrer às estratégias da escolarização da leitura quando se pretende a sua promoção, então a intenção morrerá à sua nascença. Quando se promove leitura não deverá haver preocupações do âmbito da escolarização, deverá sim, haver a preocupação de mostrar o quanto um livro poderá ser uma ponte para dentro de nós mesmos e paralelamente uma ligação com o mundo.

31Sabendo-se que os estímulos da Sociedade da Informação não favorecem, nesta geração, a concentração numa só actividade, a solidão e a introspecção como características fundamentais para se fazerem leitores, os objectivos da promoção da leitura figuram-se quase como intangíveis. Mas mesmo que os Born Digital não se façam leitores, pelo menos, ao participarem em programas de promoção da leitura, reforçarão e consolidarão as suas competências de leitura e, um dia, quem sabe, far-se-ão leitores. Portanto, a promoção da leitura acaba por ter duas finalidades: por um lado reforçar competências de leitura essenciais para a sua integração e sucesso no meio social (não confere competências. As competências de leitura têm de estar já adquiridas), e tentar incentivar o prazer de ler.

32Desta forma, compreende-se a exigência e a complexidade deste processo. A promoção da leitura não é uma actividade. Está associada à planificação e requer profissionais preparados para a função, sobretudo para lidar com uma geração diferente. Não é uma animação. Aliás, a animação figura-se como o primeiro momento de um programa de promoção da leitura onde é necessário, de forma lúdica e festiva, entusiasmar, excitar e incutir o desejo pela leitura do livro, sendo essa a actividade principal.

33Não sabemos se através da promoção da leitura conseguirá ser mudada a forma como a Geração Net a percepciona e a sente, mas podemos ter a certeza que depois de adquirida a competência leitora, a promoção da leitura reforçará essa competência. Assim, estaremos a assegurar um futuro bem sucedido para esta geração.

Repensar as estratégias de promoção da leitura: casos práticos

34A melhor forma do ser humano se aproximar de algo que lhe é aparentemente estranho é utilizar as suas próprias rotinas para mostrar a utilidade e o interesse daquilo que lhe é distante. Assim sendo, se é nosso objectivo aproximar os Nativos Digitais da leitura, será necessário pensar e desenvolver planos que partam e utilizem as suas rotinas. De todas as suas rotinas podemos considerar três como excelentes canais para os aproximar à leitura enquanto um prazer: a rotina da escrita, da leitura de imagens e da partilha.

– O uso do Chat na criação de comunidades de escrita e na aproximação à leitura

35A Web 2.0 e as redes sociais permitem ao ser humano concretizar, ainda que seja numa forma virtual, sonhos e desejos de se ser o que não se é. A Geração Net que cresce neste ambiente e socializa nas redes sociais fá-lo de duas maneiras: ou sendo quem é, ou criando uma personagem de acordo com o que gostaria de ser, nomeadamente, inspirada em alguém ou por alguma coisa. Esta dupla possibilidade gera um sentimento de enorme liberdade e, concomitantemente, promove o desenvolvimento da criatividade. É nas salas de chat que uma grande parte desta geração passa o seu tempo, ora sendo o que é, ora criando-se e recriando-se em mil personagens de acordo com o seu receptor e o seu estado de espírito.

36Tendo em conta estas duas apetências, a Biblioteca de Vejle, na Dinamarca, desenvolve um projecto de promoção da leitura e da escrita intitulado: Chatroom Casablanca, direccionado para pré-adolescentes e adolescentes.

37Aproveitando a sua natural tendência para escrever estórias, mas na sua grande maioria desprovidas de consistência, este projecto procura levar os pré-adolescentes e adolescentes a escreverem estórias consistentes onde haja uma narrativa lógica e sequencial. Assim, o programa oferece a quem quer participar a possibilidade de escolher um de seis cenários possíveis (a sala de chat), tendo em cada cenário a oportunidade de escolher uma personagem. Ao escolher o cenário e a personagem, recebe também várias informações sobre o perfil da sua personagem e o problema que é preciso resolver. Uma curiosidade deste projecto reside na multinacionalidade dos participantes, sendo possível a pré-adolescentes e adolescentes de outros países participarem na mesma estória, desenvolvendo-a em conjunto, desde que escrevam na língua inglesa.

38As potencialidades e o interesse deste projecto são enormes, pois esta actividade poderá ser a primeira de um conjunto de outras que vão estimular e aproximar a Geração Net à leitura. Por exemplo, recorrendo de uma outra rotina desta geração – a partilha – esta estratégia pode ser mais rentabilizada. Sugere-se, ao fim de um ano de redacção de estórias no chat, promover o encontro dos autores Chatroom Casablanca, onde para além de premiar as melhores estórias, poderá ser feita a leitura das mesmas. Simultaneamente, podem ser apresentados títulos de livros que reportam para temáticas semelhantes. Inclusive, até poderá ser lançado o desafio à comunidade no sentido de criar novos cenários e personagens a fim de ampliar a oferta de cenários do Chatroom Casablanca.

  • 14 Victor Moreno no seu artigo Que hacemos com la lectura analisa o papel da escrita na formação de le (...)

39Conclui-se que a partir de uma estratégia é possível definir um plano de promoção da leitura que parte e tem na sua base duas rotinas dos Born Digitals: escrever e partilhar. Paralelamente, o plano permitirá trabalhar duas competências fundamentais: a escrita e a leitura, pois como escreve Victor Moreno: Porque quien escribe, lee Y quien escribe, lee dos veces14.

– O papel da imagem na formação de leitores competentes

40Vivemos num modelo social marcadamente dependente da imagem. Os Born Digital bem como todo o espectro social são diariamente confrontados por imagens. Assim, compreende-se o à-vontade e a confiança nas imagens como transmissoras de mensagens. Desta forma, a imagem acaba por ser um meio quotidiano, ao qual os Nativos Digitais recorrem para transmitir uma mensagem e expressar sentimentos e pensamentos. Capitalizar esta rotina aproveitando-a na promoção da leitura, sabendo por um lado partir dela para a leitura de um texto e por outro rentabilizá-la como um elemento que completa a leitura do texto escrito, poderá ser essencial para que o sujeito se faça leitor.

41No entanto é fundamental repensar a forma como se faz a sua utilização, uma vez que embora familiarizado com a imagem, questiona-se do seu grau de percepção, identificação e de interpretação, uma vez que há um claro “bombardeamento” de imagens, o que leva à dispersão no âmbito da sua leitura e interpretação. É uma geração capaz do ponto de vista da multifuncionalidade, mas desprovida de foco essencial para ver realmente uma imagem e integrá-la com um texto escrito.

42Assim sendo, o recurso a esta rotina permitirá trabalhar quatro aspectos essenciais inerentes ao leitor competente: a concentração unívoca, a descodificação quer do ponto de vista da denotação como da conotação, a interpretação e a compreensão.

43Uma vez que a concentração é fundamental na prática leitora, a imagem pode ser uma das melhores estratégias para a estimular, dirigindo a atenção do grupo para uma imagem. Isto poderá ser operacionalizado de uma maneira que os envolva prontamente, através de uma animação para a leitura de um livro, solicitando-se aos participantes para descreverem uma imagem que os tenha marcado profundamente na sua vida. Esta actividade obrigará à concentração e ao estímulo da memória.

44A exposição da memória poderá ser feita de forma oral ou escrita consoante o target e o contexto. É de salientar que se for escrita, já se está no momento de animação a trabalhar as competências de leitura e escrita. A partir das suas exposições poder-se-á mostrar outras imagens de obras literárias relacionadas com as suas próprias memórias, as quais, devidamente exploradas, formam um conjunto – eu/livro – que encorajarão e estimularão o target a ler.

  • 15 Programa open source que permite de forma fácil criar pequenos filmes a partir de fotografias. Sabe (...)

45Propõe-se, também, o recurso às tecnologias e aos múltiplos programas open source para produzir recursos visuais. Por exemplo, através do Photostory15, é possível desenvolver pequenas peças com imagens (e música) do próprio livro a ser lido, ou inclusive outras imagens relacionadas, que estimulem e despertem o desejo pela leitura. Por se tratar de uma linguagem polissémica, a imagem tem várias funções, assim como várias interpretações. Ora, o que se poderá tornar interessante para um Born Digital na sua exploração será concluir e perceber qual o sentido, contexto e finalidade da imagem mostrada, uma vez que esta geração é extremamente prática. Estas conclusões só podem ser transmitidas com a leitura do texto que as acompanha.

46Se é verdade que o estímulo e o próprio ensino da leitura das imagens no pré-escolar são essenciais para a formação de um leitor competente, não é menos verdade que a sua utilização nos programas de promoção da leitura constitui um elemento central no trabalho e desenvolvimento de aptidões e competências essenciais para que esta geração se faça leitora.

– A função da partilha na leitura: do colectivo até ao individual

47O acto leitor é um acto solitário, introspectivo e abstractivo. No entanto, tentar conquistar um target para uma prática que contempla comportamentos opostos às suas rotinas sem primeiramente os seduzir e partir dos seus próprios comportamentos e rotinas, poderá ser fatal e absolutamente infrutífero.

48Tendo em conta que a Geração Net adora socializar, ainda que e sobretudo em contextos virtuais, a promoção da leitura deverá ter isso em conta e deverá incorporar momentos de partilha e socialização entre pares, para que recorrendo ao seu ambiente se vá introduzindo progressivamente a prática leitora, tornando-a num hábito prazeroso independentemente do tipo de leitura escolhida pelo grupo.

49Sempre assente na rotina de partilha, o programa de promoção de leitura desenvolverá todo um conjunto de actividades tendo como objecto e objectivo a escrita e a leitura em comunidade, para que, no fim, os elementos das comunidades se façam leitores: solitários, introspectivos e reflexivos.

50Na primeira fase, será importante criar comunidades de escrita, seguindo o exemplo da Biblioteca de Vejle, ou então criando comunidades de escrita que efectivamente estimulem a geração à partilha e interacção Homem-Homem.

51A criação das comunidades de escrita baseada na interacção Homem-Homem deverá ser suportada por um levantamento prévio, junto do target, dos seus interesses e curiosidades: viagens, amor, signos, sexualidade, beleza, desporto e tudo mais que derivar desse levantamento que poderá ser levado a cabo através de um inquérito, que poderá ser, por exemplo, disponibilizado na plataforma moodle.

52Aferidos os interesses, então deverão ser formadas as comunidades de escrita. Para isso, terão de se criar e escrever (em cartões, por exemplo) situações-problema, baseadas nas temáticas mais votadas, os respectivos personagens, que compõem cada uma das situações, bem como orientações dos seus diálogos. Convém que cada comunidade, situação a resolver e personagens, não ultrapasse os cinco elementos.

53Desta forma, agregam-se cinco elementos por comunidade, cada uma aleatoriamente escolhe uma situação problema, cada membro escolhe também arbitrariamente um personagem e cada um terá de interpretar o seu papel e redigir a solução para o problema, de acordo com as indicações do seu cartão. O que nenhum elemento da comunidade sabe é que cada orientação permitirá construir um enredo de estória.

54No fim, a(s) comunidade (s) lêem o que redigiram respeitando a sequência que o cartão determina e, aproveitando o entusiasmo que geralmente se cria em torno desta actividade, distribui-se por cada membro da comunidade excertos-chave de capítulos de obras relacionados com a situação-problema que trabalharam na comunidade. O objectivo deste segundo momento é de os entusiasmar para a leitura, fazendo com que cada participante da comunidade, ao ler o seu excerto, acabe por ser um mediador e concomitantemente o mediado.

55Será importante, na sequência, procurar integrar o seu ambiente, ou seja as TIC. Se por um lado poderá haver sessões onde se recorra à leitura partilhada estando a comunidade fisicamente reunida, desenvolvendo simultaneamente sessões de leitura, escrita e interpretação de imagens, por outro lado, poderá ser utilizado o seu ambiente, o digital, para fomentar a leitura enquanto acto individual. Por exemplo, enviando por e-mail ou para a plataforma uma parte de um capítulo para que seja lida individualmente. Esta actividade talvez seja oportuna num momento em que o mediador já sente a sua comunidade suficientemente madura, envolvida e conectada com a obra.

56Desta forma, passa-se de uma comunidade de escrita para uma comunidade de leitura, onde através da partilha se trabalha duas competências fundamentais. Mas também se opera um componente importante e característica dos seres humanos que é a sua socialização física. Não obstante de todos os benefícios que as tecnologias têm proporcionado ao Homem, nomeadamente no domínio da socialização, convém manter sempre presente que antes do virtual e do digital, o Homem é humano, não devendo esquecer-se de agir como tal.

Conclusões

  • 16 Marc Prenskly autor de obras como Digital Games – Based learning e Don’t bother me Mom – I’m learni (...)

57Num cenário desfavorável à prática da leitura, (segundo um levantamento levado a cabo por Marc Prensky16) no qual as crianças, durante o seu crescimento até à idade adulta levam consigo 10 mil horas de vídeo jogos; 200 mil horas de envio e recepção de e-mails e mensagens de telemóvel; 10 mil horas de conversas digitais e em telemóveis; 20 mil horas de televisão; cerca de 500 mil horas de publicidade; e apenas 5 mil horas de leitura de livros; muito se tem feito para reverter os sentimentos de desinteresse e até alienamento nutridos pela Geração Net face a esta prática. De facto, as propostas apresentadas neste documento procuram ultrapassar este problema, já que no meio de um cenário desfavorável à prática da leitura, enquanto hábito, é possível desenvolver estratégias que contrariam a situação. Porquê? Porque o ser humano na sua estrutura cerebral possui duas importantes características: a plasticidade neural e a maleabilidade.

58As mais recentes investigações em neurobiologia comprovam que diferentes estímulos cerebrais alteram a estrutura do cérebro, bem como a forma como as pessoas pensam e actuam. O cérebro ao longo da vida pode ser permanentemente reorganizado. Portanto, quanto mais uma criança/adolescente estiver em ambientes ricos em estímulos, mais a sua estrutura cerebral se desenvolverá comparativamente com aqueles que estiverem em ambientes pobres sob esta perspectiva.

59Não é menos verdade que o nosso cérebro também é maleável, querendo isto dizer que os pensamentos são na maioria das vezes resultado da cultura na qual somos educados. Pessoas pertencentes a culturas diferentes têm lógicas de pensamento diferentes, assim como de percepção e memorização. Mas o convívio com culturas diferentes permitem, também, passar a pensar de uma outra forma dentro da sua cultura. Se o grau de maleabilidade cerebral está intimamente ligada ao ambiente/ambientes no qual o sujeito circula, a plasticidade neural está profundamente relacionada com hábitos de trabalho. Ou seja, a investigação sobre a neuroplasticidade mostra que o cérebro humano não se reorganiza casualmente, facilmente e aleatoriamente. A sua reorganização acontece apenas quando: (...) animal pays attention to the sensory input and to the task. (PRENSKLY, 2001, 3)

  • 17 Saber mais em: http://www.scilearn.com/

60Logicamente, associa-se a reorganização cerebral ao trabalho, especialmente ao trabalho continuado e repetitivo. Em média são necessárias 50 sessões para que sejam produzidos resultados. Neste sentido, a companhia Americana Scientific Learning FastWard17 desenvolve programas que requerem aos seus alunos a dedicação de 100 minutos por dia, 5 vezes por semana durante 5 a 10 semanas para serem atingidos os objectivos de aprendizagem desejados. Assim sendo, parece que é a prática diária que permite focar vincadamente a atenção do ser humano sobre uma determinada actividade. Talvez aqui esteja, então, o caminho a seguir para aproximar a leitura da Geração Net. Da mesma forma que o contacto diário com as TIC e as várias horas por dia tem levado a que os seus cérebros se ajustem e/ou se programem para a velocidade, interactividade e multifuncionalidade, é preciso desenvolver estratégias diárias para o ensino e promoção da leitura, de acordo com o seu ambiente e tendo sempre por base que a aquisição da competência leitora é a base, a chave é o input que permitirá captar a atenção do Born Digital para o acto leitor.

61Assim sendo, a falta de competências de leitura e o consequente afastamento do acto leitor talvez seja o resultado de uma política de formação desajustada onde, por um lado, o input base não é assimilado – a competência leitora – e, por outro lado, não se devolve, devidamente, a miscigenação da leitura com as rotinas e hábitos desta geração. Desta forma, é fundamental repensar e reestruturar as políticas de ensino e de promoção da leitura, não só para os Nativos Digitais, mas sobretudo para quem forma esta geração.

62A mudança é assim profunda porque altera a estrutura de ensino, não só do ponto de vista das políticas, como de currículos de formação. O desafio é enorme para a geração dos baby-boomers e para todos aqueles que nasceram entre esta geração e a dos Born Digital. Mas se, de facto, não se trabalhar no sentido da reorganização e da “educação” do cérebro dos Nativos Digitais, cada vez mais aqueles se irão distanciar da leitura, pois os inputs que recebem diariamente vão fomentar e acelerar o desenvolvimento e consolidação de aptidões e competências opostas às necessárias para a leitura.

63Desta forma conclui-se, lançando-se três desafios: Em primeiro: é importante saber mais sobre as potencialidades da plasticidade neural. Isto significa que é fundamental conciliar as teorias e os objectivos didáctico – pedagógicos da leitura com os estudos da neuroplasticidade.

64Em segundo: é crucial fazer leitores competentes, o que significa uma escolarização da leitura eficaz para que a promoção da leitura consiga, efectivamente, atingir os seus propósitos.

65Em terceiro: os educadores devem consciencializar-se de que assim como para si mesmo é difícil reciclar aptidões e competências de acordo com este novo ambiente, também o é para os Nativos Digitais assimilar no seu ambiente práticas a si estranhas.

66Assim, acredita-se que o melhor caminho, para ambas as gerações, passa pela fusão do saber da geração educadora com as aptidões e competências tecnológicas da geração educanda, iniciando-se, igualmente, desta forma, uma nova relação entre educadores e educandos, já que saberes sem competências e competências sem saberes não fazem sentido e não preparam cidadãos para hoje, e logicamente o futuro estará comprometido.

Bibliographie

Referências bibliográficas

APDSI (Associação para a promoção e desenvolvimento da Sociedade de Informação) – Os desafios da Economia da Informação. [Em linha]. Portugal, 2008. [Consult. a 25 de Maio de 2009] Disponível em: http://www.apdsi.pt/contents/files/2008/04/09/03f2172415c2212ae6cfd9b7720407d0.pdf BRUER, John T. – The Myth of the First Three Years. New York: The Free Press, 1999.

CASSY, Daniel – Prácticas lectoras de natives digitales: descripción, reflexiones Y sugerencias para bibliotecários. [Em linha] Portugal, 2009. [Consult. a 25 de Julho de 2009]. Disponível em: http://www.rbe.min-edu.pt/np4/?newsId=558&fileName=Practicas_lectoras.pdf

CASTELLS, Manuel – A Era da Informação: economia, sociedade e cultura. Lisboa: Fundação Calouste de Gulbekian, 2004.

ECCO, Umberto – As memórias também morrem. REVISTA COURRIER INTERNACIONAL. Paris. Edição n º 160 (2009), pp. 66-67.

MALHEIRO, Armando – Inclusão Digital e Literacia Informacional em Ciência da Informação. [Em linha]. Portugal, 2008. [Consult. a 19 de Fevereiro de 2009]. Disponível em: http://prisma.cetac.up.pt/edicao_n7_dezembro_de_2008/inclusao_digital_e_literacia_i.html MORENO, Victor – La Lectura en tiempos de crisis. Notas complementares relativas ao Congresso Internacional de Promoção da Leitura: 22 e 23 Janeiro de 2009. Fundação Calouste de Gulbekian/Casa da Leitura, 2009, p. 16.

MORENO, Victor – Que hacemos com la lectura. [Em linha]. Barcelona, 2003. [Consult. a 10 de Fevereiro de 2008]. Disponível em: http://www.fundaciongsr.org/documentos/6694.pdf

PALFREY, John; GASSER, Urs – Born Digital: Understanding the First Generation of Digital Natives. New York: Basic Books, 2008.

PRENSKY, Marc – Digital Natives, Digital Immigrants, Part II: Do they really think differently? [Em linha]. MCB University Press, 2001. [Consult. a 1 de Julho de 2009.] Disponível em: http://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part2.pdf

TAPSCOTT, Don – The rise of the Net Generation growing up digital. New York: McGraw – Hill, 1998.

Notes

1 Expressão utilizada por Don Tapscott na sua obra Growing up Digital. Segundo este autor o gap geracional ocorreu entre a geração baby-boom, a geração do pós II Guerra Mundial e os seus pais. Movimentos como o do Woodstock ou o Maio de 68 comprovam e demonstram esse fosso. Na actualidade o autor considera que existe um generational lap, ou seja, hoje em dia não há um fosso entre pais e filhos ao nível de atitudes como havia anteriormente há sim um fosso de aptidões e competências.

2 Conceito desenvolvido por Manuel Castells na sua obra A Era da Informação: economia, sociedade e cultura.

3 As consequências e os efeitos da Economia da Informação foram estudados pela Associação Portuguesa para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação: Os Desafios da Economia da Informação p. 13.

4 Ibidem

5 Ibidem.

6 A Internet tem sido a chave desta aproximação. Várias empresas utilizam neste momento o Google Trend. Esta ferramenta da Google permite aferir das tendências, desejos e necessidades da população. O Google Trend oferece dados, que podem ser diários, sobre os sites ou objectos mais procurados na Web.

7 Don Tapscott autor, investigador e Professor da Universidade de Toronto tem estudado e escrito obras fundamentais para a compreensão da mudança de paradigma social e suas consequências nos diferentes dominios sociais. Obras como Paradigm Shif; Grwoing up Digital ou a mais recente obra intitulada Digital Capital: Harnessing the Power of Bussines Web são disso exemplo.

8 A propósito Umberto Eco escreveu um artigo para a revista L’espresso a 06.02.09 intitulado: As memórias também morrem. Verifica que os últimos 30 anos foram dedicados não à preservação da memória e da informação mas sim à sua difusão. A nova ética parece mais preocupada com o problema do acesso do que com o problema da preservação.

9 Armando Malheiro no seu artigo: Inclusão Digital e Literacia Informacional em Ciência da Informamação na revista PRISMA. COM (n.º 7 2008) define inclusão digital um conjunto de dois grupos de competências básicas: as tradicionais de dominio do ler, escrever e contar e as novas derivadas do impacto directo, na conduta humana, das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) (...)

10 Armando Malheiro no seu artigo: Inclusão Digital e Literacia Informacional em Ciência da Informamação na revista PRISMA. COM (n.º 7 2008) define Literacia informacional como a capacidade crítica de buscar, avaliar, escolher e usar informação nos mais diversos contextos.

11 Entendendo por competência leitora a capacidade de descodificar, interpretar e compreender um texto.

12 Alan Curtis Kay é um dos mais importantes cientistas Norte-Americanos na área da computação. Tornou-se célebre por ter sido um dos inventores da linguagem de programação Smaltalk e um dos que contribuiu para o desenvolviemnto do conceito de programação orientada a obejctos que lhe valeu o Turing Award em 2003.

13 A título de exemplo veja-se o novo gestor do conhecimento: wolframalpha. com capaz de responder a questões colocadas pelo utilizador em diferentes áreas do conhecimento.

14 Victor Moreno no seu artigo Que hacemos com la lectura analisa o papel da escrita na formação de leitores.

15 Programa open source que permite de forma fácil criar pequenos filmes a partir de fotografias. Saber e experimentar em: http://www.microsoft.com/windowsxp/using/digitalphotograhy/photostory/default.mspx

16 Marc Prenskly autor de obras como Digital Games – Based learning e Don’t bother me Mom – I’m learning é um dos mais aclamados oradores e criadores internacionais de software para jogos de aprendizagem e desenvolviemnto de competências. Mais informações disponíveis no seu site: http://www.marcprensky.com/

17 Saber mais em: http://www.scilearn.com/

Auteur

GdGC/Centro de Recursos do Conhecimento da Administração Regional da Saúde do Norte.

© Publicações do Cidehus, 2010

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search