Version classiqueVersion mobile

Correspondência inédita dirigida a D. Frei Manuel do Cenáculo

 | 
Francisco António Lourenço Vaz

Resumo das cartas e outros documentos de Alexandre Faria Manuel

Texte intégral

Lisboa, 22-01-1772

Carta onde revela que lhe falaram de uns livros manuscritos e diz que verá do que se trata. Diz que entretanto apareceu uma cópia autêntica, passada no tempo de Filipe II, de todos os Privilégios e Contratos do Arcebispado de Braga e pede a Cenáculo que mande dizer se quer essa cópia. Informa que o livreiro Rolland está a vender uma porção de livros que pertenceram aos Jesuítas de S. Roque.

Lisboa, 23 -01-1772

Descreve o que se passou na conferência da Mesa Censória em 23-1-1772. Refere uma petição enviada por Clamopin, livreiro francês no Porto, na qual pedia que lhe enviassem 580 jogos de livros que estariam retidos na Casa da Revisão uns desde 7-11-1768, outros desde Janeiro de 1769, e outros desde Maio, Agosto e Novembro de 1771, tendo a Mesa resolvido que isto fosse examinado. Diz que apareceu um papel feito pelo mesmo autor do da conquista do Paraguai, que se entregou à censura de Pedro Viegas e Francisco de Atouguia que assentaram que se não lhe deveria dar licença «porque era verso de modo que não tinha consoantes, que nem era soneto, nem elegia, nem Ode, nem décima». Informa que outros defenderam a obra e a licença acabou por lhe ser concedida. Informa que apareceu também um pequeno livro que fala da cultura das amoreiras para conferir, e que trazia um acrescentamento de algumas regras. Diz que se propôs que de futuro se fizesse o reconhecimento de todas as pessoas e comunidades que pedissem licença para terem ou lerem livros proibidos.

Lisboa, 24-01-1772

Carta onde dá nota de ter sabido que a jornada de Cenáculo correra bem. Remete-lhe dois avisos que haviam sido lidos na conferência do dia 23, juntamente com a minuta do mais que se passou na Mesa. Em P.S. Afirma que o manuscrito de Braga está certo, e que os restantes manuscritos verá o que são.

Lisboa, 27-01-1772

  • 1 Referência à renda que o Colégio dos Nobres tinha na Sé de Évora, de 20 moios de trigo e que era an (...)

Carta onde diz remeter um extrato do que se passou na Mesa daquele dia e também envia, por ordem da Mesa, a representação que o Provedor do Colégio dos Nobres fez sobre o trigo que se acha em Évora1. Informa que o sétimo tomo da Recreação Filosófica está em seu poder, e que lhe parece que Cenáculo terá «o Diana», um jogo que foi entregue na Mesa. Informa que no dia anterior entregara ao Reverendíssimo Padre Provincial as Gazetas que estavam em seu poder, e que eram 32 anos, e que iria ver se apareciam as que faltavam. Despede-se dizendo aguardar ordens de Cenáculo.

Mesa, 27-01-1772

Anotação sobre o que se passou na conferência da Mesa na data indicada. Começa por informar que um Sermão de um frade da Graça a Nossa Senhora de Penha de França foi suprimido porque estava cheio de despropósitos. Revela que umas conclusões de outro frade graciano tocavam em alguns pontos de sigilo, dizendo que especulativamente eram prováveis. Foram também analisadas, tendo-se riscado tudo que dizia respeito a esta matéria do sigilo. Afirma que J. Bentes Sayão da vila de Serpa requereu à Mesa licença para poder continuar a ensinar. Informa que averiguou se a licença que ele tinha era verdadeira e que esta fora falsificada no que respeita ao número de anos em que era válida (de um ano e meio para três anos e meio), mas que a assinatura e a marca eram verdadeiras, pelo que não expôs o assunto na Mesa, revelando-o apenas a Cenáculo. Informa ainda sobre petições apresentadas na Mesa a propósito de assuntos dos estudos. Quanto aos livros de Clamopin, revela que na conferência anterior lhe disseram que examinasse a existência deles e que achou que a maior parte dos que ele pedia foram entregues, mas que ainda existiam alguns e que outros os levou J. Bernardo, cujo procedimento foi bastante criticado na Mesa por João Baptista. Informa que se determinou que os livros existentes lhe fossem entregues do modo usual.

Lisboa, 30-01-1772

Carta onde comunica que tinha a intenção de ir a Salvaterra, mas que uma moléstia o impede de ir, tal como desejava, para ver Cenáculo. Afirma que a Mesa daquele dia esteve bastante divertida. Diz que chegaram as informações do Corregedor de Torres Vedras, mas que a informação que este também deveria dar a respeito dos Mestres da Vila de França não apareceu. Informa que, desde o tempo de José Bernardo, estão na secretaria uns fardos de «papéis volantes» e livros em papel, informando que são autos de D. Pedro, coroas seráficas, banquetes espirituais etc., que se apreenderam por ordem da Mesa, e que todos são daqueles que costumam ficar suprimidos. Revela que não obstante isso, José Bernardo disse ao dono deles que veria se haveria modo de lhos entregarem, e que os mandou colocar nas águas furtadas da secretaria. Informa que entregou ao Provincial a provisão de José Leitegeb. Fala sobre a necessidade de se arranjar um livro onde registar as provisões da sua secretaria e que é preciso rubricar mais uns livros.

Mesa, 30-01-1772

Anotação sobre a conferência da data indicada. Começa por informar que se pediu licença para se vender talco de várias cores já moído para se jogar o entrudo, mas que o pedido fora recusado. Afirma também que umas cartas duma irmandade, para uma procissão em Braga, foram também recusadas. Continua contando o que se fez na conferência, descrevendo um contencioso entre os cegos e os vendedores de livros e papéis de Lisboa. O conservador dos cegos conseguira a condenação e prisão de um vendedor, que apresentou requerimento á Mesa para ser solto. Conclui dizendo que aguarda a este propósito «vontade e resolução» de Cenáculo. Informa que na mesma conferência se conferiu um papel em verso, e que Viegas e Atouguia voltaram a criticá-lo. Compromete-se a enviar a Cenáculo, na 1ª ocasião, alguns exemplares deste papel.

Lisboa, 04-02-1772

Carta onde informa dos procedimentos que se tem tomado em relação ao Conservador dos Cegos e ao contencioso referido anteriormente. Informa que a mulher de Jose Bernardo da Gama mandou a todas as lojas de livros pedir um rol do que seu marido devia. Informa que na sexta-feira ou sábado disse publicamente ao Inspetor da Contadoria da Junta do Comércio que dali se haveriam de tirar quatro praticantes ou oficiais para a Mesa Censória. Dá conta que na semana anterior uma Ordem do Rei foi à Mesa da Consciência e tem dado muito que falar. Pergunta a Cenáculo se desejava ter o livro Summa Constitutionum Summorum Pontificum, et rerum in Ecclesia Romana gestarum (1688), porque a certeza de o arranjar. Comunica que dará os livros a Fr. Joaquim para os rubricar e que mandará pôr o rosto das provisões.

Lisboa, 06-02-1772

Carta onde envia o requerimento do rapaz, preso na contenda entre os cegos e vendedores. Afirma que foi um divertimento ver os votos, e que o Deputado (de Xabregas?) foi o único a dar um voto são por todas as partes, dizendo que se capacitava ser a petição toda verdadeira. Descreve os argumentos que este apresentou. Informa que os mais deputados da Mesa votaram, inclusive o Sr. Bispo de S. Paulo, que a Mesa fazia muito mal em se meter naquelas coisas. Informa que apareceram na Mesa dois decretos do Rei, um que dizia respeito da forma dos gastos e contas da Mesa, que se devem formalizar como no Colégio dos Nobres, e o outro onde nomeia a F. Olivier para Reitor do Colégio dos Nobres. Informa que na primeira ocasião enviará os mapas dos estudos que estiverem feitos. Em P.S. diz que o deputado de Xabregas escreve a Cenáculo sobre os cegos e que na Mesa se espera a resposta de Cenáculo a propósito do trigo de Évora. O documento contém uma listagem das nove pessoas que estiveram na conferência.

Lisboa, 10-02-1772

Carta onde diz remeter a Cenáculo as tábuas dos estudos, pertencentes a Lisboa, Algarve, Trás-os-Montes e Entre Douro e Minho. Diz que no Algarve falta a Ouvidoria de Faro, e que falta também Bragança. Informa que a desculpa que se aponta para ainda não estarem algumas prontas, se deve ao facto de em algumas terras faltar o número das pessoas. Diz que em algumas terras não se obrou como foi ordenado e que faltam alguns dos requisitos exigidos. Informa que na quinta-feira feira anterior apareceu na Mesa o Compêndio de História dos Padres Loios. Informa que está a ser perseguido por um pretendente (a professor régio) de Vila Franca, mas que até agora, não obstante o ter pedido, não apareceu a informação. Descreve os procedimentos a este respeito e diz que lhe parece injusta esta demora. Informa que naquele dia foi à Mesa a procuração de Fr. Furtado de Mendonça, pede a Cenáculo que determine o que fazer. Afirma ter encontrado como papel perdido uns apontamentos sobre matéria de sigilo que remete a Cenáculo. Comunica que envia também o Virtual Theologico, manuscrito que estava para papelão. Diz que estão quase passados os 60 dias que prescreve o último edital para entrega de livros, e que até aquele momento ainda não se enviaram quaisquer editais para as comarcas do reino. Em P.S. informa que na sexta-feira anterior Fr. Andrade de Melo estivera em casa de José Pereira de Brito e se queixou da proteção dada por Cenáculo ao cronista da Ordem de Cristo.

Lisboa, 13-02-1772

Carta onde informa que na conferência daquele dia não ocorreu nada de especial, afirmando que foram a despachar umas enciclopédias de Luca e que se ordenou que ficassem até Cenáculo chegar. Revela que alguns estrangeiros fizeram petição para lhe concederem licenças ou venderem, ou mandarem para fora os Livros da 1ª e 2ª classe do último edital, tendo sido diferido que os mandassem para fora. Fala da situação já mencionada anteriormente em relação ao pretendente de Vila Franca. Afirma que encontra muito poucos pretendentes para ensinarem e esse somente para Gramática, pede a Cenáculo que lhe diga se quer que se tome providência para isto. Em P.S. refere que envia «um papel», que apesar de ter sido censurado por Cenáculo tivera licença na Mesa e que se trata de um romance que já corre impresso há muito num livro que fez Alexandre António Lima intitulado: Rasgos Métricos. O referido romance intitula-se: «O Marujo saudoso relação curiosa da carta que escreveu de Pernambuco hum marujo a sua Moça na qual lhe relata a saudosa despedida que fizeram hum ao outro quando ele foi embora, e hum mimo, que ele lhe manda», foi impresso na oficina da viúva de Inácio Nogueira Xisto, com licença da Real Mesa Censória, em Lisboa, 1772.

Lisboa, 15-02-1772

Carta onde dá informações sobre o que se passa a respeito do corregedor de Torres, dizendo que a resposta do juiz de fora chegara à Mesa na quinta-feira anterior, pela mão de António Pereira, e aberta, sem sequer levar sobrescrito. Informa sobre novas na contenda dos cegos com os vendedores de papeis de Lisboa, dizendo que o rapaz continua na cadeia e que os cegos tem ordem do ministro para fazer novas prisões.

Lisboa, 17-02-1772

Carta onde começa por confirmar a receção de outra de Cenáculo. Informa que entregou a Dubeaux uns livros, conforme ordem que este lhe dissera ter de Cenáculo. Diz que Dubeaux também pedia uns 14 ou 15 retratos que estavam na secretaria, que seriam para o Marquês de Angeja, mas Miguel Gonçalves teimou que estes iam para alfândega, para onde foram de facto e pagaram os direitos. Informa que até àquela data ainda não se tinha mexido na repartição que deveria servir para se reverem os livros. Comunica que naquele dia não existiu na Mesa qualquer novidade, uma vez que apenas tinha havido nove petições para despachar. Diz ter enviado recado a Pagliarini para irem dois carros buscar livros para o papelão e que o livro, Philosophia Naturalis, é do rapaz de Loreto, pedindo que caso não agrade a Cenáculo, este lho envie outra vez para o entregar. Diz que encontrou os manuscritos a montão e que crê fazer o que deve enviando-os a Cenáculo.

Lisboa, 18-02-1772

Carta onde informa que já é público em Lisboa que Olivier vai ser nomeado Reitor do Colégio dos Nobres. Revela as pessoas que já foram felicitar o novo Reitor. Em P.S. informa quais os deputados que no dia anterior não foram à Mesa.

Lisboa, 20-02-1772

Carta onde informa que naquele dia a conferência da Mesa também foi muito breve. Dá conta que foram à Mesa para se reimprimirem uns editais do Bispo do Porto, entre eles uns editais a respeito dos ordinandos. Relata com pormenor a análise feita pelos diversos intervenientes na Mesa a este respeito. Informa que os Padres Caetanos pediram prorrogação de tempo para o seu Catálogo, e que todos votaram que lhe fossem concedidos seis meses, à exceção de João Baptista que se opôs fortemente. Informa que no dia anterior pediu ao Secretario da Província 3.200 réis, na presunção de que quando Cenáculo chegasse os daria por bem empregues.

Lisboa, 24-02-1772

Carta onde informa que naquele dia o Deputado António Pereira apareceu na Mesa com o recado do Juiz de Fora de Torres Vedras. Revela achar que nas informações existentes há intriga do Juiz de Fora de Vila Franca, e que lhe parece que qualquer dia António Pereira lhe aparecerá com as informações abertas, pede a Cenáculo que o instrua sobre como proceder, caso estas venham abertas, se deve ou não recebê-las. Continua a falar sobre o que se tem passado sobre a contenda dos cegos e prisão dum rapaz, dizendo que o Marquês de Pombal iria mandara soltar o rapaz. Revela que as informações de Lamego e Campo de Ourique chegaram, e que as de Coimbra não apareceram no correio.

Lisboa, 27-02-1772

Carta onde revela que naquele dia foi a conferir o Dicionário do P. Joaquim da Fonseca, e afirma que foi aquele o dia em que mais tem sentido a falta de Cenáculo na Mesa, dado que houve muitos despropósitos, contando mais o que se passou e os argumentos apresentados no caso do Ministro dos Cegos e sobre as dúvidas que alguns colocavam na ordem para se soltar o rapaz. Afirma que remete a Cenáculo todas as informações que faltavam, e que as terras de que não declara ou o número das freguesias, ou das pessoas, ou dos mestres, é porque nem na Geografia de Lima, nem na Corografia de Carvalho consta nada. Anexos a esta carta encontram-se documentos sobre o caso dos cegos e libertação do rapaz que andava a vender livros e papéis da Mesa.

Lisboa, 01-03-1772

Carta de parabéns por ocasião do aniversário de Cenáculo. Informa que no dia seguinte não haverá Mesa, por costume da instituição. Revela que o Ministro mandou logo soltar o vendedor, à vista da ordem que lhe foi enviado. Informa que já não é segredo que o negócio dos cegos está em consulta a El Rei.

Lisboa, 07-01-1773

Apontamento sobre a Conferência da Mesa em 07-01-1773, relatando o que sucedeu. Informa que se riscaram umas passagens em latim de umas conclusões. Afirma que se suprimiu um livrinho que foi para reimprimir com o título «Desenganos métricos». Comunica que o Secretário dos Estudos deu parte que as cadeiras que foram dos Jesuítas do Paraíso se tinham mandado vender. Contém ainda a lista dos deputados que estiveram presentes.

Lisboa, 11-01-1773

Apontamento sobre a Conferência de 11 de Janeiro de 1773. Informa que Carlos Brown que estava a imprimir as listas dos navios foi a casa do Arcebispo da Lacedemónia buscar licença para imprimir uma dessa listas, mas que indo buscar a licença para o pode correr reparou que a lista estava aumentada com os nomes dos navios ancorados no rio, que não vinham no manuscrito, pelo que se lhe negou a licença. Revela que um moço, que Frei João Baptista conhecia bem, meteu às licenças um Plano de Educação, querendo imprimir essa obra por folhas, e que começava por um novo catecismo que ele compunha, mas que a licença lhe foi negada por 6 votos contra 3.

Lisboa, 13-01-1773

Carta onde dá nota do que aconteceu na conferência do dia 11, através de uma minuta que remete. Dá conta de alguém ter perdido as chaves da secretaria e em consequência não lhas entregar como era devido. Informa que já comprou os livros que o P. José vendia, e dos quais mostrou o rol a Cenáculo: Memórias de D. João I, Historia Sebástica de Fr. Manuel dos Santos, Obras de João Pinto Ribeiro; e Cronica de D. João II de Rezende. Informa que a impressão do livro de moral, continua parada por falta de papel e que no que respeita ao livro que imprime o Galhardo, o papel está pronto para o que for necessário, mas que este deseja saber quando lhe poderá dar o dinheiro. Pede instruções a este respeito. Comunica que Caetano Mendes lhes contou como coisa certa que um frade da Ordem Terceira escrevera que o Teixeira trabalhava na feitura de um novo capítulo.

Lisboa, 18-02-1773

Carta onde informa que naquele dia ficou a obra, Preparação para a Missa, com as licenças dizendo que se imprimirá como Cenáculo ordenava. Refere-se a uma pastoral do Bispo de Portalegre e sobre umas diligências que fez a este respeito e a umas consultas que se mandaram fazer por ordem da Mesa. Faz comentários acerca da qualidade destas consultas, dizendo que acabou por se trazer uma terceira consulta que veio melhor. Revela que quando tiver ocasião, enviará uma cópia de uma consulta a respeito dos livros que se imprimem para a Universidade. Informa que naquele dia foi à Mesa, para se despachar, um papel da Inquisição, que julga ser um requerimento para os Comissários do Santo Ofício. Relata os comentários feitos por diferentes membros a este propósito, dizendo que o papel se despachou.

Lisboa, 10-02-1774

Carta onde revela que Araújo Pena Filho fora preso por ordem da Mesa na terça-feira anterior, e que naquele dia se mandou soltar. Informa que Adrião Santos, professor de Retórica, alugou casas em determinado sitio, e que para o andar de cima foram morar umas mulheres de má vida que lhe interromperam a aula, e por isso o professor requereu à Mesa que tomasse providências nisto, mas o Arcebispo decidira que a Mesa não devia intervir. Dá nota de se ter passado ordem de prisão contra um F. em nome de quem vinha a petição das licenças para um papel que foi reprovado por todos os deputados. Informa que se ordenou a um juiz que fosse apreender uns papéis, mas que não estavam todos. Revela as provisões que se quiseram tomar a este respeito, e pede que Cenáculo envie o que pensa acerca deste caso, tal como lhe foi ordenado pelo Arcebispo. Dá conta da doença do professor Manuel José Esteves Pinheiro, que pediu a substituição, falando pormenorizadamente sobre esta substituição. Remete uma carta do Vice-reitor. Em P.S. diz que já tem em seu poder o Novo Testamento que enviará na próxima ocasião.

Lisboa, 04-03-1774

Carta onde comunica que no dia anterior se colocou no cofre o quartel grande e que se mandou soltar o Mestre de Ler de Odivelas. Informa que Frei Luís do Monte Carmelo leu uma larga censura contra um pequeno papel que se pretendia imprimir sobre ortografia e que Joaquim de Paiva, que tinha sido provido Mestre de Ler em Azeitão, rejeitou o lugar, e pediu licença, sendo-lhe dada. Diz que este requereu ainda imprimir um edital que vai incluso, mas que tal lhe foi recusado.

Lisboa, 09-03-1774

Carta onde informa que o Colégio dos Nobres está sem copeiro porque se despediu o que havia. Diz remeter outra carta do Vice-reitor sobre coisas do Colégio. Fala de uma mensagem de P. José de Matos queixando-se do ordenado de Mestre de Ler, que não daria para fazer frente às despesas. Envia junto com a carta uma relação com o título «Noticia das despesas que anualmente se fazem na Província Transmontana por hum só individuo, que viva a Escolástica com moderação».

Lisboa, 10-03-1774

Carta onde afirma ter falado, conforme instruções de Cenáculo, com o Sr. Arcebispo sobre o Professor de Santarém, e este ordenou que o professor fosse a sua casa naquele dia pela manhã. Informa que o Mestre de Ler e escrever do Sobral rejeitou o lugar. Informa que foi à Mesa uma pretensão de um homem que pretendia embarcar para fora dois painéis, o que lhe foi despachado. Revela que o Marquês de Valença meteu às licenças uma oração que pretende recitar nos anos da Rainha, fala dos comentários feitos à oração pelos diversos elementos da Mesa e informa que se deu licença à referida oração. Diz remeter um livro que tem 24 papéis avulsos, e entre eles alguns muito raros, como são as exclamações políticas de Luís Marinho. Afirma que ainda que Cenáculo tenha alguns que comprou a Manuel Carvalho, gostaria que o visse e que se achar que serve, fique com ele.

Lisboa, 13-03-1774

Carta onde remete outra do P. Manuel de Almeida sobre o movimento da Chancelaria. Informa que o edital da Mesa, determinando que ninguém pudesse ensinar a partir de Março sem licença da Mesa, estava a ser causa de muito dano, estando muitos mestres a pedir licença. Dá conta que lhe falaram das Décadas de Barros que seriam muito boas, mas que querem por elas três moedas e meia. Diz que também lhe falaram nas obras de Osório, 5 tomos de folha, pelas quais queriam quatro moedas, e mostra-se surpreendido porque sempre achou que não existiam mais de quatro tomos. Revela que ainda não viu os dois tomos manuscritos, e que supõe que os teria na terça ou quarta-feira seguintes. Escreve sobre umas questões relacionadas com a forma como os provedores registam as cartas. Comunica que Manuel Pereira de Faria está desgostoso da Republica Literária, e resolveu vender todos os seus livros gregos e que lhe disse que estava formando um Catalogo de todos e queria que Cenáculo o visse.

Lisboa, 05-02-1775

Carta onde revela que Pedro Viegas lhe enviou uma petição em que os moradores de Belas se queixam do Mestre de Ler, e compromete-se a enviá-la a Cenáculo. Diz julgar que haverá ocasião de Cenáculo ter 16 medalhas romanas, todas de prata. Termina enviando cumprimentos em seu nome e da mulher.

Lisboa, 07-02-1775

  • 2 Trata-se provavelmente da obra de Giovanni Pietro Pinamonti (1632-1703): Exorcista rite’edoctus (16 (...)
  • 3 Termo latino que pode ser traduzido por mistura, miscelânea.

Carta onde informa que falou com o professor Joaquim Sá, que lhe assegurou que das suas mãos nunca saíra papel algum a respeito da sua aula, ou discípulos, e que lhe falou que uma vez que a gaveta da aula não tinha chave, se os temas lá ficassem poderiam ser vistos por qualquer um. Refere um papel que foi para a Mesa para se poder imprimir, que dizia: «No Tribunal e Mesa da Fazenda dos Padres da Ordem de Cristo em Tomar» e as disposição que se tomaram no sentido de riscar a palavra tribunal. Revela que também um rol de livros foi a exame, onde constava o Pinamonti Exorcista vite instructos2, o que lhe causou (a ele, Alexandre Ferreira) dúvidas. Relata em pormenor as posições tomadas pelos diferentes elementos da Mesa em relação a este livro. Informa que se mandou dar o despacho absoluto, e que assim o fez, mas que depois riscou o artigo Pinamonti etc, e pediu o dito livro a Reycend, o qual remete a Cenáculo. Afirma que esta matéria assumiu uma grande proporção na Mesa. Pergunta, a instâncias do Rocha, se este deve levar, ou não, o livro de Vives à Mesa, uma vez que estava determinado que este só fosse por ordem do Bispo de Beja ou do Marquês. Diz remeter cinco exemplares de miscelâneas (Farrago3) encadernados em marroquim.

Lisboa, 09-02-1775

Carta onde comunica ter recebido do Padre Provincial as instruções que Cenáculo lhe enviara acerca dos pasquins que apareceram no Colégio dos Nobres. Diz ter ido falar ao Rocha que lhe disse que no dia anterior remetera a Cenáculo o Vives, e que este lhe disse que acha que a impressão de tal livro é do empenho de Xabregas. Revela que João Crisóstomo da Secretaria de Estado foi falar ao Reitor para que os Sampaios fossem para o Colégio. Fala de questões relacionadas com a gestão quotidiana do Colégio. Remete duas cartas do Vice-reitor do Colégio.

Lisboa, 11-02-1775

Carta onde dá conta que no dia anterior se fizeram as consultas de Sampaio, Pessanha, e S. Lourenço, as quais o Arcebispo levou logo. Apresenta uma queixa, que lhe foi feita pelo guarda do Arsenal, de que os soldados que guardavam a repartição do Subsidio faziam fogueiras a noite. Considera que se devem tomar providências rapidamente, pois desses comportamentos dos guardas poderiam advir um incêndio nas instalações da Mesa. Informa que Galhardo tem estado doente e por isso se lhe deu ajuda de custo. Revela que um oficial do Intendente Manique o encontrou na rua e lhe perguntou por um breve de indulgência que tinha ido de Roma, uma vez que António de Lemos lhe dissera que na Mesa estariam mais de 100 breves, o que é, afirma Alexandre Ferreira, mentira. Refere que um livro sobre Malagrida tem sido muito mal recebido.

Lisboa, 22-02-1775

Carta onde afirma que disse ao Sr. Arcebispo que o Deputado Fr. Joaquim e Póvoa desaprovaram a Dedicatória e Soneto que envia manuscrito a Cenáculo, mas que este deu o despacho para se imprimir, sendo de sua própria mão o «Pode Correr». Refere-se a um jogo dos colegiais do Colégio dos Nobres, conhecido como jogo das covinhas, que os rapazes jogavam nos adros usando bocados de sola.

Lisboa, 09-03-1775

Carta onde informa que se mandou ao Procurador da Casa de Pedrozo que «pusesse a lanços» a obra do concerto das Casas, e que enviasse à Mesa o termo de lançamento, bem como que remetesse 90.000 réis de um laudémio. Revela que foi dada licença a Mr. Reycend para imprimir um catálogo de livros, com a condição de apresentar na Mesa certos livros, mas que este respondeu que só os entregava quando Cenáculo estivesse na Mesa. Diz que a Mesa deliberou voltar a pedir-lhe os livros e que caso este continue a recusar entregá-los fosse preso. Pede a Cenáculo que diga algo sobre este assunto dizendo: «sem a resposta de vossa Excelência não se obra nada». Afirma remeter dois livros de Bertrand, um de manuscritos e outro do impressor, e também uma medalha. Informa que o professor de latim de Portalegre solicitou um mês de licença. Envia também um «rolinho pequeno» de uns livros de Reycend para que Cenáculo veja se quer algum.

Lisboa, 13-03-1775

Carta onde afirma que quando recebeu carta de Cenáculo, no sábado anterior, à noite, já não era tempo de fazer o Edital. Informa ter chegado naquele dia uma petição de João António de Almeida, de Évora, para ensinar latim e pede instruções a este respeito. Dá conta de que foi à Mesa uma oração de Gonçalo de Alcáçova para os anos da Rainha, mas que está em mau português. Dá notícias sobre a feitura de uma estátua, dizendo que se pusera naquele dia a pedra onde estão as armas reais. Diz que não há qualquer ordem para irem os livros dos Jesuítas e que o Rol dos manuscritos que mandou a Cenáculo é de livros que ele tinha separado, mas que a demora de Bertrand lhe está a causar alguma desconfiança.

Lisboa, 21-03-1775

Carta onde diz ter recebido às dez horas da noite carta do Vice-reitor do Colégio dos Nobres que envia, e afirma que Cenáculo verá nela os «apertos políticos em que o dito se acha». Refere-se ao comportamento do Reitor, e à situação do Vice-reitor em situações relacionadas com a «administração quotidiana» do Colégio.

Lisboa, 27-03-1775

Carta em que comunica que ma José Valério do Sacramento, Professor de Grego na Guarda, se ausentou para Lisboa sem pedir Licença e só depois de chegar é que pediu licença por um mês. Esta situação dividiu os deputados da Mesa, considerando alguns que o dito professor devia ser suspenso do oficio, mas prevaleceu a opinião e argumentos do arcebispo (de Lacedemónia) e a licença foi conseguida. Da conta ainda de outros assuntos tratados na Mesa: um requerimento sobre um colegial do Colégio dos Nobres, a sentença das Aguas Livres contra um homem, a impressão de uma cartilha do Menino Jesus, um decreto real sobre os confeiteiros, e uma carta que o professor de Filosofia quis enviar à Mesa, mas lhe foi exigido pelo correio 240 réis.

Lisboa, 04-04-1775

Carta onde informa que a Novena de Santa Bárbara que remete a Cenáculo tem licença desde 1769 e que, indo a conferir naquela altura, a Mesa assentou em suprimi-la por ser indigna. Informa ter enviado um aviso ao Juiz de Fora de Évora, do qual remete a cópia. Comunica que Rodrigo Coelho mandou a conta que Cenáculo verá sobre os orçamentos que são precisos, mas afirma que ainda não a apresentou na Mesa. Diz ter dado o recado a Frei Joaquim e que já se e paga o segundo quartel. Informa que se estão a mudar os doentes do Hospital. Afirma remeter 100.000 réis que é o quartel da Mesa Censória. Fala da compra de uma quinta na Ameixoeira, por 300.000 reis, descrevendo as características da quinta, nomeadamente, as culturas (vinha, olival) e produções anuais: quatro pipas de vinho e doze almudes de azeite.

Lisboa, 06-04-1775

Carta onde afirma ter ouvido na Mesa e no Colégio dos Nobre coisas que o encheram de melancolia por ver os génios patifes e ridículos insolentes que há por toda a parte. Fala a respeito do transporte de doentes do Hospital para o Colégio. Revela que se deu licença para se imprimir uma sentença dada por um Corregedor do Porto. Informa que o Conde e a Condessa de São Payo foram visitar o Colégio. Continua a falar de algumas questões do colégio, nomeadamente, sobre o professor Ciera, que está hospedado em casa de Pagliarini.

Lisboa, 08-04-1775

Informa que na Casa Pedrozo vagou uma igreja que é apresentação da Mesa e rende 400 réis. Escreve que há muitas queixas de Raimundo António, Professor em Santarém, que consente que os alunos joguem e ensina francês a quem lhe pague. Diz também que o professor de Retórica de Portalegre é um ignorante. Em PS noticia que lhe disseram que o homem que morreu no Hospital em traje de mulher era o Jesuíta Francisco Antonio, que Cenáculo provavelmente conheceria.

Lisboa, 28-04-1775

Carta onde informa que na conferência anterior se tinha dado licença para a impressão da Sentença das Águas Livres mas sem levar título, dizendo que indo o título para conferir assentaram todos que este era indigno. Comunica que se ordenou a Manescal que se mandassem com rapidez as folhas de rosto, das quais manda a Cenáculo um exemplar. Informa que o P. Sarmento enviou para a Mesa o Manual da Semana Santa, riscando-lhe o título, e chamando-lhe Horas da Semana Santa, e com alguns acrescentamentos. Informa que o Reitor do Colégio publica que Cenáculo quer que todos os colegiais vão a desenho e que isto não deve ser assim. Fala de uma visita do Conde de Sampaio ao Colégio. Revela ter recebido a recomendação de Cenáculo por Frei Vicente, a propósito dos livros da secretaria. Afirma que fará diligência para por os livros em bom recato.

Lisboa, 04-03-1776

Carta onde noticia ter estado com o Vice-reitor e que lhe disse que o Reitor torna público que se quer despedir por causa das desfeitas que lhe fazem. Afirma que o irmão do professor de Retórica claramente disse que se tivesse outra coisa abandonaria o oficio de professor do Colégio. Continua expondo o que se tem passado no Colégio. Informa que na Mesa não se fez mais do que ler o despacho que para lá foi de Salvaterra.

Lisboa, 06-03-1776

Carta onde começa por dar notícias a Cenáculo, informando-o que Falcão e Gomes Freire se recusam a fazer o exame de História, e que Gomes Freire diz que caso seja obrigado a ir a exame se há-de portar de modo a desacreditar o Professor e o Colégio dos Nobres. Continua, dando várias notícias sobre o andamento das aulas no Colégio e sobre o que disse Sebastião Rodrigues da Costa, acerca das atitudes dos colegiais relativamente aos estudos. Afirma que tem outras coisas a contar a Cenáculo, e que se o bispo quiser irá ter com ele num dia, e voltará noutro, para lhe contar vocalmente o que sabe. Termina, pedindo a Cenáculo que lhe ordene o que entender.

Lisboa, 16-03-1776

Carta onde começa por dar a Cenáculo os cumprimentos usuais, e afirma não ter dúvida que Cenáculo continuará um terceiro triénio como Presidente da Mesa, pelo que lhe dá os parabéns. Informa que a Mesa da quinta-feira anterior fora notável, dando muito que falar na cidade. Diz que à Mesa foi João Pereira Ramos, a quem o arcebispo mandou votar em último lugar, apesar de pelos assentos dever ser o terceiro. Informa que o Barba esteve furioso, e que disse quando falava da minuta do Bispo de Penafiel: «não é preciso que El Rei aceite tal Bula, basta que os Bispos a tenham aceitado. Como El Rei não dá jurisdição para absolver, não a pode tirar». Conta que o Doutor Pedro Viegas disse com voz enfática que uma vez que Cenáculo tinha colocado os legistas como que em último lugar, se conformava com a opinião dos restantes deputados. Continua a explicar o que se passou na Mesa, acerca da ordem escolhida para a votação e dos argumentos apresentados por cada deputado. Informa que no dia anterior a portaria da Mesa seguiu para o Colégio dos Nobres, relatando pormenorizadamente a atitude de alguns face à leitura desta portaria.

Lisboa, 21-05-1776

Carta onde começa por afirmar ter falado ao Vice-reitor e lhe deu o recado que este deveria dar ao Reitor, tal como lhe fora dito por Cenáculo. Diz ter procurado Félix Potier, mas que não o encontrara, informando que o irá procurar outra vez. Relata algumas circunstâncias decorrentes de uma desavença entre o moço de cozinha e o cozinheiro. Informa que no dia em que os colegiais foram ao Sr. Marquês o Sampaio se perdeu na oração que levava em italiano. Fala de algumas novidades que apenas poderá referir a Cenáculo na sua presença. Envia cumprimentos da parte do Vice-reitor.

Lisboa, 21-05-1776

Carta onde informa que tendo falado naquele dia com Sebastião Rodrigues da Costa, este se queixou de algumas coisas que há no Colégio, contando que há coisa de menos de oito dia os colegiais começaram a tratá-lo por «Senhor Substituto», com muito ênfase. Informa que o dito Sebastião Rodrigues lhe disse que não tem feito caso destas atitudes, não obstante senti-las. Relata o que a este respeito disse o professor de Retórica.

Lisboa, 17-11-1776

Carta onde relata uma conversa, entre o P. Francisco e o Secretário de Cenáculo, acerca da nomeação deste último para juiz da Legacia, mas que esta nomeação ainda estaria em segredo. Afirma que depois de saber isto não se pôde abster de lho comunicar. Continua contando algumas conversas tidas com familiares de Cenáculo. Afirma que apenas conta isto a Cenáculo, pedindo-lhe que perdoe o atrevimento, pela fidelidade que lhe tem.

Casa, 11-12-1776

Carta onde afirma ter conversado com o P. Tomás e que este lhe contou que no dia anterior tinha falado com o P. António Maria, e que este lhe dissera que havia sido dada ordem para que Cenáculo não voltasse ao Paço e que até ao último dia daquele mês deveria estar em Beja.

Casa, 03-02-1777

Carta onde afirma que em conversa com o Padre Manuel da Póvoa, este lhe disse que o P. Mayne se havia declarado abertamente contra Cenáculo e que dissera: «em mudando o Ministério que certamente há-de mudar […] logo as coisas levaram volta, e os Estudos tornariam ao seu lugar, pois V.ª Ex.ª tinha perdido tudo». Afirma que embora o P. Póvoa lhe tenha pedido segredo, o qual ele prometeu, não pôde descansar enquanto não o avisou acerca deste facto, para que Cenáculo visse onde poderia chegar o desaforo e a insolência, pedindo-lhe que não desprezasse um inimigo tão declarado e tão atrevido.

Lisboa, 22-04-1777

Carta onde diz estimar que Cenáculo tivesse chegado a Beja, sem incómodo algum na jornada. Dá algumas notícias sobre encontros que tem tido com algumas pessoas. Comunica que Fr. Matias foi nomeado confessor do Príncipe e que no dia anterior se realizara Mesa. Fala sobre uma conversa que teve Sebastião Rodrigues da Costa acerca dos professores do Colégio dos Nobres. Em nota na margem informa que encomendou a Pagliarini o Breve para uso do Roquete e que procurou Domingo Nenceti mas não o encontrou.

Lisboa, 29-04-1777

Carta onde começa por dar notícias sobre a sua própria saúde, estimando que Cenáculo se encontre bem em Beja. Informa que na quinta-feira anterior um professor apresentou na Mesa uma petição queixando-se dele (Alexandre Faria), dizendo que ele levava 1080 réis pelas apostilas, contra o que está determinado, e dá conta dos procedimentos decorrentes desta situação. Informa que está em cuidados para se saber se Cenáculo fora, ou não, entregue de uma carta que lhe enviou.

Lisboa, 04-05-1777

Carta onde começa por manifestar o seu contentamento pelo facto de Cenáculo ter sido muito bem recebido em Beja. Dá notícias sobre a sua saúde. Informa que as suas coisas respetivas á Mesa continuam pelo pior. Afirma que as apostilas estão suspensas devido à sua doença. Diz que o que o alegra é que em breve se verá livre da Mesa e de Lisboa.

Lisboa, 07-05-1777

Carta onde depois de enviar os cumprimentos habituais ao bispo, informa que não tem experimentado qualquer melhora no seu problema de saúde. Comunica que na segunda-feira anterior levaram à Mesa um requerimento contra ele, feito por um Manuel António, chamado o Filho da Velha, queixando-se que tinha posto na Mesa 16 originais e que todos lá ficaram, acusando-o de ter vendido parte desses originais, e que outros teriam ficado em poder de Cenáculo. Fala sobre a sua situação na secretaria e de quem conspira contra ele. Dá a novidade do batismo de Jacob Pedro Strauss, tendo como padrinho o Rei e o P. Mayne como catequizante

Lisboa, 13-05-1777

Carta onde dá noticias sobre a sua moléstia, dizendo que está com dores ainda maiores e que o cirurgião vai ter de intervir. Informa que José António da Matha afirmou que se quer queixar à Rainha da violencia que se lhe fez em lhe tirarem dinheiro do seu ordenado para se pagarem dividas. Termina, desculpando-se por não poder ser mais extenso, mas que as dores não lho permitem.

Lisboa, 14-05-1777

Carta onde informa que não tem experimentado qualquer alívio na sua moléstia, bem pelo contrário. Afirma que se abstém de mandar nesta carta algumas notícias ao bispo, uma vez que o Definidor Geral vai poder dá-las pessoalmente, evitando-se assim a repetição. Informa que a bula do bispo Penafiel está para copiar, e que assim que esteja pronto o remeterá.

Lisboa, 27-05-1777

Carta onde diz estimar muito que Cenáculo esteja bem, e que tenha feito a sua entrada com pompa, magnificência e alegria geral. Afirma que não tem experimentado melhoras na sua moléstia. Informa que há ordens gerais para os professores aceitarem quem quiserem, sem despacho da Mesa e que se façam as apostilas, registem as cartas e se faça assentamentos, sem pagar o que é devido. Da conta das perseguições de que é alvo. Informa que se ordenou aos oficiais da sua repartição que naquele dia apresentassem na Mesa as suas nomeações para serem examinadas, dizendo que aguarda os resultados. Fala de novo sobre a acusação que lhe fez o «Filho da Velha» dizendo que nunca ficou nem com uma folha de papel e conta o que algumas pessoas têm dito a este respeito. Revela que se lembrou de buscar a protecção do Marquês de Angeja, mas que tem reflectido e hesitado no que fazer. Diz ter mandado falar claro a Mayne, dizendo que não tinha de ser responsável de coisa alguma. Queixa-se de não poder subsistir com os rendimentos que lhe atribuem.

Lisboa, 28-05-1777

Carta onde começa por dar conta que desde o dia anterior tem experimentado alguma melhora na sua moléstia. Informa que no dia anterior recebera a visita de Félix José Leal, por parte do Arcebispo da Mesa, para que respondesse a um requerimento de Francisco Rolland. Nesse requerimento o livreiro quer que lhe pague certos livros de que mandou um rol. Diz que lhe foi dito para responder com brevidade, pois também Rolland instava para que se respondesse com brevidade, ameaçando queixar-se à Rainha. Conta pormenorizadamente a conversa que a este respeito teve com Félix Leal, onde afirma ter dito: «Roland é um ladrão, eu não posso deixar de dizer isto de quem pede o que se lhe não deve, porque não pediu Roland isto há dois anos? Que se queixe à Raynha não me importa». Fala acerca de uma acusação que lhe fazem de ter muitas dívidas. A carta contém transcrição do «Rol dos livros pertencentes a Rolland, e que lhe deteve Alexandre Ferreira de Faria Manoel servindo o lugar de Secretário da Real Mesa Censória, os quais livros não se acham na Secretaria da dita Mesa».

Lisboa, 10-06-1777

Carta onde informa que na terça-feira anterior o Arcebispo lhe dissera que era necessário que aparecessem os dois catecismos em português pertencentes ao Núncio, porque o Rei estava empenhado nisso, e já escrevera sobre isso a Cenáculo, esperando resposta. Afirma que lhe disse o mesmo que já lhe havia dito que tais livros não tinham entrado na Mesa. Informa que o Arcebispo lhe disse que o P. Tomás dissera que tinham sido desviados muitos livros da Mesa e que alguns deles se tinham vendido para fora. Conta pormenorizadamente toda a conversa que teve. Informa ter-lhe confirmado a notícia de que se venderam alguns livros, no caso os livros dobrados e que se comprometeu a entregar o dinheiro. Em P.S. Envia cumprimentos do deputado António Verissimo Larre.

Lisboa, 16-06-1777

Carta onde informa que o Definidor Geral lhe entregou 30 moedas de ouro, pelas quais beija as mãos a Cenáculo, uma vez que está a fazer todos os esforços para se ver livre de dívidas. Descreve a forma como tem resolvido algumas questões económicas para pagar as suas dívidas. Dá nota de uma conversa com o arcebispo, em que este lhe perguntou sobre a venda de livros e se Cenáculo tinha também levado livros da Mesa. O arcebispo também o questionou relativamente a Luís de Morais que se queixara que lhe faltavam 383 obras as quais se tinham perdido por má arrecadação, e que tinha a notícia que se haviam vendido no Porto e outras terras. Afirma que respondeu ao Arcebispo que Luís de Morares dizia que há três anos se venderam aquelas obras, e que era preciso gastar algum tempo para averiguar a verdade, mas que tinha notícia certa que no Porto, Braga e Coimbra e Viseu se tinham vendido, não só 380 obras, mas mais de 1000. Diz a Cenáculo que precisava que este lhe enviasse a resposta ao que ele lhe perguntara acerca de Rolland. Informa que o irmão do Professor de Retórica de Beja esteve na Mesa e que tinha feito a queixa sobre as apostilhas, e revela o teor da conversa que teve com ele. Dá nota que lhe dissera que não fora ele que fizera o requerimento de queixa, mas João Roussado, e que este lhe dissera que o fizera a instâncias de Mayne. Dá notícias sobre assuntos eclesiásticos e que um padre fora degredado.

Lisboa, 23-06-1777

Carta onde dá a notícia de se ter imprimido um papel sobre a Aclamação da Rainha, no qual se diz muito mal do Rei Defunto e do Marquês de Pombal. Informa que ainda não o lera, mas que estava certo que se imprimiu com as licenças, mas que agora se alegava que não teve essas licenças, mas que o impressor está seguro com o «Pode Correr» na mão. Diz que também que se imprimiram mais 3 papéis com licenças, que indo ao Pode Correr ficaram retidos, e diz enviar a cópia do Aviso de Félix José para Amado. Informa que o Viana contra o Mayne, «e diz que todos, todos são uns patifes, e venais, que não há nem amizade, nem palavra, e só vale dinheiro». Informa, também, que o Vicente que vendia livros no Porto chegou a Lisboa onde se vai estabelecer, e que este esteve em Braga há pouco tempo, por conta de um frade Bento que esteve preso, e que naquele momento pregava em Braga, onde tinha feito uma sublevação contra os livros franceses. Comunica que na Universidade de Coimbra estão postos em «abominação Van Espen e Duprin, de sorte que certos confessores não querem absolver a quem os tem sem promessa de os queimar».

Lisboa, 01-07-1777

Carta onde começa por informar que no correio passado recebera a carta de Cenáculo à qual não pôde responder imediatamente por não ser ainda tempo. Informa que Caetano José Mendes tem estado doente e que por este motivo se atrasou a cópia de determinada obra. Fala sobre o arcebispo, dizendo que este traz sempre a cruz episcopal da parte de fora da murça, tal como Cenáculo fazia. Fala sobre um papel que se imprimiu na casa Miguel Monescal com todas as licenças, onde se «diz que o governo passado foi de ceptro de ferro, inimigo da religião, prevertedor dos costumes, inimigo da autoridade Pontificia, e Episcopal». Refere uma cópia de um aviso que o Sr. Povoa pediu, relatando pormenores acerca deste assunto.

Lisboa, 08-07-1777

Carta onde começa por confirmar a receção de uma de Cenáculo, datada de 27 de Junho, na qual diz ter encontrado boas notícias acerca do estado da saúde do bispo. Informa que na sexta-feira, dia 4 daquele mês, houve no Colégio dos Nobres a Oração pela Exaltação de Sua Majestade, embora fosse menor que noutras ocasiões. Descreve pormenorizadamente algumas questões que surgiram devido ao lugar que deveria ser ocupado por João Pereira Ramos e seu irmão. Revela que é voz quase pública que o P. Mayne tem “quebra no valimento” e se diz que está de conluio com o Núncio, para cuidar da extinção da Mesa Censória. Revela que o Conde de Atalaia, filho do Marquês de Marialva, considerou que não voltaria a entrar no Paço «homem mais honrado do que o Bispo de Beja, e o Mayne foi o homem mais patife para ele». Informa que na quinta-feira anterior lhe pediu Fr. Joaquim com muito empenho o livro de Cenáculo sobre as Memórias do Púlpito, e lhe dissera que foi o Rei quem lhe deu nota dele. Dá notícias sobre algumas pessoas.

Lisboa, 18-07-1777

Carta onde começa por dar nota de ter recebido uma de Cenáculo, que lhe agradece muito e que desde que este saiu, lhe tem escrito todos os correios. Afirma que tem falado com o Definidor Geral e lhe tem contado várias anedotas. Informa que no dia anterior se deram na Mesa os livros de Cenáculo e a Pastoral; que o Arcebispo não lhe tem falado mais nada, nem a respeito de livros, nem a respeito de ordens vocais, nem em coisa alguma. Conta que Caetano continua a acabar o papel. Pede a Cenáculo o favor de lhe mandar um livro, uma pastoral, e outras que ainda não viu. Revela que a Rainha, através de uma carta régia, declarou que o Bispo de Coimbra sempre cumpriu com as suas obrigações, e que lhe restituía todas as honras.

Ameixoeira, 22-07-1777

Carta onde começa por dizer que esteve com o mordomo de Cenáculo, a quem pediu para em seu nome beijar a mão de Cenáculo. Informa que o Mayne está «a ferro e fogo» contra o Sarmento, pois este quer dar certos privilégios a uns frades sem o ter participado a Mayne. Conta que a Pastoral que Cenáculo mandou distribuir na Mesa tem sido admirada. Afirma que a casa do Cardeal é uma palestra pública contra o Marquês de Angeja, e que os Castelo Melhor também falam claramente contra o Marquês. Sobre o Núncio revela que se diz que «blasfema contra a carta régia a respeito do Bispo de Coimbra». Dá notícias sobre uns ordenados que não foram pagos, e sobre a morte do Principal Costa. Informa que se encontrou com o Vieira, e que este lhe recomendou que buscasse bispo Penafiel e Mayne. Informa que o Arcebispo mandou embargar o Ordenado a José António de Sá para pagar as casas ao Visconde de Barbacena.

Lisboa, 29-07-1777

Carta onde começa por dar conta do que se passou numa reunião da Mesa em que se apresentou uma carta de Cenáculo a um professor de Gramática, com dois papéis para imprimir. Descreve pormenorizadamente o que se disse na Mesa pela forma como os papéis foram apresentados. Manifesta a Cenáculo a sua gratidão, tecendo algumas considerações sobre o comportamento de algumas pessoas. Fala de uma coleção de obras que se fazia no Colégio dos Nobres, mas que não se imprimiu porque a Junta do dito Colégio resolveu que não podia pagar a impressão, nomeadamente de obras Joaquim José, por ter criado mau ambiente. Informa que em consequência das ações deste professor de gramática, se determinou que nenhum professor remetesse carta à Mesa, se não pela mão do Reitor do Colégio. Afirma que o Bispo coadjutor de Coimbra e João Pereira Ramos se queixaram ao Rei de terem sido despedidos da Mesa, sendo que o Rei respondeu que não sabia disso, mas que ia perguntar à Rainha, voltando com a resposta de que nem ele nem a Rainha sabiam disso. Informa que foi logo dada ordem para saber a razão porque se não pagava o quartel aos deputados.

Lisboa, 05-08-1777

Carta onde começa por manifestar o seu contentamento por Cenáculo continuar a passar livre de moléstia. Informa que se fizeram os avisos a João Pereira Ramos e a seu irmão para irem assistir aos atos de História mas que estes se recusavam. Diz que «é voz geral» que o Penafiel e o Mayne é que instavam o Arcebispo vocalmente para haver por escusos aqueles dois deputados. Afirma que um bacharel se queixou que deixou na Alfândega, há três anos uns livros para revisão e só tinha recebido, em 22 de Maio de 1776 alguns, mas que lhe faltavam outros. Diz que lhe perguntaram por isso, e que respondeu que ia ver. Afirma que lhe entregaram dois róis, um com os livros que o tal bacharel pedia, outro dos que tinha recebido, e ainda um rol assinado por Cenáculo com a ordem para que se entregassem os livros neles contidos. Diz ter mostrado que nesse rol constavam 120 livros, e que agora o bacharel pedia, pelo que se depreendia dos 2 róis recentes, um total de 134 livros. Afirma que mostrou também que num rol se pediam livros, que noutro rol se verificava já estarem entregues, e que no rol se pedem livros que nunca pertenceram ao dito bacharel. Descreve com pormenor o que disse a este propósito na Mesa, afirmando que o bacharel agiu de má fé, assim como quem lhe entregou os livros. Afirma que em breve remeteria a Cenáculo o Original da Prosódia, e talvez o manuscrito de direito de que Cenáculo lhe falou.

Lisboa, 12-08-1777

Carta onde envia a Cenáculo os dois papéis impressos de que já lhe havia falado, que a Mesa suprimiu depois de lhe ter dado licença. Diz enviar também dois poemas: uma ode e uma décima, que considera que são os únicos que tem visto que lhe agradam especialmente, sobretudo a ode. Dá a notícia que o Arcebispo da Lacedemónia se queixou na Mesa por causa de umas bulas. Informa ter chegado aviso para que o filho do Desembargador António da Cunha ser admitido no Colégio dos Nobres. Comunica não ter respondido a Cenáculo sobre umas gazetas por não ter falado a Manuel P. Viana, mas que agora sabe que este não as tem mandado por um motivo diferente do que aquele que Cenáculo supunha; considera que o motivo disso terá a ver com a «ligação» deste a Mayen, que diz ser inimigo de Cenáculo. Escreve que a mulher e seu filho Manuel pedem a bênção de Cenáculo.

Lisboa, 12-08-1777

Carta onde informa sobre uma reunião da Mesa, onde o Arcebispo informou que o professor de Gramática do Colégio dos Nobres confessara ser verdade que uns colegiais que ele propusera para passar, não estavam capazes de o fazer, mas que apenas o dissera para que estes pudessem ter dois meses de férias. Informa que foi despachado na Mesa o Evangelho de S. Mateus da autoria do P. Sarmento, dando conta de algumas imperfeições da obra. Informa que Manuel Bernardo de Melo fora feito Visconde da Lourinhã. Dá várias notícias sobre a Corte, entre as quais a de que um Arrábido ou Capucho requereu à Rainha, do que foi aviso à Mesa Censória, para esta determinar à Junta de Subsídio para que passasse as ordens necessárias para que no Porto se embarcassem 20 pipas de vinho e 5 de vinagre, pertencentes aos ditos padres, sem pagarem o subsídio literário.

Lisboa, 19-08-1777

Carta onde informa que os livros pelos quais Cenáculo lhe perguntou existem, e que aguarda ordem de Cenáculo para os comprar logo. Dá várias notícias sobre a Corte e sobre uma reunião da Mesa em que lhe ordenaram, a ele e outras pessoas, que saíssem, falando dos receios que isto lhe coloca.

Lisboa, 26-08-1777

Carta onde informa que no dia anterior o Rocha dissera ao P. Tomás que lhe procurasse todos os livros que eram dos congregados, e que a Rainha lhos mandava dar. Informa que o Galhardo requereu que se lhe entregasse uma novena de Santa Bárbara, que a Mesa lhe suprimiu, e pelo que entende lhe vai ser dada, contrariando o que era hábito fazer-se. Comunica que em breve remeterá a Cenáculo o papel copiado. Informa que o manuscrito sobre a vida de D. Fernando, juntamente com a Crónica del Rei D. Pedro I, que tinha esperanças de lhe alcançar, já não tem essas esperanças porque o dono agora diz que quer pelos dois 12.800 réis. Descreve o estado das obras e pede ordens a este respeito a Cenáculo.

Lisboa, 02-09-1777

Carta onde diz que remeterá pelo correio o rol dos livros e seus preços. Dá notícias sobre o Colégio dos Nobres. Informa que no dia anterior fora à Mesa, para se reimprimir um compêndio doutrinal que em 1768 fora suprimido, dá pormenores sobre a sua análise na Mesa, dizendo que se perguntou quem foi o censor e, como tinha sido o bispo de Penafiel, sem mais análise se manteve a censura. Diz que apareceram também os Pensamentos Cristãos para se reimprimir, obra que também noutros tempos fora suprimida, mas que depois de se perguntar quem foi o censor, se decidiu ver de novo o livro. Revela que várias personalidades foram à Mesa, e que foram também à biblioteca, onde o Visconde e Marquês de Angeja perguntaram se ali também estavam os livros proibidos, ou se tinham ido todos para o papelão, e o P. Tomás lhe dissera que foram todos para o papelão. Informa que o frade Ruivo levou à licença dois tomos de novenas para todo o ano e que a Bíblia do P. Sarmento vai «correndo pelas licenças».

Lisboa, 09-09-1777

Carta onde informa que o livreiro Vicente que estava no Porto, veio para Lisboa estabelecer-se, e trouxe uma grande porção de livros em papel e que os pôs na revisão há mais de dois meses, acabando por pedir que se lhe dessem os que não levantavam qualquer dúvida. Informa que foi ordenado ao dito Vicente que fosse à Mesa buscar os livros, e que quando este lá chegou foi preso, sendo que uns dizem que foi por ordem da Mesa, outros por ordem da Rainha. Diz que na quinta-feira, dia de Mesa, nada se disse a este respeito. Informa que o tal livreiro trazia três ou quatro impressos na oficina de Camopim sem licença da Mesa. Fala da sua própria situação na Mesa, e das pessoas que concorreram para o inferiorizar. Afirma que já entregara ao Definidor Geral o original da Prosódia. Dá notícias da Corte dizendo que a Rainha viúva partiria para Castela a 25 de Outubro. Afirma que o Vicente é que lhe tinha prometido o rol dos livros de Direito, e que com aquela novidade da prisão do livreiro os buscaria por outra via para os remeter a Cenáculo. Diz que quanto aos manuscritos às Bibliotecas Lusitanas, deu a certeza de os querer por quatro moedas e meia.

Lisboa, 17-10-1777

Carta onde dá nota de ter chegado à cadeia do Limoeiro a 2 daquele mês, onde lhe fizeram perguntas a 3, a 6 e a 13, e que no dia 14 o tiraram do segredo, tendo sido informado que Sua Majestade o havia «despedido com ignomínia de Secretario da Mesa censória da Repartição dos Estudos: que saísse trinta léguas fora da Corte, com pena de 10 anos de Angola para nunca mais tornar a ela Lisboa, e Salvo o Direito às Partes, para haverem de mim os seus prejuízos». Pede a Cenáculo que o ilumine naquele momento, pois não tem conhecimento algum em qualquer lugar que diste 30 léguas de Lisboa. Descreve exaustivamente a sua situação e a saída de Lisboa e pede a proteção de Cenáculo.

Cadeia da Cidade, 21-10-1777

Carta onde revela que depois de ter escrito a última a Cenáculo tem resolvido, não lhe mandando Cenáculo o contrário, ir para o Rabaçal, a 4 léguas de Coimbra. Revela quem são as pessoas que o têm visitado na cadeia. Diz que os dois manuscritos estão certos e que quando sair os mandará entregar ao Defensor Geral. Pede, em seu nome, da sua mulher e do seu filho que lhe valha, porque se encontram abandonados por todos.

Ameixoeira, 28-10-1777

Carta onde começa por felicitar Cenáculo pelo aniversário da sua sagração como bispo. Revela ter recebido carta de António José Correia, e com esta a continuação dos benefícios de Cenáculo. Diz que agora que lhe deram melhores informações sobre Condeixa, está indeciso entre ir para o Rabaçal ou Condeixa, mas que irá para um destes locais cumprir o degredo. Diz que inicialmente ainda pensou levar a mulher e o filho, mas resolveu ir sozinho ficando a mulher na Ameixoeira onde tem casa e horta e mais algumas comodidades. Em P.S. diz que no dia anterior mandara entregar ao Definidor Geral os dois manuscritos.

Ameixoeira, 03-11-1777

Carta onde diz que não lhe tem sido possível enviar notícias, foi preso em Mértola pelo facto de não ter passaporte, de onde o Juiz de Fora o enviou para o Limoeiro. Descreve pormenorizadamente o interrogatório a que foi submetido, sobre a venda de livros. Diz ter confirmado a venda, mas que a quantia que é referida é falsa porque todos os livros da Companhia de Jesus recolhidos não valiam os 30 mil cruzados que lhe eram imputados. Prossegue dizendo que o Juiz o inquiriu com que ordem vendia os livros, ao que diz ter respondido que ninguém lhe dera ordem expressa, mas que havendo na Mesa um aviso para a venda, o fazia, sempre com ânimo de os pagar à Mesa. Afirma que o Juiz também lhe perguntou se sabia se Cenáculo levava livros da Mesa, o que confirmou, mas que quando Cenáculo foi para Beja os mandou restituir à Mesa em três carregamentos.

Ameixoeira, 04-11-1777

Carta onde anuncia que a 12 daquele mês parte para o seu degredo. Diz que tinha comprado as Bibliotecas Lusitanas para Cenáculo, guardadas em poder de João Evangelista, ao qual exigiram que as entregasse, o que fez, sendo remetidas para a Mesa Censória.

Ameixoeira, 11-11-1777

Carta onde comunica que no sábado anterior fora despedir-se do Definidor Geral e que no dia seguinte partiria para o Rabaçal. Pede a Cenáculo que não se esqueça de lhe valer, pois é o seu único amparo.

Rabaçal, 19-11-1777

Carta onde dá nota de no dia 19 daquele mês ter chegado ao Rabaçal. Informa também que na viagem recebeu bom acolhimento em Santarém da parte de Eloi José Gomes, e no Professor de Filosofia Francisco José da Costa.

Rabaçal, 19-12-1777

Carta onde conta o problema de saúde que o afetou, no dia dez do corrente. Descreve com pormenor o ataque de que foi vitima e o tratamento a que foi submetido pelo médico.

Rabaçal, 29-12-1777

Carta onde começa por desejar boas festas a Cenáculo. Revela que tem experimentado melhoras no estado de saúde, mas que continua sem conseguir mover o braço e perna esquerda. Diz estar em cuidados por não saber se Cenáculo terá recebido uma carta que lhe enviara, que continha «coisas de importância». Diz que ele, e a mulher em Lisboa estão em grandes dificuldades, pois a sua doença levou o dinheiro que tinha reservado para viver durante seis meses no Rabaçal.

Ameixoeira, 09-02-1778

Carta onde revela que no dia anterior chegou à Ameixoeira, não foi para a sua quinta, pois ainda continuava o sequestro, mas para umas casas que lhe emprestaram. Diz que quando chegou lhe entregaram logo a carta de Cenáculo, pela qual lhe beija a mão. Volta a mostrar-se preocupado com a desconfiança de que Cenáculo não ter recebido uma carta que lhe enviara antes de adoecer.

Ameixoeira, 23-03-1778

Carta onde volta a falar da carta que tinha enviado a Cenáculo, dizendo que fez as diligências necessárias para saber se esta lhe fora, ou não, entregue, e que descobriu que não tinha sido. Conta o que se passou no sequestro da sua casa, afirmando que até a roupa que estava para ir para a lavadeira levaram, e nem uma cadeira deixaram. Descreve em pormenor os acontecimentos decorrentes da penhora dos seus bens. Diz que dadas as suas dificuldades põe nas mãos de Cenáculo um rol, pedindo-lhe que lhe faça esmola de 80 moedas de oiro pela Páscoa, e pelo Natal o resto, para que possa fazer um negócio que é pôr uma fábrica de pão. Diz compreender a dificuldade que tal pedido representa para Cenáculo, mas que a necessidade a isso o obriga. Informa também que estão vivendo do produto da venda de algumas roupas que conseguiu colocar a venda antes da penhora.

Ameixoeira, 14-09-1778

Carta onde revela ter experimentado algum alívio, uma vez que a sua mulher e cunhadas receberam umas tenças, no valor de 350.000 réis. Dá pormenores sobre estas tenças e sua cobrança.

Ameixoeira, 22-09-1778

Carta onde diz que a 17 daquele mês, recebeu pela mão do Definidor Geral 20 moedas de ouro, as quais agradece a Cenáculo. Descreve de forma exaustiva a sua situação em termos económicos, as dívidas e obrigações económicas, a que tem de fazer frente, e pede a Cenáculo que lhe envie determinada quantia. Dá notícia de ter morrido naquela terra um clérigo comendador de Malta.

Ameixoeira, 29-12-1778

Carta em que começa por desejar a Cenáculo boas festas por ocasião do Natal. Revela que na véspera de Natal lhe forma entregar todos os seus bens consistentes em lã, linho, ou seda, tendo os restantes ficado penhorados, com esperanças de lhe serem entregues depois da festa. Diz que as suas dependências começam a tomar uma feição mais favorável e justa.

Ameixoeira, 26-07-1779

Carta onde confirma ter recebido uma de Cenáculo, e também outra de um credor. Expõe-lhe a sua situação, pedindo-lhe que o auxilie concedendo-lhe a mercê que lhe tem pedido. Conta o que se tem passado com um frade terceiro e a irmã desse frade naquela terra, que tem posto toda a terra em alvoroço, narrando que o frade tinha congeminado que a irmã estava possuída pelo diabo.

Ameixoeira, 09-08-1779

Carta onde começa por falar do difícil estado de saúde da sua mulher, que decorre da sua debilidade, provocada pela falta do sustento devido. Confirma ter recebido pela mão do Definidor Geral 12 moedas de ouro, pelas quais beija a mão a Cenáculo. Fala pormenorizadamente da sua situação económica e envia um mandado. Pede a Cenáculo que lhe envie determinada quantia, pois é a única forma de arranjar meios para subsistir, roga-lhe em seu nome e da sua mulher que lhe faça essa a mercê.

Ameixoeira, 06-12-1779

Carta onde afirma ter recebido outra de Cenáculo datada de 19 de Novembro. Diz ter sido entregue da mercê que Cenáculo lhe fizera, agradecendo-lha muito. Diz que até naquele lugar chegam notícias das boas obras de Cenáculo no seu bispado. Dá notícias do mau estado de saúde da mulher. Diz que pôde comprar ao filho uma seleta e os exercícios de língua latina.

Ameixoeira, 24-01-1780

Carta onde dá nota que, depois dos requerimentos que fez à Junta do Subsídio Literário, a respeito dos seus bens móveis, se determinou que estes se vendessem. Relata alguns dos bens que se incluem nesta venda. Queixa-se que esses bens foram avaliados em 75$760 reis, menos de metade do que aquilo que valem. Pede a Cenáculo as vinte moedas que param em seu poder, com a maior brevidade possível, para valer a mais esta dificuldade que enfrenta.

Ameixoeira, 15-02-1780

Carta onde se desculpa por importunar Cenáculo, mas que o aperto em que se vê a isso o obriga. Descreve a sua difícil situação. Pede a Cenáculo que lhe faça o favor e a esmola de lhe mandar as 20 moedas que lhe suplicou.

Ameixoeira, 13-03-1780

Carta onde agradece a mercê que Cenáculo lhe fez. Diz que a sua doença o afligiu novamente e o reduziu a um estado deplorável. Informa que a mulher, sem ele o saber, mandou pedir uma esmola ao P. Francisco, pois estavam há mais de 48 horas sem pão. Pede a Cenáculo qualquer socorro que lhe possa dar e comunica que tem a intenção de pedir à Junta certidão do que está a dever, para ver se arranja modo de se livrar da fome pois, como escreve, «há mais de oito dias que não como senão feijões fradinhos, sardinhas, ervas, e castanhas piladas; e nenhuma outra coisa se tem comido na minha casa toda esta quaresma».

Ameixoeira, 22-10-1781

Carta onde deseja a Cenáculo muitas felicidades, por mais um o aniversário da sua sagração. Diz que tem levado uma vida triste e miserável por causa das suas dívidas e a forma como são executadas. Dá a notícia de o seu filho ir estudando latim e que para isso, não lhe pode comprar mais do que o primeiro tomo das seletas, a arte do P. António Pereira, as palavras familiares, e o Livro das Partículas de Lingoa Latina. Pede a Cenáculo esmola para comprar ao menos o Dicionário de Fonseca, mais algum tomo da seleta, um Vergílio e um Horácio. Diz que se pudesse também lhe compraria um livro de arquitetura, pois unicamente tem os Elementos de Euclides.

Ameixoeira, 03-04-1783

Carta onde dá nota que o papel sobre o qual tinha falado anteriormente está copiado, e o irá remeter pelo afilhado de Cenáculo a Joaquim Filipe. Diz que naquele momento está a copiar A Viagem do Rio Grande. Afirma que assim que acabe essa obra irá copiar outra, da que assegura não existir cópia alguma, e a original, pertencente ao cartório daquela igreja está em seu poder para copiar, com o título: «Lustrações da Confraria de Nossa Senhora da Ameixoeira Extramuros de Lisboa por António Borges Ribeiro, ano de 1692». Diz que se trata de obra muito interessante parta a história secular e eclesiástica. Da nota que depois deste copiará outro intitulado: Notícia da Igreja Paroquial de N. Sr.ª da Encarnação do Lugar de Ameixoeira, que trata da história e inventário do cartório no ano de 1675. Conta a Cenáculo uma notícia que muito o alegrou, dizendo que estando juntos o Rei, a Rainha e o Príncipe, este último instou a que o Arcebispado de Évora, que se encontrava vago, fosse entregue ao bispo de Beja.

Ameixoeira, 28-10-1785

Carta onde felicita Cenáculo por mais um o aniversário da sagração como bispo. Afirma que há tempos foi a sua casa Joaquim Filipe, que lhe entregou a esmola avultada que Cenáculo lhe fez. Diz ter recebido também com a sua carta três pastorais, que elogia. Descreve os trabalhos que o têm ocupado, e compromete-se a tentar enviar as cópias de que tem falado a Cenáculo por alturas do Natal.

Ameixoeira, 02-01-1786

Carta onde começa por cumprimentar Cenáculo, desejando que tivesse tido umas boas festas pelo Natal e tenha felicidades para o novo ano. Remete a cópia de um manuscrito, dizendo que brevemente irão outras e juntamente com esta cópia envia um pergaminho, para que Cenáculo o veja, e volte a remeter-lho, pedindo-lhe que veja a que século poderá pertencer o dito pergaminho.

29-01-1786

Carta onde dá nota de ter recebido a notícia de que a Rainha despachara para a Relação um sobrinho de José Ricalde, que não tinha ainda vinte anos. Informa também da prisão de António Seabra, escrivão da Inconfidência. Dá algumas notícias que tem sabido da corte. Em P.S. diz que o filho, Manuel está a copiar os manuscritos e que em breve lhos remeterá.

Lisboa, 24-06-1766

Termo lavrado aos 24 dias do mês de Junho de 1766, em Lisboa e com várias assinaturas, onde se declara que o meirinho da Diretoria Geral dos Estudos do Reino apresentou ao preso Francisco José Soares uma ordem, para que nunca mais, daquele dia em diante e para todo o sempre, voltasse à vila de Santarém e suas vizinhanças.

Vila Franca de Xira, 07-01-1772

Carta de Manuel Vieira de Mendonça, a Alexandre Manuel, com a resposta a uma acusação que lhe é feita por João Paulo de Sousa e Mello, tal como lhe fora solicitado. A questão relaciona-se com umas licenças para ensinar Gramática naquela vila. Na resposta indica tudo quanto obrou a este respeito.

Lisboa, 18-01-1772

Carta do Marquês de Pombal a D. Frei Manuel do Cenáculo, determinando que enquanto Cenáculo se demorar em Salvaterra de Magos, seja substituído na Mesa Censória pelo Bispo de Lacedemónia.

Lisboa, 18-01-1772

Carta do Marquês de Pombal a D. Frei Manuel do Cenáculo, determinando que se conceda licença ao Professor de Fisica do Coléguio dos Nobres para se ausentar durante oito meses.

Torres Vedras, 05-02-1772

Carta João José de Maria a Alexandre Faria Manuel onde informa que as provisões, que lhe forma ordenadas pela Mesa, foram realizadas pelo juiz de fora devido a um embaraço que teve.

Lisboa, 04-01-1773

Carta do Marquês de Pombal a D. Frei Manuel do Cenáculo, determinando que enquanto Cenáculo se demorar em Salvaterra de Magos, seja substituído na Mesa Censória pelo Bispo de Lacedemónia.

Portalegre, 11-01-1775

Carta onde Álvaro Luís de Guerra Ferreira Vinagre, professor de Retórica de Portalegre dá conta do progresso dos estudantes que tem a cargo.

Colégio dos Nobres, 21-03-1775

Carta de José Dias Pereira, dirigida ao Senhor Secretário da Mesa Censória, onde pede instruções sobre se deve, ou não, comungar um colegial. Diz que naquela tarde receberam a visita do Mordomo-mor e sua mulher e dá conta de algumas circunstâncias decorrentes dessa visita.

Lisboa, 06-04-1775

Documento sobre as raridades «da humana e provida natureza». Tem a encimar o texto uma imagem de uma cabeça com duas faces. O documento tem licença para se imprimir de 6-04-1775.

Ameixoeira, 15-07-1777

Carta de Alexandre Manuel, a Frei Vicente Salgado. Começa por confirmar a receção de uma que este lhe envio. Revela que o P. Rocha no Sábado anterior fora nomeado provincial por votos, e que o Póvoa tem recebido muitos elogios. Informa que o Cenáculo começa a recuperar uma grande fama de virtuoso e honrado, mas que o P. Bento e o P. Secretário Manuel Joaquim se opuseram, publicando, principalmente o primeiro, que o bispo é um ignorante e ambos dizem que o Bispo não tem religião. Conta a este propósito uma conversa com o P. do Vale, em que atestou a honra e bom nome de Cenáculo. Afirma que não se esquecerá da encomenda da Écloga.

Cadeia da cidade, 21-10-1777

Carta dirigida a Fr. Vicente Salgado, onde dá conta da sua situação e da obrigação de sair da Corte 30 léguas. Diz que os seus inimigos já estarão satisfeitos, e que Fr. Gregório Ancora, Rolland e outros juraram entre outras coisas, que ele vendera da Mesa mais de 30 mil cruzados de livros e havia quem dissesse que ele se teria apoderado de mais de 800 mil cruzados de livros que teria vendido.

Lisboa, 29-02-1780

Carta de Francisco António da Fonseca a D. Maria Joaquina de Mascarenhas, mulher de Alexandre Ferreira, carta onde envia um auxílio monetário, 840 réis.

Alenquer, 20-01-1785

Carta de Fernando (?) da Cunha e Brito, dirigida a Alexandre Ferreira de Faria Manuel, onde diz ter recebido duas que este lhe dirigiu, e onde afirma ter ido a Lisboa fazer o determinado.

Palácio da Ajuda, 14-01-1786

Cópia de carta com determinações da Rainha em relação à sentença do Conselho de Justiça sobre o procedimento dos oficiais encarregados do governo, conservação e defesa da Ilha de Santa Catarina.

Sl. Sd.

Carta João António Sanches, dirigida a Alexandre Ferreira de Faria Manuel, onde fala do Bispo de Beja e de este ter ido ao Palácio de Vila Viçosa, onde esteve com Suas Majestades.

Sl. Sd.

Documento contendo as contas de custas com uma carta de familiar; contém os preços de custo das cartas.

Notes

1 Referência à renda que o Colégio dos Nobres tinha na Sé de Évora, de 20 moios de trigo e que era antiga renda da Universidade de Évora (cf. Vaz. F. e Pereira, 2012, p. 522.)

2 Trata-se provavelmente da obra de Giovanni Pietro Pinamonti (1632-1703): Exorcista rite’edoctus (1690).

3 Termo latino que pode ser traduzido por mistura, miscelânea.

© Publicações do Cidehus, 2018

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search