Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Conceitos, técnicas e práticas da promoção da leitura em bibliotecas

Aspectos a considerar no acesso à leitura de fundos documentais de livro antigo

Tânia Rico

Résumé

O presente trabalho insere-se no âmbito dos estudos de história do Livro Antigo, sendo o seu objecto de análise o estudo das colecções patrimoniais existentes nas Bibliotecas e o acesso à sua leitura. Estas colecções constituídas por diversas secções variadas na sua tipologia documental: Impressos, Manuscritos, Pergaminhos, Música, Cartografia, etc; apresentam várias variantes que condicionam o seu acesso e divulgação. É neste âmbito que esta comunicação visa propor alguns dos aspectos a considerar no acesso à leitura destes fundos documentais de Livro Antigo. Esta proposta apresentará soluções no âmbito da preservação e conservação documental, do estudo e organização do acervo documental, do seu tratamento técnico e da gestão das colecções e da divulgação/difusão da colecção patrimonial. Serão analisados os projectos e medidas existentes nesta área a nível nacional e internacional, que incidirão por exemplo em temáticas como a preservação do Livro Antigo, Bibliotecas Digitais, redes de cooperação e grupos de trabalho, etc. Abordar um caminho que forneça direcções a tomar no âmbito do acesso e da promoção da leitura de modo a tornar as colecções patrimoniais de Livro Antigo um “novo” ponto da investigação científica a nível nacional e internacional, e uma mais-valia no panorama do património cultural nacional e internacional.

This work is part of the studies of history of ancient books, and the object of analysis the study of collections in libraries existing property and access to its reading. These collections consist of several different sections in your document type: Printed, Manuscripts, Parchment, Music, Cartography, etc. have several variants that affect their access and disclosure. It is in this context that this study proposes to consider some aspects of access to reading these funds for Ancient Book. This proposal will present solutions in the context of preservation and conservation documentary, the study of the documentary collection and organization of technical treatment and management of collections and the dissemination/diffusion of the collection sheet. Will consider the projects and measures in this area nationally and internationally, that focus on such issues as the preservation of ancient books, digital libraries, networks of cooperation and working groups, etc.. Addressing a way that provides measures to be taken under the access and the promotion of reading to make the collections of ancient books property a “new” point of scientific research at national and international level, and an added value in the heritage landscape national and international cultural.

Texte intégral

1A riqueza e unicidade de uma biblioteca depende muito da composição da sua colecção de Livro Antigo, contudo só a correcta gestão e divulgação desse património bibliográfico lhe permite usufruir plenamente desse estatuto. Para a plena exploração dessa colecção patrimonial há que desenvolver um plano estratégico pois devido às suas particularidades, o livro antigo, distingue-se do livro moderno, pelas suas características próprias, pelo seu tratamento documental, pelas condições necessárias à sua preservação e conservação, pelo acesso à sua leitura e às formas de divulgar e difundir esse património.

2Para o estudo, organização e tratamento documental da colecção patrimonial é necessário bibliografia que nos enquadre nos aspectos gerais da história do Livro, tais como, a escrita e os suportes gráficos – o pergaminho e o papel, a evolução do códice ao livro impresso, a tipografia na Europa e em Portugal, o Livro Antigo – conceito, caracterização e especificidades, a evolução e organização do livro impresso e os aspectos externos do livro: ex-libris, proveniências, anotações manuscritas, a encadernação; e na descrição, estudo e catalogação do Livro Antigo através da aprendizagem das características e particularidades existentes nesta área específica que nos é reportada através de estudos de caso e de fontes de referência – catálogos, inventários e bibliografias e da utilização de literatura normativa – as Regras Portuguesas de Catalogação – RPC, a ISBD (A).

3O valor do acervo documental de Livro Antigo só é conhecido através da análise e estudo do contexto da instalação e proveniência do espólio, integrando-o sempre porém de acordo com o enquadramento histórico da entidade bibliotecária em que se encontra depositado. O destino das bibliotecas conventuais após o triunfo do liberalismo sugere-nos importantes pistas sobre possíveis incorporações desses fundos (BARATA, 2003) e é fundamental consoante a natureza da Biblioteca rever a documentação, se existente, das incorporações documentais efectuadas ao longo da sua história. As incorporações por motivo de doação determinam devido às características pessoais dos seus possuidores, a natureza dos conteúdos do acervo e é fundamental elaborar uma biografia dos mesmos, de modo a contextualizar a proveniência da colecção e deve-se sinalizar cada documento ofertado com o nome do doador. Muitas das vezes a maior parte das grandes doações vêm assinaladas com a marca de posse bibliográfica – Ex-Libris, a qual é uma marca escrita ou desenhada que indica o nome da pessoa ou livraria a quem pertenceu o livro, e normalmente surge no princípio, frontispício ou guarda de um livro. Normalmente a composição do ex-libris já permite vislumbrar e caracterizar a personalidade do seu possuidor, nomeadamente as suas tendências culturais e artísticas e os seus ideais. A proveniência da colecção patrimonial é estruturante no âmbito da elaboração da sua história e um dos primeiros passos a dar para se poder organizar todo o acervo.

4A caracterização da colecção patrimonial através dos instrumentos biblioteconómicos normalizados e a produção de instrumentos de difusão são fundamentais para o acesso à leitura e à divulgação dos fundos de Livro Antigo. Devido às suas especificidades a nível do aspecto material e formal, a análise, identificação e descrição do livro antigo é uma tarefa que exige concentração e vários conhecimentos, dos quais destacamos como fundamental o domínio do latim. A nível do aspecto material há a considerar vários aspectos: o tipo de suporte (pergaminho ou papel); a estrutura física (o formato e o caderno); a construção da página; o sistema gráfico (a escrita, os caracteres de imprensa, a ilustração); a encadernação; o processo tipográfico. A nível formal, a identificação e entendimento dos vários elementos (ex. privilégio, licença, colofão, etc.) que compõem o livro antigo são fundamentais para a descrição catalográfica do exemplar. O tratamento documental do livro antigo é a base para uma correcta gestão e divulgação do acervo, pois é este que permite construir os instrumentos que conduzem à localização, identificação e difusão do livro antigo. A catalogação do livro antigo é regularizada pelas normas nacionais e internacionais – Regras Portuguesas de Catalogação (RPC) e pela ISBD (A), e é fundamental a sua utilização de modo a ser uniforme e normalizada a descrição bibliográfica automatizada para efeitos de inserção em bases de dados nacionais e internacionais. A descrição do exemplar também sofre alterações conforme seja impresso ou manuscrito, e conforme a natureza do documento (ex. monografia, periódico, estampa, cartografia, música), onde se deverá utilizar em paralelo à ISBD (A), as ISBD’s correspondentes.

5A identificação do documento para posterior localização depende das próprias características do exemplar. Comummente recomenda-se que o n.º de registo seja colocado a lápis no verso da página de rosto de modo a não perturbar a beleza e leitura desta (PEDRAZA, 2003). O carimbo de propriedade deverá ser de tinta indelével não gordurosa, o mais pequeno e discreto possível e colocar-se no verso da página de rosto e na última página com texto, e no reverso de mapas e gravuras, normalmente os materiais mais apetecíveis de furtar. A etiqueta nunca deverá tapar qualquer informação constante da lombada do livro, e não ser utilizada quando a encadernação é de qualidade superior. A etiqueta deverá ser não agressiva e fácil de descolar, recomendando-se que a cota do livro seja sempre referenciada na primeira folha do exemplar, excepto se esta for a da página de rosto. No caso dos manuscritos ou de documentação solta, deverá sempre marcar-se a lápis a numeração das páginas caso não a possuam, de modo a evitar perdas ou a saída de ordem das páginas do exemplar.

6A localização das obras e a sua facilidade de acesso dependem muito dos instrumentos existentes na Biblioteca para tal. É neste âmbito que um trabalho de catalogação automatizada de todo o acervo documental antigo é fundamental para garantir um rápido acesso à informação que o leitor requeira. Através dessa catalogação, é possível não só disponibilizar um catálogo em base de dados, mas também criar índices (ex. autores) e bibliografias. É essencial em qualquer biblioteca a catalogação de todo o acervo, contudo devido ao grau moroso desta tarefa e normalmente os poucos recursos humanos existentes, recomendamos que se tal for o caso se elabore uma descrição abreviada (título, autor, ano, local, tipografia e localização da obra) de modo a ser possível fazer uma pesquisa através destes indicadores.

7Outra questão é a da preservação e conservação destes documentos, os quais requerem tratamento especial e adequado conforme a tipologia dos materiais que os compõem. Há que ter em atenção a colocação, limpeza, o controlo da humidade e temperatura, a poluição ambiental, a iluminação, o controlo dos perigos de contaminação (ex. oxidação, bactérias, fungos, insectos) e a segurança (ex. incêndios, inundações, furto) dos documentos (MARSÁ VILLA, 1999).

8A forma primordial de acesso à leitura, é através do utilizador presencial e há que implantar os mecanismos adequados a essa consulta de modo a não haver riscos de prejuízo ou deterioração do livro antigo. Esta consulta deverá ser sempre de acesso restrito e só acedida por um determinado grupo de utilizadores, nomeadamente investigadores e que necessitem mesmo de consultar os documentos. Se for caso disso, a biblioteca poderá instituir um horário próprio para essa consulta e solicitar ao investigador os documentos que achar necessário para permitir o acesso às colecções. Na leitura presencial o primeiro passo é a consulta do catálogo e de outros instrumentos existentes (ex. Bibliografias, repertórios), e quando da disponibilização da obra deverá ser preenchida uma ficha de consulta (onde estarão previamente assinalados pelo funcionário os dados da obra) pelo utilizador onde indicará os seus dados pessoais e o motivo da consulta. A manipulação das obras deverá ser sempre efectuada pelo utilizador e funcionário de luvas de algodão de modo a não provocar danos na obra. Muitas vezes, por questões de preservação da obra, esta só poderá ser consultada através de suportes alternativos, isto é através de reproduções, como é o caso dos microfilmes, facsimiles e digitalização de imagens. No caso das consultas não presenciais, o serviço de referência da biblioteca deverá estar preparado e organizado para fornecer uma resposta rápida para os pedidos referentes às colecções de livro antigo.

9Quando são solicitadas reproduções pelos utilizadores terá de ser verificado a questão dos direitos de autor e várias são as formas de disponibilização da cópia: facsimile, imagem digitalizada, microfilme, fotografia, diapositivo ou fotocópia através das reproduções existentes. Quando a biblioteca não possui instrumentos de reprodução deverá estabelecer com um laboratório privado que os possua, um acordo para a elaboração das cópias que sejam solicitadas pelos seus utilizadores.

10No âmbito da divulgação da colecção patrimonial, a qual é fundamental para o acesso e difusão dos fundos, há vários veículos a considerar e a ter sempre em atenção as questões relativas à questão dos direitos de autor. Existem no nosso país alguns projectos a decorrer que incidem sobre estas temáticas e nos quais as bibliotecas poderão participar, como é o caso do PATRIMONIA (Património Bibliográfico Nacional na Internet) o qual é desenvolvido pela Biblioteca Nacional de Portugal (CAMPOS, 2009) ou tomar como exemplo a nível internacional, o ARIADNA (Biblioteca Nacional de Espanha) ou o REBIUN (Red de Bibliotecas Universitarias) os quais são projectos centrados no património bibliográfico espanhol e na sua divulgação (HERRERAS MORILLAS, 2003). A participação da biblioteca em grupos de trabalho e redes de cooperação que incidam sobre o Livro Antigo é importante para a constante actualização dos conhecimentos sobre esta temática e projectos que existam ou vão surgindo.

11Outra alternativa é a edição de catálogos ou CD-ROM com base nas colecções patrimoniais existentes, assim como a elaboração de exposições temáticas ou participação em exposições de outras entidades. Um dos veículos mais eficazes é realmente a criação na página web da biblioteca ou em página própria, de uma secção dedicada ao fundo antigo onde conste a caracterização deste, destacando-se os documentos mais interessantes, e se existente, disponibilizar ou criar um link para o catálogo automatizado onde constem a obras desse acervo.

12Para além das necessidades especiais em relação à preservação, conservação e tratamento documental do Livro Antigo, a sua acessibilidade e disponibilidade para leitura também implica seguir determinados procedimentos os quais passam pelo próprio espaço onde estão organizados e localizados, pela forma de acesso a esses fundos e as condições em que se devem realizar e reproduzir. Fundamental, é a aposta na difusão do acervo documental através dos veículos existentes: catálogos e bases de dados, bibliografias, projectos científicos, redes de cooperação, grupos de trabalho, webs de bibliotecas, exposições, directórios de recursos, CD-ROM, etc.

Bibliographie

Referências bibliográficas

BARATA, Paulo J. S. – Os livros e o liberalismo: da livraria conventual à biblioteca pública. Lisboa: BN, 2003.

CAMPOS, Fernanda – Patrimonia: livro antigo: valorização do patrimonio bibliográfico nacional na Internet [Em linha]. [Consult. 27 de Agosto 2009]. Disponível em www: http://www.purl.pt/6393/1/comunicacoes/ProjectoPATRIMONIA.pps

HERRERA MORILLAS, José Luis – Tratamiento y difusión digital del libro antiguo: directrices metodológicas y guía de recursos. Gijón: Trea, 2004.

MARSÁ VILLA, María – El fondo antiguo en la biblioteca. Gijón: Trea, 1999.

PEDRAZA, Manuel; CLEMENTE, Yolanda; GOMÉZ, Fermín – El libro antiguo. Madrid: Editorial Síntesis, 2003.

Auteur

Bibliotecária – Biblioteca Municipal de Elvas.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr