Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Conceitos, técnicas e práticas da promoção da leitura em bibliotecas

Aspectos a considerar no acesso à leitura de fundos documentais de livro antigo

Tânia Rico

Résumé

O presente trabalho insere-se no âmbito dos estudos de história do Livro Antigo, sendo o seu objecto de análise o estudo das colecções patrimoniais existentes nas Bibliotecas e o acesso à sua leitura. Estas colecções constituídas por diversas secções variadas na sua tipologia documental: Impressos, Manuscritos, Pergaminhos, Música, Cartografia, etc; apresentam várias variantes que condicionam o seu acesso e divulgação. É neste âmbito que esta comunicação visa propor alguns dos aspectos a considerar no acesso à leitura destes fundos documentais de Livro Antigo. Esta proposta apresentará soluções no âmbito da preservação e conservação documental, do estudo e organização do acervo documental, do seu tratamento técnico e da gestão das colecções e da divulgação/difusão da colecção patrimonial. Serão analisados os projectos e medidas existentes nesta área a nível nacional e internacional, que incidirão por exemplo em temáticas como a preservação do Livro Antigo, Bibliotecas Digitais, redes de cooperação e grupos de trabalho, etc. Abordar um caminho que forneça direcções a tomar no âmbito do acesso e da promoção da leitura de modo a tornar as colecções patrimoniais de Livro Antigo um “novo” ponto da investigação científica a nível nacional e internacional, e uma mais-valia no panorama do património cultural nacional e internacional.

Texte intégral

1A riqueza e unicidade de uma biblioteca depende muito da composição da sua colecção de Livro Antigo, contudo só a correcta gestão e divulgação desse património bibliográfico lhe permite usufruir plenamente desse estatuto. Para a plena exploração dessa colecção patrimonial há que desenvolver um plano estratégico pois devido às suas particularidades, o livro antigo, distingue-se do livro moderno, pelas suas características próprias, pelo seu tratamento documental, pelas condições necessárias à sua preservação e conservação, pelo acesso à sua leitura e às formas de divulgar e difundir esse património.

2Para o estudo, organização e tratamento documental da colecção patrimonial é necessário bibliografia que nos enquadre nos aspectos gerais da história do Livro, tais como, a escrita e os suportes gráficos – o pergaminho e o papel, a evolução do códice ao livro impresso, a tipografia na Europa e em Portugal, o Livro Antigo – conceito, caracterização e especificidades, a evolução e organização do livro impresso e os aspectos externos do livro: ex-libris, proveniências, anotações manuscritas, a encadernação; e na descrição, estudo e catalogação do Livro Antigo através da aprendizagem das características e particularidades existentes nesta área específica que nos é reportada através de estudos de caso e de fontes de referência – catálogos, inventários e bibliografias e da utilização de literatura normativa – as Regras Portuguesas de Catalogação – RPC, a ISBD (A).

3O valor do acervo documental de Livro Antigo só é conhecido através da análise e estudo do contexto da instalação e proveniência do espólio, integrando-o sempre porém de acordo com o enquadramento histórico da entidade bibliotecária em que se encontra depositado. O destino das bibliotecas conventuais após o triunfo do liberalismo sugere-nos importantes pistas sobre possíveis incorporações desses fundos (BARATA, 2003) e é fundamental consoante a natureza da Biblioteca rever a documentação, se existente, das incorporações documentais efectuadas ao longo da sua história. As incorporações por motivo de doação determinam devido às características pessoais dos seus possuidores, a natureza dos conteúdos do acervo e é fundamental elaborar uma biografia dos mesmos, de modo a contextualizar a proveniência da colecção e deve-se sinalizar cada documento ofertado com o nome do doador. Muitas das vezes a maior parte das grandes doações vêm assinaladas com a marca de posse bibliográfica – Ex-Libris, a qual é uma marca escrita ou desenhada que indica o nome da pessoa ou livraria a quem pertenceu o livro, e normalmente surge no princípio, frontispício ou guarda de um livro. Normalmente a composição do ex-libris já permite vislumbrar e caracterizar a personalidade do seu possuidor, nomeadamente as suas tendências culturais e artísticas e os seus ideais. A proveniência da colecção patrimonial é estruturante no âmbito da elaboração da sua história e um dos primeiros passos a dar para se poder organizar todo o acervo.

4A caracterização da colecção patrimonial através dos instrumentos biblioteconómicos normalizados e a produção de instrumentos de difusão são fundamentais para o acesso à leitura e à divulgação dos fundos de Livro Antigo. Devido às suas especificidades a nível do aspecto material e formal, a análise, identificação e descrição do livro antigo é uma tarefa que exige concentração e vários conhecimentos, dos quais destacamos como fundamental o domínio do latim. A nível do aspecto material há a considerar vários aspectos: o tipo de suporte (pergaminho ou papel); a estrutura física (o formato e o caderno); a construção da página; o sistema gráfico (a escrita, os caracteres de imprensa, a ilustração); a encadernação; o processo tipográfico. A nível formal, a identificação e entendimento dos vários elementos (ex. privilégio, licença, colofão, etc.) que compõem o livro antigo são fundamentais para a descrição catalográfica do exemplar. O tratamento documental do livro antigo é a base para uma correcta gestão e divulgação do acervo, pois é este que permite construir os instrumentos que conduzem à localização, identificação e difusão do livro antigo. A catalogação do livro antigo é regularizada pelas normas nacionais e internacionais – Regras Portuguesas de Catalogação (RPC) e pela ISBD (A), e é fundamental a sua utilização de modo a ser uniforme e normalizada a descrição bibliográfica automatizada para efeitos de inserção em bases de dados nacionais e internacionais. A descrição do exemplar também sofre alterações conforme seja impresso ou manuscrito, e conforme a natureza do documento (ex. monografia, periódico, estampa, cartografia, música), onde se deverá utilizar em paralelo à ISBD (A), as ISBD’s correspondentes.

5A identificação do documento para posterior localização depende das próprias características do exemplar. Comummente recomenda-se que o n.º de registo seja colocado a lápis no verso da página de rosto de modo a não perturbar a beleza e leitura desta (PEDRAZA, 2003). O carimbo de propriedade deverá ser de tinta indelével não gordurosa, o mais pequeno e discreto possível e colocar-se no verso da página de rosto e na última página com texto, e no reverso de mapas e gravuras, normalmente os materiais mais apetecíveis de furtar. A etiqueta nunca deverá tapar qualquer informação constante da lombada do livro, e não ser utilizada quando a encadernação é de qualidade superior. A etiqueta deverá ser não agressiva e fácil de descolar, recomendando-se que a cota do livro seja sempre referenciada na primeira folha do exemplar, excepto se esta for a da página de rosto. No caso dos manuscritos ou de documentação solta, deverá sempre marcar-se a lápis a numeração das páginas caso não a possuam, de modo a evitar perdas ou a saída de ordem das páginas do exemplar.

6A localização das obras e a sua facilidade de acesso dependem muito dos instrumentos existentes na Biblioteca para tal. É neste âmbito que um trabalho de catalogação automatizada de todo o acervo documental antigo é fundamental para garantir um rápido acesso à informação que o leitor requeira. Através dessa catalogação, é possível não só disponibilizar um catálogo em base de dados, mas também criar índices (ex. autores) e bibliografias. É essencial em qualquer biblioteca a catalogação de todo o acervo, contudo devido ao grau moroso desta tarefa e normalmente os poucos recursos humanos existentes, recomendamos que se tal for o caso se elabore uma descrição abreviada (título, autor, ano, local, tipografia e localização da obra) de modo a ser possível fazer uma pesquisa através destes indicadores.

7Outra questão é a da preservação e conservação destes documentos, os quais requerem tratamento especial e adequado conforme a tipologia dos materiais que os compõem. Há que ter em atenção a colocação, limpeza, o controlo da humidade e temperatura, a poluição ambiental, a iluminação, o controlo dos perigos de contaminação (ex. oxidação, bactérias, fungos, insectos) e a segurança (ex. incêndios, inundações, furto) dos documentos (MARSÁ VILLA, 1999).

8A forma primordial de acesso à leitura, é através do utilizador presencial e há que implantar os mecanismos adequados a essa consulta de modo a não haver riscos de prejuízo ou deterioração do livro antigo. Esta consulta deverá ser sempre de acesso restrito e só acedida por um determinado grupo de utilizadores, nomeadamente investigadores e que necessitem mesmo de consultar os documentos. Se for caso disso, a biblioteca poderá instituir um horário próprio para essa consulta e solicitar ao investigador os documentos que achar necessário para permitir o acesso às colecções. Na leitura presencial o primeiro passo é a consulta do catálogo e de outros instrumentos existentes (ex. Bibliografias, repertórios), e quando da disponibilização da obra deverá ser preenchida uma ficha de consulta (onde estarão previamente assinalados pelo funcionário os dados da obra) pelo utilizador onde indicará os seus dados pessoais e o motivo da consulta. A manipulação das obras deverá ser sempre efectuada pelo utilizador e funcionário de luvas de algodão de modo a não provocar danos na obra. Muitas vezes, por questões de preservação da obra, esta só poderá ser consultada através de suportes alternativos, isto é através de reproduções, como é o caso dos microfilmes, facsimiles e digitalização de imagens. No caso das consultas não presenciais, o serviço de referência da biblioteca deverá estar preparado e organizado para fornecer uma resposta rápida para os pedidos referentes às colecções de livro antigo.

9Quando são solicitadas reproduções pelos utilizadores terá de ser verificado a questão dos direitos de autor e várias são as formas de disponibilização da cópia: facsimile, imagem digitalizada, microfilme, fotografia, diapositivo ou fotocópia através das reproduções existentes. Quando a biblioteca não possui instrumentos de reprodução deverá estabelecer com um laboratório privado que os possua, um acordo para a elaboração das cópias que sejam solicitadas pelos seus utilizadores.

10No âmbito da divulgação da colecção patrimonial, a qual é fundamental para o acesso e difusão dos fundos, há vários veículos a considerar e a ter sempre em atenção as questões relativas à questão dos direitos de autor. Existem no nosso país alguns projectos a decorrer que incidem sobre estas temáticas e nos quais as bibliotecas poderão participar, como é o caso do PATRIMONIA (Património Bibliográfico Nacional na Internet) o qual é desenvolvido pela Biblioteca Nacional de Portugal (CAMPOS, 2009) ou tomar como exemplo a nível internacional, o ARIADNA (Biblioteca Nacional de Espanha) ou o REBIUN (Red de Bibliotecas Universitarias) os quais são projectos centrados no património bibliográfico espanhol e na sua divulgação (HERRERAS MORILLAS, 2003). A participação da biblioteca em grupos de trabalho e redes de cooperação que incidam sobre o Livro Antigo é importante para a constante actualização dos conhecimentos sobre esta temática e projectos que existam ou vão surgindo.

11Outra alternativa é a edição de catálogos ou CD-ROM com base nas colecções patrimoniais existentes, assim como a elaboração de exposições temáticas ou participação em exposições de outras entidades. Um dos veículos mais eficazes é realmente a criação na página web da biblioteca ou em página própria, de uma secção dedicada ao fundo antigo onde conste a caracterização deste, destacando-se os documentos mais interessantes, e se existente, disponibilizar ou criar um link para o catálogo automatizado onde constem a obras desse acervo.

12Para além das necessidades especiais em relação à preservação, conservação e tratamento documental do Livro Antigo, a sua acessibilidade e disponibilidade para leitura também implica seguir determinados procedimentos os quais passam pelo próprio espaço onde estão organizados e localizados, pela forma de acesso a esses fundos e as condições em que se devem realizar e reproduzir. Fundamental, é a aposta na difusão do acervo documental através dos veículos existentes: catálogos e bases de dados, bibliografias, projectos científicos, redes de cooperação, grupos de trabalho, webs de bibliotecas, exposições, directórios de recursos, CD-ROM, etc.

Bibliographie

Referências bibliográficas

BARATA, Paulo J. S. – Os livros e o liberalismo: da livraria conventual à biblioteca pública. Lisboa: BN, 2003.

CAMPOS, Fernanda – Patrimonia: livro antigo: valorização do patrimonio bibliográfico nacional na Internet [Em linha]. [Consult. 27 de Agosto 2009]. Disponível em www: http://www.purl.pt/6393/1/comunicacoes/ProjectoPATRIMONIA.pps

HERRERA MORILLAS, José Luis – Tratamiento y difusión digital del libro antiguo: directrices metodológicas y guía de recursos. Gijón: Trea, 2004.

MARSÁ VILLA, María – El fondo antiguo en la biblioteca. Gijón: Trea, 1999.

PEDRAZA, Manuel; CLEMENTE, Yolanda; GOMÉZ, Fermín – El libro antiguo. Madrid: Editorial Síntesis, 2003.

Auteur

Bibliotecária – Biblioteca Municipal de Elvas.

© Publicações do Cidehus, 2010

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search