Version classiqueVersion mobile

Correspondência inédita dirigida a D. Frei Manuel do Cenáculo

 | 
Francisco António Lourenço Vaz

Cartas de Alexandre Faria Manuel

Note de l’auteur

Transcrição de Francisco Segurado

Texte intégral

Carta de 22 de Janeiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor muito estimo, e dezejo que Vossa Excelencia fizesse huma boa viagem, e actualmente passe livre de toda a molestia. aqui me falão em huns Livros manuscritos, veremos que he: entretanto apareceo huma Copia autentica, passada no tempo de Filipe 2º de todos os Privilegios, e Contratos do Arcebispado de Braga, respetivamente á Coroa: Vossa Excelencia mandará dizer se a quer. Mr. Roland actualmente está vendendo huma porção de Livros que forão dos Jezuitas de S. Roque. He o que interinamente posso avizar a Vossa Excelencia cujas ordens executarei com a maior obediencia, e vontade, como devo. Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Lisboa 22 de Janeiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beja a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 122)

Resumo da Conferência de 23 de Janeiro de 1772 enviada na mesma data

Conferencia de 23 de Janeiro de 1772.

Lerão-se dois Avizos passados pello Marquez de Pombal na data de 18 do corrente: hum para que durando a auzencia do Senhor Bispo de Beja em Salvaterra ficasse servindo de Prezidente o Arcebispo de Lacedemonia: outro, participavasse [sic] a Meza a Licença de oito mezes, que Sua Magestade concedeu a João Antonio de La Bella Professor de Fisica Experimental no Collegio dos Nobres para poder ir á Italia sua patria.

Assignou-se huma Portaría para que os Deputados Frei Joaquim de Santa Anna e Silva, e Francisco de Atouguia Bettancourt, fossem ao Collegio dos Nobres, todas as vezes que for precizo meter dinheiro no Cofre, ou extrahillo.

Apareceo huma petição de Clamopin Livreiro Francez no Porto em que pedia se lhe mandasem entregar 580 jogos de Livros, que estavão retidos na Caza da Revisão em 7 de Novembro de 1768. em Janeiro de 1769. em Maio, Agosto, e Novembro de 1771: e dizia que o Secretario que foi da Real Meza Censoria tomou alguns, o que elle mesmo dissera a Mr Bertrand: rezolveo a Meza que o Secretario dos Estudos examinasse isto.

  • 1 Todas as reticências presentes na transcrição encontram-se no texto original.

Apareceo hum papel feito por….1 (era o Autor da Conquista do Paraguai) entregouse á Censura de Pedro Viegas, e Francisco de Atouguia, e assentavão que não se lhe devia dar Licença, porque era verso da moda que não tinha consoantes, que nem era Soneto, nem Elegia, nem Ode, nem Decima etc ai per consequens não devia dar-se-lhe Licença: acodio cazualmente Frei Francisco de Sá e disse que só pella razão de não ter consoantes não devião ser escuros aquelles versos: virão-se novamente, e assentou Antonio Pereira e dito Sá, e Frei João Baptista que os versos (creio ser huma satyra contra os vicios) mencionados era huma dos milhores obras que tinhão aparecido na Meza: enfim deo elle Licença.

Apareceo huma petiçam em nome do P… Religiozo Trino dizendo que queria abrir huma chapa da Efigie do Bemaventurado Simão de Roxas etc mas como não aprezentava o desenho mandou-se que o aprezentasse. Lembrou Antonio Pereira e Frei Joaquim que suposto elle esta Beatificado, com tudo a Bulla existe na Secretaria de Estado: e que poderião os Padres Trinos issinuarem publicamente neste Reyno a tal Beatificação fundados na autoridade da Meza concedendolhe esta a Licença qe pedião: rezolveose que aprezentassem a Bulla da Beatificação, e o Desenho.

Apareceo hum pequeno Livro (trata da Cultura das Amoreiras) para conferir, trazia hum acrescentamento de algumas regras, coiza de pouca entidade; houve duvida sobre entregarse, ou não Licença para correr: Frei João Baptista assentava que não, porque de qualquer condescendencia que houvesse sobre esta materia, viria a rezultar tornar-se Liberdade em materia mais grave: ultimamente assentouse que fosse chamado o Impressor (que he Miguel Manescal) e se advertisse desta transgressão: Francisco de Atouguia he que deve fazer a advertencia.

Propoz o Padre Antonio Pereira, que para testemunho irrefragavel, no tempo futuro, do reconhecimento que todas as pessoas, e Comunidades Religiozas tinhão do supremo poder da Real Meza Censoria (em materia de Livros) se registassem as petiçoens das pessoas, ou Comunidades que pedissem Licença para terem ou Lerem Livros prohibidos: porque suposto se lhe passavão Provizoens, essas só contem as clauzulas que a Meza manda pôr, e não a submissão de quem requer: ponderou-se que não sendo estas petiçoens assignadas pelas partes, ficando (alias com o Despacho que se lhe poem) guardadas na Secretaria era escuzado o que se propunha.

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 125 e 126)

Carta de 24 de Janeiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Ja tive a certeza de que Vossa Excelencia fizera muito boa jornada; e passava com perfeita saude, a qual peço a Deos Nosso Senhor conserve a Vossa Excelencia como tantos, e eu mais que todos havemos mister. Remeto a Vossa Excelencia os dois Avizos que se Lerão na Conferencia de hontem 23, e juntamente a minuta de mais que se passou na Meza. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos Lixboa 24 de Janeiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

de Joelhos

Beija a mão de Vossa Excelencia este seu mais humilde Criado

P.S.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor O Manuscrito de Braga esta certo: os mais verei o que são: o effeito que fez o Avizo de quem devia prezidir só á vista o poderei explicar a Vossa Excelencia esta carta ja estava entregue desde hontem pela manhan ao Reverendissimo Senhor Padre Provincial e agora hoje sabado á noite a tornei a abrir para pôr este P.S. [rubrica]

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 124)

Carta de 27 de Janeiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Sempre recebo com o devido gosto a noticia da importante, e feliz saude de Vossa Excelencia que Deos Nosso Senhor prospere, como lhe peço. Remeto a Vossa Excelencia hum extrato do que se passou na Meza de hoje. Remeto tambem por ordem da Meza a Reprezentação que fez o Procurador do Collegio dos Nobres sobre o Trigo que se acha em Evora: o primeiro que votou sobre a materia nelle conteuda foi Frei Joaquim e disse que primeiro que tudo se deve parte a Vossa Excelencia: seguirão todos esta parte hum de vagar, outros com preça; hum claramente, outros tacitamente: disse o Arcebispo remetesse eu o requerimento a Vossa Excelencia e como a materia he de importancia visse se podia haver Logo resposta: já Vossa Excelencia tem o 7º to da Recreação Filozofica, e está em meu poder: também me parece terá o Diana, que he hum jogo que na Meza se entregou. Tambem hontem entreguei ao Reverendissimo Senhor Padre Provincial as Gazetas que estavão em meu poder, e erão 32 annos, agora verei se aparecem os que faltão: fico esperando as Ordens de Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 27 de Janeiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De Joelhos

Beja a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 128)

Relato do que se tratou na Mesa de 27 de Janeiro de 1772 enviado na mesma data

Na Meza de 27 de Janeiro de 1772

Hum Sermão de Frei … Graciano, a Nossa Senhora da Penha de França, era cheio de mil despropositos. Suprimido.

Humas conxluzoens d’outro graciano, tocava sobre certos pontos de Sigillo, dizendo que speculativamente erão provaveis, mas praticamente, não: etc riscouse tudo o que dizia respeito a esta materia. * basta a < acção > exterior da absolvição, ainda que não haja animo de absolver pera ficar absolvido: este foi < tambem > hum dos pontos riscados.

Joze Bentes Sayão da Villa de Serpa que ensinava com Licença do Diretor dos Estudos (passada pelo Doutor Valle) requereo á Meza Licença para continuar: Vossa Excelencia me tinha mandado na Meza averiguasse se a tal Licença era verdadeira: a Licença he verdadeira em quanto ao sinal, e Letra; mas estava falsificada vizivelmente porque tendo sido concedida em 24 de Fevereiro de 1768 = e prorogada só por anno e meio, emendarão as Letras de anno e meio fazendo dellas tres annos e meio: eu guardava isto para só o dizer a Vossa Excelencia mas Frei Francisco de Sá instava pela petiçam eu a dei na Meza dizendo que o sinal era verdadeiro; e mais nada (porque tambem julguei que a falcidade não era substancial, nem eu queria ganhar hum inimigo no dito Deputado que claramente protegia o pertendente). Mandouse-lhe passar Provizão interina para poder ensinar.

O Padre Manuel Mr. Anciaens Professor de Gramatica não quis dar hum Passe a hum seu Discipulo Paulo Jozé para ir para outra Aula; pelo pretexto delle o ter enganado com huma Carta para sahir alguns dias mais cedo da Aula: requereo o Pai do estudante a Meza, mandou esta que = Qualquer Professor Regio admitta na sua Aula ao tal Estudante.

O Procurador do Collegio dos Nobres reprezentou que em humas Cazas sitas na Rua da Silva era precizo pôr huma viga, que do Contrato se seguia dano consideravel pois cahirão os Telhados etc: mandouse ao Mestre das Obras do Collegio desse a Providencia preciza.

Dos Livros de Clamopin que na Conferencia passada me disserão examinasse a existencia delles; achei que a maior parte dos que elle pedia ja lhe forão entregues: outros ainda existem: e outros os Levou Joze Bernardo cujo procedimento nesta materia fortemente bateo Frei João Baptista na Meza, e ainda outros. Determinouse que os existentes se lhe entreguem de modo Costumado: e os que tem o dito Joze Bernardo faça elle Clamopin o que lhe parecer.

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 129)

Carta de 30 de Janeiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. estimarei e dezejo que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia. Eu (supondo não sería do dezagrado de Vossa Excelencia) fazia tenção de nesta conjuntura ir a Salvaterra, visto ser feriada [sic] segunda feira que vem. Mas huma impertinente molestia que ha mezes padeço tendosse agravado me impede o ir aos pés de Vossa Excelencia. O tempo tambem está rigorozo para jornadas de mar, e ambas estas cauzas me constrangem a não ter o gosto que dezejava. A Meza de hoje esteve bastantemente divertida; e Vossa Excelencia perdeo não ter algum divertimento. Chegárão as Informaçoens do Corregedor de Torres Vedras, quazi todas ellas forão tiradas em vinte e sinco do prezente mez de Janeiro: porem a outra Informação que este Ministro devia mandar tocante a os Mestres de Villa Franca não apareceo; tendo eu já como Vossa Excelencia me mandou pedido ao Corregedor a resposta de tudo o que parava no seu poder respetivo á Meza. Desde o tempo de Joze Bernardo estão na Secretaria huns fardos de papeis volantes, e Livros em papel, (são Autos de D. Pedro, Imperatriz, Magalona etc Coizas Seraficas, Banquetes Espirituaes etc) que por ordem da Meza se aprehenderão, e todos são dos que costumão ficar suprimidos. Não obstante o dito Joze Bernardo disse ao dono (diz este) que veria se podia haver modo de se lhe entregarem: e com efeito os mandou meter na Agoa Furtada da Secretaria onde Eu agora cazualmente os vi; e perguntado a Miguel Gonçalves que papeis, e Fardos erão aquelles me respondeo o referido. Na Semana que vem manda Pagliarini aqui buscar huma porção de Livros que ha para papelão: como os papeis dos ditos Fardos são do mesmo genero me parecem devem ir tambem; mas nada faço sem que Vossa Excelencia o determine. Hoje entreguei ao Reverendissimo Senhor Padre Provincial a Provizão de Joze Leitegeb, ja prompta: por esta occazião vejo ser precizo na minha secretaria hum Livro em que se registem as Provizoens pertencentes aos Contratos do Collegio dos Nobres: e Como dos Livros que se mandárão fazer sobejou hum, este póde servir, e determinando-o assim Vossa Excelencia o darei ao Padre Neves para lhe fazer o rosto, cuja despeza foi ja incluza na que se lhe satisfez: alem disto he preciso rubricar alguns Livros mais, nos quais ha ja que escrever: Vossa Excelencia determinará que Deputados o devem fazer. Fico esperando as ordens de Vossa Excelencia para as executar com a maior veneração, e obediencia. Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Lixboa 30 de Janeiro de 1772.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beja as maons de Vossa Excelencia

Seu mais humilde e fiel Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 132)

Conferência de 30 de Janeiro de 1772 enviada na mesma data

Conferencia de 30 de Janeiro de 1772

Pediasse Licença para F. vender Talco de varias cores ja moido para se jugar o Entrudo: escuzado.

Humas Cartas para huma Procissão em Braga que dizião que para honra de Deos e pundonor de Nossa Irmandade etc escuzadas.

Os Cegos tirárão hum mandado do seu Conservador para fazerem aprehensão em todos os Livros, e papeis que os vendedores estiverem vendendo publicamente e juntamente os prenderem: com efeito ja prenderão hum, e lhe tomárão os Livros: requereo este á Meza alegando que perdendo este requerimento perante a mesma Meza não devia o Ministro intrometerse; e que a Meza lhe mandasse que o soltasse. Votou o Deputado de Xabregas que o Ministro obrára mal, pois tendo a Meza tomado a si esta materia elle não devia dar passo sem esperar a sua Rezolução: que era de parecer que o Secretario Atouguia procurasse o dito Conservador dos Cegos, e lhe dissesse mandasse soltar o homem: e isto por evitar demoras, e maiores controversias. Opos se claramente Antonio Pereira e disse que elle de nenhum modo podia assentir a isso: porque ou o Ministro obrára mal, ou não. Se obrou mal devia ser advertido, e emendado por Despacho: se bem a Meza não pedia favores: que elle por huma parte julgava o Ministro obrava fundado no Privilegio dos Cegos que supunha não estar derrogado, e como tal obrára bem. mas que por outra sendo a Controversia que pendia na Meza sobre a validade do privilegio, e sendo Certo que a Meza tomára a li esta materia: era de Voto que o Ministro mandasse soltar o homem. Frei João Baptista advogou pro utraque parte, finalizando que o homem fosse solto; mas que a Meza não tomasse parte nisso: [Vossa Excelencia me dê Licença] creio que o voto era o mesmo que dizer, que Nosso Senhor o Livrasse. Votou Logo o Senhor Bispo de S. Paulo, e disse que a Meza nenhum cazo de fazer de tal requerimento, pois em certo que nenhuma Jurisdição tinha sobre a materia controversa; nem ainda a Meza podia mandar informar o Conservador sobre este cazo; pois era supor que o Conservador era sujeito á Meza, e que o Conservador, como Conservador só tinha por superior a El Rey etc. etc. etc. e concluio como se podia esperar destes antecedentes. Opos se Pedro Viegas, e disse que a Meza tinha autoridade para mandar informar qualquer Ministro, e este obrigação de lhe obedecer: e a mesma Meza o praticara quando estas partes na primeira vez controverterão sobre seus privilegios, e recorrerão á Meza: e se então se tinha mandado informar o Conservador, porque não se mandaria agora? = Francisco de Atouguia que informasse o Ministro, he que votou, sem mais nada. Tornou Antonio Pereira a ponderar, que o homem vendia na boa fé da Meza não ter decidido coiza alguma contra os vendedores; antes estava a prezunção em Contrario por não lhe desprezar logo o Requerimento em fim votarão todos (e desde o principio sem ordem) e Como o Senhor Arcebispo não pôde entender a maior parte delles assentou que o requerimento que para na Meza não póde impedir que o Ministro obre a favor dos Cegos, e Livreiros: tornarão todos a falar e se mandou finalmente que informasse o Ministro: párão em meu poder as Petiçoens, esperando a vontade, e rezolução de Vossa Excelencia nesta materia.

Foi a Conferir o Papel em verso (de que ja n’outra fiz menção) e tornárão a morder nelle, Viegas, e Atouguia: na proxima occazião remeterei a Vossa Excelencia alguns exemplares delle.

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 133 e 134)

Carta de 04 de Fevereiro de 1772

Excelenetissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: estimo que Vossa Excelencia passe Livre de molestia, e rogo a Deos Nosso Senhor continue a Vossa Excelencia não só esta mas todas as felicidades. Tem-se requerido ao Conservador dos Cegos, segundo Vossa Excelencia me insinuara; mas elle não se moveo, e o que quér he fazer huma demanda; o rapaz se deixa estar prezo, e quinta feira novamente requér á Meza com os Despachos do Ministro. este he hum Corregedor do Civel da Cidade que mora ao Carmo, chamado o = Gouvea = he Ministro de tão grande prudencia, e Letras que indose Despachar huma Petição sobre esta materia disse a quem a levava = Que tem lá a Meza Censoria com a venda dos Livros, ella o que lhe importa he se elles são, ou não prohibidos, mas o mais não he da Sua jurisdição. = he o mesmo Ministro meu amigo que despois de meter concedida homenagem, por hum quartinho que derão ao Criado a quebrou, sem motivo, nem ao menos requerimento in scriptis da parte: mais claramente (Vossa Excelencia me dê Licença) he hum material, talvez dominado pelo Criado: e na controversia dos Cegos < tambem > pelo Monsenhor Furtado que he o Juiz da tal Irmandade Cega. Não repare Vossa Excelencia dizer eu que ja se requereo ao Ministro pois a mim me tinha occorrido o mesmo, e ja tinha dado ordem ao tal requerimento suponho seria hum meyo mais prompto para instruir a Meza; e agora estimo ter acertado com o que Vossa Excelencia manda; pois se assim não sucedesse, tambem não fazia tenção de mandar tal requerimento a Meza; mas estava prompto por precaução. A mulher de Joze Bernardo da Gama mandou a todos as Lojes de Livros pedir hum rol do que seu marido devia. Sesta Feira, ou Sabado passado disse publicamente o Inspector da Contadoria da Junta do Comercio (na mesma Contadoria) que dali se havião de tirar quatro praticantes, ou Officiaes para a Meza Censoria porque se pedião: sei isto porque hum dos que ouvirão me veio perguntar para que ministerio se pedião, e que ordenado terião, pois queria ser pertendente. Tambem hum dia da Semana passada veio huma ordem de El Rey (creio que era hum Decreto, ou Alvará) á Meza da Conciencia, que não tem dado pouco que falar nesta Cidade: Vossa Excelencia infalivelmente Lá havia saber o que era, assim só me fica Lugar de lhe dizer que a gente da Meza da Conciencia poem os olhos em Vossa Excelencia com inveja e com respeito, e dizem (assim o disse Bandeira a quem mo contou) que só Vossa Excelencia podia fazer huma tão nova, e extraordinaria revolução nas Ordens Militares. Pareceme que Vossa Excelencia me falou que dezejava ter o Livro = Summa Constitutionum Summorum Pontificum, et rerum in Ecclesia Romana gestarum: …. per Petram Matheum. editio 1ª Lugduni 1588. se assim he mandeo Vossa Excelencia dizer porque está certo. darei os Livros a Frei Joaquim para os rubricar: e mandarei pôr o rosto no das Provizoens. Fico prompto para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 4 de Fevereiro de 1772.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beija a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 136)

Carta de Alexandre Ferreira de 06 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar com perfeita saude que Deos Nosso Senhor prospere como eu dezejo. Remeto a Vossa Excelencia o requerimento do prezo; (e vai sabendo-o somente o Deputado de Xabregas). Foi hum divertimento ver os votos. eu ja tinha tocado nisto ao dito Deputado; só elle deu hum voto são por todas as partes: disse que se capacitava ser a petiçam toda verdadeira, pois que o prezo ainda com maior clareza falava ao Ministro e provava tudo o que dizia com as atestaçoens do Escrivão; e que se alguma coiza alegava sem atestação era verosimil fosse verdade pois que as dizia ao mesmo ministro, e este nos Despachos não as impugnava etc. que elle tinha por sem duvida esta cauza afeta a Meza que isso era constante ao Ministro Logo o Ministro fizera mal prender a o homem: Lembrou que os Livreiros, Cegos, e Vendedores duvidárão, e questionárão sobre seus Privilegios; logo todos requerendo a esta Meza, se comprometerão no que ella decidisse; desde então todos, e cada hum se conservárão na posse de vender, e não forão perturbados; porque razão passado hum anno rompeo o Ministro neste procedimento? talvez (acrescentou o mesmo Deputado) tentem este requerimento na auzencia do Senhor Prezidente por suspeitarem, ou os Cegos, ou quem os dirige poderão Levar de salto alguma couza; sou de parecer que se dê parte ao Senhor Bispo de Béja; pois talvez elle Lá terá alguma instrução particular, e de facto me parece que a tem; que nos possa guiar sobre esta materia. votárão os mais Deputados. entre elles se distinguio o Senhor Bispo de S. Paulo que disse que a Meza fazia muito mal em se meter nestas coizas, pois se a Meza por duvidar se tinha, ou não Jurisdição sobre aquela materia, consultára a El Rey, e este athé agora não decidira; para que se havia intrometer a Meza no que não tinha Jurisdição? Ainda eu (accrescentou elle) estou vendo, se o Ministro informar que fez o que entendia, e o que mandava o Privilegio dos Cegos; que havemos nós dizer? O Senhor Bispo de Bragança e Monte Carmelo disserão que se avizasse a Vossa Excelencia o Senhor Arcebispo de Lacedemonia disse que se conformava nesta parte; mas que sempre estava em que o Ministro obrára bem e como supunha que as outras peticoens estavão ja a informar mandou pôr o Despacho que Vossa Excelencia verá ao qual todos annuirão; replicando o de Xabregas se Avizasse a Vossa Excelencia pelo que todos estiverão sive bene, sive male. Eu mando tanto este requerimento como os mais para que Vossa Excelencia os veja, pois o prezo não duvida estar mais tempo na Cadêa, só afim de ser solto por ordem da Meza. Aparecerão na Meza dois Decretos de El Rey húm sobre a forma dos gastos, e Contas da Meza, que se devem formalizar como no Collegio dos Nobres, havendo Cada anno tres Deputados clavicularios, começando pelos mais antigos. No outro Decreto nomeou El Rey a F… Olivieri para Reytor do Collegio dos Nobres. Poz o Senhor Arcebispo estes Decretos na Meza, e disse que o Senhor Marquez de Pombal vocalmente lhe dissera que se não publicassem antes de El Rey vir: acabou-se a Meza, fui eu para guardar o Decreto do Reytor, diz-me Francisco de Atouguia que elle os tinha guardados. disselhe eu que o do Reytor me pertencia a mim; elle com sinseridade me respondeo, que assim era mas he despois de estar publico, que por hora fica em segredo em meu poder, nem vossa merce diga nada a ninguem. eu lhe respondi as precizas palavras sei muito bem qual he a minha obrigação. e elle ficou na supozição que tinha obrado huma ação muito boa: este o motivo de não mandar a Vossa Excelencia huma copia como devia, e Vossa Excelencia me tinha ordenado. Eu heide pôr toda a deligencia por saber se elle o conta a alguem < isto he terem vindo os Decretos > que se possa dizer, porque a Joze Pereita de Brito o foi elle Logo contar pois sahio da Meza, e foi Lá direito; mas heide ver se por S. Domingos sôa alguma Coiza, porque sabendose Lá alguma coiza á Cerca do Reytor digo-lhe Segunda Feira que ja me póde dar o Decreto porque ja he publico, e o sabe F. …. (a pessoa a quem elle o tiver contado) farei isto (sucedendo como figuro) se Vossa Excelencia não me determinar o Contrario. Na primeira occazião de Portador irão os Mapas dos Estudos que estiverem feitos: e fico esperando as Ordens de Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 6 de Fevereiro de 1772.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beija a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

P. S.

O Deputado de Xabregas escreve a Vossa Excelencia sobre os Cegos: e na Meza se pede a resposta á cerca do trigo de Evora: tambem dou a Vossa Excelencia o Parabem de hum Noviço chamado Gregorio que novamente entrou; cazualmente me falou nelle Padre Joze da Fonseca e me disse delle tão grandes Louvores, que bastará ser a metade delles verdade para elle ser o milhor Noviço de todos os que agora se tem aceitado.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 144 e 146)

Na Conferencia de 6 só estiverão

Os Senhores

Arcebispo de Lacedemonia

Bispo de Bragança

Monte Carmelo

Xabregas

Bispo de S. Paulo

Atouguia

Baptista

Frei Joaquim

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 145)

Carta de 10 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar com perfeita saude, que Deos Nosso Senhor lhe continue, como lhe peço. Remeto a Vossa Excelencia as Taboas pertencentes a Lisboa, Algarve, Traz dos Montes, e Entre Douro e Minho. No Algarve falta a Ouvedoria de Faro; falta também Bragança. Ao Ouvidor de Faro nunca se escreveo; perguntando eu a razão desta falta a Antonio de Lemos encolheo os hombros. Bragança tem pedido espera, e dado desculpa da falta: em algumas Terras falta o numero das freguesias e das pessoas, a cauza he não constar nem da Corografia de Carvalho; nem da Geografia de Lima: muitas não Levão arbitrios, he porque ou não os dérão; ou não viérão respostas: em algumas que aponta he absolutamente necessario ver as informaçoens originaes. Estou com as Informaçoens de Torres Vedras, e o Corregedor não cumprio como devia; pois ouvio os Juizes Ordinarios das terras, sem assistencia do Ministro de Vara Branca, ou proprio, ou o mais vezinho como expressamente se lhe mandava. Em todas as Provincias faltão Contas ou de Corregedores ou de Ouvidores: não obstante isso eu faço só as informacoens que tenho. He precizo escrever (isto he mandar Provizão pois ainda lhe não foi alguma) aos Ouvidores da Castanheira, Abrantes, Monte Mor, Alvito, e de Faro: Quinta Feira se Levarão a Meza para asignar. Quinta feira passada (não sei seja o disse a Vossa Excelencia) apareceo na Meza o Compendio Historico dos Padres Loyos: he muito breve, e murmurão delle os Deputados Sá, Frei Joaquim e Frei João Baptista por que nelle se diz que os Loyos reformárão todas estas Religioens, < de que elles são > e tambem a dos Jeronimos: o dito Compendio pelo menos tem o defeito de brevissimo. está em poder de Francisco da Atouguia.

Vejo-me perseguido por aquele pertendente de Vila Franca, sobre que se mandou informar ao Corregedor he certo que este cometeo ao Juiz de Torres fosse fazer a deligencia; o Juiz de Fóra foi certamente na semana antes de Festa; mas athe agora, (não obstante, tello eu ja pedido por huma carta de officio) não apareceo informação. O Juiz de Fóra de Vila Franca que obriga este homem a não assistir ali com pena, e ameaça de prizão, o obriga a que elle ande desterrado ha tres meses, ou mais: eu já disse a Vossa Excelencia o que neste pertendente tinha observado, não obstante parece-me injusta a demora do Corregedor de Torres, e, ou este, ou o Juiz de Fora que lá foi tirar a informação está evidentemente parcial do tal Manoel que foi expulso de Semo: e lhe (o que o Juiz de Fóra não quer lá) fez outra petiçam a Meza, e eu a demorei athe agora e no meu poder com o Despacho que se lhe mandou pôr: porque por huma parte vejo, que em se remeter ao Corregedor de Torres nenhum effeito tem pois fica com ella: e pella outra não a mandei logo a Vossa Excelência pelo não amofinar com coizas de pouca entidade; mas vendo-me a toda a hora perseguido, e o Corregedor sem dar resposta alguma a Carta que lhe escrevi, remeto a Pettiçam para Vossa Excelência determinar o que lhe parecer. Hoje veio á Meza essa Petiçam de Francisco Furtado de Mendonça: mandou-se-lhe pôr esse Despacho veja Vossa Excelência se a devo entregar á parte, e para esse fim póde tornar. Achei como papel perdido esses Apontamentos sobre a materia do sigillo, no qual papel há letra do Antonio Pereira; remeto-as porque a Vossa Excelência tudo tem uso. Vai mais o Ritual Theologico manuscrito que estava pera Papelão; e poderá tambem servir. São passados quazi os sesenta dias que prescreve o ultimo Edital para a entrega dos livros; e athe agora ainda se não remeterão Editaes alguns para as Comarcas do Reino: isto he certo, e tambem o he que nunca se remeteo edital algum para a India; e eu entendo, e com bons fundamentos que o mesmo sucede para muitas partes do Ultramar, ao menos alguns não tem ido para todas as Terras Ultramarinas. Fico, como devo, para obedecer em tudo a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 10 de Fevereiro de 1772.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beija a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde, e inutil Criado.

P.S.

Sexta Feira passada esteve Frei Andre de Mello em caza de Joze Pereira de Brito, queixandosse fortemente da Protecção de Vossa Excelencia a favor do Chronista da Ordem de Christo; dizendo que o Senhor Marquez estava enganado por que etc. o Sobrinho de Domingos de Basto Viana que estava prezente diz, que ouvindo elle as razoes do tal Frei Andre, sem mais informação lhe parecia ter razão; mas que conhcendo que Vossa Excelencia não protegeria se não o que fosse justiça lhe não podia dar credito; e que elle, e o Brito lhe aconselharão, procurasse primeiro que tudo a Vossa Excelencia. [rubrica]

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 147 e 148)

Carta de 13 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: estimo que Vossa Excelencia continue em passar em perfeita saude. Nenhuma coiza de entidade ocorreu na Conferencia de hoje. Vierão a Despacho do Bertrand humas Encyclopedias de Luca, mandárão que ficassem athe Vossa Excelencia vir. Alguns Estrangeiros fizerão petiçam para lhe concederem Licença para ou venderem, ou mandarem para fóra os Livros da 1ª e 2ª classe do ultimo Edital deferio-se-lhe que os mandassem para fóra: Ás queixas, e rogos do pertendente de Villa Franca, se unío mandar-lhe o Juiz de Fóra fazer penhora por sete mil e tantos reis procedidos da despeza que fez o Juiz de Fóra de Torres em ir (em Lugar do Corregedor) tirar a Informação que a Meza mandou: esta informação tendosse tirado na Semana antes de Festa, e não tendo aparecido, escrevi huma Carta ao Corregedor de Torres, pedindo-lhe da parte da Meza a razão de não a ter remetido; ao que elle me responde-o com a carta incluza: elle afirma que a resposta ja veio, o que he falso, pois todas as Cartas; e Informaçoens do Ministros sempre seguras, a de que se trata não podia ter descaminho. Ao mesmo tempo apareceo esta tarde na Meza a resposta que tambem remeto do Juiz de Fóra de Villa Franca; supondo que El Rey o mandára informar nesta materia, o que não foi, pois se mandou informar o Corregedor de Torres ouvindo-o a elle: no ultimo paragrafo da resposta do tal Juiz de Fóra de Villa Franca; observará Vossa Excelencia o disfarce com que elle fala, dizendo que se houve ordem do Diretor Geral para expulsar da Villa a Francisco Joze (he o que esteve em Santarem) como lhe não fora aprezentada não lhe imcumbia a execução etc. a verdade he que Francisco Joze tem procurado todos os meios, e tem conseguido, subornar o Juiz de Fóra de Villa Franca; (e este ao de Torres pello que se collige da falta de informação Dionizio Alves que he a outra parte) e que pellas razoens que ja disse a Vossa Excelencia tambem não deverá talvez ensinar (anda ha mais de tres mezes auzente de Villa Franca, pello Juiz de Fora o não querer ali consentir, so porque o dito Francisco Joze o quer: Francisco Joze alem do que Vossa Excelencia sabe tem asinado na Diretoria o Termo que vai incluzo; e porque despois disso foi ensinar a Villa Franca he o Diretor o mandava novamente prender se elle não fugisse: A Meza me disse dessa parte a Vossa Excelenciado referido: com a circustancia de que de os Deputados estão de parecer que ainda sem esperar a informação (que o Corregedor diz que já viera) se mandasse Suspender o tal Francisco Joze pois constava com certeza que elle não póde ensinar; e o esta fazendo contra as Ordens que teve do Diretor e que para se deferir a o outro se esperassem as informaçoens. Francisco Furtado mandou buscar a petiçam que Eu remeti a Vossa Excelencia e perguntandose por ella ao Senhor Arcebispo de Lacedemonia disse que estava Despacho em meu poder: vierão ter comigo, respondi que estava confundida entre outros papeis, que a buscaria: senão houver inconveniente póde Vossa Excelencia mandala para se entregar. Acho muito poucos pertendentes para ensinarem, e esses somente para Gramatica: excepto hum para grego: se Vossa Excelencia lhe parecer que se dê alguma Providencia para isto, (pois muitos não requererão pello não saberem) talvez será bom: os pertendentes são so 49; o dois de Villa Franca, sendo incapazes ficão 47, e destes sabe Deos se 20 serão suficientes. Eu não puz nas Listas que forão nem os nomes dos Pertendentes nem os Conventos que havia nas Terras respetivas por não saber se Vossa Excelencia assim o quería: Parecendo a Vossa Excelencia pódem lá ficar as Taboas dos Estudos, e vir a Folha para irem as outras; senão comprarei outra. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 13 de Fevereiro de 1772.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beija a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

P.S.

  • 2 Encontra-se no códice o seguinte documento: «O Marujo saudozo relação curioza da carta que escreveu (...)

Não obstante que Vossa Excelencia suprimio o original do papel incluzo2 depois de ter a Licença o Autor o meteo outra vez na Meza, e lha derão: sem lhe eu poder ser bom: o Romance já anda impresso há muitos annos em hum Livro que fez Alexandre Antonio Lima intitulado Rasgos Metricos: mas a Carta he composicão nova. Basta o titulo para se ver qual he a obra.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 149)

Carta de 15 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: estimo que Vossa Excelencia continue em passar com perfeita saude. Pareceme que na ultima carta que a Vossa Excelencia escrevi; (dando-lhe parte do que se passa a respeito do Corregedor de Torres, pelo tocante ás contendas de Villa Franca) me faltou dizer, que a informação, ou resposta do Juiz de Fóra de Villa Franca, que apareceo na Meza na Conferencia de Quinta feira passada foi trazida por Antonio Pereira, e trazida aberta, sem ao menos trazer sobescrito, vindo ella dirigida a El Rey; pelo que entendo que aquelle Deputado se interessa por aquella parte. Os Cegos proseguem, e tem nova ordem do Ministro para novas tomadias, e Prizoens; o rapaz continua na Cadea; alguns dos que vendem tem requerido ao dito Ministro e elle lhe não difere, dizendo claramente que a Meza nada tem com estas coizas, e que elle os ensinará (fala dos Vendedores.) Suponho que Vossa Excelencia não tem esta Edição do Mariana; a qual me parece ser a primeira; por cuja razão a quéro remir do papelão. Fico esperando as ordens de Vossa Excelencia ás quais obedecerei com a promptidão, e vontade que devo. Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Lixboa 15 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beja a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 155)

Carta de 17 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. com a maior veneração recebi a carta de Vossa Excelencia cuja incoparavel merce, como ás outras muitas que a Vossa Excelencia devo, já mais serei desconhecido, ou ingrato: Deos Nosso Senhor continue a Vossa Excelencia a saude, e felicidades que eu, e todos desta caza continuadamente lhe pedimos. Entreguei a Dubeux huns Livros que elle me disse Vossa Excelencia me déra ordem para eu lhos entregar. Tambem pedia huns quatorze, ou quinze Retratos em papel que actualmente estão na Secretaria e vinhão entre huns Livros, e diz que são para o Marquez de Angeja: porem como Miguel Gonçalves, (que se supoem Fiel da Alfandega, e Inspector da Secretaria) diz que elles hão de vir a alfandega, eu me não quero embaraçar com elle: o outro dia despachando o mesmo Dubeux hum exemplar de Livros, entre elles vinha hum Livro, que erão huns poucos de Mapas, Miguel Gonçalves que estava prezente a teimou que havião ir para Alfandega, e de facto forão, e pagarão direitos: eu não dei nem huma única palavra naquella occazião, mas deixei-o disputar com Dubeux; porem parece pouco decente que hum continuo esteja dando regras diante de hum Secretario: Dubeux com effeito lhe disse, (não na minha prezença) que Joze Bernardo tinha a culpa do que elle uzava pois se governava por sua cabeça. Devo dizer a Vossa Excelencia que athe ao prezente se não tem bolido na Caza que deve servir para se reverem os Livros; e que actualmente assistem os Pintores nella da mesma sorte: Hoje nenhuma novidade occorreo na Meza, pois apenas haveria nove Petiçoens para despachar, Despachos ordinarios e se conversou bastante. O voto do Deputado Frei Joaquim (a respeito do rapaz que está prezo) não foi muito claro, de sorte que se Vossa Excelencia então Prezidisse o podia contar pella parte que quizesse; porem claramente disse não se decidisse coiza alguma sem dar parte a Vossa Excelencia. O Caetano, Porteiro, ja vem ao Tribunal. Antonio de Lemos está doente; chegarão as Informaçoens do Campo de Ourique e de Larrego: vou pôr promptas estas Comarcas para remeter a Vossa Excelencia as tres Provincias que faltão: Mandei recado a Pagliarini para que viessem dois carros buscar Livros para Papelão. O Livro que vai Philosophia Naturalis he do rapaz do Loréto, eu nunca vi tal Livro; a materia pareceme extravagante; no cazo porem de não agradar, Vossa Excelencia o mande outra vez para o entregar. Os papeis manuscritos os achei a montão entre outros inutilissimos; entregandoos a Vossa Excelencia creio que faço o que devo. Hoje morrerão oito Soldados enforcados no Campo de Santa Anna. O Deputado Frei Joaquim assistio destes infelises todos os dias de oratorio: servio isto de exemplo para outros Padres e Religioens que tinhão este acto catholico por objecto e vil, se dezenganarem que he honrado, e catholico: á sua imitação de outras partes forão Mestres, e Padres de Graduação. Fico esperando as ordens de Vossa Excelencia para obediente as executar. Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Lixboa 17 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beja as mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 156)

Carta de 18 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Hontem escrevi a Vossa Excelencia e hoje occorre só a novidade de que já he publico nesta terra que Olivieri esta feito Reytor do Collegio dos Nobres. Antonio Feliz Mendez me disse que F. Lombardi seu Discipulo na Gramatica, e ao prezente Mestre no Grego de Frei João Baptista fora já dar os Parabens ao dito Novo Reytor: athe aqui he certo Antonio Feliz Mendez me estranhou muito negar-lho, mas eu o pude capacitar que tal não sabia; ao que elle annuindo me disse pois isto he certo, e o mesmo Frei João Baptista disse a Lombardi que podia, e fosse dar os Parabens a Olivieri: Fico para obeder em tudo a Vossa Excelencia como devo. Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Lixboa 18 de Fevereiro de 1772.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beja a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

P.S.

Hontem não forão á Meza os Deputados

Pedro Viegas

Frei João Baptista

Frei Francisco Xavier de S. Anna.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 157)

Carta de 20 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia. Hoje foi tambem a Meza muito breve. entrouse depois das tres horas e meya, e sahimos pelas sinco, não obstante conversarse muito. Vierão á Meza para se reimprimirem huns Editaes do Bispo do Porto, entre elles hum a respeito dos Ordinandos; quando estes se querem habilitar diz o Edital (creio se chama o mandado de Publicandis) Que se alguem souber que o Patrimonio a cujo titulo se quér ordenar, não he Livre, e dezembaraçado dentro de oito dias o declare com pena de Excomunhão, e as Pessoas que direito tiverem ao dito Patrimonio não o declarando no dito tempo perderão o direito que ao dito Patrimonio tiverem etc forão destribuidos (para os ver) os ditos Editaes a Frei João Baptista disse este lhe parecia se não devião imprimir muitos daquelles Editaes pelo abuzo que nelles se fazia das Excomunhoens: e que tambem lhe parecia que os Bispos não tinhão jurisdição para privarem a hum sujeito do Direito que tinha a huma Coiza; pois este ato era uma coiza puramente temporal, e como tal fora da Jurisdição Eccleziastica: não pareceo assim ao Arcebispo que logo o contradisse com certas modificaçoens; e falando todos juntos determinou o mesmo Arcebispo que Antonio Pereira e Frei Joaquim fossem Adjuntos neste cazo. Antonio Pereira disse logo que se mandasse ouvir o Procurador da Coroa, tanto sobre o abuzo das Excomunhoens, como sobre o perdimento do direito no cazo que se tratava Frei Joaquim insistio que sobre o ponto de Direito que houvesse vista ao Procurador da Coroa, mas de nenhum modo sobre Excomunhõens: pois era materia assentada na Meza que esta podia restringir o uso imprudente que dellas se fazia; mandouse votar: e se assentou que fosse ouvido o Procurador da Coroa: mas se sobre hum daquelles pontos, ou sobre ambos, não pude eu perceber, nem entendo que ainda a maior parte dos que votarão. Incidentemente nasceo daqui huma disputa . A que deu principio Frei Luiz do Monte Carmelo, que era muito mal feito excomungarem os Ordinarios aos que senão dezobrigão, sem preceder admoestação: ou falando mui claro que as Excomunhoens ipso facto erão nullas, e não ligavão. O Arcebispo disse que elle na Quaresma aos que não querem dezobrigar-se, despois de lhe constar da sua resistencia, ainda assim não os manda publicar por excomungados; mas que os manda prender no Aljube, e que lhe tem mostrado a experiencia que este meio he mais suave: houve coizas galantes sobre estas materias, ainda depois de acabada a Meza. O Ex Provincial de Xabregas não estava pela opinião de Frei Luiz, ele quem logo se lhe opoz, mas Antonio Pereira a patrocinou Ferrasmente. os Padres Caetanos pedirão prorrogação de tempo para o seu Catalogo: votarão todos que se lhe concedessem seis mezes; atendendo a que D. Thomaz de Bem he quem sofre, e só, todo o trabalho: porem Frei João Baptista se opôs fortemente, dizendo que ou absolutamente se lhe não concedesse, ou quando muito hum athé dois mezes. em fim assentou-se novamente que fossem tres Mezes. Hontem pedia ao Padre Secretario da Provincia 3200, e entendo que Vossa Excelencia quando vier os dará por bem empregados: fico prompto para obedecer a Vossa Excelencia como devo. Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Lixboa 20 de Fevereiro de 1772.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beija a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

P.S.

N’outro Mariana de Regis Institutione que veio a entregar (he do Bispo de Leiria) reparei que tinha humas Aprovaçoens que faltão no que a Vossa Excelencia remeti: tirei a folha em que estavão, e he esta incluza. [rubrica]

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 158)

Carta de 24 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo, como devo, sempre saber que Vossa Excelencia passa sem molestia alguma. Hoje apareceo o Deputado Antonio Pereira na Meza, com hum recado do Juiz de Fóra de Torres Vedras, o qual diz = que indo a Villa Franca tirar a Informação, e havendo de remeter outras Informaçoens ao Dezembargo do Paço, enviou todas juntas a Estevão Pinto de Moraes, porque como este he secretario do Dezembargo do Paço, e a Meza (dizia o mesmo Deputado) se faz nesta mesma caza, era facil a entrega: mas que como Estevão Pinto estava em Salvaterra, que se esperasse que elle viesse. = a mim pareceme não estar aqui tudo: eu tenho percebido, e Vossa Excelencia o observará, que nestas informaçoens tem havido intriga que fomenta o Juiz de Fóra de Villa Franca. Está-me parecendo que algum dia vem Antonio Pereira com as ditas Informaçoens abertas, e mas-entrega: Vossa Excelencia me determine se eu as devo aceitar vindo ellas abertas, e sem formalidade; pois que ja o Juiz de Fóra de Villa Franca mandou por mão do dito deputado aberta, e sem formalidade a Informação (que nunca se lhe pedio) que Eu remeti a Vossa Excelencia Immediatamente. O Senhor Arcebispo de Lacedemonia hoje veio para a Meza, perguntou se o Ministro dos Cegos tinha mandado as Informaçoens, diserão-lhe que não; respondeo elle que novamente se fizesse outra Portaria, pedindo-lhe com toda a brevidade as informaçoens: porque o Senhor Marquez de Pombal lhe dissera, que logo logo [sic] mandasse Soltar o Rapaz, porque esta cauza estava certamente afecta a El Rey, e que o Juiz não podia ter mandado prender o tal vendedor. Porem (disse o dito Arcebispo) sempre he bom deixar vir a informação do Ministro e ao despois se soltará. ora o certo era não ser precizo esperar tal informação para se soltar o rapaz, vista a ordem expressa do Senhor Marquez: porem o cazo para mim foi de maior ponderação, e naquelle repente de Cuidado. todas as petiçoens que tinhão ido á Meza, Eu as havia remetido a Vossa Excelência e nenhuma fora a informar ao Ministro ir agora huma Portaria para que elle remetesse as Informaçoens pedidas não tinha ao meu parecer lugar: e disse então na Meza que = sabia de Certeza que a parte vindo buscar a petição, e vendo se mandava informar o Ministro a guardára em si, e lha não quizera Levar, pela quazi certeza de que elle informaría contra, pello sempre achar a favor dos Cegos nos requerimentos que lhe tinha feito = ateimava o Senhor Arcebispo que nesse Cazo fosse sempre a Portaria para que o Ministro Informasse: mas ali houve hum rumor (creyo que da parte do Ex Provincial de Xabregas) dizendo ser escuzado ouvir o Ministro quando o Senhor Marquez tinha mandado soltar: annuirão os mais, e ficou para se passar a Portaría Quinta feira, pelo pretexto de se não saber o do Prezo; como se não fosse bastante mandar ao Ministro que soltasse o vendedor que tinha prezo a requerimento dos Cegos; ora isto Excelentissimo Senhor he o menos o mais he os semblantes com que foi recebida a ordem do Senhor Marquez, com a circunstancia de que estava o negocio afecto a El Rey. Disserão alguns assim muito senhores de si, agora sim. outros olharão para o Této da Caza: e o Senhor Arcebispo não se declarou muito porque dissse que o Senhor Marquez mandava etc falandosse nesta prizão: ao despois por descuido disse que o Senhor Marquez sabia da prizão sem lhe elle falar nisso: em fim (Senhor) Deos dê vida, e Saude a Vossa Excelencia pois a cada instante me convenço que a falta de Vossa Excelencia não somente me sería de ultima, e irremedeavel consternação, mas a todo este Reyno de gravissimo dano. Chegárão as Informaçoens de Larrego, e Campo de Ourique; as de Coimbra não aparacem no Correyo, não obstante que o Corregedor as mandou; porem da maneira possivel se remedea esta falta com outra Informação que já me veio do dito Corregedor mas sem os Autos Originaes. Desta sorte estão completas as Informaçoens que se pedirão: e para poderem ir completas todas as Taboas que restão, tem havido a demora; e irão sem duvida na volta seguinte do Escaler. Deos guarde a Vossa Excelencia (cujas ordens com a maior obediencia executarei) muitos annos. Lixboa 24 de Fevereiro de 1772.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beija a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 159 e 160)

Carta de 27 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo que Vossa Excelencia passe livre de molestia. Hoje veio a Conferir o Dicionario de Pedro Joze da Fonseca: Hoje foi tambem o dia que mais tenho sentido a falta de Vossa Excelencia na Meza; houve despropozitos a montes. Pergunta o Senhor Arcebispo de Lacedemonia a Francisco da Atouguia se vierão as informações do Ministro dos Cegos (pergunta escuzada, pois já Segunda feira se lhe tinha dito que não forão lá taes petiçoens) disse Atouguia que não: Pois faça a Ordem para se soltar lhe tornou o Senhor Arcebispo: pucha elle secretario da algibeira por hum papelinho, e antes de o Ler diz, o homem não está prezo pelo que se diz. Pois porque? pergunta o Senhor Arcebispo: informeime meneando a cabeça respondeo o tal Atouguia, cá com huma pessoa particular, e disseme que o Ministro mandou prender o homem por não mostrar Licença, nem do Senado, nem cá da Meza. (forão palavras formais.) Não importa passe vossa merce a ordem, tornou o Senhor a Acebispo. Leo elle então a ordem concedida como a incluza, e dessa sorte firmada, advertindo para as palavras riscadas por baixo serão formais. Duvidou o Senhor Arcebispo se a ordem era curial; huns disserão que de formalidades não sabião, outros que se soltasse o homem era o ponto; alguns nem isso querião: e Pedro Viegas não disse nada por não desgostar o tal Atouguia, que antes da Meza lhe tinha estado louvando muito a bondade da Prozodia, e do Gradaos ad Parnasum, que são os milhores Livros, para compôr, que há. Perguntoume o Arcebispo pela tal formalidade respondi-lhe que julgava que a hum Corregedor devia ir Despacho da Meza como o que remeto, alegando que havendo de se mandarem informar os Ministros dos Bairros, para os Estudos, desta forma se procedeo: pareceo-lhe bem, e disse o Arcebispo que fosse assim; responde Logo Atouguia: Aquilo La he outra coiza, pois he huma coiza que a Meza mandou por serem necessarias as informaçoens, e isto cá: … (meneou a cabeça e não disse mais nada.) pois está feito concluío o Senhor Arcebispo. Asignasse o papel, chamasse o Porteiro, mandase a Antonio de Lemos que o feche, e remeta ao Ministro acabasse a Meza, espera Antonio de Lemos o Arcebispo e disse-lhe = Senhor isto para Ordem he muito submissa, e para carta he muito altiva; isto não está conformidade etc = diz o Arcebispo pois faça cá o que lhe parecer; e foise: em fim Passousse huma Provizão ao Ministro contra o meu parecer, e [com?] voto de Frei Francisco de Sá, e Frei Joaquim que para Ministros de Lixboa não havia Provizão; mas sim ordem; tocou de Disputa, e disse o Lemos que tambem a Meza mandava Portaría ao Consulado o que não devia ser; eu que nunca sofrerei se impute erro ou coiza que diga respeito a Vossa Excelencia lhe disse (e creio que assim he) que a Portaría era muito bem mandada ao Consulado, e Caza da India, por que se manda aos Provedores, que são actualmente do Conselho de El Rey, e tive a honra do Bispo de S. Paulo ser do meu voto: Passada a Provisão assignoua Pedro Viegas, e Frei Joaquim: Atouguia quando sobescreveo a Provizão disse Ora vamos com estas formalidades, a gosto das partes. Houve mais circunstancias que só á vista se pódem explicar; não esquecerei porem o intimativo modo com que o Senhor Arcebispo disse o Senhor Marquez he que me falou primeiro nisto, e já lá sabia tudo. Remeto a Vossa Excelencia as Informaçoens todas que faltavão: as Terras de que não declaro, ou o numero das Freguesias, ou das pessoas, ou os Mestres etc he porque nem na Geografia de Lima, nem na Corografia de Carvalho nem nas Informaçoens consta nada: Segunda feira he feriado. Fico para obedecer a Vossa Excelencia: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Lixboa 27 de Fevereiro de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Bêja a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 161)

O Corregedor do Civel da Cidade Conservador da Irmandade dos Cegos faça logo saltar a Bertolo que mandou prender a requerimento dos mesmos Cegos, por andar vendendo Livros, e Papeis; Meza etc.

Desta sorte dizia eu devia ser a Ordem

  • 3 Documento anexo à carta de 27 de Fevereiro de 1772 (BPE, CXXVIII 1-10, nº 161).

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 162) 3

  • 4 Nota de rodapé inserida no texto original: «al explicou Atouguia com sinceridade na Meza = he o mes (...)

Constando na Real Meza Censoria que vossa merce mandára prender a Bertolo por vender Livros e papeis, determina a mesma Meza que vossa merce o mande logo logo soltar, não sendo a prizão por al4, ou estando embargado. Meza 27 de Fevereiro de 1772.

Arcebispo de Lacedemonia

Bispo de S. Paulo

Desta sorte hia dobrada a tal Ordem.

  • 5 Documento anexo à carta de 27 de Fevereiro de 1772 (BPE, CXXVIII 1-10, nº 161).

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 163)5

Carta de 01 de Março de 1772

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Hoje que he o feliz dia dos annos de Vossa Excelencia vou de modo que me he possivel aos seus pés significar-lhe o muito que eu, e todos desta caza dezejamos, e pedimos a Deos os dê a Vossa Excelencia cheos das maiores felicidades. Amanhan não há Meza, por costume desde a sua instituição. O Ministro mandou Logo soltar o vendedor, á vista da Ordem que lhe foi. ja eu disse a Vossa Excelencia que a ordem fôra por Provizão (o que não devia ser) agora direi que ja não he materia de segredo que o Negocio dos Cegos está em Consulta a El Rey. A Provisam era concebida nestas clauzulas = …. Mando a vos Corregedor do Civel da Cidade Conservador dos Cegos mandeis logo soltar a F…. que se acha prezo à vossa ordem por vender …: por quanto esta materia se me acha afecta por Consulta da Real Meza Censoria. Como a demóra de Vossa Excelencia já não será muita não <lhe> fartará que emendar em vindo; Fico muito prompto para obedecer, como devo a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 1 de Março de 1772.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De joelhos

Beja a mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 165)

Resumo da Conferência de 07 de Janeiro de 1773 enviada na mesma data

Conferencia de 7 de Janeiro de 1773.

  1. Leo o Senhor Arcebispo o Avizo para servir de Prezidente emquanto durar a jornada de Salvaterra.

  2. Vierão humas Concluzoes que trazião ad mentem … Scoti, riscou-se isto: Trazião tambem por questão principal, qual seria mais util invicare nomen Jesu, aut nomen Maria? tambem isto se riscou.

  3. Suprimio-se hum Livrinho que vinha para reimprimir = Dezenganos Metricos.

  4. O Secretario dos Estudos deu parte de que as Cadeiras que forão dos Jezuitas do Paraizo se tinhão mandado vender. O Senhor Arcebispo Lembrado de que o Excelentissimo Senhor Prezidente falará nesta materia ao Senhor Marquez, sem esperar, ou pedir voto se encarregou de dar parte ao dito Senhor Marquez.

  5. Começarão a registar as Petiçoens em Livros novos.

  6. Veio huma Petição pedindo que a Meza mandasse ao Secretario que foi do Director dos Estudos passasse certa Atestação. Votou-se unanimemente se entregasse a Petiçam sem Despacho dizendo a parte requeresse em tempos a Petiçam era do subtitulo do Scibot, e pedia huma Alteração de que sempre cumprira as suas obrigaçoens.

Estiverão os Deputados

Arcebispo.

Sá.

Carmelo.

Xavier Santa Anna.

S. Paulo

Viegas

Atouguia

Baptista

Santa Anna e Silva

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 168)

Resumo da Conferência de 11 de Janeiro de 1773 na mesma data

Conferencia de 11 de Janeiro de 1773

Carlos Brown que imprime as Listas dos Navios foi a Caza do Arcebispo de Lacedemonia buscar Licença para imprimir huma das mesmas Listas: deu-a elle; indo buscar Licença para correr, reparou que a lista impressa vinha augmentada trazendo os nomes dos Navios Surtos no Rio, que não vinhão no manuscrito, á vista do que lhe negou a Licença, e que recorresse á Meza. Veio hoje, e se decedio se lhe desse Licença para Correr.

Hum certo moço que Frei João Baptista não quis nomear, mas disse conhecia muito bem meteo as Licenças hum papel = Plano de Educação = querendo imprimir a dita obra por folhas, e começava por hum Novo Catecismo que elle compunha vertendo parte do 1º Capitulo de Genesis, e mal negouse-lhe a Licença á pluralidade de 6 votos contra tres.

Assistirão os Deputados

Lacedemonia

Carmelo

Xavier Santa Anna.

S. Paulo

Viegas

Atouguia

Baptista

Santa Anna e Silva.

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 171)

Carta de 13 de Janeiro de 1773

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo que Vossa Excelencia continue em passar com perfeita saude.

  • 6 Está escrito por cima da palavra «Segunda», que se encontra riscada.

Na Conferencia de 11 só ocorreo o que consta da minuta que remeto. Antonio de Souza (o moço que serve o Tribunal) não me trouxe Quinta Feira as chaves da Secretaria, como era costume, acabada a Conferencia da Junta do Subsidio. Segunda Feira de tarde ao entrar da Meza lhas pedi. Foi buscalas a caza do Porteiro; á sahida da Meza perguntei por ellas, disseme que ali estavão sobre hum banco, que Logo as daría: desviou-se para outra parte, e eu me fui embora. < Terça >6 feira pela manhan devia do dito moço Levar tinta á Secretaria pelas dés horas; apareceo era meio dia dado: Deixando o que elle a este este respondeo, só digo que perguntando-lhe pellas Chaves, virando-se para Miguel Gonçalves me disse que lhas tinha dado; Miguel Gonçalves se desforçou, e o dito Antonio de Souza se portou muito mal; agravando o seu descuido indo dizer a Francisco de Atouguia me tinha entregado as chaves, isto depois de dizer as déra a Miguel Gonçalves o que tudo foi falço, pois he certo que elle por descuido as perdeo e absolutamente não aparecem. Por fortuna se tinhão mandado fazer as outras de que se serve Caetano Joze Mendes, e foi bom porque com ellas se sérvio a Junta. Mandarão-se fazer novas chaves para a minha Secretaria, e com diversas guardas, que he o unico remedio que havia.

Galhardo está doente, não foi á Meza, nem á Junta: o Porteiro da Meza, e o da Junta ambos estão doentes tambem. Miguel Gonçalves servio nos dois dias em ambos os Tribunaes.

Os Livros que o Padre D. Jozé vendia, e < de que > Eu mostrei a Vossa Excelencia o Rol ja estão em meu poder. Vossa Excelencia tambem me tinha falado nas Memorias de D. João I. Historia Sebastica de Frei Manoel dos Santos. Obras de João Pinto Ribeiro, e Chronica de D. Joao 2º de Rezende tambem comprei estes Livros, e os tenho.

Do Livro de Moral continua a Impressão que por falta de papel estava parada; o papel delle he muito bom, e de marca grande.

No que respeita ao Livro que imprime o Galhardo, está o papel prompto a toda a hora que foi necessario, mas dezeja saber quem o dá quando lhe poderei dar o dinheiro, ou se lho darei todo junto, ou por parcelas, para desta sorte Lá se regular; eu não posso responder neste particular se não o que Vossa Excelencia me disser. isto não he por outro fim mais do que este homem regular Lá os seus pagamentos á proporção do que se lhe prometer: Já disse a Vossa Excelencia que ao menos são 450 resmas supondo que se imprimem seis mil como ficou ajustado.

Sinto que Vossa Excelencia não se ache actualmente em Lisboa. No Refeitorio do Collegio dos Nobres, por muitos dias apareceo pão com grande mistura de milho: Queixou-se (ao Reytor particularmente muito e por modo de Conversação) o Vice Reytor, e queixouse ao mesmo Reytor formalmente Antonio Diogo: Chamou o Reytor o Despenseiro, reprehendeo, e ao Padeiro; desculparão-se de que fora engano de hum dia, o Reytor e ViceReytor que ambos estavão prezentes asseverárão que não fora hum só dia, mas muitos, despedi-os o Reytor com advertencua de que emendassem. Seguio-se haver bom pão. Nisto aviza Antonio Diogo ao Reytor de que o Mordomo intentava fazer na Junta huma grande queixa contra o ViceReytor, e que elle Antonio Diogo fazia todos os esforços por serenar isto. Dá disto parte o Reytor neste Cazo < ignorava > que razão tinha o Mordomo para semilhante queixa; que elle conhecia a má vontade, e partido que havia no Collegio contra elles (Reytor, e ViceReytor) que no Cazo de haver Junta, como elle (Reytor) Lá estava, elle responderia Joze Dias me pede avize disto a Vossa Excelencia e que por falta de Confiança, ou antes, pello sumo respeito que a Vossa Excelencia se deve se não anima a lhe escrever. Aqui há mais algumas circunstancias dignas de ponderação mas alheas de huma Carta. Mas he certo que no Refeitorio se pôem ao Reytor, e ViceReytor Peras e Maçans tão tocadas de podridão que tem sucedido não se aproveitar nada de alguma. Tambem he certo que o Mordomo nem pessoalmente, nem ao menos por bilhete procurou esta Festa ao Reytor, ou ViceReytor, e o Reytor amigavelmente se queixou disto ao ViceReytor com sensibilidade.

Aqui me conta Caetano Joze Mendes como couza certa, que certo Frade da Terceira Ordem, (que o dito Caetano e Eu ignoramos quem seja) asseverará que o Teixeira trabalhava na factura de hum novo Capitulo, sendo protegido de Joze de Siabra. Eu na realidade não creio tal, por lhe não achar aparencia alguma de possivel, porem a suma obrigação em que Vossa Excelencia vivo; o amor, e Lealdade que em tudo lhe devo guardar não sofrem que eu me cale nesta materia.

O Porteiro da Meza Censoria, digo o Meirinho me trouxe o Bilhete dos Novos Direitos, pedindo Logo Logo a Carta, mas mandei-lhe dizer a não dava se não quando a Vossa Excelencia viesse.

Perdoe Vossa Excelencia a extenção desta Carta, pois humas coizas julguei necessarias dizelas, outras disse-as por me parecer seria culpavel calalas, não o referilas. Fico para obedecer a Vossa Excelencia como devo. deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos para amparo de todos. Lixboa 13 de Janeiro de 1773.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

P.S.

Huma das couzas principaes me esquecia. Tambem ouvi dizer se formava huma coleção dos Lugares escolhidos de Quintiliano por ordem de não sei quem e que era para uso das Escolas em Lugar de Quintiliano. etc.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 166 e 172)

Carta de 18 de Fevereiro de 1773

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

  • 7 Nota à margem direita: «Levei ao Senhor Marquez e elle se incumbio de os dar ao Cardeal».

Meu Senhor. Estimo muito que Vossa Excelencia sempre tenha passado Livre de molestia. Hoje ficou a Preparação para a Missa com as Licenças: Imprimisse la como Vossa Excelencia ordena. Quarta Feira tinha vindo a minha caza o Senhor Frei Joaquim, e (como por cazualidade) me tocou na Pastoral do Senhor Bispo de Portalegre sobre tirar o dia Santo de S. Jozé; Eu lhe disse que entendia que se Vossa Excelencia estivesse em Lixboa antes de se Despachar a dita Pastoral tocaría nesta materia ao Senhor Marquez; ao que elle assentio, e me disse que tratandosse na Meza do Sobredito Despacho, sería o seu voto que se desse parte ao Senhor Marquez, e isto vocalmente o Senhor Arcebispo: Hoje porem não se tratou esta materia; porque tendo hontem o mesmo Senhor Frei Joaquim ido ao Senhor Marquez, este lhe determinou que logo logo se fizessem as duas Consultas de que já falei a Vossa Excelencia e que logo hoje se signassem; houve huma celebre comedia; Caetano Joze Mendes não tinha vindo logo no principio da Meza, po esta Cauza se mandou que Joze Thomas fizesse huma Consulta, e Antonio de Lemos outra. Joze Thomas fez a sua que he a mesma que remeto para Vossa Excelencia ver; alem dos erros que trazia e vão emendados na orthografia vinha com as Costas em branco incapaz de servir; a de Antonio de Lemos vinha muito peor; tinha a este tempo chegado Caetano e se lhe mandou fazer esta que fizéra Joze Thomas: e a Antonio de Lemos que tornasse a Copiar a sua; que he muito piquena: veio a de Antonio de Lemos, com mais erros do que a primeira; e sinto não poder Lançar mão de alguma para que Vossa Excelencia a visse; ora isto fez irritar alguns Deputados, e se lhe mandou ao mesmo Lemos que fizesse terceira Consulta; que veio milhor: Cazualmente a de Caetano veio Certa, e Eu lhe fui assistir a factura e estimei bem que unanimemente dissessem todos na Meza que elle era o milhor official. Da outra Consulta que he pertencente aos Livros que se imprimem para a universidade remeterei na proxima occazião huma copia. Agora deme Vossa Excelencia Licença para lhe dizer nuru maiora canamus. Veio á Meza para se despachar hoje hum papel da Inquizição, (creio que he hum Regimento para os Comissarios do Santo Officio) cometeo-se ao Senhor Bispo de S. Paulo, o qual Logo reparou em que no dito papel se dizia Clerigo Christão Velho, disse ao Senhor Arcebispo que isto lhe soava mal, e o riscou Logo, não obstante que o Senhor Arcebispo mastigava: Eis que mais a baixo dizia que serião perguntadas testemunhas que não tivessem raça de mouro, mourisco, Judeu, ou Christão novo, mulato ou infiel, disse o Senhor Bispo de S. Paulo que isto lhe parecia pueril, pois mouro, e mouriscos era, ou queria dizer o mesmo, e tambem Judeu, ou Christão novo7 alem de que estando-se n’ hum tempo que se queria desterrar este fanatismo lhe parecia não devia tal permitir: acudio Frei Francisco Xavier de Santa Anna, e disse que a elle dissera o Senhor Marquez que isto de Judeu, e Christão novo era huma parvoice, pois todos em Portugal erão mouros, e Judeus. O Senhor Lacedemonia não lhe pareceo isto bem, ou fosse porque não quer ser daquelles, ou porque he Inquizidor e acodio Logo dizendo = Eu há muitos tempos que tenho sustido a reimpressão deste Papel por evitar algumas duvidas que podia haver, mas instando a necessidade de reimprimilo, comuniquei isto ao Senhor Inquizidor ponderando esta mesma materia de Christaons novos; e elle me disse, que como ainda a Corte não tinha tomado sobre isto rezolução final que bem podia isto assim passar; annuirão todos, e se Despachou o papel absolutamente.

Enfim hoje sahiose com Luzes acezas. Frei Luiz de Monte Carmelo está doente. Frei João Baptista quazi sempre falta. Padre Viegas muitas vezes: Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 18 de Fevereiro de 1773.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 173 e 174)

Carta de 10 de Fevereiro de 1774

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo que Vossa Excelencia continue em passar com milhoras.

F. de Araujo Pena Filho foi prezo por ordem da Meza terça feira, e hoje se mandou soltar, ordenando o Senhor Arcebispo que < o dito > fosse a sua caza para lhe dar huma advertencia. Adrião dos Santos Professor de Rhetorica alugou cazas na Rua Béla da Princeza; para o andar de cima forão morar humas mulheres que, alem da sua má vida, tem chegado a entrar dentro da aula a dizerem graças pezadas, e indecentes, e o mesmo tem feito outras tais como ellas que as vao vizitar, etc. huma dellas he amiga (entre outros) do Carcereiro do Limoeiro: Queixou-se o Professor hoje á Meza pedindo se lhe desse a isto providencia. O Senhor Arcebispo immediatamente acabou de Ler a Petiçam rezolveo (sem ouvir votos) que isto não pertencia á Meza, e que o Professor requeresse ou ao Ministro do Bairro, ou a elle como Vigario Geral; e que esta resposta de palavra se desse ao dito Professor: eu porem espero para isto ordem de Vossa Excelencia.

  • 8 Nota à margem esquerda: «P.S. Frei Joaquim hoje faltou á Meza mas não por estar doente».

Tornando ao Cazo do Papel impresso. Na Meza (na Conferencia passada) assentirão que se tinha (quem mandou imprimir a Carta) utilizando das Licenças de outro papel, e enxerido nellas a dita Carta, porque (dizia Frei Joaquim8 e Monte Carmelo) nenhum Deputado deixava passar tal papel. assentando isto por verdade infalivel passouse ordem de Prizão contra hum F. em nome de quem vinha a Petição das Licenças, e contra o Impressor: estava a ordem passada, quando Lembrou o Povoa que como na Meza havia Livro de Registo se visse se por acazo Constaria della alguma coiza: manda-se buscar o Livro; e consta que a dita Carta foi a ver a Frei Francisco de Sá. Eis aqui Frei Joaquim, e Carmelo, perturbados pelo que tinhão dito; e sahe Frei Joaquim com a Sentença = está feito a Correção da impressão he pessima, não sejão prezos os homens, mas suprimasse o papel em castigo de se demorar dois annos a sua impressão = annuirão quazi todos: determinouse que o Juiz do Crime de Santa Catarina fosse fazer apelação em todos os papeis impressos, e os remetesse á Meza; passou-se a ordem ao Juiz nesta forma = o Juiz do Crime do Bairro etc = aparece a Conta hoje do dito Ministro dada em huma Carta ao Senhor Secretario da Real Meza Censoria e com os termos de = fico para servir a vossa merce = reparou-se na Meza que o dito Ministro faltára á Sua obrigação, pois sendo-lhe a ordem dirigida immediatamente pela Meza, a esta deia ser dada a resposta, e assentou-se que o dito Luiz Coelho se quis despicar de na ordem não ser nomeado Dezembargador. Alem disto reparouse que não costumando Impressor algum imprimir menos de 500 papeis, este quiz dizer que só imprimira 18 Coiza impossivel; porem o Juiz do Crime só em 10 exemplares fez aprehenção, e são os que remeteo: A Meza quiz mandar prender o Impressor para dar conta dos mais papeis: tambem se votou que antes de prezo, se lhe tomasse Juramento se tinha, ou não alguns exemplares; mas refletio-se que sería obriga-lo a jurar falso por se Livrar de algum castigo, nesta duvida hia a prender-se o homem: então o Povoa disse que Vossa Excelencia (segundo o que lhe a elle parecia) tinha sobre esta materia alguma noticia: á vista do que o Senhor Arcebispo me recomendou soubesse de Vossa Excelencia o que se devia obrar sobre este cazo.

Escrevo esta sem ter ainda falado com o Senhor Padre Provincial, e sem saber o que Vossa Excelencia terá rezolvido a respeito do Professor de Grego de Santarem.

Manoel Joze Esteves Pinheiro está doente: pedio Substituto. Manoel Antonio dos Santos, que na sua Aula não tinha Discipulos, he quem por ordem da Meza (e Lembrança minha) vai substituir a Aula. Moveo-me a Lembrar Manoel Antonio dos Santos não dar occazião a alguns discursos que se metesse algum susbtituto por arteficio. O Padre Laureano Largou a substituição por se ir para a Sua Terra; nestes Termos Avizei o Professor de Rhetorica de Santarem (que he natural dos Algarves) o qual por muito doente não tem ido para a Sua Cadeira, que he Cazado, com filhos, e muito pobre, e interinamente a tem começado a Substituir athé que Vossa Excelencia determine o que deve ser. Todos querem ter arbitrios: Hoje me disse Frei Luiz de Monte Carmelo que a Meza (visto o Caetano ter tantas cartas que fazer, e não poder dar prompta execução a todas) podia nomear algumas pessoas que as fizessem para que os Pertendentes, e Povos não padecessem na demora; elle queria adiantar o discurso diante do Definidor geral, e Rocha; mas eu o atalhei dizendo que Vossa Excelencia assim o ordenara, e que supunha haver algum fim para não se passarem todas juntas: acomodouse. Remeto a Vossa Excelencia huma Carta do ViceReytor com o mesmo fim com que tenho mandado outras. Eu e minha mulher beijamos as mãos de Vossa Excelencia pelas empadas, e morcelas execelentes de que Vossa Excelencia nos fez merce. Deos remunere a Vossa Execelencia tantos beneficios quantos lhe devemos: o mesmo Senhor guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Lixboa 10 de Fevereiro de 1774.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

P.S.

Já tenho em meu poder o Novo Testamento que irá na proxima occazião.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 175 e 176)

Carta de 04 de Março de 1774

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor estimo muito e dezejo que Vossa Excelencia continue < em > passar Livre de molestia. Hontem se meteo no Cofre o Quartel grande: Tambem se mandou soltar o Mestre de Ler de Odivellas, que se tinha prezo na Segunda feira: Leo Frei Luiz do Monte Carmelo huma larga censura contra hum pequeno papel que se pertendia imprimir sobre Orthografia.

Francisco Joaquim Xavier de Paiva que sahio provido em Mestre de Ler para Azeitão regeitou o Lugar, e pedio Licença, deu-se-lhe por huma Provizão, requereo imprimir o Edital incluzo, negão-lhe a Licença: Tambem não deferirão a Petiçam do Mestre Escola de Leiria que remeto:

Além do que refere a carta do ViceReytor que Vossa Excelencia verá diz este que athe agora se tem todos os Sabados rezado a Ladainha em sima n’huma capella, e que agora o Reytor lhe dicéra havia de ir á Igreja: A Carta do Padre Manoel de Almeida irá na proxima occazião, pois me informei; e sempre se hade fazer alguma despeza mas pequena na Chancelaria: Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 4 de Março de 1774.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 177)

Carta de 09 de Março de 1774

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar livre de molestia.

O Collegio de Nobres está sem Copeiro porque se despedio o que havia. Remeto a Vossa Excelencia outra carta do Vice Reytor sobre coizas do Collegio: O mesmo Vice Reytor dezeja saber de Vossa Excelencia se elle (na conformidade do que está determinado no Collegio) deve ser o Paroco de toda a familia; do mesmo Collegio ou < se > está cometido ao Reytor?

  • 9 Reticências presentes no original.

O Padre Joze de Mattos Cardozo nomeado Mestre de Ler para: ….9 Joze mandou a caza a incluza Lista para que eu a aprezentasse na Meza, sem petição, e só com este recado verbal = «Que quarenta mil reis era tam pequeno ordenado que para nada chegava, pois os gastos indispensaveis erão os conteudos na relação que mandava, que a apresentasse Eu na Meza para que se visse a insuficiencia do ordenado de hum o Mestre de Ler; e que posto os gastos da Lista chegavão só a cem mil reis, com tudo menos de duzentos mil reis não se podia hum Mestre tratar decentemente» =

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 9 de Março de 1774

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 179)

Noticia da despezas que anualmente se faz nesta Provincia Transmontana por hum so Individuo, que viva á escolastica com moderação.10

  • 10 Nota no canto superior esquerdo: «Joze de Mattos Cardozo».

Pa // 3 // alqueires de pam por mez a preço de 300 reis, tem a ser por anno - 010:800 reis.

Pa // 5 // arrateis de carne para cada semana, isto he, de vaca, são por mez – 800 reis, em dez mezes de tempo de carne no anno, somão – 008:000 reis.

Pa // 1 // Porco para matar cada ano ----- custa ao menos – 006:000

Pa // 1 // quintal de Bacalhao para todo o ano a 1500 reis a arroba – 006:000

Pa // 1/2 // cento de sardinhas para cada mez, a 240 reis o cento, são por anno – 001:440

Pa // 2 // almudes de azeyte, a 3000 reis o almude ---- são por anno – 006:000

Pa // 1 // Hortaliça para cada mez 150 reis por anno são – 001:800

Pa // Vinho, para cada mez hum almude a 60 reis a canada são 720 reis cada hum almude, e somão por anno – 008:640

Pa // Sal para cada hum anno hum alqueire a 1000 reis – 001:000

Pa // Sabão para cada mez meyo arratel a cento, e quarenta o arratel são por anno – 000:840

050:520

Athe qui para o sustento corporal para hum so Individuo. Porem sendo hum Mestre Regio de qualquer Cadeira, ainda a que seja do Estudo menor, posto que do mayor trabalho, e empertinencia, que carece de maiz paciencia por lidar com inocentes Mininos de escola; preciza infalivelmente de hum Moço para o servir; e de huma caza capaz para ensinar a turba Juvenil, com cadeira alta, e asentos, Meza, papel, tinteiro, tinta, penas, e instrumento vapulante. Alem do vestido para si, e Moço, com a Limpeza de Mestre Regio: acrezcendo mais o precizo preparo da sua cozinha, e de sua Meza, como são toalhas, toda a preciza Louça etc. que tudo acima dito he precizo indispensavelmente; e não pode o Mestre valer-se de outra agencia, por lho não permittir a sua diaria Occupação: e á vista de tanta despezas precizas, he impossivel, que possa qualquer Mestre occupar cadeira, ainda de Escola, sem que se lhe pague ordenado, ao menos para tudo cem mil reis; Salvo meliori judicio: E ainda não chegão; porque he certo, que distribuindo em cada huma das ditas parcellas por se o seguinte:

Pa // 12 // carros de Lenha, ou cargas de carvão, hum para cada mez < a 600 reis >, são por ano – 007:200 reis.

Pa // // meudezas de Louças precizas para o uso da cozinha, e meza – 001:200

Pa // 2 // Toalhas, e dous guardanapos, faca, e garfo para a sua meza – 001:000

Pa // // Aluguel de caza a 800 reis por mez, são por anno – 009:600

Pa // 1 // cadeira e Magistral, meza, e necessarios assentos – 004:000

Pa // // meudezas necessarias para a escritta, e ensino – 002: 400

Pa // // Soldada para o Moço ao uso da terra por anno – 010:000

Pa // // O vestido, e calçado do Mestre annualmente – 015:000 reis

Somão – 050$400

E bem claro está, que os cem mil reis ainda não chegão para tudo inteyramente e isto sustentando-se o Moço á mesma ordinaria ração do Mestre; pois bem se ve, que para aquelle não se falla em sustento na conta acima.

Omnia perse pater

  • 11 Documento anexo à carta de 13 de Março de 1774 (BPE, CXXVIII 1-10, nº 182)

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 183) 11

Carta de 10 de Março de 1774

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar com perfeita saude. Á vista do que Vossa Excelencia me mandou dizer pelo Padre Francisco Vicente, falei ao Senhor Arcebispo sobre o Professor de Santarem; e elle hoje o mandou que fosse pela manhã a sua caza, e o manda ir para Santarem. O Mestre de Ler e Escrever do Sobral regeitou o lugar, despois de ter a Carta. Joaquim Ignácio mandou aqui falar comigo hum sugeito para saber se poderia prover-se logo o mesmo lugar; e que tambem queria pertender Mestre de Latim para a dita Villa do Sobral, respondi-lhe que enquanto Vossa Excelência não vinha de Salvaterra se não podia determinar nada. Hoje veio á Meza huma Petição de hum homem que pertendia embarcar para fora dois paineis, e se lhe deu despacho. O Marquez de Valença meteo ás licenças huma oração que hade recitar nos Annos da Raynha, vio-a Frei Joaquim e lhe notou 1º que o Marquez dizia = pertendo lizongear a Vossa Magestade = 2º que entre as coizas que louva á Raynha he o caçar: 3º que trazia esta expreção = se me não prohibira o respeito afirmára que Vossa Magestade nos seculos futuros será adorada não sómente debaixo dos doceis, mas sobre os altares. = alguns que vião que o Senhor Arcebispo advertisse isto ao Marquez de Valença; outros que o mesmo Senhor Arcebispo consultasse o Senhor Marquez de Pombal; porem a maior parte, sendo o proprio o Rocha disse que o Marquez de Valença em huma pessoa de tal qualidade que merecia toda a contemplação etc.: o Senhor Arcebispo abraçou isto, e à pluralidade de votos se deu licença à dita oração. Remeto a Vossa Excelência hum livro que tem 24 papeis avulsos, e entre elles alguns manuscritos ráros, como são as Exclamações Politicas de Luiz Marinho; e ainda que Vossa Excelencia terá alguns entre a colecção que comprou a Manoel Carvalho, com tudo sempre quis que Vossa Excelencia o visse, e se acazo servir póde Vossa Excelencia deixalo. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 10 de Março de 1774.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 180)

Carta de 13 de Março de 1774

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar livre de molestia; cuja felicidade Deos Nosso Senhor dê sempre a Vossa Excelencia como eu heide mister e dezejo. Remeto a Vossa Excelência a carta do Padre Manoel de Almeida Maciel corrente da Chancelaría, em que não se fez despeza alguma nesta segunda vez. O Edital que por ordem da Meza se afixou determinando (geralmente) que ninguem podesse ensinar do fim de Março por diante sem Licença da Meza, serve ao prezente do guarde detrimento a menos que não se examinárão nos primeiros Exames, pois não se lhes póde passar Licença; Muitos Mestres (principalmente de Ler que tem escola em Lisboa, e n’outras partes) pedem agora Licença como elles não estão examinados pella Meza não se lhes póde passar, elles não estão pela permissão vocal, e assim se achão consternados. Oucorre-me (se a Vossa Excelência parecer) que aos que não estão examinados (falo dos Mestres de Ler) se lhes póde passar Licença interina athe que haja Exames, porque desta sorte se oucorrera tanto a necessidade dos Discipulos, como tambem á dos Mestres, que não virem de outra coiza; e poderá talvez isto ser mais decente á Meza do que, ou ensinarem sem Licença, ou deixar de haver Mestres. Lembrame isto, fundado em que o Director Geral dos Estudos no seu principio deu Licenças deste genero. Bem sei que elle não deve servir de exemplar á Meza; mas lembro isto para que Vossa Excelencia determine o que lhe parecer. Amanhã faço tenção de avizar ao Vice Reytor do que Vossa Excelencia determina.

Aqui me falão em humas Decadas de Barros dizem que muitos boas mas que querem por ellas tres moedas e mea. Também me falarão nas Obras de Ozorio 5 tomos de folha, e que querião quatro moedas; destes fiquei admirado, pois não sei que haja mais de quatro tomos de folha: disse que sempre os queria ver; e ficárão de mos trazer á mostra. Ainda não vi os dois tomos Manuscritos, e suponho virão quarta feira, ou terça.

Tem-me esquecido dizer a Vossa Excelencia alguns Provedores a quem são aprezentadas as Cartas afim de as mandarem registar, como se lhe mandou pela Meza, os mesmos Provedores poem na propria carta = cumprasse = e segundo me parece, e já perguntei elles não o devem fazer, pois aquellas Cartas se supoem passadas por El Rey, e hum Provedor não manda cumprir a immediata ordem de El Rey, nem os Professores necessitão de aprovação do Provedor, mas o Provedor deve só fazer o que a Meza lhe manda que he registar a Carta: Vossa Excelencia verá isto se deve, ou não ser assim.

Manoel Pereira de Faria está desgostozo da Republica Literaria, e se resolve a vender todos os seus Livros Gregos, e ainda outros muitos elle me falou que estava formando hum catalogo de todos indicando as suas edições que erão as milhores que havia, e que queria Vossa Excelencia o visse, pois querendo Vossa Excelencia a nenhuma outra pessoa queria vender os seus Livros, e dizendo-lhe que Vossa Excelencia necesariamente havia de ter alguns dos que elle tinha, respondeo que isso não importava, que compraría os que quizesse.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 13 de Março de 1774.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humide Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 182 e 184)

Carta de 05 de Fevereiro de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor estimo muito que Vossa Excelencia passe Livre de molestia.

Hoje de tarde me mandou Pedro Viegas huma petição em que os moradores de Bélas se queixão do Mestre de Ler, por ser bebado, jogador, andando por tavernas etc. eu havia mandar esta Petição a Vossa Excelencia mas como veio por Pedro Viegas, e elle amanhã poderá ir a Meza não quero suponha eu (uns requerimentos de partes) o Mestre de Odivelas he afilhado do Senhor Joaquim de Oliveira) Mas antes de tudo, tóme a Meza a rezolução que tomar, eu a remeterei (a Petição) primeiro a Vossa Excelencia.

Vejo o que Vossa Excelencia me faz honra dizer a respeito de Belixge, beijo a Vossa Excelencia a mão por confiar de mim esta noticia: Deos assim como permite Vossa Excelencia se ache cercado de muitos ingratos, e falsarios; dá a Vossa Excelencia hum juizo prudentissimo, e vivissimo para conhecer a todos: Deos dê a Vossa Excelencia vida, e saude (digo eu, e diz o ViveReytor) que he o que importa.

Ah Senhor ViceReytor (lhe disse o Reytor) Pagliarini he que está bem, e muito contente pela vinda de Ayres de Sá. Os Romanos são espertos, e sabem Levar as coizas deitou bem as suas Linhas: Elle (Ayres de Sá) tambem he meu amigo. ViceReytor calouse: mas disseme a mim isto he mentira porque em hum Beija mão aonde estava Ayres de Sá por mais que o Reytor se chegou ao pé delle lhe não deu uma palavra; e suponho nem o conhece. Suponho haverá occazião de Vossa Excelencia ter 16 medalhas romanas todas de prata. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 5 de Fevereiro de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

P. S.

Minha mulher criada de Vossa Excelencia se poem aos pés de Vossa Excelencia.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 185)

Carta de 07 de Fevereiro de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo muito que Vossa Excelencia passe Livre de toda a molestia.

Falando ao Professor Joaquim Jozé de Sá me disse, que da sua mão nunca sahíra papel algum respetivo á Sua Aula, ou Discipulos; porem que ficando os Themas em huma Gaveta aberta na mesma Aula, e não ficando a chave desta em Seu poder, não era dificil o tirarem-nos: Que a Gaveta na Aula ficava aberta pois tendo elle há tempos falado a Vossa Excelencia nisto, Vossa Excelencia lhe não disse coiza alguma sobre isso. Se Vossa Excelencia lhe parecer o Professor póde ou levar para sua caza os Themas, (como eu lhe disséra, se não julgára mais acertado esperar as ordens de Vossa Excelência) ou ou [sic] fechalos na Gaveta da Aula. Repito (se acazo ja o disse) a Vossa Excelencia o Reytor he hum inimigo do tal Professor; he o dito Reytor acompanhado nesta parte por Pagliarini, e Professor de Rhetorica, Padre Joze Maria e outros. Sahindo Joaquim Joze de Sá hum dia da Aula, hum dos seus Discipulos Louvou muito (diante do Padre Jose Maria e de Joaquim Carneiro e outros) os Pasquins feitos contra Sua Magestade e o Senhor Marquez (os Pasquins, digo, que se puzerão na Estatua e Pelourinho). Nesta conjuntura ainda que fóra da Aula estranhou muito o dito Sá ao Collegial falar em semilhante materia dentro do Collegio, e lhe recomendou queimasse logo semilhante papel etc. houve quem estranhasse isto ao Professor por se meter (dizem) em coiza que não he da sua Jurisdição; mas elle diz que vendo hum Collegio Real Louvada a insolencia daqueles Pasquins, não se pudéra conter.

Não he nada isto (Excelentissimo Senhor) agora verá Vossa Excelencia o que talvez não esperaría de facto, suposto o admitisse de muito possivel. Hontem foi á Meza hum Papel para imprimir que dizia = No Tribunal, e Meza da Fazenda dos Padres da Ordem de Christo em Thomar etc. = e em baixo o Secretario do Tribunal e Meza etc. = vio este papel o Deputado de Xabregas, e não teve duvida: veio á minha mão para o Despacho, reparei na Palavra Tribunal, comuniquei isto ao Rocha, falou elle, e rezolvesse, unanimamente contra o de Xabregas que se riscasse Tribunal. Passa isto, vem despois hum Rol de Livros para fora, e indo-lhe por o Despacho reparo que trazia este Livro = Pinamonti Exorcista vite instructos = duvidei (para milhor dizer comuniquei isto) ao Rocha, propo-lo elle, houve votos Rocha e Povoa que não fosse o Livro para fora. Carmelo mastigou: Xabregas ardêo extraordinariamente = Frei Joaquim que como o Livro não he para imprimir, mas para uso particular pode ir; Pedro Viegas nem sim, nem não: Senhor Arcebispo . Tinha em huma conferencia passada vindo á Meza hum Livrinho de Santa Barbara para imprimir e riscarão-lhe (Frei Joaquim o tinha censurado) as palavras.

Contra maleficios, disse agora o Rocha se no Livro de Santa Barbara se riscarão as palavras contra maleficios, como se hade dar licença a hum livro contra maleficios, e feito por hum Jezuita de quem não sabemos o merecimento. Isso (disse Frei Joaquim) he outra coiza, huma coiza he imprimir hum livro, outra coiza he usar de hum livro impresso. Enfim mandou-se pôr o Despacho < absoluto >, e eu assim o fiz; porem despois risquei o artigo Pinamonti etc. e pedi o tal livro a Reycend o qual remeto a Vossa Excelencia. He certo que nenhum inconveniente podia haver em ficar o tal livro, e muitos em elle ir: mas tomou esta materia tal corpo na Meza, que sobre ella no fim da Meza deu o Xabregas huma satisfação do Rocha o qual respondendo-lhe que aquelle Livro era contra o Papel do Magia lhe respondeo Frei Francisco Xavier formalissimas palavras = ainda esse papel hade dar muito que entender a Meza = se pararão-se: e Rocha, e Povo, e Eu ainda agora estamos a pensar naquellas palavras. Deos permita que Vossa Excelencia já venha para Lisboa; pois a Meza me parece não está boa; ou por inercia, ou por malicia, ou por ignorancia.

Depois de Frei Francisco Xavier particularmente perguntar a Rocha por Luiz Vives, e elle dizer não o Levaría a Meza sem ordem ou de Vossa Excelencia ou do Senhor Marquez, elle lhe disse que o Senhor Marquez lhe tinha falado nelle, e publicamente na Meza disse que vindo Sabado de Salvaterra, estivéra athe ás onze horas da noite com o Senhor Marquez, Cardeal etc. Comentarão muitos que não obstante elle vir de Salvaterra, e estar com aqueles Senhores. Frei Francisco anda muito triste: o Senhor Arcebispo disse ao Rocha Levasse Sexta feira o Livro de Vives; pois o Senhor Marquez o encomendou: Pergunta Rocha se o deve Levar; e se exvi [sic] daquella recomendação o póde Censurar achando que?

Remeto a Vossa Excelencia os 5 Exemplares de Farragó encadernados em Marroquim: tem por acazo o ViceReytor os tinha ainda em papel de Olanda; dizendo-lhe que erão para Vossa Excelencia só encadernados os quis dar.

Remeto a Vossa Excelencia as Provizões juntas para Vossa Excelencia as assignar: e vai huma que há muito tempo está feita para Professor de Filosofia do Porto; o qual novamente me escreveo; e se acha mais doente. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa. 7 de Fevereiro de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 189)

Carta de 09 de Fevereiro de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito Vossa Excelencia continue em passar Livre de toda a molestia.

Hoje Quinta feira ás Ave Marias me disse o Reverendissimo Senhor Padre Provincial o que Vossa Excelencia me ordenara que fizesse. Sobre os Pasquins que aparecerão no Collegio farei as possiveis deligencias: Fui logo falar ao Rocha o qual me disse que hontem remetera a Vossa Excelencia o Vivis: Que lhe parece ser esta Impressão do dito Vivis idea de Xabregas pelo grande empenho que lhe vê; e tambem porque o mesmo diversas vezes lhe tem perguntado que conceito forma do tal Livro: … se acha alguma coiza que lhe censurar etc. E como no tal Livro vem passage sobre Magía, e o Xabregano como ja a Vossa Excelencia mandei dizer parece não estar por tal opinião (digo está contra o papel de Farragó) prezume Rocha ser isto idéa etc.

Hoje foi João Chrizostomo da Secretaria de Estado falar ao Reytor para irem os Sampayos, Senhor Lourenço e Passanha para o Collegio e supoem se irão á manhã as Petições á Meza. Isto me contou hoje o ViceReytor que o dissera o Reytor aos Collegiaes, mas que a elle não lhe dera huma palavra nisso.

O ViceReytor me pedio perguntasse a Vossa Excelencia se o Pay ou a May de hum Collegial póde falar ao filho mais de huma vez cada quinze dias, pois a elle lhe parece que sim por Vossa Excelencia lho ter dito; mas o Reytor disse que não.

Eu mesmo indo hoje ao Collegio á sahida vi sahir de dentro do Collegio pela Porta donde se servem os Collegiaes huma mulher de manto com sua preta; perguntei ao ViceReytor que me acompanhava; que mulher era aquella? e se aquillo era permetido? Respondeo-me que era a primeira vez que tal via: Que elle não se atrevia a reprehender, ou a dizer coiza alguma no Collegio porque temia alguma grande descortezía. Indaguei a razão deste receio; e me disse que erão ráras as Pessoas no Collegio que delle fazião cazo; e entre demonstrações de sentimento me disse = Senhor Secretario isto está em triste situação para mim; pois já sucedeo estando os Collegiaes em hum divertimento de jogo, e portandose com menos decencia, advertindo-os eu com toda a cortezia, virouse hum delles para os outros e disse nós não temos cá superior que nos reprehenda se não o Senhor Bispo, e o Senhor Reytor = e a este propozito me referio coizas que por miudas, e extensas só de palavras as poderei dizer a Vossa Excelencia. O Porteiro que estava quando as mulheres sahirão era o Velho.

Dei o Recado ao Reytor sobre Vossa Excelencia lhe não responder a sua Carta: Elle ficou muito sezudo. O ViceReytor continua com o Mafes: ao Rocha, e Povoa recomendei o que respectivamente cada hum deve trabalhar.

Remeto a Vossa Excelencia duas cartas do ViceReytor; este me disse que o mesmo Reytor lhe dissera já que era incompativel estudar Gramatica, Rhetorica ao mesmo tempo.

Senhor, eu por huma parte considero que algumas coizas que ás vezes nas minhas cartas mando dizer a Vossa Excelencia ou não serão de entidade, ou lhe poderão cauzar descontentamento; mas tenho assentado comigo dizer a Vossa Excelencia quanto souber, e não mando dizer o nome do Collegial que disse que só Vossa Excelencia e o Reytor erão seus superiores, porque não foi possivel querer o ViceReytor dizer-mo.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 9 de Fevereiro de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 191)

Carta de 17 de fevereiro de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia passe Livre de molestia.

Hontem se fizerão as Consultas de S. Payo, Pessanha, e São Lourenço e o Senhor Arcebispo as Levou logo.

O velho Antonio Luiz que he guarda do Arsenal e continuamente está a porta da escada do Subsidio me fez queixa de que a guarda dos Soldados que esta no Subsidio repetidas vezes (ou sempre) fazião fogueiras de noite e na mesma caza; que elle tinha chamado que isto era contra as ordens que elle tinha (pelo que respeita ao Arsenal) d’antes etc. que os Soldados zombavão delle, e lhe dizião que á Guarda ninguem a Governava senão General. Como isto era coiza que podia ter consequencia gravissima, qual he queimar-se toda a Meza Censoria, e suas pertenças: Hontem dei parte disto ao Senhor Arcebispo e lhe disse que Vossa Excelencia me mandava lhe desse a dita parte para que elle a expuzesse ao Senhor Marquez para lhe dar o Remedio; e que Vossa Excelencia lhe não < tinha > escrevido ainda por suas continuadas ocupações. Tomei nesta occazião a Liberdade de mentir em nome de Vossa Excelencia pela circunstancias de depois pedirem o prompto remedio: o Senhor Arcebispo ficou de hoje o dizer ao Senhor Marquez.

Remeto a Vossa Excelencia huma Petição que me tem esquecido mandala. E tambem uma conta do Porto que ainda não quis levala á Meza sem Vossa Excelencia a ler.

Tem-me esquecido dizer a Vossa Excelencia que o Galhardo tem sempre estado doente; e se lhe deu ajuda de custo: E que se cobrou o quartel grande.

Hontem me encontrou na Rua hum official do Marquez, e me perguntou por hum Breve de Indulgencia etc. que tinha vindo de Roma e estava a rever na Meza; foi-me de novas dizendo-lhe que isso não vinha á Meza; retrucou-me dizendo que Antonio de Lemos lhe dissera que na Meza estavão cento e tantos Breves que vierão da Secretaria de Estado, e estavão repartidos pelos Deputados para se verem, e que só quando Vossa Excelencia viesse he que isso se Despachava. Respondi que era mentira, e que o Lemos se enganara, pois lhe afirmava que tal não havia; tirei daqui supos o tal Malsim que eu lhe mentia (de que neste cazo se me da bem pouco).

Hontem se fez reparavel na Meza (antes da entrada) as meiguices com que os Deputados de Xabregas, e Frei Joaquim se tratarão falando á parte: Houve quem suspeitou se tratava da Defensa da Inquiszição no Livro sobre o Malagrida. Pareceme que já mandei dizer a Vossa Excelencia que Frei Joaquim o levou (o dito Livro) ao Cardeal, e que o Rocha diz este lhe não falou: o dito Livro tem sido mal recebido de muitas pessoas a quem Frei Joaquim o tem dado; de maneira que he publico em Lixboa ser elle o Autor: E do Livro se collige que o foi tambem do Edital da Meza contra a Pastoral do Bispo.

Ja se começou a pagar aos Professores, a Folha velha. Fico para obedecer a Vossa Excelencia em tudo que me ordenar. Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Lixboa 17 de Fevereiro de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 193)

Carta de 22 de Fevereiro de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar livre de molestia.

Tendo eu dito ao Senhor Arcebispo que os Deputados Frei Joaquim e Povoa dezaprovavão a Dedicatoria, e Soneto que remeto manuscrito, o dito deu o Despacho para se imprimir o soneto como Vossa Excelencia verá, e elle mesmo dei o Póde Correr, tudo de sua letra. O Reytor está dezesperado por ver que os Pays dos novos Collegiaes o não tem procurado. Despois de hoje receber a Carta que a Vossa Excelencia remeto do ViceReytor lhe fui falar; o qual me contou que quando o Reytor Segunda feira mandou a Informação á Meza para entrar o filho de João de São Payo lhe fora dizer o Moço que João de São Payo Estava na Meza (como na verdade estava, e eu já mandei dizer a Vossa Excelencia) de que o Reytor se queixou ao ViceReytor dizendo-lhe que iria agora João de São Payo buscar à Meza Censoria? Iria pedir que se lhe fizesse logo a consulta? Depois de eu mandar as Informações escuzava de la ir etc.

Disse João Baptista de Araujo a Joaquim Joze de Sá que o Esmoler mór tinha dito que D. Joanna de Mello dissera (não sei a quem) que o Reytor lhe assegurava que seus filhos entrarião brevemente.

Já Vossa Excelencia creio que sabe hum jogo que inventou o Reytor em que os Collegiaes jogavão com amendoas; os Collegiaes imediatamente aparecião amendoas comião-nas. O Reytor acudio a isto (elle mesmo o contou ao ViceReytor) indo a caza de hum vidraceiro, e trazendo quantidade de bocadinhos de sóla redondos (vulgarmente < se > lhe chamão corropíos, e são aquellas partes que se tirão de dentro do lugar em que se metem os vidros dos oculos) e deu isto para se jugar. O jogo em si he chamado o Jogo da Cóvinha, o qual só os Rapazes jogão pelos Adros, e com os mesmos bocados de sola, e na falta destes com cácos. O que diz tem servido de murmuração a alguns dos Colegiaes maiores, e a qualidade do jogo parece ser indecente.

Fico para servir e obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa. 22 de Fevereiro de 1775.

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

De Vossa Excelencia

Humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 195)

Carta de 09 de Março de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia passe Livre de toda a molestia. Eu ja hoje fui á Meza.

Mandou-se ao Procurador da Caza de Pedrozo puzesse a Lanços a obra do Concerto das Cazas; e remetesse á Meza o Termo do Lançamento: Mandouse-lhe tambem que remetesse logo noventa mil reis de hum Laudemio que Lá cobrou. Dando-se Licença a Mr Rey para imprimir hum Catalogo de Livros, com a condição de aprezentar na Meza certos Livros, e mandando-se estes buscar (pelo Galhardo, que he quem havia imprimir o dito Catalogo) respondeo que não entregava os Livros senão quando Vossa Excelencia viesse; dito isto pelo Galhardo; e assentado na Meza que Vossa Excelencia tal não quereria, antes o contrario, houve votos de que Mr Rey fosse logo prezo, tal foi o voto de Frei Joaquim Carmelo, e Santa Martha, prevaleceo porem o voto dos < Senhores > Rocha, Mayre, Viegas, Povoa, e Arcebispo, que se tornassem a pedir os Livros em nome da Meza, e no cazo de Mr Rey não os entregar Logo fosse prezo; e que se fizesse Logo esta deligencia; fui encarregado de dar estas ordens, porem sem resposta de Vossa Excelencia não se obra nada.

Remeto dois róes de Livros de Bertrand, hum de Manuscritos e outro de Impressos; pera Vossa Excelencia os ver: vai tambem huma medalha que cá ficou o outro dia por engano.

Manuel Fernandes Ruivo Professor de Latim em Portalegre pede hum Mez de Licença deixando para substituto hum filho que se acha examinado, e com bons assentos, se Vossa Excelencia quizer, estimarei servir este Professor.

Vai tambem hum rolzinho pequeno de hums Livros de Reycend, para Vossa Excelencia ver se quer algum.

Hum dos dias de Meza quando eu estive doente foi João Gomes da Araujo, e João Antonio Pinto ver a Secretaria da Meza. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 9 de Março de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor.

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 197)

Carta de 13 de Março de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia passe Livre de toda a molestia. Quando recebi a Carta de Vossa Excelencia Sabado á noite ja não era tempo de subescrever o Edital; porque tendo o Senhor Frei Joaquim Levado-o a Meza na Segunda feira antecedente em que eu La < não > tinha ido, duvidando Rocha de o Subescrever assentou o Senhor Arcebispo e Frei Joaquim que o Subescrevesse, e assim o fez; e Frei Joaquim dezejoso de que se soubesse que elle o tinha feito, levou o mesmo original de sua Letra a Impressâo, e se não fosse eu que lho fiz advertir á sua Céla sahia o Edital sem nome de official que o fizesse; deu-me então muitas satisfações de que o Levaria logo porque o Senhor Marquez estava anciozo porque sahisse, e que para se tresladar gastaría muito tempo; sempre lhe respondi, que ja n’huma occazião semilhante se tresladou metade e foi para a Impressão; e depois disso se copeou a outra porque o Official da Impressão não compunha tudo junto: Disfarçou isto como pode, e passou a outras coizas. Não pude ainda saber nada a Respeito de João Gomes de Araujo.

Hoje veio huma Petiçam de Jozé Antonio de Almeida de Evora o qual pede Licença para ensinar Latim; este he o Coxo de quem os Professores se queixão, não obstante o que (não o sei de certo) pareceme que Frei Joaquim he empenhado. Porem sem Vossa Excelencia o dizer não passo adiante.

O Senhor Arcebispo trouxe á Meza huma Oração de Gonçalo Xavier de Alcaçova para como Academico para os annos da Rainha; ella estava em estilo que poucos a entederão: vio-a Frei Joaquim por-lhe duvida, o Rocha, e Povoa disserão que ainda prescindindo do merecimento a ella não se devia dar Licença sem ordem do Sennhor Marquez, visto o que Vossa Excelencia tinha dito: Mayne, Carmelo, Santa Marta e Arcebispo mandarão por o Imprimise. Puz-lho, e o Arcebispo a levou na algibeira, ella não < só não > está bem feita mas talvez tem algumas coizas menos decentes; assim o disserão alguns; e pelo meu parecer não está em Portugues que se entenda.

Hoje se pôz o Pedestal da Estatua (quero dizer a Pedra em que estão as Armas Reaes, e o Busto do Senhor Marquez: este veio a Praça do Comercio, veio o General, Morgado de Oliveira, Esmoler mor, João Pereira Ramos, o Cardeal etc.

A Senhora Marqueza de Pombal esteve na Junta do Subsidio para o que tinha vindo Avizo. Foi Lá Comprimentala Frei Joaquim e depois foi de Xabregas; o Cardeal tambem foi a Junta do Subsidio; sahirão todos, e forão ter com o Senhor Marquez, a pedra se pôz facilmente: Tinhase começado o Despacho da Meza, parou este em quanto se pos a Pedra, e posta ella se finalizou, sem voltar Frei Joaquim e e Xavier de Santa Anna que por isso este não votou no Papel do Alcaçova.

Em Santarem he certo me disse o Eloy não há ordem alguma para virem os Livros dos Jezuitas. O Rol dos manuscritos que mandei a Vossa Excelencia he dos Livros que eu tinha apartado, pelo menos eu nessa fé o tinha, mas como Bertrand tardou tanto em o fazer alguma desconfiança tenho despois de o Ler que houve mudança em alguns Livros dos manuscritos; elle estalhe pondo < agora > os preços verei com se sahe.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lisboa 13 de Março de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 199)

Carta de 21 de Março de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Agora ás déz horas da noite recebo a carta incluza do ViceReytor; nella verá Vossa Excelencia hum dos muitos apertos politicos em que o ViceReytor muitas vezes se acha. O Reytor supõem (ou quando quer tem) por Parentes os Criados de hum fidalgo: Dispensa quando quér nas horas de Estudo, e faz o mais que Vossa Excelencia sabe, e saberá quando vier: o que o ViceReytor quer saber segundo a sua carta he se o Collegial Antonio Xavier deve comungar?: em quanto a falarem criadas ja Vossa Excelencia me mandou dizer que não; não obstante o Reytor diz que sim; agora Vossa Excelencia ordenará (ao menos) se não estando o Reytor em Caza deve o ViceReytor dar a Licença a Criadas de Fidalgos, ou negála, não obstante tela dado por esta vez: Vossa Excelencia tenha a certeza fizica que no Collegio se arma ratoeira ao ViceReytor, especialmente despois que o Porteiro foi chamado á Caza do Senhor Povoa; e ainda mais há alguma coiza que só na prezença de Vossa Excelencia poderei expor: Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 21 de Março de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 201)

Carta de 27 de Março de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimo muito que Vossa Excelencia passe sem molestia alguma.

Hoje veio á minha mão esta Petiçam que remeto a Vossa Excelencia para que veja que ainda a Inquizição se governa pelos Indices expurgatorios etc.

Joze Valèrio do Sacramento Professor de Grego na Guarda veio para Lixboa sem pedir Licença despois de cá estar pedio hoje Licença por hum Mez, dizendo que se tinha auzentado por negocios de grande precizão etc. votou Rocha e Povoa que visto auzentar-se sem Licença fosse suspenso com multa no Ordenado; e que despois se averiguassem os motivos que tivera; para conforme a elles durar a suspenção: acudiu Logo o Arcebispo e disse, que este Professor viera para tratar do Livramento de dois Clerigos prezos por huma hesta[história?] de Judeos que Lá houve na Covilhã, e que alem disso não tinha Discipulo algum: votarão os mais Deputados a vista disto (e da inclinação que o Arcebispo mostrou) que se desse o Mez de Licença.

Foi a Meza o Requerimento do Collegial em que tinha falado Rocha porque hum frade de S. Domingos (creio que era o Portugal) pedio o Papel ao Rocha e o Levou ao Reytor o Arcebispo os deu a Frei Joaquim para fazer a Consulta, sem ouvir ninguem.

O Homem < contra > quem se deu Sentença nas Agoas Livres, e a qual Sentença querião imprimir na Conferencia passada, requereo hoje pedindo não lhe desse Licença, pois a Sentença ainda pendia com embargos na Chancelaria; o Arcebispo levou a dita Petiçam para a junta com a Sentença a levar ao Senhor Marquez.

Veio hum Decreto de El Rey passado em 1751 a favor dos Confeiteiros: mandouse rever ao Senhor Piscarro.

Frei Joaquim veio com a denuncia de que se tinha impresso furtivamente a cartilha do Menino Jezus.

O Arcebispo foi hoje à Meza sobre posse por cauza de Gòta; e não tinha ido de manhã á Inquizição: entregou a Chave do Cofre a Frei Joaquim e se foi contar o dinheiro para haver pagamento Quinta feira. Frei Joaquim recomendou muito ao Senhor Arcebispo o tratar da Sua Saude; e creio está com a ancia de servir de Prezidente nunca dezejei mais saude ao Senhor Arcebispo do que hoje.

Pela carta do ViceReytor verá Vossa Excelencia mais uma parvoíce do Reytor no peditorio que fez ao filho do Conde de São Payo.

O Frade de São Domingos que falava ao Rocha sobre o Novo Collegial accrescentou = a May (do Collegial) não o quer em Caza do Belinge porque Lá não se aprendem boas coizas =

O Reytor continua em louvar muito o methodo e conduta de Belinge, e julgo que nisto obra de mão comua com Pagliarini; e sendo assim certamente tem afim que Vossa Excelencia conhece, e me fez a honra de ja mandar dizer ha tempos; sobre o Belinge pertender (ou dezejar) voltar para o Collegio.

Agora recebo a Carta de Vossa Excelencia e estimo < muito > que os brincos servissem.

Ja fiz a recomendação aos Francezes; e agora me explicarei de que he ordem de Vossa Excelencia.

Esquecime. Hoje se queixou o Professor de Filosofia de Evora de que havendo de mandar á Meza huma Carta do serviço de Sua Magestade o Correio não lha quis trazer sem elle pagar 240 reis o que com effeito fez; na Meza recebeo-se isto como coiza ridicula; porem a vista (e Vossa Excelencia o conhecerá) de Vossa Excelencia direi as perniciozas consequencias que isto tem.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 27 de Março de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 203)

Carta de 04 de Abril de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimei muito as noticias que de Vossa Excelencia me deu o Padre Francisco e peço a Deos que dê a Vossa Excelencia sempre feliz saude.

A Novena de Santa Barbara que remeto a Vossa Excelencia tem Licenças desde o anno de 1769 vindo agora a Conferir assentou a Meza mandala suprimir, e que o Galhardo entregasse a Impressão della por ser indigna.

Ao Juiz de Fora de Evora mandei hum Avizo de que remeto a copia: Rodrigo Coelho mandou a carta que Vossa Excelencia verá sobre os ornamentos que são precizos mas ainda não os aprezentei na Meza.

O Professor de Filosofia de Santarem quer imprimir essa oração, não sei se deve ir a Coimbra?

Féz a recomendação a Sebastiam Rodrigues da Costa que ficou sumamente alegre, e cheio da maior admiração; pois elle estava na certeza, (e disse que corria de plano a noticia) de que o Professor de Rhetorica fazia a dita oração.

Antonio Felis Mendes he quem me deu a Petiçam do Frade Qualificador; mas eu nunca a aprezentei na Meza; Antonio Felis a trouxe a minha caza, e segundo elle diz o Frade não queria tocar na materia a Frei Luiz de Monte Carmelo.

Dei o recado a Frei Joaquim e já se paga segundo Quartel. Mudão-se actualmente os dontes do Hospital e começou hontem a trasladação; forão varias comunidades e o Provincial de Xabregas (quero dizer o Definidor Geral) ostentou na Meza a sua Caridade em ter Levado dois doentes, e que a sua comunidade abrio exemplo ás outras etc. depois destes contos Frei Joaquim lhe perguntou como estava o Senhor Cardeal!

Remeto a Vossa Excelencia cem mil reis < que he o > Quartel da Meza Censoria.

Pedro do Vale era senhor de huma quinta na Ameixoeira, (depois que a may lhe morreo) me falou para lhe comprar; a dita quinta tem nora, horta e vinha que dará quatro Pipas < de vinho >, e hum Olival annexo, que regularmente dá 12 almudes de Azeite; paga de foro 40$000 reis; ofereceo-me, como digo, por 300$000 reis, e que dando-lhe logo cem mil reis me esperaria pelo mais; aconselhandome com quem daquilo entendia, e vendo que faria conveniencia, comprei a dita quinta e sabado passado tomei della posse. Não só dou parte a Vossa Excelencia disto, mas lhe beijo a mão por isto mesmo, reconhecendo que só á Proteção e amparo de Vossa Excelencia devo quanto tenho, e quanto sou. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 4 de Abril de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 207)

Carta de 06 de Abril de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: estimo muito que Vossa Excelencia passe Livre de toda a molestia. Só a carta de Vossa Excelencia podia á hora que a recebo (são Ave Marias) alegrarme, dizendo-me Vossa Excelencia nella que esta excelentemente. Na Meza a onde estive, e no Collegio dos Nobres a onde fui vi, e ouvi coizas que me encherão da maior melancolía; por ver (Vossa Excelencia perdoe a expressão) os genios patifes, e ridiculos, e insolentes que há por toda a parte. Vou a fazer huma narração de cazos, huns dignos de rizo, e outros não sei de que.

Frei Joaquim e Xavier segunda feira se ajustarão na Meza, e á sahida forão levar doentes do Hospital para o Collegio; cuidavão que esta obra, que podia ser meritoria, mas para elles certamente o não foi; ficava oculta e hoje a publicarão em Meza; accrescentando o de Xabregas que seu Irmão Provincial mandára caldeirões de Galinhas, e Vitela para os doentes; etc todos se rirão.

Disse o Senhor Arcebispo depois de tossir = Ora Senhores venho certamente com sentimento do Senhor Marquez me dizer que a Consulta (era a do filho de D. Codro[sic]) não hia nos tempos pois passando de 13 annos; bastava hum dia para não se consultar, quanto mais tantos Mezes = Frei Joaquim que foi quem fez a Consulta; e que foi o mesmo que antes da Meza, no dia em que ella se fez (a Consulta) diante dos mais Deputados tinha disputado comigo que não se devia fazer cazo dos mezes, pois in favorabilibus etc teve sem ceremonia de dizer agora, que fora culpa do Reytor que na Informação não fizera cazo daquelle excesso de idade; o Arcebispo arguhio = (nós sempre devemos reparar =) respondeo Frei Joaquim ella aqui se Leo, e suposto que se falou nisso os Senhores todos assentarão que sim: sahio Rocha (estimei-o bem) e disse = tal não Leo, nem se propos, o que se fez foi só mandar-se assignar =, o que Confirmou o Povoa; faltava hoje Pedro Viegas; e diz Frei Joaquim o Senhor Viegas o confirmou. em fim o Senhor Marquez deu outra vez a Consulta ao Arcebispo dizendo que não mandava á prezença de Ele Rey; e Eu Excelentissimo Senhor estimo-o muito pois conheço (ao menos ninguem mo tira da cabeça) que o Senhor Marquez ja sabia tudo quando a consulta lhe foi á mão.

Tinha ido á Meza huma Sentença para se imprimir dada por hum Corregedor do Porto sobre huma falcidade o Arcebispo era empenhado por ella, foi hoje Ignacio etc a Meza fez-lha ver, e se deu Licença para a imprimir, Levou-a o Arcebispo creio que se Vossa Excelencia cá estivesse não se imprimiria.

Foi o Conde e Condeça de S. Payo ao Collegio e lhe disse o Reytor que o filho não fazia este anno actos Publicos; mas que os faría para o anno.

A Senhora Gama indo ao Collegio falou sobre se o Leonardo lhe quereria ir ensinar hum filho a Caza, respondeo-lhe o Reytor que o Leonardo ja não estava capaz para ensinar porque lhe tremia a mão. Porem que F. (não sei quem he) era muito bom: ora o tal Reytor tem andado mostrando hum treslado do tal Fulano athe ao ViceReytor.

Disse o Reytor ao Vice Reytor = Joaquim da Costa (pareceme que este he o nome do que fez o risco para a Estatua de El Rey) queixasse de que o Padre Antonio Pereira deu todo o Louvor ao Bartolomeu e nenhum a elle; mas não tem razão, porque o Padre Antonio Pereira fez aquillo depreça não attendendo: … Lá traz elle statuarius que: … que lhe parece aquelle statuarius Senhor Vice Reytor? =

Veio Ciera a Lixboa era d’antes inimigo do Reytor e este delle: está hospedado em Caza de Pagliarini: Foi vizitado o Reytor e vindo para Caza disse ao Vice Reytor, estive com Ciera perguntoume muito por vossa merce e diz que o hade vir vizitar. Como elle quando se foi < para Coimbra > despedido do Vice Reytor, achou este que devia procura-lo. Meteu Logo o Ciera Conversação sobre o Collegio; e disse que = visto não haver Perfeito era de necessidade estarem os Professores sugeitos ás Direcções do Reytor principalmente sendo o actual hum homem tão Douto nas Bélas Letras; o que se fazia tanto mais necessario quanto o Collegio tinha tido, e estava em hum Estado totalmente diferente do antigo; pois antigamente havia excelentes Professores, mas entre os que governavão havia dissenções: agora que pelo contrario havia grande união nos superiores, mas que os Professores erão indignos especialmente o de grãmatica; mas que desta regra se exceptuava o Padre Daly. Ora que lhe parece Vossa Excelencia este dezaforo? Confesso a Vossa Excelencia que quando escrevo isto se me turba a vista; mas socegame considerar que o Reytor, e Ciera, poderão ter fortuna igual á de Manoel Joze Pereira e que a Pagliarini, ainda lhe poderá chegar a de que elle ja fogio. Perdoe Vossa Excelencia algumas expressões mas não posso dezejar menos a estes, e outros semilhantes insolentes.

Beijo a Vossa Excelencia a mão pelas morcelas, e barrilinho; e peço a Deos Conserve a Vossa Excelencia a saude, e vida chea das maiores felicidades para meu amparo, e de outros muitos; e confuzão de quantos Reytores ha, e seus parciaes: Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 6 de Abril de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Minha mulher se prosta aos pés de Vossa Excelencia.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 210)

Carta de 08 de Abril de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia.

Na Caza de Pedrozo vagou huma Igreja que he aprezentação da Meza; e rende 400$ reis.

De Raymundo Antonio Professor em Santarem há grandes queixas, e creio que huma formal a qual não tem vindo á mão, e vem judicialmente feita: este Professor dá Caza de Jogo Levando barato, consentindo que os Discipulos joguem etc ensina a Frances e por dinheiro; e por que hum homem lhe disse que elle não era capaz de ensinar Frances lhe pedio huma injuria etc este Professor só Vossa Excelencia o podería emendar de modo que não soassem na Meza as queixas contra elle, pois he o Afilhado do Senhor Joaquim Fe Oliveira.

O Professor de Rhetorica de Portalegre he hum ignorante as suas decantadas concluzões só se reduzirão unicamente a recitar cada defendente huma oração; e a sua conduta pelo que toca ao Magisterio he digna de reforma.

Enfim Excelentissimo Senhor Vossa Excelencia he necessario em Lixboa para emendar algumas coizas, e dar providencia a muitas.

Quinta feira se Despachou na Meza o papel que remeto do monstro de Castela; mas eu não o quiz entregar sem ordem de Vossa Excelencia.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde por muitos annos. Lixboa 8 de Abril de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

P. S.

Pedro do Vale me disse terem-lhe dito os Padres Camilos que o homem que morreo no Hospital em traje de molher era o Jezuita Francisco Antonio, que Vossa Excelencia talvez conhecería. Actualmente cuido em pôr promptas as Listas para as remeter a Vossa Excelencia.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 212)

Carta de 28 de Abril de 1775

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia passe Livre de toda a molestia. Segunda feira remeterei a Vossa Excelencia as Concluzões Despachadas.

Hontem foi huma celebre Meza. Tinhase na ultima Conferencia dado Licença para a Impressão da Senteça das Agoas Livres; mas sem Levar titulo: requererão nas Férias ao Senhor Arcebispo o qual sem consultar alguem de seu proprio punho (contra o seu costume reflexo (ao prezente)) deu o Despacho para se imprimir o titulo: foi a Conferir, e unanimemente assentarão todos que o titulo hera indigno; o Senhor Arcebispo, marchando, disse que tambem assim lhe parecia porem que déra o Despacho por comprazer: emfim mandouse a Miguel Manescal que Logo Logo entregasse ao meirinho as folhas do Rosto as quais ja estão na Secretaria: remeto a Vossa Excelencia hum dos Exemplares.

O Padre Sarmento meteo á Meza para se reimprimir o < seu > Manual da Semana Santa; riscandolhe o titulo, e Chamando-lhe Horas da Semana Santa; e com alguns accrescentamentos foi huma murmuração Universal na Meza contra o dito Padre chamando-lhe Contratador Espiritual etc.

O Reitor do Collegio publica que Vossa Excelencia quer que todos os Collegiaes vão ao Dezenho, e que isto não deve ser assim. Ayres de Sá foi vizitar Manoel de S. Payo, por esta occazião procurou ao Reytor este fez quanto pôde para se crer que a vizita era dirigida a elle; dizendo o ViceReytor que Ayres de Sá era muito seu Amigo que era bom para Amigo que lhe tinha comunicado varias coizas; etc. Porem (segundo Joaquim Joze de Sá disse ao ViceReytor) Ayres de Sá não está muito satisfeito do Reytor e este disselhe que tinha posto o Collegio em estado que a qualquer sería facil governalo, que o tinha dezempenhado, e que só lhe faltava ordenar certas coizas para maior perfeição etc e sobre isto há coizas que só á vista de Vossa Excelencia as poderei bem referir.

Foi o Conde de S. Payo ver o filho hia tambem a Condeça; perguntou esta ao Reytor se Manoel de S. Payo podería nas Festas ir com vestido de Seda pois elle o tinha já perguntado ao Sêu Pay, e este não lhe respondera; mastigou o Reytor como fazendo misterio; porem o Conde de S. Payo sahio e disse = he escuzado falar nisso, em vindo o Sehnhor Bispo ajustarei isso com elle etc. = ficou o Reytor melancolico com esta resposta. Despedirão-se os Condes e a poucos minutos veio D. Izabel, falou esta sobre os colegiaes irem com vestidos de Seda á Funcão, respondeo o Reytor com as palavras prenhes dado a entender sabia ja o que havia de Ler, accrescentando = agora estivemos nos falando nisso com a Senhora Condeça de S. Payo, como vio o Senhor ViceReytor = immediatamente respondeo este = sim Senhora e o Senhor Conde disse etc (o que já fica referido) entristiceose o Reytor de Sorte que D. Izabel o refletio.

O Reytor mandou perguntar a Vossa Excelencia se devia pela Festa ir a caza do Senhor Marquez, e como Vossa Excelencia parece lhe não respondeo sobre isto, foi pergunta-lo ao Senhor Arcebispo este disselhe que sim: elle que não dezejava outra coiza, foi; porem veio com o desgosto do Senhor Marquez lhe dar assento igual com o ViceReytor, não lhe perguntar coiza alguma do Collegio despedirse logo; e a Senhora Marqueza não lhe querer falar.

  • 12 Nota de rodapé inserida no texto original: «e podem ao despois ficar servindo para outra coiza».

Disseme Frei Vicente a Recomendação de Vossa Excelencia sobre os Livros da Secretaría. Eu achava que na Caza que tem os Livros de Pagliarini se podião cobrir os Livros com Brim: na Caza onde está o Cofre se póde fazer hum repartimento que só fique o que baste para serventia das ginelas: a minha Secretaria fica Limpa: á caza sobre a Meza da Conciencia tambem será logo despejada; e porei os Livros em bom recato. Só falta reflexionar sobre a Caza por cima do Dezembargo mas esta querendo Vossa Excelencia tambem se podem cobrir as Estantes ou com Brim ou com taboas serradas, e isto será milhor, e mais barato12: Vossa Excelencia querendo deixar isto ao meu arbitrio farei muito por em tudo seguir o que Vossa Excelencia póde dezejar neste particular: Ficão sete, ou oito cazas da Secretaria aonde ninguem entrará: Vossa Excelencia me determine Logo o que devo fazer, pois he precizo muito tempo para as coizas ficarem como devem ser.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 28 de Abril de 1775.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde criado

O ViceReytor me deu hoje a Carta que remeto a Vossa Excelencia.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 216)

Carta de 04 de Março de 1776

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito e dezejo que Vossa Excelencia continue em passar livre de molestia.

Hoje estive com o ViceReytor o qual me disse que: o Reytor publica que se quer despedir pelo grandes desfeitas que lhe fazem (dando a entender que Vossa Excelencia) athe ao ponto de o obrigarem a lançar fóra o criado que milhor o servia. O Irmão do Professor de Retorica claramente diz que se tivesse outra coiza certamente se teria deixado do Conselho pois não se póde levantar cedo. Ha tempos disse o Reytor ao ViceReytor = ás vezes he milhor servir mal, por que por sua honra lá deita a gente para alguma parte dando-lhe de comer, e servindo bem, vão deixando-a estar athe que virando-se as coizas fica a gente na rua? = veja Vossa Excelencia que contas! Ora o Reytor em todas as novidades que agora tem havido, e queixas, fala enfaticamente; por huma parte, quer que se entenda que a Meza obra sem o Senhor Marquez o saber; por outra, quer que se recêe que o Conde de São Payo he seu Protector declarado. Diante de Sebastiam Rodrigues da Costa disse Joaquim José de Sá = Bellinge: … pois agora diga ao Conde de S. Payo que lhe valha = nisto mesmo falou o Padre Manuel de Matos ao vicereytor o qual lhe disse não me lembra que palavras, mas devanecendo-o disso, e lembrando-lhe o grande respeito do Conde. Tambem Joaquim José de Sá disse que Vossa Excelencia fizera hum officio ao Senhor Marquez sobre o Conselho e que o Senhor Marquez ja respondera, levando aquelle officio ao Reverendissimo Senhor Padre Provincial.

Excelentissimo Senhor eu sou testemunha do muito que Joaquim José dezeja executar o que Vossa Excelência quer; ja falei a Vossa Excelencia que a Paixão do dito Professor a respeito de Vossa Excelencia póde n’algumas circunstancias ser indiscreta, ou intempestiva; este e não outro he o motivo de relatar o < sobredito > a Vossa Excelência a quem protesto que só o amor me move a dizer coizas que talves lhe não devesse contar, mas cada vez que ouço coizas que pódem ter alguma consequencia do dezagrado de Vossa Excelencia interiormente me aflijo em não lhas referir; e Vossa Excelencia me desculpe, e me perdoe neste particular.

Na Meza nenhuma outra coiza se faz mais do que ler o Despacho que vem de Salvaterra: as Petições que vem para ir, nem na Meza aparecem. Veja Vossa Excelencia se isto assim deve ser!

Frei Joaquim está abatidissimo. Tem aceitado alguns Novicios máos de procedimento; e de ciencia: Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Lixboa 4 de Março de 1776.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Allexandre Ferreira de Faria Manuel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 222)

Carta de 06 de Março de 1776

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor estimo muito que Vossa Excelencia passe Livre de molestia.

Não posso deixar de importunar a Vossa Excelencia com alguma noticías, ou Anedotas. o Falcão e Gomes Freire dizem claramente que de nenhum modo farão Actos de Historia; e acrescenta aquelle que se o obrigarem irá ao Acto; mas que se hade portar de modo que sirva de discredito ao Professor, e ao Collegio.

Dize o Professor Sebastiam Rodriguez da Costa na Aula que haviam de vir Mappas etc. responderam = Sim o Senhor Bispo costuma dar muitas Providencias = isto com enfaze.

Disse o dito Sebastiam ao Reytor que os Collegiaes nunca sabiam Licção, e que lhe parecia Sua Senhoria os devia obrigar a estudar: e que alem disto lhe parecia que os Collegiaes que deviam fazer Actos em Historia, deviam principalmente Estudar Historia, e despois Rhetorica: e que os outros que haviam fazer Actos em Rhetorica estudassem principalmente Rhetorica, e despois Historia. Respondeo o Reytor muito secamente; = a mim não me importa nada de Estudos; eu não tenho nada com isso, = e he certo que no Collegio não estudam os Collegiaes como devem por ser publico este dito do Reytor.

Tudo isto me disse Sebastiam Rodriguez da Costa. Algumas coizas mais sei mas o respeito que devo ter, e tenho a Vossa Excelencia me impedem o referillas, ao mesmo tempo que reflito ter ja n’outra carta excedido neste particular.

Se fora possivel, e Vossa Excelencia quizesse eu partiria daqui hum dia, e chegando a essa terra voltaria Logo no outro, e só então na prezença de Vossa Excelencia vocalmente diria o que sei despois que vim para Lisboa, que na verdade são coizas que tendome cauzado, grande melancolia, podem tambem ser de consequencia, ainda que remota.

Porem Vossa Excelencia superior a tudo, tudo poderá remediar; mas creio que sómente estando em Lixboa porque dahi não deixa de ter suas dificuldades ao meu parecer.

Vossa Excelencia me perdoe ser tão inpertinente, porem encheme de melancolia tudo quanto a Vossa Excelencia póde ser dezagradavel. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos: Lixboa 6 de Março de 1776.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beja a Sagrada mão de Vossa Excelencia

seu mais humilde Criado.

Alexandre Ferreira de Faria Manuel.

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 1)

Carta de 16 de Março de 1776

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia; e como tenho por sem duvida que Vossa Excelencia ja terá a merce de continuar terceiro triennio em Prezidente com a maior submissão, e alegria lhe dou os parabens, e beijo reverentemente a mão.

A Meza de Quinta feira foi notavel, e deu que falar nesta Cidade veio João Pereira Ramos, a quem o Arcebispo não obstante que dizia pelos Assentos ser o terceiro em votar, mandou votar em ultimo Lugar, o qual voto elle deu com toda a civilidade dizendo por modo de Oraculo sim senhores he sempre necessario dar parte ao Senhor Marquez.

O Barba esteve furioso, e eu creio que pella inconfidencia se acham prezos por menores culpas do que elle cometeo nesta occaziam. Disse que: Não he precizo que El Rey aceite tal Bulla, basta que os Bispos a tenham aceitado. Como El Rey não da Jurisdição para absolver, não a póde tirar. Esse papel (falava da minuta do Senhor Bispo de Penafiel) he feito por hum Probabilista relaxado. Que tem El Rey com a Jurisdição de absolver peccados. Em França os Bispos he que acceitam semilhantes Bullas etc. Frei Francisco Xavier argumentou com elle, e mais o Padre Antonio Perreira e se estes não cedem creio que o Barba vai dalí para o Hospital. Pelo menos os officiaes (incluzo o Padre Thomaz) disseram que nunca se ouvio tal gritaría no Tribunal.

  • 13 Nota à margem: «+ aqui parou, e proseguio».

O Senhor Doutor Pedro Viegas que foi o ultimo (antes de João Pereira Ramos) disse, com voz enfatica, Como o Senhor Bispo Nosso Prezidente pôz aos Legistas quazi como coiza: 13 … em ultimo Lugar, conformo-me com todos estes senhores. Ora o tal Pedro Viegas explicou se de tal sorte, que o Arcebispo o Inquizidor, e Manuel Gomes Ferreira e outros disseram = Não senhor manda votar ainda os Juristas, pois este cazo pertence mais a Theologos, mas não faz differença de Canonistas, e Legistas, pois só dos Juristas; e esta satisfacção deu o Arcebispo duas vezes. Não entendi Pedro Viegas.

Manuel Gomes Ferreira tambem esteve não sei como, quero dizer, falou na materia como quem não entendia.

Frei Francisco Xavier falou tanto, repizou, e teimou que creia Vossa Excelencia se lhe deve por este dia chamar o Doutor Confuzo.

Agora o Senhor Frei Joaquim he que se vio perplexo sobre o seu lugar pois cedendo do que costuma queria que Manuel Gomes, e Manuel Pereira da Santa fossem para sima, o que elles não aceitaram.

Hotem de tarde se foi ao Collegio de Nobres ler a Portaría da Mesa, a qual eu li estando prezentes o Reyor Vice Reytor Sebastiam Rodriguez e Collegiaes. Seguro a Vossa Excelencia que o São Payo, e oficio de Porteiro Mór, estiveram, e se portaram do modo digno de hum maroto, eu que sempre entendi elles não se haveriam bem, com tudo nunca entendi se houvessem tão mal, em quanto a Portaría se leo, oficio do Porteiro mor com a mão diante diante [sic] da boca, e Manuel de São Payo sem rebuço, estiveram soltando palavras que muito bem se ouviam = historia, Rhetorica, Logo, esperem, pois não! etc. e quando o Santa Martha falou assim que este falava em Meza, ja o ecco repetia Meza etc. Quando se levataram ao despedir fizeram o cumprimento de insultarem o Santa Martha com certas palavras que muito bem se perceberam, e o Deputado engolio, e ao despois ainda comigo disfarçou, vindo embaçado. O Reytor Louvou muito a Portaria dizendo que assim era milhor pois não teriam occazião de se desculparem com outros estudos, mas fez-se tão vermelho como hum lacre.

Como a nova ordem para o Corregedor do Rocio não trazia introducção nova para a Meza, julgo que devo uzar da que antecedentemente tinha vindo.

Em Lisboa se diz que a Meza fora convocada = Para se deliberar se a guerra he, ou não justa = sobre o Padre João Gualberto = sobre (este he o voto do Padre Florencio Mestre das Ceremonias da Patriarcal) El Rey entrar no Canon da Missa = sobre se aceitar o Jubileo do anno Santo, visto que não estamos correntes com Roma. = São os Discurzos que este facto se fazem.

A obra do subsido vai continuando, mas de vagar, e Lentamente.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 16 de Março de 1776.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde criado

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 3)

Carta de 21 de Maio de 1776

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia. Falei ao Vice Reytor, e lhe disse o recado que elle devia dar ao Reytor conforme Vossa Excelencia me determinou. Tambem procurei a Felis Potier, e não o achei esta manhã, por cujo muito o procurei de tarde outra vez.

Desde que o moço da Cozinha teve as razões cóm o Cozinheiro, foi mandado que não sahisse do seu quarto a onde se tem conservado athe ao presente como prezo, sahindo delle unicamente á Missa, ou a alguma coiza indispensavel; o Vice Reytor que disto deu parte a Vossa Excelencia Logo no principio o Lembra segunda vez, pois o dito moço naquella figura em que está (desde Março) não serve em nada.

Alem disto, a respeito do cozinheiro se hir, ou não do Collegio o dito Vice Reytor não disse nada ao Reytor na Consideração de que o dito Cozinheiro se portava muito milhor desde aquellas historias, e que a presença de Vossa Excelencia nesta Corte podería rezolver milhor tudo.

No dia em que os Collegiaes forão ao Senhor Marquez, o São Payo se perdeo na Oração que Levava em Italiano, a qual hia feita (como Vossa Excelencia ja sabe) para ser repetida ao Senhor Marquez, e elle (visto repeti-lo a Senhora Marqueza) devendo em Lugar de = Senhor = dizer = Senhora = nem isso fez, e a repetio a trancos.

A Secretaria (falo da minha) está muito bem arrumada, e limpa. Pelo que toca ao Collegio não faltam algumas novidades ja antigas que só na prezença as poderei referir a Vossa Excelencia.

O mesmo Vice Reytor manda beijar a mão a Vossa Exclencia: Eu continúo com as minhas dores de Cabeça, e revolução de estomago: Porem sempre dezejozo de obedecer em tudo a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 21 de Maio de 1776.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

P. S.

O Senhor Marquez do Pombal foi ver o Edificio em que estava a compressão, digo a Inscripção dos Banhos que Vossa Excelencia lá tem; o Mestre da Obra lhe disse que tinha ali hido hum sugeito que tirará o risco, perguntou o Senhor Marquez quem era, não lho souberam dizer; pois o Senhor Marquez o queria, principalmente por ja não ver tudo, porque quando lá foi, ja parte da Obra estava cuberta: hum sugeito que conhecia quem foi tirar aquelle risco, procurou de propozito Manuel Rodriguez e lho pedio, elle respondeo que não o tinha, pois São Payo logo o dera etc. todo o empenho he agora; e o grande Reinaldo fez deligencia pelo ter, mas ninguem sabe a onde pára; não obstante eu tenho outro para Vossa Exelencia. [rubrica]

Allexandre Ferreira de Faria Manoel.

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 5)

Carta de 21 de Maio de 1776

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Falando hoje a Sebastiam Rodriguez da Costa, elle se me queixou amargamente de varias coizas que há no Collegio: Ha menos de oito dias que os Collegiaes uniformemente o entraram a tratar pelo = Senhor Substituto = e isto com tal enfaze que na primeira tarde chêgou a ser investida pois sem que nem para que o Falcão o nomeou assim mais de trinta vezes: o dito Sebastiam Rodriguez da Costa não tem feito cazo disto, não obstante que diz o Sente pois sempre athé aquelle tempo foi tratado pelo senhor Professor, e que este facto tem diversa origem, do Reytor ou do Irmão: Que elle dezeja que Vossa Excelencia o ouvisse hum dia só por só; porque ainda que elle está convidado para falar a Vossa Excelencia na Companhia de outrem, ou elle não hade ir na tal companhia se honestamente se podér eximir, ou certamente não dirá o que entende a Vossa Excelencia nessa occazião.

O Professor de Rhetorica disse ao dito Sebastiam andam com estas informações mencaes pois = estejam descançados que eu nunca heide informar contra os collegiaes, pois heide viver mais com os fidalgos do que com outrem =

Enfim o Dito Professor Sebastiam Rodriguez, me disse algumas coizas, e afirmou tinha mais que dizer, e que tomára ter opportunidade de falar a Vossa Excelencia só por so.

Eu quero que Vossa Excelencia saiba isto antes de chegar a esta Cidade pois talvez que assim seja precizo.

Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos e queira traze-llo com feliz sucesso a esta Cidade para meu ampáro, e consolação de todos os que na realidade o amam: Lixboa 21 de Maio de 1776

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 7)

Carta de 17 de Novembro de 1776

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Dizendose ao Padre Francisco (não sei quem) que o Secretario de Vossa Excelencia estava feito Juiz da Legacía, o dito Padre Francisco deu ao Secretario os Parabens, e o dito Secretario os recebeo com estas formaes, ou equivalentissimas palavras = Homem não me deite vossa merce a perder em o dizer; isso está em segredo, athe vermos em que isto pára; se El Rey morrer Logo me declaro, sem mais nada; porem se El Rey milhorar sempre o Auditor hade vir primeiro dar parte ao Senhor Bispo = Entendo que depois de eu saber isto o devo dizer a Vossa Excelencia como tambem o facto seguinte. Quando o dito Secretario foi feito Promotor do Crato falando elle diante da Familia de Vossa Excelencia sobre a graduação, e excelencia da dita Promotoría, disse-lhe hum dos Familiares de Vossa Excelencia = visto isto deixa-nos vossa merce = ao que elle Secretario respondeo; = Eu não; porem se Sua Excelencia me mandar ir-me-hei, e póde ser que seja milhor para mim, pois o Senhor Infante tomará conta de mim, e a elle não lhe faltam cazas para me dar. = O primeiro destes Cazos mo contou o Padre Francisco e este ultimo, o dito Padre Francisco e o Padre Pedro. O fim com que eu conto isto a Vossa Excelencia certamente merece que Vossa Excelencia me perdoe este atrevimento; e a mim só me fica Lugar de lugar de protestar a Vossa Excelencia a verdade de que procedo neste particular cheio de boa fé, e de suma fidelidade para com Vossa Excelencia; Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos.

Caza 17 de Novembro de 1776.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde e fiel Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 9)

Carta de 11 de Dezembro de 1776

Excelentisimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: muito estimarei que Vossa Excelencia passe Livre de toda a molestia.

Meu Senhor no tempo que hoje estava o Padre Thomas contando-me na Secretaría que o Padre Antonio Maria (creio que Vossa Excelencia conhece este clerigo) lhe dissera hontem, que havia ordem (dada mesmo hontem) para Vossa Excelencia não tonar ao Paço, e athé ao ultimo deste Mez estar em Béja; neste mesmo tempo, veio a Secretaría hum Sujeito que há muitos annos conheço, e está em Caza de D. Joana Perpetua, e entrando a falar em novidades (sem saber da noticia antecedente) disse = Quem está bem he o Excelentissimo Senhor Bispo de Béja, os Senhores (falava das pessoas Reaes) todos o Estimam muito pela educação que tem dado ao Principe, o Principe he muito obediente, e tem muito amor aos Pais; e isto he educação que elle lhe tem dado: a Senhora D. Joana tem ido trez vezes (me parece que disse) á Princeza, e sempre achou o Principe com ella. = Óra isto que não vale nada eu quero dizelo a Vossa Excelencia para que saiba tudo.

Deos guarde Vossa Excelencia muitos anos livre, e apezar de todos os invejozos: Casa 11 de Dezembro de 1776

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

P. S.

O mesmo criado de D. Joana Perpetua, contou como certo o seguinte, em huma esquina das Cazas do Cardeal se puzéram (em hum papel) pintados dois outroz homens, com tal ou insignia, ou letra que indicavam serem Alfayates; e perguntava hum delles ao outro ou aos outros: Que fazem aqui? Respondiam: Estamos para virar huma caroca [sic]. = [rubrica]

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 10)

Carta de 03 de Fevereiro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Indo hoje a S. Francisco da Cidade me contou o Padre Manoel Povoa, que falando o Comissario da Terra Santa, na companhia do Padre Manuel Doutor Frei …… (he hum Frade Franciscano do Porto) ao Padre Mayne, este se declarou abertamente contra Vossa Excelencia e contra tudo o que a Vossa Excelencia póde agradar, e diz respeito, concluindo que em mudando o Ministerío que certamente hade mudar, (são palavras formaes do dito Mayne) Logo as coizas levariam volta, e os Estudos (falava éspecialmente dos de Jezus) tornariam ao seu Lugar, pois Vossa Excelencia tinha perdido tudo.

Suposto que o Manoel Povoa me pedio grande segredo, e eu lho prometti, não pude socegar em quanto não envio a Vossa Excelencia esta noticia, accrescentando Excelentissimo Senhor que he a onde póde chegar o dezaforo, e a insolencia. Eu rogo a Vossa Excelencia que não despreze hum inimigo tão declarado, e tão atrevido; e que assim como elle, como com os seus parciáes, huns de fóra, outros de caza, e todos obrigados a Vossa Excelencia uze Vossa Excelencia de módo que elles entendam que Vossa Excelencia os conhece. Sim Excelentissimo Senhor estou persuadido, e creio que a inimitavel paciencia, modestia, e prudencia de Vossa Excelencia dá occazião a huma córja de ingratos a serem insolentes.

O amor, e a fidelidade que devo ter, tenho, e sempre terei a Vossa Excelencia me obriga a dizer o referido; pedindo a Vossa Excelencia me perdôe em me explicar de hum modo talvez indecente ao respeito de Vossa Excelencia: Deos guarde a Vossa Excelencia para meu ampáro, e dos que o hásde mister, e confuzão de invejozos, e ingratos: Caza em 3 de Fevereiro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 11)

Carta de 22 de Abril de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor, e meu unico Pay, e Protector. Estimarei muito muito que Vossa Excelencia chegasse a essa Terra sem ter incómodo algum na Jornada. A consideração que tenho de que Vossa Excelencia ja está em huma terra a onde não vê cazas attrevidas, insolentes, e ingratas me suaviza aquella justa dor que perpetuamente me acompanhará na sensibilissima falta de Vossa Excelencia.

Hontem de tarde estive com o Reverendissimo Senhor Definidor Geral e tambem esteve Caetano Joze Mendes, e poucos serão os dias que não lhe falemos.

Frei Mathias Sabbado de tarde foi publicado Confessor do Principe; E se diz a Raynha não quis declarar (isto he certo) aquella nomeação em quanto lhe não constou de que Vossa Excelencia ja não estava em Lisboa.

Hontem houve Meza. Povoa, Povoa! Emfim he frade; mas não Religiozo; não me admira Rocha: Atrevo-me a dizer que na Meza, estes dois e Frei Mathias são o Terribilis Castrorum acies. Enfim Excelentissimo Senhor Vossa Excelencia está no Paraizo Terreal, o que eu muito muito estimo; e so sinto existir no Logo dos Leões.

  • 14 Nota à margem esquerda: «Encomendei a Pagliarini o Breve para o uso do Roqueto. Busquei Domingo N (...)

Joaquim Jose de Sá, Sebastiam Rodriguez da Costa, Luiz Carlos buscaram Domingo o Arcebispo de Lacedemonia e lhe pediram quizesse buscar modo para se lhe passarem novas Cartas assignadas pela Raynha, para este efeito buscaram grande parte dos Deputados da Meza. Na Meza não se tocou nesta materia.14

Sebastiam Rodriguez da Costa, que desde que Preston o Examinou sempre o procurou por Féstas, falando-lhe pela Pascoa, e tocando-lhe no Collegio, Preston Respondeo = Não sei, Despois de deitarem fóra os milhores Professores que havia no Collegio, não sei com que razão, Franzino, < dela bela > ciera, etc. = que lhe parece a Vossa Excelencia!

Bellinge disse a Luiz Carlos, = o Collegio hade continuar, mas eu he que heide ser o Professor de Latim = Não quero neste correio selo de mais más, novas; nem eu as sei. Deos dê vida, e dê saude a Vossa Excelencia para minha Consolação, e de toda esta caza: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Lixboa 22 de Abril de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 12)

Carta de 29 de Abril de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: estimo muito que Vossa excelencia esteja ja descançado nesta sua Cidade e Livre dos incómodos da jornada.

Sexta feira me deo huma dor de pedra, e retenção de ourina com vehementissimas dores, e só hontem Segunda á noite pela introdução de uma velinha consegui poder ourinar alguma coiza; passei a noite mortificado ainda que com mais descanço do que as anteriores e esta manhã tornei a ourinar, com grande custo e dores. Será o que Deos quizer.

  • 15 Reticências presentes no original.
  • 16 Palavra riscada: «o mesmo».

Quinta feira passada o Irmão do Professor de Rhetorica dessa Cidade que he hum Procurador das Cauzas apresentou na Meza huma Petiçam em nome de todos os Professores (sem exceptuar algum dessa Cidade) < e de mais outros, treze por todos > contra mim queixandose de que eu contra o que está determinado Levava 1080 pelas Appostilas, pedindo se lhe restituisse. O Senhor Arcebispo guardando a Petiçam sem a ler ma deu no fim da Meza para que eu lhe respondesse dando-lhe a resposta no dia seguinte o que eu fiz por escrito levando-lhe a mesma resposta (e talvez que pelo muito excesso de andar esse dia me sobreviria esta molestia (nella dizia que devendo huma carta) por exemplo de ler) pagar dois mil reis para mim, 480 pelo pergoeiro 480 para o official que a faz: 480 pelo registo: 280 pelo Assentamento; E sendo por huma parte Certo que nenhum Professor tinha pago, nem o Registo, nem o Assentamento; e sendo por outra parte Certo que o Assentamento de hum ordenado não póde ser por mais tempo do que < por > aquelle que he feita a merce he certo que o Assentamento não podia ser senão por trez anno: ora fazendo a Raynha agora a merce de que continuem os Professores athe Sua Magestade mandar o contrario necessariamente deria haver novo Assentamento e que por este motivo se Levavam 1080 = a saber 480 para o official que registava, ou tinha registado a Carta; 280 pelo proprio Assentamento e 280 pelo segundo. Acrescentava eu que aquelle Requerimento não podia ser feito com verdade pelos Professores nelle nomeados; especialmente por trez. 1º porque Salvador da Santa Madra me era tão obrigado que na primeira vez que lhe falei lhe emprestei 16 moedas de ouro athé sem escrito; e que ainda que no tempo prezente não conversava com elle a mesma armonia, não julgava de que elle tal fosse Capaz: 2º porque ao Professor de Rhetorica de Beja tinha eu dado gratis a Carta no principio, e que suposto agora lhe levasse os 1080 não era prezumivel que hum homem a quem eu perdoara 5760 se queixasse ao depois de que eu lhe Levava 1080: / he de crer que eu não Levei dinheiro ao tal Professor por elle ser afilhado do Irmão do Padre Thomas: e 3º que muito menos Lourenço Joze Centeno Professor em Bragança ao qual eu continuamente escrevia; e repetidas vezes mandava Certidões para os seos estudantes pelas quais lhe não Levava dinheiro seo o Senhor Arcebispo e disselhe eu muito mais porem concluío elle que como não se tinha Levado o Registo, e proprio Assentamento no principio, que agora tivesse paciencia, pois o tinha perdido = e restituisse o que tinha Levado. = pois era o remedio que havia, porque as coizas estavam muito más, e se dizia que o que eu tinha feito era furto: perguntou porque razão eu Levava aquelles emolumentos pelas Cartas etc. e se tinha titulo para isso respondi = que tivera ordem vocal para os poder Levar; e que bem sabia Sua Excelencia que na Meza, e ainda n’outras partes não havia titulos in scriptis para muitas coizas; falou-me então Lá por baixo: ……o Senhor Penafiel:……15em fim isto que lhe digo he o milhor, porque há quem atiça isto muito. Despedi me; e assim estam as coizas. Porem Excelentissimo Senhor he indubitavel que Frei Vicente Ferreira Irmão do Professor de Grego de Beja foi hum dos principaes cabeças da dita queixa, pois elle mesmo (ainda Vossa Excelencia estava no Convento) me disputou Cara a Cara, o poder eu Levar aquelle dinheiro e por mais que o satisfiz dizendo que aquillo não era pela Appostila, mas pelo Registo da Carta e Assentamentos elle não se deo por satisfeito:16 Frei Joze de Santa Maria mandando duas Cartas pelo Irmão do Clemente tambem blasfemou; e se eu pudera ficar com a insolente Peticam e remete-la a Vossa Excelencia talvez não sería dificultoso a Vossa Excelencia conhecer a disfarçada Letra com que elle estava escrita. Hontem Felix Joze a Caetano Joze Mendes = vossa merce pelas Certidões que eu assignar em que o Senhor Secretario estiver doente não leve mais de 240, e advirto a vossa merce que devo assignar todas, as que se passarem, pois estando elle doente não as deve assignar.

Eu disse ao Caetano que todas as ditas Certidões que Felis Joze assignasse não levasse dinheiro por ellas, e lhes puzesse gratis.

Estou com cuidado se Vossa Excelencia se via entregue de huma carta minha no correio passado. Minha molestia não me dá Lugar a dizer mais; mas só digo a Vossa Excelencia que em me vendo bom só tratarei de me ver fóra da Meza, ainda que vá morrer com fóme: Deos dê vida, e saude a Vossa Excelencia como eu e toda esta Caza lhe deseja. Deos guarde Vossa Excelencia muitos anos. Lixboa 29 de Abril de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 14 e 15)

Carta de 04 de Maio de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia passe com saude muito perfeita; e me tenho alegrado muito com as boas noticias do bem que Vossa Excelencia foi nessa Terra recebido.

Continua a minha retenção de ourina, e ha dez dias só tenho ourinado seis vezes pela operação de Cirurgião, que introduz huma velinha; algumas areas lanço, mas tem, o Medico, e Cirurgiões assentado que conservo na bexiga pedra que me impede ourinar; remedios de botica, e ainda particulares nenhum effeito tem produzido, ainda o Paje marioba, que há oito annos me deu vida, agora nada obra: emfim seja o que Deos quizer.

As minhas coizas respectivas á Meza continuam para peior: Felis Joze publica a injustiça com que eu Levava 480 pellas certidões dos estudantes e agora na minha doença tendo assignado elle algumas certidões, tem tido o dezembaraço de pela sua Letra pôr = desta 240 = mas eu tenho dado ordem ao Caetano e elle a executa, de riscar aquellas palavras, e por-lhe = gratis = e com effeito não Leva dinheiro por Certidam alguma que o tal Felis assigne.

No que respeita ás Appostilas estam suspensas com a minha doença; esta me não deixa dizer quanto aqui dezejava, o que farei se Deos me der milhoras; Não deixarei porem de dizer a extrema amizade de Rocha com Povoa, e destes com Carmelo, isto he reparavel por todos, e mais reparavel he o pouco cazo que todos fazem do Padre Antonio Pereira e posso segurar a Vossa Excelencia que na ultima Conferencia que fui á Meza para o dito Padre só eu me cheguei, o que não foi virtude, pois os mais tambem não se chegaram para mim.

Não faltam Profetas, mas eu que só creio no passado, e no prezente não me alegra de futuro mais do que a esperança que tenho de que brevemente me verei não só Livre da Meza, mas de Lixboa.

Feliz Vossa Excelencia que já se vê Livre de anbas estas coizas! Eu alguns embaraços tenho para me auzentar de Lixboa, porem sendo [?] impossivel eu Conservar me na Meza, necessariamente não posso ficar nesta Cidade: As horas que nesta doença tenho mais Livres de dores consumo em deitar contas á minha vida; e espero em Deos me acuda:

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lisboa 4 de Maio de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Tem feito espalhar huma voz de que eu faria bem em me despedir da Meza: esta he a moda que está introduzida; e corre para muitas partes a respeito de diversos Sugeitos. O senhor Frei Antonio Vieira assim mo deu a entender, ou para milhor dizer mo disse com vozes claras, por entre os dentes.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 16)

Carta de 07 de Maio de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia, Deos conserve a Vossa Excelencia no Estado, e felicidade que eu lhe dezejo. Athe hoje Terça feira nenhuma milhora experimento nas minha molestia, e se incidentes desagradaveis são capazes de a augmentar, poucas esperanças tenho de recobrar saude. Hotem Segunda feira < se > Levou a Meza hum requerimento contra mim: Hum Manuel Antonio chamado o Filho da Velha, cuja conduta nem huma unica pessoa abonará, publicamente se queixa por esta Cidade (ja eu há tempos o disse a Vossa Excelencia) de que metera nas Licenças 16 originaes os quais todos Lá lhe ficaram, huns em poder de Vossa Excelencia e outros que eu vendi, e isto afirma com toda a Certeza dizendo que sabe a onde os ditos originaes páram: Este mesmo homem foi quem hontem levou o dito requerimento á Meza, e por aquelas antecedencias he crivel fosse sobre o mesmo Assumpto. A situação da minha saude me pôem na triste necessidade de nem poder falar ao Arcebispo. Ha fortissimos indicios de que o Senhor Felis Joze Leal fulmina Contra mim eficazmente com o destino de ficar com a minha Secretaria. Elle (Felis) sempre está com o Padre Mayne, o tal Manuel Antonio sempre está em Caza do Corregedor do Bispo Alto, e o mesmo Felis Joze geralmente diz que não sabe com que Titulo eu Levava das partes emolumentas tão grandes pois que elle sabe que eu não tinha Titulo para tal, accrescentando não sei que mais. Eis aqui o que eu posso dizer a Vossa Excelencia de novidades pessoaes. Em fim Senhor Deos me Livre da Meza, e Deos me Livre de Lixboa sem maior desgosto.

Celebre novidade nesta Terra he que Jacob Pedro Strauss se baptiza sendo Ele Rey o Padrinho; e tendo sido o Padre Mayne o Cathequizante. O Padre Prertou teve novo ataque de Estupor: O medalhão do Marquez se tirou da Estatua, e em seu Lugar se pôz hum Navio por ser as Armas da Cidade.

Eu apezar da minha molestia faço todos os Esforços por ver se posso sair fóra a falar ao Arcebispo ao Bispo de Penafiel, e ao Mayne, pois me considero apezar do que sei na triste necessidade de os barcar; e não sei se me animarei a falar ao Visconde, pois tudo entendo me será precizo; e o peior he que me acho sem ter quem me aconse-lhe, nem de quem me fie.

O Vianna está com humas grandes esperanças no Padre Mayne, quem diria tal despois delle ser quem me dizia tanto mal do mesmo Mayne!

Não quero ser mais Ave nocturna em referir a Vossa Excelencia tristes noticias.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 7 de Maio de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija á Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 18 e 19)

Carta de 13 de Maio de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia; e muito mais estimo que sobre essa felicidade Vossa Excelencia tenha a de estar fóra de Lixboa.

A minha molestia ha quatro dias tem crescido, pois as dores na bexiga são maiores, e não he poossiver [sic] ourinar sem operação de Cirurgião.

Hoje esteve aqui Frei Joaquim e foi o primeiro Deputado nesta doença me fez merce elle me disse que esperava que athe Sabado ficasse fora do seneralato [ sic] está sumamente magro etc. Não sei mais do que fomentar Frei Joze de Santa Maria contra mim as queixas de que ja disse a Vossa Excelencia.

Quer Vossa Excelencia saber o que he o mundo? Joze Antonio da Malta publica que se quer queixar a Raynha da Violencia que lhe fez em lhe tirarem dinheiro do seu ordenado para se pagarem dividas; isto não he coiza que possa dar cuidado mas basta para se conhecer o gigante.

Não posso ser mais extenso pelas muitas dores: Fico prompto para em tudo obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 13 de Maio de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 20)

Carta de 14 de Maio de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor muito estimarei que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia.

Na minha doença não tenho alivio antes augmento nas dores que ha dias me afligem mais especialmente esta ultima noite que a maior parte della Levei Levantado, e aflito por cima de cadeiras etc. não sendo absolutamente possivel ourinar sem operação feita pelo cirurgião.

Como o Senhor Definidor Geral vai ter o gosto de ver Vossa Excelencia elle poderá dizer algumas coizas que eu não refira parte por não molestar com repetições, e circunstancias dezagradaveis a Vossa Excelencia e parte pelo pouco que eu posso escrever.

O papel de Penafiel totalmente está entregue ao Caetano para o copiar despois que Vossa Excelencia se foi; e em estando prompto o remeterei com Segurança, e sinto não ser ja nesta occazião tão opprotuna. Fico para obedecer a Vossa Excelencia como devo.

Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Lixboa 14 de Maio de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

P.S.

Minha mulher manda beijar a mão a Vossa Excelencia.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 21)

Carta de 27 de Maio de 1777

Exelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito todas as noticias que tenho de Vossa Excelencia e sobretudo estimo que Vossa Excelencia esteja com perfeita Saude: e que fizesse a sua Entrada com pompa, e magnificencia, e alegria geral: Estas são as unicas coizas que tem alegrado esta triste caza desde que Vossa Exelencia se foi.

Na minha molestia nenhuma milhora experimenta; nem ella he facil nas circunstancias prezentes em que o coração vive em continuada agitação de melancolia. Crescem a cada momento os motivos para o desgosto.

Ordens geráes para os Professores aceitarem quem quizerem sem Despensa da Meza. Que se façam as Appostilas, Regiztem as Cartas, e se faço Assentamento sem se pagar o que he devido: Que as Licenças (sejam pelo tempo que for) para estar auzente hum Professor da Cadeira (actualmente estam quantos querem) seja por Despensa e não Provisão etc. Por huma parte perder o officio: há hum mez que estou doente tem rendido a Secretaria 2800 e por outra parte (este he o ponto) dezacreditarme, e perderme totalmente: Eu me tenho visto em dezesperação. Todos contra mim, inflexiveis á razão, e a justiça que me assiste. Dizem quanto querem, rebetese-lhe a sua má vontade com razões termêrantes, não cedem; e por ultimo dizem; tenha paciencia. Hoje se mandou aos officiaes da minha Repartição aprezentassem na Mesa as suas Nomeações para serem examinadas. Veremos o que resulta Sexta feira. Povoa, Povoa, Senhor he o homem mais insolente que eu conheço. Não falo já em Felis Joze, pois este poderá talvez attribuir as suas fortunas a outrem que não seja Vossa Excelencia. Estes dois em tudo são os que (alem de outros) tem de tal sorte maquinado contra mim com o Padre Mayne que eu duvido se este póde ouvir o meu nome sem aversão: he crivel que esta mesma manobra tenha transcendido ao Frei Penafiel; não obstante eu a elles tenho recorrido por Cartas, pois não me he possivel falar-lhe pella minha molestia. Procurei que o Padre Vieira intercedesse por mim ao Padre Mayne, elle aqui veio (o Vieira) deo-me esperanças, animou-me mas as suas vozes eram froxas, eram vozes de politica ceremonioza.

Eu tinha remetido ao Mayne por via do mesmo Vieira hum [Memo]rial a respeito das Appostilas; e [outro] a respeito dos [Ordenados] [?] Filho da Velha diz lhe ficaram na Meza, e eu lhe vendi alguns, e Vossa Excelencia ficara com outros: em quanto ao dito das Appostilas mostrei a cavilação, e falsidade que nisso havia, e foi papel que mandei mostrar a quem podia ter voto, e o gabáram de convincente. No que respeitava ao Filho da Velha ainda eu tenho mais razão; pois nem huma Folha de Papel ja mais ficou em meu poder, ou de Vossa Excelencia mas nem na Secretaria, que eu saiba; e pedia se me cómunicasse a queixa que por escrito o tal individuo fez, que eu responderia. Os Cégos, e Livreiros ali andam as Pançadas [Pancadas]: o Ministro Furtado Protector dos Cégos falou ao Arcebispo de Lacedemonia a este respeito, e o Convenceo com estas formaes palavras = Emfim Senhor Arcebispo o (Senhor) Bispo de Béja na Meza Censoria era o Rey, e o Secretario dos Estudos o Marquez de Pombal = Com esta verdade o ajude Deos, e se o que elle disse não he verdade Deos o não ajude: A isto respondeo o Arcebispo Senhor faça o que lhe parecer que a Meza não lhe importa quem vende, nem quem não vende, que não he da sua Jurisdição, o Decantado Povoa fala mais petulantemente; fala o que eu não me atrevo a escrever.

Tem-me Lembrado buscar a Protecção do Marquez de Angeja a quem n’outros tempos dediquei duas concluzões; o qual foi muito Amigo de hum Tio em Caza de quem me criei. Tem-me occorrido buscar o Visconde de Ponte de Lima, e expôr-lhe a intriga que se fomenta contra mim. Até me Lembra (quando estiver milhor) ir falar a El Rey; mas torno a refletir; e que faço? se me queixo poderão declararze abertamente contra mim alguns que ou ainda estam occultos; ou não de todo meus inimigos. Eu mandei falar claro ao Mayne, o mesmo ja tinha dito vocalmente a Frei Luiz de Monte Carmelo; e vem a ser: Que, eu não tenho de que ser responsavel á Meza de coiza alguma a excepção de alguns livros dobrados que tinha vendido, e de cujo dinheiro me tinha utilizado interinamente; mas que dado certo prazo de tempo o pagaría etc. e segundo me parece Frei Luiz não ficou espantado, antes me animou em tudo.

  • 17 Ilegível.
  • 18 Ibidem.
  • 19 Ibidem.

Emfim Excelentissimo Senhor Eu não tenho esperanças de alegria excepto esperança de que ou me despeçam da Meza, ou me aceitem a despedida; porque eu em tal occupação nem saude, nem alegria posso ter; nem a vida durar-me muito e ainda na minha morte a Salvação a julgo quazi impossivel. As minhas vozes ou bem, ou mal exprimidas correspondem aos sentimentos do Coração: eu não posso mostrar semblante alegre a quem tenho odio, e aquem vendo, ou me vende: Logo eu não posso viver na Meza. Julgo ser coiza decidida ter de morrer com fóme; na Meza (se nella estiver ainda algum tempo, o que duvido [que] Deos não permitta) porque artificiozamente reduziram o meu officio a que não [?]17 emolumentos; (pelo menos agora, athé quando quizerem) pois há mais de hum [?]18 me tem rendido 2800: e com 200 mil reis he certo não posso viver [?]19 fóra do Officio tambem não tenho toda a Subsistencia indispensavelmente necess[aria] [?] mas antes assim, pelo menos Comerei pão seco, porem sem maiores cuidados, que athe me perturbem a Conciencia.

Tenho sido muito extenso, e muito mais seria se não temesse abuzar da paciencia de Vossa Excelencia a quem refiro tudo pois Vossa Excelencia he o meu unico consolador e valedor. Conto isto a Vossa Excelencia pois considéro superior a tudo, e Livre de ver Povoas, e Felis; e consequentemente que isto não lhe servirá de a mofinação alguma. Deos dê vida, e saude a Vossa Excelencia e o Livre de Frades Terceiros; não comprehendo nestes os Religiozos, ou homens de bem da Terceira ordem, os quais são rarissimos; aqui veio o Reverendissimo Padre Manuel Guimarães, fazer-me huma Tentativa sobre as Appostilas das Cartas; Deos lhe dê a elle a saude que eu tenho: Fico para em tudo obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 27 de Maio de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

P.S.

Igual Tentativa á do Padre Guimarães veio aqui por duas vezes fazer o Reverendissimo Padre Manuel Frei Marcelino de S. Judas. [Rubrica]

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 24 e 25)

Carta de 28 de Maio de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia; e com todas as felicidades que lhe dezejo.

Eu desde hotem alguma milhora experimento pois tenho ourinado tres vezes, naturalmente ainda que com alguma difficuldade.

A respeito da Collecta hé preciza a Resposta de que vai perguntado no Bilhete incluzo.

  • 20 A palavra «Carta» aparece escrita por cima da palavra «Alvará» que se encontra riscada.
  • 21 Nota de rodapé existente no texto original: «Falava dos Livros, que vendi, mas não expliquei isto a (...)

Continuarei em Larrentar: Hotem veio aqui Felis Joze Leal da parte do Arcebispo e Meza para que eu respondesse a hum Requerimento de Roland em que elle quér que eu lhe pague Certos Livros de que mandou um Rol. Este Estrangeiro que he hum Ladrão, e hum maroto tem a fortuna de ser patrocinado por todos os Excelentissimos Senhores Deputados; mas nisto tem a mesma fortuna que terá qualquer maroto vilissimo se disser mal de quem elles o dizem: Disse a Felis Jozé que responderia quando pudesse. Instou Felis Joze de que era precizo ser Logo, pois Roland assim instava, que quando não se queixaria á Raynha, e que elle Felis sentia muito isto, que tomára que eu ja pudesse servir pois elle se via agoniado com tantas coizas, e que os Senhores de dentro (falava dos Deputados) me diziam o quanto elle acodia por mim. Que o mesmo dizia a respeito das Apostilas pois o Arcebispo quería se fizessem Logo etc. Respondi: Eu sei quanto devo a vossa merce nem me são precizas outras informações; Roland he hum maroto, he hum Ladrão, eu não posso deixar de dizer isto de quem pede o que se lhe não deve; porque não pedio Roland isto há dois anos? Que se queixe á Raynha não me importa; a Raynha, e El Rey são de suma bondade, e grande justiça, não serei condénado sem me ouvirem. Porque Roland diz que meteo taes Livros, e se lhe não entregáram Logo eu devo pagalos? e donde consta que elle os meteo? donde que não os recebeo? sendo elle aliás conhecido geralmente por hum tratante, e ridiculo. Em quanto as Apostilas, o Senhor Arcebispo quer, e a Meza; pois o Senhor Arcebispo e a Meza podem-me tirar o que El Rey me deo? a Meza não me póde dar Emolumentos sem El Rey mos conceder; Logo não mos póde tirar. Eu estou prompto para não Levar Emolumentos, mas deveo mandar a Raynha. Que restitua o que tenho Levado? Que coiza he restituir? tuir? Só se manda restituir o que se Leva injustamente, eu o que tenho Levado, levo-o por assim mo concederem. Que a Meza não está por ordens vocáes? Pois para que está a Meza pela Ordem Vocal de não pagar Decima? pois esta ordem foi desde o principio da Meza, e he contra huma Ley expressa? para que está a Meza da Ordem vocal de se darem Ajudas de Custo por sangrias aos Membros, e Oficiaes do Tribunal? pois tambem esta ordem he do principio da Meza. Porque está a Meza ainda actualmente pela ordem vocal de entrar de Inverno as tres horas, e de verão as quatro? sendo isto formalmente contra o Regimento? Porque obriga a Meza por huma ordem vocal a ir o Meirinho e Escrivão tambem assistir ao Subsidio, sem elles terem essa obrigação, na Conformidade do seu Decreto e < carta >20. Ainda há mais Senhor Felis Joze, que eu não quero dizer, mas dilohei quando for tempo. Com que, só para mim se endirecta o mundo? A Meza não está pelas ordens vocáes antecedentes; pois nem eu pelas vocáes prezentes: Ella me dá o exemplo. Se eu não devo crer que El Rey que Deos haja me mandou dar taes Emolumentos pois não tenho disso Documento escrito; tambem não devo crer que a Raynha prezente me queira tira-los, e me condene sem me ouvir, pois não mostram Documentos: Por isso mesmo que vossa merce diz que ja não há Dispotismos do Marquez de Pombal, eu não devo crêr se mande huma coiza ex abrupto; huma coiza em que não somente interessa a minha conveniencia, e a dos meos officiaes; mas o que he mais a minha honra, e reputação, e as delles. He desgraça que se veja hum Tribunal no empenho de dezacreditar hum seu Secretario, e Officiaes; quando nos outros Tribunáes tratam todos de lhe fazerem conservar o respeito e estimação. Em fim Senhor Felis Joze a mim não me importa a Meza, nem eu dependo della; quero dizer nisto, que eu não estou nas Circunstancias de fazer papel de Réo. Eu á Meza em lhe pagando Certa divida que lhe devo21, que certamente lhe heide pagar, não tenho mais nada com ella: Eu sei com Certeza que nenhum Professor se queixou; e sei que despois que se deo a Petição he que se tem solicitado, o o queixarem-se alguns; athé sei a onde se fez a Petição, sei quem nisto fala, e sei quem nisto he empenhado.

Porem Porem [sic] como a Raynha e El Rey são de sûma justiça veremos como isso hade ser; especialmente estando ao lado destes o Senhor Penafiel; e o Senhor Mayne. Não posso deixar de dizer Senhor Felis Joze huma coiza; a má fé com que esses Senhores dizem que não sabem de táes Emolumentos: o Senhor Arcebispo me pagou Cartas, e Provizões: o Senhor Rocha me pagou Provizões, e Certidões: o Senhor Santa Marta me pagou Provizões: o Senhor Antonio Pereira, Cartas: o Senhor Povoa, Certidões, e Provizões, o Senhor Sá muitas provizões, e Certidões: o Senhor Xavier Provizões, e Certidões: o Senhor Frei Joaquim Cartas, Certidões, e Provizões: o Senhor Carmelo, Provizões; e o Senhor Miguel Gomes Ferreira Provizões, e Certidões: e o Senhor Barba tambem algumas Certidões, e Provizões; e tambem o Senhor Mayne. Ora he forte bondade de Senhores que me estiveram dando dinheiro pelo que não mo deviam dar. Com estas expressões, humas formáes, outras equivalentissimas proferídas com espirito tão sensivel que me sobreveio alguma febre, mostrei a Felis Joze que ja estou aborrecido de ouvir insolencias.

  • 22 Nota de rodapé existente no texto original: Furtado.

Caetano Joze Mendes hoje foi falar ao Bispo de Penafiel, e lhe expôz tambem o prejuizo, e descredito que lhe resultava de Registar as Cartas sem emolumento e de restituir o que tinha Levado. O Bispo inviou-o para o Mayne, e lhe disse certas palavras irmãns gemeas das que disse o Monsenhor22 dos Cégos. Com estas coizas, vou aqui passando; graças a Deos que Vossa Excelencia está em parte que não as pode ver. Eu bem creio, que Felis Joze Logo passaria a Contar isto; mas eu por isso mesmo lho disse; e estou quazi determinado athé a dize-lo a El Rey, com menos fogo sim, porem com igual sensibilidade. Que tirarei dahi? deitarem-me fóra da Meza? isso ja eu tenho pedido. Obrigarem-me a pagar os Livros que devo á Meza? pagalos-hei.

Oh! esqueci-me: Disseme o Vieira quando me falou; que se falava muito em que eu tenho muitas dividas. Eu respondi se as tenho heide paga-las certamente, assim como Vossa Reverendissima quando lhe emprestei 50 moedas de ouro, ficando de mas pagar pelos Santos, só mas deo despois da Pascoa; assim tambem eu ainda que não tenho pago o que devo < no tempo que prometi > certamente o heide pagar ainda que vá para fóra da Meza; pois bem sabe Vossa Reverendissima que isto de dinheiro não o há quando se quer. He galante Crime de leza Magestade o dever! Se Vossa Excelencia falasse agora a Lagié teria que ouvir, e que ver sobre este assumpto.

Estimarei muito que o Reverendissimo Senhor Definidor Geral esteja milhor pois me diz Manuel Rodriguez que se acha com alguma indispozição.

Fico para em tudo obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 28 de Maio de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

P. S.

Disse mais a Felis Joze = Vossa merce diz-me que o milhor he compor-me com Rolland? Vossa merce está zombando? que Coiza he compor? eu sinto muito que Vossa merce me diga semilhante Coiza: Eu não devo nem dinheiro, nem Livros, nem obrigações a Rolland.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 26 a 28)

DOC. «Copia formal do Rol de Roland.

Rol dos Livros pertencentes a Francisco Rolland, e que lhe detive Alexandre Ferreira de Faria Manoel servindo o lugar de Secretário da real meza censória os quais livros não se acham na Secretaria da dita Meza

Lisboa, 28-5-1777 (?)

Jogos

Notas minhas

4 Dogenes Moderne 8. 2 vol. 800 ________________ 32000

Estes se vedem a 600 o jogo e vem acrescentar 12400

1 Contes de La Fontaine 8.2. vol. fig. _______________ 12000

Creio que este l.os tem V. Ex.cia

1 Bocage 8º 5 vol. Fig. Londres (m) ________ ____- 19200

Este jogo tem V.ª Ex.cia

2 Filoshopie de La Nature 12º 3.4______1440__ ____2880

Costumão vender a 1200

6 Belicaire de Marmontel 12º ___600____ ________ 3600

6 Letres Persanes_12ª 2 vol_720________ ____4320

Os seguintes o dito secretario os guardava fechados em hum armário, e fazendome entrega delles, faltavam os seguintes

4 Questions sur Le Enciclopedie 8º 9 vol 7200/n/ 28800

Costumão se vender a 4320

3 Antiquite de voile 12º 3 vol_________1800_________5400

Vendemsse a 1200

5 Histoire Fhilosophique des Andes 12ª _6 vol 4000 __24000

Vendemsse a 2400

103400

Diminuindo o Boccace que S. Ex.cia o Bispo de Beja se obrigou a pagar 19 200

Resto que deve o dito Secretario_________________________ 84$200

Athe aqui o Rol do dito Rolland que fica em meu poder, V.ª Ex.cia me mande dizer se tem la alguns dos ditos Livros, especialmente os Contos de La Fontaine Estampados=Philosophie de la nature= Questions sur le Enciclopedie, Antiquité devote; Histoire Fhilosophique pois he precizo saber isto para regular a minha resposta.

(BPE, Cod. CXXVIII 1-10, fl. 27)

Carta de 10 de Junho de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimei muito as boas noticias que de Vossa Excelencia me deo Manoel Rodriguez: Deos Nosso Senhor conserve a Vossa Excelencia a vida, e saude como eu dezejo.

Terça feira passada de tarde, tendo-me o Arcebispo dito fosse a Sua Caza me disse era precizo que aparecessem os dois Exemplares de Cathecismos em Portuguez pertencentes ao Nuncio, porque El Rey está nisso empenhado; e que ja sobre isso escrevera a Vossa Excelencia de que esperava resposta. Tornei-lhe a dizer o mesmo que ja tinha dito; ele que taes Livros ja mais vieram á Meza, que de Alfandega constaria nunca terem entrado nelle taes Exemplares etc.

Passou o Arcebispo a dizer que o Padre Thomas lhe disséra que da Livraria foram para fora muitos Livros; e que ainda alguns dos que se tinham Comprado: respondi claramente que a ultima parte era mentira.

Accrescentou o Arcebispo que o dito Padre Thomas lhe dissera que Vossa Excelencia continuamente Levava Livros, e que quando se fora mandára alguns Exemplares delles; respondi eu não foram alguns Exemplares foram tres carros; e alguns mariolas carregados. Tornou o Arcebispo Mas perguntei ao Padre Thomas se havia Rol dos que foram, ou dos que vieram, e disseme que não; e sempre foi máo sahirem Livros sem ficar disso Lembrança para que quando voltassem, se voltassem ver se faltavam alguns. Respondi: Não adivinhava o Senhor Bispo de Béja que se havia de fazer delle o baixo conceito de que ficaria indevidamente com huma coiza. Engolio em seco: disseme Tambem ha noticia de que se tem vendido alguns: Isso he certo lhe respondi: E o dinheiro? me perguntou! Entrega-lo-hei; tornei a dizer. Dos Livros dobrados vendi muitos utilizeime do dinheiro agora pagalos-hei. Continuou sempre foi máo não ficarem estas coizas Assentadas. Respondi, Muitas coizas vejo eu ainda sem Assento. Perguntou-me quais eram, respondi-lhe: Por exemplo: Estranha-se que eu Leve o Assentamento das Cartas por huma Ordem Vocal; e por outra ordem vocal querem que Eu não os Leve; e o peor he que para eu os Levar houve ordem vocal em nome de El Rey; e para os não Levar (os Emolumentos) disseme que Lá por baixo assim o dizem. Calou-se concluindo que havia escrever a Vossa Excelencia sobre < os > Livros dobrados; e engolio em seco muito tempo.

Felis Joze he o homem do Forcado que mete Lenha para o forno; sempre está com quem póde promover os seus intentos, e interesses.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 10 de Junho de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Antonio Verissimo de Larre que he o unico Deputado que por Vossa Excelencia pergunta me recomendou muito fizesse a Vossa Excelencia sabedor do seu Cuidado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 29)

Carta de 16 de Junho de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Muito estimo que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia; Deos nosso Senhor prospere a Vossa Excelencia não só com esta felicidade mas com todas as que lhe dezejo.

Eu estou bom da minha molestia; e continuo em Lançar muitas arêas. O Reverendissimo Senhor Definidor Geral me entregou trinta moédas de ouro pelas quais beijo a Vossa Excelencia as mãos, e fico sûmamente agradecido, pois sendo certo que em todo o tempo o dinheiro serve e se estima, com tudo em certas occaziões ainda he mais; e Como estamos em hum tempo que se aponta por Crime de Estado o dever, dezejo, e faço todos os esforços por me ver Livre de dividas. Eu vou Assistir para a Ameixoeira, e com isso poupo vinte e seis moédas cada anno; e ja Lá tenho todo o meu fato. Eu devia 240$000 reis ao Senhorio; e como o Padre Bento vai dizer Missa a Caza do Padre Baptista filho do mesmo Senhorío, alem de ser publica esta divida, o Padre Antonio Vieira me tem dado alguns remóques sobre dever, e não dever: Foi-me precizo fazer huma Escriptura obrigando-me a pagar a dita quantia em certo tempo: E com o dinheiro que Vossa Excelencia me fez merce mandar acudi a outras coizas, de menor quantia, e igual necessidade.

O Arcebispo me falou sobre Livros, e Eu lhe disse que era verdade se tinham vendido alguns; e que o dinheiro parava em meu poder, e que eu daría conta delle: Falou-me tambem em que Vossa Excelencia tinha Levado Livros, e que tinha mandado Livros; mas que nem de huns nem de outros havia Rol, o que lhe dissera o Padre Thomas: Respondi-lhe que a Vossa Excelencia nunca viera a imaginação que poderia haver quem cuidasse que Vossa Excelencia se utilizaria do que não fosse seu; e que por isso não uzou, e practicou aquéllas precauções. Falou por entre dentes isso não; porem … Eu sempre heide escrever ao Senhor Bispo sobre esta materia: Nem sei se já o fez, nem estou Lembrado se já toquei nisto a Vossa Excelencia.

Terça feira passada se queixou Luiz de Moráes que lhe faltavam 383 horas as quais se tinham perdido pela má arrecadação que dellas se fizéra; e que tinha noticia se haviam vendido no Porto; e outras Terras.

Perguntou-me o Arcebispo por isto, na Meza: Respondi lhe que respondería, pois2 e que1 Luiz3 de Moráes dizia que ha tres annos se venderam aquellas Horas, e elle gastou tanto tempo em o saber; era também precizo algum tempo para averiguar a verdade; porem que preludialmente eu tinha noticia certa que no Porto, Braga, Coimbra, e Viseu se tinham vendido não só trezentas, e outenta e tres horas, mas mais de mil. Felis Jozé, que he o Achiles de Luiz de Moraes não gostou da nova; menos gostará quando eu mostrar, e creio que o heide mostrar que elle Felis deo a Luiz de Moraes, Horas das que estavam supprimidas antes de se lhe entregarem. A Caza do Corregedor do Bispo Alto he o Areopago onde se formalizam os Requerimentos de Luiz de Moraes, e filho da Velha: E creio que os de Roland.

Ha tempo escrevi a Vossa Excelencia sobre o tal Roland, e quizéra que Vossa Excelencia me mandasse alguma noticia e resposta a respeito do que eu perguntava para me saber haver.

  • 23 A palavra «disse-lhe» aparece escrita por cima da palavra «perguntei-lhe» que se encontra riscada.

Terça feira veio a esta Secretaria o Irmão do Professor de Rhetorica de Béja, que era quem imaginava tinha dado a Petição de queixa contra mim ao Arcebispo sobre as Appostilas; e < disse-lhe >23 quéro que vossa merce me mostre as Procurações dos Professores que se queixáram de mim: Respondeo Eu Senhor Secretario nem fiz, nem Concorri para tal Requerimento, quem o fez foi João Roussado, e elle me disse a mim que o Senhor Mayne lhe dissera que o fizesse pois vossa merce não podia Levar coiza alguma; ao que eu lhe respondi, que fizesse os Requerimentos que quizesse, mas que não falasse em mim, pois eu para tal não concorreria, nem ainda que se mandasse restituir, eu receberia coiza alguma. Pedio-me alem disto mil perdões etc. estava prezente Padre Joze da Fonseca Caetano Joze Mendes, e outras Pessoas: Com que agora tenho a Certeza de quem foi que se queixou: Não obstante o Irmão do Professor de Rhetorica de Béja sempre he hum ridiculo; mas nesta parte tenho-me dezempulhado de Jure mas não de Facto: de Jure porque tenho mostrado ter razão; de Facto não pois sempre perco hum Assentamento, e Caetano Joze Mendes o Registo.

O Padre Thomas me contou que o Sarmento mandou degradado para a Erra hum Frade que estava em Santarem e veio Logo chamado para Lixboa (era hum filho de hum vezinho do Padre Thomas) e era hum blasfemador de Vossa Excelencia e do Reverendissimo e preconizador das virtudes do Sarmento procuraram Logo que fosse pregar huma Practica na Trezena de Santo Antonio da Cidade e nesse dia houve grandes Féstas na Caza dos Pays do dito (Féstas escandalozas, por palavras, e por vinho) Eis se não quando hum dia da semana passada < vai > degradado o tal Frade; e dizem que apezar do grande empenho da Senhora Condeça da Louzâ que interpoz todo o seu grande valimento com o Sarmento e que este lhe faltára, dizendo que não podia servi-la, pois o Cazo era tal que não podia: o Padre Thomas que he quem Contou isto deo a entender que era por Ladrão.

Já o grande Povoa deixou de ser Provincial assim elle deixára de ser. Antonio Verissimo de Larre sempre me pede o recomende a Vossa Excelencia o mesmo he, e faz o Vice Reytor e Caetano Joze Mendes.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 16 de Junho de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

O Rocha está sangrado no pé e braço: quinta feira se asentou que todos os Substitutos por doença dos Professores fossem pagos á Custa dos mesmos Professores. Muitos Provinciáes novos, de que Vossa Excelencia terá noticia. [Rubrica]

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 31 e 32)

Carta de 23 de Junho de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: muito estimo que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia; cujo felicidade e todas as mais Deos Nosso Senhor conceda a Vossa Excelencia como lhe dezejo. Imprimiose hum Papel em obzequio da Acclamação da Raynha Nossa Senhora no quel se diz muito mal de El Rey defunto, e do Marquez de Pombal; eu ainda não o Li; mas he certo que se imprimio com Licenças e agora se quer dizer que não as teve; mas o Impressor está seguro com o Póde correr na mão. Imprimiram-se mais tres Papeis tambem com Licencas, e indo ao Póde corre, ficáram retidos, e se mandáram pagar as Despezas; vai a Copia do Aviso de Felis Joze para o Amádo ácerca de dois que só as Titulos deles valiam bom dinheiro; o Sobescrito tambem he de estimação.

Está o Vianna ardendo contra o Mayne, e diz que todos todos, todos [sic] são huns Patifes, e venáes, que não ha nem amizade, nem palavra, e só vale dinheiro; e que se hum offerece cinco mil cruzados e tem amizade ainda que lhe prometam que sim; e depois vai huma pessoa desconhecida, e sem amizade, e promete oito, esta fica servida, e aquelle não; que á excepção do Visconde todos os mais são venáes. He hum gosto ouvilo; Trabalhou em projectos de Diamantes, e Tabaco, e agora está Logrado, que ja busca nimguem [sic], e que entendido que só Vossa Excelencia he que tem honra. Que tal Excelentissimo Senhor!

O Vicente que vendia Livros no Porto chegou a esta Cidade a onde novamente se vem estabelecer. Esteve em Braga agora há pouco tempo, conta d’hum Frade Bento que esteve prezo, e agora prega naquella Cidade o qual tem feito nella huma sublevação contra os Livros Francezes e os seus Sermões só tendem á extinção, e abominação de Livros Francezes; de sorte que Levando elle Vicente alguns, Clerigos, e Frades indo á sua Loge lhe perguntavam vossa merce he Francez! não Senhor lhes respondia. Pois (tornavam elles) porque não deita estes Livros fóra; vossa merce não tem ouvido o Padre Fulano? De sorte que diz o Vicente; que Livros Francezes Lá por címa ja não tem gasto. Em Coimbra estam póstos em abominação Vanespens e Dupcri de sorte que certos confessores não querem absolver a quem os tem sem promessa de os queimar; e Confessores há que tem Levado investidas dos Estudantes por esse respeito; tudo conta o dito Vicente.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 23 de Junho de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

[Allexandre Ferreira de Faria Manoel]

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 33)

O Excelentissimo e Reverendissimo Senhor Arcebispo de Lacedemonia me ordena avize a vossa merce para que traga a esta Secretaria todas e quaesquer Poezias que vossa merce tiver impresso na sua Officina de baixo dos Titulos: Exhortação de Joze Carrança Mestre de huma Lancha de Alfama a seu filho = e a Expressão de huma velha dirigidos ambos estes Papeis ao Feliz dia da Aclamação da Raynha Nossa Senhora Deos guarde a Vossa Secretaria do Tribunal de Real Meza Cencoria em 16 de Julho de 1777.

Frei Joze Leal Branco

Senhor Manoel Coelho Amado

Sobescrito

Pela A Raynha

Ao impressor Manoel Coelho Amado

  • 24 Documento anexo à carta de 23 de Junho de 1777 (BPE, CXXVIII 1-10, nº 33)

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 34) 24

Carta de 01 de Julho de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: muito estimo que Vossa Excelencia passe como perfeita saude; e occupado somente com a socegada Lida que lhe cauzam os seu Diocezanos. No Correio passado recebi a Carta de Vossa Excelencia á qual então não respondi por não ser ja tempo: o Papel acabando de se copiar o remeterei; Caetano Joze Mendes tem estado doente, e por este movivo se atrazou a Copia. O Padre Thomas agora se sahio com esse Epigrãma; ja tinha feito dois em que mostrava não ser tão: _ …. O Senhor Arcebispo (tem-me esquecido de o mandar dizer) traz sempre a Cruz Episcopal da parte de fóra da Murça, assim como Vossa Excelencia costumava; quando elle sempre uzou o contrario não sei porque cauza agora uza o contrario. O Papel de que falei he certo, e imprimio Miguel Manescal com todas as Licenças nelle se diz que o governo passado foi de Sceptro de ferro; inimigo da Religião, prevertedor dos Costumes, inimigo da authoridade Pontificia, e Episcopal, etc. Frei Francisco de Sá, Quinta feira me perguntou por Vossa Excelencia e falou com o maior respeito, e afecto, [de] Vossa Excelencia que se podia dezejar, estava prezente Felis Joze e o Reverendissimo Senhor Povoa, o primeiro confirmou friamente o que dizia o Sá, mas o Senhor Povoa portouse como quem he; não abrio a boca; e só com as mãos deo, huns signaes a que os da sua relé delle chamam estar molando. He voz corrente que o Rocha será Provincial; Vossa Excelencia não o faz; mas a Vossa Excelencia o deve, pois o pôz no Estado que elle não merecia.

Oh! o Senhor Povoa Pedio se lhe mandasse passar por Certidão a Copia do Aviso que foi ao Provincial dos Franciscanos pelo qual El Rey que Deos haja dá aos Deputados da Meza o Privilegio de Prelados actuaes. Ora passar o Secretario da Meza Certidam de hum Avizo que foi ao Provincial dos Franciscanos, e para este effeito trazerce-lhe o Avizo original que estava em S. Francisco da Cidade he coiza Linda, e engraçada. E para que sería esta Certidam? Para quê? para requerer ao Nuncio a Confirmação daquelle Privilegio; pois he certo que El Rey não podia tal fazer sem Consentimento de sua Santiadade.

Fico para em tudo obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lisboa 1 de Julho de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Minha molher se põem aos pés de Vossa Excelencia e tambem Manoel.

O Vianna me mandou huns Tomos de Enciclopedia, com a Carta incluza que remeto a Vossa Excelencia e os tomos como eu já não tenho caza em Lixboa os mandei ao Senhor Definidor Geral mas Vossa Excelencia mandará dizer se quer se encadernem. [rubrica]

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 36)

Carta de 08 de Julho de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: recebi a Carta de Vossa Excelencia datada em 27 de Junho; e nella encontro a milhor <noticia> que posso ter, que he o passar Vossa Excelencia Com saude, a qual felicidade especialmente peço a Deos continue a Vossa Excelencia junta a todas as mais que lhe dezejo.

Sexta feira passada 4 deste Mez foi no Collegio dos Nobres a Oração pela Exaltação de Sua Magestade houve concurso, menor, porem, do que n’outras occaziões.

  • 25 Palavra riscada.

Tinha havido ordem vocal (e de que eu não sabia) para não se reputarem como Deputados a João Pereira Ramos, e a Seu Irmão, determinando-se-lhe não somente não lhe dar o Quartel; mas nem mandar-lhe a Tocha do Corpo de Deos. Que tal! Eu que suspeitava isto, perguntei na Quinta feira se lhe havia mandar Avizo para a Função do Collegio disse o Arcebispo que não. Na sexta feira, apareceo no Collegio João Pereira Ramos, e o Bispo seu Irmão; foram para a Sála das Vizitas a onde eu estava, o Arcebispo porem indo Logo para a Caza imediata á dos Actos, o Reytor offereceo huma Tribuna ao Bispo ao que elle respondeo, e eu o ouvi, = Eu tenho a honra de ser Membro deste Tribunal = foi, e João Pereira para a dita Caza com os mais Deputados o Bispo ficou ao pé do Arcebispo e passada mais de huma hora de Conversação entre ambos sahio o Bispo de esfuziote, e foi para huma Tribuna: João Pereira (que)25 estava Longe do Arcebispo chamou este Felis Joze, e este me veio perguntar da parte do dito Arcebispo se eu mandara Avizo por escrito ou vocal aos ditos dois Ramos disse que não, e assim era: Levantou-se o Arcebispo e falando mais de hum quarto com João Pereira foi o Tribunal para o seu Lugar na Sala dos Actos, e João Pereira ficou no ultimo Lugar; diziam que era como Procurador da Coroa; e não acharam conjunctura milhor para dar a noticia áquelles deputados se não esta.

He voz quazi publica que o Padre Mayne tem quebra no valimento; he certo que sobre o quarto que se lhe destinou em Quéluz teve sua Etiqueta com o Padre Antonio da Santa tomando o Mayne o Quarto destinado positivamente por El Rey para o dito Padre de que El Rey não gostou, ainda que disfarçou; porem a Corte fala toda contra o Mayne. E se diz que este tem fortissimas inteligencias com o Nuncio, e que tendo este a Estreitissima incumbencia de primeiro que tudo cuidar na extinção da Meza Censoria, o Mayne lhe serve de Agente, de sorte que na Curia apareceo hum papel com os nomes de todos dos Deputados Caracterizando a cada hum particularmente e se diz que este Rol fora feito pelo dito Mayne; aqui sempre há o que quer que he.

Outra especie notavel he dizer hontem o Povoa na minha prezença falando do Provincial actual de S. Francisco (que elle diz que fizéra) = não lhe falta que sofrer, pois o Nuncio tudo quer governar. Blazonou o Povoa <na Meza> contra o Marquez de Pombal sobre não querer que se imprimisse huma oração (entre outras) do Escarro do Tabaco na occazião das milhoras de El Rey defunto quando foi dos Tiros.

Não ha duvida que tenho faltado em procurar ao Senhor Definidor Geral prometo a Vossa Excelencia de me emendar desta culpa, que afirmo a Vossa Excelencia não tem sido descuido, e muito menos ingratidão. Eu mesmo disse a Vossa Excelencia a repugnancia que teria em ir a tal Convento; fui não obstante por cumprir as determinações de Vossa Excelencia; mas contandome o Padre Francisco o dezaforo do Sarmento tomando-lhe huma satisfação a respeito de Vossa Excelencia e fazendo eu tambem papel assentava de me abster de me encontrar com o tal Sarmento, (com o Sarmento cujos defeitos de homem, e de bruto ja não são occultos nesta Cidade) e com outros taes como elle.

Permita-me Vossa Excelencia a Liberdade de dizer-lhe o Seguinte o Senhor Padre Bento, (cujo individuo tenho a Consolação que nunca me enganou) he quem publica que Vossa Excelencia por afetação comprava Livros, sendo certo que Vossa Excelencia não entende nem o Latim delles. O mesmo elogio faz a Vossa Excelencia o Senhor Padre Manoel Joaquim dignissima trombeta, e tambem o Bento do Padre Abrantes, o qual continuamente publica o mesmo, e que Vossa Excelencia fazendo bem a tantas pessoas, nem a hum unico homem honrado o fez; imagino que julga isto por si proprio, pelo substituto de Vianna seu Primo; pelo Professor de Filosofia de Thomar seu Amigo e por todos aquelles por quem elle intercedeo.

O Conde da Atalaya filho do Marquez de Marialva falando ao Padre Francisco despois de dizer muito mal do Penafiel , e Mayne, concluio; não hade entrar no Paço homem mais honrado do que o (Senhor) Bispo de Beja e o Mayne foi o homem mais patife para com elle.

Quinta feira passada me pedio Frei Joaquim com grande empenho o Livro de Vossa Excelencia sobre as Memorias do Pulpito, e me disse que El Rey foi quem lhe deo noticia delle.

Corre noticia de que a Ilha de Santa Catarina está recuperada por huma expedição que fizeram os Paulistas; mas não sei certeza.

Continua sempre Antonio Verrissimo em saber noticias de Vossa Excelencia e tambem o Vice Reytor e Caetano Joze Mendes; e brevemente irá concluida a Copia que elle deve acabar.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 8 de Julho de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Minha mulher posta aos pés de Vossa Excelencia lhe pede a benção, e tambem Manoel, que vai começando a estudar Latim [rubrica]

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 38 e 39)

Carta de 18 de Julho de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia.

Recebi a Carta de Vossa Excelencia e nella o maior gosto que tenho tido despois da auzencia de Vossa Excelencia ficando-me suavizados todos os meus desgostos, e trabalhos na Concideração de que me vejo honrado, e estimado por Vossa Excelencia com huma tal carta: Huma e mil vezes beijo a Vossa Excelencia os pés por tanto amor. Despois que Vossa Excelencia se foi nem hum unico Correio se tem passado que eu não tenha escrevido a Vossa Excelencia e sentirei que alguma carta se tenha dezencaminhado. Tenho falado ao Serenissimo Senhor Definidor Geral a elle tenho contado varias Anedoctas, que elle não desgosta de saber.

  • 26 Palavras riscadas.
  • 27 A palavra «foi» aparece escrita por cima da palavra «lhe» que se encontra riscada.

Hontem se deram na Meza os Livros de Vossa Excelencia e a Pastoral. Eis diz o Arcebispo = Deixeme ver essa Pastoral Senhor Felis Joze = vê a Pastoral; e dis = Passou isto sem repararmos, e tem se reparado bem nisto, aqui Logo no principio a onde diz da Nossa Cidade e Bispado, porque dá a entender que a Cidade he sua = Frei Joaquim que tinha visto a Pastoral disse; isso he huma verdade pura se (a Cidade he se)26 o Bispado he seu todas as Terras nelle conthéudas são suas; e Eu não terei ja mais a duvida de deixar passar semilhante expressão. Disse o Arcebispo = Pois não havemos tornar a deixar passar semilhante coiza porque Lá por baixo (béla expressão!) reparouse muito nisto. Disse o Deputado de Xabregas, pois não tiveram, nem tem razão, etc. advogando fortemente a favor da Pastoral. O Arcebispo vendose atacado geralmente de toda a Meza (menos do Reverendissimo Senhor Povoa) estavam nela = Viegas, Xavier Joaquim Povoa, Arcebispo Larre, Sá e Pissarro) disse pois foi27 El Rey < quem > reparou nisso; mas disse o com voz e modo tal que se conheceo que elle mentio, e ainda despois o Xavier e Frei Joaquim replicáram. O Arcebispo avançou e disse ainda se reparou n’outra coiza, e a mim me disseram que o Senhor Bispo velho de Coimbra dizia que o Senhor Bispo de Beja estava no mesmo Cazo que elle estivera a respeito da sua Pastoral, pois que (Vossa Excelencia) a imprimira sem Licenças da Meza; mas isto tudo he mentira, mas para se tapar a boca ao Povo será precizo daqui em diante por em todos os Papeis que se imprimirem = com Licença da Real Meza Censoria, e na officina de F…. = Ponderou o Sá a dificuldade que havia, em muitos, papeis, v. g. Escritos da Confissão etc. e assentou-se que ao pôr dos Despachos se declararia v. g. = Imprima-se declarando que tem Licença desta Meza, e o nome da officina, e volte a conferir = etc. e nos que não Levarem isto não se declare.

O Arcebispo não me tem falado em mais nada, nem a respeito de Livros, nem a respeito de Ordem vocáes etc. nem de Coiza alguma; o Padre Thomas buscou a Mayne, e foi quem em matéria de Livros falou, sei isto com certeza, porque deiteime advinhar com palavras prenhes, e o dito Padre cahío mizeravelmente confessando tudo mas dizendo que elle não dissera coiza alguma que offendesse, ou pudesse offender a alguem; aludindo a Vossa Excelencia e a mim. Mayne he reputado quazi geralmente em Lixboa por hum maroto.

O Caetano continua a acabar o papel. Peço a Vossa Excelencia o favor de me mandar hum Livro dos seus, huma Pastoral; e das outras que certamente ainda não vi, e geralmente são estimadas. O Vice Reytor me tem repetido o Recomendado a Vossa Excelencia e lhe lembre tambem o muito que elle dezeja o seu Livro.

A Raynha por huma Carta Regia declarou que o Bispo de Coimbra sempre cumprira com as suas obrigações, e que lhe restituhía todas as honras. Este Bispo teve insinuação de não formalizar Papeis contra a Meza, dasse isto por sem duvida. Tambem se dá por certo que El Rey advertira ao Marquez de Angeja a respeito de ambição etc.

Hum dos maiores Empenhos para o Penafiel he o Monteiro mor o Bispo o fez Camarista o Monteiro mor vagando-lhe agora Escrivão das Coitadas (he hum grande officio) o foi offerecer ao Bispo para que o desse ao Criado que lhe parecesse; o Bispo o deu a Antonio Domingues he o Criado que traduzio o Armazem de Pobres o Irmão Bernardo esta de Cama e Meza em Caza do Monteiro Mor enquanto dura a Jornada de Quéluz; disse que este Irmão Bernardo he bom canal para os empenhos do Senhor Penafiel, e não só se dá por certo que he Canal, mas que he receptaculo.

Minha molher criada de Vossa Excelencia e Manoel beijam a mão a Vossa Excelencia e Manoel continúa a Estudar Latim, exercitando-se no Escrever, e estudando a geografia pelo Bonaire. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 18 de Julho de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão a Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

No que respeita aos Papeis < da Aclamação > creio que os poderei ter todos [rubrica]

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 42)

Carta de 22 de Julho de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito que Vossa Excelencia continue em passar com perfeita Saude.

Sexta feira estive com o Mordomo de Vossa Excelencia e lhe pedi quizesse em meu nome beijar a mão a Vossa Excelência. Hum Conego de Ourem Irmão de hum Lente da Universidade que he de Pernes, contou diante de mim que o Mayne está a ferro, e fogo contra o Sarmento por este querer dar certos Privilegios a huns Frades sem o ter participado ao dito Mayne; e que este fez que os taes Frades ficassem privados de vóz activa, e passiva etc. e seja como for que o Mayne blasfema do Sarmento não obstante que este busca todos os modos de se congrassar novamente mas sem effeito. A Pastoral que Vossa Excelencia mandou distribuir na Meza tem sido admirada nesta Cidade como hum Chéfe d’obra; e me tenho visto perseguido por alguns Exemplares.

A Caza do Cardeal he huma Palestra publica contra o Marquez de Angeja. Os Castelos Milhores tambem claramente falam contra o dito Marquez. O Nuncio dizem que blasfema contra a Carta Regia a respeito do Bispo de Coimbra. Athé ao dia de hoje não se tem pago ordenados do 3º quartel aos Senhores do Erario, coiza que faz admirar por ser a primeira vez que tal lhe sucede. Morreo hontem o Principal Costa. Novamente se espalha a vóz de que no Erário há immenso dinheiro.

Sexta feira passada indo falar ao Reverendissimo Senhor Definidor geral me encontrei com o Vieira, e este me recomendou muito que buscasse ao Senhor Penafiel, e Mayne; e falou Comigo grande espaço, dizendo-me por ultimo que eu podia obsequialos (Penafiel, e Mayne) sem offenca de ninguem. Eu que não sou homem de Corte não percebo; ou não quis perceber, mas disse-lhe sim Senhor.

O Arcebispo mandou embargar o ordenado a Joze Antonio da Matha para pagar as Cazas ao Visconde de Barbacena; e aqui temos que ja Vossa Excelencia não obrou Dispoticamente em Cazo semelhante como estes Senhores diziam.

Deos dê vida, e saude a Vossa Excelencia e guarde a sua Excelentissima Pessoa como todos desta Caza dezejamos a Vossa Excelencia para nossa amparo, e consolação: Ameixoeira em 22 de Julho de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Minha molher e Manoel se põem aos pés de Vossa Excelencia.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 44)

Carta de 29 de Julho de 1777

Excelentissimo Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito a noticia de que Vossa Excelencia continua em passar Livre de molestia. Hotem na Meza quando Felis Joze remetteo o Deputado para o Arcebispo mandou sobre elle huma Carta com sobrescrito que dizia = Ao Excelentissimo e Reverendissimo Senhor Arcebispo de Lacedemonia: Do Bispo de Beja = abrio o Arcebispo a Carta e despois de ver em primeiro o que hia dentro, disse = isto são dois papeis do Senhor Bispo de Béja que vieram com este sobescrito, (então o leo, e então he que eu o soube) sem mais carta, nem coiza alguma, visto virem aqui suponho que são para imprimir = Leo os taes papeis; e Lidos disse o Felis = sim Senhor são para imprimir, porque o Professor de Grãmatica do Collegio dos Nobres me escreveo esta Carta, (tirou huma Carta da Pasta, e Leo-a) = na Carta estavam estas formalissimas palavras alem de outras = remeto a vossa merce essa carta que são dois papeis <para imprimir> do Senhor Bispo de Béja = rio o Arcebispo, rio Rocha, rio Povoa, rio etc. E comentáram = essa Carta que são dois Papeis para imprimir! está bom = Respondeo OSenhor isso não tem duvida que são Papeis para imprimir; a incurialidade de não trazerem Petição (nisto tinha reparado o Arcebispo) nem Carta para Vossa Excelencia he culpa do Professor pois bem se vê do Sobescrito que sendo feito ao alto não podia ser remetido de Beja; etc. posto o negocio a votos assentáram todos que se imprimissem; e o Arcebispo em que o Edital sobre a Indulgencia á hora da Morte, vindo Vossa Excelencia assignado nelle comecasse ex abrupto (assim se explicou) sem preceder titulo de = D. Frei Manoel do Cenaculo etc. = He de advertir que tanto que no principio o Arcebispo Leo os Papeis, se voltou para mim, e me perguntou = vossa merce he que trouxe esta Carta? = que Carta? = respondi eu! Elle ficou cuidando que eu o Lograva, e todos na Meza a olharem para mim, e então he que < o Senhor > Felis disse que lha mandara o Professor de grãmatica.

  • 28 A palavra «Historia» aparece escrita por cima da palavra «Filosofia» que se encontra riscada.

Nunca busquei, nem já mais buscarei outro Protector mais do que a Vossa Excelencia nunca fiz Sala, nem o farei a Pessoa alguma, seja a minha fortuna qual for; terei todos os possiveis defeitos de juizo, nenhum ja mais terei de vontade em obrar coiza alguma que possa ainda levemente servir de indicio de eu ser ingrato a Vossa Excelencia ou de se imaginar que eu quero conversar, ou augmentar fortuna sem o dever a Vossa Excelencia; sim Senhor mordam-me dizendo que sou hum todo, (como diz o Povoa e Rocha) mas não dirá ninguem que eu sou hum maroto como geralmente delles se diz, pelo modo com que elles se tem portado o respeito de Vossa Excelencia. Os Professores do Collegio de Nobres são rapazes, (no juizo) e não sei se támbem são mais alguma Coiza, cada hum por seu feitio: excepto daqui só o Padre Daly com quem não tenho, nem tive nunca comunicação alguma. Sebastiam Rodriguez da Costa Logo buscou Jose Caetano de Mesquita, com elle tem tratado; Logo buscou Prestou pedindo-lhe a Sua conservação, este (Prestou) o despedio com abatimento e desprezo isto me contou o dito Sebastiam procurou despois disso todos os meios de fazer a sua oração, meios de intriga, e não de muito brio. No Irmão do Reytor não falo, isso he sabido, e antigo. Joaquim Carneiro buscou o Reytor, e o Arcebispo fez huma grande chapa aluziva a Aclamação para se estampar com a Colleção das obras que o Collegio fazia; e em que eram Empenhados todos os Professores; a qual não se imprimio porque rezolve-o a Senhora Junta do Collegio dos Nobres que não podia <, nem devia > pagar a Impressão. O Professor de Historia com seu genio apoquentadinho, apoquentadinhamente tem obrado o que não devia: o Leonardo passe por Velho; e todos estes quando o Reytor se queixa de que elles não o attendiam, dizem que Vossa Excelencia assim lho inspirava. Que tal Excelentissimo Senhor? Falta falar em Joaquim Joze da Costa; porem que heide eu dizer de hum sugeito a quem Vossa Excelencia estima? Heide calar-me? Não senhor, heide falar a Vossa Excelencia que devo, não só como Catholico, mas como honrado e como quem a Vossa Excelencia deve o ser. Este Professor que tem hum genio vivissimo, e ardente talvez passando a meta prudencial em que se devia conter, em nome de Vossa Excelencia dava ordens no Collegio huma vez entrou na Aula de Historia28 estando o Professor de Filosofia substituindo, e os Collegiaes, e vendo os globos descubertos disse = valha-me Deos, tudo cahe sobre mim, não ha quem neste Collegio tenha cuidado em nada, he precizo mandar fazer capas para estes globos, pois Sua Excelencia Reverendissima me tem encarregado cuide em todo o Collegio. Disse-me isto Sabastiam Rodriguez da Costa ainda Vossa Excelencia esteve mais de hum anno em Lixboa o dito Professor chamava alguns Padres das Camaratas, e lhes perguntava se os mininos estudavam? Se brincavam? etc. accrescentando que Vossa Excelencia o mandava saber por sua via. Isto < me > contou o vice Reytor Sebastiam Rodriguez, e o Professor de Historia. Muitas vezes dizia aos Collegiaes Vossas Senhorias não estudam? Vossas Senhorias brincam? etc. pois vejam em que se metem que o Vice Reytor Logo passa tudo ao Senhor Prezidente ora estas coizas tinham más consequencias. Este Professor publicava hum grande dezafeto contra o Reytor e seu Irmão; mas ja El Rey era morto, e Vossa Excelencia ainda estava em Lixboa quando o dito Irmão do Reytor diante de alguns Collegiaes, e do Vice Reytor deo ao tal Joaquim Jose os agradecimentos da excelente Malvazia. Entrou o tal Joaquim Joze na idéa de ganhar o Arcebispo ou o Reytor ou a ambos se ambos se unissem, intrigou com o Reytor intrigou com o Arcebispo, e no cabo eilo ali perdido com hum, e com outro. Propôz o Professor que estavam trez Collegiaes capazes de irem para a Reytoria falou ao Reytor e contou-lhe sobre isto huma historia, por modo que o Lograva, e dahi foi falar ao Arcebispo e disse-lhe que os Collegiaes estavam capazes, que ja o dissera ao Reytor e que elle convinha, e entregou ao dito Arcebispo a Conta do Costume para a dita passagem. O Reytor que na verdade he mais velhaco foi ter com o Arcebispo queixousse amargamente do abatimento em que estava sem delle se fazer cazo, e que só os Professores eram ouvidos, e que especialmente o Professor de Grámatica sempre quizera governar o Collegio, e que na verdade Levava ordens, e as dava sem elle Reytor saber de nada, mas que se accomudava etc. porem que agora etc….. o Arcebispo relatou tudo isto na Meza, e se determinou que nenhum Professor remetesse Conta á Meza se não pela mão do Reytor; que este informasse se aquelles Collegiaes estavam, ou não Capazes de passar etc. e foi Portaría sobre isto. Bateram sobre Joaquim Joze fortemente, e o peior he Excelentissimo Senhor que com verdade e factos certos, não respectivos á sua Ciencia, ou ao seu procedimento; mas só a respeito do seu genio; e Frei Francisco de Sá, que não < há > homem mais honrado ao referirse huma Anedocta do dito Professor que tocava em Vossa Excelencia respondeo isso foi coiza do Professor, e rapaziada, e o Senhor Bispo não soube de tal. Calaram-se todos etc. Excelentissimo Senhor eu não tenho, nem tive nunca etiqueta alguma com este Professor, e particularmente o estimo por elle geralmente dizer muito bem de Vossa Excelencia mas o que digo a Vossa Excelencia he verdade pura de que tomo por testemunha o mesmo Deos; e o refiro a Vossa Excelencia cheio de amor, e fidelidade ardente; e peço a Vossa Excelencia pelo amor de Deos me perdoe se nisto obro contra a vontade de Vossa Excelencia pois certamente antes quéro perder a propria vida do que perder a graça de Vossa Excelencia e a este respeito não digo por hora mais; e quando eu tiver a fortuna de chegar < algum dia > pessoalmente aos pés de Vossa Excelencia lhe direi o que agora ómitto.

Passemos a coizas mais alegres. O Bispo Coadjutor de Coimbra, e João Pereira Ramos se queixaram a El Rey de terem sido despedidos da Meza, e se lhe não dar parte se não na Função do Collegio dos Nobres; respondeo El Rey que de tal não sabia, mas que o hia perguntar a Raynha; foi El Rey immediatamente á Raynha e voltou dizendo, nem Eu, nem a Raynha de tal sabemos. Veio Logo Ordem ao Arcebispo de Lacedemonia para que desse a razão de não pagar o Quartel ao ditos Deputados manda o Arcebispo Logo chamar Felis Joze, e diz-lhe que Leve os ditos quarteis: Leva-os Logo Felis Joze; e diz-lhe João Pereira e seu Irmão que não aceitavam tal dinheiro sem ordem especial de El Rey. O Facto he certo contado por João Pereira ao Tradutor da Confrontação da Douctrina dos jezuitas etc. o qual mo contou; e tambem mo disse Antonio Verissimo que lho dissera o Bispo Irmão de João Pereira: Quarta feira há no Collegio Acto de Historia e o Arcebispo hontem particularmente me disse que hoje ao meio dia lhe falasse em sua caza para saber se havia mandar Avizo aos ditos dois Deputados (soube que o Arcebispo vai esta manhã a Quéluz. Este facto tem feito estrondo em Lixboa pois he certo que houve huma ordem dada em nome da Raynha sem ella a ter dado; e he certo que quem a deo não podia dar.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 29 de Julho de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 46 e 47)

Carta de 05 de Agosto de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor estimarei muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de toda a molestia. Com effeito foram os Avizos a João Pereira Ramos, e a seu Irmão para assistirem aos Actos de Historia, e elles se despicáram em Lá não aparecerem. He voz geral que o Penafiel, e Mayne he que intimáram ao Arcebispo (vocalmente) a ordem para haver por escuzos aquelles dois Deputados; e tem isto servido de rizo em Lixboa. Os Acto de Historia esteve pessimo, de sorte que o Auditorio unanimemente se enfastiou de sorte que geralmente se via o descontentamento e o Arcebispo mandou tocar a sahir antes do tempo de que todos ficaram contentes. Na Meza Sexta feira (por que Quinta se deo feriado por ser dia de Santo Ignacio) propos Povoa em nome de todos que o Collegio, e Professores necessitavam de reforma, e o Arcebispo se encarregou de Cuidar nisso; he galante coiza responder sempre este sabio Prelado com aquelle Emphaze com que Vossa Excelencia costumava dizer = verei o que se póde fazer = se achar occazião tocarei nisso = etc. Joze Mendes da Costa tem feito grandes desfeitas ao Arcebispo e este na Meza (Sexta feira) se queixou disso.

Hum Bacharel se queixou que havendo trez annos que na Meza digo que da Alfandega foram remetidos para a Revizão huns poucos de Livros, e tendo recebido em 22 de Maio de 1776 alguns, lhe faltavam outros; e que ou a Meza lhos mandasse entregar, ou recebendo os que elle tinha recebido se lhe pagassem todos. A Petiçam vinha apadrinhada occultamente por Felis Joze etc. o Arcebispo disfarçando lhe perguntou sabe disto Senhor Felis Joze? Não meu Senhor respondeo elle, pois isso foi coiza antes de eu cá estar; e só sei que lhe entreguei os Livros que elle diz, e não achei mais. Então Sua Excelencia me perguntou por isso, respondi que não sabia mas que veria; entregaram-me Então dois róes, hum dos Livros que o tal Bacharel pedia e outro dos que elle tinha recebido; como o Felis tinha o Rol em que Vossa Excelencia poz o Entreguem-se, pedindolho tambem, e por estes trez Róes feitos, e apresentados pela mesma parte: mostrei: Que Pedindo se no Rol que Vossa Excelencia assignou (quando elles em Maio fez hum anno se mandáram entregar) (a este Rol chamo 1.º) 120 Livros, agora pelos dois Róes se pediam 134. Mostrei 2.º que em hum Rol se pediam Livros, que por outro Rol se confessava estarem ja recebidos. Mostrei 3.º que pelo rol dos Livros recebidos se tinham recebido muitos que não pertenciam ao Bacharel como era evidente pelo Rol n.º 1.º Mostrei 4.º que pelo Rol dos Livros que se diz faltarem se pedem Livros que nunca foram do tal Bacharel, como se mostrava pelo Rol n.º 1.º E conclui a minha resposta 1.º que o dito Bacharel procedia de má fé; 2º que quem recebeo os Livros procedeo indignamente pois devendo proceder com honra abusára da Confiança de quem lhos entregava levando Livros que não eram seus, e que não era prezumivel da perspicacia, e inteligencia de quem os entregava, desse Livros de mais, ou trocasse huns por outros (esta clauzula escrita com enfaze ferío mortalmente ao Felis. 3.º disse, que o Bacharel devia,) suposta ou a má fé, ou outro qualquer engano que havia, e ocularmente se mostrava dos mesmos trez Róes) mostrar que < Livros > tinham ido para a Meza, se eram de folha, de quarto, ou de 8.º; e mostrado isto não equivocamente mas com certeza, esperar que se pudessem buscar, pois na Confusão que houve pela inauguração não hé possivel acharem-se Logo; e que no Cazo de não se acharem se deve ter por Certo que taes Livros Lá não apareceram, pois pelo mesmo facto de aparecerem huns deviam aparecer outros, pois os Livros que se dizem faltarem são quazi todos truncados, e Livros de direito rançozo, velho, e indigno: concluhia eu que se mandasse examinar a minha resposta, conferindo-a com Róes, (seguro a Vossa Excelencia que a resposta era huma demonstração accular) porem o dito Arcebispo nem perguntou a Deputado algum, Parecer, e Levou os Papeis todos para os ver. O Felis que estava engasgado com a prova evidentissima de que da Revizão sairam Livros que não pertenciam ao tal Bacharel, e que o Arcebispo dizia que isto era muito mal feito etc. por sustenidos se desculpou com fogo desfarçado. Se me falarem mais em tal Excelentissimo Senhor heide dizer claramente que he o que sucede de estarem dando Livros humas Pessoas ignorantissimas athé da material inteligencia do Latim; como são o dito Felis Joze, e Joze Thomas, que quotidianamente foi [ sic] as suas vezes.

O Empenho deste celebrado Feliz he ver o modo com que hade ser Senhor do meu oficio. Resta dizer a Vossa Excelencia que o Definidor geral de xabregas acabada a Meza diante de todos blasfemou contra tais intrigas, dizendo que era dezaforo consentir se tal etc.

Vamos andando com tal tormenta que tráz seu Furacões. Brevemente remeterei a Vossa Excelencia o Original da Prozódia; e talvez que os Ministros de Direito em que Vossa Excelencia me falou, o ponto he que aparecam.

Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Lixboa 5 de Agosto de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia.

Seu mais humilde Criado.

Minha mulher e manoel criados de Vossa Excelencia pedem a Vossa excelencia lhe deite a benção. [rubrica]

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 48 e 49)

Carta de 12 de Agosto de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: estimo muito que Vossa Excelencia passe com perfeita saude, e com todas as mais felicidades que lhe desejo.

Remeto a Vossa excelencia os dois Papeis impressos, que são os em que falei a Vossa Excelencia que a Meza supprimio despois de lhe ter dado Licença. Vai tambem a Ode manuscrita; e a Decima que são os unicos Papeis manuscritos que tenho visto que me agradem especialmente a ode que me parece muito bem feita; a Decima porem só me parece boa pelo que indirectamente me diz respeito.

Não sei se já mandei dizer a Vossa Excelencia que Joze Mendes da Costa traz grandes bulhas com o Arcebispo de Lacedemonia como o mesmo Arcebispo se queixou na Meza.

Veio hum Avizo para ser Collegial o filho do Desembargador Antonio Alvez da Cunha.

Não tenho respondido a Vossa Excelencia sobre as Gazetas, por não ter falado a Manoel Pereira Vianna; porem agora sei que elle não as tem mandado por differente motivo do que Vossa Excelencia supunha. O Padre Pedro Caetano que actualmente está na Ameixoeira em huma Quintinha que o Tio comprou agora modernamente me disse que o Vianna se lhe queixára de Vossa Excelencia lhe não ter escrevido, tendo o elle feito algumas vezes, e infiro daqui (dizia elle < ao dito Padre Pedro >) que Sua Excelencia não quer a minha Correspondencia. Ora isto que na verdade he certo, não me convence a mim; e como aludindo sei que o dito Vianna está novamente esperançado em o Mayne, e que este certamente (apezar de grande honra de Vossa Excelencia em sempre ou o desculpar ou fazer delle deverso conceito) he o maior inimigo de Vossa Excelencia que Contra as Leys de Christão, e de honrado só dá mostras de ser o que geralmente delle de diz; he certo (ao menos para mim) que o dito Vianna quer Lizonjear ao seu não sei que, rendendo-lhe o obzequio de que não se trata com Vossa Excelencia ao menos eu assim o entendo; Ora Como o dito Vianna era quem n’outros tempos, e ainda ha menos de seis Mezes, dizia mais mal do Mayne em todo o sentido como Vossa Excelencia sabe, e despois da morte de El Rey tanto se meteo com elle, e despois ainda disto me tornou a blasfemar contra o dito Mayne; agora que novamente sei estarem novamente metidos hum com outro, não conjecturo com temeridade o referido, com tudo eu sempre lhe heide falar, e lhe heide falar conforme vir o animo delle que aludindo sou facilimo em lho conhecer.

Minha mulher e Manoel pedem a benção a Vossa Excelencia: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Lixboa 12 de Agosto de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 50)

Carta de 12 de Agosto de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: despois de ter feito a outra Carta; por ter despois sabido o seguinte o comunico a Vossa Excelencia.

Disse o Arcebispo na Meza, que o Professor de Grãmatica do Collegio de Nobres (tendo noticia de que se tinha mandado informar < ao Reytor > sobre o merecimento dos tres Collegiaes que elle dizia estavam capazes de irem para a Rhetorica) fora dizer-lhe, que he verdade que os ditos Collegiaes não estavam capazes de passar, mas que elle o fazia para que elles tivessem dois Mezes de Ferias; acrescentou o dito Arcebispo e daqui podemos conhecer que a desculpa he pior do que a culpa etc.

Seguro a Vossa Excelencia que emquanto estiver na Meza estou em occazião proxima de me desgostar: Hontem se despachou na Meza para correr o Evangelho de São Matheos do grande Sarmento foi o Portador; o Honradissimo Padre Manoel Povoa; o qual pegando no Livro na Meza estando ao pé de mim, me disse = he do Sarmento está muito bem feito = pego eu no Livro abro-o no meio, e vejo que elle dizia a Parabola do que mandou pôr a vinha circundedit eam = sepe = cercou-a com hum ripado: immediatamente abro n’outra parte e vejo na Parabola do semeador; qui seminat inter spinas traduzido pelo tal grande Sarmento = o que recebe a Semente entre as espinhas = respondi então = não direi eu tal, porque nem a palavra sepe significa ripado, nem qui seminat quer dizer o que recebe a semente, espantose o Povoa, pega no Livro vê e revê as passagens, e diz-me = calesse Senhor Alexandre façasse tolo, e vamos andando, que assim he precizo neste tempo = disselhe eu, que me faça tolo apage [sic] (disse lho em Portuguez) porque ha alguma Ley, ou Ordem de Sua Magestade que obrigue a ter por bom quanto fizer o Sarmento? Óra pegando no Livro lhe vi mil depropozitos, e o Povoa ficou admirado de Eu entender de tal; e eu conclui ora veja sendo eu hum ignorante, que dirão os que disto entenderem? Não respondeo nada o Povoa, e eu estimei a occazião para mostrar que eu não falava inspirado, mas pelo que entendia.

Manoel Bernardo de Melo e Castro está feito Visconde da Lourinhã, e com outros Despachos; disse isto o Arcebispo que lho disséra o Visconde de Ponte de Lima.

A Marqueza de Tavora moça sahe de Santos para tomar Banhos.

Ha hum Decreto que Eu vi da Raynha para o Corregedor da Fazenda com assistencia do Procurador da Coroa, e dos Procuradores da Fazenda, e da Fazenda do Ultramar examinarem todos os papeis pertencentes ao Fisco.

Hum Arrabido, ou Capucho requereo a Raynha, e veyo hum Avizo á Meza Censoria para esta determinar á Junta do Subsidio que passasse as Ordens necessarias para que no Porto se embarcassem 20 Pipas de vinho, e 5 de vinagre pertencentes aos ditos Padres sem pagarem Subsidio Literario.

Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Lixboa 12 de Agosto de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 52)

Carta de 19 de Agosto de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: muito estimo que Vossa Excelencia continue em passar com saude muito perfeita. Os Livros que Vossa Excelencia mandou dizer ha-os; não dos < de > Manoel da Comceicam que não sei a onde isso foi parar; mas por outras partes; e Vossa Excelencia me ordenará se quer que os Compre Logo. A El Rey na Semana passada estando á Missa lhe deo huma vertigem, mas não foi coiza (graças a Deos) de maior consequencia. O Bispo de Coimbra tem tido trez Cartas Regias, e em huma (me dizem, pois eu não a li) se lhe louva o zelo da Sua Pastoral, e se lhe ordena que a possa por em execução etc. Hontem estiveram na Meza o Arcebispo, Larre, Santa Martha, Rocha, Sá, Frei Joaquim, Xavier e Povoa; acabado de assignar o Despacho, voltou o Arcebispo para mim, e para Felis Joze, e nos disse = retirem-se vossas merces pois tenho que continuar huma matería na Meza = Levantamonos, e sahimos para fóra; e como os officiaes e Continuos, e partes estavam fóra e viram que a Meza se deteve hum quarto despois da Nossa Sahída, e que despois disso se tocou a Campainha para mandar pôr as Sejes, e que se sahio sem nos mandarem entrar tudo foi espanto; e eu tenho pensado Largamente toda a noite passada: por huma parte me parece não será nada a meu respeito, pois então mandar-me-hiam sair só a mim, e não ao Felis, pois não julgo que comigo se queira usar a minima atenção em Coiza alguma; por outra parte estando eu costumado a golpes mortaes, tudo em mim são receios, e cuidados. Eu, e Caetano Joze Mendes discorrendo assentamos com tudo, que o cazo ou he a respeito do Bispo de Coimbra, ou de João Pereira Ramos, e seu Irmão; mas que seja o que for a cautela sería para que Vossa Excelencia não soubesse o que era; não sei Excelentissimo Senhor que ha de notavel na Meza que (e ainda fóra della) todos se receam de Vossa Excelencia em fim vou sofrendo esta continuada tormenta. Tenho a cabeça desproporcionada para ser mais extenço ainda que não me faltava que dizer: Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 19 de Agosto de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

O Arcebispo mudou o dia < de conferencia > de Quinta feira por serem os annos do Principe para a Sexta feira seguinte.

Minha mulher a Manoel se põem aos pés de Vossa Excelencia.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 54)

Carta de 26 de Agosto de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor,

Meu Senhor: Estimarei muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de toda a molestia. Hontem disse o Reverendissimo Senhor Rocha ao Padre Thomas que lhe procurasse todos os Livros que eram dos Congregados, ainda suares [sic] etc. para se lhe entregarem pois elle estava encarregado disso, e a Raynha lhos mandava dar. Tudo vai por alteram viam. O Galhardo requereo se lhe mandasse entregar huma Novena de Santa Barbara que a Meza lhe supprimio, e segundo entendo se lhe manda dar: Em fim, por sistema se vai fazendo o contrario do que se fazia.

Brevemente remetto a Vossa Excelencia o Papel copiado. O Original, quero dizer, o Manuscrito da vida de El Rey D. Fernando em que n’outro tempo falei a Vossa Excelencia, e que tinha esperanças de que mo dessem, juntamente com a chronica Manuscrita de El Rey D. Pedro o Iº como as coizas voltáram, tambem as minhas esperanças mudaram; e o dono que me falava com rebuço por certas dependencias, agora me diz que quer pelos dois Manuscritos 12800 a Vida de D. Fernando tem dois dedos de altura, e he Letra de 300 annos, ou mais, perceptivel, e regular, suposto que eu não corro muito por ella pela falta de uso; a vida de D. Pedro he mais baixinha, isto he, como hum dedo: estam muito bem tratadas; e me parece valem o que o dono quer. Eu nestas circunstancias tituleava em falar a Vossa Excelencia nisto, porem sempre me resolvi para que Vossa Excelencia determine o que enteder. O Padre Thomas me disse que da sua parte agradecesse a Vossa Excelencia o Livro de Memorias do Pulpito; e tambem o Caetano aquelle Padre tem buscado todos os modos de conviver comigo aparentemente ao que eu da mesma sorte correspondo; pois sei que elle busca em suas Cazas a certas Pessoas que me são inimigas por systema; e com elle tenho a devida cautela. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 26 de Agosto de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão a Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 55)

Carta de 02 de Setembro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito a certeza de que Vossa Excelencia continua em passar Livre de molestia.

Para o Correio remeterei a Vossa Excelencia o Rol dos Livros, e seus preços. Os trez Collegiaes das Ilhas sahiram ja do Collegio e entregáram as Medalhas. o Reverendissimo Senhor Padre Rocha está com huma amizade intima com o Reytor fazendo desfeitas ao Vice Reytor. O Filho de Joaquim dos Reys alcançou hum officio que (dizem) rende 200 mil reis por via do Mayne e intervenção do Vieira; dizem que lhe custou cincoenta moedas entregues ao dito Vieira. Eu não o duvido, porque nestas coizas sigo a opinião mais provavel, e mais segura; porque nestas materias sempre a mais segura he a mais provavel, e vice versa. O Vianna está ardendo contra o tal Vieira, e Mayne porque (diz elle) despois de estipularem com elle huma convenção de tantos mil cruzados cada anno (não me disse as quantia certas) mediante a qual se lhe havia dar ou o Controlo do Tabaco, ou o dos diamantes; e despois de lhe comerem, e roubarem) são expressões que o Vianna mesmo me disse a mim o Lograram etc. ora o tal Vianna que ainda Sexta feira lhe falei a primeira vez despois que Vossa Excelencia me escreveo sobre a falta das gazetas rematou em blasfemias (instantemente) contra os seus novos Protectores. A respeito das Gazetas me contou, que tendo pacteado com o Vieira remeterlhas todos os Correios para que elle as remetesse a Vossa Excelencia o dito Vieira nada menos fez mas as entregava ao Bahia o qual as remetia a Coimbra, e isto mostrou elle Vianna por sobescritos do mesmo Bahia etc. porem que daqui em diante as havia de mandar ao Senhor Definidor geral.

  • 29 Palavra riscada.

Hotem foi a Meza para Reimprimir hum livro feito29 Compedio Doutrinal que n’outros tempos (em 1768) fora supprimido, perguntouse quem então fora o Censor, disse que o Senhor Penafiel, e tem mais Exame se disse que ficasse em vigor a supprimissão, pois estava Censurado por hum Deputado vivo foi expressão do Reverendissimo Senhor Povoa áqual todos annuiram. Aparecem immediatamente os Pensamentos Christãos para reimprimir, que tambem n’outros tempos foram supprimidos; perguntasse quem fora o Censor disse que o Padre Antonio Pereira responde logo o Senhor Povoa, bom he ver isso outra vez, e assim se fez: donde vim a Collegar que ou o Padre Antonio Pereira ja he morto, ou que a razão de supprimir o primeiro Livro não era estar censurado por Deputado vivo.

Sabado de tarde foi o Visconde, o Marquez de Angeja, Miguel Lucio de Portugal, Gonçalo Xavier da Silveira Preto, Joaquim Ignacio da Cruz, Reinaldo Manoel e outros correr o lado da Meza Censoria para designarem (se diz) a habitação de varios Tribunáes; foram a Livraria a onde estava o Padre Thomas sozinho; entre outras perguntas; lhe disse o Visconde = aqui tambem estam os Livros prohibidos, ou foram para o Papelão? = Isso tudo foi para o Papelão respondeo o dito Padre = replicou o Visconde = Esta Meza Censoria fez: ……..: e explicouse por huma palavra que ao Padre Thomas não Lembra que equivalia a Parvoisse ou Dispotismo, ou injustiça etc.

Eu não sei a verdade porem he voz geral de que o Padre Teixeira Leva debaixo o Sarmento em materia de Fradarias; ja que toquei em Frades, digo a Vossa Excelencia que aqui tive o gosto de saber que ja Frei Isidoro não será o cabeça do motim de Santarem Deos o tenha no Céo; e ao grande saude, e seu Irmão Deos lhe dê a mesma fortuna, falo da morte; que do Ceo certamente estam elles bem longe. O Frade ruivo companheiro do Sarmento que está hoje em Santarem mandou as Licenças dois Tomos de Novenas para todo o anno; e Corre a obra para diante. A Biblia (que na verdade he obra digna de seu Autor) do Sarmento vai correndo fortemente pelas Licenças. Ora que será Excelentissimo Senhor que estes Autores de Livros espirituaes, todos (pelo menos) são vingativos, soberbos, e intrigantes?

O Bispo de Zenopoli escreveo á Universidade para que puzessem Luminarias, e esperacem em Corpo ao Bispo D. Miguel. Fizeram Lá seu juizo e assentaram não fazer coiza alguma, e não a fizeram.

No Seminario de Coimbra quando se festejou a entrada, ou chegada do dito Bispo houve Inscripções nas quais se dizia, que o Bispo padecera pela fé, e pela Religião etc. eu mandarei a Vossa Excelencia as ditas inscripções.

Nada com Certeza se sabe a respeito da Sahida dos Secretarios; mas a vóz publica he que foi sobre Bispo de Coimbra.

O Arcebispo de Lacedemonia entrou em duvidas, Questão com a Relaçam Ecclesiastica, se esta lhe era superior, ou não; e se havia delle Aggravo para a dita Relacão; Joze Mendes da Costa tomou as partes da Rellação; e ultimamente esta decidido por hum Recurzo (ou que sei eu) que a dita Relação he superior ao dito Arcebispo e lhe póde mandar reformar os seus Deputados; o mesmo Arcebispo anda sumamente abatido; e magro. Não sei se mandei ja dizer a Vossa Excelencia que este Arcebispo despois que Vossa Excelencia se foi traz a Cruz sobre a Murça.

Lixboa toda está em Dezesperação, cada hum por seu feitio.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Lixboa 2 de Setembro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beja a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 57 e 58)

Carta de 09 de Setembro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de molestia.

O Vicente que estava no Porto veio para Lisboa a estabelecerse, e trouxe huma grande porção de Livros em papel: Mete-os na Revizão (ha mais de dois Mezes) eram de longas < de Felis Joze > ja mais foi possivel que se lhe entregassem, ainda aquelles que absolutamente não tinham duvida alguma. Esta dependencia foi tratada camerariamente, quero dizer, sem na Meza se falar em tal; e por ultimo Terça feira passada, tendo o dito Felis dado ordem ao tal Vicente que naquella manhã fosse buscar os Livros; indo a esse effeito foi prezo na Mesma Azada (dizem huns que á ordem da Meza, e outros que á ordem da Raynha) parece que pela Justiça do Bairro do Limoeiro, e conduzido a esta Cadêa a onde ainda existe em segredo. Na quinta feira (dia de Meza) nem huma palavra se falou no Tribunal a este respeito, e o Felis me falou nesse dia, com cára de Synon. Esta prizão tem-me dado que refletir; pois tanto segredo, só he a meu respeito; e pelo menos o Patife de Felis Jozé me tem posto de tão má fé que julgam na Meza as coizas de segredo não devem ser tratadas diante de mim; e fez crer a aquelles Senhores (não he sem fundamento a conjectura) que eu sería capaz de avizar o tal Vicente. He verdade que este trazia trez ou quatro Livros impressos na Officina de Cllamapim sem Licenças da Meza; porem o procederse com tal cautela a meu respeito Lá não deixa de ter seu enphase: ora eu prezumo ao prezente que a sahida dos Secretarios para fora da Meza foi a este respeito, e que o Felis sahio por disfarce: He tambem certo que em huma das Conferencias anteriores á dita prizão no fim do Despacho tirou o Arcebispo hum papel da algibeira, e despois de o Ler o assignou, e deo a assignar a Antonio Verissimo, e ao Santa Martha, e despois de assignado o guardou sem nelle falar palavra: Infiro eu <agora> ser a ordem de Prizão. Ora he evidente, e facil de julgar a desconçolação em que estas coizas me põem; pois he certo que nenhuma outra coiza maquina Felis Joze mais do que arruinar-me, valendose de ideas vis, practicadas por Luiz de Moraes, pelo Roland, e pelo chamado filho da Velha: Apoiado tudo pelo Povoa, pelo Rocha, e em quanto a mim pelo Mayne: Deos me tire ja de tal Meza ou de tal Inferno; em sendo dia de Meza, quando estou no Tribunal me considero no meio de Liões; exceptuando Larre, Sá, Xavier, Santa Martha, e não sei qual outro.

Já entreguei ao Senhor Definidor Geral o original da Prozodia. A novidade maior he que a Raynha viuva parte para Castela a 25 de Outubro; assim o disse Frei Francisco de Sá (menos a designação do dia) que lho contára o Marquez de Louriçal a quem o disséra Apres de Sá. Afirmam que o Conde da Azambuja, e Conde de Soure estam nomeados para irem; e tambem a Irmã de Braynes.

Contou o Arcebispo < na Meza > que certo Bispo o Consultára sobre o ordenar ou não os Dispensados na Ley, e que elle lhe aconselhára que sem dar motivos os não admitisse a Ordens: ora ahi temos outra vez christãos novos. O Rocha continua em vizitar o Reytor Oliveira.

O Vicente he quem me tinha prometido o Rol dos Livros de Direito, e com esta novidade agora o buscarei por outra via para remetter a Vossa Excelencia e no primeiro Correio irá: e no entanto seguro a Vossa Excelencia da Certeza dos Manuscritos, e das Bibliotecas Luzitanas; que ja dei a certeza de querer estas por quatro moedas e meia, estam excelentissimas; e os Manuscritos pelo que a Vossa Excelencia mandei dizer.

Minha mulher se recomenda a Vossa Excelencia e lhe pede a sua benção, e juntamente Manoel. Deos dê vida, e saude a Vossa Excelencia para consolação, e amparo desta caza: O mesmo Senhor guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Lixboa 9 de Setembro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 59)

Carta de 17 de Outubro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei que Vossa Excelencia tenha passado Livre de toda a molestia. Em fim Excelentissimo Senhor < está > concluido o dezejo de meus inimigos. Chegando a esta Cadêa do Limoeiro em 2 deste Mez, me fizeram perguntas a trez, e a seis, e a treze: no dia quatorze me tiráram do segredo: e hoje veio o juiz do Crime do Bairro do Limoeiro intimar-me, a Rezolução de sua Magestade comunicada á Meza e esta por huma ordem determinou que o dito Juiz do Crime me intimase # que sua Magestade me havia por despedido com ignominia de Secretario da meza Censoria da Repartição dos Estudos: que sahise trinta Legoas fóra da Corte; com pena de 10 annos de Angola para nunca mais tornar a ella < Lixboa >, e salvo o Direito ás Partes; para haverem de mim os seus prejuizos # as Partes são Luiz de Moraes, e Roland.

Eis a qui meu Senhor o Estado em que me vejo, triste, e aflito: não sinto sahir de Lixboa pois ainda no Cazo (que nunca esperei) de Sua Magestade me não privar do officio eu certamente lho pediria por merce, e absolutamente não havia de tornar á Meza: o que histo sobre tudo he a clauzula com que sou despedido: He a pobreza em que me vejo com minha < mulher >, e meu innocente filho: sem dinheiro athe para fazer a Jornada, que ainda não sei para onde será pois em parte alguma distante 30 legoas de Lixboa tenho nem o minimo conhecimento.

Vossa Excelencia que sempre foi meu Pay me illumine agora, e me valha. Nesta cadea unicamente Felis Joze Marquez foi o Professor que me vizitou: O Senhor Manoel Pereira Vianna mandeilhe pedir pelo amor de Deos huma cama e hum ténue jantar em quanto minha mulher não vinha para Lixboa negouse em Caza, e não me mandou resposta; e despois que minha mulher veio para Lixboa escrevendo-lhe ella não lhe respondeo graças a Deos!

  • 30 Em 10 deste Mez, e ainda em 13 me fizeram perguntas: Eis aqui como as coizas correm!

Sahi de Lixboa a primeira vez com menos de duas moedas de ouro, e deixei a minha mulher menos de quatro mil reis: ao despois tive os gastos que Vossa Excelencia verá desse Rol: absolutamente não sei que hade ser de mim. Vossa Excelencia pelo amor de Deos me valha: Triste de mim! Não me faltava que dizer mas nem a minha cabeça está para narrações nem o tempo me dá Lugar: emfim fui sentenceado (por huma consulta da Meza)30 Repito a Vossa Excelencia me não deixe morrer de fóme.

Eu não sei para onde heide ir, e se o ir para huma Terra do Bispado de Vossa Excelencia (com tanto que não fosse Villa do Ministro de Vara branca) fosse do agrado de Vossa Excelencia e me pudesse servir de algum bem, he certo que Eu o estimaria sobre tudo; quando não irei para onde Vossa Excelencia me insinuar, e Deos quizer.

Não posso meu rico Senhor deixar de dizer novamente a Vossa Excelencia que heide Levar minha triste mulher e infeliz filho comigo, e que não tenho para onde faça a jornada, seja para onde quér que for.

Mando este proprio a dar parte de tudo a Vossa Excelencia a implorar a sua benção para mim minha mulher e o seu afilhado; e tambem a sua Compaixão, e a sua clemencia para todos nós.

Deos guarde a Vossa Excelencia como eu (sempre assim o disse) o heide mister, e toda a minha familia pedimos ao mesmo Senhor.

Sala Livre da Cadea da Cadea [sic] da Cidade; Lixboa em 17 de Outubro de 1777.

Minha mulher e Manoel, e eu de joelhos pedimos a benção a Vossa Excelencia.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De Vossa Excelencia

Mais humilde e fiel Criado.

P.S.

Tirouse huma Devassa as Testemunhas mais terriveis foram Luiz de Moraes, Roland, e Francisco Gregorio Ancora; terriveis, quero dizer insolentes: juraram que os Livros que eu vendi da Meza importavam mais de trinta mil Cruzados: e disseram pouco, pois no povo houve quem disse que muito maior quantia, athe chegarem a dizer que outocentos mil cruzados: que tal Excelentissimo Senhor! Algum dia saberá Vossa Excelencia circunstancias bem notaveis as quais nem animo tenho prezentemente para as referir etc. valhame Deos com tantos Santos!

Este moço he sumamente fiel.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 61 e 62)

Carta de 21 de Outubro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: muito estimarei que Vossa Excelencia passe com a perfeita saude que lhe desejo. Despois de ter escrevido a Vossa Excelencia a Carta que remetti por hum proprio; me tenho rezolvido (não me mandando Vossa Excelencia o contrario) a ir para o Rabaçal que dista desta Corte 30 Legoas, e de Coimbra quatro; pois eu de nenhum modo quero assitir em terra grande e de fausto, mas sim a onde possa mediocremente passar, pois nem eu estava n’outros termos: Hoje faço tenção de sahir da Cadêa, e ir para a Ameixoeira a onde me demorarei athe que tenha possibilidade para fazer a jornada etc.

Nesta Cadea unicamente me tem vizitado Felis Joze Marques, Adrião dos Santos, Manoel Joze Esteves Pinheiro, Sebastião Rodriguez da Costa, Caetano Joze Mendes, Pedro Antonio e seu Irmão Clemente, Christovão Joze de Azevedo, e Lagier, a que devo as maiores expressões, e afecto:

Os dois Manuscritos estam certos, e em saindo os mando entregar ao Senhor Definidor geral pois seu dono me veio ja falar.

Eu não tenho ja sahido por não ter dinheiro para pagar custas, e outras despezas: e tal foi a minha fortuna que dando minha mulher (quando Eu me fui embora) huma pouca de prata a guardar, temendo algum sequestro, a pessoa a quem a entregou não dá conta della, e para falar, como devo, a Vossa Excelencia com clareza foi a Francisco da Costa; que tendose mostrado com hum extremo afecto nesta conjunctura veio a parar no que digo, e ainda mais alguma coiza; paciencia.

A quem devo aqui hum extremo afecto pratico, he a Manoel da Silva tio do Padre Pedro que todos os dias me tem vindo falar desde que eu sahi do Segredo, e tem dado muitas passadas, e falado ao Visconde etc., e como he Mordomo dos Prezos tem posto prompto hum homem do Azul [sic] para me andar diligenciando Despachos, e dar as passadas precizas para eu sahir e com effeito se elle não fosse ainda hoje não sahía.

Eu, minha mulher e meu filho pedimos pelo amor de Deos a Vossa Excelencia nos valha pois actualmente estamos abandonados de todos, sendo por outra parte Certo que Vossa Excelencia sempre foi o nosso amparo, e remedio.

Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Cadea da Cidade em 21 de Outubro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 65)

Carta de 28 de Outubro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: muito estimo que Vossa Excelencia passe Livre de toda a molestia.

Hoje he o Anniversario da Sagração de Vossa Excelencia e por este motivo beijo a Vossa Excelencia a mão, e peço a Deos conserve a Vossa Excelencia cheio de todas as felicidades, e pelos dilatados annos, que eu e toda a minha familia dezejamos.

Recebi a carta de Antonio Joze Correa, e com ella a continuação dos beneficios de Vossa Excelencia. Ja eu pelo Correio tinha escrevido a Vossa Excelencia dizendo que determinava ir para o Rabaçal, por me dizerem ser terra pobre, sem faveto, e cómoda de viveres; agora que me tem dado milhores informações de Condexa estou indecizo, mas sem duvida vou, ou para o Rabaçal, ou para Condexa. No principio tive determinação de Levar comigo minha mulher e meu filho, porem reflectindo no dezarranjo total em que ficavam as minhas coizas me resolvi a ir só: E minha mulher fica na Ameixoeira, a onde tem caza, e horta, e alguma cómodidade mais: não sendo a menor cauza para ella ficar as Esperanças, ou Insinuação que o Visconde com tudo há nisto boas esperanças, porque especialmente a Viscondeça se mostra muito compadecida, e o Visconde inclinado a favorecer: isto se deve especialmente ao tio do Padre Pedro; que na verdade tem feito finezas de honra, e de amizade.

Há tanto que dizer a Vossa Excelencia a respeito destes meus trabalhos que sem duvida cinco folhas de papel seria pouco. Direi só huma galante coiza. Escrevi ao Vianna despois que sahi, e me qeixava da sua impiedade, pois estando eu no segredo, e mandandolhe pedir hum jantar elle não mo mandou; resposdeo-me com huma Carta que guardo como hum Documento das Politicas deste mundo; e entre outras coizas diz as seguintes = a amizade com vossa merce e com o Senhor Bispo de Béja, faziam olhar Manoel Pereira como pessoa envenenada = que tal Excelentissimo Senhor! = mil coizas pudéra dizer que he precizo calar = que será isto meu Senhor? = A cada momento se me dizia, e boas pessoas, que logo se passava a fazer a vossa merce hum rigorozo sequestro = ouvia dizer a pessoas bastantemente poderozas, couzas, e prognosticos taes que me tremiam as carnes = Só estimava saber Excelentissimo Senhor quem eram as boas pessoas, e as pessoas bastantemente poderozas. Ponho ponto, e passo a implorar novamente o ampáro de Vossa Excelencia.

O Capitam Francisco Jozé de Souza Mascarenhas parente de minha mulher he hum homem de suma honra, e de quem justamente confio todos os meus segredos, e quem fica na minha auzencia com o cuidado em minha mulher; elle mora na Calçada da graça; e as Cartas que eu mandar pelo Correio a elle hão de vir remetidas.

Fico, e sempre estarei prompto para em tudo obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Ameixoeira 28 de Outubro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

P.S.

Hontem mandei entregar ao Reverendissimo Senhor Definidor geral os dois Manuscritos: minha mulher e filho pedem a benção a Vossa Excelencia.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 67)

Carta de 03 de Novembro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de toda a molestia.

Não me tem sido possivel athé agora dar a Vossa Excelencia huma noticia individual das minhas infelicidades, nem ainda agora o faço com a exactidão que a materia pedia; mas na consideração de que tenho hum portador seguro informarei a Vossa Excelencia de algumas circunstancias bem notaveis.

Fui prezo em Mertola com o motivo de não ter Passaporte. No Correio antecedente á minha chegada a Mertola tinha o juiz de Fóra tido cartas de Lixboa em que se lhe dava por novidade que Eu estava prezo no Segredo, e os meus Bems confiscados, esta noticia, e o aparecer eu ali fez que o dito Juiz de Fóra fizesse as maiores deligencias para me prender supondo que da minha prizão lhe rezultaría hum grande Despacho. Fui remetido ao Limoeiro com grandes recomendações do dito Juiz de Fóra; e se heide dizer a Verdade em Mertola achei todas as acções de honra em o governador, que ainda despois de eu estar prezo me foi vizitar a Cadêa, e foi cauza de Juiz de Fora me tirar da Enxovia a onde me tinha mandado pôr.

Chegando ao Limoeiro fui metido em Segredo á ordem do Infante e tenho chegado em huma Quinta feira, na Sexta seguinte pela manhã o dito Infante mandou se me abrisse Assento a Ordem de Meza; e de tarde foi o Juiz do Crime do Limoeiro fazerme perguntas, que duráram desde as trez horas e meia da tarde athé despois da meia noite.

Perguntou-se-me a onde me prenderam, e porque; respondi que em Mertola, e por não Levar Passaporte. Que hia eu fazer a Mertola? Que me auzentava por ser voz geral em Lixboa que me queriam prender, e que nisto havia o maior empenho, segundo se dizia. Porque se me queriam prender? Respondi que achandosse prezos trez homens, e sendo voz geral que era por me Comprarem Livros da Meza, este era o motivo que davam tambem para a minha prizão. E vossa merce vendeo com efeito algum Livros da Meza? perguntou-me o Juiz do Crime: alguns? (respondi eu) muitos, não só centos mas mais de mil. A quem? Replicou o Ministro; a esses trez que estam prezos, respondi e a ninguem mais? Disse elle: respondi; mais tal, ou qual Livro; mas isso he couza insignificante.

Que fizéra ao dinheiro, pois constava da Devassa que eu tinha vendido mais de trinta mil cruzados de Livros. Respondi que quem tal dissera, ou jurára; mentira, ou por malevolencia, ou por ignorancia, pois era evidente, e ocularmente certo que todas as Livrarias dos Jezuitas Portuguezes que vieram para a Meza não valiam trinta mil cruzados, e que nenhum Mercador de Livros daria por ellas todas vinte mil cruzados; que para prova disto alegava eu com a Livraria de Coimbra que sendo ella a mais numeroza, e notavel dos Jezuitas Portuguezes, e sendo ella toda examinada pelos [Depu]tados Frei Joaquim e Xavier elles não acháram em toda ella hum único Livro de Historia Portugueza, nem de Poezia Portugueza, nem huma Prozodia, nem Livro algum de Theologia, ou Belas Letras moderno; mas somente Livros antigos de Theologia, de Direito etc. De sorte que elles pediram na Meza os não incumbissem de examinarem mais Livraria de Jezuitas. Disse o juiz do Crime que constava da Devassa ter Eu vendido hum Alonço Rodrigues, isto que he facto falço, o neguei com aquella energia que pedia o ver eu que se me imputava semelhante falcidade e o Ministro me respondeo; está feito a respeito deste Livro não se esforze vossa merce mais, pois eu conheci (em quem falou nisto) incoherencia, e que se perturbava como quem faltava á verdade.

Inquirio com que ordem vendia eu os Livros: Respondi, que eu não tivera nunca ordem expressa para a dita venda; mas que havendo na Meza hum Avizo para elles se venderem, e estando eu encarregado de os apartar etc. procedi á sua venda sempre com animo de os pagar á Meza; mas que passados tempos era constante que eu os vendia, pois eu sempre desde o principio o dissera a todos; respondeo-me o Ministro = não há duvida, isso todos dizem que vossa merce publicava que os Livros que vendia eram Livros da Meza =

Se sabia eu que Vossa Excelencia tivesse Levado Livros da Meza? respondi que sim, e muitos que eu mesmo os mandava a Vossa Excelencia e que tambem o Bibliotecario fazia o mesmo; porem que Vossa Excelencia quando fora para Béja os mandou restituir á Meza em trez Carradas e alguns Mariólas Carregados delles. Instou, se no Convento de Jesus, ou em Béja ainda haveria, ou teria Vossa Excelencia alguns Livros pertencentes a Jesuitas. Respondi que não sabia: replicou, = mas que prezume vossa merce? = Respondi, se o Senhor Bispo de Béja tem Livros pertencentes á Meza ainda em seu poder, elle o ignora; pois elle me mandou dizer ha Mezes que se achasse alguns (quando puzesse a sua Livraria a direito) os remeteria; e que eu sabia que entre os Livros que Vossa Excelencia remeteo para a Meza foram alguns dos seus proprios, e que nunca foram dos Jesuitas.

E que Contas tem vossa merce com o Senhor Bispo de Béja? Perguntou o Ministro. Nenhumas, lhe respondi. Instou elle: Consta da Devassa, que vossa merce disséra que elle lhe era devedor de grande quantía, e he certo que vossa merce tem grandes contas com elle, pois só de Papel que vossa merce para elle comprou fiado foram mil cruzados. Respondi que era Certo que a Manoel Joze (o Bochecha) comprei mais de dois mil cruzados de Papel para Livros que Vossa Excelencia imprimio, mas que elle estava pago como constava de recibo que eu [ilegível] dizia o Contrario; e que estas foram as maiores contas que com Vossa Excelencia tive. E instando ainda mais o dito Ministro respondi que eu havia mais de quatorze annos tinha a honra de conhecer a Vossa Excelencia e que em todo este tempo tinha tido contas com Vossa Excelencia mas que ao prezente Vossa Excelencia não me deixa nada: foi se o Ministro.

Voltando para novas perguntas na Segunda feira seguinte me reprezentou (o dito Juiz do Crime) que eu fazia mal em não falar a verdade pois todos conheciam que as minhas respostas eram afectadas, e que certa pessoa lhe tinha dito que eu me culpava só por desculpar a Vossa Excelencia, que tratasse eu de me defender a mim, que Vossa Excelencia não necessitava de defensa [sic]; pois ainda que eu imputasse a Vossa Excelencia o que não fosse, ao prezente tinhamos huns Soberanos para quem o Estado Eccleziastico era sumamente respeitavel, quanto mais hum Bispo. Eu respondi, que tinha dito a verdade e que eu não dizia outra coiza, pois nem a sabia, nem se o dissesse era verdade: Renovando as perguntas, instou que dissesse eu com quem tinha repartido do dinheiro? Respondi que não era eu tão rico que pudesse dar dinheiro a pessoa alguma. E tornando a falar sobre Livros prohibidos, e sobre Livros vendidos; respondi = Não duvido que se tenham vendido Livros prohibidos da Meza, e outros que eu não saiba; pois he certo, e indubitavel que haverá trez annos hum homem que tem Loge de papeis, e de Livros na Caza do Rubi ao Arsenal disse ao Padre Bernardo de Couto que he Cappelão em Santo Antonio, que hum official da Meza Censoria lhe fora vender hum saco de Livros, e que mandando (elle Joze) examinar, e ver que Livros eram achou que todos eram Livros prohibidos, por cujo motivo lhos entregáva outra vez: e que eu era testemunha de vista de ver na mesma Loge alguns Livros que certamente tinham sido extrahidos da Secretaría da Meza; e eu mesmo disséra ao tal Joze que dissesse a quem lhos tinha vendido, que vendo-os eu disséra que eram furtados da Meza e que assim bom era examinar isto porque não era justo se me imputasse o que outro tinha feito = Não obstante isto escreverse; não resultou nada, sendo certo que ou Joze Thomar, ou Caetano Porteiro, ou ambos sem hum saber do outro foram os que fizeram aquellas boas obras; porem Como qualquer destes, não obstante te-los eu servido não só emprestando-lhes dinheiro, mas ainda n’outras coizas, dizem mal de mim há certos tempos, de nada se fez cazo. Em fim eu fui sentenceado em dez de Outubro; e a treze ainda me fizeram perguntas.

Mandandome buscar os Papeis que eu tinha comigo no Segredo Levaram a carta que Vossa Excelencia tinha escrito ao Manoel Mayne, e o outro bilhete sobre os Livros de Roland: antes de eu sahir do Segredo < quazi > todos me annunciavam a ultima desgraça, despois huns dizem assim, outros assado: o Procurador geral de Santo Antonio dos Capuchos disse a Manoel Joze Esteves Pinheiro, que se compadecia do que me sucedera, pois lhe affirmára pessoa de verdade que tudo fora maquinação de inimigos etc. Digam o que disserem Excelentissimo Senhor o certo he que a inveja, e odio me perderam; e se não fora a bondade suma de El Rey, e da Raynha peior, e muito peior sería. O Beneficiado Fonseca publica que he certo ter eu vendido trezentos e cincoenta mil cruzados de Livros. O Povoa está hum fogo por eu dizer (e constar da Carta de Vossa Excelencia ao Mayne) que elle Levára muitos Livros da Meza, como que se isto não fosse huma pura verdade; e blasfema.

Os meus inimigos, descontentes de não me verem na sepultura, derám n’outra venáda, e dizem que eu digo mal de Vossa Excelencia ah meu rico Senhor! Athé donde chega a malicia; suppõem, e he certo, que Vossa Excelencia he o unico refugio que tenho no meu infelíz Estado, procuraram agora este diabolico meio para totalmente me dezacreditarem, e me arruinarem; mas eu dou graças a Deos por me afastar do defeito de ser ingrato; não meu Senhor antes me falte a vida, e eu me veja na maior desgraça, e minha triste mulher e inocente filho do que vir-me ao pensamento dizer huma palavra em que offenda a Vossa Excelencia. Eu só tenho recebido de Vossa Excelencia beneficios a montes, sempre os Confessei, e sempre os Confessarei: Deos dê o pago a quem me tem injustamente reduzido a tão triste figura.

Francisco Gregorio Ancora falou ao tio do Padre Pedro, e elle disse que não solicitasse a minha soltura porque eu era etc. Joze Gregorio Jrmão de Felis Joze dizia na Secretaria que eu certamente hia para Caconda, ou Angola.

Emfim Excelentissimo Senhor algum dia se Deos me der vida e Saude remeterei a Vossa Excelencia huma exacta relação dos meus trabalhos; e informação círcunstanciada de minhas suppostas culpas.

A doze deste Mez parto desta Cidade ou para Condexa, ou para o Rabaçal; nunca deixarei de saber de Vossa Excelencia. Rogo a Vossa Excelencia pelo amor de Deos, e pelas chagas de Nosso Senhor Jezus Christo se não esqueça de mim, de minha desgraçada mulher e do seu Afilhado; pois he Vossa Excelencia o unico amparo que temos neste mundo.

Já mandei dizer a Vossa Excelencia que o Capitam Francisco Joze de Souza Mascarenhas parente de minha mulher e morador na Calçada da graça he a quem deixo recomendadas todas as minhas coizas, e a elle heide escrever, e em seu nome remetter as Cartas do Correio: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Ameixoeira em trez de Novembro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 69 e 70)

Carta de 04 de Novembro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Por mão particular remetto a Vossa Excelencia huma Carta mais extença, e ainda nella não digo tudo quanto dezejava.

A doze deste Mez parto para o meu degredo. Faltou-me dizer a Vossa Excelencia que tenho eu ja comprado as Bibliotecas Luzitanas para Vossa Excelencia e estando ellas em poder de João Evangelista, sendo este perguntado se em seu poder tinha alguns Livros meus; e dizendo elle que tinha as ditas Bibliotecas quais eram de Vossa Excelencia não obstante isso se lhe mandáram entregar, e foram remettidas para a Meza. Saiba Vossa Excelencia mais esta Anecdota para: …. graças a Deos.

Ainda para o Correio que vem heide escrever a Vossa Excelencia antes da minha partida: Minha mulher e Manoel pedem a benção a Vossa Excelencia: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Ameixoeira 4 de Novembro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 71)

Carta de 11 de Novembro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de toda a molestia. Sabado me fui despedir do Reverendissimo Senhor Deffinidor geral e amanhã parto para o Rabaçal.

Ao escrever esta tudo nesta Caza são afflições, e Lagrimas, e Eu com estas peço, e rogo a Vossa Excelencia se não esqueça de me valer, pois he o único ampáro que me resta neste mundo. Minha mulher beija a mão a Vossa Excelencia; e nós todos ja mais deixaremos de pedir a Deos conserve a vida, e a Saude a Vossa Excelencia para nossa Consolação e ampáro. Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Ameixoeira 11 de Novembro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 73)

Carta de 19 de Novemvro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Muito estimarei que Vossa Excelencia passe com saude muito perfeita. Hoje dezanove do prezente Mez cheguei a esta Villa do Rabaçal a onde fico athé que Deos for servido.

Por não molestar mais a Vossa Excelencia não escrevo a Vossa Excelencia mais o Dezamparo de minha mulher e meu filho, e de mim. E só digo a Vossa Excelencia que vindo por Santarem experimentei em Eloy Joze Gomes, e no Professor de Filosofia Francisco Joze da Costa acções cheas de primor, de brio, e de honra, o que conheço serem effeitos dos beneficios que Vossa Excelencia lhes fez. Este Professor de Filosifia me disse que ja não me esperava pois o Ministro do Citio de Santarem lhe disséra que o Padre Mayne por brio, e motivos particulares se empenhava agora em me proteger; como he coiza tanto para bem meu não sahio certa a noticia: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Rabaçal 19 de Novembro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 75)

Carta de 19 de Dezembro de 1777

  • 31 Carta redigida pelo padre do Rabaçal.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor31

  • 32 Nota à margem esquerda: a des

Meu Senhor muito estimarei que Vossa Excelencia continue em paçar com todas as felicidades que lhe dezejo. Ahinda nam tem finalizados os meos trabalhos mans neste que agora me sucede me vejo muito mais conforme com a certeza de Deus por ser elle, emediatamente dado pella sua mam, deste mes32 seriam coatro horas da madrugada me deu hum estupor que me deixou toda a parte esquerda leza ahinda mesmo a vista do olho esquerdo e fiquei sem fala alguma e ahinda que o me creado nam deu fé disto senam dipoes das des oras do dia cuidando que eu estava dormindo comtudo, xamado logo medico que veiu instantemente me deitaram huma grande quantidade de ventozas desde os hombros ate o calcanhar, o que fés o mesmo medico puzeram me telhás em braza nos pes e xegando o sirurgiam me sangraram nas espadoas altas as quais sargas eu nam senti menos o ultimo golpe da parte direita puzeramme Causticos nos braços e nas pernas e sangraramme o braço e pe direito e Coando era la pellas sete oras da noute eu me axava com a milhora de estar quazi tartamudo na quinta pella manham axando a vos mais dezembaraçada mans inposebilitado para ingolir espera para a sesta feira e nesta manham me comfecei e [ilegivel] o viatico tendoçeme ungido no dia do ataque prezentemente tenho a fala tutalmente boa os olhos ambos os abro suposto do esquerdo nam vejo e alem diço me acreçeo nam puder mescer todo o braço direito a minha vontade por cauza da sangria que me tem feito enxar e tres dedos da mão com pouca seçaçam é vezivel que isto prosedeo da sangria poes a sizura figou angular, tenho tomado alguns remedios da botica tanto de bebidas como de perolas, nem o tempo da molestia, nem os rigos da estaçam tem dado Lugar a outras milhoras.

Eu nam tenho mais que dizer a Vossa Excelencia ahinda que o podia dizer porque quem me escreve esta Carta e o Reverendissimo Padre Cura desta terra huma das pessoas mais benementes compasivas e honrradas com quem tenho tratado porem eu sei que nam e presizo alegar motivos para me ver Compaixam a Vossa Excelencia.

A ilustricima e excelentissima pessoa de Vossa Excelencia guarde Deos muitos anos para amparo de todos aquelles a quem a falta tam presioza vida fara perecer em prosticima mizeria.

Rabaçal 19 de Dezembro 1777.

De Vossa Excelencia humilde creado a fiel amigo.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 77)

Carta de 29 de Dezembro de 1777

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: muito estimarei que Deos Nosso Senhor dê a Vossa Excelencia Féstas, e annos acompanhados de todos as Grandes felicidades que dezejo a Vossa Excelencia.

Eu graças a Deos estou com milhoras; porem sem poder mover o braço, e perna esquerda, e do braço direito absolutamente estou aleijado por cauza da sangria, de sorte que o tenho encolhido, e não o posso Levar para baixo do embigo suposto que o movo athe á cabeça; posso escrever mas com alguma dificuldade. Na semana antecedente á minha molestia, quero dizer na primeira semana deste Mez escrevi a Vossa Excelencia huma Carta que estou com o Cuidado se terá ido entregue porque era de importancia, ainda que pela preça hia com pouca decencia por Levar muitas emendas, e riscas.

Agora novamente exponho a Vossa Excelencia que a continuação, e augmento dos trabalhos que minha mulher experimenta em Lixboa e a minha molestia nesta terra nos tem reduzido ao Estado de necessidade de maneira que tenho gasto muito na minha doença, não tenho actualmente com que possa pagar ao Medico, pois Cirurgião, botica, galinhas, e outras necessarias despezas me Levarão o dinheiro que eu tinha rezervado para passar seis mezes nesta terra. Já mandei dizer a Vossa Excelencia que o Capitam Francisco Joze de Sousa Mascarenhas morador á Calçada da Graça he quem em Lixboa ficou encarregado de toda a minha caza. Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos para meu amparo, e da minha mulher e filho: Rabaçal 29 de Dezembro de 1777.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

De Vossa Excelencia

Mais humilde Criado.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 79)

Carta de 09 de Fevereiro de 1778

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: muito estimo que Vossa Excelencia passe com perfeita saude, e com todas as felicidades que dezejo a Vossa Excelencia.

Hontem Domingo outo deste Mez pelas outo horas da noite cheguei a este Lugar da Ameixoeira, não para á minha quinta pois ainda existe o sequestro, mas para humas cazas que me emprestáram; pois não obstante dar a Raynha Licença para eu ir ou para a Villa Verde ou para a Ameixoeira, como tambem se me fez sequestro em Villa Verde, rezolvi me a vir para a Ameixoeira; e he coiza galante que sendo o Sequestro por outocentos e trinta e tantos mil reis se me fez aprehenção alem de todo o meu fato, em bens de raiz que me custaram, e valem mais de cinco mil cruzados: Quando cheguei me entregaram Logo a Carta de Vossa Excelencia e beijo a Vossa Excelencia os pés pela Licença que ainda de mim tem; e o mesmo faz minha mulher criada de Vossa Excelencia. Da carta de Vossa Excelencia fico continuando na desconfiança em que estou, de que não foi entregue a Vossa Excelencia huma Carta minha que remetti a Vossa Excelencia antes da minha doença; porem agora farei todas as deligencias por saber a onde foi parar, pois era Carta de consideração que eu não queria que outrem visse, e a mandei antes, digo a mandei do Rabaçal.

Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Ameixoeira 9 de Fevereiro de 1778.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beijo a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Minha mulher criada de Vossa Excelencia se põem aos seus pés, pedindo a Vossa Excelencia a sua Benção e tambem Manoel.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 81)

Carta de 23 de Março de 1778

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Sempre dezejo ter noticias de que Vossa Excelencia passa Livre de molestia, e com todas as felicidades.

Meu Senhor quando em trez de Dezembro passado soube no Rabaçal a nova revolta que em minha Caza tinha havido, me rezolvi precizado da necessidade a escrever a Vossa Excelencia e com effeito o fiz, remettendo a Carta por < via de > hum Beneficio que ja ahi tinha dado outra a Vossa Excelencia porem; sobrevindo quazi immediatamente a minha molestia, desde então me tenho amofinado por não ter tido a Certeza da dita Carta ter sido entregue; athe que fazendo as deligencias, achei que hum sogeito a quem nesta Cidade se deo para a fazer entregar ao tal Beneficio se descuidou de sorte que ainda a tinha em seu poder, o que eu muito estimei, e fiquei socegado. Naquella Carta remettia a Vossa Excelencia o Rol incluzo, e receava que tendose dezencaminhado se soubesse o que elle contem.

Exporei agora a Vossa Excelencia o que então dizia.

No sequestro que se me fez athé a roupa que estava para ir á Lavadeira Levaram; nem hum única Cadeira deixaram a minha mulher. Hum único Colxão que havia da sua cama, esse Levaram, deixando-lhe só o xergão de Palha: daqui se póde conhecer o que estes senhores uzáram; deixáram porem tudo o que era roupa, e fato de mulher.

A respeito deste Sequestro só tenho que dizer que Antonio de Almeida he o homem mais falto de honra que póde haver. Existe com effeito o Sequestro em todos os meus Bens moveis, e de raíz, e nem ao menos (ha quatro Mezes) se tem conseguido que se venda o que for bastante para pagamento da divida, e se me entreguem os Bens que restarem; pois não he crivel que eu haja de perder seis mil cruzados de fazendas de raiz por menos de outocentos mil reis. Com tudo a minha pertenção prezentemente he que se me mandem entregar os moveis, e a administração dos de raiz, para que eu os possa beneficiar, (ficando alias o sequetro em seu vigor, e elles sogeitos a divida) e com o producto pagar huma consignação annual de oitenta mil reis athé á extinção da divida; o que me não he difficultozo, pois mostro que tenho em Villa Verde mais de duzentos alqueires de trigo que annualmente me pagam de foro; e mostro que na dita Villa sempre o trigo vale a mais de cruzado; de sorte que só nisto fico a Consignação certa; ficandome então a quintinha da ameixoeira pera eu assistir.

Porem sendo certo que eu nunca poderei passar sem outros meios, seja qual for o exito desta pertenção, tenho vacilado, e discorrido que modo mais proporcionado, e honesto poderei buscar para não morrer de fóme, e só me occorre hum remedio para mim o mais violento, e que só huma tal necessidade me obriga a buscar; o qual remedio he pôr na prezença de Vossa Excelencia o Rol incluzo, pedindo-lhe que pela Pascoa me queira fazer a esmola de mandar dar oitenta moedas de oiro; e para o Natal o resto; pois com este dinheiro quero fazer algum genero de negocio, que he pôr huma fabrica de Pão, pois só isto me poderá sustentar no Estado em que estou, e hade ser posta em nome do Capitam Francisco Joze de Souza Mascarelhas e como Coiza delle, pois não me faz conta outra coiza. Eu não ignoro que a Vossa Excelencia não será facil hum tão grande dezembolso; porem meu Senhor Vossa Excelencia conhece a necesidade; e ainda que eu poderia ir passando fazendo-me Vossa Excelencia a merce de me dar isto aos poucos, Com tudo viria o fim em que se acabaría, e eu não poderia deixar de molestar a Vossa Excelencia com rogativas necessariamente molestas, e importunas: E desta sorte me ponho em estado de ter alguma subsistencia, pois os gastos necessariamente devem crescer com esta continuada molestia; e o tempo das caldas se avezinha, e deve continuar para os annos futuros: e quis Deos que quando veio o Sequestro ja estavam fóra de Caza alguns vestidos meus parea se venderem, que com isso nos temos ido remediando; e o de seda que fiz pela Inauguração athe agora não ha quem o compre o que me tem posto em Consternação.

Emfim meu Senhor, e meu único refugio, e amparo, eu não remeto a Vossa Excelencia este Rol, e esta Carta, como quem pede huma divida; mas sim como quem suplíca huma esmola: Desculpe Vossa Excelencia tantas necessidades, attendendo a que escrevo cheio de afflição, de melancolia, e de desgraça. A necessidade urgentissima em que me vejo he quem me dictou esta Carta, e de nenhum modo a ingratidão; pois nunca deixará de me lembrar a continiuada torrente de beneficios que de Vossa Excelencia tenho recebido. Concluo, dizendo que Vossa Excelencia he o único refugio que me resta ás minhas infelicidades. Peço a Vossa Excelencia se compadeça de mim, e me perdoe tanta importunação: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Ameixoeira 23 de Março de 1778.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Parecendo-lhe a Vossa Excelencia ser milhor, mandarei lá o moço que foi da outra vez, mas nunca o farei sem que Vossa Excelencia assim o determine.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 82 e 83)

Carta de 14 de Setembro de 1778

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor. Estimarei muito que Vossa Excelencia tenha passado Livre de toda a molestia. Na continuação dos meus trabalhos, e molestias experimentei agora hum pequeno alivio. Tendo El Rey que Deos haja feito merce a minha mulher e cunhadas, e a sua mãe de Tenças na obra Pia, posteriormente lhe fez merce de Supervivencia das Tenças, para que por morte de humas ficasse para outras; e que por morte de todas ficassem (era coiza de que não havia exemplo) as mesmas Tenças para os Credores; se os houvesse, e que estes cobrassem as ditas Tenças athé serem pagos das suas dividas: Pelo Terramoto se queimáram os Alvarás: Reformáramse despois, pelo que respeita ás Tenças, mas pelo que respeita á supervivencia trez Consultas sobiram pelo Conselho da Fazenda sem produzirem effeito algum: Despois da morte de El Rey, e antes de começar a minha desgraça sobio nova Consulta, e minhas Cunhadas faláram ao Visconde: Sobreviveram os meus trabalhos, e não se procurou mais este negocio: Ultimamente falando minha mulher ao Visconde sobre o meu requerimento; incidentemente lhe tocou tambem na dita supervivencia expondo-lhe que por todos os Lados se via destituida dos meios de se poder sustentar, e tratar da minha molestia, pois que por huma parte alem dos proprios moveis, tinha Sequestrados os bens de raíz que valem mais de tres dobros da divida; e que por outra parte athé a merce que se lhe tinha feito se lhe não vereficava, ao mesmo tempo que a dita merce era tão pequena a respeito dos serviços despachados, que certamente se podia dizer, que os mesmos serviços ficavam sem remuneração; pois que nem a Décima parte do Juro do dinheiro que seu Avô gastára no serviço de El Rey se lhe déra de Tença; prescindindo de se lhe ficarem devendo seis mil cruzados de soldos que já mais se podéram cobrar, e prescindindo dos Serviços pessoáes feitos, alem d’outros Póstos, nos de governador de Cabo Verde, e Maranhão; não podendo perceber qual podia ser o motivo de não se usar com ella, a piedade, e justiça que geralmente via practicar com todos; estas palavras formalmente expostas em hum Memorial; e repetidas por minha mulher de palavra; indo o mesmo Memorial acompanhado dos Documentos que mostravam a verdade do que se alegava, produziram por effeito vir ao Conselho de Fazenda hum Decreto pelo qual se concedeo a dita Supervivencia; mas sem a clauzula de ficarem as Tenças para os Crédores. Desta merce rezulta pagarem se tresentos, e sincoenta mil reis que estam vencidos desde que morreo a mãe da minha mulher e estes se repartirão por esta, e pelas Irmãs; mas esta cobrança ainda que certa, não se faz se não para o anno de 1780, que he quando se pagará a Folha em que póde caber: e alem disso fica minha mulher cada anno com mais 8333 reis fóra a Tença que tinha; e se sobreviver a suas Irmãs, terá cem mil reis cada anno. Esta tal ou qual alegria participo a Vossa Excelencia pois conheço que ninguem a hade estimar mais. No que pertence aos meus negocios, e Requerimento disse o mesmo Visconde a Semana passada que brevemente se expediria, assim o queira Deos.

Sendo esta carta feita hoje segunda feira ainda não tenho noticia do prezente Correio, e por Consequencia ignoro se Vossa Excelencia me fez a merce de me escrever, ou não. Tenhome visto perseguido, e aflito sem poder pôr as minhas coizas na figura que dezejo ao menos para não me faltar o precizo sustento; o que me he facil pondo em total execução o projecto do Pão, que está suspenço por necessidade.

Minha mulher e Manoel se põem aos pés de Vossa Excelencia e ambos tem passado mal, especialmente meu filho que continuamente experimenta huma saude inconstante. Eu estou esperando a Conjunctura do mosto para os banhos. Fico para obedecer a Vossa Excelencia: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Ameixoeira 14 de Setembro de 1778.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 84)

Carta de 22 de Setembro de 1778

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito que Vossa Excelencia passe Livre de toda a molestia.

Quinta feira 17 do prezente Mez recebi vinte moédas de oiro do Reverendissimo Senhor Deffinidor Geral, pelas quais beijo a Vossa Excelencia os pés em demostração do meu agradecimento. Não recebi de Vossa Excelencia carta, cuja falta me sería muito mais sensivel se não soubesse que Vossa Excelencia passa com perfeita saude. Sobre a certeza de que Vossa Excelencia me tinha mandado dizer que no principio de Junho me remetia sessenta moédas.

Lancei contas á minha vida para governar o modo da minha subsistencia, e restringi os primeiros projectos para os quais tinha pedido a Vossa Excelencia oitenta moédas: Recebendo em 10 de Junho trinta moédas me vi obrigado a suspender a execução do que tinha projectado; e como Vossa Excelencia nesta carta me dizia que não esperaria pelo Natal, mas opportunamente me socorrería, esta esperança me suavizou aquella falta: Immediatamente se me pedio o foro, e renda desta quinta; e deligencias dos officiaes que vinham fazer penhora, que tudo importava em cincoenta e quatro mil, e tantos reis; dei parte a Vossa Excelencia para que me acudisse, e Vossa Excelencia foi servido responderme que pelos fins do Mez passado, e principios deste me aliviaria muito mandandome dinheiro. Não he possivel explicar a Vossa Excelencia o quanto me custou conseguir dos officiaes da Justiça a espera, porem mediante 3200 que por duas vezes lhes dei me esperáram, e na verdade fizeram favor. Ora esperando eu (segundo tinha exposto a Vossa Excelencia) o remedio para as minhas aflições, dispuz as minhas coizas, e ajustei entre outras coizas quatro moios de trigo com hum sogeito com palavra de lhe dar o dinheiro athé á Luz, que eram vinte e cinco moédas a rezão de cinco tostões por alqueire: Chegandome agora as vinte moédas que Vossa Excelencia me fez merce paguei 54063 reis pelo que pertencia á quinta; e 20670 que devia em huma Tenda; e despois mandei quatro moédas ao homem que me vendera o trigo pedindo lhe me mandasse dois sacos, e que brevemente mandaria o mais dinheiro, e buscar todo, mas elle aceitando o dinheiro, respondeo ao mensageiro, que não dava nem hum grão de trigo, sem lho pagarem todo, e que as quatro moédas as deixava em seu poder como signal, que se não mandasse athe quinze de outubro o dinheiro, certamente venderia o trigo a outro, e ficaria com as quatro moédas de signal, pois que ja lhe tinham faltado ao tempo prometido, e que elle estava tambem vexado para pagar a Renda das Fazendas em que está, que ja a devia dar em quinze de Agosto que he o tempo de pagar rendas; e desta sorte vim a ficar com 2065 reis das vinte moédas, e dezarremediado sem ter que comer; e se Vossa Excelencia me não valer por huma parte perderei as quatro moédas do signal, que sendo na verdade muito para mim na cituação em que me vejo, sería o menos, e pela outra parte fico inhabilitado para poder dar ordem á minha vida, e sustentar me; sendo cérto que com o manejo do Pão sem duvida Lucrarei pelo menos hum quartinho por dia com o qual posso pagar a quem me servir para esse ministerio, e sustentarme; rezultando do Contrario, que não tendo meios de adquirir coiza alguma me vou óra empenhando, óra padecendo, e quando Vossa Excelencia me fizer a esmola de mandar algum dinheiro Será para pagar o que deveo, e não poderei agenciar a minha vida; e em fim o que Vossa Excelencia me hade mandar hade vir a acabarse. Á vista do que Excelentissimo Senhor tendo eu recebido á conta das 150 moédas (este era o resto das contas) trinta no Mez de Junho, trez no Mez passado, e agora vinte vem a estar as mesmas contas em 97 moédas: Destas suplíco a Vossa Excelencia pelo amor de Deos se compadeça de mim mandando-me logo 37, e neste cazo bastará que Vossa Excelencia me dê as Sessenta de resto para o São João que vem; pois com as ditas 37 pago as 21 de trigo que infalivelmente heide dar athe 15 do Mez que vem; e com o résto acabo de governar a minha vida comprando algumas coizas de que necessito, pois todo este verão andei com huma vestia de baeta que ja esta incapaz de trazer, e não tenho outra, porque huns vestidos estam no sequestro, outros vendios; e athé devo quatro Mezes ao Mestre de Ler de Manoel; e sendo-me actualmente precizo sangrar-me, e preparar-me para tomar os banhos de mosto, me vejo perplexo sem ter nem com que pague ao Cirurgião; álem d’outras coizas que omitto por não ser, nem importuno, nem indecente a Vossa Excelencia. Eu que tinha muito bem Lançado as contas ás minhas coizas, por isso ao principio pedia a Vossa Excelencia oitenta moédas, que se então fosse possivel o telas, nem agora sería tão modesto, nem tería passado as vexações que tenho padecido, e teria ja actualmente com que ir passando.

Conheço muito bem, Excelentissimo Senhor quão molésto sou a Vossa Excelencia e conheço que á generoza alma de Vossa Excelencia não deixará de ser sensivel que hum sogeito a quem Vossa Excelencia sempre amparou seja quem esteja importunando incessantemente: Porem Excelentissimo Senhor não tenho outro refugio mais do que valerme de Vossa Excelencia. Nenhum dos que o importunarem o fará nem tão violento, nem tão necessitado; a mesma fóme he quem me obriga; assim o permitio Deos! Estive quazi rezoluto a mandar a essa Cidade hum proprio atendendo não só á minha necessidade; mas tambem a que podería haver motivos para Vossa Excelencia querer dar antes ahi o dinheiro a hum proprio; porem tornei a refletir, que era milhor esperar a rezolução de Vossa Excelencia sobre esta materia e com effeito espéro as ordens de Vossa Excelencia sobre ahi mandar, ou não hum homem.

Sexta feira 18 do Corrente morreo nesta terra hum clerígo comendador de Malta, não durando mais de 4 horas despois que foi acõmetido de huma Apoplexia, a tenacidade brutal de hum Cirurgião que não o quis sangrar a tempo, nem sarjar, e só teve a temeridade de lhe dar hum abundante vomitorio de Tartaro que violentamente lhe lançou pela boca, fazendo-lhe instantaneamente huma grande convulção fez que o mizeravel clerigo em poucos minutos morresse na mesma violenta convulção; a morte deste homem que teve circunstancias bem notaveis foi muito sentida neste lugar porque na verdade era a única pessoas que podia valer e a mim me servio de augmentar a melancolía em que vivo, pois no facto de eu ter algum novo ataque, ou ainda de sobrevir doença, ou morte em minha caza, contava sobre elle a certeza de me valer, ficando agora sem esperanças de remedio naquellas circunstancias, em fim Deos se lembre de mim. Este clerigo era cunhado de Antonio Thomas que foi Escrivão dos Armazens.

Tenho importunado a Vossa Excelencia e lhe rogo novamente que pelo Amor de Deos me valha; e me acuda: Manoel continua, ainda que de pé, em ter febre, elle, e minha mulher se põem aos pés de Vossa Excelencia: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Ameixoeira 22 de Setembro de 1778.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 86 e 87)

Carta de 29 de Dezembro de 1778

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito a noticia de que Vossa Excelencia tem passado as prezentes Féstas < no Nascimento > de Nosso Senhor Jezus Christo, Livre de toda a molestia, e que Deos Nosso Senhor dê a Vossa Excelencia annos os mais felises.

Véspera de Natal se me vieram entregar todos os meus bens consistentes em Lã, Linho, ou Seda; porem os mais ainda ficaram em sequestro, suposto que com boas esperanças de se entregarem Logo despois da Fésta. Devo pagar aos officiais que vieram entregar o dito fato, não só meia moéda de diligencia, mas oito tostões da Seje em que vieram; e fiquei de lhe mandar esta quantia Logo que pudesse; pois estou de sorte que toda esta Fésta, e ja muito antes não entrou vaca nesta Caza. Com tudo graças a Deos que ja as minhas dependencias começam a tomar hum semblante favoravel, e justo.

Minha mulher e Manoel se põem aos pés de Vossa Excelencia Deos guarde a Vossa Excelencia muitos anos. Ameixoeira 29 de Dezembro de 1778.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

P. S.

Vossa Excelencia me perdoe a indecencia deste papel, mas ao prezente me foi impossivem escrever n’outro.

P. S.

Hontem esteve aqui o Padre Pedro, e me contou que Joze Caetano de Mesquita, que préga Missões na Ermida do Conde de Calheta, está feito Prior de São Lourenço; data do Senhor Visconde!

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 88)

Carta de 26 de Julho de 1779

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimo muito que Vossa Excelencia passe com perfeita saude; e ainda que com Lidas, com entendo serão das que Vossa Excelencia sempre gostozamente apeteçeo, se por huma parte são pezadas, por outras muitas servirão de recreio ao grande espirito de Vossa Excelencia a quem só divertem trabalhos Literarios, e de fins dignos de honra. Hoje dia de Santa Anna recebi a Carta de Vossa Excelencia de 16 de Julho que me encheo de huma terna saudade; com a mesma Carta recebi juntamente de Lisboa outra do Procurador de Fernando Leite que he o Senhor Direto da minha quinta a quem pago o foro de quarenta mil reis cada anno; instando-me por anno, e meio vencido pelo São João passado com ameaços de Penhora etc. como Vossa Excelencia verá na mesma Carta que remeto incluza: Com as expressões mais significantes, e abatidas escrevo hoje ao mesmo Procurador pedindo-lhe espera athé quatro do Mez que vem, supondo que entre tanto receberei de Vossa Excelencia a merce que lhe tenho pedido: Eu duvido muito que elle queira esperar mais, e no cazo de não querar terei mais que sofrer as despezas, e a vergonha, ou antes, vexame da penhora; igualmente estou perseguido por outras partes: Minha mulher vai continuando na vizivel decadencia que lhe opprime a saúde, e vai acabando a vida; e meu filho com o seu genio naturalmente melancolico se consterna com tudo mais do que se podia esperar de idade treslabrada [sic], tendo alem disso a docilidade de sofrer fóme athé de pão com paciencia incrivel na sua idade: Cuido o que me he possivel em o educar; e pelo menos, (se isto não he o mais) nenhum da sua idade he mais temente a Deos, e ja mais se lhe tem visto, ou ouvido acção, ou palavra, das que a malicia, ou a idade inadvertida costuma fazer, ou proferir. No que toca a estudos não lhe tenho podido comprar Seléta, e outro algum Livrito que lhe he precizo, em podendo o heide fazer; pois eu mesmo o ensino por duas razões; primeira por que não o posso com deçencia mandar a estudos; segunda, porque ainda no cazo de ter vestido decente para ir não o mandaria a hum estudo a onde padesse ser desprezado por se fazerem obsequios. Deos se lembre delle; e de mim. Entre o abatimento total, ainda de espirito em que me vejo quéro contar a Vossa Excelencia huma coiza a toda a hora me augmenta os pensamentos tristes em que vivo. Assiste nesta terra hum Frade Terceiro (Frei Francisco Valença) que tem posto este pequeno Lugar em Confuzão, e agitação incrivel. Elle tem huma Irmã moça, deo esta em dizer que estava com o diabo no Corpo, o Frade a entrou a benzer em tão boa hora que ja desta terra são nove, ou dez pessoas as que elle actualmente benze; e que elle mesmo diz estam enfeitiçadas, entretanto neste numero hum moço de 24 annos. E sabado passado disse o tal frade diante de varias pessoas, que ja sabia quem era o diabo que estava em sua Irmã, e para confirmação da verdade, olhou para a Irmã que estava prezente, e lhe mandou que dissesse quem era etc. respondeo ella, Eu sou Barzabû Principe do Inferno: Então fez o frade uma practica sobre o cazo, etc. e de vez em quando dizia a Irmã supondo que era o diabo que falava, Eu te digo, eu te digo muita coiza que tu não sabes; acodia o Frade: Não digas, e em nome de Deos te mando que só me digas isso em segredo aqui ao ouvido. Chegava ella ao ouvido do Frade, Lá dizia o que queria; hirtava elle a Sobrancelha, e dizia-lhe em voz alta; Em nome de Deos te mando que não digas nada disso, virado para os circunstantes accrescentava, o demonio todo o seu ponto he descobrir faltas alheias. Valhame Deos que desconçolação!

Deos dê vida, prospere, e guarde Vossa Excelencia muitos anos: Ameixoeira 26 de Julho de 1779.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Minha mulher e Manoel se põem aos pés de Vossa Excelencia

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 90)

Carta de 09 de Agosto de 1779

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito que Vossa Excelencia continue em passar com perfeita saude. Eu vou supportando huma continuada serie de desgostos, e afflicções. Minha mulher achasse livre do imminente perigo de vida em que esteve, mas reduzida a huma total decadencia da qual lhe he muito dificil convalecer, pois segundo o Medico diz procede de huma grande debilidade, e esta sabemos nós que tem por origem a falta do precizo sustento há muitos Mezes; Não sendo poucas as vezes em que nos falta athé o pão.

Recebi do Senhor Deffinidor Geral doze moedas de ouro; pelas quais beijo a Vossa Excelencia mil vezes as mãos. Porem Excelentissimo Senhor confesso a Vossa Excelencia que quando fui entregue daquella quantia tive novo motivo para me amofinar: Eu devia sessenta mil reis de foro desta Quinta, estava ameaçado de huma penhora, que me custou muito a soster athe agora.

Tinha contra mim hum mandado pela Renda que se paga desta Quinta á Junta do Subsidio que são 13$135 reis cada seis Mezes, como Vossa Excelencia verá no mandado incluzo que remeto para Vossa Excelencia < ver > o qual he passado contra Domingos Paes porque neste nome esta arrendada a Quinta: Devo em huma Loje de Mercearia que me fizeram algumas coizas, e em todo este Mez ja me não quizeram dar nada, por eu ter faltado em lhe dar dinheiro como prometera: Devo a Decima do anno de 1778 pela qual igualmente me apertam com ameaças de penhora: Devo o salario ao Hortelão, e criada que tenho que continuamente me despedação por elle: Emfim Excelentissimo Senhor em materia de dividas desta qualidade são tantas as Pontadas que não posso explicar a Vossa Excelencia e por hum calculo certo eu não pagava estas parcelas com outras doze moédas: Alem disto eu estou em huma innação sem poder agenciar a minha vida, nem ganhar hum real; e morrendo com fome, sustentandome unicamente do que produz huma horta que tenho; huma horta que he cultivada por hum hortelão a quem devo oito mezes de soldada, de que rezulta hum certo desmazelo, e descuido na sua obrigação.

Logo que vim para esta terra tive os pensamentos de pôr huma Amaçaría de Pão; o anno passado tinha dado quatro moédas de oiro de signal de huns moyos de trigo que tinha justo, e porque faltei, e não pude dar o dinheiro ao tempo da promeça venderam o trigo, e eu perdi as quatro moédas do signal: este anno tenho o mesmo intento; nem eu posso subsistir se este mizeravel projécto não se põem em execução; e quando esperava poder agora dar principio a isto me vejo impossibilitado por falta de meios: Segundo o que Vossa Excelencia me tem feito merce de remeter, restam ainda 208 400 reis. Destes peço a Vossa Excelencia pelo Santissimo Sacramento; e pela sua vida e saude me queira mandar Logo vinte e trez moédas, e dois mil reis, pois com esta modica quantia acabo de satisfazer as minhas pequenas dividas, e dou ordem a agenciar o sustento pelo modo que digo.

Não deixo, Excelentissimo Senhor de refletir que Vossa Excelencia tem outras partes a que acodir, e que Vossa Excelencia me não remeteria mais por não poder; mas a quem heide Eu buscar senão a Vossa Excelencia que he o meu unico amparo, e sempre foi o meu remedio: Domingo passado só á noite se comeo pão nesta caza por não haver com que se comprasse, e desta sorte he a Convalecença de minha mulher: Tal he a minha triste cituação que nem huns Livritos que são precizos para Manoel estudar posso ter, por não haver com que os compre. A Deos tomo por testemunha de que em tudo o que nesta digo falo verdade a Vossa Excelencia. Compadeçasse pois Vossa Excelencia de mim, e desta infeliz caza; pois só athé 20 deste Mez me espéram pela renda da quinta de que vai o mandado e isso me fazem os officiaes em diante 1600 reis que lhe prometi dar, e ja assim foi outra vez: athé ao mesmo dia me esperam pela Decima; e Na Tenda me disseram que se athé o São bartholomeu lhe não pagava me mandavam Citar; neste tom me falam quazi todos, porque Villãos só tem genio para pizar quem vem cahido:

Prouvéra a Deos Excelentissimo Senhor que eu pudéra deixar de escrever esta impertinente Carta a Vossa Excelencia! Nenhuma das expressões que aqui tenho dito qualquer que ella seja tem outra origem mais do que a minha suma necessidade, e mizeria, e indigencia extrema: a larga experiencia que Vossa Excelencia tem do meu genio neste particular o póde confirmar nisto mesmo.

Minha mulher e meu filho se põem aos pés de Vossa Excelencia e minha mulher e Eu lhe pedimos novamente pela Pureza da virgem Nossa Senhora me faça a merce que lhe suplico: Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Ameixoeira 9 de Agosto de 1779.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

P. S.

Se a Vossa Excelencia parecer poderei mandar daqui hum proprio para evitar a demora que me póde ser tão nociva.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 92 e 95)

  • 33 Nota à margem direira: 13$135

O Doutor João Gomes Ribeiro corregegor juiz de crime nesta Corte cidade de Lisboa e seu Termo na Repartisão de Bairro da Mouraria com Alsada por sua Magestade Fidelisima que Deos guarde etc. Mando ao juiz e Escrivam de julgado da Ameixoeira que visto este hindo por mim asignado em seu cumprimento cheguem á pesoa de Domingos Paes rendeiro da quinta em que se fez sequestro por este juizo a Alexandre Ferreira de Faria Manoel sita no lugar da Ameixoeira e lhe pezão a quantia de treze mil cento trinta e sinco reis33 em que entrão ointenta reis defeitio e a Signatura deste, e o o [sic] mais que deve da metade da renda da dita quinta que se vence para o Natal do prezente ano, visto ter-se obrigado a fazer estes pagamentos adiantados como consta de termo de arrendamento, e não entregando logo a dita quantia lhe fasão penhora em tantos de seus bens quantos bastem para pagamento da mesma quantia, sendo os bens postos en depozito na forma de estilo e pagandose de sua deligencia a Custa do Executado lavrando os termos e autos necesarios a pé deste que Cumpriram etc. Dado e pasado em Lisboa.

Em Lisboa aos vinte e nove de Julho de mil setecentos e setenta e nove anos e Eu Alexandre Joaquim da Silva o crevi.

[Assinatura autografa]

  • 34 Este Documento encontra-se anexo à carta de 9 de Agosto de 1779 (BPE, Cod. CXXVIII 1-10, nº 92-95).

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 93)34

Carta de 06 de Dezembro de 1779

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Recebi a Carta de Vossa Excelencia com a data de 19 de Novembro, a qual estimei principalmente pela certeza de que Vossa Excelencia passa sem molestia alguma, pois na verdade me afligia haver tantos Mezes que não sabia de Vossa Excelencia. Hotem recebi a merce que Vossa Excelencia me fez; e tenho para mim Excelentissimo Senhor, que ainda que Vossa Excelencia não tivesse a innumeravel multidão de merecimentos para com Deos, bastaría a heroica piedade com que tem suavizado as minhas desgraças, para que o mesmo Senhor lhe continue huma vida dilatada na duração, e feliz com o exercicio daquéllas grandes virtudes que a mesma inveja não póde occultar. Athé neste pequeno Lugar sôa o éco das illustres acções que Vossa Excelencia obra nesse feliz Bispado. Sempre me faltaram os talentos para saber explicar a Vossa Excelencia quanto me alegrou em todo o tempo ouvir o que, não só todos os bons, mas ainda muitos que não entravam nesse numero, publicavam, e dizem de Vossa Excelencia e se eu n’outros tempos me não sabia explicar, muito menos o posso fazer agora que quazi não tenho mais exercicio do que chorar, e suspirar ha dois annos: Choro, e suspiro, e não me he util a falar; e de quazi nada me aproveitam os gemidos!

Minha mulher continúa a concluir-se: A sua vida não póde ser dilatada; nem a decadencia em que se acha promete mais do que huma breve duração, e essa chêa de ataques como tem experimentado, e ultimamente teve. A Manoel ainda hoje lhe pude mandar comprar huma Seleta, e os Exercicios de Lingoa Latina. Ambos beijam a mão a Vossa Excelencia pela Lembrança que delles tem: E todos nós não deixamos passar dia algum sem pedimos a Deos pela vida, e saude de Vossa Excelencia: Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Ameixoeira 6 de Dezembro de 1779.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

P. S.

Desculpe Vossa Excelencia a indignidade do Papel pela impossibilidade de poder ter prezentemente outro.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 96)

Carta de 24 de Janeiro de 1780

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Muito estimarei que Vossa Excelencia tenha passado com saúde muito perfeita, e que Deos Nosso Senhor continúe a Vossa Excelencia todas aquellas felicidades que lhe dezejo.

Despois de varios Requerimentos que fiz á Junta do Subsidio Literario a respeito dos meus bens moveis que se achavam sequestrados, rezolveo a mesma Junta que elles todos se vendessem. Nos taes bens entravam todas as Portas pertencentes á minha Quinta (menos as duas Cazas) que estavam feitas de novo, e ao tempo de Sequestro ainda não estavam póstas em seu Lugar; cadeiras, caixas, armarios, as fivelas de minha mulher, candieiro, bacia de pés, pratos de estanho, ferro de engomar etc. Não he possivel que, em huma breve carta, eu relate a Vossa Excelencia o que a este respeito se tem passado; os meus pecados mereciam que se me defirisse muito peior; mas a Justiça clamará eternamente que o odio, e a vingança (não sei de que) se armáram contra mim. Antes de se mandarem vender se mandáram avaliar os mesmos bens, e nesta, e n’outras diligencias, que pedia a mão e a Justiça que se imitissem, se fizeram consideraveis despesas, que necessariamente haviam redundar em meu prejuizo, e este foi sem duvida a razão de a fazerem. Foram avaliados os mesmos bens em 75$760 reis; que juntos a 15$400 de Despezas importam em 91$160 reis.

Ora os ditos bens avaliados valem mais do dobro, e a vista disso fiz hum Requerimento a dita junta em nome de minhas Cunhadas para que se lhe mandassem dar a ellas os mesmos moveis dando ellas o preço da avaliação; Consegui este favor, Despacho, e merce por intercessão do Rocha, e do Povoa a quem escrevi, e o consegui porque ja não estava na Junta Antonio Bonifacio Coelho quem Deos dê o premio do que me tem feito. Eu tinha determinado, e applicado as vinte moedas que param em poder de Vossa Excelencia para destino bem diferente; mas a minha desgraça, e a minha infelicidade me obrigam a que as aplique ao prezente cazo. Os Bens que se me mandam entregar valem mais de duzentos mil reis, e pelo prezente módo os resgates: Rogo a Vossa Excelencia pela sua vida e saude, e pela vida, e saude da Senhora Dona Antonia minha senhora, e pela sagrada morte e paixão de Nosso Senhor Jezus Christo me queira fazer a merce, e esmola de me mandar as ditas vinte moédas com a maior brevidade que lhe for possivel; pois tenho ordem de dar os ditos 91$160: athé quinze de Fevereiro com pena de penhora. Esta ordem he dada directamente contra minhas cunhadas em nome de quem se fez o Requerimento; e este Despacho, e ordem que parece regorozo me custou muito trabalho, e infinitas Lagrimas com que escrevi áquelles dois Deputados que se interessaram por mim, e senão fosse estar ja fora da Junta o Vigario Geral e servir ao Prezente a Monte Carmelo, nem mo conseguiria. Tudo, meu Senhor me corre as avéssas, estes vintens que eu tinha applicado para em Abril os empregar em coiza necessaria á minha subsistencia perpetua me vejo obrigado a divertilos para o cazo prezente, e fico exhausto, e exposto á maior indigencia, pois ja mais tenho donde me venha hum único real. Espero de Vossa Excelencia me acuda no prezente cazo remetendome as ditas vinte moédas e não só espero esta merce mas que para o tempo futuro se lembre de hum desgraçado, e perseguido aquem inveja, e odio fizeram avultar as culpas athé o maior extremo.

Espéro resposta de Vossa Excelencia pois a ser precizo inviarei hum proprio. Com esta porção que vou entregar se deminue a minha divida consideravelmente e algum dia, passados alguns annos (trez, a quatro) viverei sem fóme: Mas quem chegará a esse tempo sem o presizo sustento!

Em fim Deos dê vida a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos anos. Ameixoeira 24 de Janeiro de 1780.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado.

Minha mulher se põem aos pés de Vossa Excelencia e tambem Manoel pedindo lhe a sua benção, e supplicando-lhe quanto aqui imploro.

Allexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, Cód. CXXVIII 1-10, nº 98 e 99)

Carta de 15 de Fevereiro de 1780

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito que Vossa Excelencia continue em passar Livre de toda a molestia. Tenho importunado a Vossa Excelencia significando-lhe o aperto em que me vejo para remir os moveis de minha casa que a Junta mandava vender; e o prazo para entregar o dinheiro he o dia de hoje: Quazi tenho estado rezoluto a mandar hum proprio; mas abstiveme, pois só Deos sabe quanto Contra minha vontade importuno a Vossa Excelencia. He desgraça minha que em hum tempo que Sua Magestade uza tantas comizerações, e na verdade comigo as tem uzado experimente eu da parte destes Senhores não só rigor, mas: …. Aqui me contou o Padre Pedro que Antonio Bonifacio Coelho está em artigos de morte ha dias, e cauza admiração não ter espirado; a molestia de Vossa Excelencia e os meus pecados me prohibiriam dizer que elle está pagando o odio insaciavel que contra mim tem mostrado, e executado; mas a quazi dezesperação a que me vejo reduzido me anima a dizer que não só neste mundo elle Sintirá o que me tem feito, mas: … o Certo he que Deos não perdoa pecados sem arrependimento; nem aceita arrependimento sem restituição, quando a póde haver, elle tem a merecida fortuna de geralmente se dizer mal delle. Que fecicidade será senão houvesse mais Antonios Bonifacios? Eis aqui Excelentissimo Senhor a onde chega a dezesperação em que me vejo por perseguições injustas: não chego a mintir; mas chego a dizer a verdade que será huma eterna afronta para os meus inimigos.

O Senhor Carmelo esteve doente, e o Senhor Frei Joaquim servio de Prezidente mas este nada póde fazer a meu favor, e aquelle ja achou ordens passadas etc. Concluo rogando a Vossa Excelencia me faça o favor, e esmola de me mandar as vinte moedas que lhe suppliquei, e receio que haja alguma violencia contra minhas cunhadas em nome de quem os Bens foram remidos. Já meu Senhor, na Meza, e na Junta não ha hum Coração como o de Vossa Excelencia propenço naturalmente a fazer bem; e a desprezar as ocaziões de vingança: tal, ou qual não quer, outros não pódem: Que culpa tenho eu dos motivos que obrigáram a huns poucos de individuos a serem meus inimigos? a sua pouca honra delles foi cauza de eu padecer tanto.

Minha mulher continúa em se lhe augmentar a sua decadencia de saude, e ella se poem aos pés de Vossa Excelencia e tambem Manoel. Peço a Vossa Excelencia me mande com a maior brevidade possivel esta resposta: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos Ameixoeira 15 de Fevereiro de 1780.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 100)

Carta de 13 de Março de 1780

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito que Vossa Excelencia passe com saude muito perfeita. No Correio passado quando escrevi a Vossa Excelencia ainda não tinha recebido a Carta de Vossa Excelencia e por isso não agradeci a Vossa Excelencia a grande merce que fez pois estava bem aflito. A minha doença me afligio novamente e reduzio outra vez a hum estado deploravel; e neste estado ainda me consumia mais a perseguição para entregar 92$420 reis que tanto importavam os moveis que se me mandavam entregar, e a Renda de seis Mezes desta Quinta: a Minha mulher se vio tão aflita, e tão consternada com fóme, pois, quazi quarenta, e oito horas, até sem pão esteve esta infeliz caza que sem eu o saber mandou pedir huma esmola ao Padre Francisco que mandou a resposta que Vossa Excelencia verá nessa carta: Então, quando veio a resposta, he que eu soube da Petição. Ao Padre Francisco devo o que Vossa Excelencia verá nessa carta, e ao Padre Pedro devo mandar-me no dia 19 de Fevereiro (em que me repetio esta molestia) hum remedio da botica, e 480 reis; pois nesse dia apenas havia em minha caza sete vintens.

Agora me vejo sem ter para onde apelar, excepto unicamente para o piedoso animo de Vossa Excelencia de quem espero receber a mesma continuada serie de merces que há dezasete annos lhe sou devedor. Eu conheço que o generoso animo, e catholico coração de Vossa Excelencia não póde executar quanto dezeja; porem Excelentissimo Senhor a mim me servirá de grande soccorro qualquer minima coiza com que Vossa Excelencia me socorra. Despois dos Prazeres faço tenção de pedir á Junta huma Certidão do que actualmente estiver devendo; e ver se há modo com que me Livre de fome; pois estando no mizeravel estádo em que estou ha mais de oito dias que não como senão feijões fradinhos, sardinhas, ervas, e castanhas piladas; e nenhuma outra coiza se tem comido na minha caza toda esta quaresma; e queira Deos que isto não falte ainda para o Carnal. Os meus bens (a Vossa Excelencia os devo) rendem actualmente 150$400; que he mais de 400 reis por dia; se isto estivesse dezembaraçado, pelo nos, eu não teria fóme: Se Deos me der vida e este (grande) sequestro so acabar, passarei a minha vida sem tristezas de fóme, ou necessidade: Se não fora esta esperança, eu me arrojaria a pedir á Raynha Nossa Senhora a merce de me deixar sahir fóra de Portugal, com o pretexto (verdadeiro) de poder mais facil, e menos vergonhozamente mendigar em Paíz estranho. Deos se Lembre de mim; e de minha mulher, e filho, aos quais vejo na mais triste situação. Não quero ser mais molesto a Vossa Escelencia: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos Ameixoeira 13 de Marco [sic] de 1780.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mao de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 101)

Carta de 22 de Outubro de 1781

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Muito estimarei saber que Vossa Excelencia passa com saúde perfeita e vigoroza, dezejando que Vossa Excelencia chegue a contar muitos dias como o de Domingo futuro que he o Anniversario da sua faustissima sagração. Eu meu Senhor, vou vivendo huma vida triste, e mizeravel. Todo este anno tem sido para mim mais penozo do que os passados, pois athé me tem faltado a conçolação de ver carta de Vossa Excelencia e deste a Pascoa em que tive uma pequena repetição do meu Estupor nunca mais mandei a caza de Vossa Excelencia por falta de portador certo, não obstante que algumas vezes escrevi pelo Correio: E aqui neste lugar falei com hum Beneficiado de Serpa que me deu noticias de Vossa Excelencia e tambem por outras partes tenho sabido que Vossa Excelencia vive Livre de molestia. Neste lugar assistia em huma Quinta sua Antonio do Canto Escrivão da Chancelaria da Ordem de Christo, parente do Beneficiado de quem acíma fiz menção, que varias vezes me dava noticias de Vossa Excelencia. Este tal Canto tem huma Tia chamada Henriqueta que foi Açafata, e hoje he Dona da Camara, e por esse dueto tenho sabido algumas Anedoctas que me conçólam, e enchem de alegria a respeito de Vossa Excelencia. Tambem a esta Terra veio tomar Ares huma D. Maria Antonia Dona (sem exercicio) da Camara, e Irmã de Francisco Manoel Guarda Roupa de El Rey que me confirmou o que já me tinham contado. Com mais vagar, e oportunamente participarei a Vossa Excelencia estas coizas. Em trez deste Mez faleceo aqui a mulher do dito Antonio do Canto ao Enterro da qual veio assitir o Pizzarro, eu lhe falei na Igreja, e em caza do dito Canto, elle me fez as maiores expressões, e protestos de me patrocinar os meus requerimentos e me tratou com tanta civilidade como me tratava quando Vossa Excelencia estava em Lisboa, eu lhe disse = Senhor não peço que se me perdoe coiza alguma do que se me pede; o que quero he que se cobrem as minhas Rendas, e as minhas dividas activas, com o mesmo vigor com que eu sou executado, porque sendo assim logo a Raynha será paga, e eu antes de dois annos terei os meus Bens dezembaraçados, e me Livrarei athé da fóme de pão que muitas vezes experimento = Pegoume na mão e seguroume de que eu conseguiria na Junta tudo o que pertendesse. Porem, Excelentissimo Senhor nada confio na minha fortuna despois da auzencia de Vossa Excelencia. Falandose a hum Ministro para que me fosse favoravel respondeo = Coitado, compadeço-me delle; porem não quero que quem o perdeo a elle me perca a mim tambem: = Com tudo tentarei este caminho, e Deos lhe queira pôr a vertude. Meu filho continua em ir estudando Latim; mas faltame a possibilidade para lhe comprar algum Livro precizo: não tem mais do que o primeiro tomo das Selectas, a Arte do Padre Antonio Pereira as Palavras familiares, e o Livro das Particulas da Lingua Latina de Joaquim Joze: Se Vossa Excelencia puder fazer a esmola a elle e a mim de me mandar com que compre ao menos o Diccionario de Fonseca, mais algum tomo de Selecta, hum vergilio, e hum Horacio o estimarei muito pois sinto que a indole, e a capacidade deste minino não fosse acompanhada de outra fortuna, e creio que se perde nelle hum bom Filosofo pelo genio meditativo que lhe observo, e conserva: Tambem se eu pudesse lhe compraria algum Livro de arquitetura; pois unicamente tem os Elementos de Euclides que < se > fizeram para uso do Collegio dos Nobres; e tudo o que sabe e executa he materialmente feito; ainda que para isso tem grande propenção: Minha mulher e elle pedem a Vossa Excelencia os abençoe. Fico para obedecer a Vossa Excelencia: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Ameixoeira 22 de Outubro de 1781.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 105)

Carta de 03 de Abril de 1783

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito ter a noticia certa de que Vossa Excelencia passa com saude muito perfeira, e livre de tudo o que póde cauzar molestia. O Papel de que a Vossa Excelencia falei está copiado; e pelo afilhado de Vossa Excelencia o heide remeter ao Senhor Joaquim Filipe, o que não tenho feito ja por elle ter estado doente; pois não quéro fiar isso de outrem: Agora vou copiando a Viagem do Rio Grande, que a Vossa Excelencia mandei dizer. Acabada essa obra que he pouco volumoza; heide copiar hum Livro de que seguro a Vossa Excelencia não há Copia alguma, e he original que se Conserva no Cartorio desta Igreja, e ao prezente está em meu poder para o Copiar: Eis aqui o seu titulo = Lucubrações da Confraria de Nossa Senhora da Amixoeira extramuros de Lisboa por Antonio Borges Ribeiro, anno de 1692 = He Livro bastantemente corioso tanto para a historia secular, como para a Eccleziastica deste Reyno: A este Livro se segue outro = Noticia da Igreja Parochial de Nossa Senhora da Incarnação do Lugar da Amixoeira, Termo de Lisboa dividida em duas partes em que se trata: Na primeira a formalidade da Igreja, o admiravel, e preciozo ornato della, e sitio: Na segunda o Inventario do seu Cartorio etc em 1765. Escrita pelo Reytor da mesma Igreja Joze Nunes Vieira: = e ainda que este Livro não he tão interessante como o primeiro, com tudo pode servir de Adicionamento á aquelle no que respeita a mesma Igreja: Estes dois Livros hão de Levar algumas Notas minhas citando nellas os Livros donde as tirar do mesmo Cartorio que tem sua estimação. Não poderei completar tudo com a brevidade que dezejo por mais não poder; pois de dia trabalho corporalmente na minha quinta, e na caza pois há mais de hum anno que não tenho nem criado, nem criada de casta alguma por não poder: mas creio que o proximo Livro por todo o Mez de Maio o remeterei: e o Segundo por todo o Mez de Julho: Meu filho antes da Semana de Festa hade Levar o Papel que disse. Agora, Excelentissimo Senhor, Dou a Vossa Excelencia mil Parabens do que lhe vou a dizer e lho digo, e refiro com o mais excessivo gosto; gosto, e alegria sem duvida a maior que tenho tido despois que tive a desgraça de Vossa Excelencia se auzentar desta Cidade: Estando a Raynha, e El Rey, e o Principe juntos; disse este; que o Arcebispado de Evora estava vago e que elle o pedia para o (Senhor) Bispo de Béja: a Raynha ficou como suspensa, e disse que o Arcebispado de Evora era para Pessoa de grande qualidade: Replicou o Principe, que maior qualidade que ser Bispo! e Bispo como o Bispo de Béja que he meu Mestre? a Raynha como perturbada disse ao Principe = o Tio (isto he El Rey) he quem hade rezolver isso; El Rey respondeo = Eu não me meto nisso = o Principe instou; e a Raynha sem rezolver nada se levantou com os olhos arrazados em Lagrimas, e se foi: [ilegivel] Este Facto he certissimo, e talvez he maior do que eu refiro: Quem o prezenciou o referio a quem a mim mo contou dandome disso os Parabens: o que refiro he com certeza Fizica, e ainda que eu receio que o influxo de certos individuos prevaleçam não só ao merecimento de Vossa Excelencia mas ao Respeito, e authoridade do Principe, com tudo alegrame ver que este futuro Rey tem impresso no Coração o devido amor que Vossa Excelencia merece por todas as suas sublimes qualidades, e virtudes. A preça com que faço esta me não dá mais Lugar: Minha mulher, e meu filho pedem a Vossa Excelencia a Benção: Eu dezejo tambem saber do Senhor Definidor Geral: Fico para obedecer a Vossa Excelencia: Deos Guarde a Vossa Excelencia muitos annos Amixoeira 3 de Abril de 1783.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a Sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 106)

Carta de 28 de Outubro de 1785

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Hoje faz annos que foi o feliz dia da sagração de Vossa Excelencia e por este motivo do modo possivel vou ao pés de Vossa Excelencia beijar-lhe a mão. Ha tempos veio a esta caza o Senhor Joaquim Fillipe; e não só me deu a esmola avultada que Vossa Excelencia me fez merce mas com a carta de Vossa Excelencia trez Instrucções, ou Pastoraes nas quaes Vossa Excelencia dá a conhecer não só o seu zelo pela Religião, mas a paixão que sempre teve pela Literatura. Eu as tenho lido mais de huma vez, e na sua leitura se me augmentam as saúdades em que vivo de Vossa Excelencia Deos me não Leve deste mundo sem ainda ter a consolação de ver a Vossa Excelencia. Estimo muito que Vossa Excelencia viva satisfeito dos seus novos Mestres; Deos queira que elles não degenerem em ingratos.

A minha vida vai continuando em cuidados, e na esperança de poder acabarse o sequestro dos meus bens no anno que vem, se houver actividade da parte do Ministro a quem está encarregada a Cobrança. Tenho padecido molestias; e minha cunhada foi Deos servido levala. O Continuo, e necessario trabalho de advogar duas cauzas que trago, me levam tempo, e Cuidados; porque sou o proprio que as arrezo-o, e peço ao Letrado que ai assigne. Não são de Consequencia, nem tenho receio de as perder, mas tudo necessita de cuidado: Farei a possivel diligencia por concluir as copias que tenho dito a Vossa Excelencia mas naturalmente não as poderei remeter antes do Natal.

Tudo nesta Cidade são novidades, e más: parte dellas constam dos bilhetes incluzos: Minha mulher e meu filho pedem a Vossa Excelencia lhe Lance a sua Benção: Fico para obedecer a Vossa Excelencia que Deos guarde muitos annos. Ameixoeira 28 de Outubro de 1785.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 107)

Carta de 02 de Janeiro de 1786

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito que Deos Nosso Senhor tenha concedido a Vossa Excelencia Festas do Santo Natal as mais alegres, e lhe continue o novo prezente Anno cheio das maiores felicidades. Remeto a Vossa Excelencia a copia de hum Manuscrito; e brevemente irão as outras: Com esta que vai agora invio hum Pergaminho, o qual despois de Vossa Excelencia ver mo tornará a remeter, suposto que elle de nada serve aqui, nem delle se faz cazo, ou há conhecimento. Se as Laboriozas occupações de Vossa Excelencia lhe dessem Lugar, estimaria me mandasse dizer de que seculo se póde conjecturar ser o dito Pergaminho; suposto o fazer menção de Soldo e Libra como moeda corrente naquelle tempo, porque eu como vivi em huma terra donde não há com quem se fale, nem tenha Livros, me he impossivel averigua-lo. Lido, e trabalho por ver se se extingue este sequestro, que de Jure devia estar finalizado há mais de dois annos; porem por culpa pozitiva dos Corregedores que tem estado em Torres Vedras, não está concluido. Veremos este anno se Deos se lembra de mim livrando-me da opressão, e mizeria em que vivo, e em que morro. He verdade que parece impossivel passar da maneira que passo; mas posso sem duvida dizer que esperanças, e certa especie de rezignação me conservam a vida. Minha mulher; e meu filho pedem a Vossa Excelencia os abençôe: E todos nos rogamos a Deos dê a Vossa Excelencia huma dilatada vida: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. Amixoeira 2 de Janeiro de 1786.

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor.

Beija a sagrada mão de Vossa Excelencia

Seu mais humilde Criado

Dezejo saber do Reverendissimo Senhor Definidor Geral. Vão mais huns papeis, que suposto não servem, quéro que Vossa Excelencia os veja.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 109)

Carta de 29 de Janeiro de 1786

Excelentissimo e Reverendissimo Senhor

Meu Senhor: Estimarei muito que Vossa Excelencia continue em passar com perfeita saude.

Hoje tive aqui a noticia de que a Rainha despacharia para a Relação a hum sobrinho de Jozé Ricalde que ainda não tem vinte annos. Antonio de Almeida Seabra Escrivão da Inconfidencia que está prezo foi mandado dizer de Facto, e Direito: Dizem que posteriormente viera hum Decreto da Rainha para serem sentenciados para Bissau, Angola, ou India quarenta Pessoas que estavam em Pena ultima; e entre ellas entra o tal Seabra.

Sahio huma Sentença a favor de Anselmo Joze da Cruz contra o sobrinho Morgado de Alagoa; a qual Sentença tem sido geralmente estranhada por injusta, foi o Juiz Joze Roberto Vidal. O Morgado de Alagoa não queria embarcar, porem o Principe instou com elle que embarcasse: Este Senhor tem feito, agora grande especie na Corte do modo com que elle fala. Chegou o Conde de Oeiras.

Minha mulher e meu filho pedem a Vossa Excelencia lhe Lance a sua Benção. Fico para obedecer a Vossa Excelencia: Deos guarde a Vossa Excelencia muitos annos. 29 de Janeiro de 1786

De Vossa Excelencia

Mais fiel, e humilde Criado.

P.S.

Manoel fica copeando hum dos Manuscritos, que brevemente remeterei.

Alexandre Ferreira de Faria Manoel

(BPE, CXXVIII 1-10, nº 111)

Notes

1 Todas as reticências presentes na transcrição encontram-se no texto original.

2 Encontra-se no códice o seguinte documento: «O Marujo saudozo relação curioza da carta que escreveu de Pernambuco hum marujo a sua Moça na qual lhe relata a saudoza despedida que fizeram hum ao outro quando elle foi embora, e hum mimo, que elle lhe manda», impresso em Lisboa 1772, na oficina da viúva de Inácio Nogueira Xisto, com licença da Real Mesa Censória. (BPE, Cod. CXXVIII 1-10, nº 150)

3 Documento anexo à carta de 27 de Fevereiro de 1772 (BPE, CXXVIII 1-10, nº 161).

4 Nota de rodapé inserida no texto original: «al explicou Atouguia com sinceridade na Meza = he o mesmo que por outra coiza =».

5 Documento anexo à carta de 27 de Fevereiro de 1772 (BPE, CXXVIII 1-10, nº 161).

6 Está escrito por cima da palavra «Segunda», que se encontra riscada.

7 Nota à margem direita: «Levei ao Senhor Marquez e elle se incumbio de os dar ao Cardeal».

8 Nota à margem esquerda: «P.S. Frei Joaquim hoje faltou á Meza mas não por estar doente».

9 Reticências presentes no original.

10 Nota no canto superior esquerdo: «Joze de Mattos Cardozo».

11 Documento anexo à carta de 13 de Março de 1774 (BPE, CXXVIII 1-10, nº 182)

12 Nota de rodapé inserida no texto original: «e podem ao despois ficar servindo para outra coiza».

13 Nota à margem: «+ aqui parou, e proseguio».

14 Nota à margem esquerda: «Encomendei a Pagliarini o Breve para o uso do Roqueto. Busquei < Domingo > Nenceti, e como não o achei lhe deixei recado, declarando lhe para que buscava; e hoje o tornei a buscar. Minha mulher beija a mão a Vossa Excelencia».

15 Reticências presentes no original.

16 Palavra riscada: «o mesmo».

17 Ilegível.

18 Ibidem.

19 Ibidem.

20 A palavra «Carta» aparece escrita por cima da palavra «Alvará» que se encontra riscada.

21 Nota de rodapé existente no texto original: «Falava dos Livros, que vendi, mas não expliquei isto ao Felis Jozé».

22 Nota de rodapé existente no texto original: Furtado.

23 A palavra «disse-lhe» aparece escrita por cima da palavra «perguntei-lhe» que se encontra riscada.

24 Documento anexo à carta de 23 de Junho de 1777 (BPE, CXXVIII 1-10, nº 33)

25 Palavra riscada.

26 Palavras riscadas.

27 A palavra «foi» aparece escrita por cima da palavra «lhe» que se encontra riscada.

28 A palavra «Historia» aparece escrita por cima da palavra «Filosofia» que se encontra riscada.

29 Palavra riscada.

30 Em 10 deste Mez, e ainda em 13 me fizeram perguntas: Eis aqui como as coizas correm!

31 Carta redigida pelo padre do Rabaçal.

32 Nota à margem esquerda: a des

33 Nota à margem direira: 13$135

34 Este Documento encontra-se anexo à carta de 9 de Agosto de 1779 (BPE, Cod. CXXVIII 1-10, nº 92-95).

© Publicações do Cidehus, 2018

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search