Version classiqueVersion mobile

O conjunto lexicográfico Prosodia (1634-1750), de Bento Pereira, S. J.

 | 
Helena Freire Cameron

Bento Pereira, S.J. (1605-1681) e a Prosodia

O conjunto lexicográfico da Prosodia (1634-1750)

Texte intégral

1Em 1634, Bento Pereira era professor da Universidade de Évora e publica a primeira edição da Prosodia in Vocabularium trilingue, dicionário latim-português com cerca de 50 mil entradas latinas alfabetadas. Dá-se assim início a um longo percurso editorial, tendo sido publicadas 12 edições da Prosodia, cuja publicação alternou entre Évora e Lisboa, mantendo a referência autoral de Bento Pereira até ao final editorial.

2Muito provavelmente ainda durante a conceção da Prosodia, o autor ter-se-á apercebido da necessidade pedagógica de existir um dicionário, alfabetado em português, que pudesse facilitar aos estudantes o acesso ao texto latino. Assim, no ano em que se doutorou, na mesma Universidade de Évora, em 1647, publicou o Thesovro da Lingoa Portvgvesa, dicionário português-latim com cerca de 24 mil entradas portuguesas alfabetadas. As licenças deste volume datam de 1638, confirmando a proximidade entre as duas obras, muito embora as datas de publicação distem 13 anos, tendo sido anos muito particulares para o país, com o acontecimento da Restauração e toda a instabilidade subsequente.

3Foram publicadas seis edições trilingues da Prosodia (latim, português e castelhano) em 1634 (Évora), 1653 (Lisboa), 1661 (Lisboa), 1669 (Lisboa), 1674 (Lisboa) e 1683 (Lisboa). As edições bilingues iniciaram-se em 1697 e passam a ser publicadas pela Universidade de Évora até ao final editorial do volume, com uma periodicidade de, aproximadamente, uma edição por década: 1697, 1711, 1723, 1732, 1741 e 1750.

4A fixação da sequência editorial da Prosodia foi objeto de controvérsia na literatura.

5Barbosa Machado inventaria 8 edições (Barbosa Machado, 1930, p. 500), anotando edições inexistentes (1643 e 1656) e omitindo outras edições (1653, 1683, 1711, 1732, 1741 e 1750). Também a referência às edições que são bilingues ou trilingues, mencionada nos rostos de cada uma das edições, é feita de modo impreciso por Barbosa Machado.

6Inocêncio inventaria 8 edições (Innocêncio, 1858), anotando as edições inexistentes de 1643 e 1656 e não registando as edições de 1653, 1661, 1683, 1711, 1732 e 1741.

7Sommervogel regista doze edições (Sommervogel, 1895), propondo a existência das edições de 1643 e 1656, que sabemos inexistentes, e não anota as edições de 1653 e 1711.

8O Cónego de Mendeiros, já no século XX, anota onze edições (Mendeiros, 1992 (imp.)) e regista pela primeira vez as edições bilingues de 1732 e 1741, muito embora não faça qualquer referência às edições de 1653 e 1883.

9Justino Mendes de Almeida regista, de forma exaustiva, 13 edições (Mendes de Almeida, 1967). Pela primeira vez na literatura, questiona a fixação das edições de 1643 e 1656 e anota de forma exata o editor e local de edição para todas as restantes edições, localizando, inclusivamente, os volumes em bibliotecas públicas e privadas

10Nos anos 70 do século XX, João Pereira Gomes, S.J. refere, pela primeira vez, a edição de 1653 no artigo sobre Bento Pereira da Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura (Pereira Gomes, Verbo enciclopédia luso-brasileira de cultura, 1973, pp. 1731-1732), fixando de forma exata a sequência editorial da Prosodia.

11Retomamos a breve anotação proposta por Pereira Gomes e fazemos prova da existência da edição de 1653, cuja fixação é muito importante para o estudo editorial deste conjunto, uma vez que vem confirmar a numeração sequencial das edições inscrita nos rostos de todas as edições, e permite não validar a existência das edições de 1643 e de 1656, anotadas inicialmente por Barbosa Machado.

  • 1 Ver mais à frente Existências da Prosodia em Bibliotecas nacionais e internacionais
  • 2 Ver adiante Facsimile das folhas de rosto da Prosodia (1634-1750), Edição de 1653 da Prosodia
  • 3 Foram anotados volumes desta edição nas seguintes bibliotecas estrangeiras: All souls College Libra (...)

12Referenciámos volumes de todas as edições em catálogos de bibliotecas públicas em Portugal e no mundo1. Em Portugal, foi verificada a existência de um único volume da edição de 1653 na Biblioteca da Ajuda, de que apresentamos facsimile2, não tendo sido encontrados, até ao momento, mais exemplares desta edição noutras localizações em Portugal3.

13A impressão tipográfica do conjunto lexicográfico intitulado Prosodia é feita em Lisboa e Évora. A edição princeps da Prosodia é impressa em Évora, a expensas do autor, pela editora Emanuel Carvalho. As primeiras edições do Tesouro (1647) e do Florilegio (1655) são impressas em Lisboa, igualmente à custa do autor, na oficina de Paulo Craesbeeck.

14A segunda edição, que reúne os dicionários latim-português da primeira edição e português-latim da edição autónoma do Tesouro, inicia a sequência editorial impressa em Lisboa, na casa tipográfica da família Craesbeeck. A edição de 1653 é publicada por Paulo Craesbeeck e as edições compreendidas entre a terceira e a sexta edição são impressas na oficina de António Craesbeeck de Melo, seu sucessor. A partir da sétima edição, as várias edições foram impressas em Évora, pela Universidade de Évora.

15A primeira edição da Prosodia in Vocabularium trilingue, Latinum, Lusitanicum, et Hispanicum digesta surge durante o período de domínio Filipino e reúne três línguas, conforme inscrito no título da obra: o latim, língua de aprendizagem, o português, língua pátria, e o castelhano, que era simultaneamente língua ocupante mas também língua de comunicação e de intercâmbio escolar dentro dos Colégios da Companhia no espaço da Península Ibérica. As três línguas são postas a par no título. Contudo, a consulta ao dicionário evidencia uma total desproporção entre o português e o castelhano, sendo raros os termos castelhanos nas glosas.

16A segunda edição da Prosodia, de 1653, que aqui damos a conhecer, assume particular importância no percurso editorial deste volume.

17Esta edição, muito provavelmente, terá sido feita com recurso a sobras editoriais, e reuniu pela primeira vez as duas obras lexicográficas anteriores: os dicionários latim-português (da edição de 1634) e português-latim (o Tesouro, de 1647), publicados de forma autónoma. Esta segunda edição é uma mera reimpressão das edições princeps autónomas anteriores. O volume inicia-se com o dicionário latim-português e a folha de rosto do Tesouro da edição de 1647é colocada como separador dos dois dicionários, seguindo-se o dicionário português-latim.

18A reunião do Tesouro e da Prosodia num só volume representaria, certamente, um ganho editorial em termos financeiros e teria como objetivo a constituição de um manual escolar onde os estudantes mais principiantes conseguiam ter acesso ao texto latino e, sempre que necessário, recorriam ao dicionário alfabetado em português.

19A junção editorial das duas obras poderá também ser vista com um propósito de louvor da língua portuguesa. Surgindo esta edição já depois da Restauração, a indexação em português é posta a par da indexação latina, num mesmo volume escolar, reconfirmando a importância da língua portuguesa.

20Esta segunda edição, até agora escondida nas prateleiras das bibliotecas, contém ainda três para-textos: uma Errata em latim, e dois textos em português, onde Bento Pereira sustenta as escolhas linguísticas que fez no Tesouro, possivelmente como resposta a críticas que terá merecido esta obra. A errata contém uma corrigenda para quase três centenas de entradas latinas, para as quais se propõem alterações na sua grafia, na notação prosódica ou nos termos portugueses correspondentes.

21Bento Pereira nunca chegou a corrigir as entradas listadas nesta Errata. Esta corrigenda apenas foi considerada e incorporada na edição de 1697, já sob orientação de Matias de São Germano.

22Após a publicação da segunda edição, Bento Pereira faz publicar em vida mais três edições, a saber: 1661, 1669 e 1674. Muito provavelmente, terá ainda deixado adiantado ou mesmo terminado o trabalho de elaboração da edição seguinte, cujas licenças iniciais datam de 1678. Esta sexta edição saiu dos prelos em 1683, dois anos depois do falecimento de Bento Pereira.

23A estrutura destas quatro edições é semelhante. Além dos dicionários latim-português e português-latim que já integravam a segunda edição, em 1661, o Florilegio, que tinha tido uma edição autónoma em 1655, passa a integrar o volume. Estava assim completa a estrutura deste conjunto lexicográfico e escolar. Esta edição caracteriza-se por ser um grande volume lexicográfico, com 951 páginas, com o texto disposto em duas e em três colunas, e terá requerido, necessariamente, um esforço editorial considerável para a época.

24A edição de 1697, a sétima, constitui o apogeu da Prosodia e inicia a série editorial bilingue, publicada por mais meio século. Nesta edição terão trabalhado lexicógrafos da Universidade de Évora, liderados pelo lexicógrafo Matias de S. Germano. O Alvará régio de direitos editoriais da Prosodia já estaria caducado e, perante as necessidades de adequação do volume lexicográfico, passados já 60 anos depois da primeira edição, a Universidade de Évora assume o trabalho de renovação do manual.

  • 4 Ver (Verdelho, Historiografia linguística e reforma do ensino (a propósito de três centenários: Man (...)

25O dicionário latim-português foi alvo de uma intensa reestruturação. Foram retirados das glosas os residuais termos castelhanos, passando o volume a denominar-se Prosodia in Vocabularium bilingue. Foram emendadas «gralhas editoriais», conforme é dito no prólogo desta edição. A nomenclatura é muito aumentada e passa a reunir 75 818 entradas latinas, constituindo um corpus incomum pela sua grande dimensão face ao panorama lexicográfico da época4.

  • 5 Classificámos como «barbarismos» termos latinos de formação tardia não validados nos cânones do lat (...)

26O vocabulário introduzido é de cariz enciclopédico, com numerosos barbarismos5, que Matias de S. Germano fez distinguir com a marcação de asterisco anteposto a cada uma destas entradas. Este vocabulário latino foi agenciado na Amalthea Onomastica, de Laurenzi, provavelmente na edição de 1664, e no Dicionárium de Calepino, provavelmente na edição em 11 línguas de Basileia.

27As glosas portuguesas foram renovadas e muito aumentadas face às anteriores edições (Cameron, 2012). São introduzidas novas aceções e aparecem novas formas, cujo primeiro registo lexicográfico conhecido é feito nesta edição. É feita uma tentativa de normalização ortográfica dos ditongos e são introduzidas as chamadas «grafias cultas» e numerosas consoantes duplas, características da época, embora nem sempre utilizadas de forma criteriosa ou sistemática, produzindo numerosas variantes gráficas.

28As cinco edições que se lhe seguiram foram meras reproduções tipográficas da edição de 1697, editadas a um ritmo de uma edição por década, aproximadamente: 1711, 1723, 1732, 1741 e 1750. Até ao final editorial, os volumes foram sempre impressos pela Academia de Évora.

  • 6 V. (Silvestre & Borges, A Escola lexicográfica de Évora: um contributo jesuíta para a reforma pomba (...)

29A Prosodia terá sido largamente utilizada nos Colégios da Companhia de Jesus até ao seu término editorial. Aquando da última edição, os jesuítas estariam já a preparar reformulações do conjunto lexicográfico, quer na Universidade de Évora6, quer pelo Padre José Caeiro, visando atualizar o já desusado volume e também tentar calar as vozes críticas que já surgiam, pela mão de Luís António Verney, no Verdadeiro método de estudar (1746), e do Padre Oratoriano António Pereira de Figueiredo, no Aparato Crítico (1755).

30Verney aponta erros e omissões à Prosodia, criticando, sobretudo, os termos latinos introduzidos na edição de 1697:

[…] a Prosódia tem muito erro. Não distingue as idades dos vocábulos; mas com uma simples estrelinha quer que nós suspeitemos mal de tudo o que desagradou ao corrector, o qual às vezes erra, como ouvi queixar os mesmos Jesuítas. Além disso, desterra da Latinidade muitos nomes que são latinos, e introduz outros puramente bárbaros. Não explica a força das vozes; nem mostra com exemplos os significados próprios e figurados de cada palavra; além de muitas outras coisas que se podem notar.

  • 7 Publicadas em 1753 no Novo Método da Gramática Latina para uso das Escolas da Congregaçaõ do Orator (...)

31As críticas do Padre Pereira de Figueiredo, que já anteriormente tinham sido dirigidas à Arte Latina, do Jesuíta Manuel Álvares7, incidem agora sobre a generalidade da Prosodia. Os erros que este autor terá encontrado no dicionário jesuíta são expostos nas 67 páginas do Aparato, conforme menciona no prólogo:

Os denominados Jesuítas convencidos dos meus avisos, encarregárão com effeito a revisão e correcção da mesma Prosodia ao seu Padre Pedro Caeiro, que nella trabalhou muito tempo, e as primeiras folhas desta nova Obra se chegárão a imprimir em Evora.

  • 8 Ver (Silvestre e Borges, A Escola lexicográfica de Évora: um contributo jesuíta para a Reforma Pomb (...)

32Na reformulação da Prosodia, Caeiro socorre-se do dicionário latim-italiano de Giuseppe Pasini8, Vocabula latini Italique, com uma nomenclatura «expurgada» de «barbarismos». O Pe. Caeiro socorre-se, ainda, para a elaboração das definições, do Septem Linguarum Calepinus, de Jacobo Facciolatti, Pádua, 1718. Este dicionário é uma versão revista e aumentada do Dictionarium de Calepino, escrito em latim, e reúne diversas citações de autores clássicos.

33A reformulação operada por Caeiro, interrompida na letra S em 1759, por ocasião da expulsão dos Jesuítas, é depois retomada por Pina Cabral, que a termina, e que a faz publicar como a primeira edição do Magnum Lexicon.

  • 9 Ver (Silvestre & Borges), idem.
  • 10 (Cunha Rivara 1869, p. 8-9).

34A par da reformulação operada pelo Padre Caeiro, os lexicógrafos da Universidade de Évora estariam a trabalhar também na reformulação da Prosodia. É testemunho deste trabalho o manuscrito existente no Fundo antigo da Biblioteca Pública de Évora, cuja autoria foi incorretamente9 atribuída por Cunha Rivara10 ao Pe. Caeiro. Os lexicógrafos de Évora terão baseado a tarefa de reformulação da Prosodia no Magnum Dictionarium latinum et gallicum, de Pierre Danet, traduzindo-o na elaboração dos artigos, ou agenciando entradas latinas na sua nomenclatura. Ter-se-ão também socorrido da versão reformulada do Calepino operada por Facciolatti. Este manuscrito não foi objeto de publicação editorial conhecida e, tanto quanto é sabido, não foi aproveitado por nenhum dos autores que fizeram publicar depois obras lexicográficas a partir da reformulação da Prosodia: Fonseca e Pina Cabral.

  • 11 Ver, a este propósito, (Verdelho, Historiografia linguística e reforma do ensino (a propósito de tr (...)

35Em 1759, D. José determina o encerramento de todos os colégios jesuítas, conforme disposto no Alvará Régio de 28 junho e, em 3 de setembro desse mesmo fatídico ano, na lei da Proscrição, os jesuítas são expulsos de Portugal. Aproveitando as críticas feitas à Prosodia por Luís António Verney e pelo Padre António Pereira de Figueiredo, Sebastião José de Carvalho e Melo, apoiado por interesses vários de outras instituições religiosas, eleva o sacrifício político das duas obras inacianas criticadas pelo Padre Figueiredo e, habilmente, transforma a proibição das obras no motor da Reforma Pombalina do ensino11, impedindo os Mestres jesuítas de ensinar, fechando os Colégios onde eram ensinadas e exterminando a Companhia no seio da qual as obras tinham sido concebidas. Estava então aberto o caminho para poderem ser implementadas as obras de Verney e de António Pereira de Figueiredo.

36A Prosodia de Bento Pereira é inscrita na lista de obras proibidas apensas ao Alvará de 28 de junho, tendo recebido ordem de destruição, de modo a cumprir o «apagamento da memória» pretendido:

Para o uso dos Estudantes se tem escolhido hum Diccionario proporcionado aos seus princípios; ao qual, sem amontoar authoridades, breve, e sumariamente se lhes declarem as significações naturaes, e figuradas, que são mais frequentes nos Authores, que lerem: Reservando o mais, que ha particular neste ponto, para os Professores, que serão obrigados a ter ao menos Faciolati, e Basilio Fabro da edição de Gesnero, ou outra igualmente correcta. Não consentirão que os Estudantes usem da Prosodia de Bento Pereira, pelo perigo, que ha de se lhes imprimir logo nos primeiros annos a multidão de palavras barbaras, de que está chêa.
(Instrucção para os Professores de Grammatica Latina (primeira parte das Instrucções para os Professores de Grammatica Latina, Grega, Hebraica e de Rhetorica), p. §12), 1759.

  • 12 Em 1760, numa interessante carta, o desembargador Thomaz Roby de Barros Barreto refere a aplicação (...)

37A ordem de proibição aplicava-se em todo o território português, metrópole e colónias. Contudo, há relatos12 de, no Brasil, os manuais inacianos terem continuado a ser utilizados muito para além da ordem de destruição, uma vez que o país tinha ficado, abruptamente, sem manuais de ensino para o Latim.

38Em Portugal, apesar da ordem de destruição, muitos volumes conseguiram sobreviver à cruel ordem. Encontrámos, em bibliotecas e alfarrabistas, muitos volumes truncados sem a página de rosto, que revelam o que teria sido, provavelmente, uma tentativa de tornar irreconhecível a autoria da obra para os censores.

39Inventariámos mais de uma centena de volumes de todas as edições da Prosodia em catálogos de bibliotecas universitárias e públicas, nacionais e internacionais. Estes volumes, pelo número de exemplares existentes, constituem uma prova cabal da notável sobrevivência deste dicionário mesmo depois das vicissitudes a que foi votado. A sua dispersão pelo mundo testemunha a alargada utilização que a obra terá tido no espaço de missão e de ensino da Companhia de Jesus, na Europa e na América do Sul.

40Com a destruição da Prosodia, o ensino em Portugal ficou, no imediato, sem qualquer manual de ensino. Foi pedido ao Professor de Retórica Pedro José da Fonseca que elaborasse um dicionário que pudesse substituir o manual jesuíta, tendo este inicialmente recusado. Contudo, em 1762, publica o Parvum Lexicon Latinum Lusitana interpretatione adjuta, ad usum Lusitanorum Adolescentium: in lucem jussu Josephi I Regis Fidelissime com o propósito de substituir o dicionário latim-vernáculo de Bento Pereira. Segundo (Borges, 2011) a nomenclatura deste dicionário, com cerca de 32 000 entradas, terá sido obtida a partir da nomenclatura latina da Prosodia, provavelmente a partir da edição de 1750 e do manuscrito do Padre Caeiro.

41Verificando-se que o dicionário de Fonseca não era suficiente para substituir a Prosodia então banida, ficou encarregado o Padre Pina Cabral, da Ordem Terceira dos Franciscanos, de elaborar um dicionário que conseguisse suprir as necessidades de ensino sentidas. É então publicado, em 1780, a primeira edição do Magnum Lexicon, sem nenhuma referência autoral. Apenas na segunda edição, a menção autoral a Pina Cabral é introduzida. Este manual escolar, sofrendo modificações e reformulações ao longo do seu percurso editorial, manteve-se editável até 1857, com plena aceitação no sistema de ensino.

42O conjunto dicionarístico da Prosodia constitui-se, inegavelmente, como uma das fontes bilingues latim-português-latim de maior envergadura no percurso linguístico lusitano. Pelas circunstâncias históricas que a envolveram e pela sua própria constituição, a Prosodia assume-se como um importante marco na história da lexicografia bilingue portuguesa e latina.

Notes

1 Ver mais à frente Existências da Prosodia em Bibliotecas nacionais e internacionais

2 Ver adiante Facsimile das folhas de rosto da Prosodia (1634-1750), Edição de 1653 da Prosodia

3 Foram anotados volumes desta edição nas seguintes bibliotecas estrangeiras: All souls College Library, Great Lib. Gallery, Univ.Oxford, Reino Unido, Biblioteca Geral de la Universidad de Sevilla, Espanha, Bibliothèque Municipale de Lyon, Bibliothèque Municipale de Rouen e Bibliothèque Nacionale de France, França e na Biblioteca da Universidade de Princeton, Estados Unidos da América.

4 Ver (Verdelho, Historiografia linguística e reforma do ensino (a propósito de três centenários: Manuel Álvares, Bento Pereira e Marquês de Pombal), 1982) e também (Verdelho, Aspectos da obra lexicográfica de Bento Pereira, 1992).

5 Classificámos como «barbarismos» termos latinos de formação tardia não validados nos cânones do latim clássico.

6 V. (Silvestre & Borges, A Escola lexicográfica de Évora: um contributo jesuíta para a reforma pombalina, 2012) e (Silvestre, A Prosodia manuscrita da Biblioteca Pública de Évora (BPE-CXIII-2-26) -Um elo perdido na tradição lexicográfica portuguesa, 2013)

7 Publicadas em 1753 no Novo Método da Gramática Latina para uso das Escolas da Congregaçaõ do Oratorio na Real Casa das Necessidades.

8 Ver (Silvestre e Borges, A Escola lexicográfica de Évora: um contributo jesuíta para a Reforma Pombalina 2009).

9 Ver (Silvestre & Borges), idem.

10 (Cunha Rivara 1869, p. 8-9).

11 Ver, a este propósito, (Verdelho, Historiografia linguística e reforma do ensino (a propósito de três centenários: Manuel Álvares, Bento Pereira e Marquês de Pombal), 1982)

12 Em 1760, numa interessante carta, o desembargador Thomaz Roby de Barros Barreto refere a aplicação do Alvará régio de 1759 em Cachoeira, na capitania da Bahia, dizendo que «[…]atendendo eu aos poucos Diccionarios, não aceitei as Prosodias de Bento Pereira, que as Religioens me offerecerão, com a mayor e mais prompta obediência e da mesma sorte os Magistrados e médicos, reservando a sua entrega para o tempo em que houverem Diccionarios». (Carta do Desembargador Thomaz Roby de Barros Barreto, em que se refere á nova reforma do ensino e á execução na Capitania da Bahia dos respectivos Alvará e Instrucções de 28 de junho de 1759, 1760, p. folha 1). Ver, também, (Andrade, 1978) e (Villalta, 1999).

© Publicações do Cidehus, 2018

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search