Version classiqueVersion mobile

O conjunto lexicográfico Prosodia (1634-1750), de Bento Pereira, S. J.

 | 
Helena Freire Cameron

Bento Pereira, S.J. (1605-1681) e a Prosodia

Bento Pereira: professor, lexicógrafo e linguista

Texte intégral

1Bento Pereira nasceu em 1605 em Borba, no Alentejo, e ingressou muito cedo na Companhia de Jesus, tendo iniciado a sua ação missionária enquanto estudante da Universidade de Évora. Após ter feito o noviciado em Lisboa e, posteriormente, em Coimbra, regressa à Universidade de Évora em 1628, onde ensina Retórica e Humanidades. Mais tarde, é também professor de Teologia.

2Iniciou a sua ação missionária e de docência e produção autoral em Évora (aí se doutorou em 1647, ano da 1ª edição do Tesouro) e, durante os 26 anos que permaneceu em Évora, fez publicar as edições princeps da Prosodia latim-português, do Tesouro e do Florilegio, que seriam depois reunidas, formando o grande conjunto editorial da Prosodia. Em Lisboa, a partir de 1659, já com problemas de saúde, continua as atividades de docência e de produção autoral, e torna-se ainda Qualificador do Santo Ofício. Esteve dois anos (1670-1672) em Roma como Revisor Geral dos Livros da Companhia, voltando depois para Portugal, conseguindo, ainda, continuar a sua produção editorial. A publicação da sua última obra data de 1674. A partir daí, as condições de saúde do Padre Bento Pereira começam a degradar-se e este notável lexicógrafo falece sete anos após a data da publicação da quinta edição da Prosodia.

3Veja-se a minuciosa descrição biográfica feita pelo P. Franco, que ainda conviveu com Bento Pereira:

Padre Doutor Bento Pereyra naceo em Borba no Arcebispado de Evora: foy filho de huma Irmaã dos dous Padres Bentos Fernandes, hum Martyr insigne, outro insigne [965] Escriturario, entrou aos 27 de Junho de 1620, tendo quinze annos de idade. Depois de estudar Philosophia em Coimbra, ensinou seis annos letras humanas, & Rhetorica em Evora, com nome de grande Mestre. Antes de ser Sacerdote compos sinco volumes de justa grandeza, dos quais logo se dirá. Em Evora ensinou Philosophia. Leo Theologia por vinte annos, parte em Lisboa, & parte em Evora: onde tomou o grao de Doutor aos 24 de Fevereyro de 1647. Foy Calificador do Sancto Officio. Em Roma foy Revisor dos livros da Companhia. Voltando de Italia governou o Collegio dos Irlandezes em Lisboa; onde tambem foy Mestre de Theologia. Foy homem de costumes inculpaveis. Por toda a vida naõ teve outras contas de rezar, mais que as mesmas, que lhe deraõ em o Noviciado. Muy amigo das cousas sanctas, & devoto da Senhora. Foy de estudo incansavel. Por naõ perder tempo, quando seu pay o vinha vizitar a Evora, lhe fazia o avizo, o naõ visse se naõ na hora, em que depois do jantar fallaõ entre si os Religiosos. Quando servia à meza, tinha consigo hum livro, & pondo na meza o comer, lia pello seu livro. Tudo fazia por aproveitar o tempo. Veyo a perder a memoria nos ultimos annos em forma que naõ sabia o cubiculo em que morava, & eu, que algum tempo o servi, o levava e trazia do refeytorio. Quasi todo o dia gastava em ler pello Breviario. Quando lhe fallavaõ de cousas sanctas, fallava sempre a proposito, nas mais variava, como homem que ficou como hum menino antes do uso da razaõ, totalmente desmemoriado. Morreo em Evora aos 4 de Fevereyro de 1681 (Franco, 1717).

4João Pereira Gomes, estudioso da Companhia de Jesus, listou exaustivamente os professores de Filosofia da Universidade de Évora até ao encerramento da Universidade pelo Rei D. José (Pereira Gomes, Os professores de filosofia da Universidade de Évora: 1559-1759, 1960). O texto relativo ao lexicógrafo acrescenta alguns dados biográficos ao relato feito pelo Padre Franco e lista as obras sob a referência autoral de Bento Pereira, apresentando uma interessante reprodução da assinatura de Bento Pereira. Retomamos um excerto do artigo:

90. BENTO PEREIRA. Lente de filosofia de 1638 a 1642. 
N. Borba, 1605; f. Évora, 4 de Fevereiro de 1681. Filho de Francisco Pereira, natural de Vila Viçosa, e de Catarina Rodrigues d
a Silva, natural de Terena. Nasceu em Borba, porque aí vivera a mãe, em casa duma tia, desde menina, e ai casara; mas criou-se em Vila Viçosa, para onde, de pequeno, o levaram seus pais. Daqui vem que alguma vez, nos documentos, ele apareça como «natural de Vila Viçosa», quando na realidade o era de Borba.
Estudando na Universidade de Évora, aí entrou na Companhia de Jesus a 27 de junho de 1620 e logo partiu para Lisboa onde fez o noviciado.
Completou a formação humanística no Colégio das Artes (1622-1624). No mesmo Colégio principiou a filosofia com o mestre Domingos Lopes (n. 70) e em Évora a concluiu em 1628, com Francisco de Amaral (n. 76). Ensinou latim (1628-1633) e estudou teologia (1633-1637) na Universidade de Évora, e fez a 3.ª provação em Lisboa (1637-1638).
Em 1642 começou a ensinar teologia na Universidade; foi prefeito dos estudos alguns anos, e doutorou-se a 24 de Fevereiro de 1647.
Em Outubro de 1659, Miguel Tinoco informava o Geral de que ele passava mal de saúde em Évora, onde era lente de prima; e convinha que mudasse para Lisboa, trocando com o doutor António Fernandes, que lia teologia em Santo Antão. A sugestão foi aprovada e Bento Pereira partiu para a capital; continuou a ensinar teologia até 1663 no Colégio de Santo Antão, e depois no Seminário Irlandês. De 1670 a 1672 esteve em Roma como revisor geral dos livros da Companhia. A falta de saúde fê-lo voltar a Portugal, e foi então reitor dos Irlandeses. Nos últimos anos que passou em Santo Antão e em Évora, perdeu completamente a memória.
Possuiu o P.e Bento Pereira inteligência, sentido da oportunidade, espírito de iniciativa, capacidade de trabalho e facilidade de redacção.
As suas obras acreditam-no como um dos maiores escritores portugueses. […]

Bento Pereira — assinatura (lat.) de 20-IV-1624: Lus. 6, f. 48 v]

5Bento Pereira escreveu predominantemente em Latim, sendo o português reservado para as obras de caráter linguístico, certamente com um propósito pedagógico. A vasta obra do jesuíta, publicada ao longo de aproximadamente 40 anos, parece poder ser agrupada em três grandes domínios de referência: a religião e a teologia, os estudos jurídicos e morais, e, com valor primacial, os estudos linguísticos. Nestes últimos, destaca-se a produção de dicionários e de textos paralexicográficos (identificáveis pelos títulos de «summa», «elucidarium» ou «promptuarium»), além de textos metaortográficos.

  • 1 Ver (Gonçalves, 2003), (Kemmler, 1996), (Kemmler, Schaefer-Priess, & Schoenberger, 2002).

6Bento Pereira publicou obras que constituíram referência muito para além do seu tempo, tais como as primeiras edições isoladas da Prosodia, do Tesouro, do Florilegio, (que são posteriormente reunidas no volumoso conjunto editorial, a Prosodia, que conheceu quatro edições contemporâneas ao jesuíta) e duas importantes obras dedicadas à ortografia e à gramática: as Regras Gerays, breves, e comprehensivas da melhor Orthografia, com que se podem evitar erros no escrever da língua Latina, e Portugueza, para se ajuntar á Prosodia, com publicação em Lisboa em 16661, e a Ars Grammaticae pro Lingua Lusitana addiscenda Latino idiomate proponitur, publicada em Lyon em 1672. Esta última obra foi escrita em latim e destinava-se a alunos estrangeiros, no espaço de missão da Companhia, que pretendessem aprender o português. Pelo facto de ter sido escrita em Latim, foi objeto de críticas depois da Reforma Pombalina.

7Apesar da vasta produção em vários campos do saber, foi a produção dicionarística bilingue e metaortográfica de Bento Pereira que mais contribuiu para a sua imortalização, inscrevendo o nome do Jesuíta no meio dos lexicógrafos que, ao longo da história, contribuíram para os estudos filológicos e linguísticos em língua portuguesa. Os dicionários e as gramáticas que nos deixou tornaram-se uma referência no ensino das línguas latina e portuguesa nos Colégios Jesuítas em Portugal e no espaço de missão da Companhia de Jesus, perdurando para além de 1759, data em que a Ordem foi expulsa de Portugal. As obras dicionarísticas e metalexicográficas são um importante testemunho dos objetivos escolares que terão motivado Bento Pereira, numa conciliação proveitosa entre a vida de estudioso e a vida na Academia, sempre nos propósitos da Companhia de Jesus.

8O conjunto lexicográfico da Prosodia é a obra de maior relevo do conjunto das obras de Bento Pereira. Teve um percurso editorial fecundíssimo de mais de um século, com larga utilização escolar no espaço de missão inaciano e constitui um dos maiores corpora linguísticos bilingues da história da lexicografia bilingue latina e portuguesa. Conheceu doze edições, cinco das quais aumentadas e reformuladas por Bento Pereira.

  • 2 V. Carta de Bento Pereira para Roma, datada de 26 de Agosto de 1669, in (Pereira Gomes, Os professo (...)

9A edição princeps foi impressa a expensas do autor mas os custos editoriais das seguintes foram suportados integralmente pelos impressores, o que não acontecia com mais nenhum outro autor português2, facto que atesta bem o sucesso editorial desta obra lexicográfica.

10Este conjunto lexicográfico contribuiu para a referenciação do corpus lexical e igualmente para o estabelecimento de uma tradição ortográfica.

11Ainda que tenha recebido ordem de destruição por D. José, aquando das políticas reformistas Pombalinas, a Prosodia perdurou através dos tempos e inscreveu o nome de Bento Pereira por entre os defensores e estudiosos da língua portuguesa ao longo dos tempos.

Notes

1 Ver (Gonçalves, 2003), (Kemmler, 1996), (Kemmler, Schaefer-Priess, & Schoenberger, 2002).

2 V. Carta de Bento Pereira para Roma, datada de 26 de Agosto de 1669, in (Pereira Gomes, Os professores de filosofia da Universidade de Évora: 1559-1759, 1960, p. p. 307).

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/3341/img-1.png
Fichier image/png, 8,7k

© Publicações do Cidehus, 2018

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search