Versión clásicaVersión móvil

O conjunto lexicográfico Prosodia (1634-1750), de Bento Pereira, S. J.

 | 
Helena Freire Cameron

Introdução

Texto completo

1Esta obra divide-se em duas partes distintas: na primeira parte é apresentado um estudo introdutório, que engloba a vida e obra do jesuíta Bento Pereira, e uma breve descrição do volume dicionarístico Prosodia ao longo do seu percurso editorial, que esteve ativo por quase 120 anos. Na segunda parte, é feita a transcrição documental dos dois catálogos de autores das primeiras edições do Tesouro e da Prosodia. São ainda reproduzidos os facsimile dos rostos de todas as edições do conjunto editorial.

2Trata-se de um importante conjunto lexicográfico, cuja primeira edição foi publicada enquanto Bento Pereira era professor na Universidade de Évora, em 1634, ainda apenas como dicionário latim-português. Em 1647, novamente em Évora, o jesuíta publica o dicionário português-latim Tesouro. Nas edições subsequentes, ambas as obras são englobadas num vasto conjunto lexicográfico, que terá sido um importante meio do ensino do latim e dos estudos linguísticos nos Colégios da Companhia de Jesus, em Portugal e no espaço de missão.

3Em 1697, os lexicógrafos da Universidade de Évora, já depois do falecimento de Bento Pereira, sob a orientação do jesuíta Matias de São Germano, operam uma grande reformulação no conjunto dicionarístico, tornando-o um dos maiores conjuntos lexicais bilingues em latim e em português na história da dicionarística bilingue portuguesa. Inclui-se, neste volume, uma breve resenha cronológica da vida de Bento Pereira com a datação de algumas das suas obras.

4A Prosodia, talvez a obra de maior nomeada sob o nome autoral de Bento Pereira, foi um dos volumes proibidos pela política pombalina de reforma do ensino, tendo mesmo recebido ordem de destruição. Contudo, apesar disso, conseguiu sobreviver aos tempos, como pode ser testemunhado pelas diversas existências em bibliotecas, em Portugal e no mundo. Apresentamos, nesta obra, uma listagem das existências localizadas até ao momento em catálogos online de bibliotecas em Portugal e no mundo.

5A sequência editorial deste conjunto dicionarístico esteve envolvida em discrepâncias e dúvidas na literatura e apenas nos anos 70 do século XX é mencionada, de forma breve, a segunda edição da Prosodia no artigo sobre Bento Pereira na enciclopédia Verbo Luso-Brasileira de Cultura. Fazemos prova da existência desta segunda edição de 1653, apresentando o facsimile do rosto, até agora desconhecido, retirado do único volume desta edição que conseguimos rastrear em Portugal. O volume desta edição reúne a Prosodia latim-português e o Tesouro português-latim. Conseguimos, assim, esclarecer que o Tesouro nunca foi incluído na sequência editorial da Prosodia, como sugerido na literatura anteriormente, e que a segunda edição, foco da discórdia, realmente existe, pelo que se confirma a sequência da numeração das edições anotada nos rostos da Prosodia. Dá-se a conhecer, pela primeira vez, o conjunto dos facsimile dos rostos de todas as edições da longa sequência editorial, esclarecendo-se, inequivocamente, as dúvidas antes levantadas.

6Neste volume apresenta-se, também, a transcrição dos dois catálogos autorais das edições princeps da Prosodia e do Tesouro. O catálogo dos autores latinos da Prosodia acompanhou as edições subsequentes, mas a lista de autores da edição princeps do Tesouro deixa de integrar o conjunto lexicográfico que se forma a partir da segunda edição, em 1653. A publicação em conjunto destes dois catálogos permite fixar, em contraste, estes importantes textos metalexicográficos, evidenciando as fontes utilizadas na elaboração de ambos os dicionários desta importante obra lexicográfica bilingue.

7O catálogo das fontes latinas esclarece todo um património medieval e renascentista que pode ser encontrado na nomenclatura da Prosodia. São 314 referências autorais latinas, de nomes de autores e de obras. Estão anotados lexicógrafos e obras dicionarísticas, de entre os quais destacamos o Dictionarium de Calepino, a Amalthea, de Laurenzi, ambos grandes dicionários europeus latim-vernáculo. Destaque-se, ainda, o Thesaurus Linguae Latinae e o Lexicon Philologicum, importantes obras de cariz dicionarístico e enciclopédico. No que respeita a fontes textuais, os maiores nomes da Latinidade clássica estão incluídos neste Catálogo: Cícero, Virgílio, Ovídio, Horácio, Tito Lívio ou Plínio, entre outros. Podemos ainda reconhecer autores mais tardios e obras medievais de grande divulgação, sobretudo de cariz dicionarístico. Destacam-se Dioscórides, o Catholicon, de João Balbo de Génova, e a referência a Santo Isidoro de Sevilha.

8Estes autores constituem, nalguns casos, apenas um quadro autoral de referência. O confronto entre as referências inseridas do Catálogo dos Autores e os autores citados no final de cada artigo lexicográfico, ao longo do dicionário latim-português, permite afirmar que há autores que nunca são citados, como por exemplo Marulo ou a obra Lexicon Juridicum Canonicum, entre outros. Por outro lado, na obra são anotadas referências autorais que não foram incluídas no Catálogo: por exemplo, as numerosas entradas do fundo grego não têm uma referenciação específica, sendo unicamente marcadas com a referência «Graec».

9A lista dos autores portugueses que integra o Tesouro é publicada unicamente na edição princeps. Esta lista é de carácter convencional, constituindo-se, certamente, como um conjunto autoral de referência, de acordo com a tradição e a moral da Companhia inaciana. É constituída por grandes autores e obras da Lusitanidade, obras elaboradas por membros da Companhia de Jesus, obras de carácter enciclopédico, obras religiosas e dicionarísticas bilingues e também de caráter literário. Não há qualquer referência a obras teatrais.

10Ásia, de João de Barros, e a Monarquia Lusitana, de Bernardo de Brito, seriam obras de referência para qualquer estudante da época pelo que, obrigatoriamente, integrariam qualquer catálogo autoral. No que respeita a obras de cariz religioso, destaque-se o Martyrologio, de Álvaro Lobo, e as obras do P. João de Lucena.

11Grandes nomes da língua portuguesa integram igualmente esta lista autoral: o historiador, ortógrafo e gramático Duarte Nunes de Leão, e os poetas Luiz de Camões e Diogo Bernardes. Também a tradução de Dioscórides feita por Laguna mereceu ser incluída neste conjunto autoral como obra de referência de teor enciclopédico.

12Bento Pereira não esqueceu as obras de referência dos seus mestres e companheiros lexicógrafos: integram a lista de autores Agostinho Barbosa, Jerónimo Cardoso, e a edição trilingue latim-português-japonês de Amacusa de Calepino.

13A escolha destas obras terá tido, certamente, vários propósitos: religiosos, seguindo as orientações da Ordem, e didáticos, apresentando um conjunto de autores representativos do conhecimento enciclopédico preconizado pela Companhia. Podemos reconhecer, ainda, um propósito político: a defesa e a promoção incondicional da língua portuguesa é uma característica desta lista, que é publicada numa época em que Portugal se tinha libertado recentemente do domínio filipino e em que a independência do país ainda não estava totalmente assegurada.

14Pela sua importância, o seu registo e consequente disponibilização à comunidade científica contribuirão, certamente, para uma melhor compreensão de um volume dicionarístico, de grande utilização no espaço de ensino e missão da Companhia de Jesus, e que constitui um marco na história do léxico bilingue português e latino.

15A Prosodia, sob a referência autoral do jesuíta alentejano Bento Pereira, ainda que muito importante no seu tempo e no percurso lexicográfico português subsequente, é pouco conhecida atualmente. A transcrição destes documentos textuais contribuirá, estamos certos, para uma divulgação desta importante obra do nosso património, fazendo-a sair das prateleiras dos fundos antigos das bibliotecas.

© Publicações do Cidehus, 2018

Condiciones de uso: http://www.openedition.org/6540

Comprar

Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search