Version classiqueVersion mobile

António Henriques da Silveira e as Memórias analíticas da vila de Estremoz

 | 
Teresa Fonseca

Fontes e bibliografia

Texte intégral

1. Obras de António Henriques da Silveira

Memorias annaliticas da Villa de Estremoz, [1797], B.N.L., Res., Cód. 13311.

Oração que na Presença de Sua Alteza Real o Serenissimo Princepe do Brasil, Regente do Reino, recitou no dia de Sexta Feira Maior 18 de Abril de 1794 António Henriques da Silveira, do Conselho de Sua Magestade e seu Dezembargo do Paço, B.P.E., Res., F.M., Ms., Cód. 36, n° 3-9.

Oração recitada na prezença de Sua Alteza Real o Serenissimo Princepe do Brazil, Regente do Reyno, no dia de sexta feira maior 29 de Março de 1793. Pelo Dezembargador António Henriques da Silveira, B.P.E., Res., Cód. CX / 1-4, no 31.

Parecer do Concelho de Decanos da Universidade de Coimbra sobre a petição dos Cónegos Regrantes de Santa Cruz de Coimbra, na qual pediam à Rainha a dispença dos Novos Estatutos Academicos, e a Confirmação do antigo privilegio, consedido á dita Congregação para os Conegos della se poderem Doutorar, sem frequentarem as Aulas Academicas. Composto Pelo Doutor Antonio Henriques da Silveira, Collegial de S. Paulo, Lente da Segunda Cadeira Analytica e Decano da Faculdade de Canones, Coimbra, 20 de Março de 1785, B.P.E., Res., Cód. CVIII / 1-31.

Racional Discurso sobre a População e Cultura da Provincia do Alentejo Offerecido aos Illustrissimos e Excellentissimos Senhores Directores da Academia das Sciencias, s. d., B.N.L., Res., Cód. 575.

“Racional discurso sobre a agricultura e população da província de Alentejo”, Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, tomo I, Lisboa, Banco de Portugal, 1991.

2. Fontes manuscritas

2.1. Arquivo da Academia das Ciências de Lisboa

Minutas das Resoluções da Academia das Ciências (1780-1790).

Processo do Académico António Henriques da Silveira.

2.2. Arquivo Distrital de Évora

2.2.1. Administração do Concelho de Borba

Legados Pios. Doc. 227, Auto de Contas de 15-12-1814, do Testamento com que faleceu o Desembargador António Henriques da Silveira.

2.2.2. Arquivo da Câmara de Évora

Liv° 53, Vereações, acta de 31-10-1798.

2.2.3. Fundo Notarial – Estremoz

Livros no 118 (1723-1725) a no 233 (1810-1812).

2.2.4. Habilitações para Ordens Menores

Maço 58, Doc. 457. Processo de António Henriques da Silveira. 1753.

2.2.5. Inventários Orfanológicos

Estremoz. Documento 222, Maço 7, Inventário de Manuel Rodrigues Varge, 1719.

2.2.6. Registos Paroquiais

Estremoz. S. Tiago. Baptismos. Livro 6 (1716-30).

Estremoz. Santo André. Baptismos. Livros 21 (1723-30) e 22 (1730-37).

Estremoz. Santo André. Óbitos. Livros 4 (1738-48), 49 (1748-58), 51 (1771-1811) e 53 (1811-29).

2.3. Arquivo Histórico Municipal de Estremoz

Vereações. Livros de: 1715 a 1719; 1719 a 1722; 1726 a 1729; e 1777 a 1779

2.4. Arquivo da Misericórdia de Estremoz

A1 009 – Actas da Misericórdia (1786-1822).

Liv° 21 – Tombo da eleição das Mesas.

2.5. Arquivo da Universidade de Coimbra

2.5.1. Universidade de Coimbra

Folhas de Ordenados (livros de 1748 a 1771).

Livros dos Actos e Graus (1746-47) e (1747-48).

Livros de Matrículas (1742-43).

Processo do aluno António Henriques da Silveira (1742-48). Certidão de frequência e actos da Universidade.

Cx. 336 – Processos dos Professores (séculos XVIII e XIX). Processo de António Henriques da Silveira.

2.5.2. Colégio de S. Paulo

Provimentos das Colegiaturas (1777-1806).

2.5.3. Universidade de Évora

Livro dos Assentos dos Graos de Mestres em Artes da Universidade d’Evora desde 1721 te 1758.

Livro das Aprovações. Graos de Bachareis e Licenciados. 1749-1758.

Matrículas (1739-44) e (1749-59).

2.6. Biblioteca Municipal de Estremoz

Manuscritos de Rafael Maria Rudio (Colectânea). Observações sobre o Brazão da Villa de Estremoz, Estremoz, 1922.

2.7. Biblioteca Nacional de Lisboa (Reservados):

Amador Patrício (pseud.) “Carta a um Amigo sobre a decadência da agricultura no Alentejo e do remédio para o seu restabelecimento”, [1774], Cód. 6327, Miscellanea litteraria, p. 90-113 v.

2.8. Biblioteca Pública de Évora (Reservados)

Cartas de António Henriques da Silveira a D. Frei Manuel do Cenáculo, Cód. CXXVII / 1-2, No 230 e No 21.

Statutos do Collegio da Madre de Deos. Renovados, B.P.E., F.R., Arm° X, Cód. 7.

2.9. Torre do Tombo

2.9.1. Cartório da Nobreza

Livro 12. Registo de Brazões. 1750-1769.

2.9.2. Chancelaria de D. Maria I

Livro 38 – Carta de desembargador honorário do Paço, de 6-5-1791, f. 178-178 v. Carta de mercê de 12-5-1791, f. 178 v. Registo de tomada de posse, de 4-6-1791, f. 179.

Livro 44 – Provisão de 12-12-1793, f. 224 v.-225.

Livro 45 – Carta de desembargador do Paço, de 21-2-1793, f. 73 v. Carta de privilégio de desembargador do Paço de 1-3-1793, f. 103 v.- 104.

Livro 51 – Provisão de 10-3-1796, f. 77 v.-78.

2.9.3. Desembargo do Paço / Repartição do Alentejo e Algarve

Maço 99: Doc. 3 e 13

Maço 144: Doc.84

Maço 185: Doc. 27

Maço 195: Doc. 5

Maço 198: Doc. 11

Maço 220: Doc. 14

Maço 231: Doc. 10, 11, 12, 20, 21, 24, 28 e 38.

Maço 234: Doc. 19

Maço 239: Doc. 8, 30, 35, 46 e 49.

Maço 261: Doc. 4, 16, 33, 38, 41, 49, 54, 59, 63 e 66

Maço 268: Doc. 53

Maço 382: Doc. 12

Maço 560: Doc. 96

Maço 678: Doc. 1

Maço 818: Doc. 19

Maço 819: Doc. 40

Maço 829: Doc. 52

2.9.4. Desembargo do Paço / Repartição dos Despachos e Justiças da Mesa

Maços 1523 a 1529.

2.9.5. Habilitações da Ordem de Cristo

Letra A maço 38, doc. 17 – processo de António Henriques da Silveira.

Letra A maço 4, doc. 12 – processo de Amaro Henriques da Silveira.

2.9.6. Habilitações do Santo Ofício

Maço 105, doc. 1859 – processo de António Henriques da Silveira.

Maço 3, doc. 51 – processo de Amaro Henriques da Silveira.

2.9.7. Mesa da Consciência e Ordens

Universidade de Coimbra. Maço 61, Caixa 183. Conclusões e exames privados da Faculdade de Cânones (1746-1748).

2.9.8 Ministério do Reino

Maço 325 Correspondência dos corregedores. Évora. 1757-1833.

Maço 356 Cx. 476

Maço 368 Cx. 491

3. Fontes impressas e bibliografia citada

Actas das Congregações da Faculdade de Cânones (1772-1820), vol. I, Coimbra, Universidade, 1983.

Actas dos Conselhos de Decanos, vol.I, (1778-1784), Coimbra, Universidade, 1984.

ALCOCHETE, Nuno Daupias d’, Bourgeoisie pombaline et noblesse liberale au Portugal, Paris, F.C.G., 1969.

——— “Principalidade”, Armas e Troféus, tomo VII, no 1, Lisboa, Jan.-Março, 1966.

ALMEIDA, Fortunato de, História da Igreja em Portugal, vols. II e III, Porto-Lisboa, Liv. Civilização, 1968 e 1970.

AMZALAK, Moses Bensabat, “O «Despertador da Agricultura de Portugal» e o seu autor, o intendente D. Luiz Ferrari Mordau”, Revista do Centro de Estudos Económicos, No 11, Lisboa, 1950, p. 69-155.

——— A economia política em Portugal. O fisiocratismo. As memórias económicas da Academia e os seus colaboradores, Lisboa, Academia das Ciências, 1922.

AZEVEDO, Carlos Moreira (dir.), História religiosa de Portugal, vol. 2, Lisboa, Círculo de Leitores, 2000.

AZEVEDO, Estêvão da Gama de Moura e, Notícias da antiguidade, aumento e estado presente da vila de Campo Maior (...), organização, introdução, biografia, transcrição e notas de Rui Rosado Vieira, Campo Maior, Câmara Municipal, 1993.

BEIRANTE, Maria Ângela Rocha, Évora na Idade Média, Lisboa, F.C.G. e J.N.I.C.T., 1995.

BEIRÃO, Caetano, D. Maria I (1777-1792): subsídios para a história do seu reinado, Lisboa, Empresa Nacional de Publicidade, 1934.

BRAGA, Theophilo, Historia da Universidade de Coimbra nas suas Relações com a Instrução Publica Portugueza, Tomo III, 1700 a 1800, Lisboa, Por Ordem e na Typographia da Academia Real das Sciencias, 1898.

BRANDÃO, Margarida, O Colégio de S. Paulo, Vol. I (1548-1558), Parte I, Coimbra, e.a., 1973.

CAPELA, José Viriato, Política de corregedores. A actuação dos corregedores nos municípios minhotos no apogeu e crise do Antigo Regime (1750-1834), Braga, Universidade do Minho, 1997.

——— “Vida e obra de João Nepomuceno Pereira da Fonseca. 1. A memória sobre o adiantamento da agricultura e comércio, especialmente na Província do Minho”, Barcelos Revista, 2a série, no 6, Barcelos, 1995, p. 5-30.

CÂMARA, Benedita Cardoso, Do agrarismo ao liberalismo. Francisco Soares Franco. Um pensamento crítico, Lisboa, I.N.I.C., 1989.

CARDOSO, José Luís, “Introdução” às Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo I, Lisboa, Banco de Portugal, 1991.

——— “Introdução” às Memórias económicas inéditas (1780-1808), Lisboa, Academia das Ciências, 1987.

——— O pensamento económico em Portugal nos finais do século XVIII (1780-1808), Lisboa, Estampa, 1989.

CARVALHO, Rómulo de, A actividade pedagógica da Academia das Ciências nos séculos XVIII e XIX, Lisboa, Academia das Ciências, 1981.

——— História da fundação do Colégio Real dos Nobres de Lisboa (1761-1772), Coimbra, Atlântida, 1959.

CASTRO, Armando, O pensamento económico no Portugal moderno (de fins do século XVIII a começos do século XIX), Lisboa, Instituto de Cultura Portuguesa, 1980.

CASTRO, Zília Osório de, “Poder régio e direitos da sociedade no reinado de D. Maria I”, Ler História, no 23, Lisboa, 1993, p. 11-22.

——— “O regalismo em Portugal. António Pereira de Figueiredo” Cultura. História e Filosofia, vol. VI, Lisboa, I.N.I.C., 1987, p. 357-411.

CHAGAS, Manuel Pinheiro, História de Portugal, Lisboa, Escriptorio da Empreza, [1867], vol. VIII e IX.

CHAVES, Castelo-Branco (apres., trad. e notas), Portugal nos séculos XVII e XVIII. Quatro testemunhos, Lisboa, Lisóptima, 1989.

CID, Isabel, “Condições materiais de funcionamento. As instalações da Universidade de Évora”, História da Universidade em Portugal, vol. I, Tomo II, (1537-1771), Lisboa, Universidade de Coimbra / Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

Compêndio histórico do estado da Universidade de Coimbra (1771), Coimbra, Universidade, 1972.

COSTA, Mário Alberto Nunes, “A «Breve Recopilação ... da Fundação Antiguidades e Excelências ... de Estremós»“, Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, No 42, 1994, p. 101-164.

COSTA, Mário Júlio de Almeida, “Debate jurídico e solução pombalina”, Brotéria, vol. 115, No 2-3-4, Lisboa, 1982, p. 143-169.

CUNHA, Mafalda Soares da, Linhagem, parentesco e poder. A Casa de Bragança (1384-1483), Lisboa, Fundação da Casa de Bragança, 1990.

“Daniel van Papenbroeck”, The new encyclopaedia británica, vol. 2, London, Encyclopaedia Britannica, 1993, p. 343.

“Dião Cássio”, Grande enciclopédia portuguesa e brasileira, vol. 8, Lisboa – Rio de Janeiro, Editorial Enciclopédia, p. 919.

DIAS, Graça e José Sebastião da Silva, Os primórdios da maçonaria em Portugal, vol. I, tomo I, Lisboa, INIC, 1980.

DIAS, José Alves, Portugal do Renascimento à crise dinástica, Lisboa, Presença, 1998.

DIAS, José Sebastião da Silva, “Pombalismo e teoria política”, Cultura. História e Filosofia, vol. I, Lisboa, 1982, p. 45-114.

——— “Portugal e a cultura europeia (sécs. XVI a XVIII)”, Biblos, no 18, Coimbra, 1952, p. 203-541.

“Dissertação sobre agricultura, e comércio”, José Luís Cardoso (introdução), Memórias económicas inéditas (1780-1808), Lisboa, Academia das Ciências, 1987, p. 63-88.

DOMÍNGUEZ ORTIZ, Antonio, Sociedad y Estado en el siglo XVIII español, Barcelona, Ariel, 1976.

ESPANCA, Túlio, Inventário artístico de Portugal. Concelho de Évora, Lisboa, Academia Nacional de Belas – Artes, 1966.

——— Inventário artístico de Portugal. Distrito de Évora. Concelhos de Arraiolos, Estremoz, Montemor-o-Novo, Mora e Vendas Novas, Lisboa, Academia Nacional de Belas – Artes, 1975.

ESPANCA, Padre Joaquim José da Rocha, Memórias de Vila Viçosa, vol. 4, Vila Viçosa, Câmara Municipal, 1983.

Estatutos da Universidade de Coimbra (1772), Coimbra, Universidade, 1972, 3 vols.

FALCONI, Carlo, “Bolland, Jean”, Dicionario biográfico universal de autores, vol. 1, Lisboa, Artis-Bompiani, p. 444.

“False Decretals”, The new encyclopaedia británica, vol. 4, London, Encyclopaedia Britannica, 1993, p. 670-671.

FARIA, Manuel Severim de, “Dos remédios para a falta de gente”, Antologia dos economistas portugueses (selecção, prefácio e notas de António Sérgio), Lisboa, Biblioteca Nacional, 1924, p. 173-240.

FERNANDES, Paulo Jorge da Silva, Elites e finanças municipais em Montemor-o-Novo. Do Antigo Regime à Regeneração (1816-1851), Montemor-o-Novo, Câmara Municipal, 1999.

FIGUEIREDO, José Anastácio de, “Memoria Sobre a origem dos nossos Juizes de Fóra”, Memorias de Litteratura Portugueza, Lisboa, Academia Real das Ciências, 1792, Tomo I, p. 31-45.

FONSECA, Fernando Taveira da, “Os corpos académicos e os servidores. Universidade de Coimbra”, História da Universidade em Portugal, Vol. I, Tomo II (1537-1771), Coimbra, Universidade de Coimbra / Fundação Calouste Gulbenkian, 1997, p. 501-600.

——— “Ensino. II Época Moderna”, Dicionário de história religiosa, vol. II, Lisboa, Círculo de Leitores, 2000, p. 118-123.

_____ A Universidade de Coimbra (1700-1771), Coimbra, Universidade, 1995.

FONSECA, Francisco da, Evora Gloriosa, Roma, Officina Komarekiana, 1728.

FONSECA, Jorge, Montemor-o-Novo no século XV, Montemor-o-Novo, Câmara Municipal, 1998.

FONSECA, Teresa, Absolutismo e municipalismo. Évora. 1750-1820, Lisboa, Colibri, 2002.

——— Administração senhorial e relações de poder no concelho do Vimieiro (1750-1820), Arraiolos, Câmara Municipal, 1998.

——— Joaquim José Varela e a Memória Estatística acerca da notável vila de Montemor-o-Novo, Lisboa, Colibri, 1998.

——— “Marginalidade e banditismo no Alentejo de finais do Antigo Regime”, Callipole, no 10 (em publicação).

——— “A mulher e o poder no Portugal do Antigo Regime”, Boletim NEHM / Núcleo de Estudos de História das Mulheres do CIDEHUS /UE, Évora Dezembro 2002 / Maio 2003, p. 6-9.

——— “O pensamento agrarista alentejano nos finais do Antigo Regime” (em publicação).

——— Relações de poder no Antigo Regime. A administração municipal em Montemor-o-Novo (1777-1820), Montemor-o-Novo, Câmara Municipal, 1995.

——— (Estudo e transcrição), «Triste e Alegre Cidade de Évora». Testemunho de um anónimo do século XVIII, Évora, Câmara Municipal, 2001.

GAYO, Manuel José da Costa Felgueiras, Nobiliário de famílias de Portugal, Braga, ed. de Agostinho de Azevedo Meirelles e Domingos Araújo Afonso, 1992, 12 vols.

GOMES, Joaquim Ferreira, O Marquês de Pombal e as reformas do ensino, Coimbra, INIC. 1989.

——— “A reforma pombalina da universidade”, Revista Portuguesa de Pedagogia, ano VI, Coimbra, 1972, p. 25-63.

“Graciano (Decreto de)”, Enciclopedia universal ilustrada europeo americana, Tomo 26, Madrid – Barcelona, Espasa-Calpe, 1926, P. 897-960.

GRIMBERG, Carl e Ragnar SVANSTRÖM (dir.), Histoire Universelle, vol. 8, «L’hégemonie anglaise et la fin de l’Ancien Régime», Éditions Gérard, Verviers, 1964.

GUSMÃO, F. A. Rodrigues de, “Bibliographia. Memorias annaliticas da villa de Estremoz, escriptas por Antonio Henriques da Silveira, Lente de Canones na Universidade de Coimbra, do Conselho de Sua Magestade, e seu Desembargador do Paço”, O Instituto, vol. XXIX – Segunda Série, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1882, p. 87-100.

HESPANHA, António Manuel, “Sábios e rústicos: a violência doce da razão jurídica”, Revista Crítica de Ciências Sociais, no 25/26, Dez. de 1988, p. 31-59.

Historia e Memorias da Academia Real das Sciencias de Lisboa, Tomo V, Parte II, Lisboa, Na Typografia da Mesma Academia, 1818.

JUSTINO, David, “Crises e decadência da economia cerealífera alentejana no século XVIII”, Revista de História Económica e Social, no 7, Lisboa, Jan. – Jun., 1981, p. 29 – 80.

——— A formação do espaço económico nacional. Portugal – 1810 – 1913, Lisboa, Vega, 1989.

LEMOS, Francisco de, Relação geral do estado da Universidade (1777), Coimbra, Universidade, 1980.

LERZ, Nadia Rellini, “Barónio (Cesare Barono)”, Dicionário biográfico universal de autores, vol. I, Lisboa, Artis-Bompiani, 1966, p. 277-278.

MACEDO, Jorge Borges de, “Burguesia – na Época Moderna”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. I, Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 397 – 402.

——— “Nobreza – na Época Moderna”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. III, Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 152 – 158.

——— Problemas de história da indústria portuguesa no século XVIII, Lisboa, Querco, 1982.

MAGALHÃES, Joaquim Romero de, “A Universidade e a Inquisição”, História da Universidade em Portugal, Vol. I, Tomo II (1537-1771), Coimbra, Universidade de Coimbra / Fundação Calouste Gulbenkian, 1997, p. 971-974.

MARCADÉ, Jacques, Frei Manuel do Cenáculo Villas Boas, évêque de Beja, archevêque de Évora, Paris, F.C.G. – C.C.P., 1978.

MENDES, António Rosa, “Estrangeirados e exilados do iluminismo português”, História de Portugal, dir. de João Medina, vol. VII, Amadora, Clube Internacional do Livro, 1996, p. 423-456.

MENDES, Francisco Azevedo, “Ordens sacras”, Dicionário de história religiosa de Portugal, dir. de Carlos Moreira Azevedo, vol. III, Lisboa, Círculo de Leitores, 2001, p. 345-348.

MERÊA, Paulo, “Relação dos lentes das faculdades de Cânones e Leis desde 1730 até à reforma pombalina”, Boletim da Faculdade de Direito de Coimbra, No 33, 1957, p. 324-330; e No 34, 1958, p. 216-221.

MONCADA, Luís Cabral de, “Mística e racionalismo em Portugal no século XVIII”, Boletim da Faculdade de Direito, vol. XXVIII, Coimbra, 1952, p. 1-98.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo, “Poder senhorial, estatuto nobiliárquico e aristocracia”, História de Portugal, coord. de José Mattoso, vol. IV, Lisboa, Estampa, 1993, p. 333 – 374.

OLIVEIRA, António, “O quotidiano da Academia”, “A Universidade e a Inquisição”, História da Universidade em Portugal, Vol. I, Tomo II (1537-1771), Coimbra, Universidade de Coimbra / Fundação Calouste Gulbenkian, 1997, p. 617-692.

PARATORE, Ettore, História da literatura latina, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1987.

PEREIRA, José Esteves, ”Economia em Portugal no século XVIII, aspectos de mentalidade”, Prelo, no 2, Lisboa, Jan.-Março de 1984, p. 25-40.

——— “Introdução” a Joaquim José Rodrigues de Brito, Memórias políticas sobre as verdadeiras bases da grandeza das nações (1803-1805), Tomo I, Lisboa, Banco de Portugal, 1992.

——— “Manuel de Azevedo Fortes-ética, estética e técnica”, Congresso Internacional Portugal no século XVIII, de D. João V à revolução francesa, Lisboa, Sociedade Portuguesa de Estudos do Século XVIII/Universitária Editora, 1991.

——— O pensamento político em Portugal no século XVIII. António Ribeiro dos Santos, Lisboa, I.N.C.M., 1983.

——— “Revolução Francesa e discurso político em Portugal (1789-1852), Ler História, No 17, Lisboa, 1989, p. 67-75.

PEREIRA, Maria Helena da Rocha, Estudos de História da Cultura Clássica, Vol. II, Cultura Romana, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1990.

PERES, Damião, Descobrimentos portugueses, Coimbra, e. a., 1960.

“Plano de erecção de montepios pecuniários para o maior fomento da agricultura, artes, e comércio”, José Luís Cardoso (Introdução e Notas), Memórias económicas inéditas (1780-1808), Lisboa, Academia das Ciências, 1987, p. 167-182.

Plano de Estatutos Em Que Convieram Os Primeiros Sócios Da Academia Das Ciências de Lisboa, com o Beneplácito de Sua Magestade, Lisboa, Na Regia Officina Typografica, 1780.

RIBEIRO, Ângelo, “D. João V”, História de Portugal, dir. de Damião Peres, vol. VI, Cap. IX, Barcelos, Portucalense Editora, 1934, p. 179-193.

——— “Da morte de D. José I à Guerra do Rossilhão”, História de Portugal, dir. de Damião Peres, vol. VI, Barcelos, Portucalense Editora, 1934, p. 251-268.

RIBEIRO, José Silvestre, Historia dos Estabelecimentos Scientificos Litterarios e Artisticos de Portugal nos Sucessivos Reinados da Monarchia, Tomo II, Lisboa, Typographia da Academia Real das Sciencias, 1872.

RIPOSATI, Benedetto, “Tácito (Cornelius Tacitus)”, Dicionário biográfico universal de autores, vol. 5, Lisboa, Artis-Bompiani, 1982, p. 3438-3440.

RODRIGUES, Manuel Augusto, Memoria professorum universitatis conimbrigensis. 1772-1937, vol. II, Coimbra, Arquivo da Universidade, 1992.

RUAS, João (Coord.), Santa Casa da Misericórdia de Estremoz. 500 anos 1502-2002, Estremoz, Santa Casa da Misericõrdia, 2002.

SANTOS, Cândido dos, “António Pereira de Figueiredo, Pombal e a Aufklärung”, Revista de História das Ideias, vol. IV, tomo I, 1982, p. 167-203.

SEABRA, João, “A teologia ao serviço da política religiosa de Pombal: episcopalismo e concepção do primado romano na Tentativa teológica do Padre António Pereira de Figueiredo”, Lusitania Sacra, 2a série, tomo VII, Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, 1995, p. 359-402.

SELVAGEM, Carlos, Portugal militar. Compêndio de história militar e naval de Portugal. Desde as origens do Estado Portucalense até ao fim da dinastia de Bragança, Lisboa, I.N. / C.M., 1994.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo, “Estremoz, Cortes de (1416)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. 2, Porto-Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 131.

——— “Fernando, D. (1403-1478)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. 2, Porto-Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 211.

——— A historiografia portuguesa, vols. II e III, Lisboa, Verbo, 1972 e 1974, respectivamente.

——— “Lisboa, Cortes de (1641)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. 2, Porto-Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 779.

——— “Lisboa, Cortes de (1674)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. 2, Porto-Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 781-782.

——— “Lisboa, Cortes de (1679)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. 2, Porto-Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 782.

——— “Lisboa, Cortes de (1697)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. 2, Porto-Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 782.

SILBERT, Albert, Le Portugal Méditerranéen à la fin de l’Ancien Régime, vol. II, Lisboa, I.N.I.C., 1978.

SILVA, Innocencio Francisco da, Diccionario Bibliographico Portuguez, Lisboa, Na Imprensa Nacional, 1862, tomos I, II, III, IV V e VI.

SILVA, Júlio Joaquim da Costa Rodrigues da, Ideário político de uma elite de Estado. Corpo diplomático (1777-1793), Lisboa, F.C.G. /F.C.T., 2002.

SUBTIL, José, O Desembargo do Paço (1751-1833), Lisboa, Universidade Autónoma, 1996.

——— “Os poderes do centro. A Fazenda”, História de Portugal, dir. de José Mattoso, vol. IV, “O Antigo Regime”, Lisboa, Estampa, 1993, p. 203-239.

SUBTIL, José, GASPAR, Ana Teixeira, A câmara de Viana do Minho nos finais do Antigo Regime (1750-1834), 2 vols., Viana do Castelo, Câmara Municipal, 1998.

“Taciano”, Dicionário biográfico universal de autores, vol. 5, Lisboa, Artis-Bompiani, 1982, p. 3438-3440.

TORGAL, Luís Reis, MENDES, José Amado, CATROGA, Fernando, História da História em Portugal. Sécs. XIX-XX, Lisboa, Círculo de Leitores, 1996.

TORRES, Rui d’Abreu, “Tomar, Cortes de (1581)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. 4, Porto-Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 171-172.

——— “Corregedores”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. I, Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 704-705.

VELOSO, José Maria de Queirós, “A dominação filipina”, História de Portugal, dir. de Damião Peres, vol. V, Barcelos, Portucalense Editora, 1933, p. 241-272.

WALTER, Gerard, “Lívio, Tito”, Dicionário biográfico universal de autores, vol. III, Lisboa, Artis – Bompiani, 19..., p. 1903-1905.

“Zósimo”, Enciclopedia universal ilustrada europeo-americana, vol. 70, Madrid-Barcelona, Espasa-Calpe, 1930, p. 1453.

ZÚQUETE, Afonso, Nobreza de Portugal e do Brasil, Lisboa, Enciclopédia, 1961, vol. I, II e III.

© Publicações do Cidehus, 2003

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search