Version classiqueVersion mobile

António Henriques da Silveira e as Memórias analíticas da vila de Estremoz

 | 
Teresa Fonseca

Segunda parte. As Memorias annaliticas da Villa de Estremoz

3. Transcrição

Texte intégral

[p 1]

1Memorias annaliticas
Da Villa de
Estremoz
Escriptas por
António Henriques da Silveira
Lente de Cânones na Universidade de Coimbra,
Do Concelho de Sua Magestade e seu
Dezembargador do Paço

[p. 2, em branco]

[p. 3]

2Prologo ao Leitor

3A Philosophia Moderna, e o estudo das Bellas letras, desconhecidos em Portugal, até ao principio do decimo oitavo século, acharão entrada neste Reyno, depois do estebelicimento da Academia Real da Historia (*). As brilhantes luzes desta erudicta assembléa, havendo decipado as trévas, que cobrião a fáse da Lusitania, e patenteádo o caminho das Sciencias, produzio huma notavel mudança na literatura Portugueza, e depois desta Época, ficou o Estudo das Bellas letras formando o gosto Geral da nassão.

4Sendo o fim desta Assembléa, escrever com imparcialidade a Historia Ecclesiastica, e Profana de Portugal, e não podendo ella ser escripta com certeza, sem que os Cabidos das Cathedraes, as Communidades, as

---

(*) Erecta por Decreto do Senhor Rey Dom João V, datado em 8 de Dezembro de 1720.

5[p. 4] cidades, e villas lhe communicasem as memorias interesantes, que se descobrissem nos seus respectivos Archivos, Sua Magestade determinou que a Academia em seu Real Nome, pedise a copia dos documentos, que ella julgase necessarios, para satisfazer ao seu instituto.

  • 1 Cf. Mário Alberto Nunes COSTA, “A «Breve recopilação...da fundação antiguidades e excelências...de (...)
  • 2 O autor da memória, cujo título é referido na nota anterior, é Manuel de Sande de Vasconcelos. No e (...)

6O Conde de Villar Mayor, secretario da mesma Academia, escreveu huma carta aos officiais da camara da villa de Estremoz, datada no dia [11] de [Janeiro de] 172[1]1 na qual lhes pedia a memoria de todos os documentos pertensentes à Historia da villa. O Senado sem dilassão, encarregou a compozição das Memorias a pessoa, de quem esperava, que dezempenhase a commissão; porem como o escolhido, era pouco versado no estudo da Historia, a sua compozição sahio muito defectuoza2.

7O Autor das memorias da villa de Estremoz, ignorava as Leis do critério, e por este motivo adoptou como verdadeiras, as Tradissoens Populares, e a sua obra [p. 5] sem ser corregida, se mandou a Academia e o Senado mandou, que no seu Archivo se conservase huma copia desta[s] memorias. Passados vinte e cinco annos, me mostrou o Escrivão da Camara o dito Manuscripto, eu o principiei a ler gostozamente, e concluhi a lição com desprazer, por se haverem mandado similhantes memorias a tão sabio Congreso, sem haverem sido emmendadas, por algum judiciozo censor.

8Hum documento, mandado fazer por hum senado, e conservado no seu Archivo, he capaz de illudir a posteridade menos instruida, e para livrar aos vindouros de similhante engano, me propuz escrever esta[s] Memorias. Logo lhe dei principio; porem os meus Estudos Académicos, e o Publico Magisterio, de que fui emcarregado, embarasarão a sua conclusão. O grande intervalo, em que a obra esteve suspensa, foi utilissimo; porque nelle alcansei importantes noticias, que a enriquiserão.

9A Historia, sendo a fiel testemunha do [p. 6] tempo (a) deve ser inceparavel da verdade; e faltando lhe esta, fica similhante à Fábula, ou à Tragedia. Ella tem tantos preseitos, que deficilmente se emcontrará alguma, que não seja defectuoza. Ella para se distinguir do elogio, deve narrar as acçoens honrozas, e igualmente as humiliantes. Todas as faltas se podem disculpar ao Historiador, se elle for veridico, por quanto a Historia, não sendo verdadeira, he tão inutil, como o animal sem vista (c).

10O Historiador, para não faltar à verdade, deve ser innimigo da lizonja, e depor todo o odio, e affeição. Seria para dezejar, que as historias dos Soberanos, se escrevesem depoes da sua morte, por ser couza perigoza, escrever acçoens dezagradaveis de hum Principe, do qual se espera o premio, ou teme o castigo. Quem escreve em tal tempo,

---

  • 3 De Oratore. Nesta obra em forma de diálogo, constituída por três livros compostos por volta de 46 a (...)

(a) Historia est testis temporum, lux veritatis, vitae memoria, magistra vitae, nuntia vetustatis. Cicero Lib. I. de Orat3. Ad. G. T.

  • 4 Políbio, historiador grego do século II a.C., escreveu, além de outras obras, uma História, cujos c (...)

(c) Perinde ac si quis oculos animanti Hoderit, quid quid superest corporis inutile fit, itae dempta ex historia veritate, narratio omnis inutilis est.
Polib
4. Lib. I, Historiae

  • 5 Velleius Paterculus foi um historiador romano que viveu entre 19 a.C. e cerca de 30 d.C. Escreveu u (...)

11[p. 7] espalha o fumo do incenso, deixa de ser Historiador, e se faz Panegerista. Tal foi Velleyo Peterculo5, escrevendo a vida do Imperador Tiberio, e do seu Ministro Sejano.

  • 6 Viveu entre 59 a.C. e 17 d.C. Escreveu tratados de moral, de filosofia e obras históricas, com dest (...)
  • 7 Dião Cássio foi um historiador grego do século II da nossa era. Escreveu em Niceia, sua terra natal (...)

12O Amor, hé huma poderoza pachão, sempre opposta à imparcialidade; o escriptor, que se deixa dominar della, a cada passo falta ao seu dever. Elle para acreditar a nassão, de quem escreve, ou ao seu Heroe, desfigura os factos, encarese as acçoens gloriozas, e oculta as que são dezagradaveis. Elle engrandese ao seu Heroe, e diminue ao Contendor. Tito Livio6, e Dion Cassio7, escreverão sobre o mesmo asumpto; porem o primeiro, abertamente favorese o partido de Pompeo, e o segundo o de Cezar.

  • 8 Historiador grego. Escreveu, entre os anos 450 e 502 da nossa era, uma História Nova. Esta obra em (...)

13O odio, e a cegueira, com que os partidarios de huma seita escrevem contra os da outra, lhes não dá lugar, para conheserem a verdade, e o merecimento dos homens. Elles se constituem severos juizes das acçoens alheyas; desta clase foi Zózimo8, Gentio do V século, que escreveu a Historia do Imperio, com mais elegancia, do que verdade. Este [p. 8] maligno Declamador contra o Christianismo, não perde occazião de infamar, e dignegrir as acçoens do Imperador Constantino, por este haver concedido a paz à Igreja.

14Passados doze séculos, apareseu em França hum digno sucessor do Gentio Zózimo, este foi o Impio Poeta Francisco Voltaire, que sem pejo escreveo huma Historia (*) destituida de toda a veracidade. Elle atrevidamente contradiz os factos historicos, attestados pelos Autores coévos, e constantemente recebidos, pelos homens judiciozos. Não allega Autor que afianse o seu dicto, e fiado na elegancia do seu estilo, pertendeu ser acreditado, contra as regras do Critério.

15Este maligno Escriptor, hé o Apolegista de Nerão, Cómodo, Domiciano, Décio, Diocleciano, de Juliano Apóstata; e de outros monstros da humanidade, e persiguidores do christianismo. Com a mesma pachão vitupéra, e calumnia aos Imperadores Constantino, Theodozio, Marciano, Carlos Magno,

---

(*) Essai sur L’Histoire Generale.

16[p. 9] e a todos os Principes, que favoreserão a Igreja Católica. Elle aproveita todas as satiras e calumnias, com que os Gentios pertenderão infamar aos primitivos christãos, e nenhum cazo fes das Apolegias, convincentes de S. Justino Martyr, de Origines, Tertuliano, de Athenágoras, e de outros grandes homens.

17Elle conhesendo, que a Religião christãa, opposta as pachoens, autorizadas pelas leis do Imperio, não tendo protecção alguma, havia triunfado da Idolatria, e que a Igreja sem mais armas, do que as lagrimas, e orasoens, havia destruido o culto dominante do Imperio, e que havia sellado a verdade da doutrina, que prégava, com o sangue de innumeraveis Martyres, que generozamente derramarão o sangue, e perderão a vida pela Confissão da fé, que professavão; emfurecido contra esta prova do prodigiozo estebelicimento do christianismo, procura diminuir o numero das perseguissoens, e o dos Atheletas do Christianismo, e para os despojar da palma do Martyrio, os figura Revolucionarios, e punidos como criminozos de estado.

18[p. 10] Faz grandes elogios aos Heresiarcas, e ao mesmo torpe Mafamede, e concidéra os erros de todos estes, como opinioens de escóla, que livremente podem ser adoptados. A tolerancia Religioza, hé o seu dogma valido. Todos os seus escriptos, se emcaminhão a aniquilar a Religião Revelada; e a estabeleser a incredulidade, e o Deismo. Hé innimigo declarado do Governo Monarchico, Pregador da discordia, louva os Revolucionarios, e favorese as Rebelioens.

  • 9 As críticas severas formuladas contra Voltaire e o deísmo patente nas suas obras denotam o antifilo (...)

19Sendo (como hé) innimigo da virtude, faz dos celerados grandes Heroes, porem não dá louvores aos Santos Padres, nem aos Pontifices de notoria santidade; porem lembra-se daquelles prelados, que esquecidos do seu dever, e da santidade do seu estado, o profanarão com huma vida derregulada. Quando fálla destes, faz alarde da sua eloquencia, e pinta as suas acçoens com as mais medonhas cores, como se estes defeitos podesem obscureser a santidade da Religião christãa, de que elles forão indignos Prelados. Tal hé o conceito que se deve formar da Historia de Voltaire, innimigo do christianismo9.

20[p. 11] A Historia das Monarchias dos Aegipcios, dos Médos, Persas, Gregos, e Romanos, hé xeya de factos fabulozos, ou emcarecidos, e indignos de credito. Será credulidade pueril, dar por certa à chronologia de 42$984 annos que os Aegipcios dão de duração à sua monarchia. Quem poderá acreditar a exagerada extenção dos Muros de Babilonia, que o Exercito de Xerses passava de hum milhão de combatentes, que Metrídates com 11$ Athenienses alcansa-se huma victoria em Marathon, contra 500$ Persas?

21Os Japonezes, e Chinezes disputão entre si sobre a antiguidade das suas Monarchias, e para provarem a prioridade, não há patranha que não tenhão adoptado.

22Não há couza mais incrivel do que a chronologia dos Japonezes, a qual da dois milhoens, trezentos quarenta e dois mil, quatrocentos, e sesenta e sette annos de duração à Segunda Dinastia dos seus Reis (*).

---

(*) Os Historiadores Japonezes dividem o governo da sua Monarchia em tres Dinastias, a primeira, dos Deuses, a segunda, dos Simi-Deuzes, e

23[p. 12] como se mostra na Taboa seguinte

Taboa Chronologica do[s] FabulozosReys do Japão pertencentes. À Segunda Dinastia

Nomes dos Reys

Annos do seu Reynado

I

Tensio-Dai-Dsim

250$000

II

Oociwo Nino

300$000

III

Nivi Kino

318$533

IV

Demino

637$892

V

Awaja Dsuno

836$042

Soma total dos annos

2:342$467

24a terceira, dos Homens; A primeira Dinastia, foi a dos Deuzes, a mais perfeita, que teve sette Reys, dos quaes o VII chamado Isanagi, cazou com a Deuza Isanami, da qual teve filhos, e filhas, que formarão a Rassa dos Simi-Deuzes, menos perfeita, do que a da primeira Dinastia. Affirmão mais que a Segunda Dinastia reinara no Japão 2:342$467 annos, na forma da Taboa chronologica, supra.

25[p. 13] A Nassão Chineza, soberba com a perfeição das suas manufacturas, se reputa a primeira do mundo; e pertende exceder a todas em antiguidade. A sua chronologia, dividida em annais, hé tão emcarecida, que sóbe muito alem da verdadeira creação do Mundo, com tudo alguns Missionarios Jezuitas, adoladores desta desvanecida nassão, puerilmente acreditão esta sonhada chronologia.

26Os maliciozos Chinezes, fazem subir a sua chronologia quatro mil annos alem da Era Christãa, e para a fazerem acreditavel, a próvão com Eclipses calculados, e desta chronologia se vállem os Filosophos incrédulos do nosso século, reputando-a como huma demonstração, contra a Historia da creassão do Mundo escripta por Moises. Estes Homens, duvidando das Historias da Europa, que conhesem, acreditão huma das extremidades do mundo, de que tem huma noticia superficial; porem em que Loucuras não caye o homem, que abandona a fé, e abuza da rezão!

27A Historia Chineza, buscada, no principio [p. 14] da Monarchia, hé tão obscura, como aquella dos Povos, que por muitos séculos ignorarão o uso da escripta; e a dos Chinezes, effectivamente se conservou por muitos séculos na Tradição Popular. Esta Historia se divide em duas Épocas, a primeira, a antrior às Dinastias, a Segunda depois do estabelicimento da Monarchia, a qual principia no anno de 434 antes da nossa Era vulgar.

28A primeira Época, comprehende hum extraordinario número de annos, ordenada em Annais, pelos Escriptores Chinezes. Estes Annalistas, encherão esta historia de muitas fábulas, para enxerem aquelle grande vácuo; e para que se lhes desse inteiro crédito, as ingerirão nos Annaes Públicos da Monarchia; porém pelos dois factos, que vou a expor, se verá o credito, que se deve dar a estes Annaes, tão elogiados, pelos Filosophos do nosso século.

29O Padre Martini, Missionario Jesuita, confessa haver lido nos annais chinezes [p. 15] que no Reynado de Yao, se havia demorado o sol sobre a China, por espaço de dez dias completos, sem interrupção, fenómeno, que fizera temer hum incendio Geral. Sumaquam selebre Annalista chinez, que vivia no anno de 1066 da Era vulgar, affirma, que hum certo Ausu, andára oitenta annos no ventre de Sua Mãy. Ora se este hé o critério, com que estão escriptos os annais chinezes, quem se poderá fiar de similhante histoia?

30Os mesmos Autores chinezes discordão sobre a Chronologia; os Europeos acharão no anno de 1594 da Éra vulgar, que os chinezes ate ao anno de 1444 da Era de Christo, contavão oitenta e oito milhoens, seiscentos trinta e nove mil, oito centos e secenta annos, e que no mencionado anno de 1594 contavão somente oito centos, oitenta mil, e secenta e tres annos, desde a Creação do mundo, rebaixando da primeira chronologia, oitenta e sette milhoens, settecentos, sincoenta e nove mil, settecentos, e noventa e sette annos.

31[p. 16] Todos os Erudictos confessão, que a Monarchia Chineza hé antequissima; porem os Autores Nacionais discordão na Época do seu estabelicimento. Confucio, o mayor dos Filosophos da China, que vivia no anno de 550 da nossa era vulgar, escreveu os annais da sua nassão, das Dinastias, que presederão ao tempo, em que elle vivia, a cuja obra elle deu o nome de Chun-Cieu, e nella se queixa da falta de monumentos, para a compozição dos ditos annais.

32Sendo os Annais Chinezes tão suspeitozos, como fica mostrado, os Filosophos do nosso século, lhes concedem a authe[n]ticidade, que Confucio lhes não achou. Elles recorrem às observassoens Astronomicas, aos calculados Eclipses, e particularmente à famoza conjunção, que dizem haver sossedido, no Reynado de Chang-Cang, no anno de 2155 antes da Era vulgar. Se estes annais erão tão authenticos, como affirmão os nossos Filosophos, que rezão teria Confucio para não se valer delles? Para que se queixa da falta de monumentos? Hé natural, que fosse por algum destes dois [p. 17] fundamentos, ou porque no seu tempo não existião similhantes annais, ou porque elle não os reputava dignos de crédito.

33O Homem astuto hé capaz de soffrer grandes trabalhos, com o fim de encobrir a malicia de que espera colher fructo. Os Eclipses que os Filosophos suppoem serem huma demonstração da certeza dos annais Chinezes, forão calculados muitos séculos depois de haverem sussecido, e maliciozamente forão ingeridos nos annais públicos da Monarchia, com o fim de authorizar as fabulozas historias, que nelles se referem.

34Para estes annaes fazerem alguma próva, era necessario, que se mostra-se, que elles havião sido escriptos no tempo em que sussederão os factos historicos, que nelles se referem; porem isto não só se não pode provar, antes hé natural, que tudo isto hé obra de mão posterior, e que Confucio, se queixou com muita rezão da falta de monumentos para a compozição dos seus annais.

35[p. 18] Não há dúvida, que a Mathematica hé a sciencia da pachão dos Chinezes; porem esta nassão estava tão pouco instruida na Astronomia que os seus melhores Mathematicos não sabião formar hum Kalendario antes da entrada dos Missionarios Jezuitas no Imperio da China; os Padres Sehaal, e Verbiesto forão os que lhes insinarão as regras necessarias, para a compozição dos Kalendarios.

36Este mesmo defeito tinhão os Mathematicos chinezes, na calculação dos eclipses. Elles sem o socorro dos europeos, não sabião calcular hum eclipse com exacção. Ora se os chinezes modernos são tão fracos calculadores, que conseito se pode formar das observassoens Astronomicas, que se dizem feitas quatro mil annos antes da entrada dos Européos na China? A grande ventagem, que os Européos lhes levão nesta Sciencia, hé a cauza, de que sejão tão estimados dos Monarchas da China, e de serem elevados à dignidade do Mandarinato.

37[p. 19] Monsieur Foulquet, Bispo Titular de Eleuteopolis, publicou no anno de 1729 huma Táboa Chronologica do Imperio da China, a qual havia sido formada por hum Senhor Tartaro, chamado Nien, que no anno de 1720 era Vice-Rey de Cantão, e que este havia tirado do livro Kang-mu (são os grandes annais da China); nesta Taboa se fixa a verdadeira chronologia Chineza, no Reinado de Lyeoang, que caye no anno de 434 antes da Era vulgar, e os Autores do Kang-um, não a poem mais alta.

38Esta chronologia tão incerta entre os mesmos Autores Chinezes, nos deixa convencidos de que hé impossivel descobrir a verdade, mixturada com tantas fábulas, e de tudo o que fica dicto, devemos concluir, que a chronologia chineza hé muito mais moderna do que a Sagráda, referida no livro do Geneziz, e que a objeção, que os Incredulos fazem com a chronologia chineza contra a Sagrada he hum debil argumento.

  • 10 Historiador romano do século I da nossa era, introduziu na historiografia o critério monográfico e (...)
  • 11 Historiador romano que viveu entre 54 ou 55 e cerca de 120 da era cristã. Durante o reinado do impe (...)

39[p. 20] A Historia Romana, escripta por Autores eloquentissimos, está xeya de factos fabulosos, ou exagerados, particularmente, no que pertence aos primeiros quatro séculos depois da Fundação de Roma. Os Historiadores não tendo que dizer daquelles primeiros tempos, fingirão acçoens heróicas nos primeiros Romanos, para honrarem esta nassão. Elles ajuntarão à historia o seu caracter particular, Salustio10 hé moral, Tacito11, he politico, Tito Livio hé supersticiozo.

40A defença da ponte do Rio Tibere, por Horacio Coeles, contra todo o Exercito de Porsenna Rey dos Gollos. A Guerra da Hetruria sustentada sòmente pela familia dos Fabios. O Exercito de 100$. Gollos, que depois de Sàquiar Roma, foi destruido por Camillo, do qual nem hum só homem escapou com vida. O Abismo aberto em Roma, no qual Marco Curcio se lansou armado, para aplacar a colera dos Deuzes, são factos incriveis, e que meresem ser colocados na clace dos contos pueriz.

41[p. 21] Homero, Principe dos Poetas Gregos escreveu a Iliada, e a Odisséa com conhecida elegancia, e falta de verdade. A licença Poetica de que fez grande uso, o fez inventor de Fabulas, com as quais disfigurou a verdade, e deu motivo a Theodoro de Lamplaque, para affirmar (*), que os seus Heroes, Agamnon, Achiles, Hector, Páris, e Aeneas, forão personages fabulozas. Heródoto o mais antiguo dos Historiadores Gregos, escreveu a Historia do seu paiz com tanta elegancia, que Cicero lhe chama o Pay da Historia (a); porem a liberdade Poetica, que adoptou, lhe fes enxer a sua historia de Fábulas, que elle tirou das obras de Homero, ou que forão por elle inventadas, por tanto elle merese ser chamado o Pay da Historia, e da Mentira.

---

  • 12 Filósofo do século II, provavelmente de origem síria. Inicialmente pagão, torna-se depois apologeta (...)

(*) Tacianus12 in Oration. in Bibliothec. Patrum.

(a) Apud Herodotum Patrem Historia, et apud Theopompum sunt innumerabiles fabulae.

Cicero de Legib. Libr. 4°
Nam Gracis historiis plerumque poeticae similis est licentia. Quintilian. Libr. 2, cap. 4
Causa Eliensium suscepta Romanum Troia demissum, et Juliae Stirpis auctorem Aeneam, alio que haud procul fabulis vetera facund exequntus.
Tacitus annal. Libr. 12

42[p. 22] A Historia da Hispanha anterior á guerra, que os Romanos fizerão nesta Peninsula não he mais veridica do que a Historia Grega. Os Reys Ibéro, Jubalda, Brigo, Tágo, Béto, Gerião, Hispalo e outros similhantes, só existirão na fecunda imaginação do Inventor de tais patranhas. Os Chronicoens de Borozo, de João Annio de Viterbo, de Flavio Dextro, e do Arcipreste Juliano, e outros de que abundou o século passado, acabarão de corromper a Historia de Hispanha.

43O estabelicimento, e progreso do Christianismo hé muito duvidozo; porem os impostores, Conhesendo que a Nassão Hispanhola se agradava de tudo o que hé extra-ordinario, e maravilhozo, lhe venderão conhecidas fábulas, por verdades indubitaveis. Tais são a vinda de Santiago mayor á Hispanha, a sua sepultura em Compostella, a sua assistencia aos christãos na Batalha de Clavijo, o voto que o Rey Dom Ramiro fes ao dito Santo, util aos Ecclesiasticos, e prejudicial ao povo gravado com os Tributos dos votos de Santiago, que está paguando há mais de nove centos annos.

  • 13 As dioceses de Braga e de Évora mantiveram, a primeira até ao Concílio de Trento e a segunda até ma (...)

44[p. 23] Do mesmo cunho são as vidas de S. Pedro de Rattes Primeiro Bispo de Braga, e de S. Mancio I Bispo de Evora, não obstante auctoridade dos Breviarios Bracharense, e Eborense13, os quais sobre factos Historicos, de tão remontada antiguidade, constituem huma débil prova. O prodigiozo nacimento das Santas nove Irmãas, Bracharences, filhas de Cayo Atilio, e nacidas de hum só parto, a Historia de Cayo Carpio Regulo da Maya, ao estabelicimento da vida Eremitica na Serra de Ossa, no I Seculo do christianismo, não meresem credito algum no tribunal dos Judiciozos Criticos.

45A selebração do Concilio de Braga, prezedido por Panchraciano Bispo desta Sé no anno de 412, assistido dos Bispos de Coimbra, Idanha, Porto, Lugo, Merida, Iminio, Lamego, e Numancia, referido por Fr. Bernardo de Brito (*) não merese credito algum. Nelle se intitula Panchraciano Bispo da Primeira Sé; Titulo de que somente usarão os Bispos da Igreja Africana, e que o mesmo Brito, ou algum Bracharense, para

---

  • 14 Frei Bernardo de Brito iniciou a chamada historiografia alcobacense, ao escrever a primeira e a seg (...)

(*) Brito, Monarchia Lusitana Tomo II. Livro VI. Cap. II14.

46[p. 24] provar a Primazia da Sé de Braga, sobre todas as Igrejas da Hispanha. O mesmo juizo se deve fazer das Cartas que se dizem escriptas, por Arisberto Bispo do Porto, a Samerio Arcediago de Braga. A espantoza victoria que o Abbade João, alcansou dos Mouros, junto de Monte mor o velho, e a maravilhoza Resurreicção das mulheres, e Mininos, que os Christãos havião degolado, (a) antes da Batalha, he hum conto verdadeiramente pueril.

47No Castello da villa de Tomar, pertencente aos Templarios, e hoje à Ordem de Christo, há huma Pedra, com hum letreiro, que diz, que Dom Gualdim Páes, Mestre da Ordem do Templo, com os seus cavalleiros, havia defendido aquelle castello, no anno de 1190 do Serco, e ataques do Exercito Mahometano Capitaniado pelo Rey de Marrocos Aben Ioseph, que se compunha de quinhentos mil Infantes, e de quatro centos mil cavallos (*), cujo número, toda a Hispanha, não podia sustentar por tempo de dois mezes.

---

(a) Brito Monarchia Lusitana Tomo II. Livro VII. Cap. XIV.

  • 15 Frei António Brandão foi o autor da terceira e quarta partes da Monarchia Lusitana, abrangendo o pe (...)

(*) Brandão Monarchia Lusitana Tomo IV. Cap. XIII15.

48[p. 25] O aparecimento de Christo Senhor Nosso a El Rey Dom Affonso Henriques no Campo de Ourique, a detença do Sol pelas orasoens de Dom Payo Peres Correa Mestre da ordem de Santiago, a encarecida valentia, de Brites de Almeida forneira de Algibarrota, os doze defensores das Damas Inglezas, tão elogiados pelo Grande Camoens (z) são factos duvidozos na balança dos criticos.

49A Historia Ecclesiastica principiada a escrever no IV século com mais piedade, do que critério, está xeya de fábulas. Os primeiros tres séculos, em que a Igreja esteve oppremida com perciguisoens, nada se escreveu, exceptuando algumas Apolegias e tudo o que depois se escreveu daquelles calamitozos Séculos, foi tirado das Tradissoens Populares das falsas actas dos Martyres, das Decretaes de Izidoro Mercador, e dos Livros Apochiphos, condenados pelo Papa S. Gelasio no Concilio Romano (a) dos

---

(z) Camoen Luziada Canto VI. Estancia 43, e seguintes.

(a) Cap. Santa Romana 3 Dist. 15.

  • 16 Cesare Barono (1538-1607) foi um religioso oratoriano nomeado por Clemente VII, em 1597, bibliotecá (...)

50[p. 26] setenta Bispos. O cardeal Cezar Baronio16, cometeu bastantes faltas na Compozição dos seus annais, particularmente quando escreveu as materias, que interesavão a curia Romana.

  • 17 Daniel van Papenbroeck, discípulo de Jean Bolland, integrou o grupo de historiadores jesuitas belga (...)

51O mesmo Breviario Romano destinado pela Igreja para a reza das Horas Canonicas, está xeyo de historias fabulozas, como adverte o erudicto Daniel Papebrochio17. Os auctores das Legendas dos Santos, não tendo que dizer com certeza dos Pontifices Romanos, desde S. Clemente, até S. Sericio, ingirirão no Breviario, a doutrina das Decretais Isidorianas, attribuindo aos Pontifices dos primeiros séculos os Decretos Disciplinares, que só no VIII século forão conhecidos na Igreja.

52Desta clase são a Idolatria de S. Marcelino, a selebração do Concilio supposto de Sinoessa, (c) para julgar a sua cauza. O baptismo do Imperador Constantino por S. Sylvestre,

---

(c) Carolus Sebastianus Berardi in Canones Gratiani Tom. ... Natalis Alexander Tom. IV. Historiae Ecclesiasticae Dissertation. 20.

53[p. 27] hé asseveração contraria à verdade, por que este Principe foi baptizado por Eusebio Bispo de Nicomedia, como este mesmo Prelado escreve na vida que escreveu de Constantino; igualmente contra a verdade o dizer a Legenda, que o mesmo Imperador fizéra doação a Sé Apostolica da Cidade de Roma, por quanto esta doação deve a Igreja a Pipino, e a Carlos Magno Reys de França.

54O Monologio dos Gregos deve ser lido com grande attenção, por nelle se vem canonizados por Santos alguns conhecidos Herejes. O Flos Sactorum de Surio Ribadaneira, as vidas dos Santos por Baillet, devem ser lidas com muita reflexão, porque este hé crítico com excesso, e aquelles crédulos com demazia. O Flos Sanctorum de Rozario, escreveu o que era mais honroso aos Sanctos, do que conforme à verdade, persuadindo-se, que deste modo honrava mais os Sanctos, e exaltava a gloria de Deos.

55A Historia dos Sette Dormentes, a das onze mil virgens, a dos Sanctos, que depois de degolados, pegarão na[s] sua[s] [p. 28] proprias cabeças, e com ellas caminharão largo espasso. A[s] Revelasoens de Sancta Brisida, as de Maria de Agreda, as de Roza Maria Sério encontradas entre si, e oppostas humas as outras, só poderão ser acreditadas por mulheres, e meninos.

56De grande socorro para a historia Ecclesiastica de Portugal serião as chronicas da[s] Religioens, se ellas não fossem escriptas com tanta pachão, e falta de critério. Algumas são escriptas por diligentes varoens; porem os mais dos continuadores, escolhidos para este emprego pelo espirito do partido, apenas tiverão hum mediano merecimento. O seu ordinario defeito he a credulidade, enxendo as chronicas de factos prodigiozos, e não autenticádos.

57[p. 29] Seria conhecida ingratidão, e manifesta injustiça, se os sabios não confesasem o grande serviço que os antigos Monges fizerão à Republica Literaria. Aquelles benemeritos Cidadoens, innimigos da ociozidade, se occupavão em cultivar a terra, ou em escrever, e tresladar obras scientificas. Elles forão os que salvarão os preciozos restos da literatura antigua, livrando-os da invazão dos Barbaros, e da voracidade e injurias dos tempos. Sem o seu laboriozo desvello, as obras literarias dos antiguos Gregos, e Romanos, serião desconhecidas no nosso Século; em conclusão, os Mosteiros forão o Azylo das sciencias, e o depozito das obras da antiguidade.

58No mundo não pode haver couza permanente, antes tudo nelle hé variavel. O tempo assim como destróe o Marmore, e o Boronze, tambem muda os costumes. Isto se vio nos Mosteiros, os quais á proporção que crescerão em Riqueza, declinarão na virtude. Os Monges vendo-se ricos, abandonarão o trabalho, e so se [p. 30] empregarão em conservar a posse dos bens, que possu-ião; alguns fingirão doassoens, e falcificarão documentos, e por este motivo fizerão suspeitozos os pergaminhos dos seus Archivos.

59Com a mesma facilidade fingem Bullas Pontificias de privilégios e exempsoens concedidos á sua ordem. Tal hé a selebrada Bulla Sabbatina concedida pelo Papa João XXII á ordem do Carmo, cuja suppozição se mostra claramente. Estas fraudes obrigarão aos Erudictos, a tomarem todas as cautellas, para não serem illudidos; e os Monges da Benemerita Congregação de S. Mauro, nos facilitarão o caminho, com a sua estimavel obra, intitulada Arte de verefier Les dates. [p. 31 O criminozo dezejo de adquerir riquezas, lhes fes abrir francamente as portas do Céo aos Testadores, que os instituhirão Herdeiros, ainda que a sua vida tivese sido vergonhoza, porque todos terminavão santamente a carreira dos seus dias. O[s] Formularios das Doassoens e dos Testamentos xeyos de execrassoens, contra o[s] que embarasasem estas aquizissoens, forão inventados pelo clero tanto secular, como Regular, e postos em prática nos seculos da ignorancia.

60Se algum Principe obrigado da publica necessidade lhes tira os bens superfluos, irremecivelmente hé condemnado por elles, às penas eternas, e logo algum Santo em vizão, o vio estar penando. Do mesmo modo que Santo Eucherio Bispo de Orliens, vio penar a Carlos Martello Principe Francez.

61[p. 32] Na Chronica dos Conegos Regrantes se diz que El Rey Dom Affonso Henriques, e El Dom Sancho I appareserão armados a Dom ... Bispo de Coimbra, amiasando-o com a pena de morte, se não desistice da violencia, que fazia aos ditos conegos. Em quaze todas as Chronicas se encontrão similhantes historias destituidas de probabilidade, as quais, longe de serem honrozas as familias Religiozas, servem de argumento aos incredulos, para atacarem a authenticidade das verdadeiras.

62Ainda que a política pessa, que no tempo da Guerra se festeje a batalha perdida com Luminarias, e que se imprimão relasoens, que emcaresão a perda dos innimigos, e diminuão a propria, com o fim de animar ao povo, com tudo não se poderá assinar rezão que disculpe ao Historiador o faltar à verdade, quando [p. 33] escreve os sucessos de huma guerra passada.

63Os sucessos infaustos de huma Guerra, não são indecorozos á nassão vencida, nem podem despojála do credito de valeroza. A sorte das armas, sempre variavel, depende de mil accidentes da fortuna, e a nassão que em hum Século teve a superioridade sobre as vizinhas, em outro se ve dominada por ellas. Roma no tempo Republicano, e Imperial de Augusto, e dos primeiros Cezares, deu Leys ao Mundo, e no V século as recebeu das nassoens barbaras do Norte, que sobre as Ruinas do Imperio fundarão novas Monarchias.

64Se a Historia for escripta com odio, ou com affeição, naturalmente hade ser sugeita a falcidades; por este motivo dizia Famiano Strada, que o Historiador para ser Imparcial, não devia ter religião alguma, nem devia pertenser a algum paiz, a alguma profição, ou a algum partido; porem isto he querer, que elle não seja homem. A história, seja antigua, ou [p. 34] moderna, contem factos fabulozos; ou emcarecidos; porem nem por isso se lhe deve negar todo o credito, e só deve ser lida com critério, para ivitar os dois defeitos do Pirronismo, e da Credulidade.

65Negar tudo, o que não se viu, hé Perronismo indigno de homem censato; acreditar tudo, o que está escripto, hé credulidade pueril. O meyo de asertar, hé ler a Historia com judiciozo critério. Hum facto attestado, por todos os Autores Coévos deve ser acreditado por verdadeiro, por não ser crivel, que todos os homens concordem, em sustentar a mentira; pelo contrario, hum facto antiguo, referido por autor moderno, sem allegar Documento do Século, em que elle sussedeu deve ser reputado como fabulozo.

66Não obstantes as grandes qualidades, de que deve ser revestido o Historiador, e eu conheser que ellas ma faltão, não duvido escrever estas Memorias, para cuja compozição li os documentos do Archivo do Senado de Estremoz, os da [p. 35] caza da Mizericordia, e conventos da villa, li as Historias Nacionais, e bastantes estranhas, as chronicas das Religioens, e de todas ellas approveitei, o que julguei que era util, imitanto a industrioza Abelha, que de innumeravel multidão de flores, que vizita, tira o preciozo Mel, que com abundancia, depozita nos seus favos.

67Determino ser imparcial na compozição desta obra; porque os obzequios não fizerão divorcio com a verdade. Nestas Memorias, heide escrever factos certos, provaveis, e duvidozos, pondo cada hum delles na sua clase. Dividirei a obra em duas partes, na primeira, darei noticia da fundação da villa de Estremoz, da sua fertilidade, excellencias, e de tudo, o que pertence á sua historia Eclesiastica, e civil, e na segunda parte darei noticia, dos varoens illustres em Santidade, Letras, e armas, que forão naturaes da villa. Não duvido, que a obra contenha alguns erros, porem posso segurar, que nenhum delles [p. 36] hé voluntario, por tanto não terei por indecoroza, a emmenda, que lhes fizerem os judiciozos Censores.

[p. 37]

Parte I. Livro I. Cap. I. Breve Descripção de Alentejo

68Na ordem das Provincias do Reyno de Portugal, tem o quinto lugar a de Alentejo, ainda que ella pela sua extenção, fertilidade, e excellencias, seja huma das primeiras. Os Geographos principiando a descripção do Reyno pela Provincia de Entre o Douro e Minho (a primeira que se conquistou aos Mouros) poem em segundo lugar a de Traz dos Montes, no terceiro, a da Beira, no quarto a Extremadura, e no quinto, a de Alentejo.

69A Etymologia do seu nome, naceu da sua natural situação. Os antigu-os lhe chamavão a Comarca, ou Provincia de Entre Tejo, e Goadiana, por estar situada entre estes dois Rios. E o uso moderno lhe deu o nome de Alentejo, com respeito às Provincias Setentrionais do Reyno. Ella confina pela parte do Norte, com as Provincias de Extremadura Portugueza e Beira, pelo Oriente com a Extremadura Castilhana, pelo Sul com o Reyno do Algarve, e pelo Occidente com o Mar Atelantico.

70[p. 38] A Provincia de Alentejo pode ser conciderada fízica, ou civilmente; na primeira accepção, tem mayor extenção de terreno; porque comprehende todo o que se estende desde a foz do Tejo pela parte meridional do Rio ate Montalvão; e pela raya de Castella, até às serras do Algarve e dali ate ao Occeano, e pela costa ate ao Cabo de Espichel, em cuja demarcação se comprehende toda a Comarca de Setubal, com as villas de Salvaterra de Magos, Escaroupim, Ulme, Chamusca, Mugem, Ponte do Sor, e Monte Argil, que pertensem á Comarca de Santarem.

71Na divizão Civil, ou politica, comprehende somente as oito Comarcas de Beja, Ourique, Evora, Villaviçoza, Elvas, Portalegre, Crato, e Aviz. Com as villas de Olivença, Mourão, Moura, Serpa, e Noudar, que ficão alem do Rio Goadiana, tendo quarenta Legoas de longitud, e mais de vinte de Latitud. O terreno hé plano pela mayor parte; e não deixa de ter algumas Serras de bastante altura e extenção.

72As principaes Serras, são as de S. Mamede, [p. 39] S. Luiz, Marvão, Ossa, Portel, Pomares, Martinel, ou de Grandola. Os Rios que régão este dilatado terreno, alem do Tejo, e Goadiana, são bastantes, e todos elles exceptuando o Sádo, são tributarios ao Tejo, e Goadiana. O Sado nasce junto da Serra de Monchique, e perto da villa de Almodovar. Corre para o Norte ate ao Porto de Garcia Minino, e dahi caminha com a mesma direcção ate ao Lago de Santa Margarida, e portos de S. Bento, e Pocinho, emgrossado com as agoas de diferentes Ribeiras, muda o Giro para o Occidente, e passando por Alcacere do Sal, entra no Occeano formando o porto de Setubal.

73Este Rio he profundo, limpo, e navegavel com Hiates, e Caravellas ate ao porto de S. Bento, por espaço de treze legoas, e com moderada despeza, podia ter navegação mais extensa com Barcos, e Bateis. As suas Lizirias não são menos fructiferas, do que as do Tejo; ellas produzem grandes searas de Trigo, Sevada, Milho, e Arrós, e nas margens aonde chega a ágoa salgada tem Marinhas, nas quais se recolhem e fabricão tantos milhares de moyos de Sal, que [p. 40] depois de forneser o necessario á Provincia, exportão os Estrangeiros mais de cem Navios deste fructo, com conhecida utilidade do Reyno.

74Os mais Rios são os seguintes, Alcaraviça, Annaloura, Ardilla, Botova, Caya, Cayólla, Dejebe, Lasafése, Odivor, Sarrazola, Seda, Sever, Sor, Sorraya, Tera, Terges, Xevora, Xeverete, e Outros. As margens de todos elles estão cubertas de frondozos Alamos, Freixos, Xoupos, Fayas, e de outras Arvores, que as fazem alegres, e dileitozas. O seu terreno produz grande abundancia de Trigo, Sevada, Milho, e Feijão, e saborozos fructos nos Pomares, que estão nas mesmas margens, alem da grande quantidade de Linho regadio.

75Os que não tem conhecimento da Provincia de Alentejo, se persuadem, que ella he falta de ágoas perenes; porem hé errado o seu conseito; porquanto, ainda que ella não tenha tantas fontes, como as provincias do Minho, e Beira, com tudo, a falta destas não hé Geral, emcontrando-se algumas terras, em que as fontes são tão copiozas, que formão principio de Rios; na Serra de Marvão nassem sette Rios [p. 41] os quais são os seguintes: Sever, que nasce de tres olhos de ágoa distantes seis palmos, huns dos outros, e ajuntando-se todos elles, a pouca distancia da sua origem, formão hum só Rio, e depois de fertilizar sinco legoas de terreno, confunde as suas ágoas, com as do Tejo. Os mais Rios são: Consogra, Caya, Cayola, Xevora, Xeverete, que vão paguar tributo ao Rio Goadiana, e na Serra de Portalegre nasce a Ribeira de Niza.

76No termo de Estremoz, nascem tres Rios, que são: Annaloura, Tera, e Lusaféce; os primeiros dois por diferentes terrenos, se vão meter no Tejo, e o terceiro no Goadiana. São muitas as Copiozas fontes, que fazem moer Azenhas, e trabalhar diferentes Pizoens; e só no termo de Estremoz trabalhão cento e doze. Achão-se outras fontes memoraveis, nos termos de Borba, Villa Viçoza; Alandroal, Canno, Montemor o Novo, Vianna, Ágoa de Peixes, Grandola, e Villa Nova de Mil Fontes.

77O Tejo, que lhe serve de limete pela parte do Norte, admite navegação até Villa Velha, e Montalvão, ultimas povassoens do Reyno.

78[p. 42] O Rio Sorraya, emgrosado com as ágoas de diferentes Rios, se mete no Tejo, junto da Villa de Benavente. Este Rio hé navegavel até a villa de Coruche, por espaço de mais de quatro legoas, e se o publico manda-se desfazer os penedos do Sitio do Furadouro, o que se pode conseguir com moderada despeza, se extenderia a navegação até à villa de Mora, por espaso de onze legoas.

  • 18 Valleré foi Governador das Armas da Província do Alentejo, pelo menos em 1781 e 1782. Cf. T. FONSEC (...)

79O Laboriozo Tenente General, Guilherme Luiz Antonio de Valleré18, por Ordem Regia, dezenhou hum Cannal navegavel, desde a villa de Fronteira até á de Benavente, o qual tinha vinte, e sinco Legoas de extenção; dois annos gastou em medir o terreno, e achou por justo calculo, que o cannal devia ter cem Eclusas e que empregando-se a tropa neste trabalho, se poderia concluir com a despeza de quatro milhoens de cruzados. O dito General me mostrou a Planta, e creyo, que se o seu projecto se executasse, seria incalculavel a utilidade, que a Corte, e o Reyno havião tirar desta obra.

80O Rio Goadiana, que entrando em Alentejo entre Elvas, e Olivença, emcaminha a sua [p. 43] corrente para o Sul, se mete no Occeano, no Reyno do Algarve; he navegavel com Iyates até à villa de Mertola, por espaço de doze legoas, e a sua navegação se não extende mais longe, por cauza de huma grande Catadupa chamada o Salto do Lobo. Se a este Rio, se forma-se hum Novo Alveo, principiado meya legoa assima da Catadupa, formando hum quarto de sirculo, que terminase por baixo da Catadupa, o Rio ficaria navegavel até à extremidade do Reyno.

81O Rio Sádo, he propriamente o Rio da provincia de Alentejo, porque nasce junto da serra de Monchique, perto da villa de Almodovar, e correndo ate ao porto, chamado, de Garcia Minino, forma hum lago, de huma legoa de extenção, e mais abaixo forma, outro lago, chamado de Santa Margarida, o qual tem duas legoas de Comprimento, e engrosando as suas ágoas com as de muitos Ribeiros, banha os muros da villa de Alcacere, e se sepulta no occeano formando o bello Porto da villa de Setubal.

82Este Rio Sádo, he fundo, e limpo de [p. 44] pedras, e por este motivo admitese navegação de Iyates, e caravellas por espaço de treze Legoas, contadas desde Setubal, ate ao porto de S. Bento, e com cuidado, e alguma despeza, se podia fazer navegavel por mais algumas legoas, com conhecida utilidade publica.

Da Fertilidade da Provincia. Cap. II

83Não há Provincia do Reyno, aonde a Providencia se mostrase mais liberal, do que na de Alentejo, por quanto, alem dos fructos da primeira necessidade, lhe deu os necessarios, para o Commercio, e para o Regalo. O Trigo, tanto o Anafil como o Gallego, ou Tremez, hé mais substancial do que aquelle que produzem as Lizirias do Rio Tejo. Colhe grande copia de sevada, senteyo, Milho miudo; de Legumes de crescido grão, e dilicado gosto.

84Se o terreno da Provincia fosse cultivado, como hé o das outras Provincias do Reyno, bastaria elle para sustentar a Corte; porem a [p. 45] cultura hé tão diminuta, por falta de brasos, que apenas a Quinta ou Sexta parte da Provincia, está reduzida a cultura, e ainda esta parte cultivada se semeya de tres, em tres annos.

85He fertilissima em Azeite; elle hé saborozissimo, e nenhum do Reyno, o excede em bondade. O de Cabeço de Vide, Fronteira, Souzel, Canno, Estremoz, Borba, Villa Viçoza, Elvas, Olivença, e Moura hé reputado por excelente, e rara hé a povoação de Alentejo, que não recolha Azeite para o seu gasto, e ainda para o Commercio. A[s] uvas são saborozissimas; e se o vinho fosse cozido em vazilhas de madeira, não haveria algum no Reyno, que o excedese em bondade; a sua abundancia hé extra-ordinária, particularmente em Estremoz, Borba, Evora, e Vidigueira. Os de Alegrete, Olivença Lavre, Evora, e Vidigueira, são reputados por melhores.

86Não há parte do Reyno a onde as Hortaliças sejão mais crecidas, e saborozas. As couves Murcianas de dilicado Gosto, chegão a pezar vinte arrates; e os Repolhos dezaseis arrates, os Nabos chegão a este pezo. As Sinouras, [p. 46] Rabanos, Batarrabas são muito grossos, e tenros, particularmente em Estremoz, e em Vianna, e de todas as mais espéses de Hortaliça colhe grande abundancia.

87Colhe fructas saborozas, tanto de Pivide como de Carouso. Laranjas; Limas, Limoens; Pecegos, Damascos, Alperches, Peras, Masãas, Romãas, Marmellos; e Gamboas. As Ginjas Garrafais, e Sereijas de Estremoz, e Borba, a nenhumas do Reyno reconhesem ventajem. De Castanha colhe tanta abundancia em Portalegre, Marvão, e Niza, [à margem, com letra diferente: Na produção da Castanha onde se lê Niza, deve ler-se Castello de Vide, e Alegrete] que exportando-se para as terras da Provincia, se vende nellas por hum preso racionavel. As Melancias do Sádo, e de Coruche, são muito grandes, e gostozas. Os Meloens são innumeraveis; e entre elles tem o primeiro lugar os do Vimieiro, e Arrayolos.

88A abundancia de Mel, e Sera hé excessiva, em toda a Provincia, particularmente nas villas do Redondo, Portel, Serpa, e em todo o Campo de Ourique. Hé raro o Lavrador de Alentejo, que não recolha Mel para o Gasto da sua familia, e ainda para vender; a cauza desta abundancia e da bondade deste fructo, [p. 47] nasce do matto de Alecrim, e Rosmaninho, em que pastão as Abelhas.

89Os Rebanhos de Gado, tanto groso, como miudo são numerozos. Os Bois são menos corpulentos, do que os da Provincia do Minho; porem são mais rijos, e aturadores do trabalho. Destes se mátão annualmente muitos milhares nos Assouges da Provincia; e mayor número nos da Corte. As ovelhas passão de hum milhão de cabeças, e a sua creação, he proporcionada a este excessivo número. Os carneiros são muitos centos de milhares; elles se consomem na Provincia, e na Corte, e por contrabando passão muitos para Castella, aonde tem grande preço, e estimação.

90Este crescido numero de Ovelhas, e Carneiros produz annualmente mais de cento, e sincoenta mil arrobas de Lãa, branca, e preta; da primeira se fornece a que hé necessaria às fabricas de Portalegre, e da Covilhãa; a mais fina hé a de Elvas, Campo Mayor, Olivença, e Estremoz, e da que resta, se exportão sincoenta mil arrobas para Holanda. A Lãa preta hé mais usada no Campo de Ourique, [p. 48] e a mais fina, hé a de Serpa, e Moura. Ella se consome em Saragoças nas fábricas de Castello de Vide, Redondo, São Miguel de Machede, e Brinches, e outra se exporta para as Provincias do Reyno, aonde se fabricão os panos de vára, e os Brueis.

91A grande Sustancia dos pastos contribue muito, para a fineza das Lãas; o Campo de Ourique não só sustenta os seus numerozos Rebanhos de ovelhas, e Carneiros, mas tambem, os que da Serra da Estrela, passão da Provincia da Beira, para a de Alentejo, no mez de Outubro, e se custentão e conservão no Campo de Ourique até á Primavera, e com a nova criação se recolhem ao seu paiz, no qual não tem pasto algum por cauza da Néve.

92Não hé menor a abundancia de cabras, e chibarros, de cujo gado se faz grande consumo na Provincia, e se exporta para outras. Toda a Provincia esta xeya de dilatados bosques cheyos de Azinheiras, Sovereiras, e de Carvalhos, de cujo fructo se emgordão mais de cem mil Porcos, que se exportão della para a corte, Extremadura, e Provincia da Beira.

93[p. 49] He grande a criação de Áves domesticas, e innumeravel a quantidade da cassa volatil tanto do paiz, como de arribação. São muita[s] as Perdizes, Sizoens, Batardas, e Groous, Adens, Galinholas, Trambolas, Rolas, Pombos Torcazes, Tordos, Estorninhos, e outras de menor estimação. Abunda em cassa sylvestre tanto Groça, como miuda, tem Javaliz, Veados e Gamos nas serras de Serpa, e Barrancos, e outras mattas, e da miuda de Lebres, e coelhos innumeravel em toda a Provincia.

94A falta de Peixe hé cencivel, pela grande distancia dos portos do Mar, não obstante o muito peixe que se cria nos Rios. Nos de ágoas frias se crião Trutas, no Goadiana Escarpios, Tencas, Barbos, Bordalos, Bogas, e Eirozes, e em Mertola se pescão grandes Solhos e no Sado e Sorraya, Tainhas e Saveis. Todos os mais Rios tem Barbos, Bogas, Bordalos e Pardelhas.

95Tem grande número do Lobos particularmente nas vizinhanças de Castella. Crescida quantidade de Rapozas, Texugos, Papalvos, Ginetas, Touroens e outros Piratas, das [p. 50] criasoens domesticas, muitas Áves carniceiras, como são Bufos, Aguias Reais, Milhanos, e Falcoens de diferentes espeses, e todas ellas noscivas à cassa, e as criassoens domesticas.

Das Minas da Provincia. Cap. III

96A Providencia depois de haver dado à provincia de Alentejo a abundancia de fructos, com tanta liberalidade, não lhe negou as Minas de preciozos Metais, e outras uteis ao commercio. No Ribeiro de S. Braz, junto da villa de Evora Monte, se achão no tempo do Inverno, folhetas e grãos de ouro de vinte e quatro quilates, que os curiozos vendem aos ourives de Estremoz, do que eu sou testemunha ocular.

97Na villa de Grandola hé conhecida huma Mina de Cobre, e neste seculo se discobrio outra do mesmo metal na villa do Alandroal. Eu tive [p. 51] hum pedaço tirado desta Mina, o qual eu depozitei no Museo da univercidade de Coimbra no anno de 1790. De Azougue há huma, não Longe de Jurumenha, e se a política não pedisse que esta riqueza se ocultase, se poderião discobrir muitas mais.

98No Oiteiro chamado da Mina, que fica perto de Villa Viçoza, se descobrem finas pedras verdes, parecidas com as Esmeraldas, e dellas se servio o Duque de Bragança Dom Theodozio I para ornar a precioza Custódia, que mandou fazer, para o Sancto Lenho, a qual se conserva no Thezouro da Cappella Real de Villa Viçoza.

99Nenhuma Provincia tem tantos, e tão finos Marmores, como a de Alentejo; hums são brancos, outros azuis, e alguns variados, e com manchas verdes, e vermelhas. Os Marmores brancos se tirão em Estremoz, Borba, Villa Viçoza e Vianna; elles dão grandes comprimentos, e na alvura, igualão aos Alabastros da Italia. Os Romanos, quando dominarão a Lusitania, se servirão delles, para ornarem os seus edificios, e delles são os capiteis das columnas, [p. 52] do Templo de Dianna, que ainda hoje se vem no Assouge dos Clerigos da Cidade de Evora, que está defronte do Convento dos Loyos.

100Com estes Marmores, estão ornados os Templos do Escorial, Bellem, e os das Igrejas Cathedrais de Ev[o]ra, Elvas, Portalegre, Castello Branco, e outros muitos templos, e dos mesmos se tem lavrado primorozas Estátuas, como se estão vendo na Cappella mayor do Convento de S. Domingos de Lisboa, e na Quinta de Oeyras do Marquez de Pombal. O[s] Reys Catolicos Dom Carlos III e Dom Carlos IV fizerão conduzir bastantes, para os empregarem na obra do seu palacio de Madrid.

101A huma legoa de Benavilla na mesma estrada que vai para a Ponte do Sor, antes de cheguar ao Ribeiro do Cantarinho há huma canteira de Marmore branco finissimo, sendo digno de lamentar, que os moradores da vizinhança se não sirvão della senão [para] fazer cal branca com que dealbem as cazas, devendo este marmore ser empregado em obras publicas, ou em Estatuas, por ser de grãa finissima, e propria para estas obras.

102[p. 53] O Barro fino de Estremoz hé conhecido não só em Portugal, mas tambem na mayor parte da Europa, aonde os seus pucaros são estimados. Desta materia se fabricão vazos de diferentes fórmas, e feitios. O Barro hé naturalmente odorifico, e os Medicos lhe tem descobrido algumas virtudes. Do mesmo Barro se fabrica o Ladrilho, e Telha, que em grande quantidade se exporta para as terras circum vezinhas.

Do Comercio da Provincia. Cap. IV

103A materia de interesante Commercio da Provincia, conciste nos Gados, e fructos naturais do paiz, ou nos Industriais das suas fabricas. O Gado que exporta para fora da Provincia hé concideravel, mais de cem mil arrobas de Toucinho, e de carne saxinada, mais de dez mil arrobas de banha, e unto de porco, que se exporta para a Provincia do Minho. Milhares de Moyos de trigo, sevada, e senteyo, mais de doze mil arrobas de sera, que se [p. 54] exporta para a corte, alem da muita, que se consóme nesta Provincia.

104Da grande abundancia de Leite, se fabricão innumeraveis Queijos de Ovelha. Estes sendo frescais, excedem a todos os que se conhesem na Europa, e a todos levão ventagem os de Evora. A lãa que se conssome nas Fabricas do Reyno passa de cem mil arrobas, e exporta para Holanda sincoenta mil arrobas. Tem Fabricas de Panos finos em Portalegre, e dos Groseiros e Saragoças e[m] diferentes villas, huma de chapeos finos em Elvas, e dos Groseiros em Portalegre e outras povoasoens.

105As Fabricas de cortimenta são muitas, a sólla de Atanados se fabrica com perfeição em Montemor o Novo, Evora, Estremoz, Borba, Villa Viçoza, Olivença, Campo Mayor, e outras povoasoens, e se exporta muita para Hispanha, e nas mesmas se fabricão Marroquins de todas as cores. Em Estremoz há huma fabrica de Alcatifas e em Arrayolos se fabricão Tapetes, e já se vão tesendo muitas pessas de pano de linho ordinario.

106[p. 55] As Marinhas de Sal do Rio Sado, produzem tanta copia de sal, que ellas fornesem o necessario a toda a Provincia, e delle se carregão annualmente em Setubal mais de cem Navios, para as Nassoens do Norte. Em concluzão, se os Rios de Alentejo tivesem mais dilatada navegação, e as Estradas publicas, se indireitasem, o Commercio da provincia seria mais vantajozo, e as condusoens menos dispendiozas.

Da População da Provincia. Cap. V

107A população de Alentejo não hé proporcionada à extenção do paiz. No tempo dos Romanos era ella, a parte mais povoada da Lusitania. Ella continha muitas Cidades e Povoasoens, de que são claros indicios, as muitas Medalhas, que o tempo vai descobrindo, e os vestigios das antiguas Povoasoens, que a larga duração de tantos séculos não tem podido extinguir; porque a sua solidez, tem rezistido a voracidade e injurias [p. 56] dos tempos.

Nomes das Cidades de Alentejo do tempo dos Romanos, de que temos noticia

Nomes Modernos das ditas Cidades

Ameya

Portalegre

Arminio

Seda

Aricio Pretorio

Benavente

Aruci Nova

Moura

Calancia

Arrayolos

Castre Leucos

Alcaçovas

Catha Leucos

Crato

Eltori

Alter do Chão

Elvis

Elvas

Felicitas Julia

Evora

Meidobriga

Junto de Marvão

Julii Menia

Jurumenha

Mirtilis Julia

Mertola

Pax Julia

Beja

Septem aras

Arronches

Serpa

Serpa

Singa

Ferreira

Terena

Terena

........................

Canno

Salacia Imperatoria

Alcacere do Sal

108[p. 57] Nenhuma couza mundana pode ter constante e perpetua duração, antes todas ellas são destruidas, e inteiramente aniquiladas pelo tempo cuja voracidade consome tanto os sumptuozos palacios, como as humildes choupanas. As Monarchias sabiamente estabelecidas decahirão do seu explendor, e grandeza, e por fim se aniquilarão. Os Imperios dos Médos, Persas, Gregos, e Romanos passarão como hum sonho. As Monarchias dos Lombardos, dos Godos, e Aegiptios exprimentarão a mesma fortuna.

109A sorte das grandes cidades, não foi mais feliz; porque os Terramotos, os Incendios, as Guerras, e outros infortunios, as destruhirão: abaterão-se as suas altas torres, cahirão os elevados muros, os sumptuozos Palacios, perdeo-se a antigua formosura, e toda a magnificencia dezapareseu, e de toda a sua magestade so resta a espantoza vista das suas ruinas. Da Soberba Babilonia, apenas se conserva a memória, e hé duvidozo o lugar da sua verdadeira situação. De Cartago só restão os vestigios, e de mil outras cidades, se pode dizer o mesmo.

110[p. 58] As famozas Cidades da Grecia, humas pereserão totalmente e outras estão reduzidas a pequenas e mizeraveis Povoasoens e os seus diliciozos campos e dezagradaveis bosques. Jerusalem perderia sua grandeza e formozura, e talvez já não existice se a devoção dos peregrinos christãos, não os obrigaze a vizitar os Santos Lugares. Roma Capital do mayor Imperio do Mundo e hoje do Mundo Christão, ainda que na população, e sumptuozidade dos edificios excedese a todas as cidades do universo, decahio de sua grandeza, e a que actualmente conserva, a deve à assistencia do Primaz e chefe do Christianismo.

111As Cidades da Hispanha exprimentarão a mesma sorte. Braga Convento Juridico no tempo dos Romanos, a qual recorrião com suas cauzas vinte e quatro cidades, e depois Corte dos Reys Suevos, não conserva algum edificio daquelles tempos, e ate mudou de situação. Evora tão selebre nos tempos de Veriato, e Sertorio, he hoje, huma cidade de mediana grandeza, e das obras Romanas só existem as columnas [p. 59] do Templo da Deuza Diana. Em concluzão, em toda a Hispanha não existe mais obra Romana sem ruina, mais do que as famozas Pontes do Tejo, junto da villa de Alcantara, fabricada no Imperio de Trajano, pelos Póvos da Lusitania, e a do Tamega em Chaves, fabricada no tempo do Imperador Vespaciano.

112As Barbaras nassoens do Norte não cabendo no paiz em que havião nacido, innundarão o occidente. Ellas venserão as Legioens Romanas, saquiarão, e dominarão as melhores Provincias do Imperio, e não se dando por satisfeitas, invadirão a Hispanha, e della expulsarão os Romanos Imperando Honorio, e nella fundarão diferentes Monarchias.

  • 19 Lapso do autor. A batalha de Guadalete foi em 711.

113Os Suevos se estabeleserão no Minho, e Galliza, os Alanos na Beira, e Extremadura, e pelo cazamento de Cindasunda filha de Ataces Rey dos Alanos, com Ermenerico Rey dos Suevos, se unio a sua Coroa à dos Suevos, e se conservou cento e setenta annos, ate que Liovigildo destruhio aos Suevos, e unio os Estados destes à Monarchia Gotica, e esta subsistio ate ao anno de 71419, em que Dom Rodrigo, [p. 60] ultimo Rey dos Godos foi vencido pelos Mouros na batalha do Guadalete.

114Dom Pelagio Rey de Leão deu principio à restauração de Hispanha no anno de 719. O Conde Dom Henrique adiantou muito as conquistas em Portugal, de que era soberano; os seus sucessores continuarão a Guerra, e seu terceiro neto El Rey, Dom Afonso III expulsou aos Mouros do Reyno do Algarve no anno de 1270. Elle fundou algumas villas em Alentejo, exemplo que seguio seu filho El Rey Dom Diniz e sendo esta provincia a penultima, que se conquistou aos Mouros, necessariamente havia ser a menos povoada.

115Tem Alentejo actualmente quatro cidades, cento e seis villas, e entre estas sinco notaveis, que em Outro Reyno serião cidades. Com tudo só numéra trezentas sincoenta e seis Parrochias, e quatro centas mil almas, número diminuto, para tão dilatado paiz. As Aldeyas, que em outras Provincias são numerozas, só nesta Provincia são raras, e esta hé a principal cauza da sua diminuta população.

116[p. 61] Alentejo tem servido de theatro da Guerra às duas nassoens Castilhana, e Portugueza, a numeroza tropa que entretem no tempo da paz, sendo reclutada na Provincia à mais de século e meyo; as Grandes Herdades, e outros impedimentos politicos, que eu ja pondeirei largamente (*), tem embarasado a população, que devia ter hum paiz tão dilatado e fertil.

Do Estado Ecclesiastico da Provincia. Cap. VI

1171. A verdadeira Época do estabelicimento do Christianismo na provincia de Alentejo, hé tão incerta, como o nome do Apostolo, que nella annunciou o Evangelio. A Igreja de Evora, pertende ter

---

(*) Racional Discurso sobre a Agricultura, e População da provincia de Alentejo, imprésso no Tomo I. das Memorias Economicas da Academia Real das Sciencias de Lisboa do anno de 1789 de folhas 41 ate folhas 122.

118[p. 62] a Gloria, de que S. Mancio hum dos setenta e dois Discipulos de Christo, fosse o annunciador do Evangelio em Alentejo, e o I Bispo de Evora; porem tudo o que se diz da vida deste Santo, da sua prègação, e morte hé fundado na autoridade do Breviario Eborense, composto no XVI Século por ordem do Cardeal Dom Henrique, Arcebispo desta Cidade.

1192. Esta Compozição foi emcarregada ao Mestre Andre de Rezende, natural de Evora, o qual, ainda que fosse muito erudicto, como não tinha documentos, adoptou as tradissoens populares, e escreveu no dito Breviario, o que era mais honorifico à Igreja Eborense, e não, o que éra mais certo. Os Padres Bolandistas, na Erudicta obra das Actas dos Santos, duvidão, que S. Mancio florecese no I seculo; e que elle fosse Bispo de Evora, e negão a authenticidade ao Breviario Eborense.

1203. Rara hé a Diocese antigua, que não pertenda attribuir a fundação da sua Igreja a algum dos Apostolos, ou aos seus [p. 63] immediatos discipulos. A Igreja de Braga quer que Santiago Mayor deixase nella por seu primeiro Bispo a S. Pedro de Rattes, para segurar a sua pertendida Primazia, e outras Igrejas de Hispanha, pertendem ter o mesmo principio, porem todas ellas se vallem da autoridade dos falsos Chronicoens, e dos seus ociozos comentadores; assim não hé para admirar que a Igreja de Evora pertendese ter similhante antiguidade.

  • 20 A conquista teve lugar neste ano ou ainda em finais de 1665. Cf. Maria Ângela Rocha BEIRANTE, Évora (...)

1214. No tempo dos Godos, teve Evora Cadeira Episcopal suffraganea de Mérida; os seus Bispos subscreverão em diferentes concilios de Hispanha, porem a série delles hé incerta, e esta totalmente se interrompeo depois que os Mahometanos se senhoriarão da cidade; porem conquistada ella por Giraldo sem pavor no anno de 116620, lhe restituhio El Rey Dom Affonso Henriques a Cadeira Episcopal, nomeando para Bispo della a Dom Soeiro, ao qual se seguirão trinta e sinco Bispos, até ao Cardeal Dom Affonso, filho de El Rey Dom Manoel.

122[p. 64] 5. A Igreja de Evora, foi elevada à dignidade Metropolitica pelo Papa Paulo III à instancia de El Rey Dom João III no anno de 1540, assignando lhe por suffraganeo o Bispado do Algarve, e depois lhe ficarão no tempo futuro, sugeitos os de Elvas e Beja. O seu primeiro Arcebispo foi o Cardeal Dom Henrique, depois Rey, e se lhe seguirão treze Arcebispos, até Dom Joachim Xavier Botelho de Lima, antes Principal da Igreja Patriarchal, eleito em 13 de Dezembro de 1783, o qual no governo do seu rebanho, tem mostrado o Apostolico zello, e grande prudencia de que hé dotado.

1236. A Diocese de Evora álem da dita cidade, comprehende as villas seguintes: Aguiar, Aguias, Alcacere do Sal, Alcaçovas, Arrayolos, Aviz, Benavilla, Benavente, Borba, Cabeção, Cannal, Canha, Canno, Coruche, Estremoz, Evora Monte, Figueira, Fronteira, Galveas, Grandola, Lavre, Monsaraz, Montemor o Novo, Montouto, Mora, Mourão, Pavia, Portel, Redondo, Seda, Terena, Vianna, Villa Viçoza, e [p. 65] Vimieiro, e em toda ella se contão cento e quarenta e duas Parrochias com ... $ Fogos; e ... $ ... pessoas de confição.

1247. O Cabido de Evora se compoem de oito dignidades, que são, Deão, Chantre, Mestre Escola, Thezoureiro Mor, e quatro Arcediagos, de doze conegos Prebendados, quatro meyos prebendados, quatro quartanarios, vinte e sinco curas, dos quais quinze são Baxareis Binificiados e toda a sua massa rende 132$ cruzados, e a Meza Archiepiscopal rende para o Arcebispo 71$ cruzados.

1258. O Bispado de Portalegre, suffraganeo do Patriarchado de Lisboa, foi creado pelo Papa Julio III por Bulla de 22 de Abril de 1550, á instancia de El Rey Dom João III assignando lhe as terras, que na provincia, pertencião ao Bispado da Goarda, e as mais se desmembrarão do Arcebispado de Evora. São as terras alem da cidade capital, as seguintes: Alegrete, Alpalhão, Arronches, [p. 66] Arez, Assumar, Chancelaria; Castello de Vide, Logomel, Margem, Marvão, Montalvão, Niza, Ponte de Sor, Povoa e Villa Flor, nas quaes se contão quarenta e duas Parrochias com ... $ Fogos, e ... $ pessoas de confissão.

1269. O seu primeiro Bispo foi Dom Julião de Alva, ao qual se seguirão vinte Prelados, até Dom Manoel Tavares Coutinho da Silva Lente de Canones na univercidade de Coimbra, eleito em 20 de Julho de 1778, cujo nome será eterno nos annaes da sua Igreja; pelas grandiozas obras, que nella mandou fazer, sem faltar ao socorro dos pobres, devendo-se tudo à sua louvavel parcimonia.

12710. Consta o Cabido de Portalegre de sinco Dignidades, que são: Deão, Chantre, Arcediago, Mestre Escola, e Thezoureiro Mor, sete conegos, seis meyos conegos, e quatorze cappellaens, e outros ministros, chegando a massa capitular a 15$. Cruzados, e a Episcopal a 11$. Cruzados, deduzida a terça da Patriarchal.

128[p. 67] 11. O Bispado de Elvas, suffraganeo da Igreja de Evora, foi erecto pelo Papa S. Pio V por huma Bulla, datada em 9 de Julho de 1570, à instancia de El Rey Dom Sebastião, assignando lhe alem da cidade capital as seguintes villas: Alter do Chão, Alter Pedrozo, Alandroal, Barbacena, Cabeço de Vide, Campo Mayor, Jurumenha, Fronteira, Monforte, Olivença, Seda, Veiros, Villa Boim, Villa Fernando, e Ouguella.

12912. O primeiro Bispo de Elvas foi o veneravel Dom Antonio Mendes de Carvalho Doutor Theologo Pariziense, digno sucessor dos Apostolos, ao qual se seguirão vinte e hum Prelados, até Dom Jozeph da Costa Torres, transferido do Bispado do Funchal em 2 de Junho de 1796, e que antes havia sido Lente de Canones na univercidade de Coimbra, que fará a felicidade do seu venturozo Rebanho.

13013. Consta o Cabido da Sé de Elvas de sinco Dignidades, que são: Deão, Chantre, Arcediago, Mestre Escola, Thezoureiro Mor, e de dez Conegos, dois meyos cónegos, [p. 68] quatro Quartanarios, doze Binificiados, cappellaens, e outros Ministros. A massa capitular chega a 25$. Cruzados, e a Meza Episcopal a 15$. Cruzados livres para o prelado. Toda a Diocese tem sincoenta Parrochias, e nellas ... $. Fogos, e ... $. Pessoas de confissão.

13114. Segue-se o quarto e ultimo Bispado, que hé o de Beja. Esta cidade no tempo dos Godos teve Cadeira Episcopal, suffragania de Mérida, e são conhecidos alguns dos Bispos, que nelle Governarão, como forão: Domiciano pelos annos de 347, Aprigio desde o anno de 529, ate ao de 540, Palmacio, e Lauro, e outros, que subscreverão nos Concilios de Hispanha ate ao anno de 693, com o titulo de Bispos Pacenses, e a sua cadeira foi mudada para Badajoz.

  • 21 Bula Agrum universalis. Cf. Jacques MARCADÉ, Frei Manuel do Cenáculo Villas Boas, évêque de Beja, a (...)
  • 22 Sobre a relação do autor com D. Frei Manuel do Cenáculo veja-se, na Primeira parte, Cap. 3, p. 44.

13215. O Papa Clemente XIV eregio de novo este Bispado à instancia de El Rey Dom Jozeph I, por huma Bulla, datada em [10] de [Junho] de 177[0]21 nomeando para seu primeiro Bispo, a Dom Fr. Manoel do Senaculo Villas Boas Religiozo da [p. 69] Terseira Ordem de S. Francisco, Doutor Theologo, e Mestre do Saudozo Principe do Brazil Dom Jozeph. Este completo Prelado he superior a todo o elogio22. Sua renda Episcopal chega a 26$ cruzados, que liberalmente distribue pelos Pobres e para socego seu, não tem Cabido.

13316. A sua Diocese se compoem da Cidade Episcopal, e das seguintes villas: Ágoa de Peixes, Albergaria dos Fuzos, Aljustrel, Almodovar, Alvalade, Alvito, Beringel, Castro Verde, Cóllos, Cuba, Entradas, Farinho, Ferreira, Ficalho, Gravão, Mecejana, Mertola, Moura, Odemira, Oriola, Ourique, Padroens, Pannoyas, Santiago de Cacem, Serpa, Sines, Torrão, Vidigueira, Villalva, Villa de Frades, Villa Nova da Baronia, Villa Nova de Mil Fontes, e Villa Ruiva e Cazével, nas quaes se contão cento e vinte e huma Parrochias, ... $ fogos, e ... $ pessoas de confissão.

13417. Tem Evora hum Tribunal da Inquizição, que hé o segundo do Reyno, in[s]tituido no anno de 1563 pelo Cardeal [p. 70] Dom Henrique sendo Inquizidor Geral. O mesmo Cardeal fundou em Evora huma univercidade com cadeiras de Theologia, Flisophia [sic] e Latinidades no anno de 1559, emcarregando a sua regencia aos Jezuitas, que nella insinarão por espaso de d[o]is séculos, ate ao anno de 1759 e nella davão os gráos de Doutor, e Baxarel, nas duas faculdades de Theologia, e Filosophia. Esta univercidade de extinguhio, pelo exterminio dos Jezuitas, no anno de 1760.

13518. O Clero Secular de Alentejo não he rico, quaze todos os Binificios são de tenue rendimento, porque as Igrejas Cathedrais, os seus Cabidos e os Commendadores cóbrão os Dizimos. Em toda Provincia não há Abbadia alguma, e são raros os Priorados, a quem pertensão os Dizimos, e nenhum delles passa de render 3$ cruzados. Os Priorados pertensentes às ordens Militares recebem das Commendas huma moderada congrua, e os Parrochos do campo são sustentados pelos seus freguezes. As mayores Collegiadas, são as de Coruche, Villa Viçoza, e Beja e de [p. 71] todas darei noticia no seguinte Mappa:

[p. 72]

Estado Monachalda Provincia. Cap. VII

1361. Ainda que a Provincia de Alentejo fosse occupada pelos Mouros ate ao XIII século, com tudo logo que ella se livrou deste pezado jugo, principiarão os Religiozos a estabelecer-se nella, e particularmente as Ordens Mendicantes, os quais tem nella grandes cazas. Nesta provincia teve principio a reformada familia dos Capuchos da Piedade, Mãy de todas as do Reyno, e nelle tiverão igualmente principio, a congregação dos Eremitas de S. Paulo da Serra de Ossa, e a Religião Hospitalaria de S. João de Deos neste Reyno.

1372. Na mesma provincia tem seu assento as Ordens Militares de Malta, Aviz, e Palmella, às quaes os Reys deste Reyno fizerão avultadas doassoens, para lhes remunerarem os grandes serviços, que os seus cavalleiros lhes fizerão nas guerras [p. 73] contra os Mouros aos quais ganharão muitos castellos, e de todas ellas darei huma breve noticia.

1383. A Ordem Hospitalaria de S. João de Malta teve seu principio na cidade de Jeruzalem no anno de 1099, em que a dita cidade foi ganhada aos Mouros por Gotofredo Duque de Bulhão. O seu Instituidor foi o B. Gerardo, Provençal naciso na Ilha de Martigues. Esta ordem na sua primeira instituição tinha por objecto o serviço dos Emfermos do Hospital dos Perigrinos, e a necessi[da]de de se defenderem dos ataques dos Infieis, os fes Militares, sem comtudo deixarem o serviço de Hospitalarios.

1394. A Ordem se conservou na Palestina ate ao anno de 1311, no qual depoes da perda da cidade de Ptolomaida, ou de Acre, passarão para a cidade de Limisol na Ilha de Chipre, e no anno de 1322 em que o Grão Mestre Folquo de Villareto Ganhou a Ilha de Rhodes, e nella se conservou a ordem duzentos annos; porem ganhada [p. 74] a cidade, e Ilha de Rhodes no anno de 1522 por Amurates II Imperador dos Turcos, passou a Ordem para Messina, e dahi para a cidade de Viterbo, ate que o Imperador Carlos V lhe fes doação das Ilhas de Malta, e Gozo, e para ella passou no anno de 1630.

1405. Os Cavalleiros desta ordem, se chamarão em primeiro lugar Hospitalarios de Jerusalem, depois Cavalleiros de Rhodes, e depois da ultima mudança Cavalleiros de Malta. Esta Illustre ordem havendo se empregado em fazer a guerra aos Piratas de Berbaria, mereseu a mayor estimação dos Principes Catolicos, os quais lhe fizerão avultadas doaçoens, e concederão grandes privilegios, e El Rey Dom Affonso Henriques admitio esta ordem no seu Reyno, na qual hé Senhora Donataria de vinte e huma villas, e possoe mais de trinta rendozas commendas.

1416. A villa do Crato hé cabeça desta ordem em Portugal, com o titulo de Grão Priorado do Crato, que rende 50$ cruzados, e [p. 75] emprego de tanta concideração, que os Priores se cobrião diante dos Reys, e se sentavão com os Condes, cujos privilegios tinhão. Elles apprezentão as Alcaidarias Mores, das villas de que são Donatarios, e apprezentão os officios da Justiça, e tem o Padroado de todos os Binificios do seu Priorado. Exercitão nelle a Jurisdição Temporal, e Espiritual.

1427. Este Priorado he Nullius Diocesis, e para o Governo Espiritual nomeya hum Provizor, que hoje hé Dom Manoel Joachim da Silva Arcebispo Titular de Adrianopolis, eleito em 4 de Novembro de 1792. El Rey Dom João III apprezentou este Priorado em seu Irmão o Infante Dom Luiz, e depois delle o possuirão muitos Principes ate ao Serenissimo Principe Dom João Nosso Senhor, e hoje está unido à Caza do Infantado. As villas de Alentejo pertensentes ao Priorado do Crato, são: Amieira, Crato, Gáfete, Gavião e Toloza, com onze freguezias 2$. Fogos, e mais de 8$. pessoas de Confissão.

143[p. 76] 8. A ordem Militar de S. Bento de Aviz, a mais antigua do Reyno, deve a sua instituição a El Rey Dom Affonso Henriques, e foi confirmada pelo Papa Alexandre III pelo seu Delegado Theobaldo Bispo de Ostia, que subdelegou os seus poderes em Fr. João Cerita Abbade de S. João de Tarouca no anno de 1162. Os Cavalleiros da ordem se havião já achado com o dito Rey na batalha de Campo de Ourique no anno de 1139, e na tomada da cidade de Lisboa, no anno de 1147.

1449. O primeiro assento da ordem, foi na cidade de Coimbra, que então era a corte do dito Rey. Ganhada Evora no anno de 1166 por Geraldo, Sem pavor, mudou El Rey a sua nova Ordem para a cidade de Evora, e nella habitarão os cavalleiros no Bairro da Freiria, que delles tomou o nome, e ainda ali se conserva huma Ermida da invocação de S. Miguel da Freiria, que pertense a huma rendoza commenda, e em quanto a Ordem se conservou naquella cidade, se chamava a Cavallaria de Evora.

145[p. 77] 10. Pedindo o interese do Reyno, que os cavalleiros das ordens Militares assistisem na vizinhança das terras dos Mouros, para lhes embarasarem as suas entradas no nosso paiz, determinou El Rey Dom Affonso II mudar a Ordem de Evora, e para isto fes huma doação ao Mestre Dom Fernando Annes e aos seus cavalleiros no dia 30 de Junho de 1211, com a condição de fundar hum Castello no lugar de Aviz, a cuja obra elle deu principio, e a continuou o seu sucessor Dom Fernando Rodrigues Monteiro, e concluida ella, escolheu a dita villa para assento da ordem, e a mudou para ella no anno de 1222.

14611. Os Mestres da Ordem Militar de Aviz, como Donatarios da Coroa erão senhores das villas do Alandroal, Alcanede, Alpediz, Alter Pedrozo, Aviz, Benavente, Benavilla, Cabeção, Cabeço de Vide, Canno, Coruche, Figueira, Fronteira, Galveas, Jurumenha, Mora, Noudar, Seda, e Veiros e apprezentavão os Alcaides Mores, e officios da Justiça, e ... Priorados, e ... Binificios Curados, que os [p. 78] apprezentados possuem com o habito da mesma Ordem, e pelas commendas recebem a congrua dos seus Binificios.

14712. Tem esta ordem quarenta e oito commendas, a mayor parte dellas de grande rendimento, e tres dellas com o olival da Ordem forão anexadas ao Convento dos Freires, que são as de Aviz, Ervedal e Villa Viçoza. Neste Convento habitão vinte e sete Freires, dos quais onze são de Ressão inteira, e dezaseis de meya Resão, e são governados por hum Prior Mor, que tem duas ressoens inteiras, e o rendimento de dois Binificios da Collegiada de São João Baptista de Coruche, da qual elle hé Prior, usa de Mitra, e Bago, e tem jurisdição quaze Episcopal na villa de Noudar.

14813. O primeiro Mestre desta Ordem, foi Dom Pedro Affonso Irmão de El Rey Dom Affonso Henriques, ao qual se seguirão vinte e seis Mestres, ate ao Senhor Dom Jorge filho de El Rey Dom João II e por morte deste se unio este Mestrado [p. 79] à Coroa do Reyno, por Bulla do Papa Julio III no anno de 1551, e depois desta união ficarão os Reys de Portugal sendo Governadores e, e perpetuos Administradores desta ordem.

14914. A Ordem de Santiago da Espada, teve o seu principio no Reino de Castella, do qual passou para Portugal no Tempo de El Rey Dom Affonso Henriquers ao qual os cavalleiros fizerão grandes serviços, pelos quaes o dito Rey e os seus sucessores lhes fizerão grandes merces. A ordem fixou o seu assento na villa de Palmella. Os seus cavalleiros erão subordinados aos Mestres de Castella, de cuja obediencia os tirou o Papa Nicolao IV no anno de 1290, à instancia de El Rey Dom Diniz e foi nomiado para Mestre da ordem em Portugal Dom João Fernandes.

15015. Esta ordem tem o Senhorio das villas de Alcacere do Sal, Aldeya Gallega, Alcochete, Alhos Vedros, Barreiro, Cabrela, Canha, Ferreira, Grandola, Mouta, Palmella, Samora Correa, Setubal, Santiago de Cacem, [p. 80] Sezimbra, e Torrão, cujas Alcaidarias Mores nomeavão os Mestres, e aprezentavão os officios de justiça, e tinhão o Padroado de ... Priorados, e de ... Binificios curados. O Patrimonio desta ordem se compoem de sesenta commendas, cuja renda passa de 200$ cruzados.

15116. Em Palmela tem a Ordem hum convento de Freires governado por hum Dom Prior, que usa de Mitra e Bago, e tem jurisdição Quaze-Episcopal, e actualmente o hé Dom Jozeph de Mello filho do Duque do Cadaval.

15217. Foi primeiro Mestre Portuguez Dom João Fernandes, elleito no anno de 1290, e se lhe seguirão ... ate ao Senhor Dom Jorge; que foi o ultimo, por cuja morte o Mestrado foi unido à Coroa no anno de 1551 pelo Papa Julio III, e de então ate [hoje] [p. 81] se tem conservado os Mestrados unidos à Coroa, e delles são os Reys os Governadores, e perpetuos administradores.

15318. A Ordem de Christo, a mais Rica do Reino e talves da Europa foi instituida por El Rey Dom Diniz, e confirmada pelo Papa João XXII por huma Bulla datada em Avinhão no dia 9 de Dezembro de 1319. O seu Instituidor lhe applicou os bens, e Commendas que em Portugal havião pertencido à extincta Ordem do Templo. No seculo seguinte cresceu o patrimonio da Ordem, pela appllicação que os Papas lhe fizerão dos Dizimos das conquistas.

15419. O Magnanimo Rey Dom Manoel enriquiseu a Ordem de Christo, com as commendas, que de novo lhe anexou. Todo o patrimonio da Ordem consiste em quatrocentas concoenta e quatro commendas, das quais são vinte e sette situadas na provincia de Alentejo, em cujo numero entrão.

155[p. 82] 20. No numero I deste capitulo dissemos, que os Religiozos Monachaes tinhão poucos conventos na provincia de Alentejo, e que a a mayor parte dos conventos della pertensem às Religioens Mendicantes. Os Monachais não são Ricos, se se exceptuar o dos Jeronimos do Espinheiro. Com tudo os Mendicantes recebem tão avultadas, e frequentes esmolas, que em nenhuma parte do Reino pássão com mayor fartura.

15621. Na provincia teve o seu principio a Familia Reformada dos Capuchos, intitulada a Provincia da Piedade, origem de todas as do Reyno. Ella se conserva na primitiva observancia. Os seus Religiozos não recebem honorario das missas que selebrão. Ninguem ignora, que a Congregação dos Eremitas de S. Paulo da Serra d’Ossa, teve o seu principio em Alentejo.

[p. 83 em branco]

[p. 84]

Governo Civil da Provincia de Alentejo. Cap. VIII

  • 23 O mais antigo registo acerca de um corregedor na comarca de “Antre Tejo e Odiana” data de 1364. Cf. (...)

1571. O antiguo Governo civil da provincia de Alentejo, era igual ao das mais provincias do Reyno, e era emcarregado a hum so Magistrado, conhecido com diferentes titulos, ainda que tivese a mesma jurisdição. No primeiro tempo se chamava Meirinho Mor, depois se chamou Corregedor, depois Adiantado. Os Meirinhos Mores governarão ate ao tempo de El Rey Dom Affonso IV, e deste ate ao de El Rey Dom Affonso V governarão os Corregedores23.

1582. Este Rey, que com conhecida pachão favoreseu aos Fidalgos, estinguio os Corregedores, e creou os empregos de Adiantados, para os quais empregos escolheu Fidalgos, que despachavão como corregedores; porem governarão com tanto dispotismo, que os Povos juntos nas cortes de Montemor o Novo, no anno de 1481, [p. 85] digo nas cortes de Evora, e El Rey Dom João II a quem as queixas forão derigidas, extinguio o emprego de Adiantado, e fes reviver o de Corregedor.

  • 24 Sobre os provedores e respectivas funções veja-se O.F., L.1, T.62. Para a provedoria de Évora, T. F (...)

1593. Extintos os Adiantados, nomeou El Rey Dom João II sinco corregedores para as Commarcas de Beja, Evora, Estremoz, Elvas, e Portalegre, em que o dito Rey dividio a Provincia. Obstavão aos novos Ministros, os Privilegios dos Donatarios, em cujas terras não podião entrar as justiças de El Rey, e não querendo o dito Rey abrrogar os Privilegios Creou sinco Provedores24 nas ditas commarcas, os quais como officiais da fazenda Real, pudesem entrar na[s] terras das suas respectivas Commarcas, ainda que pertencesem aos Donatarios. Estes Provedores erão Fidalgos, e o seu emprego vitalicio.

  • 25 As funções do ouvidor, magistrado no qual os donatários delegavam a jurisdição senhorial, consistia (...)

1604. No Reynado de El Rey Dom Sebastião, se crearão tres Ouvidorias25 a favor do Mestrado da Ordem de Aviz, e dos Duques de Bragança, e Priores do Crato, e esta foi a origem das Ouvidorias de Aviz, [p. 86] Villa Viçoza, e Crato e no mesmo tempo passarão as Provedorias a serem triennais, e a serem occupadas por Ministros de Letras. Hoje são sinco os Provedores, a saber, Beja, Ourique, Evora, que tem não só a sua comarca, mas tambem a de Estremoz, a quarta Provedoria hé a de Elvas, e a quinta a de Portalegre. Só a de Evora he do primeiro Banco, e as mais são ordinarias.

1615. O Governo particular dos póvos, era emcarregado a juizes leigos, escolhidos entre os Homens Bons, (titulo que se dava às pessoas principaes), os quaes julgavão as cauzas civeis e criminais, pelas Leis, Foraes, e Costumes. Durou esta forma de governo até ao tempo de El Rey Dom Manoel, que instituhio os Juizes de Fora, que nomeou para as Cidades e Villas principaes, e com o tempo se extendeu a mesma graça às villas mais pequenas.

1626. No prezente anno de 1797 são o[s] lugares de Juizes de Fora quarenta e dois, dos quais são de segunda instancia os seguintes: Moura, Ourique, Beja, Evora, Estremoz, [p. 87] Olivença, Campo Mayor, Elvas, Portalegre, Castello de Vide, e Crato. Nas terras em que não há Juiz de Fora, governão os Juizes ordinarios, eleitos por Pelouro; e o Governo Economico pertense aos Veriadores e Procurador do Concelho, sendo seu Prezidente, o Juiz de Fora, ou o ordinario. Os mais Ministros de vara branca são: o Juiz do Fisco, o Superintendente do Tabaco, o das Alfandegas, e os juizes dos orfãos das cidades de Evora, e Beja.

1637. A selebração das Cortes no nosso Reyno, hé tão antigua, como a mesma Monarchia. Nesta Asembleya se ajuntão o Clero, Nobreza, e o Povo, que reprezentão os tres Estados do Reyno; o Clero hé reprezentado pelos Arcebispos, e Bispos, a Nobreza pelos Grandes do Reyno, e o povo, que hé o terseiro Estado, pelos Procuradores das Cidades e Villas, que tem o direito de voto nas ditas Cortes. Os Reys convocavão as Cortes, para nellas se regularem os negocios mais graves, para ouvirem os votos dos tres Estados. As villas de Alentejo, que nellas tem voto, são as que constão do Mappa seguinte.

[p. 88 em branco]

164[p. 89] 8. Nenhuma Provincia tem mayores Donatarios, do que a de Alentejo; porque alem dos Mestrados de Santiago, e Aviz, e do Priorado do Crato, aos quais pertensem muitas villas, tem o Marquezado de Villa Viçoza, com doze villas, que pertensem ao Ducado de Bragança, o Ducado de Béja com as villas de Serpa, e Moura, pertensente a Caza do Infantado, o Marquezado de Arronches pertensente ao Duque de Alafoens; e à Cáza de Cadaval pertense o Senhorio de quatro villas.

1659. Os mais Donatarios, o Marquez de Fronteira Conde da Torre,. O Marquez de Alvito Conde de Oriola, o Marquez de Alegrete, o Marquez de Niza Conde da Vidigueira, o Condado de Assumar, pertensente ao Marquez de Alorna, o Condado de Palma, unido à Caza de Obidos, os Condados de Val de Reys, Villa Flor, Vimieiro, o viscondado de Brabacena, o Senhorio de Ouguella, pertensente ao Conde da Cunha, e os Senhorios das Al[ca]çovas na familia de Henriques, e o de Ficalho na familia de Mello.

166[p. 90] 10. Na provincia de Alentejo se emcontrão muitas torres, Cazas de Solar, e Familias Nobres, que nella tiverão a sua origem, ou domicilio por muitos seculos; tais são as seguintes: Aboins, Aguiares, Béjas, Cabedos, Çalemas, Camoens, Cascos; Cardins, Cogominhos, Cottas, Estaços; Gallianos; Gamas, Gançozos, Gu[e]rreiros, Juzartes, Lobos, Marmeleiros, Mascarenhas, Mizurados, Mouras, Oliveiras, Patalins, Pegas, Pegados, Pavias, Pestanas, Rezendes, Sequeiras, Silveiras; Vellezes; e Zagallos.

16711. Tem muitos Morgados Rendozos, que pertensem às cazas titulares da corte, o de Barbacena aos viscondes deste titulo, o da Camoeira, ao Marquez de Angeja, o do Esborrondadouro, ao Conde de Soure, o do Esporão e Pedra Alsada ao Marquez de Abrantes, o de Estepa e Galliena ao Marquez de Lavradio, o de Santo Estevão de Beja ao Conde dos Arcos, o de Mompalim [sic] ao Conde de Obidos, o do Maranhão ao Duque do Cadaval, o do Marmelar ao Conde de Val de Reys, o da Sempre Noiva ao Marquez de Valença, o de Palma [a]o Conde de [p. 91] Obidos, o das Vidigueiras ao Conde de Povolide, o de Oliveira aos Saldanhas.

16812. Na mesma Provincia se conservão muitos e Rendozos Morgados, que são administrados pelas familias nobres, que nella assistem. Emcontrão-se cazas que fazem seis, oito, e doze mil cruzados de Renda, particularmente em Beja, Evora, Montemor, Arrayolos, Estremoz, Villa Viçoza, Elvas, Fronteira, e Portalegre.

Governo Militar de Alentejo. Cap. IX

1691. A Provincia de Alentejo sendo a menos montuoza do Reyno tem sido escolhida para theatro da guerra pela[s] nassoens Castelhana e Portugueza, e antiguamente o foi na Guerra, que os Romanos fizerão contra Veriato, e Sertorio. Os nossos primeiros Reys, para a defenderem das invazoens dos innimigos, [p. 92] fundarão nella muitos e fortes castellos, os quaes antes da invenção da polvora, se reputavão como fortalezas defensaveis. Estes castellos erão defendidos pelos Alcaides Mores, (então Governadores) e pelos moradores do seu districto.

1702. Depois da invenção da Polvora e da Artilharia, se mudou a forma das fortificaçoens, e se regularão pelo modo do ataque; abandonarão-se as torres redondas e quadradas, e se puzerão em uso os Baluartes, e Revelins, que flanquiasem o terreno atacado. Depois da Aclamação de El Rey Dom João IV sussedida no anno de 1640, se principiarão a fortificar as praças de Alentejo, segundo o methodo moderno, e se tem emendado os defeitos da primeira fortificação.

1713. As praças de Armas da Provincia, ou são da primeira ou da segunda ordem. As da primeira são Elvas a principal, Castello de Vide, Campo Mayor, Olivença, Moura, e Estremoz; esta serve de Arcenal militar de toda a Provincia. As praças da segunda ordem são Montalvão, Marvão fortissima, [p. 93] Arronches, Ouguella, Mourão, e Serpa e Villa Viçoza, e sería conveniente, que a Provincia tivese prasas de Guerra, que formasem huma segunda linha.

  • 26 Cf. Ordenações Afonsinas, L. I, T. 69, p. 438-439.

1724. O Governo da provincia era emcarregado a hum official General, ao qual se dava o nome de Fronteiro Mor, sem mais tropa alistada, do que os Besteiros, segundo o Regulamento man[da]do fazer por El Rey Dom João I no anno de 1417, do qual consta, que em Alentejo havião [1]$[520]26 Besteiros, Governados por hum Anadel Mor, (corresponde ao posto de Coronel).

1735. O Regimento dado à gente da Ordenança, por El Rey Dom Sebastião, manda alistar todo o Reyno; todas as pessoas capazes de tomar armas devião servir, e mandou formar companhias, nomiando para cada humma dellas hum Capitão, e hum Alferes, e nas terras que havião duas ou mais [p. 94] companhias, prezedia a todas ellas hum Capitão Mor, que comandava a todos os officiais, e tinha hum Sargento Mor, e hum ou mais Ajudantes, e a todos concedeu grandes privillegios.

1746. Restituida a coroa de Portugal à Caza de Bragança, no anno de 1640, se armou o Reyno, para se oppor às armas castilhanas, que Logo invadirão as Fronteiras, para recuperarem o reyno, que se havia subtraido à sua obediencia, formarão-se tersos de Infantaria pagua, (assim chamavão então aos Regimentos), levantarão-se companhias de cavallos, e alem desta tropa, que recebia soldo, se levantarão em Alentejo oito Tersos (Regimentos) de Auxuliares, com Coroneis Sargentos Mores, e Ajudantes e das Egoas se formarão algumas companhias de Auxuliares Montados.

1757. O General de Alentejo sempre foi hum dos mayores officiais do Exercito, e o seu emprego tão autorizado, que na Campanha, comanda aos Generais de igual patente. No tempo da pax, tem a provincia, [p. 95] de goarnição sete Regimentos de Infantaria pagua, hum Regimento de Artilharia, quatro Regimentos de Cavallaria, e oito Regimento[s] de Milicias Auxuliares, que são, de Ourique, Beja, Evora, Estremoz, Villa Viçoza, Portalegre, Crato, e Aviz.

1768. A Tropa de Linha conciste em sette Regimentos de Infantaria, que são dois de Olivença, hum de Campo Mayor, tres de Elvas, hum de Castello de Vide, hum Regimento de Artilharia de Estremoz, quatro Regimentos de Cavallaria, hum em Moura, outro em Evora, outro em Olivença, e outro em Elvas, e de tres $ Ego[a]s, de lista, que tem a Provincia, se podião formar dois Regimentos de Milicianos Montados, para servirem na Guerra.

Dos varoens Illustres de Alentejo. Cap. X

1771. Se a Provincia Transtagana, pela sua fecundidade, e Riqueza se faz recomendavel, [p. 96] mais estimavel lhe hé a gloria de haver sido patria de Illustres Santos, de zellozos promulgadores do Evangelho, de intrepidos Martyres, de Sublimes engenhos, e de famozos guerreiros, que a tem acreditado com as suas brilhantes acçoens.

1782. Principiando pela Santidade, que constitue o verdadeiro Heroismo, ella foi a patria de grandes Santos, de Illustres Martyres, e de varoens de emminentes virtudes, dos quais só lembraremos aquelles, que tem culto publico.

O Beato Amadeu da Silva

Naturaes de Campo

a Beata Dona Brites da Silva

Mayor

o Beato João de Estremoz

De Estremoz

a Beata Margarida Fernandes

De Estremoz

S. João de Deus

De Monte Mor

S. Vicente

Santa Sabina

De Evora

Santa Christeta

S. Atto Bispo de Pistoya

S. Sizisnando

De Beja

o Beato Frei Domingos de Cuba

179[p. 97] 3. Ao zello dos Trantaganos deve a Igreja algumas uteis Reformas e outros grandes Serviços. O Beato Amadeu da Silva instituhio na Italia a Congregação dos Amadeus, que foi aprovada pelo Papa ...no anno de 14... . A Ordem das Religiozas da Conceição foi instituida pela Beata Dona Brites da Silva, e approvada pelo Pappa ... no anno de 14... . A reformada Congregação dos Eremitas Descalsos de Santo Agostinho de Portugal, chamada dos Grillos tem por instituidor ao veneravel Padre Frei Manoel da Conceição natural de Villa Vizoça, e foi approvada pelo Papa.

1804. A estes se podem ajuntar a fundação do Seminario de Brancanes devida ao Venerável Padre Frei Antonio das Chagas natural da Vidigueira, a instituição dos Monges Descalços de S. Paulo das Covas de Montemor o Novo devida ao Venerável Padre Balthezar da Emcarnação natural de Serpa. O Reformado Mosteiro do Santissimo Sacramento do Louriçal, reconhese por Sua fundadora à Veneravel Madre Brites da Coluna natural de ... .

181[p. 98] O Reformado Convento de Jezus de Setubal, teve por fundadora, a Justa Rodrigues Pereira, natural de Beja, Ama de El Rey Dom Manoel pelos annos de 1489.

1825. A todos se avantajou o Illustre São João de Deos, natural de Montemor o Novo; elle foi o fundador da benemerita ordem Hospitalaria, que tem o seu nome, que com tanto zello se empréga no serviço dos Emfermos, como reconhesem os mesmos innimigos do Monachato. Esta ordem foi approvada pelo Papa S. Pio V no anno de 1572. A conhecida utilidade deste Santo Instituto, o fes admitir em Hispanha, França, Italia, Alemanha, e em outros paizes.

1836. A Provincia Transtagana foi o berso da vida Eremitica em Portugal, a qual se conserva na Congregação dos Religiozos da Serra de Ossa, que foi approvada pelo Papa Gregorio XIII no anno de 1578. Na mesma Provincia teve seu principio a Reformada familia dos Capuchos da provincia da Piedade, Mãy de todas as do Reyno;

184[p. 99] a sua caza principal he a de Villa Viçoza. Esta provincia da Piedade teve o seu principio no anno de 1500.

1857. A Divina Providencia, que concedeu à provincia Transtagana a prodigioza abundancia de fructus necessarios à vida humanna, não foi para com ella menos liberal na produção de engenhos sublimes. Dos Turdulos, antiguos povos da parte meridional de Alentejo, affirma Estrabão, que excedião em sabedoria a toda a Gente Hispanhola, e que conservarão memorias de huma remontada antiguidade.

1868. Os Modernos Transtaganos, não são inferiores àquelles. Elles tem sido emminentes em todo o Genero de literatura, tem insinado as Sciencias, dentro e fora da patria, com credito dos seus nomes, e gloria da nassão Portugueza. Elles estando longe da [p. 100] patria, e destituidos de toda a protecção, conseguirão ser escolhidos para o Publico Magisterio nas univercidades mais famozas, e nellas insinarão as Sciencias, e alcansarão hum distinto nome na Republica Literaria.

  • 27 Até agora não encontrado.

1878.[sic] Incinarão a Theologia Frei Agostinho da Trindade, Alvaro Gomes, André de Gouvéa, Frei Antonio de Senna, Diogo de Gouvea, Dom Pedro Fernandes Sardinha. Em Canones, forão Lentes Estevão das Neves Cardeira, Fernando Arias de Meza, e Pedro Margalho. Em Leis Antonio de Gouvea, Diogo Loppes de Ulhoa, e Manoel Rodrigues Navarro. Em Medicina Francisco Franco. Em Eloquencia Axilles Estaço, e Francisco Homem de Abreo. De todos elles dou mais ampla noticia no Catalogo dos Portuguezes, que forão Professores Publicos fora de Portugal27.

  • 28 Até agora não encontrado.

1889. Na patria forão memoraveis em Theologia Frei Antonio Galvão, Frei Francisco de Christo, e Payo Rodrigues Villarinho, todos tres Theologos. Alvaro Vaz Valasco, Diogo Mendes Godinho, Jaime de Moraes, João Affonso de Beja, e Luiz Correa Professores [p. 101] Canonistas. Antonio Loppes de Carvalho, Gonçalo Vaz Pinto Legistas. Garcia de Horta, e Thomaz Rodrigues da Veiga em Medicina. Pedro Nunes em Mathematica, e outros muitos, dos quais largamente fállo no Catalogo dos Professores Conimbricenses28.

18910. Tambem se fizerão recomendaveis, os Padres Bento Fernandes, João Maldonado, Frei Manoel Rodrigues, e os Jurisconsultos Affonso Alvares Guerreiro, Manuel Alvares Pegas, Manoel Alvares Solano, Manoel Banha Quaresma, e em Eloquencia Andre de Rezende, Francisco Freire, Dom Garcia de Menezes, Diogo Mendes de Vasconcellos. Em Historia Duarte Galvão, Duarte Nunes de Leão, Jacinto Freire de Andrade, e Manoel Severim de Faria.

19011. A Gente Transtagana he dotada de jenio Guerreiro, e de notavel valor. Nesta parte da Lusitania emcontrarão os Romanos a mayor rezistencia. No mesmo tempo, em que toda a Europa curvava o juelho às bandeiras Romanas, estes Lusitanos Governados por Veriato, e Sertorio, com [p. 102] forsas dezigua[i]s, detem o rapido curso das suas victorias; elles desbaratarão as legeoens Romanas, e alcansarão notaveis victorias, e serião mayores os seus triunfos, se os Romanos, não houvesem aleivozamente comprado assacinos, para se desfazerem dos Generais Lusitanos.

19112. Na Guerra contra os Mouros de Portugal, e Hispanha mostrarão o mesmo valor; bastando por todos o memoravel Dom Payo Peres Correa Mestre da ordem de Santiago; na Guerra do Rey Dom João I sobre a sucessão do Reyno, se destinguirão notavelmente, debaixo das orderns do seu patricio o Grande Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira. Concluida a pax com os Hispanhoes passárão muitos a militar nas campanhas de Africa, Azia e America.

19213. No Serviço Real não há gente mais constante do que a Transtagana; ella se expoem intrepidamente a todos os perigos, vensendo dificuldades, que parecião insuperaveis vensendo não só aos homens, mas tambem os mesmos elementos. Forão muitos os [p. 103] Argonautas, que o Memoravel Infante Dom Henrique empregou no descobrimento das terras incognitas, dos quaes são selebres Diogo Cão, que descobrio o Rio Zaire, Pedro de Queiroz, discobridor das terras Austrais, e o Immortal Dom Vasco da Gama, que descobrio a India.

19314. Dezejava El Rey Dom João III adquerir a praça de Dio, e havendo-a conceguido de Sultão Badur, o Governador Nuno da Cunha, no anno de 153 ... achando-se na India Di[o]go Botelho, natural de Evora, intentou este trazer esta agradavel noticia a El Rey Dom João III e metendo-se com os seus criados, e alguns marinheiros em huma embarcação de vinte e dois palmos de comprido, doze de largo, e seis de alto, partio de Dio, atravessou o Cabo da Boa Esperança, e chegou a Lisboa com admiração de todo o mundo, por esta atrevida empreza, que não tem exemplo nos Annais do mundo.

19415. Não se terminarão estas espantozas navegasoens com o descobrimento da India, mas ellas se dilatarão até às [p. 104] extremidades do mundo, nas quais arvorarão as bandeiras Portuguezas, e fizerão conhecido o seu nome, e respeitada a sua nassão. Elles povoarão Ilhas, formarão Collónias na Affrica, Azia, e America, sustentarão obstinadas Guerras, derão batalhas Navais, e terrestres, Ganharão fortalezas, defenderão sitios, e alcansarão espantozas victorias, fizerão muitos Reys tributarios à Coroa de Portugal, admirarão ao mundo, ensinarão à Europa o caminho daquellas vastas Regioens, e elevarão a nassão Portugueza ao mais alto ponto da Gloria mundana.

19516. Neste amplo theatro militarão muitos Transtaganos, e com o seu valor calcando perigos, sustentarão a gloria da Nassão. Tais forão Dom Vasco da Gama, Dom Constantino da Bragança, Antonio Moniz Barreto, Antonio Galvão, e outros de Saudoza Memoria. Os Portuguezes assim como souberão dilatar o seu Imperio, tambem dilatarão o de Jezus Christo dando a conheser o Seu nome, e a Sua Religião a todas as nassoens do Oriente, e nos sertoens da Africa, e America.

196[p. 105] 17. Não será facil referir os trabalhos que os Missionarios Portuguezes padeserão no seu Apostolico Ministerio; elles caminharão a pé, penetrarão bosques habitados de Feras, atravessarão dezertos, tolerarão a fome, e a sede, sofrerão a calma, o frio, e cansaso, pregarão as verdades catolicas a nassoens barbaras, ou mais indomitas do que as feras. Sofrerão com heroica constancia a prizão, o desterro, e derramarão o sangue em obsequio da doutrina que annunciavão, alcansando a coroa do Martyrio, ou terminando nestas missoens, a Glorioza carreira dos seus dias.

19718. Entre os Transtaganos forão memoraveis [parágrafo incompleto]

198[p. 106] 19. Na Guerra da Aclamação deu a Provincia de Alentejo os Generaes seguintes: Diniz de Mello e Castro I Conde das Galveas, Diogo do Crato da Fonseca, Gil Vaz Lobo, Joanne Mendes de Vasconcellos, Dom João da Silva, Martim Affonso de Mello I Conde [de] São Lourenço, Pedro de Mello, Alcaide Mor de Serpa alem de muitos coroneis, e outros valerozos officiais, que forão generozos defensores da nossa liberdade.

19920. Em todos os seculos mostrarão os moradores de Alentejo o grande amor e lialdade aos seus soberanos, e gostozamente expuzerão as vidas, e sacrificarão a sua fazenda pela defença da patria. No anno de 1658 atacou o Duque de San German General castilhano a praça de Olivença com hum Exercito de 6$. Infantes e 2$500 cavallos, e deu principio ao sitio em 12 de Abril, e supposto a praça naquelle tempo fosse menos forte, do que hoje hé, com tudo ella se defendeu ate ao dia 30 de Mayo, no qual se entregou por capitulação. Consedeu-se aos Moradores a liberdade de ficarem na villa, disfrutando as suas fazendas; porem elles quizerão antes viver em pobreza entre os [p. 107] Portuguezes, do que em abundancia, na subjeição dos Castilhanos, e Generozamente dezampararão a patria, e a fazenda, e se retirarão para o interior do Reyno. Esta acção deu assumpto ao Padre Jeronimo Petruci Mestre de Rethorica do Collegio dos Jezuitas de Roma, para fazer este Lindo Epigrama:

Quas tibi Plladias Alffonse, Philippus olivas
Obstulit incolumes has tibi Pallas alit
Perfidiae, et fidei certatum est robore portas
Perfidia intradit, co
[…]fides tenuit,
Omnibus in patria manendi est facta potestas
Nullum captarum mansit in urbe caput.
Vietricas Aquillas defixit in Arce Philippus
Lusiadum Alffonse in pectore fixus ades
Victor uterque fuit, victoria dividit urbem:
Alffonsus Cives; Saxa Philippus habet.

[p. 108]

Livro II. Da Fundação de Estremoz. Cap. I

2001. Na provincia de Alentejo, em altura de trinta e oito gráos, e quarenta e dois minutos de Latitud, e de dez gráos; e quarenta e dois minutos de longitud entre as Cidades de Evora, Elvas, e Portalegre, está situada a villa de Estremoz, e distante vinte e quatro Legoas da Cidade de Lisboa. A Etimologia do seu nome, hé tão incerta, como o seu fudador. Alguns Autores a fazem antiquissima, e outros muito moderna. Nesta variedade de opinioens, seguirei a que me parece mais verosimil.

2012. Frei Agostinho de Santa Maria (a) attribue sua fundação aos Cartagineses. O Padre João Baptista de Castro (*) e com elle

---

(a) Fr. Agost. De Santa Maria no Sactuario Marianno, no Tomo VI. Cap. XIII.

(*) João Baptista de Castro no Mappa de Portugal Tomo II. Cap. I. Numero 26.

202[p. 109] Mr. de la Cled (o) assentão que foi fundação dos Celtas, que habitarão esta parte da Provincia de Alentejo. Luiz Marinho de Azevedo (*) se persuade haver sido fundação dos Mouros, aos quais a ganhou El Rey Dom Affonso Henriques, ou seu filho El Rey Dom Sancho I. O Erudicto Academico Dom Luiz Caetano de Lima (a) não achando memorias da villa antes do tempo de El Rey Dom Affonso III, lhe assigna este Monarcha por seu Fundador.

2033. O Chronista Mor Frei Antonio Brandão (z), nada diz do Fundador, contentando-se com affirmar, que El Rey Dom Affonso III lhe deu foral de villa no anno de 1258 e esta hé a geral opinião dos Escriptores Portuguezes. Pedro de Mariz (i) segue a opinião de

---

(o) Mr. de Lacled, Historia de Portugal Tom. ...

(*) Luiz Marinho Commentarios de Guerra de Alentejo, Tom. I. Cap. ...

  • 29 Luís Caetano de Lima, membro da Academia Real da História Portuguesa.
  • 30 Geographia Historica de todos os Estados soberanos da Europa, com as mudanças que houve nos seus do (...)

(a) Lima29 Geographia Historica30. Tom. II. Cap. XIII. Pagin. 240

(z) Brandam. Monarchia Lusitana. Tom. IV. Livro XV. Cap. 24

  • 31 Pedro de Mariz, autor de transição do século XVI para o século XVII. Cf. I. F. da SILVA, Diccionari (...)

(i) Mariz31 Dialogos da Varia Historia

204[p. 110] que El Rey Dom Afonso III foi Reidificador de Estremoz, e esta hé a opinião que eu abraço, por me pareser a mais provavel.

2054. Este ultimo scriptor falando das acçoens de El Rey Dom Affonso III diz: fes Novas Povoasoens em muitas partes do Reyno, que estavão dezabitadas, das quais (N.B.) a Reidificação da villa de Estremoz, e a Reformação, e a Nova povoação da Cidade de Beja forão as principais; por tanto, se o mencionado Rey reidificou Estremoz, he claro, que a villa havia sido idificada por outra mão, porque reidificar no centido rigurozo, não hé fundar de novo, mas restaurar com os novos edificios, os antiguos que se havião destruido.

2065. No tempo dos Nossos primeiros Reys, era a Provincia Transtagana infestada pelos Mouros, que dominavão a mayor parte deste paiz. A forma da Guerra praticada por aquelles Barbaros concistia em entradas, e correrias, mis proprias para devastar o paiz, do que para o Conquistar. Se elles ganhavão algum Castello, que não podião conservar, logo o destruhião, e se retiravão para o seu paiz [p. 111] levando as Riquezas, e reduzindo os moradores a hum duro cativeiro.

  • 32 Lapso do autor. A primeira conquista de Beja ocorreu em 1159.

2076. A Cidade de Beja, duas vezes exprimentou este infortunio. Ella foi duas vezes ganhada aos Mouros, no tempo de El Rey Dom Affonso Henriques, a primeira no anno de 115532, e a segunda no anno de 1162. Estes funestos accidentes attenuarão a Cidade, de tal modo, que El Rey Dom Affonso III (*) lhe mandou reedificar os muros, contribuindo para esta obra o Bispo de Evora Dom Martinho; que para ella lhe concedeu duas partes dos Dizimos das Igrejas de Beja por tempo de dez annos, por huma Escritura feita em 18 de Novembro de 1253.

2087. Esta mesma fatalidade talves sussederia à villa de Estremoz; em cujo termo habitarão os Árabes, como se mostra pelas Sepulturas, que delles se descobrem na Herdade da Coelha na freguezia de Nossa Senhora do

---

(*) Lima na Geographia Historica Tomo II. Cap. XIII. pagin. 244.
Brandam Monarchia Lusitana Tomo IV. livro XV. Cap. XXIV

209[p. 112] Vidigão o que parese conforme à opinião de Luiz Marinho de Azevedo no lugar sitado, ainda que não conste com certeza de quem fosse o seu fundador, nem o nome que antes tinha.

2108. Só as conjecturas podem ter lugar nesta matéria; hé verosimil que Estremoz fosse povoada no tempo dos Romanos, em diferente sitio, e talves com outro nome; fundo a minha conjectura no seguinte discurso. Os Romanos forão pacificos possuidores da Lusitania desde Julio Cezar até à entrada dos Vice-Godos. Elles habitarão muitos paizes áridos de Alentejo, e não hé crivel, que esta nassão, dotada do gosto mais dilicado, deixa-se de habitar o terreno de Estremoz, sendo elle o mais diliciozo, e ameno de Alentejo.

2119. Este discurso não hé fundado em méra conjectura, por quanto os Tumulos Gentilicos, e medalhas Romanas que se tem descobrido não longe da villa, e junto do famozo tanque, chamado dos Mouros, e em outras partes do termo da villa, são claros indicios [p. 113] de que este territorio foi habitado pelos Romanos. No anno de 1784 andando hum lavrador, lavrando hum campo junto da Horta do Agaixa, descobrio huma pedra de marmore finissimo de ... palmos de Comprimento; e hum de Largura; que em seu poder conserva a viuva do Doutor Constantino da Silva Zagallo, a qual lapida tinha a seguinte inscripção

21210. O que não padese dúvida, he que Estremoz era povoação existente antes de El Rey Dom Affonso III, por tanto a povoação desta villa não pode ser fundação deste Monarcha, por dois indubitaveis fundamentos, o primeiro hé tirado da Doasão, que El Rey Dom Affonso II fes à ordem, e cavallaria da cidade de Evora, (depois chamada de Aviz) do terreno, que hoje forma o [p. 114] Mestrado de Aviz, a qual doação foi feita em Coimbra no dia 30 de Junho de 1249 da Era de Cezar, que he o anno de Christo de 1211.

21311. Nesta doassão demarcando-se o terreno doádo à ordem se diz: da matta de Alcaraviça vai (N. B.) à serra de Estremoz, e dahi pela Ribeira do Almadáfe; se pois no mencionado anno havia huma serra chamada de Estremoz, fica evidente, que ja existia Estremoz, por quanto a particula dé [sic] caye sobre o senhor da couza, e como todos os Historiadores Portuguezes affirmão que El Rey Dom Affonso III naceo em cinco do mez de Mayo de 1210, fica claro que Estremoz estava fundada antes do nacimento deste Principe.

21412. O segundo fundamento, hé tirado das memorias do Convento de S. Francisco de Estremoz,; dellas consta que o dito convento éra habitado de vinte e nove [à margem, com outra letra em 1239, pg. 156]

215[p. 115] Religiozos, e por consequencia sette annos antes do Reynado de Dom Affonso III e será crivel, que huma Religião Mendicante, que havia viver de Esmolas, funda-se hum convento numerozo em hum luguar dezerto? (a) Certamente que não, por tanto fica provado, que Estremoz hé muito mais antigua do que El Rey Dom Affonso III e que por consequencia elle não podia ser o seu fundador.

21613. O vulgo, sempre disposto, para acreditar patranhas atribue a fundação de Estremoz a humas familias desnaturalizadas da cidade de Castello Branco. Esta Historieta destituida de probabilidade, foi adoptada pelo Escriptor das Memorias de Estremoz, mandadas à Academia Real da Historia, como eu disse no meu prólogo; porem aquella erudicta assembleya, dezatendeu esta noticia, e eu não me fasso cargo de a confutar

---

(a) [com outra letra] V. Chronica Serafica da Santa Provincia dos Algarves. Impresa depois de 1748. fol. pg. 86

217[p. 116] 14. Não há dúvida que Estremoz deve muito a El Rey Dom Affonso III, porque elle a fes villa, e lhe deu o foral, e privilegios de que Gozava a villa de Santarem, e livrou aos seus moradores do tributo das jugadas, que antes pagavão os seus lavradores; este foral lhe foi dado no anno de 1258, e passados alguns annos mandou fabricar os muros do seu castello, como diremos em outro lugar. Havendo a villa crescido em população, e tendo os seus moradores feitos grandes serviços à Coroa, lhe concedeu El Rey Dom Manoel o titulo de Villa Notavel, por carta datada em Lisboa em 12 de Julho de 1512.

21815. A Etymologia do seu nome hé muito mais incerta, do que o nome do seu fundador; alguns a querem deduzir de Tramoseiros, cuja planta, a villa tem por armas. Hum sabio deste século, quer que a Etymologia do nome de Estremoz se dirive da [p. 117] palavra Terma, ou Banho, nascida dos Banhos que os Romanos tomavão no grande Lago, que ainda hoje existe não longe da Igreja de Nossa Senhora dos Martyres.

21916. As Armas da villa de Estremoz são em Campo Azul hum Tramoseiro de ouro entre duas torres do mesmo metal, e dois lagos junto das torres, sobre o tramoseiro, o Escudo das armas de Portugal, tudo isto na parte inferior do Escudo, e na parte superior hum Sol de ouro, Lua de Prata, e duas Estrellas deste metal; assim se vem esculpidas em hum marmore, que se conserva sobre o portico do Celeiro Commum do Depozito, sobre cujo idificio esteve o Paço do Senado da villa.

Cap. II. Do Clima e Fertilidade da villa

2201. O territorio de Estremoz he salutifero, e os seus áres tão serenos, e aptos para a conservação da saude hummana, que nem [p. 118] o riguor do Estio he nocivo, nem o Inverno molesto. As muitas pessoas de grande idade que habitão a villa e termo, provão, o que fica dicto. Hé facil emcontrar muitas pessoas de oitenta, até cem annos de idade. Não há na Provincia terra alguma, a quem esta não exceda na abundancia de ágoa, e poucas se emcontrarão no Reyno, que a igualem. As fontes que regão o terreno pássão de trezentas, e quaze todas de puras, delgadas, e salutiferas ágoas.

2212. Algumas destas Fontes são tão copiosas no seu nacimento, que formão levadas, que fazem trabalhar Azenhas, Moinhos, e Pizoens, e todos estes enjenhos chegão a cento e ... dentro do seu termo. O terreno, regado com tantas ágoas, he ameno e frondozo e nelle se contão ... Pomares, abundantes de Mimozas fructas, e ortaliças de delicado sabor, sendo tão crescida a abundancia, que satisfaz à necessidade do Povo, e à das [p. 119] terras sircumvizinhas, vendendo-se por preso moderado.

2223. Não se emcontrará no Reyno algum terreno, aonde se criem Couves., Nabos, Rábanos, e Sinouras de mayor pezo, e Grandeza, sendo todas ellas tenras, e saborozas. Quaze todo este terreno hé de Barro, elle produz em abundancia, Trigo, Senteyo, Sevada, Milho, e todas as éspeses de Legumes, particularmente de Feijoens Brancos, superiores a todos, os que se conhesem. Colhe grande cópia de delicado Azeite, extra-ordinaria abundancia de vinho, que se exporta para outras terras.

2234. Neste fertil terreno se cria crescido numero de cabeças de Gado Groso, e miudo e innumeravel quantidade de áves Domesticas e suposto que por uso antiquissimo se não pague dizimo algum de alguns fructos, com tudo, os dizimos rendem annualmente trinta mil cruzados. A cultura do terreno não lhe tira a abundancia de cássa porque tem muita de arribação, e de Lebres, e Coelhos, e Perdizes hé provida [p. 120] abundantemente pelos moradores das terras circumvezinhas; em concluzão hé a única povoação da Provincia, que commodamente pode alojar hum Exercito como a experiencia tem mostrado no tempo da Guerra e claramente se verá.

2245. Para o seu Commercio tem duas Feiras Francas no anno: a primeira no dia 25 de Julho, e nos dois dias seguintes, e a segunda no dia 30 de Novembro, e nos dois dias subsequentes. Em todos os sabbados do anno tem Mercado, que forma huma grande feira, e dúra até ao meyo dia, ao qual concorrem os moradores dos povos vizinhos, para permutarem, ou venderem os seus Generos, e hé livre de siza.

2256. Tem a villa duas preciozas Minas, que são a dos preciozos Marmores, e a do odorífero Barro, e ambas ellas inexauriveis: [p. 121] os Marmores Brancos, que na alvura, e polimento igualão ao Alabastro, e não são inferiores aos de Carrara, são conhecidos, e estimados em toda a Hispanha. Os Azuis manchados de Branco, são preciozos, porque depoes de polidos, reprezentão os objectos, e com uns e outros se tem ornado o Palácio Real de Madrid, os Templos do Escurial, Bellem de S. Domingos de Lisboa, as Cathedrais de Evora, Elvas, Portalegre, Castello Branco, e outros muitos templos; dentro, e fora da provincia, e em Estremoz, são raros os Portados, Janellas, e Cheminéz, que não sejão fabricados com estes marmores.

2267. O Barro vermelho naturalmente odorifero, hé muito estimado; os Medicos lhe tem discobrido grandes virtudes, e delle tem feito uso em alguns remedios. Delle se lavrão Pucaros, e outros vazos, que são muito estimados, não só em Portugal, mas tambem em muitas partes da Europa. Deste mesmo Barro se fabrica o Ladrilho, e Telha, que hé o melhor da Provincia, e se exporta em grande quantidade, para as terras circumvizinhas.

  • 33 Cf. Afonso Eduardo Martins ZÚQUETE, Nobreza de Portugal e do Brasil, vol. III, p. 515.

227[p. 122] 8. A massa dos Dizimos de Estremoz se divide em nove partes das quais seis nonas partes pertensem à Comenda mayor da Ordem de Aviz e duas nonas partes à Mitra de Evora; e huma nona parte ao Cabido da Cidade de Evora. O Commendador-Mor da Ordem de Aviz he o da Commenda de Estremoz, e hé a segunda dignidade da dita ordem, e a governava na falta de Mestre. O Senhor Dom Jorge sendo Mestre nomeyou esta commenda em seu filho Dom Luiz de Alencastre, no anno de 1514, e se conservou nos seus descendentes, ate ao anno de 177[9]33. em que vagou por morte do Conde de Villa Nova de Portimão, Dom Jozeph de Alencastre.

2289. A commenda deve paguar as ordinarias aos tres Priores da villa, a tres Thesoureiros, treze Binificiados, e paguar as fabricas grossas das ditas Igrejas, a pensão ao Collegio das ordens Militares da univercidade de Coimbra; pagua outras mais pensoens, e suposto a congrua destes Binificios seja moderada, com tudo, toda ella junta he concideravel, como se vera no Mappa junto.

[p. 123 em branco]

229[p. 124] 10. Os mais emteresados nos Dizimos são o collegio dos Nobres da Cidade de Lisboa em duas nonas partes, que antes pertencião ao Collegio dos Jezuitas da Cidade de Evora, e que depois da Sua expulsão do Reyno de Portugal, forão applicadas por El Rey Dom Jozeph I ao Collegio dos Nobres; e a ultima nona parte pertense ao Cabido da Se Metropolitana da Cidade de Evora.

23011. A Alcaidaria Mor de Estremoz huma das boas do Reyno, e a mais rendoza da provincia, entrou na Real Caza de Bragança pelo cazamento da Senhora Condeça Dona Brites Pereira, filha herdeira do Condestavel Dom Nuno Álvares Pereira, e primeira mulher do Senhor Dom Affonso, I Duque de Bragança, e se conservou nesta caza ate ao dia 2 de Janeiro de1465, em que o Duque Dom Fernando II com licença de El Rey Dom Affonso V a do-ou a seu Irmão Dom Affonso, para haver de cazar com [p. 125] Dona Maria de Noronha Condeça de Odemira.

23112. Conservou-se esta Alcaidaria Mor na Caza dos Condes de Odemira ate ao dia 12 de Dezembro de 1641, em que faleseu Dom Sancho de Noronha, VI Conde de Odemira, o ultimo varão da linha da Primojenitura do Senhor Dom Affonso Conde de Odemira, ao qual esta Alcaidaria havia sido doada, e por esta cauza se emcorporou de novo na Caza de Bragança, sendo os Duques desta Caza os Alcaides Mores.

23213. Pertensem a esta alcaidaria Mor, alem da renda da Portajem, o quinto dos fructos dos Reguengos do Ameixial, de Annaloura, e os quartos do Curral dos Asougues; os foros do Reguengo das Móz, os foros do uso da ágoa dos Moinhos, Pizoens, e Azenhas do termo de Estremoz e ... Herdades na villa do Canal, e toda a sua renda pássa de oito mil cruzados

23314. Os Alcaides Mores conservarão sempre em Estremoz hum Loco-Tenente do seu Castello, que nelle fazia as suas vezes. [p. 126] Este emprego sempre foi dado a huma pessoa Principal da villa, e este Delegado nomeya o Carcereiro, e Alcaide Pequeno, e tem outras Regalias. O mesmo Alcaide Mor nomeya hum Almoxarife, e hum Escrivão, para a cobrança dos foros e rendas.

Cap. III. Do Governo Civil de Estremoz

2341. O Governo civil da villa de Estremoz, era emcarregado aos Juizes Ordinarios, escolhidos entre os Homens Bons, titulo que então se dava às pessoas principais dos Póvos. Esta forma de Governo durou até ao tempo em que El Rey Dom Manoel creou os Juizes de Fora, pelos quais mandou governar as cidades e villas Principais, e effectivamente nomeou hum para Estremoz, cujo lugar hé de segunda intrancia, e tem unido o lugar de Juiz dos Órfãos desde o dia ... de ... de ... 17 ...em que El Rey Dom Jozeph I o emcarregou aos Juizes de Fora.

235[p. 127] 2. Compoem-se o Senado da villa de tres Veriadores, hum Procurador do Concelho, Escrivão da Camara, e Sindico. As pessoas que são pautadas para veriadores devem ser Fidalgos, ou Filhos, e Nettos de Veriadores. Tem o Senado hum Alferes Mor; que juntamente serve de Couteiro Mor, empregos da sua nomi[a]ção, e sempre hé conferido a pessoa tirada da ordem e clase dos veriadores, e tem propinas como elles, e como Couteiro Mor lhe pagua cada Herdade do termo ... galinha.

  • 34 Cf. Jorge FONSECA, Montemor-o-Novo no século XV, p. 55.

2363. O Senado teve antiguamente muitas Regalias, porque nomiava Juiz dos órfãos; os officios de Escrivão da Camara, dos órfãos, Almotasaria, e Sizas cujo privilegio lhe foi confirmado nas cortes que El Rey Dom João II selebrou na villa de Montemor o Novo, no anno de 14[82]34, e depois insencivelmente perdeu esta regalia, e no prezente tempo só nomeya os officios de Meirinho, Escrivão das Armas, Partidores, Distribuidor e Avaliadores do Concelho, os Juizes e Escrivaens da vintena de todas as Freguezias do termo.

237[p. 128] Nomeava o mesmo Senado os Administradores de quatro Morgados, e Cappellas, a saber: a de Vasco Esteves Gatuz, ins[ti]tuido em ... de ... de ... que pertence à Coroa, e o seu rendimento de ... $ ... reis pertense ao Convento de Nosso Senhor da Penha de França como Donatario da Coroa. A Cappella de Margarida Vicente mulher do dito Gatuz, instituida na villa de Souzel em ... de ... de 13 ... he possuida pela familia dos Ferreiras. O Morgado de S. João Baptista, instituido por Constança Esteves a ... de ... de 1418 rende 600$ reis he possuido pela familia d ... . A Cappella instituida por Martim Rodrigues Situleiro em ... de ... de 1371 hé da Coroa, e rende 250$ reis, cujo rendimento applicou Sua Magestade à Mizericordia de Estremoz em ... de ... de 17 ... para a educação das Mininas da Roda dos Expostos.

2385. Na creasão das Comarcas, foi Estremoz feita cabeça de huma, que se compunha alem da capital, das villas seguintes: Alter Pedrozo, Aviz, Benavilla, Borba, Cabeção, Cabeço de Vide, Cannal, Canno, Ervedal, [p. 129] Evora Monte, Figueira, Fronteira, Galveas, Seda, Souzel, Veiros, Vimieiro, e Villa Viçoza. Esta comarca tinha dois Ministros, Corregedor e Provedor, e cada hum delles com seu Escrivão, e Meirinho.

2396. No Reynado do Senhor Dom Manoel andarão as Provedorias de Portalegre, e Estremoz unidas, e dellas era Provedor Manoel de Sande de Vasconcellos natural de Estremoz, não sei em que tempo se dizunirão. A Correição de Estremoz ainda existia no dia 13 de Novembro de 1540, no qual o Doutor Antonio Brochado corregedor da dita villa mandou passar hum traslado do Testamento de Pedro Alvares Gayo morador que havia sido na Freggezia de S. Lourenço.

2407. No Reynado do Senhor Dom Sebastião, se crearão as duas Ouvidorias de Aviz, e de Villa Viçoza, pelas quaes se repartirão a mayor [p. 130] parte das terras da sua Comarca, e Estremoz foi unida à Correição de Evora, e os Ministros della se intitulão Corregedores das Comarcas de Evora e Estremoz, e ainda hoje conservão dois Escrivaens. A Provedoria de Estremoz ainda hoje conserva as mesmas terras, que compunhão a sua antigua correição, e suposto esteja unida à Provedoria de Evora, tem Escrivão separado, e o Ministro se intitula Provedor das Comarcas de Evora, e Estremoz. A estes dois Ministros da Comarca se tira a sua Rezidencia, metade do tempo em Evora; e metade em Estremoz.

2418. Huma das quatro comarcas da ordem de Aviz, hé a de Estremoz, da qual hé Juiz o Prior da Matriz de Estremoz. Elle vizita as Igrejas que a sua ordem tem nas villas de Alandroal, Borba, Elvas, Estremoz, Jurumenha, Olivença, Souzel, Veiros, Villa Viçoza, e a Igreja de S. Lourenço de Portalegre, pertensente à ordem de Santiago. O juiz da ordem tem Escrivão, e Meirinho do seu Juizo.

242[p. 131] 9. Estremoz hé cabeça de comarca do Tabaco, que comprehende as terras da sua Provedoria, e nella conserva o Contra[ta]dor Geral deste Contrato, hum Administrador Geral da Comarca com seu Meirinho. Há igualmente em Estremoz hum Sup[e]rintendente das Coudelarias da Comarca, que comprehende as Coudelarias de Estremoz, Redondo, Evora Monte; e Vimieiro, e tem seu Escrivão. A Saboaria de Estremoz pertencia antiguamente aos Marquezes de Niza, como Donatários da Coroa, para os quaes rendia 400$ reis, e hoje pertence à Cortoa e rende 720$ reis.

24310. Finalmente Estremoz hé cabeça de Comarca do almoxarifado das Sizas das terras da sua Comarca, e na dita villa há hum recebedor Geral, ao qual os recebedores particulares das terras da comarca vem entreguar as sizas respectivas.

244[p. 132] Catalogo ou Mappa da renda das Sizas da comarca de Estremoz

A villa de Alter Pedrozo

pága

$

A villa de Aviz

pága

$

A villa de Benavilla

$

A villa de Borba

$

A villa de Cabeção

$

A villa de Cabeço de Vide

$

A villa do Cannal

$

A villa do Canno

$

O Concelho do Ervedal

$

A villa de Estremoz

$

A villa de Evora Monte

$

A villa de Figueira

$

A villa de Fronteira

$

A villa das Galveas

$

A villa de Seda

$

A villa de Souzel

$

A villa de Veiros

$

A villa de Villa Viçoza

$

A villa do Vimieiro

$

245[p. 133] 11. A villa de Estremoz foi da Coroa ate ao tempo de El Rey Dom João I o qual sendo ainda defensor do Reyno, deu o Senhorio desta villa ao Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira no anno de 1384, e passados dois annos, attendendo o dito Monarcha aos Servisos que os moradores da villa lhe havião feito fes hum Contrato de Escambo com o Condestavel na Ci[da]de de Braga, no dia 16 de Dezembro de 1386, pelo qual deu ao dito Condestavel, sete villas, que forão Arrayolos, Monsaraz, Vidigueira, Villa de Frades, Villa Alva, Villa Ruiva, e Chaves, para elle seder, como sedeu à Coroa as duas villas de Estremoz e Montemor o Novo.

24612. Por este contrato se emcorporou a villa de Estremoz à Coroa, e o Senhor Rey Dom Manoel attendendo aos grandes serviços que os moradores da villa havião feito à Coroa, e à Grandeza da villa, lhe consedeu o privilegio de que sempre anda-se unida à Coroa, prometendo debaixo da fé Real não a dar nem o titulo della a vassalo algum, nem ainda [p. 134] a seus Filhos, ou Nettos, por carta passada em Lisboa, em 3 de Março de 1500 cujo privilegio lhe conservarão os Reys Portuguezes até ao prezente.

24713. Depois da feliz aclamação do Senhor Rey Dom João IV concedeu o Rey Catolico Dom Filippe IV varios titulos aos Portuguezes que seguião o seu partido, e hum delles foi o titulo de Duque de Estremoz, dado a Dom Francisco de Mello Conde do Assumar, o qual não teve effeito. Tem Estremoz o privilegio de mandar dois Deputados ou Procuradores às Cortes do Reyno, os quaes nellas tem o seu assento no terseiro banco.

[p. 135]

Do Governo Militar de Estremoz. Cap. IV

2481. As antiguas Fortalezas constavão de humma grossa muralha à qual se união algumas torres, que flanquiavão o terreno. Algumas fortalezas tinhão tres ordens de muros, assim como era a de Rhodes; porem quaze todas constavam de hum simplex muro. Os Castellos de Portugal erão as fortalezas daquelle tempo, e se escolhião para elles os sitios mais elevados, por serem os mais vantajozos aos seus defensores.

2492. Em quanto a forsa da Polvora foi desconhecida, e o uso da Artilharia, e das armas de fogo não estiverão em uso, passavão muitos destes castellos por impenetraveis; demorava se um Exercito por muitos mezes à vista de hum castello, que hoje seria ganhado por hum destacamento, em poucas horas. A elevação do terreno dava aos sitiados grande superioridade sobre os [p. 136] Expungadores, e os Generaes, ordinariamente convertião os sitios em Assedios, para que a Fome, ou a Sede obrigase aos sercados a capitular a entrega do castello.

2503. Naquelles tempos era a defença dos castellos devida mais ao valor e constancia da goarnição, do que a Sciencia Militar. Se o Governador e os seus Soldados tinhão constancia para tolerarem a fóme, e os trabalhos de hum longo assedio, elles fazião innuteis os ataques do innimigo; assim sussedeu a Martim de Freitas na defença do castello de Coimbra; a Fernando Rodrigues Pacheco, no de Selorico, ao Mestre de Aviz Defensor do Reyno, no de Lisboa, o de Monção pela Heroina Deos a deu Martins no tempo de El Rey Dom Fernando.

2514. Discuberta a grande forsa da polvora pelos annos de 1378, e pouco a pouco o uso da Artilharia e das Armas de fogo, se deu nóva forma às fortalezas; abandonarão-se as Torres, ampararão-se os muros com terraplenos, que os segurassem; formarão-se os Baluartes, Rebelins, Meyas Luas, e conservas, [p. 137] para flanquiarem, e defenderem o terreno, e detraz das Cortinas se formarão Cazas Mattas, em que a goarnição estivese abrigada, e defendida do estrago das Bombas. Em concluzão as fortificasoens se aprefeisoarão à proporção que se adiantava o methodo do ataque.

2525. Sobre o cúme de hum alto monte foi idificado o Castello de Estremoz, no anno de 1269. Constava a sua fortificação de hum groso muro, goarnecido com vinte e duas torres, tinha duas portas principais, que erão a da Rua Nova, para o Oriente, e a de Santarem para o occidente; e tres menos principais, duas ao Sul, chamadas a de Santo Antonino, e a Barreira, e humma para a parte do Norte defronte da Cadeya.

2536. Não tinha este Castello água nactiva, e para suprir esta falta fabricarão os moradores hum grande poso chamado das Couraças, feito na raiz do Monte e [p. 138] defendido por duas torres, e duas grossas muralhas, que seguravão a Estrada cuberta, que terminavão no Castello, e no tempo futuro se fabricarão muitas sisternas tanto Publicas, como particulares.

2547. Este castello fortissimo para o antiguo tempo, para ser defensavel no actual, se lhe demolirão as torres quaze todas, e se ajustarão aos antiguos muros, quatro Baluartes, e dois meyos Baluartes, e hum Revelim, que cobre a porta da Rua Nova; porem o foso e explanada não se concluirão podendo este castello ser huma linda cidadella visto dominar toda a campanha em roda.

2558. No anno de 1641, se principiou a fortificação da villa baixa, dilineada por Martim Affonso de Mello General da Provincia; principiou a obra por humma grossa tri[n]xeira de terra capaz de deter [p. 139] o impulso da Cavallaria; e no Governo do Senhor Rey Dom Affonso VI se fortificou a villa baixa, e o Bairro de Santiago pelo Methodo Holandez, e ficou constando a sua fortificação de dez Baluartes, tres meyos Baluartes, hum Redente com alguns Revelins, meyas Luas e Conservas e se lhe fizerão quatro portas, que são a de Santo Antonio, Santa Catharina, a dos Curraes, e a de Santiago.

2569. O Oiteiro de S. Jozeph, que fica para a parte do Sul, hé hum Padrasto, que descortina toda a villa baixa, e suposto elle seja dominado pelos Baluartes do Castello, com tudo foi fortificado com hum forte quadrado, de quatro Baluartes, e hum Revelim, e para o Nacente tem hum oiteiro, occupado com hum reduto quadrado, chamado de Santa Barbara. A fortificação moderna do castello, foi obra dezenhada pelo Inginheiro João Paschazio Cosmander.

25710. Em hum estado pequeno, como hé o de Portugal, são condemnadas as praças de [p. 140] dilatado recinto, por necessitarem de hum Exercito para a sua defenção; desta clase são as praças de Castelo de Vide, Estremoz, Evora, e Moura e Olivença. Com tudo o intereze publico pede que a Provincia de Alentejo tenha algumas praças na segunda linha; porque perdida Elvas, fica toda a provincia aberta ate Setubal, e Lisboa.

25811. A situação vantajosa de Estremoz, pede que nella se forme huma praça de armas menos extença, e mais defensavel. Ella segurará a communicação de Lisboa com a praça de Elvas, e as mais da provincia; porem, se os innimigos occuparem esta villa, e nella conservarem hum corpo de 2$ cavallos, será bem dificultoza a conservação de Elvas, Campo Mayor, Olivença e Jurumenha, daqui se vê a grande necessidade que há de fortificar Estremoz.

25912. No alto da Rua do Mao Foro se deve formar huma morada desde o angulo do Baluarte de Santa Izabel, até ao cavaleiro do Matadouro, e fazer huma porta de communicação da villa baixa com o [p. 141] Bairro de Santiago, e tirando outra muralha desde o angulo do Baluarte da Rua Nova ate ao angulo da praça superior ao cavalleiro da Rua dos Currais; deste modo fica a praça constando de tres Baluartes, e dois meyos Baluartes, todos sobre viva rocha, e com terrapleno natural.

26013. No castello se pode fazer huma fermoza cidadella, acabando-lhe o foso, e abatendo a Rua do Mao Foro até à Levada, abatendo igualmente toda a Rua das Freiras, o terreiro das Covas, as calsadas, a porta Nova e Rua dos Curraes, tudo da parte do castello, para ficar a explanada delle livre e dezembarasada de idificios que favoresão os ataques.

26114. A villa baixa basta que tenha huma Muralha com alguns redentes, e se podem suprir as moradas de cazas abatidas na Explanada do Castello, com outras que se devem idificar em novas ruas, que se podem delinear no terreno das Hortas que estão dentro da villa. Tal hé o projecto de hum méro curiozo.

262[p. 142] 15. A Goarnição ordinaria de Estremoz no tempo da pax, conciste em hum Rigimento de Infantaria. Tem igualmente hum Regimento de Milicias da sua comarca, do qual sinco companhias são levantadas na villa e termo. As Milicias urbanas, às quais vulgarmente se dá o nome de Ordenanças, constão de doze companhias com Sargento Mayor e Ajudantes das quaes o Governador da Praça serve de Capião Mor, e prezide como tal à eleição dos capitaens, que fazem os vereadores.

Descripção da Villa de Estremoz. Livro III. Cap. I

2631. A povoação de Estremoz principiou no alto do monte, que hoje occupa o Castello, e se foi extendendo para todos os lados; para o nacente se extendia ate ao Mosteiro das Maltezas, e Rua de Santa Catharina, para sul ate a estrada de Lisboa, para o Occidente ate à Ermida de S. Lazaro, e para [p. 143] Norte ate ao Ribeiro da villa, e neste estado se conservou ate ao tempo de El Rey Dom Affonso VI, no qual se demolirão mais de nove centas moradas de cazas, para se Levantarem os muros da praça.

2642. A villa hé dividida em tres bairros, o do Castello, o de Santiago, e o de Santo André; o primeiro comprehende tudo o que se enserra dentro dos muros do Castello, pelo qual daremos principio à descripção da villa. Tem este Bairro huma pequena praça, a qual da parte do Oriente tem a Igreja de Nossa Senhora da Assumpção, Matriz das mais Igrejas da villa, ella pertense à ordem de Aviz, e o seu Prior hé Juiz da ordem da comarca, e tem quatro Binifeciados Curados da mesma ordem, e hum Thezoureiro.

2653. O Priorado tem hum Binificio anexo, e rende 500$ reis, e cada hum dos Binificios 120$. O Templo he magestozo, e de tres naves. Esta Igreja hé a cabeça da Commenda mor da Ordem de Aviz. Ao lado esquerdo desta Igreja da parte [p. 144] do sul se edificou com as esmolas dos fieis no anno de 1733 a Ermida do Senhor dos Innocentes.

2664. Da parte do Norte da dita praça esta a famoza “Caza de armas”, fundada no proprio sitio em que El Rey Dom Diniz mandou ideficar o seu Palacio, e a torre de Homenagem, que ainda hoje existe. Este antiguo palacio foi dado aos Alcaides Mores da villa os quais o habitarão, até que fixarão a sua rezidencia em Lisboa, e nelle faleceu a Rainha Santa Izabel.

2675. Por morte do Alcaide Mor Dom Sancho de Noronha VI Conde de Odemira sussedida no anno de 1641, se unio esta Alcaidaria Mor à Caza de Bragança, da qual se havia desmembrado, e Sua Magestade destinou o destruido palacio para servir de Armazem de Polvora, e rebentando este no dia 17 de Agosto de 1698, se destruio de todo o velho palacio, e passados quarenta annos, [p. 145] no de 1738, mandou El Rey Dom João V fundar neste sitio a sumptuoza caza de armas, na qual depozitou armamento para quarenta mil soldados.

2686. A torre da homenagem he toda de marmore, e de grande altura. Della se descobrem a Cidade de Portalegre, e as villas de Alter Pedrozo, Cabeço de Vide, Fronteira, Veiros, Monforte, Villa Boim, Albuquerque, Evora Monte, Vimieiro, Arrayolos, e Aviz. Esta torre tem tres cazas. No incendio do armazem da polvora perdeu huma das suas varandas, e algumas ameyas.

2697. Junto desta Caza de Armas está idificada a Ermida da Rainha Santa Izabel, no appozento em que faleseu esta Santa. Esta obra mandou fazer a Rainha Dona Luiza de Gusmão em comprimento do voto, que havia feito a Deus, se lhe consedese a victoria do Exercito Castilhano, que sitiava a Cidade de Elvas. E logo que se alcansou a [p. 146] victoria das Linhas mandou a dita Senhora idificar a mencionada cappella, não obstante dizerem o Conde da Ericeira, e a Dedução Chronologica que esta fundação se devia à lembrança do Principe Dom Theodozio.

2708. Havendo esta Ermida padecido grande ruina na occasião do incendio do Armazem, foi mandada reidificar por El Rey Dom Pedro II, e se concluio no tempo de El rey Dom João V, no anno de 1715, que lhe deu custozas alfayas, e ornamentos, e doou huma boa cappella da Coroa, para lhe servir de fabrica; tem hum cappellão com 80$ de ordenado, e hum Thezoureiro. Esta fazenda hé administrada pellos Padres da Congregação do Oratorio da villa, o que elles tem feito com conhecido zello.

271[p. 147] 9. Neste Castello se conserva a cadeya publica da villa, e defronte della mandou... idificar huma cappella a Nossa Senhora da Assumpção, para que nella se dicese Missa nos dias santos aos prezos, a cujo cappellão pagua a Misericordia 60$. reis de esmola annualmente. Os Paços do Senado estiverão neste castello ate ao anno de 1698, junto da Igreja de Santa Maria, no sitio em que está o Seleiro do Depozito, e huma antigua torre, em que estava o Relogio do Povo.

27210. A mayor parte da Nobreza da villa assistia no Castello, porem ficando as cazas damnificadas, e mudado o Senado para a villa baixa, se alojarão nella. No mesmo castello havia huma Judiaria, a qual ficava de traz da Rua de Santarem. No mesmo castello se conserva a fabrica do Assento do pão para a tropa. O Senado como já se disse esteve no sitio em que hoje está o celeiro [p. 148] commum do Depozito, e tem sobre o seu portico huma pedra com as armas de Estremoz, a qual tem a seguinte inscripção

273[p. 149] 11. Os mais idificios publicos do Castello são o Armazem do fardamento da Tropa, e o da Polvora, idificado pelo Inginheiro Mor do Reyno Manoel de Azevedo Fortes no anno de 1740. Para suprir a falta de agoa mandou Sua Magestade fabricar duas Grandes Cisternas, huma no patio da caza das armas, e outra na fabrica do Assento, e os particulares fizerão bastantes, e com ellas se remediou a falta da agoa nativa.

Bairro de Santiago. Cap. II

2741. O segundo Bairro da villa, hé o de Santiago, nome que tomou da Igreja Parrochial deste Santo. Elle principia na explanada do castello, e se extende por huma ladeira, e termina no Baluarte de Santiago; antes de se fazer a actual fortificação, se extendia elle ate a Ermida de S. Lazaro, e Ribeiro da villa. O seu terreno he elevado, e todo com as suas muralhas, sobre [p. 150] huma rocha viva, e com terrapleno natural que o fazem defensavel. Não tem agoa de Fonte, ou de poso, porem tem algumas sisternas, que podem suprir aquella falta.

2752. Neste Bairro se aquartella grande parte dos soldados da Goarnição, cujos quarteis fes o Povo à sua custa (*). Tem huma Igreja Parrochial da invocação de Santiago, pertensente à Ordem de Aviz, com hum Prior, dois Binificiados, e hum Thezoureiro: o Priorado rende 300$ reis, e os Binificios 120$ reis cada hum. O Templo hé pequeno, e antiguo; tem sette altares, está no fim da Parrochia, estando antes da factura dos muros no meyo della.

2763. Neste Bairro houverão nos tempos antiguos duas Albergarias, a primeira da invocação de Nossa Senhora dos Martyres, e a segunda de Nossa Senhora do Pranto. A existencia da primeira, da Escriptura de aforamento de hum Predio, que o Provedor, e

---

(*) V. p. 383

277[p. 151] Irmãos fizerão a Nuno Fernandes Ningello, morador em Estremoz (i) no dia 7 de Março de 1451, e a existencia da segunda, pelo Testamento de Bartholomeo Fernandes morador em Estremoz, feito em 9 de Julho de 1458, no qual deixa dez reais brancos a cada huma destas Albergarias (o).

2784. No recinto da mesma Freguezia estava o Hospital de S. Lazaro, no qual se curavão os Leprozos, e se extinguio logo que se fes desconhecida esta infermidade, e deste idificio, apenas se conserva a Ermida do dito Santo, que pela sua forma mostra ser antiquissima. Elle pertence à Igreja Matriz. Na parrochia de Santiago se numerão ... Fogos, e ... almas de Confissão.

---

(i) Tombo dos Documentos do Hospital de Nossa Senhora dos Martyres a folhas 1 vs°, 3 vs°, e 12 vs°.

(o) Dito Tombo a folhas 25 vs°.

[p. 152]

Bairro de Santo André. Cap. III

2791. O terseiro e ultimo Bairro hé o de Santo Andre, o qual comprehende toda a villa baixa, e se extende por muitas Ruas, e espassozas praças e terreiros, que o fazem alegre e formozo. Os Terreiro[s] são de Santo Andre, o do Grande Rocio, o de S. Braz, e todos elles sercados de Idificios Sumptuozos, e de Cazas Nobres. O Primeiro terreiro hé o de Santo André no qual está a Caza do Senado, e nelle há feira, ou Mercado todos os sabbados, muito frequentado dos povos sircumvizinhos.

2802. A hum lado deste terreiro está a Parrochial Igreja de Santo André, pertensente à ordem de Aviz. Com hum Prior, e quatro Binificiados Curados. He templo moderno fundado no anno de 1724. Este templo tem sette altares todos Magestozos, e bem ornados. Rende o Priorado 400$ reis, e cada hum dos Binificios 120$ reis; tem hum Thezoureiro que tem 200$ reis de renda. Esta Parrochia hé tão numeroza, que [p. 153] ella só faz huma grande Povoação, porque conta 1$ ... Fogos, e ...$ ... almas de Rol de Confissão.

2813. Junto desta Igreja, está a de S. Miguel antigua, pertensente à Caza da Mizericordia, que esteve neste sitio, desde o anno de 1500, até ao anno de 1611. Desta assistencia tomou o nome a Rua da Mizericordia, que fica vizinha. Esta Igreja servio de Parrochia de Santo Andre desde o anno de 1705, até ao de 1724, em quanto durou a obra do novo templo Parrochial.

  • 35 Cf. Túlio ESPANCA, Inventário Artístico de Portugal. Distrito de Évora. Concelhos de Arraiolos, Est (...)

2824. A Igreja de S. Miguel he pequena, porem muito aseada. A meza da Mizericordia concedeu o uso della à Irmandade dos Clerigos de S. Pedro, por huma Escriptura datada em [11] de [Abril] de 17[53]35, a qual a tem melhorado notavelmente; tem sinco altares, e Sacramento fixo, em huma linda Cappella de Marmore, pertensente à Cappella de Martim Rodrigues Situleiro, que nella foi sepultado no dia 16 de Dezembro de 1409 da Era de Cezar, que he o anno de Christo de 1371.

283[p. 154] 5. O Segundo terreiro na ordem, sendo o primeiro na Grandeza, he o do Rocio; sercado de Conventos, e Cazas Nobres; da parte do Sul lhe faz frente o Convento da Congregação do Oratorio; ao Oriente lhe fica o Mosteiro das Maltezas, e o Arcenal Provincial, da parte do Norte a Igreja de S. Francisco, e da parte do Occidente Cazas Nobres. Este terreiro tem de comprimento, contado da Congregação até a S. Francisco ... varas, e de largo, contado das Maltezas ate às Cazas do lado do occidente se contão ... varas, nelle podem muitos Regimentos fazer juntos as evolusoens militares.

2846. O terceiro terreiro, hé o de S. Braz, tirado o nome de huma Ermida da invocação deste Santo, que lhe fica da parte do Norte; da parte do Oriente lhe fica o Convento de S. Francisco, da parte do Occidente Cazas Nobres, e da parte do Sul o Lago, e Fontes, e parte do Rocio, ao qual hé contiguo por este lado; he tão espasozo, que visto da parte da congregação forma huma vista similhante à de huma Camara optica.

285[p. 155] 7. O Lago Grande está situado da parte do Sul; elle hé quadrado e cuberto de lages de Marmore branco, tem por lado ... palmos, e de fundura ... palmos; tem assentos em roda, para a gente tomar o fresco nas noites calmozas do Verão. A ágoa de que elle se enxe, nasse no principio do Rocio de huma fonte, chamada a Nova, e por hum aqueducto que atravesa todo o Rocio, vem cahir no lago por huma grande Vieira de Marmore. Este aqueducto subterraneo tem a altura de doze palmos, e toda esta obra foi feita no anno de 1688.

2868. A ágoa das Fontes náce no Sitio das Feiras de tras da Igreja de S. Braz, e por hum aqueduto subterraneo de marmore, vem sahir a huma fonte de Sinco Bicas, a qual foi feita no anno de 1581, e por outra de Repuxo, de Oito Bicas, que sayem de huma só bacia, cuberta com huma piramide, feita no anno de 1726. Toda esta ágoa depois de cahir nos seus recipientes, se [p. 156] emcaminha para o Chafariz em que bebem as Bestas.

2879. Este Chafariz hé todo de pedra marmore, tem ... palmos de comprimento, ... de Largura, e oito de altura, e as sobras se emcaminhão para hum lago todo de marmora no qual as mulheres lavão a Roupa; este lago tem ... palmos de comprimento, e ... de largura, e ... de altura. Esta ágoa junta à do lago grande hé o principio do Ribeiro da Villa, e com ella se regão muitas hortas, e Quintas, e móem ... Azenhas, das [quais] duas estão dentro dos muros da praça.

Cap. III36

  • 36 Numeração repetida, por lapso do autor. Devia ser Cap. IV.

2881. O Convento de S. Francisco de Religiozos observantes da Provincia dos Algarves, he o oitavo no assento do Capitulo Provincial, devendo pela sua antiguidade, e grandeza ser o terceiro da Provincia. Hé Caza habitada por sincoenta Religiozos, e já o foi por mais de setenta; hé Caza de Noviciado, e de estudos de Filosophia. Este convento foi [p. 157] idificado em vida do Santo Patriarcha, pelos annos de 1228, e consta que no de 1239, era habitado por vinte e nove Religiozos, como diremos na Segunda parte desta[s] memorias, na vida do Servo de Deos, Pedro o Bom.

2892. O terreno em que o Convento se fundou, foi doado pelo Mestre da ordem de Aviz, Dom Fernando Rodrigues Monteiro. O Convento teve o seu principio em huma pequena Cappella de S. Bento chamada do Carrascal, a qual ainda hoje se conserva no fundo da serca, com a invocação de Nossa Senhora da Conceição. Passado algum tempo, mudarão os Religiozos a Imagem de S. Bento para a Igreja que de novo fundarão no lugar em que hoje está.

2903. Não consta quem fosse o fundador do Convento. Alguns Historiadores asseverão, que havia sido El Rey Dom Affonso III; porem disto não há prova alguma, nem ao menos conjectura, por quanto o Convento já existia no tempo, em que este Principe rezidia em França, cazado com a Condeça Matilde e tambem porque El Rey Dom Affonso III [p. 158] no testamento com que faleceu, deixou legados às Cathedraes, e Conventos do[s] seus Reynos, particularmente aos da sua fundação; por tanto, se o convento de S. Francisco de Estremoz fosse fundação Sua, não deixaria de ser legatario, como forão outros.

2914. Outros Escriptores tomando por fundamento as armas da Rainha Dona Brites, segunda mulher de El Rey Dom Affonso III que se vem no feixo da abobada do cruzeiro da Igreja de S. Francisco de Estremoz, se persuadirão que esta Princeza havia sido a fundadora do dito convento; porem cazando no anno de 1253, tempo em que o Convento já era fundado, por consequencia, não podia ser esta Senhora a sua fundadora. Tenho por verocimil que esta Princeza deu alguma avultada esmola para a obra da dita Igreja, e que os Religiozos, para mostrarem a sua gratidão, mandarão por na obra as armas da Sua Bemfeitora.

2925. O antiguo convento só comprehendia o Dormitorio contiguo à torre, com o claustro, dormitorio do meyo, e o da frontaria [p. 159] do lago, desde a Igreja até à porta do Carro, por quanto as oito sellas, que continuão para a parte da Sequa [sic], e as doze do Dormitorio da parte do Norte, são obra do Provincial Fr. Domingos da Estrella, no anno de 1744.

2936. Na divizão que no anno de 1517 se fes dos Conventos da Ordem Sarafica, ficou o Convento de Estremoz pertensendo à Provincia da Claustra, e sugeito à obediencia dos Ministros Provinciais della, e nella se conservou até ao anno de 1542, em que o Cardeal Infante Dom Henrique o reformou, sugeitando-o à obediencia dos Prelados da Provincia dos Algarves, na qual se conserva.

2947. O Convento tem hum grande claustro, com huma varanda em roda, cujo telhado he sustentado sobre ... colunas de marmore. No meyo do claustro há hum largo Poso, e hum bom Jardim. A claustra proxima à portaria, que fica para a parte do Norte, pertence à ordem Terseira da penitencia, desde o anno de [p. 160] 1626, e nella se sepultão os Irmãos Terseiros. Nesta quadra há duas Cappellas; a primeira serve de Capitulo, e Sepultura aos Religiozos, e a Segunda de Nossa Senhora da Conceição, que serve de Sepultura aos Ministros da Ordem Terseira.

2958. Na quadra da Torre, está a Sachristia do Convento, a qual hé formoza; e alegre, e servio de Capitulo à Communidade, ate ao anno de 1723. Junto desta está a cappella do Minino Deos, com retabulo de marmore, a qual foi idificada por Dona Jozepha Maria da Silveira Senhora de Val de Sevadal, na qual tem Carneiro para seu Jazigo, e da sua familia; foi fundada no anno de 1756, e hoje pertense a seu filho Antonio Henriques da Silveira, Dezembargador do Paço.

2969. O Templo hé grande, formozo, e de tres náves, tem sete altares. A Cappella Mor era do Padroado Real. El Rey Dom Filippe IV fes doação della no anno de 1623 a Fernando de Mattos de Lucena seu secretario de Estado, e do seu concelho, [p. 161] o qual a pos no grandiozo estado em que hoje se vé, e a dotou, e escolheu para sua sepultura, e da sua familia; o altar mayor tem ... palmos de comprimento, e ... de Largo, cuberto de huma pedra de marmore branco, que toda hé Pedra de Ára.

29710. O Novo Padroeiro enriquiseu a sua cappella com hum preciozo sanctuario de Reliquias, que a indiscreta piedade dos Religiozos tem furtado. Por baixo desta cappella está huma caza, na qual jaz o dito Fernando de Mattos de Lucena, e seu sobrinho Francisco de Lucena, Secretario de Estado, e do Concelho dos Reys Dom Filipe IV, e Dom João IV e nella estão sepultadas outras pessoas illustres; o Padroado desta cappella pertense aos Lucenas, Morgados da Quinta de Pexinhos.

29811. A primeira cappella do lado esquerdo, he da invocação de Santo Antonio, a qual serve de Cappella do Santissimo desde o anno de 1763. O Padroado desta Cappella foi concedido pela Communidade no anno [p. 162] de 162 ... a Jeronimo da Gama de Sande, Fidalgo da Caza Real e Senhor do Morgado da Cotuvieira, e por sua morte passou a seu filho Antonio Paes de Sande, Governador do Estado da India; e hoje pertense a seu netto João Manoel Paes de Sande, Senhor da Villa de Penedono.

29912. A Segunda Cappella do mesmo lado, e fronteira ao altar da Senhora do Rozario, pertence à Orden Terseira, hé da invocação de Nossa Senhora da Conseição. Hé magnifica, com retabulo de Marmores Azuis, e Brancos, fundada no anno de 1763, à custa dos Fiéis, e custou com o Consistorio quinze mil cruzados. Quando se formou o arco desta Cappella, se descobrio no Groso da parede o Tumulo de Vasco Esteves Gatuz, que havia falecido no anno de 1363.

30013. A terceira Cappella do mesmo lado, hé da invocação de Christo; he Sumptuoza, com abobeda de marmore, e sercada de ameyas; o portico he grandiozo, e lavrado. Nesta cappella está colocada a Sagrada Imagem do Senhor dos Passos, à qual o povo recorre nas [p. 163] suas aflisoens; a imagem hé tão perfeita, que o Povo, e os Religiozos a conciderão como obra dos Anjos. Esta cappella pertence aos Condes do Vimieiro, que nella tem jazigo, e foi fundada por Dom Fadrique de Portugal, filho de Dom Affonso, e Dona Maria de Noronha, II Condes de Odemira, como consta de huma inscripção lapidar, que se conserva na dita cappella, que dis assim.

30114. A primeira Cappella do lado direito da Igreja hé da invocação de S. Bento, a cuja entrada está a Sepultura de Estevainha [p. 164] Gomes Instituidora da Rendoza Cappella de Veiros, que El Rey Dom João II doou ao Convento de São Francisco de Estremoz, e que he administrada pela Camara da Villa de Veiros, e Síndico dos Religiozos. O Padroado desta Cappella pertense a Henrique de Mello de Azambuja, Moso Fidalgo da Caza Real, e Senhor do Morgado da Torroza.

  • 37 Cf. Padre Joaquim José da Rocha ESPANCA, Memórias de Vila Viçosa, vol. 4, p. 90-93.

30215. A Segunda Cappella do mesmo lado, he da invocação de Nossa Senhora do Rozario, em cujo altar se ve a arvore de Jessé, com os Assendentes da Senhora; foi feito pela Confraria da mesma Senhora no anno de 1638. Esta cappella hé da Communidade e nella foi sepultaado Dom Fernando Pereira Irmão do Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira, o qual foi morto no anno de 138[4]37 no escalamento do Castello de Villa Viçoza.

30316. O terceiro altar, he o de Nossa Senhora do Amparo, o qual esteve até ao anno de 1763 no cruzeiro da Igreja, no sitio em que se formou o Arco da Cappella nova dos Terseiros. Esta Cappella doou a [p. 165] Communidade a Gaspar de Tavora Boto, cavalleiro da Ordem de Christo, e hoje pertense a seu segundo netto João Lobo de Castro Pimentel, Capitão de Cavallos.

Cap. IV

  • 38 No entanto, o mosteiro apenas foi fundado em 1519. Cf. T. ESPANCA, Inventário..., vol. I, p. 142.

3041. No Grande Rocio da parte Oriental foi fundado o Real Mosteiro de S. João da Penitencia, de Commendadeiras da Ordem de Malta, o unico que esta Religião tem em Portugal. Este mosteiro teve o seu principio na Cidade de Evora, e deveo a sua fundação ao Balio Fr. Andre do Amaral, que para este estabelicimento alcansou licença do Grão Mestre Fabricio de Carreto e do Capitulo Geral da Ordem no anno de 1512, estando esta Ordem na Ilha de Rhodes38.

305[p. 166] 2. O Mosteiro de Evora se fundou na Rua da Mesquita (hoje chamada do Senhor da Pobreza) no sitio em que havia estado huma Albergaria da invocação de S. João. A primeira Prelada foi huma Senhora de qualidade chamada Dona Izabel Fernandes, a qual com outras Senhoras de igual Nobreza principiarão a praticar o Instituto Hospitalario. O mesmo Grão Mestre Fabricio de Carreto dotou o Mosteiro com o rendimento da Herdade de Machede, que desmembrou da Commenda de Portel, à qual pertencia, por huma Bulla datada em Rhodes a ... de ... de 1515.

3063. Na Rua da Mesquita permaneserão as Religiozas dezoito annos ate ao de 1530, no qual o Infante Dom Luiz Prior do Crato as mudou para o sitio em que hoje está a Mizericordia, para cujo effeito comprou o Infante hum Palacio a Dom Fernando de Noronha filho do Conde de Faro, por huma Escriptura assignada [p. 167] em 16 de Abril de 1530, e logo se fes a mudança, e se vendeu o abandonado Mosteiro ao Dezembargador do Paço Heytor de Pina, e a sua mulher Francisca de Brito Sacota, que nelle fundarão o Collegio da Madre de Deos.

  • 39 Cf. id., ibid., p. 142.

3074. Quando esta primeira mudança se fes, era Prioreza a Madre Leonor da Silva, levando por Companheiras as Madres Catharina Fernandes, Izabel Botelho, Maria Botelho, Ignez Dias, Guimar Tavares, Mecia Pimenta, Leonor Pimenta, e Helena Pereira, todas Senhoras de qualidade. Vivião ellas com louvavel recolhimento; porem como o Infante Dom Luiz pertendia dar lhes hum instituto mais reformado, determinou mudar o Mosteiro de Evora para outra terra, e alcansou licença do Grão Mestre João de Homedes, e do Capitulo geral, para fundar o Mosteiro de Estremoz, e lhe foi concedida no anno de 153[3]39. (i).

---

(i) [com outra letra] Segundo o Arrabido Fr.. Claudio dis no seu Gabinete Historico Tomo 2° foi edificado pelo Infante D. Luis para recolhimento de Fidalgas pobres em 1540.

  • 40 Cf. id., ibid., p. 142.

308[p. 168] 5. Não quiz o Infante dilatar a fundação do Novo Mosteiro, e sabendo que El Rey D. Manoel seu Pay havia fundado em Estremoz hum Convento, no anno de 1501, o qual estava sem habitadores, o pedio a El Rey Dom João III seu Irmão, e conseguido o dito Idificio supplicou ao Papa Paulo III lhe confirmase a Regra e Estatutos, que se devião goardar no Mosteiro, o que aquelle Pontifice fes pela Bulla, que principiou Universalis Regiminis, datada em Roma no dia [16] de [Dezembro] de 15[39]40.

3096. Nos estatutos determina o Infante, que as Religiozas do Coro, sejão trinta e tres, e as Conversas ou leigas sette, destinadas para o serviço da Communidade. Quer que as Religiozas do Coro sejão Fidalgas, e as Conversas de honesto nacimento, e que no Concurso das pertendentes, sejão preferidas as filhas dos seus Criados. O Infante escolheu as primeiras Religiozas; porem não consta se nellas entrou alguma do Mosteiro da Cidade de Evora.

3107. As primeiras Religiozas forão Fidalgas [p. 169] e recebidas sem dotte. Para fundadora e primeira Prioreza escolheu o Infante a Madre Dona Francisca da Silva Religioza do Mosteiro de Santa Clara de Beja, Senhora recomendavel pelo seu nacimento, e muito mais pelas suas virtudes. Ella professou o novo Instituto Hospitalario. Nos Estatutos se declara, que as Religiozas, que no futuro tempo fossem recebidas não herdasem couza alguma de caza de seus Paes, se tivessem sido competentemente dotadas.

3118. O Material Idificio do Mosteiro não inculca grandeza; porem interiormente hé espasozo, e tem hum Claustro mayor do que o do Convento de S. Francisco. Tem dois Dormitorios, e boas officinas. Sendo a Igreja pequena, e não se podendo alargar por cauza da Ermida de S. Sebastião (era a Cappella da Senhora da Assumpção) a pedio o Infante ao Senado da villa, para a unir à Igreja nova.

3129. Não duvidarão os Senadores satisfazer a vontade do Infante, e por tanto lhe [p. 170] concederão a Ermida com as condissoens seguintes: primeira, que a imagem do Santo se conservaria no altar mayor da Igreja nova; segunda, que a Ermida conservaria huma porta para a Rua; terceira, que junto della se conservaria hum campanario com seu Sino; Quarta, que o Senado iria annualmente com porcição à dita Igreja no dia do Santo, a fazer lhe a festa, em signal da sua antigua posse, o que até ao prezente se tem praticado.

31310. Dotou o Infante o seu Mosteiro com grandeza, porque lhe deu avultado rendimento não só do patrimonio da ordem, mas ainda da Caza do Infantado. Dos bens da Ordem lhe deu Tres Commendas, que se criarão de novo com os Dizimos das Igrejas de S. João de Castello de Vide, de Santiago, e Santa Maria de Marvão todas no Bispado de Portalegre, e a esta renda ajuntou a da Herdade de Machede no termo de Evora, que havia sido do extinto Mosteiro da dita Cidade.

31411. Do patrimonio da Caza do Infantado [p. 171] doou o Infante com licença Regia sincoenta moyos de trigo de renda annual, para se cobrarem no sileiro do Infantado da villa de Moura. Doou lhe mais o padroado de seis Igrejas, que o Infante havia herdado por morte de sua cunhada, a Infanta Dona Gumar Coutinho. O Mosteiro esteve de posse deste padroado, até ao anno de 1636, no qual El Rey Dom Filippe IV o unio à Coroa, dando lhe por equivalente cento e quarenta mil reis de juro na Alfandega de Lisboa, e cento e secenta mil reis em pensoens perpetuas; impostas em diferentes Igrejas.

31512. O patrimonio do Mosteiro cresceu notavelmente, com as heranças que teve por cabeça das suas Religiozas, e muito mais pelas generozas liberalidades do Senhor Rey Dom Pedro III. E a todos excedeu o Serenissimo Principe do Brazil Dom João Nosso Senhor, o qual lhe doou oito mil Cruzados de renda annual em Prestimonios da Caza do Infantado, por carta de ... de ... de 178 ... e por este modo chega a renda do Mosteiro a 18$. cruzados.

316[p. 172] 13. Determinara o Infante Dom Luiz fundar no lugar da Flor da Roza hum Collegio de Freires da Ordem de Malta, de cujo seminario havia sahir os Confessores para o Mosteiro das Religiozas de Estremoz; porem como esta fundação não se verificou, o mesmo Infante, para suprir esta falta, emcarregou interinamente a administração dos Sacramentos e governo do Mosteiro aos Prelados mayores da Provincia dos Algarves.

31714. Esta jurisdição dos Provinciais dos Algarves, Precaria na sua origem, no futuro tempo se fes absoluta; porque intentando o Emminentissimo Grão Mestre Dom Fr. Antonio Manoel de Vilhena, pelo seu Procurador Dom Fr. Lopo de Almeida, Balio de Lessa, restituir o Mosteiro à obediencia da Ordem, achou huma tenaz oppozição da parte dos Padres da dita Provincia. A Cauza não se determinou, porem ficou suspensa pela morte do Grão Mestre, sussecida no dia ... .

31815. O Mosteiro se conservou na obediencia dos Provinciais dos Algarves desde o [p. 173] anno de 1540, em que se fexou a clausura, ate ao de 1748, em que o Serenissimo Infante Dom Pedro Prior do Crato alcansou huma Bulla do Papa Benedicto XIV datada em Roma, no dia ... de ... de 1748, pela qual sugeitou o Mosteiro à obediencia dos Priores do Crato, e o Infante tomou posse do Mosteiro no dia 16 de Julho de 1748 por seu Procurador, Dom João de Azevedo Bispo de Portalegre.

31916. Em obzequio da verdade se deve confessar, que a escolha que o Infante Dom Luiz fes dos Padres Franciscanos da Provincia dos Algarves, para administrarem o pasto espiritual às Religiozas Maltezas, foi acertada; a experiencia o mostrou, no largo espaço de duzentos e oito annos; porque pelo zello daquelles Prelados, se conservou o Mosteiro na sua primitiva observancia, conservando effectivamente crescido numero de Religiozas, que com as suas heroicas virtudes, aumentarão a gloria do Instituto da sua Ordem, e do seu Mosteiro, e acreditarão o zello, e prudencia dos seus Directores.

320[p. 174] 17. No interior do Convento se emcontrão muitas Cappellas idificadas pela piedade das antiguas Religiozas, as quaes as ornarão com decencia, e deixarão este zello hereditário às suas sucessoras. Entre estas Cappel. las se distinguem tres: a primeira hé a da Senhora de Bellem, fundada pela Commendadeira Soror Joanna Baptista Irmãa de Dom Manoel de Menezes Almirante da Armada Real. Esta Senhora foi dotada de singular talento, e escreveu huma Historia do Mosteiro em que foi Religioza.

  • 41 Cf. id., ibid., p. 151.

32118. A Segunda Cappella hé a do Senhor dos Passos, hé formozissima, e com retabulo de Marmores, foi idificada no anno de 1752 pela Commendadeira Soror Maria de Jezus, Religioza de conhecida virtude; e de quem se falará na Segunda parte destas Memorias. A terceira Cappella hé a da Senhora do Carmo, manda[da] fundar com grande despeza, pelo Infante Dom Pedro no anno de 17[77]41.

32219. O Mosteiro se intitula de S. João [p. 175] da Penitencia; as suas Religiozas ainda que sejão das cazas da mayor grandeza, renuncião o prenome de Dom, de que usavão no seculo. O seu Mosteiro sempre foi exemplar, e as suas Religiozas revestidas de singular modestia, e por esta e outras virtudes Religiozas tem merecido huma geral estimação em todo o Reyno. Se a Divina Providencia me conservar a vida, e as minhas occupasoens o pirmitirem, poderei completar a Historia deste Mosteiro; para a qual tenho ajuntado as memorias necessarias.

Cap. V

3231. A ordem chronologica, pede que neste Capitulo se de noticia do Convento de Santo Antonio de Religiozos Capuchos da Provincia da Piedade, o qual está situado a pouca distancia da villa. A sua primeira fundação principiou no interior da sua serca, no anno de 1537, e em breve tempo se concluhio a obra, por haverem sido copiozas as esmolas, e particularmente pela [p. 176] avultada, que lhe fes El Rey Dom João III. A Cappella mor foi feita por Dom Lopo de Azevedo Almirante de Portugal, Commendador de Jurumenha, e morador em Estremoz.

3242. O Povo, que dezejava esta fundação, doou aos Religiozos não só o terreno da serca, mas tambem a ágoa das Fontes, que se emcaminhavãopara o lago, chamado o Tanque dos Mouros, que ficapouco distante. Cento e vinte e sinco annos assistirão os Religiozos no primeiro sitio, e dezejando melhorar, mudarão a sua assistencia para o sitio, em que hoje está o Convento, que hé hum dos mayores da Provincia, com caza do Noviciado, e de Estudo de Filosofia, e habitado por trinta Religiozos.

3253. Principiou a segunda fundação no dia 26 de Novembro de 1654, e como Estremoz naquelle tempo era o Quartel General da Provincia, e nelle assistião os mayores officiais do Exercito, forão tão avultadas as esmolas, que elles derão, que [p. 177] a obra se concluio em oito annos, e os Religiozos se mudarão para o novo Convento, no anno de 1662. A Igreja he decente, e tem tres altares, e da cappella mor hé Padroeiro Tristão Guedes de Queiroz Senhor do Morgado de Mamporcão.

Cap. VI

3261. O Convento e Hospital Real de S. João de Deos destinado para nelle serem curados os Militares infermos teve o seu principio no anno de 1669, em que os Religiozos conceguirão licença Real para fundarem Caza em Estremoz; a sua primeira assistencia, foi no sitio em que hoje está o convento da Congregação do Oratorio, e passados alguns annos se mudarão para o fundo da Porta Nova, junto da esquina da Rua das Almas, e nelle se conservarão ate ao anno de 1720.

3272. El Rey Dom João V mandou idificar no fim da Rua de Santa Catharina o Hospital Militar, em que os Religiozos [p. 178] assistem actualmente. A Igreja deste Hospital hé a Ermida de Santa Catharina, fundada por Henrique Cabral Instituidor do Morgado de Santa Catharina, e por sua morte sussedeu no Padroado da dita Ermida seu filho Ruy Dias Cabral Fidalgo da caza de El Rey, e do seu Concelho, o qual era natural de Estremoz.

3283. Para esta nova caza se mudarão os Religiozos no anno de 1720; nella assistem dez Religiozos, que imitando o charitativo espirito do seu Santo Patriarcha, idificão ao Povo, e servem aos Militares, que ali se curão das suas infirmidades. Neste convento se estabeleseu no anno de 1732 a Ordem Terseira de Nossa Senhora do Carmo, na qual se tem allistado a mayor parte dos moradores do povo, os quais pela sua liberalidade a tem enriquecido de preciozos ornamentos, e alfayas, para fazerem os officios Divinos com a mayor decencia.

[p. 179]

Cap. VII

3291. O Convento dos Eremitas Descalços de Santo Agostinho, fundado no sitio da Rua das Freiras sobre as Ruinas do antiguo Mosteiro das Religiozas de Santa Clara, hé hum dos mayores da Congregação dos Grillos. O terreno, e a sua Igreja pertenzia à Confraria do Espirito Santo, e nelle houve no tempo antiguo huma Albergaria com o titulo do Espirito Santo, e extinta ésta, se fundou naquelle sitio hum Mosteiro de Religiozas de Santa Clara, e por este motivo conserva aquella Rua o nome de Rua das Freiras.

3302. No Reinado de El Rey Dom Duarte floreseu hum varão sabio chamado Fr. Affonso do Paraizo, o qual era Doutor Theologo, Pregador, do Concelho do dito Rey, [p. 180] e Provincial dos Padres Claustrais. Este Padre foi o fundador do Mosteiro de Santa Clara de Estremoz. Elle para esta fundação alcansou huma Bulla do Papa Martinho V que principia: Inefabilis summi providentia patris, datada em Avinhão a 26 de Outubro de 1428 e deste Documento se conhese o engano de Damião de Goes, que faz a El Rey Dom Manoel, fundador deste Mosteiro.

3313. No mesmo anno de 1428 deu Fr. Affonso principio à fundação do Mosteiro, em que logo clausurou vinte e cinco Religiozas. A idificante vida destas Religiozas, e a protecção do fundador aumentou em pouco tempo o patrimonio do Mosteiro, porque El Rey Dom Affonso V lhe fes a merce de 2$ libras de renda, e havendo-se alterado o valor da moeda, lhes commutou as 2$ libras em [p. 181] quatro centos reais Brancos. El Rey Dom João II lhe acrescentou a renda com quatro mil reis para o cappellão do Mosteiro.

3324. El Rey Dom Manoel aumentou o rendimento do Mosteiro com duzentos cruzados annuais, e depois com mais quinhentos cruzados de renda annual, tirados do Reziduo das Cappellas de Estremoz, e em distancia de vinte milhas em roda da dita villa, para o que alcansou huma Bulla do Papa Leão X. Este Mosteiro ficou pertensendo à Provincia Claustral, na divizão dos Conventos da Ordem Serafica, feita no anno de 1518.

3335. Pertendia o Duque de Bragança Dom Jaime fundar em Villa Viçoza o Mosteiro da Esperança, e dezejando que as fundadoras sahissem do Mosteiro de Santa Clara de Estremoz, alcansou hum Breve do Papa Clemente VII para que as Freiras do Mosteiro de Estremoz se reformasem, ou fossem transferidas para o novo Mosteiro da Esperança; porem este projecto se desvaneseu, com a morte do Duque.

334[p. 182] 6. O Papa Paulo III, à instancia de El Rey Dom João III passou huma Bulla, para que todos os conventos claustrais do Reyno de Portugal fossem reduzidos à observancia primitiva. Esta Reforma foi commetida ao Cardeal Infante Dom Henrique, o qual lhe deu principio pelo convento de São Francisco de Estremoz, no anno de 1542, e immediatamente reformou o de Santa Clara da mesma villa, e sugeitou ambos à obediencia dos Prelados da Provincia dos Algarves, sendo então Provincial della Fr. Andre de Insua, que depois foi Geral da Ordem Sarafica.

3357. O Patrimonio do Mosteiro de Santa Clara sendo sufficiente para a sustentação das suas Religiozas, estava attenuado, pela usurpação das fazendas que antes o constituhião: a sua reivindicação era dificil, portanto julgarão os Padres do Governo, que o mosteiro não podia subcistir, e que era mais util a sua extinção, mudando as Religiozas delle para o Mosteiro de Santa Clara de Portalegre, e effectivamente se fes a dita mudança, [p. 183] unindo-se as fazendas do extinto Mosteiro às de Portalegre. Não consta do anno desta mudança, porem no anno de 1551 já as Religiozas habitavão o Mosteiro da cidade de Portalegre.

3368. Evacuado o Mosteiro de Estremoz, ficou a Igreja delle, e todo aquelle idificio pertensendo à Confraria do Espirito Santo, pelo direito de reversão, e o Mosteiro não sendo habitado, foi cahindo em ruina. Neste estado estava elle no principio do XVII século, no qual os Religiozos da Ordem dos Pregadores pedirão o dito terreno, para nelle fundarem hum convento, e sendo a sua pertenção approvada pela Nobreza, e Povo, conseguirão a doação do dito terreno.

3379. Derão logo os Religiozos Pregadores principio à nova fundação, e para mostrarem que pertendião ser uteis ao Povo, abrirão logo Estudos de Theologia, [p. 184] que principiarão a insinar; porem esta fundação foi impugnada pelos Religiozos de S. Francisco, os quais depois de hum litigio, que durou muitos annos, conseguirão sentença a seu favor no anno de 1624, e por ella expulsarão aos padres Dominicanos do seu novo convento, e o idificio se unio de novo à Confraria do Espirito Santo.

33810. A divina Providencia rezervava este sitio para os Eremitas Descalços de Santo Agostinho, como se verá. Dezejava o Veneravel Padre Fr. Manoel da Consecção, Fundador da Congregação dos Grillos de Portugal, fundar hum convento da sua congregação na villa de Estremoz. A sua pertenção foi impugnada por alguns espiritos turbulentos, porem a Divina Providencia, que approva a nova fundação, removeu todos os embarasos.

339[p. 185] 11. Manoel Godinho de Gusmão Cavalheiro Principal da villa e a Commendadeira das Maltezas Soror Antonia Maria de Bellem, filha do Secretario de Estado Francisco de Lucena, forão os instromentos de que Deos se servio para que o V[enerave] Fundador conseguisse a sua pertenção. A Comendadeira deu os ornamentos, e outras couzas necessarias, e o Bom Godinho, as proprias cazas em que vivia na Rua das Areyas, que servirão de convento, e nella se selebrou a primeira Missa no dia ... de ... 1671.

34012. Erão as cazas doadas pelo Generozo Bemfeitor pequenas para hum convento, e por este motivo se mudarão os Religiozos para a Rua das Covas e dahi para o Castello, e deste sitio para a Rua do Mao Foro e ultimamente para a Rua das Freiras, para o sitio de que havião [p. 186] sido expulsados os Religiozos Dominicanos; pedirão os Grillos este sitio à Confraria do Espirito Santo, e Nuno de Mendoça II Conde de Val de Reis Reytor da Confraria, com os mais confrades concederão aos Padres o que elles pedião, com a obrigação de insinarem Grammatica aos filhos da terra, o que consta de huma escriptura lavrada a ... de ... de 167 ... .

34113. Conseguido o sitio, derão os Padres principio à fundação do seu convento, da invocação de Nossa Senhora da Consolação, extendendo o idificio ate às torres das courasas; fundarão logo hum bom Dormitorio, e no anno de 1740 fundarão outro sobre o primeiro, e depois desta ultima obra ficou o convento sendo hum dos mayores da congregação. He caza de Noviciado, e de Estudos de Filosophia. El Rey Dom João V lhe consedeu o uso da ágoa do Poso das Courasas.

342[p. 187] 14. Neste convento habitão trinta Religiozos, e já teve mais de quarenta. O seu Templo não hé grande, porem hé desente, tem quatro altares. A Igreja pertence à Confraria do Espirito Santo, e o uso aos Religiozo. Esta Irmandade tem grandes Privillegios, e hé unida à do Espirito Santo da cidade de Roma, e tem o titulo de Archiconfraria. A sachristia do convento foi fundada no anno de 1700 pelo capitão Morgado Francisco Rodrigues Antas.

Cap. VIII

3431. O mais moderno dos conventos de Estremoz, hé o de Nossa Senhora da Conceição dos Padres da Congregação do Oratorio; elle foi fundado pelo veneravel Arcebispo de Evora, Dom Fr. Luis da Silva no anno de 1607 para cuja fundação conseguio licença Real, e convidou para o habitarem aos Padres do Convento do Oratorio do Espirito Santo da Cidade de Lisboa; e desta caza veyo com alguns Companheiros [p. 188] habitar a caza de Estremoz o Padre Manoel de Souza Seu Fundador, varão sabio e de santa vida e virtude, que havia sido Prepozito na Caza de Lisboa.

3442. Havia na parte meridional do Rocio de Estremnoz hum Palacio, fundado por Dom Constantino de Bragança Vice Rey da India, e Instituidor do Morgado do Maranhão no termo de Aviz. Este Morgado por morte do instituidor passou a seu sobrinho e Afilhado Dom Constantino de Bragança Commendador de Moreiras, filho segundo de Dom Francisco de Mello II Marquez de Ferreira, e da Marqueza Dona Eugenia de Bragança Irmãa do Instituidor.

3453. Por morte de Dom Constantino primeiro chamado para a administração do dito Morgado, sussedeu nella seu filho Primojenito Dom Francisco de Mello I Conde do Assumar, e em Castella Marquez de Ilhescas e de Torre Laguna, o qual no tempo da Aclamação de El Rey Dom João IV estava servindo ao Rey Catolico, e por [p. 189] continuar o mesmo serviço, ficando em Castella, se lhe confiscarão os bens, que possuia em Portugal, e o Morgado passou a seu Primo Dom Nuno Alvares Pereira de Mello I Duque do Cadaval.

3464. Comprou o Arcebispo Fundador este Palacio ao Duque do Cadaval, e logo deu principio à obra do Convento, selebrando-se a primeira Missa no dia de Nossa Senhora da Conseição 8 de Dezembro de 1698. A caza foi idificada para vinte Sacerdotes e alguns Leigos; e já teve quarenta habitadores; nella insinão os Padres Filosophia, e Theologia, não só aos seus Domesticos, mas tambem aos Estudantes da Terra.

3475. O Fundador deu principio à fundação do Magestozo templo do Convento, no qual fes as quatro cappellas, que haveria concluido, se a sua morte acontecida em Evora no dia 13 de Janeiro de 1708, lhe não houvese interrompido a obra. Os Padres fundarão as quatro cappellas fronteiras no anno de 1744, e concluido [p. 190] que seja o templo, será hum dos mais magnificos da Provincia; assim como hé a Escada conventual.

3486. Dotou o Arcebispo este Convento; e lhe deu Ricas Alfayas e Ornamentos. Estes Exemplares Padres se empregão nas Missoens da Provincia, quando os ordinarios della os convidão, servem com zello ao Povo, no Confecionario, e no pulpito, elles agonizão aos infermos, não havendo quem os exceda na promptidão com que acodem a estas necessidades espirituais; a sua modestia, Gravidade e mais virtudes dignas do Estado Ecclesiastico, lhes tem conciliado a Geral estimação do Povo, que por este modo faz justiça ao seu notorio merecimento.

Cap. IX

  • 42 Por alvará de 6-2-1610. Cf. id., ibid., p. 140.

3491. A Confraria da Mizericordia de Estremoz fundada por El Rey Dom Manoel, no anno de 1498, teve o seu primeiro assento junto da Igreja de S. Miguel, e [p. 191] como naquelle sitio não havia capacidade para ter Enfermarias proporcionadas ao crescido número de doentes, que a Caza devia curar, pedirão o Provedor e Mordomos da Meza a El Rey Dom Filippe III, que lhe consedese licença, para mudarem a Caza e Hospital para o de Nossa Senhora dos Martyres que estava no sitio da Porta Nova, o que o dito Rey lhe concedeu por Carta de ... de ...de 161142.

3502. Houverão em Estremoz diferentes Albergarias para se recolherem os Pobres e se curarem nos seus respectivos Hospitais; nestas cazas se lhes davão cubertas, para se repararem do frio, e camas aos enfermos, que se curavão nos Hospitais, como se prova de huma Provizão de El Rey Dom Affonso V passada na cidade de Vizeu no dia 13 de Março de 1454. Estas Albergarias se extinguirão, ou unirão à Meza da Mizericordia.

351[p. 192] 3. Por esta união se emgrosou o rendimento da caza da Mizericordia. Estas Albergarias erão a de S. Pedro na Rua dos Carvoeiros; a Segunda a do Espirito Santo na Rua das Freiras, a terseira a de Nossa Senhora do Pranto, no Bairro de Santiago, e a quarta a de Nossa Senhora dos Martyres no dito Bairro: Esta se conservou até ao anno de 1578, em que El Rey Dom Henrique a unio à Meza por carta datada a ... de ... 15 ... com a condição de que as rendas deste Hospital andarião sempre separadas das da caza da Mizericordia, o que ainda hoje se observa.

3524. Com estas unioens ficou rica a Caza da Mizericordia até ao anno de 158 ... em que Estremoz se vio oppremida com o cruel flagello da Peste. O numero dos enfermos foi tão crescido, e as despezas tão excessivas, que a Mizericordia para acudir ao remédio dos Empestados vendeu a mayor parte das fazendas do Patrimonio da Caza; [p. 193] este generozo dezenterese foi tão agradavel a Deos, que depois daquelle sacrificio tem a Caza adequerido tantas fazendas que ainda hoje passa de seis mil cruzados a sua renda annual.

3535. A caza assiste com os remedios necessarios aos Religiozos Capuchos, e dá muitos aos Pobres que se curão nas suas Cazas. Conserva hum bom Hospital, e para o seu serviso tem hum Cappellão, dois Medicos, dois Sirurgioens, Sangrador,[...] Emfermeiros, Boticario. Cria os Mininos Expostos, e manda educar as Mininas da Roda em hum Recolhimento, até à idade de poderem cazar. Os mais officiais da Caza são, hum Cappellão Mor, Syndico, Secretario, e andador, e outros ordinarios.

3546. O Provedor sempre he Fidalgo, ou Pessoa Principal da villa; elle se intitula Provedor da[s] Santas Cazas da Mizericordia, e Hospital de Nossa Senhora dos Martyres. O lugar he dispendiozo, porque na Quinta Feira Mayor dá o jantar aos doze Pobres a quem Láva os pés, e dá seis vestidos. [p. 194] O Escrivão veste a tres e a Caza a outros tres.

3557. A igreja da Caza he decente, e asulejada até à simalha; tem tres altares, e nella se selebrão os officios Divinos com perfeição e se dá Guizamento a todos os sacerdottes que nella querem selebrar. Os Emfermos do Hospital são assistidos com grandeza e cuidado, servindo os Irmãos da Meza aos mezes de Emfermeiros Mores. Será para dezejar que os futuros Mordomos imitem aos actuais no zello e na charidade.

3568. Na Rua das Almas, em terreno da Caza, mandou Jozeph Mendes da Silveira Briozo, Pessoa Principal da villa fundar huma cappella da invocação de Christo, e junto della huma caza para depozito dos ossos dos pobres sepultados no simiterio da Caza. Na parte interior da Cappella se conserva huma caixa, para receber as Esmollas, que os Fieis offeresem, para se empregarem em sacrificios pelo descanço das almas e dos mesmos pobres, sendo muito louvavel o Grande zello e fervor com que o Povo satisfaz a este officio charitativo.

357[p. 195] 9. No ultimo dia do mez assistem o Provedor e Thezoureiro à abertura da caixa, e nos primeiros dias do mez seguintes, se manda dizer o seu produto em missas de esmolla de cento e quarenta reis. Estas Missas chegão annualmente a mil e quinhentas, e no dia ... de Mayo manda a caza fazer hum officio grave, e dizer as missas possiveis pelo descanso das mesma[s] almas, função a que assistem os Irmãos da Meza, e o Pregador declara no Pulpito o numero de Missas, que se disserão nos mezes do anno antecedente.

35811. [sic] O semiterio da Mizericordia hé decente, e nelle se sepultão não só os pobres que falesem no Hospital, mas tambem muitas pessoas distintas do povo, as quais antepoem esta humilde sepultura à das suas familias. Neste semiterio mandou Francisco Gonçalves de Faria cavalleiro da Ordem de Christo, e Mordomo da Meza, idificar huma desente cappella, no anno de 17 ... e nella tem a sua sepultura, à qual tem direito sua mulher e Descendentes pela concessão que o Provedor, e Irmãos da Meza lhes fizerão.

  • 43 Cf. id., ibid., p. 187.

359[p. 196] 12. No Rocio defronbte das cazas do Arcenal Provincial se fundou huma cappella da invocação do Santo Christo no anno de 1576, e se amplificou no anno de 17 [51]43. No terreiro de S. Braz está a Ermida deste Santo; hé antigua, e della discubro memorias no Reynado de El Rey Dom Fernando. Junto da Porta de Santa Catharina, e defronte da sua Cadeya mandou o Capitão João Ferreira Dantas idificar huma cappella da invocação de ..., no anno de 17 ..., para nella se dizer Missa aos prezos.

Cap. X

3601. Nos Coutos da villa se emcontrão diferentes Ermidas das quais vamos a dar noticia. A mais vizinha à villa, hé a de S. Jozeph, que hoje está dentro do forte do nome do mesmo Santo. A Rainha Dona Maria I mandou para esta Ermida no anno de 1792 tres primorozas imagens, huma de S. Jozeph Patrão da caza, outra de Nossa Senhora de ... e outra de Santa Barbara. Esta Ermida tem tres desentes altares e Sua [p. 197] Magestade nomeya hum Cappellão, que nella diz missa todos os dias Santos applicada pela familia Real.

3612. O fundador desta Ermida foi Dom Francisco de Mello I Conde e Senhor do Assumar, o que declarava o litreiro de huma pedra, que estava na Sachristia da dita Ermida, da qual barbaramente foi mandada arrancar por M. R. de A. Vedor Geral da Artilharia, quando na dita Ermida se fes huma pequena obra, o qual pela sua grande economia, aproveitou aquella pedra em hum degrau do altar de S. Jozeph. Cuja memoria me communicou João da Gama Lobo Sargento Mor das Ordenanças da Comarca de Ourique, natural de Estremoz, o qual curiozamente conservou a memoria da inscripção, a qual era a seguinte.

362Inscripção da pedra, que / Estava na Sachristia da / Ermida de S. Jozeph

363Dom Francisco de Mello conde do / Assumar, Marquez de Vilhescas, e / Torre Laguna, visconde de Casada,/ Senhor de Barajas, e Mello em Cas- / tella, Gentil-Homem da Camara / De S. M. C. Embaixador Estra-or / dinario ao Papa Urbano VIII Go- / vernador e Capitão General da Lom / bardia, Millão, Cicilia, Aragão, e / Catalunha, do Concelho de Estado, / e Guerra, Comendador de Mo- / reiras, de S. Vicente do Vimiozo, / e de S. Salvador de Elvas todas / da Ordem de Christo, e Senhor / do Morgado do Maranhão, de- / dicou esta Igreja ao Gloriozo São / Jozeph, no anno de 1638.

3643. Este oiteiro com as terras vizinhas, ate à estrada de Santo Antonio pertencião ao Palacio, e Morgado do Maranhão e no mesmo Oiteiro que era murado, conservava aquelle Fidalgo huma tapada com coelhos, para o seu divertimento, e se conservou ate ao tempo, em que nelle [p. 199] se fundou o Forte, para a defença da praça.

3652.[sic] Para a parte do Sul está a Igreja de Nossa Senhora dos Martyres, pertensente à Caza da Mizericordia, depois da união do Hospital da Senhora à dita Caza. Esta Ermida he toda de marmore, e na parte exterior similhante na construção à Igreja de N. Senhora do Carmo de Lisboa. El Rey Dom Fernando principiou esta fundação no anno de 1378, e foi completada pelo Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira. A imagem da Senhora hé perfeitissima, e de notavel veneração.

3663. A Sachristia, Altar mayor, e paineis de azolejo, em que esta pintada a vida da Senhora, he obra moderna, devida à piedade de Fernando de Mesquita Pimentel, Provedor que foi da Mizericordia de Estremoz, [p. 200] o qual a mandou fazer à sua custa no anno de 1742, e nella pos hum Cappellão, com o ordenado de 83$200 reis, para nella dizer missa por sua alma em todos os dias, cujo ordenado satisfaz a Mizericordia, pela grande herança que elle lhe deixou.

3674. Neste Século se tem descobrido na vizinhança desta Igreja muitas medalhas Romanas, muitas sepulturas, que são claros indicios, de que não longe esteve alguma grande povoação Romana. Todas estas sepulturas paresem Gentilicas, e tinhão à cabeseira huma Almotolia de Barro, com hum prego dentro; porem os que descobrirão estas Sepulturas não notarão se os cadaveres estavão voltados para o Oriente, ou para o occidente; porque os Athenienses voltavão os cadaveres para o Oriente, os Finicios para o Occidente, e os antigos christãos sepultavão os corpos com a cabeça para o oriente.

368[p. 201] 5. Entre a Igreja de Nossa Senhora dos Martyres e o convento de Santo Antonio, em igual distancia, se vem as paredes de hum antiquissimo Lago, quadrado, que tem duzentos e vinte e sinco palmos por lado, vinte de altura, e dez de largura das paredes sustentadas por Gigantes tanto da parte do Sul, como da do Occidente e junto delle se estão vendo os arranques das Abobedas das Cazas, em que se recolhião as pessoas que nelle tomavão Banhos.

3696. Este idificio foi feito com tanta solidez, que apezar da larga diuturnidade de tantos seculos, tem triunfado da voracidade e injuria dos tempos, e se conserva em bom estado. O Povo ignorando o tempo da sua idificação, e quem fosse o seu fundador, julga ser obra dos Mahometanos, e por esta cauza lhe chama o Tanque dos Mouros, porem eu me persuado ser obra dos Romanos, destinada para Banhos. A minha conjectura hé tirada das muitas sepulturas, e das Medalhas Romanas, que frequentemente se vão descobrindo nos campos vizinhos do dito lago.

370[p. 202] 7. Das fontes vizinhas se emcaminhava a sua ágoa para este lago, e ainda hoje se descobrem alguns vestigios do aqueducto. Eu vendo que as Fontes vizinhas são pobres de ágoa, me persuado que as nacentes se attenuarão com os Terremotos, e particularmente com o de 7 de Janeiro de 1531, e que por este motivo se rezolveu o Povo a dar a diminuta porção destas ágoas ao[s] Religiozos Capuchos, quando no anno de 1538 fundarão o seu Convento.

3718. Na parte occidental da villa, a pouca distancia dos seus muros foi fundada a Ermida de S. Lazaro, até a qual se estendião as Ruas da Freguezia de Santiago, antes de se fazer a nova fortificação. Esta Ermida pertencia a hum Hospital de Leprozos, que houve naquelle sitio. Os antiguos chamavão Gafos, aos que padecião o mal de Lepra, e como a Roupa dos emfermos [p. 203] se lavava na fonte vizinha, lhe derão o nome de Gafaria. Este mal epidemico havendo acabado em Portugal, tambem o mencionado Hospital se destruhio de todo, e a sua Igreja cahio em ruina, porem foi reidificada no anno de 1680.

3729. Não Longe da Ermida de S. Lazaro, está a Quinta de S. João Baptista, e nella huma pequena Ermida deste Santo precursor, mandada idificar pelo Emminentissimo Cardeal Patriarcha Dom Jozeph Manoel no anno de 1743. Esta, com a dita quinta, pertence ao Dezembargador Antonio Henriques da Silveira.

37310. Na Herdade das Antas, pertensente ao Morgado dos Condes do Redondo, está situada a Ermida de Nossa Senhora da Conceição. O sitio hé alegre, e o paiz regado de muias agoas, e xeyo de Hortas, e Pomares, que o fazem dileitozo, a Ermida [p. 204] fica a hum quarto de legoa de distancia da villa, com tudo hé frequentada da gente do Povo. Não consta quem fosse o seu Fundador.

37411. Para a parte do Norte sobre hum elevado monte, que dista meyo quarto de legoa de Estremoz, foi fundada a Ermida do Apostolo S. Pedro. Sabe se que já existia no anno de 1431, por huma Escriptura de venda de hum Chão com suas oliveiras, que naquelle sitio vendeu Lourenço Annes Folegado morador em Estremoz.

37512. Entre esta Ermida e a villa está a Quinta da Fonte do Mouro, pertencente ao Doutor Rodrigo Zagallo, cavalleiro da Ordem de Christo, o qual no anno de 17 ... mandou nella idificar huma linda Ermida a S. João Nepumeceno.

376[p. 205] 13. Não longe desta Quinta, para a parte do Oriente a Quinta do Carmo, pertensente a Garcia Pestana de Brito Casco de Mesquita Fidalgo da Caza Real e Senhor dos Morgados do Casco e Sovereira. Nesta quinta, junto da sumptuoza Caza de Campo, em que habita, há huma linda Ermida dedicada a Nossa Senhora do Carmo, com retabulo de primorozos marmores, no qual se conserva o Sacrario com o Santissimo Sacramento. Esta obra foi mandada fazer no anno de 17 ... por Diogo Pestana de Brito Casco de Mesquita Coronel do Regimento de Milicias de Estremoz.

37714. A Ermida mais distante de Estremoz, hé a de S. Brissos, Bispo e Martyr; está fundada na Herdade da Granja dos Boinos, a qual pertense ao Doutor Rodrigo Zagallo, morador em Estremoz; a Ermida mostra ser antigua.

[p. 206]

Descripção do Termo de Estremoz. Livro IV. Cap. I

3781. Se a Guerra, que os nossos primeiros Monarchas fizerão aos Mouros da Provincia da Extremadura, foi acompanhada de repetidas felicidades, a que os seus sucessores e as Ordens Militares de Santiago e Aviz fizerão aos Mouros de Alentejo não lhes foi menos vantajoza. A continuada serie de victorias que no XIII seculo alcansarão destes barbaros, parecia que a Fortuna andava ligada às suas Bandeiras. Os nossos ganharão as fortalezas que elles occupavão, e os afugentarão das fronteiras do Reyno.

3792. O fructo de tantas victorias foi a segurança da Provincia, o aumento da Cultura e da população; porque os moradores della a quem o justo temor da Guerra não pirmitia deixar o abrigo dos Castellos, conciderando-se livres do[s] estragos da Guerra, não duvidarão [p. 207] fundar Aldeyas, habitar nellas, e cultivar o terreno, que lhes tinha sido doado. Tal foi a origem destas pequenas colónias, que crescendo em número de habitantes, se fizerão Villas Nobres, e Populozas.

3803. Os Nossos Reys não perdendo de vista estas ventagens do Estado, logo que vião que huma Aldeya tinha sufficiente número de habitadores, a condecoravão com o foral de villa, e concedião privilegios aos seus moradores; assim o praticarão os Senhores Reys Dom Affonso III, Dom Diniz, e seus sucessores. Assim sussedeu às Aldeyas de Souzel, Borba, e do Valle Viçozo, desmembradas do termo de Estremoz, porque dellas se formarão no futuro tempo tres nobres villas.

  • 44 Nos primeiros tempos posteriores à Reconquista, os núcleos urbanos alentejanos eram raros e as área (...)

3814. A villa44 de Souzel distante duas legoas de Estremoz, deve a sua fundação ao Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira pelos annos de 1385; no tempo em que era Senhor de Estremoz, elle a separou com o seu Reguengo, do termo desta villa, e nella fundou o Castello, [p. 208] que ainda hoje subciste. Esta villa fertil em Trigo, Sevada, Senteyo, Azeite e outros fructos, pertence à Caza de Bragança, e correição de Villa Viçoza.

3825. He habitação de quinhentos fogo[s] divididos por duas Parrochias, ambas da Ordem de Aviz. A primeira hé a Matriz da invocação de Nossa Senhora da Graça, com hum Prior, e tres Binificiados curados; a Segunda Parrochia da invocação de S. João Baptista com seu Prior, está situada no termo da villa. A sua commenda hé da ordem de Aviz, e rende hum conto de reis annualmente, e paga as ordinarias aos Parrochos, Binificiados, e Thezoureiro. A Alcaidaria-Mor hé da apprezentação da Caza de Bragança.

3836. Souzel tem Caza de Mizericordia, com sufficiente rendimento. Na villa há hum Convento de Religiozos Eremitas da Congregação de S. Paulo da Serra de Ossa, da invocação de Santo Antonio fundado no anno de 1605. Tem a villa as Ermidas seguintes, a de Nossa Senhora da Oráda, [p. 209] fundação do Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira, a de S. Pedro, e São Lourenço, e na sua serra tem as Ermidas S. Miguel e de S. Bartholomeo.

3847. O seu termo confina com os termos de Estremoz, Canno, Aviz, Fronteira, e Veiros. O seu Governo Civil consta de hum Juiz de Fora, de tres veriadores, Procurador do Concelho consultados pelo Tribunal da Caza de Bragança. Pelo que pertense à Milicia tem Capitão Mor, Sargento Mor com ... Companhias de Ordenança e huma Companhia de Milicias pertencente ao Regimento da Comarca de Estremoz.

3858. Para defença dos moradores de Souzel lhe fundou o Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira hum Castello, Goarnecido com algumas torres; sobre a Porta principal delle se ve hum marmore branco, com hum Tramoseiro, que são as armas de Estremoz, e na parte inferior deste escudo tem o litreiro seguinte

[p. 210]

[p. 211]

Da Villa de Borba. Cap. II

3861. A villa de Borba dista duas legoas de Estremoz, e meya de Villa Viçoza, a cuja correição pertense; hé fertil, amena, e regada de muitas ágoas; o seu terreno abunda em Trigo, Sevada, Senteyo, Azeite e particularmente em Vinho, do qual colhe tanta quantidade, que o exporta para muitas terras da Provincia com grande utilidade dos seus moradores, que deste fructo fazem o seu principal Commercio. O seu termo não hé grande; elle confina com o de Estremoz, Elvas, Villa Boim, e Villa Viçoza.

3872. Ignora-se a verdadeira Época da fundação desta villa; os seus naturais attribuem a sua origem aos Gallos Celtas, e que sussecivamente foi habitada pelos Cartaginezes, Romanos, e Mouros, e que do poder destes ultimos, a conquistara El Rey Dom Afonso II no anno de 1217; porem tudo isto he incerto, na Historia Portugueza. O que não admite duvida, hé que a villa principiou [p. 212] em huma aldeya, chamada do Barbo, da qual se derivou o nome de Borba, e que tomou por armas dois Barbos. El Rey Dom Diniz lhe deu o foral de villa, e fundou o seu castello.

3883. O senhorio da villa de Borba foi dado por El Rey Dom João I no anno de 1384 ao Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira, e pelo cazamento de sua filha a Condeça Dona Brites Pereira, mulher do Senhor Dom Affonso I, Duque de Bragança, passou a esta Real Caza, e nella se conservou ate ao anno de 1486, no qual El Rey Dom João II a deu com o titulo de Condado, a Dom Vasco Coutinho, cujo titulo lhe mudou El Rey Dom Manoel no do Redondo por carta passada em Lisboa em 2 de Junho de 1500 e de novo fes merce do Senhorio de Borba a seu sobrinho o Duque Dom Jaime.

3894. Borba hé povoação de oito centos Fógos, divididos por duas Parochias ambas da ordem de Aviz. A sua Matriz hé da invocação de Nossa Senhora do Soveral, com hum Prior, e tres Binificiados; a segunda [p. 213] Parochia hé a de S. Bartholomeo, que tem Prior. No termo tem duas freguezias, que são a de Nossa Senhora da Orada junto da Ribeira de Alcaraviça, fundação do Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira; a segunda freguezia hé a de Santa Barbara junto da Tapada de Villa Viçoza; os Parrochos são curas apprezentados pelos Arcebispos de Evora.

3905. Os mais idificios são a Caza da Mizericordia, que hé rica, hum Collegio dos Eremitas de S. Paulo da Serra de Ossa, fundado no anno de 1704, o Mosteiro de Nossa Senhora das Servas, de Religiozas de Santa Clara, fundado no anno de 1600, e a pouca distancia da villa o Convento do Bosque, de Religiozos Capuchos, da Provincia da Piedade, fundado no anno de 1505 pelo Duque Dom Jaime, e a meya legoa o Mosteiro de Nossa Senhora da Lux de Montes Claros de Eremitas de S. Paulo idificado no anno de 1407.

3916. Tem a villa muitas Ermidas; a primeira he a dos Terseiros de S. Francisco, junto do Mosteiro das Freiras, a segunda de Santo Antonio [p. 214] e a terceira a de S. Sebastião, e no termo tem as Ermidas de S. Miguel, S. Claudio, S. Pedro, S. Lourencilho, e Nossa Senhora da Victoria em Montes Claros, fundada em memoria da victoria, que naquelles campos alcansarão os Portuguezes no dia 17 de Junho de 1665, e nella há hum cappellão nomeado por Sua Magestade, e paguo pela fazenda Real.

3927. A Commenda de Borba he da ordem de Aviz, e rende quatro mil cruzados; hé hereditaria na caza dos Marquezes de Ponte de Lima, aos quais a deu El Rey Dom João V em compensação do Padroado da Conezia de Mafra, que os Senhores daquella caza apprezentavão na Collegiada Real de S. Thomé, que foi a primeira Igreja Patriarchal de Lisboa. A Alcaidaria Mor da villa hé da apprezentação da Caza de Bragança.

3938. A villa de Borba pertence à Correição de Villa Viçoza. O seu governo Civil consta de hum Juiz de Fora, tres Veriadores hum Procurador do Concelho, todos despachados pelo Tribunal da Caza de Bragança. Esta villa [p. 215] tem vóto em Cortes, e os seus Procuradores se assentão no Banco XV e Feira no dia 8 de Setembro. No Governo Militar tem duas companhias de Milicianos, pertensentes ao Regimento da Comarca de Villa Viçoza. As ordenanças estão divididas em seis companhias, quatro na villa, e duas no campo, e todas governadas por hum Capitão Mor, Sargento mor, e dois Ajudantes.

De Villa Viçoza. Cap. III

3941. Villa Viçoza, cujo nome lhe foi dado pela amenidade do terreno em que está situada, hé huma Nobre Povoação, em que os Duques de Bragança fazião a sua rezidencia, emquanto não subirão ao Trono. O seu Termo confina com os termos de Estremoz, Alandroal, Jurumenha, Villa Boim, Elvas e Borba; hé abundantissimo de salutiferas ágoas, que o fazem aprazivel e dileitozo, e que produz grande copia de saborozas fructas.

395[p. 216] 2. O paiz de Villa Viçoza foi habitado pelos Cartaginezes, e Romanos; porem não se pode provar com monumento algum que Villa Viçoza existise no proprio sitio em que hoje está, por quanto os dois templos que aquelles povos erigirão a Endovelico, e a Prozerpina, Divindades Gentilicas, não provão que a villa estive-se situada no proprio terreno em que hoje se ve, como bem adverte o Erudito Academico Dom Luiz Caetano de Lima, seguindo a opinião do Grande antiquario Andre de Rezende.

3963. O templo de Endovelico fundado por Maharbal Capitão Cartaginez, foi idificado em Terena, villa que dista tres legoas de Villa Viçoza, da qual o Duque de Bragança Dom Theodozio I do nome mandou tirar as pedras, que hoje se vem collocadas na parede exterior do Convento de Santo Agostinho da parte do Sul. O Templo dedicado a Prozerpina, que a Gentilidade venerava como Deuza do [p. 217] Inferno, foi fundado pelo Pretor Lucio Mumio no arrabalde de Villa Viçoza cento e sincoenta annos antes da vinda de Christo, aonde depois foi fundada a Ermida de Santiago, como affirma o mesmo Andre de Rezende, e deste sitio mandou o Duque Dom Theodozio tirar as pedras e inscripçoens que estão juntas às do Deos Endovelico.

3974. O mesmo nome de Villa Viçoza indica que hé moderno. O Chronista dos Eremitas de Santo Agostinho affirma que El Rey Dom Affonso III consedeu aos seus Religiozos licença para a fundação de dois conventos, hum em Lisboa, e outro no Castello de Estremoz, ou dentro do seu termo, e que os Padres fundarão este segundo no anno de 1267, na Aldeya do Valle Viçozo, que naquelle tempo pertencia à villa de Estremoz. O documento que elle sita, prova que Villa Viçoza hé povoação moderna.

398[p. 218] 5. Para não privar ao Leitor da noticia das inscripçoens achadas junto do Templo de Prozerpina vou a dar noticia dellas.

[p. 219]

[p. 220]

399[p. 221] 6. Tendo a Aldeya do Valle Viçozo crescido e[m] número de moradores, a separou El Rey Dom Affonso III do termo de Estremoz, dando-lhe o foral de villa, no dia 5 de Julho de 1270, mudando-lhe o nome de Valle Viçozo no de Villa Viçoza. El Rey Dom Diniz lhe fundou o seu castello. A pequena cidadella, que está dentro do recinto do castello foi dezenhada por Filippe Terzo, e concluida pelo Duque de Bragança Dom Theodozio II deste nome.

4007. O senhorio de Villa Viçoza foi dado por El Rey Dom João I ao Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira no anno de 1384, e delle passou a sua filha a Condeça Dona Brites Pereira, primeira mulher do Senhor Dom Affonso I Duque de Bragança, filho illigitimo de El Rey Dom João I, em cuja caza se conserva. El Rey Dom Affonso V deu o titulo de Marquez desta villa a Dom Fernando I do nome, Duque de Bragança em 25 de Mayo de 1455.

4018. Sendo Villa Viçoza a melhor povoação e a mais mimoza das que tinha a Caza de [p. 222] Bragança, nela fixarão os Duques a sua rezidencia, e o Duque Dom Jaime fundou o sumptuozo Palacio no anno de 1501, e o Duque Dom Theodozio I fes a Grande Tapada no anno de 1540, a qual tinha tres legoas em sircuito, e que neste seculo amplificou El Rey Dom Jozeph I. Esta Tapada tem muitos mil veados, e Gamos.

4029. El Rey Dom Sebastião, querendo fazer merse aos Duques de Bragança, creou a nova Ouvidoria de Villa Viçoza separando da Correição de Estremoz as villas de Evoramonte, Souzel, Veiros, Borba, e Villa Viçoza, para formar a nova comarca, que ficou constando das villas de Alter do Chão, Arrayolos, Borba, Chancelaria, Evoramonte, Monsaraz, Monforte, Portel, Souzel, Villa Boim, Villa Fernando, Villa Viçoza, e do concelho de Margem e Logomel.

40310. Villa Viçoza he Povoação de mil fogos divididos por duas Parrochias que são a de Nossa Senhora da Conseição, e de S. Bartolomeu ambas com Prior, e dois Binificiados da ordem de Aviz. Quando os Duque[s] assistião nesta [p. 223] villa, era ella habitada por dobrados moradores, porque os Duques entretinhão no seu serviço muitos Fidalgos, e huma numeroza familia; a povoação tem grandes e dilatadas Rua[s] e Magestozas praças, particularmente a do Terreiro do Paço.

  • 45 Esta decisão seria posteriormente confirmada por decreto de 25 de Março de 1646.

40411. A Igreja Matriz da invocação de Nossa Senhora da Conseição [hé] templo de tres náves, e magestozo, idificado dentro do Castello, pelo Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira. El Rey Dom João IV nas Cortes selebradas em Lisboa no anno de 164 [5]45 tomou esta Senhora por Padroeira do Reyno, e fes tributaria a Coroa a esta Senhora com o tributo annual de cem cruzados, que o Almoxarife da Caza de Bragança offerese no dia da Senhora em nome de Sua Magestade.

40512. Os mais idificios da villa são a cappella Real, com Tribunas para o Paço; tem hum Deam, que hé Bispo Titular, com jurisdição sobre os Ministros da Collegiada, a qual alem do Deam, se compoem de Thezoureiro Mor, que sempre hé Fidalgo, e Conegos, com outros Ministros. O Deado [p. 224] rende quatro mil cruzados; a Thezouraria mor tres mil cruzados, e as conezias trezentos mil reis, e junto da Cappella há hum Seminario dos Ministros do Coro. Em Villa Viçoza há Caza da Mizericordia com hum bom Hospital.

40613. Tem tres conventos de Religiozos, e outros tres de Freiras. O primeiro Convento, hé o de Eremitas Calçados de Santo Agostinho, fundado no anno de 1267. Restaurado pelo Condestavel Dom Nuno. O seu templo hé magnifico, e hum dos melhores do Reyno, ampliado pelo Duque Dom Theodozio II, nelle erão sepultados os Duques de Bragança e ali jazem seis em sumptuozos mausoleos.

40714. Os mais conventos são o de Capachos [sic] Cabeça de toda a Provincia da Piedade, fundado pelo Duque Dom Jaime no anno de 1500; a sua primeira fundação foi a meya legoa distante da villa, a segunda no anno de 1547 pelo Duque Dom Theodozio I e a terceira no sitio em que hoje está junto da villa, em que foi idificado no anno de 1607.

  • 46 Os jesuítas foram expulsos do território nacional por decreto de 3 de Setembro de 1759.

408[p. 225] 15. O convento de Nossa Senhora do Amparo de Eremitas de S. Paulo da Serra de Ossa, fundado no sitio de Val Bom no termo da villa, por Vasqueannes pelos annos de 1416, e nelle habitarão os Religiozos até ao anno de 1590, em que se mudarão para o Convento, que hoje tem na villa. A Caza professa de Jezuitas fundada pello Duque Dom Theodozio II, no anno de 1 ... subcistio até ao anno de 17[59]46 em que estes Religiozos forão exterminados deste Reyno. Hoje serve de Recolhimento de Beatas.

  • 47 Esta comunidade religiosa resultou da fusão, em 1548, de dois recolhimentos de terceiras de S. Fran (...)

40916. O Mosteiro de Nossa Senhora da Esperança de Religiozas de Santa Clara, fundado no anno de 1[548]47. O Mosteiro das Chagas de Religiozas da mesma Ordem mandado fundar pelo Duque Dom Jaime no anno de 1533, e ambos sugeitos à Provincia dos Algarves. O terceiro mosteiro hé o de Santa Cruz, de Religiozas de Santo Agostinho fundado no anno de 1527, he sugeito ao Ordinario.

41017. O termo de Villa Viçoza tem duas legoas de comprimento, hé fertil de trigo, sevada, [p. 226] e senteyo, e de outros fructos. No termo há quatro freguezias, curatos, da appresentação do Ordinario. A primeira he a de Nossa Senhora das Silladas com 42 fogos, com duas Ermidas, de Santa Thereza, e a de São Payo; a segunda freguezia, he a de Santa Catharina de Pardaes, com 100 fogos, com as Ermidas de São Marco, Santa Helena, e Nossa Senhora das Merces. A terceira a de S. Romão com 70 fogos e a Ermida de Nossa Senhora dos Remedios no Forte dos Freires. A quarta he a de Santa Anna de Bemcatel com huma boa Aldeya, tem ... fogos.

41118. A Commenda de Villa Viçoza rende annualmente ...$ cruzados, e está applicada ao Convento dos Freires de Aviz. A Alcaidaria Mor hé da apprezentação da Caza de Bragança. Tem Villa Viçoza tres Feiras Francas, cada huma dura tres dias, a primeira em 28 de Janeiro, a segunda em 28 de Mayo, e a terceira em vinte e oito de Agosto. Esta villa tem voto em Cortes, e os seus Procuradores se assentão no Banco XVI.

412[p. 227] 19. O seu Governo Civil se compoem de hum Juiz de Fora, tres veriadores, Procurador do Concelho. O Governo militar está [entregue] a hum Governador, que tem debaixo das suas ordens hum Sargento mor, e hum Ajudante, e 150 soldados que lhe vão por destacamento, tirados dos Regimentos de Olivença. Tem hum Regimento de Milicias na sua Comarca, e na villa e termo ... Companhias de Ordenança.

41320. Esta villa tem a gloria de ser a patria de El Rey Dom João IV nacido em 19 de Março de 1604 e de muitos homens emminentes em virtudes, nas Armas, e letras. No dia 9 de Junho de 1665 foi o seu castello sitiado pelo Exercito Castilhano, comandado por Dom Luiz de Benavides Marquez de Carracenna, sendo valerozamente defendido pelo seu Governador e patricio Christovão de Brito Pereira, ate ao dia 17 do mesmo mez, no qual o Exercito Hespanhol foi inteiramente desbaratado na Batalha de Montes Claros.

[p. 228]

Termo de Estremoz no estado actual. Livro IV. Cap. IV

4141. O termo de Estremoz não obstantes as desmembrasoens de que falámos nos tres capitulos precedentes, tem sinco legoas de comprimento, e tres de largura, e confina com os termos de Borba, Villa Viçoza, Alandroal, Redondo, Cannal, Evoramonte, Pavia, Aviz, Canno, Souzel e Veiros. A mayor parte deste terreno he fertil em Trigo, Senteyo, Sevada, Azeite, Vinho, Mel, e Legumes. Tem grandes Montados e Pastagens, que sustentão numerozos Rebanhos de Gado.

4152. Mais de trezentas Fontes Públicas, e Particulares régão este paiz, no qual se numérão ... Pomares, e Hortas, que produzem grande cópia de saborozas fructas tanto de pevide, como de carouso. As Hortaliças, em nenhuma parte são mais crescidas, e dilicadas; dellas há tanta abundancia, que [p. 229] não só sustentão a villa, mas também as terras sircumvizinhas, sendo o seu preso muito moderado.

4163. As Fontes Públicas são trinta e ... que são as seguintes, a de Nossa Senhora dos Martyres, Pedra Furada, Bombal, Gafaria, Fonte Cortiça junto da Quinta de S. João, Fonte Figueira, Fonte Godinha, Antas, Alimo, Fonte do Mouro, Fonte da Pedra, Fonte Cansada, Granja dos Boinos, Farrejal, Margarida da Mentira, a de Mamporcão, a de Montalvo, Estibeira, todas nos Coutos: com a de Santo Antonio dos Capuchos. Fora dos Coutos a da Silveirona, Granja do Ameixial, a Moura, Talisca, Alagoa, Annaloura.

4174. Algumas destas fontes são tão abundantes de ágoa, que logo formão levadas, que fazem moer Azenhas, e trabalhar Pizoens, formando Ribeiros, e destas vamos a dar noticia, principiando pelas que nassem dentro da villa, das quaes já falei no livro III. Cap. III número 6 ate ao n., 9. Estas duas [p. 230] Fontes são o principio do Ribeiro da villa, por outro nome chamado de ágoa do Castello; a sua ágoa anda em giro, para regar muitas Hortas, e Quintas, e dentro dos muros da villa faz moer duas Azenhas, corre pela freguezia de S. Bento do Ameixial, e depoes de fazer moer ... Azenhas, no espaço de duas legoas se mete no Rio Tera, por sima do Pego do Sinno.

4185. O Ribeiro dos Proveitos tem a sua origem em huma fonte Publica, que nace junto do Lugar de Momporcão, meya legoa distante da villa, junto da estrada de Elvas; fertiliza os campos da Freguezia de S. Lourenço, e divide a freguezia de S. Bento da Aldeya de Cortisso da freguezia de Santo Estevão, e depoes de regar dilatadas varges, e de haver feito moer... Azenhas, vai emgrosar as ágoas da Ribeira de Souzel.

4196. A Ribeira de Annaloura, nasce a huma legoa de distancia de Estremoz, junto da estrada de Elvas, na Herdade das Xotas, pertencente à Mizericordia de Estremoz; hé tão grande a sua corrente, que o anno mais [p. 231] calmozo lhe não faz diminuir a sua corrente; réga dilatadas varges das duas freguezias de S. Domingos, e de S. Bento de Annaloura, e depois de haver feito moer ... Azenhas, e Pizoens, ajuntando as suas ágoas com as da Ribeira de Alcaraviça, depois de hum Giro de Legoa e meya perde o seu nome na Ribeira de Veiros.

4207. A Fonte de Val de Zebro na freguezia de Santo Antonio dos Arcos, a pouca distancia do seu nacimento faz moer huma Azenha, e ajuntando as suas ágoas com as da Ribeira de Alcaraviça, que nasce em Borba, e caminhando para o Norte pela freguezia de Nossa Senhora da Orada, tem huma Ponte na Estrada de Elvas, e depoes de fazer moer ... Azenhas, e se ajuntar com a Ribeira de Annaloura, confunde as suas ágoas com as da Ribeira de Veiros.

4218. O Ribeiro de Montalvo nasce de huma copioza Fonte na Herdade do Monte do Olival, a meya legoa de distancia de Estremoz; e não Longe do Campo Branco, em que o Marechal Conde de Lippe formou no [p. 232] outono do anno de 1763 hum Campo de paz, composto de dezaseis Regimentos de Infantaria, e quatro de Cavallaria. Esta Fonte, saciou a sede do Exercito; ella corre para o Sul, e depois de haver feito moer ... Azenhas, e de correr por espaso de meya legoa se mete no Rio Tera, não longe da Igreja de Nossa Senhora da Gloria.

4229. O Ribeiro de Alagoa nace na Herdade das Carvalhas, a huma legoa de Estremoz, de huma fonte chamada a Alagoa, corre para a parte do Sul, e faz moer duas Azenhas, e a pouca distancia confunde as suas ágoas com as da Ribeira de Lusafése, como logo se mostrará.

42310. A Ribeira de Lusaféce, por outro nome Rio de Moinhos náce de huma Fonte Publica, corre para o Sul, e recebendo em si as ágoas dos Ribeiros de Alagoa, Bemcatel, Pardáes, e as ágoas vertentes da Serra de Ossa, fertiliza dilatados campos, e faz moer ... Azenhas, e Pizoens, e penetrando com caudeloza corrente o termo da villa do Alandroal, se sepulta no rio Goadiana.

424[p. 233] 11. O Rio Tera náce junto da Ermida de Santo Antonico, e correndo para o Occidente, pela Freguezia de Nossa Senhora da Gloria, recebe os Ribeiros de Montalvo, Castello Velho, Ágoa Santa do Canal, e a pouca distancia, os da Boeira, e Val de Corvos. Tem huma Ponte na Estrada de Evora Monte de ... arcos, e abaixo desta se lhe metem os Ribeiros de S. Braz, e o da villa de Estremoz; e caminhando para o Occidente, até ao porto, e estrada de Lisboa, volta a sua corrente para o Norte, e emgrossada ella com as ágoas da Ribeira de Farragella, entra no termo de Pavia depois de haver feito moer ... Azenhas, e Moinhos.

  • 48 As herdades constituíam uma parte considerável do património dos concelhos alentejanos do Antigo Re (...)

42512. Sendo o termo de Estremoz tão cultivado, necessariamente havia faltar a lenha para os fornos de cozer o pão; porem o Senado da villa para suprir esta falta, comprou nove Herdades48, junto do Rio Tera, as quais tem legoa e meya de comprimento, e huma legoa de largura. Todo este terreno à excessão dos valles, está cuberto de Esteva, e Tojo. A qualquer morador, hé permitido cortar a lenha que lhe for [p. 234] necessaria, ou seja, para o Gasto da sua caza, ou para os Fornos de pão, ou de lousa, ou para os da Telha, e Tejolo.

42613. A estas Herdades, se dá o nome de coutada, nella não pode pastar o Gado miudo, ainda que tenha dilatados valles. Alguns destes são assinados para pastagem do Gado vacum dos Lavradores, podendo cada hum trazer ali seis vacas com a sua criação, sem mais despeza, do que o ordenado do Goarda do dito Gado. Este terreno he abundantissimo de coelhos, que livremente se podem cassar.

Das Parrochias do Termo. Cap. V

4271. No termo de Estremoz se contão dez Parrochias, que são S. Bento, e Santa Victoria do Ameixial; Santo Estevão, S. Lourenço, S. Bento da Aldeya do Cortiço, S. Bento, e S. Domingos de Annaloura; Santo Antonio dos Arcos, Santiago de Rio de Moinhos, [p. 235] e Nossa Senhora da Gloria. Todas estas Igrejas são Curatos, que antiguamente erão apprezentados pela ordem de Aviz; porem hoje o são pelos Arcebispos de Evora, à excepção da de S. Bento do Ameixial, quer se tem conservado na dita ordem.

  • 49 Os juizes de vintena eram autoridades administrativas eleitas pelas câmaras, cuja função consistia (...)

4282. A Parrochia de S. Bento do Ameixial cuja Igreja dista meya legoa da villa, no caminho de Lisboa, confina com as Freguezias do Vidigão e com a de Santa Victoria do Ameixial; tem huma legoa de comprimento, e meya de largura. O seu terreno hé fertil, e regado com as ágoas do Ribeiro da Villa, tem quarenta Herdades, e bons montados. O seu Parrocho hé Collado, e Freire da ordem de Aviz, apprezentado pelo Tribunal da Meza da Consciencia; porem não recebe a sua congrua do Commendado mor, mas sim dos Freguezes. Tem ... Fogos, na Freguezia há Juiz da vintena com seu Escrivão49.

4293. Com esta Freguezia confina a de [p. 236] Nossa Senhora do Vidigão, cujos Parrochianos estão divididos pelos dois termos de Evoramonte, e Estremoz; no primeiro termo se conserva a Igreja Parrochial, e no segundo o mayor número de Freguezes; vinte são as Herdades do termo de Estremoz, pertencentes à Freguezia do Vidigão, e todas ellas do Rio Tera para o Norte. O Parrocho hé Cura apprezentado com o seu Eremitão, pelo Arcebispo de Evora.

4304. Nesta parte do norte da Freguezia há hum Juiz da Vintena com seu Escrivão nomiados pela camara de Estremoz. Na Herdade da Coelha, pertensente ao Morgado que administra João Pereira de Castro e Lemos Fidalgo da Caza Real e morador em Estremoz, se tem descobrido muitas Sepulturas Árabes, que indicão que perto daquelle sitio houve alguma povoação de Mouros.

4315. A Parrochia de Santa Victoria do Ameixial confina pela parte do Sul com a de S. Bento, pelo Occidente com a das Caza Branca, e pelo Norte com a Serra de Souzel, e com [p. 237] a freguezia de Santo Estevão, e pelo nacente com a Matriz. A sua Igreja hé decente, e está idificada a legoa e meya de distancia de Estremoz. A freguezia se extende pelo espaso de Legoa e meya, com igual largura. Os seus campos são fertilissimos, e alegres. O seu Parrocho hé Cura, apprezentado pelo Arcebispo de Evora, e o Eremitão pelo Juiz da Ordem, da Comarca. Tem Juiz, e Escrivão da Vintena. Tem a Freguezia ... Herdades e ... Fogos.

4326. O Templo Parrochial foi idificado na Herdade dos Machadinhos, e a tiro de Mosquete, sobre huma pequena collina se descobrem vestigios de Povoação antigua, que julgo haver sido do tempo dos Romanos, achão-se ladrilhos de desuzada grandeza, restos de hum aqueducto, lágos para recolher as ágoas. Hum destes tem noventa palmos de comprido, dez palmos de altura, e com parede de dois palmos e meyo de largura de materia soledissima, e dois lágos mais pequenos, que estão quaze demolidos.

433[p. 238] 7. No sitio mais elevado havia huma Torre meya demolida, a qual os camponezes desfizerão no anno de 1750, para empregarem a pedra nas obras da rezidencia do Parrocho. Por todo o sitio em roda tem descobrido os Lavradores muitas sepulturas, e medalhas do tempo dos Romanos, sendo as mais modernas do Imperador Theodozio.

4348. No anno de 1778 mandou o Doutor Constantino da Silva Zagallo, Senhor da dita Herdade fazer huma pequena excavação, e nella descobrio huma meya coluna de marmore branco, huma caza de banho, e no anno de 1797 discobrio o lavrador hum idificio subterraneo, com muitos arcos formados de ladrilho cuja grossura era de hum palmo, e os pegoens tão chegados huns aos outros, que só podiam dar passagem a hum homem. O tempo poderá descobrir algumas couzas mais importantes, e talves o nome da povoação.

4359. Os Campos desta Parrochia são memo[ra]veis pela famoza victoria que os Portuguezes alcansarão do Exercito Castilhano, no [p. 239] dia 8 de Junho de 1663. O sitio da batalha foi entre o Monte dos Ruivinos e o do Granja. O combate principiou às tres horas da tarde, e terminou às dez horas da noite, com a total derrota do Exercito Castilhano, e para memoria desta Glorioza Victoria do Ameixial, mandou Sua Magestade levantar no sitio hum pedrestal de tres degráos, e sobre elle se colocou huma Columna de Marmore branco, cuberta com huma Coroa Real, e no pedrestal se gravou a seguinte inscripção

[p. 240][Texto cercado por uma moldura rectangular]

436No anno de 663 em 8 de Junho Reinan- / do em Castella Dom Filippe IV vindo / Dom João de Austria seu filho, capitão / General do Exercito daquelle Reyno re- / tirando-se com elle da Cidade de Evora, / se formou neste sitio, à vista do Exerci- / to de Portugal, que o seguia, de que era / Governador das Armas Dom Sancho Ma- / noel Conde de Villa Flor, o acometeu / dando lhe Batalha, e destroindo o / Exercito de Castella, em que vinha to- / da a Nobreza delle, ganhando lhe a / Artilharia, que trazia, e grande quan- / tidade de Carruagens, que o acom- / panhavão, e para memoria de tão / gloriozo sucesso, mandou El Rey / Dom Affonso VI, por aqui este Pa- / drão, que hé o lugar, em que se deu, / e venceu a Batalha.

437[p. 241] 10. A Parrochia de Santo Estevão, confina com as freguezias de Santa Victoria, S. Bento da Aldeya de Cortiso, São Lourenço. Dista a Igreja legoa e meya da villa; o seu terreno terá legoa e meya de comprido, e huma na largura. O Parrocho hé Cura, apprezentado pelo ordinario. No anno de 1540, tinha ella por Parrocho a Fr. Diogo Fernandes, da ordem de Aviz o qual foi nomiado Testamenteiro por Pedro Alvares Gayo como se vé do seu Testamento approvado pelo Tabelião Ruy Vieira em 13 de Novembro do dito anno.

43811. A memoria mais antigua desta Freguezia, hé do anno de 1476, o que se mostra pela escriptura de venda de huma courella, que na dita freguezia fizerão Fernão Gonçalves, e sua mulher Ignez Affonso, a Diogo Alvares, e a sua mulher Constança Gil moradores em Evoramonte.

439[p. 242] Esta freguezia tem ... Herdades, e he habitada de ...Fogos. Nella se descobrem canteiras de Marmores brancos e na Herdade da Coelha, pertensente ao Morgado de Pexinhos, de que he Administrador Dom Jozeph Martinho de Lucena, Fidalgo da Caza Real, se descobrem grandes vestigios de Povoação antigua.

44012. O Ribeiro dos Proveitos, caudelozo no tempo do Inverno, não tendo ponte que facilitase a passagem aos Parrochianos de Santo Estevão, que moravão alem do Ribeiro para a parte do Oriente, lhes embarasava a hida à sua Igreja, para assistirem aos officios Divinos no tempo chuvozo. Essa dificuldade fés indispensavel a divizão da Parrochia, à qual se prosedeu, servindo o mesmo Ribeiro de commoda divizão.

44113. Tal foi a Origem, e estabelicimento da Freguezia de S. Bento da Aldeya do Cortiso, a qual confina com as Freguezias de Santo Estevão, S. Bento de Annaloura, e S. Lourenço, e com o termo de Veiros. Tem esta freguezia ...Herdades, e ... Fogos, [p. 243] comprehendidos no espasso de huma legoa, para qualquer dos Lados; o Parrocho hé Cura, apprezentado pelo Arcebispo de Evora. O Templo dedicado a S. Bento tem tres altares, sendo os dois colatrais com Retabulos de Marmore, com lindas imagens da Senhora do Rozario, e de S. Miguel, cuja obra se deve ao zello do Padre Bartholomeo Pereira Freire Parrocho desta Igreja. Na freguezia está a Aldeya do Cortiso, que tem vinte fogos; tem mais Juiz com Escrivão da vintena.

44214. A Parrochia de S. Lourenço, confina com as Freguezias de S. Bento da Aldeya do Cortisso, e com as de S. Bento, e S. Domingos de Annaloura, hé curato da apprezentação do Arcebispo de Evora: a Igreja Parrochial esta fundada sobre huma alegre collina; e sercada de pomares, e Hortas, que fazem deleitavel o paiz. Esta Parrochia tem ... Herdades, e ... Fogos, com huma Ermida de Santa Cruz. Tem Juiz, e Escrivão da vintena. O seu terreno hé regado pelo Ribeiro dos Proveitos.

443[p. 244] 15. A Parrochia de S. Bento de Annaloura, confina com as Freguezias de S. Bento da Aldeya do Cortisso, S. Domingos, de Nossa Senhora de Orada, e com o termo da villa de Veiros. O seu Parrocho he Cura da apprezentação do Arcebispo de Evora. O Templo está em hum valle não longe da Ribeira de Annaloura. Toda a Freguezia tem ... Herdades, e ...Fogos, e huma Ermida da invocação de Santo Antão Abbade, à qual concorrem os Lavradores no dia 17 de Janeiro, com offertas ao Santo em agradecimento da conservação dos seus Gados. Na aldeya dos Rogiz, e na Herdade do Castello Velho se descobrem ruinas de Povoassoens antiguas.

44416. A Parrochia de Nossa Senhora da Orada dista duas legoas de Estremoz; o seu Templo está no termo da villa de Borba, e foi fundado pelo Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira. O seu Parrocho hé cura apprezentado pelo Arcebispo de Evora. Esta Parrochia tem no Termo de Estremoz ... Herdades, e ... Fogos, e tem juiz, e Escrivão da vintena. Os nossos antiquarios fazem menção de duas colunas achadas [p. 245] no territorio desta freguezia, huma dellas dedicada ao Imperador Severo, e outra ao Imperador Antonino Pio.

445Quer dizer: Imperatori Casari, Divi Antonini, Pii Magni Filio, Divi Septimi Severi, Pii Nepoti, Marco Aurelio Antonino, Pio, Felici Augusto, Tribunitia potestate secundum, consuli secundum, Procosuli, Patri [p. 246] Patriae, Fortissimo Felicissimo que Principi Ebora milia passium veginte duo.

446A segunda coluna tinha as Letras apagadas, excepto os primeiros dois versos, os quais dizião

447Querem dizer: Imperatori Caesari, Divi Severi, Pii, Filio.

448[p. 247] 17. A Parrochia de S. Domingos de Annaloura confina com as freguezias de S. Lourenso, Santo Antonio dos Arcos, Nossa Senhora da Orada, e S. Bento de Annaloura. Os seus campos são fertilissimos, e regados de muitas ágoas. Comprehende ... Herdades, e ...Fogos. Tem huma aldeya chamada do Espinheiro, com huma Ermida da invocação de Nossa Senhora da Assumpção, fundada pelos Padres da Congregação do Oratorio de Estremoz no anno de 174 ..., os quais ali tem huma boa quinta. O Parrocho de S. Domingos hé Cura apprezentado pelo Arcebispo de Evora.

44918. Nesta fregu[e]zia há hum Juiz da vintena com seu Escrivão. No districto della está a Herdade da Marinella, que pertense ao Morgado de Bem lhe Quero, que administra Dom Francisco de Almeida, Beja e Noronha, Moso Fidalgo do Concelho de Sua Magestade, e Deputado da Meza da Consciencia. Nesta Herdade se descobrem muitas Ruinas de povoação antigua, sepulturas, e Medalhas do tempo dos Romanos.

450[p. 248] 19. A Parrochia de Santo Antonio dos Arcos, cujo nome tomou de huma aldeya que nella há, a qual tem vinte fogos. A sua Igreja, dedicada a Santo Antonio tem sinco altares, decentemente ornados. O seu Parrocho hé Cura apprezentado pelo Arcebispo de Evora. A freguezia confina com o termo de Borba, e com as Freguezias de S. Domingos de Annaloura, Santa Anna de Bemcatel, Nossa Senhora da Gloria, e tem ... Herdades, e ... Fogos, e tem hum Juiz da vintena com seu Escrivão.

45120. O terreno desta freguezia hé alegre, e diliciozo, regado de muitas ágoas, abundantissimo em fructos, particularmente em Serejas, e Ginjas Garrafais, que a nenhumas reconhesem ventajem. Tem dilatadas vinhas, nas quais se colhe huma prodigioza abundancia de vinho. São selebres as suas fontes de Val de Zebro, e a Estival, das quais passo a dar noticia.

45221. A Fonte Estival nasce de huma lagoa, na Herdade ..., deita copioza abundancia de ágoa no tempo do Verão, e [p. 249] nenhuma no tempo do Inverno; a sua corrente e abundancia hé tal, que podia fazer moer huma Azenha; porem o Senhorio della vende o uso da ágoa aos Agricultores, que a empregão em regar as Searas de Milho, e Feijão, por espaso de huma legoa, das quais colhem grande abundancia de fructos.

45322. Não longe da Aldeya dos Arcos, para a parte do Oriente se tem descobrido muitas Sepulturas Gentilicas, que fazem prezumir, que a pouca distancia houve alguma Povoação antigua. No anno de 1776 se descobrio huma Sepultura, em hum pomar de Dona Antonia da Silva Zagallo, moradora em Estremoz. Esta sepultura tinha paredes de ladrilho, e estava cuberta com huma grande lagem de Marmore Branco, sem epitaphio.

45423. Dentro da Sepultura se achou hum martelhinho de ferro, huma tezourinha, duas urnas lacrimais, huma de Barro groseiro e outra de vidro verde, e huma Bilha de Barro vermelho finissimo, de [p. 250] altura de palmo e quarto, levará hum quartilho de ágoa; estava tão bem conservada, como se tivese sido fabricada no dia antecedente. Eu fiz prezente destas pessas, ao Conde do Vimieiro Dom Sancho de Faro, Governador de Estremoz, em cuja companhia fui ver a dita Sepultura.

45524. A Parrochia de Nossa Senhora da Gloria, fica a meya legoa de distancia de Estremoz, para a parte do Sul. Confina com os coutos da villa, e com as freguezias de Santo Antonio dos Arcos, Santa Anna de Bemcatel, Santiago de Rio de Moinhos, e com os termos das villas do Redondo, e Cannal. Esta Parrochia, que hé curato de aprezentação dos Arcebispos de Evora, tem ... Herdades ... Fogos, e hum Juiz de Vintena, com seu Escrivão.

45625. A Freguezia de Santa Anna de Bemcatel, curato de apprezentação dos Arcebispos de Evora, tem os Parrochianos divididos pelos dois termos de Villa Viçoza, e Estremoz. O antiguo templo esteve no termo de Estremoz, ate ao anno de 178 ... em [p. 251] que o Sacramento se mudou para o novo templo, que se fundou na Aldeya de Bemcatel. Tem a Freguezia no termo de Estremoz ... Herdades, e ... Fogos, e Juiz de vintena com seu Escrivão.

45726. Hé famozo o Campo de Montes Claros, pelos estimaveis Marmores Azuis de que abunda, e delle se tirarão as colunas da Cappella mor da Sé de Evora, e no anno de 1788, se descobrio huma coluna de secenta e dois palmos de comprimento para servir de obelisco no sitio de Campo de Ourique, no lugar em que El Rey Dom Affonso Henriques desbaratou os sinco Reys Mouros no dia 25 de Julho de 1139. Não se concluhio o projecto, porque o innorme pezo da coluna, dezanimou aos Autores da Obra.

45827. Os Religiozos Eremitas de S. Paulo, tem em Montes Claros hum Mosteiro da invocação de Nossa Senhora da Luz, fundado no anno de 1407. Nestes Campos alcansarão os Portuguezes huma completa victoria do Exercito Castilhano, no dia 17 de Junho de 1665, e neste sitio se levantou hum Padrão, em cujo pedrestal [p. 252] se lê a seguinte inscripção.

[espaço em branco]

459[p. 253] 28. A Parrochia de Santiago de Rio de Moinhos, a mais populoza do termo dista duas legoas de Estremoz; he curato da appresentação dos Arcebispos de Evora. Confina com as Freguezias de Bemcatel, Santa Catharina de Pardais, Nossa Senhora da Gloria, e com os termos do Alandroal, e Redondo, e com a famoza Serra de Ossa. O seu templo dedicado a Santiago Mayor, foi fundado pelo Senhor Dom Jorge, Mestre das ordens Militares de Santiago, e Aviz. Como prova o litreiro de huma pedra, que está na dita Igreja, que dis assim.

[espaço em branco]

460[p. 254] 29. Os dilatados Campos desta Freguezia são regados com as ágoas de diferentes Ribeiros, e com as ágoas vertentes da Serra de Ossa, as quais os fazem fertilissimos em Trigo, Senteio, Milho, Sevada, Feijoens, e de todos os fructos de Pivide, e de Carouso. A freguezia tem ... Herdades, e ...Fogos. Tem Juiz da vintena com seu Escrivão.

46130. Nesta freguezia há quatro Aldeyas, que são a da Nora, a dos Mourinhos, a dos Souzas, e a dos Sandes. Tem mais sinco Ermidas, que são as de S. Braz, na defeza do Cascavel, Nossa Senhora das Candeyas, na Defeza do Machado, a de S. Gregorio, e a de S. Lourenço das Bousas na Aldeya da Nora, a de Santo Antonino na Aldeya dos Souzas. Esta ultima Ermida já existia no anno de 1439, como se prova pela demarcação de dois predios, pertencentes à Albergaria de Nossa Senhora dos Martyres.

462[p. 255 em branco]
[p. 256]

Memorias Annalyticas da villa de Estremoz. Livro V. Cap. I

463Neste Livro se dará noticia dos factos Historicos, pertencentes à villa de Estremoz, os quais influem tanto na Historia Geral do Reino, que mais parese ser a Historia deste, do que a da villa.

Anno de 1258

464Sendo o mayor cuidado de El Rey Dom Affonso III o promover a agricultura, e população do Reyno, fundou em Alentejo muitas Povoassoens novas e aumentou outras, e huma destas ultimas foi Estremoz, à qual elle deu o foral de villa, com os foros e privillegios da villa de Santarem, (*)

---

  • 50 Manuel de Faria e Sousa, autor da primeira metade do século XVII. Cf. I. F. da SILVA, Diccionario.. (...)

(*) D. Luiz Caetano de Lima Geographia Historica Tom. 2°.
Brandão, Monarchia Lusitan. Tom. IV. Livro 15. Cap. 24. Faria50 Europa Portugueza Tom. 2. Cap. 1. n.17.

465[p. 257] no anno de 1258, e para promover a cultura do seu terreno, livrou aos Lavradores do tributo das jugadas, que antes pagavão à Coroa, à proporção do numero de arados que empregavão na lavoura. Do Foral de Santarem, que elle consedeu à villa de Estremoz se dará noticia no Documento numero ...

Anno de 1270

466Havendo crescido a população da Aldeya do Valle Viçozo, huma das do termo de Estremoz, a condecorou El Rey Dom Affonso III com o foral de villa no dia 5 de Junho de 1270, separando-a da villa de Estremoz, e lhe assinou por termo, todo o terreno que actualmente tem (a).

Anno de 1321

467A conhecida dezobediencia do Infante Dom Affonso (depois Rey) a El Rey Dom Diniz

---

(a) Lima Geographia Historica Tom 2°

468[p. 258] seu Pay perturbou o Socego Publico de Portugal, e ateou o fogo da Guerra Civil. Os Facinorozos e descontentes do Governo, se alistarão debaixo das bandeiras do Rebelde Infante. E dezejando El Rey ivitar a effuzão do sangue dos seus vassalos, supplicou ao Papa João XXII que obrigase com censuras ao dicto Infante, e seos partidarios, a sugeitar-se à obediencia do Rey. O papa passou para o dito effeito huma Bulla, e cometeu a execussão della a Dom Geraldo Domingues Bispo de Evora.

469Entre os partidarios Rebeldes, erão numerados huns Fidalgos da Familia dos Barretos (1), que tiranizavão as provincias do Reyno. Estes facinorozos sabendo que o Bispo estava na villa de Estremoz, occupado com os negocios da Sua Igreja, persuadindo-se de que a morte deste Prelado havia ser agradavel ao Infante, sahirão de Coimbra com muita Gente armada, e dicimuladamente entrarão no Castello de Estremoz, aonde o bispo estava, e na noite de 5 de Março de 1321, entrarão em sua caza, e barbaramente o matarão.

---

  • 51 Engano do autor deste acrescento. O título correcto da obra de Frei Cláudio da Conceição é Gabinete (...)

[nota com letra diferente]
(1) Affonso de Novaes e Nuno Martins Barreto
Frei Claudio T. I, pg. 291 do seu Gabinete Litterario
51.

470[p. 259] Executada a sacrilega morte, se retirarão os matadores, para não serem punidos, o que conseguirão pela sua asselarada fuga. Os Moradores da villa conduzirão o cadaver do seu Prelado a Evora e lhe derão sepultura na Sé, e voltando para Estremoz, mandarão gravar em hum marmore a memoria deste sacrilegio, e a colocarão junto da Igreja de Santa Maria Matriz da villa, defronte das cazas de Luiz de Brito de Menezes, (hoje são dos Castilhos de Lisboa) por ser o lugar em que foi cometido este dilicto; o litreiro hé o seguinte.

[p. 260]

Anno de 1336

471Erão notorias a todo o Reyno as dispozisoens para a Guerra, que El Rey Dom Affonso IV de Portugal determinava fazer a El Rey de Castella Dom Affonso XI seu Genro e Sobrinho. De toda a parte caminhavão as Tropas Portuguezas para Estremoz, aonde El Rey estava, dispondo-se para com ellas entrar no Reyno de Castella. Achava-se nesse tempoi a Rainha Santa Izabel no seu retiro do mosteiro de Santa Clara de Coimbra, e movida de Sua ardente charidade, dezejando pacificar aos dois Monarchas, Filho e Netto, sem reparar no rigor da Estação se pos a caminho para a villa de Estremoz, em que El Rey seu filho estava com a sua corte, dispondo a abertura da campanha.

472[p. 261] Esta viagem emprehendida em hum tempo tão calmozo, occazionarão à Santa Rainha a grave doença, que os Medicos logo capitularão por mortal, e ella se dispoz para a morte fortalesendo-se com os Sacramentos da Igreja; e havendo feito hum Segundo Testamento, e sendo (segundo diz a sua lenda) sido vizitada pela Soberana Rainha dos Anjos, terminou a brilhante carreira dos seus dias, passando a sua ditoza alma para o Ceo, no dia 4 de Julho de 1336. O lugar do Seu tranzito foi o Palacio, que El Rey Dom Diniz seu Marido havia fundado em Estremoz, no lugar em que hoje está a sua Igreja.

473Aberto o Seu Testamento se vio, que nelle mandava que o Seu Corpo fosse Sepultado no Convento de Santa Clara de Coimbra. Os cameristas aconcelhavão a El Rey, que o manda-se Sepultar no Convento de S. Francisco de Estremoz, do qual se podião depois tresladar os ossos para o de Santa Clara de Coimbra; porem El Rey determinou, que o Real cadaver fosse sem demora levado para Coimbra. No dia 5 de Julho [p. 262] Sahio o Real corpo da villa de Estremoz, e no dia 11 do mesmo mez chegou ao convento de Santa Clara de Coimbra, no qual se conserva incorrupto ate ao dia de hoje.

Anno de 1367

474O amor da justiça obrigava a El Rey Dom Pedro I a vizitar com frequencia as Provincias do Reyno; no principio deste anno estava elle em Estremoz, no Palacio que nesta villa tinha idificado El Rey Dom Diniz seu Avô e adoesendo gravemente, e dezenganado, de que a infirmidade era mortal, se fes conduzir para o Convento de S. Francisco, no qual faleseu no dia 18 de Janeiro de 1367, de idade quarenta e oito annos, dos quais reinou nove annos, e dez mezes. O seu corpo foi conduzido ao Mosteiro de Alcobaça.

Anno de 1372

475Havia El Rey Dom Fernando nomeado a Joanne Mendes de Vasconcellos, Tio da Rainha Dona Leonor Telles para [p. 263] Governador do Castello de Estremoz no anno de 1370, e para que elle com mayor zello defendese esta fortaleza, lhe fes merçe da Alcaidaria Mor e Rendas do Castello da mesma villa neste anno de 1372.

Anno de 1382

476O Grande dezejo que El Rey Dom Fernando tinha de continual a guerra contra Castella, o obrigou a pedir socorro ao Rey de Inglaterra seu alleado, e este lhe mandou alguns milhares de soldados, cujas Tropas logo passarão para a Provincia de Alentejo, e se aquartelerão em Evoramonte, e Estremoz; porem, abuzando da hospitalidade, fizerão tanto mal aos moradores das ditas villas, como o farião os innimigos, se não fossem repelidos.

[p. 264]

Anno de 1383

477Do Matrimonio de El Rey Dom Fernando com a Rainha Dona Leonor Telles naceu unica a Infanta Dona Brites, e logo que ella chegou à idade competente a cazou com o Rey Dom João de Castella, com a condição de que não poderia governar em Portugal em quanto não tivese hum filho varão; não duvidou o Rey de Castella admitir a condição, da qual o seu poder o havia livrar logo que elle quize-se exismir-se da obrigação do contrato.

478Morreo El Rey Dom Fernando em Lisboa no dia 22 de Outubro de 1383, e aberto o seu Testamento, se achou que o Rey defunto emcarregava o Governo e Regencia do Reyno à Rainha sua mulher, em quanto sua filha a Rainha de Castella não tivese hum filho capaz de governar; a dispozição testamentaria dezagradou à Nobreza, e ao Povo, a este porque temia que a Regente pelo amor que tinha a sua filha, entregase o Reyno a Castella, e a Nobreza estava disgostoza por ver [p. 265] que a Regente emcarregava as mais importantes Fortalezas aos seus Parentes, e parciais.

479O que acabou de indispor o coração dos Portuguezes contra o novo Governo, foi o valimento do Conde Dom João Fernandes Andeiro, ao qual a Rainha muito attendia. Os Fidalgos reputavão que a sua obediencia passava a ser huma intoleravel servidão, e julgavão que a morte do vallido os livraria della. O Mestre de Aviz, Dom João, Irmão do Rey defunto, era aborrecido da Rainha, a qual por muitas vezes o pertendeu matar, e os Fidalgos lhe lembrarão que se elle vivendo seu Irmão correra tanto risco, que segurança podia ter vivendo o vallido, e governando a Rainha.

480Este discurso fes abalo no coração do Mestre de Aviz, o qual vendo a dispozição do Povo, e ponderando no risco que corria a sua vida matou ao Conde Andeiro no Paço, e quaze à vista da Rainha. O Povo se allegrou com esta morte, e a [p. 266] Rainha se irritou com ella, e procurava vingar-se do Mestre; porem não se dando por segura em Lisboa, se retirou para o Castello de Alenquer, aonde foi dispondo os meyos da vingança.

481O Povo de Lisboa vendo a precipitada partida da Rainha se perssuadio que ella pertendia entregar o Reyno a sua filha, contra a capitulação do Contrato Matrimonial, e Testamento do Rey, e para prevenir o golpe que ameasava a todos, ellegeu ao Mestre de Aviz por Defensor do Reyno no dia [6] de Dezembro. Muitas cidades e villas do Reyno seguirão o exemplo de Lisboa. Os Fidalgos que não erão do partido da Rainha se unirão ao do Defensor.

482Estas noticias recebia a Rainha em Alenquer, e vendo que o Partido do Mestre crescia diariamente, e temendo ser despojada do Governo, para o segurar escreveu ao Rey de Castella seu Genro, pedindo lhe que sem dilação entra-se em Portugal com o seu Exercito, a tomar [p. 267] posse do Reyno, que lhe pertencia, persuadida de que o Genro lhe havia conservar o Governo, e vingar do Mestre; porem o tempo lhe mostrou que o seu conseito havia sido errado, porque o Genro se servio para instromento da sua ruina, porque perdeu o Governo, e não se vingou do Mestre.

483Hum dos primeiros povos que se unio ao partido do Mestre de Aviz, foi a villa de Estremoz; apenas nella se publicou a noticia de que o Mestre havia sido proclamado Defensor do Reyno, determinou o povo seguir o seu exemplo, e para emcobrir a sua intenção publicarão os moradores da villa baixa humas festas, para que as Mulheres e filhos dos que goarnecião o Castello sahisem delle para verem os festejos; o sucesso correspondeu à sua expectação, porque todos se lhe meterão nas mãos, confiadamente; e então todo o Povo aclamou ao Mestre de Aviz por Defensor do Reyno.

484O Alcaide Mor Joanne Mendes de Vasconcellos, vendo que o povo estava [p. 268] levantado, fechou as portas da fortaleza, e se preparou para a sua defença; porem o Povo que industriozamente se havia senhoriado das Mulheres e Filhos dos soldados do castello, puzerão a todos sobre muitas carretas, e debaixo destas bastante lenha, e puzerão as carretas junto da muralha, para que as settas e mais tiros despedidos dos muros se empregasem nos innocentes que lhe servião de alvo.

485Dispostas as couzas deste modo, mandarão intimar ao Alcaide mor, e aos Defensores do Castello, para que sem dilação lhe entregasem a Fortaleza, e que não o fazendo passavão a atacá-la com vigor, e dar fogo à lenha, para que ardesem as carretas, com as Mulheres e Mininos, que estavão nellas. O Alcaide Mor queria defender-se, porem os soldados da sua goarnição o dezenganarão, de que não defenderião o castello com tanto risco, porque a sua defença seria a total ruina das suas familias, cuja conservação os interesava mais do que o Caprixo da Rainha.

486[p. 269] O Alcaide Mor vendo-se neste aperto pedio ao Povo que lhe manda-se alguma pessoa de confiança, com quem pude-se conferir o negocio. Foi escolhido Fr. Lourenço Goardião do Convento de S. Francisco, que sem dilação passou a falar ao Alcaide Mor; porem este querendo conservar o Castello, pedio ao Goardião que socegase ao povo, movendo-o a obedeser à Rainha. O Povo se irritou muito mais com esta resposta e mandou dizer-lhe que não lhe pedião concelho, mas sim o castello, e que não lho entregando passavão a por em prática o que já havião dicto.

487Vendo Joanne Mendes a determinação do Povo, e ponderando na impocibilidade de se defender, entregou o Castello, e se retirou para a villa de Moura. Logo que o povo se vio senhor do Castello ellegeu para o Governar a hum Escudeiro da villa chamado Martim Peres, o qual assistido do Povo miudo o conservou pelo Mestre de Aviz, e mandou logo demolir a Barbacãa contra a villa. A Nobreza da villa teve grande parte na conquista do Castello, particularmente Lopo Affonso, e Lourenço Dias, [p. 270] como refere Fernão Loppes.

488Todo o Reyno estava dividido em facçoens, e as mesmas mulheres Plebeias seguião o seu partido. Havia em Estremoz hum homem de Bem chamado Nuno Rodrigues de Vasconcellos; este era conciderado como parcial dos Castilhanos, e arguido por declamador das acçoens do Mestre; destas culpas o accuzarão Mor Lourenço e Margarida Annes Adella, e outras perante Maria Esteves Mãy do dito Nuno Rodrigues; e o rezultado desta disputa foi que as mulheres com as suas proprias mãos o matarão, e lansarão do alto do muro do Castello.

Anno de 1384

489Persuadido El Rey de Castella pela Rainha sua sogra da necessidade de suffocar o partido do Mestre de Aviz, em quanto elle era debil, determinou invadir Portugal [p. 271] por diferentes partes, para que os poucos Portuguezes, que seguião o partido do Mestre de Aviz se não pudessem socorrer mutuamente. Emcarregou a empreza a diferentes capitaens, em quanto elle com o principal Exercito se emcaminhava a sitiar a cidade de Lisboa.

490Por Alentejo entrou hum concideravel corpo de Tropas, comandado por grandes capitaens, como erão Dom Pedro Alvares Pereira Prior do Crato, Dom Diogo Gomes Barrozo, Mestre de Alcantara, Martim Annes de Barbudo que se intitulava Mestre de Aviz. Esta divizão entrou na Provincia de Alentejo, sem encontrar embaraso, por não haver quem a defendese. Os Innimigos saquiavão as terras abertas, e passárão a sitiar o castello da villa de Fronteira. O Mestre de Aviz, que estava dispondo a defensa de Lisboa, dezejando socorrer a Provincia de Alentejo, fes partir a Dom Nuno Alvares Pereira em seu socorro.

491Partio o intrepido Dom Nuno, e chegando a Estremoz com 230 lanças, e mil Besteiros [p. 272] e homens de pé, e se alojou no arrabalde da villa, junto da Ermida de S. Braz, ate que chegase a jente de Elvas, e de Beja, e estando todos juntos lhes disse que elle determinava ir atacar aos Castilhanos que sitiavão o castello de Fronteira, e que esperava que todos elles approvasem o seu pareser. Os Capitaens da Gente de Elvas e de Beja lhe reprezentarão que a empreza, ainda que honroza, era temeraria, porque os innimigos nos erão muitas vezes supriores em forsas, e na quali[da]de dos soldados, e que portanto duvidavão acompanha lo naquella occazião.

492Dom Nuno Alvares medindo a jornada pela grandeza do seu coração, lhes disse com semblante alegre, que aqueles que quizesem ser seus companheiros no trabalho, passacem alem daquelle regato de ágoa, (era o nacente que hoje fórma a fonte das Bicas), e que aquelles que não o quizesem seguir ficassem desta parte do Regato, porque elle só com os que passacem havia dar a batalha, e esperava em Deus que lhe havia dar a victoria. Os capitaens dos ultimos dois partidos duvidarão passar o Regato.

493[p. 273] Toda a noite se gastou em dispor a Gente para a batalha; e os Capitaens de Elvas, e Beja, conferindo entre si, a importancia desta empreza, se unirão com a sua Gente à de Dom Nuno Alvares Pereira. Conformes já os nossos capitaens, com o seu cheje sahirão de Estremoz, tomando o caminho de Fronteira; os partidos que os Castilhanos trazião em roda de Fronteira, lhes derão avizo da marcha dos portuguezes, e fiados os innimigos na Superioridade da sua tropa, nos vierão atacar na mesma marcha.

494No sitio dos Atoleiros entre Veiros e Fronteira se encontrarão os nossos, com os innimigos; e ordenados huns e outros, derão principio à batalha; pelejou-se todo o dia com grande ardor de huma e outra parte. Os nossos tiverão a felicidade de matar aos primeiros cavalheiros do Exercito castilhano. Continuava elle a peleja com grande ardor, porque a muita Gente que tinha supria a falta da que lhe haviamos matado, esperando que os nossos obrigados do cansáso, sedesem ao número; porem os Portuguezes não afrouxarão o seu primeiro ardor.

495[p. 274] No fim da Tarde se declarou a victoria pelos Portuguezes. Largarão os castilhanos o campo da Batalha, pondo-se em vergonhoza fugida; seguio-lhes Dom Nuno o alcanse por espaso de huma legoa; elles favorecidos da noite se refugiarão em Momforte, que seguia a sua voz, e Dom Nuno com os seus victoriozos soldados foi descansar aquella noite na villa de Fronteira.

496A perda que os Castilhanos exprimentarão na Batalha dos Atoleiros foi crescida; nella morrerão Dom Diogo Gomes Barrozo Mestre de Alcantara; Dom Martim Netto claveiro da mesma ordem; Fr. Gonçalo Peça commendador de Ferreira; Fr. João de Lerim commendador de Belvis; Pedro Gonçalves de Sevilha Adiantado de Andaluzia; e outros muitos Fidalgos e Capitaens, e grande número de soldados; a perda dos vencedores foi muito pequena.

497Não descansou muito Dom Nuno Alvares, porquanto na madrugada do dia seguinte à Batalha partio para Momforte para perseguir aos innimigos, consternados com [p. 275] a perda da batalha, e no outro dia foi atacar a villa de Arronches, cujo Castello se lhe entregou logo, para cuja conquista concorrerão muito os moradores da mesma villa, e o mesmo sussedeu ao Castello de Alegrete, e ambos ficarão seguindo o partido do Mestre e cuberto de Gloria se recolheu o General Portuguez à Cidade de Evora.

498No proprio tempo em que os Capitaens castilhanos entravão em Alentejo, chegou o Exercito Castilhano comandado pelo seu Rey à fronteira da Beira, e sem oppozição penetrou aquella Provincia, e a da Extremadura, deixando conquistados quaze todos os castellos, que emcontrou na sua marcha, e no mez de Mayo se alojou à vista da cidade de Lisboa, e chegada que foi a armada naval, se deu principio ao serco da cidade, por mar e Terra no dia 28 de Mayo de 1384.

499O Mestre de Aviz não se discuidou em prover a cidade de mantimentos, para sustentar o [p. 276] assedio, que justamente se devia reciar. O Mestre de Aviz se meteu na Cidade para a defender, e para animar aos seus moradores. A fortaleza dos muros sim bastava para elles se defenderem do Exercito innimigo, porem a falta de mantimentos era mais temivel, porque o dilatado tempo do serco, e o aperto delle, tinha posto a cidade em fome. O socorro da armada do Porto, ainda que aliviou a aflicção dos sercados, não pos em abundancia aos sercados e a fome foi produzindo os seus effeitos.

500O Rey de Castella não ignorava o aperto em que a cidade estava, e conhesendo que a constancia que os moradores mostravão, nascia do exemplo e exortasoens do Mestre, lhe offereseu vantajozos partidos, que elle generozamente regeitou, e dezenganado de que só a fome poderia render aos defensores, determinou continuar o serco, ate que a cidade se rende-se. O Exercito abundava em mantimentos, e a cidade estava em penuria; esta concideração o alentava, paresendo lhe que os sercados não poderião rezistir por muito tempo.

501[p. 277] A perda da cidade parecia inivitavel a todos os prudentes; porem pelejando o céo a favor dos sitiados, se virão elles livres do perigo que os amiassava. Entrou o mal da Peste no Exercito Castilhano, e o contagio se atiou com tal furor, que diariamente levava centos de soldados, dos quais faltavão muitos mil, e neste número entravão muitos Fidalgos e Capitaens. Esta desgraça obrigou ao Rey de Castella a levantar o sitio no dia 5 de Setembro, depois de haver durado tres mezes e sette dias.

502Os Sitiados ainda que padesessem grandes fomes, com tudo a Divina Providencia, que protegia a sua conservação, os livrou do contagio da peste. A nobreza das Provincias do Reyno, se recolheu em Lisboa, para acompanhar ao Mestre de Aviz, neste trabalhozo sitio. Entre elles estiverão alguns Principais de Estremoz, e Villa Viçoza, cujos nomes erão: Lourenço Gonçalves, Gonçalo Gonçalves, Lopo Gonçalves, Affonso Pires [p. 278] do Rego, Fernão Lourenço, Giliannes, Gonçalo Annes Frandino, Mendo Affonso, e Alvaro Martins Alvarenga.

503O serviço e lialdade de Dom Nuno Alvares Pereira pedião huma grande e prompta remuneração, e o Mestre, Defensor do Reyno, logo que se vio dezembarasado do serco de Lisboa, lhe fes a mais avultada merce, que até aquelle tempo se havia visto; porque o fes Condestavel do Reyno, Conde de Arrayolos, Barcellos, e Ourem, e seu Mordomo Mor, e senhor das villas de Almada, Alandroal, Arrayolos Alter do Chão, Alvayazere, Baltar, Basto, Borba, Bouças; Castello de Piconha; Estremoz; Evora Monte, Loulé, Louzada, Momforte; Montemor o Novo, Paiva, Portelo, Rabaçal, Ribeira de Penna, Souzel, e Villa Viçoza.

Anno de 1385

504O Mestre Defensor convocou cortes para a [p. 279] Cidade de Coimbra, nas quais se devia cuidar no melhor modo de defender o Reyno, do grande poder do Rey de Castella. Entrou o Defensor do Reyno na Cidade de Coimbra no dia 3 de Março por entre as aclamasoens dos mininos, e no dia 6 de Abril foi aclamado pelas cortes, como Rey de Portugal, o que igualmente fizerão todas as cidades, e villas que seguião o seu partido.

505Ainda que o Exercito Castilhano se achava diminuto com a grande mortandade, que havia exprimentado no serco de Lisboa, com tudo, as grandes levas que o Rey de Castella mandou fazer nos seus estados, e o crescido numero de Portuguezes, que seguião o seu partido, reparou logo aquella perda, e se pos em estado de emtrar em Campanha. Constava elle de 36$. homens com algumas Pessas de Artilharia (as primeiras que os Portuguezes virão em Campanha) e hum crescido numer[o] de Carruagens.

506Com este luzido Exercito entrou o Rey de Castella em Portugal, emcaminhando-se a Lisboa, que esperava ganhar nesta segunda jornada [p. 280] e sem emcontrar embaraço chegou à cidade de Leiria. Entre tanto o novo Rey de Portugal se prevenia para a defença, escrevendo ao Condestavel Dom Nuno, para que lhe levase de Alentejo o mayor número de soldados, que lhe fosse possivel ajuntar, e que com elles caminhase para a villa de Abrantes, em que o esperava com a Gente da Beira, e Extremadura, para que feita a união pudessem atacar o Exercito innimigo.

507Não se discuidou o Condestavel; porque em breve tempo ajuntou em Estremoz quinhentos homens de lança, e 2$. Besteiros, e com elles chegou à villa de Abrantes, aonde El Rey o esperava, e depois deste socorro ficou o nosso Exercito constando de pouco mais de seis mil combatentes, e com este dezigual poder, foi atacar o Exercito Castilhano nos Campos de Algibarrota, no dia 14 de Agosto de 1385, e depois de huma obstinada peleija alcansou huma completa victoria, e desbaratou o Exercito Castilhano. O Rey de Castella vendo [p. 281] perdida a batalha fogio para Santarem, e no dia seguinte embarcou no Tejo, e chegando ao porto de Lisboa, aonde tinha a sua armada, se retirou com ella, e se recolheu para Sevilha.

508A perda dos Castilhanos foi concideravel, por estarem tão distantes do seu Reyno, sendo-lhes impossivel a retirada, a perda dos Portuguezes foi diminuta. Ganhamos muitas mil armas, e Artilharia, a que então se dava o nome de Trons. Toda a Bagajem, e hum rico despojo ficou no poder dos vencedores, e por fructo desta victoria conquistamos alguns Castellos, e outros voluntariamente se sobmeterão ao novo Rey de Portugal.

Anno de 1386

509A noticia da perda da batalha de Algibarrota pos em consternação os Reynos de Castella e Leão, e o Condestavel Dom Nuno, querendo approveitar-se do animo abatido dos castilhanos, ajuntou hum Exercito em Estremoz, que constava de oito centas Lansas, e s[e]is mil homens de pé, e com elle entrou [p. 282] em Castella à vista de Badajoz, e chegou à villa de Valverde, e nesta se emcontrou com o Exercito castilhano.

510Tiverão os innimigos noticia, de que o Condestavel determinava invadir a Provincia da Extremadura, e para previnirem o Golpe, se prepararão para a defença, ajuntando a Gente que puderão na Extremadura, Castella, Andaluzia e Mancha de Aragão, e com ella formarão hum Exercito, que alguns Historiadores fazem subir ao número, de quarenta mil homens.

511Neste Exercito militavão Dom Pedro Moniz Mestre de Santiago, Dom Gonçalo de Gusmão Mestre de Alcantara, Dom Martim Annes de Barbudo, que se intitulava Mestre de Aviz, e que depois o foi de Alcantara, Dom João Affonso de Gusmão Conde de Niebla, Dom Gastão de Lacerda Conde de Medina Celli, Gonçalo de Souza, e Fernando de Souza Portuguezes, Dom Pedro Ponce de Lion Senhor de Marchena, Dom Affonso Fernandes de Cordova Senhor de Aguillar, Diogo Fernandes, e Gonçalo Fernandes seus Irmãos, Martim [p. 283] Fernandes Porto Carrero, com os vinte e quatro de Sevilha, com o pendão da Cidade.

512Com este dezigual partido se atacarão os dois Exercitos, e ambos elles peleijarão com grande valor por espaço de dois dias, e no fim do segundo, se declarou a victoria pelos Portuguezes com crescida perda dos Castilhanos; da parte destes morrerão o Mestre de Santiago, e muitos grandes. A perda dos Portuguezes foi pequena. Os nossos seguirão o alcanse ao innimigo, porem a noite que sobreveyo favoreseu a sua retirada, e os livrou da mayor perda. O Condestavel foi ferido em huma perna com o tiro de setta, e se recolheu a Portugal cheyo de Gloria, e o seu Exercito carregado de despojos.

513Os Signalados Serviços, que os Moradores de Estremoz havião feito a El Rey Dom João I moverão a este Monarcha, a unir esta villa à Coroa, da qual havia dois annos, a havia [p. 284] separado, para a dar ao Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira, dando lhe em troca pela dita villa, e pela de Montemor o Novo, o Senhorio das villas de Arrayolos, Chaves, Monsaraz, Vidigueira, Villa de Frades, Villa Alva, Villa Ruiva, por huma Escriptura assinada na Cidade de Braga no dia 16 de Dezembro de 1386.

Cap. II

Anno de 1416

  • 52 Desconhece-se a data exacta da abertura das cortes. Mas sabe-se que D. João I, no dia 21 de Janeiro (...)

514Estando terminadas as Guerras com tanta gloria da nassão Portugueza, se empregou El Rey Dom João I em promover a felicidade dos seus vassalos. Convocou Cortes, para se selebrarem em Estremoz no dia ... de [Janeiro] de 141652 e nellas se publicarão dezasete artigos, e se regulou tudo o que era necessario para o socego publico, e liberdade dos Póvos, [p. 285] que havião sido oppremidos, pela violencia dos Grandes, e todos, sem exceptuar os Mouros, que vivião em Portugal, exprimentarão os effeitos desta saudavel providencia.

Anno de 1475

515Declarada a Guerra por El Rey Dom Affonso V à Coroa de Castella se fizerão repetidas hostilidades de parte, a parte. O Capitão Galindo fes huma entrada por Alentejo, na qual ganhou a villa de Ouguella, que estava mal goarnecida. Estava o Princepe Dom João (depois Rey, segundo do nome) em Estremoz, aonde recebeu a noticia da perda de Ouguella, sem dilação partio para aquella villa acompanhado do seu Camareiro mor João da Silva, que governava a nossa gente, e emcontrando-se os dois capitaens pelejarão, ficando ambos mortos no Conflito, e João da Silva hé conhecido na historia pelo titulo de Galindo. E o Principe restaurou o Castello de Ouguella

[p. 286]

Anno de 1490

516As diferenças entre as duas Monarchias de Portugal e Castella, se terminarão pelo contrato matrimonial entre o Principe Dom Affonso, filho de El Rey Dom João II e a Princeza Dona Izabel, filha dos Reys Catolicos Dom Fernando V e Dona Izabel. Os noivos se receberão por procuração na Cidade de Sevilha, e a Princeza foi conduzida a Portugal com grande acompanhamento. Chegou ella à villa de Estremoz no dia 23 de Novembro de 1490, e nella foi recebida com grandeza, e com todas as demonstrasoens de alegria; apiou-se à porta da Igreja Matriz, e ahi recebida em porcição pelo Bispo de Vizeu, e conduzida ao seu apozento, que era perto da Igreja.

517El Rey, e o Principe chegarão dahi a pouco tempo, e logo o Arcebispo de Braga recebeu aos Principes, e nessa noite houverão muitas festas no quarto da Princeza, e as Cazas da villa se illuminarão. El Rey, com o Principe, sendo já tarde se recolherão à sua pouzada, que era na Caza do Duque (suponho que era Dom Manoel Duque de Beja; porque [p. 287] nesse anno, não havia outro Duque em Portugal) descansarão os Principes naquella noite, e na menhãa dia 24 de Novembro, partirão para a cidade de Evora.

Anno de 1496

518Os descobrimentos, que os Portuguezes havião feito nas Costas de Africa, no tempo do immortal Infante Dom Henrique, havendo trazido grandes Riquezas ao Reyno, e prometendo outras mayores, animou aos nossos Soberanos, a procurar o adiantamento destas discubertas, El Rey Dom João II descobrio pelos seus capitaens toda a Costa até ao Cabo da Boa Esperança, e haveria passado mais Longe se intempestivamente não houvese falecido na villa de Alvor, no dia 25 de Outubro de 1495.

519Sussedeu lhe na Coroa seu Primo, o Venturozo Rey Dom Manoel, o qual logo que [p. 288] subio ao Trono cuidou em concluir o projecto do descobrimento da India, para cuja expedição mandou appromptar tres Navios, e emcarregou a empreza ao intrepido Cavalheiro Vasco da Gama natural de Sines, e estando El Rey na villa de Estremoz, mandou xamar o Gáma, e lhe entregou a Bandeira Real, ordenando lhe que sem dilação fosse embarcar-se na armada.

  • 53 A data correcta é 8 de Julho de 1497.
  • 54 A data correcta é 20 de Maio de 1498.
  • 55 Provavelmente a 29 de Agosto de 1499, embora alguns autores se inclinem para o mês de Setembro. Sob (...)

520Deu o Impávido Gama principio à sua perigoza e disconhecida viagem, no dia 8 de Julho de 149653. Navegou por máres desconhecidos, soffreu orrorozas tempestades, tolerou grandes trabalhos, dobrou o Cabo da Boa Esperança, e chegou à India aportando em Calecut no dia 20 de Mayo de 149754, e voltando para Portugal, chegou ao porto de Lisboa no dia ... de Outubro de 149855 depois de huma viagem de dois annos e tres mezes.

[p. 289]

Cap. III

Anno de 1500

521Tendo a villa de Estremoz pela sua fidelidade recebido muitas merces dos Senhores Rey[s] deste Reyno, a nenhum deveu mais do que a El Rey Dom Manoel, o qual attendendo aos Grandes Serviços, que os moradores da villa havião feito aos Rey[s] seus predecessores, e a elle, lhe consedeu o privilegio de que sempre anda-se unida à coroa do Reyno, segurando que numca daria o Senhorio, nem o titulo della, a vassalo algum, ainda que fosse filho, ou netto delle Rey, por Carta passada em Lisboa no dia 3 de Março de 1500.

Anno de 1512

  • 56 Lapso do autor, que no entanto já apresenta a data correcta (5 de Outubro de 1520), na página 498 d (...)

522O mesmo Rey Dom Manoel, tendo em [p. 290] vista os serviços dos moradores da villa e a ser ella huma das mais populozas do Reyno, e habitada de muita Nobreza, a honrou, dando lhe o titulo de villa Notavel, por Carta passada em Evora a 10 de Julho, do anno de 151256.

Anno de 1573

523Julgando El Rey Dom Sebastião crear duas Ouvidorias na provincia de Alentejo, a favor do mestrado da Ordem de Aviz, e do Duque de Bragança, se prosedeu à formatura das duas novas comarcas; para se crear a de Aviz se desmembrarão da Comarca de Estremoz as villas de Aviz, Alter Pedrozo, Benavilla, Cabeço de Vide, Cabeção, Canno, Figueira, Fronteira, Galveas, Seda, e Veiros, e para se formar a Comarca de Villa Viçoza, se separarão da comarca de Estremoz as villas de Borba, Evoramonte, Souzel, e Villa Viçoza.

524[p. 291] Feita a desmembração de tantas villas, ficou a Comarca de Estremoz constando somente da Capital e das villas do Cannal e do Vimieiro, e não podendo estas formar huma comarca, se unio o resto da de Estremoz à de Evora, cujos Ministros (depois desta união) se intitulão Corregedores, e Provedores das comarcas de Evora, e Estremoz, conservando-se por esta cauza dois Escrivaens na Correição, e outros dois na Provedoria, e tirando-se a rezidencia a estes Ministros metade do tempo que ella durar, na villa de Estremoz, na forma da Carta de El Rey Dom Sebastião datada em Evora em 3 de Março de 1573.

Anno de 1578

525Determinada por El Rey Dom Sebastião a segunda jornada de Africa, e alistada a Gente que o devia acompanhar, sahirão de Estremoz trezentos homens, Governados por Gaspar de Lemos, ao qual o dito Rey convidou [p. 292] por Carta assinada pela Sua Real mão, e com elle se achou na Infeliz Batalha de Alcacere; esta carta se conservava em poder de Joaquim de Lemos de Vargas Fidalgo da Caza Real, quinto Netto do mencionado Gaspar de Lemos.

Anno de 1580

526Depois da infeliz morte do Rey Dom Sebastião passou o Setro Portuguez para a trémula mão do Cardeal Rey, ao qual os tres Estados do Reyno reconheserão como ligitimo sucessor do Monarchia. Principiou o novo Rey o seu governo pelo resgate dos Captivos; huns se livrarão do Cativeiro à custa da sua fazenda, ou pela charidade dos Bispos, e a Coroa resgatou oitenta Fidalgos por quatro centos mil cruzados. O mayor cuidado do Rey foi embarasar a guerra Civil, de que Portugal estava amiassado, logo que a Coroa vaga-se por sua morte.

527Os pertendentes da Coroa erão muitos, tanto naturais como Estrangeiros; os naturais erão: a Senhora Dona Catharina Duqueza de [p. 293] Bragança filha Segunda do Infante Dom Duarte, e mulher do Duque Dom João I; o Senhor Dom Antonio Prior do Crato, filho illigitimo do Infante Dom Luiz; os Pertendentes Estrangeiros, erão Dom Filipe II Rey de Castella por sua May a Imperatriz Dona Izabel mulher de Carlos V e filha do Rey Dom Manoel, o Duque de Saboya, Manoel Felisberto netto do Rey Dom Manoel, e filho da Infanta Dona Brites. Raynucio Farnezio Duque de Parma Bisnetto do Rey Dom Manoel, e filho da Senhora Dona Maria primojenita do Infante Dom Duarte.

528Os mais Pertendentes erão, Catharina de Medices Rainha de França, que se dizia ser descendente do Rey Dom Affonso III e de sua primeira mulher a Condeça Matilde. O Papa tambem pertendia susseder, com o fundamento de que o Reyno era tributario à Sé Apostolica, e que vagava por morte de hum Cardeal; porem ambos elles forão logo excluidos, por haverem parentes certos, e chegados, que devião susseder segundo as Leis do Reyno.

529[p. 294] O Duque de Saboya sendo filho da Infanta Dona Brites, filha mais mosa do Rey Dom Manoel, tambem foi excluido. Assim como o Duque de Parma por ser Bisnetto do dito Rey e estar fora do Gráo de reprezentação. O Senhor Dom Antonio Prior do Crato foi excluido pela sua illigitimidade, por tanto a duvida estava entre El Rey Dom Filippe, e a Senhora Dona Catharina; por parte de ambos se offereserão manifestos ao Cardeal Rey.

530A favor do Rey Católico escreverão os Jurisconsultos e Univercidades de Castella, e os Mestres Conimbricenses, opinarão a favor da Senhora Dona Catharina, pelo direito de Reprezentação admitido em Portugal, e este mesmo era o pareser dos mayores Letrados da Europa, que não erão vassalos do Rey Dom Filippe; porem de que podia servir à Duqueza de Bragança a sua justiça, se não tinha hum Exercito igual ao do seu Contendor? A sua manifesta justiça ficou dezatendida por não ser sustentada com forsa armada.

531[p. 295] Estes Manifestos forão apprezentados ao Rey Dom Henrique, para dar a sentença, e Felippe II finguio querer estar por ella; porem temendo que o Cardeal nomea-se a Duqueza de Bragança, mandou por seu Embaixador a Dom Christovão de Moura Marquez de Castello Rodrigo Portuguez por nacimento, e por afecto Castilhano, para que rezedise em Lisboa, e embarasa-se a decizão da Contenda.

532O astuto Embaixador não omitio diligencia alguma para adiantar as pertençoens de seu amo; porque todos os dias lhe adqueria alguns novos parciais, huns com o terror das armas de seu amo, e outros com promessa de grandes mersés. O Rey Dom Henrique, sendo naturalmente irresoluto e intimidado pelos mesmos Criados, que o sercavão, que já estavão corrompidos, nada desidia; ajuntou cortes na Cidade de Lisboa no dia 1° de Abril de 1579 para que os Tres Estados lhe prepuzesem os meyos que julgasem convenientes a prevenir a perda da Monarchia.

533Nestas Cortes nomeou sinco Juizes para a [p. 296] decizão da Cauza; erão elles Dom Jorge de Almeida Arcebispo de Lisboa, Dom João Tello, o Camareiro mor Diogo Loppes de Souza, Dom João Mascarenhas Defensor de Dio, tão intrepido na Azia, como covarde na Europa, e o ultimo era Febo Moniz de Lucignano. Os primeiros dos Juizes não puderão ser corrompidos com os prémios, nem abalados com as amiassas. Os mais, antepuzerão o interesse das suas familias ao da Patria.

534Nas mesmas Cortes se determinou, que o Governo da Monarchia, por morte do Rey Dom Henrique, devia ficar aos sinco Governadores, e que os Pertendentes esperasem até à decizão da Sentença, que elles déssem. Morto o Cardeal Rey em Almeirim no dia 31 de Janeiro de 1580, cahio o Governo nas mãos dos sinco Governadores; elles baterão moeda, emcarregarão a defença das Fortalezas a pessoas as sua confiança, escreverão cartas às cidades e villas do Reyno, para que só obedecessem àquelle que fosse declarado sucessor pelos Juizes.

535A divizão da Nobreza, e dos Povos era igual à [p. 297] dos proprios Governadores; vião as pessoas de huma familia seguirem diferente partido; e ninguem acertava com o caminho seguro. Entre tanto os Pertendentes (excepto a Duqueza de Bragança) procuravão entrar na posse da herança, sem esperarem pela sentença dos Juizes, julgando-se cada hum delles authorizado para o fazer, sem dependencia da sentença.

536O Senhor Dom Antonio, sendo dezatendido do Rey defunto, e não melhorar de fortuna na sentença dos Governadores, se fes aclamar Rey na villa de Santarem, e nos Povos vizinhos, e passando a Lisboa, foi reconhecido pela plebe, e por alguns Nobres; mandou cunhar moeda, deu liberdade aos prezos, escreveu Cartas as Cidades, e villas do Reyno em que lhes participava a noticia as sua aclamação, convidando a todas, para que seguissem o seu partido. Os Governadores do Reyno exceptuando o Arcebispo, e Dom João Tello, não se dando por seguros em Lisboa, passarão para Setubal, e de lá para Ayamonte, se rezolverão a dar sentença estando naquella Cidade, a favor do Rey Dom Filippe.

537[p. 298] Este temivel Contendor, havia antecipadamente ajuntado hum Exercito em Badajoz, nomeou para General delle a Dom Fernando Alvares de Tolledo Duque de Alva, e logo que soube da aclamação do Prior do Crato, mandou entrar o Exercito em Portugal, antes de esperar a sentença dos Governadores; e para que a rezistencia dos Povos não retarda-se a marcha do Exercito, que se emcaminhava a Lisboa, mandou com antecipação emissarios às principais povoasoens de Alentejo, com promessas aos que sem izitação lhe obedecessem. O arbitrio lhe foi util; porque antes do Exercito cheguar à vista de Elvas, se lhe entregou a Cidade, e ao seu exemplo as villas da sua comarca.

538Sem demóra passou o Exercito Castilhano a sitiar Estremoz, e se alojou nos arrebaldes que não erão fortificados, e deu principio ao sitio do Castello, do qual era Governador Dom João de Azevedo Almirante de Portugal, e Commendador de Jurumenha. O Duque de Alva lhe mandou recado para que entrega-se o Castello, e reconhecese a El Rey Dom Filippe II como Rey de Portugal; porem o Almirante duvidou entregar o Cas[telo] [p. 299] e o General dispos o attaque do Castello, e o Governador se preparava para a defença.

539Não duvidava o Duque de Alva da conquista, suposta a impossibilidade que o Governador tinha de ser socorrido; porem, com[o] toda a demora lhe era prejudicial, se valeu do meyo da negociação, e das dadivas. Ganhou a familia dos Landins Principal na villa, a qual corrompeu a Goarnição do Castello, e obrigou ao almirante a dezamparalo. Gaspar de Landim teve a Commenda de Santa Maria de Lamas, e João de Landim seu filho, a de S. Pedro de Trancozo, por prémio do serviço que fizerão a Castella.

540Rendidos os Governadores das praças às dádivas, e punidos os que se defendião, passou o Exercito Castilhano a Lisboa, sem encontrar mais do que alguma leve rezistencia na Ponte de Alcantara, na qual o Senhor Dom Antonio pertendeu embarasar o passo ao Exercito Portuguez [sic]. Quatro mil homens bizonhos, e mal armados tinha o Senhor Dom Antonio, e assim foi facil o disbaratálo. Tal foi a victoria que alcansou o Duque de Alva.

[p. 300]

Anno de 1581

  • 57 Inicialmente marcadas para 20 de Março, tiveram a sua abertura a 16 de Abril de 1581, tendo Filipe (...)

541Conquistado o Reyno de Portugal, ou vendido ao Rey Dom Filippe, todo o seu cuidado foi segurar a nova conquista, fazendo-se amar do[s] Novos vassalos. Escrevendo cartas a todas as Cidades e villas do Reyno que tem voto em Cortes, chamando-os para as que pertendia selebrar no dia 18 de Abril na villa de Tomar57, para onde elle partio com toda a sua Corte, e se alojou no Convento da Ordem de Christo.

542Não faltarão os convidados e no dia 19 de Abril foi o novo Rey aclamado pelos tres Estados, e recebeu delles o juramento de fidelidade, e elle o deu de Guardar os fóros, e privilegios da Nassão. Nestas Cortes servio de Condestavel o Duque de Bragança Dom João, ao qual El Rey deu este officio em perpetuidade para a sua Caza, e lhe lansou o colar da ordem do Tuzão e aos mais Portuguezes fes outras merces.

[p. 301]

Cap. IV

Anno de 1619

543Dezejava El Rey Dom Filippe III de Castella vizitar o Reyno de Portugal, porem a astucia dos seus Ministros embarasou por muitas vezes a sua jornada, ate que elle arrebatadamente sahio de Madrid no mez de Abril de 1619 acompanhado do Principe Dom Filippe seu filho e das Infantas Dona Izabel, e Dona Maria, dirigindo a sua jornada por Badajoz. Escreveu antecipadamente cartas às cidades, e villas Principais de Portugal, dando lhe noticia da sua jornada.

544A carta para o Senado da villa de Estremoz, hé datada no 1° de Abril do dito anno, e nelle servia de Juiz de Fora o Doutor Affonso Botelho e erão veriadores Pedro da Motta de Lemos, Paulo do Carvalhal, e Fernando da Silva de Souza, Procurador do Concelho Lourenço Gil Parrado, e Escrivão da Camara Manoel de Rezende. Apenas chegou a carta [p. 302] e se leu em Camara, logo a villa se illuminou e as pessoas Principais festejarão a noticia com mascaras, e continuarão ate que Sua Magestade chegou a Estremoz. O Senado mandou formar hum arco de boa architetura na rua de Santo Antonio pelo qual Sua Magestade devia entrar.

545No dia 12 de Mayo chegou El Rey a Estremoz ja de noite, e não obstante estar ella escura e chuvoza, foi Sua Magestade esperado a meya legoa de distancia da villa por trinta mancebos, que o acompanharão com tochas acezas, ate ao Convento de S. Francisco, a onde se hospedou aquella noite com a familia Real, e de noite se illuminou a villa. No dia 13 sahio Sua Magestade em Cóche, para fazer a sua entrada publica na villa.

546Chegando Sua Magestade ao Arco e Porta, a onde o Senado o esperava, lhe fes o Juiz de Fora huma falla, segundo o costume, e o veriador mais velho lhe apprezentou as chaves da villa, e todos lhe beijarão a mão, e pegando os officiais da Camara nas seis varas do Palio, debaixo delle fes Sua Magestade a sua entrada na villa. Hia El Rey montado [p. 303] em hum fermozo cavallo, que levava pela redia Dom Diniz de Faro, que nesta occazião servio de Alcaide mor, por seu Primo Dom Sancho de Faro VI Conde de Odemira, indo acompanhado da Nobreza da villa, e precedido de muitas dansas, e folias, e se apeou à porta da Igreja Matriz de Santa Maria.

547A entrada da Igreja o esperava o Prior Mor de Aviz Dom Fr. Lopo Vaz de Sequeira, acompanhado de oitenta Freires com os seus mantos, e depois de Sua Magestade beijar o lignum Crucis, que o Prelado tinha nas mãos, e de fazer Oração, tornou a montar a cavallo, e se foi apear no Paço, de que então servirão as cazas de Dom Lopo de Azevedo Almirante de Portugal; de noite se illuminou toda a villa, e houverão fogos de invenção defronte do Paço e huma boa mascarada formada pelos nobres da villa.

548O Juiz de Fora, em nome da villa offereseu a Sua Magestade seis grande[s] Taboleiros de finos Pucaros de diferentes tamanhos e figuras, e Sua Magestade os aseitou; recomendou ao mesmo Juiz, que os mandase [p. 304] emcaixotar para serem remetidos para Madrid, o que effectivamente se executou. Tinha a Camara destinado doze Touros, para serem corridos no dia seguinte; porem este festejo se suspendeu, por não querer Sua Magestade demorar a sua jornada.

549No dia 14 de Mayo foi Sua Magestade ouvir Missa à Igreja de S. João Baptista das Religiozas Maltezas, e acabada ella, lhe beijarão a mão a Commendadeira, e mais Religiozas, e metida a familia Real nos Coches, sahio de Estremoz, e se pos a caminho para a Cidade de Evora (*).

Anno de 1637

550O Ministerio Hispanhol não se dando por satisfeito com os Grandes tributos com que a Coroa de Portugal estava onerada, determinava oppremilo com outros mais pezados. Queixavão-se os Póvos desta oppressão;

---

(*) João Baptista Lavanha, na relação da viagem que El Rey Filipe II fes ao Reyno de Portugal, a folha 4.

551[p. 305] porem Dom Gaspar de Gusmão Conde Duque de Olivares I Ministro de El Rey Dom Filippe IV não só se fazia surdo às vozes do aflicto Povo, mas embarasava que ellas chegasem à prezença do Rey seu Amo. Allegavão os Povos os seus privillegios, que El Rey havia jurado goardar, e que hum delles era, que só em Cortes se impuzesem novos tributos.

552Tudo isto era dezatendido do inexoravel Ministro, porque apezar dos Clamores do Povo, mandou apertadas ordens aos Corregedores das Comarcas do Reyno, para que cobrasem os tributos ordinarios, mas tambem o novo dos quinhentos mil cruzados, que Sua Magestade queria que Portugal lhe paguase annualmente; e que ao povo so devia ficar a escolha do meyo mais suave, para a solução do dito tributo.

553Remetida esta ordem ao Corregedor de Evora Andre de Moraes Sarmento, e publicada ella na Cidade, se amotinou o Povo, duvidando sugeitar-se à solução do novo tributo. O corregedor, sem apaziguar o Povo, [p. 306] pertendeu executar a ordem, que havia recebido, e a sua imprudencia aumentou o tumulto, de modo que não se dando por seguro na Cidade, fogio precipitadamente para Lisboa, e com a sua retirada se aumentou o número dos amotinados; estes escreverão cartas às camaras das cidades e villas de Alentejo, para que se unissem ao seu partido.

554O Conde da Ericeira Dom Luiz de Menezes affirma (a) que os Povos da Provincia de Alentejo, à excepção de Elvas, e Moura, havião seguido a vóz do povo de Evora; porem hé indubitavel, que a villa de Estremoz rezistio ao convite, e que El Rey Dom Filippe agradeseu e louvou a sua fidelidade, por carta assinada pela sua Real mão, escripta à Camara da dita villa, a 7 de Dezembro de 1637 da qual se dará noticia no Documento numero ... (*)

---

(a) Menezes, Historia de Portugal Restaurado Tomo 2° parte I Livro II pagin. 73

(*) Livro de Registro dos Alvaraz e Provizoens, concedidos à villa de Estremoz, conservado no Archivo da Camara da mesma a folhas 49 vs°

[p. 307]

Anno de 1640

555A boa ordem destas Memorias pede que se exponhão com toda a clareza as cauzas que os Portuguezes tiverão para negarem a obediencia ao Católico Rey Dom Filippe IV que os havia governado por espaso de dezanove annos, nos quais o Ministerio Hispanhol, em lugar de suavizar ao Povo Portuguez a perda dos seus Reys Naturaes, só cuidou em oppremilo, tirando lhe as armas, e os Cabedais, para que não pudesem sacudir as pezadas Cadeyas com que a sua detestavel politica o havia subjugado.

  • 58 Veja-se a nota anterior.

556Por morte do Cardeal Rey Dom Henrique, se senhoriou El Rey Dom Filippe II da Coroa de Portugal, como já se disse. Elle convocou cortes na villa de Tomar para o dia 18 de Abril de 1581, e no dia seguinte foi reconhecido Rey deste Reyno58, pelos Tres Estados do Reyno, os quais lhe derão o juramento de fidelidade, e elle da sua parte jurou guardar os foros, e privillegios do Reyno, em vinte e sinco artigos, similhantes àquelles que El Rey Dom Manoel jurou goardar [p. 308] aos Castilhanos, quando foi jurado sucessor dos Reynos de Castella e Aragão.

  • 59 Faleceu a 13 de Setembro e não a 17. Cf. José Maria de Queiroz VELOSO, “A dominação filipina”, Hist (...)

557Os portuguezes, illudidos pela politica do novo Rey, se persuadirão que a união de Portugal a Castella o faria mais attendido e respeitado, do que antes era; porem foi errado o seu conseito, porque esta união lhe adquerio novos innimigos, como forão os Inglezes e Francezes, os quais no tempo dos Reys naturais erão nossos aliados, ou amigos. Faleceu El Rey Dom Filiuppe II em 17 de Setembro de 159859 depois de haver reinado em Portugal por tempo de dezoito annos, deixando por sucessor a seu filho Dom Filippe III. Havia este sido jurado sucessor da Coroa de Portugal nas Cortes de Tomar, e effectivamente o foi por morte de seu Pay. Este Principe era naturalmente Bom, e Piedozo, porem por frouxidão se deixou dominar dos seus vallidos, os quais lhe fizerão cometer gravissimos erros no seu governo, sendo o mayor a vergonhoza tregoa, feita com os Holandezes no anno de 1609, que não comprehendia as fortalezas que [p. 309] Portugal possuia alem da linha, as quais ficarão expostas a frequentes ataques.

558Esta infame Tregoa pos Castella em paz com os Holandezes, e a Portugal em Guerra com elles, e estes Republicanos não tardarão em se approveitar da occazião que a fortuna e o dezacordo do Ministerio Hispanhol lhes offerecia. Elles invadirão os mais uteis estabelecimentos que Portugal tinha na Azia, Africa, e America, atacarão as frotas, ganharão os navios Portuguezes que navegavão sem defença, e o Ministerio Hispanhol conciderava estas perdas, como couza indiferente. Tal foi o Governo do Rey Dom Filippe III, o qual faleceo em 30 de Março de 1621, com vinte e tres annos de Reynado.

559Por morte do Rey Catolico, lhe sussedeo na Monarchia seu filho Dom Filippe IV de idade de dezaseis annos. Este Principe para se livrar do pezo e trabalho do Governo, escolheo para seu Ministro a Dom Gaspar de Gusmão Conde Duque de Olivares, que approveitando-se da indolencia de seu Amo, dividio com elle o Imperio, deixando ao [p. 310] illudido Principe o titulo de Rey, e rezervando para si o exercicio; porque governava a Monarchia como se fosse Senhor della.

560Este caprixozo Ministro sustentou guerras ruinozas à Hispanha, despovo-ou as Provincias com as numerozas levas de soldados, que alistou para mandar para as guerras de Flandres e da Italia, oppremio os Povos com tributos, e empobreseo a Monarchia com tão crescidas despezas. As grandes extorsoens que praticarão os executores das suas ordens, revoltarão os Cathalaens, e Napolitanos, e fizerão vassilar as Provincias mais fieis, e as Potencias innimigas da Hispanha abertamente favoreserão os Povos Revoltozos.

561Não foi mais hummano com Portugal; tirou deste Reyno a Artilharia, que exportou para Castella deixando as Fortalezas Maritimas sem defença, e expostas às invazoens dos innimigos. Os Persas nos Ganharão Ormuz, os Holandezes as melhores pocessoens, que tinhamos na Africa, Azia, e nos atacarão o Brazil. Offereciao-se os Portuguezes para a sua restauração, e pedião que se lhes [p. 311] appromptasem os meyos para ella; porem o cavillozo Ministro os illudia, fazendo numerozas levas por todo o Reyno, e logo que os soldados estavão alistados, os mandava para Flandres.

562Tinha Portugal Privillegio para que não se lhe impuzesem novos tributos, que não fossem regullados em Cortes; porem o Dispotico Conde Duque lhes quebrou o privillegio, e pertendia despojar a Portugal do titulo de Reyno, e reduzilo a Provincia, para o gravar com tributos sem emcontrar embaraço. Escreveo à Vice-Rainha Margarida de Saboya Duqueza de Mantua, para que mandase fazer grandes levas por todo o Reyno, e que toda a Nobreza delle se alistase, e fosse servir a Catalunha.

563Este era o Golpe mortal, que o Ministerio Hispanhol pertendia descarregar sobre o Reyno de Portugal, e o justo temor de que elle se verificase, fes unir quarenta Generozos Fidalgos para serem os libertadores da Patria. Elles com intrepido valor aclamarão ao Duque de Bragança Dom João II, que na ordem [p. 312] dos Reys foi o IV deste nome, e por este modo restituirão a Coroa de Portugal a esta Caza, à qual a havia usurpado Filippe II havião secenta annos.

564Com incrivel rapidez foi aclamado o novo Rey, não só em Portugal, mas tambem nas remotas, e vastas conquistas desta Coroa; todas ellas o reconheserão por seu ligitimo Rey. Esta união de vontades, sem preseder convenção alguma, mostrou que Deos protegia a Cauza dos Portuguezes. A noticia desta famoza, e innopinada Revolução, foi ouvida em Madrid com grande admiração; ella desconsertou os projectos do valído, que para diminuir a mágoa ao Rey Catolico, lhe segurou, que o duque de Bragança havia sido aclamado pela Plebe, porem, que a Nobreza estava de deferente acordo, por não ter tido parte na Revolução.

  • 60 As cortes de 1641 foram convocadas “até 20 de Janeiro”, mas o seu início apenas ocorreu a 28 do mes (...)

565O Novo Rey Dom João IV escolheo logo Ministros para o despacho; concedeu o exercicio dos officios da Caza Real aos Fidalgos, a quem elles pertencião. Regulou a forma do Governo, premiou aos Fidalgos que lhe restituirão a Coroa, mandou Embaixadores às Cortes da Europa, formou novas aliansas, [p. 313] comprou armas, e monisoens de Guerra nos paizes Estrangeiros, e se preparou para a defença, e convocou Cortes em Lisboa para o dia 18 de Janeiro de 164160.

Anno de 1641

  • 61 A aclamação foi no dia da abertura das cortes, portanto a 28 de Janeiro, como referimos na nota ant (...)

566No determinado dia 18 de Janeiro de 1641, foi El Rey Dom João IV aclamado solemnemente como Rey de Portugal61, e nas mesmas foi reconhecido como sucessor da Monarchia seu filho Dom Theodozio, ao qual seu Pay deu o titulo de Principe do Brazil. Nos dias seguintes continuarão as deliberasoens das Cortes. Nellas mandou Sua Magestade declarar, que para o Gasto e tratamento da Familia Real, rezervava o Rendimento da Caza de Bragança, deixando as rendas da Coroa para a defença do Reyno, e que levantava todos os tributos que o Ministerio Hispanhol havia posto, e que as Cortes escolhesem os meyos necessarios para a defença do Reyno.

567Nas Cortes se acordou que se armasem 20$. homens de Infantaria, e 4$. de Cavallaria, [p. 314] e que para a sua subcistencia se appromptasem dois milhoens de cruzados, tirados da Décima do rendimento das fazendas do Reyno, e do Subcidio, que voluntariamente offereseu o Estado Ecclesiastico; e que alem desta tropa de linha, se levantasem quarenta Regimentos de Auxuliares, que formavão 24$. homens, os quais devião servir sem soldo, e acodir às fronteiras, quando fossem invadidas pelo innimigo.

568Determinarão mais, que se reparasem as ruinas das Fortalezas e Castellos, que a politica Hispanhola havia deixado arruinar, e que todos se puzesem em estado de defença. Para este reparo offereseu a Cidade de Lisboa tres reais de ágoa, e os mais povos hum real, e a tersa parte do rendimento dos Concelhos, e pedirão a Sua Magestade que nomiase Generais para as Provincias, Governadores para as Fortalezas, e officiais para disciplinarem as tropas do Exercito. Nestas Cortes forão Procuradores pela villa de Estremoz, Jeronimo da Gama de Sande, e Gaspar de Lemos de Vargas, ambos Fidalgos da Caza Real.

569[p. 315] Disolvidas as Cortes, se principiou a por em pratica o que nellas se havia determinado. Nomiou Sua Magestade Generaes para as Provincias do Reyno, e Governadores das Fortalezas. Emcarregou o Governo das Armas da Provincia de Alentejo a Martim Affonso de Mello que foi II Conde de S. Lourenço, e determinando, que na villa de Estremoz se estabelecese o Arcenal Provincial, mandou, que todos os officiais mayores, e menores da fazenda do Exercito fossem rezidir na dita villa, e nomiou para Governador desta praça a Jeronimo de Mello de Castro Fidalgo da sua caza, e seu criado.

570Sem dilação passou logo à provincia de Alentejo o General Martinho Affonso de Mello, e com grande actividade regullou os Regimentos de Infantaria, e as Companhias de Cavallaria. Formou igualmente oito Regimentos de Auxuliares, nas comarcas de Ourique, Beja, Evora, Estremoz, Villa Viçoza, Portalegre, Crato, e Aviz, cada hum delles composto de dez companhias, de secenta homens cada huma, com [p. 316] Coronel (então se chamava Mestre de Campo do Terso) com Sargento Mor, e quatro Ajudantes, dois do número e dois súpras.

571O Regimento de Milicias da Comarca de Estremoz se formou de dez companhias nas villas de Estremoz, Redondo, Evoramonte, Vimieiro e Souzel, concorrendo Estremoz com seis companhias, e cada villa da comarca com huma, porem no prezente tempo se diminuhio huma companhia em Estremoz, e se formou em seu lugar huma na villa de Veiros. O mesmo Generel fes levantar huma Companhia de Auxuliares de Cavallo na villa (a), e duas de Egoas no Campo (e).

572Feitas estas dispozisoens passou a formar as Ordenanças, ou Companhias de Milicias urbanas, e forão doze, comprehendidas as do termo, das quais devia ser chéfe o Governador da Praça, tendo para as dis siplinar

---

(a) Livro das veriasoens da Camara de Estremoz do anno de 1644, a folhas 85, e folhas 97

(e) no dito livro: a folhas 58 vs°

573[p. 317] se nomiarão hum Sargento Mayor com dois Ajudantes hum do numero, e outro supra. Estes tres officiais cobravão soldo, que lhes pagava o Senado (o). Estas Milicias não só goarnecião a praça mas acodião às Fronteiras quando erão invadidas pelo innimigo (z). Para Capitaens destas Milicias forão eleitas as pessoas mais distintas da villa.

574Formalizadas as Companhias das Milicias, passou o General a cuidar na fortificação da villa. Formou huma junta, para a qual convidou ao Provedor Geral Andre de Almeida da Fonseca, o Mestre de Campo Dom Miguel de Azevedo, que havia servido em Flandres, o Commissario Geral da Cavallaria Francisco Rebelo de Almada, o Sargento Mor Miguel da Silva Alfange, e o Governador da praça Jeronimo de Mello de Castro, para votarem no

---

(o) Livro das veriasoens da Camara de Estremoz, do anno de 1654, a folhas 25, e no de 1655 a folhas 76 vs°

(z) Carta do General Mathias de Albuquerque datada em 14 de Abril de 1644, registrada no livro das veriasoens a folhas 58, e outra de 29 de Novembro de 1644 registrada a folhas 101 vs°

575[p. 318] modo porque se devia fortificar a villa, visto havela Sua Magestade escolhido para servir de Arcenal Provincial de Alentejo.

576Por todos foi acordado, que sendo a villa fertilissima, e abundante de ágoas, e capaz de alojar hum grande Exercito, e servir de famoza praça de armas, e socorrer com grande commodidade os lugares das fronteiras, ficando ella no sentro, se fazia necessario fortificala, para embarasar que o innimigo a entrase em qualquer noite, saquiando-a, e queimando-a, podendo-o fazer com hum corpo de Cavallaria, visto não distar de Castella mais do que quatro legoas e meya, e ser a villa aberta, e com arrebaldes grandes e dillatados.

577Ponderadas todas as sircunstancias, e visto as avenidas assentarão em Concelho, que todas se fortificasem com huma grossa trincheira, obrada de terra, e faxina, com Banqueta, Parapeito, e Foso, que servise de empedimento à Cavallaria, pondo nas portas a guarda necessaria, que ate então não havia, fazendo-se no Castello duas Plataformas, que descurtinassem o padrasto da Ermida de S. Jozeph, para [p. 319] dezalojar o innimigo, quando nelle se quizese fortificar, e plantar alguma bataria, para cuja obra devia concorrer a Camara com a despeza, e o povo, e ordenanças com o trabalho (*).

578Assentado tudo isto naquelle concelho selebrado no mez de Janeiro de 1641, se discuidou o Senado em dar principio à obra projectada, porque suposto os lugares de menos nome se tivesem logo fortificado, os veriadores de Estremoz figurando o seu perigo muito remoto, se discuidarão da fortificação, conservando-se na mayor tranquilidade, a qual lhe perturbou hum falso rebate, sussedido na noite de 6 de Agosto do mesmo anno; não se soube quem fosse o autor delle; porem eu suponho, que foi ardil do General, que então estava em Estremoz, para despertar ao Povo do letargo em [que] jazia.

---

(*) Luiz Marinho de Azevedo, Capitão de Ingenheiros, e Ajudante das ordens do General Martinho Affonso de Mello, nos Commentarios da Guerra de Alentejo, Parte I, Cap. XI. pagina 38, e seguintes

579[p. 320] Espalhou-se nas mencionada noite de 6 de Agosto de 1641, que a villa era entrada pela cavallaria castilhana, e como os postos para a defença até então não estavão assinados, ninguem sabia o lugar a que devia acudir, e tudo era confuzão, a qual se aumentava com as vozes das mulheres, que sem compostura discorrião gritando pelas ruas. Montou o Governador das armas a cavallo, acompanhado dos officiais, e cavallaria, que ali tinha, e divi[di]dos em patrulhas, explorarão todas as avenidas da villa, e não descobrirão couza que desse cuidado.

580Toda a noite estiverão em armas as ordenansas, e para ivitar que no futuro sussedesem similhantes dezordens, no dia seguinte se repartirão as Companhias págas, e da ordenança pelos postos convenientes, determinando o Governador o modo, com que se havia acodir aos Rebates, para que todos soubesem os postos, que devião goardar. Este sucesso fes cuidar na obra da fortificação da villa, a que logo se deu principio, e concluhio com brevidade (a).

---

(a) Luiz Marinho de Azevedo no lugar sitado.

581[p. 321] Duas vezes intentou o Conde de Monte Rey General da Extremadura Castilhana ganhar a villa de Olivença, e em ambas ellas se retirou com perda. Tinha aquella villa para a sua defença huma debil trinxeira, que ainda não estava acabada, e tinha por Governador a Francisco de Mello official sabio e valerozo. O general castilhano persuadido de que a conquista era facil a atacou na Primavera de 1641, com hum Exercito de 8$. Infantes, e 2$. Cavallos, porem achou tanta rezistencia nos moradores da villa, que depois de huma obstinada rezistencia se retirou para Badajoz, havendo tido 200 mortos, e levando mayor número de feridos.

582No outono do mesmo anno querendo o dito General restaurar o credito perdido, ajuntou hum Exercito de 6$. Infantes e 2$. Cavallos, sahio da villa de Valverde na noite de 16 de Setembro, e na madrugada do dia seguinte chegou à vista de Olivença, que governava Rodrigo de Miranda Henriques, e sem demora atacou a trinxeira, e durando o ataque o espaso de duas horas, [p. 322] com a mesma constância, se retirou o Exercito innimigo com a perda de 400 homens mortos em cujo número entrarão muitos officiais.

583O general Martinho Affonso de Mello inferindo do movimento das tropas castilhanas para Valverde, que o alvo daquella empreza era Olivença, escreveu logo a todas as comarcas da provincia, ordenando lhes que sem perda de tempo mandasem marchar as Milicias dos seus districtos, e que fizesem alto em Jurumenha, determinando depois desta união ir atacar ao innimigo.

584O Governador de Estremoz lhe mandou 600 Infantes das milicias da villa, e a Companhia de Cavallos, que seu filho João de Mello e Castro estava formando na dita villa. Este Socorro chegou a Jurumenha ao quinto dia depois que elle recebeu a Carta do General, e recebida a noticia da retirada do innimigo, se restituhio o Socorro aos seus quarteis (*).

---

  • 62 Relação da victoria que alcançou em 2 de Setembro de 1641 o general Martim Affonso de Mello em 17 d (...)

(*) Manoel Marques na Relação62 desta victoria impressa em Lisboa em Outubro de 1641.

[p. 323]

Anno de 1643

585A Guerra que os Francezes fazião à Hispanha a favor dos Catellaens, fazia huma grande diversão, por não poder o Rey Dom Filippe atacar a Portugal com forsas Superiores, o que nos servio de grande alivio, porque neste tempo fortificamos as praças, pondo-as em estado de defença, e disciplinamos os nossos soldados, não se discuidando El Rey em abasteser os armazens com armas e Monissoens de Guerra, para se forneserem ao Exercito, quando fosse necessario aprontalo.

586Nomeou a Antonio de Souza de Menezes, para Governador de Estremoz, por carta datada em Lisboa a 27 de Junho de 1643. O Novo Governador, logo que tomou posse do Governo, se empregou com grande actividade, em adiantar a fortificação, concorrendo o senado com a despeza desta obra (a), e com

---

(a) Livro das veriasoens do Senado de Estremoz, do anno de 1643 a folhas 7 vs°.

587[p. 324] a compra das Espingardas, para armar as Milicias urbanas (*), as quais o Governador disciplinou com grande zello.

Anno de 1644

588Pela dimissão do emprego, e Governo das armas da Provincia da Extremadura, nomeou El Rey Dom Filippe ao Marquez de Torrecuja para o dito Governo, e logo que este chegou a Badajoz ajuntou o seu Exercito, que se compunha de 6$. Infantes, e de 2$500 cavallos, e conhesendo que o Exercito de Portugal era inferior ao seu no número de soldados, e em disciplina, julgou que era facil desbaratalo logo que se emcontrasem em campanha raza.

589Este vencimento figurado na sua imaginação, era facil de formar do Gabinete, e dificultozo na campanha, e como este General duvidava expor a sua vida, e pessoa

---

(*) Livro das veriasoens do Senado de Estremoz do anno de 1643: a folhas 25.

590[p. 325] ao menor perigo, emcarregou o Governo do Exercito ao Barão de Molingem, General de cavallaria do Exercito, ordenando lhe que logo que encontrase o Exercito de Portugal lhe desse Batalha.

591Neste anno governava as armas de Alentejo Mathias de Albuquerque, o qual da sua parte ajuntou o seu Exercito na Cidade de Elvas, o qual constava de 6$. Infantes, e 1$400 cavallos, grande parte delle Milicianos, com hum trem de seis pesas de Artilharia. Era seu General da Cavallaria o Monteiro Mor, Francisco de Mello, e General da Artilharia, Dom João da Costa. Sahio este Exercito da cidade de Elvas no dia 16 de Mayo de 1644 e penetrando a Provincia da Extremadura, passou a sitiar a villa de Montijo, que logo ganhou, e o mesmo fes às villas de la Puebla, Villar de El Rey, e Roca de Mansanete.

592O Barão de Molingem, tendo noticia da entrada do nosso Exercito na Extremadura, julgou que era indecorozo às armas castilhanas, passarem de conquistadoras a conquistadas, e vo-ou em socorro dos Póvos [p. 326] invadidos; e como levava ordem de pelejar, não tardou em atacar ao Exercito Portuguez, que estava junto do Montijo. A Superioridade da sua cavallaria desbaratou a nossa, dezordenou os tersos da Infantaria, e se fes senhor da nossa Artilharia. A victoria estava declarada pelos castilhanos; porem dezordenando-se elles, para saquiarem os campo[s], derão lugar aos nossos Generais para ordenar alguns Tersos, e attacando-os, em quanto estavão dezunidos, os desbaratarão, arrancando lhe das mãos a palma da victoria, que não souberão conservar.

593A perda de huma, e outra parte foi grande, porque os castilhanos perderão 3$. homens, em que entrão quatro coroneis, nove capitaens de Cavallos, quarenta e sinso capitaens de Infantaria, e outros muitos officiais de menor graduação. Os Portuguezes perderão dois coroneis, dois capitaens de cavallos, oito de Infantaria, dois sargentos Mores, e 900 soldados; vencida a Batalha, se pos o nosso Exercito em marcha, sem que os innimigos lhe picasem a rectagoarda, e socegadamente entrou em Elvas.

594[p. 327] Nesta jornada se achou o Regimento dos Auxuliares, e companhias da ordenança de Estremoz. Elles partirão com tanta promptidão para Elvas, que o General Mathias de Albuquerque, antes de sahir de Elvas, agradeseu a Camara de Estremoz o zello, com que appromptou este socorro, e na mesma carta lhe recomendava que ellegesem tres capitaens de Cavallaria Auxuliar, para as duas companhias do campo, e huma da villa, o que os veriadores logo executarão.

595O Infeliz sucesso da Batalha do Montijo, não dezanimou ao Marquez do Torrecuja; elle segurou a El Rey Dom Filippe, que os Povos da Provincia de Alentejo estavão desgostozos do novo governo, e que dezejavão voltar ao antiguo, e que só esperavão que se lhes offerese-se occazião oportuna, que tendo elle hum bom Exercito, lhe seria facil [p. 328] conquistar a cidade de Elvas, e depois ganhar toda a Provincia de Alentejo.

596Illudido o Rey Catolico com estas lizongeiras esperanças, lhe mandou novas tropas, e grandes somas de dinheiro, e com estes socorros appromptou o Marquez de Torrecuja o seu Exercito, que ficou constando de 12$. Infantes, 2$600 cavallos, 2$. Gastadores, e de hum trem de dez Pessas de Artilharia, e dois Murteiros, e com este Exercito sahio de Badajoz no dia 28 de Novembro de 1644, e no 1° de Dezembro apareseu sobre a cidade de Elvas para principiar o sitio della.

597Governava a Provincia de Alentejo, Mathias de Albuquerque, a quem El Rey havia dado o titulo de Conde de Alegrete. Não ignorava elle as grandes prevensoens do innimigo, e para lhe embarasar os projectos, mandou ajuntar o Exercito em Villa Viçoza, para dali acudir a praça atacada. Escreveo ao [p. 329] Governador de Estremoz para que sem a menor dilação, fizese passar para Elvas as companhias inteiras da Ordenança da villa, tanto de pé, como de cavallo, o que o Governador fes, passando este socorro de 1$. homens.

598Conhecida a intenção do innimigo Goarneseu o conde de Alegrete a cidade de Elvas, com 2$. Infantes, e duas Companhias de Cavallos, e na mesma noite em que os castilhanos chegarão a Elvas, introduzio na praça quatrocentos Mosqueteiros de socorro. O Exercito castilhano formou ataques, e atacou algumas obras extriores, e sendo em todas rechasado com grande perda, se dezenganou o Marquez de Torrecuja, de que a empreza era mais deficil do que elle sopunha, e se rezolveo levantar o sitio, no dia 8 de Dezembro, e se recolheo a Badajos; o Conde General participou esta agradavel noticia à Camara de Estremoz, e lhe agradeseu o prompto socorro.

[p. 330]

Anno de 1645

599Sendo a praça de Estremoz escolhida para servir de Arcenal Provincial, mandou Sua Magestade que nella se estabalecese huma fábrica de Polvora, a qual effectivamente se formou no Ribeiro da villa, emcarregando o Governo della a hum Capitão Ingenheiro, e queixando-se este na veriação de 10 de Junho de 1645, de que os Horteloens, e Moleiros, que ficavão para sima da Fabrica, quando usavão da ágoa no seu respectivo Giro, para regarem os Pomares, tapavão mal os quebradouros, e que por esta cauza se perdia muita ágoa, o que prejudicava à Fabrica, pedindo providencia; e o senado autorizou a qualquer dos officiais da Fabrica, para prender aos transgressores (a).

Anno de 1646

600O mayor cuidado dos nossos Generais concistia em adiantar as fortificasoens das praças,

---

(a) Acordão da veriação do dia 10 de Junho de 1645 a folhas 148 vs°.

601[p. 331] para as por em estado de defença. Esta diligencia, se emcarregou ao Mestre de Campo General Joanne Mendes de Vasconcellos, o qual ajudado do Coronel Ingenheiro João Paschasio Cosmander, dezenhou as obras novas, que se devião fazer nas praças de Alentejo. Elle diliniou os quatro Baluartes, e dois meyos Baluartes, que se unirão aos antigu-os muros do Castello de Estremoz, e o mesmo praticou em outras praças.

602O Interesse publico moveo a Sua Magestade a convocar cortes em Lisboa, no mez de Dezembro de 1646, e nellas se queixarão os povos do grande prejuizo que cauzava à lavoura, e ao commercio, as continuadas marxas da companhias da ordenança, que hião às Fronteiras quando erão invadidas pelo innimigo, porque a grande demora que ali fazião, tirava os brasos à lavoura, e que pedião a Sua Magestade manda-se acrescentar o numero das praças das Companhias dos Auxiliares, e que estas servissem para acudirem às Fronteiras, ficando as da ordenança obrigadas somente ao Serviço Militar nas proprias terras da sua habitação. El Rey achou justa a petição [p. 332] dos Povos, e assim mandou que se praticase, pelo seu Alvará datado em Lisboa, no dia 13 do mez de Março de 1647 (*).

Anno de 1658

603A praça de Olivença hé a mais dificultoza de defender, que tem a Provincia de Alentejo. Ella está duas legoas alem do Rio Goadiana, situada em huma dilatada planicie, o seu recinto he extenso, o qual pede huma numeroza goarnição para a sua defença. Sendo sitiada não pode facilmente ser socorrida, não só pelo embaraço do Rio, mas tambem por ser o paiz aberto, onde a Cavallaria numeroza dos innimigos tem conhecida ventajem sobre a Infantaria, que necessariamente deve atravesar aquella larga campina, sem emcontrar algum serro, em que se possa defender da Cavallaria, que há de pertender embarasar lhe a marxa.

---

(*) Alvará Registrado no Tombo da Camara da villa de Estremoz, a folhas 61 vs°.

604[p. 333] Tudo isto conhecia Dom Francisco Tutavilla, Duque de San German, General da Provincia da Extremadura Castilhana, e sendo informado pelas suas Espias, que Olivença não tinha grande goarnição, se rezolveu conquistá la e appareseu com o seu Exercito à vista desta praça, no dia 12 de Abril de 1658, para formar o sitio. Constava o seu Exercito de 6$. Infantes, e de 2$500 Cavallos, com o Trem de Artilharia, e Bagagem proporcionada à empreza. Governava a praça Manoel de Saldanha, que se preparou para a defença.

605Principiou o sitio no dia 12 de Abril, e continuou ate ao dia 30 de Mayo, e não sendo socorrido como pedia, capitulou a entrega da Praça, e della sahio no dito dia, consedendo lhe o vencedor a liberdade de passar com a sua goarnição para o nosso Exercito, e aos moradores se lhes deixou a posse dos bens, que possuhião; porem elles com generozo dezenterese, abandonarão a Patria, e as fazendas, e se retirarão para o interior do Reyno, qu[ere]ndo antes viver pobremente na obediencia de Portugal, do que Ricos na obediencia de Castella. Esta generoza resolução deu assumpto ao Padre [p. 334] Jeronimo Petruci Mestre de Rhetorica no Collegio dos Jezuitas Romanos, para fazer este lindo Epigrama.

Quas tibi Palladias Alffonse, Philippus olivas
abstulit incolumes has tibi Pallas alit
Perfidiae; et fidei certarum est robore portas
Perfidia intravit, corda fides tenuit,
Omnibus in patria manendi est facta potestas:
Nullum captivum mansit in orbe caput
Victrices Aquillas defixit in Arce Philippus.
Lusiadum Alfonse, in pectore fixus ades
Victor uterque fuit, victoria dividit urbem:
Alphonsus Cives; Saxa Philippus habet.

606Estes Emigrados Cidadoens, se espalharão por diferentes terras da Provincia, e hum crescido numero destes, fixou a sua assistencia em Estremoz, aonde o bom acolhimento, que emcontrarão nos moradores da terra, lhes suavizou a perda da patria, sendo bastantes, os que depois da paz ajustada, não quizerão mudar o seu novo domicilio. Destes novos collonos se formarão em Estremoz duas Companhias de Orden[an]ça, com officiais seus patricios; [p. 335] estas duas Companhias goarnecerão a praça de Estremoz, em todo o tempo que durou a Guerra.

607A infelicidade da perda de Olivença, foi menos fatal às armas Portuguezas do que o imprudente sitio de Badajoz. Governava a Provincia de Alentejo Joanne Mendes de Vasconcellos, varão mais sabio do que feliz. Persuadio elle à Rainha May, que lhe pirmitisse formar o sitio da Praça de Badajoz, segurando lhe que a conquista era facil, e pouco dispendioza. Approvado o seu plano de campanha, se passárão ordens às provincias do Reyno, para inviarem socorros ao Exercito de Alentejo.

608Em Elvas se ajuntou o nosso Exercito, o qual com as tropas de linha, e com os Regimentos de Auxuliares, ficou constando de 14$. Infantes, e de 3$. Cavallos, com hum Trem de vinte Pessas de Artilharia, dois Murteiros, e bagagem sufficiente, sahio da cidade de Elvas; e no dia 13 de Junho deu principio ao sitio de Badajoz, e continuou por espaso de quatro mezes, sem nenhuma utilidade dos sitiantes, e com dezaprovação dos Generaes do Exercito.

609[p. 336] A continuação do sitio foi censivel aos moradores da Cidade, e muito mais aos sitiantes, porque o ardente calor da estação, occazionou no Exercito huma molestia epidemica, que vizivelmente o hia diminuindo; mais de 8$. Homens forão victima do obstinado genio do General Portuguez. Finalmente depois de ver destruido o Exercito pelas infirmidades levantou o sitio no dia 12 de Outubro de 1658, e se recolheu a Portugal, aonde os soldados communicarão a epedimia às povoaçoens em que se aquartelarão.

610O Ministerio Hispanhol temendo que a continuação do sitio dezanima-se aos defensores, e os obriga-se a capitular, determinou socorrelos com hum poderozo Exercito, do qual era General Supremo Dom Luiz de Haro Marquez del Carpio, Conde Duque de Olivares, valido do Rey Catolico. Constava o Exercito de 14$. Infantes e 5$. Cavallos; e chegando a Badajoz achou que o sitio estava levantado, e que o Exercito Portuguez emfraquecido com as mortes, e infirmidades não podia [p. 337] defender a Provincia; e movido Dom Luiz de Haro desta Concideração, determinou aproveitar a ocazião que a fortuna lhe offerecia.

611Sem dilação entrou em Portugal, e apareseu à vista de Elvas no dia 22 de Outubro, chamou os Generais a Concelho, para ouvir o pareser delles sobre as operassoens da campanha. Os votos forão diferentes; porem a mayor parte opinava que o Exercito se emcaminha-se para Estremoz, que havia ganhar na marcha, por ter debil fortificação, e pequeno prezidio, e que deixando-a bem goarnecida, voltase a sitiar Elvas, a qual ficando sem communicação com Lisboa, não podia ser socorrida, e que necessariamente se havia render.

612Outros opinavão pelo sitio de Elvas, com o fundamento de que nella se havia recolhido o Parque de Artilharia, e a Bagagem do Exercito, que havia sitiado Badajoz, e que rendida ella era facil ganhar a Provincia, e penetrar ate Lisboa. Este voto, que era o de Dom Luiz de Haro, foi o que se abrassou e se deu principio ao sitio [p. 338] de Elvas, que logo se converteu em bloqueyo, perssuadindo-se o General Castilhano, que a Cidade oppremida com a fome se havia render, sem perda dos sitiantes.

613Era Governador da praça de Elvas Dom Sancho Manoel de Vilhena General de conhecido valor, o qual tinha huma Goarnição de 7$. home[n]s comandados por valerozos officiais, tinha monissoens de Guerra, e boca para muitos mezes. O Exercito innimigo era menos temivel do que o contagio que na Cidade communicarão os infermos, que vierão do nosso Exercito; a Epidemia matou 11$. pessoas no tempo que durou o assédio.

614A Cidade parecia hum Hospital, os defensores que havião escapado do Contagio não bastavão para o officio ordinario da praça; para felicidade della, conservou illezo ao Governador; elle era a nobre alma daquelle agonizante Corpo. Acodia a todos com os Remedios, consolava aos aflictos, alentava a todos com a esperança do socorro, era incansavel no trabalho, mostrando-se [p. 339] sempre alegre, e superior a toda a disgraça, e de tudo dava avizos ao General da Provincia, para que conhecese o perigo da praça.

615A Rainha Regente, não perdo-ou a diligencia alguma para appromptar o socorro de Elvas; nomeou para General do Exercito a Dom Antonio Luiz de Menezes Conde de Cantanhede, o qual sem dilação se pos a caminho para Estremoz, aonde ajuntou o Exercito, que constava de 2$500 soldados de linha, e de 2$500 Cavallos aos quais se unirão 5$500 Auxuliares, e ordenanças, e 400 Egoas dos Lavradores, e depois desta união, ficou constando o Exercito de 11$. Infantes e de 2$900 Soldados de Cavallaria. Levava hum Trem de sette Pessas de Artilharia, e a Bagagem proporcionada.

616Era General Supremo deste Exercito, o Conde de Cantanhede; Mestre de Campo General Dom Rodrigo de Castro Conde de Mesquitella; General de Cavallaria Andre de Albuquerque Castro Ribafria; e General da Artilharia Affonso Furtado de [p. 340] Mendoça. Sahio o Exercito de Estremoz no dia 11 de Janeiro de 1659, e fes alto junto da Ribeira de Alcaraviça, aonde se lhe ajuntarão as goarnissoens de Campo Mayor, Arronches, Monforte, Borba, e Villa Viçoza. Todo o Exercito se compunha de 16 Batalhoens de Infantaria; e quarenta Esquadroens de Cavallaria.

617Os Coroneis de Infantaria erão: Pedro de Mello, Dom Manoel Henriques, Antonio Galvão, Fernando de Mesquita Pimentel, Bartholomeo de Azevedo Coutinho, Antonio de Sá Pereira, Gregorio de Castro de Moraes; o Regimento de Manoel Velho, que havia falecido em Estremoz, era governado por Affonso de Barros Trovão; o capitão mor Lucas Barrozo Sembrano, governava o Regimento de Mertola; o sargento mor Balthezar de Sotto Mayor governava o de Moura, que havia sido do Barão de Alvito; o Regimento do Conde da Torre, era Governado pelo sargento mor Manoel da Silva d’Horta; e o de Francisco Pacheco, por Diogo Gomes de Figueiredo.

618A cavallaria dividida em quarenta Esquadroens, era governada pelos Tenentes Generaes [p. 341] Achim de Tamaricut, Diniz de Mello de Castro, Manoel Freire de Andrade, Gil Vaz Lobo, Pedro de Lalande, e pelos Commissarios Gerais Dom João de Vanicheli, e João da Silva de Souza. Caminhou o Exercito formado em tres linhas: a da vanguarda se compunha de sinco Batalhoens de Infantaria, defendidos por dezaseis Esquadroens de Cavallaria, com 1$. Cavallos; a segunda se compunha de 2$. Infantes em sinco Batalhoens com os lados cubertos por dezaseis Esquadroens de Cavallaria, que continhão 900 Cavallos; a terceira linha levava 2$. Infantes divididos em sinco Batalhoens, e sustidos por oito Esquadroens com 800 Cavallos.

619A Bagagem que caminhava detraz da Reta Goarda era defendida por hum Batalhão de Infantaria, e por dois Esquadroens de Cavallaria, que continhão 200 Cavallos, e nesta forma caminhou ate ao lugar da Assomada, huma legoa distante de Elvas. Esta foi a mesma forma que obsevou o Exercito no dia da Batalha, como se mostra no plano seguinte.

[p. 342, em branco]

620[p. 343] Logo que o Exercito chegou ao sitio de Assomada mandou o Conde de Cantanhede disparar a Artilharia, para que os soldados da praça conhecesem que o Exercito não estava muito distante, e a este sinal correspondeu logo a Artilharia da praça. Havia o nosso General avizado ao Governador da praça, dizendo lhe que determinava atacar as linhas pelo sitio dos Murtais; porem esta carta foi apanhada com o soldado que a levava, sem que os nossos soubesem desta infelicidade; porem o avizo servio aos innimigos para fortaleserem muito mais o sitio amiassado.

621O Exercito se conservou na Assomada toda a noite do dia 13 de Janeiro, dispondo-se para atacar as Linhas no dia seguinte, pelo sitio dos Murtais, para o que se passarão as ordens. Os sitiados, alentados com a esperança do socorro, se dispuzerão para obrarem o possivel; nessa noite mandou Dom Sancho Manoel sahir da praça hum corpo de 400 Mosqueteiros à ordem de Simão Correa da Silva, para ficarem sobre a Estrada cuberta, e na Madrugada do dia 14, mandou sahir a Dom João da Silva com 170 Cavallos, [p. 344] para obrar o que lhe parecese conveniente. Pedro Jaques de Magalhaens assestou vinte ca[n]hoens para o lugar em que se havia romper a linha, os quais em todo o tempo que durou a batalha laborarão com grande prejuizo dos innimigos.

622Amanheseu o dia 14 de Janeiro, cuberto com huma grande nevoa, a qual suspendeu a nossa marcha, e a encobrio aos innimigos, os quais se persuadirão que o nosso Exercito nada obraria naquelle dia, e nesta suppozição retirarão os Regimentos de Infantaria, que havião reforçado os Murtais, e os repartirão pelos quarteis, e o seu errado conseito nos facilitou a empreza. Pelas oito horas da menhãa, a tempo em que a nevoa se desfazia, chegou o nosso Exercito às linhas do innimigo.

623Então conheserão os Generais Castilhanos o erro em que havião cahido, em retirar o groso das tropas do sitio atacado, e para o remediarem, puxarão com grande pressa por mais tropas, para defenderem aquelle lugar, porem a préssa, e o dezacordo os obrigou a formar os Batalhoens de Infantaria confuzamente deixando-os [p. 345] com a frente, e sem nenhum fundo. O Duque de Ossuna pertendeu sustentalos com 800 Cavallos, porem a confuzão, e dezordem em todos era tão grande, que ella nos abrio o caminho para a victoria.

624Os Nossos romperão as linhas as Sircumvalassão, entre os quarteis de Nossa Senhora da Graça, e de S. Francisco, com grande estrago dos defensores. Os Tenentes Generais de Cavallaria, Achim de Tamaricut, Diniz de Mello de Castro, Gil Vaz Lobo, e Manoel Freire de Andrade, saltarão as linhas por outra parte, e apezar da oppozição dos innimigos, conceguirão formar a Cavallaria dentro das linhas, e Diniz de Mello desbaratou a Cavallaria, que governava o Duque de Ossuna.

625A nossa Infantaria, com igual fortuna, hia obrando o mesmo, expulsando os innimigos, com grande actividade, e vallor. Dom João de Quintanal com 500 Cavallos, pertendeu desbaratar os nossos Infantes, o que não pode conseguir pela oppozição que emcontrou em Dom João da Silva, o qual, com os 170 Cavallos que commandava, o fes retirar com perda, e precipitação; [p. 346] e suposto que a favor dos fugitivos viese hum grande Corpo de Cavallaria, exprimentou a mesma fortuna; porque o mesmo Dom João da Silva o desbaratou.

626O General da Artilharia mandou ao Coronel Alvaro de Azevedo, que ataca-se hum Fortim, o que elle logo fes, assistido do Conde de Mesquitela. O Fortim foi ganhado, depois de matarem a goarnição que o defendia. Não sussedeu o mesmo ao Regimento de Luiz de Souza de Menezes, que attacando outro Fortim, se retirava em dezordem. O General Andre de Albuquerque o fes voltar ao ataque; e com o bastão chegou a tocar no fortim, ensinando aos soldados o modo de arrancar as estacas, e estando nesta acção, foi morto com huma balla de mosquete. Os mais fortes se forão rendendo à proporção que erão atacados.

627Rota a Infantaria Castilhana, e derrotada a Sua Cavallaria, dezampararão os innimigos o Campo da Batalha, sendo Dom Luiz de Haro o primeiro, que lhes deu o exemplo, porque antes de se declarar a victoria fogio para Basdajoz. O nosso General apezar do [p. 347] fogo dos Fortes, introduzio o socorro em Elvas e continu-ou na diligencia de escalar os Fortes, que ainda se defendião; elles se forão rendendo, à excepção dos de Nossa Senhora da Graça, e de Nossa Senhora do Rozario, os quais se defendião com valor, e disciplina militar, ate ao dia seguinte, em que Dom João de Zuniga, e Dom Nicolao Fernandes de Cordova, que os governavão, se renderão, ficando prizioneiros de Guerra.

628Dom Sancho Manoel vendo que a victoria estava declarada a nosso favor, seguio o alcanse aos fugitivos, ate ao Rio Caya, desbaratando lhe a Rectaguarda, e tomando lhes duas Pessas de Artilharia, as unicas que havião retirado do campo da batalha. A perda que os Castilhanos tiverão no tempo do sitio, e na batalha foi concideravel; porque havendo o seu Exercito recebido recrutas que chegavão a 36$. homens, sendo deste numero os 3$. Infantes e 500. Cavallos, que recebeu na vespera do dia da Batalha, quando esta se deu, não constava o Exercito se não de 14$. Infantes, e de 3$500 Cavallos.

629[p. 348] Na Batalha tiverão os Castilhanos 5$. mortos, e mayor número de prizioneiros, em que entrarão muitos officiais e Titulares, e perderão a secretaria e Caixa militar, dezasete pessas de Artilharia, tres Murteiros, sinco Petardos, quinze mil armas; muitos Estandartes, e Bandeiras, toda a sua Bagagem; e tantos mantimentos, que com elles abastecemos as praças de Alentejo. A nossa perda foi a de cento e noventa mortos, e tivemos seis centos e secenta feridos.

630Do numero dos mortos foi o General de Cavallaria André de Albuquerque, de idade de 39 annos, sendo digno de mais larga duração. Dom Fernando da Silveira, Irmão do Conde de Sarzedas; o Coronel Luiz de Souza de Menezes; dois Capitaens de Cavallaria; dez de Infantaria; dois Ajudantes, e dez Alferes. Do número dos feridos forão o Conde de S. João, o Conde da Torre; e os Coroneis Simão Correa da Silva, Bartolomeo de Azevedo Coutinho, Antonio Galvão, e o Tenente de Mestre de Campo General Asenso Alvares Barreto, Luiz Francisco Baharem; quatro Sargentos Mores, vinte e tres [p. 349] Capitaens de Infantaria, nove Ajudantes, vinte e dois Alferes, e trinta e dois Sargentos.

631O Regimento de Milicianos da Comarca de Estremoz, se achou nas Campanhas da Primavera e do Outono; elle padeseu muito no sitio da Cidade de Badajoz, do qual se retirou com notavel diminuição, originada da epedemia, que padeseu o Exercito. Elle foi logo completado com reclutas, que se fizerão com promptidão; elle com algumas Companhias da Ordenança se unio ao Exercito que socorreo a Cidade de Elvas, e se acharão na Batalha das Linhas.

Anno de 1661

632Ajustada a paz entre as duas Coroas de Castella e França em S. João da Luz, no anno de 1660 julgou o Rey Catolico, que unindo as forsas da Monarchia, se faria Senhor de Portugal; ao qual contemplava dezemparado dos Francezes, e sem alliados, e com esta [p. 350] concideração, gastou todo o anno em appromptar dinheiros; allistar soldados, para formar hum Exercito, que invadisse a Provincia de Alentejo, e outro para atacar a Provincia do Minho.

633Nomeou para Governar o Exercito da Extremadura, a seu Filho, o Principe Dom João de Austria, que tinha por Mestre de Campo General a Dom Luiz Poderico, por General da Artilharia Dom Gaspar da la Cueva Henriques. Era seu General de Cavallaria Dom Diogo Cavalhero Ilhescas, e Tenente General da mesma Dom Diogo Correa; tinha muitos officiais valerozos, e sabios, que havião militado nas Campanhas da Flandres, Italia, e Catalunha. Constava este Exercito de 10$. Infantes, e de 5$. Cavallos, com hum bom Trem de Artilharia.

634Os grandes aprestos que se fazião por todas [as] Provincias de Hispanha, obrigarão aos Portuguezes a buscarem os meyos para se defender com viguor. O Conde de Soure Embaixador em França, lhes mandou hum grande Socorro na pessoa de Frederico Conde de Schomberg, o qual logo passou a Portugal, para servir com a patente de Mestre [p. 351] de Campo General, e veyo acompanhado de dois filhos, e de muitos officiais de conhecido merecimento militar.

635A Rainha Dona Luiza, Regente do Reyno, fes appromptar o Exercito, e nomeou para Governador Supremo delle, a Dom Jeronimo de Ataide VI Conde de Atouguia, dando lhe por Mestre de Campo General ao Conde de Schomberg, e para General da Cavallaria a Affonso Furtado de Mendoça, e por General da Artilharia Pedro Jaques de Magalhaens. Constava o Exercito de 10$. Infantes, comprehendidos os Milicianos; e de 3$500 Cavallos, e de hum Trem de dez pessas de Artilharia. Este Exercito se conservou em Estremoz, para acudir a qualquer das praças da fronteira, que fosse atacada pelo innimigo.

636No dia 13 de Junho sahio Dom João de Austria com o Exercito da Cidade de Badajoz, e no dia 14 se alojou à vista da pequena praça de Arronches, que tinha huma debil fortificação, e cem Milicianos de Goarnição, a qual se rendeu à primeira ordem que lhe intimarão. O Innimigo se demorou nella todo [p. 352] o tempo que lhe foi necessario para adiantar as suas foritficaçoens, em cuja obra fes concideravel despeza, e sem mais progressos, se recolheu a Badajoz, pondo fim à Campanha.

637Estando grande parte das Tropas de Portugal repartidas pelas praças da fronteira, por se ignorar qual dellas seria a atacada, foi necessario que ellas se ajuntasem, par[a] que o nosso Exercito sahi-se à Campanha. Sahio elle de Estremoz no dia 24 de Julho, e nesse dia se alojou em Alcaraviça, aonde se lhe emcorporarão as goarnissoens de Elvas, e Campo Mayor, e no dia 25 se alojou na fonte dos sapateiros, e como o Exercito Castilhano se recolheu a Badajoz, tambem o nosso se retirou para os seus quarteis.

Anno de 1662

638A grande actividade com que se appromptou o Exercito Castilhano, facilitou ao Principe Dom João de Austria o abrir a Campanha mais sedo do que no anno antecedente. O seu Exercito se compunha de 9$. Infantes [p. 353] veteranos, e de 5$. Cavallos com hum trem de 16 pessas de artilharia, tres Murteiros, oito Petardos, e muitos instromentos de expugnação. Deste Exercito era Capitão General Dom João de Austria, Governador das armas o Duque de San German, Mestre de Campo General Dom Luiz Poderico, General de Cavallaria Dom Diogo Cavalhero Ilhescas, General de Artilharia Dom Gaspar de la Cueva Henriques, e General ad honorem, Nicolao de Langres, que sem motivo havia passado do serviço de Portugal, para o de Castella.

639Nomeou a Rainha Dona Luiza para General do Exercito de Alentejo a Dom Antonio Luiz de Menezes I Marquez de Marialva, o qual sem dilação partio para Estremoz, aonde estava o groso do Exercito, por se ignorar qual das praças seria o alvo do innimigo. Por concelho do Conde de Schomberg determinou o Marquez de Marialva defender a praça de Estremoz a todo o risco; porque perdida ella, ficava a Provincia exposta às partidas do innimigo, e cortada a communicação [p. 354] de Lisboa, com as prasas da fronteira, e por estar em Estremoz o Armazem Provincial, cuja perda tinha funestas concequencias.

640A praça baixa de Estremoz tinha naquelle tempo huma fraca fortificação, e a Cidadella não estava acabada, e para remediar esta falta, deliniou o Conde Schomberg hum quartel, capaz de alojar o nosso Exercito, para o defender, e juntamente a praça. Escolheo para elle o Oiteiro de Santa Barbara, e continuou pelo Oiteiro da Forca, e o dilatou pela Cordilheira de montes, que termina na estrada de Veiros, com a frente para Elvas, lansando duas linhas de communicação, para que o Quartel e a praça se defendesem com a mesma Gente.

641Nesta obra o ajudarão os Moradores da villa, e nella se trabalhou com tanta actividade, que no breve tempo de dezasete horas estava concluida, e o quartel capaz de defença, o terreno flanquiado, e defendido pela artilharia plantada nos lugares convenientes. As trincheiras estavão [p. 355] defendidas pela Infantaria, e os Claros pela Cavallaria, e o sentro por 600 cavallos governados por Dom João da Silva, para acudir aonde fosse necessario.

642No dia 7 de Mayo de 1662 sahio o Exercito Castilhano das Cidade de Badajoz, e no dia 9 fes alto na Torre dos Sequeiros; e fes voar tres atalayas, e ganhou o Castello de Villa Boim, e no dia 12 de Mayo pelas dez horas da menhãa, appareseu à vista do nosso quartel de Estremoz, e logo a Artilharia de hum e outro lado principiou a laborar, com mayor prejuizo da parte dos Castilhanos, por não terem amparo algum.

643Dom João de Austria havendo apanhado hum Correyo, que o Marquez de Marialva mandava a Elvas, o fes voltar para Estremoz, emcarregando lhe que dicesse da sua parte ao Marquez, que elle o hia atacar em Estremoz, e chegando à vista do quartel, o pertendeu atacar; porem o General Dom Luiz Poderico lhe mostrou a dificuldade da empreza, e o fes mudar [p. 356] de pareser, e se alojou detras das vinhas da Májoya, pondo o Exercito abrigado dos tiros da nossa artilharia.

644Os nossos temendo que os innimigos se valesem das trevas da noite para atacarem o quartel, mandarão incendiar algumas oliveiras que estavão entre os dois Exercitos, e por este modo illuminarão a campanha, de modo que os innimigos não podião atacarnos sem serem vistos a larga distancia. Todo o dia 13 se conservou o innimigo no mesmo sitio, e no dia seguinte se pos em marcha pelos Arcos, e chegou à villa de Borba, cujo Castello ganhou; passou a Villa Viçoza, que não atacou, e no dia 16 de Mayo chegou a Jurumenha, e logo formou o sitio desta praça.

645Era Governador de Jurumenha Manoel Lobato Pinto official de conhecido valor; porem ignorantissimo da fortificação, e defença das praças. Este dezamparou as obras exteriores, de que os sitiantes se senhoriarão, sem trabalho, nem perda; immediatamente foi atacada a muralha [p. 357] da praça, e suposto os sitiados a defendesem com grande valor, se virão obrigados a capitular a emtrega no dia 9 de Junho; depois da conquista de Jurumenha se empregou o Exercito innimigo em talar a campanha, e em saquiar os lugares abertos, com conhecida barbaridade, e terminou as suas operasoens com a conquista do Castello de Ouguella.

646O Exercito Portuguez, que defendeu o quartel de Estremoz constava de 12$. Infantes incluidos os Auxuliares, e de 4$. Cavallos, e doze pessas de Artilharia. Logo que Dom João de Austria marchou para Borba, deixarão os nossos Generais o quartel de Estremoz que occupavão, e forão em seguimento dos innimigos. Elles intentarão socorrer Jurumenha, o que não puderão fazer em tempo oportuno. O Grande calor da estação pos fim à Campanha, e ambos os Exercitos se recolherão aos seus quarteis.

[p. 358]

Anno de 1663

647O Ministerio Hispanhol esperava que a campanha do anno de 1663 terminaria a guerra de Portugal, por se persuadir que os nossos não poderião rezistir aos ataques do seu Exercito, ao qual elle dava o nome de Exercito Real. Os seus papeis públicos o fazião sobir a 18$. Infantes, e a 8$. Cavallos, e os que diminu-ião a sua forsa, fazião de 15$. Infantes, e 7$. Cavallos, distribuidos por trinta e dois Regimentos de Infantaria, dezanove Hispanhoes, oito Italianos, e sinco Alemaens, e a Cavallaria em noventa e quatro Esquadroens.

648O Trem de Artilharia constava de vinte Pessas, quinze Murteiros, e Petardos, dois Trabucos, e de tão crecido numero de carruagens, que podia servir a hum Exercito de dobrados combatentes. A Infantaria formava dezasete corpos, e a cavallaria onze trosos, às ordens de onze Commissarios, e de quatro Tenentes Generais, alem de tres companhias, de que se compunha a goarda do General.

649[p. 359] Deste Exercito era Generalissimo, o Principe Dom João de Austria, Governador das Armas o Duque de San German, Mestre de Campo General, e General da Cavallaria, Dom Diogo Cavalhero Ilhescas, General da Artilharia Dom Luiz Ferrer, Conde de Almenara, e todos elles acompanhados de hum grande número de officiais, que nas campanhas passadas havião adquerido o melhor nome.

650O Ministerio de Portugal não se discuidou em buscar os meyos de se oppor aos Hispanhois; fes logo marcahar as tropas Inglezas, que o Rey Carlos II nos havia mandado de socorro; estas, com as das Provincias passarão sem dilação para Alentejo, para formarem o Exercito, que nos havia defender. Seguia-se o plano adoptado, de goarneser as praças da fronteira, ate saber qual dellas seria a atacada, e que em Estremoz se conservase hum corpo de 5$. Infantes, e de 3$. Cavallos. Nomiarão-se governadores para as praças principais, emcarregou-se a de Elvas ao Conde do Sabugal, a de Campo Mayor ao Conde da Torre, e a de Estremoz a Affonso Furtado de Mendonça, todos Tenentes Generais, e concelheiros de Guerra.

651[p. 360] O General Supremo do Exercito Portuguez era Dom Sancho Manoel de Vilhena Conde de Villa Flor. Mestre de Campo General o Conde de Schomberg, General de Cavallaria Diniz de Mello de Castro, General da Artilharia Dom Luiz de Menezes Conde da Ericeira; era General da Cavallaria da Beira Manoel Freire de Andrade. Marechais de Campo João da Silva de Souza, Diogo Gomes de Figueiredo, e muitos Tenentes Generais de Cavallaria de conhecido valor.

652O quartel General se conservou em Estremoz, por dever o nosso Exercito regular as suas operasoens pelas do Exercito innimigo. Sahio este da Cidade de Badajoz no dia 6 de Mayo de 1663, e nesse dia ficou alojado sobre as barrocas do Rio Caya, e continuando a sua Marcha, chegou à vista de Estremoz, no dia 11. Achando que a praça esta[va] mais bem fortificada do que no anno presedente, e que o quartel de Schomberg estava defendido pelo Exercito, e boa Artilharia, duvidou atacalo, e deixando Estremoz à Esquerda, dirigio a sua marcha pela Silveirana, e pernoitou no campo do Ameixial.

653[p. 361] A marcha do Exercito Castilhano era muito vagaroza, por cauza do crescido número de carr[u]agens. No 12 passou o Rio Tera, e se emcaminhou para Evora, e no dia 14 chegou à vista da Cidade, dando principio ao sitio. Não tinha ella mais fortificação do que a dos seus antiguos muros. A goarnição se defendeu com mais valor, do que disciplina militar. Oito dias havia que durava o sitio, e o Governador vendo a bexa aberta, e os muros abatidos, entregou a cidade, no dia 22 de Mayo com huma capitulação pouco honroza, e mal observada.

654O Conde de Villa Flor, conhesendo a determinação do innimigo, pertendeu socorrer Evora, e pos o Exercito em marcha no dia 22 de Mayo, porem no segundo dia de marcha recebeo a dezagradavel noticia, de que a Cidade se havia rendido aos innimigos; e este innopinado accidente alterou o plano da Campanha; porem a chegada ao Exercito de Pedro Jaques de Magalhaens, que a elle conduzio 2$500 Infantes, e 500 cavallos da Provincia da Beira, enxeu de prazer ao[s] nossos Generais, os [quais] depois da união deste corpo, assentarão, que [p. 362] tinhamos forsas para atacar o Exercito innimigo, e embarasar lhe a retirada para Castella.

655No dia 3 de Junho appareseu o Exercito Portuguez à vista da Cidade de Evora, formado no Rego de Vargem pelo Conde de Schomberg, e no dia 4, vendo o nosso General que o innimigo se não movia da cidade, se veyo alojar na margem do Rio Odejebe; porem apenas o Exercito havia passado o Rio, appareserão os primeiros esquadroens da cavallaria innimiga, e depois o resto do Exercito, e sobre huma Collina armarão huma bataria de qui[n]ze Pessas de Artilharia.

656O Conde de Schomberg arvorou as bandeirolas do outro lado do Rio, fingindo querer alojar o Exercito naquelle sitio, e de noite mandou asender muitos fogos, sobre os quais a artilharia innimiga [disparou] muitos tiros toda a noite, sem matar pessoa alguma, porque o Exercito estava alojado em parte segura, e diferente da que os innimigos presumião. A claridade do dia mostrou aos Castilhanos a nossa industria, e o seu engano; elles pertenderão por duas vezes passar o Rio; porem em ambas forão rexassados por Manoel Freire [p. 363] de Andrade, e por Dom João da Silva; a nossa Artilharia, e Mosquetaria lhes cauzou notavel damno.

657Vendo Dom João de Austria a impossibilidade de passar o Rio, se retirou para Evora havendo perdido 800 homens nestes conflictos. Então principiou a conheser o erro em que havia cahido, por se afastar quinze legoas do seu paiz, deixando na sua recta guarda praças prezidiadas; e hum Exercito, que o seguia, e para ivictar a sua total ruina determinou retirar-se com todo o segredo, para nos emcobrir a sua marcha.

658Na noite de 6 de Junho mandou adiantar a bagagem, e depois della caminhava o Exercito, e quando os nossos souberão da sua retirada, levava o Exercito castilhano huma legoa de dianteira; com tudo o nosso o seguio, por caminho mais curto, e para que as bagagens lhe não servise de embaraso, se mandarão pelo caminho de Evora Monte para Estremoz. Os Castilhanos passarão o Rio Tera no dia 7 de Junho, no porto da Venda do Duque, e no mesmo tempo [p. 364] passarão o dito Rio no porto de Evora Monte.

659Completa a passagem do Rio Tera, caminharão ambos os Exercitos à vista hum do outro, ate ao Campo do Ameixial, indo o Portuguez à direita, e da parte de Estremoz, e neste campo fizerão alto, no dia 8 de Junho. A pequena dianteira que levava o Exercito Castilhano lhe deu a ventagem da escolha do sitio. Occupou elle a grande Serra que se extende desde a Granja, ate aos Ruivinos; e na sua mayor altura colocou Dom João de Austria a sua Artilharia, e se persuadio, que não podia ser dezalojado desta vantajoza situação.

660Os Nossos Generais como dezejavão peleijar, não reparando na Superioridade do sitio, determinarão dar Batalha, e com grande promptidão ordenarão o seu Exercito em tres linhas, emcarregando a da vanguarda a Affonso Furtado de Mendoça, que julgando segura a praça de Estremoz, de que era Governador, se quis achar na batalha. Esta linha era ajudada pelo General da Artilharia Conde da Eriseira.

661[p. 365] A segunda linha era governada pelo Conde da Torre, que tambem deixou a praça de Campo Mayor, que governava, para se achar no Exercito. O lado direito da batalha, era governado pelo General da Cavallaria Diniz de Mello e Castro, assistido de Pedro Jaques de Magalhaens, e dos Tenentes Generais de Cavallaria Dom João da Silva, e Dom Manoel de Ataide, e dos Commissarios Gerais, João do Crato da Fonseca, Mathias da Cunha, e Duarte Fernandes Lobo.

662O lado esquerdo da Cavallaria, era governado pelo General da Cavallaria da Beira Manoel Freire de Andrade, assistido do Tenente General Dom Martinho da Ribeira, e dos Commissarios Gerais Gomes Freire de Andrade, e Dom Antonio Maldonado. Tal era a dispozição do Exercito Portuguez, determinado a dar a batalha. O Exercito Castilhano tinha a sua Infantaria na altura da Cordilheira dos montes, e a Cavallaria na planice.

663Pelas tres horas da tarde do dia 8 de Junho de 1663, se deu principio à batalha; os Generais Diniz de Mello de Castro, e Manoel Freire [p. 366] de Andrade atacarão a Rectaguarda da Cavallaria innimiga; e no mesmo tempo o General da Artilharia o Conde da Ericeira, e Affonso Furtado de Mendoça, com a primeira linha subirão à altura da montanha, que a Infantaria castilhana occupava, e ganharão a Artilharia, que logo fizerão jogar contra o Exercito castilhano, e este foi o primeiro sinal da victoria. Dom João de Austria vendo perdida a sua Artilharia, e a intrepidez com que era atacado, temendo ficar morto ou prizioneiro, para ivitar estes perigos, fugio para Arronches, em cuja jornada o acompanhou o Duque de San German.

664A Cavallaria innimiga pelejava com grande valor, conservando-se firme pelo seu grande número; porem o General de Batalha Diogo Gomes de Figueiredo, puchando por hum Regimento de Infantaria, que ate ali não havia peleijado, por haver ficado de goarda as bagagens, do qual era Coronel Bernardo de Miranda Henriques, o formou em huma pequena altura, que ficava junto do lugar da Contenda, e às primeiras descargas, descompoz a Cavallaria innimiga, e a pos em [p. 367] precipitada fogida. Os Soldados da goarnição de Evora, que o innimigo levava prizioneiros, pegando nas armas dos Castilhanos fugitivos, ajudarão a venser a batalha, e pelas dez horas da noite se declarou de todo a victoria a nosso favor.

665A perda dos innimigos foi crescida; porque os mortos passarão de 4$. e os prizioneiros de 6$. Entre os primeiros forão quatro commissarios Gerais de Cavallaria, oito Capitaens da mesma, trinta e nove Capitaens de Infantaria, vinte e hum Alferes, quatorze officiais mayores, hum grande de Hispanha, e onze titulares. Ficarão prizioneiros o Marquez de Liche del Carpio, Duque de Olivares, Dom Aniello de Gusmão filho do Duque de Medina de las Torres, valido do Rey Catolico. O Conde de Escalante, o Conde de Friesco, o Conde de But, o Conde de Floristim, o Conde de Fresqui capitão dos Guardas. Os Coroneis Dom João Henriques, Dom Estevão Angulo, o Tenente de Mestre de Campo General Gaspar Martins.

666Os mais prizioneiros, forão Dom Antonio [p. 368] Monte Negro Commissario Geral da Cavallaria, e Ordens, Dom João de Novalles Commissario Geral das tropas de Millão. Angelo Salvador, Dom Francisco de Aguirre Commissario Geral, Dom Filippe Roxo Sargento mor, Dom Francisco de Escovar capitão do Regimento de Portugal, os Capitaens de Courasas Dom Alvaro de Quinhones, Dom Thomaz Palavicino, Dom Angelo Carrafa, Dom Assenso Rodino, Dom Gustavo Gramacho, Dom Alvaro Montilho, Dom Filippe de Aguirre, Dom Antonio Curiano, Dom Filisberto de Baliria, Dom Garcia Sarmiento, que servia de Secretario ao Duque de San German.

667Os mais officiais prizioneiros, forão setenta a sinco capitaens de Infantaria vivos, e vinte e dois reformados. Alferes vivos vinte e tres, e reformados oito. Ajudantes dos Tersos, quatro, dois Commissarios de Mestres, dois Furrieis Mores de Cavallaria, e crescido número de Cavalheiros.

668Os Portuguezes tiverão mil mortos, e quinhentos feridos, sendo do número dos primeiros, Manoel Freire de Andrade General da Cavallaria da Beira, Diogo Soares de [p. 369] Almeida Coronel das Milicias do Crato, Fernão Martins de Seixas, Tenente de Mestre de Campo General. Christovão de Brito Capitão de Arcabuzeiros da Goarda do Conde de Villa Flor, e os Capitaens de Cavallos Luiz Vaz de Sequeira, Estevão Soares, João de Torres de Sequeira, os Capitaens de Infantaria Paulo Nogueira, João da Silva Barboza, Pedro Alvares, João de Moura, Manoel Gonçalves de Carvalho, Domingos de Almeira e Jeronimo Moreira.

669As Companhias Francezas pelejarão com grande disciplina, e valor, e tiverão trezentos mortos, de cujo número foi Labesce, Tenente da Companhia do Conde de Schomberg. A tropa Ingleza pelejou com igual valor, e melhor fortuna, porque so perdeu sincoenta soldados, e nelles ao Tenente Coronel Dom Miguel d’Ógan.

670O despojo foi concideravel, porque em nosso poder ficou a Secretaria de Dom João de Austria, a Caixa Militar, com o dinheiro destinado para o pagamento do Exercito, toda a Artilharia, e bagagem, como se verá na lista seguinte.

[p. 370]

Lista do despojo da Batalha

Estandarte Real

$001

Bandeiras de Infantaria

$040

Canhoens

$018

Murteiros e Petardos

$015

Trabucos

$002

Carros

5$000

Bagagens

9$000

Bois

6$000

Mullas

8$000

Arrobas de Polvora

6$000

Ballas de Artilharia

3$000

Bombas

2$000

Granadas

6$000

Arrobas de ballas de xumbo

6$000

Cavallos vivos

2$811

Tiverão mortos

1$384

Ferraduras

10$800

Cravos de Ferradura

180$000

Barcas, e Pontoens

$008

Fornos de Cozer Pão

$060

Coches do Principe

$002

Coches de Particulares

$025

671[p. 371] No lugar em que se deu a batalha, mandou El Rey Dom Affonso VI levantar hum Padrão, do qual se falou no livro II. Cap. III. § V.

672No dia 9 de Junho se recolheu o Exercito victoriozo a Estremoz distante huma legoa do campo da batalha, e ali descansou até ao dia 14 do mez, e neste intervalo mandou o Conde de Villa Flor goarnissoens para as praças da Fronteira, deixando o Governo de Estremoz a Affonso Furtado de Mendonça com seis Regimentos de Infantaria para a sua defença. Dispostas estas couzas sahio o nosso Exercito de Estremoz no dia 14 de Junho, e dirigio a sua marcha para a Cidade de Evora, e no dia 17, estando alojado junto do Rio de Odejébe, se lhe ajuntou o Socorro, que de Lisboa conduzia o Marquez de Marialva, e ficou constando o Exercito de 13$.Infantes, e de 2$500 Cavallos.

673No dia 18 chegou o Exercito Portuguez à Cidade de Evora, dando logo principio ao Sitio da Cidade, a qua[l] se rendeo por capitulação, no dia 24 de Junho, sahindo della o seu Governador Dom Francisco Gatinara, Conde [p. 372] de Sertirana com 3$200 Infantes, e duas pessas de Artilharia; tinha 812 Cavallos, que logo se meterão nas Companhias do nosso Exercito. Na Cidade achamos treze pessas de artilharia montadas, e crescido número de monissoens, e no dia 27 se pos o Exercito em marcha para Estremoz, aonde chegou no dia 29 de Junho, e despedidos os socorros das Provincias, e divididas as tropas pelas praças se pos fim a esta glorioza campanha.

Anno de 1664

674A perda que os Castilhanos exprimentarão no anno de 1663, deixou tão abatido o poder da Sua Monarchia, que o Principe Dom João de Austria não sahiu com Exercito à Campanha, julgando por conveniente conservar-se na defenciva, e para ella tinha 8$. Infantes e 6$. Cavallos. Os Portuguezes apromptarão o Seu Exercito com o fim de penetrarem a Provincia da Extremadura. Constava este Exercito de 16$. Infantes, e de 7$. Auxuliares, e de 5$. Cavallos; e de hum Trem de quinze pessas de artilharia, com as Monissoens, e Bagagens necessarias.

675[p. 373] Era general Supremo do Exercito Portuguez, Dom Antonio Luiz de Meneses Marquez de Marialva, e Mestre de Campo General, o Conde de Schomberg, General de Cavallaria Diniz de Mello de Castro, e General de Artilharia Dom Luiz de Menezes Conde da Ericeira. No dia 5 de Junho de 1664, sahio este Exercito de Estremoz, e depois de algumas marchas entrou em Castella, e no dia 13, ganhou o Castello de Mayorga, e no dia 14 Ganhou postos sobre a praça de Valença, para formar o seu sitio.

676Governava a praça sitiada Dom João Ayala Mexia, e tinha para a sua defença Tres Regimentos de Infantaria, a praça se rendeu no dia 24 de Junho, ficando a sua goarnição prizioneira de Guerra. Reparada a brecha, se emcarregou a sua defença ao Coronel Dom Manoel Henriques; e logo lhe sussedeu o General de Batalha Diogo Gomes de Figueiredo, ao qual se dei[xa]rão tres Regimentos de Infantaria de Goarnição. O calor obrigou ao Exsercito a voltar para Estremoz, cujas fortificasoens se continuarão com actividade com ordem do General.

[p. 374]

Anno de 1665

677As continuadas infelicidades, que as armas do Rey Catolico exprimentarão nas Campanhas precedentes obrigarão àquelle Principe a fazer o ultimo esforso para continuar a guerra de Portugal, e para recuperar a sua reputação. A Monarchia de Hispanha estava attenuada com a perda de tantas batalhas, a Coroa empenhada com as excessivas despezas da guerra, o Exercito falto de Soldados veteranos, e os melhores officiais ou erão mortos, ou estavão prizioneiros; por tanto não lhe era possivel appromptar hum Exercito, sem se valer de tropas Estrangeiras.

678Pedio ao Imperador Leopoldo tres mil soldados veteranos, para servirem na cavallaria, tomou a Soldo muitos Regimentos de Suissos, mandou vir de Flandres a Dom Luiz de Benavides Marquez de Carracena, para o emcarregar do Governo do Exercito; dois annos gastou em ajuntar tropas, e dinheiro, e passados elles se achou Composto de 15$. Infantes, e de 7$. Cavallos com hum Trem de quatorze pessas de Artilharia, dois [p. 375] Murteiros, e grande numero de carruagens e monissoens.

679Os mais Generais do Exercito, erão os seguintes: o Mestre de Campo General Dom Diogo Cavalhero Ilhescas, General da Cavallaria Dom Diogo Correa, e com o titulo de General da Cavallaria Estrangeira servia Alexandre Farnezi, Irmão do Duque de Parma; o General da Artilharia era Dom Luiz Ferrer, Conde de Almenara. Servião de Marechais de Campo Dom Francisco de Alarção, Dom Manoel Carrafa, e Dom Francisco Rosse.

680Os Portuguezes cuidarão em appromptar o Exercito para se defenderem. Goarneserão as praças da fronteira, e o grosso do Exercito se ajuntou em Estremoz; constava elle de 15$. Infantes, e de 5$. Cavallos, e de hum trem de vinte pessas de artilharia; era seu General Supremo o Marquez de Marialva; Mestre de Campo General, o Conde de Schomberg; General da Cavallaria Diniz de Mello e Castro; General da Artilharia Dom Luiz de Menezes Conde da Ericeira.[p. 376] Os mais Generais erão o Conde de S. João, seu Irmão Francisco de Tavora, Simão de Vasconcellos de Souza, Roque da Costa Barreto, Pedro Jaques de Magalhaens, Dom Antonio Maldonado, Affonso Furtado de Mendonça, e Dom João da Silva.

681De Badajoz sahio o Exercito Castilhano, no dia 1° de Junho, e no dia 6, se alojou junto do Rio Caya, no seguinte dia na Torre dos Sequeiras, e a 8 na Ribeira de Alcaraviça; e no dia 9 voltou a sua marcha pela esquerda, e se alojou na villa de Borba, que deixou prezidiada com tres Regimentos de Infantaria, e hum Troso de Cavallaria, e no dia 11 de Junho appareseu em Villa Viçoza, e deu principio ao Sitio do Castello daquella villa.

682Era Governador delle Christovão de Brito Pereira natural da mesma villa, Fidalgo e Creado da Caza de Bragança, que para a defença tinha dois Regimentos de Infantaria. O innimigo que dezejava asselerar a conquista do Castello, fes logo trabalhar em huma Mina, para fazer voar a muralha antigua, e lhe deu fogo no dia 14, [p. 377] porem não produzio o effeito que elles dezejavão, pois rebentou contra os Sitiantes; no mesmo dia abrirão huma brexa no muro da villa velha, que dificultava aos sitiados o uso da ágoa de hum poso, de que se servião; e pela meya noite derão hum furiozo assalto à estrada cuberta, e o repetirão tres vezes, sendo em todas ellas rexassados com grande perda.

683No dia 15 intentarão os Sitiantes queimar a estacada; porem não só forão rebatidos, mas perderão os Instromentos. Na mesma noite derão dois assaltos à estrada Cuberta, e ficarão Senhores de dois alojamentos; em hum angulo da mesma estrada, os sitiados lhe oppuzerão huma Cortadura. O General com o Exercito se conservava em Estremoz, e recebia repetidos avizos de tudo o que sussedia no castello sitiado, e para alentar a goarnição, segurou ao Governador, que sem dilação passava a socorrello.

684Determinava o General Portuguez atacar aos innimigos, nas linhas formadas contra o Castello de Villa Viçoza, e com esta intenção sahio com o Exercito de Estremoz, [p. 378] no dia 17 de Junho; porem o Marquez de Carracena lhe poupou o caminho, porque adiantado o corpo da Cavallaria, atacou aos Portuguezes na marcha. A batalha principiou pelas nóve horas da menhãa, a huma legoa de distancia de Estremoz, sendo os Castilhanos sempre batidos por espaço de huma legoa. O Conflicto durou ate às seis horas da tarde, em que se declarou a victoria em nosso favor.

685O Marquez de Carracena do alto da Serra da Vigaria foi expectador do Conflicto, e dali distribuhia as ordens sem risco algum pessoal, e das suas longas experiencias militares, so tirou a utilidade de Conheser antecipadamente que perdia a batalha; para salvar a sua pessoa, porque vendo dezordenada a sua Cavallaria, fogio precipitadamente para Jurumenha, mandando ordem aos que havião ficado nas linhas de Villa Viçoza, para que se retirasem par[a] a praça de Jurumenha.

686Os Sitiados observando que o fogo dos [p. 379] aproches hia diminuindo vizivelmente, inferirão que os innimigos perdião a batalha, e approveitando a occazião sahirão do Castello, e valerozamente atacarão as trincheiras, que defendião mil e oito centos homens, e se senhoriarão dellas, e da artilharia, degolando grande parte dos deffensores, e fazendo bastantes prizioneiros.

687O Exercito Castilhano padeseu huma total derrota, não escapando hum só Infante dos que forão a Montes Claros, Sitio em que a batalha se deu. Os Mortos passarão de 4$. e os Captivos de 7$. Tomamos 3$500 cavallos, quatorze pessas de Artilharia, dois Murteiros, todas as armas de Infantaria, que foi à batalha, oitenta e seis bandeiras de Infantaria, dezoito Estandartes de Cavallaria, os Timbales do Marquez de Carracena, e os do Principe de Parma, os Fornos de Cozer pão, e toda a Bagagem.

688Os Castilhanos de mayor distinção, que morrerão, forão Dom Gaspar de Háro, [p. 380] filho do Conde de Castrilho, e Genro do Marquez de Carracena, o qual passados alguns dias faleceo em Estremoz, das feridas que havia recebido na batalha. Os Marechais de Campo Nicolao de Langres, e Dom Manoel Carrafa. Os Prizioneiros forão, Dom Francisco de Alarcão Portuguez, filho de Dom João Soares de Alarcão, os Tenentes Generais de Cavallaria Dom Belchior Porto Carrero, Dom Jozeph Reatigui, os Commissarios Gerais da Cavallaria, Dom Jozeph Roguera, Dom Garcia Sarmiento.

689Os mais prizioneiros forão o Principe de Chelé, Coronel de hum Regimento de Cavallaria Franceza, Dom Francisco Flanquet, Coronel de Infantaria, o Tenente Coronel Frederico Henrique de Ganceut, os Sargentos Mayores Claudio Cubim e Tiburt, o Coronel Reformado Dom Antonio Guindarte, o Governador das Goardas do Marquez de Carracena Dom Gonçalo de Guerta, o Conde de San Martim, o Barão de Estubeque. Quatro Capitaens de Cavallos, trinta Capitaens de Infantaria vivos, vinte e sete Reformados, treze Tenentes de Infantaria, e seis da [p. 381] Cavallaria, seis Ajudantes de Infantaria, e sinco de Cavallaria, secenta e dois Alferes vivos, e dezasete Reformados, quatorze Furrieis, secenta e dois Sargentos. Os Administradores Gerais do Exercito, e do Hospital.

690Os Portuguezes tiverão 700 mortos, e 2$. Feridos, e El Rey Dom Affonso VI para perpetuar a memoria deste sucesso, mandou erigir hum Padrão no sitio dos Montes Claros, em cujo pedrestal [sic] se gravou a inscripção, de que se falou no livro 2. Cap. 3° §23. E no mesmo Sitio mandou fazer huma Ermida da invocação da Senhora da Victoria, e nella pos hum Cappellão, que applica as missas pelo descanço das almas, dos honrados defensores da patria, e que na batalha terminarão a glorioza carreira dos Seus dias.

Anno de 1668

691A Batalha de Montes Claros, ainda que não puze-se fim à guerra de Hispanha com Portugal, com tudo moderou o seu furor, porque as hostilidades se reduzirão a algumas entradas das [p. 382] partidas da Cavallaria, que nada decidião. Sussedeu logo a morte de Dom Filippe IV no dia 15 de Setembro de 1665; por sua morte sussedeo na Monarchia de Castella seu filho Dom Carlos II debaixo da Tutella, e Regencia de Sua Mãy, a Rainha Dona Marianna de Austria, que aborresendo a efuzão de Sangue, entrou a solicitar a paz para felicidade dos seus Estados.

  • 63 A paz com a Espanha foi assinada a 13 e não a 23.

692Portugal, ainda que victoriozo não dezejava menos a paz. O Principe Regente Dom Pedro a concluhio em nome de El Rey Dom Affonso VI, seu Irmão, que havia sido deposto do Governo e do Reyno. O tratado desta paz se concluhio no Congreso de Lisboa no dia 23 de Fevereiro de 166863, e se restituirão reciprocamente as praças occupadas no tempo da Guerra, exceptuando a Cidade de Seuta, que ficou pertensendo à Coroa de Castella.

693O Principe Regente convocou Cortes, para a Cidade de Lisboa, para o dia 27 de Janeiro de 1668, e nellas foi reconhecido por Principe Regente, supposta a impocibilidade do Rey seu Irmão, e declarado herdeiro do Reyno depois da sua morte; a ellas mandou [p. 383] a villa de Estremoz por seus Procuradores, a Manoel de Sande de Vasconcellos, e Luiz de Brito de Mello (a) os quais nas mesmas Cortes, offereserão em nome da villa 3$. Cruzados, para satisfazer a parte de Contribuição dos ...$. cruzados de Subcidio, que o principe pedio ao Reyno (*).

Anno de 1671

694O Povo de Estremoz, que no dilatado tempo da Guerra da Aclamação, havia dado quarteis a numerozas tropas, que se ajuntavão nesta praça sentral, dezejando completar a obra dos quarteis, a que havia dado principio, no tempo da mesma guerra, impoz sobre si hum real de agoa voluntario, que durou até ao anno de 1716, em que a obra se completou (o).

---

(a) Livro das veriasoens do anno de 1667, a folhas 82 vs°

(*)Livro das veriasoens do anno de 1669, a folhas 138

(o) Livro das veriasoens do anno de 1 ... .

[p. 384]

Anno de 1673

  • 64 Teriam principiado apenas a 15 de Janeiro de 1674. Foram convocadas para jurar D. Isabel herdeira d (...)

695Ponderando o Principe que a Princeza Dona Izabel sua filha, não podia cazar em Portugal, e que o cazamento com algum principe Estrangeiro a excluia da Sucessão do Reyno, [conforme] o disposto nas Cortes de Lamego, convocou Cortes, que se devião selebrar em Lisboa no dia primeiro de Dezembro (a) de 167364, para nellas se dispensar no artigo das Cortes de Lamego, como effectivamente se fes, a favor da dita Senhora. Nestas Cortes assistirão por Procuradores da villa de Estremoz, Manoel da Gama de Sande, e Diogo Boto de Aguiar (o).

Anno de 1688

696Neste anno se fes a innumeração dos moradores de Estremoz, e se achou, que a villa tinha 1$500 fogos (*) não obstante, que se houvesem demolido mais de 900 moradas de cazas, para

---

(a) Livro do Registro dos Alvaráz e Provizoens do Senado de Estremoz, a folhas 188 vs°

(b) Livro das veriasoens do anno de 1673, a folhas 106

(*)Livro das veriasoens do anno de 1689, a folhas 88 e seguintes

697[p. 385] se formarem os novos muros da praça, e neste mesmo anno se completou a obra do Lago grande, na qual o Senado dispendeu quatro mil cruzados.

Anno de 1697

  • 65 As câmaras foram, em Setembro, notificadas para nomearem procuradores às cortes, com abertura marca (...)

698O Principe Dom João havendo de ser declarado Sucessor da Monarchia depois do Rey seu Pay, determinou El Rey Dom Pedro II, que se selebrasem cortes na Cidade de Lisboa, no dia 1° de Setembro de 169765, e nellas foi o mes[mo] Principe do Brazil jurado sucessor da Monarchia. Nestas Cortes forão procuradores da villa de Estremoz Francisco de Mello de Castro, e Francisco de Macedo Pimentel (a).

Anno de 1698

699Este anno deve ser colocado entre os infau[s]tos para a villa de Estremoz, pelo estrago, occazionado pelo incendio do Armazem da Polvora.

---

(a) Livro das veriasoens do senado de Estremoz do anno de 1697 a folhas 28 vs°; e a folhas 29

700[p. 386] Havia Estremoz sido escolhida para servir de Arcenal Provincial na Guerra da Aclamação, e por este motivo o seu Armazem sempre conservou muita polvora, para ser exportada para as praças da Provincia, quando parecese conveniente. Tinha elle muitas mil arrobas deste temivel material.

701Amanheseu o dia 17 de Agosto de 1698, claro, e sereno, e sem nuvem alguma, e deste modo se conservou ate à noite; porem, pela huma hora da tarde innopinadamente se inflamou a Polvora, e rebentando com grande estampido, destruhio totalmente o idificio, e cauzou bastante prejuizo à Torre da Homenagem, que estava contigua, e seria mayor o estrago, se na explozão não fossem muitos Barriz arrojados a larga distancia, sem se inflamar a Polvora, de que estavão xeyos.

702A concussão do ár foi tão grande, que derribou todas as cheminez do Castello, e grande parte das cazas do mesmo Castello. O elevado lugar em que o armazem estava fundado, livrou a villa baixa do mayor estrago, porque as grossas pedras, que a polvora arrojou, salvarão os muros da [p. 387] praça, e forão cahir a larga distancia da villa. Este innopinado accidente, consternou o povo, e o temor cresceu, com a voz, que logo se espalhou, de que o fogo estava para se communicar a huma caza, em que se goardavão nove centas Bombas atacadas, que havião ficado do tempo da Guerra da Aclamação.

  • 66 Na praça militar de Campo Maior, em 1732, ocorrera um acidente de natureza idêntica, embora de prop (...)

703Os Moradores de todos os xexos [sic], e idade dezampararão as suas cazas, e fogirão para o campo, sem haver pessoa que lhes embarasa-se a fuga; no dia seguinte voltarão às suas cazas nas quais não emcont[ra]rão falta alguma; porque não houve quem furta-se couza alguma. O numero dos mortos, não passou de quatorze; porem foi crescido o número dos feridos. Esta foi a noticia, de similhante infelicidade, que eu ouvi aos meus Mayores, e às pessoas que a prezenciarão66.

  • 67 A paz de Ryswick foi de facto assinada em finais de Outubro, mas do ano de 1697.

704Ainda que a discordia da França com o Imp[e]rio estivese acabada, e composta pela medi[a]ção do Rey da Suecia, na paz de Resvik67, a 30/31 de Outubro, com tudo as Potencias da primeira Ordem, receavão que a morte do Rey Catolico Carlos II atease o incendio da [p. 388] discordia, e que fizese perder o Equilibrio da balança da Europa; dezejavão privinir o golpe, e embarasar a guerra, que abrazase a Europa, quando se disputa-se a sucessão da Monarchia de Hispanha.

705Guilherme III Rey de Inglaterra e Principe de Orange formou em Outubro de 1698 hum projecto divizorio da Monarchia de Hispanha, que se devia verificar depois da morte do Rey Dom Carlos II. Segundo esta divizão o Principe Eleitoral de Baviera, parente mais chegado do Rey Catolico, devia ser Rey de Hispanha, e das Indias. Os Reynos de Napoles, Cicilia, Ducado de Milão, e as praças que Hispanha possuhia nas Costas da Italia, devião ficar ao Archi Duque Carlos de Austria, filho Segundo do Imperador Leopoldo I.

  • 68 A 25 de Março de 1700.

706A morte do Principe Eleitoral de Baviera sussedida em Brusselas no anno de 1699 innutilizou o primeiro tratado da divizão, por tanto o Rey Guilherme III com os seus Alliados formarão segundo plano de divizão no dia 13 de Março de 170068. Por este segundo plano, [p. 389] se dava a Coroa de Hispanha, com as Indias ao Archi-Duque Carlos de Austria, e o que no primeiro tratado se dava a este, devia dar se ao Delfim, filho de Luiz XIV. O Imperador não approvou a partilha, e o Rey de França não se oppoz a élla, antes de saber a intenção do Rey Catolico.

707O Rey Dom Carlos II vendo que em sua vida se fazia o Inventario, e partilha dos seus bens, quis dispor da sua herança, e por tanto fes o seu Testamento, no dia 2 de Outubro de 1700, e nelle declarou por seu sucessor na Monarchia de Hispanha a seu sobrinho Filippe Duque de Anjú, filho segundo do Delfim, e netto de Luiz XIV; feita esta dispozição faleseu em Madrid, no 1° de Novembro de 1700.

708O Rey Christianissimo, ponderando por hum lado na dispozição Testamentaria do Rey defunto, e pelo outro, que os Hispanhois, entusiastados [sic] com a grandeza da Sua Monarchia, não havião approvar a sua divizão, assentou, que seu netto seria indubitavelmente Rey de Hispanha, e por tanto, logo asseitou [p. 390] o testamento do Rey Dom Carlos, e fes reconheser em Pariz como Rey de Hispanha, a seu netto, com o nome de Filippe V, o qual foi aclamado em Madrid no dia 24 de Novembro de 1700, exemplo seguido por toda a Monarquia. O Novo Rey fes a sua entrada pública em Madrid no dia 22 de Janeiro de 1701.

709O Imperador Leopoldo ligado com a Inglaterra e Holanda formarão a grande aliança, para manterem o segundo plano da divisão. O Imperador publicou logo manifestos da sua justiça, allegando, que Luiz XIV, no tratado de S. João da Luz, havia renunciado solemnemente por si e sua mulher, a Rainha Dona Maria Thereza de Austria, o direito, que pude-se ter à Monarchia de Hispanha, e que o Rey Carlos II com o seu testamento (se acazo, o que se apprezentava era seu) não podia prejudicar aos direitos da Caza de Austria.

710O Rey de França, para se oppor à grande aliança, formou outra com o Eleitor de Baviera, com os Duques de Saboya, Mantua, e Mirandula, e como a Coroa de [p. 391] Portugal podia dar entrada às tropas Inglezas, para invadirem a Hispanha, procurou atrair a El Rey Dom Pedro II ao seu partido, e conseguio metelo na sua aliança, da qual, logo sahio, para abrasar o partido da neutralidade, e deixada esta se unio à grande aliança.

  • 69 A Grande Guerra do Norte (1700-1721), que opôs a Rússia, a Polónia e a Dinamarca contra a Suécia. C (...)

711As Potencias do Norte, como erão a Russia, Polonia, Suecia, e Dinamarca, não tomarão parte na disputa da Sucessão da Hispanha; porem ellas estavão implicadas em outra obstinada Guerra, que foi mais duravel do que a de Hispanha69. O Rey Filippe V se preparava para a Guerra, e a fes contra Portugal com prosperidade, ganhando algumas pequenas praças da Provincia da Beira, e em Alentejo, Castello de Vide, Marvão, e Portalegre na Campanha de Primavera do anno de 1741, porem os Portuguez[es] as recuperarão brevemente.

Cap. V

Anno de 1705

712Havendo a Coroa de Aragão aclamado por [p. 392] seu Rey ao Archi-Duque Carlos, que tomou o nome de Carlos III, se vio o Rey Dom Filippe V obrigado a embarasar, que o partido daquelle contendor se emgrosa-se, passou à fronteira de Catalunha, para reduzir aquelles póvos à sua obediencia. Esta diverção era favoravel à grande aliança, e por este motivo convinha, que o Exercito aliado invadisse a Provincia da Extremadura; nesta concideração mandou El Rey Dom Pedro II, que nosso Exercito se ajunta-se na praça de Estremoz.

713Constava elle de 15$. Infantes, e de 5$. cavallos e nomeou para General Supremo, a Diniz de Mello de Castro Conde das Galveyas; erão Mestres de Campo Generais o Conde de la Corssana, e das Tropas Inglezas, o Conde de Galoway, e das Holandezas o Barão de Fágel; era General da Cavallaria o Conde de Villa Verde, e General da Artilharia Affonso Furtado de Mendoça visconde de Barbacena. As tropas de Traz dos Montes erão governadas por Francisco de Tavora, Conde de Alvor. Erão Marechais de Campo Pedro Mascarenhas, Dom [p. 393] João Diogo de Ataide, Dom Manoel de Castro Conde de Monsanto, o Conde de S. João, e o Conde do Rio Grande.

714No fim do mez de Abril de 1705, sahio o Exercito de Estremoz, dirigindo a sua marcha para a praça de Arronches, e no dia 2 de Mayo se pos à vista da praça de Valença, e sem dilação se formou o sitio della; no dia 6 principiarão a jogar as batarias, e continarão com tanto vigor, que no dia 8, estava a brexa capaz de ser assaltada, e logo se intimou ao seu governador Dom Affonso Madariaga Marquez de Villa Forte, que se rendese, e por elle o não querer fazer, foi a praça atacada, na madrugada do dia 8, por dois Regimentos de Infantaria Portugueza, hum Inglez, e outro Holandez, e depois de largo conflito foi ganhada pela brexa, e logo se entregou o Castello, ficando a Goarnição Prizioneira de Guerra.

715Deteve-se o Exercito em Vallença ate ao dia 14, em quanto se reparavão as ruinas da muralha; e deixando prezidiada a praça, se emcaminhou para Albuquerque, à [p. 394] qual chegou no dia 15. Era Governador desta praça Dom Jozeph Louzada Coronel de Infanteria, e no dia 16 se formarão os aproches, bateo-se a muralha fizerão-se minas, e no dia 20 se determinava atacar a brexa; porem o Governador, não querendo exprimentar a sorte do de Valença, entregou a praça, e o castello por capitulação, sahindo livremente com a sua goarnição no dia 20.

716O Exercito se deteve em Albuquerque até ao dia 2 de Junho, em que partio para Badajoz, com o projecto de formar o sitio, porem o tempo que o Exercito aliado consumio innutilmente em Albuquerque, e a dezunião, que havia entre os nossos Generais, salvou a Cidade de Badajoz. Se os Aliados se aproveitasem da Consternação em que se achavão os Castilhanos, e sem perda de tempo passasem logo a sitiar Badajoz, a cidade se entregaria dentro de poucos dias, visto não terem os Castilhanos Exercito para a socorrer. O nosso Exercito se pos em marcha para Portugal, e chegou a Elvas no dia 5 de Junho, e logo foi metido em quarteis, pelas praças da Provincia.

717[p. 395] No Outono de 1705 determinarão os Aliados formar o sitio de Badajoz, para cuja empreza se ajuntou o Exercito na cidade de Elvas, coman[da]do por Dom Antonio Luiz de Souza Marquez das Minas. Sahio o Exercito de Elvas no dia 3 de Outubro, e aberta a trincheira, principiou no dia 11 a bater à praça de Badajoz, e no mesmo dia perdeo o General Conde de Galoway hum braço com hum tiro de balla de artilharia, e na noite do dia 13, introduzio o Marechal de Tessé hum grande Socorro na praça sitiada.

718Este Socorro que os nossos culpavelmente deixarão passar o Rio Xevora se[m] lhe fazerem oppozição pos a Cidade em estado de segurança; este innopinado accidente, junto a grande chuva, que sobreveyo, obrigou ao Exercito a levantar o sitio, e para retirar a artilharia dos ataques empregou o Geral da Artilharia Pedro Mascarenhas o Regimento de Milicias de Estremoz. O Exercito se recolheo a Portugal, para ser metido em quarteis de Inverno, e nesta repartição se mandarão tres Regimentos de Infantaria Ingleza, para ficarem goarnesendo [p. 396] a praça de Estremoz aonde tambem ficou o Quartel General.

Anno de 1706

719Appromptado o Exercito Aliado na Cidade de Elvas, para penetrar o Reyno de Castella, sahio elle da Cidade de Elvas no dia ... de ... de 1706 comandado pelo Marquez das Minas, e depois de ganhar o choque de Brossas passou a Sitiar a praça de Alcantara, que conquistou, ficando prezioneiros de guerra dez Regimentos de Infantaria, que compunhão a sua goarnição.

720No tempo em que o Exercito Aliado formava o sitio de Alcantara, intentou o Marquez de Bay General da Provincia da Extremadura fazer huma diversão a favor dos Sitiados, para o que ajuntou em Badajoz hum Exercito, composto de onze Regimentos de Infantaria, a mayor parte de Milicias, e 700 cavallos, com hum trem de dois Murteiros de Bombas, e seis de Granadas Reais, e no dia [p. 397] 14 de Abril appareseu à vista da praça de Elvas, e no dia seguinte lansou algumas Bombas na Cidade, sem damno della, e tendo lhe rebentado dos Murteiros, pela impiricia dos Artilheiros, se recolheo a Badajoz no dia 16, sem haver tirado utilidade da sua expedição.

721Para livrar a Provincia de Alentejo de similhantes ataques, determinou El Rey, que nella se formase hum Exercito volante, o que logo se executou; e se compunha de treze Regimentos de Infantaria, encluzos os Milicianos, e de trinta Esquadroens de Cavallaria, e de hum Trem de seis pessas de Artilharia, e dois Murteiros; era General delle João Furtado de Mendoça Governador das armas de Alentejo, e seu Mestre de Campo General, o visconde de Barbacena, General da Cavallaria Dom João de Lancastre, General da Artilharia Antonio Albuquerque Coelho, e Marechal de Campo Dom Luiz de Almeida, Conde de Avintes.

722Para se formar este Corpo volante se acrescentarão as praças dos Regimentos de Milicias, e neste anno ficou o Regimento de [p. 398] Estremoz constando de mil soldados (a). Não esteve este Exercito occiozo, porque o General João Furtado de Mendoça o ajuntou em Estremoz, e com elle sahio a ... de Mayo, dirigindo a sua marcha para Castella, e a 22 do dito mez se apprezentou diante da cidade de Xeres de los Cavalheros, que atacou sem dilação.

723O Marquez de Bay ajuntando as tropas da Estremadura, pertendeu socorrer a cidade sitiada, porem sendo rechasado, se retirou para Badajoz. Xeres se rendeu logo por capitulação, e no dia 27 foi ganhada Barca Rota ficando a sua goarnição prizioneira de guerra, e a mesma sorte sussedeu a Salva-Leão, e o Exercito continu-ou as suas operasoens, e pos na obediencia de El Rey Dom Carlos III as villas de Nogalles, Almendral, Salvaterra, e outros lugares da Extremadura, e depois se recolheu a Portugal, e entrou em quarteis de Verão (o).

---

(a) Livro das veriassoens do Senado de Estremoz, na veriação de 24 de Setembro de 1706, a folhas 57.

  • 70 Trata-se de António Caetano de Sousa, um dos primeiros cinquenta académicos da Academia Real da His (...)

(o) Souza70, Historia Genialogica da Caza Real.

[p. 399]

Anno de 1707

724Por morte de El Rey Dom Pedro II sussedida no dia 9 de Dezembro de 1706 susseseu na Monarchia Portugueza seu filho, El Rey Dom João V. Este Principe se manteve firme na aliança, que seu Pay havia abrasado, e para continuar a guerra com viguor, mandou formar alguns Regimentos novos de Infantaria, sendo hum delles o de Estremoz, do qual foi o primeiro Coronel Martim Loppes Lobo de Saldanha, e pela sua dimissão lhe sussedeu Thomaz da Silva Telles, depois Visconde de Villa Nova de Cerveira, a cujo incansavel zello se deveo a disciplina, que distinguio este Regimento naquella Guerra, e nelle se allistarão as Pessoas Principais de villa.

Anno de 1708

725Desde o anno de 1705, está a praça de Valença da Extremadura, prezidiada pelas tropas Portuguezas; o seu clima era doentio, e a conservação da praça pouco interesante; por este motivo, mandou El Rey Dom João ordem ao Marquez de Fronteira, [p. 400] Governador das armas da Provincia de Alentejo, para que desmantela-se as muralhas, e recolhese a Goarnição, e a Artilharia.

726Logo que o General recebeu a ordem, nomeou para esta empreza, ao Mestre de Campo General Dom João Manoel de Noronha, dando-lhe para ella dois Regimentos de Infantaria e hum de Cavallaria, sendo hum dos primeiros o de Estremoz, governado pelo seu coronel, Thomaz da Silva Telles. Este corpo sahio de Portalegre, e sem oppozição chegou à praça de Valença, e logo o General Dom João Manoel mandou fazer, e atacar as minas, e Fornilhos. O trabalho não se podia ocultar ao Marquez de Bay, General da Estremadura, o qual pertendeu embaraçar esta ruina, ou desbaratar aos Portuguezes na sua retirada.

727O General Portuguez ainda que observava que a tropa innimiga era superior à sua, mandou sahir a goarnição, e os Moradores, e retirar a Artilharia, e à vista do innimigo, mandou dar fogo às Minas, que rebentarão com total destruição das muralhas, e pondo a bagagem na vanguarda, caminhou formado [p. 401] em tão bella ordem, que os innimigos sendo superiores em forsas, não ouzarão atacar aos nossos, e deste modo chegou a Castello de Vide, sem haver pe[r]dido hum só homem, ou huma única bagagem.

Anno de 1709

728Na Primavera do anno de 1709 se ajuntou o Exercito Portuguez na Cidade de Elvas, o qual constava de trinta e sinco Batalhoens de Infantaria, e de treze Regimentos de Cavallaria, e de hum Trem de vinte pessas de artilharia. Era comandado por Dom Fernando Mascarenhas Marquez de Fronteira, Governador das armas de Alentejo. As tropas Inglezas por Milord Galoway, tendo às suas ordens o marquez de Montandre. Era General da Cavallaria Pedro Mascarenhas, e da Artilharia, Dom João Manoel de Noronha, Marechais de Campo Francisco de Tavora Conde de Alvor, Dom Braz Balthezar da Silveira, Dom Pedro Massa Marquez de Assa, Francisco de Mello Senhor de Ficalho.

729Sahio o Exercito da Cidade de Elvas, e foi [p. 402] acampar entre os Rios de Caya, e Cayola, para observar os movimentos do exercito Castilhano, o qual se compunha de vinte e quatro Batalhoens de Infantaria, e dezaseis Regimentos de Cavallaria. No dia 7 de Mayo passárão alguns Esquadroens de Cavallaria Castilhana a forrajar nas searas de Campo Mayor; o Marquez de Fronteira, pertendeu cortalos, porem elles ivitarão o golpe, recolhendo-se em tempo conveniente, e em bella ordem, se unio ao seu Exercito.

730Depois desta união se abalou toda a cavallaria Innimiga e atacou a nossa cavallaria da Esquerda, com tanto vallor, que dezordenada ella voltou as Costas, e se pos em vergonhoza fugida, e neste primeiro ataque, ficarão cortados os Regimentos Inglezes da primeira linha. A Cavallaria da Segunda linha do mesmo lado, seguio o exemplo da primeira, execptuando cem cavallos com o coronel João de Quental Lobo, e o Tenente Coronel Manoel Nunes Leitão.

731Os Innimigos aproveitando-se da dezordem da nossa cavallaria, e vendo que a Infantaria [p. 403] daquelle lado estava dezamparada, a atacarão com viguor, e a terião derrotado, se o General da Cavallaria Pedro Mascarenhas, não puxase pelas Brigadas de Antonio Telles da Silva, e de seu Irmão Thomaz da Silva Telles, os quais com admiravel constancia, sustentarão aquelle lado, soffrendo tres ataques da Cavallaria, e o fogo de algumas pessas, que os innimigos nos havião ganhado. O Conde da Ericeira Dom Luiz de Menezes sustentou o resto da linha, assistido de Francisco Jozeph de Sampayo, do Conde dos Arcos, e de outros officiais, que não seguirão o exemplo dos seus Regimentos.

732O bom sucesso, que os innimigos tiverão no ataque da Cavallaria do lado Esquerdo, os animou para logo atacarem a Cavallaria da primeira linha do lado Direito governada pelo Conde de S. João, que ficou prizioneiro; o Regimento de Dragoens de Tras dos Montes, de que era Coronel Filippe de Souza de Carvalho, sustentou o ataque, com mais valor do que disciplina, e ficou totalmente derrotado, e João Dantas da Cunha Coronel de Cavalaria de [p. 404] Almeida ficou prizioneiro, e perigozamente ferido.

733O Regimento de Mathias da Cunha, com os mais de Infantaria do lado direito, forão atacados com viguor, e com o mesmo se defenderão, fazendo hum vivo fogo sobre os innimigos, que nestes ataques perderão grande numero de soldados, e entre elles o Coronel do Regimento de Cavallaria de la Muerte, Dom Antonio de Leivo.

734No lado direito da primeira linha governava o General da Artilharia Dom João Manoel, o qual vendo que a Cavallaria se havia retirado, mandou advertir pelos seus Ajudantes aos Coroneis do lado esquerdo, que fizesem a mesma manobra que vissem fazer do lado direito, e dando sinal com as caixas, sem dilação se formou hum paralelo grammo, e depois de serrados os Batalhoens, se retirou o Exercito em boa ordem para Campo Mayor, sem poder ser offendido pelos innimigos.

735Milord Galoway vendo dezordenada a [p. 405] Cavallaria do lado esquerdo, fes avansar huma Brigada de tres Regimentos de Infantaria, em que entrava hum Hispanhol, de que era Chefe Pedro Charle; este[s] sim, recobrarão duas pessas de artilharia, porem forão cortados da linha, e não se puderão ajuntar ao Exercito; e vendo-se neste aperto, se formarão em hum posto no qual se conservarão ate à menhãa do dia seguinte, no qual capitularão ficando prizioneiros de Guerra.

736Nesta Batalha de 7 de Mayo de 1709 tivemos oito centos homens mortos, e feridos, e tres Regimentos de Infantaria prizioneiros, dois Inglezes, e hum Hispanhol, e perdemos todo o parque da Artilharia. Os Innimigos tiverão crescido número de mortos, pelo grande fogo que a Infantaria lhes fes, quaze sobre as bayonetas.

737Chegado o nosso Exercito a Campo Mayor, se lhe unirão os Marechais de Campo o Marquez de Assa, e Francisco Jozeph de Sampayo. Com parte da Cavallaria dispersa, e reforsado o Exercito com as goarnisoens de Campo Mayor, e Elvas, caminhou para esta [p. 406] cidade, e se alojou no sitio de Cancão, e dali passou para Jurumenha, e se mandou segurar Olivença.

738Os Innimigos passarão o Rio Guadiana pela ponte de Olivença, e depois de haverem passado, mandarão dar fogo às minas, que nella havião feito, e fizerão voar alguns arcos. Os dois Exercitos se conservarão à vista hum do outro, separados pelo Rio Goadiana, acanhoando-se reciprocamente, e passados alguns dias, se recolheo o Exercito Castilhano ao seu paiz, e o nosso se recolheu aos seus quarteis.

739No Outono do mesmo anno, sabendo o Marquez de Bay, que na Provincia de Alentejo não havia mais tropa, do que aquella, que prezidiava as Praças de armas, e que por este motivo lhe seria facil meter em contribuição os lugares abertos da Provincia, ajuntou o seu Exercito e com elle entrou em Portugal, alojando-se no primeiro dia sobre o Rio Caya, e no segundo appareseu à vista da Cidade de Elvas; dali caminhou para a Atalaya dos Sapateiros, e no dia seguinte perto da villa de Borba.

740[p. 407] O Mestre de Campo General Dom João Manoel, que estava em Elvas governando a Provincia em absencia [sic] do Marquez de Fronteira, antecipadamente avizou a Corte, dos movimentos do exercito innimigo, que se ajuntava nas vizinhanças de Badajoz, pedindo que lhe mandasem os socorros das Provincias; e vendo que os Castilhanos estavão à vista de Elvas, deixando recomendada a defença da praça ao seu Governador Luiz de Mesquita Pimentel, sahio nessa mesma noite da Cidade na frente de dois Regimentos de Cavallaria, e de quatro pessas de Artilharia.

741Logo que sahio de Elvas entrou a xoquar com as partidas do innimigo, e caminhando toda a noite, chegou pela menhãa a Jurumenha, aonde se lhe unio o Regimento de Cavallaria de Olivença, comandado pelo seu Coronel, Francisco Lagoa Nogueira, dali caminhando pela estrada da Ribeira Asseca, chegou a Villa Viçoza, e mandando a Artilharia para Estremoz, pelo caminho de Montes Claros, passou elle a Borba, aonde achou ao Marquez de Fronteira, que de Estremoz havia sahido com 400 cavallos, a observar [p. 408] os innimigos; o Marquez General deixando lhe o destacamento que havia levado, lhe recomendou a defença da villa, em quanto elle não appromptava o Exercito em Estremoz.

742Dom João Manoel occupou logo as alturas proximas à villa de Borba, sobre as quais fazia aparente ostentação de grande poder, prolongando de dia a frente da sua Cavallaria, e unindo-a de noite, mandando asender fogos sobre os mesmos lugares, que occupava de dia, e com este engano entreteve o Exercito castilhano nove dias, embarasando-o a mandar partidas, a saquiar os camponezes. Passados dez dias appareseu o Marquez de Fronteira com o exercito, que habia ajuntado em Estremoz.

743Constava o nosso Exercito de 13$. Infantes, e de 4$. Cavallos, e levava hum parque de dez pessas de artilharia, e na primeira marcha chegou a Borba, e no dia seguinte formando-se em duas linhas, desceu das alturas, a buscar os innimigos, os quais não querendo expor-se à contingencia de huma batalha, dada tão distante do seu paiz, [p. 409] se puzerão em retirada, e passando o Rio Goadiana, se conservarão alguns dias na sua margem, e se recolherão ao seu paiz, e o nosso Exercito se recolheu metendo-se em quarteis de Inverno.

Anno de 1710

744Ao Marquez de Fronteira sussedeu no governo das armas de Alentejo, Dom Pedro Antonio de Noronha Marquez de Angeja, o qual ajuntou em Estremoz o Exercito, que devia fazer a Campanha da Primavera. Constava elle de trinta Batalhoens de Infantaria, e de sincoenta e seis Esquadroens de Cavallaria. Erão seus Mestres de Campo Generais Pedro Mascarenhas, Pedro de Vasconcellos de Souza, e Dom João Manoel. O general da Cavallaria era Dom João Diogo de Ataide, General da Artilharia Bernardim Freire de Andrade, e Marechais de Campo Dom Braz Balthezar da Silveira, Dom Pedro Massa Marquez de Assa, Francisco Jozeph de Sampayo Senhor de Villa Flor, e Antonio Sabatiere Senhor de Merol.

745[p. 410] Sahio o nosso Exercito de Estremoz, no dia ... de ... de 1710, e no primeiro dia se alojou na Ribeira de Alcaraviça, e no segundo, junto da Atalaya dos Sapateiros, e no terseiro junto de Elvas, e depois se alojou na margem de Goadiana junto da ponte de Olivença. O Marquez de Bay com o seu Exercito, composto de vinte e seis Batalhoens de Infantaria, e dezaseis Regimentos de Cavallaria, acampou junto da Ribeira de Xevora.

746Ambos os Exercitos se conservarão no campo, que havião occupado, sem mais operação do que huma escaramusa entre 500 Cavallos Portuguezes, e mayor número de Castilhanos, na qual os nossos tiverão a ventagem. Os Innimigos se conservarão em Campanha, ate ao dia de S. João, e obrigados do grande calor da estação, se recolherão a Badajoz, e os Portuguezes se recolherão aos seus quarteis.

747A completa victoria, que o Marechal Conde de Estaremberg, General do Exercito Aliado alcansou do Exercito Castilhano junto da Cidade de Saragoça, no dia 20 de Agosto, [p. 411] de 1710, obrigou ao Rey Dom Filippe V a valerse das tropas que tinha na provincia da Extremadura, para se oppor aos progressos do Exercito Victoriozo. Esta favoravel occazião, obrigou a Corte de Lisboa, a fazer entrar o nosso Exercito na provincia da Extremadura, para fazer huma poderoza diverção a favor dos alliados.

748Sem dilação passou o Marquez de Angeja à provincia de Alentejo, para appromptar o Exercito, e elle o ajuntou na praça de Estremoz, o qual era igual em forsas ao da Primavera, e governado pelos mesmos Generais. Sahio elle de Estremoz, no dia 27 de Setembro de 1710, e no dia 30 de Setembro passou o Rio Goadiana, dirigindo a sua marcha para Barca-Rota, e no dia 2 de Outubro chegou à vista desta villa.

749Tinha o Castello para a sua defença hum Regimento de Infantaria, e duzentos homens soltos, e bastantes monisoens; com tudo a praça foi logo ganhada ficando a sua goarnição prizioneira de Guerra, a [p. 412] qual constava de 700 homens, em que entravão tres Coroneis, dois Tenentes Coroneis, dois Sargentos Mores, e trinta e sette officiais, e nesta conquista perdemos alguns soldados, e o General Mr. De Merol, que foi morto de hum tiro de mosquete, no tempo em que reconhecia a trinxeira. De[s]mantelada Barca Rota, e emcravada a artilharia, se recolheu o exercito a Portugal, e entrou em quarteis de Inverno.

Anno de 1711

750O Marquez de Angeja continuava o Governo das armas de Alentejo, e determinado a continuar a Guerra ajuntou em Estremoz o Exercito, o qual constava de 13$. Infantes, e de 6$. Cavallos, e de hum trem de vinte pessas de Artilharia. Sahio o nosso Exercito de Estremoz, no dia ... de ... de 1711, e perto de Jurumenha passou o Rio por huma ponte de Barcas, e entrou em Castella, pela villa de Valverde; e ganhou Almendral, Nogalles, e Safra, das quais tirou huma grosa contribuição.

751[p. 413] Os Innimigos, não podendo embarasar os nossos progressos, se fizerão simples observadores, conservando-se a duas legoas de distancia do nosso Exercito, contentando-se com fazerem algumas diversoens; a primeira foi feita com sete Regimentos de Infantaria, e sinco de Cavallaria, e com este corpo penetrarão ate Borba, e no dia 4 de Junho se recolherão a Badajoz, e no dia 5, sahirão com mayor poder, e se apprezentarão à vista de Elvas, e lansarão algumas Bombas na Cidade, sem damno Concideravel da mesma.

752Em Safra recebeu o Marquez de Angeja a noticia destas entradas, e para ivitar outras se pos Logo em marcha, para atacar os innimigos; porem, como elles não querião peleijar, logo que as suas partidas os avizarão da nossa marcha, se recolherão com grande pressa a Badajoz. O nosso General à vista da retirada delles, julgou conveniente fazer o mesmo, e se recolheu em Estremoz, e meteu as tropas em quarteis de Verão.

[p. 414]

Anno de 1712

753Pela nomiação do Marquez de Angeja, para Vice-Rey do Brazil, vagou o Governo das armas de Alentejo; este emprego foi conferido a Pedro Mascarenhas, que depois foi Conde de Sandomil. O novo General escolheo Estremoz para quartel da Corte, e nesta praça ajuntou o Exercito. Sabia elle que o Marquez de Bay, se preparava para invadir a Provincia, e na incerteza de qual seria a praça invadida, goarneseu todas, ate que se conhecese a sua intenção.

754Dividio o resto do Exercito em tres Corpos, hum ficou alojado em Estremoz, outro em Borba, e o terceiro em Villa Viçoza. Igualmente dividio a Cavallaria em outros tres Corpos, o primeiro governado pelo Marquez das Minas Dom João de Souza, o segundo pelo Marechal de Campo Francisco Jozeph de Sampayo, e pelo Brigadeiro Antonio Luiz de Tavora, para defenderem a provincia pela parte do Rio Caya. O terceiro corpo, composto de 1$. Cavallos, estava junto de Elvas, e era Governado pelo Mestre de [Campo] [p. 415] General Marquez de Assa. Esta distribuição de tropas livrou a provincia do estrago, que as partidas da Cavallaria costumão fazer.

755O Marquez de Bay havendo recebido grandes reforsos de tropas, julgou que podia intentar qualquer empreza, e com esta esperança sahio com o Exercito da Cidade de Badajoz, e depois de algumas marchas se alojou junto da Atalaya dos Sapateiros, e daquelle sitio mandou atacar o debil Castello de Barbacena, pelos Granadeiros do Exercito; porem o Governador Jeronimo de Carvalho, com sincoenta soldados, que tinha de Goarnição, o defendeu com tanto valor, que os innimigos forão rexassados com grande perda, e obrigados a recolher-se ao Exercito.

756Perdida a surpreza intentada sobre Barbacena, projetou o Marquez de Bay outra contra a praça de Arronches. Sabia elle que a fortificação era ruim, e a goarnição pequena, por constar de hum destacamento tirado do Regimento de Infantaria de Estremoz, governado [p. 416] pelo Tenente Coronel Andre Ferreira da Costa, e esta debil praça mando[u] o General innimigo atacar por tres mil Granadeiros, e Infantes; levarão elles escadas para o assalto, e na noite de 17 de Junho de 1712 lhe derão hum furiozo assalto, que durou duas horas; porem os valerozos defensores o rebaterão, com grande perda dos expugnadores.

757Vendo os innimigos a constancia da goarnição, se retirarão, com grande perda deixando muitos mortos, e os instromentos que havião levado para a expugnação, e se recolherão ao Exercito. Depois desta mallograda empreza, se rezolveo o Marquez de Bay, a terminar a Campanha, levando o desprazer de não haver conceguido a menor ventagem contra o Exercito Portuguez que era inferior ao seu em numero de Combatentes, e se recolheo a Badajoz. E os nossos se repartirão pelos seus quarteis.

758Os Ministros das Potencias Beligerantes trabalhavão sobre a paz geral no Congreso de Utrech; porem a Corte de Madrid, para adiantar os seus intereses, dezejava terminar a guerrra, [p. 417] depois da Conquista de alguma praça principal da provindia de Alentejo; e emcarregou a empreza ao Marquez de Bay, o qual, para illudir aos nossos Generais, fes espalhar a voz, de que a mayor parte da[s] tropas da Extremadura tinhão ordem para marchar para Catalunha, pertendendo que o nosso discuido facilita-se a sua empreza.

759O Exercito Hispanhol constava de 10$. Infantes divididoa em trinta e tres Batalhoens, e de 8$. Cavallos divididos por setenta Esquadroens; tinha tres Gastadores, hum trem de vinte e dois canhois de bater, dezoito pessas de Artilharia, cem carros com estacas, e Faxinas, e era governado pelo Marquez de Bay, o qual tinha debaixo das suas ordens sete Mestres de Campo Generais, oito Marechais de Campo, quinze Brigadeiros, e crescido número de officiais.

760Sahio o Exercito da Cidade de Badajoz, no dia 19 de Setembro de 1712 com a intenção de sitiar a Cidade de Elvas, e chegou à vista desta cidade no dia 20, e ponderando [p. 418] o Marquez da Bay no largo recinto da praça, para cujo sitio era pequeno o Exercito do seu Commando, reprezentou à sua Corte a impocibilidade do sitio de Elvas, e que lhe parecia ser milhor o atacar a praça de Campo Mayor; até ao dia 28 tardou a resposta da sua Carta, e em todo este tempo, se conservou elle à vista de Elvas, e sendo o seu voto approvado pela Corte, levantou o campo no mesmo dia, e appareseu à vista da praça de Campo Mayor.

761Era Governador de Campo Mayor Estevão da Gama de Azevedo, e tinha de Goarnição quatro Regimentos de Infantaria, de que erão coroneis Luiz Pereira de Sá, Jozeph Homem de Magalhaens, Francisco de Macedo Pimentel, e Thomaz da Silva Telles, com o seu Regimento de Estremoz. Conhecida já a intenção dos innimigos, passou o General da Provincia Pedro Mascarenhas, de Estremoz para Elvas, para appromptar os socorros, e Temendo que os officiais da praça não se unissem com o Governador proprietario, escolheo para Governador della ao Conde da Ribeira.

762[p. 419] Despedio logo o primeiro socorro, que constava de 300 Granadeiros, e de setenta cavallos, o qual com o Conde da Ribeira, entrou na praça sitiada, na noite de 4 de Outubro; o segundo socorro de igual força entrou na praça com a mesma fortuna. O terceiro socorro, composto de duzentos Infantes, digo, Granadeiros, e sete centos Infantes, foi conduzido pelo Marechal de Campo Paulo Caetano de Albuquerque; entrou na praça na madrugada do dia 28, com perda de oito homens, depois de haver xocado com a mayor parte da cavallaria de Exercito, da qual se defendeo formando hum quadro.

763No dia 4 de Outubro abrirão os innimigos a Trincheira, e logo principiarão a bater a muralha, e ainda que os sitiados retardarão as operaçoens com repetidas sortidas, de que os innimigpos recebião grave damno, a brexa foi aberta, e os sitiantes se dispunhão para o assalto, e os sitiadosa se dispunhão para a sua defença com as cortaduras e trincheiras intriores, que havião feito; e o Conde da Ribeira mandou Lansar na brexa sincoenta carros de lenha,[p. 420] com alguns Barriz de Alcatrão, para se lhe lansar fogo, logo que os innimigos intentasem assaltala.

764No dia 27 de Outubro pelas sinco horas da menhãa foi a brexa atacada por trinta e duas companhias de Granadeiros, sustentadas por dezaseis Batalhoens de Infantaria, porem a grande fogueira, que ardia na brexa, embrasava ser a brexa atacada em frente, e os innimigos só o puderão fazer à desfilada e so quarenta subirão ao alto da brexa, do qual forão precipitados, aabando huns afogados no lago, e outros abrazados no fogo; os Corpos destinados para soster o assalto, atacarão a brexa segunda, e terceira vez, com a mesma infelicidade.

765Durava o Conflito havia hora e meya, e sendo já menhãa clara, vendo o Marquez de Bay que os seus não podião montar a brexa, fes sinal aos seus, para que se recolhesem às trinxeiras, e cuidou de sepultar os mortos, e se dispos para levantar o sitio, e no dia 29 mandou a artilharia para Badajoz, e o Exercito fes o mesmo.

766[p. 421] A perda que os Castilhanos exprimentarão neste dia foi concideravel, passando os mortos de sete centos, e os feridos forão dobrados e no tempo do sitio perderão mais de dois mil homens. Dispararão os sitiantes cont[r]a a praça 10$870 ballas de Artilharia, e Lansarão 1$209 Bombas, e 250 tiros de Murteiro, carregados de seixos, e hum avultado número de Granadas. Os mortos, que tivemos neste sitio, chegarão a setenta e quatro, de cujo número forão hum Tenente dois Alferes, e hum Sargento.

767Os Feridos forão dois Capitaens, hum Tenente, dois Sargentos, e setenta e dois soldados; nas frequentes sortidas que fizemos, nos aprizionarão vinte e oito soldados. Esta brilhante acção pos fim à guerra entre Portugal e Castella, e por acordo tomado no Congresso de Utrech, no dia 7 de Novembro, se ajustou huma tregoa por tempo de quatro mezes, entre as Coroas de França, Castella, e Portugal, e se prorrogou no 1° de Março de 1713, até à concluzão da paz.

[p. 422]

Anno de 1715

  • 71 Sobre o envolvimento de Portugal e do Alentejo na Guerra da Sucessão de Espanha (1701-1714), veja-s (...)

768Ajustada a paz entre as tres Coroas de Portugal, Castella e França, na Cidade de Utrech, e ratificados os seus artigos pelos respectivos soberanos, se publicou a mesma paz em Lisboa, no dia 6 de Abril de 1715, e passado pouco tempo, se procedeu na reforma das Tropas do Exercito, a qual fes o General Pedro Mascarenhas, chamando para o dito effeito os Regimentos de Infantaria, e Cavallaria à praça de Estremoz, em que estava o quartel General71.

Anno de 1716

  • 72 A.H.M.E., Vereações (1715-1719), acta de 7-11-1716, f. 82v.-83. Nesta reunião, o juiz de fora encar (...)

769Determinando El Rey Dom João V vizitar as praças da Provincia de Alentejo, mandou avizar as Camaras por Cartas do Secretario de Estado Diogo de Mendoça Corte Real. O Senado da villa de Estremoz, se apromptou para receber a Sua Magestade, era nesse anno Juiz de Fora [o doutor Plácido de Melo Pereira e]. veriadores [António Pais de Sande, Pedro Pereira de Barros e Manuel Gil Borralho e o procurador, Manuel Velez]72.

770[p. 423] O Governador da praça, e o Senado esperavão a Sua Magestade à porta dos Currais.

771Chegou El Rey a Estremoz no dia 2 de Novembro de 1716, e entrou pela porta dos Currais, aonde o Marechal de Campo Diogo Soares de Bulhoens Governador da praça lhe entregou as chaves della, que tinha em huma salva de Prata; Sua Magestade pegou nellas, e as voltou a entregar ao Governador, e este, com o Senado, lhe beijarão a mão, e depois o acompanharão até à Cappella da Rainha Santa Izabel, e depois de feita a Oração foi Sua Magestade prenoitar no Convento da Congregação do Oratorio. A villa se illuminou, e de noite houverão fogos de artificio, e no dia 3, continuou a sua jornada até Villa Viçoza.

Anno de 171 ...

772Sendo a praça de Elvas a principal da provincia de Alentejo, e não bastando para a sua goarnição o Regimento de Infantaria da Cidade para o serviço diario da praça, mandou [p. 424] Sua Magestade, que o Regimento de Infantaria de Estremoz fosse goarneser a dita Cidade, para a qual marxou no dia ... de ... de 171 ... e nella se conservou ate ao anno de 176 ..., em que embarcou para o Rio de Janeiro, em que existe.

Anno de 1729

773Ajustados os reciprocos Cazamentos dos Serenissimos Principes das Asturias, e Brazil, sahirão os Reys de Castella, e Portugal das suas respectivas cortes, para se avistarem no Rio Caya, aonde trocarão as Princezas, e concluida esta Régia função, voltarão para as suas respectivas Cortes. El Rey Dom João V se recolheu ao Palacio de Villa Viçoza, para dali continuar a sua jornada, e sabendo o Senado de Estremoz, que Suas Magestades determinavão chegar a Estremoz no dia 31 de Janeiro de 1729, determinou recebelos na forma do costume.

  • 73 A.H.M.E., Vereações (1726-1729), acta de 26-1-1729, f. 136v.-137.

774Era Juiz de Fora da villa Antonio Caetano da Silva Ribeiro, veriadores [Cristóvão Landim da Gama, António Pais de Sande e Pedro Pereira de Barros. E procurador, José de Abreu Cabaço]73.

775[p. 425] Era governador da praça Francisco Pereira de Lacerda. Sua Magestade entrou na villa pela Porta de Santo Antonio, aonde o Governador lhe entregou as Chaves da praça, e depois lhe beijou a mão, e o mesmo fizerão os officiais da Camara.

776Dali passou toda a familia Real a vizitar a Cappella da Rainha Santa, e passárão o resto do dia na vizita das freguezias, e Conventos da villa. De noite se illuminarão as Cazas da villa, e El Rey pernoitou no Convento da Congregação do Oratorio, e a Rainha, e Princeza no Mosteiro das Religiozas Maltezas, e no 1° dia de Fevereiro sahio de Estremoz, e continu-ou a sua jornada para a cidade de Evora.

Anno de 1735

777Na Corte de Madrid rezedia Pedro Alvares Cabral Senhor de Azurara, Alcaide Mor de Belmonte, Ministro Plenipotenciario de [p. 426] Portugal. Estando este Ministro na sua caza de campo, junto do Palacio do Pardo, no dia 24 de Fevereiro de 1735, passou a justiça pela porta do Plenipotenciario, conduzindo hum Criminozo à prizão; pedia este que o socorresem, e dois Criados de libré do Ministro Cabral, indiscretamente tirarão o prezo das mãos da Justiça, e o recolherão em Caza de seu amo.

778O Plenipotenciario, tendo noticia do insulto praticado pelos seus criados, os despedio do seu serviço, e mandou sahir o criminozo, e por escripto deu conta ao Governador, que servia de Prezidente de Castella; porem a corte de Madrid, dezaprovando o injusto procedimento do Plenipotenciario, lhe mandou prender todos os criados de libré na sua propria caza, na menhãa seguinte. Este pedio huma satisfação a Dom Jozeph Patinho, e sendo lhe negada, se retirou para Chinchon, e deu conta de tudo à corte de Lisboa.

779El Rey Dom João V, julgando-se offendido na pessoa do seu Ministro Plenipotenciario, [p. 427] pertendia que a Corte de Madrid lhe mandase huma satisfação pelo Marquez de Capecelatro, seu Embaixador em Lisboa; e como esta não foi dada, escreveo o Secretario de Estado huma Carta ao Embaixador, para que se abstivese de ir ao Páço. Ambas as Cortes se julgavão offendidas, e exegião reciproca satisfação, e nenhuma dellas a queria dar. A Corte de Madrid ordenou ao seu Embaixador, que pedisse Passaporte e que sem demora passasse para Aldeya Gallega.

780O Passaporte se deu na mesma hora, em que foi pedido; porem a Corte de Lisboa, uzando do direito de Reprezalia, mandou prender igual numero de criados do Embaixador de Castella, mandando que não fossem postos em liberdade, em quanto em Madrid se não soltasem os do Plenipotenciario. Os Ministros se retirarão para as suas respectivas Cortes, havendo passado na arraya ao mesmo tempo.

781Este errado passo do Plenipotenciario, perturbou a boa armonia, em que estavão as duas nassoens Castilhana, e Portugueza [p. 428] e ambas ellas se preparavão para a Guerra. O Rey Catolico, mandou formar o seu Exercito na Provincia da Extremadura; e nomeou para General Supremo ao Conde de Rodovilhe; para General de Cavallaria ao Conde de la Móthe; e para General da Artilharia, a Dom Felicianno de Bracamonte.

782A Corte de Madrid, sem preseder declaração de Guerra, passou ordem a Dom Miguel de Salcedo, Governador de Buenos Ayres, para que sem dilacção atacase a praça da Nova Colonia do Sacramento, que os Portuguezes tinhão na margem meridional do Rio da Prata. O General castilhano lhe pos hum sitio formal, que heroicamente foi defendido pelo brigadeiro Antonio Pedro de Vasconcellos, Governador da mesma praça; a grande perda que os Hispanhois exprimentarão no sitio, os obrigou a levantalo, retirando-se para o seu paiz.

783El Rey Dom João V mandou fazer grandes levas de soldados, formou novos Regimentos, e tanto estes, como os antigu-os, ficarão constando de vinte Companhias, e cada huma [p. 429] dellas de secenta homens, e os Regimentos de Cavallaria, se compunhão de dez Companhias, de secenta cavallos cada huma. O Parque de Artilharia se compunha de quarenta pessas de diferente calibre. Compunha-se o Exercito Portuguez de 34$ Infantes divididos em vinte e oito Regimentos, e sincoenta e seis Batalhoens, e de 6$. Cavallos em dez Regimentos. Os Regimentos dos Auxuliares chegavão a 30$. homens.

  • 74 Sobre Manuel de Azevedo Fortes, figura relevante dos primórdios do iluminismo lusitano, que tanto p (...)

784Foi nomiado para General Supremo deste Exercito Dom João Manoel Conde da Atalaya com o Governo das Armas de Alentejo; erão seu[s] Mestres de Campo Generais o Conde dos Arcos, o Visconde de Villa Nova de Cerveira Thomaz da Silva Tellez, o Conde da Ericeira Dom Luiz de Menezes. Era General da Cavallaria Dom Pedro de Almeida Conde do Assumar, General da Artilharia Antonio Tellez da Silva Senhor de Ficalho, erão Marechais de Campo João Massé quartel Mestre General, Antonio do Couto Castello Branco, Ignacio Xavier Vieira Matozo, Jacinto Loppes Tavares, e Manoel de Azevedo Forte[s]74, Ingenheiro Mor.

785[p. 430] Nomeou El Rey Generais para todas as provincias do Reyno. O Governo das armas da provincia da Estremadura foi emcarregado a Dom Diogo de Noronha Marquez de Marialva, o da Beira a Dom Braz Balthezar da Silveira, o do Minho a Luiz da Silva Tello, Conde de Aveiras, o de Traz dos Montes a Bernardo de Tavora Conde de Alvor, e o do Algarve a Rodrigo Tellez da Silva Conde de Unhão.

  • 75 Weinholtz.

786O Conde da Atalaya Governador das armas de Alentejo, passou sem demora para o seu governo, e estabeleseu o quartel General na praça de Estremoz, para onde logo vierão de Elvas as vedorias. Elle se applicou com grande actividade em disciplinar as tropas do Exercito, e passados seis mezes se não distinguião das tropas veteranas, das Companhias dispersas de Artilharia; formou o Regimento de Artilharia de Estremoz, para o qual levantou de novo dez Companhias em Estremoz, e seu termo, e o mandou disciplinar pelo Coronel Frederico Jacob de Weinolts75.

787[p. 431] O plano adoptado pelos nossos Generais, concistia em conservar as praças prezidiadas, e a principal forsa em Estremoz, e suas vizinhanças, para que dentro de vinte e quatro horas se pude-se ajuntar hum corpo capaz de rebater a invazão dos innimigos. A Goarnição de Estremoz concistia em tres Regimentos, o de Infantaria de que era Coronel o Conde de Coculim, o de Setubal, de que era Coronel Dom Luiz de Portugal e Gama, o de Artilharia do Coronel Pedro de Bastos de Souza.

788No mesmo Quartel General assistião os Coroneis Ingenheiros Paulo de la Gocherie, Dom Luiz Pierrepom, Frederico Jacob de Veinolts, o Conde de la Reviere, os Tenentes Coroneis Manoel de Torres Frazão, Antonio Rodrigues Neves, Ajudante do Quartel Mestre General Diogo Patullé, João Alexandre de Chermont, os Sargentos Mayores Dionizio de Castro Lente da Academia Militar, Carlos Gavô, Mr. Espalar, Mr. Lambrek, Carlos Jozeph Charpintier, com muitos Capitaens, e Ajudantes.

789[p. 432] O hábil Governador das armas, entreteve em Castella muitos Espias, cujas noticias lhe servirão para embaraçar os ataques, que os Castilhanos formavão para surprenderem alguma das praças de Olivença, Campo Mayor, ou de Castello de Vide, que não chegarão a ser atacadas, por saberem os Generais Castilhanos, das antecipadas prevensoens, com que os nossos os haviam segurado. Para cobrir a margem do Tejo, e segurar a Extremadura formou ali hum Campo de 8$. Infantes, e de 2$. Cavallos, Governado pelo Mestre de Campo General o Visconde de Villa Nova de Cerveira.

  • 76 A paz foi assinada a 16 de Março de 1737. Sobre este conflito diplomático que colocou Portugal e Es (...)

790O Rey da Grande Bretanha nos mandou de socorro huma esquadra de vinte e sinco Navios de Guerra, comandados pelo Almirante João Nóriz, a qual se conservou no Porto de Lisboa, por muitos mezes. Estas grandes prevensoens moverão a Corte de Madrid, a procurar os meyos da pacificação, e se compuzerão as diferenças pela mediação do Rey Christianissimo, na Cidade de Pariz no dia [16] de [Março] de 173676.

[p. 433]

Anno de 1737

791O crescido número de armas, e de monissoens de Guerra que El Rey Dom João havia mandado para a provincia de Alentejo, devião ser conservados no armazem Provincial; para este fim mandou Sua Magestade fundar a sumptuoza Caza de armas no Castello de Estremoz; esta obra foi dezenhada pelo capitão Ingenheiro Carlos Andreis; nella se acomoda o armamento para 40$. homens. Hé obra digna de se mostrar a qualquer viajor [sic] de bom gosto.

Anno de 1738

792Com o mesmo zello, e actividade cuidou o Conde de Atalaya em formar hum armazem para acommodação do fardamento, e dos arreyos do Parque de Artilharia do Exercito, que tambem foi feito no castello, e ultimamente o Armazem da Polvora, pelo risco do Ingenheiro Mor do exercito Manoel de Azevedo Fortes.

[p. 434]

Anno de 1740

793O Estabelicimento dos Portuguezes no Estado da India se via vacilante, pelas conquistas, que fes o Maraté, das fortalezas que seguravão as provincias de Salcete, e Bardez. Para se restaurarem estas praças determinou El Rey Dom João V mandar àquelle Estado hum socorro de 2$. homens tirados por destacamento dos Regimentos do Algarve, Setubal, Cascáes, e Peniche, com hum corpo de cem Artilheiros, tirados do Regimento de Estremoz, e nomeou para Vice-Rey do Estado, a Dom Luiz de Menezes Marquez do Louriçal.

794Não pertendia o Rey mandar soldados involuntarios; mandou convidar aos que havião ir, para o servirem por tempo de seis annos. O General da Artilharia de Alentejo mandou ler na frente do Regimento de Artilharia de Estremoz a carta que havia recebido da Secretaria de Estado, para o dito convite e sem dilação se offereseu todo o Regimento para ir servir na India, e Sua Magestade mandou agradeser ao Regimento a sua generoza offerta, por carta que o dito General [p. 435] mandou ler na frente do Regimento, e delle se tirarão os cem soldados todos solteiros, dos quais nenhum quis voltar para o Reyno.

795Este corpo de Artilheiros, disciplinado pelo coronel Frederico Jacob de Weinoltes, levava dezaseis pessinhas de Artilharia, que acompanhavão os Batalhoens, e cobrião os flancos dos mesmos, disparando cada huma vinte tiros por minuto, e todas 320 tiros. Estes Artilheiros servirão utilmente ao Estado, e se acharão na restauração das provincias de Salcete, e Bardez, e na batalha de 8 de Junho de 1741, em que o exercito do Maratá foi desbaratado.

796Ao Marquez do Louriçal sussedeu o Marquez de Alorna, em cujo Governo servirão na conquista das praças de Alorna, Bicholim, e Rari, e no Governo do Vice-Rey Marquez de Tavora, servirão na Guerra que elle fes ao Rey de Sunda, e tiverão grande parte na conquista da importante praça de Piro, e de outras.

[p. 436]

Anno de 1762

797A boa armonia, em que as duas nassoens, Castilhana, e Portugueza vivião havia muitos annos, se vio perturbada neste anno de 1762. Havião as Coroas de França, e Castella declarado a Guerra ao Rey de Inglaterra, e como as armadas Inglezas se recolhião nos portos de Portugal, o que era noscivo à navegação dos Francezes, e Castilhanos, pertenderão as duas Coroas aliadas, que Portugal se separase da sua antiga aliança, e que fechase os portos aos Inglezes, e vendo que o Rey Fidelissimo se não queria separar do seu antiguo aliado, lhe declararão a Guerra.

798O exercito Castilhano Comandado pelo Marquez de Sarria, entrou em Portugal, e se senhoriou das praças de Chaves, Miranda, Almeida, Salvaterra, Alfayates, que se lhes entregarão quaze sem rezistencia, e se emcaminhava para a provincia de Alentejo, parando em Villa Velha, por não poder passar o Rio Tejo, cuja margem opposta era defendida por alguns Regimentos Inglezes e Portuguezses.

799[p. 437] O Rey de Inglaterra ma[n]dou logo de socorro a Portugal o Regimento de Cavallaria de Borgonha, e quatro de Infantaria, às ordens de Milord Tirale Carlos Hoar nacido em Lisboa, e para governar o exercito Portuguez, veyo de Alemanha Guilherme Conde Reynante de Schomburg Lippe trazendo por Ajudante General Dom João Henrique de Bóme, que depois foi commandante, em chefe do Exercito Portuguez no Brazil, na Guerra do Sul.

800Erão Tenentes Generais do Exercito Portuguez, Dom Pedro de Menezes Marquez de Marialva, Dom Luiz de Portugal e Gama, Dom Rodrigo Antonio de Noronha, Dom João de Lancastre que foi Conde da Louzãa, General da Cavalaria Dom Duarte da Camara Marquez de Tancos, General da Artilharia o Conde da Cunha Dom Antonio Alvares da Cunha, Marechais de Campo os Condes dos Arcos, Santiago, de Soure, Manoel de Bessa, Jozeph Félis da Cunha, João Alexandre de Chermont, Manoel Bernardo de Mello e Castro, depois Visconde da Lourinhãa, Jozeph Leite de Souza.

[p. 438]

Anno de 1763

801O Conde de Lippe em toda a Campanha do anno de 1762, se poz na defenciva; e fazendo marxas e contramarxas deteve os innimigos que erão superiores em forsas, e para o nosso Exercito poder obrar offencivamente se fizerão grandes levas por todo o Reyno. O Conde da Cunha General da Artilharia, levantou em Estremoz oito Companhias de secenta homens cada huma, tiradas da villa, e termo, as quais se unirão ao Regimento de Artilharia, o qual ficou constando de vinte e oito Companhias e todo elle de 1$680 praças.

802Portugal seguindo o exemplo das nassoens da Europa, tomou a seu soldo dois Regimentos de Infantaria Suissos, dos quais erão Coroneis Gabriel Torman, e Henrique de Sausour. O primeiro foi aquartelado na cidade de Portalegre, e por cauza das Malignas que o oppremião foi mudado para Villa Viçoza, e nesta villa se ateou a epedimia de modo que em dois mezes faleserão mais de 700 moradores. O Marechal [p. 439] General para que o regimento melhorase de clima, ou (o que hé mais provavel) para afastar a epedemia do quartel General, em que elle assistia, o mudou para Estremoz.

803Governava a Provincia Jozeph Félis da Cunha, que assistia em Estremoz, com os mais Generais Portuguezes, o qual ponderando que as malignas, de que o Regimento estava infecionado podião ser originadas de falta de limpeza passou ordem aos Comandantes das Companhias que de noite fizesem lavar os soldados no lago, o que effectivamente se executou por tempo de quinze dias, o que bastou para a total extinção daquella molestia, e então principiarão os Suissos a fazer o serviço da praça.

804O Marechal Conde de Lippe com incansavel desvello disciplinou as Tropas Portuguezas, fes o Regulamento Militar de todas ellas, Restituhio aos postos Subalternos a estimação que lhes era divida, abolio a nosciva, e escandaloza pratica de se servirem os Generais com officiais Militares. Para que a praça de Elvas se pudese melhor defender, fortificou a Serra de Nossa Senhora [p. 440] da Graça, dezenhando a fortaleza que ali se ademira, chamada o Forte de Lippe.

805O mesmo Marechal General marcou hum Campo de paz, no qual o Exercito puzese em prática todas as operasoens militares, que se costumão fazer à vista do Exercito innimigo, e para isto escolheo o Campo branco meya legoa distante de Estremoz. Constava elle de quinze Regimentos de Infantaria, sinco de Cavallaria, com hum parque de sincoenta Pessas de Artilharia, e de dois Obuzes.

806Toda esta tropa entrou no Campo no dia ... de Outubro de 1763, e promptamente armou as barracas, occupando a Infantaria o dilatado valle, defendendo a Cavallaria os Lados do Exercito; a Artilharia estava plantada em huma montanha, que cobria o costado do Exercito, e dominava a campanha. O Regimento de Suissos de Torman, occupava a Serra da Cruz dos Caldeireiros, e para a sua defença, tinha huma bataria de quatro pessas de Artilharia, e o regimento de Voluntario[s] Reais andava volante.

807[p. 441] Hum mês esteve o Exercito acampado neste Sitio, exprimenta[n]do grande abundancia de viveres, e hum tempo sereno; e no dia ... de Novembro, destinado para o ensayo de huma Batalha, veyo Sua Magestade com a familia Real de Villa Viçoza, a ver o brinco, que se fes com toda a perfeição, ficando muito satisfeito da destreza, e disciplina das tropas; e no dia seguinte se levantou todo o Campo, e os Regimentos marxarão para os seus quarteis; e o parque de Artilharia se recolheu a Estremoz.

Anno de 1764

808Nomeou Sua Magestade a Manoel Bernardo de Mello de Castro depois Visconde da Lourinhãa, para Governador da praça de Elvas, o qual conseguio do Ministerio que mudase o quartel do Regimento de Artilharia para a Cidade de Elvas, o qual sahio de Estremoz no dia ... de ...e a vedoria no dia ... do .... . Sussedendo depois no Governo das armas da Provincia, fes imprudentemente mudar o parque de Artilharia para Elvas, [p. 442] e a mesma Artilharia das Muralhas; o mesmo fes à de Olivença, deixando estas duas praças inteiramente dezarmadas.

Anno de 1778

809Pela mudança do Regimento da Artilharia de Estremoz para Elvas, ficou a primeira sem goarnição alguma, sendo o Regimento de Milicias obrigado a fazer o serviço diario da praça, o que era incomodo para os moradores da villa, aos quais o serviço militar fazia perder os intereses das suas Cazas. Movido o Senado desta Concideração, supplicou à Rainha Nossa Senhora, lhe fizese a merce de mandar prezidiar a praça de Estremoz por qualquer regimento de Infantaria da Provincia.

810Attendendo a dita Senhora à justificada supplica do Senado determinou, que o primeiro Regimento de Infantaria de Olivença, de que era Coronel Antonio de Mello Senhor de Ficalho, deixando o seu antiguo quartel, se muda-se, e estabelecese na praça de Estremoz, o qual [p. 443] entrou neste novo quartel no dia 13 de Janeiro de 1778. Os Officiais do Regimento e os Soldados que tinhão bens em Olivença, forão pedindo passagem, ou Reforma, que lhes foi concedida, e o Regimento se foi reclutando com Soldados de Estremoz, e do seu termo.

Anno de 1779

  • 77 Este capítulo não tem parágrafos.

811Havendo Sua Magestade voltado à Provincia de Alentejo no Outono de 1779, lhe fes o Senado huma petição, pedindo-lhe quizese conceder à villa de Estremoz o titulo de Cidade. Deste requerimento se dará cópia no livro [VI] capit.[VI] §77. Mandou a dita Senhora remeter o Requerimento à Meza do Desembargo do Paço, e este o mandou emformar pelo Provedor de Evora Bernardo Jozeph de Lemos Vianna, ouvindo a Camara por escripto, o que ella fes, e se verá nestas memorias. O Provedor não informou favoravelmente; porem o despacho se haveria conseguido, se a saude e vida do Senhor Rey Dom Pedro III dura-se mais.

[p. 444]

Anno de 1794

  • 78 O autor refere-se, provavelmente, ao acordo de auxílio mútuo no caso de um ataque francês, estipula (...)

812A fatal revolução que mudou a forma de governo da Monarchia Franceza em Republicano perturbou o Socego Publico da Europa. A nova Republica Franceza declarou a Guerra ao Rey Catolico Dom Carlos IV; e este vendo invadidos os seus Estados, pelas Tropas Republicanas, pedio à Rainha Fidelissima o socorro estipulado no tratado, que a sua Coroa havia concluido com a de Portugal no anno de 17[93]78.

813Sua Magestade Fidelissima mandou logo apromptar 6$. homens de Infantaria, em seis Regimentos, dois da Cidade do Porto, hum de Peniche, hum de Cascais, hum de Lisboa, e o primeiro de Olivença; do primeiro Regimento do Porto era Coronel João Correa de Mello, do segundo Dom João Correa de Sáa, do de Peniche Antonio Franco de Abreo, do de Cascais o Monteiro Mor Francisco de Mello e Cunha, do de Lisboa, Dom Francisco Xavier de Noronha, e do de Olivença João Jacob Mestral.

  • 79 Oficial escocês então a residir há longos anos em Portugal. Cf. Ângelo RIBEIRO, “Da morte de D. Jos (...)

814[p. 445] Este Exercito Auxuliar era Governado pelo Tenente General João Forbes Skellater79; e erão Marechais de Campo Dom Francisco Xavier de Noronha, e Dom Antonio de Noronha. Levou hum bom parque de Artilharia e embarcou no porto de Lisboa em ... Navios, comboyados por ... Fragatas de Guerra, no dia ... de ... de 1794, e felismente chegarão à Bahia de Rosses, em Catalunha no dia 13 de Novembro.

815Sem o menor descanço marcharão os Portuguezes para o Exercito, que estava à vista dos Francezes, em Serete, e por ordem do General Conde de la Union, atacarão as batarias dos Francezes, no dia 18, e depois de huma obstinada peleja, ganharão a Artilharia de seis batarias, e obrigarão os innimigos a abandonar o Campo e a bagagem. Em todo o tempo que durou aquella guerra mostrou a tropa Portugueza grande valor, e exacta disciplina, e concluhio a campanha com a conquista de Serdenha, que ganhou por assalto geral.

816[p. 446] Concluida a paz entre a Republica Franceza e o Rey Catolico embarcarão as Tropas Portuguezas no Porto de Barcellona no dia 28 de Outubro de 1795, em vinte e seis Navios Hispanhois, Comboyados por duas Fragatas de guerra da mesma nassão e obrigados de hum temporal arribarão a Málaga no dia 5 de Novembro, e sahirão deste Porto, no dia 29, e entrarão no de Lisboa no dia 10 de Dezembro de 1795.

817O General Forbes, fes a sua jornada por terra, e chegando a Madrid, recebeu distintas honras do Rey Catolico, que o creou Grão Cruz da Ordem de Carlos III, e chegando a Lisboa, foi bem recebido do Principe Regente, que o fes Grão Cruz da Ordem de Aviz; aos mais officiais fes o mesmo Senhor avultadas merces, assim como às mulheres dos que havião falecido na Campanha.

[Páginas 447 a 460 em branco]

[p. 461]

Livro [VI]. Cap. I

818Todos os Eruditos sabem, que os Alcaides Mores dos Castellos, erão os Governadores nactos destas fortalezas. El Rey Dom Affonso III fundou os muros do Castello de Estremoz no anno de 1269; com tudo ainda que o seu Castello era importante, e a sua Alcaidaria Mor muito rendoza, não tenho podido alcansar noticia dos que tiverão este emprego, ate ao Reynado de El Rey Dom Fernando. Os Alcaides Mores de Estremoz sempre conservarão nesta villa hum Loco Tenente do Castello, que he pessoa principal, e hum Almoxarife ou Juiz dos Direitos Reais com seu Escrivão. O Catalogo dos Alcaides Mores hé o seguinte.

8191. Lourenço Dias foi nomeado Alcaide Mor de Estremoz no anno de 136 ... por El Rey Dom Fernando; delle não tenho noticia do que obrou no seu governo. Suponho que morreo pelos annos de 1371, porque no anno seguinte fes El Rey Dom Fernando merce da Alcaidaria, a

820[p. 462] 2. Joanne Mendes de Vasconcellos Tio da Rainha Dona Leonor Tellez sussedeo na dita Alcaidaria Mor no anno de 1372; El Rey Dom Fernando lhe emcarregou a defença do seu Castello com muita particularidade no tempo da Guerra, que teve com Dom João I Rey de Castella. E continuou o seu governo no Reynado do dito Monarcha, e no tempo da Regencia da Rainha Sua Sobrinha, foi expulsado do castello pelo povo no anno de 1383.

8213. O Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira foi nomeado Alcaide Mor de Estremoz por El Rey Dom João I no anno de 1384. Governou por seu Loco-Tenente Lopo Gonçalves, natural de Estremoz. Sedeu da Alcaidaria Mor a favor do

  • 80 Cf. Mafalda Soares da CUNHA, Linhagem, parentesco e poder. A Casa de Bragança (1384-1483), p. 66.

8223.[sic] Senhor Dom Affonso I Duque de Bragança, filho de El Rey Dom João I, quando cazou com sua filha a Condeça Dona Brites Pereira, herdeira da sua Caza. Faleseu o Duque Dom Affonso na villa de Chaves a ... de [Dezembro] de 146[1]80 e jaz na Igreja dos Religiozos Capuchos da [p. 463] provincia da Soledad; sussedeu lhe seu filho Dom Fernando.

  • 81 Cf. A. ZÚQUETE, Nobreza..., vol. II, p. 439.

8234. Dom Fernando I do nome, e segundo Duque de Bragança, sussedeo nesta Alcaidaria a Seu Pay no anno de 146[1], e governou ate [1] de [Abril] de 14[78]81 em que faleseu, e jaz na Igreja de Santo Agostinho de Villa Viçoza. Foi seu Loco-Tenente Mem Rodrigues Talleigo Commendador da Ordem de Santiago.

8245. Dom Affonso filho terceiro do Duque Dom Fernando I e da Duqueza Dona Joanna de Castro, cazou com Dona Maria de Noronha II Condeça de Odemira. Seu Pay para o cazar com esta Senhora, o dotou com a Alcaidaria Mor de Estremoz, por huma Escriptura feita em Villa Viçoza no dia 2 de Janeiro de 1465, e confirmada por El Rey Dom Affonso V em Estremoz, no dia 7 de Janeiro do mesmo anno. Para ivitar a tempestade, que se levantou contra a Caza de Bragança se retirou para Castella, com sua mulher, e filhos, e morreo em Sevilha no anno de 1483.

825[p. 464] Dom Vasco Coutinho Conde de Borba, El Rey o fes Conde da Villa de Borba, por lhe haver descobrido a Conjuração do Duque de Vizeu, e lhe deu a Alcaidaria Mor de Estremoz; depois da retirada do Conde de Odemira para o Reyno de Castella.

8267. Dom Sancho de Faro III Conde de Odemira filho dos Condes Dom Affonso e Dona Maria de Noronha, foi chamado por El Rey Dom Manoel no anno de 1496, e lhe restituhio a Caza de Odemira, e a Alcaidaria Mor de Estremoz, compensando ao Conde de Borba Dom Vasco a renda da Alcaidaria Mor, e mudando lhe o titulo de Borba para o de Conde do Redondo. Faleceu o Conde Dom Sancho de Faro no anno de 1521.

8278. Dom Sancho de Noronha IV Conde de Odemira filho de Dom Affonso filho primogenito do III Conde, sussedeu na Caza de Odemira, e na Alcaidaria Mor de Estremoz ao Conde Dom Sancho Seu Avo, no anno de 1521, e faleceo no anno de 1573.

828[p. 465] 9. Dom Affonso de Noronha V Conde de Odemira sussedeu na Caza, e Alcaidaria Mor, no anno de 1573. Acompanhou a El Rey Dom Sebastião na infeliz jornada de Africa, e faleseo com elle na Batalha de Alcacere a 4 de Agosto de 1578.

82910. Dom Sancho de Noronha VI Conde de Odemira, filho Postumo do Conde Dom Affonso naceo no anno de 1579; e sussedeu a Seu Pay na Caza de Odemira, e na Alcaidaria Mor de Estremoz. Faleseu em Lisboa em 12 de Dezembro de 1641, deixando huma filha herdeira chamada Dona Maria de Noronha, que foi VII Condeça de Odemira; porem a Alcaidaria Mor de Estremoz, se emcorporou na Caza de Bragança, e depois deste tempo tem sido possuida pelos Serenissimos Duques de Bragança.

Cap. II. Catalogo dos Commendadores Mores

830A dignidade de Commendador Mor da Orde[m] Militar de S. Bento de Aviz, corresponde [p. 466] à dignidade de Balio na Ordem de Malta; era a mayor dignidade da Ordem depois do Mestrado, e quando havia Mestres, morto qualquer delles, na vacancia Governava o Commendador Mor a Ordem, em quanto não se fazia a eleição de novo Mestre. Esta dignidade pertencia ao Commendador de Santa Maria da Villa de Estremoz. O Catalogo dos Commendadores Mores hé o seguinte:

8311. Dom Simão Ermiges foi nomeado Commendador Mor da Ordem de Aviz, no anno de 1226, servio aos Reys Dom Sancho II e Dom Affonso III e morreo no anno de 1260.

8322. Dom Pedro Yannes foi nomeado Commendador Mor no anno de 1260, servio a El Rey Dom Affonso III, e morreo no anno de 1268.

8333. Dom Egas Martins foi nomeado Commendador Mor no anno de 1268, servio aos Reys Dom Affonso III, e Dom Diniz, e faleseo no anno de 1290.

834[p. 467] 4. Dom João Martins, foi nomeado Commendador Mor no anno de 1290, servio a El Rey Dom Diniz, e faleceo no anno de 1296.

8355. Dom Lopo Affonso, foi nomeado Commendador Mor, no anno de 1296, servio a El Rey Dom Diniz, e faleseo no anno de 1300.

8366. Dom Arias Peres foi nomeado Commendador Mor no anno de 1300, servio a El Rey Dom Diniz, e faleceo no anno de 1321.

8377. Dom Affonso Mendes foi nomeado Commendador Mor no anno de 1321, servio aos Reys Dom Diniz, e Dom Affonso IV, faleseu no anno de 1330.

8388. Dom Vasco Esteves, foi nomeado Commendador Mor no anno de 1330, servio a El Rey Dom Affonso IV, e morreo no anno de 1332.

8399. Dom João Annes, foi nomeado Commendador Mor no anno de 1332, servio a El Rey Dom Affonso IV, e faleceo no anno de 1349.

840[p. 468] 10. Dom Vasco Martins, foi nomeado Commendador Mor no anno de 1349, servio aos Reys Dom Affonso IV, Dom Pedro I, e Dom Fernando, e faleseo no anno de 1370.

84111. Dom Fernando Rodrigues de Sequeira, foi nomeado Commendador Mor no anno de 1370. Servio aos Reys Dom Fernando, e Dom João I e deste ultimo foi muito estimado pelos importantes serviços que lhe fes, foi Commendador Mor ate ao anno de 1386, no qual foi promovido ao Mestrado pela dimissão, que delle fes El Rey Dom João I e foi o XXIV Mestre da Ordem de Aviz, faleceo no anno de 1434.

84212. Dom Lopo Vasques, pela promossão de Dom Fernando Rodrigues de Sequeira ao Mestrado, foi nomeado Commendador Mor no anno de 1386, servio a El Rey Dom João I e morreo no anno de 1431.

84313. Dom Garcia Rodrigues, foi nomeado Commendador Mor no anno de 1431, servio aos Reys Dom João I, Dom Duarte, Dom [p. 469] Affonso V e Dom João II e faleseu no anno de 1492.

84414. Dom Pedro da Silva, sussedeu na dignidade de Commendador Mor a Dom Garcia Rodrigues de Sequeira no anno de 1492, servio aos Reys Dom João II, e Dom Manoel, e faleseu no anno de 1513.

84515. Dom Luiz de Lencastre, filho do Senhor Dom Jorge Mestre das Ordens de Santiago e Aviz, foi nomeado por Seu Pay na dignidade de Commendador Mor da Ordem de Aviz em 26 de Abril de 1513, foi Embaixador de El Rey Dom Sebastião a Castella, e faleseu no anno de 1574.

84616. Dom Luiz de Lencastre, filho do presedente, sussedeu lhe na Commenda a 15 de Fevereiro de 1574 acompanhou a El Rey Dom Sebastião na jornada de Africa, e ficou ferido e Captivo na Batalha de Alcacere no dia 4 de Agosto de 1578. Resgatou se por doze mil cruzados, e voltando para o Reyno, foi concelheiro de Estado e vedor da Fazenda, faleseo no 1° de Junho de 1613.

847[p. 470] Dom Francisco Luiz de Lencastre sussedeo na dignidade de Commendador Mor no anno de 1613. Achava-se em Madrid no 1° de Dezembro de 1640, quando El Rey Dom João IV foi aclamado em Lisboa, e se deixou ficar em Castella no serviço do Rey Catolico, que lhe deu o titulo de Conde de Alcanede, e faleceo em Madrid em 17 de Fevereiro de 1667.

84818. Dom Jozeph Luiz de Lencastre III Conde de Figueiró sussedeo na Commenda Mor, em 17 de Outubro de 1673. Servio de Deputado da Junta dos Tres Estados, e foi Prezidente do Senado de Lisboa. Faleceo em 11 de Dezembro de 1687.

84919. Dom Luiz de Lencastre IV Conde de Villa Nova de Portimão sussedeo na dignidade de Commendador Mor em 27 de Agosto de 1688, e faleceo a 18 de Janeiro de 1704.

85020. Dom Pedro de Lencastre V Conde de Villa Nova sussedeu na Commenda Mor no dia 5 de Fevereiro de 1704. Foi Deputado da Junta dos Tres Estados, e vedor da Fazenda. Faleseu em 29 de Mayo de 1752.

  • 82 Veja-se nota 33, p. 153.

851[p. 471] 21. Dom Jozeph de Lencastre VI Conde de Villa Nova naceo em 13 de Fevereiro de 1742. Sussedeu na dignidade de Commendador Mor ao Conde Dom Pedro seu Avo a ... de Outubro de 1752, e Faleceo[a 23 de Maio de 1779]82.

[p. 472]

Cap. III. Catalogo dos Governadores da praça de Estremoz

8521. Dom João de Azevedo, natural de Estremoz, Almirante de Portugal, Commendador de Jurumenha, Claveiro da Ordem de Aviz, foi Governador de Estremoz, nomiado pelos Governadores do Reyno, depois da morte do Cardeal Rey. Regeitou as grandes merces, e despachos, que lhe offiricia o Ministerio Hispanhol, para que elle entregase o Castello de que era Governador aos Castilhanos. Depois da Sugeição de Portugal aos Reys de Castella, não teve Estremoz Governador algum ate ao tempo de Aclamação, porque as Companhias de Ordenanças erão Governadas pelo Capitão Mor da Villa.

8532. Jeronimo de Mello de Castro Fidalgo da Caza Real, Commendador da Ordem de Christo, e Couteiro Mor da Caza de Bragança, foi Governador de Estremoz, no tempo da Aclamação, empregou-se com grande desvello [p. 473] na fortificação da praça, e mandou della repetidos socorros às praças da fronteira, quando erão invadidas pelo innimigo; sussedeu-lhe no Governo.

8543. Antonio de Souza de Menezes por Patente de El Rey Dom João IV datada em Lisboa em 27 de Junho de 1643; servia à sua custa. Continu-ou as obras da fortificação, e socorreo com zello, e promptidão as fronteiras.

8554. Ruy de Brito Falcão (*) havia servido com o posto de Capitão de Cavallos. O Povo o pedio para Governador, e Sua Magestade lhe mandou passar a patente em Lisboa, a 11 de Abril de 1645; tinha 36$ reis de soldo por mez. Continuou a fortificação com grande zello, e no mesmo anno lhe sussedeu

8565. Luiz da Lomba e Araujo por Patente de Sua Magestade, datada na villa de Monte Mor o Novo, em 7 de Dezembro de 1645.

8576. Gabriel de Castro Barboza Coronel de Infantaria, achei que era Governador Proprietario em 4 de Março de 1654.

---

(*) Natural de Estremoz, filho de Sebastião de Pinna Falcão, senhor de dois Morgados na dita villa, e de Dona Jozepha da Cunha, filha de Luiz da Gama Pereira; foi Coronel de Infantaria na Provincia de Alentejo.

858[p. 474] 7. Diogo Leite do Amaral Coronel de Infantaria, El Rey Affonso VI o nomeou Governador de Estremoz por patente de 20 de Junho de 1659.

8598. João Ribeiro do Couto Capitão de Courasas e Cavalleiro da Ordem de Aviz, pelos Servisos que havia feito, foi nomeado Governador de Estremoz por El Rey Dom Affonso VI em 10 de Março de 1661.

8609. Affonso Furtado de Mendoça, Mestre de Campo General, e Concelheiro de Guerra foi nomeado Governador de Estremoz, pelo Conde de Villa Flor, no anno de 1663, quando o Principe Dom João de Austria penetrou com o Exercito Castilhano ate à Cidade de Evora.

86110. Antonio Jaques de Paiva General da Artilharia, foi nomeado Governador de Estremoz, como consta do Bando, que mandou deitar na praça no dia 8 de Junho de 1664, para que nenhum Auxuliar se abzentase da praça, sem licença do seu capitão registrado no livro das veriasoens aos 86 vs°.

862[p. 475] 11. João de Mello de Castro Coronel de Infantaria, Fidalgo da Caza Real, e Irmão do I Conde das Galveyas foi nomiado Governador de Estremoz pelo Principe Regente; em seu tempo se adiantou a fortificação e se fes a Porta de Santo Antonio.

86312. Antonio Lobo de Saldanha Moso Fidalgo da Caza Real, foi nomiado Governador de Estremoz por El Rey Dom Pedro II. Servia em 15 de Julho de 1699.

86413. Jozeph Pessanha de Castro (*) Marechal de Campo foi Governador de Estremoz, e servia em 18 de Agosto de 1704.

86514. Christovão Correa Freire, Marechal de Campo, foi Governador de Estremoz, e servia em 24 de Novembro de 1706.

86615. Diogo Soares de Bulhoens Marechal de Campo, servio com credito em toda a guerra da grande Aliança, achando-se nas batalhas de Almança, Saragoça, e Birsega, e recolhido ao Reyno no anno de 1713. Foi nomeado Governador de Estremoz com a patente

---

(*) filho de Jorge Pessanha Comendador da Povoa na Ordem de Cristo e de Dona Magdalena de Castro, filha de Dom Manoel Coutinho Governador de Angola, servio na Guerra da Aclamação, sendo Commissario Geral de Cavalaria e Mestre de Campo em Elvas, e em 1704, Marechal de Campo, e Governador de Estremoz.

867[p. 476] de Marechal de Campo, faleceo em Estremoz no dia 25 de Abril de 172 ...

86816. Francisco Pereira de Lacerda Fidalgo da Caza Real, servio na Guerrra da liga no Regimento de que era Coronel Seu Pay Alvaro Pereira de Lacerda Irmão do Cardeal Jozeph Pereira de Lacerda. Recolhido ao Reyno no anno de 1713, passou de Capitão de Infantaria para Capitão de Cavallaria, e ultimamente foi nomeado Governador de Estremoz, com patente de Coronel em 20 de Dezembro de 1724. Faleceu a ... .

86917. Antonio Luiz de Madureira Perada Lobo, Fidalgo da Caza Real, Marechal de Campo, naceo em Chaves em 2 de Março de 1683. Governador de Chaves em 19 de Agosto de 1728, foi nomeado Coronel e Brigadeiro do Regimento de Dragoens de Beja, levantado de novo, por patente de 8 de Agosto de 1735. Havia servido com credito em toda a Guerra da Grande Aliança, achando-se na Conquista das praças de Valença, Albuquerque, Cidade Rodrigo, Carbajalles, Alnanisses, e Poebla, e na Restauração da Cidade de Miranda. Com o seu [p. 477] Regimento, sendo Tenente Coronel, desbaratou junto de Campo Mayor oito Esquadroens de cavallaria Governados pelo Marquez de Lourensana, no anno de 1708 aprizionando ao Coronel do Regimento de La muerte, Dom Antonio de Leiva, e no anno de 1709 se achou na Batalha da Godinha, acompanhando sempre a Infantaria com 150 Cavallos, resto do seu Regimento. Foi nomeado Governador da praça de Estremoz com patente de Marechal de Campo em 4 de Novembro de 1751. Governou as vedorias, e armas da Provincia de Alentejo por Carta Regia de 30 de Novembro de 1756. Faleceo em Estremoz em 6 de Junho de 1757 de idade de 74 annos, e foi sepultado na Cappella mayor do Convento de Santo Antonio.

87018. Agostinho da Cunha Sotto Mayor Fidalgo da Caza Real, e Marechal de Campo, servio na Guerra da Grande Aliança, e se achou na batalha de Almança, em que ficou prizioneiro, e depois de trocado, continu-ou o serviço na fronteira de Portugal. Sendo Ajudante das ordens do Conde da Ribeira entrou com elle na praça de Campo Mayor [p. 478] já Sitiada pelo innimigo, servindo com grande valor no dito Sitio. Foi depois Coronel; e Brigadeiro de Infantaria, Marechal de Campo e Governador da praça de Estremoz, por patente de ... de ... de 17.. . Obrigado de graves molestias, pedio a sua demissão, que lhe foi concedida; e se retirou para Villa Viçoza aonde faleceu.

  • 83 D. Sancho de Faro e Sousa governou a praça de Estremoz pelo menos entre 1768 e 1779. Cf. T. FONSECA (...)

87119. Dom Sancho de Faro IV Conde do Vimieiro, naceo em 30 de Abril de 1735. Foi Coronel do Regimento de Infantaria de Lagos, com o qual servio na Guerra de 1762 e feita a paz foi nomeado Brigadeiro, e Governador de Estremoz por patente de ... de ... de 176 ...83. As dependencias da sua Caza o obrigarão a pedir o Governo do forte de Santo Antonio de Cascais. Faleceu nas Caldas da Rainha.

87220. Diogo da Cunha Sotto Mayor, Fidalgo da Caza Real, Cavalleiro da Ordem de Christo Brigadeiro de Cavallaria, foi filho de Agostinho da Cunha Sotto Mayor, de quem já se falou. Naceo em Estremoz em ... de [p. 479] ... de 1720; principiou o serviço levantando huma Companhia de Cavallos à sua custa no anno de 1735; na Guerra de 1762 servio, sendo Sargento mayor do Regimento de Cavallaria de Olivença. E na paz foi Coronel do de Almeida, e ultimamente, Coronel e Brigadeiro do Regimento de Cavallaria de Evora. Foi nomeado Governador de Estremoz, por patente de ... de ... de 178 ... . Não tomou posse, por haver falecido em Evora a ... .

87321. João de Ana Castello Branco Coronel, e Brigadeiro de Infantaria, servio no Regimento de Infantaria de Elvas, e depois em Angola, aonde foi Ajudante do Governador do Estado Dom Antonio de Almeida I Marquez do Lavradio; dali passou para coronel do Regimento de Infantaria do Pará, e restituido ao Reyno, foi feito Governador da praça de Olivença, de cujo governo foi mudado, para o da praça de Estremoz, por patente de ... de ... de 179 ... . Governou ate ao fim do anno de 1796, em que foi Reformado com a patente de Brigadeiro.

874[p. 480] 22. João Vasco Manoel de Brau, Coronel do Corpo Real dos Ingenheiros, filho de João Francisco Brau, e de Dona Anna Pereira Neves, naceo em Estremoz em ... de ... de 17 ... . Servio em Setubal, aonde foi Sargento Mor da Praça, e dali foi servir no Estado do Pará, e voltando para o Reyno, foi feito Tenente Coronel no Corpo dos Ingenheiros, e depois nomeado Governador de Estremoz com patente de Coronel, por Decreto de 5 de Setembro de 1796. He cavalleiro da Ordem de Christo.

875[Texto acrescentado posteriormente, por outro autor]: Antonio Tavares Maggene de Carvalho, Fidalgo Cavalleiro da Casa Real, Commendador Professo na Ordem de S. Bento de Aviz, Coronel de Infantaria do Exercito, foi nomeado Governador da Praça de Estremoz, por Decreto de Sua Magestade de 18 de Fevereiro de 1809; hé Irmão do Tenente General Francisco de Paula Maggene, que foi Governador e Capitão General da Provincia de Mato Grosso, com puderes de Visse Rei da India, e nasseu na Praça de Castello de Vide aos 20 de Fevereiro de 1771, principiou a Carreira Militar sendo de menor idade, sentou praça de Cadete no Regimento de Infantaria No 8 aos 30 de Novembro de 1778, e no mesmo Regimento seguio athe o posto de Capitão de Granadeiros, e dalli passou a Major no Regimento de Infantaria No 3. Organizou o Batallham de Cavalaria No 1, e foi o primeiro Chefe que teve este Corpo no qual marchou para a Beira Baixa, no principio do anno de 1809, e alli fez a Campanha debaixo das Ordens dos Generais

---

(o) Foi promovido a Brigadeiro em 6 de Fevereiro de 1826 com restituição d’antiguidade de 18 de Dezembro de 1820.

876[p. 481] Francisco da Silveira Pinto e Carlos Ferdrico Licore; reorganizou o Regimento de Infantaria No 3, para entrar de novo em Campanha, na Guerra da Restauração principiada no Anno de 1808. Na Guerra de 1801 onde servio foi incarregado pelo General Commandante do Exercito João Forbes, de hir reconhesser os movimentos do Inimigo na direcção de Elvas, Jeromenha, e Campo Maior, para avizar o dito General de tudo quanto interesasse à segurança do Exercito que Commandava. Na Guerra Peninssolar foi mandado a Hespanha pellos Governadores do Reino para reconhesser os movimentos do Exercito Francez, na Extremadura Hespanhola, Commandado pello Marechal do Imperio, Victor, e para os Communicar a Lord Bresford Marquez de Campo Maior Marechal Commandante em Chefe do Exercito Portugues e ao General de Alemtejo Visconde de Veiros. Commandou interinamente as Praças de Castello de Vide, Salvaterra do Extremo, Sezinbra, e Fortalezas adejassentes na estenção de quatro legoas de Costa de Mar, em tempos muito Criticos; e da mesma forma Governou as Armas da Provincia de Alemtejo, e em todas as Crizes melindrozas, se distinguio a favor de El Rei o Senhor Dom João 6°., tanto na Restauração de 1808 servindo Militar e puliticamente, como ultimamente no anno de 1823 promovendo a Aclamação do mesmo Senhor Rei na Praça de Estremoz, e terras Vezinhas, que com efeito foi nos ditos povos, pellos disvéllos do mencionado Governador Gloriozamente aclamado Sobrano independente da fação Rovolocionaria das Cortes das Necessidades.

[p. 482 Regresso ao texto de Henriques da Silveira]

Cap. IV. Catalogo dos Coroneis do Regimento de Infantaria de Estremoz

877O Regimento de Infantaria de Estremoz se levantou nesta praça no anno de 1707, e nelle sentarão praça muitas pessoas principais da villa. O Catalogo dos seus Coroneis hé o seguinte.

8781. Martim Loppes Lobo de Saldanha foi o primeiro chefe deste Regimento, deixou o serviço no anno de 1708, por não haver sido despachado, como pertendia.

8792. Thomaz da Silva Telles visconde de Villa Nova de Cerveira, e depois Tenente General, concelheiro de Guerra, e Embaixador a Castella foi o segundo Coronel deste Regimento, ao qual elle disciplinou no anno de 1708, e com elle se achou no dia 7 de Mayo do anno de 1709 na batalha da Godinha, aonde se distinguhio, e em todas as occazioens [p. 483] daquella Guerra, e ultimamente no anno de 1712, na defença do sitio da praça de Campo Mayor.

8803. Dom Luiz Manoel, filho primogenito de Dom Pedro Manoel V Conde da Atalaya, havia servido com seu Pay no Principado de Catalunha. Recolheo-se ao Reyno no anno de 1713, quando o Conde de Assumar conduzio por terra as Tropas Portuguezas, que ainda se conservavão em Hispanha, e feita a paz foi nomeado Coronel do Regimento de Estremoz; estando em Lisboa, e acudindo a huma briga, que armarão os seus criados, acudindo a ella, foi desgrasadamente morto, sem ser conhecido dos que brigavão, na noite de 12 de Outubro de 1716, na florente idade de 25 annos.

8814. João Baptista dos Guimarães Feijó, natural da Golagãa, servio com distinção na guerra de Catalunha, sendo Tenente Coronel do Regimento de Infantaria de que era Coronel Paulo Caetano de Albuquerque, e achando-se comandando o seu Regimento, e prezidiando a praça de Lérida, em Catalunha no anno de 1708, foi a dita praça sitiada, [p. 484] pelo Exercito Hespanhol, governado pelo Duque de Orliens, e aberta a brecha, recomendou o Principe Antonio de Esse Darmestad, Governador da praça, a João Baptista a defença della, o que elle fes em duas diferentes noites, rechassando em ambas ellas aos innimigos, com grandissima perda, e depois se achou nas Batalhas de Saragoça, e Biruéga, e nesta ultima ficou prizioneiro. Restituido a Portugal, foi nomeado Coronel do Regimento de Infantaria de Estremoz, e pela mudança do Regimento para Elvas, servio nesta cidade ate ao anno de 1735, em que obrigado dos seus axaques pedio a sua demissão.

8825. Dom Diogo de Faro III Conde do Vimieiro, foi nomeado Coronel do Regimento de Estremoz no anno de 1735. Faleseu em Estremoz em 16 de Fevereiro de 1741, e foi sepultado na Cappella do Senhor dos Passos, jazido da sua familia.

8836. João de Almada e Mello Moso Fidalgo da Caza Real, Alcaide Mor de Palmella, foi nomeado Coronel do Regimento de Infantaria de Estremoz no anno de 1742; depois [p. 485] foi Tenente General, com o Governo das armas do partido do Porto, e juntamente das justiças, e em hum e outro governo eternizou o seu nome, deixando naquella cidade huma saudoza memoria.

8847. Dom Thomaz da Silveira e Albuquerque Commendador da Ordem de Christo, foi nomeado Coronel deste Regimento no anno de 1754 e faleseu a ... .

8858. Dom Pedro Preston Inglez, foi nomiado Coronel do dito Regimento no anno de 1762; acabada a Guerra se retirou para Inglaterra, e lhe sussedeu no emprego

8869. Fr. Jozeph Raimundo Chichorro da Gama Lobo Cavalleiro da Ordem de Malta. Embarcou com o seu Regimento para o Rio de Janeiro a ... de ... de 176 ... e com elle servio na Guerra do Sul, na qual se distinguio na Conquista da villa e fortes do Rio de S. Pedro.

[p. 486, em branco]

[p. 487]

Cap. V. Catalogo dos Coroneis do Regimento de Artilharia de Estremoz

887Na Provincia de Alentejo havião dez Companhias de Artilheiros, que estavão formando a goarnição das praças da mesma, e no anno de 1735, se unirão todas em Estremoz, e com ellas, e outras dez, que de novo se levantarão na villa e seu termo, se formou o Regimento de Artilharia, que tem o nome de Estremoz, o qual ficou constando de mil e duzentas praças. Este Regimento foi o seminario de todos os que têm o Reyno e Conquistas.

8881. Pedro de Bastos de Souza, foi o primeiro Coronel, e Brigadeiro deste Regimento, feito no anno de 1735.

8892. João Andre Gazzo natural da Cidade de Genova, Cavalleiro da Ordem de Christo, servio na Guerra da Grande Aliança, acompanhou [p. 488] o Exercito Aliado até Catalunha, e se achou na batalha de Almança, e depois della se recolheo ao Reyno, aonde servio com distinção, particularmente no sitio da praça de Campo Mayor, no qual teve grande parte na defença da brexa. Por morte de Pedro de Bastos foi nomeado Coronel deste Regimento, por patente de ... de ... de 17 ...; depois foi Brigadeiro, e Marechal de Campo, e faleseu em Estremoz a ... .

8903. João Alexandre de Chermont, natural de Pariz, servio no Corpo dos Inginheiros, ate à patente de Tenente Coronel, e por morte de Gazzo foi nomeado Coronel do Regimento de Artilharia, e depois foi Brigadeiro, e faleseu sendo Marechal de Campo, a ... de ... de 17 ... .

8914. Guilherme Luiz Antonio de Valleré entrou a servir no Regimento, por Capitão da Companhia de Bombeiros, depois foi Tenente Coronel do Regimento; o Marechal General Conde de Lippe conhesendo o seu [p. 489] prestimo, zello, e talentos militares, lhe emcarregou a execussão da obra do forte de Lippe, ao que elle satisfes com conhecido zello. Foi nomeado Coronel do regimento de Artilharia, por patente de ... de ... de 176 ... e depois foi Brigadeiro, Marechal de Campo, e Tenente General; faleceu em Lisboa a ... de ... de 179 ... .

8925. Julio Cezar Augusto de Chermont servio no Regimento de Artilharia, aonde era Tenente Coronel, e Lente da Academia Militar, havendo vagado o Regimento pela promossão de Valleré a Tenente General, foi elle nomiado Coronel do dito Regimento e depois Brigadeiro, e no prezente anno de 1797 hé Governador da praça de Almeida.

[p. 490]

Cap. VI. Copia da petição que o Senado da villa de Estremoz apprezentou a Sua Magestade a Senhora Rainha D. Maria I no anno de 1778

Senhora

893O Senado, Nobreza e Povo da Notavel Villa de Estremoz tem a honroza fortuna de exporem na prezença de Vossa Magestade, o Cordeal affecto, conhecido amor, e notoria fidelidade, com que os Moradores da dita villa se tem empregado no serviço de Vossa Magestade, e dos Senhores Reis Seus Augustos Predecessores, desde a Epoca da sua fundação ate aos nossos dias; dispendendo a sua fazenda, perdendo generozamente as vidas no serviço e defença da Monarchia, soffrendo a molestia de [p. 491] continuados alojamentos, não só de particulares tropas, mas ainda de Exercitos inteiros, exprimentando a destruição, e roina de Suas Cazas, sem pedirem o alívio da menor Contribuição.

894Estes Serviços feitos à Coroa na larga diuturnidade de Sinco Séculos, dão aos Supplicantes a prudente esperança, de que hande ser attendidos de huma Soberana, que às heroicas virtudes, de que hé ornada, ajunta o prazer de remunerar os Serviços dos seus vassalos. Movidos os Suplicantes desta concideração, e confiados na Real Clemencia, pedem a Vossa Magestade, se digne (em satisfação de tão dilatados serviços) conceder à villa de Estremoz, o titulo de Cidade.

895Conhesem os Supplicantes, que o amor proprio não hé juiz imparcial das acçoens, obradas pelos seus mayores, com tudo estão persuadidos, de que o titulo de Cidade, compete a huma villa notavel, cujos campos estão coroados com Padroens das victorias, que nelles tem alcansado as armas Portuguezas, não havendo pessoa erudita, qu[e] não saiba, que Estremoz, hé villa notavel, [p. 492] Cabeça de Comarca; Quartel General no tempo da Guerra, e de tão crecida população, e nobreza de idificios, que nellas excede à mayor parte da[s] cidades do Reyno, e que no amor e lealdade dos Seus Soberanos, a nenhuma reconhese ventagem, como se mostrará no Memorial incluzo. Esperão os Supplicantes, que Vossa Magestade usando da Sua Real Clemencia, ache que a dita villa he benemerita da honra pedida.

896Pedem a Vossa Magestade, se digne pela Sua Real grandeza, conceder à dita villa, o titulo de Cidade.

897E[spera] R[eal] M[er]ce

Memorial dos Serviços

898A Historia, sendo a testemunha dos tempos, e pregoeira das verdades, serve de luzente Farol capaz de dicipar as denças trevas, que cobrem [p. 493] o vasto, e escuro paiz da antiguidade. Sem esta Luz ninguem poderá caminhar com segurança por hum paiz, que sempre será obscuro, e impenetravel. Este hé o subcidio necessario, para saber os factos sussedidos nos tempos mais remotos, e este mesmo servirá para provar tudo, o que se allega no incluzo Memorial.

899No Reynado do Senhor Rey Dom Diniz, em que Portugal exprimentou os lastimozos effeitos de hum[a] guerra Civil, originado pelo inquieto Genio, e natural desconfiança do Principe Herdeiro, seguirão os moradores de Estremoz o partido do Rey, ao qual foi tão agradavel a fidelidade destes vassalos, que na dita villa mandou idificar hum Palacio Real, que por muitas vezes foi habitado pelos seus sucessores, e no mesmo faleseu a Rainha Santa Izabel (e) no dia 4 de Julho de 1336.

900Pela morte do Senhor Rey Dom Fernando sussedida no dia 22 de Outubro de 1383, se vio

---

  • 84 Frei Rafael de Jesus, sendo embora beneditino, integra-se na historiografia alcobacense por ter red (...)

(e) Fr. Raphael de Jezus84 na Monarchia Lusitana, Parte 7a livro 8, cap. 10.

901[p. 494] Portugal, dividido em perigozas facçoens, seguindo huns póvos o partido castilhano, e outros, o da Patria, e o Reyno haveria perdido a liberdade, e passado a dominação Estranha, se a Cidade de Lisboa não tomase a generoza resolução de nomiar ao Mestre de Aviz filho do Senhor Rey Dom Pedro I por Defênsor do Reyno, no dia 16 de Dezembro de 1383. O Povo de Estremoz, sem a menor dilação, seguio o exemplo da Capital do Reyno.

902O defunto Rey havia emcarregado a defença do importante Castello de Estremoz a Joanne Mendes de Vasconcellos, Tio da Rainha Dona Leonor Tellez, e este o conservava pela Rainha sua sobrinha; porem os Moradores da villa, sem socorro alheyo, puzerão o castello em appertado sitio, e obrigarão ao Alcaide Mor a entregalo por Capitulação; e senhoriados da fortaleza, emcarregarão a sua defença a hum Escudeiro da villa, e ao Povo miudo, os quais [p. 495] o conservarão pelo Mestre Defensor, em todo o tempo, que durou aquella obstinada, e sanguinolenta Guerra.

903O mesmo espirito patriotico se communicou às mulheres da villa, as quais com animo superior às suas forsas, procurarão distinguir-se no Serviço do Mestre, cujas Reais Qualidades ellas tanto estimavão, que com as suas proprias mãos, matarão a Nuno Rodrigues de Vasconcellos, partidario de Castella, por haver calumniado as gloriozas acçoens daquelle Principe.

904No anno de 1384 tendo os grandes de Hispanha sercado a villa de Fronteira, determinou o General Dom Nuno Alvares Pereira socorrer o Castello Sitiado; e nesta jornada o acompanharão os moradores de Estremoz, e se acharão na Batalha dos Atoleiros, na qual os innimigos padeserão total destruição; e continuando no alcanse dos fugitivos se [p. 496] lhes ganharão os Castellos de Arronches, e de Alegrete.

905No mesmo anno de 1384, sercou o Rey de Castella a Cidade de Lisboa; o sitio teve principio no dia 28 de Mayo, e durou ate ao dia 5 de Setembro. A cidade foi defendida pelo Mestre ao qual acompanhou a Nobreza de Estremoz, fazendo-se participante da gloria que os Portuguezes alcansarão naquelle penozo e arriscado sitio.

906No dia 6 de Abril de 1385 foi o Mestre de Aviz aclamado Rey de Portugal nas Cortes selebradas na Cidade de Coimbra, e reconhecido com o nome de Dom João I. Este assento das Cortes foi logo abrasado pelos povos, que seguião a sua voz, e por outros, que até aquelle tempo seguião o partido de Castella. Esta noticia dezagradavel aos Castilhanos obrigou ao Rey Castilhano a entrar com o seu Exercito em Portugal, dirigindo a sua [p. 497] marcha para Lisboa. O novo Rey lhe disputou a passagem, no Campo de Aljubarrota, e no dia 14 de Agosto destruhio o Exercito Castilhano, e lhe ganhou a bagagem.

907Nesta memoravel batalha se acharão as tropas de Alentejo, que de Estremoz conduzio o Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira; e no anno de 1386 o acompanharão os moradores de Estremoz na batalha de Valverde; o mesmo praticarão na conquista e restauração dos Castellos de Villa Viçoza, Olivença, Portel, Mourão, e outros, que o mesmo Condestavel Ganhou em Alentejo.

908No anno de 1415 acompanharão os Moradores da dita villa ao Senhor Rey Dom João I na Conquista da Cidade de Ceuta, que foi o principio das Gloriozas, e vastas conquistas deste Reyno. Com o mesmo zello, e lealdade servirão aos Senhores Reys Dom Duarte, [p. 498] Dom Affonso V nas conquistas das praças de Alcacere, Arzila, e Tangere, e na Guerra contra Castella; e continuarão o mesmo serviço nos Reynados dos Senhores Dom João II, e Dom Manoel, de Glorioza memoria.

909Este venturozo Monarcha no privillegio concedido à villa de Estremoz por carta, datada em Lisboa no dia 3 de Março de 1500, diz, que em attenção aos muitos, e assinalados serviços, que elle, e o Reyno havia recebido da Mui Nobre villa de Estremoz, e a ser huma das principais villas do Reyno, pela grandeza della, e pela grande affeição que lhe tinha, a unio perpetuamente à Coroa, prometendo não a dar, nem o titulo della, a pessoa alguma, de qualquer qualidade, que fosse, nem a algum de seus filhos, e pelos mesmos termos se explica no Alvará de villa notavel, que lhe concedeu estando em Evora, no dia 5 de Outubro de 1520.

910[p. 499] Não será facil narrar as acçoens obradas pelos moradores de Estremoz, na Africa, Azia e America, no governo dos Senhores Reys Dom João III, e Dom Sebastião, e nos seguintes Reinados, ate aos nossos tempos; elles acompanharão ao Senhor Rey Dom Sebastião, e forão companheiros da sua desgraça, na funesta Batalha de Alcacere no dia 4 de Agosto de 1578.

911Morto o Senhor Rey Dom Henrique, em Almeirim no dia 31 de Janeiro de 1580, sem haver nomeado sucessor do Reyno, se vio Portugal na mayor consternação. Os Portuguezes se dividirão em partidos, huns seguirão o do Senhor Dom Antonio Prior do Crato, outros corrompidos pelo Ministerio Hispanhol abrasarão o partido do Senhor Rey Dom Filippe Prudente, outros o da Senhora Dona Catharina, entre estes, teve a dita Senhora muitos partidarios da Nobreza de Estremoz, aos quais agradeseu o seu serviso, escrevendo lhes cartas, que os descendentes destes, conservão, com a devida estimação.

912Neste tempo, em que tudo era venal, se [p. 500] renderão os Castellos da Fronteira de Alentejo, às dadivas, e promessas do Rey Catolico, de sorte que o Duque de Alva General do Exercito Castilhano não emcontrou rezistencia na fronteira; entregarão-se Elvas, Campo Mayor, e Olivença, e as mais villas de fronteira, antes que o Exercito as avistace, e como este não emcontrou embar[a]ço dirigio a sua marcha ate Estremoz, e se senhoriou da villa baixa, que não era fortificada.

913Havião os Governadores do Reyno emcarregado a defença do Castello a Dom João de Azevedo Almirante de Portugal, e commendador de Jurumenha, natural da villa, para que o entrega-se àquelle, que fosse declarado Sucessor da Coroa; desprezou este Illustre Governador as offertas, que lhe forão feitas pelos Ministros Castilhanos, e as amiassas do Duque de Alva, que à vista da sua resolução atacou o Castello; porem corrompida a goarnição com as dadivas do innimigo se vio o Governador obrigado [p. 501] a dezamparalo, não conceguindo outro premio mais do que a gloria de ser o único, que em Alentejo que rezistio [sic] às armas e aos prémios dos Castilhanos.

914Reconhecido o Governo Hispanhol como ligitimo continuarão os moradores de Estremoz a servir com zello e fidelidade aos Monarchas, que então dominavão no Reyno; e ainda que no tempo do ultimo se revoltasem os Moradores de Evora, e os de outras Povoasoens da Provincia de Alentejo, que reputavão intoleraveis o tributo, com que de novo as pertendia onerar, os Moradores de Estremoz, por não faltarem à obediência divida ao Soberano dezaprovarão o procedimento dos povos amotinados, cuja fidelidade foi agradecida por El Rey Dom Filipe IV por huma honroza carta assinada pela Sua Real mão, datada em Madrid no dia 7 de Dezembro de 1637, e dirigida aos officiais da Camara da villa.

915[p. 502] A famoza Revolução do 1° de Dezembro de 1640, que restituhio a Coroa de Portugal à familia Brigantina, que lhe havia sido usurpada no anno de 1580, abrio aos moradores de Estremoz hum dilatado campo, para darem novas provas de amor, e lealdade, para com os Seus Soberanos. Elles impuzerão sobre si voluntarios tributos, para a fortificação da villa, a que logo derão principio, pelo metodo praticado naquelle tempo.

916Levantarão na villa seis companhias de Auxuliares de secenta homens cada huma, para completar o Regimento de Milicias da sua Comarca. Este corpo tem militado desde o anno de 1641 ate ao prezente, sitiando e defendendo praças, e dando Batalhas, à imitação das tropas de Linha, sendo Estremoz a única praça de armas, em que há Auxuliares alistados.

917[p. 503] No mesmo anno de 1641, levantarão por Ordem Régia doze Companhias de ordenança com Sargento Mayor e Ajudantes pagos à sua custa; e lhes comprarão o armamento. Este Corpo não só fazia o serviço diario da praça sem soldo algum, mas junto em Massa, acudia às fronteiras, quando erão invadidas dos innimigos, passando estes Socorros de mil homens. Nestas frequentes occazioens dispenderão a sua fazenda, mas expuzerão e sacrificarão as vidas pela defença da patria.

918No dia 16 de Setembro de 1641, atacou o Conde de Monte Rey General do Exercito Castilhano a praça de Olivença, e nesta occazião lhe mandou Jeronimo de Mello de Castro Governador de Estremoz hum Socorro de 600 Infantes, e a companhia de Cavallos [p. 504] que seu filho João de Mello de Castro estava levantando à sua custa na villa de Estremoz, este socorro, appromptado no breve tempo de tres dias, se ajuntou na villa de Jurumenha, às mais tropas da Provincia, o que sendo sabido pelo innimigo, abandonou a empreza, e se recolheo ao seu paiz.

919No anno de 1644 Governando as armas de Alentejo Mathias de Albuquerque, ajuntou este, o Exercito Portuguez, e com elle sahio da Cidade de Elvas, no dia 16 de Mayo, e com elle entrou na Provincia da Extremadura Castilhana. Nesta occazião o acompanharão as Milicias de Estremoz, e se acharão na Batalha do Montijo, que os nossos ganharão.

920No 1° de Dezembro do mesmo anno de 1644 apareseu o Exercito Castilhano, governado [p. 505] pelo Marquez de Torrecusa sobre a Cidade de Elvas, à qual pos sitio. O Conde de Alegrete General do nosso, ordenou ao Governador de Estremoz, que sem dilação manda-se marxar em socorro da Cidade, todos os moradores da villa capazes de tomarem armas, o que effectivamente fizerão, e o General agradeseu o grande socorro, e promptidão à camara da villa.

921Não foi esta a única occazião, em que os moradores de Estremoz mostrarão o seu zello pela defença do Reyno, mas forão quaze tantas, como erão as invazoens, que os innimigos fazião nas fromteiras; porque assistindo os generais em Estremoz, logo que sabião das invazoens do innimigo acudião com o socorro, e sendo as Milicias da villa, que tinhão à vista as mais promptas, estas erão as primeiras, de que elles se valião.

922[p. 506] No anno de 1658, se acharão no infeliz Sitio da cidade de Badajoz, que principiou no dia 13 de Junho e terminou em 12 de Outubro, e nelle perderão muitos a vida, não so nas occazioens militares, mas tambem pelo contagio, que se atiou no Exercito; e no anno de 1659 se axarão no dia 14 de Janeiro na batalha das Linhas de Elvas, em que o Exercito Castilhano padeseu huma total derrota; a esta função forão os Auxuliares do Regimento de Estremoz, mas tambem muitas companhias da Ordenança da villa.

923No anno de 1662, intentando o Principe Dom João de Austria Ganhar a praça de Estremoz, para cortar a communicação da corte com as praças da fronteira, foi o seu projecto conhecido pelo vigilante General, o Conde de Schomberg, o qual para defender a praça formou perto della hum quartel, com duas linhas de communicação com [p. 507] a praça, em cuja obra trabalhou o Exercito, ajudado de todos os moradores da villa, com tanta actividade, que no breve tempo de dezasete horas, estava o quartel capaz de defença. O innimigo apareceo no dia 12 de Mayo à vista do Quartel de Estremoz, e achando-o tão defensavel, mudou o plano da Campanha, contentando-se com a conquista da pequena praça de Jurumenha.

924No anno de 1663, penetrou o Principe Dom João de Austria a provincia de Alentejo, com hum Exercito mais numerozo, e duvidando atacar o Quartel de Estremoz, defendido pelo nosso, se emcaminhou para Evora, cuja cidade ganhou; foi seguido pelos Portuguezes, que nas margens do rio Odejebe lhe matarão 800 homens, e retirando-se o innimigo de Evora, foi alcansado no campo do Ameixial no dia 8 de Junho, e dando lhe batalha, alcansamos huma completa victoria, e descansando o Exercito [p. 508] victoriozo por alguns dias em Estremoz, se emcaminhou para Evora, cuja Cidade restaurou no dia 24 de Junho.

925No anno de 1664, acompanharão os moradores de Estremoz ao Exercito Portuguez, na conquista da praça de Valença e no dia 17 de Junho de 1665, se acharão na batalha de Montes Claros, na qual depois de hum conflito de nove horas destruhimos completamente o Exercito Castilhano, que governava o Marquez de Carracena. A paz, ajustada no Congreso de Lisboa no dia 13 de Fevereiro de 1668, pos fim a esta sanguinoza, e dilatada guerra; porem os moradores de Estremoz não conseguirão inteiro descanço.

926Determinou-se por Ordem Régia, que se fortifica-se Estremoz formalmente, e para o dito effeito forão demolidas mais de nove centas moradas de cazas, no sentro e coração da villa, com grave incommodo dos seus [p. 509] moradores, os quais impuzerão sobre si novos tributos para os quarteis dos Soldados, durando esta consignação desde o anno de 1671 ate ao de 1716.

927A Sucessão da Monarchia de Hispanha, asendeu a Guerra na Europa, e nella entrou a Coroa de Portugal, que seguio o partido de Inglaterra, Holanda, e da Caza de Austria. Nesta Guerra continuarão os moradores de Estremoz a mostrar, que o seu zello não era inferior ao de seos Paes; e Avóz. Elles se acharão na Campanha da Primavera de 1705, na Conquista das praças de Valença, e Albuquerque, e na do Outono, no Sitio de Badajoz, cuja empreza se mallogrou pela dezunião dos Generais. Neste sitio se empregou o Regimento de Milicias de Estremoz, em retirar a Artilharia dos ataques, o que conceguio, apesar da Grande chuva, que sobreveyo.

928[p. 510] No anno de 1706, penetrou o Exercito Aliado toda a Hispanha, e nelle militarão os naturais de Estremoz, com empregos distintos, nos Reynos de Castella, Vallença, Aragão, e Principado de Catalunha, em todo o tempo que as Tropas Portuguezas se conservarão nos mencionados paizes.

929No mesmo anno de 1706 se levantou hum Exercito volante para a defença das fronteiras, o qual se compunha de tropas de linha, e dos Regimentos de Milicias da Provincia de Alentejo, e neste Exercito se achou o Regimento Miliciano de Estremoz na Conquista de Xeres de los Cavalleros, Barca Rota, e de outras villas, e Castellos da Extremadura Castilhana.

930No anno de 1707, mandou o Senhor Rey Dom João V formar de novo o Regimento de Infantaria de Estremoz. Neste Regimento, se allistou a principal Nobreza da villa, cujo [p. 511] exemplo seguio o Povo; e o Corpo se vio completo em breve tempo. O Seu Coronel, Thomaz da Silva Tellez com incansavel zello o disciplinou de modo que se não distinguia dos Regimentos Veteranos, e com elle se achou no anno de 1708, na demolição da praça de Vallença; e em outras occazioens honrozas daquella guerra.

931No dia 7 de Mayo de 1709, se achou o Regimento de Estremoz na Batalha da Godinha formando o lado esquerdo da Segunda linha do nosso Exercito, e pela retirada da nossa Cavallaria, ficando descuberto aquelle lado, foi carregado pela Cavallaria innimiga, e susteve com grande valor, e disciplina, tres furiozos ataques, e formando com os mais regimentos de Infantaria hum Paralelo Gramo, se retirou sem perda para Campo Mayor; e na Campanha do Outono do [p. 512] mesmo anno, acompanhou o Exercito Portuguez, que fes retirar o Castilhano, que havia penetrado a provinvia ate à villa de Borba.

932No anno de 1710 se axou o dito Regimento nas duas Campanhas da Primavera, e do Outono, e na Segunda se ganhou a praça de Barca Rota, e no anno de 1711 acompanhou o Exercito Portuguez, que invadio a Extremadura Castilhana, e Ganhou nella as villas de Almendral, Nogalles e Safra, e que fes retirar o Exercito Castilhano, que por diverção bombard[e]ava a Cidade de Elvas.

933Na Primavera do anno de 1712, intentou o Marquez de Bay, General do Exercito Castilhano surprender a praça de Arronches, que estava prezidiada por hum destacamento do Regimento de Estremoz, a qual foi atacada na noite de 17 de Junho por [p. 513] hum Corpo de tres mil Granadeiros e Infantes, os quais por tempo de duas horas lhe derão hum assalto Geral, e sendo rexasados nelle, se retirarão com grande perda, deixando-nos em sinal de Victoria, os instromentos, que havião levado para a expugnação.

934No dia 4 de Outubro de 1712, deu o Exercito Castilhano principio ao sitio da praça de Campo Mayor, que continuou ate ao dia 27 do mesmo mez. A praça estava prezidiada por quatro Regimentos de Infantaria, sendo hum delles o de Estremoz, o qual nas sortidas, e na defença do assalto da brexa, mostrou o seu valor, e disciplina. Levantado o sitio com grande perda dos innimigos, se concluio a guerra com a glorioza defença de Campo Mayor.

935Pacificado Portugal, pelo tratado de Utrek no anno de 1715, descansarão os Soldados, das [p. 514] longas fadigas da Guerra, procurando todos elles, disfructar com descanço os sazonados fructos da pax; porem não sussedeu assim ao Regimento de Infantaria de Estremoz, que no anno de 17 ... foi mandado goarneser a praça de Elvas, na qual se conservou ate ao anno de 176 ... em que embarcou para o Rio de Janeiro, em que se conserva. Estas mudança[s] fizerão perder aos militares deste Regimento as Commodidades das suas cazas, e a fruição da sua fazenda.

936No anno de 1735, mandou o Senhor Rey Dom João V formar hum Regimento de Artilharia em Estremoz composto não só das dez companhias que estavão dispersas pelas praças de Alentejo, mas de outras dez de secenta homens cada huma, que em breves dias se levantarão em Estremoz, ficando constando todo o Regimento de 1200 praças. Este Corpo de Artilharia, foi o Seminario de todos os Regimentos de Artilharia que hoje tem o Reyno.

937No anno de 1740 mandou o dito Senhor hum socorro de 2$. homens à India, com o [p. 515] Vice Rey Dom Luiz Carlos de Menezes, Marquez do Louriçal, e devendo este Socorro levar dezaseis pessinhas de Artilharia da Nova Invenção, mandou Sua Magestade que do Regimento de Artilharia se tira-se hum destacamento de Cem homens, para Servirem no dito Estado, por tempo de seis annos. Lida a Ordem Regia na frente do Regimento, todo elle se offereseu para ir servir à India, offerecimento que Sua Magestade lhe mandou agradeser, pelo General da Repartição Antonio Tellez da Silva, Senhor de Ficalho.

938Este destacamento de Artilheiros servio utilmente naquelle estado, e teve não pequena parte na Victoria, que os nossos ganharão contra o Maratá, no dia ... de Junho de 174 ..., e depois na restauração das Provincias de Bardez, e na Conquista das praças de Alorna, Bixolim, e Rary, Piro e outras do Reyno de Sunda [p. 516] e nenhum destes Artilheiros quis voltar ao Reyno.

939Este mesmo Regimento de Artilharia goarneseu as praças da provincia, e deu destacamentos para as náos de Guerra da Coroa ate ao anno de 1762, e no de 1763 foi aumentado pelo Conde da Cunha General da Artilharia, o qual no breve tempo de oito dias alistou em Estremoz e no seu termo quatro centos e oitenta Soldados, e ficou o dito Regimento constando de vinte e oito Companhias, e todo elle de 1$680 praças.

940No anno de 176 ... foi mudado este Regimento para a Cidade de Elvas, com gravissimo incommodo do povo, e dos mesmos Soldados, estes pela perda das suas Cazas, e aquelle por ser obrigado a montar a guarda, e goarneser a praça, por mais de ... annos. Deste mesmo Regimento, se tirarão quatro Companhias, para o Reyno do Algarve no anno de 17 ..., as quais servirão de Casco ao regimento de Artilharia, que nelle se formou, sendo digno de notar-se, que sussedendo nestas mudanças haverem [p. 517] muitos que se excuzem do serviço, não houve-se no Regimento Soldado algum que duvida-se marchar para o lugar do seu destino.

941A villa de Estremoz está situada no sentro da provincia de Alentejo, sercada de muitas villas pouco distantes; o seu terreno he fertilissimo, ameno, e regado de huma prodigioza abundancia de ágoas. O clima della he diliciozo, e saluberrimo, e por todas estas ventagens, foi sempre escolhida no tempo da Guerra para Quartel General. Nella está o Arcenal Provincial, e na mesma se podem ajuntar, e conservar, as tropas com commodidade, e socorrer facilmente as praças da fronteira, quando são invadidas pelo innimigo.

942A Experiencia havendo mostrado aos Generais Portuguezes, que o Quartel de Estremoz era o mais util à tropa, e que delle podião facilmente socorrer as praças invadidas, o escolherão para nelle ajuntarem os Exercitos, ou a mayor parte delles, como attestão os nossos Historiadores, e se mostrará neste Memorial.

943No anno de 1337, em que o senhor Rey Dom Affonso IV de Portugal declarou a Guerra a El Rey Dom Affonso XI de Castella, passou o dito Rey para Estremoz, e nesta villa ajuntou o seu Exercito, e com elle sahio da villa no mez de Setembro, e entrando em Castella, destruhio a Provincia da Extremadura, o Condado de Niebla, as villas de Arouche, Aracena, Cortegana, e outras da Andaluzia, e se recolheo o seu Exercito a Portugal, carregado de despojos (*).

944No anno de 1384 se ajuntou em Estremoz o corpo de tropas, com o qual o Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira atacou o Exercito Castilhano, que sercava a villa de Fronteira, e ganhou a batalha dos Atoleiros. No anno seguinte de 1385 ajuntou o mesmo Condestavel as Tropas de Alentejo, e com ellas sahio

---

(*) Fr. Raphael de Jezus no Tom. 7 da Monarchia Lusitana Livro 8 C ap. 12 n. 3 e 4.

945[p. 519] de Estremoz, e se unio em Abrantes com El Rey Dom João I e dali forão a buscar o Exercito Castilhano, nos Campos de Aljibarrota, nos quais ganharão huma batalha, que em todos os Séculos fará honra ao nome Portuguez.

946O Segundo Exercito que se ajuntou em Estremoz, foi no anno de 1386, e com elle sahio o Condestavel Dom Nuno; e penetrando a provincia da Extremadura Castilhana, deu Batalha ao Exercito Castilhano governado pelo Mestre de Santiago, junto da villa de Valverde, e ganhando huma asinalada victoria, se recolheo a Portugal cheyo de Gloria.

947O Terseiro Exercito que se ajuntou em Estremoz foi no anno de 1659, e era Commandado por Antonio Luiz de Menezes [p. 520] Conde de Cantanhede, e sahio de Estremoz no dia 11 de Janeiro e no dia 14 do mesmo mez atacou ao Exercito Castilhano Governado por Dom Luiz de Haro Marquez del Carpio e Duque de Olivares, que sitiava a Cidade de Elvas, e rompidas as linhas, que elle havia formado, para o serco da Cidade, perdeo a batalha, com toda a Artilharia, e Ba[ga]gem, que ficarão em poder dos Portuguezes vencedores.

948O quarto Exercito, Governado por Dom Jeronimo de Ataide Conde de Atouguia, sahio de Estremoz no dia 24 de Junho de 1661, e obrigou ao Principe Dom João de Austria a retroceder com o seu Exercito até Badajoz, sem haver conseguido mais ventagem, do que a conquista da pequena praça de Arronches que não [tinha] mais goarnição, do que alguns Auxuliares.

949[p. 521] O Quinto Exercito governado por Dom Antonio Luiz de Menezes Marquez de Marialva, se ajuntou em Estremoz no anno de 1662, e se pos em defença das linhas, que o Conde de Schomberg havia formado junto desta praça, para segurança della, e do exercito. O Principe Dom João de Austria chegando à vista das linhas, vendo as tão fortes, mudou o plano da Campanha, e passou a sitiar a praça de Jurumenha, que o seu Governador não soube defender.

950O Sexto Exercito Governado por Dom Sancho Manoel de Vilhena Conde de Villa Flor, sahio de Estremoz no dia 22 de Mayo de 1663, em seguimento do Exercito castilhano, que governava o Principe Dom João de Austria, e retirando-se este da cidade de Evora, que havia ganhado, se emcontrarão no Campo do Ameixial, huma legoa distante de Estremoz, e batalhando ambos os Exercitos por espaso de sette [p. 522] horas, perdeu o Castilhano a batalha, a Artilharia, e Bagagem no dia 8 de Junho.

951O victoriozo Exercito se recolheo no dia seguinte a Estremoz, e depois de sinco dias de descanço se pos em marcha no dia 14 de Junho, para a cidade de Evora, à qual pos sitio, e ganhou no dia 24 do mesmo mez.

952O Septimo Exercito governado por Dom Antonio Luiz de Menezes, Marquez de Marialva, sahio de Estremoz no dia 5 de Junho de 1664, e no dia 24 do mez ganhou a praça de Valença, à vista do Principe Dom João de Austria, que não pode embarasar a perda da praça.

953O Oitavo Exercito governado pelo mesmo Marquez de Marialva sahio de Estremoz no dia 17 de Junho de 1665, para socorrer [p. 523] o Castello de Villa Viçoza, sitiado pelo Marquez de Carracena Dom Luiz de Benavides, General do Exercito Castilhano, e no mesmo dia deu a batalha de Montes Claros, e depois de nove horas de peleija, alcansou huma completa victoria do Exercito Castilhano.

954O Nono Exercito, governado por Diniz de Mello de Castro Conde das Galveyas, sahio de Estremoz no dia 29 de Abril de 1705, e no dia 8 de Mayo Ganhou a praça de Valença, e passando a sitiar a de Albuquerque, se senhoriou della no dia 20, e deixando-as prezidiadas, se recolheu a Portugal.

955O Décimo Exercito governado por João Furtado de Mendoça, sahio de Estremoz no dia 23 de Mayo de 1706, e entrando [p. 524] na Extremadura Castilhana, ganhou a Cidade de Xeres de los Cavalheros, e as villas de Nogales, Almendral, Salvaterra, Barca Rota, e Salva Leão.

956O undecimo Exercito, Governado por Dom Fernando Mascarenhas Marquez de Fronteira sahio de Estremoz no dia ... de Outubro de 1709, e fes retirar da vizinhança de Borba o exercito Castilhano, governado pelo Marquez de Bay, o qual com grande présa, se recolheo a Badajoz.

957O Duodecimo Exercito, Governado por Dom Pedro Antonio de Noronha, Conde de Villa Verde, sahio de Estremoz no dia ... de ... de 1710 em oppozição do Exercito castilhano governado pelo Marquez de [p. 525] Bay, que logo se recolheo ao seu paiz.

958O Decimo terceiro Exercito governado pelo mesmo Conde de Villa Verde, sahio de Estremoz no dia 28 de Setembro de 1710, e no dia 2 de Outubro ganhou o Castello de Barca Rota, fazendo a sua goarnição prizioneira de Guerra.

959O Decimo quarto Exercito, Governado pelo mesmo Conde de Villa Verde sahio de Estremoz em ... de ... de 1711, e ganhou os Castellos de Almendral, Nogales, e Safra, e fes retirar o Marquez de Bay, que para fazer diverção ao nosso Exercito, estava lansando algumas Bombas na Cidade de Elvas.

960O Décimo Quinto Exercito, Governado por Pedro Mascarenhas, que depois foi conde de [p. 526] Sardomil, sahio de Estremoz na Prima[vera] de 1712, e posto em observação, embarasou, que o Exercito Castelhano fizese algum prejuizo aos Lavradores, e lugares abertos da Provincia.

961O Decimo Sexto Exercito se alojou no Campo Branco junto de Estremoz, no mez de Outubro de 1763, o qual foi ajuntado pelo Marechal General, Conde de Lippe, e neste Campo de paz exercitou a tropa Portugueza, na prezença do Senhor Rey Dom Jozeph I.

962Será impossivel narrar as continuadas vexasoens, que tão numerozas tropas cauzarião a huma villa, a oppressão, que os moradores della, exprimentarão no Calamitozo, e dilatado tempo de tantas guerras, vendo abrazadas as suas siaras, destruidas as suas fazendas, pelos mesmos soldados, que as devião defender.

963Se hum só Exercito, alojado por breve tempo em qualquer paiz, cauza prejuizos gravissimos, [p. 527] que apenas se podem reparar em largos annos, quem poderá calcular a perda que tantos Exercitos fizerão a huma villa em tão dilatado tempo?

964Não será facil numerar os naturais de Estremoz, que tem servido aos Senhores Reys deste Reyno, no tempo da paz, e da Guerra; os Publicos Magistrados, que no Serviço da Patria tem terminado a carreira dos seus dias. Estes são, Senhora, os serviços, em que a Nobreza, e Povo da villa de Estremoz estabelese a prezente Súpplica, e na Real Clemencia de Vossa Magestade affiança o despacho della.
E
[spera] R.[eal] M[er]ce

965Sua Magestade mandou remeter este Requerimento à Meza do Dezembargo do Paço, pra que lhe consultáce, o que parecese. O Tribunal o mandou informar pelo Provedor da Comarca, Bernardo Jozé [p. 528] de Lemos Vianna, ouvindo por escripto os officiais da Camara, os quais derão a seguinte resposta

Senhora

966Manda Vossa Magestade, que respondamos a petição, e súplica que a Nobreza, e Povo desta villa, na qual pedem a Vossa Magestade se digne conseder à villa de Estremoz, o titulo de Cidade, e que a sua Comarca se sepáre da de Evora, como era no XVI Século tudo em attenção à grandeza da villa, e aos serviços que os moradores della tem feito aos Senhores Reys desta Monarchia, na larga diuturnidade de mais de quatro séculos, como se mostra na sua petição, e no Memorial junto à mesma.

967O Senhor Rey Dom Affonso III deu o foral à villa de Estremoz no anno de 1258, concedendo-lhe os foros, e privilegios da villa de Santarem, [p. 529] e tirando aos Lavradores o tributo das Jugadas. Passados onze annos mandou fortificar o seu Castello. O Senhor Rey Dom Manoel lhe deu o titulo de Villa Notavel, e o privilegio de andar sempre unida à Coroa.

968O Senhor Rey Dom João I, sendo Defensor do Reyno, querendo remunerar os grandes servisos, que o Condestavel Dom Nuno Alvares Pereira lhe estava fazendo, lhe fes doação do Senhorio de muitas villas e entre ellas se comprehendia o da villa de Estremoz, por carta datada no 1° de Julho de 1384.

969Passados dois annos, movido o dito Monarcha dos Serviços e da Lealdade dos moradores da villa, querendo-a unir com a villa de Monte Mor o Novo à Coroa, deu ao dito Condestavel pelas duas villas de Estremoz e Monte Mor sette villas, que forão, Arrayolos, Chaves, Monsaraz, Vidigueira, Villa de Frades, Villalva, Villa Ruiva, por hum Contrato [p. 530] de Escambo selebrado na Cidade de Braga, no dia 16 de Dezembro de 1386.

970No Governo do Senhor Rey Dom Sebastião, era Estremoz Cabeça de Comarca, com Corregedor, e Provedor, à qual pertencião a[s] villas Seguintes, Alter Pedrozo, Aviz, Benavilla, Borba, Cannal, Canno, Cabeção, Ervedal, Evora Monte, Figueira, Fronteira, Galveyas, Mora, Seda, Souzel, Veiros, Vimieiro, e Villa Viçoza.

971Creadas no dito Reynado as duas Ouvidorias de Aviz, e Villa Viçoza, se repartirão por estas, a mayor parte das terras da Comarca de Estremoz, e esta villa se unio à Correição e Provedoria de Evora, cujos Ministros ainda hoje se intitulão Corregedores, e Provedores das Comarcas de Evora, e Estremoz, e tem hum Escrivão para cada huma Comarca. Os Sendicantes tirão a rezidencia aos Ministros da [p. 531] Comarca, metade do tempo, que a diligencia dura, em Evora, e outra metade em Estremoz.

972Esta hunião das duas Comarcas de Evora, e Estremoz hé na verdade util aos Ministros, porem prejudicial ao Publico, e ao[s] Povos de ambas as comarcas, como passamos a mostrar claramente. As duas Comarcas tem vinte legoas de extenção, contadas da villa do Torrão, ate à villa de Alter Pedrozo. O Provedor, deve fazer Correição em trinta Povoasoens, o que basta, para se conheser, que hum só Ministro não pode satisfazer à sua obrigação, sem grave incomodo seu, e do povo.

973As Magistraturas, forão criadas, para utilidade dos Cidadoens, e não dos Ministros. As cauzas devem ser terminadas com brevidade, e sem avultadas despezas. O recurso das partes dever ser facil, e nada disto se pode conceguir na Provedoria de Evora, e de Estremoz, [p. 532] andando o Provedor sempre volante, e carregado de Informasoens, pedidas pelos Tribunais. Hé logo evidente, que a união das duas Provedorias, hé prejudicial aos Povos.

974Não há pessoa medianamente instruida na Historia Portugueza, que ignore, que a praça de Estremoz serve de Arcenal Provincial, e que no tempo de Guerra hé o Quartel General, que nella se ajuntão os Exercitos, ou a mayor parte das tropas, de que elles se hande compor. O interese público péde, que o Exercito se appronte sem dilação; porque a experiencia tem mostrado, que o general, que primeiro se poem em campo, hé, o que tira mayor ventagem da campanha; porque a sua actividade, surprehende os innimigos, ou embarasa os seu[s] projectos.

975O Exercito para se por em Campanha, necessita de Trem de Artilharia, de milhares de carruajens, e cavalgaduras para a sua Bagagem, e sendo todas estas couzas approntadas pelo Juiz de Fora, oppremido com o trabalho do aquartelamento das tropas, necessariamente hade faltar ao serviço publico do [p. 533] Exercito, ou a administração da Justiça do povo, cujas cauzas ficão indicizas.

976Todos estes prejuizos se podem acautelar, dezunindo-se a Comarca de Estremoz da de Evora, creando-se hum Ministro, que sirva de Corregedor de Estremoz, e da villa do Cannal, e de Provedor da Comarca deste Almoxarifado, à imitação das Cidades do Porto, Penha Fiel, e da villa de Ourique, por tanto fica mostrado, que a divizão das Comarcas hé util aos povos, e ao Exercito, por se dar ao Juiz de fora hum Collega, que o ajude no trabalho de approntar o necessario ao Exercito.

977A evidencia destas verdades não se pode occultar; porem os Provedores de Evora para fazerem mais rendozo o seu lugar, achão injusto este requerimento, na sua balança peza mais a utilidade de hum particular Ministro, do que o publico interese de tantos póvos e do mesmo Reyno, e para ocultarem a verdade, e disculparem a sua conveniencia, allegão, que a Provedoria de Evora, sendo hum Lugar do Primeiro Banco, não pode sustentar com decencia hum Ministro [p. 534] desta graduação, se lhe separarem as terras da Comarca de Estremoz, porem hé facil mostrar o contrario.

978A Provedoria de Evora comprehende a Cidade e as villas de Aguiar, Aguias, Alcaçovas, Arrayolos, Lavre, Montouto, Monte Mor o Novo, Pavia, Redondo, e Vianna, as quais contem mayor numero de habitadores do que a Comarca e Provedoria de Portalegre, e com tudo ella sustenta com decencia ao seu Provedor, o mesmo sussederá ao de Evora, se elle se satisfizer com a desente sustentação.

979He evidente, que Estremoz hé villa Notavel, a mais populoza da provincia de Alentejo, que na grandeza, e formosura dos idificios, excede à mayor parte das cidades do Reyno, que hé Cabeça de Comarca do Almoxarifado das Sizas, do Contrato Geral do Tabaco, das Coudelarias, e do Juizado da Ordem de Aviz. Os Serviços que os Moradores de Estremoz fizerão a Coroa de Portugal estão provados no Memorial incluzo, pelo testemunho dos Historiadores Portuguezes.

  • 85 Não foi possível encontrar a cópia desta carta no arquivo da Câmara de Estremoz.

980[p. 535] A Vossa Magestade pertence dicidir, se elles são dignos de attenção, e merecedores do titulo de Cidade, que se pede para a dita villa. Os Supplicantes, e todos noz, confiados na Clemencia Real, esperamos, que Vossa Magestade honre com o titulo de Cidade a hum[a] Povoação, cujos campos estão coroados, com Padroens das Victorias, que nelles tem alcansado as Armas Portuguezas. Esta merce, Augusta Senhora, servirá do mais autentico testemunho, de que os Serviços dos Moradores de Estremoz, não forão dezagradaveis a Vossa Magestade, e a todos elles de hum novo estimulo, para se exporem aos mayores perigos pela defença da Coroa. Escripta em Camara a ... de ...85.

Notes

1 Cf. Mário Alberto Nunes COSTA, “A «Breve recopilação...da fundação antiguidades e excelências...de Estremoz»“, Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, no 42, 1994, p. 107.

2 O autor da memória, cujo título é referido na nota anterior, é Manuel de Sande de Vasconcelos. No entanto, em vereação de 26 de Março de 1721, o senado nomeia por unanimidade Rui da Silva Zagalo para “copiar e fazer hum indise de todas as Couzas particulares que comtem os Livros desta Camara e os mais massos e papeis que comtem o mesmo Cartorio na forma da ordem que tivemos de Sua Magestade para ser huma das pessoas de milhor lição e emtiligencia e noticias das que tem este povo” (A.H.M.E., Vereações (1719-1722), acta de 26-3-1721, f. 119). Na altura, Rui Zagalo aceitou a incumbência, tendo assinado termo de responsabilidade, no final desta acta. Provavelmente, este elaborou um inventário prévio do arquivo camarário, que permitiu àquele a elaboração posterior de “A «Breve recopilação...”.

3 De Oratore. Nesta obra em forma de diálogo, constituída por três livros compostos por volta de 46 a.C., Cícero realça o papel social da eloquência e explica a preparação que deve ter o praticante desta arte. Entre a vasta e diversificada cultura necessária a um bom orador, salienta o papel da história e teoriza acerca desta disciplina e da função do historiador. Cf. Maria Helena da Rocha PEREIRA, Estudos de história da cultura clássica, vol. II, “Cultura romana”, p. 133-142.

4 Políbio, historiador grego do século II a.C., escreveu, além de outras obras, uma História, cujos cinco primeiros volumes chegaram até nós. Consiste numa narração de acções políticas, despojada de retórica e de intuitos moralizadores e que exclui as genealogias e os recursos à mitologia para explicar as origens das cidades. Contudo, é excessivamente favorável aos Romanos e reflecte os sentimentos do autor, na abordagem dos eventos que lhe estão cronologica ou geograficamente mais próximos. Cf. Gennaro PERROTTA, “Políbio”, Dicionário biográfico universal de autores, vol. 4, p. 2706-2707.

5 Velleius Paterculus foi um historiador romano que viveu entre 19 a.C. e cerca de 30 d.C. Escreveu um compêndio de história de Roma, das origens a 29 d.C. Faz a apologia do Imperador Tibério. E além de imparcial, apresenta graves lacunas. Cf. Ettore PARATORE, História da literatura latina, p. 557-561. The new encyclopaedia britannica, vol. 4, p. 670-671.

6 Viveu entre 59 a.C. e 17 d.C. Escreveu tratados de moral, de filosofia e obras históricas, com destaque para a História Romana. Tem sido considerado o mais “moderno” dos historiadores antigos, porque elege o povo romano e não as personagens ilustres como principal objecto da sua história. Aceita, todavia, fábulas e lendas, sem as contestar. Cf. Gerard WALTER, “Lívio, Tito”, Dicionário biográfico ..., vol. 3, p. 1903-1905.

7 Dião Cássio foi um historiador grego do século II da nossa era. Escreveu em Niceia, sua terra natal, uma História Romana em 80 livros, dos quais apenas nos chegaram, completos, 19. Apesar de bom conhecedor das instituições romanas, tem sido no entanto acusado de falta de rigor crítico. Legou-nos elementos para a história da Lusitânia. Cf. Grande enciclopédia portuguesa e brasileira, vol. 8, p. 919.

8 Historiador grego. Escreveu, entre os anos 450 e 502 da nossa era, uma História Nova. Esta obra em seis volumes, que abrange o período compreendido entre o Império de Augusto e o ano de 410, tem sido considerada uma das principais fontes para o conhecimento da história do século IV da era cristã. Cf. “Zósimo”, Enciclopedia universal ilustrada europeo americana, vol. 70, p. 1453.

9 As críticas severas formuladas contra Voltaire e o deísmo patente nas suas obras denotam o antifilosofismo característico da ilustração católica da Europa do Sul, incluindo Portugal.

10 Historiador romano do século I da nossa era, introduziu na historiografia o critério monográfico e à semelhança de Tucídides, incluiu discursos, fictícios ou reelaborados, na narrativa histórica. Utilizou, na história da República Romana, um critério moralístico, praticando o culto da personalidade. Cf. E. PARATORE, História da literatura..., p. 289-308.

11 Historiador romano que viveu entre 54 ou 55 e cerca de 120 da era cristã. Durante o reinado do imperador Trajano escreveu as Historiae (de Galba a Domiciano) e depois os Annales (de Tibério a Nero), tratando, assim, na primeira obra um período posterior ao abordado na segunda. Profundamente anti-tiberino, recorria às fontes mais consentâneas com as suas ideias, incluindo boatos e rumores. Cf. Benedetto RIPOSATI, “Tácito (Cornelius Tacitus)”, Dicionário biográfico…, vol. 5, p. 3438-3440. E. PARATORE, História da literatura..., p. 721-745.

12 Filósofo do século II, provavelmente de origem síria. Inicialmente pagão, torna-se depois apologeta cristão e mais tarde herético. Ocupa um lugar importante na transmissão do Novo Testamento, por ter fundido os quatro evangelhos numa narração única e orgânica. Cf. Dicionário biográfico..., vol. 5, p. 3437-3438.

13 As dioceses de Braga e de Évora mantiveram, a primeira até ao Concílio de Trento e a segunda até mais tarde ainda, ritos próprios, de origem muito antiga. O rito bracarense foi impresso no Breviarium Bracarense, em 1494, em Braga, no tempo do arcebispo D. Jorge da Costa. E o rito eborense, denominado “costume da Igreja de Évora”, foi compilado por André de Resende e publicado em Lisboa, em 1548, por ordem do cardeal D. Henrique, com o nome de Breviarium Eborense. Cf. Carlos Moreira AZEVEDO (dir.), História religiosa de Portugal, vol. 2, p. 428-429.

14 Frei Bernardo de Brito iniciou a chamada historiografia alcobacense, ao escrever a primeira e a segunda partes da Monarchia Lusitana (desde o Dilúvio ao reino de Leão). Esta obra de cariz providencialista, forte cunho apologético e variável qualidade (consoante os colaboradores), teve o mérito de constituir, no seu conjunto, “a primeira tentativa de uma história integral da Nacionalidade”. Cf. J. V. SERRÃO, A historiografia..., vol. II, p. 36-49.

15 Frei António Brandão foi o autor da terceira e quarta partes da Monarchia Lusitana, abrangendo o período compreendido entre o governo do Conde D. Henrique e o termo do reinado de D. Afonso III. Recorrendo ao apoio informativo de Manuel Severim de Faria, produziu uma obra de base cronológica, descrevendo uma sucessão de eventos políticos, militares e religiosos. Sem abandonar o espírito providencialista do seu antecessor, preocupou-se com a verdade histórica, assumindo uma atitude crítica que não o impediu, todavia, de escrever os exageros e imprecisões denunciados por Henriques da Silveira. Sobre o autor, veja-se J. V. SERRÃO, A historiografia..., vol. II, p. 36, 59-63 e 81.

16 Cesare Barono (1538-1607) foi um religioso oratoriano nomeado por Clemente VII, em 1597, bibliotecário da Biblioteca Vaticana. Escreveu os Anais Eclesiásticos, publicados em Roma entre 1588 e 1607. A obra abarca, em 12 volumes, a história da Igreja, desde o ano 1 ao ano de 1198. E constitui uma apologia da tradição católica contra as doutrinas luteranas. Cf. Nadia Rellini LERZ, “Barónio (Cesare Barono)”, Dicionário biográfico...

17 Daniel van Papenbroeck, discípulo de Jean Bolland, integrou o grupo de historiadores jesuitas belgas conhecido por Bolandistas. Esta equipa continuou os Acta Sanctorum, extensa colecção de hagiografias, organizada segundo a data da morte dos santos. Jean Bolland tinha apenas concluído os meses de Janeiro (2 volumes publicados em 1643) e Fevereiro (3 volumes publicados em 1658). Esta obra grandiosa reune muitos dados biográficos resultantes de uma intensa pesquiza documental, nomeadamente nas bibliotecas italianas. E os seus autores são geralmente apontados pelo rigor crítico aplicado no tratamento das fontes. Cf. Carlo FALCONI, “Bolland, Jean”, Dicionário biográfico..., vol. I, p. 444. The new encyclopaedia..., vol. 2, p. 343.

18 Valleré foi Governador das Armas da Província do Alentejo, pelo menos em 1781 e 1782. Cf. T. FONSECA, Absolutismo e municipalismo..., p. 386 e 520. Foi eleito sócio efectivo da Academia das Ciências de Lisboa, em 27 de Março de 1790 Cf. A.A.C.L., Minutas das Resoluções da Academia das Ciências, assembleia de efectivos de 27-3-1790. Por regra, os sócios efectivos haviam passado antes pela condição de sócios correspondentes, o que provavelmente sucedeu com Valleré.

19 Lapso do autor. A batalha de Guadalete foi em 711.

20 A conquista teve lugar neste ano ou ainda em finais de 1665. Cf. Maria Ângela Rocha BEIRANTE, Évora na Idade Média, p. 19.

21 Bula Agrum universalis. Cf. Jacques MARCADÉ, Frei Manuel do Cenáculo Villas Boas, évêque de Beja, archevêque de Évora, p. 95.

22 Sobre a relação do autor com D. Frei Manuel do Cenáculo veja-se, na Primeira parte, Cap. 3, p. 44.

23 O mais antigo registo acerca de um corregedor na comarca de “Antre Tejo e Odiana” data de 1364. Cf. M. A. R. BEIRANTE, Évora..., p. 671. Sobre as funções dos corregedores veja-se José Viriato CAPELA, Política de corregedores. A actuação dos corregedores nos municípios minhotos no apogeu e crise do Antigo Regime (1750-1834). T. FONSECA, Absolutismo..., p. 426-428; 439-483.

24 Sobre os provedores e respectivas funções veja-se O.F., L.1, T.62. Para a provedoria de Évora, T. FONSECA, Absolutismo..., p. 484-496.

25 As funções do ouvidor, magistrado no qual os donatários delegavam a jurisdição senhorial, consistiam no julgamento, em segunda instância, das sentenças dos juizes das terras. Cf. O. F., L.2, T.45, §47. Sobre as ouvidorias e ouvidores do Alentejo, mais propriamente da região de Évora, veja-se T. FONSECA, Absolutismo..., p. 434 e 438. Id., Administração senhorial..., p. 31-34.

26 Cf. Ordenações Afonsinas, L. I, T. 69, p. 438-439.

27 Até agora não encontrado.

28 Até agora não encontrado.

29 Luís Caetano de Lima, membro da Academia Real da História Portuguesa.

30 Geographia Historica de todos os Estados soberanos da Europa, com as mudanças que houve nos seus dominios, especialmente pelos tractados de Utrecht, Rastad, Baden, etc., e com as genealogias das casas reinantes, e outras mui principaes, Tomo II, em que tracta de Portugal (tal como o primeiro tomo), Lisboa, 1736. Cf. I. F. da SILVA, Diccionario..., vol. V, p. 238-239.

31 Pedro de Mariz, autor de transição do século XVI para o século XVII. Cf. I. F. da SILVA, Diccionario..., vol. VI, p. 432-433.

32 Lapso do autor. A primeira conquista de Beja ocorreu em 1159.

33 Cf. Afonso Eduardo Martins ZÚQUETE, Nobreza de Portugal e do Brasil, vol. III, p. 515.

34 Cf. Jorge FONSECA, Montemor-o-Novo no século XV, p. 55.

35 Cf. Túlio ESPANCA, Inventário Artístico de Portugal. Distrito de Évora. Concelhos de Arraiolos, Estremoz, Montemor-o-Novo, Mora e Vendas Novas, p. 181.

36 Numeração repetida, por lapso do autor. Devia ser Cap. IV.

37 Cf. Padre Joaquim José da Rocha ESPANCA, Memórias de Vila Viçosa, vol. 4, p. 90-93.

38 No entanto, o mosteiro apenas foi fundado em 1519. Cf. T. ESPANCA, Inventário..., vol. I, p. 142.

39 Cf. id., ibid., p. 142.

40 Cf. id., ibid., p. 142.

41 Cf. id., ibid., p. 151.

42 Por alvará de 6-2-1610. Cf. id., ibid., p. 140.

43 Cf. id., ibid., p. 187.

44 Nos primeiros tempos posteriores à Reconquista, os núcleos urbanos alentejanos eram raros e as áreas dos respectivos termos muito superiores às actuais. Com o fim dos confrontos entre cristãos e muçulmanos reanima-se a vida económica e surgem outros centros urbanos, que por sua vez levam à constituição de novas unidades territoriais autónomas. Para o desmembramento do concelho de Évora, cujo termo inicial compreenderia uma área superior à do actual distrito, veja-se M. A. R. BEIRANTE, Évora..., p. 29-37.

45 Esta decisão seria posteriormente confirmada por decreto de 25 de Março de 1646.

46 Os jesuítas foram expulsos do território nacional por decreto de 3 de Setembro de 1759.

47 Esta comunidade religiosa resultou da fusão, em 1548, de dois recolhimentos de terceiras de S. Francisco. Cf. T. ESPANCA, Inventário..., vol. I, p. 570.

48 As herdades constituíam uma parte considerável do património dos concelhos alentejanos do Antigo Regime e o seu rendimento contribuía, de forma por vezes decisiva, para a autonomia financeira dos respectivos municípios. Cf. T. FONSECA, Absolutismo..., p. 368-371. Id., Relações de poder..., p. 111-112, 135 e 150. Id., Administração senhorial..., p. 10, 39 e 62. Paulo Jorge da Silva FERNANDES, Elites e finanças municipais em Montemor-o-Novo do Antigo Regime à Regeneração (1816-1851), p. 63-65.

49 Os juizes de vintena eram autoridades administrativas eleitas pelas câmaras, cuja função consistia em fazer cumprir localmente as determinações régias e camarárias. Sobre os mais periféricos agentes do poder local e central veja-se: O.F., L. 1, T. 65, § 73. Existem estudos sobre esta instituição para diversos municípios açorianos e ainda para Gouveia, Barcelos, Montemor-o-novo e Évora, citados em T. FONSECA, Absolutismo..., p. 262-269.

50 Manuel de Faria e Sousa, autor da primeira metade do século XVII. Cf. I. F. da SILVA, Diccionario..., p. 413-418.

51 Engano do autor deste acrescento. O título correcto da obra de Frei Cláudio da Conceição é Gabinete Historico. Cf. I. F. da SILVA, Diccionario..., vol. 2, p. 76-78.

52 Desconhece-se a data exacta da abertura das cortes. Mas sabe-se que D. João I, no dia 21 de Janeiro já se encontrava na vila. Cf. Joaquim Veríssimo SERRÃO, “Estremoz, Cortes de 1416”, Dicionário de História de Portugal, dir de Joel Serrão, vol. 2, p. 131.

53 A data correcta é 8 de Julho de 1497.

54 A data correcta é 20 de Maio de 1498.

55 Provavelmente a 29 de Agosto de 1499, embora alguns autores se inclinem para o mês de Setembro. Sobre a questão veja-se Damião PERES, Descobrimentos portugueses, p. 402-405.

56 Lapso do autor, que no entanto já apresenta a data correcta (5 de Outubro de 1520), na página 498 deste manuscrito. Estremoz, pela sua população e importância militar e económica, foi uma das primeiras vilas do reino a ser elevada a “vila notável”, no conjunto das onze localidades promovidas a tal categoria entre 1475 e 1580. Cf. João José Alves DIAS (coord.), Portugal do Renascimento à crise dinástica, p. 34-35.

57 Inicialmente marcadas para 20 de Março, tiveram a sua abertura a 16 de Abril de 1581, tendo Filipe II de Espanha sido nesse mesmo dia aclamado rei de Portugal. Cf. Rui d’Abreu TORRES, “Tomar, Cortes de (1581)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel SERRÃO, vol. 4, p. 171-172.

58 Veja-se a nota anterior.

59 Faleceu a 13 de Setembro e não a 17. Cf. José Maria de Queiroz VELOSO, “A dominação filipina”, História de Portugal, dir. de Damião Peres, vol. V, p. 262.

60 As cortes de 1641 foram convocadas “até 20 de Janeiro”, mas o seu início apenas ocorreu a 28 do mesmo mês. Cf. Joaquim Veríssimo SERRÃO, “Lisboa, Cortes de (1641)”, Dicionário de História de Portugal, dir de Joel Serrão, vol. 2, p. 778-779.

61 A aclamação foi no dia da abertura das cortes, portanto a 28 de Janeiro, como referimos na nota anterior.

62 Relação da victoria que alcançou em 2 de Setembro de 1641 o general Martim Affonso de Mello em 17 de Septembro de 1641. Cf. I. F. da SILVA, Diccionario..., vol. VI, p. 56.

63 A paz com a Espanha foi assinada a 13 e não a 23.

64 Teriam principiado apenas a 15 de Janeiro de 1674. Foram convocadas para jurar D. Isabel herdeira do trono de Portugal, uma vez que D. Pedro não possuía ainda filho varão (D. João V viria a nascer em 1689). Há, assim, alguma confusão do autor, pois as cortes em que se tratou do casamento da princesa com um príncipe estrangeiro realizaram-se apenas em 1679. Cf. Joaquim Verríssimo SERRÃO, “Lisboa, Cortes de (1674)” e “Lisboa, Cortes de (1679)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, p. 781 e 782, respectivamente.

65 As câmaras foram, em Setembro, notificadas para nomearem procuradores às cortes, com abertura marcada para 15 de Novembro. Cf. Joaquim Veríssimo SERRÃO, “Cortes de 1697”, p. 782.

66 Na praça militar de Campo Maior, em 1732, ocorrera um acidente de natureza idêntica, embora de proporções bastante mais graves. Cf. Estêvão da Gama de Moura e AZEVEDO, Notícias da antiguidade, aumento e estado presente da vila de Campo Maior (...), organização, introdução, biografia, transcrição e notas de Rui Rosado Vieira.

67 A paz de Ryswick foi de facto assinada em finais de Outubro, mas do ano de 1697.

68 A 25 de Março de 1700.

69 A Grande Guerra do Norte (1700-1721), que opôs a Rússia, a Polónia e a Dinamarca contra a Suécia. Com este conflito, Pedro o Grande consagrou a hegemonia da Rússia na Europa Setentrional, realizando o sonho de Ivan o Terrível de “abrir à Rússia uma janela sobre o Báltico”. Cf. Carl GRIMBERG et Ragnar SVANSTRÖM (dir.), Histoire Universelle, vol. 8, «L’hégemonie anglaise et la fin de l’Ancien Régime», p. 112-117.

70 Trata-se de António Caetano de Sousa, um dos primeiros cinquenta académicos da Academia Real da História Portuguesa. A sua Historia Genealogica da Caza Real Portugueza, publicada em 13 tomos entre 1735 e 1748, aos quais se acrescentaram seis volumes de Provas documentais, é considerada uma das obras mais importantes da historiografia portuguesa do século XVIII. Cf. L. R. TORGAL e outros, História da História..., p. 20. I. F. da SILVA, Diccionario..., vol. I, p. 101.

71 Sobre o envolvimento de Portugal e do Alentejo na Guerra da Sucessão de Espanha (1701-1714), veja-se M. P. CHAGAS, História de Portugal, vol. 8, p. 135-184; 189-216.

72 A.H.M.E., Vereações (1715-1719), acta de 7-11-1716, f. 82v.-83. Nesta reunião, o juiz de fora encarregou os almotacés de prepararem as “camas nesesarias para El Rey que Deus guarde que de proximo torna a vir a esta Vila e pessoas que lhe asistem e seus Criados” (f.83).

73 A.H.M.E., Vereações (1726-1729), acta de 26-1-1729, f. 136v.-137.

74 Sobre Manuel de Azevedo Fortes, figura relevante dos primórdios do iluminismo lusitano, que tanto pugnou pela renovação dos conhecimentos científicos e técnicos e denunciou a ortodoxia pedagógica inaciana, veja-se José Esteves PEREIRA, “Manuel de Azevedo Fortes – ética, estética e técnica”, Congresso Internacional Portugal no século XVIII, de D. João V à Revolução Francesa, p. 485-489.

75 Weinholtz.

76 A paz foi assinada a 16 de Março de 1737. Sobre este conflito diplomático que colocou Portugal e Espanha de novo à beira de uma guerra, veja-se Manuel Pinheiro CHAGAS, História de Portugal, vol. IX, p. 306-309. Ângelo RIBEIRO, “D. João V”, História de Portugal (dir. de Damião Peres), vol. VI, p. 189-191. T. FONSECA, Triste e Alegre..., p. 15-16.

77 Este capítulo não tem parágrafos.

78 O autor refere-se, provavelmente, ao acordo de auxílio mútuo no caso de um ataque francês, estipulado entre Portugal e Espanha a 15 de Julho de 1793.

79 Oficial escocês então a residir há longos anos em Portugal. Cf. Ângelo RIBEIRO, “Da morte de D. José à Guerra do Rossilhão”, História de Portugal (dir. de Damião Peres), vol. VI, p. 266.

80 Cf. Mafalda Soares da CUNHA, Linhagem, parentesco e poder. A Casa de Bragança (1384-1483), p. 66.

81 Cf. A. ZÚQUETE, Nobreza..., vol. II, p. 439.

82 Veja-se nota 33, p. 153.

83 D. Sancho de Faro e Sousa governou a praça de Estremoz pelo menos entre 1768 e 1779. Cf. T. FONSECA, Administração senhorial..., p. 16.

84 Frei Rafael de Jesus, sendo embora beneditino, integra-se na historiografia alcobacense por ter redigido a sétima parte da Monarchia Lusitana, respeitante ao reinado de D. Afonso IV. Baseia-se em Rui de Pina, sem recorrer a outra documentação. Cf. J. V. SERRÃO, A historiografia..., vol. II, p. 36 e 75.

85 Não foi possível encontrar a cópia desta carta no arquivo da Câmara de Estremoz.

© Publicações do Cidehus, 2003

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search