Version classiqueVersion mobile

António Henriques da Silveira e as Memórias analíticas da vila de Estremoz

 | 
Teresa Fonseca

Segunda parte. As Memorias annaliticas da Villa de Estremoz

2. Descrição do documento

Texte intégral

1O manuscrito está contido num códice de óptimo papel, bem conservado, com 30 cm de altura e 20 cm de largura, de 560 páginas, das quais 20 se encontram em branco, e mais 21, não numeradas, preenchidas com o índice.

2Procedemos à transcrição integral das Memorias propriamente ditas, seguindo as regras enunciadas no início deste estudo. Excluímos, porém, o apêndice documental (p. 536-560) e o índice. Com efeito, sobrecarregariam desnecessariamente a edição: o primeiro, por possuir um interesse reduzido para a maioria dos leitores; e o segundo, por se encontrar bastante incompleto. Tentámos de algum modo substituir este último, através da indicação das páginas do manuscrito, na apresentação da estrutura da obra, que encerra este capítulo.

  • 1 Veja-se a p. 480 da Memoria.

3Algumas das lacunas iniciais foram preenchidas, em 1826 ou em data pouco posterior1, pela mesma pessoa (o doutor Filipe Zagalo?), como se depreende pela caligrafia, encontrando-se devidamente assinaladas na transcrição. Pela nossa parte, completámos outras, transcritas em letra diferente, entre parêntesis rectos. Ficaram, ainda, alguns espaços em branco, relativos a elementos de natureza quantitativa ou onomástica, hoje de obtenção muito difícil ou mesmo impossível, que assinalámos por reticências.

4As 20 páginas em branco apresentam-se também devidamente identificadas. Umas ficaram por preencher por opção do autor; outras, porque as reservou para mais tarde inserir mapas ou desenhos (p. 88 e 342) que nunca chegou a executar; e no caso das catorze páginas seguidas, localizadas no final do quinto capítulo do Livro V, respeitante aos factos históricos da vila de Estremoz (p. 447-460), porque não conseguiu, como tencionava, continuar o relato para além do ano de 1795.

5O autor assinalou no texto algumas notas que não desenvolveu em rodapé, por isso optámos pela sua exclusão.

6Pela nossa parte, acrescentamos outras notas (com caracteres diferentes para se distinguirem facilmente das do original), com diversos fins: para rectificar erros de datas; para efectuar alguns esclarecimentos, susceptíveis de conferir maior inteligibilidade ao texto; e para assinalar as fontes a que recorremos para completar algumas das omissões atrás referidas.

7As Memorias annaliticas abrem com o referido “Prologo ao Leitor” (p. 3-36), no qual o autor, depois de explicar as razões que o levaram a escrever a obra, disserta longamente sobre crítica histórica e os requisitos do verdadeiro historiador.

8Seguem-se seis livros, divididos em capítulos. O primeiro, dedicado ao Alentejo em geral, começa com uma breve descrição física e “civil” ou “politica” da Província (p. 37-44), seguida de mais nove capítulos, sobre a fertilidade (p. 44-50), as minas (p. 50-53), o comércio (p. 53-55), a população (p. 55-61), o estado eclesiástico (p. 61-71), o estado monacal (p. 72-82), o governo civil (p. 84-91), o governo militar (p. 91-95) e os varões ilustres (p. 95-107).

9O segundo livro aborda a fundação de Estremoz (p. 108-114), o clima e fertilidade da vila (p. 117-126) e o seu governo civil (p. 126-134) e militar (p. 135-142).

10O terceiro livro, ainda respeitante à vila, descreve os seus bairros (p. 142-156), conventos (p. 156-190), a confraria da misericórdia (p. 190-196) e as ermidas dos coutos da vila (p. 196-205).

11O quarto livro, respeitante ao primitivo termo de Estremoz, começa por explicar a sua formação (p. 206-210). Caracteriza em seguida os concelhos que dele se desagregaram: Borba (p. 211-215) e Vila Viçosa (p. 215-227). Descreve, em traços gerais, o termo de Estremoz tal como se apresenta na época em que escreve (p. 228-234); e de forma mais pormenorizada, cada uma das suas paróquias (p. 234-254).

12O quinto livro relata os principais factos históricos relativos a Estremoz, enquadrando-os na história de Portugal e da Europa, distribuídos por cinco capítulos: o primeiro (p. 256-284), vai de 1258 (atribuição do foral) até 1386 (união de Estremoz à Coroa, em recompensa dos serviços prestados pelos seus moradores à causa do Mestre de Avis); o segundo (p. 285-288), de 1416 (data das cortes de Estremoz) a 1499 (regresso da Vasco da Gama da Índia); o terceiro (p. 289-300), entre 1500 (carta de D. Manuel declarando para sempre a união da vila à Coroa) e 1581 (Cortes de Tomar); o quarto (p. 301-391), de 1619 (visita de Filipe III de Espanha a Estremoz) a 1704 (primeiras campanhas, em território português, da guerra da Sucessão de Espanha); e o quinto (p. 391-446), de 1705 (início da participação das tropas de Estremoz na mesma guerra), a 1795 (regresso a Lisboa das forças militares portuguesas participantes na Campanha do Rossilhão).

13O sexto livro contém, nos cinco primeiros capítulos, a relação dos alcaides-mores (p. 461-465) e comendadores-mores (p. 465-471) de Estremoz, dos governadores da praça militar da mesma vila (p. 472-481), dos coronéis do regimento de infantaria (p. 481-485) e dos coronéis do regimento de artilharia (p. 487-489); e no sexto capítulo, o processo atrás referido relativo à promoção de Estremoz a cidade (p. 490-535).

Notes

1 Veja-se a p. 480 da Memoria.

© Publicações do Cidehus, 2003

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search