Version classiqueVersion mobile

António Henriques da Silveira e as Memórias analíticas da vila de Estremoz

 | 
Teresa Fonseca

Primeira parte. António Henriques da Silveira: um intelectual ilustrado

1. O ambiente familiar

Texte intégral

  • 1 Cf. A.D.E./R.P. Estremoz. S. Tiago. Baptismos liv° 6, (1716-1730), f. 78v. Foi baptizado a 2 de Ju (...)

1António Henriques da Silveira, filho primogénito de Barnabé Henriques e de Josefa Maria da Silveira, nasceu na vila de Estremoz a 24 de Maio de 17251.

  • 2 T.T./H.O.C. let. A, mç.4, doc. 12, inquirições do habilitando Amaro Henriques da Silveira, 1756. I (...)

2O pai, oriundo do termo de Guimarães, era filho de Gonçalo Henriques, “Lavrador de sua propria fazenda”, mas certamente pouco abastado, pois acumulava a actividade agrícola com a de carpinteiro. Trilhando ainda “rapas” o ancestral percurso da nossa emigração interna rumo ao Sul, o jovem vimaranense acabou por se fixar naquela vila alentejana2.

  • 3 Veja-se a nota 2. Simão Álvares seria posteriormente tranferido para Setúbal, onde foi capitão de (...)
  • 4 Serviu numa das companhias do regimento de Castelo de Vide, com o posto de cabo de esquadra. Veja- (...)
  • 5 Id., ibid.
  • 6 Id., ibid.
  • 7 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 137 (1754-56), escritura de 21-2-1755, f. 37-39v. Id., liv° 145 (1 (...)
  • 8 Cf. A.D.E./I. O., Estremoz, mç. 7, doc. 222. António Rodrigues Varge faleceu a 3 de Agosto de 1719

3A mãe, natural de Estremoz, era filha de Domingos Álvares, um beirão do termo de Pampilhosa, que “sendo menino” se ausentou da terra natal para passar a viver na companhia de um tio, Simão Álvares, então militar naquela praça forte alentejana3. Este viria a casar Domingos com uma jovem também sua sobrinha, Maria Rodrigues da Silveira, natural da vila de Veiros, que viera igualmente para sua casa quando ficou sem pai. Domingos Álvares, inicialmente sapateiro, acabou por seguir, a exemplo do tio, a carreira das armas, na altura a via mais frequente de ascensão social4. Continuou, no entanto, a dedicar-se a outras actividades. E o “seu soldo, fazendas e negocio” permitiram-lhe passar a viver “à lei da nobreza”5. Conhecemos a existência de três filhos e de uma filha do casal Domingos Álvares e Maria Rodrigues da Silveira. Dois dos filhos tornaram-se religiosos franciscanos6; e o terceiro, Manuel Álvares Correia, vivia com sua mulher, em 1755, na rua de Santa Catarina, em Estremoz7. A filha, Josefa Maria da Silveira, casou em primeiras núpcias com o trapeiro António Rodrigues Varge. Ficaria prematuramente viúva, em 1719, com dois filhos, Manuel Rodrigues Varge, de seis anos e Margarida Josefa, com apenas quinze dias8.

  • 9 Não encontrámos provas documentais de que António Rodrigues Varge tivesse sido surrador, como info (...)

4António Rodrigues não deixou, porém, a família desamparada. Além da casa de habitação, à Porta da Lage, possuía outra morada de casas e um foro de 5.000 reis anuais numa terceira moradia, quatro vinhas e metade de um olival. Do recheio da casa constavam alguns móveis, roupa de cama e de mesa e diversos objectos de prata, além de numerosos utensílios de cozinha. Sendo o entesouramento uma prática comum na época, foram, naturalmente, inventariados quatro pares de arrecadas em ouro, alguns cordões do mesmo metal e diversas jóias adornadas com pedras preciosas. O casal possuía ainda um aprovisionamento de cinquenta e quatro alqueires de farinha e de onze alqueires de azeite. Na oficina anexa à habitação encontraram-se grandes quantidades de lã fiada, de linho e de saragoça, além de cinco rodas de fiar. O defunto deixou seis contas por pagar a igual número de credores, um deles tintureiro, provavelmente seu fornecedor. Mas possuía dezoito dívidas por cobrar, dezassete em dinheiro e uma de cinco côvados de saragoça9.

  • 10 Cf. A.D.E./I. O., Estremoz, mç.7, doc. 222. Id., F.N./ Estremoz, liv° 118 (1723-25), f. 74-74v. Ca (...)
  • 11 Cf. id,./R.P., Extremoz, Santo André, Baptismos, liv° 21 (1723-30), f. 106. Nasceram a 30 de Dezem (...)
  • 12 Cf. T.T./H.S.O., mç.3 doc. 51. Nasceu a 14 de Janeiro de 1729. Foi baptizado na freguesia de Santo (...)
  • 13 Cf. A.D.E./R.P.. Estremoz. Santo André. Baptismos, liv° 22 (1730-37), f. 27 e f. 82, respectivamen (...)

5Em 1723, Josefa Maria contraiu de novo matrimónio com o oficial de curtidor Barnabé Henriques, que assumiu a tutoria dos enteados10. A nova família foi crescendo com o nascimento de António, ao qual se seguiu, em 1726, o casal de gémeos José e Maria11, em 1729 Amaro12, em 1731 Joaquim e em 1733 Francisca Teresa Marcelina13.

  • 14 Cf. T.T./H.S.O., mç.3 doc. 51, f. 15v.
  • 15 Cf. Jorge Borges de MACEDO, Problemas de história da indústria portuguesa no século XVIII, p. 64-6 (...)

6Quando chegou a Estremoz, o jovem Barnabé praticava o ofício de sangrador14. Porém, a mudança de profissão teria determinado o começo da sua ascensão económica. A indústria dos curtumes encontrava-se, na primeira metade do século XVIII, em franca expansão nacional, ao ponto de afectar as exportações inglesas para o nosso país15. E a região em que Barnabé se instalara, com as importantes praças militares de Estremoz e Elvas, era certamente um excelente mercado consumidor deste género de produtos.

  • 16 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 119 (1725-27), escritura de 16-8-1725, f. 20v; id, ibid., escritur (...)
  • 17 Os livros do Fundo Notarial de Estremoz, principalmente na terceira década do século XVIII, contêm (...)
  • 18 Sobre o poder económico do dinâmico grupo social dos arrematantes das rendas camarárias, senhoriai (...)

7O capital acumulado com esta actividade ter-lhe-ia permitido o envolvimento em negócios de outra natureza, na terra de residência e em mais localidades da região. Possuía procuradores não apenas em Estremoz, mas também nas vilas de Avis, Olivença, Terena, Ervedel e na cidade de Elvas16. Entre as suas actividades económicas incluíam-se os empréstimos de dinheiro a juros, as arrematações de avultadas rendas e o comércio de cereais17. Qualquer um destes ramos constituía então uma importante via de enriquecimento, mas implicava, ao mesmo tempo, a prévia detenção de uma sólida riqueza, particularmente a arrematação de rendas18.

  • 19 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 125 (1735-36), escrituras de: 29-4-1735, f. 6-7; e 27-5-1735, f. 1 (...)
  • 20 Cf. id., ibid., liv° 129 (1740-41), escritura de 18-11-1740, f. 15-16v.
  • 21 Cf. id., ibid., liv° 123 (1732-33), escritura de 28-12-1732, f. 36v.-37.

8Com o lucro dos negócios foi adquirindo bens fundiários. Em 1735, uma courela de terra em Santa Vitória do Ameixial, freguesia do termo de Estremoz, e uma vinha nos coutos desta vila19; em 1740, outra courela, também nas imediações de Estremoz20. Em 1732, aforou uma sua casa, na rua Direita da mesma localidade, ao sapateiro Manuel Curado21. No entanto os seus bens eram por certo muito superiores, como veremos pelo valor da herança legada aos filhos por sua morte.

  • 22 Cf. id., ibid., liv° 123 (1732-33), escritura de 6-12-1732, f. 26-27. T.T./H.O.C. let. A, mç.4, do (...)
  • 23 As companhias de ordenanças, instituídas por D. Sebastião por lei de 9 de Dezembro de 1569, consti (...)

9O êxito económico levou Barnabé Henriques a acalentar projectos de ascensão social. Tais propósitos podem já ter estado na origem da união com Josefa da Silveira, que embora viúva e com dois filhos, provinha de uma família de condição superior à sua. E com idêntico objectivo, teria movido influências junto da oligarquia dirigente local, no sentido de ser proposto capitão de ordenanças. Este cargo militar de nomeação vitalícia, que passou a exercer pelo menos desde 173222, constituía um dos recursos habitualmente utilizados pela burguesia enriquecida para atingir a nobilitação23.

  • 24 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 125 (1735-36), escritura de 27-5-1735, f. 14v.-16.
  • 25 Cf. id., ibid., liv° 135 (1751-53), escritura de 29-11-1752. Com base nestas referências documenta (...)

10A mudança de residência pode constituir também um indicador de promoção social. Em 1735 ainda habitava “aos Pelames”24, provavelmente junto da sua oficina ou manufactura de curtimenta. Porém, quando faleceu, vivia no “sitio” ou “frontaria” da Levada, onde a viúva e os filhos continuariam a residir, pelo menos até 175225.

  • 26 T.T./H.S.O., mç. 105, doc. 1859, diligências do habilitando António Henriques da Silveira. 1747.
  • 27 T.T./H.O.C. let. A, mç.4, doc. 12.

11Com efeito, em 1747 era recordado em Estremoz como “Capitam e homem de grandes negocios”, que havia sido “no seu prencipio” curtidor26. E em 1756 como homem rico, que se tratava à lei da nobreza “com munta honra e distinção”27.

  • 28 Cf. A.D.E./R.P.., Estremoz. Santo André. Óbitos, liv° 4 (1738-48), f. 32. Agradeço ao dr. Hugo Gue (...)
  • 29 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 143 (1740-41), escritura de fiança de 16-5-1741, f. 92v.-93.
  • 30 T.T./H.S.O., mç. 105, doc. 1859.

12As ambições sociais do antigo sangrador são também evidentes nos planos forjados para a educação dos filhos varões, encaminhando-os para a carreira das letras, de modo a acrescentar à família mais um factor de distinção. Porém, não chegou a ver concretizado tal desígnio, por ter falecido a 29 de Abril de 174128, deixando quatro filhos menores, dos seis que haviam nascido do seu casamento com Josefa Maria: António, com 16 anos incompletos; Maria, com 14; Amaro, com 12; e Francisca com 8. O irmão mais velho, Manuel Rodrigues Varge, ficou como fiador das legítimas dos órfãos29, que importavam cada uma em cerca de seis ou sete mil cruzados30. O facto de o juiz dos órfãos o ter aceite como abonador de tão avultadas heranças, permite-nos fazer uma ideia da considerável fortuna que Manuel Varge, então apenas com 28 anos, devia já possuir.

  • 31 A.D.E./A.C.B. –L.P., doc. 227, Auto de Contas de 15 de Dezembro de 1814, do Testamento com que fal (...)
  • 32 A Manuel João, por seis anos e pela renda anual de 62.000 reis. Cf. id., F.N., liv° 144 (1741-43), (...)
  • 33 Cf. id., ibid., liv° 145 (1743-44), escritura de 18-11-1744, f. 132v.-133.
  • 34 Cf. id., ibid., liv° 146 (1744-46), escritura de 2-2-1746, f. 142v.-143v.
  • 35 Esta tença constituía, provavelmente, um meio de pagamento de um empréstimo que Josefa Maria ou se (...)
  • 36 Os livros do fundo notarial de Estremoz relativos à quarta década do século XVIII, registam divers (...)

13A viúva ficou “no pleno dominio dos bens da sua meação, e Caza divellando-se pella educação de todos os filhos”31, auxiliada pelo primogénito, que lhe servia de procurador e assinava, a seu rogo, as escrituras notariais, relativas aos negócios da família. Em 1742, arrendou uma horta que possuía na ribeira de Ana Loura32; vendeu, em 1744, duas moradas de casas de sua propriedade, situadas em S. Bento do Ameixial33; aforou, em 1746, uma courela que tinha na mesma localidade34; no ano seguinte, nomeou um procurador em Lisboa para cobrar por ela uma tença anual de 23.000 reis, “centrada na Caza das frutas” daquela cidade35; em 1752, comprou um terreno nas imediações da vila de Sousel. Além disso continuou a emprestar dinheiro a juros, incluindo ao próprio irmão, Manuel Álvares Correia36.

  • 37 Cf. A.D.E./F.N., liv° 135 (1751-53), escritura de 24-12-1751, f. 5-6v.
  • 38 Id., ibid., liv° 137 (1754-56), escritura de 21-2-1755, f. 37-39v.
  • 39 Id., A.C.B.-L.P., doc. 227, Auto de Contas de 15 de Dezembro de 1814, do Testamento com que falece (...)

14Em 1751 e 1755, adquiriu edifícios na rua de Santa Catarina. O primeiro, a José Dias, aljubeteiro, por 43.000 reis37. E o segundo, constante de “tres bachos e hum sobrado”, ao próprio irmão Manuel Álvares Correia (que possuía ainda outra casa nesta rua, na qual residia), por 115.200 reis38. Supomos serem estas as “duas moradas de Cazas pequenas” que António Henriques da Silveira informaria, no seu testamento de 1807, possuir “na mesma frontaria” das “Cazas Nobres” em que habitava39.

  • 40 Id., ibid., f. 8v.
  • 41 Cf. A.D.E./R.P., Estremoz. Santo André. Óbitos, liv° 49 (1748-58), f. 177. Faleceu a 28-7-1757. Fo (...)
  • 42 Cf. id., A.C.B. –L.P., doc. 227, f. 8v. Vejamos alguns exemplos que nos possam servir de termo de (...)
  • 43 A.D.E./ A.C.B. –L.P., doc. 227, f. 8v.

15Devido ao seu dinamismo e à “cuidadosa agencia” de Manuel Varge40, reforçou a fortuna deixada pelo marido, legando aos filhos, quando faleceu, em 175741, uma herança avaliada em 240.000 cruzados, quantia extraordinariamente elevada para a época42. E em sinal de reconhecimento pelos “serviços e obsequios que lhe devia”, deixou ao filho mais velho o usufruto, em vida, da sua terça, com a qual constituíra, entretanto, um morgadio43.

  • 44 Id., ibid., f. 8v.
  • 45 Id., ibid., f. 12-12 v.

16Por morte da mãe, não se inventariaram nem dividiram os bens, em virtude da “boa armonia” que sempre houve entre os irmãos44. Margarida Josefa entrara para um convento, como referiremos adiante. Maria, havia entretanto falecido. E Manuel, António, Amaro e Francisca Teresa continuaram a viver juntos. E embora permanecessem “no comum desfruito” dos bens, o primeiro negociava “debaixo do seu proprio nome, figurando em varias sociedades de Comercio (...) de que lhe resultarão as grandes utilidades, e interesses com que comprara as emportantes Erdades e mais fazendas de rays”, com as quais constituiu o fundo da sua “grande Caza”45. Iniciado nos negócios por Barnabé Henriques, Rodrigues Varge passou a envolver-se oficialmente em actividades económicas após o falecimento do padrasto, quer como procurador e fiador da mãe, como atrás referimos, quer negociando em seu próprio nome. E com a morte de Josefa da Silveira, passou também a gerir os negócios da família, a par dos individuais.

  • 46 Em 1744 comprou, por 140.000 reis, a Frei Amaro Coelho da Gama, umas alcaçarias com duas casas e u (...)

17Expandiu a indústria dos curtumes46 e prosseguiu nos outros ramos de actividade do pai adoptivo. No entanto, seguindo uma prática característica do capitalismo português da segunda metade do século XVIII, substituiu gradualmente a iniciativa individual predominantemente usada pelo seu mentor, pela integração em grandes sociedades económicas. Esta modalidade, ao envolver capitais mais avultados, permitia aos sócios a obtenção de lucros consideravelmente superiores.

  • 47 Cf. id., F.N., Estremoz, liv° 153 (1751-52), escritura de 14-3-1752, f. 44v.-45v. As escrituras de (...)
  • 48 Cf. id., ibid., liv° 136 (1753-54), escritura de 8-5-1754, f. 97v.-98v.
  • 49 Cf. id., liv° 153 (1751-52), escritura de 21-7-1752, f. 94-95.
  • 50 Cf. id., liv° 153 (1751-52), escritura de 20-7-1752, f. 93-94.

18Assim, com os seus conterrâneos Vasco José da Costa e Rodrigo Zagalo, emprestava a juro grandes somas de dinheiro, que chegaram a atingir os 900.000 reis47, quando as disponibilizadas com o mesmo fim por Barnabé Henriques e por Josefa da Silveira, não haviam ultrapassado, pelo que conhecemos, respectivamente os 288.000 reis e os 200.000 reis. Com os mesmos sócios, arrematava a cobrança de avultadas rendas, como a das comendas do Conde de Vila Nova48 ou a dos Almoxarifados do Infante D. Pedro, que subarrendava posteriormente em parcelas49; e negociava ainda o contrato do tabaco na província do Alentejo50.

  • 51 T.T./H.S.O., mç.3, doc.51.

19E a título individual, além de também emprestar dinheiro, comprava, aforava e arrendava casas, herdades, hortas e courelas. Em 1762 era considerado pelos conterrâneos, senhor de “huma das Cazas deste povo de mais groços Cabedais”51.

  • 52 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 174 (1762-63), escritura de 4-4-1762, f. 26v.-29v.
  • 53 Veja-se nota 24.
  • 54 M. J. da C. F. GAYO, Nobiliário..., vol. VI, p. 117.

20Datam igualmente deste ano os mais antigos testemunhos que encontramos da residência da família Varge/Henriques da Silveira na rua de Santa Catarina52, para onde se devem ter tranferido em data que ainda desconhecemos, embora posterior a Setembro de 1755, altura em que viviam na rua de S. Pedro, como atrás referimos53. Felgueiras Gayo atribui a Manuel Rodrigues Varge a iniciativa da construção deste sumptuoso edifício, “em que gastou mais de 80 mil cruzados com seus adereços, ou talvez mais”54.

  • 55 A primeira escritura efectuada nestes termos está referida na nota 52.
  • 56 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 184 (1765-66), escritura de 24-4-1765, f. 22v.-23.

21A partir também desse ano de 1762, Manuel Varge deixou de assinar por motivo de cegueira55. Embora continuasse a tratar dos seus negócios e a assistir às respectivas escrituras, passou a ser substituído naquela formalidade pelo irmão António. Os actos notariais ocorridos em Estremoz passaram, então, a concentrar-se preferencialmente na quadra natalícia e no Verão, épocas habituais de estadia do canonista na terra. E para figurar em seu nome nos contratos efectuados em outras localidades, nomeou, em 1765, António Mendes da Silva, da vila de Sousel56.

  • 57 Id., ibid., liv° 185 (1766-68), escritura de 15-7-1767, f. 58-59.

22Em 1767, doou a António Henriques um censo de cinquenta alqueires de trigo anuais, que possuía no celeiro comum desta última vila, “por atender ao grande cuidado e disvello com que o dito seu Irmão se tem empregado em lhe asistir na sua Doensa, mas tambem com o que lhe vai continuando na sua molestia. E ao grande zello com que se tem empregado nas suas dependencias querendo elle Doante de algum modo Compensar a elle Doádo o excecivo amor e serviços que lhe tem feito e continuará da mesma forma”57.

  • 58 Cf. id., R.P.. Estremoz. Santo André. Óbitos, liv° 51 (1771-1811), f. 177v. Faleceu a 5 de Feverei (...)
  • 59 A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 182 (1782-84), escritura de 14-9-1783, f. 95-95v. Cf. id., A.C:B: – L. (...)

23Manuel Rodrigues Varge viria a falecer, solteiro, em 1780, com sessenta e sete anos de idade58. Deixou como “seu universal herdeiro” o irmão António Henriques da Silveira59, em quem mais confiava e de quem se sentia aparentemente mais próximo, apesar de viverem separados a maior parte do ano.

  • 60 Cf. id., F.N., Estremoz, liv° 141 (1738-39), escritura de quitação de 1-2-1739, f. 102v.-103.

24A irmã germana de Manuel Varge, Margarida Josefa, ingressara no convento das Maltezas com dezoito anos, professando um ano mais tarde, em Fevereiro de 1739. Levou de dote 600.000 reis, correspondentes ao valor da legítima paterna, até então administrada pelo padrasto60.

  • 61 Cf. António Henriques da SILVEIRA, Memorias annaliticas..., p. 160-175.

25O Real Mosteiro de S. João da Penitência de Comendadeiras da Ordem de Malta era o único daquela congregação existente em Portugal e na altura também o único convento feminino de Estremoz. Possuía rendimentos avultados e acolhia preferencialmente religiosas de origem nobre. Os confessores das suas religiosas eram os padres do convento de S. Francisco, onde se haviam anteriormente recolhido os dois tios da noviça Margarida Josefa, irmãos de sua mãe. Estes irmãos terceiros, em geral pessoas cultas, dedicadas aos estudos de filosofia, contribuíam, com a sua orientação espiritual, para as “heroicas virtudes” das Maltezas. O prestígio do mosteiro de S. João da Penitência espalhara-se por todo o reino, tendo contribuído para o “crescido numero de Religiozas” que acolhia em 179761.

  • 62 Respectivamente doze e dezasseis anos mais velho que os irmãos, Manuel, ao assumir, em colaboração (...)
  • 63 A. H. da SILVEIRA, Memorias annaliticas..., p. 184-186.
  • 64 O seu nome não consta do ficheiro de matrículas da Universidade de Coimbra, nem dos Livros de Matr (...)
  • 65 T.T./H.S.O., mç.3, doc.51. Em Évora apenas existiram faculdades de Humanidades, Artes, Casos de Co (...)
  • 66 Cf. T.T./C.N., liv° 12, Registo de Brazões. 1750-1769, f. 73 v.
  • 67 Cf. id., H.O.C., mç.4, doc.12.
  • 68 T.T./H.S.O., mç.3, doc.51, f. 13v.
  • 69 Id., ibid., f. 14v.
  • 70 A.D.E./ A.C.B.–L.P., doc. 227, f. 11.

26A fortuna deixada por Barnabé Henriques possibilitou aos filhos António e Amaro o prosseguimento dos estudos após a morte do pai, que Manuel Rodrigues Varge tentou de alguma forma substituir62. De António, trataremos adiante com maior detalhe. Quanto a Amaro, seguiu inicialmente um percurso paralelo ao do irmão. Iniciou, por certo, os estudos em Estremoz, podendo ter frequentado a escola de Gramática do convento dos Eremitas Descalços de Santo Agostinho, que os padres mantinham aberta “aos filhos da terra”63. Desconhecemos qualquer prova documental da sua passagem pelas universidades de Évora ou de Coimbra64, embora o seu processo de habilitação a familiar da inquisição nos informe ter sido “grammatico, e alguns annos jurista”65. Porém, a tradição familiar, aliada a um temperamento mais irrequieto, levaram-no a distanciar-se, a partir de certa altura, do percurso literário de António e a enveredar pela carreira das armas, a sua verdadeira vocação. Em 1754, era soldado do Regimento de Dragões da cidade de Beja66; em 1756, furriel de cavalaria67; e em 1762 alferes da mesma arma, no regimento da praça de Olivença, auferindo pelo ofício o soldo mensal de 12.000 reis. Possuía então “hua groça Legitima, que lhe ficou de seos pais”68. Tratava-se “com bello Luzimento de sua pessoa, como official de Guerra”. E por ser “abundantissimo de bens patrimoniaes”, projectava “fazer à sua custa hua Companhia de Cavallos”69; chegou, efectivamente, a concretizar este desejo, no qual dispenderia a “maior parte” da legítima materna70.

  • 71 Veja-se nota 66.
  • 72 Cf. T.T./ H.O.C., mç.4, doc.12.
  • 73 Mais precisamente a 23-6-1762. Cf. id., H.S.O., mç.3, doc.51.

27Empenhado em continuar o processo de ascensão social iniciado pelo pai, procurou, por diversos meios, reforçar a subida de estatuto anteriormente conferida pelas letras e pelas armas. Em 1754, obteve carta de brasão71; dois anos mais tarde, tornou-se cavaleiro da Ordem Militar de Cristo72; e em 1762, conseguiu carta de familiar do Santo Ofício73.

  • 74 Cf. T.T./H.S.O., mç.3, doc.51.
  • 75 Ocupou os cargos de vereador e almotacé. Cf. T. FONSECA, Absolutismo e municipalismo..., p.
  • 76 Sobre este ilustre prelado eborense, que desempenhou altos cargos eclesiásticos em Roma antes de s (...)

28Tais distinções, associadas à fortuna pessoal, possibilitaram o seu casamento, em finais de 1771, com D. Mariana Plácida de Lucena Noronha Faro e Castelo Branco, da cidade de Évora. A noiva era filha de D. Joaquim Eugénio de Lucena Almeida Noronha e Faro, fidalgo da Casa Real, familiar do Santo Ofício74 e membro da governança eborense75, e de D. Genoveva Ribeiro da Fonseca. O pai, oriundo de Madrid, radicara-se em Évora, terra de naturalidade da mãe, que por sua vez era sobrinha de D. Frei José Maria da Fonseca, bispo do Porto76.

  • 77 Cf. A.D.E./F.N. Extremoz, liv° 176 (1770-72), escritura de 21-12-1771, f. 110v.-112.

29No acordo pré-nupcial, o pai de D. Mariana exigiu do futuro genro o compromisso77 escrito de a tratar “com carruagem Escudeiro, Ayas, e Criados, e mais necessario com a desencia que pede o seu nascimento”, expressando deste modo alguma desconfiança relativamente à educação e estilo de vida desta família recém chegada à ordem da nobreza, mas cuja fortuna seria porventura indispensável à sobrevivência da sua ilustre e antiga linhagem.

  • 78 Cf. T.T./D.P., A.-A., mç. 268, doc. 53.
  • 79 Cf. A.D.E./R.P. Estremoz. Santo André. Óbitos, liv° 51 (1771-1811), f. 174 v. Faleceu a 12-3-1799. (...)
  • 80 Cf. T.T./D.P., A.-A., mç 829, doc. 52.
  • 81 Cf. M. J. da C. Felgueiras GAYO, Nobiliário..., vol. VI, p. 117.

30O casal permaneceu na residência da rua de Santa Catarina, na companhia dos irmãos solteiros de Amaro78, que aqui viveria até morrer, em 179979, com setenta anos, na condição de sargento-mor de cavalaria reformado80. Sobreviveu-lhe D. Mariana de Lucena, de quem tivera uma única filha, Maria Clara Henriques da Silveira, nascida em 177881.

  • 82 T.T./D.P., A.-A., mç. 268, doc. 53.
  • 83 Cf. A.D.E./A.C.E., Vereações, liv° 53, acta de 31-10-1798, f. 90. A câmara apresentava três elemen (...)

31Esta última, aliando a fortuna paterna ao sangue nobre do lado materno, casara, ainda em vida do pai, com António José Maria Coutinho Pereira Forjaz, “de huma casa tão conhecida como Illustre”82. Este Moço Fidalgo da Casa Real foi, em 1798, o primeiro indigitado pelo senado camarário eborense para superintendente das coudelarias de Estremoz83, cargo apenas acessível à fidalguia e nobreza de linhagem. Na proposta, os vereadores eborenses, na altura com o poder de propor os superintendentes das coudelarias de toda a comarca, referem-no como herdeiro do desembargador do Paço António Henriques da Silveira, com cuja sobrinha estava casado.

  • 84 Cf. A.D.E./ A.C.B.–L. P., doc. 227, f.19-19v.
  • 85 T.T./D.P., A.-A., mç. 268, doc. 53, provisão de 23-10-1809.

32António Forjaz viria a ser acometido de loucura, pelo menos desde 180784, ao ponto de ter sido necessário “pollo em recluzão”; em 1809 achava-se “em tal ponto de demencia”, que tinham já “os Fisicos dezesperado do seo restabelecimento”. Maria Clara, ocupada na educação dos quatro filhos menores, não possuía conhecimentos nem hábitos que lhe permitissem substituir o marido na administração dos bens da família. Perante esta situação, António Henriques da Silveira, que conservara sempre a sobrinha na sua companhia, com a “constante ideia de unir os bens do cazal, e adqueridos em huma so caza”, a fim de a tornar “mais forte e respeitavel”, requereu provisão régia de nomeação de Fernando Pereira de Faria Cota Falcão, filho de sua irmã Francisca Teresa, como administrador dos negócios da prima. Invocou em seu abono os “tallentos e senso economico que a todas as luses tem patenteado no governo, e administração de sua casa”85.

  • 86 Viria a falecer em 1788.
  • 87 Cf. A.D.E./ A.C.B.–L.P., doc. 227, f.17. Id., F.N. Estremoz, liv° 169 (1776-79), escritura de 28-1 (...)

33Francisca Teresa Marcelina uniu-se, como o irmão Amaro, a uma família da aristocracia de linhagem, ao consorciar-se com Manuel Pereira de Faria Cota Falcão. Este fidalgo foi capitão-mor de ordenanças da vila de Coruche e superintendente das coudelarias da comarca de Avis. Escusou-se, por falta de saúde, do honorífico cargo de guarda roupa do príncipe D. José, primogénito da rainha D. Maria I86, vindo a falecer antes de 177887. Entre os vários filhos deste casamento sobreviveram dois rapazes e duas raparigas: Fernando, acima referido, herdeiro e administrador da casa paterna e Francisco; e duas raparigas, Isabel Teresa e Maria Vitória.

  • 88 Cf. A.D.E./ F.N. Estremoz, liv° 169 (1776-79), escritura de 28-11-1778, f. 111-112v.
  • 89 M. J. da C. Felgueiras GAYO, Nobiliário..., vol. VIII, p. 235.
  • 90 Em fins de Outubro de 1777, a rainha D. Mariana Vitória, recentemente viúva de D. José (falecido a (...)

34Mediante “Avizo do Senhor Rey Dom Pedro Terceiro”, as duas filhas de D. Francisca recolheram-se no convento das Maltezas em finais de Novembro do dito ano, onde provavelmente se encontrava ainda a tia Margarida Josefa. Isabel Teresa, a mais velha, iniciou o noviciado, com o objectivo de professar no ano seguinte. A mais nova foi admitida como educanda, até atingir a idade competente para noviciar88. Segundo relata Felgueiras Gayo, D. Maria I e o rei consorte assistiram à entrada das jovens no mosteiro; e a soberana e as princesas teriam cortado os cabelos e vestido o hábito à noviça89. A família real teria, assim, aproveitado a viagem à fronteira do Caia, efectuada precisamente em Novembro desse ano com o objectivo de ir esperar a rainha mãe no seu regresso de Espanha90, para apadrinhar a iniciação na vida religiosa da filha do antigo servidor do príncipe herdeiro.

  • 91 A.D.E./ F.N. Estremoz, liv° 169 (1776-79), escritura de 28-11-1778, f. 111-112v.

35Além do dote e outras despesas obrigatórias entregues pela mãe das jovens à madre prioresa, o tio António ofereceu a cada sobrinha uma tença extra de 30.000 reis anuais, com carácter vitalício, “para as suas Religiozas necessidades”91.

  • 92 Cf. T.T./D.P., A.-A., mç. 678, doc. 1; e mç. 560, doc. 96.

36Entre este ano de 1778 e 1785, viria a falecer D. Francisca Teresa. No seu testamento, nomeara como tutor dos filhos aquele seu irmão, por confiar na profunda afeição que nutria tanto por ela própria como pelos seus filhos92.

  • 93 A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 229 (1803-04), escritura de contrato nupcial de 29-4-1804, f. 113-114 (...)

37E em 1804, o desembargador apadrinhou o casamento do mais velho dos seus tutelados, o sobrinho Fernando, com D. Francisca de Lucena Noronha Manuel Castro e Faro, da cidade de Portalegre. A noiva, herdeira de “hum avultado rendimento”, era filha de D. José Martinho de Lucena, fidalgo da Casa Real e morgado dos Peixinhos e de sua mulher, D. Rosa Joana Catarina Freire93. E a julgar pelos apelidos, seria familiar próxima de D. Mariana de Lucena, mulher de Amaro Henriques da Silveira.

  • 94 Veja-se Nuno Daupias d’ALCOCHETE, “Principalidade”, Armas & Troféus, tomo VII, no 1, p. 34-52. Id. (...)

38A nobilitação de bisnetos, ou mesmo netos, de oficiais mecânicos ou fazendeiros, começou a vulgarizar-se a partir do século XVI, intensificando-se nas centúrias seguintes94. Os mesteirais e agricultores que conseguiam transformar-se em grandes negociantes e lavradores abastados, esforçavam-se por proporcionar aos filhos uma carreira eclesiástica ou académica. Estes, por sua vez, habilitavam-se às ordens militares ou a familiares da inquisição, ou até às duas condições em simultâneo. A acumulação de riqueza, associada a estas dignidades, favorecia a ligação matrimonial a famílias de condição superior, provocando a fusão entre a nobreza hereditária e a nobreza adquirida, que a legislação pombalina ajudou a acelerar.

39A família de Barnabé Henriques, que em três gerações ascendeu do artesanato à fidalguia, transitando pelo comércio de grosso trato, constitui um caso paradigmático do dinamismo social português do último século do Antigo Regime.

Notes

1 Cf. A.D.E./R.P. Estremoz. S. Tiago. Baptismos liv° 6, (1716-1730), f. 78v. Foi baptizado a 2 de Junho do mesmo ano. Teve como padrinho o capitão Manuel Gomes.

2 T.T./H.O.C. let. A, mç.4, doc. 12, inquirições do habilitando Amaro Henriques da Silveira, 1756. Id., H.S.O., mç.3, doc. 51, inquirições do habilitando Amaro Henriques da Silveira, 1762.

3 Veja-se a nota 2. Simão Álvares seria posteriormente tranferido para Setúbal, onde foi capitão de infantaria. Viria mais tarde a adquirir o hábito de Cavaleiro Professo da Ordem de Cristo.

4 Serviu numa das companhias do regimento de Castelo de Vide, com o posto de cabo de esquadra. Veja-se T.T./H.O.C. let. A, mç.4, doc. 12.

5 Id., ibid.

6 Id., ibid.

7 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 137 (1754-56), escritura de 21-2-1755, f. 37-39v. Id., liv° 145 (1743-44), escritura de 18-11-1744, f. 132v.-133.

8 Cf. A.D.E./I. O., Estremoz, mç. 7, doc. 222. António Rodrigues Varge faleceu a 3 de Agosto de 1719.

9 Não encontrámos provas documentais de que António Rodrigues Varge tivesse sido surrador, como informa Manuel José da Costa Felgueiras GAYO, no volume VI do seu Nobiliário de famílias de Portugal, p. 117.

10 Cf. A.D.E./I. O., Estremoz, mç.7, doc. 222. Id., F.N./ Estremoz, liv° 118 (1723-25), f. 74-74v. Casaram na freguesia de S. Tiago, na igreja do mesmo nome, a 18 de Abril de 1723.

11 Cf. id,./R.P., Extremoz, Santo André, Baptismos, liv° 21 (1723-30), f. 106. Nasceram a 30 de Dezembro de 1726.

12 Cf. T.T./H.S.O., mç.3 doc. 51. Nasceu a 14 de Janeiro de 1729. Foi baptizado na freguesia de Santo André a 3 de Fevereiro do mesmo ano, sendo padrinho o capitão Manuel Gomes de Carvalho.

13 Cf. A.D.E./R.P.. Estremoz. Santo André. Baptismos, liv° 22 (1730-37), f. 27 e f. 82, respectivamente. Joaquim nasceu a 14 de Fevereiro de 1731 e Francisca a 10 de Março de 1733.

14 Cf. T.T./H.S.O., mç.3 doc. 51, f. 15v.

15 Cf. Jorge Borges de MACEDO, Problemas de história da indústria portuguesa no século XVIII, p. 64-67.

16 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 119 (1725-27), escritura de 16-8-1725, f. 20v; id, ibid., escritura de 14-1-1733, f. 39-39v; id., liv° 126 (1736-38), escritura de 5-6-1736, f. 1-1v.; id., liv° 142 (1739-40), escritura de 16-9-1739, f. 97v.-98.

17 Os livros do Fundo Notarial de Estremoz, principalmente na terceira década do século XVIII, contêm escrituras relativas aos negócios de Barnabé Henriques, que pelo seu elevado número nos dispensamos de registar.

18 Sobre o poder económico do dinâmico grupo social dos arrematantes das rendas camarárias, senhoriais e estatais, veja-se Teresa FONSECA, Absolutismo e municipalismo. Évora. 1750-1820, p. 100-101 e 374-375.

19 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 125 (1735-36), escrituras de: 29-4-1735, f. 6-7; e 27-5-1735, f. 14v.-16.

20 Cf. id., ibid., liv° 129 (1740-41), escritura de 18-11-1740, f. 15-16v.

21 Cf. id., ibid., liv° 123 (1732-33), escritura de 28-12-1732, f. 36v.-37.

22 Cf. id., ibid., liv° 123 (1732-33), escritura de 6-12-1732, f. 26-27. T.T./H.O.C. let. A, mç.4, doc. 12.

23 As companhias de ordenanças, instituídas por D. Sebastião por lei de 9 de Dezembro de 1569, constituíam a base de recrutamento dos soldados do exército regular. Em tempo de guerra era-lhes atribuída a guarnição e defesa das praças fortes. Integravam os homens válidos que não estivessem incluídos nos outros dois escalões militares, o exército permanente e as milícias. O enquadramento era, em princípio, obrigatório para a faixa etária entre os 16 e os 60 anos. Havia, contudo, muitas excepções; e se algumas se baseavam em privilégios legais, muitas outras eram decretadas de forma arbitrária e injusta. Sobre a questão das ordenanças no Alentejo e o modo de eleição das suas chefias, veja-se Teresa FONSECA, Relações de poder no Antigo Regime. A administração municipal em Montemor-o-Novo (1777-1816), p. 152-163. Id., Absolutismo e municipalismo..., p. 506-511.

24 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 125 (1735-36), escritura de 27-5-1735, f. 14v.-16.

25 Cf. id., ibid., liv° 135 (1751-53), escritura de 29-11-1752. Com base nestas referências documentais, pomos em causa que Barnabé Henriques alguma vez tenha habitado as casas nobres de António Henriques da Silveira, situadas na rua de Santa Catarina, como se infere pela leitura do texto de Túlio Espanca (veja-se Túlio ESPANCA, Inventário artístico do distrito de Évora (zona Norte), vol. I, p. 191. As escrituras notariais em que Josefa Maria da Silveira participou, efectuadas entre 1741 e 1752, ocorreram, na sua maior parte, no seu local de residência, sempre referido como sendo na Levada. No entanto, antes da instalação definitiva na rua fronteira ao terreiro de S. Brás, a família habituou numa casa na rua de S. Pedro (seriam as traseiras do palácio da rua de Santa Catarina?), onde residiam em 1755. Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 156 (1754-55), escritura de 5-9-1755, f. 97v.-98v.

26 T.T./H.S.O., mç. 105, doc. 1859, diligências do habilitando António Henriques da Silveira. 1747.

27 T.T./H.O.C. let. A, mç.4, doc. 12.

28 Cf. A.D.E./R.P.., Estremoz. Santo André. Óbitos, liv° 4 (1738-48), f. 32. Agradeço ao dr. Hugo Guerreiro a cedência desta referência documental.

29 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 143 (1740-41), escritura de fiança de 16-5-1741, f. 92v.-93.

30 T.T./H.S.O., mç. 105, doc. 1859.

31 A.D.E./A.C.B. –L.P., doc. 227, Auto de Contas de 15 de Dezembro de 1814, do Testamento com que faleceu o Desembargador António Henriques da Silveira.

32 A Manuel João, por seis anos e pela renda anual de 62.000 reis. Cf. id., F.N., liv° 144 (1741-43), escritura de 14-7-1742, f. 83v.-84v.

33 Cf. id., ibid., liv° 145 (1743-44), escritura de 18-11-1744, f. 132v.-133.

34 Cf. id., ibid., liv° 146 (1744-46), escritura de 2-2-1746, f. 142v.-143v.

35 Esta tença constituía, provavelmente, um meio de pagamento de um empréstimo que Josefa Maria ou seu marido haviam efectuado à Fazenda Real. Id., ibid., liv° 148 (1747-48), escritura de 20-12-1747, f. 73-73v.

36 Os livros do fundo notarial de Estremoz relativos à quarta década do século XVIII, registam diversos exemplos.

37 Cf. A.D.E./F.N., liv° 135 (1751-53), escritura de 24-12-1751, f. 5-6v.

38 Id., ibid., liv° 137 (1754-56), escritura de 21-2-1755, f. 37-39v.

39 Id., A.C.B.-L.P., doc. 227, Auto de Contas de 15 de Dezembro de 1814, do Testamento com que faleceu ..., f. 10.

40 Id., ibid., f. 8v.

41 Cf. A.D.E./R.P., Estremoz. Santo André. Óbitos, liv° 49 (1748-58), f. 177. Faleceu a 28-7-1757. Foi sepultada no jazigo da família, no convento de S. Francisco, que ela própria fundara no ano anterior. Cf. António Henriques da Silveira, Memorias annaliticas da Villa de Estremoz, B.N.L., Res., Cód. 13311, [1797], p. 165.

42 Cf. id., A.C.B. –L.P., doc. 227, f. 8v. Vejamos alguns exemplos que nos possam servir de termo de comparação, salvaguardadas as distâncias temporais e a diversa natureza dos montantes: os 23 administradores de morgadios que entre 1750 e 1820 integraram a poderosa aristocracia dirigente do município de Évora, possuíam um rendimento médio anual de 10.000 cruzados (entre um mínimo de 3.000 e um máximo de 35.000 cruzados). Cf. T. FONSECA, Absolutismo e municipalismo..., p. 185-186. O rendimento dos administradores dos mesmos vínculos em Montemor-o-Novo, arrolados na pauta para vereadores em 1804, oscilava entre os 4.000 e os 20.000 cruzados, sendo também a sua média de 10.000 cruzados. Cf. T.T./D.P., A. – A., mç. 752, doc.2, eleições de 23-11-1804.

43 A.D.E./ A.C.B. –L.P., doc. 227, f. 8v.

44 Id., ibid., f. 8v.

45 Id., ibid., f. 12-12 v.

46 Em 1744 comprou, por 140.000 reis, a Frei Amaro Coelho da Gama, umas alcaçarias com duas casas e um quintal na rua dos Pelames, que “partem de huma e outra parte com Cazas delle dito comprador”. Id., F.N., Estremoz, liv° 131 (1744-45), escritura de 19-11-1744, f. 39.

47 Cf. id., F.N., Estremoz, liv° 153 (1751-52), escritura de 14-3-1752, f. 44v.-45v. As escrituras de empréstimos a juros em que figura como credor são numerosas, bastando folhear os livros de notários de Estremoz das décadas de cinquenta a setenta para as encontrar.

48 Cf. id., ibid., liv° 136 (1753-54), escritura de 8-5-1754, f. 97v.-98v.

49 Cf. id., liv° 153 (1751-52), escritura de 21-7-1752, f. 94-95.

50 Cf. id., liv° 153 (1751-52), escritura de 20-7-1752, f. 93-94.

51 T.T./H.S.O., mç.3, doc.51.

52 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 174 (1762-63), escritura de 4-4-1762, f. 26v.-29v.

53 Veja-se nota 24.

54 M. J. da C. F. GAYO, Nobiliário..., vol. VI, p. 117.

55 A primeira escritura efectuada nestes termos está referida na nota 52.

56 Cf. A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 184 (1765-66), escritura de 24-4-1765, f. 22v.-23.

57 Id., ibid., liv° 185 (1766-68), escritura de 15-7-1767, f. 58-59.

58 Cf. id., R.P.. Estremoz. Santo André. Óbitos, liv° 51 (1771-1811), f. 177v. Faleceu a 5 de Fevereiro. Foi sepultado no jazido da família, no convento de S. Francisco.

59 A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 182 (1782-84), escritura de 14-9-1783, f. 95-95v. Cf. id., A.C:B: – L.P., doc. 227, f. 11v.

60 Cf. id., F.N., Estremoz, liv° 141 (1738-39), escritura de quitação de 1-2-1739, f. 102v.-103.

61 Cf. António Henriques da SILVEIRA, Memorias annaliticas..., p. 160-175.

62 Respectivamente doze e dezasseis anos mais velho que os irmãos, Manuel, ao assumir, em colaboração com a mãe, a responsabilidade pelos assuntos da família, acompanhou certamente de perto a educação dos irmãos, aos quais estava de tal forma ligado, que chegou a ser considerado “tio” de Amaro (cf. T.T./H.S.O., mç.3, doc.51) e pai de António. A. U. C. /Processos dos professores (séc. XVIII-XIX), cx. 336, processo de António Henriques da Silveira, cópia, em anexo, da sua certidão de óbito.

63 A. H. da SILVEIRA, Memorias annaliticas..., p. 184-186.

64 O seu nome não consta do ficheiro de matrículas da Universidade de Coimbra, nem dos Livros de Matrículas da Universidade de Évora. Contudo, nestes últimos, há um hiato entre 1745 e 1748, havendo alguma probabilidade de se ter inscrito nestes anos.

65 T.T./H.S.O., mç.3, doc.51. Em Évora apenas existiram faculdades de Humanidades, Artes, Casos de Consciência e Teologia. Porém, não era, na época, indispensável possuir formação académica numa faculdade jurídica para exercer, por exemplo, a advocacia, como se pode comprovar pelas frequentes petições sobre a matéria, que então subiam ao Desembargo do Paço.

66 Cf. T.T./C.N., liv° 12, Registo de Brazões. 1750-1769, f. 73 v.

67 Cf. id., H.O.C., mç.4, doc.12.

68 T.T./H.S.O., mç.3, doc.51, f. 13v.

69 Id., ibid., f. 14v.

70 A.D.E./ A.C.B.–L.P., doc. 227, f. 11.

71 Veja-se nota 66.

72 Cf. T.T./ H.O.C., mç.4, doc.12.

73 Mais precisamente a 23-6-1762. Cf. id., H.S.O., mç.3, doc.51.

74 Cf. T.T./H.S.O., mç.3, doc.51.

75 Ocupou os cargos de vereador e almotacé. Cf. T. FONSECA, Absolutismo e municipalismo..., p.

76 Sobre este ilustre prelado eborense, que desempenhou altos cargos eclesiásticos em Roma antes de ser nomeado bispo do Porto, veja-se Fortunato de ALMEIDA, História da Igreja em Portugal, vol. II, p. 652-653. E Teresa FONSECA, Triste e Alegre Cidade de Évora. Testemunho de um anónimo do século XVIII, p. 19.

77 Cf. A.D.E./F.N. Extremoz, liv° 176 (1770-72), escritura de 21-12-1771, f. 110v.-112.

78 Cf. T.T./D.P., A.-A., mç. 268, doc. 53.

79 Cf. A.D.E./R.P. Estremoz. Santo André. Óbitos, liv° 51 (1771-1811), f. 174 v. Faleceu a 12-3-1799. Foi sepultado na igreja da Misericórdia.

80 Cf. T.T./D.P., A.-A., mç 829, doc. 52.

81 Cf. M. J. da C. Felgueiras GAYO, Nobiliário..., vol. VI, p. 117.

82 T.T./D.P., A.-A., mç. 268, doc. 53.

83 Cf. A.D.E./A.C.E., Vereações, liv° 53, acta de 31-10-1798, f. 90. A câmara apresentava três elementos da primeira nobreza, acrescentando a cada nome a idade, a riqueza, a carreira militar ou autárquica e até características pessoais, como o temperamento, as qualidades de trabalho, a dedicação à causa pública, etc. A Junta dos Três Estados nomeava o superintendente de entre os três indigitados, escolhendo quase sempre o primeiro nome da lista. Cf. T. FONSECA, Absolutismo e municipalismo..., p. 469-470

84 Cf. A.D.E./ A.C.B.–L. P., doc. 227, f.19-19v.

85 T.T./D.P., A.-A., mç. 268, doc. 53, provisão de 23-10-1809.

86 Viria a falecer em 1788.

87 Cf. A.D.E./ A.C.B.–L.P., doc. 227, f.17. Id., F.N. Estremoz, liv° 169 (1776-79), escritura de 28-11-1778, f. 111-112v. M. J. da C. Felgueiras GAYO, Nobiliário..., vol. VIII, p. 235.

88 Cf. A.D.E./ F.N. Estremoz, liv° 169 (1776-79), escritura de 28-11-1778, f. 111-112v.

89 M. J. da C. Felgueiras GAYO, Nobiliário..., vol. VIII, p. 235.

90 Em fins de Outubro de 1777, a rainha D. Mariana Vitória, recentemente viúva de D. José (falecido a 24 de Fevereiro desse ano), efectuou uma viagem à corte de Madrid, para visitar o rei Carlos III de Espanha, seu irmão, tendo sido acompanhada até à fronteira pela família real e pela corte. No ano seguinte, o mesmo séquito efectuou o mesmo percurso, para ir esperar a rainha mãe no seu regresso. Cf. Caetano BEIRÃO, D. Maria I (1777-1792): subsídios para a revisão da história do seu reinado, p. 201. D. Mariana Vitória chegou à fronteira do Caia a 19 de Novembro de 1778. Cf. Afonso Eduardo Martins ZÚQUETE, Nobreza de Portugal e do Brasil, vol. I, p. 626. E a paragem da Família Real em Estremoz por uma carta enviada pelo então governador das Armas da Província, tenente-general Manuel Bernardo de Melo, Visconde da Lourinhã, ao juiz de fora da vila, ordenando à câmara que tomasse medidas para “fazer aquartelamento para um Regimento de Cavalaria que vem para esta Prasa para a Guarda de Sua Magestade”. A.H.M.E., Vereações (1777-1779), acta de 29-10-1778, f. 84-84 v.

91 A.D.E./ F.N. Estremoz, liv° 169 (1776-79), escritura de 28-11-1778, f. 111-112v.

92 Cf. T.T./D.P., A.-A., mç. 678, doc. 1; e mç. 560, doc. 96.

93 A.D.E./F.N., Estremoz, liv° 229 (1803-04), escritura de contrato nupcial de 29-4-1804, f. 113-114 v.

94 Veja-se Nuno Daupias d’ALCOCHETE, “Principalidade”, Armas & Troféus, tomo VII, no 1, p. 34-52. Id., Bourgeoisie pombaline et noblesse liberale au Portugal, principalmente p. 15-16.

© Publicações do Cidehus, 2003

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search