Version classiqueVersion mobile

António Henriques da Silveira e as Memórias analíticas da vila de Estremoz

 | 
Teresa Fonseca

Introdução

Texte intégral

1António Henriques da Silveira, figura destacada da ilustração portuguesa de setecentos, tem sido, até hoje, injustamente ignorado. Apenas o “Racional discurso sobre a agricultura e população da província de Alentejo”, publicado em 1789 no primeiro tomo das Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa, preservou a sua memória do completo esquecimento. Este texto constitui um testemunho valioso para o conhecimento da realidade sócio-económica alentejana de finais do Antigo Regime e da forma como era encarada pelo pensamento esclarecido da época. No entanto, as ideias e a acção do seu autor repercutiram-se muito para além deste texto.

2Nascido em pleno reinado joanino no seio de uma família burguesa em ascensão, adaptou-se facilmente ao rápido desenrolar de um dos períodos mais dinâmicos da nossa história, cujas diversas etapas a longevidade lhe permitiu percorrer.

3Doutorado, com apenas 23 anos, na Universidade pré-reformada, demarcou-se, no entanto, da anacrónica pedagogia oficial, optando pela integração na corrente renovadora dos críticos do conservadorismo escolástico jesuíta. Por isso, quando a execução do projecto pedagógico pombalino atingiu o ensino superior, empenhou-se activamente na implementação da reforma dos estudos jurídicos e posteriormente na sua defesa, durante os anos conturbados da Viradeira.

4O espírito pragmático e o desejo de progresso e de bem estar social acalentados para o país e particularmente para a sua deprimida região natal, teriam determinado a sua adesão à Academia das Ciências, para cujo prestígio contribuiu, com a memória acima referida.

5Identificado com as diversas vertentes da acção governativa do reinado josefino, soube, contudo, adaptar-se aos novos contornos do processo reformador pós-pombalino, pensado e exercido em moldes menos centralistas e autoritários, mais consonantes com os princípios do individualismo filosófico da época.

6Jubilado do magistério canónico, viveu seis anos de intensa actividade jurídica no Desembargo do Paço, antes de se retirar definitivamente para Estremoz, limitado pela cegueira que o vinha já há algum tempo ameaçando.

7Apesar das longas ausências, primeiro em Coimbra e depois em Lisboa, manteve sempre uma estreita ligação à terra natal, de cuja Misericórdia foi, repetidas vezes, mesário e provedor. Após a morte do irmão mais velho, conciliou a actividade intelectual com a administração dos negócios e propriedades da sua casa, uma das mais abastadas da Província. Permanecendo solteiro, dedicou uma profunda afeição à mãe e aos irmãos. Mais tarde transferiu esses sentimentos para os sobrinhos e os sobrinhos-netos, cuidando da sua educação e preocupando-se em assegurar-lhes o futuro. Humano e solidário, apoiou ainda instituições de caridade, parentes e amigos necessitados, sem esquecer os lavradores e seareiros das suas terras, numa atitude coerente com o seu pensamento social.

8Além da memória publicada, deixou testemunhado o seu pensamento, associado a uma vasta e sólida cultura, em diversos manuscritos referidos neste estudo, em textos dos quais apenas conhecemos o nome e porventura ainda em mais trabalhos, entretanto esquecidos ou destruídos pelo tempo.

9Entre os seus inéditos, destacam-se as Memorias annaliticas da Villa de Estremoz. A constatação do valor histórico-cultural da obra justificou a sua transcrição e publicação, constituindo também uma oportunidade para melhor conhecer o autor e assim contribuir para o estudo, ainda incompleto, do pensamento esclarecido no Portugal setecentista.

10A presente publicação deve muito ao interesse e disponibilidade do Vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Estremoz, dr. António Júlio Rebelo, a quem expresso o meu reconhecimento. A minha gratidão ainda para com o dr. Hugo Guerreiro, a quem devo algumas úteis informações documentais acerca de Henriques da Silveira. Um agradecimento ainda a meu marido, Jorge Fonseca, pela preciosa ajuda prestada na morosa correcção da transcrição das Memorias annaliticas. E finalmente ao dr. Fernando Mão de Ferro, pela pronta disponibilidade manifestada em publicar este trabalho.

11Montemor-o-Novo, Maio de 2003

© Publicações do Cidehus, 2003

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search