Version classiqueVersion mobile

A memória da cidade: escrita e poder em Évora (1415-1536)

 | 
Filipa Roldão

Agradecimentos

Texte intégral

  • 1 A defesa da tese teve lugar no dia 27 de Dezembro de 2011, tendo sido o júri constituído pelos segu (...)

1A obra A memória da cidade: escrita e poder em Évora (1415-1536) corresponde à minha tese de doutoramento em História, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 2011, sob orientação científica dos Professores Doutores Maria Helena da Cruz Coelho (U. de Coimbra) e Luís Filipe Barreto (U. Lisboa)1. O texto que agora se apresenta constitui uma versão revista do texto da tese, com pontuais modificações. Decidimos, porém, não alterar o quadro bibliográfico que serviu de base a este trabalho, uma vez que é nossa convicção que a tese proposta conseguiu fazer perdurar a sua coerência e actualidade científicas no decorrer dos anos que medeiam entre a sua apresentação e o ano da sua edição. No entanto, no texto introdutório e em algumas passagens ao longo deste trabalho, identificámos os casos em que a historiografia nacional e internacional revelou significativos contributos para o nosso tema.

2O exercício de pensarmos os nomes e os rostos de quem se cruzou connosco, ao longo da elaboração desta tese de doutoramento, deixa-nos a sensação que tudo isto começou há muito tempo atrás. No entanto, não foi assim há tanto tempo, foi em 2007. Esta sensação deve-se, antes, ao facto de, neste curto espaço de tempo, muitas terem sido as pessoas e as instituições que, efectivamente, contribuíram para a concretização desta tese. Não vamos conseguir reconstituir os nomes de todas elas, mas pelo menos deixaremos aqui por escrito algumas das mais importantes. Em primeiro lugar, gostaria de agradecer aos orientadores científicos desta tese. À Professora Doutora Maria Helena da Cruz Coelho, pela sabedoria que me transmitiu, pelo empenho e dedicação incondicionais ao meu trabalho, e às minhas hesitações e muitas dúvidas. Ao Prof. Doutor Luís Filipe Barreto, pelo acolhimento que deu a esta tese nas nossas muitas conversas, sempre com uma disponibilidade imensa, que já lhe conhecia dos tempos da licenciatura. A ambos devo a concretização deste trabalho e, em simultâneo, a possibilidade de prosseguir para novos desafios. Este trabalho é-lhes dedicado. À Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, ao Departamento de História, e ao Centro de História que, como sempre, me acolheram, e me possibilitaram concluir mais uma etapa da nossa já longa relação. A concretização deste trabalho não teria sido, contudo, possível se não tivesse usufruído de uma bolsa de doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia, entre 2007 e 2011. Aos professores da Faculdade de Letras que mais de perto acompanharam, e, de diferentes modos, contribuíram para este trabalho, especialmente aos Professores Bernardo de Sá-Nogueira, Hermenegildo Fernandes, Manuela Santos Silva e Ivo Castro. Aos professores de outras instituições que estiveram sempre atentos ao meu trabalho, especialmente, às Professoras Hermínia Vasconcelos Vilar (em percursos pendulares entre Lisboa e Évora), Adelaide Millán da Costa, Maria João Branco e Rosário Bastos, e aos Professores Armando Luís de Carvalho Homem e Luís Miguel Duarte. De fora, recebi o melhor acolhimento dos Professores Peter Linehan, Attilio Bartoli Langeli, Jean-Claude Maire Vigueur, Andrea Zorzi e Massimo Miglio. De dentro, recebi a amizade de muitos colegas, como a de André Marques, António Castro Henriques, Marta Castelo Branco, Mário Farelo, Maria João Oliveira, André Vitória, Susana Pedro, Armando Norte, Pedro Pinto, entre tantos outros. Agradeço, ainda, a todos os meus amigos que, na realidade ou na ficção, viveram comigo esta tese, e muito especialmente à Joana Serafim. Aos meus pais e irmã.

Notes

1 A defesa da tese teve lugar no dia 27 de Dezembro de 2011, tendo sido o júri constituído pelos seguintes Professores Doutores: António Ventura (presidente), Luís Miguel Duarte, Hermínia Vasconcelos Vilar, Armando Luís de Carvalho Homem, Maria Helena da Cruz Coelho, Luís Filipe Barreto e Bernardo de Sá Nogueira. A classificação final foi de “Muito Bom” (por unanimidade).

© Publicações do Cidehus, 2017

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search