Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Conceitos, técnicas e práticas da promoção da leitura em bibliotecas

Grupos de leitura em espaço público

Um estudo comparado

Joaquim Jorge Moreira da Silva

Résumé

Esta reflexão tem como grande propósito contribuir para o estudo e aprofundamento do fenómeno dos grupos de leitura de adultos em Portugal. Independentemente da nomenclatura adoptada – “Comunidades de Leitores”, “Clubes de leitura”, “Círculos de leitura” ou “Grupos de leitura” –, têm como princípios norteadores da sua actividade a difusão e promoção do livro e da leitura. Estes grupos emergiram no início deste século e por acção do, então denominado, Instituto Português do Livro e das Bibliotecas. Passada quase uma década a realidade é necessariamente diferente: acentua-se a importância e autonomia das bibliotecas públicas na concepção e desenvolvimento dos grupos de leitura. Intenta-se, aqui, efectuar um estudo comparado entre grupos de leitura desenvolvidos em bibliotecas públicas e em livrarias, entre 2007 e 2009 na área metropolitana do Porto. Está-se na presença de uma mesma realidade, que no fundo envolve duas vertentes – bibliotecas públicas e livrarias –, passíveis de evidenciar modelos, dinâmicas e objectivos diferenciados. Este diálogo é duplamente importante: permitirá fazer um ponto de situação e reflectir sobre o futuro dos grupos de leitura nas bibliotecas, equacionando a possibilidade de criação de sinergias com as livrarias. Atentar-se-á, assim, ao modo de funcionamento destes grupos de leitura atendendo, sobretudo, aos elementos constitutivos do modelo desenhado e desenvolvido por cada um dos referidos grupos. As questões que merecem maior acuidade prendem-se com: as condições de acolhimento/logística; a orgânica de funcionamento; o perfil do líder/orientador; o tipo de público, e particularidades distintivas.

This reflection has as great purpose contribute to the study and to the bottom of the reading’s group phenomena in Portugal. Independently of the adopted terminology “reader’s communities”; “reading clubs”; “reading circles”, or “reading groups”, they have as guidance principal of its activities the diffusion and promotion of the book and reading it’s self. Those emerged in the beginning of this century, mostly due to the action of the “Instituto Português do Livro e das Bibliotecas” (Portuguese Institute of Book and Libraries). One decade after, the reality is necessarily different: there is a greater importance and autonomy of the public libraries in the conception and developing of the reading groups. The intention is to do a compared study between reading groups carried out in public’s libraries and book shops, between 2007 and 2009 in the metropolitan area of Porto. We are in the presence of a same reality which involves two slopes – public libraries and book shops –, susceptible to make clear models, dynamics and perhaps differentiated objectives. This dialogue is twice important: allow us to make a situation point and reflecting about the future of the public libraries reading groups, pointing out the possibility of cooperating with book shops. We’ll pay attention to the way how reading groups functioning, considering, mainly the constitutive elements of the model draw and developed of each reading group. The most important questions to considerer here are: reception/logistics conditions; the organic of the functioning; the leader profile; public type, and distinctive particularities.

Texte intégral

Introdução

1A descoberta do mundo dos Grupos de Leitura, por parte do autor deste texto, foi recente, em 2006 para ser mais preciso. Comemorava-se então o Centenário do nascimento de Agostinho da Silva. A Biblioteca Municipal da Maia, à semelhança de muitas outras, celebrava esta data (13 Fevereiro) projectando um filme sobre o carismático pensador português. A participação, nesse exacto dia, resumia-se ao comentário do filme. A discussão ocorrida no final da projecção do filme, e o desafio aí lançado, criou uma janela de oportunidade para melhor e mais aprofundadamente conhecer a obra do autor. A “Comunidade de Leitores Agostinho da Silva” nascia assim num impulso repentino mas profundamente genuíno. Foi a vontade dos espectadores do filme – futuros membros – a ditarem a sua criação. E de repente, sem mais quê, o “comentador” vestia a pele de “líder” de uma Comunidade de Leitores. A verdade é que com esse gesto se constituiu o núcleo de um grupo de pessoas que, com algumas alterações na sua composição, se manteve praticamente inalterável até aos dias de hoje.

2Experiência na função? Nenhuma! Contudo, a imersão foi, como facilmente se pode depreender, rápida e completa. O acordar desse estado de quase embriaguez significou um esforço adicional: a procura e pesquisa de documentação sobre as Comunidades de Leitores em Portugal. As dúvidas sobre o correcto modo de liderar uma Comunidade de Leitores eram muitas e o medo de falhar enorme.

3Do esforço de investigação desenvolvido foi possível isolar um conjunto de elementos importantes para enquadrar a presente reflexão:

  • A questão dos Grupos de Leitura/Comunidades de Leitores, é recente em Portugal;

  • A produção bibliográfica é escassa e a que se encontra debruça-se, sobretudo, sobre a emergência das Comunidades de Leitores em contexto escolar;

  • Os poucos textos encontrados que focam este tema são na sua maioria de pendor jornalístico e cronologicamente recentes (fugindo a este registo temos um texto de António Prole publicado no sítio da “Casa da Leitura” na Internet).

4Muita da informação recolhida, por mais curioso que possa parecer, foi encontrada nos diversos folhetos de apresentação dos diferentes Grupos de Leitura. Mas, mesmo assim, a informação aí constante versava sobretudo sobre aspectos como: ‘Definição de Comunidades de Leitores’, ‘Objectivos’, ‘Missão’, ‘Questões genéricas de funcionamento’, ‘Inscrições’, ‘Elementos Biográficos dos Orientadores’; continuava, ainda assim, a faltar informação, quiçá de teor mais descritivo, sobre o interior da vida desses Grupos de Leitura.

5‘Como colmatar esta falta de informação?’ era a pergunta que zurzia constantemente, funcionando de leitmotiv para a busca e recolha de dados. Ainda que não fosse claro o modo como colmatar esta falha, urgia fazê-lo. O impasse foi desfeito pela decisão de que era fundamental reunir o máximo de informação possível sobre o funcionamento dos Grupos de Leitura, independentemente da denominação adoptada. Obviamente que a natureza da informação a recolher seria de carácter empírico e obrigaria a um esforço dilatado no tempo. Mas, mesmo esta simples intenção, envolvia dificuldades: por um lado, estava-se refém da realização efectiva de Comunidades de Leitores; por outro lado, da sua localização geográfica. Se, no primeiro caso a capacidade de intervenção era nula; no segundo, a opção de base foi de acompanhar e participar activamente nos Grupos de Leitura que viessem a desenvolver-se na hoje denominada Grande Área Metropolitana do Porto.

6Ainda que a investigação não possuísse as características e exigências de trabalho académico, tornava-se necessário conferir-lhe algum rigor científico, pelo que a opção metodológica recaiu na observação participante. Trata-se de um método em que o observador participa dos eventos em estudo, quer de um modo aberto no papel de pesquisador, quer assumindo papéis disfarçados observando factos que acontecem, escutando o que é dito e questionado sempre que é pertinente.

7Esta opção metodológica conferia algumas vantagens: observar os eventos à medida que eles iam acontecendo; cobrir o contexto do evento; ter uma boa visibilidade das motivações e comportamentos interpessoais; obter uma percepção da realidade do ponto de vista interno ao ambiente em estudo. Contudo a sua utilização não é isenta de limitações como sejam o facto de consumir mais tempo e a cobertura ser mais limitada; envolve alguns perigos como por exemplo de o evento observado poder desenvolver-se de forma diferente devido a estar a ser observado, ou também, pela possibilidade do investigador poder manipular os eventos. Além disso, e não menos importante, o tempo para retirar anotações pode revelar-se insuficiente.

Em Busca de uma Fundamentação Teórica

8Há todo um conjunto de dados teóricos relativos ao domínio histórico dos Grupos de Leitura em Portugal que não pode ser negligenciado, crucial para a contextualização desta reflexão. Neste sentido são três as fontes utilizadas: um artigo de António Prole (2004); folhetos de divulgação dos diferentes Grupos de Leitura e um artigo jornalístico de Andreia Brites (2009).

9Da leitura efectuada é possível concluir que não há uma definição estrita, única de Grupos de Leitura. Uma aproximação possível a uma hipotética definição afirma tratar-se de grupos de pessoas que se reúnem periodicamente para ler e debater um conjunto de obras propostas pelo animador ou líder.

10Outra definição possível e próxima da primeira, considera o Grupo de Leitura como um espaço informal de partilha da leitura prévia de um livro, permitindo a sua “releitura”, a sua relação com a experiência de cada um e outras leituras paralelas.

11O que se nota é que as diferentes propostas de definição são todas muito próximas umas das outras, umas mais genéricas outras mais preocupadas com o detalhe, como seja o caso desta presente no folheto da Comunidade de Leitores de Évora: “As Comunidades de Leitores têm como finalidade a descoberta de formas diferentes de aproximação ao texto escrito. O facto de essa actividade ser levada a cabo por pessoas que se reúnem para falar das suas experiências individuais, torna a acção mais interessante, gera cumplicidades e produz resultados surpreendentes. Destina-se a todos aqueles que gostam de ler, partilhar as suas leituras, reflectir e debater em comum temas, livros e autores, fortificando elos de sociabilidade”.

12Segundo António Prole (PROLE, 2004, 2), “as Comunidades de Leitores deveriam ser comunidades de afectos, lugares de comunidade e ‘consolação’. Recreadoras de elos de sociabilidade”.

13Os Grupos de Leitura têm como pressuposto que a partilha, constantemente enunciada, deve ser desejada e não imposta: tem-se de gostar de ler e gostar de falar do que se lê.

  • 1 A origem histórica dos grupos de leitura situa-se no século XIX, em Massachusetts, reunindo grupos (...)

14Em Portugal, contrariamente à realidade anglo-saxónica onde os Grupos de Leitura existem há cerca de 200 anos1, o fenómeno não só é recente como emergiu a partir da acção de um organismo estatal, o IPLB – Instituto Português do Livro e das Bibliotecas –, através da dinâmica própria do Programa de Itinerâncias Promoção à Leitura (hoje DGLB – Direcção Geral do Livro e das Bibliotecas). Significa isto que o modelo original foi desenhado por uma entidade externa aos próprios Grupos de Leitura impondo, certamente com a melhor das intenções, um modelo que depois viria a ser replicado pelo país. Há pois uma certa directividade na exportação do modelo. A primeira Comunidade de Leitores foi levada a cabo em 2001 na Biblioteca Municipal de Portalegre.

15As razões que estiveram na génese deste empreendimento, eram essencialmente quatro: elevados índices de iliteracia; taxas altas de analfabetismo; baixa percentagem de leitores continuados e desvalorização social do livro (PROLE, 2004, 5). De 2001 para 2009 a situação alterou-se ligeiramente para melhor, nas três primeiras razões; no que concerne à desvalorização social do livro essa alterou-se bastante, muito por acção do PNL surgido entretanto no ano de 2006. Hoje há uma percepção bastante positiva do livro. Por isso, ontem como hoje, as razões para a criação de Grupos de Leitura continuam actuais e perfeitamente válidas.

16O projecto de criação das Comunidades de Leitores em Portugal foi liderado por Maria Conceição Caleiro. A designação de ‘Comunidade de Leitores’ tem como referente a designação francesa ‘Communauté de lecture ’e não a expressão inglesa de ‘Reading group’. A intenção original era, segundo o texto de Andreia Brites (BRITES, 2009, 26), “estabelecer laços sociais e afectivos entre pessoas que partilhassem ideias acerca do que liam, de forma intimista e informal. Assim, esperava-se alimentar uma cultura do livro, e estimular leitores descontinuados a nunca abandonar a leitura, tornando-os leitores sistemáticos”.

17Este modelo de desenho de Comunidades de Leitores, externo e centralizado, foi pensado para ser transitório. A ideia da instituição central era de propiciar às diversas Bibliotecas Municipais condições para a promoção da leitura em ambiente de proximidade. As Bibliotecas Públicas, receptoras numa primeira fase deste modelo, deveriam pegar em mãos a continuidade deste projecto e delinearem elas próprias os seus projectos de Grupos de Leitura. Mas a resistência sentida é muita com muitos problemas associados. Ainda no ano passado, 2008, a DGLB apoiou a realização de 13 Comunidades de Leitores. O peso, presença e dependência da DGLB é enorme. As Bibliotecas Municipais continuam dependentes da vontade e orçamento camarário e frequentes vezes este mesmo orçamento é insuficiente para, por exemplo, comprar livros em número suficiente para os membros da Comunidade, ou inclusive para poder pagar os honorários das horas extras dos funcionários da biblioteca para que esta se possa abrir à realização da Comunidade, uma vez que os encontros são em horário pós-laboral; ou para pagar os honorários do líder. A solução passa muitas vezes pelo recurso ao voluntariado mas isso se remedeia não soluciona o problema. Ainda que não seja aqui objecto de análise, o que está por detrás disto é a ausência de política(s) cultural(ais) coerentemente estruturadas e sustentadas. Talvez agora se compreenda melhor as palavras de Inês Pedrosa publicadas na Revista “Única” de 18 de Julho de 2009 (PEDROSA, 2009), em que, descrente com o estado da cultura em Portugal, afirmava a dado passo: “construiu-se uma rede magnifica de bibliotecas públicas pelo país todo, com belos auditórios. Fazem-se leituras nessas bibliotecas? Teatralizações de textos? Comunidades de leitores? Debates? Colóquios? Cada vez menos.”

18A coordenação dos Grupos de Leitura é assumida por um líder – normalmente uma figura pública –, na sua maioria escritores, jornalistas culturais, ou mesmo professores, sobretudo universitários. No momento inicial, o IPLB optou por escolher para líderes pessoas que para além de conhecimentos literários, tinham projecção mediática e com boas capacidades comunicacionais.

19Prole, no seu texto (PROLE, 2004, 5) dá especial relevância à figura do líder elencando inclusive um conjunto de características que segundo ele seriam fundamentais para o sucesso da Comunidade:

  • Alguém que conhece profundamente a literatura e não tem os vícios de uma atitude professoral;

  • Alguém que dominando a análise literária não se perca em longas reflexões académicas;

  • Alguém que tem a autoridade ‘natural’ de um leitor especial;

  • Alguém que abrindo novas perspectivas de leitura, marque o ritmo, não monopolize a palavra; mas tenha a preocupação permanente de induzir à intervenção e ao diálogo;

  • Alguém apaixonado pela leitura;

  • Uma figura publicamente reconhecida, alguém que com o seu carisma fosse capaz, por si, de atrair leitores;

  • Alguém que servisse de íman aglutinador nesse impulso inicial das Comunidades de Leitores.

20Na maior parte dos casos, o líder determina um tema e, de acordo com critérios literários, sugere um conjunto de títulos de livros relacionados com o tema escolhido.

21No fundo, em cada Grupo de Leitura há um líder que modera o diálogo, avança com informações, sugere sentidos e provoca o debate.

22Helena Vasconcelos ouvida por Andreia Brites (BRITES, 2009, 27) é de opinião que é essencial que exista uma horizontalidade das relações para que todos se sintam envolvidos e desse modo contribuam. Ora, esta horizontalidade pode ser afectada se o líder for uma figura com um peso mediático excessivo que a sua simples presença iniba os demais, sobretudo se se considerar que o líder é o cimento dessa comunidade de afectos.

23Deve dinamizar, liderar ou orientar? Um pouco de tudo com a devida parcimónia. O líder pode ter um papel que é simultaneamente fundamental e dispensável. Ele deve intervir apenas para regular as participações e inserir tópicos de discussão ou orientar a conversa.

24Uma vez assimilada a dinâmica do grupo e consolidado o grupo, deixa de ser necessário que o líder seja popular mediaticamente, pois o grupo fideliza-se a estes encontros e a escolha do líder faz-se naturalmente e consensualmente no interior do grupo. E assim o grupo gera o seu próprio líder.

25Mas, ninguém se iluda, as particularidades de cada Grupo de Leitura dependem depois das características do grupo e da perspectiva de quem coordena o projecto.

26A implementação no terreno deste modelo impunha a adopção de um conjunto de critérios e procedimentos reveladores de uma lógica de funcionamento. Exigia-se que o espaço de acolhimento fosse adequado; recomendava-se a existência de uma sessão prévia onde as pessoas se apresentavam e tomavam conhecimento com as regras de funcionamento; as Comunidades de Leitores deveriam privilegiar uma lógica de intensidade em detrimento da extensão: deveriam incluir 6 encontros, um em cada 15 dias, o que dá a duração de 3 meses; sensibilizava-se para que o número de membros se situasse no intervalo de 12-15.

27O modelo deve, todavia ser um modelo aberto, de forma a incorporar os contributos dos agentes locais que no fundo são quem os levam à prática. Os bibliotecários devem ser escutados, os próprios líderes devem ter uma palavra a dizer, bem como os demais intervenientes.

28A cristalização do modelo não é reveladora de saúde; deve-se saber reinventar o modelo, dar-lhe vida, torná-lo dinâmico. O espaçamento temporal de 15 dias entre sessões obriga a que o líder não seja inteiramente livre na escolha que faz das obras literárias a trabalhar, uma vez que as tem de adaptar ao tempo disponível para serem lidas, por isso têm de ser obras não muito extensas.

29Os Grupos de Leitura têm como destinatário privilegiado o público adulto. A socialização da leitura passa precisamente pela abrangência social que os Grupos de Leitura podem construir. Daí que para aliciar as pessoas fosse necessário, no momento do arranque, recorrer a figuras mediáticas.

30Deliberada ou involuntariamente, a acção do IPLB e mais tarde da DGLB, acabou por definir uma espécie de cânone dos Grupos de Leitura/Comunidades de Leitores.

As Comunidades no Terreno

  • 2 A Grande Área Metropolitana do Porto é constituída por 16 Municípios: Arouca, Espinho, Gondomar, Ma (...)

31Após esta rápida radiografia do modelo canónico de Grupos de Leitura/Comunidade de Leitores emanado do IPLB/DGLB, em que foi possível revelar alguns dos aspectos mais sensíveis e importantes constitutivos dos Grupos de Leitura, chegamos ao momento do confronto com a realidade multifacetada proporcionada pela observação de vários Grupos de Leitura na Grande Área Metropolitana do Porto2. Será que o mosaico dos diversos Grupos de Leitura vai de encontro às indicações do IPLB/DGLB? Ou, ao invés assistiremos à emergência de modelos alternativos e inovadores?

32No triénio 2007-2009 – período no qual incide a parte empírica deste estudo –, realizaram-se 7 Comunidades de Leitores em Bibliotecas Públicas, distribuídas assim: 1 na Maia; 1 em Gondomar; 1 no Porto; 1 em Matosinhos; 2 em Vila Nova de Gaia e 1 em Espinho. A estas há acrescentar as realizadas em Serralves, 1 realizada na Livraria Leitura no Porto e 1 realizada na Livraria Almedina em Vila Nova de Gaia.

33Destes Grupos de Leitura, 4 foram apoiados pela DGLB.

34Foram observados 5 Grupos de Leitura, a saber: a Comunidade de Leitores ‘Imagens e Letras’ da Biblioteca Municipal da Maia; a Comunidade de Leitores da Biblioteca Municipal de Espinho; a Comunidade de Leitores da Biblioteca Municipal Almeida Garrett no Porto; o Clube de Leitura da Livraria Leitura no Porto e a Comunidade de Leitores da Livraria Almedina em Vila Nova de Gaia.

35Esta observação incidiu sobretudo em cinco pontos: Condições de Acolhimento/Logística; Orgânica de Funcionamento; Perfil do Líder; Tipo de Público e Particularidades Distintivas. Assim e no que diz respeito aos Grupos de Leitura em Bibliotecas Públicas:

1. Condições de Acolhimento/Logística.

36O grupo de leitura denominado “Comunidade de Leitores” com sede na Biblioteca Municipal de Espinho tem como local de reunião a própria biblioteca, mais concretamente um recanto na sala de leitura. Os encontros são à noite. A sala é ampla, unicamente ocupada por estantes de livros, apresenta-se fria e desconfortável. Os membros sentam-se à volta de uma mesa rectangular compacta onde pontificam pratos com doces e bebidas. A disposição facilita a conversa e o confronto dos membros, contudo, nota-se que o líder ocupa o único topo da mesa, o que lhe confere uma posição de destaque e sensação de controlo do grupo.

37Já no caso da “comunidade de Leitores da Biblioteca Almeida Garrett”, os encontros realizam-se no auditório existente nas suas instalações. Os encontros realizam-se em dia de semana às 21 horas. À entrada encontra-se disponível para assinar um registo de presenças. A disposição dos membros da comunidade no anfiteatro é desconfortável no que concerne à propensão para a troca de ideias. Aliás, esta configuração traduz uma certa hierarquização da arrumação do espaço, conferindo, implícita ou explicitamente, ao líder uma posição de relevo em relação aos demais membros. Este aparente fosso entre a figura do líder e os restantes elementos tem constrangido em certa medida a participação activa. Temos um ambiente mais próximo de uma conferência.

38Relativamente à comunidade de leitores “Imagens e Letras” afecta à Biblioteca Municipal da Maia, também aqui os encontros se realizam à noite – 21 horas, e em dia de semana. Mercê dos condicionalismos próprios inerentes ao seu modelo, são utilizadas duas salas distintas: uma para visionamento do filme e uma outra para a discussão. Interessa-nos sobretudo a segunda: esta é uma típica sala de reuniões em que a mesa, formando um rectângulo, possui uma área vazia no seu interior. Este desenho permite simultaneamente distância e a possibilidade de os membros se olharem cara-a-cara, além de que se torna mais confortável para dispor os materiais tidos como necessários. Os líderes não ocupam nenhum dos topos da mesa, colocando-se ao nível dos demais, que são livres de escolher os seus lugares.

2. Orgânica de Funcionamento.

39A Comunidade de Leitores de Espinho funciona quinzenalmente e a sua duração, segundo o folheto de divulgação era de três sessões. O seu início: 2/11/2007 e o seu final: 14/12/2007, contudo, o terceiro encontro nunca se chegou a realizar pelo que se ficou por duas sessões. A inscrição é obrigatória. O primeiro encontro serviu para a apresentação e introdução bem como a escolha dos livros a tratar a partir de uma lista prévia dada pelo líder. Não foi possível observar qualquer dispositivo de avaliação da iniciativa. Esta Comunidade de leitores é apoiada pela DGLB.

40No caso da Comunidade de leitores da Biblioteca de Almeida Garrett, tem uma periodicidade quinzenal, com uma duração de 3 meses. Inicio: 3/6/2008, término: 1/10/2008. A inscrição é obrigatória e paga (5 €). A duração média de cada encontro é de cerca de 2 horas. Em cada encontro trabalha-se uma obra de ficção diferente. No final do ciclo foi solicitado aos presentes que avaliassem a iniciativa.

41A “Imagens e Letras” funciona de um modo ligeiramente diferente: existem dois encontros mensais (um na primeira sexta-feira de cada mês e o segundo na última sexta-feira), consignado um ao visionamento do filme e outro à discussão do livro homónimo que esteve na sua génese e que também é alvo de debate. Início: 5/1/2007, final: 11/12/2009. A inscrição é obrigatória. A duração média dos encontros é de 2.40h. Tem dois ciclos: um dedicado à literatura estrangeira e um segundo dedicado à literatura lusófona. As obras envolvem ficção, poesia, teatro. A biblioteca disponibiliza exemplares dos livros para todos os membros.

42Existe avaliação intercalar e final da iniciativa.

3. Perfil do Líder.

43O líder da Comunidade de Leitores da Biblioteca Municipal de Espinho é uma figura mediática e um dos mais experientes líderes de comunidades de leitores em Portugal; é jornalista e escritor e dá pelo nome de Manuel António Pina. É um óptimo conversador e profundo conhecedor dos meandros da literatura. Por vezes, e mercê da sua extraordinária experiência de vida associada às letras, tende a conversar mais sobre “contextos vários” do que a discutir a obra em causa – e as pessoas adoram ouvir. A lista prévia dos livros a ler foi da sua responsabilidade.

44A Comunidade de Leitores da Biblioteca Almeida Garrett optou por recorrer a uma figura da cidade, conhecida no meio académico mas sem projecção mediática, chama-se Luís Miguel Duarte e é docente Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Foi o próprio que escolheu o tema (“Europa século XX”) e os livros a ler. Ao longo dos encontros foi notório o seu esforço para centrar a conversa em torno das obras lidas, com assinalável sucesso, diga-se. Leu, por diversas vezes, excertos das obras. Facilitador do diálogo e assertivo nas questões colocadas.

45Na Comunidade de Leitores radicada na Biblioteca Municipal da Maia existe a modalidade de co-liderança: Joaquim Jorge M. Silva, professor e investigador em Filosofia da Educação na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Suzana de Sousa e Silva, Chefe da Divisão que superintende a biblioteca além de ser a própria Directora da biblioteca. Em ambos os casos são figuras locais e nada mediáticas. Participaram na escolha das obras em pé de igualdade com os demais membros, de modo consensual e democrático. Facilitam a discussão e a intervenção livre. Discute-se de modo abrangente fazendo amiúde incursões aos contextos das obras, biografias dos autores, inclusive as diversas bibliografias, sem nunca perder o enfoque nas obras. Procuram fazer pontes de temas e assuntos de uma obra para outra. Lêem excertos das obras. Fornecem material de apoio (biografias de autores, entrevistas de autores, artigos de crítica literária, etc.) sempre que possível.

4. Tipo de Público.

46Estiveram presentes, na Comunidade de Leitores da Biblioteca Municipal de Espinho, 13 pessoas, maioritariamente licenciadas e com uma média de idade acima dos 40 anos. Destes, só 4 leram a obra até ao momento do encontro. O grupo revelou-se, pois, pouco participativo, parecendo mais interessado em ouvir o líder. O sexo dominante é sexo feminino.

47A Comunidade de Leitores da Biblioteca Almeida Garrett é muito mais extensa no que diz respeito ao número de elementos, em inscrições ronda as 80. Não obstante, o número médio de presenças ronda as 45 por encontro. Também aqui se nota que muitos elementos não leram as obras indicadas, com prejuízo para a discussão. Registe-se, contudo, a existência de um pequeno grupo bastante participativo. A média de idade ronda os 50 anos de idade e o género feminino é dominante.

48Na “Imagens e Letras”, o número de inscritos é 19, contudo o número de presentes em cada encontro raramente ultrapassa os 10. A média de idade é de 40 anos.

49Também aqui se nota a existência de elementos que não lêem o livro (aqui não tem as mesmas repercussões na qualidade da participação pois existe a “muleta” do filme). O grupo é extremamente participativo gerando-se discussão e verdadeiro debate. Muitos realizam pequenos textos onde fixam em texto as suas impressões dos livros. É um grupo diligente e corajoso pois que quando desafiado a orientar um dado encontro – e isso acontece amiúde – aceita o desafio.

5. Particularidades Distintivas.

50A Comunidade de Leitores da Biblioteca de Espinho, devido à sua efémera existência, não permitiu a criação de um espírito de comunidade.

51Também a Comunidade de Leitores de Biblioteca de Almeida Garrett, ainda que com mais tempo de duração, não criou o espírito de comunidade, em parte devido às características do espaço não muito facilitador e ao elevado número de membros que para se conhecerem precisariam de muito mais tempo juntos. Há a notar um desafio muito interessante lançado pelo líder antes da interrupção de férias, mas que depois não teve consequências, que se prendia com a escrita de um pequeno conto.

52A comunidade de leitores “Imagens e Letras” apresenta uma duração apreciável com implicações directas na qualidade de relacionamento e no elevado sentimento de comunidade que mostram. Só com este tempo em “comunidade” é que seria possível ao grupo realizar: idas ao cinema; visitas a exposições; idas ao teatro; passeios; almoços e jantares; celebrações de datas festivas. É possível encontrar no sítio da internet da biblioteca textos escritos por eles sobre a comunidade. Visitou-se e participou-se, mais do que uma vez, numa outra comunidade de leitores (Almedina, Gaia). Um dos membros ganhou aqui coragem para editar um livro de poesia.

53Nos Grupos de leitura desenvolvidos em Livrarias atente-se:

1. Condições de Acolhimento/Logística.

54O Clube de Leitores da Livraria Leitura sita na cidade do Porto, assim se denomina este grupo de leitura, reúne-se num espaço improvisado no primeiro piso da livraria. Os encontros decorrem à noite, em dia de semana. A disposição do espaço reproduz o esquema de anfiteatro sendo que às cadeiras destinadas aos membros do clube, se contrapõe um sofá destinado à orientadora e seus convidados, diferenciando deste modo o nivelamento posicional. Acresce que as cadeiras são profundamente desconfortáveis. O espaço está infra-estruturado com meios multimédia que contudo foram pouco utilizados, únicamente por duas vezes.

55No que concerne à Comunidade de Leitores da Livraria Almedina do Arrábida Shopping, observamos que os encontros se realizam numa pequena sala da própria livraria, mais concretamente no espaço destinado à literatura infanto-juvenil. Os encontros realizam-se ao Sábado à tarde (17 horas). A sala é pequena e intimista estando as cadeiras dispostas em forma de “U”, no topo senta-se o orientador e seus convidados. Ainda que o orientador ocupe o topo, a sua proximidade atenua esta hipotética diferenciação induzida pela arrumação espacial.

2. Orgânica de Funcionamento.

56O Clube de Leitores encontra-se uma vez por mês. Inicia-se: Julho de 2007, final: Outubro de 2007. A duração efectiva é de 7 meses. A inscrição é obrigatória – contudo, atendendo ao facto de à hora de realização do encontro, a livraria se encontrar aberta, muitos dos assistentes são clientes ocasionais. Em cada encontro esteve presente um convidado, geralmente o autor do livro a ler e discutir. A duração dos encontros é curta, cerca de 1 hora. Não existe avaliação.

57A comunidade de leitores da Almedina encontra-se duas vezes por mês: a primeira sem o autor que é o convidado do segundo encontro. No primeiro encontro discute-se a obra e prepara-se questões para colocar posteriormente ao autor; no segundo encontro volta-se a discutir a obra mas já na presença do autor. O orientador fornece usualmente informação oral sobre elementos biográficos e bibliográficos dos autores. A inscrição é obrigatória. A duração dos encontros é de cerca de duas obras. As obras envolvem ficção, crónica e poesia de autores portugueses. O esquema dos encontros envolve dois momentos: o primeiro é da responsabilidade do orientador sendo o segundo aberto aos demais membros. Não existe avaliação da comunidade.

3. Perfil do Líder.

58A orientadora do Clube de Leitores da Livraria Leitura é advogada de profissão, sem experiência anterior na função. Chama-se Gabriela Pinheiro também ela não é uma figura mediática. É uma excelente comunicadora. A escolha dos livros é da sua responsabilidade.

59Em contraponto, o orientador da Comunidade de Leitores da Almedina é uma figura mediática e jornalista de profissão, de nome Miguel Carvalho. Não tem experiência anterior na condução de comunidades de leitores. Tem uma presença forte e directiva na condução dos encontros. Lê excertos dos textos durante os encontros.

4. Tipo de Público.

60Mais uma vez se nota uma grande diferença entre o número de membros inscritos que ascendem a 30 e presentes que não passam de 8. São poucos os elementos que transitam de um encontro para outro. As restantes pessoas que assistem são membros ocasionais que circulam pela livraria e amigos dos convidados. Daí que o número varia enormemente de encontro para encontro. (de 10 para 38). Predomina o sexo feminino. A esmagadora maioria não lê o livro, alguns até desconhecem a sua existência, nutrem, aparentemente, mais interesse pelo autógrafo. A sua média de idade varia muito. Não cria o espírito de comunidade.

61No caso da comunidade da Livraria Almedina, a situação é algo diferente: aqui o publico é maioritariamente licenciado, uma grande parte já era amiga do orientador e permaneceu, outros fizeram-se membros por acaso quando faziam compras e souberam da existência da comunidade. A sua média de idade é de 40 anos. O número de inscritos ronda os 60 por contraponto ao número dos que, encontro após encontro, comparecem e que não são mais do que 10 elementos. É um público esmagadoramente feminino. Também aqui existe variação do número das pessoas que assistem: há mais pessoas no dia em que o escritor está presente. A maioria não lê o livro a tempo e horas, nem mesmo a tempo do segundo encontro.

5. Particularidades Distintivas.

62O Clube de Leitores da Leitura teve um fim abrupto por impossibilidade da orientadora em continuar e que assim coarctou qualquer possibilidade de conseguir formar uma verdadeira comunidade.

63No caso da Comunidade de Leitores da Almedina, conseguiu-se em parte esse espírito até pelo simples pormenor de antes de cada encontro se iniciar, os membros confraternizarem no espaço da cafetaria existente na livraria. No final do que se espera ser o primeiro ciclo (anuncia-se um outro), realizou-se um jantar de encerramento que ajudou a consolidar laços de afectividade e o sentimento de comunidade.

Considerações finais

64Em jeito de conclusão refira-se que não há um modelo próprio de Grupos de Leitura nas Bibliotecas e outro modelo nas Livrarias. Existem zonas de contaminação, não obstante a sua natureza distinta (uma pública, outra privada). São visíveis traços que transitam do modelo difundido nas bibliotecas para o mundo das livrarias. O marketing, a vocação para vender, a maior agilidade negocial e a menor burocracia institucional fazem com que as livrarias consigam trazer com mais frequência escritores a participarem nas suas actividades. Assim acontece com os seus grupos de leitura, ainda que desse modo estejam reféns da existência em vida dos escritores; assim se compreende que o seu tema dilecto seja a literatura portuguesa contemporânea. Um outro traço distintivo dos grupos de leitura desenvolvidos nas bibliotecas e em livrarias relaciona-se com o ambiente envolvente. Nas bibliotecas tendem, na generalidade, a realizar-se fora do horário de expediente da instituição com desvantagens para a mobilização de funcionários e para a atmosfera excessivamente silenciosa. Ao invés, as livrarias aproveitam o seu horário alargado vigente em centros comerciais e tiram partido disso emprestando às comunidades aí realizadas um colorido muito interessante.

65Curiosamente, e no que diz respeito aos vícios de forma, estes são comuns a um e a outro tipo de Grupos de Leitura, como facilmente se detecta em função do que foi anteriormente sustentado. Contudo este seria um outro assunto para uma outra reflexão; tal como seria interessante pensar os Grupos de Leitura em função dos conceitos teóricos que os sustentam.

66Como exemplo de sinergias que poderiam ser realizadas em locais onde a proximidade entre a livraria e a biblioteca existe, temos a promoção de visitas dos seus membros de modo recíproco; a dinamização de uma comunidade de leitores em local alternado, ora na biblioteca ora na livraria; por que não levar os encontros que beneficiam da presença do escritor às bibliotecas? Por que não procurar realizações conjuntas? Por que não dar menos peso institucional e político às bibliotecas, conferindo-lhes maior agilidade de acção?

67Para finalizar este pequeno texto, gostaria de citar um trecho do livro “O Leitor” de Bernhard Schlink (SCHLINK, 143). A personagem Michael Berg no fim do livro, quando passa em revista a sua história com Hanna Schmitz afirma o seguinte: “esta história escreve-se muitas vezes na minha cabeça, de cada vez sempre um pouco diferente, de cada vez sempre com novas imagens e fragmentos de acções e de pensamentos. Assim, para além da versão que escrevi, existem muitas outras. A garantia de que esta é verdadeira é o facto de que a escrevi, enquanto as outras ficaram por escrever. Esta versão podia ser escrita; as outras não”. Faço minhas as suas palavras, também esta é a versão possível, porque escrita.

Bibliographie

Referências Bibliográficas

BRITES, Andreia – Ler não é um acto solitário. OS MEUS LIVROS. Lisboa, n.º75 (2009), pp. 26-29

PEDROSA, Inês – A cultura que nos acuda. REVISTA ÚNICA. Lisboa, n.º1916 (2009), p. 68

PROLE, António – A experiência das comunidades de leitores em Portugal: da literatura à vida, da vida à literatura [Em linha] Lisboa, 2004 [Acedido em 20/10/08]

SCHLINK, Bernhard – O leitor. Lisboa: Alfragide, 2009

Notes

1 A origem histórica dos grupos de leitura situa-se no século XIX, em Massachusetts, reunindo grupos de mulheres leitoras das classes altas. Sabe-se que, devido à sua proliferação na década de 1870 o movimento dos grupos de leitura era comum, por iniciativa dos próprios leitores (BRITES, 2009).

2 A Grande Área Metropolitana do Porto é constituída por 16 Municípios: Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa do Varzim, Santo Tirso, Santa Maria da Feira, S. João da Madeira, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde e Vila Nova de Gaia. A sua população é de 1.281.424.

Auteur

FLUP – Porto

Investigador no Instituto de Filosofia

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr