Version classiqueVersion mobile

A memória da cidade: escrita e poder em Évora (1415-1536)

 | 
Filipa Roldão

A consolidação de um despertar...

Maria Helena da Cruz Coelho

Texte intégral

1Filipa Roldão é a minha orientanda mais inesperada e, por isso, muito gratificante. Licenciou-se na Faculdade de Letras de Lisboa. Não a conhecia. Mas, por uma feliz convergência, acabou por ser minha aluna.

2Por amável e honroso convite do Doutor Bernardo Sá Nogueira - também ele um orientando que recebi de Lisboa – leccionei, no ano lectivo de 2003-2004, no Mestrado de Paleografia e Diplomática que o mesmo dirigia, a disciplina de Diplomática, juntamente com o meu Colega e Amigo Doutor Armando Luís de Carvalho Homem, serviço que muito me agradou pelo acolhimento que tive e estudantes com que trabalhei. Na temática das minhas aulas, introduzi o estudo da Diplomática urbana, matéria até então pouco abordado nesta ciência. E com ele captei o interesse da melhor aluna do Curso. Desde então foi sempre um gosto e um desafio trabalhar com Filipa Roldão, porque entre orientadora e orientada se estabeleceu um contínuo diálogo crítico, nos questionamentos e nas reflexões, que desaguavam nessa permanente e enriquecedora construção e reconstrução do saber.

3Os resultados espelharam-se logo na dissertação de Mestrado, que orientei com a coorientação do Doutor Bernardo Sá Nogueira, sobre a Escrita e Poderes Urbanos nos concelhos de Coimbra, Santarém e Lisboa (1179-1325). Nela, a escassa informação das fontes, ou mesmo a sua total ausência, foi muitas vezes preenchida com a leitura dos silêncios e a interpretação das inexistências para dar a conhecer a chancelaria municipal desses centros urbanos nos primórdios da sua existência.

4A tese de doutoramento, A memória da cidade: escrita e poder em Évora (1415-1536), de que resulta este livro tem, pelo contrário, a suportá-la uma vasta e rica documentação, essencialmente guardada no Arquivo Municipal de Évora. Acresce que a Autora trabalhou sobre uma cidade com uma história já muito solidamente ancorada em estudos caracterizadores deste núcleo no seu desenvolvimento urbanístico e socioeconómico e nas suas elites de poder local. Mais. Incidiu sobre a Baixa Idade Média, quando a escrita já era uma ferramenta omnipresente no quotidiano dos homens e imprescindível na vida das comunidades e no exercício do poder, e posicionou-se numa longa diacronia, que lhe permitiu detectar linhas de continuidade ou de reestruturação das práticas da escrita.

5Évora, sede da corte por longos períodos, controlada muito de perto pela coroa e dirigida por uma forte e estruturada elite governativa, apresentava-se então como um excelente laboratório de estudo para analisar a rede de articulações entre o poder régio e o concelhio e a projeção desses poderes na escrita urbana. E Filipa Roldão propôs-se ensaiar, com ousadia, uma nova experiência – a de procurar demonstrar de que modo e por que meios o arquivo da câmara do concelho foi um espaço de criação da memória dos poderes que se cruzaram na administração municipal eborense.

6De facto, como afirma na sua Introdução: «o estudo do arquivo, enquanto fonte para o conhecimento da sua própria constituição e dos seus produtores, define um filão de investigação que reconhece, no arquivo, um objecto passível de ser historiado… Neste pressuposto, o estudo sobre um arquivo alcança um significado maior, possibilitando entrever indícios da construção de uma identidade e de uma memória, pertencentes aos indivíduos ou aos poderes que o promoveram».

7Baliza o seu estudo por duas datas com forte impacto na evolução do arquivo da cidade, - o ano de 1415, em que Évora recebe um Regimento outorgado pelo corregedor da Corte, que determinava a elaboração de um inventário do património escrito à guarda da câmara do concelho, o qual foi concretizado com um arrolamento da documentação conservada na arca, dando-nos pois a conhecer o arquivo do concelho; e o ano de 1536 em que o corregedor da comarca e o seu escrivão, a mando de D. João III, elaboraram um Tombo do termo, propriedades, rendas e direitos da cidade, que espelha o recenseamento e recomposição de alguns dos mais importantes objetos escritos conservados na câmara da cidade, e que reestrutura o próprio arquivo e a relação da administração municipal com a documentação.

8Na primeira parte do desenvolvimento da sua proposta de trabalho, designada «A construção do arquivo», subdividida em três capítulos em torno da arquivação, organização e arca do arquivo, acompanha a composição do arquivo da câmara da cidade de Évora, entre pergaminhos avulsos, livros da câmara e tombos, observando como os processos de produção e conservação documentais evidenciam dinâmicas de relação entre poderes, no interior da administração municipal, sobretudo, entre a câmara do concelho e o rei, adquirindo o arquivo uma crescente dimensão política.

9Na Parte II que intitula, «A projecção documental dos poderes», segmentada em três capítulos que reflectem sobre o documento como território, analisam em detalhe dois «territórios documentais», o livro e a carta, e pensam a «paisagem» do arquivo de Évora, Filipa Roldão aborda os objectos escritos na perspectiva da sua estruturação formal, e na dimensão estratigráfica dos seus textos, e deixa perceber que a paisagem documental projecta a imagem da viva e interactiva dinâmica dos poderes. Emergem então os protagonistas desses poderes, o rei e câmara do concelho, e os tempos e modos do seu exercício, entre posições de domínio, regulamentação, vigilância, compromisso ou negociação. E assim, como afirma no seu resumo (p. 2), o estudo da dimensão política do arquivo municipal de Évora «permite recuperar os alicerces fundamentais de uma memória urbana, em que a esfera régia dos poderes parece sobrepor-se, constantemente, à esfera dos poderes locais» fazendo ainda salientar que «os anos de 1415 e 1536 constituem dois marcos desta dinâmica, no interior dos quais as reestruturações das práticas de escrita e de conservação documental denunciam estratégias de poder».

10Ao terminar, direi que Filipa Roldão trabalhou, de facto, com uma nova hipótese de investigação ao tomar como objecto de estudo o arquivo, enquanto campo de análise da identidade e memória dos homens e poderes que lhe deram corpo, que se traduziu, em tese, numa obra muito fundamentada, arquitectada com argúcia e escrita com maturidade.

11Este livro assume-se, inequivocamente, como uma bússola e um desafio para outros estudos de arquivos de cidades portugueses, que, à luz de uma similar hermenêutica, venham consolidar e redimensionar o complexo e interpelante relacionamento entre o poder e a escrita.

12E terminarei com uma nota de futuro.

13Filipa Roldão demonstra, na sua investigação e reflexão, uma enorme sensibilidade para a transdisciplinaridade. Tem um especial gosto, abertura e apetência para se cruzar com os saberes dos diplomatistas, historiadores, filólogos e linguistas. Muito se espera do que poderá oferecer às ciências historiográficas. Por isso me sinto muito feliz, dado que uma vez mais me escolheu não como sua orientadora, direi melhor, como sua interlocutora, nas suas investigações de pós-doutoramento. Poderei, assim, continuar a desvendar com ela, como sempre me acontece, agora essa faceta outra de melhor apreender a plasticidade e adaptabilidade de modelos legislativos do reino aos espaços de além mar e aprofundar o desafio vivo e permanente da interculturalidade.

Coimbra, 2 de Outubro de 2017

© Publicações do Cidehus, 2017

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search