Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Conceitos, técnicas e práticas da promoção da leitura em bibliotecas

Do “livro de areia” à “sopa de letras luminosas”

Apontamentos sobre a historia das práticas de leitura

Imara Bemfica Mineiro, Juliana do Couto Bemfica et Ana Maria Pereira Cardoso

Résumé

A invenção da escrita marca o início do que chamamos História. Esta tem, portanto, a idade do texto, e ambos se comunicam e se transformam ao longo do tempo, movendo-se em uma dinâmica determinada por variados fatores. As transformações dos suportes da escrita implicaram em mudanças das práticas, hábitos e concepções de leitura. Sendo assim, da escrita pictográfica, passando pelos rolos de papiro, pelo livro manuscrito, depois impresso, até o suporte digital do texto foram diversificando-se, também, os modos de ler. As práticas de leitura, por sua vez, possuem uma história que não é determinada exclusivamente pelo medium no qual a escrita se apresenta, mas que, pelo contrário, é atravessada também por uma série de questões extra materiais: tais seriam os casos da passagem da leitura oral e coletiva para a silenciosa e íntima, bem como do que diz respeito ao hábito da leitura intensiva ou extensiva. Muitas das vezes, esses modos de ler definiram e, simultaneamente, foram definidos pela formação das bibliotecas. Assim, a presente proposta pretende discutir o percurso desses movimentos de escrita e de leitura até o advento das novas tecnologias de informação e comunicação, tratando de pensar como a TV e a internet desembocaram em outras mudanças – tanto em termos de acessibilidade quanto dos sentidos mobilizados no processo de leitura –, cujos fatores principais seriam o concurso de recursos auditivos, visuais e a hipertextualidade.

The invention of writing marks the beginning of what we call History. History has therefore the age of the text, and they both communicate to each other and, as time goes by, they transform themselves, moving according to a dynamic determined by various factors. These transformations in the media of writing resulted in changes in practices, habits and conceptions of reading. Thus, from the pictographic writing, passing by the rolls of papyrus, the manuscript books, those ones printed, until the digitalized text, the modes of reading also were diversifying. Practices of reading, in turn, have its own history that is not determined solely by the medium in which the writing is presented. Rather, a number of extra-material issues also cross it: these were the cases of the transition from the oral and collective readings to the silent and intimate ones, and in what concerns to the intensive or extensive habits of reading. Many times these modes of reading set, and were defined by, the formation of libraries. Thus, this proposal aims to discuss the path of these movements of writing and reading until the advent of new information and communication technologies, aiming to think how the TV and the Internet lead to other changes – both in terms of accessibility and in the senses employed in the reading process – whose main factors were the utilization of auditory and visual resources, and hypertextuality.

Texte intégral

1 – Introdução

1Borges conta a história do “livro dos livros”, um livro infinito que, como a areia, não tem princípio nem fim. Suas páginas estão dispostas em uma numeração aleatória indicando para a circunstância de que, na condição de uma série infinita, não importa em que lugar estamos, de maneira que a página 40.514 é seguida da 999. As ilustrações e os textos que são lidos ocasionalmente no Livro de Areia dificilmente voltarão a ser encontrados, dadas as infinitas possibilidades de combinação que tornam improvável a formação de uma mesma imagem a ser lida de uma mesma maneira.

2O Livro de Areia parece ser qualquer livro e, a uma só vez, toda uma biblioteca universal que combine os sonhos de Babel (espaço construido para reunir todas as partes do mundo) e de Alexandria (tempo para conservar a memória do mundo). Reclama por uma leitura, ao mesmo tempo intensiva e extensiva, que se realiza sobre um mesmo e curioso volume o qual, por sua vez, contém todos os livros do mundo e os embaralha a todo momento, à maneira de um caleidoscópio. As diversas configurações que assume, bem como a sequência visivelmente aleatória da paginação, trazem à luz a questão da organização dos livros, da arbitrariedade na eleição dos critérios de ordenação, assim como apontam para a fragilidade inerente ao estabelecimento desses critérios.

3O antigo livro sagrado, trazido dos confins do oriente, infinito e vulnerável (móvel, maleável) como a areia, realiza-se como Livro propriamente apenas no instante de sua leitura, imediatamente após a qual se desfaz em novas combinações. Por mais antigas e longínquas que sejam suas origens, o Livro de Areia nos instiga a pensar também nos suportes e tecnologias de escrita e de leitura contemporâneas. Textos que remetem a outros textos, que se inserem como hipertextos e estão disponíveis em quantidades inumeráveis, organizando-se arbitrariamente conforme o termo de busca.

4Este trabalho não tem como proposta identificar as continuidades e similaridades entre as práticas, concepções e tecnologias de leitura, escrita e disposição dos textos, desde a antiguidade ao terceiro milênio, desde o Livro de Areia às Letras Luminosas. De maneira mais singela a idéia é pontuar algumas questões acerca dessas tecnologias e práticas, e dos percursos que assumem ao longo do tempo envolvendo, com isso, problemáticas maiores que passam, por exemplo, pelo registro e pelo trânsito do conhecimento.

2 – A palavra escrita

5Segundo Ong (1986) a invenção da escrita alfabética foi a mais importante inovação introduzida na vida humana, devido às inúmeras conseqüências que dela surgiram. De fato, nos séculos seguintes à sua introdução, foi possível desenvolver o pensamento lógico e a racionalidade que desembocaram no pensamento científico com suas inumeráveis conquistas, sendo a de maior impacto, nos anos recentes, as tecnologias de informação e comunicação.

A escrita, no sentido literal de um sistema codificado de marcas visíveis que permitem ao escriba determinar, sem limitação, as exatas palavras e sequência de palavras que o leitor retirará de um determinado texto, é a mais fantástica invenção tecnológica humana. (ONG, 1986, p. 35)

6Acompanhar o percurso histórico das técnicas e tecnologias do registro da palavra nos leva a uma ciranda de inovações sucessivas, que têm a sua causa inicial na metodologia de transcrição dos sons em sinais replicáveis. O mesmo autor identifica quatro fases marcantes na história dos registros da humanidade: a da oralidade, a quirográfica, a tipográfica e a eletrônica, cada uma delas modelando as possibilidades epistêmicas de seu tempo.

7Durante o período da oralidade primária, a comunicação era essencialmente imediata e evanescente. O som da palavra falada dissolve-se em seguida à sua enunciação, impedindo a permanência do discurso. A forma encontrada para suprir tal fluidez conduziu a estratégias de rima e repetição, produzindo os poemas épicos que constituem, para as sociedades em tal estágio de desenvolvimento, as narrativas fundadoras, as linhas de transmissão da sabedoria, dos bons costumes, da ética e da moral. A utilização dos enunciados rimados tornou-se a técnica mnemônica socialmente disseminada, centrada na figura do poeta ou bardo, que adquiriu importância social relevante, situando-se próximo aos donos do poder e tornando-se merecedor do respeito e deferência de seus contemporâneos. Sobre a enunciação sonora apóia-se a retórica e ganha força a manipulação das palavras na busca de maior poder e controle, religioso ou político. A arte do discurso para multidões consolidou lideranças políticas, religiosas e militares, estimulou soldados em batalhas, fiéis em templos e decisores em tribunais.

8O alfabeto surgiu em etapa recente da evolução humana e possibilitou o registro das conquistas, avanços e desastres que marcam a História. O primeiro registro conhecido, fruto da elaboração manual dos sumérios, foi encontrado na Mesopotâmia com data aproximada em 3.500 a. C. Já o alfabeto primordial, do qual derivam todas as demais formas de escrita alfabética, foi inventado pelos semitas por volta de 1500 a. C. Ao isolar e atribuir marcas para o som das palavras, transformando-os em sinais gráficos reproduzíveis, o homem conseguiu separar o fato de seu relato, garantindo sua permanência e deslocamento, independentemente do espaço e do tempo. Ou seja, possibilitou a separação inicial entre o sujeito que conhece e o objeto que é conhecido.

9Com o registro dos discursos em textos e o desenvolvimento subsequente da lógica, a retórica perdeu consistência e espaço no processo cognitivo. A palavra registrada permite ao sujeito retornar e retomar vezes sem conta os enunciados, ponderando, reformulando, questionando, aceitando ou recusando as idéias e pensamentos expostos. A forma linear da enunciação possibilitada pela escrita conduziu a um paradigma cognitivo do enunciado sequencial e objetivo que se tornou predominante nas sociedades modernas, cada vez mais dependentes da racionalidade científica. O registro dos bons costumes, da moral e da ética, das leis e dos bens ampliou os mecanismos de controle e gestão, tanto no âmbito das sociedades quanto dos indivíduos.

10À medida que a palavra escrita cresceu em importância para a organização das sociedades, a redação manuscrita de textos mostrou-se incapaz de atender às necessidades sociais. Impôs-se um desdobramento que veio na figura dos tipos móveis, origem da imprensa, que com os muitos avanços tecnológicos posteriores fizeram do mundo contemporâneo uma cultura essencialmente dependente das narrativas e registros escritos.

11A cultura tipográfica imprimiu sua marca na sociedade humana como um todo. O acesso a grandes quantidades de livros impressos modelou a crença no infindável progresso e acúmulo do conhecimento e treinou o exercício da comparação crítica de diferentes versões de uma mesma informação.

12Escrita e leitura são processos indissociáveis, na medida em que uma existe em relação estreita com a outra. Deste modo, a tecnologia necessária ao exercício da primeira influi sobre a prática da segunda, determinadas ambas pelos recursos materiais utilizados. Assim, a gravação em pedra ou barro limita a extensão do texto e presta-se, sobretudo, ao registro pontual. A invenção do papiro, do pergaminho e dos instrumentos de marcação (pincel, estilete, tintas) acrescentaram possibilidades e abriram espaços a serem preenchidos por tratados filosóficos e jurídico-políticos, poemas e narrativas, estórias a serem encenadas e lidas coletivamente.

  • 1 Por volta dos sec. III ou IV d.C. o formato dos “livros” foi sendo alterado, a página (codex) paula (...)

13Na Idade Média européia, a atividade da escrita e da leitura manteve-se confinada aos espaços dos mosteiros e abadias, e o evangelho e as escrituras sacras predominaram sobre os textos profanos. Os códices1, com proporções capazes de registrar textos longos, eram de difícil manipulação e sua leitura exigia aparadores, mesas ou estantes, onde, frequentemente, permaneciam acorrentados.

Com o códex, na Alta Idade Média surge a maneira silenciosa de ler, sobretudo textos religiosos que exigiam uma leitura meditativa. Entre os séculos XI e XIV, quando renascem as cidades e com elas as escolas, desenvolvendo a alfabetização, surge uma nova era da história da literatura, pois o livro passa a representar um instrumento de trabalho intelectual, de onde chega o saber. Ao mesmo tempo inovam-se os modelos de biblioteca, cujo espaço organizado e silencioso é destinado à leitura. É nessa época que aparece o livro em língua vulgar, escrito às vezes pelo próprio leitor, e que circula entre a burguesia, paralelo a um modelo de leitura da corte, da aristocracia culta européia. (CHARTIER; CAVALLO, 2009)

14A literatura relata que até meados do século XVIII, a prática da leitura, já então em livros impressos, era uma atividade social exercida coletivamente, e um leitor lia em voz alta textos, quase sempre religiosos, mesmo em comunidades alfabetizadas. Somente a partir do final desse século, com o barateamento do papel feito a máquina e a invenção de prelos a vapor a produção de objetos impressos pode ser ampliada. Folhetins, panfletos e jornais originaram uma massa de leitores e, concomitantemente, aumentaram o número de autores, de editores e de operários gráficos. O texto impresso sedimentou-se em nossa cultura e demandou toda uma tecnologia para transmissão de conhecimentos e promoção de entretenimento.

15No século XIX, a palavra impressa em livros, cada vez mais portáteis, ganhou a preferência das sociedades, sobretudo nos salões da nobreza e da burguesia, onde escritores e poetas eram reverenciados da mesma forma que os bardos da antiguidade. Livros provocavam mudanças e sua importância é comprovada nos muitos processos e julgamentos em que o réu, mais do que uma pessoa, era a autoria de textos que questionavam as praticas e os costumes vigentes. Mas, não somente a literatura de entretenimento obteve espaço privilegiado nesse século, também os escritos científicos, assim como jornais e revistas, ampliaram sua influência. Entretanto, embora dependa da decodificação dos mesmos sinais gráficos, as letras, a leitura dos diversos tipos de textos exige habilidades diferentes. Assim, a leitura de um jornal ou de uma revista, em que o conteúdo é exposto de forma compacta e cuidadosamente diagramado na página não demanda o mesmo tipo de concentração e linearidade que a leitura de um artigo científico.

16O desenvolvimento das tecnologias de escrita e leitura não diminuiu nos anos subseqüentes: os suportes dos textos ganharam maior portabilidade, as impressoras adquiriram maior rapidez e potência de impressão, ao mesmo tempo em que o avanço das formas de transporte ampliou as possibilidades de distribuição de materiais impressos.

17O surgimento das tecnologias de informação e comunicação (TIC) na segunda metade do século XX revolucionou a relação da humanidade com a palavra escrita:

A hipótese de autores como Lévy (1993, 1999), Rouet, et al (1996) é de que essas mudanças tenham consequências sociais, cognitivas e discursivas, e estejam, assim, configurando um letramento digital, isto é, um certo estado ou condição que adquirem os que se apropriam da nova tecnologia digital e exercem práticas de leitura e de escrita na tela, diferente do estado ou condição – do letramento – dos que exercem práticas de leitura e de escrita no papel. (SOARES, 2002)

18De fato, as TIC modificaram completamente a relação com o texto: as letras encontram-se dispostas em teclados nos quais a habilidade de manejo requerida não ultrapassa o simples apertar de botões; o texto apresenta-se em uma tela que se oferece ao olhar a partir de milhões de pontos luminosos que a destacam fortemente de todo seu entorno; as ferramentas (software) que fazem o funcionamento da máquina permitem uma interação fragmentada de idas e vindas para correções e alterações sem limites; ilustrações, atalhos e aceleradores presentes na memória da máquina auxiliam a escrita colocando à disposição elementos previamente determinados por aqueles que prepararam a ferramenta.

19Também o processo de leitura se tornou diverso. Em primeiro lugar, a exposição do texto se faz parcialmente, e o acesso ao texto completo demanda a rolagem de telas dispostas verticalmente, a exemplo dos rolos de papiro e pergaminho. Funcionalidades latentes permitem uma leitura mais ou menos rápida, independente da sequência originalmente imaginada pelo autor.

20Mais extraordinária ainda, é a mudança que se faz a partir do hipertexto, que transformou a atividade de leitura de tal forma, a ponto desta passar a ser identificada pela metáfora da navegação: o leitor salta de texto a texto, acompanhando links e descobrindo possibilidades que, muitas vezes, o desviam do texto original.

21Conforme afirma Chartier (2009):

Pela primeira vez (...) o nível da técnica, o nível da forma de suporte e o nível da prática de leitura se transformaram ao mesmo tempo. (...) a textualidade eletrônica é, evidentemente, uma revolução tecnológica, que transforma totalmente a forma de inscrição da cultura escrita, substituindo pela tela do computador todos os objetos e a cultura impressa: o livro, o jornal, a revista, etc. E isso implica ou permite uma transformação da relação com o texto escrito pelo leitor. Por um lado, criando a multiplicação dos vínculos e, a partir daí, uma hipertextualidade disponível para o leitor; e, por outro lado, impondo uma leitura descontínua que tem formas e práticas totalmente diferentes da leitura diante de um livro ou de um periódico. (p. 113)

2.1 – A preservação da palavra escrita

22Diversamente da palavra enunciada oralmente, o registro cria volume. E o volume necessita de guarda especial. Assim surgiram as bibliotecas, destinadas a preservar os registros de fatos e conhecimentos acumulados pela humanidade.

23Inicialmente confinadas aos espaços de poder religioso e governamental, aos poucos foram deixando esse confinamento, mas sempre mantiveram a aura do especial, do sagrado, ainda que profanas. O conhecimento das letras, e de sua magia, até os tempos modernos, significou distinção entre indivíduos, grupos, classes, seitas... mesmo quando os movimentos de insubordinação à Igreja Católica Romana promoveram a alfabetização das populações, como o meio de acesso à palavra divina, sem a mediação sacerdotal.

24As primeiras bibliotecas, tais como Alexandria e depois Pérgamo, tinham como objetivo reunir e preservar todo o saber escrito então existente, numa demonstração cabal do poder de seus reis. Ali os rolos de manuscritos eram preservados em estojos cilíndricos metidos em compartimentos e identificados externamente por etiquetas que remetiam aos títulos da obra contida.

25Em Roma da Antiguidade, a grandeza dos césares era comprovada pela abertura, para quem tivesse interesse, de bibliotecas onde ficavam arquivadas as obras produzidas por seus escritores e também aquelas usurpadas nas guerras e saques imperiais. Ainda que restritas a poucos consulentes, elas são referidas como sementes das bibliotecas públicas modernas. Com a queda do império romano, aquilo que era patrimônio secular passou ao controle dos papas e das instituições religiosas. As bibliotecas de mosteiros e abadias tornaram-se guardiãs do tesouro escrito e produtoras de cópias, que eram feitas sob encomenda e pagas a peso de ouro, ou permutadas entre instituições semelhantes após cuidadosas negociações como impunha o valor de cada peça.

26A instituição de universidades, com o predomínio da cultura livresca, trouxe como acréscimo a formação de novas coleções e a ampliação dos centros de armazenamento e preservação de livros. Inúmeras bibliotecas se formaram a partir de então. Mesmo assim, existiam poucas obras em duplicata e as peregrinações dos estudiosos, em busca de autores e títulos importantes, contribuíram para aumentar o intercâmbio entre centros de produção de conhecimento, com a decorrente fertilização de idéias, indutora de novos saberes.

27O formato predominante dos manuscritos era o códice, depositado em mesas e prateleiras e guardado em ordem seqüencial da aquisição. O catálogo da coleção, conhecido como “livro de tombo” orientava na localização do tomo desejado. Com o passar do tempo e o aumento das coleções devido às facilidades da impressão, foi introduzida nas lombadas a indicação do nome da obra e, mais tarde, o de seu autor. Abriram-se, então, possibilidades de criação dos catálogos impressos de coleções, que arrolavam todo o acervo existente em cada biblioteca.

28O período do Absolutismo fez ressurgir a propriedade de acervos pelas casas reais, sementes das futuras bibliotecas nacionais. Livros, mapas, imagens desenhadas e gravadas tornam-se apanágios das riquezas de uma nação e, portanto, tornam-se almejados butins de guerra e valores nas negociações de paz.

29O aumento no número de leitores, concomitantemente com o de autores, promove a abertura de salões e casas de leitura, livrarias e bibliotecas freqüentadas por pessoas cultas e mundanas, à cata de erudição e/ou diversão. Grandes editoras vêm no mercado livreiro oportunidades para grandes lucros e o escoamento de tiragens pela aquisição por bibliotecas mantidas com recursos públicos, torna-se uma forma de pressão para abertura destas instituições.

30O século XIX assiste à implantação de bibliotecas públicas no sentido como são conhecidas hoje. A leitura era apregoada como forma de ilustração, formação de bons costumes e combate ao ócio e vadiagem dos desempregados, especialmente na Inglaterra vitoriana.

31A explosão bibliográfica ocorrida no final do século XIX e começo do XX retirou do autor e do título a primazia da localização de obras em acervos. Passaram a vigorar normas de organização por assuntos, catálogos sistemáticos e catalogação padronizada de obras, permitindo intercâmbio entre bibliotecas e o acesso por comutação reprográfica a partir da introdução de máquinas copiadoras junto aos acervos.

32No século XXI, as bibliotecas continuam a ser transmissoras da herança do saber construído pela humanidade. Não é por acaso, portanto, que a internet, resultado das inovações tecnológicas para informação e comunicação é referida como uma grande biblioteca universal. A par de disseminar eletronicamente o acervo de milhares de instituições em todo o planeta, é também repositório da produção individual em blogs, sítios, mensagens, publicações eletrônicas, com ou sem filtros de legitimidade e autoridade. A consulta aos acervos disponíveis na internet modifica mais uma vez as formas de escrita e leitura. As possibilidades de acesso ao conhecimento sem fronteiras geográficas e ideológicas permitem falar em democratização da leitura e do acesso à informação, ainda que este discurso escamoteie as restrições políticas (existentes em determinados locais), econômicas (afetando grande parte da população mundial) e, principalmente, lingüísticas (afetando todos os internautas do planeta).

33O contato com a palavra impressa afetou o pensamento e o comportamento da humanidade, pode parecer paradoxal, mas a relevância da cultura letrada e livresca na sociedade contemporânea é atestada pelo fato de que vários sucessos de textos e sítios, divulgados inicialmente apenas na internet, acabem sendo editados como livros e se tornem fenômenos de grandes tiragens.

3 – A leitura e os leitores

34Chartier (1994) fala do contraste entre o escrito – conservador, fixo, durável – e as leituras – sempre da ordem do efêmero. No entanto “um texto só existe se houver um leitor para lhe dar um significado”, destacando-se aí dois pontos importantes. Um deles, que a leitura não está, ainda, inscrita no texto. O outro, que não há distância pensável entre o sentido imposto ao texto e a interpretação que dele pode ser feita por seus leitores.

35Os textos não são abstratos, ideais e desprendidos de toda a materialidade. As formas materiais que o texto suporta “contribuem largamente para modelar as expectativas do leitor, além de convidar à participação de outros públicos e incitar novos usos” (CHARTIER, 1994, pp. 17/18). Elas produzem sentidos. Um texto investe-se de uma significação e de um status inéditos, na medida em que os dispositivos que convidam à sua interpretação se modificam (CHARTIER, 1994, pp. 12/13).

36A leitura é sempre uma prática encarnada em gestos, em espaços, em hábitos. Disposições específicas distinguem comunidades de leitores e tradições de leituras. Sob essa perspectiva, várias séries de contrastes são reconhecidas, e a principal delas refere-se às competências de leitura. Entretanto a simples clivagem entre alfabetizados e analfabetos não esgota as diferenças em relação ao escrito. Diferentes normas e convenções de leitura definem, para cada comunidade de leitores, os usos legítimos do livro, as maneiras de ler, os instrumentos e procedimentos da interpretação. Há também contrastes entre os diversos interesses e expectativas com as quais diferentes grupos de leitores investem a prática de leitura (CHARTIER, 1994, p. 13). Identifica-se aí, portanto, um duplo conjunto de variações – variações nos dispositivos textuais e formais e variações na disposição dos leitores, a serem levadas em consideração (D. F. McKenzie, citado por CHARTIER, 1994, p. 14).

3.1 – Mobilização dos sentidos na leitura

37Pensar a história das práticas de leitura implica em considerar a mobilização dos sentidos como dotada também de historicidade. A partir de um breve panorama, é possível identificar alguns movimentos da organização dos sentidos dentro de uma hierarquia de percepção do mundo.

38Em um texto célebre, Platão se refere à percepção do mundo pelos homens através de sombras projetadas nas paredes de uma caverna. Essas sombras, como marionetes, teriam seus correspondentes reais no exterior, sob a luz do sol. O homem que logra libertar-se das correntes que o prendem no interior da caverna e o impedem de ver a luz que projeta as sombras, com algum custo pode sair e conhecer o mundo inteligível, depois de seus olhos terem se adaptado à luz ofuscante do sol. Sob o céu aberto, este homem tem acesso ao mundo das idéias, das formas reais, do Bom e do Belo, que marcam para sempre seu modo de olhar. Entretanto, essa noção platônica de Idéia não comporta uma dimensão interativa, móvel ou sonora, como o universo das sombras, o mundo cotidiano. Conforme nota Ong (1986),

O termo platônico idéia, forma, é na realidade visualmente baseada, com origem na mesma raiz latina de videre, significando ver (visão, visível, vídeo). Na forma grega arcaica, o i era precedido por um v ou w – videa ou widea. Apesar da insistência no logos e no discurso, as idéias platônicas modelam a inteligência não tanto pela escuta quanto pela visão. – a profundidade da verdade escapa tanto da escrita quanto da enunciação oral. (ONG, 1986, p. 29)

39Dentre os sentidos, portanto, a visão é aquele através do qual seria possível alcançar a verdade, o real, o mundo das idéias platônico.

40Posteriormente, encontra-se em Santo Agostinho a comparação da “beleza do curso dos acontecimentos humanos”, com uma “melodia baseada numa harmoniosa variedade de sons”. Em outro tom, e a partir de outra cosmologia, Santo Agostinho substitui as Idéias, visuais, de Platão por uma metáfora sonora, da melodia. E, ainda, fala do tempo, da sucessão dos séculos, como um “canto que ninguém é capaz de ouvir na sua integridade”. A dimensão abstrata do tempo é, assim, descrita como uma música, algo que não se pode ouvir integralmente, mas que, de todo modo, é perceptível através da audição.

41Vale notar, contudo, uma similaridade entre as concepções de Platão e Santo Agostinho: ambas parecem estar lacradas à intervenção humana. Podem ser vistas ou ouvidas, mas não transformadas, alteradas pelo olhar ou pela audição. As metáforas acústicas de Santo Agostinho, entretanto, vão sendo gradativamente traduzidas por metáforas visuais, muito embora não se trate mais de um mundo das idéias como em Platão, e sim de um mundo empírico em grande medida decifrado, formulado e relatado pelos viajantes.

42Dessa maneira, pode-se tomar como exemplo de intersecção entre as legitimidades do ver e do ouvir a introdução do Livro das maravilhas de Marco Polo, escrito em 1298, na qual se assegura que as imensas maravilhas e curiosidades aí narradas são descritas “tal como as viram” os mortais olhos do viajante. Ainda assim, encontra-se uma ressalva:

Algumas coisas, porém, não viu, mas escutou-as de outros homens sinceros e verdadeiros. Portanto nos referimos às coisas vistas por vistas e às ouvidas por ouvidas, para que nosso livro seja fiel, sem artifícios e enganos, e para que as aventuras que aqui se descrevem não sejam tomadas por fábulas. (POLO, 2006, p. 35)

43A verdade do relato é assegurada igualmente pela visão e pela audição. O que Marco Polo pôde ver, bem como o que escutou de fontes sinceras, retiram o Livro das Maravilhas do fabuloso e do engano. São justamente o ver e o ouvir que lhe possibilitam formular um relato legítimo do mundo, não aparecendo aí uma distância hierárquica significativa entre ambos, embora não prescinda da observação de que as fontes orais sejam confiáveis.

44Já na carta de Cristóvão Colombo, datada de 15 de fevereiro de 1492, na qual descreve ao Rei da Espanha as terras nas quais chegara, lê-se a seguinte observação:

Até aqui não encontrei, nestas ilhas, homens monstruosos como muitos pensavam, mas antes, toda a gente é de muito lindo acatamento [...]. Monstros não encontrei, nem tive notícias, salvo de uma ilha, Quaris, a qual é povoada por uma gente tomada por feroz em todas as demais ilhas, e que comem carne humana. Eles têm muitas canoas com as quais percorrem todas as ilhas das Índias roubando e tomando o que podem; mas não são mais disformes que os outros, salvo o costume que têm de levar os cabelos longos como mulheres... (COLÓN, 2009)

45Assim, Colombo coteja o que ouvira com o que pôde ver, e descreve as Índias a partir de seu olhar, colocando em xeque a validade do que ouvira e, de forma mais direta, coloca o seguinte: “ainda que destas terras tenham falado ou escrito, tudo foi por conjectura, sem alegar de vista [...] os ouvintes escutavam e julgavam mais pelo que ouviram do que pelo pouco que existe nessas terras.” E desta maneira, Colombo justifica sua empreitada à Coroa Espanhola, argumentando que, além dos bens temporais que encontrara no chamado “Novo Mundo”, existiam também povos que, por não serem tão monstruosos conforme se ouvira, poderiam ser convertidos à fé cristã.

46A distância entre a validade do que se e o que se ouve é que serve de núcleo argumentativo na carta de Colombo e lhe permite provar, para a Coroa de Espanha, que todo o patrocínio e o esforço em prol de uma viagem aparentemente despropositada não fora em vão.

47Não há dúvidas de que a eleição de outros percursos e outros exemplos dessas relações entre o ver e o ouvir, desde a antiguidade até as grandes navegações, poderia muito bem esboçar outro traçado desses movimentos. O que se pretendeu ilustrar com este breve panorama foi a versatilidade e a historicidade dos modos de concepção do mundo. Sua importância está nas possíveis relações entre tais concepções e as práticas de leitura. A passagem da oralidade coletiva para a leitura silenciosa e individual é atravessada por uma série de questões epistemológicas que dizem respeito à compreensão e interpretação do mundo, bem como com a relação deste com as possibilidades de sua escrita.

48Ler o mundo, ver ou ouvir o mundo e descrevê-lo pressupõe que – seja ele ideal, sagrado, maravilhoso ou empírico – seja concebido como uma escritura legível, como uma dimensão visível e passível de descrição. E, ainda, que seja ou não alterável, modificável pelo homem. Nos mundos visível e audível de Platão e Santo Agostinho não havia entrada para um expectador ou um ouvinte construtivos. Marco Polo, por sua vez, parece articular o que vira ao que ouvira, para então construir um relato. Essa articulação já indica uma operação de montagem, a armação de um mundo a partir de diversas partes. E, no caso da carta de Colombo, em que o ver se sobrepõe ao ouvir, há uma eleição do modo de interpretação. O olhar é o meio pelo qual o mundo é apreendido.

49Essas concepções se assemelham às diversas e históricas práticas de leitura, bem como às funções que a esta prática são delegadas ao longo do tempo. Uma leitura, predominantemente para ser ouvida, com a qual se interage em maior ou menor grau na construção de sentido; outra, mais visual e íntima, que pode ser realizada com submissão, devoção, curiosidade ou ironia... Enfim, as diversas epistemes da leitura indicam pontos de relação com a cosmologia das diversas épocas, bem como com a concepção de texto e com o suporte no qual este apresenta e mobiliza de maneira privilegiada tais ou quais sentidos.

50Carlo Guinzburg, em Olhos de Madeira, fala de certo “regime escópico” da Modernidade, que estaria marcado pela hegemonia do olhar. Caberia pensar qual seria, então, a diferença desse regime escópico moderno e a concepção platônica de um mundo visual das idéias. Um palpite acerca da divergência mais marcante entre as duas concepções incide justamente na potencialidade, bem como na possibilidade real, de o homem, o leitor, participar na construção de significado. Atualmente é lugar comum considerar a dimensão polissêmica da leitura, e talvez isso possa ser vinculado à questão moderna da perspectiva. O regime escópico se estabelece tendo a perspectiva como pressuposto: uma mesma coisa pode ser vista de diversas maneiras; um mesmo texto pode ser lido de diversas maneiras e seus sentidos são tão diversos quanto são inúmeras as possibilidades de mirá-lo. E essas possibilidades de interação e construção de interpretações parecem ser exponencialmente mais explícitas no contexto digital.

3.2 – Os leitores ao longo do tempo

51A leitura se transformou ao longo do tempo. Há hoje uma razoável concordância de que a tipografia, o estilo e a sintaxe determinam como os textos transmitem os sentidos.

A nova estrutura tipográfica supunha um novo tipo de leitura e um novo público: gente humilde que não tinha facilidade nem tempo para acompanhar trechos extensos da narrativa. Os episódios curtos eram autônomos. (...) o próprio livro se tornou uma coletânea de fragmentos, ao invés de uma história contínua, e podia ser composto pelo leitor-ouvinte numa unidade à sua própria maneira. (DARNTON, 1990, p. 170)

52No entanto, esse reconhecimento, por si só, não responde a questões sobre como os leitores entendem os sinais na página impressa, quais são os efeitos sociais dessa experiência e como ela sofre variações. A leitura torna-se uma atividade social para o povo simples da Europa, no início da Idade Moderna. Era quase sempre oral e ocorria em oficinas, celeiros e tavernas.

53Tomando por base os tipos de habilidades sensoriais, perceptivas e cognitivas envolvidas nos processos e no ato de ler, Santaella (2009) identifica três tipos de leitores. O leitor contemplativo e meditativo da era pré-industrial, ao qual associa a imagem expositiva. O leitor do mundo em movimento, filho da revolução industrial e dos grandes centros urbanos: o homem na multidão. Ele nasce com a explosão do jornal e com o universo reprodutivo da fotografia e cinema. O leitor virtual, que começa a emergir nos novos espaços incorpóreos da virtualidade.

54O leitor contemplativo de Santaella (2009) está associado à leitura ‘intensiva’predominante até fins do século XVIII, de que falam Chartier (1990, 1994) e Darnton (1990), assim como a leitura ‘extensiva’, ao leitor do mundo em movimento, a partir do século XIX.

55É uma trajetória que se caracteriza, conforme notado por Darnton (1990), pela ‘dessacralização da palavra impressa’e sua mercantilização. Por sua vez, o advento de novas tecnologias de informação e comunicação vai originar novas formas de leitura e outro tipo de leitor. Elas nos colocam diante de um contexto em que as distinções entre escrita, edição e leitura estão se tornando cada vez mais difíceis de estabelecer. Da mesma forma, a distinção entre ouvir e ler, ou então entre ler e ver se mesclam cada vez mais. A leitura parece tornar-se uma atividade ubíqua. A tela do computador é um espaço de “leitura”, “visão” ou “audição”? O que significa a leitura na era digital? Como estabelecer a conexão entre dispor de um meio impresso e obter algo do computador?

56Fora e além do livro, há uma multiplicidade de modalidades de leitores. Há o leitor espectador, do cinema, televisão e vídeo, aos quais, mais recentemente, “veio se somar o leitor das imagens evanescentes da computação gráfica, o leitor da escritura que do papel saltou para a superfície das telas eletrônicas, enfim, o leitor das arquiteturas líquidas da hipermídia, navegando no ciberespaço” (SANTAELLA, 2009).

57Chartier considera que a ‘leitura’diante do computador e a leitura de um texto impresso possuem lógicas totalmente diferentes. A primeira obedece a uma lógica enciclopédica e hierárquica, e a outra, a uma lógica espacial e contextual.

É a cultura do código, a vinculação objeto-obra, que desaparece com o texto no computador. O computador é um suporte que oferece ao leitor todos os tipos de texto. A identificação da obra como obra é mais difícil. O desafio se dá na leitura descontínua, fragmentada e segmentada, que não deixa perceber a unidade textual, ou seja, a obra como obra estética. (CHARTIER, 2008)

3.3 – A Leitura digital e leitor virtual

58Observa-se que, na atualidade, as pessoas acessam sites para ler alguma coisa, de forma praticamente natural. Muitas vezes, elas nem se dão conta de como são essas práticas, como reagem ao navegar no ciberespaço, a razão de acessarem determinados links e não outros. “A enxurrada de apelos visuais que recebemos nos arrasta por trilhas e caminhos possíveis, mas nem sempre planejados” (FACHINETTO, 2005). São práticas não-lineares, cujas aplicações e influência sobre o modo de ler e entender o mundo precisam ser melhor compreendidas.

59A revolução do livro eletrônico, como denomina Chartier (1999), é uma revolução nas estruturas de suporte material do escrito assim como nas maneiras de ler. Como ele ressalta, o códex (livro com páginas) encerra, no interior de sua encadernação ou capa, o texto que carrega, ao passo que o texto na tela não apresenta fronteiras claras, sendo possível embaralhar, entrecruzar, reunir textos inscritos numa mesma memória.

60Nesse sentido, Lévy (2003) considera a tela informática como uma nova ‘máquina de ler’, lugar onde uma reserva de informação possível, que se realiza, para um leitor específico, por uma seleção, em dado tempo e lugar. Para este autor, a escrita eletrônica, denominada hipertexto, é ‘um texto móvel, caleidoscópico, que apresenta suas facetas, gira, dobra-se e desdobra-se à vontade frente ao leitor’(Lévy, 1999).

61Para Chartier (2002), diversos tipos de mutação/ruptura foram introduzidos pela revolução digital. A primeira, relativa à ordem do discurso: o computador surge em substituição aos vários suportes de leitura (livro, revista, jornal, diário etc.). É um suporte que não diferencia os vários discursos a partir de sua própria materialidade. Além disso, a tela do computador impõe uma leitura descontínua e fragmentária. A segunda, relativa à ordem das razões: a textualidade eletrônica permite desenvolver argumentações segundo uma lógica baseada em vínculos hipertextuais, não-lineares, além de modificar o modo de atribuir os créditos discursivos (notas de rodapé, referências etc.). E, finalmente, a terceira, relativa à ordem das propriedades: o texto eletrônico é um texto aberto, passível de modificações pelo leitor, de uma re-escritura coletiva (SILVA, 2003).

62Como dispositivos, as tecnologias digitais põem por terra a estabilidade extensiva da escrita impressa: o hipertexto é, por excelência, um recurso de fragmentação. Nesse contexto, o duplo conjunto de variações – tanto nos dispositivos textuais e formais quanto na disposição dos leitores – precisa ser levado em consideração (McKenzie, citado por CHARTIER, 1994, p. 14).

63A leitura pode ser vista como um processo direto de extrair informação de uma página. Essa informação precisa ser peneirada, classificada e interpretada. Por sua vez, os esquemas interpretativos variam ao longo do tempo, pois fazem parte de configurações culturais.

64É enorme a variabilidade possibilitada pelo dispositivo formal – a tela de um computador (mas será só ela?) – pela forma de recuperar o texto, pela liberdade de diagramação e de percurso no hipertexto. Some-se a isso, a profusão de recursos que o leitor dispõe para sua leitura. Ele pode, a cada momento, escolher o tipo e forma das letras, o modo de armazenamento do texto, o número de janelas abertas, etc. Como identificar os sentidos envolvidos na atividade de leitura? E como distinguir entre autor, leitor e editor? Seria este último passível de ser definido sobretudo por sua habilidade tecnológica?

65O que seria então um texto digital? Que objeto e que forma suportam o texto e promovem a leitura? Onde e como estabelecer delimitações entre autor, editor e leitor, no universo digital, com os hipertextos, e das tecnologias de informação e comunicação, com as multimídias?

  • 2 Espaço de escrita é “o campo físico e visual definido por uma determinada tecnologia de escrita” (B (...)

66Por um lado, há que se levar em conta que se está diante de outro espaço de escrita2, que condiciona as relações entre escritor e leitor, entre escritor e texto, entre leitor e texto. O rolo de papiro ou pergaminho impunha uma escrita e uma leitura sem retornos ou retomadas. O texto nas páginas do códice, com seus limites claramente definidos, tornou possível protocolos de leitura como a divisão do texto em partes, em capítulos, a apresentação de índices, de sumários. Já a escrita na tela do computador possibilita a criação de um texto fundamentalmente diferente do texto no papel. No computador, o espaço de escrita é a tela (ou a ‘janela’). Nesse espaço, quem escreve ou lê uma ‘escrita eletrônica’ tem acesso, a cada momento, apenas ao que se apresenta no espaço restrito da tela. Portanto, ainda que se faça referência à tela do computador como um espaço de escrita, ao contrário da página do códice, que é, de fato, uma unidade espacial, a tela do computador é uma unidade temporal, que “traz significativas mudanças nas formas de interação entre escritor e leitor, entre escritor e texto, entre leitor e texto e até mesmo, mais amplamente, entre o ser humano e o conhecimento” (SOARES, 2002).

67A representação eletrônica dos textos modifica totalmente a sua condição. Os textos são imateriais e não se encontram em nenhum lugar específico. Eles resultam da livre composição de fragmentos, indefinidamente manipuláveis. No hipertexto, a interação é feita por associações de modo que o sentido de cada argumento, cada texto, depende da relação (os nós) que se pode criar com outros textos. A concepção de que cada um vê coisas idênticas de acordo com a bagagem pessoal de informações que carrega é a base do hipertexto (DUFFBEER, 2009).

4 – Leitor, editor e autor nos movimentos da escrita e da leitura

A atividade leitora apresenta (...) todos os traços de uma produção silenciosa: flutuações através da página, metamorfose do texto pelo olho que viaja, improvisação e expectação de significados induzidos de certas palavras, intersecções de espaços escritos, dança efêmera (CERTEAU, 2007, p. 49).

68As tecnologias de comunicação eletrônica – o computador, a rede (a web), a internet – estão introduzindo novas e incipientes modalidades de práticas sociais de leitura e de escrita. Conforme destaca Soares (2002), trata-se de um momento privilegiado para identificar se as práticas de leitura e de escrita digitais “conduzem a um estado ou condição diferente daquele a que conduzem as práticas de leitura e de escrita quirográficas e tipográficas, o letramento na cultura do papel” (SOARES, 2002).

69Para esta autora, o advento da cultura do texto eletrônico muda o conceito de letramento, na medida em que o texto eletrônico não é mais estável, nem monumental, sendo pouco controlado. O texto eletrônico é fugaz, transitório e mutável. Seus leitores podem interferir na sua construção, na medida em que a produção de textos na tela é livre, além do fato de não haver qualquer controle sobre a qualidade e conveniência do que é produzido e difundido.

70O fato de que palavras e imagens digitais tomam a forma de códigos semióticos é fundamental para a definição das qualidades da tecnologia digital: “virtualidade, fluidez, adaptabilidade, abertura (ausência de bordas), processabilidade, duplicabilidade infinita, rápida portabilidade e, finalmente, possibilidade de encadeamento” (LANDOW, 1997, p. 174 – citado por MENEZES, 2007). A composição do texto virtual resulta da combinação de códigos binários que são interpretados e projetados a partir da tela do computador. É, portanto, algo fluído e adaptável, pois seu armazenamento através de códigos possibilita a livre edição, manipulação e reorganização de forma rápida e prática. “A possibilidade de manipulação contínua do texto torna-o aberto e inacabado – ou até inacabável. (...) O suporte eletrônico permite a conexão entre diferentes textos ou trechos que se encontram em sítios distintos, criando trilhas associativas entre os mesmos, (...) a hipertextualidade” (MENEZES, 2007). O hipertexto se constitui a partir de escritas associadas não-sequenciais, de conexões possíveis de se seguir. São oportunidades de leitura em diferentes direções.

71Alguns autores consideram que o hipertexto não teria propriamente um autor, mas seria resultado de uma multi-autoria. “Na cultura da tela, altera-se radicalmente o controle da publicação: (...) qualquer um pode colocar na rede, e para o mundo inteiro, o que quiser” (SOARES, 2002). Essa questão da autoria tem sido associada às tecnologias de impressão e difusão da escrita, ao instaurarem a propriedade sobre a obra, expressa no surgimento da figura do autor.

72Chartier (1999) situa o nascimento da figura do autor no final da Idade Média, quando a legitimação é constituída a partir da atribuição de um autor à existência física do livro. Também para Barthes (2004) o autor surge no fim da Idade Média, mas a partir da atribuição de prestígio à ‘pessoa humana’e do reconhecimento do potencial do individual, visto antes como parte de uma massa homogênea. Já Foucault (1992) considera que a atribuição de um autor às obras surgiu da necessidade de punição àqueles que difundiam idéias consideradas ilícitas ou profanas, associando, portanto, a sua origem a motivos coercitivos em face de discursos transgressores no final do século XVIII e início do XIX (MENEZES, 2007).

73Além da questão da autoria, as tecnologias de impressão e difusão da escrita transformam o controle do texto – de sua escrita e de sua leitura. Assim, o texto é produto não só do autor, mas também do editor, do diagramador, do programador visual, do ilustrador, de todos aqueles que intervêm na produção, reprodução e difusão de textos impressos em diferentes portadores, como jornais, revistas, livros (SOARES, 2002).

  • 3 Esse leitor imersivo a que Menezes se refere, é chamado por Santaella (2009) de leitor virtual.

74Interessa-nos identificar as características dessa figura que surge com o texto eletrônico e as potencialidades da hipermídia. Nesse sentido, Menezes (2007) propõe uma ampliação do conceito de leitor imersivo3 apresentado por Santaella (2004) para referir-se ao leitor que tem na multimídia o seu suporte e na hipermídia sua linguagem. Com essa ampliação pretende abranger a idéia de autor imersivo como forma de caracterizar as novas modalidades de autoria próprias do ambiente de navegação hipertextual e da autoria coletiva.

O autor imersivo seria aquele que, não apenas com intenção de ler mas também de ‘escrever’seus caminhos, navega pelas infovias, transitando entre as lexias através das conexões. Esse novo autor escreve o texto a partir da multilinearidade do hipertexto (MENEZES, 2007).

75As capacidades do autor e do leitor no texto eletrônico se aproximam, mas nenhum dos dois se identifica mais com suas definições clássicas. Ambos podem realizar conexões efetivas com os estímulos externos a que estão expostos no ciberespaço. Com isso, incorporam também a função de editor. As noções vigentes de autor, texto e trabalho são, portanto, redefinidas.

76Nesses ambientes, um dos elementos de colaboração resulta da comparação entre as funções de escritor e leitor. O leitor ativo necessariamente colabora com o autor, na medida em que produz um texto a partir das escolhas que faz. Ao navegar pelo sistema, o leitor vai estabelecendo elos e delineando um tipo de leitura. A obra só se torna obra no momento em que ela é fruída pelo leitor, sendo a leitura, portanto, um elemento constitutivo na realização do trabalho (LEÃO, 1999 – citada por MENEZES, 2007). A distância entre leitor e autor desaparece nesses sistemas colaborativos eletrônicos, pois ambos os atores assumem papéis cambiáveis e a produção do texto é aberta (MENEZES, 2007). A figura que surge nesse contexto já tem sido chamada de ‘navegador’. Na medida em que determina a organização final do texto que ‘lê’, o navegador participa também da sua redação, ou pelo menos da sua edição (LÉVY, 2003).

77O resultado da escrita são conexões temporárias, construídas no momento da apropriação. Menezes (2007) reflete sobre ela como uma espécie de pilhagem, em que o navegador cria uma colagem de trechos encontrados ao longo das associações, relacionando unidades informacionais em um texto próprio. Como destaca o autor, não se pode negar que essa dinâmica inovou as práticas de leitura e autoria tradicionais, “tornando tênues as fronteiras da produção textual” (MENEZES, 2007). “A partir do hipertexto, toda leitura em computador é um ato de escrita e edição, uma montagem singular” (FACHINETTO, 2005).

5 – Considerações Finais

78Refletir sobre as práticas de leitura implica em considerar os processos de fixação da palavra através da escrita, que lhe confere maiores possibilidades de atravessar os tempos e, simultaneamente, lhe dota de autonomia frente àquele que formula o texto. Um dos textos inaugurais a respeito da relação entre retórica, a palavra escrita e o “pai”/autor dessa escrita é o Fedro, no qual Platão sinaliza para alguns males da escrita. Entre eles estaria justamente a questão de que, ao poder circular independentemente de seu autor e falar a um público mais numeroso e muitas vezes distinto daquele para o qual foi escrito, o texto, a escrita, desvincula-se do referente de seu enunciado. Com isso, pode rolar de um lado a outro sem saber a quem se destina, tornando-se passível de ser apropriada por qualquer um.

79Essa mobilidade da escrita, como vimos, está em grande medida vinculada ao meio que lhe serve de suporte, determinante de sua duração e das possibilidades de circulação. Nesse processo, as bibliotecas cumprem papel fundamental, seja na preservação dos textos ao longo do tempo – a Biblioteca de Alexandria teve entre suas principais ‘razões de ser’ a busca dos egípcios pela imortalidade, que marcava fortemente sua cultura – pretendendo ser o lugar de conservação da memória do mundo; seja na possibilidade espacial de sua circulação, do desejo de vencer o espaço, que teria Babel como emblema, e as consequências da punição com a pluralidade das línguas.

80Por mais que seja um recurso recente dentro dessa história, a internet dialoga com essas questões e torna patente o que Jacques Rancière (1995) denominou ‘perturbação teórica da escrita’, que consistiria nessa dimensão simultaneamente ‘muda demais’ e ‘falante demais’ do texto. ‘Muda’ porque se desvincula da voz daquele que o formulou, e ‘falante’ porque, desvinculada desta voz, tem a potencialidade de falar a mais gente, a um público que se estende no tempo e no espaço. Os limites da oralidade, bem como sua relação de concorrencia ou complementação com a imagem, é outra das questões implicadas na reflexão sobre essas práticas de leitura. Elas retornam, também, no contexto digital, no qual as possibilidades gráficas e sonoras conjugadas ao texto são novas e parecem reeditar o panorama dos sentidos mobilizados nas leituras dos textos e do mundo.

81Swift (2007) nos conta que, na cidade de Lagado, Gulliver visita academias curiosas, entre as quais estava a escola de idiomas. Aí, um dos projetos era o de abolir o uso das palavras por completo, como medida de longevidade – de acordo com a teoria vigente em tal localidade, cada palavra pronunciada provoca um pequeno desgaste em nossos pulmões. Tomando por base o fato teórico de que as palavras nomeiam as coisas, a proposta do bizarro projeto era que os homens mostrassem os objetos ao invés de dizer seus nomes. Uma vantagem complementar que Gulliver nota nesse projeto, além da preservação da saúde de seus praticantes, é a de possibilitar a comunicação entre quaisquer homens, desde que fossem civilizados e partilhassem de um universo de objetos similares. O que Swift imagina neste episódio, de alguma maneira, é tanto um esquivo da punição babélica, quanto a uma maneira distinta de dizer do caráter mudo e ao mesmo tempo ‘tagarela’ da linguagem. As palavras não são pronunciadas, mas ao retornarem a ser as próprias coisas, falam a qualquer um que as reconheça e, ainda, agudizam o caminho escópico da leitura do mundo.

82O contexto digital contemporâneo formula também sua tipologia própria de leitor. O leitor virtual é borboleteante; ele não se impregna de um texto, como o leitor intensivo, tampouco dispõe de seu tempo para uma leitura extensiva. A nossa hipótese é a de que esse leitor dispõe de um tempo virtual e que sua leitura é feita nos espaços intersticiais, entre uma atividade com a qual está envolvido e outra para a qual é atraído. O computador é para ele, ao mesmo tempo, instrumento de trabalho, meio de comunicação, recurso de informação e uma fonte de (hiper) textos. Como entretenimento, sua leitura é tão nervosa e saltitante quanto são as demais demandas e atividades de sua vida cotidiana. Tudo se passa como se o leitor extensivo, consumidor de muitos textos que emergiu em fins do século XVIII e se expandiu nos séculos seguintes, tivesse levado às últimas consequências a dessacralização e o consumo dos textos, cuja existência passou a ser absolutamente instantânea. Entretanto, por mais contemporâneo que seja este panorama, ele parece coincidir com o Livro de Areia de Borges (1978), que se constrói no instante mesmo de sua leitura, dissolvendo-se imediatamente em seguida. Diluindo os limites entre autor-editor-leitor, a leitura virtual parece ter como residência uma ‘sopa de letras luminosas’. Com esses termos, o escritor espanhol Ramón Gómez de la Serna (2001) define as ruas modernas nas primeiras décadas do século XX, sinalizando já para características contemporâneas das práticas de leitura, bem como para a natureza luminosa, versátil e móvel de seu suporte.

Bibliographie

6 – Referências

BARRETO, Aldo de Albuquerque – Resenha de CHARTIER, Roger. Inscrever e Apagar: Cultura Escrita e Literatura (XI e XVIII). São Paulo: Editora Unesp, 2007. [Em linha]. [Acesso em 22/06/2009]. Disponível em: http://www.datagramazero.org.br/ago08/Ind_rec.htm.

BARTHES, Roland – O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BORGES, Jorge Luís – O Livro de Areia. Porto Alegre: Globo, 1978.

CARVALHO, Larissa Camacho – Revoluções das práticas culturais de leitura e escrita: da numeração de páginas à barra de rolagem. In: Cultura Escolar Migrações e Cidadania – Actas do VII Congresso LUSOBRASILEIRO de História da Educação. Porto: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, 2008.

CERTEAU, Michel de – A invenção do Cotidiano – 1 – Artes de fazer. Petrópolis, R. J.: Vozes, 2007.

CHARTIER, Roger – Resumo de As práticas da escrita. in: História da vida privada, dir. Phillippe Ariès e Georges Duby, vol. 3 Renascimento ao Século das Luzes, dir por R. Chartier. [Em linha]. Porto: Afrontamento, 1990, pp. 112-161. [Acesso em 22/06/2009]. Disponivel em http://www.geocities.com/rosapomar/historia_moderna.html.

CHARTIER, Roger – A ordem dos livros – Leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1994a.

CHARTIER, Roger – A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Editora Unesp/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1999.

CHARTIER, Roger – Os Desafios da Escrita. São Paulo, Unesp, 2002.

CHARTIER, Roger – A mídia eletrônica segundo Roger Chartier (Entrevista concedida a Eliane Bardanachvili, no Programa Educação e Trabalho) [Em linha]. 2008 [Acesso em 22/06/2009]. Disponível em http://carlosscomazzon.wordpress.com/2008/12/26/a-midia-eletronica-segundo-roger-chartier.

CHARTIER, Roger – O leitor, o livro e a leitura (Entrevista concedida a Salto e traduzida por Maria do Carmo Cardoso da Costa) [Em linha]. 2009 [Acesso em 22/06/2009]. Disponível em: http://www.tvebrasil.com.br/salto/entrevistas/roger_chartier.htm.

CHARTIER, Roger; CAVALLO, Guglielmo (2009) – A História da Leitura no Mundo Ocidental. [Em linha]. São Paulo: Ática, 1999. [Acesso em 22/06/2009]. Resumo disponível em: http://resumos.netsaber.com.br/ver_resumo_c_1331.html.

CHARTIER, Roger (1994b) – Do códex à tela: as trajetórias do escrito. in: Chartier, R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília, DF: UnB, 1994. pp. 95-111.

COELHO, Marcelo – Chartier revela curiosidades e mudanças na leitura (Resenha de CHARTIER, Roger. Desafios da Escrita). [Em linha]. 2009 [Acesso em 22/06/2009]. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u24424.shtml.

COLÓN, Cristóbal. – La carta de Colón anunciando el descubrimiento. [Em linha]. [Acesso em 31/08/2009]. Disponível em: http://www.ensayistas.org/antologia/XV/colon/

DARNTON, Robert – O beijo de Lamourette – Mídia, Cultura e Revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DUFFBEER – Resenha de LÉVY, Pierre. As Tecnologias da Inteligência: O Futuro do Pensamento na Era da Informática. [Em linha]. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993. [Acesso em 22/06/2009]. Disponível em: http://www.andafter.org/publicacoes/resenha-academica-as-tecnologias-da-inteligencia_1016.html.

FACHINETTO, Eliane Arbusti – O hipertexto e as práticas de leitura. in: REVISTA LETRA. Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Lingüística e Literatura – [Em linha]. Ano 02 – n. 03 – 2.º Semestre (2005). [Acesso em 22/06/2009]. Disponível em http://www.letramagna.com/Eliane_Arbusti_Fachinetto.pdf

FERRARI, MárciO – O especialista em história da leitura. in: revistaescola. abril. com. br. [Em linha] (2009) [Acesso em 22/06/2009]. Disponível em http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/fundamentos/especialista-historia-leitura-427323.shtml

FOUCAULT, Michel – O que é um autor? Lisboa: Passagem, 1992.

FURTADO, José Afonso (2006) – O papel e o pixel. Do impresso ao digital: continuidades e transformações. Florianópolis: Escritório do Livro, 2006.

GUINZBURG, Carlo – Olhos de Madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

LÉVY, Pierre – As Tecnologias da Inteligência: O Futuro do Pensamento na Era da Informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

LÉVY, Pierre – Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.

LÉVY, Pierre – O que é o virtual? Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 2003.

MENEZES, Wolseley Henrique de – Práticas de leitura e autoria no texto eletrônico: uma análise do autor imersivo a partir do software de escrita colaborativa Dicionário Social. 2007. Apresentado ao Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Santos – 29 de agosto a 2 de setembro de 2007.

ONG, Walter – Writing is a technology that restructures thought. In: BAUMANN, Gerd Ed. The written word: literacy in transition. Oxford: Claredon Press, (1986.)

PLATÃO – Diálogos. Rio de Janeiro: Globo, 1950.

PLATÃO – República. São Paulo: Escala, 2005.

POLO, Marco 1254-1323 – O livro das maravilhas: a descrição do mundo. Porto Alegre, L & PM, 2006.

RANCIÈRE, Jacques – Políticas da escrita. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

ROUET, J. -F. et al. (eds.) – Hypertext and cognition. Mahwah, N. J.: l. Erlbaum, 1996.

SANTAELLA, Lúcia – Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SANTAELLA, Lúcia – A Leitura fora do livro.[em linha]. [Acesso em 22/06/2009]. Disponível em: http://www.pucsp.br/pos/cos/epe/mostra/santaell.htm.

SERNA, Ramón Gómez de la – Gregerías. Madrid: Cátedra Letras Hispánicas, 2001.

SILVA, Maurício – Texto impresso e textualidades eletrônicas. (Resumo de CHARTIER, Roger. Os Desafios da Escrita. São Paulo, Unesp, 2002). In HISTÓRIA E PERSPECTIVAS, Uberlândia, (29 e 30) 369-373 Jul/Dez 2003 Jan/Jun 2004.

SOARES, Magda – Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. In: EDUCAÇÃO & SOCIEDADE. vol. 23 no. 81 Campinas dec. (2002.)

SWIFT, Jonathan – As viagens de Gulliver. Porto Alegre: L & MP Pocket, 2007.

Notes

1 Por volta dos sec. III ou IV d.C. o formato dos “livros” foi sendo alterado, a página (codex) paulatinamente substituiu o rolo (volumen), e tornou-se o padrão vigente ainda hoje.

2 Espaço de escrita é “o campo físico e visual definido por uma determinada tecnologia de escrita” (BOLTER, 1991, citado por SOARES, 2002).

3 Esse leitor imersivo a que Menezes se refere, é chamado por Santaella (2009) de leitor virtual.

Auteurs

Doutoranda em Estudos Literários. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.

Doutora em Ciência da Informação – ECI/UFMG. Pesquisadora//Consultora.

Doutora em Ciências – ECA/USP. Cidehus/Universidade de Évora.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr