Version classiqueVersion mobile

Bernardino Manuel da Costa Lima e a Memória acerca da vila do Redondo

 | 
Teresa Fonseca

Terceira Parte. Índices. Fontes e bibliografia

Fontes e bibliografia

Texte intégral

1. Fontes manuscritas

1.1. Academia das Ciências de Lisboa

Memorias de Mathematica e Physica da Academia Real das Sciencias de Lisboa, Tomo III, Parte II.

Minutas das Resoluções da Academia das Ciências (1780-1806).

Processo do Académico Joaquim José Varela.

SEQUEIRA, Joaquim Pedro Fragoso de, “Apontamentos sobre o methodo de lavoura, e sementeira que se Pratica nas herdades do termo da vila de Assumar, com a descrição do arado que ali se usa, e outras mais cousas tocantes a este Objecto…”, Miscelânea – I, Série Azul, Ms. 382, f. 354-368v.

“Memoria acerca das pedras preciosas, e cristaes do poço da lança no termo da Villa de Nisa, e das Serras, que lhe ficão continuas ao nascente …”, Memorias de Fizica, e Económicas que tiveram lugar nas colleçoens da Academia. Tomo 2°, Série Azul, Ms. 374, Mem. 24, f. 255-283.

VASCONCELOS, João Rosado de Vila Lobos e (trad. e notas), “Reflexões Económicas. A respeito de certos Arbítrios para propagar a Agricultura, as Artes, Fabricas, e Comercio. Derigidas Aos que se achão encarregados, e são Amantes do bem Público. Pelo Doutor D. Francisco Vidal y Cabasés”, 1783, Colleção de memorias de Fizica Aprezentadas à Academia Real das Sciencias de Lisboa. Que não entrarão nas colleçoens, Tomo 6°, Série Azul, Ms. 378, f. 145-283.

1.2. Arquivo Distrital de Évora

1.2.1. Câmara de Évora

Liv° 50, Vereações (1780-1785).

Liv° 58, Vereações (1815-1820).

Liv° 90, Cartas Particulares (1741-1781).

Liv° 91, Livro 21 dos Originaes (1736-1800).

Liv° 95, Livro 25 dos Originaes (1801-1830).

Liv° 96, Cartas varias (1811-1820).

Liv° 143, Livro 9° de Registos (1769-1828).

Liv° 749, Décima das Justiças. 1791.

1.2.2. Fundo Paroquial

Óbitos. S. Mamede. Liv° 24, (1808-1830)

1.2.3. Procuradoria de Évora

Copiador de correspondência expedida (1815-1818).

Copiador de correspondência expedida (1815-1822).

Expostos. 1816.

Instrução pública. Professores. Vencimentos (1795-1833).

Pessoal. Ordenados (1802-1812).

Portarias e avisos da Junta da Directoria Geral dos Estudos (1803-1833).

Portarias e avisos do tribunal da Mesa da Consciência e Ordens (1804-1825).

1.2.4. Testamentos

Testamentos (1818-1820). Testamento do doutor Bernardino Manuel da Costa Lima, de 25 de Dezembro de 1818.

1.3. Arquivo Distrital de Viana do Castelo

1.3.1. Fundo Notarial

Arcos de Valdevez

Liv° 4. 1. 3. 26 (1795-1797).

Liv° 4. 1. 4. 10 (1807-1809).

Liv° 4. 1. 4. 11. (1808-1810).

Liv° 4. 1. 4. 28. (1812-1813).

Liv° 4. 1. 4. 35. (1814-1815).

Liv° 4. 1. 4. 36. (1814-1815).

Liv° 4. 1. 5. 7. (1817-1818).

Liv° 4. 1. 5. 12. (1817-1820).

1.3.2. Fundo Paroquial

Arcos de Valdevez. S. Salvador.

Baptismos (1745-1776) e (1776-1798).

Óbitos (1743-1803) e (1803-1840).

1.4. Arquivo Histórico Municipal do Redondo

1.4.1. Câmara do Redondo

Décima dos prédios urbanos, juros e maneios. Redondo. 1807.

Décima dos prédios rústicos e maneios dos moradores do termo. 1809.

Livro de registo de expostos (1814-1816).

1.5. Arquivo Histórico Municipal de Vila Viçosa

Receita e despesa (1803-1821).

1.6. Arquivo da Universidade de Coimbra

Actos e Graus – Faculdade de Leis.

Certidões de idade (1772-1833), liv° IX.

1.7. Biblioteca Nacional de Lisboa

“Carta a um Amigo sobre a decadência da agricultura no Alentejo e do remédio para o seu restabelecimento”, Miscellanea litteraria, Res., cód. 6327, f. 90-113v.

“Carta de hum Anónimo a Academia de Lisboa, sendo comvidado para membro da dita”, Miscellanea litteraria, Res., cód. 6327, f. 63-87v.

[PAIS, Gervásio de Almeida], Observaçoens, e Exames feitos sobre as Cauzas do atrazamento, e ruína da Agricultura, e Povoação na Província do Alentejo, especialmente nas terras da Commarca de Beja, onde os abuzos são muito semelhantes aos que se praticão nas Outras Commarcas da mesma Província, Res., cód. 8714 [51 f.].

[SILVEIRA, António Henriques da], Racional Discurso sobre a População e Cultura da Província do Alentejo Offerecido aos Illustrissimos e Excellentissimos Senhores Directores da Academia das Sciencias (com epístola introdutória), Res. cód. 575.

1.8. Biblioteca Pública de Évora

Cartas de Alexandre de Gusmão Ministro de Estado particular de Sua Magestade Fidelisima o Senhor Rey, Res., cód. CX / 1-1.

Correspondência enviada ao Arcebispo Dom Frei Joaquim de Santa Clara Brandão, cartas de Bernardino Manuel da Costa Lima, Res., cód. CXXIX / 2-13.

1.9. Torre do Tombo

1.9.1. Chancelarias

D. Maria I, liv° 74.

D. João VI, liv° XI e liv° XVI.

1.9.2. Desembargo do Paço

1.9.2.1. Repartição do Alentejo – Algarve

Expediente da Secretaria da Repartição. Ano de 1816.

Maço 286, doc. 3.

Maço 287, doc. 50.

Maço 288, docs. 11 e 16.

Maço 290, doc. 13.

Maço 291, doc. 34.

Expediente da Secretaria da Repartição. Ano de 1817.

Maço 287, doc. 27.

Maço 291, docs. 1 e 5.

Maço 292, docs. 23 e 38.

1.9.2.2. Justiças e Despacho da Mesa

Autos e certidões de residência e outros desempenhos.

Maço 1839.

Certidões de autos de posse (1815-1816).

Maço 2362.

Concursos de Bacharéis a lugares de Justiça.

Maço 1846, cx. 1850, processo do bacharel Bernardino Manuel da Costa Lima.

Leitura de Bacharéis.

Liv° 138.

Lembretes de consultas para lugares de Justiça (1808-1815).

Maço 1922, cx. 1901.

1.9.2.3. Provedoria de Évora

Maço 48, doc. 41.

Maço 244, docs. 27 e 31.

Maço 248, doc. 54.

Maço 259, doc. 74.

Maço 274, doc. 11.

Maço 288, docs. 8 e 14.

Maço 292, doc. 28.

Maço 293, doc. 4.

Maço 574, doc. 88.

Maço 634, doc. 4.

Maço 751, doc. 33.

Maço 752, docs. 2, 3 e 4.

1.9.3. Intendência Geral da Polícia

Contas para as Secretarias (1815-1817), liv° 16.

1.9.4. Leitura de Bacharéis

Letra B, Maço 11, doc. 7 – Processo do bacharel Bernardino Manuel da Costa Lima.

1.9.5. Memórias Paroquiais

Arcos de Valdevez – Vol. 4, Memória 50, p. 269-270.

Monte Virgem (Redondo) – Vol. 24, Memória 208, p. 1551-1552.

Redondo – Vol. 31, Memória 36, p. 187-189.

Zambujal (Redondo) – Vol. 41, Memória 1, p. 2213.

1.9.6. Ministério do Reino

Correspondência dos corregedores. Évora (1757-1833).

Maço 356, cx. 476.

2. Fontes impressas e bibliografia citada

ADÃO, Áurea, Estado absoluto e ensino das primeiras letras. As escolas régias (1772-1794), Lisboa, F. C. G., 1997.

D’ALCOCHETE, Nuno Daupias, “La réaction anti-libérale au Portugal après l’occupation française (1808-1810) “, Arquivos do Centro Cultural Calouste Gulbenkian, Vol. XXXVIII, Lisboa-Paris, F. C. G., 1999, p. 173-238.

ALMEIDA, Lopes de, “As imposições de Napoleão”, in História de Portugal, dir. de Damião Peres, vol. IV, Barcelos, Portucalense Editora, 1934, p. 321-360.

ALMEIRA, Luís Ferrand de, “Gusmão, Alexandre de (1695-1753)”, Dicionário de História de Portugal, dir. de Joel Serrão, vol. II, Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1971, p. 405-407.

ARAÚJO, Ana Cristina Bartolomeu de, “As invasões francesas e a afirmação das ideias liberais”, História de Portugal, dir. de José Mattoso, vol. 5 “O liberalismo”, Lisboa, Estampa, 1993, p. 17-43.

ARTOLA, Miguel, Antiguo Régimen, Barcelona, Ariel, 1979.

BOISVERT, Georges, Un pionnier de la propagande libérale du Portugal: João Bernardo da Rocha Loureiro (1788-1853), Paris, F. C. G., 1982.

BRAGA, Teófilo, Historia da Universidade de Coimbra nas suas Relações com a Instrucção Publica Portugueza, Tomo III, Lisboa, Por Ordem e na Typographia da Academia Real das Sciencias, 1898.

CAETANO, Marcelo, História do direito português (1140-1495), Lisboa, Verbo, 1985.

CAPELA, José Viriato, Entre-Douro e Minho, 1750-1830. Finanças, administração e bloqueamentos estruturais no Portugal Moderno, 3 vols, Braga, 1987 (tese dout. polic.).

———, O Minho e os seus municípios. Estudos económico-administrativos sobre o município português nos horizontes da reforma liberal, Braga, Universidade do Minho, 1995.

———, “Vida e obra de João Nepomuceno Pereira da Fonseca. 1. A memória sobre o adiantamento da agricultura e comércio especialmente na província do Minho”, in Barcellos Revista, 2° série, n° 7, Barcelos, Câmara Municipal, 1996, p. 5-35.

CARDOSO, José Luís, “Introdução” às Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo I, Lisboa, Banco de Portugal, 1991, p. XVII-XXXIII.

———, “Introdução” às Memórias económicas inéditas (1780-1808), Lisboa, Academia das Ciências, 1987, p. 11-28.

———, O pensamento económico em Portugal nos finais do século XVIII (1780-1808), Lisboa, Estampa, 1989.

CARVALHO, Rómulo de, A actividade pedagógica da Academia das Ciências nos séculos XVIII e XIX, Lisboa, Academia das Ciências, 1981.

CARVALHOSA, A. Barros e CARVALHO, Galopim de, Carta Geológica de Portugal. Notícia explicativa da folha 36-D Redondo, Lisboa, Serviços Geológicos de Portugal, 1987.

CASTRO, Lourenço de Mesquita Pimentel Sotto-Maior e, Mappa Chronologico do reino De Portugal E Seus Domínios, Lisboa, Na Impressão de J. B. Morando, 1815.

CASTRO, Zília Osório de, Cultura e política. Manuel Borges Carneiro e o vintismo, 2 vols, Lisboa, I.N.I.C., 1990.

CHICHORRO, José de Abreu Bacelar, Memoria Económico Politica da Província da Estremadura. Traçada sob as Instruções Regias de 17 de Janeiro de 1793 (Introd. e notas de Moses Bensabat Amzalak), Lisboa, 1943.

CLUNY, Isabel, D. Luís da Cunha e a ideia de diplomacia, Lisboa, Livros Horizonte, 1999.

COELHO, Maria Helena da Cruz, e MAGALHÃES, Joaquim Romero de, O poder concelhio. Das origens às cortes constituintes, Coimbra, Centro de Estudos e Formação Autárquica, 1986.

CORREIA, José Eduardo Horta, Liberalismo e catolicismo. O problema congregacionista (1820-1823), Coimbra, Universidade, 1974.

———, Cortes Portuguesas. Reinado de D. Afonso IV (1325-1357), Lisboa, I. N. I. C., 1982.

CORTESÃO, Jaime, Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid, vol. I e II, Lisboa, Horizonte, 1984.

CUNHA, D. Luís da, Testamento político, Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1978.

DIAS, Graça e José Sebastião da Silva Dias, Os primórdios da maçonaria em Portugal, Vol. I, Tomo I, Lisboa, Inic, 1980.

DIAS, José Sebastião da Silva, Pombalismo e projecto político, Lisboa, Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa, 1984.

———, “Dissertação sobre agricultura e comércio”, Memórias económicas inéditas (1780-1808), Introd. e notas de José Luís Cardoso, Lisboa, Academia das Ciências, 1987, p. 63-76.

DOMÍNGUEZ ORTIZ, Antonio, Sociedad y estado en el siglo XVIII español, Barcelona, Ariel, 1976.

ESPANCA, Joaquim José da Rocha, Memórias de Vila Viçosa, vol. 13, Vila Viçosa, Câmara Municipal, 1983.

ESPANCA, Túlio, Inventário artístico de Portugal. Distrito de Évora – Zona Norte, Vol. VIII, Lisboa, Academia Nacional de Belas – Artes, 1975.

———, Estatutos da Universidade de Coimbra (1772), Livro II e Livro III, Coimbra, Universidade, 1972.

FERNANDES, Paulo Jorge da Silva, Elites e finanças municipais em Montemor-o-Novo do Antigo Regime à Regeneração (1816-1851), Montemor-o-Novo, Câmara Municipal, 1999.

FERNANDES, Paulo Jorge, “As elites urbanas e o governo municipal de Lisboa entre finais do Antigo Regime e a Regeneração (1778-1851)”, Estudos Autárquicos, n° 6-7, Coimbra, 1996, p. 23-65.

FIGUEIREDO, José Anastácio de, “Memoria sobre a origem dos nossos Juízes de Fora”, Memorias de Litteratura Portugueza, Lisboa, Academia Real das Ciências, 1792, tomo I, p. 31-45.

FONSECA, Hélder Adegar, O Alentejo no século XIX. Economia e atitudes económicas, Lisboa, I. N. /C. M., 1996.

FONSECA, Teresa, Absolutismo e municipalismo. Évora. 1750-1820, Lisboa, Colibri, 2002.

———, Administração senhorial e relações de poder no concelho do Vimieiro (1750-1820), Arraiolos, Câmara Municipal, 1998.

———, António Henriques da Silveira e as «Memórias analíticas da vila de Estremoz», Lisboa, Colibri, 2003.

———, Joaquim José Varela e a «Memória estatística acerca da notável vila de Montemor-o-Novo», Lisboa, Colibri, 1997.

———, “Juízes de fora em Évora no Antigo Regime (1750-1820)”, A Cidade de Évora, n° 2, IIª série, Évora, 1996-1997, p. 229-251.

———, “Marginalidade e banditismo no Alentejo de finais do Antigo Regime”, Callipole, n° 10/11, Vila Viçosa, Câmara Municipal, 2002/2003, p. 93-103.

———, Relações de poder no Antigo Regime. A administração municipal em Montemor-o-novo (1777-1816), Montemor-o-Novo, Câmara Municipal, 1995.

———, “Sociologia e práticas administrativas do funcionalismo camarário do Antigo Regime”, Actas do Colóquio «Os municípios no Portugal Moderno. Dos forais manuelinos às reformas liberais», (em publicação).

———, (Estudo e transcrição), «Triste e Alegre Cidade de Évora». Testemunho de um cidadão anónimo do século XVIII, Évora, Câmara Municipal, 2001.

GASPAR, Jorge, A área de influência de Évora. Sistemas de funções e lugares centrais, Lisboa, Centro de Estudos Geográficos, 1981.

HESPANHA, António Manuel, “Centro e periferia nas estruturas administrativas do Antigo Regime”, Ler História, n° 8, 1986, p. 35-60.

———, História das instituições. Épocas medieval e moderna, Coimbra, Almedina, 1982.

———, “Os poderes do centro. A fazenda”, História de Portugal, coord. De José Mattoso, vol. 4, “O Antigo Regime”, Lisboa, Estampa, 1993, p. 203-239.

———, “Sábios e rústicos: a violência doce da razão jurídica”, Revista Crítica de Ciências Sociais, n° 25/26, Coimbra, 1988, p. 31-59.

O Investigador Portuguez em Inglaterra, Londres, (N.os de 1812 a 1817). Jornal de Coimbra, vol. 7, n.° XXXVII, Parte II, 1815.

LEAL, Augusto Soares d’Azevedo Barbosa de Pinho, Portugal Antigo e Moderno, vol. I, “Arcos de Valdevez”, Lisboa, Mattos Moreira e Compannhia, 1874, p. 88-121.

LEÃO, José António de, “Circular do corregedor de Évora aos juízes de fora daquela comarca”, O Investigador Portuguez em Inglaterra, Londres, Janeiro de 1815, p. 369-371.

LIMA, Bernardino Manuel da Costa, “Memória acerca da vila do Redondo”, O Investigador Portuguez em Inglaterra, Londres, Janeiro de 1815, p. 345-367.

LISBOA, João Luís, Ciência e política, Lisboa, I.N.I.C., 1991.

MACEDO, Jorge Borges de, “O pensamento económico do cardeal da Mota”, sep. da Revista da Faculdade de Letras de Lisboa, IIIª série, n° 4, Lisboa, 1960, p. 79-97.

MACHADO, Adelaide Vieira, O Investigador Português em Inglaterra nos primeiros anos de publicação: 1811-1813, tese de mestrado (polic.) em História Cultural e Política, Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa, 1996.

MAGALHÃES, Joaquim Romero de, “A fazenda”, História de Portugal, coord. de José Mattoso, vol. III, “No alvorecer da modernidade”, Lisboa, Estampa, 1993, p. 90-105.

———, “Sisas”, História de Portugal, coord. de José Mattoso, vol. III, “No alvorecer da modernidade”, Lisboa, Estampa, p. 99-102.

MARÇAL, R. Larcher, “Joaquim Pedro Fragoso de Siqueira”, A Charrua, Portalegre, n° 2, Maio de 1889, p. 33-37 e n° 3, Junho de 1889, p. 65-66.

MARQUES, António Henrique de Oliveira, Dicionário da maçonaria portuguesa, vol. I, Lisboa, delta, 1986..

MATOS, Ana Maria Cardoso de, Ciência, tecnologia e desenvolvimento industrial no Portugal oitocentista. O caso dos lanifícios do Alentejo, Lisboa, Estampa, 1998.

———, “A indústria dos lanifícios no Alentejo (finais do século XVIII a finais do século XIX)”, Ler História, n° 40, Lisboa, 2001, p. 95-125.

MOGARRO, Maria João, José da Silva Carvalho e a revolução de 1820, Lisboa, Livros Horizonte, 1990.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo, “Os concelhos e as comunidades”, História de Portugal, dir. de José Mattoso, vol. IV, “O Antigo Regime”, Lisboa, Estampa, 1993, p. 203–231.

———, “Os poderes locais no Antigo Regime”, História dos municípios e do poder local. Dos finais da Idade Média à União Europeia, dir. de César Oliveira, Círculo de Leitores, Lisboa, 1995, p. 17-165.

MULLER, João Guilherme Cristiano, “Discurso histórico pronunciado na sessão pública da Academia Real das Ciências de Lisboa de 24 de Junho de 1810”, Memorias de Mathematica e Physica da Academia Real Das Sciencias de Lisboa, Lisboa, Na Typografia da Academia, 1812, Tomo III, Parte II, p. I-XVIII.

NEVES, José Acúrsio das, “História Geral da Invasão dos Franceses em Portugal e da Restauração deste Reino”, Obras Completas de José Acúrsio das Neves, vol. 2, Tomos III e IV, Porto, Afrontamento, s. d.

NUNES, Maria de Fátima, Imprensa periódica científica (1772-1852). Leituras de “sciencia agrícola” em Portugal, Lisboa, Estar, 2001.

OLIVA, Luís de Sequeira e, “Memória sobre a fábrica do salitre que se estabeleceu na vila de Moura”, O Investigador Portuguez em Inglaterra, Londres, Julho de 1812, p. 457-461.

OLIVAL, Fernanda, As Ordens Militares e o Estado Moderno. Honra, mercê e venalidade em Portugal (1641-1789), Lisboa, Estar, 2001.

Ordenações Filipinas, Livro I, Lisboa, F. C. G., 1985.

“Os originais do cartório da câmara municipal de Évora”, A Cidade de Évora, n° 47, Évora, Jan.-Dez. de 1964.

PEREIRA, António Mexia Fouto Galvão, Évora no seu abatimento gloriosamente exaltada, Lisboa, Na Typografia Lacerdina, 1808.

PEREIRA, José Esteves, “As ideias”, D. João VI e o seu tempo, Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1999, p. 59-67.

———, “As ideias do século”, Portugal Contemporâneo, dir. de António Reis, Lisboa, Alfa, 1990, p. 273-302.

“Plano de erecção de montepios pecuniários para o maior fomento da agricultura, artes e comércio”, Memórias económicas inéditas (1780-1808), Introd. e notas de José Luís Cardoso, Lisboa, Academia das Ciências, 1987, p. 167-182.

PORTUGAL, Tomás António de Vila Nova, “Memória sobre a cultura dos terrenos baldios que há no termo da vila de Ourém”, Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo II, Lisboa, Banco de Portugal, 1991, p. 295-306.

———, “Memória sobre a preferência que entre nós merece o estabelecimento dos mercados ao uso das feiras de ano para o comércio intrínseco”, Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo II, Lisboa, Banco de Portugal, 1991, p. 3-12.

———, “Memória sobre os juros relativamente à cultura das terras”, Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo III, Lisboa, Banco de Portugal, 1991, p. 167-173.

———, “Observações que seria útil fazerem-se para a descrição económica da comarca de Setúbal”, Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo III, Lisboa, Banco de Portugal, 1991, p. 209-214.

———, “Observações sobre o mapa da povoação do termo da vila de Azeitão”, Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo III, Lisboa, Banco de Portugal, 1991, p. 227-231.

———, “Qual foi a origem, e quais os progressos e as variações da jurisprudência dos morgados em Portugal”, Memorias de Litteratura Portugueza, Lisboa, Academia Real das Ciências, 1792, Tomo III, p. 374-470.

RAMOS, Luís A. de Oliveira, “Da aquisição de livros proibidos nos fins do século XVIII. Casos portugueses”, sep. da Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Série de História, vol. IV, Porto, 1973.

———, Da Ilustração ao Liberalismo. Temas Históricos, Porto, Lello & Irmão, 1979.

———, “Os agentes de introdução e divulgação do ideário da Revolução Francesa em Portugal”, Portugal da Revolução Francesa ao Liberalismo, Braga, Universidade do Minho, 1988, p. 11-27.

RIBEIRO, José Silvestre, História dos Estabelecimentos Scientificos Litterarios e Artísticos de Portugal nos Successivos Reinados da Monarchia, Tomo II, Lisboa, Typographia da Academia Real das Sciencias, 1872.

RIBEIRO, Teresa Casquilho, O município de Alter do Chão nos finais do Antigo Regime. Rostos do poder concelhio, Viseu, Palimage, 1998.

RODRIGUES, Manuel Ferreira e MENDES, José Amado, História da indústria portuguesa da Idade Média aos nossos dias, Lisboa, Europa-América, 1999.

SÁ, José António de, “A Memória dos Abusos Praticados na comarca de Moncorvo, de José António de Sá”, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Série de História, vol. IV-V, Porto, 1973/74.

SANTOS, Maria Alcina R. Correia Afonso dos, “A acção diplomática de Sebastião José de Carvalho e Mello na corte de Viena de Áustria (1744-1749)”, Pombal Revisitado, vol. I, Lisboa, Estampa, 1984, p. 417-437.

SEQUEIRA, Joaquim Pedro Fragoso de, “Memória acerca da cultura, e utilidade dos castanheiros na comarca de Portalegre”, Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo II, Lisboa, Banco de Portugal, 1991, p. 213-252.

———, “Memória sobre as azinheiras, sovereiras e carvalhos da província do Alentejo, onde se trata de sua cultura, e dos melhoramentos que no estado actual podem ter”, Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo II, Lisboa, Banco de Portugal, 1991, p. 253-272.

SILBERT, Albert, Le Portugal Méditerranéen à la fin de l’Ancien Régime, Lisboa, vol. II, I.N.I.C., 1978.

———, Le problème agraire portugais au temps des premières cortes liberales, Paris, F.C.G./C.C.P., 1985.

SILVA, Francisco Ribeiro da, O Porto e o seu termo (1580-1640). Os homens, as instituições e o poder, vol. I e II, Porto, Câmara Municipal, 1988.

SILVA, Inocêncio Francisco da, Diccionario Bibliographico Português, Lisboa, Na Imprensa Nacional, 1862, Tomos I e III.

SILVEIRA, António Henriques da, “Racional discurso sobre a agricultura e população da província de Alentejo”, Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1789-1815, Tomo II, Lisboa, Banco de Portugal, 1991, p. 42-122.

SILVEIRA, Luís Nuno Espinha da, Território e poder. Nas origens do Estado Contemporâneo em Portugal, Cascais, Patrimonia, 1997.

SIMAS, Joaquim José da Costa, “Considerações acerca da província de Alentejo no reino de Portugal”, Memórias económicas inéditas (1780-1808), Introd. e notas de José Luís Cardoso, Lisboa, Academia das Ciências, 1987, p. 193-209.

SUBTIL, José, A câmara de Viana do Minho nos finais do Antigo Regime (1750-1834), vol. I e II, Viana do Castelo, Câmara Municipal, 1998.

———, O Desembargo do Paço (1750-1833), Lisboa, Universidade Autónoma, 1996.

———, “O governo da câmara de Viana do Castelo nos finais do Antigo Regime (1755-1834). Teoria, fontes e metodologia”, Cadernos Vianenses, Tomo 20, Viana do Castelo, Câmara Municipal, 1996, p. 135-156.

TENGARRINHA, José, História da imprensa periódica portuguesa, Lisboa, Portugália, 1965.

TONE, John L., La guerrilla española y la derrota de Napoleón, Madrid, Alianza Editorial, 1999.

TORGAL, Luís Reis, “Universidade e sociedade: revolução, reformismo e continuidade”, Portugal Contemporâneo, dir. de António Reis, vol. 1, Lisboa, Alfa, 1990, p. 303-318.

VALE, Alexandre de Lucena e, “Génese e evolução do município português”, sep. da Revista Municipal, n° 136-137, Lisboa, 1973.

VALLERÉ, Maria Luísa de, Elogio Histórico de G. L. A. De Valleré, Paris, Firmin Didot, 1808.

VARELA, Joaquim José, “O autor da memória sobre a extinção e supressão das ordens religiosas e do seu projecto em resposta ao senhor Hipólito, redactor do Correio Brasiliense ou Armazém Literário”, O Investigador Portuguez em Inglaterra, Londres, Janeiro de 1815, p. 373-384.

———, “Memória estatística acerca da notável vila de Montemor-o-Novo”, Historia e Memorias da Academia Real das Sciencias de Lisboa, Tomo V, Parte I, Lisboa, Academia Real das Sciencias, 1817 (reeditada em anexo a Teresa Fonseca, Joaquim José Varela e a «Memória estatística acerca da notável vila de Montemor-o-Novo», Lisboa, Colibri, 1997).

———, “Memória política sobre o estado actual do clero português e sua necessária reforma”, O Investigador Portuguez em Inglaterra, Londres, Julho de 1814, p. 7-24.

———, “Memória sobre a extinção e a supressão das ordens religiosas, sua necessidade eclesiástica e civil”, O Investigador Portuguez em Inglaterra, Londres, Maio e Junho de 1814, p. 397-410 e 615-656, respectivamente.

———, “Projecto de um plano para extinguir as ordens religiosas em Portugal”, O Investigador Portuguez em Inglaterra, Londres, Julho de 1814, p. 1-3.

VARGUES, Isabel Maria Guerreiro Nobre, A aprendizagem da cidadania. Contributo para a definição da cultura política vintista, disss. dout. em História (polic.), Coimbra, Faculdade de Letras, 1993.

———, “Insurreições e revoltas em Portugal (1801-1851)”, Revista de História das Ideias, n° 7, Coimbra, Faculdade de Letras, 1985, vol. 2, p. 501-567.

VAZ, Francisco Lourenço, Instrução e economia. As ideias económicas no discurso da ilustração portuguesa (1746-1820), Lisboa, Colibri, 2002.

VENTURA, António, “A cultura”, Nova história militar de Portugal, dir. de Manuel Themudo Barata e Nuno Severiano Teixeira, vol. 3, Lisboa, Círculo de Leitores, 2003, p. 430-435.

VERNEY, Luís António, Verdadeiro Método de Estudar Para Ser útil à Republica, e à Igreja: Proporcionado Ao estilo, e necessidade de Portugal …, Tomo I e II, Valensa, Na Oficina de António Balle, Ano MDCCXLVI.

VIDIGAL, Luís Aristides, “Poderes locais em Portugal nos inícios do século XIX – elementos para a caracterização das instituições de poder central periférico e das instâncias concelhias” Ler História, n° 16, Lisboa, 1983, p. 51-62.

ZÚQUETE, Afonso Eduardo Martins, “Redondo, (condes de)”, Nobreza de Portugal e do Brasil, vol. 3, Lisboa, Enciclopédia, 1961, p. 199.

© Publicações do Cidehus, 2005

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search