Version classiqueVersion mobile

Bernardino Manuel da Costa Lima e a Memória acerca da vila do Redondo

 | 
Teresa Fonseca

Introdução

O pensamento esclarecido e o Alentejo: uma breve reflexão

Texte intégral

1O movimento ilustrado português expandiu-se muito para além dos principais centros culturais do reino, colhendo apoiantes e agentes nas terras do interior. Estas elites esclarecidas, embora minoritárias, provocaram, com as suas ideias e acções inovadoras, alguma agitação nas sociedades locais, geralmente mergulhadas numa letargia da qual a dinâmica governativa pombalina e mariana a custo lograva despertá-las.

  • 1 Veja-se Teresa Fonseca, Absolutismo e municipalismo. Évora. 1750-1820, p. 104, 481-483 e 613-615, i (...)

2Em Évora, as diligências efectuadas na década de 1780 para a constituição de uma Sociedade Patriótica dos Amigos do País e da Humanidade e de uma Casa Pia, embora aparentemente lideradas por João Rosado de Vila Lobos e Vasconcelos, com o incentivo do corregedor da comarca António Procópio da Silva Pina, pressupõem a existência, na cidade e porventura em localidades próximas, de um grupo de colaboradores e apoiantes identificados com tais projectos reformistas1.

  • 2 Francisco Lourenço Vaz, Instrução e economia. As ideias económicas no discurso da ilustração portug (...)

3O mesmo se passava em Elvas, onde, em 1780, a tentativa de obtenção do patrocínio do Duque de Lafões para a criação de uma Agremiação idêntica mobilizou perto de oitenta pessoas2.

  • 3 Foi governador da praça de Estremoz pelo menos desde 1768 até por volta de 1785, e provedor da Sant (...)
  • 4 Em 1770, 1772 e 1784, Henriques da Silveira foi membro da Mesa da Misericórdia de Estremoz, então p (...)

4Estremoz, pela mesma época, possuía também o seu núcleo de intelectuais reformistas, com muito prováveis ligações aos grupos ilustrados eborense e elvense, do qual sobressaíam dois prestigiados académicos: D. Sancho de Faro e Sousa, 4° Conde do Vimieiro e governador militar da praça da mesma vila3 e o autóctone António Henriques da Silveira, que então repartia o magistério canónico em Coimbra com estadias mais ou menos longas na terra natal4.

  • 5 Foi eleito sócio da Academia das Ciências em 1780. Cf. Maria Luísa de Valleré, Elogio Histórico de (...)
  • 6 Maria Luísa de Valleré, Elogio Histórico …, p. 22-44; 72; 98-118; 192-198.
  • 7 Teresa Fonseca, Absolutismo e municipalismo …, p. 386 e 520.

5Tanto o titular como o jurista mantinham, por sua vez, estreitas relações de amizade com outro académico de primeira hora, Luís António de Valleré5. Este engenheiro militar de origem francesa ingressou no exército português depois de 1753, como oficial do Regimento de Artilharia da Praça de Estremoz, da qual chegou a ser governador. Durante a invasão franco-espanhola ocorrida no âmbito da Guerra dos Sete Anos, granjeou a estima e consideração do conde de Lippe, que lhe atribuiu, em 1763, o comando das tropas da Província do Alentejo. Transferido ainda nessa década para Elvas, aí dirigiu as obras do forte de Lippe (ou da Graça), comandou, durante 30 anos, o Regimento de Artilharia da cidade e governou a sua praça militar6. Entre 1780 e 1781, exerceu funções do Governador das Armas da Província do Alentejo7.

  • 8 Nas Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa (1789-1815) publicou, no tomo II, d (...)
  • 9 T.T./D.P., A.-A., mç. 244, doc. 27 e 31; e mç. 248, doc. 54.

6Tomás António de Vila Nova Portugal, um dos memorialistas mais fecundos8, exerceu funções de corregedor na comarca de Vila Viçosa durante a última década de setecentos9. E na vila ducal criou provavelmente o seu círculo de amigos, com quem partilharia lucubrações de natureza económica e jurídica.

7Estes grupos de opinião esclarecida adquiriram particular pujança na época áurea da governação mariana, incentivados pela força dinamizadora da Academia das Ciências, com a qual alguns dos seus membros possuíam uma ligação institucional e muitos outros mantinham uma proximidade cultural e afectiva. O seu funcionamento viria a ser perturbado pelos anos agitados da viragem do século, marcados pela guerra, pela repressão política e pelo ambiente de desconfiança gerado pelas crescentes clivagens ideológicas. No entanto, pelo menos alguns sobreviveram à crise, como parece ter sucedido em Évora. Contudo, o discurso desta última geração de ilustrados do Antigo Regime, mais polémico e radicalizado ou pelo menos mais voltado para questões de natureza social, acusava já os efeitos da evolução ideológica e política da época, permitindo vislumbrar anseios mal contidos de mudanças estruturais, ainda ausentes dos textos dos antecessores.

  • 10 Teresa Fonseca, António Henriques da Silveira ….
  • 11 Teresa Fonseca, Joaquim José Varela e a «Memória estatística acerca da notável vila de Montemor-o-N (...)
  • 12 António Ventura, “A cultura”, Manuel Themudo Barata e Nuno Severiano Teixeira (dir.), Nova história (...)

8As memórias publicadas nas últimas décadas da monarquia absoluta salvaram do esquecimento alguns dos seus autores, possibilitando estudos mais detalhados como os que pela nossa parte produzimos relativamente a António Henriques da Silveira10, Joaquim José Varela11 e presentemente a Bernardino Manuel da Costa Lima. Porém, muito resta ainda por fazer sobre o tema da ilustração de raiz alentejana, cujo aprofundamento implicaria uma diversidade de abordagens: o levantamento sistemático do memorialismo ainda inédito, seguido do seu estudo crítico e do dos respectivos autores; a reconstituição dos núcleos culturais então disseminados pelo Alentejo; uma avaliação do impacto local, regional ou até nacional destes cenáculos esclarecidos, incluindo a detecção de possíveis redes de comunicação, estabelecidas entre si e com outros grupos ou instituições sedeados no país e no estrangeiro. Neste contexto, seria ainda necessário aferir o impacto sócio-cultural do sector castrense, cuja presença se fazia fortemente sentir nas praças militares da região, principalmente em Estremoz e Elvas, onde residiam numerosos oficiais estrangeiros, alguns ligados à maçonaria12.

9Os memorialistas do Alentejo, apesar de elegerem esta província como ponto de partida das suas reflexões, revelavam a abertura mental dos espíritos ilustrados, pugnando pela evolução progressista do todo nacional. Norteavam-se pelos exemplos de regiões do país então consideradas mais desenvolvidas, mas também pelas experiências da vizinha Espanha e das “nações polidas” da Europa transpirenaica. Além da estreita ligação à Academia das Ciências de Lisboa, aos círculos reformistas da governação e à imprensa portuguesa do exílio, demonstravam ainda conhecer (embora de forma variável) a literatura estrangeira de feição iluminista. Deste modo, o seu estudo aprofundado contribuiria significativamente para melhorar o nosso conhecimento acerca do pensamento esclarecido português.

Notes

1 Veja-se Teresa Fonseca, Absolutismo e municipalismo. Évora. 1750-1820, p. 104, 481-483 e 613-615, incluindo as fontes e a bibliografia aí citadas. E ainda, João Rosado de Vila Lobos e Vasconcelos (trad. e notas), “Reflexões Económicas. A respeito de certos Arbítrios para propagar a Agricultura, as Artes, Fabricas, e Comercio. Derigidas Aos que se achão encarregados, e são Amantes do Bem Público. Pelo Doutor D. Francisco Vidal y Cabasés Beneficiado da Cathedral da Cidade de Tortosa e Sócio da Real Sociedade de Madrid. Traduzidas do Espanhol Pelo Bacharel João Rosado de VillaLobos e Vasconcellos, Professor Régio de Rethorica em Évora”, A.C.L., Colleção de Memorias de Fizica Aprezentadas à Academia Real das Sciencias de Lisboa. Que não entrarão nas collecçoens. Tomo 6, Ms. 378. Série Azul, f. 145-283. E Francisco Lourenço Vaz, “Instrução e economia…”, p. 221-222.

2 Francisco Lourenço Vaz, Instrução e economia. As ideias económicas no discurso da ilustração portuguesa 81746-1820), p. 222-223.

3 Foi governador da praça de Estremoz pelo menos desde 1768 até por volta de 1785, e provedor da Santa Casa da Misericórdia local entre 1770 e 1785. Este fidalgo culto e esclarecido foi sócio fundador da Academia das Ciências de Lisboa, tendo sido eleito deputado da Comissão da Indústria, instituída pela mesma agremiação em 1780. Cf. Teresa Fonseca, Administração senhorial e relações de poder no concelho do Vimieiro (1750-1801), p. 16-19. Id., António Henriques da Silveira e as «Memórias analíticas da vila de Estremoz», p. 90-91. E A.C.L., Minutas das Resoluções da Academia das Ciências (1780-1806), minuta de 2-10-1780.

4 Em 1770, 1772 e 1784, Henriques da Silveira foi membro da Mesa da Misericórdia de Estremoz, então presidida pelo 4° Conde do Vimieiro, como acima referimos. Cf. Teresa Fonseca, António Henriques da Silveira …, p. 90-91. Veja-se ainda, na mesma obra, as páginas 22 e 198.

5 Foi eleito sócio da Academia das Ciências em 1780. Cf. Maria Luísa de Valleré, Elogio Histórico de G. L. A. De Valleré, p. 60. Em 1785 obteve o prémio atrás referido, prometido a quem apresentasse nesse ano a concurso um plano calculado para tornar navegável qualquer rio ou ribeira de Portugal (Id., ibid.). Passou a sócio efectivo em 27 de Março de 1790. Cf. A.C.L., Minutas das Resoluções …, Assembleia de efectivos de 23-3-1790. Entre 1770 e 1790 prestou assistência técnica às grandes obras efectuadas por D. Sancho de Faro e Sousa no palácio dos Condes do Vimieiro, na vila do mesmo nome, localizada entre Arraiolos e Estremoz. Teria ainda supervisionado a construção da fonte-obelisco mandada erguer pelo mesmo titular no jardim do seu palácio em homenagem a sua mulher, a condessa D. Teresa de Melo Breyner. Cf. Túlio Espanca, Inventário artístico de Portugal. Distrito de Évora-Zona Norte, vol. VIII, p. 52. Teresa Fonseca, Administração senhorial …, p. 10. Id., António Henriques da Silveira …, p. 123-124 e 282.

6 Maria Luísa de Valleré, Elogio Histórico …, p. 22-44; 72; 98-118; 192-198.

7 Teresa Fonseca, Absolutismo e municipalismo …, p. 386 e 520.

8 Nas Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa (1789-1815) publicou, no tomo II, duas dissertações: “Memória sobre a preferência que entre nós merece o estabelecimento dos mercados ao uso das feiras de ano para o comércio intrínseco” e “Memória sobre a cultura dos terrenos baldios que há no termo da vila de Ourém”; e no tomo III três: “Memória sobre os juros relativamente à cultura das terras”, “Observações que seria útil fazerem-se para a descrição económica da comarca de Setúbal” e “Observações sobre o mapa da povoação do termo da vila de Azeitão”. Nas Memorias de Litteratura Portugueza, (tomo III, 1792) a Academia inseriu outra memória da sua autoria, premiada no ano anterior, intitulada “Qual foi a origem, e quais os progressos, e as variações da jurisprudência dos morgados em Portugal”.

9 T.T./D.P., A.-A., mç. 244, doc. 27 e 31; e mç. 248, doc. 54.

10 Teresa Fonseca, António Henriques da Silveira ….

11 Teresa Fonseca, Joaquim José Varela e a «Memória estatística acerca da notável vila de Montemor-o-Novo».

12 António Ventura, “A cultura”, Manuel Themudo Barata e Nuno Severiano Teixeira (dir.), Nova história militar de Portugal, vol. 3, p. 430-435.

© Publicações do Cidehus, 2005

Licence OpenEdition Books

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search