Vous l’avez sans doute déjà repéré : sur la plateforme OpenEdition Books, une nouvelle interface vient d’être mise en ligne.
En cas d’anomalies au cours de votre navigation, vous pouvez nous les signaler par mail à l’adresse feedback[at]openedition[point]org.

Précédent Suivant

A viagem da biblionave

p. 67-80

Résumés

Português
English

À descoberta na Biblionave foi um projecto de promoção da leitura que decorreu nas Bibliotecas Municipais do distrito de Castelo Branco, que teve o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian. Iniciou em 2006 e terminou em 2009. O projecto teve dois objectivos principais: promover a leitura na Biblioteca Municipal e a cooperação entre as Bibliotecas. Os destinatários foram os leitores entre os oito e os treze anos de idade. O projecto baseou-se em quarenta livros infantis e juvenis de ficção e não ficção, dos quais os participantes deveriam ler até seis livros. As leituras deviam ser registadas no Diário de Leitura. Foram criadas estratégias para incentivar os participantes a ler, por exemplo, no interior do Diário de Leitura existia um mapa incompleto, que conforme o participante ia realizando as leituras ia-lhe sendo entregue autocolantes que permitiam completar o mapa. Num site criado no âmbito do projecto podia-se consultar a lista de livros, os autores, ler e ouvir excertos dos livros, deixar sugestões ou comentários e, também, acompanhar a evolução do projecto. Por cada livro existia também um marcador oferecido ao participante. No final todos os participantes receberam um Certificado de Participação e os vencedores, prémios. Durante a viagem da Biblionave pelas bibliotecas, cada biblioteca adaptou o projecto à sua realidade. A avaliação foi sendo feita localmente através de questionários. A viagem da Biblionave terminou em Setembro de 2009 com o regresso à base: Penamacor.

À descoberta na Biblionave was a project supported by the Calouste Gulbenkian Foundation. It began in 2006 and finished in 2009. The project had two main objectives: the promotion of reading in the public libraries and also the cooperation between the municipal libraries of the Castelo Branco district. The target public is the reader between eight to thirteen years-old. The project was based on forty fiction and non fiction books for children and teenagers. The participant was challenged to read six books. When she/he enrolled, each reader received a Reading Diary (RD) where they could take note of the books read. Some strategies where planned to motivate the participants, as for instance, inside the RD there is a map to be completed with stickers that are handed out to the participant as she/he reads each of the six books. For each book read the participant received a correspondent bookmark. An Internet site was created where data on the forty books could be found, the authors, excerpts of the books could be read or listened to, one could leave one’s or read other’s suggestions and comments and one could also follow the project development. Each participant received a Participation Certificate and the winners got a prize. Each participant library was free to adapt the project to its needs. The evaluation was made through the use of questionnaires for the participants and the library staff. The Biblionave’s trip finished with its return home in September 2009.

Entrées d’index

Keywords : promoting reading, project, book, children, public library, Calouste Gulbenkian Foundation

Palavras chaves : promoção da leitura, projecto, livro, criança, biblioteca municipal, Fundação Calouste Gulbenkian


Texte intégral

À descoberta na Biblionave

1Partilhar foi a ideia base de todo este projecto. Para partilhar são necessários aspectos práticos facilitadores da cooperação, mas é importante também um outro aspecto de cariz subjectivo que não tem menos importância: para partilhar é preciso conhecer, criar laços, ganhar confiança. No caso da Biblioteca, a leitora e o leitor (reais ou potenciais) devem conhecer a sua Biblioteca, saber mover-se nela, sentirem-se confortáveis nela, ela deve ser um lugar como descreve Henrique Barreto Nunes: “A biblioteca é um lugar verdadeiramente especial. A criança vai lá por sua própria iniciativa, quando lhe apetece. Ninguém lhe impõe a ida ou uma leitura determinada. Vagueia, passeia por um espaço que é seu. Vê, olha, pára, folheia o livro que quer, de pé, sentada, acocorada. De repente perde-se na leitura, trava um combate ao lado do seu herói preferido, (…) voa através do espaço imenso.” (NUNES, 1998, 165). Para que isto seja uma realidade é importante permitir às crianças e adolescentes a descoberta da Biblioteca.

2Voltando à ideia de partilha e à necessidade de criar laços, no caso das Bibliotecas, a profissão de bibliotecária ou bibliotecário pode ser, é, geralmente, muito solitária. A cooperação, nas palavras de Cecil Guitart é “um estado de espírito que requer um empenho pessoal”, mas é, sobretudo, o caminho para os profissionais de Biblioteca se reunirem e “reflectirem juntos e, eventualmente, porem em prática programas de trabalho que permitam, simultaneamente, reforçar a cooperação e ajudar ao desenvolvimento dessas bibliotecas” (GUITART, 1989, 22). Por outro lado, e corroborando esta ideia, Badu salienta a importância do compromisso, coordenação, comunicação eficaz e boas relações interpessoais como chave para o sucesso nos projectos de cooperação (Badu, 2001, 26). Ou seja, o lado subjectivo da cooperação, que aproxima e motiva as pessoas para a partilha.

3Assim sendo, a ideia deste projecto era dar a conhecer as Bibliotecas aos seus reais e potenciais utilizadores, dar-lhes a oportunidade de descobrir o espaço como um sítio acolhedor, de liberdade e cheio de potencialidades. Permitir-lhes, ainda e também, a (re)descoberta da leitura por prazer, a leitura informal, por um lado. Por outro, lançar as bases para uma cooperação entre as Bibliotecas do distrito, unindo-as à volta de um projecto lançado por uma, mas partilhado por todas, um projecto que cada biblioteca podia e devia adoptar como seu, adaptando-o à sua realidade e contribuindo para uma viagem enriquecedora da Biblionave.

4Os objectivos gerais, grosso modo, estavam estabelecidos: promoção do livro e da leitura nas bibliotecas municipais e a cooperação entre bibliotecas.

5Num estudo feito em 2003 (LOPES, 2003, 11), a faixa etária dos 6 aos 10 anos de idade representava, mais ou menos, 3% dos utilizadores das BM do distrito, e a faixa etária dos 11 aos 14, situava-se nos 18%. Estava, assim, encontrado o público-alvo, crianças e adolescentes dos 8 aos13.

6Logo, quando a circular enviada anualmente pela FCG às Bibliotecas Municipais chegou à Biblioteca, os objectivos gerais e o público-alvo estavam definidos, faltava apenas a ideia, o conteúdo do projecto.

7O projecto tinha que obrigatoriamente envolver livros: mas quantos? Quais? Só de ficção? Deveria contemplar instrumentos de motivação: que tipo de brindes? Marcadores de livro? Puzzles? Que prémios? Como usar a tão cativante e popular Internet ao serviço do projecto? Como promover e junto de quem? Através de reuniões, circulares, cartazes, apresentações em powerpoint?

8As editoras foram contactadas e algumas ofereceram o exemplar que fazia parte do projecto; todas autorizaram a colocação dos excertos em texto e áudio na página da Internet.

9O projecto ia-se desenhando e as respostas às questões iam sendo encontradas através duma troca de ideias e opiniões com outros colegas, nomeadamente, do Fundão (Dina Matos), Proença-a-Nova (Nuno Marçal) e Vila Velha de Ródão (Graça Batista), faziam-se ajustes até que... o projecto foi enviado para a FCG. E… foi aprovado! A primeira acção foi reunir com as responsáveis pelas Bibliotecas envolvidas e acertar entre todas os últimos pormenores e chegou-se ao projecto… Numa breve descrição o projecto consistiu em 40 livros infanto-juvenis de ficção e não ficção, – na reunião onde todas as BM participantes estiveram representadas, decidiu-se aumentar o número de trinta para quarenta e os 10 títulos foram sugeridos pelas colegas presentes. De entre esses 40 livros, cada leitor(a) foi desafiado(a) a ler até 6 livros. No acto de inscrição era entregue um Diário de Leitura (DL), onde deveriam ser registadas as leituras feitas. Com o objectivo de incentivar a criança ou adolescente a continuar as suas leituras, no interior do DL existia um mapa cujo preenchimento só se poderia completar após seis livros lidos, ou seja, por cada livro lido, entregava-se um autocolante. Quando um livro era requisitado para leitura, era dado à leitora ou leitor um marcador de livro correspondente ao livro requisitado no qual existia um rectângulo onde no fim da leitura, a(o) participante era convidado a colar “risonhos” Image 100000000000006500000021E89AC3E1.jpgO marcador funcionava como um brinde e recordação. Para auxiliar as leitoras e os leitores a seleccionar as leituras foi criado um site na Internet onde poderiam consultar as referências bibliográficas, ler e ouvir excertos de cada um dos livros – excertos esses previamente seleccionados e gravados na Biblioteca Municipal. Nesta página da Internet, cada leitor(a) poderia deixar a sua opinião e consultar a opinião dos outros participantes sobre os livros lidos, auscultar ou dar sugestões de leitura. No final do desafio, a cada leitor(a) participante recebeu um Certificado de Participação. Os leitores que leram seis ou mais livros, ganharam um prémio, estipulado por cada BM. Os convites para a entrega dos prémios, numa cerimónia especial, foram feitos à família de forma a envolvê-las, procurando trazê-las à Biblioteca, mas também procurando fazê-las valorizar o facto de os seus filhos e filhas, netos e netas, terem participado neste desafio, e na importância de partilhar o facto com a família.

10Do projecto faziam parte: (i) os quarenta livros actuais, variados, adequados às idades do público-alvo, (ii) Marcadores de livro correspondentes a cada um dos livros; (iii) Autocolantes “risonhos” para os marcadores de livros; (iv) Diários de Leitura; (v) Autocolantes para completar o mapa do interior do DL, (vi) Labirintos, palavras cruzadas, desenhos para colorir, etc.; (vii) Página da Internet; (viii) enunciados de bibliopapers para a descoberta da Biblionave; (ix) cartazes impressos A2, cartazes A3 e A4 em formato digital; (x) desdobráveis promocionais; (xi) Apresentação em PowerPoint, que assim como o desdobrável, servia para divulgar o projecto junto da comunidade, Agrupamento de escolas, BEs, Associação de Pais, etc.; (xii) carta-circular para enviar às livrarias e papelarias locais, divulgando a lista de livros; (xiii) questionários de avaliação para os leitores e para as BM; (xiv) os Certificados de Participação e convites; (xv) a ficha de inscrição, onde cada BM deveria registar os dados dos (as) participantes e também as leituras efectuadas.

11E a Biblionave estava pronta para descolar…

A viagem

12O percurso iniciou-se em Novembro de 2006, na Biblioteca Municipal de Penamacor. Em 2007, a Biblionave voou até à Biblioteca Municipal do Fundão, seguiu para a Biblioteca Municipal de Oleiros, de seguida voou para a Biblioteca Municipal de Idanha-a-Nova. Em 2008, viajou pela Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova, depois voou para a Biblioteca Municipal da Sertã, daqui para a Biblioteca Municipal de Castelo Branco, que logo a deixou partir para a Biblioteca Municipal de Vila Velha de Ródão. Em 2009, levantou voo de Vila Velha de Ródão e seguiu para a Biblioteca Municipal de Vila de Rei, e antes do regresso à base, ainda voou até a Biblioteca Municipal da Covilhã.

13Em relação à quantidade de livros, houve BM que acrescentaram mais títulos, criando uma maior variedade e também refrescando um pouco os títulos que há três anos andam a viajar. Os marcadores de livro correspondentes a cada um dos livros, inicialmente feitos numa gráfica, acabaram por ser recriados em formato digital o que permitiu, não só cada BM imprimir apenas aqueles que ia precisando, como também tornou-se mais fácil fazer outros para os livros localmente acrescentados. Em algumas Bibliotecas foram criados outros quebra-cabeças, labirintos, palavras cruzadas, desenhos para colorir, diferentes dos originais, enriquecendo a oferta. Os Certificados de Participação e convites às famílias para a entrega dos prémios foram também recriados em algumas das Bibliotecas envolvidas.

14A página na Internet tinha uma parte dedicada aos livros, onde estavam as capas, as referências bibliográficas, onde se podia ler ou ouvir um excerto do livro. Continha ligações para as editoras e páginas de escritores. Tinha os contactos e páginas de cada Biblioteca participante. Na página podia-se consultar o calendário, ler as notícias relacionadas com o projecto e ainda ver as fotos. Como já foi referido, havia também um espaço para as opiniões. A página da Internet acabou por não ter o sucesso esperado porque devido à inexperiência das partes envolvidas no processo da sua criação, o site fechou antes do prazo de término do projecto.

15Quanto aos escritores, inicialmente pensou-se em pelo menos 4 visitas de escritores, verificou-se apenas um encontro, na Biblioteca Municipal do Fundão, com a escritora Rita Taborda Duarte.

16Quanto ao número de participantes e leituras: Na BM do Fundão, participaram 53 leitores e leitoras e todos receberam o Certificado de Participação e os prémios também foram livros, como em Penamacor. O vencedor leu 17 livros.

17Na BM de Idanha-a-Nova, os Certificados de Participação e os prémios foram distribuídos pelos alunos do 5.º ano do Agrupamento de Escolas de Idanha-a-Nova.

18Na BM de Oleiros, participaram 32 leitores, com idades entre os 8 e os 14 anos de idade. Foram efectuados 102 empréstimos. Todos os participantes tiveram direito a dois prémios de participação, o Certificado de Participação e um estojo escolar. Houve 4 vencedores que ganharam puzzles e jogos infantis.

19Na BM de Penamacor, participaram 23 leitores e leitoras entre os 7 e os 13 anos de idade e todos receberam o Certificado de Participação. Foram lidos 93 livros (empréstimos efectuados). Oito participantes atingiram o objectivo tendo lido seis livros, classificando-se, assim, em terceiro lugar. O segundo classificado leu sete livros. O primeiro classificado leu 11 livros. Os prémios foram livros.

20Na BM de Proença-a-Nova, participaram 24 alunos do 5.º ano. Foram lidos 32 livros.

21Na BM da Sertã, participaram 27 crianças. Foram lidos 147 livros (em termos de empréstimos). Todos os participantes receberam o Certificado de Participação e t-shirt da Biblioteca Municipal. Para além dos que leram seis livros, houve três primeiros lugares: a primeira classificada leu 17 livros, a segunda classificada leu 14 livros e a terceira classificada leu 11 livros. As vencedoras ganharam um kit com livros e filmes.

22Na BM de Vila de Rei, participaram 8 crianças, foram lidos 27 livros, e foram efectuados 45 empréstimos. Todos os participantes receberam um livro, o Certificado de Participação e material escolar.

23Na BM de Vila Velha de Ródão houve 21 participantes, 112 livros lidos. O primeiro classificado leu 29 livros, o segundo classificado leu 17 livros e o terceiro classificado leu 13 livros.

24Em relação às BM de Castelo Branco e Covilhã, à data não temos informação disponível que possa aqui ser partilhada. Quanto a Belmonte, ao longo deste período não houve condições para que a Biblionave lá pudesse aterrar...

25Em Setembro de 2009, a Biblionave regressou à base.

26Numa segunda reunião entre os responsáveis das BM envolvidas será possível fazer o balanço do projecto com base na visão pessoal de cada um e também na análise dos questionários de avaliação recolhidos nas várias Bibliotecas. Será interessante analisar o número de participantes em cada biblioteca, que tipo de leitores participaram: frequentadores habituais da Biblioteca ou novos, quais os livros mais lidos, os menos lidos, apontar aspectos positivos e outros menos positivos deste projecto, e quem sabe, planear outras actividades juntas.

27Entretanto será redigido o relatório final para a Fundação Calouste Gulbenkian, a parceira imprescindível nesta viagem de descoberta da Biblionave.

Bibliographie

BADU, Edwin Ellis – Is strategic alliance panacea for low service development in University Libraries in Ghana? EDUCATION LIBRARIES JOURNAL. 44, n.º 1 (2001).

GUITART, Cecil – Cooperação entre bibliotecas. Leitura pública. SEPARATA DO BOLETIM MUNICIPAL. Vila Nova de Famalicão. n.º 9 (1989).

LOPES, Ilda – Bibliotecas municipais do distrito de Castelo Branco: análise do funcionamento e projecto de cooperação. Salamanca, 2003. Trabalho do período de investigação apresentado à Faculdad de Biblioteconomía y Tradución de la Universidad de Salamanca, como prova de Suficiência Investigadora.

NUNES, Henrique Barreto – Da biblioteca ao leitor: Estudos sobre a leitura pública em Portugal. Braga: Autores de Braga, 1998.

Annexe

1 – Logótipo

Image 10000000000001550000011BAEEE8E8E.jpg

2 – Diário de Leitura

Image 1000000000000552000002C82B1AE889.jpg

Interior

Image 1000000000000552000002D0647D1791.jpg

Frente

3 – Marcadores de livro

Image 10000000000000AF000002F24C8FD62C.jpg

à data da requisição

Image 10000000000000AA000002FA4FD79E9A.jpg

depois da leitura do livro

4 – Desdobrável

Image 1000000000000296000001D25E8F1CB2.jpg

Frente

Image 100000000000028A000001CE73B0DC01.jpg

Interior

5 – Primeira notícia

Image 10000000000003C20000043B489F516C.jpg

Gazeta do Interior, 13.09.2006

6 – Fotografias

Image 1000000000000578000003BEE9024935.jpg

À descoberta na Biblionave: a nave, cartazes, livros, quebra-cabeças, etc.

Image 1000000000000531000001C66A535EF4.jpg

Apresentação da Biblionave aos pequenos leitores

Image 100000000000054B000003E6FEE4C7F7.jpg

Os participantes em acção… lendo, consultando a página da Internet, lendo, escutando…

Image 1000000000000555000003CA112F8A7C.jpg

A entrega dos prémios

Image 10000000000003E90000048E16FBB4F6.jpg

Alguns dos premiados

Image 1000000000000541000001ED5D8AAD8E.jpg

Alguns dos prémios

7 – Certificado de Participação

Image 1000000000000426000003038CC105F5.jpg
Précédent Suivant

Le texte seul est utilisable sous licence Licence OpenEdition Books. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.