Version classiqueVersion mobile

Da produção à preservação informacional: desafios e oportunidades

 | 
Nelson Vaquinhas
, 
Marisa Caixas
, 
Helena Vinagre

Parte III - Preservação digital

ARDOC: Da Gestão Documental à preservação digital com o METS e o MoReq2010

Fernando Faria

Résumé

A gestão documental com suporte informático é hoje uma necessidade irrefutável das organizações, devendo ser usada desde a fase de captura, até ao arquivo final de acordo com os planos de retenção. Significa isto que matérias como a definição e uso de metadados e do plano de classificação deverão ser transversais a todo o ciclo, e geridas de forma única. Contudo, os Sistemas de Gestão Documental gerem bem o ciclo activo, mas negligenciam frequentemente as fases subsequentes, descurando a existência de um plano de classificação transversal a todo o ciclo, assim como a manutenção da metainformação associada.
O projecto ARDOC criou o conceito de Doclet, que, conjugando a norma METS com o MoReq2010, cria um formato aberto para guardar a informação relativa a cada processo. Um Doclet guarda os documentos e seus metadados, permitindo o seu uso quer para fins de interoperabilidade, quer para criação de repositórios normalizados para preservação digital.

Texte intégral

Introdução

1Os documentos são a principal fonte de informação de todas as organizações, sendo neles que reside a maioria dos dados inerentes ao negócio específico de cada organização. É por isso de crucial importância para a sua sobrevivência ter formas eficientes de os gerir e preservar.

  • 1 HEDGE, Hans Van - Knowledge Centric Management. Academy Press Limited, 2011, p. 28.

2Em HEDGE, Hans1, é referido um estudo da consultora Gartner que afirma que “80% a 95% da informação de uma empresa está nos seus documentos (papel ou electrónicos)”. Este estudo confirma a relevância dos documentos para o dia-a-dia das organizações e a necessidade de estes serem bem geridos e preservados enquanto representarem valor para o negócio ou história da organização.

  • 2 ANTÓNIO, Rafael – A Gestão Documental na perspectiva do MoReq2010. Edição de Autor, 2012, p. 2.

3Segundo ANTONIO, Rafael2, “Uma empresa sem documentos é uma entidade sem memória, sem identidade, e sem condições de estabelecer metas e alcançar objectivos”. Contudo, esta visão não é por vezes entendida pelas próprias organizações, que dão prioridade ao investimento em outras áreas, relegando a gestão dos documentos para segundo plano, muitas vezes denominado por gestão administrativa, recorrendo ao uso descoordenado de aplicações informáticas. Isto tem consequências graves na forma como os documentos são tratados nestas organizações, causando, em casos extremos, problemas legais complexos quando há necessidades de comprovar actos ou decisões do seu historial. Uma organização que não sabe tratar dos seus documentos, é certamente uma organização sem futuro.

4Assim sendo, continua a ser prática comum as organizações possuírem diferentes fontes de produção de documentos - via funcionários ou por aplicações de negócio - os quais são armazenados em repositórios isolados, frequentemente concebidos sem preocupações de normalização ou controlo comum que visem a sua manutenção como espólio crucial à continuidade do negócio.

5O uso das Tecnologias da Informação (TI) como suporte à gestão de documentos remonta ao início da década de 1980, quando surgiram os primeiros programas de computador que permitiam gerir os papéis físicos. Desde então estes Sistemas de Gestão Documental (SGD) têm evoluído constantemente, mas foram quase sempre desenhados segundo princípios funcionais e tecnológicos, centrados em necessidades concretas de gerir a produção e o ciclo activo desses documentos, sem terem preocupações de coerência entre si ou a sua gestão a médio e longo prazo.

6Esta evolução das últimas décadas levou a que o termo Gestão Documental seja usualmente associado às aplicações de gestão de correspondência e expediente administrativo, mas nem sempre entendido como uma verdadeira gestão dos documentos, mais completa e abrangente. Quando se fala em Gestão Documental, em rigor, devemos considerar todo o ciclo de vida, e falar também de arquivística e não apenas dos documentos na fase activa, da produção e gestão mais imediata.

7A Link entende que uma boa implementação de um SGD deve ser transversal à organização, tendo em atenção todos os produtores de documentos, mas, sobretudo, uma política comum de armazenamento e gestão desses mesmos documentos, até à sua fase terminal. Assim, um bom SGD deve dar resposta a esta questão, oferecendo um arquivo electrónico comum para cada fase de arquivo, facilitando assim a gestão e classificação de todos os documentos.

8Quando é referido o uso de um SGD, isto não significa que este seja implementado por uma única aplicação, podendo ser formado por um conjunto de aplicações que se complementem e integrem, por forma a oferecer todas as funcionalidades necessárias a cada fase do tratamento dos documentos.

9Existem contudo princípios estruturantes transversais que devem ser respeitados pelas diversas aplicações, para que todas elas tenham um mesmo referencial documental e que permitam que a metainformação se mantenha quando os documentos mudam de fase e/ou de aplicação.

10A implementação, desde o momento da captura, de um plano de classificação que defina a metainformação e as políticas de retenção, aliado a outras características, como sejam a autenticação digital e o registo de operações sobre os documentos, é um princípio estruturante e essencial para ser criado um arquivo electrónico integro, seguro e auditável.

11É nesta matéria de interligação e de definição dos princípios estruturantes nos SGD que o uso de normas e modelos internacionais se torna essencial como forma de assegurar a independência dos fabricantes e a protecção do investimento necessário.

12Foi neste contexto que foi implementado o projecto ARDOC, um projecto inovador de gestão documental, alinhado com as principais normas e referências da área, permitindo estender o produto de Gestão Documental da Link (o edoclink) para poder vir a abranger as vertentes de preservação, assente no uso da norma METS3 e do modelo MoReq20104.

O projecto ARDOC

13O ARDOC foi um projecto de investigação e desenvolvimento (I&D) que foi uma aposta da Link na inovação numa área de pertinência crescente para as organizações, ou seja, a área de suporte às decisões pela via da gestão eficiente e inteligente de informação e do workflow, tendo decorrido entre 2011 e 2013.

14No âmbito da Gestão de Informação organizacional os sistemas de gestão de documentos existentes e, de uma forma mais abrangente, os sistemas de gestão de informação empresariais, são normalmente estanques e pouco permeáveis a trocas de informação entre eles. A ligação entre sistemas tem que ser habitualmente explícita e definida, necessitando de integrações entre estruturas de dados e informação, geralmente distintos, o que resulta em custos elevados e margens de erro significativas.

15Com o ARDOC a Link conseguiu aprofundar o seu conhecimento na área da Gestão Documental, com especial enfoque nas normas internacionais relevantes para a área, possibilitando a adopção de estruturas conformes e potenciando, deste modo, o uso destas para efeitos de interoperabilidade documental e para arquivo definitivo.

16Concretamente, a Link desenvolveu, no âmbito do projecto, um conjunto de melhorias funcionais que permitiram evoluir a sua plataforma de Gestão Documental no sentido da implementação de soluções que permitem facilitar a interoperabilidade, suportar o arquivo definitivo de processos documentais e passar a ter suporte para equipamentos móveis.

17A aplicação de normas já estabelecidas a sistemas de Gestão Documental foi talvez o aspecto mais inovador em termos de soluções para o mercado, uma vez que os actuais fabricantes de soluções nesta área, sobretudo no mercado nacional, ainda não estão suficientemente despertos para esta necessidade normativa. Isso foi evidente nas sessões de divulgação efectuadas no âmbito do ARDOC, sobretudo para mercados mais específicos, como o dos Seguros, e de comunidades ligadas a arquivistas e documentalistas.

18O projecto apresentou objectivos específicos, resultado das características do sistema a desenvolver, que pudessem ser suportadas pelas normas e referências, nomeadamente:

    • 5 ISO 16175: Information and documentation - Principles and functional requirements for records in el (...)

    modelo de referência MoReq2010 e a norma ISO 161755. Ambas propõem requisitos sobre a estrutura da informação, segurança, permissões e registo histórico de alterações, vertentes que o projecto ARDOC pretendia explorar:

    • A referência MoReq2010 foi a fundamental, pela relevância que lhe é dada no contexto nacional (por exemplo, pela DGARQ) ou mesmo europeu. Apesar de esta referência apresentar os requisitos de uma forma deficiente (numa perspectiva rigorosa de engenharia de requisitos), a intenção dos mesmos é suficientemente perceptível para a tornar uma referência incontornável;

    • Em termos mais alargados, foi observada também a norma ISO 16175, mais concisa e focada, mas sem a popularidade que lhe devesse ser reconhecida.

  • Em relação às capacidades do ARDOC para interoperabilidade com os seus contextos exteriores, onde se incluem os repositórios para preservação documental, o mais relevante dos estudos efectuados, foi:

      • 6 CMIS - Content Management Interoperability Services, Version 1.1, OASIS Standards, 2013.

      Suporte da referência CMIS6 para comunicação entre sistemas, dado a sua promoção pela indústria da área de repositórios documentais;

    • Suporte do formato METS como referência principal para o encapsulamento da informação a exportar, ponderando-se assim a possibilidade de o ARDOC exportar os seus objectos de informação (processos documentais) como “objectos METS”. Sendo este um formato aberto, torna possível, em caso de necessidade, converter mais tarde estes objectos para qualquer outro formato com semântica equivalente;

    • Uma outra referência relevante neste domínio é o formato EAD7, o qual foi ponderado como opção de exportação, mas depois não considerado devido a ser um formato com algumas limitações (à data do desenho do ARDOC, em 2011).

O conceito de Doclet

19O ARDOC definiu o conceito de Doclet, o qual funciona como um agregador, em formato aberto, dos documentos e respectiva informação adicional sobre o seu tratamento ou comportamento, possibilitando desta forma o seu armazenamento ou intercâmbio com outros sistemas ou organizações.

20O conceito de Doclet permite assim que documentos sejam trocados entre organizações, ou que os mesmos possam ser exportados para sistemas de arquivo, com vista à sua preservação digital, cumprindo requisitos de normalização. Numa analogia com os termos documentais, um Doclet encontra correspondência num processo documental.

21No capítulo das normas aplicáveis, várias existem que foram objecto de estudo, mas tendo tomado particular importância a norma Metadata Encoding and Transmission Standard (METS) e o Model Requirements for the management of electronic records (MoReq). A conjugação destas duas referências permitem a materialização dos Doclets segundo modelos abertos e internacionalmente aceites.

22Um processo documental, representado por um Doclet, contém diversos dados, tais como estado, assunto, metadados (configuráveis), documentos, registos e workflows de aprovação associados. O acesso aos dados do processo tem diferentes níveis de segurança, podendo prever encriptação, de acordo com o perfil do utilizador que o está a visualizar.

23Os documentos terão metadados associados para permitir definir zonas de acesso no processo e possibilitar indexação e relacionamentos complexos. Relativamente às permissões ao nível do documento, é importante referir que, após um documento ser copiado, as alterações de acessos no original não são reflectidas nas cópias, isto é, por exemplo se um utilizador receber uma cópia em que não tenha acesso a determinadas zonas do processo, mesmo que posteriormente no original passe a ter acesso total, na cópia continua a ter apenas acesso às zonas a que tinha acesso na altura em que recebeu a cópia.

24O Doclet é assim um componente autónomo que permite a agregação lógica de diferentes peças de informação num único objecto XML, como esquematizado na Figura 1, sem que haja necessariamente uma duplicação da informação.

Fig. 1- Estrutura do Doclet

Fig. 1- Estrutura do Doclet

25Este conceito foi implementado agregando um conjunto de informação documental (processo) com respectivos documentos e metainformação associada, materializado através do formato XML.

26Possui assim uma estrutura normalizada, segundo referências internacionais:

  • Uso do METS - Metadata Encoding and Transmission Standard para a estruturação do XML e inclusão de todos os anexos;

  • Uso do modelo MoReq2010 - Model Requirements for the management of electronic records, para armazenar toda a metainformação associada;

  • Documentos armazenados no formato PDF/A, assegurando compatibilidade para preservação, podendo opcionalmente incluírem também o formato original.

27Deste modo, um Doclet encapsula num mesmo conteúdo em XML, as seguintes componentes:

  • Documentos e metainformação

  • Relações entre documentos

  • Informação sobre o comportamento e evolução dos documentos no contexto do processo

  • Definição de acessos à informação

28O Doclet inclui uma assinatura XML sobre o conteúdo do documento, sendo esta assinatura feita com recurso ao certificado digital da organização que envia o processo documental, permitindo assim a validação da autenticidade do conteúdo do documento recebido por parte da organização que o recebe, bastando para isso possuir a chave pública do certificado da organização que enviou o documento.

29No âmbito do projecto ARDOC, o uso dos Doclets serviu de base à implementação de diferentes cenários de utilização os quais incluíram protótipos de interoperabilidade e de arquivo documental.

A utilização do MoReq2010 e do METS

30O MoReq2010 é uma especificação internacional do DLM Forum, patrocinada pela Comissão Europeia, que suporta diferentes linguagens e visa proporcionar um abrangente, mas simples, conjunto de requisitos para um sistema de gestão de registos electrónicos.

31Esta especificação é representada sob a forma de XML, de acordo com os requisitos e funcionalidades estabelecidas pela organização.

32A utilização do MoReq2010 no ARDOC relaciona-se com a necessidade de persistir a maior quantidade possível de metadados de um processo documental de uma forma que seja standard e permita manter as relações lógicas entre os vários componentes do processo.

33Um documento XML MoReq2010 deve possuir um conjunto de informação obrigatória sobre os elementos que deseja incluir no documento, e um conjunto de informação opcional. Na Figura 2 é apresentado um diagrama de blocos dos dados MoReq2010 representados no documento XML a gerar. Foi assim criado um mecanismo de conversão dos dados internos da Gestão Documental para o requerido pelo MoReq2010 respeitando o XML Schema disponibilizado pelo DLM Forum, de acordo com a estruturação definida.

Fig. 2 - A primeira parte do conteúdo da exportação XML no MoReq2010

Fig. 2 - A primeira parte do conteúdo da exportação XML no MoReq2010

34De modo a respeitar o formato do documento XML MoReq2010 e ajustá-lo aos dados existentes nas entidades da Gestão Documental edoclink, foi definido um mapeamento de entidades que asseguram todos os campos obrigatórios e parte dos opcionais previstos no modelo de referência, tendo sido asseguradas as seguintes áreas:

  • Processo (aggregation)

  • Classificação (class)

  • Documento (component)

  • Plano de retenção (disposal schedule)

  • Registo (record)

  • Utilizador (user)

  • Grupo (group)

  • Perfil (role)

35Foi colocada informação adicional na secção Contextual Metadata Block, a qual permite exportar campos essenciais à interoperabilidade entre sistemas de Gestão Documental, como seja ACL (Access Control List) a determinadas entidades e alguns tipos específicos de metadados.

36Como complemento à informação exportada no formato MoReq2010, e para se obter o desejado para a implementação do Doclet, utilizamos a norma METS para estruturar o documento final.

37A utilização do METS em conjunto com o MoReq2010 deve-se à necessidade de encapsular mais informação do que a permitida pelas regras mais rígidas do MoReq2010.

38A norma METS é uma especificação utilizada para transferir ou guardar informação. Esta norma permite guardar e partilhar informação, entre instituições ou aplicações, de uma forma codificada ou não codificada, e interoperabilidade entre sistemas. Um documento METS pode conter diversos documentos digitais, e.g., áudio, PDF, XML, Uniform Resource Locator (URL), conjunto de ficheiros, entre outros, segundo uma estrutura em formato XML e de uma forma hierárquica o que permite um acesso mais simples e mais rápido a estes ficheiros.

39Em primeiro lugar, de modo a responder aos requisitos de segurança do projecto, é adicionado ao documento XML METS resultante, a assinatura digital XML criada com base no seu conteúdo, sendo este o único elemento incluído que não é um ficheiro.

40A informação restante deverá incluir o ficheiro XML MoReq2010 resultante da conversão das entidades do ARDOC para este formato, e todos os ficheiros relacionados com este:

  • A representação XML dos workflows de aprovação documental de um processo: esta informação é armazenada segundo o schema definido pelo ARDOC, uma vez que não existe o conceito de workflows no MoReq2010. Para efeitos de preservação é gerada uma representação documental de cada workflow que é anexada como documento;

  • A representação XML do histórico de alterações de um processo: esta representação XML segue o schema definido pelo ARDOC, uma vez que a representação de alterações de um processo no sistema de gestão documental ARDOC difere da requerida pelo MoReq2010, no que toca à granularidade e complexidade das operações registadas;

  • A representação dos ficheiros dos documentos de um processo (convertidos em base64). Também é possível incluir os dados destes ficheiros na componente MoReq do Doclet. No entanto optou-se por colocar os ficheiros na componente METS para ser possível criar grupos de ficheiros, o que é utilizado apenas quando o Doclet é gerado para arquivo, de modo a associar uma cópia do ficheiro original no formato PDF/A (também convertido para base64);

  • A representação XML dos alarmes dos workflows e processos: esta representação XML segue o schema definido pelo ARDOC, uma vez que no MoReq não existe representação para alarmes.

41Na Figura 3 são apresentados os vários componentes de um Doclet produzido pelo ARDOC, exemplificando como é feito o seu encapsulamento recorrendo à norma METS. A criação do documento METS é validada através do XML Schema disponibilizado pela norma.

42A norma METS é bastante mais flexível que o modelo MoReq2010, definindo apenas que no documento METS deve ser especificada a relação estrutural dos ficheiros que estão embebidos no documento, não impondo uma estrutura obrigatória. Assim, como esta relação estrutural não é significativa para a criação do Doclet, todos os ficheiros incluídos no documento são colocados ao mesmo nível do próprio XML, por forma a ser mais simples a hierarquia.

Fig. 3 - Componentes de um Doclet com METS e MoReq2010

Fig. 3 - Componentes de um Doclet com METS e MoReq2010

Interoperabilidade com uso de Doclets

43Uma das utilizações resultantes do ARDOC, implementada em fase de protótipo do projecto, permite a interoperabilidade processual, entre diferentes entidades e organizações, o que está esquematicamente representado na Figura 4, sendo usada a estrutura normalizada dos Doclets para o efeito.

Fig. 4 - Interoperabilidade documental

Fig. 4 - Interoperabilidade documental

44Os Doclets podem ser criados em áreas partilhadas entre sistemas federados, ou entregues via interface de Web Services seguros, possibilitando desta forma o envio de uma peça documental entre organizações.

45Deste modo, usando protocolos e formatos abertos, foi possível implementar a interoperabilidade entre diferentes instalações de gestão documental, permitindo o envio de processos documentais, com todos os documentos anexos e respectiva metainformação, validando o potencial dos Doclets para esta interligação de sistemas.

46Sendo o Doclet um documento autónomo e auto contido facilita a forma de transporte entre as partes envolvidas na comunicação. Dependendo da implementação que for feita em cada caso, pode ser entregue, por exemplo, recorrendo a protocolos simples como é o caso do e-mail/SMTP.

Aplicação de Doclets para arquivo digital

47A gestão e manutenção dos arquivos físicos é uma actividade dispendiosa na generalidade das organizações. A sua manutenção responde a requisitos legais e históricos, mas a legislação tem vindo a evoluir, sendo possível para determinados sectores e tipos de documentos, estes poderem ser eliminados desde que cumpram requisitos de preservação digital. O ARDOC pretende dar suporte informático a esta necessidade, permitindo que as organizações possam iniciar este processo que visa a redução ou eliminação do arquivo físico, preservando a informação em suporte digital em formatos abertos.

48Ao atingirem o fim do período de retenção em arquivo activo, os processos poderão ser exportados para Doclets (ver Figura 5), ficando desta forma garantida a sua representação segundo normas internacionais e formatos abertos, assegurando a componente normativa dos sistemas de preservação digital.

Fig. 5 - Arquivo documental com Doclets

Fig. 5 - Arquivo documental com Doclets

49Para efeitos de preservação, os repositórios de Doclets deverão ser mantidos em sistemas de armazenamento certificados a fim de assegurar a conformidade com a legislação existente. Estes repositórios poderão ser indexados e disponibilizados aos utilizadores autorizados para efeitos de pesquisa e consulta dos processos e respectivos documentos.

50Sendo um repositório segundo normas abertas, assegura também a independência do fornecedor, uma vez que para a sua utilização basta saber interpretar a norma METS e o formato XML do modelo MoReq2010.

Conclusão

51A Gestão Documental é um conceito muito amplo, o qual quando referido no universo das tecnologias da informação é geralmente associado ao tratamento da correspondência e documentos durante a sua fase activa. Contudo a gestão dos documentos é muito mais vasta, começando com a captura dos mesmos e só terminando com a sua eliminação ou preservação digital, sendo uma área essencial ao funcionamento das organizações.

52Com o projecto ARDOC a Link, que já possuía vasta experiência com o desenvolvimento do seu produto edoclink e a implementação de mais de duas centenas de projectos nesta área da Gestão Documental, explorou novas áreas na perspectiva da utilização de normas internacionais para a interoperabilidade e preservação digital dos processos documentais.

53Sendo o MoReq2010 um modelo de requisitos de referência para a implementação de Soluções de Gestão Documental, continua a ser pouco usado pela indústria, e, quando usado, é geralmente aplicado apenas na vertente da gestão do ciclo activo. Acreditamos que o seu potencial vai mais além, e que o futuro dos SGDs deverá ter por base estes modelos de referência, e não serem sistemas fechados ou com especificações proprietárias.

54Com o ARDOC a Link aprofundou o conhecimento que já possuía do MoReq (o qual foi iniciado ainda com o MoReq 2 no início de 2010), explorando a aplicação do serviço de exportação por forma a complementar o seu SGD com capacidades de preservação digital.

55As provas de conceito desenvolvidas comprovaram a viabilidade do modelo, sobretudo na utilização dos Doclets, que completam a representação da informação em XML do MoReq2010 com o uso da norma METS.

56O projecto ARDOC foi um projecto de I&D, do qual resultou, em parte, o trabalho aqui apresentado, e que está a ser utilizado pela Link para ser comercializado como produto e assim tornar a sua oferta de Gestão Documental mais abrangente.

57Neste último ano, em que divulgamos este tipo de soluções junto de clientes, apercebemo-nos contudo que ainda há muito trabalho a realizar na sensibilização para o tema, pois apesar da receptividade ser, em regra, muito positiva, a sua efectivação tem sido difícil. Na maioria dos clientes, o tema da preservação não é ainda dos mais prioritários, sobretudo em épocas de cortes orçamentais, e não estão despertos para a vantagem de todos os ciclos serem geridos pelo mesmo SGD. Adicionalmente, existem vários aspectos práticos que dificultam a adopção deste tipo de solução para o arquivo documental, nomeadamente questões de carácter legislativo, mas também dificuldades tecnológicas nas soluções de armazenamento seguro, a preços competitivos.

58A preservação digital é ainda uma solução financeiramente mais cara do que a manutenção dos arquivos físicos, os quais na maioria das situações são apenas armazéns de papel, sem qualquer tipo de gestão de ciclo de vida, o que seria muito mais eficiente num arquivo digital.

59Há portanto trabalho ainda a realizar, por fabricantes de soluções e por documentalistas, para conjugarem sinergias e contribuírem para que as soluções estejam preparadas para sua aplicação, no curto ou médio prazo, à gestão completa do ciclo de vida dos documentos, pois, inevitavelmente, o futuro será digital.

Bibliographie

ANTÓNIO, Rafael – A Gestão Documental na perspectiva do MoReq2010. Edição de Autor, 2012.

Digital Library Federation, METS – Metadata Encoding and Transmission Standard: Primer and Reference Manual, version 1.6, 2010.

DLM Forum – MoReq2010 Specification: Modular Requirements for Records System, European Commission, 2011.

HEDGE, Hans Van – Knowledge Centric Management. Ecademy Press Limited, 2011, ISBN 978-1-907722-26-4

International Organization for Standardization – ISO 16175: Information and documentation - Principles and functional requirements for records in electronic office environments, 2010.

OASIS – Content Management Interoperability Services (CMIS), Version 1.1, OASIS Standards, 2013.

Notes

1 HEDGE, Hans Van - Knowledge Centric Management. Academy Press Limited, 2011, p. 28.

2 ANTÓNIO, Rafael – A Gestão Documental na perspectiva do MoReq2010. Edição de Autor, 2012, p. 2.

3 METS - Metadata Encoding and Transmission Standard, http://www.loc.gov/standards/mets

4 MoReq2010 - Modular Requirements for Records System, DLM Forum, 2011.

5 ISO 16175: Information and documentation - Principles and functional requirements for records in electronic office environments, ISO, 2010.

6 CMIS - Content Management Interoperability Services, Version 1.1, OASIS Standards, 2013.

7 EAD - Encoded Archival Description, http://www.loc.gov/ead/

Table des illustrations

Titre Fig. 1- Estrutura do Doclet
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2826/img-1.png
Fichier image/png, 243k
Titre Fig. 2 - A primeira parte do conteúdo da exportação XML no MoReq2010
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2826/img-2.png
Fichier image/png, 59k
Titre Fig. 3 - Componentes de um Doclet com METS e MoReq2010
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2826/img-3.png
Fichier image/png, 35k
Titre Fig. 4 - Interoperabilidade documental
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2826/img-4.png
Fichier image/png, 151k
Titre Fig. 5 - Arquivo documental com Doclets
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2826/img-5.png
Fichier image/png, 51k

© Publicações do Cidehus, 2017

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search