Version classiqueVersion mobile

Da produção à preservação informacional: desafios e oportunidades

 | 
Nelson Vaquinhas
, 
Marisa Caixas
, 
Helena Vinagre

Parte II - Gestão da Informação no século XXI

Evidência da informação no contexto dos arquivos digitais

Moisés Rockembach

Résumé

Aborda os paradigmas da informação, o paradigma custodial, historicista, patrimonialista e tecnicista e o paradigma pós-custodial, informacional e científico. Procura definir a evidência como uma característica da informação, colocando-a entre os níveis da informação enquanto indício e enquanto prova. Demonstra exemplos de usos de indícios, evidências e provas em meios digitais. Descreve os elementos que compõem a evidência (tipo informacional, situação, contexto orgânico, memória orgânica, necessidade e interatividade) e pontos importantes para melhorar os níveis desta evidência. Conclui que a partir de uma mediação ativa dos Arquivistas e profissionais da informação e o estudo da evidência nos arquivos digitais, pode-se chegar a uma melhor qualidade informacional.

Texte intégral

Introdução

  • 1 GIL, 1988, 1996, 1998 e 2005.
  • 2 GINZBURG, 1989, 1991.
  • 3 GIL, 1988.
  • 4 SILVA, 2006.
  • 5 MORIN, 1990.
  • 6 CASTELLS, 2005.

1A proposta deste trabalho é trazermos uma análise conceitual da evidência, aplicável à Ciência da Informação e à Arquivologia, apoiando-se fundamentalmente em Gil1, com a presença de demais autores que abordam a evidência. Comparativamente, a evidência se baseia entre os níveis de indício2 e prova3, constituindo-se em esferas distintas onde a informação pode se situar consoante sua produção e seus usos. Temos aqui uma perspectiva da informação que tem seu foco na génese, mas que é influenciada pelos seus fluxos e usos, onde elementos como interatividade, contexto orgânico, situação, memória orgânica, tipo informacional e necessidade4 são de fundamental importância para compreendermos os processos que envolvem a informação vista como evidência. Certas características pertencentes aos ambientes digitais, como a dinamicidade e a ubiquidade da informação, tornam necessária a elaboração e a aplicação de novos modelos de gestão destes estoques informacionais capazes de responder aos desafios que os profissionais da informação enfrentam cotidianamente. Junto a este cenário, a Complexidade5 e a Tecnologia6, implícitas na sociedade e nas organizações contemporâneas, são considerados paradigmas presentes e incontornáveis no tratamento e gestão da informação neste início de século XXI. Partindo da análise epistemológica e teórica à aplicação prática, seguimos nesta linha abordando o contexto onde a evidência é aplicada, nomeadamente em meios digitais. Distinguindo-a da informação como indício (aplicado às análises dos rastros que os usuários deixam na navegação e busca da informação em redes e na Internet) e da informação como prova (aplicado ao uso de elementos certificadores da informação perante os meios jurídicos, como o caso dos instrumentos de assinatura e certificação digital) propomos o uso da evidência da informação (analisando seus elementos constituintes, que por sua vez tornarão a informação mais ou menos evidente) no contexto dos arquivos digitais como uma forma de aprimorar a prestação de serviços, em que os profissionais da informação podem servir como mediadores entre o acervo informacional e seus utilizadores, trazendo uma melhor gestão dos conteúdos, um aperfeiçoamento constante no tratamento e processamento técnico e qualidade na recuperação da informação.

A mudança de paradigmas na informação

  • 7 KUHN, 1996.

2No que se refere ao constructo de um objeto e a aplicação de metodologias que descrevam e expliquem determinados fenômenos, faz-se necessário primeiro a definição de um paradigma, aquele escolhido pelo pesquisador para auxiliar a organização e sistematização do conhecimento. Este paradigma, determina a articulação entre os conhecimentos produzidos em determinada disciplina ou interdisciplina e constitui o que definiu como ciência normal7. Quando há uma ruptura no paradigma vigente, quando ele não consegue dar conta de responder a novas questões que surgem no decorrer dos tempos, temos uma quebra de paradigma, decorrente de anomalias ou revoluções científicas, que ajudam a ciência a alçar um novo paradigma. De qualquer forma, os paradigmas nas Ciências Sociais, ao contrário das hard sciences, parecem coexistir por mais tempo, em uma transição mais lenta e duradoura, talvez devido à própria intersubjetividade que as caracterizam, mas também pela resistência às mudanças, tanto por parte das Instituições, como pelos pesquisadores. Veremos que na Informação ainda coexistem um paradigma tradicional, historicamente originado nas Instituições de memória do Estado (Arquivos, Bibliotecas e Museus), e outro emergente, derivado das transformações sociais e tecnológicas atuais.

3Por um lado, temos um paradigma tradicional da informação, denominado Paradigma Custodial, Historicista, Patrimonialista e Tecnicista, que podemos descrever da seguinte forma:

  • 8 DICIONÁRIO ELETRÔNICO DE TERMINOLOGIA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 2007.

Este paradigma identifica-se com a Modernidade, pois nasce nela, sob a égide do desenvolvimento e da consagração da História, das instituições memorialísticas e custodiadoras geradas pelo Estado-Nação e incorporadas mais tarde (depois da II Guerra Mundial) no Estado Cultural, tais como os Arquivos, as Bibliotecas e os Museus e do pendor técnico/tecnicista ou procedimental, apurado ao longo do séc. XX, dos profissionais criados por esse tipo de instituições ou serviços. Caracteriza-se por vários traços fortes que não cabe, aqui desenvolver, mas que é possível resumir deste modo: primado da História como fonte legitimadora e matriz modeladora (formadora); necessidade custodial extrema tanto para alimentar o discurso historiográfico e ideológico de preservação/exaltação da identidade cultural/nacional, como para sustentar o mercado dos bens materiais antigos e raros e dos objectos de Arte (antiquários, alfarrabistas, galeristas); e operacionalização do acesso (controlado) e das condições de custódia através de um corpo de normas e de procedimentos (dimensão técnica), muitos empíricos (baseados no senso comum), vários anacrónicos (em face às sucessivas alterações tecnológicas e outras) e alguns científicos (procedentes, sobretudo, na área do restauro e conservação por intermédio da Química, da Física, da Biologia, etc.).8

  • 9 LE GOFF, 1992.

4O percurso destas Instituições de memória tradicionais (Arquivos, Bibliotecas e Museus) foi determinado por uma preocupação em preservar uma certa visão de conhecimento e identidade de Estado, com objetivo principal, e por vezes único, de servir de fonte historiográfica, além da elevação do suporte da informação, o documento, sacralizado quanto maior o valor histórico a ele atribuído. É a transformação do documento em monumento9 e a patrimonialização do suporte documental, como uma herança passada de geração em geração. Outros pontos importantes a ressaltar são o caráter essencialmente empírico no tratamento da informação, com a ausência de métodos científicos e uma resistência à atualização das suas práticas, sobretudo pelo impacto da revolução tecnológica, mas também pela falta de reflexão crítica da Ciência, com a definição de paradigmas, objeto de pesquisa e metodologias próprias.

  • 10 MORIN, 1990.
  • 11 CASTELLS, 2005.
  • 12 BERTALANFFY, 1977.
  • 13 CASTELLS, 2005.

5Dois paradigmas emergentes da Ciência apoiam a perspectiva do Paradigma Pós-Custodial, Informacional e Científico, que são os Paradigmas da Complexidade10 e Tecnológico11. No Paradigma da Complexidade proposto por Morin, torna-se fundamental a compreensão do pensamento sistêmico, o qual tem origem na Teoria dos Sistemas12 e no estudo das relações entre os elementos que compõem um sistema. O Paradigma Tecnológico de Castells também é sistêmico, pois pressupõe uma convergência tecnológica e sistêmica, e também traz o entendimento da lógica das redes e dos efeitos das tecnologias sobre todas as áreas de atuação na sociedade13.

6Portanto, contrastando com o paradigma custodial, torna-se oportuno também trazer a definição do Paradigma Pós-Custodial, Informacional e Científico:

  • 14 DICIONÁRIO ELETRÔNICO DE TERMINOLOGIA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 2007.

É emergente porque está a surgir no dealbar, em curso, da Era da Informação e nos meandros de uma conjuntura de transição bastante híbrida, complexa e sujeita a um ritmo de inovação tecnológica e científica quase vertiginoso (a Sociedade pós-industrial, da informação, em rede etc.). A Ciência da Informação trans e interdisciplinar, que defendemos, só é possível no seio de um modo de ver, de perspectivar distinto do modelado pelo paradigma anterior, em que a preocupação pela custódia e a “ritualização" do documento é secundarizada pelo estudo científico e pela intervenção teórico-prática na produção, no fluxo, na difusão e no acesso (comunicação) da informação (representações mentais e emocionais que podem estar em diversos suportes e em mutação constante).14

7Em uma sociedade que vive em um fluxo de informações dinâmico, diversificado e ubíquo, faz-se fundamental uma nova perspectiva, onde a memória e a preservação da informação continuam sendo importantes, mas onde há uma primazia do acesso sobre o suporte, há uma preocupação focada sobre o conteúdo informacional e a investigação acontece a partir de métodos científicos. Também há uma atualização constante com as tecnologias, associando os estudos sobre a informação, sua gestão e acesso, com as possibilidades dos ambientes digitais, automatizando processos e tornando a informação acessível em qualquer parte do mundo.

Evidência: análise epistemológica e teórica à aplicação prática

8Sabemos que a partir desta mudança de paradigmas descrita, temos uma nova visão sobre o mesmo objeto e novos delineamentos de pesquisa científica. Vejamos então as diferenças da informação vista como indício, evidência e prova e como estes conceitos se inter-relacionam.

  • 15 GINZBURG, 1989, 1991.

9Para estabelecermos parâmetros no que diz respeito à informação como indício, recuperamos o método indiciário15, que serviu para reconstruir acontecimentos a partir de rastros, marcas, vestígios, resquícios, enfim, todos sinais relacionados aos fatos passados que não se encontram mais materialmente ou visualmente presentes como um todo.

  • 16 GINZBURG, 1989.

10O método de Ginzburg utiliza de inferências sobre estas informações indiciais, o que significa que as deduções dependerão da boa qualidade dos indícios e da habilidade de observação, interpretação e conexão entre os indícios por parte do pesquisador. Esta observação acontece principalmente a partir dos detalhes, já que Ginzburg inspira-se na sintomatologia médica, o ato de analisar sintomas, mesmo que quase imperceptíveis, para diagnosticar doenças, e na forma como são identificadas falsificações em quadros, também pelos detalhes16. Isto implica entender que os indícios referem-se a características e comportamentos individuais impressos sobre um artefato - a informação sobre um suporte - geralmente de forma não-intencional.

11Em meios digitais, a informação como indício é amplamente utilizada a partir dos rastros deixados pelos usuários, que podem ser tanto os metadados, que são registrados automaticamente pelos softwares na interação usuário-sistema, como os cookies, que constituem-se em um histórico de navegação do usuário, até à análise das pesquisas realizadas por usuários nos campos de busca, quando registradas em banco de dados.

12Quando nos referimos à evidência da informação, julgamos importante esclarecer as diferenças decorrentes entre evidência e prova. Muitas vezes estas palavras são usadas como sinônimos, o que atrapalha a compreensão da aplicabilidade destes conceitos. O próprio termo evidence em inglês, por vezes é traduzido como evidência, outras vezes por prova, que possui sua própria tradução proof. Entretanto, em muitas ocasiões são utilizados com o mesmo significado, que também pode tornar-se bastante ambíguo. Nosso intuito é esclarecer as diferenças destes termos distintos.

  • 17 BRASIL, 1973.

13No artigo 334 do Código de Processo Civil Brasileiro, consta que “não dependem de prova os fatos: I - notórios; II - afirmados por uma parte e confessados pela parte contrária; III - admitidos, no processo, como incontroversos; IV - em cujo favor milita presunção legal de existência ou de veracidade”17. Podemos deduzir, portanto, que nestes casos não há necessidade de produção de provas, pois não existem relações conflituosas entre as partes ou há uma facilidade na comparação entre o fato representado em um artefato (um documento, por exemplo) ou a própria afirmação verbal de uma das partes e a realidade. Também significa que nem tudo possui a necessidade de ser provado e que a prova visa dirimir conflitos entre as partes, dando poder de argumentação e contra-argumentação. A prova é tanto objeto do Direito, quanto da Ciência, entendendo a prova como construção argumentativa e validativa.

  • 18 GIL, 1996.
  • 19 GIL, 1996, p. 41.
  • 20 GIL, 1996, 1998 e 2005.
  • 21 GIL, 1996, p. 11.

14O que não precisa ser validado como prova, é notório, é perceptível pelos sentidos humanos e é presente, torna-se evidente. Gil18 cita, por exemplo, que “[...] sendo evidente, o flagrante delito dispensa a prova e implica imediatamente a punição”19. Gil tratou em suas obras20 teorizações e definições da evidência a partir de uma análise filosófica. Utilizaremos, portanto, o seu ponto de vista para a construção do conceito sobre a evidência. Na perspectiva do autor, o uso dos sentidos humanos para captar a realidade e a expressão desta realidade captada por meio da linguagem, sintetizam os elementos principais definidores da evidência, enunciado pela afirmação de que “[...] o pensamento da evidência constrói-se sobre o sistema perceção-linguagem”21.

15O uso e gestão desta evidência faz parte das atividades dos profissionais da informação, é algo com que as disciplinas que elegem a informação como objeto científico - Arquivologia, Biblioteconomia, Museologia e Ciência da Informação - trabalham constantemente, a informação evidenciada em um suporte.

  • 22 DELMAS, 2010, p. 21.
  • 23 BRASIL, 2001.

16Delmas diz que “os arquivos servem para provar. A prova, a necessidade da prova frente a justiça foi, na sociedade ocidental, a primeira razão da conservação para longa duração de determinados documentos escritos [...]”22. Ao mesmo tempo que os arquivos servem para provar, não são a prova em si. Todo o processo de fazer prova implica uma certificação ou validação como forma de garantir um consenso entre partes conflituosas. Historicamente, esta validação foi realizada pela custódia ininterrupta dos documentos de arquivo e atualmente, no ambiente eletrônico, são utilizadas a assinatura e certificação digital como elementos validadores23.

  • 24 ASSOCIATED PRESS, 2009.
  • 25 BARAN, 2013.

17O uso tecnológico da informação, para tornar-se prova, depende de uma validação externa, regulamentada em lei ou definida a posteriori pela justiça, o que configurará uma jurisprudência sobre o assunto. Já em 2009, as mensagens de texto enviadas e recebidas por telefone celular (Short Messages Service ou SMS) eram aceitas como prova em casos de divórcio na França, sendo tecnicamente possível a recuperação das mensagens até dez dias depois de apagadas do dispositivo móvel24. Da mesma forma, um post em redes sociais também é considerado uma informação importante no convencimento do Juiz em uma ação judicial, servindo entretanto mais como um indício, um argumento para a prova, do que a prova judicial em si25.

  • 26 BRASIL, A., 2001.

18Um e-mail também pode servir de elemento que auxilie o juiz a estabelecer determinada convicção sobre um fato ocorrido. Entretanto, a possibilidade das informações serem interceptadas pela internet e a falta de segurança nas alterações das informações contidas em suporte digital, tornam-a mais frágil enquanto prova, mas igualmente importante nesta construção comprobatória. Ângela Bittencourt Brasil afirma que “em função dessa viagem pelo espaço cibernético, em que a mensagem passa por muitos pontos, ela se torna vulnerável de adulteração sem deixar rastros, o que a torna ao mesmo tempo uma prova frágil para o processo, não perdendo no entanto o seu caráter indiciário”26.

  • 27 BRASIL, 1973.
  • 28 BRITO, 2011.

19Um outro exemplo prático que podemos trazer, demonstrando como é exercido a construção e validação da prova em meios digitais, é a utilização da ata notarial como recurso comprobatório, recorrendo principalmente ao que diz o artigo 364 do Código de Processo Civil Brasileiro, “o documento público faz prova não só da sua formação, mas também dos fatos que o escrivão, o tabelião, ou o funcionário declarar que ocorreram em sua presença”27. Um indivíduo pode escrever e publicar informações nas redes sociais que incidam em diversos crimes previstos em lei e apagar estas informações antes que sejam apresentadas como prova e julgadas. A ata notarial serve para registrar estas informações antes que sejam apagadas e apesar de terem um uso efetivo no judiciário, possuem um alto custo para serem produzidas28. Em função da impermanência das informações disponibilizadas na internet, mais em função da eliminação proposital do que em relação a problemas no suporte, este recurso se torna uma possibilidade de produção de provas quando necessário.

  • 29 GIL, 1988.
  • 30 GIL, 1988, p. 35.
  • 31 ZANAGA, LIESENBERG, 2008.

20Gil29 quando realiza a abordagem sobre as provas, diferenciando-a da evidência, identifica a relação direta entre a construção da prova e a legitimidade que só é conferida nas esferas jurídicas, “o Direito contribuiu para o pensamento da prova por várias maneiras. Em primeiro lugar, como inspiração de rigor e exigência de fundamento e legitimidade (da prova, dos métodos, do próprio discurso). Conceptualmente, a problemática da legitimidade é de origem directamente jurídica”30. O Direito Autoral, outra importante questão em meios digitais, também acontece no âmbito da prova, onde o autor de determinada informação pode exercer direitos intelectuais e/ou financeiros. Também pode liberar o uso sem retorno financeiro, sob determinadas condições, como é o caso do Creative Commons31.

21Qualquer prova a ser submetida como tal está sujeita à avaliação do judiciário, seja um documento tradicional de arquivo, seja uma informação produzida digitalmente, com diferentes formatações e configurações, o que nos leva a uma última questão.

  • 32 FLORIDI, 2010.
  • 33 POPPER, 1972.

22A perspectiva de constituir uma prova inequívoca, aquela que estaria acima de qualquer suspeita e definitivamente correta, pode ser invalidada tanto na prova documental quanto na testemunhal, o conteúdo do documento ou as informações prestadas por um indivíduo podem conter “inverdades intencionais (disinformation) ou não-intencionais (misinformation)”32 ou ainda opiniões e pontos de vista diferentes. No judiciário, as contestações e recursos servem justamente para demonstrar que a construção da prova não está livre de erros. A prova também é um elemento da ciência, que auxilia na argumentação de idéias. E a prova inequívoca na Ciência também se mostra frágil, se considerarmos Popper e seu princípio de falseabilidade33. Ironicamente, reconhecer a fragilidade inerente à construção de provas, torna-a mais sustentável no nível argumentativo, pois com isto se estabelece um conhecimento científico, ao invés de dogmático.

23Trazemos abaixo as dimensões do indício, evidência e prova em ambientes digitais, com exemplos que se enquadram em cada uma de suas esferas:

Tabela 1 - Indicio, evidência e prova - usos, características e questões importantes

Dimensões da informação

Exemplos em ambientes digitais

Características e questões importantes

Indício

Registro e análise das preferências dos usuários e dos termos utilizados para pesquisa, uso de tecnologias (cookies).

Informação produzida de forma não-intencional, Preocupação com a privacidade dos dados dos usuários.

Evidência

Informação produzida e comunicada em meios digitais.

Não exige formalidades, informação orgânica produzida intencionalmente.

Prova

Legitimação jurídica das informações em ambientes digitais. Certificação e assinatura digital.

Exige validação, exercício do Direito Autoral.

24Compreendendo que a evidência se relaciona diretamente com as características da informação e também é objeto do profissional da informação e que a prova é um constructo produzido a partir dos indícios e evidências, podemos partir para o estudo da relação entre a evidência e os arquivos em um contexto digital.

Os arquivos digitais e o modelo de evidência da informação

25Em se tratando dos arquivos, estes têm na organicidade uma de suas principais características e neste ambiente orgânico - a relação natural entre o produtor da informação, as atividades que executa e a informação produzida - é que estudaremos a evidência. Também delimitaremos o estudo nos suportes digitais, apesar da evidência poder ser produzida e comunicada em diversos suportes.

  • 34 LÓPEZ YEPES, 2004: 1-89.
  • 35 DICIONÁRIO ELETRÔNICO DE TERMINOLOGIA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 2007.
  • 36 RIBEIRO, 2001.

26Segundo o Dicionário Eletrônico de Terminologia em Ciência da Informação (DELTCi), o arquivo digital pode ser “considerado sinónimo de documento electrónico de arquivo34, ou seja, aquele que é gerado, transferido, armazenado e comunicado através de um meio electrónico e que se materializa como consequência de um determinado processo administrativo sujeito às normas jurídicas em vigor [...]”35. Devemos compreender estes arquivos digitais também como sistemas de informação e desta forma pertencentes à era pós-custodial36.

  • 37 ROCKEMBACH, 2012, 2013.
  • 38 SILVA, 2006.

27No que tange o modelo de evidência da informação, fundamentamos nossa perspectiva já levantada em estudos anteriormente publicados37 e que, a partir de considerações de Silva38, considera seis elementos na concepção da evidência da informação:

    • 39 SILVA, 2006.
    • 40 SILVA, 2006, p. 165.

    Tipo informacional: compreende três elementos, a informação produzida no cérebro humano, a codificação desta informação em signos e a posterior estruturação deste código ou, nas palavras de Silva39 , uma “unidade de sentido (representações mentais e emocionais) formatada ou tecida por um código (palavras, imagens, números, notação musical, etc.) e por um nexo lógico ou estético (a estruturação especifica deste código)”40. Aqui importa também manter a vigilância crítica, ponto necessário para colaborar com uma evidência que produza boa qualidade informacional e sustente a crítica às fontes de informação.

    • 41 SILVA, 2006, p. 163.

    Situação: Está relacionado com a historicidade da informação e sua delimitação no tempo, Silva cita que a situação “[...] identifica o estado circunstancial, temporário, de duração mais ou menos reduzida e contínua, que dá historicidade à acção informacional propriamente dita [...]”41. Acrescentamos que com o estudo da situação e contexto da produção da informação é possível entender as intencionalidades e necessidades deste produtor, localizando-as no tempo e espaço.

    • 42 SILVA, 2006.

    Contexto orgânico: trata-se da infraestrutura (material, tecnológica e simbólica) necessária para que aconteça todo o ciclo da informação - sua produção, usos e fluxos42.

    • 43 MORFAUX, LEFRANC, 2005, p. 390.
    • 44 SILVA, 2006, p. 154.

    Memória orgânica: segundo Mourfaux e Lefranc a memória é a “relação do homem com o seu passado e consciência que ele toma disso”43. Silva nos traz a noção de que a memória orgânica “engloba a pessoal e a institucional e consiste na capacidade de acumular informação em condições de uso imediato”44.

    • 45 SILVA, 2006, p. 156.

    Necessidade: esta necessidade está relacionada à informação e corresponde ao entendimento de porquê e como o usuário busca a informação, o que o leva a esta busca e quais caminhos realiza. Silva exemplifica, ao tratar especificamente de comportamento informacional, que esta necessidade “corresponda a um vector (constituído por um ou vários impulsos de ordem diversa) que predispõe ou orienta directamente um individuo a buscar e a (re)produzir Informação em determinada situação dentro de um determinado contexto tendo como pano de fundo um meio ambiente”45.

    • 46 LE COADIC, 2004.
    • 47 SILVA, 2006, p. 151.
    • 48 SILVA, 2006, p. 151.

    Interatividade: A interação tecnológica é aquela que acontece entre pessoa-computador ou pessoa-computador-pessoa46. Segundo Silva, é um “neologismo utilizado para designar o grau de interacção entre o utilizador e o sistema informático”47. Neste elemento também observamos conceitos como os de “usabilidade, participação, partilha e intencionalidade mais ou menos orgânica”48.

28Níveis de evidência serão alcançados em maior ou menor grau na medida que forem identificados estes seis elementos na informação. Tendo isto em vista, nos perguntamos: como os Arquivistas podem trazer qualidade na gestão desta informação?

  • 49 ROCKEMBACH, 2012, p. 86.

29Esta gestão dependerá da análise da produção, usos, fluxos e recuperação da informação. A análise da evidência acontece predominantemente na gênese da produção informacional, que por sua vez gerará estoques informacionais mais relevantes para o usuário. Rockembach49 indica quais são os pontos que podem contribuir para melhorar os níveis de evidência da informação:

  • Vigilância epistêmica contínua, tanto pelos mediadores (profissionais da informação) quanto dos usuários/utilizadores;

  • Análise das fontes informacionais;

  • Interatividade que favoreça acrescentar e melhorar a qualidade da informação;

  • Verificar como a informação é apresentada, seu contexto e sua historicidade;

  • Verificar como as informações são organizadas e recuperadas.

  • 50 RIBEIRO, 2010.
  • 51 RIBEIRO, 2010.

30A qualidade da informação produzida e recuperada enquanto evidência depende da observância destes elementos e da atuação mediadora do Arquivista, uma mediação mais ativa do que passiva50, que é necessária com o aparecimento de novas plataformas digitais, produtoras de informação orgânica. Ribeiro51 coloca as seguintes perguntas:

  • 52 RIBEIRO, 2010, p. 69.

No quadro do novo paradigma emergente, que apelidamos de pós-custodial, científico e informacional, e perante estas novas lógicas de mediação e este novo tipo de mediadores, qual o papel do profissional formado em CI na construção da sociedade em rede? Será que continua confinado ao domínio de umas quantas especificidades técnicas e normativas, aplicadas à organização e representação da informação, com a finalidade de proporcionar o acesso? Onde cabe o seu anterior papel de guardião da memória informacional, como factor de identidade de um povo? Onde reside a sua função mediadora e a que âmbito se circunscreve?52

31São perguntas complexas, que veremos respondidas ou na tentativa de resposta, nesta transição de paradigmas, elaboração de novas teorias ou suas adaptações aos novos tempos e no delineamento de novas pesquisas científicas na área da informação.

Considerações finais

32Novos desafios surgem para o profissional da informação, em nossa análise específica o profissional Arquivista, que tem que atender demandas em uma mediação ativa entre os acervos e os usuários. A análise da evidência e seus elementos (tipo informacional, situação, contexto orgânico, memória orgânica, necessidade e interatividade) vêm para contribuir na qualidade dos serviços prestados por estes profissionais.

33Não pretendendo esgotar o assunto, mas fomentá-lo a partir de anáĺises conceituais e teórico-práticas, vemos que a questão da evidência da informação merece maiores investigações, pois torna-se fundamental em um mundo onde as tecnologias e a complexidade estão sempre presentes.

34Os arquivos, instituições seculares que abrigam informações orgânicas nos mais diversos suportes, e os arquivistas, profissionais que realizam o tratamento destas informações visando o acesso e disponibilização, transformam-se juntamente com a sociedade em que estão inseridos. É necessária a apreensão destas mudanças, das novas configurações que darão outros direcionamentos para atuação dos arquivistas, em instituições mais complexas, tecnológicas e com um material informacional cada vez mais diversificado e dinâmico.

Bibliographie

ASSOCIATED PRESS. SMS servirá de prova em divórcios na França. Folha de São Paulo. São Paulo, SP. 25 ago. 2009. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft2508200910.htm> Acesso em 17 ago 2014

DELMAS, Bruno. Arquivos para quê? Textos escolhidos. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso, 2010.

DICIONÁRIO ELETRÔNICO DE TERMINOLOGIA EM CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO – DELTCI. Disponível em <http://www.ccje.ufes.br/arquivologia/deltci/> Acesso em 20 ago 2014.

BARAN, Katia. Redes sociais: um novo meio de prova? Gazeta do Povo. Londrina, PR. 29 mar. 2013. Disponível em <http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/justica-direito/conteudo.phtml?id=1357759>. Acesso em 05 ago. 2014

BERTALANFFY, Ludwig Von. Teoria geral dos sistemas. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1977.

BRASIL, Ângela Bittencourt. O e-mail e a prova judicial. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, II, n. 5, maio 2001. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=5808>. Acesso em 09 ago. 2014.

BRASIL. Lei 5.869, de 11 de Janeiro de 1973. Institui o Código de Processo Civil. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5869.htm>. Acesso em 02 ago. 2014

BRASIL. Medida Provisória n. 2.200-2, de 24 de agosto de 2001. Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, transforma o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação em autarquia, e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/Antigas_2001/2200-2.htm>. Acesso em 20 ago. 2014

BRITO, Ana. Documento pouco conhecido pode ser usado como prova na Justiça. Jornal Hoje. São Paulo, SP. 14 mai. 2011 Disponível em <http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2011/05/documento-pouco-conhecido-pode-ser-usado-como-prova-na-justica.html> Acesso em 10 ago. 2014

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em rede. Volume I. 8a edição. Tradução de Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

FLORIDI, Luciano. Information: A very short introduction. New York: Oxford University Press. 2010.

GIL, Fernando. Acentos. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2005.

GIL, Fernando. Modos da evidência. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1998.

GIL, Fernando. Provas. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1988.

GIL, Fernando. Tratado da evidência. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1996.

GINZBURG, Carlo. “Chaves do mistério: Morelli, Freud e Sherlock Holmes.” ECO, Umberto (Org.) SEBEOK, Thomas O Signo de Três. São Paulo: Perspectiva. p. 90- 129, 1991.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e historia. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

KUHN, Thomas Samuel. A estrutura das revoluções científicas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1996.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Tradução Bernardo Leitão. 2° Ed. Campinas: UNICAMP, 1992

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand, 2005.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

POPPER, Karl R. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Ed. Cultrix, 1972

RIBEIRO, Fernanda. “Os arquivos na era pós-custodial: reflexões sobre a mudança que urge operar.” Faculdade de Letras da Universidade do Porto. (2001) <http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/artigo10091.pdf > Acesso em 11 ago. 2014.

RIBEIRO, Fernanda. Da mediação passiva à mediação pós-custodial: o papel da ciência da informação na sociedade em rede. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.20, n.1, p. 63-70, jan./abr. 2010. Disponível em <www.brapci.ufpr.br/download.php?dd0=11415> Acesso em 19 ago. 2014

ROCKEMBACH, Moisés. Modelo de evidência da informação em plataformas digitais : estudo exploratório no âmbito da ciência da informação. Tese de Doutoramento (2012). Universidade do Porto e Universidade de Aveiro. Porto. Disponível em <http://hdl.handle.net/10216/67266> Acesso em 02 ago. 2014

ROCKEMBACH, Moisés. Evidência da Informação em plataformas digitais: da reflexão teórica à construção de um modelo. Informação Arquivística, Rio de Janeiro, RJ, v. 2, n. 1, p. 89-109, jan./jun., 2013. Disponível em <<http://www.aaerj.org.br/ojs/index.php/informacaoarquivistica/article/view/18>. Acesso em 05 ago. 2014

SILVA, Armando Malheiro da. A informação: da compreensão do fenómeno e construção do objecto científico. Porto, Portugal: Ed. Afrontamento, 2006.

ZANAGA, Mariângela Pisoni, LIESENBERG, Hans Kurt Edmund. Autoria e compartilhamento social: a criação de conteúdos na internet. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação. v.9 n.1. (2008). Disponível em < http://www.dgz.org.br/fev08/F_I_art.htm>. Acesso em 20 ago. 2014.

Notes

1 GIL, 1988, 1996, 1998 e 2005.

2 GINZBURG, 1989, 1991.

3 GIL, 1988.

4 SILVA, 2006.

5 MORIN, 1990.

6 CASTELLS, 2005.

7 KUHN, 1996.

8 DICIONÁRIO ELETRÔNICO DE TERMINOLOGIA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 2007.

9 LE GOFF, 1992.

10 MORIN, 1990.

11 CASTELLS, 2005.

12 BERTALANFFY, 1977.

13 CASTELLS, 2005.

14 DICIONÁRIO ELETRÔNICO DE TERMINOLOGIA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 2007.

15 GINZBURG, 1989, 1991.

16 GINZBURG, 1989.

17 BRASIL, 1973.

18 GIL, 1996.

19 GIL, 1996, p. 41.

20 GIL, 1996, 1998 e 2005.

21 GIL, 1996, p. 11.

22 DELMAS, 2010, p. 21.

23 BRASIL, 2001.

24 ASSOCIATED PRESS, 2009.

25 BARAN, 2013.

26 BRASIL, A., 2001.

27 BRASIL, 1973.

28 BRITO, 2011.

29 GIL, 1988.

30 GIL, 1988, p. 35.

31 ZANAGA, LIESENBERG, 2008.

32 FLORIDI, 2010.

33 POPPER, 1972.

34 LÓPEZ YEPES, 2004: 1-89.

35 DICIONÁRIO ELETRÔNICO DE TERMINOLOGIA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 2007.

36 RIBEIRO, 2001.

37 ROCKEMBACH, 2012, 2013.

38 SILVA, 2006.

39 SILVA, 2006.

40 SILVA, 2006, p. 165.

41 SILVA, 2006, p. 163.

42 SILVA, 2006.

43 MORFAUX, LEFRANC, 2005, p. 390.

44 SILVA, 2006, p. 154.

45 SILVA, 2006, p. 156.

46 LE COADIC, 2004.

47 SILVA, 2006, p. 151.

48 SILVA, 2006, p. 151.

49 ROCKEMBACH, 2012, p. 86.

50 RIBEIRO, 2010.

51 RIBEIRO, 2010.

52 RIBEIRO, 2010, p. 69.

Auteur

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

© Publicações do Cidehus, 2017

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search