Version classiqueVersion mobile

Da produção à preservação informacional: desafios e oportunidades

 | 
Nelson Vaquinhas
, 
Marisa Caixas
, 
Helena Vinagre

Parte II - Gestão da Informação no século XXI

A preservação da memória arquivística da Administração Pública Federal no Brasil

José Mauro Gouveia de Medeiros et Eliane Braga de Oliveira

Résumé

A pesquisa identifica os atores sociais de memória nos órgãos da administração direta sediados em Brasília e analisa o papel dos sistemas de informações gerenciais dos órgãos públicos brasileiros no que tange à preservação da memória das ações do Estado. Estabeleceu-se, como amostra, o conjunto de vinte e quatro ministérios da administração pública federal. Verificou-se que os órgãos setoriais e seccionais do SIGA são os responsáveis pelas atividades relativas à preservação da memória documental. Em geral, estas unidades são os arquivos gerais, os protocolos ou as coordenações de documentação. Foi possível observar que as ações voltadas para a preservação da memória documental estão fortemente vinculadas ao funcionamento de um programa de gestão de documentos, operacionalizado pelas unidades de arquivo. Essas ações não estão associadas a uma política institucional de preservação da memória, mas sim à necessidade de atender à legislação arquivística brasileira

Note de l’auteur

Trabalho resultante de projeto de iniciação científica, integrante do Programa de Iniciação Científica da Universidade de Brasília (ProIC), desenvolvido, de modo voluntário, entre 01/08/2011 e 31/07/2012

Texte intégral

1. Introdução

1As limitações da memória humana levaram o homem a buscar em recursos externos, as chamadas memórias artificiais, uma forma de superação para o esquecimento. Para isso, foi preciso conceber um sistema de utilização de signos por meio dos quais as ideias eram fixadas em um suporte físico, o que deu origem à escrita. Feito inicialmente em placas de argila ou de cera, os registros de memória passaram a ser produzidos nos mais diversos suportes, graças à evolução científica e tecnológica que permitiu ao homem registrar não apenas signos, mas também sons, imagens e imagens em movimento.

2A necessidade de possibilitar o acesso a esses registros no decorrer do tempo levou à criação das chamadas instituições de memória responsáveis por preservar os registros do conhecimento humano nas suas mais diversas formas de materialização: arquivos, bibliotecas e museus. Da mesma forma, o desenvolvimento e a sistematização de determinadas práticas utilizadas para a conservação e o acesso a esses registros deram origem a novos campos do saber: Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia. Essas disciplinas estabelecem diretrizes e parâmetros para as práticas profissionais relacionadas aos registros de memória - no caso, os documentos - e reconhecem a função social desempenhada por seus profissionais na sua preservação e divulgação.

  • 1 COOK, T.; SCHWARTZ, J. M. – Arquivos, documentos e poder: a construção da memória moderna.

3Na Arquivística, a associação entre memória e arquivos é frequente, embora a concepção de memória com a qual se trabalha, em geral, não seja explicitada no conhecimento arquivístico sistematizado. A questão da memória está sempre subentendida, como que implícita na própria razão de ser dos arquivos. Ressalta-se aqui o papel dos arquivos na construção da memória, como mostram Cook e Schwartz1:

Os arquivos – como registros – exercem poder sobre a construção do conhecimento histórico, da memória coletiva, e da identidade nacional, sobre como nós nos conhecemos como indivíduos, grupos e sociedades.

  • 2 COOK, T.; SCHWARTZ, J. M. – cit. 2, p. 15.

4Cook e Schwartz2 também ressaltam a responsabilidade do arquivista na formação da memória social:

Os arquivistas – como gestores de arquivos – detêm o poder sobre os próprios documentos essenciais à formação da memória e da identidade, por meio da gestão ativa dos registros antes deles se tornarem arquivos, de sua avaliação e seleção como arquivos e, posteriormente, de sua descrição, preservação e uso em permanente evolução enquanto fonte histórica.

  • 3 HALBWACHS, M. – A memória coletiva.
  • 4 POLLAK, M. – Memória, Esquecimento, Silêncio.
  • 5 POLLAK, M. – cit. 5.

5Com base no pensamento do sociólogo Maurice Halbwachs3, Pollak4 observa-se que as funções primordiais da memória são “manter a coesão interna e defender as fronteiras daquilo que um grupo tem em comum”. No entanto, como ressalta Pollak5, por mais sólido que seja um grupo social ou uma instituição, sua perenidade não é garantida. É preciso, então, que sua memória seja preservada em discursos e registros materiais, que se transformam em referências de caráter cultural, literário ou religioso.

  • 6 NORA, P. – Entre memória e história: A problemática dos lugares de memória.
  • 7 NORA, P. – cit. 7, p. 7.

6O desenvolvimento social, no entanto, traz alguns fatores que dificultam a memória coletiva. Nas sociedades tradicionais, a memória estava incorporada ao cotidiano através da tradição e dos costumes. No mundo moderno, ela precisa ser incorporada a lugares socialmente instituídos para ser produzida e reproduzida. Nesse sentido, Pierre Nora6 apresenta o conceito de “lugares da memória” como uma estratégia, inventada pelas sociedades contemporâneas, para o problema da perda de identidade dos grupos sociais e da ausência de rituais mnemônicos: “[...] há locais de memória porque não há mais meios de memória”7.

  • 8 RODES, J.-M.; PIEJUT, G.; PLAS, E. – La mémoire de la société de l’information.

7Na sociedade contemporânea, a desmaterialização da informação, sua desterritorialização e as mudanças nas formas de armazenagem e de apropriação decorrentes do uso das tecnologias de informação e comunicação criam uma situação paradoxal. Se por um lado facilitam o acesso à informação, por outro, trazem novos desafios relativos à organização e à preservação documental, exigindo dos estudiosos e dos atores sociais envolvidos com essa temática, respostas a novos problemas relativos à gestão da informação e dos acervos documentais8.

  • 9 ROBREDO, J. – Organização dos documentos ou organização da informação: uma questão de escolha.

8Nesse contexto, a característica interdisciplinar da Ciência da Informação pode ser bastante frutífera na busca de soluções, caso haja boa interlocução entre os profissionais da informação de diferentes perfis. No entanto, Robredo9 alerta para a existência de especialistas que conhecem em profundidade apenas uma parcela do ciclo documentário, o que pode originar resultados ineficazes ou até mesmo desastrosos para a gestão da informação.

9Como exemplo dessa fragmentação, é possível observar que, nos últimos anos, algumas instituições da administração pública federal têm despertado para a importância da informação como recurso estratégico. O discurso da chamada sociedade da informação, ao destacar a importância da inteligência organizacional e da gestão do conhecimento, encontra eco em alguns gerentes que, apesar disso, não percebem os arquivos como parte integrante dos sistemas de informações gerenciais. Isso pode fazer com que no âmbito do poder público, esses sistemas, melhor estruturados do que os arquivos, tenham condições de atuar também no sentido da preservação da memória, desde que essa preocupação seja contemplada em sua concepção e objetivos.

10Assim sendo, parece pertinente o desenvolvimento de uma pesquisa que, tendo como campo empírico as instituições públicas, busque compreender o papel dos sistemas de informações gerenciais dos órgãos públicos brasileiros, no que tange à preservação da memória das ações do Estado.

2. A pesquisa

11Foi desenvolvida uma pesquisa exploratória que visou identificar a concepção de memória que permeia as políticas de informação e a gestão da informação nos órgãos da Administração Pública Federal (APF) sediados em Brasília, campo empírico deste trabalho. Tentou-se responder ao seguinte problema: os sistemas de informações gerenciais dos órgãos públicos brasileiros contemplam, em sua concepção e finalidades, a preservação da memória das ações do Estado? No primeiro momento, adotou-se, como procedimento, a pesquisa documental. A análise de conteúdo foi utilizada como método no estudo dos documentos normativos. No segundo momento, procedeu-se à coleta de dados por meio de questionário aplicado em visitas aos órgãos selecionados, identificados como órgãos setoriais do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo e do Sistema de Administração de Recursos de Informação e Informática.

2.1. Os sistemas de gestão da Administração Pública Federal

12Dentre os sistemas estruturadores da Administração Pública Federal brasileira, três sistemas de gestão se ocupam com a informação, quais sejam: Sistema de Gestão de Documentos de Arquivos - SIGA, Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação - SISP e o Sistema de Serviços Gerais - SISG, sendo que apenas o SIGA contempla, em seu texto, a preservação da memória das ações do Estado, no âmbito dos órgãos da APF.

13O Decreto Nº 1.094, de 23 de março de 1994, que dispõe sobre o SISG, inclui, entre as atividades de administração, as comunicações administrativas e a documentação, para as quais determina regras referentes à expedição, supervisão e coordenação da execução de normas disciplinares sem, no entanto, citar critérios arquivísticos de gestão de documentos, preocupando-se apenas com regras de caráter administrativo.

14O Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação – SISP, regulamentado pelo Decreto Nº 7.579, de 11 de outubro de 2011, é o mais recente dos sistemas. Cabe ao SISP o planejamento, a coordenação, a organização, a operação, o controle e a supervisão dos recursos de tecnologia da informação dos órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, assim como seu intercâmbio com os demais sistemas utilizados na gestão da informação pública federal. Entre suas finalidades destacam-se a promoção do acesso descomplicado na obtenção de informações aos interessados e o estímulo ao desenvolvimento de padronizações e normatizações dos serviços de produção e disseminação de informações, de forma desconcentrada e descentralizada. Cabe ao Órgão Central do SISP estabelecer medidas de cooperação entre os órgãos e entidades que o compõe. Há uma preocupação com o intercâmbio de políticas, planejamento, planos, diretrizes, ações prospectivas, qualificação de pessoal, o que revela o interesse do SISP em aglutinar esforços em busca de um objetivo comum, qual seja, sistematizar processos na unificação de mecanismos de controle na produção e no acesso aos recursos informacionais. Não há, no entanto, referências às questões relativas à preservação das informações registradas.

15Já o Decreto Nº 4.915, de 12 de dezembro de 2003, ao dispor sobre o SIGA, estabelece, como sua responsabilidade, integrar e coordenar as atividades de gestão de documentos desenvolvidas pelos órgãos e entidades da APF. No artigo 2º são elencadas as finalidades do SIGA, dentre as quais se destacam os incisos I e VI, referindo-se à garantia do acesso, ao cidadão e aos órgãos e entidades da APF, aos documentos de arquivos e às informações neles contidas, bem como a preservação do patrimônio documental arquivístico da administração pública. Em seu artigo 5º são estabelecidas as competências dos órgãos setoriais. Destaca-se o inciso II que se refere à implementação e acompanhamento das rotinas de trabalho visando promover uma padronização dos procedimentos técnicos relativos às várias atividades, dentre elas a preservação de documentos de arquivo. O artigo 10 ratifica essa preocupação ao propor que seja instituído um sistema de informações destinado à operacionalização do SIGA, que terá a finalidade de integrar os serviços arquivísticos dos órgãos e entidades da APF.

16Cabe destacar, também, o artigo 10 do Decreto nº 4.073, de 03 de janeiro de 2002, que regulamenta a Lei nº 8.159, de 08 de janeiro de 1991: o Sistema Nacional de Arquivos - SINAR tem por finalidade implementar a política nacional de arquivos públicos e privados, visando à gestão, à preservação e ao acesso aos documentos de arquivo. O SINAR é composto pelo Arquivo Nacional, pelos arquivos do Poder Executivo Federal, do Poder Legislativo Federal, do Poder Judiciário Federal e pelos arquivos estaduais dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Dentre outras atribuições, cabe aos integrantes do SINAR garantir a guarda e o acesso aos documentos de valor permanente.

2.2. A estrutura da Administração Pública Direta

17O Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967, dispõe sobre a organização da Administração Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Segundo seu Art. 4º, inciso I, a Administração Federal compreende a Administração Direta, que se constitui dos serviços integrados na estrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios.

18A estrutura da Presidência da República10 é composta por: Órgãos Essenciais, Órgãos de Consulta, Órgãos Vinculados, Órgãos de Assessoramento Imediato, Conselhos, Órgãos Integrantes e Ministérios11.

19Tendo em vista as limitações de tempo para a realização da pesquisa, foi estabelecido, como amostra, o conjunto de vinte e quatro ministérios da Administração Pública Federal, a saber: Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Ciência, Tecnologia e Inovação; Cultura; Defesa; Educação; Fazenda; Integração Nacional; Justiça; Pesca e Aquicultura; Previdência Social; Saúde; Cidades; Comunicações; Relações Exteriores; Minas e Energia; Desenvolvimento Agrário; Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; Esporte; Meio Ambiente; Planejamento Orçamento e Gestão; Trabalho e Emprego; Turismo; e Transportes.

20Definidos os órgãos que seriam analisados, partiu-se para a identificação das unidades administrativas e dos profissionais responsáveis pela gestão e preservação de documentos, bem como das políticas e instrumentos normativos relacionados à memória na esfera federal. Verificou-se que essas unidades recebiam nomes distintos: arquivos gerais, protocolos ou coordenações de documentação e informação.

21A falta de informações sobre as estruturas administrativas dos órgãos em seus respectivos sites dificultou a obtenção dos dados. Foi necessário contato através de correio eletrônico e de formulários virtuais. Posteriormente, recorreu-se ao Serviço de Informação ao Cidadão (SIC), instituído pela Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, a chamada Lei de Acesso à Informação.

22A partir dos dados obtidos foi gerada uma planilha na qual foram registradas informações sobre os ministérios, as unidades administrativas, seus responsáveis e dados para contatos, tais como: endereço, e-mails e telefones. Isso agilizou o contato com os detentores das informações relevantes ao desenvolvimento da pesquisa.

23Em seguida, fez-se o levantamento de instrumentos normativos e legais como decretos, regimentos internos, normas, portarias e organogramas, com vistas ao conhecimento da estrutura administrativa e competências das coordenações e/ou divisões às quais os serviços de arquivo, biblioteca e informação estão subordinados.

24Por fim, foram realizadas entrevistas nos ministérios, com agendamento prévio, através de e-mail e de telefonema. Após explicações sobre o propósito da visita, procedia-se à aplicação do questionário. Uma vez concluída a fase das visitas, foi feito o cotejamento das informações obtidas nas entrevistas com aquelas obtidas nos sites, no que se referia à estrutura e competências. Os dados coletados nos questionários foram tabulados e, em seguida, analisados.

2.3. Os resultados

25Os questionários foram aplicados entre abril e junho de 2012. Após a aplicação de um pré-teste, foram alterados alguns pontos que dificultavam o entendimento por parte dos entrevistados.

26Os resultados obtidos serão apresentados a seguir, obedecendo à ordem dos itens no questionário aplicado:

2.3.1.Atividades

27Ao questionarmos sobre as atividades desenvolvidas pela unidade visando à preservação dos acervos, desde a produção até a destinação final dos acervos, obtivemos diversas respostas que agrupamos conforme registrado na Figura 1. Foram citadas diversas atividades, que visam, em última instância, a preservação da documentação sob a guarda das unidades visitadas. É importante ressaltar que embora existam ações diretamente relacionadas à preservação da memória, tais como higienização, climatização e acondicionamento, não foram identificadas políticas de preservação. Entre as ações citadas, destaca-se a assistência técnica aos setores, o que revela um cuidado na conscientização sobre o uso de técnicas arquivísticas. Essa atividade refere-se à presença de funcionário da unidade central - em geral, o arquivo central ou a coordenação de documentação – nos arquivos setoriais, para dirimir dúvidas e orientar a operacionalização das tarefas.

28O recolhimento, que, no caso, consiste na transferência dos documentos para o Arquivo Nacional brasileiro, também foi citado como medida de preservação, o que pode indicar que as unidades não dispõem da estrutura física necessária à preservação de seus acervos.

Fig. 1 - Atividades desenvolvidas visando à preservação dos acervos

Fig. 1 - Atividades desenvolvidas visando à preservação dos acervos

Fonte: elaboração própria

29A presença constante da capacitação reflete um cuidado com o aperfeiçoamento dos profissionais que lidam com a documentação. A aquisição de mobiliário e materiais adequados é outro reflexo da preocupação dos gestores em manter, em seus espaços de trabalho, os equipamentos de armazenagem recomendados na literatura arquivística.

2.3.4.Ocorrência de sinistro

30Quando perguntado se a unidade já sofreu algum sinistro que tenha afetado o acervo, obtivemos 8 respostas afirmativas e 16 negativas. Esse dado expõe as consequências do descuido com relação à proteção do acervo, muitas vezes armazenado em condições inadequadas e sem preocupações com a ação do tempo. Infiltrações, enchentes, incêndios e curtos circuitos podem afetar a documentação de forma irreversível. Algumas das unidades visitadas revelaram que não existem planos para evitar sinistros. Foi identificada a existência de documentos afetados por enchentes, por exemplo, sem condições de recuperação. Alguns acervos estão localizados em área de risco de sinistros, sem perspectivas de transferência para locais mais seguros.

2.3.3.Política de preservação

31Questionadas sobre a existência de uma política do órgão para a preservação da memória, 5 unidades responderam “sim” e 19 responderam “não”. Dentro do que se entende por “sim” incluem-se: comitê de segurança da informação, comissão permanente de avaliação documental, projetos em andamento com vistas à implementação de gestão da informação, normas e participação no SIGA. O “não” não significa a ausência total de iniciativas, apenas a inexistência de instrumentos normativos específicos, já que as unidades que responderam negativamente informaram seguir as recomendações do Arquivo Nacional e possuírem normas para Gestão Eletrônica de Documentos e para transferências de acervo. A ausência de políticas arquivísticas dificulta a operacionalização de atividades, justamente pela falta de instrumentos normativos e regulatórios que estabeleceriam trâmites adequados.

2.3.4.Instrumento legal

32Para se entender melhor o funcionamento dos ministérios, foi necessário conhecer a sua estrutura administrativa. Para tanto, perguntou-se aos entrevistados qual o instrumento legal que atribuía, às unidades, as competências de preservação da memória. As respostas dividiram-se entre portarias e decretos. Enquanto as portarias aprovam os regimentos internos, os decretos estabelecem a estrutura regimental e o quadro demonstrativo dos cargos em comissão e funções gratificadas. Alguns afirmaram não haver nenhum instrumento, outros informaram que a unidade visitada não constava na estrutura ministerial.

2.3.5.Relatórios/diagnósticos

33Questionadas sobre a existência de relatórios e/ou diagnósticos que registrem as ações desenvolvidas, obtivemos 7 respostas negativas e 17 afirmativas. Tais registros são os relatórios de atividade das unidades administrativas, com periodicidade mensal, trimestral e anual.

2.3.6.Quadro de profissionais

34É importante que o trabalho nos arquivos seja realizado por equipe multidisciplinar, cada qual dando sua contribuição, de acordo com sua área de formação. Essa foi uma das questões: saber a área de formação das pessoas que trabalham nas unidades visitadas. O resultado registrado na Figura 2 demonstra a predominância de agentes administrativos e uma considerável quantidade de arquivistas. Os agentes administrativos possuem níveis de escolaridade distintos: alguns possuem apenas o nível médio e outros o nível superior, em diversas áreas de formação. Algumas unidades não possuem arquivistas em seu quadro de pessoal.

Fig. 2 - Profissionais envolvidos nas tarefas arquivísticas

Fig. 2 - Profissionais envolvidos nas tarefas arquivísticas

Fonte: elaboração própria

35Com relação aos funcionários das unidades visitadas foi identificada, como elemento motivador, a homenagem a aqueles que se destacaram nos serviços prestados, com a entrega de placas e medalhas de honra ao mérito.

36Também foi observada a necessidade de maior número de profissionais. Os que atuam nas unidades estão em número inferior em relação à demanda que o fluxo de produção documental necessita. Muitos arquivistas são designados para outras funções dentro do órgão. Poucos assumem cargo de chefia ou de direção de arquivos.

2.3.7 Usuários

37Uma finalidade do serviço de arquivo é atender às demandas de informação de seus usuários. A questão final consistia em saber qual o perfil dos usuários das unidades visitadas. O usuário interno, que são as diversas unidades administrativas do próprio órgão, foi a maioria obtida nas respostas. Em menor número de resposta, houve a informação de que, entre os usuários externos, estão pesquisadores (universitários e pós-graduandos), estudantes de nível médio, historiadores, secretarias, consultas administrativas, servidores militares e civis e cidadãos. Cabe ressaltar que as secretarias e as consultas administrativas referem-se a pedidos de informação de outros órgãos públicos.

Fig. 3 - Perfil dos usuários

Fig. 3 - Perfil dos usuários

Fonte: elaboração própria

3. Considerações finais

38A pesquisa identificou o Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo – SIGA como responsável pela preservação dos acervos documentais, de acordo com o Decreto n° 4.915, de 12 de dezembro de 2003. A partir da análise das normas que estabelecem as competências das unidades administrativas, foi possível verificar que os órgãos setoriais e seccionais do SIGA são os responsáveis pelas atividades relativas à preservação da memória documental dos ministérios componentes da amostra. Em geral, estas unidades administrativas, sistematicamente ligadas ao SIGA, são denominadas arquivos gerais, protocolos ou coordenações de documentação e informação. Apesar das diferenças na denominação, essas unidades são as responsáveis pela gestão e preservação de documentos de arquivo nos órgãos visitados.

39Conforme o entendimento dos entrevistados, as ações empreendidas com vistas à preservação dos acervos são: higienização dos acervos e dos depósitos, adequação do material usado para acondicionamento e a utilização dos instrumentos técnicos preconizados pela gestão de documentos de arquivos, tais como, tabela de temporalidade e treinamento de funcionários.

40A partir das informações obtidas nos documentos normativos e nas entrevistas, foi possível observar que as ações voltadas para a preservação da memória documental nos órgãos da APF estão fortemente vinculadas ao funcionamento de um programa de gestão de documentos, operacionalizado pelas unidades de arquivo. Em geral, essas ações não estão vinculadas a uma política institucional de preservação da memória, mas à necessidade de atender à legislação arquivística brasileira, que estabelece a gestão de documentos como dever do Estado.

41Constatou-se que, de forma geral, não há uma preocupação com a guarda física do acervo em locais adequados e ao abrigo de sinistros, nem tampouco com o monitoramento do estado de conservação do acervo, o que aumenta o risco de perda de documentação, com o passar do tempo.

42Alguns instrumentos normativos dos ministérios citam a política de preservação da memória técnica e histórica, embora essa política não exista, de fato, em todos os órgãos.

43Em algumas unidades foram citadas ações pontuais de resgate da memória institucional, com a publicação de livros e relatórios institucionais elaborados a partir das informações contidas no acervo.

44Foi possível concluir, portanto, que, atualmente, o agente de memória mais relevante no que se refere à preservação dos registros das ações do Estado brasileiro é o Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo (SIGA), através de seus órgãos setoriais e seccionais, ao organizar, integrar e coordenar as atividades de gestão de documentos no âmbito dos órgãos e entidades da administração pública federal.

Bibliographie

ALBERCH FUGUERAS, R. Los archivos, entre la memória histórica y la sociedade del conocimiento. 1.ª ed. Barcelona: Editorial UOC, 2003. ISBN 84-8318-774-4

COOK, Terry; SCHWARTZ, Joan M. – Arquivos, documentos e poder: a construção da memória moderna. Registro. Indaiatuba. ISSN 1678-9784. 3:3 (2004) 18-33.

HALBWACHS, Maurice – A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

NORA, Pierre – Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo: PUC. ISSN 0102-4442. 10 (1993) 7-28.

OLIVEIRA, Eliane B.; RODRIGUES, Georgete M. – As concepções de memória na ciência da informação no Brasil: estudo preliminar sobre a ocorrência do tema na produção científica. Ponto de Acesso. Salvador: UFBA. ISSN 1981-6766. 3:3 (2009) 216-239.

POLLAK, Michael – Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos históricos. Rio de Janeiro: FGV. ISSN 0103-2186. 2:3 (1989) 3-15.

ROBREDO, Jaime – Organização dos documentos ou organização da informação: uma questão de escolha. DataGramaZero. Rio de Janeiro. ISSN 1517-3801. 5:1 (2004).

RODES, Jean-Michel; PIEJUT, Geneviève; PLAS, Emmanuèle – La mémoire de la société de l´information. Paris: UNESCO, 2003.

Notes

1 COOK, T.; SCHWARTZ, J. M. – Arquivos, documentos e poder: a construção da memória moderna.

2 COOK, T.; SCHWARTZ, J. M. – cit. 2, p. 15.

3 HALBWACHS, M. – A memória coletiva.

4 POLLAK, M. – Memória, Esquecimento, Silêncio.

5 POLLAK, M. – cit. 5.

6 NORA, P. – Entre memória e história: A problemática dos lugares de memória.

7 NORA, P. – cit. 7, p. 7.

8 RODES, J.-M.; PIEJUT, G.; PLAS, E. – La mémoire de la société de l’information.

9 ROBREDO, J. – Organização dos documentos ou organização da informação: uma questão de escolha.

10 Conforme disponível no site do Planalto, link http://www2.planalto.gov.br/presidencia/estrutura-da-presidencia/estrutura-da-presidencia [acesso em 9 de setembro de 2011].

11 Conforme site do Planalto no link http://www2.planalto.gov.br/presidencia/ministros/ministerios [acesso em 9 de setembro de 2011].

Table des illustrations

Titre Fig. 1 - Atividades desenvolvidas visando à preservação dos acervos
Crédits Fonte: elaboração própria
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2728/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Fig. 2 - Profissionais envolvidos nas tarefas arquivísticas
Crédits Fonte: elaboração própria
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2728/img-2.png
Fichier image/png, 10k
Titre Fig. 3 - Perfil dos usuários
Crédits Fonte: elaboração própria
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2728/img-3.png
Fichier image/png, 11k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2728/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 115k

Auteurs

Mestre em Ciência da Informação pelo PPGCInf da UnB

Universidade de Brasília

© Publicações do Cidehus, 2017

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search