Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida II

 | 
José António Calixto

Introdução

José António Calixto

Texte intégral

1Os últimos anos têm assistido a importantes transformações nas bibliotecas portuguesas. A expansão tanto da Rede de Bibliotecas Públicas (iniciada em 1986) como a das Bibliotecas Escolares (dez anos depois), acompanhada por melhorias significativas nas bibliotecas universitárias, alargou substancialmente a oferta de livros e outros materiais de informação, bem como de novos serviços. Se a isto se juntarem as acções continuadas de promoção da leitura da Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas, o Plano Nacional de Leitura e muitas outras iniciativas de carácter local, pode-se ter alguma esperança de que em breve Portugal saia em definitivo dos últimos lugares nos estudos comparativos sobre literacia.

2Neste contexto irrompeu, mais recentemente, aquilo que tem sido designado por “Web social” ou “Web 2.0”, conceito que rapidamente contaminou as conversas e as discussões entre profissionais e estudiosos da área das bibliotecas e ciências da informação, desenvolvendo-se também a ideia (e alguma prática) do que tem sido designado por “Biblioteca 2.0”.

3As bibliotecas vêem-se assim, em Portugal, confrontadas com um duplo desafio:

4Por um lado apoiam o desenvolvimento de competências básicas de leitura, procuram tornar o livro acessível a todos, ajudando populações desfavorecidas a vencer muitas barreiras (como o isolamento ou a doença), desenvolvem estratégias para atrair novos leitores e melhorar a qualidade da leitura. Para tudo isto precisam de se preparar, equipar e formar o seu pessoal com perfis específicos.

5Num outro sentido, não necessariamente antagónico, parceiro mesmo segundo alguns, as tecnologias impõem-se, e longe vai o tempo em que se discutia o papel das TIC na organização das bibliotecas. Os desafios que são colocados pela “biblioteca 2.0” e pelo desenvolvimento das redes sociais, são de modo a exigirem aos profissionais novas e profundas alterações de competências e comportamentos. As redes sociais podem baralhar ou mesmo inverter completamente os tradicionais papéis de autor, mediador e leitor. Como podem as bibliotecas actuar neste ambiente? Novas interrogações surgem: que adaptações, que práticas, que profissionais?

6Estes são os principais temas transversais ao programa científico da II Conferência Internacional Bibliotecas para a Vida, sobre “Bibliotecas e Leitura”; temas que foram originalmente propostos à comunidade científica e profissional, que sobre eles escreveu e produziu os textos reunidos neste volume.

7Estes textos têm origem e características muito diversas. A primeira que deve ser sublinhada reside no facto de os seus autores darem a esta conferência um cunho verdadeiramente internacional. A Comissão Organizadora tomou a iniciativa de convidar conferencistas de diversos países europeus (Espanha, França, Inglaterra e Dinamarca, além de Portugal), e além disto, as comunicações livres, surgiram em grande quantidade (no total estão incluídas 27 neste volume) com origem em Portugal, Espanha e Brasil.

8A Comissão Científica da Conferência procurou também diversificar as características e os modos de produção dos textos. Assim, e desde logo no que diz respeito aos convites que endereçou, esforçou-se por equilibrar oradores com um perfil claramente académico (investigadores de reputação sólida, capazes de assegurassem à Conferência uma elevada qualidade científica), com outros, essencialmente profissionais do terreno, capazes de contribuir com os testemunhos de uma experiência vivida que os investigadores não podem naturalmente dar. Procurou-se também convidar conferencistas que pudessem apresentar e discutir experiências de um ponto de vista institucional, dada a sua posição privilegiada em organismos nacionais ou regionais que coordenam as actividades de redes de bibliotecas.

9Deve ser assinalado como uma feliz novidade o facto de um número muito substancial das comunicações livres aqui apresentadas estarem ligadas à investigação que começa a emergir de algumas universidades portuguesas, associadas aos novos mestrados e doutoramentos na área das bibliotecas e ciências da informação. Também estas comunicações livres reflectem a acima referida diversidade de origens e modos de produção. Para além do atrás referido em relação às universidades portuguesas, esta Conferência atraiu também a atenção de um grande número de investigadores espanhóis e brasileiros.

10Nesta colectânea optou-se por privilegiar como critério organizador as temáticas inicialmente propostas para a Conferência, independentemente da diversidade acima mencionada. Como seria de esperar os interesses dos comunicantes acabaram por não se dividir igualmente pelos temas inicialmente propostos, tendo-se concentrado em três deles. Isto origina escassez de textos em dois dos temas, e uma ausência completa em outros dois.

11A discussão das temáticas associadas ao papel das bibliotecas na promoção da leitura está obviamente longe de estar esgotada e não é essa a ambição desta obra. Se outra razão não houvesse para este facto, sem dúvida que as transformações técnicas e sociais se encarregariam de manter viva a discussão. O que se pretendeu com a organização desta conferência e com a publicação destes textos foi contribuir para o enriquecimento de perspectivas diversas e pouco abordadas sobre a leitura e estimular a produção e disseminação de conhecimento, dando voz aos que sobre este tema estudam e trabalham.

Auteur

Biblioteca Pública de Évora/Universidade de Évora.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr