Version classiqueVersion mobile

Da produção à preservação informacional: desafios e oportunidades

 | 
Nelson Vaquinhas
, 
Marisa Caixas
, 
Helena Vinagre

Parte II - Gestão da Informação no século XXI

O acesso à informação através da WWW: o caso dos arquivos municipais portugueses

Ana Margarida Dias da Silva

Résumé

Partindo da investigação realizada no âmbito da dissertação de mestrado “O uso da Internet e da Web 2.0 na difusão e acesso à informação arquivística: o caso dos arquivos municipais portugueses”, o presente trabalho pretende explorar a forma como os arquivos municipais portugueses utilizam a Internet e as ferramentas colaborativas da Web 2.0 na promoção do acesso e difusão da informação arquivística de que são responsáveis e pela qual são responsabilizados. Pretende-se verificar quais as ferramentas tecnológicas usadas para o efeito, se possuem página própria na Internet, plataforma de descrição multinível online, se disponibilizam objetos digitais online, se têm conta ou perfil nalguma das plataformas da Web Social (blogue, Facebook, Twitter ou Flickr).
É nosso objetivo mostrar os resultados obtidos, quantitativa e qualitativamente, no âmbito da referida investigação, partilhando exemplos e mostrando como é que os arquivos e os arquivistas adaptaram a sua forma de trabalhar a esta nova realidade.

Note de l’auteur

Este artigo resulta, com algumas atualizações, da investigação realizada no âmbito da dissertação de mestrado “O uso da Internet e da Web 2.0 na difusão e acesso à informação arquivística: o caso dos arquivos municipais portugueses” defendida na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, a 27 de janeiro de 2014, para a obtenção do grau de Mestre em Ciências da Informação e da Documentação – área de especialização em Arquivística. Foram orientadores a Professora Doutora Maria de Lurdes Rosa e o Dr. Pedro Penteado. Disponível em: http://run.unl.pt/handle/10362/12014

Texte intégral

Introdução

1A Sociedade da Informação, em cuja realidade se insere a comunidade arquivística global, veio alterar as formas de acesso à informação. O aparecimento da World Wide Web revolucionou a forma de relacionamento dos utilizadores, clientes e cidadãos com a informação e o desenvolvimento da Web 2.0 transformou-nos a todos, simultaneamente, em consumidores e produtores de informação.

2O objetivo deste trabalho é perceber como é que os arquivos municipais portugueses se adaptaram a esta realidade virtual e que uso fazem da Internet no acesso e disponibilização da documentação/informação que produzem e conservam no exercício da sua atividade. Enquanto serviços de organismos públicos, as câmaras municipais (entidades que, à partida, estão mais próximas dos cidadãos), os arquivos municipais configuram-se como serviços que têm as funções de gestão da documentação/informação produzida e recebida no âmbito das atividades das edilidades, conservação e preservação de documentação/informação de conservação permanente do organismo por que são tutelados. Acrescem as funções de incorporação e salvaguarda de arquivos extintos de proveniência diversa (públicos e privados, de entidades coletivas e singulares, religiosas e associativas, pessoais e familiares), promovendo igualmente a sua comunicação e difusão.

  • 1 PEIXOTO, António Maranhão - Arquivos Municipais: evolução e afirmação, p. 100.
  • 2 ANTÓNIO, Rafael e SILVA, Andreia - Arquivos Definitivos na Web: que futuro?
  • 3 Facto que remonta, no caso lisboeta a 1863 (com a disponibilização pública dos seus fundos), Viana (...)

3É importante ter em conta, igualmente, o papel que os arquivos municipais têm na salvaguarda dos direitos dos cidadãos, na prossecução de uma administração aberta e de resposta às solicitações dos serviços municipais e de todos os utilizadores1, cuja génese, quiçá, se poderá ir buscar à Revolução Francesa e que a Revolução Digital veio permitir, com a ausência de constrangimentos físicos, geográficos ou temporais, “abrindo os arquivos para lá dos seus muros”2 e democratizando o acesso à informação3.

  • 4 Durante as últimas duas décadas a preocupação fundamental dos arquivos municipais focou-se na “orga (...)

4Em Portugal, o Programa de Apoio à Rede de Arquivos Municipais – PARAM significou uma mudança importante e é consensual que existe um antes e um depois do PARAM4.

  • 5 Nem todas estas plataformas são gratuitas; veja-se o caso do Overblog, serviço pelo qual se paga pa (...)
  • 6 SINCLAIR, Joan Marguerite - The Interactive Archives: Social Media and Outreach, p. 5.
  • 7 ALBERCH FUGUERAS, Ramón - Ampliación del uso social de los archivos. Estrategias y perspectivas, p. (...)

5Ao mesmo tempo procura-se analisar a utilização de ferramentas colaborativas da Web 2.0 (nomeadamente blogues, Facebook, Twitter e Flickr) na difusão da informação arquivística. Estas plataformas, na sua maioria gratuitas5 e de fácil edição, permitem também interagir com um público que poderá nunca entrar num edifício físico de arquivo6. Por outro lado, dão visibilidade aos arquivos na sociedade. Mas Ramón Alberch Fugueras questiona-se “¿Porqué razón tenemos tan graves dificultades para difundir nuestro trabajo y, sobre todo, evidenciar nuestra utilidad al conjunto de la sociedad?”7. Neste âmbito, considera-se também pertinente verificar se as referidas ferramentas que, muito embora não tenham sido desenhadas especificamente com o intuito de difundir informação arquivística, são ou não utilizadas pelos arquivos municipais portugueses.

  • 8 ALBERCH FUGUERAS, Ramón, op. cit., p. 10.
  • 9 BOUYE, Édouard - La web collaboratif dans les services d’archives publics: un pari sur l’intelligen (...)
  • 10 ACUÑA, María José de e AGENJO, Xavier - Archivos en la era digital: problema (y solución) de los re (...)
  • 11 SILVA, Armando Malheiro da - A Informação: da compreensão do fenómeno e construção do objecto cient (...)
  • 12 CERDÁ DÍAZ, Julio - Desarrollo de sistemas de acceso on line a fondos de archivo. Propuesta metodol (...)

6O interesse por esta matéria surge, também, porque atualmente, “… las tecnologías se conviertan en unos verdaderos aliados de la democratización de la información…”8 e a ideia subjacente ao conceito de Web 2.0 “c’est le fait d’utiliser la créativité, l’intelligence et le savoir-faire d’un grand nombre de personnes (des internautes en général), en sous-traitance, pour réaliser certaines tâches traditionnellement effectuées par un employé ou un entrepreneur.”9. Os arquivos estiveram largos anos confinados entre os muros dos seus edifícios e as atividades principais prenderam-se com a descrição e a preservação dos documentos, numa perspetiva custodial. Hoje, a informação passou a ser o objeto de estudo e de trabalho do arquivista, verifica-se um aumento do “potencial de generar contenidos para la web”10 e assiste-se a um crescendo das expetativas dos utilizadores, cada vez mais nado-digitais, relativamente aos arquivos, instituições que podem ganhar visibilidade e melhorar a qualidade do acesso à informação com presença online “pois só o acesso público justifica e legitima a custódia e a preservação”11. Os arquivos estão ao serviço de todos os cidadãos e devem saber adequar a sua oferta às exigências e capacidades dos seus utilizadores12 que são, cada vez mais, todos aqueles que têm acesso a um computador ligado à Internet, sem constrangimentos físicos e de horário (pois está acessível 24 horas por dia), evitando as deslocações e chegando a um público mundial.

  • 13 CERDÁ DÍAZ, Julio - Archivos Locales en la Web. El Futuro en la Red, p. 155. O Inquérito da DGLAB à (...)

7Esta ideia da ubiquidade que a Internet permite é realçada por diversos autores e ninguém duvida das suas vantagens entre as quais se destacam a visibilidade e a projeção do serviço 24 horas por dia, no entanto, a realidade indica que muito poucos são os municípios que exploram verdadeiramente estas capacidades e que a maioria do património documental ainda se encontra offline nos arquivos municipais13.

  • 14 THEIMER, Kate - What Is the Meaning of Archives 2.0? p. 60.
  • 15 CERDÁ DÍAZ, Julio - Desarrollo de sistemas de …, cit., p. 10.
  • 16 THEIMER, Kate, op. cit., p. 67.

8A clarificação dos conceitos subjacentes à ideologia 2.0, que assenta na construção colaborativa do conhecimento através de plataformas tecnológicas da Web Social, importa igualmente para contextualizar o que significa ser hoje um profissional da informação. Os arquivistas devem saber utilizar as tecnologias para partilhar a informação das suas coleções, interagir com os utilizadores e melhorar a eficiência interna14. Embora os princípios da Arquivística se mantenham inalterados, a forma de trabalho dos profissionais da área sofreu mudanças e adaptações. Os instrumentos de descrição arquivística passam a ser disponibilizados em linha, associando imagens aos registos descritos, mas a Web deve ser também um canal de participação, convidando os utilizadores a colocar informação e comentários15. Esta mudança de atuação dos arquivistas verifica-se, igualmente, na transparência e abertura dos serviços e no aumento do número de profissionais com formação superior em Arquivística/Ciência da Informação pode contribuir para a utilização e desenvolvimento dos Arquivos 2.016.

1. Os conceitos Web 2.0 e Arquivos 2.0

9Os autores que se dedicam ao estudo da difusão e acesso à informação são unânimes em considerar que o aparecimento da World Wide Web veio revolucionar a forma de comunicação e de acesso à informação arquivística.

  • 17 ACUÑA, María José de e AGENJO, Xavier, op. cit., p. 409.
  • 18 SAMOUELIAN, Mary - Embracing Web 2.0: Archives and the Newest Generation of Web Applications, p. 42 (...)
  • 19 ALVIM, Luísa - Impossível não estar no Facebook! O nascimento das bibliotecas portuguesas na rede s (...)
  • 20 MARGAIX-ARNAL, Dídac - Conceptos de web 2.0 y biblioteca 2.0: origen, definiciones y retos para las (...)
  • 21 CARVER, Julian - Archives 2.0 - a summary of the way Archives NZ could use Web 2.0 technologies and (...)
  • 22 CERDÁ DÍAZ, Julio - Desarrollo de sistemas de …, cit., p. 8.

10Se inicialmente a Internet “se circunscribía a páginas estáticas html, aunque ya se ha incorporado la búsqueda en el contenido de documentos en pdf, Word, y otro tipo de formatos”17, no início do século XXI assiste-se a uma mudança: “the Web is moving toward a shared environment that embraces collective intelligence and participation, which is often called Web 2.0”18, termo que surge pela primeira vez em 2004 e que se caracteriza por uma mudança de atitude, mais do que uma nova tecnologia19 onde está presente a participação ativa e coletiva na criação, edição e publicação de conteúdos. De facto, é essa ligação aos utilizadores, não já como atores passivos mas como intervenientes no processo de construção de conhecimento que teve maior impacto no desenvolvimento de novos serviços20. O conceito Web 2.0 inclui uma filosofia de abertura, inclusão, tolerância pela desordem e valorização da contribuição “amadora”21. Mais do que na organização física dos documentos, a informação baseia-se, cada vez mais, num conceito de rede e na circulação de conhecimento22 pois importa ter acesso à informação e às ligações que possam existir independentemente do suporte, localização física e detentor.

  • 23 Cf. MARGAIX-ARNAL, Dídac - Conceptos de web 2.0…, cit., p. 96 e CRYMBLE, Adam - An Analysis on Twit (...)
  • 24 O’REILLY, Tim - What is web 2.0: design patterns and business models for the next generation of sof (...)

11A Web 2.0 não tem um único elemento chave ou um serviço web que a caracterize como tal mas possui uma série de características, que não estão necessariamente em simultâneo num mesmo serviço Web23. O’Reilly refere que as aplicações da Web 2.0 são aquelas que tiram partido das vantagens intrínsecas da Web, numa constante atualização de serviços, e que melhoram tanto mais quanto mais gente as utilizar, incluindo utilizadores individuais, que oferecem os seus próprios dados, que podem ser reutilizados por outros, numa “arquitetura de participação” em rede24. Sintetizando, o aproveitamento da inteligência coletiva associado à Web Social é a chave do desenvolvimento da Web 2.0.

  • 25 CERDÁ DÍAZ, Julio - Desarrollo de sistemas de …, cit., p. 1.
  • 26 ALBERCH FUGUERAS, Ramón - Ampliación del uso social…, cit., p. 6.
  • 27 MARGAIX-ARNAL, Dídac - Conceptos de web 2.0…, cit., p.100.

12A Internet originou uma autêntica revolução no acesso e uso da informação25 e os arquivos e os arquivistas devem saber aproveitar as possibilidades que o universo da Internet e das tecnologias participativas permitem pois “La imparable emergencia de la denominada sociedad de la información constituye una oportunidad irrepetible para prestigiar la función archivística, dado que, cada vez más, se pretende que la información se convierta en fuente de conocimiento.”26 Para Margaix Arnal a verdadeira revolução centra-se na mudança de atitude face aos utilizadores que passam de consumidores de informação a elementos participativos na elaboração e gestão de conteúdos 27.

  • 28 CERDÁ DÍAZ, Julio - Archivos Locales en la Web..., cit., p. 153. Em estudos recentes estima-se que (...)
  • 29 No seu artigo, Marta Nogueira apresenta os impactos e os benefícios, assim como as resistências e d (...)
  • 30 SINCLAIR, Joan Marguerite - op. cit., p. 1.

13A Internet configura-se, assim, como um veículo primordial para a comunicação e difusão de informação e são cada vez mais os arquivos online28, que disponibilizam conteúdos via Web, sabendo aproveitar todas as potencialidades oferecidas pelo universo digital. Atualmente, o desenvolvimento da Web 2.0 veio colocar à disposição dos arquivos todo um conjunto de ferramentas e plataformas que permitem maior interação e novas oportunidades de promoção institucional29. As ferramentas disponibilizadas pela Web 2.0 podem ser aproveitadas pelos profissionais da informação. A ubiquidade da Internet permite uma maior visibilidade junto de um maior número de utilizadores e conseguir envolver o público é uma forma de retirar os arquivos da sombra e, cada vez mais, mostrá-los como centros de cultura, património e outras preocupações sociais30.

  • 31 CROWLEY, Mary Joan - Web 2.0 and libraries, p. 1.
  • 32 ANTÓNIO, Rafael e SILVA, Andreia - op. cit., p. n. n.

14As redes sociais, o Facebook, as Wikis e os Blogues são a imagem da Web 2.0. Numa frase: “Web 2.0 is about connecting people (Facebook, MySpace, Ning), in an interactive (instant messaging, multimedia) collaborative workplace (slideshare, flickr, technorati, tagging) that everyone can edit (wikis, blogs).”31 Aquilo que as distingue de outras plataformas já existentes na Internet é a possibilidade de construção colaborativa, a participação de todos enquanto produtores, autores, leitores, comentadores e utilizadores da informação e a partilha de conhecimento. Se “a disponibilização da informação através de guias, inventários ou catálogos deixou de ser a forma privilegiada de comunicação”, a Internet permite combinar “funções próprias da descrição e gestão dos documentos de arquivo com soluções de gestão de conteúdos através da nova visão dos Arquivos 2.0”32. Os arquivos abrem-se à participação e à colaboração dos utilizadores quando optam pela adoção de ferramentas tecnológicas da Web Social que são utilizadas colaborativamente.

15Diversos autores já citados apontam a utilização das ferramentas colaborativas da Web 2.0 como uma forma de aumento do número de utilizadores e um mecanismo de valorização das coleções e todos reconhecem mais vantagens que obstáculos à sua utilização, desde logo a gratuitidade e utilização imediata destas plataformas (ex: Facebook, Blogue, Wikis), que pela facilidade de edição não necessitam de apoio informático.

2. A presença dos arquivos municipais portugueses na WWW

  • 33 O trabalho de pesquisa realizou-se entre março e maio de 2013 (na identificação de arquivos municip (...)

16Para a concretização do presente trabalho foram pesquisados serviços de arquivos municipais presentes na Internet, tarefa realizada, em certa medida, do ponto de vista de um cidadão/utilizador que procura informação arquivística sobre o seu município através da Internet33.

  • 34 Só as câmaras municipais de Albufeira, Constância e Ponte de Lima estão registadas enquanto entidad (...)

17Dos 308 municípios portugueses 116 (37,66%) utilizam a Internet para disponibilizar informação arquivística, significando que mais de metade dos arquivos municipais portugueses (62,34%) não tem acesso ou difusão de informação na WWW34.

Tabela 1 - Presença de Arquivos Municipais na Internet por Distrito

Distrito

Concelhos

n.ºs absolutos

percentagens

Aveiro

19

12

63,16%

Beja

14

5

35,71%

Braga

14

6

42,86%

Bragança

12

5

41,67%

Castelo Branco

11

4

36,36%

Coimbra

17

6

35,29%

Évora

14

8

57,14%

Faro

16

10

62,50%

Guarda

14

3

21,43%

Leiria

16

6

37,50%

Lisboa

16

9

56,25%

Portalegre

15

5

33,33%

Porto

18

10

55,56%

Santarém

21

5

23,80%

Setúbal

13

9

69,23%

Viana do Castelo

10

9

90,00%

Vila Real

14

2

14,29%

Viseu

24

6

25,00%

TOTAL

308

116

37,66%

  • 35 Refere-se ao município de Tomar que surge apenas com esta referência na Internet; o arquivo fotográ (...)

18Entre os 116 casos localizados na Internet, 88 surgiram como “Arquivo Municipal”, 24 como “Arquivo Histórico Municipal” e 1 só como “Arquivo Fotográfico”35; 8 arquivos municipais apresentavam a divisão entre arquivo histórico, intermédio e corrente e 5 eram arquivos fotográficos (sob a alçada dos respetivos arquivos). Aquando da busca dos arquivos municipais localizados nas páginas das edilidades verificou-se que 14 (12,07%) estão identificáveis logo na página inicial; nos restantes casos foi necessária uma pesquisa no portal camarário.

  • 36 Só o município de Arcos de Valdevez não disponibiliza qualquer informação online.
  • 37 Os arquivos municipais de Albufeira, Faro, Lagoa, Lagos, Loulé, Olhão, Portimão, Tavira, Vila do Bi (...)
  • 38 Os arquivos municipais de Vila Real e Chaves.

19Comparando os distritos, o melhor representado na WWW é o de Viana de Castelo com 9 dos 10 (90%) municípios36 a disponibilizar a informação através da Internet, seguido de Setúbal com 9 em 13 (69,23%), Aveiro com 12 em 19 (63,16%) e de Faro, com 10 em 16 (62,50%)37. Acima dos 50% estão os distritos de Évora (57,14%), Lisboa (56,25%) e Porto (55,56%) enquanto os de Braga (42,86%) e Bragança (41,67%) ficam-se pelos 40%. Leiria (37,50%), Castelo Branco (36,36%), Beja (35,71%), Coimbra (35,29%) e Portalegre (33,33%) situam-se entre os 30% e os 40%; Viseu (25%), Santarém (23,80%) e Guarda (21,43%), estão entre os 20% e os 30%; e o distrito de Vila Real é aquele que apresenta pior representatividade com 14,29% o que significa que apenas 238 de 14 municípios têm alguma informação na Internet.

20Dos 116 arquivos municipais que estão na Internet 59,48% dos arquivos disponibilizam algum tipo de IDD online em formato PDF.

Tabela 2 - Arquivos Municipais com IDD online por Distrito

Distrito

Concelhos

n.ºs absolutos

%

Aveiro

12

4

33,34

Beja

5

3

60,00

Braga

6

2

33,34

Bragança

5

1

20,00

Castelo Branco

4

3

75,00

Coimbra

6

1

16,67

Évora

8

4

50,00

Faro

10

7

70,00

Guarda

3

0

0,00

Leiria

6

4

66,67

Lisboa

7

6

85,71

Portalegre

4

4

100,00

Porto

10

8

80,00

Santarém

5

3

60,00

Setúbal

9

9

100,00

Viana do Castelo

9

8

88,89

Vila Real

2

1

50,00

Viseu

5

1

20,00

TOTAL

116

69

59,48

  • 39 Na análise qualitativa ver-se-á que este número ascende a 24 uma vez que nem todos os arquivos muni (...)

21São 1639 (13,79%) aqueles que possibilitavam a pesquisa em plataformas online com descrição multinível segundo as normas ISAD(G) (5 municípios do distrito de Lisboa (31,25%), 2 nos distritos de: Viana do Castelo (20%), Braga (14,29%), Faro (12,50%) e Porto (11,11%), e 1 nos distritos de Évora (7,14%), Aveiro (5,26%) e Santarém (4,76%), sendo que os municípios dos restantes distritos não usam qualquer tipo de plataforma de pesquisa).

Tabela 3 - Arquivos Municipais com descrição multinível online por Distrito

Distrito

Concelhos na Web

n.ºs absolutos

%

Aveiro

12

1

8,34

Beja

5

0

0,00

Braga

6

2

33,34

Bragança

5

0

0,00

Castelo Branco

4

0

0,00

Coimbra

6

0

0,00

Évora

8

1

12,50

Faro

10

2

20,00

Guarda

3

0

0,00

Leiria

6

0

0,00

Lisboa

7

5

71,42

Portalegre

4

0

0,00

Porto

10

2

20,00

Santarém

5

1

20,00

Setúbal

9

0

0,00

Viana do Castelo

9

2

22,22

Vila Real

2

0

0,00

Viseu

5

0

0,00

TOTAL

116

16

13,79

22Apenas 11 (9,48%) serviços de arquivos municipais disponibilizavam objetos digitais online: 3 municípios do distrito de Lisboa (42,86%) e do Porto (30%), 2 nos distritos de: Santarém (40%), Braga (33,34%), Setúbal (22,22%) e Faro (20%). Vila Real (50%), Guarda (33,34%), Castelo Branco (25%), Coimbra (16,67%), Évora (12,50%), Viana do Castelo (11,11%) e Aveiro (8,24%) têm, cada um, um arquivo municipal com objetos digitais.

Tabela 4 - Arquivos Municipais com objetos digitais online por Distrito

Distrito

Concelhos na Web

n.ºs absolutos

%

Aveiro

12

1

8,34

Beja

5

0

0,00

Braga

6

2

33,34

Bragança

5

0

0,00

Castelo Branco

4

1

25,00

Coimbra

6

1

16,67

Évora

8

1

12,50

Faro

10

2

20,00

Guarda

3

1

33,34

Leiria

6

0

0,00

Lisboa

7

3

42,86

Portalegre

4

0

0,00

Porto

10

3

30,00

Santarém

5

2

40,00

Setúbal

9

2

22,22

Viana do Castelo

9

1

11,11

Vila Real

2

1

50,00

Viseu

5

0

0,00

TOTAL

116

11

9,48

  • 40 Neste ponto de análise optou-se por incluir nas estimativas a iniciativa “Documento do Mês”, promov (...)

23As “Exposições virtuais” constituem outra forma de difusão da informação, mas também aqui é diminuto o número de arquivos que adota esta forma de partilhar conteúdos online: 17 em 116 (14,66%)40. Ao mesmo tempo, contabilizaram-se os arquivos que publicitam exposições documentais: 13 no total (11,20%).

Tabela 5 - Arquivos Municipais com Exposições virtuais* por Distrito

Distrito

Concelhos na Web

n.ºs absolutos

%

Aveiro

12

0

0,00

Beja

5

0

0,00

Braga

6

1

16,67

Bragança

5

0

0,00

Castelo Branco

4

1

25,00

Coimbra

6

1

16,67

Évora

8

1

12,50

Faro

10

5

50,00

Guarda

3

0

0,00

Leiria

6

0

0,00

Lisboa

7

0

0,00

Portalegre

4

0

0,00

Porto

10

4

40,00

Santarém

5

0

0,00

Setúbal

9

2

22,22

Viana do Castelo

9

2

22,22

Vila Real

2

0

0,00

Viseu

5

0

0,00

TOTAL

116

17

14,66%

* Incluíram-se as iniciativas "Documento do Mês"

  • 41 O arquivo municipal de Póvoa do Varzim e o arquivo municipal de Gaia.

24Ao nível da colaboração e interação com os utilizadores online contabilizaram-se 9 projetos distribuídos por municípios dos distritos de Braga, Faro, Lisboa, Porto e Setúbal. O Marketing online é praticamente inexistente: 2,59%, o que, em números absolutos significa que apenas 241 arquivos municipais têm, no caso concreto, loja na página da Internet com produtos e merchandising próprio do arquivo. 20 arquivos permitem, através das suas páginas a ligação com outros sítios na Internet; apenas 6 mostram a contabilização do número de acessos ou visitas.

3. O acesso à informação arquivística na WWW

  • 42 Trata-se do Arquivo Municipal da Lousã. Percurso de navegação percorrido: Áreas de atividade - Cult (...)

25Não foi fácil localizar, de imediato, o “sítio” do serviço de arquivo municipal na página oficial da edilidade. Entre os arquivos municipais presentes na WWW, 47 (41,96%) encontram-se à distância de 2 cliques, 28 (25%) de 3 cliques, 7 (6,25%) de 4 cliques, 4 (3,57%) de 5 cliques e 1 arquivo (0,89%) só se encontra após 6 cliques! 42, o que significa que em 87,5% dos casos a procura da informação arquivística não é feita num primeiro acesso.

  • 43 PENTEADO, Pedro e HENRIQUES, Cecília, op. cit., p. 31.
  • 44 O Arquivo municipal de Lisboa está dividido da seguinte forma: Núcleo Intermédio, Núcleo Histórico, (...)
  • 45 O Arquivo municipal do Porto apresenta na página da câmara municipal a informação sobre o arquivo g (...)

26Para além desta primeira dificuldade, acontece na maioria das vezes uma “Falta de articulação entre o arquivo intermédio e o arquivo histórico da Câmara, por vezes dependentes de unidades orgânicas diferentes”43. Os arquivos municipais de Beja, Cascais, Évora, Faro, Figueira da Foz, Leiria, Lisboa44, Loulé, Odemira, Ovar, Penafiel, Porto45, Sintra e Vale de Cambra dividem-se entre arquivo corrente/administrativo e arquivo histórico e/ou arquivo fotográfico, explicitando as competências de cada serviço e, nalguns casos, apresentando mesmo a documentação/informação existente em cada um deles.

27O acesso à informação arquivística através de IDD online faz-se sobretudo através de guias de fundos (47), inventários (22) e catálogos (4) em formato PDF, ou seja, o utilizador tem, na maior parte dos casos, apenas uma visão geral da documentação/informação produzida e salvaguardada no arquivo municipal. Os guias de fundos dão conta dos arquivos públicos, privados, religiosos e coleções que se encontram na sua posse. Nalguns casos é possível fazer o download desses instrumentos de descrição, noutros eles aparecem apenas como texto de apresentação do arquivo. Contudo, a formulação descritiva destes IDD nem sempre é clara pois nem sempre vêm acompanhados de um texto introdutório que clarifique o leitor sobre o que está a ver.

28Acontece, igualmente, que a informação arquivística não está disponibilizada num mesmo local de acesso, por exemplo, na página do Arquivo Municipal de Olhão existe um botão para “Acervo Documental” (onde se encontra o elenco dos fundos pertencentes ao município) mas nas “Actividades Realizadas”, nas “Publicações”, encontra-se um PDF com o “Guia do Arquivo Histórico Municipal de Olhão” obrigando o utilizador a vários acessos para encontrar esta informação.

  • 46 O Archeevo é utilizado pelos arquivos municipais Vila Nova de Famalicão, Albufeira, Mafra, Oeiras, (...)
  • 47 No InfoGestNet é possível pesquisar a informação/documentação dos seguintes arquivos municipais: Be (...)
  • 48 O X-arq (extended-archive) é usado pelos arquivos municipais de Montemor-o-Novo, Cascais e Lisboa.
  • 49 O GISA – Gestão Integrada de Sistema de Arquivo é utilizado pelos arquivos municipais de Braga, Por (...)

29No caso dos arquivos que apresentam descrição multinível através de plataformas de pesquisa como o Archeevo46, o InfoGestNet47, o X-arq48 ou o GISA49, torna-se possível realizar pesquisas mais refinadas e encontrar objetos digitais associados à informação. Estas plataformas de pesquisa apresentam a descrição arquivística segundo as normas ISAD(G) e, salvo nestes casos, em que os objetos digitais aparecem associados à informação arquivística, por estarem integrados numa plataforma de pesquisa, na maior parte dos casos, o utilizador tem acesso a imagens digitais isoladas disponibilizadas, por exemplo, como “Documento do Mês”.

30Se ao nível do acesso se apresentam algumas dificuldades, verifica-se que são muito poucos os arquivos que oferecem uma efetiva difusão de informação arquivística online. É um facto que já muitos arquivos têm serviço cultural, serviço educativo, realizam exposições documentais, abrem as portas dos seus serviços a visitas mas isto são tudo ações direcionadas para um público que se desloca fisicamente ao serviço de arquivo, que não encontram paralelo no universo virtual. A maior parte das vezes, aquilo que se encontra na Internet é a publicidade para a comunidade online, disponibilizando numa galeria de imagens o evento que já passou.

  • 50 NOGUEIRA, Marta - A difusão cultural no Arquivo Nacional e nos Arquivos distritais portugueses: as (...)
  • 51 Idem, p. 46.
  • 52 Esta realidade também se verifica no caso dos Arquivos Distritais portugueses (cf. idem, p. 65).

31 A proximidade com o público, o cidadão, o utilizador faz-se igualmente através de exposições “função capaz de o fazer [ao arquivo] interagir com um público não especializado” que Marta Nogueira identifica como “difusão cultural”50. As exposições documentais são uma forma de “possibilitar uma melhoria da imagem institucional do Arquivo”51, mas exposições virtuais, que não estão condicionadas por motivos logísticos (espaço, material expositivo, condições ideais de temperatura, humidade relativa e luz) e que chegam a um público mais vasto, devido à ubiquidade da Internet, são quase uma miragem no panorama arquivístico português52. Os melhores exemplos encontram-se nos arquivos de: Évora, Lagos, Paredes de Coura, Ponte de Lima e Gaia.

  • 53 agosto de 2013.

32O sítio na Internet do arquivo municipal de Évora tem visitas às suas várias valências assim como exposições virtuais. O arquivo municipal de Lagos, para além da publicidade que faz às exposições documentais, tem os catálogos das mesmas online que permitem virar as páginas, tem uma visão panorâmica da sala com a exposição e vídeos do edifício. O arquivo municipal de Albufeira tem a indicação de 3 exposições virtuais mas, à data53 da consulta do site, não estavam acessíveis. Outros arquivos municipais acabam por permitir um certo acesso virtual às exposições documentais que realizam. Não se podendo considerar como uma real e efetiva exposição virtual, o arquivo municipal do Barreiro, por exemplo, disponibiliza em PDF os painéis e murais que estiveram patentes na exposição; o de Vila do Bispo, na secção “Informações úteis” tem uma visita virtual ao arquivo em formato PDF; e o de Coimbra tem uma visita virtual ao arquivo em PDF e os catálogos das exposições realizadas, também em PDF.

  • 54 NOGUEIRA, Marta - A difusão cultural no Arquivo Nacional, cit., p. 21.

33As exposições documentais em arquivos até são uma realidade mas pouco se vislumbra delas na Web e se, ao nível da difusão, os catálogos das exposições são instrumentos que potenciam “uma utilização e usufruição” dos documentos/informação dos arquivos municipais “que não se baseia nem se esgota no acesso”54, então estes instrumentos deveriam ser amplamente divulgados online; no entanto, nos sítios dos arquivos, sobretudo o que se encontra, é a publicidade a estas iniciativas expositivas, disponibilizando apenas o cartaz ou um convite.

34Por serem em número reduzido as exposições virtuais em arquivos municipais, considerou-se analisar também a iniciativa “Documento do Mês” através da qual os arquivos divulgam alguns dos documentos mais interessantes que possuem. O arquivo municipal de Olhão desenvolve esta iniciativa desde 2009 intitulada “Arquivo Vivo” e o arquivo de Póvoa do Varzim chama-lhe “Páginas de História com Estórias”. O arquivo municipal de Valongo, no seu “Documento do Mês” tem o objeto digital do documento selecionado com uma descrição e um link com possibilidade de partilha no Facebook. Esta é a solução mais comum: disponibilização do objeto digital com o enquadramento descritivo permitindo ao utilizador fazer o download do documento, enviá-lo por endereço eletrónico ou partilhá-lo numa plataforma colaborativa da Web Social. O arquivo municipal de Sines publica online o “Documento do Mês” e a iniciativa “Portas Abertas”; Santarém e Tavira também usam o “Documento do Mês”; o arquivo municipal de Ponte de Sor publica o “Documento do Mês” no site do Centro de Artes e Cultura.

  • 55 ALBERCH FUGUERAS, Ramón - op. cit., p. 5.

35Ao nível do marketing nos arquivos encontram-se publicações online e venda de publicações de edição dos arquivos. Dois arquivos (Póvoa do Varzim e Vila Nova de Gaia, ambos do distrito de Porto) têm divulgação online da existência de uma loja onde há merchandising próprio do arquivo, à semelhança do Arquivo Municipal de Amsterdão, que possui uma loja de venda de produtos feitos a partir da documentação custodiada no arquivo55.

36Para além da análise à presença por si só na Internet dos arquivos municipais, importa perceber até que ponto as plataformas colaborativas da Web 2.0 são utilizadas no acesso e na difusão da informação.

4. Arquivos municipais portugueses na Web Social

  • 56 ALVIM, Luísa - op. cit., p. 18.
  • 57 LEITÃO, Paulo Jorge Oliveira - op. cit., p. 111-112.
  • 58 MARGAIX-ARNAL, Dídac - Las bibliotecas universitarias y Facebook…, cit., p. 592.

37As redes sociais como o Facebook ou o Twitter caracterizam-se pela criação de perfis públicos de pessoas individuais ou coletivas, públicas ou privadas, que partilham informação, comunicam e conversam em rede com outros utilizadores56. Em Portugal, o Facebook é a plataforma preferida dos portugueses com 4 milhões de utilizadores, usada sobretudo, por internautas entre os 25-34 anos, e em crescendo pelos grupos dos 45-54 e dos 18-24, num total de 30.000 novos utilizadores em 201057. Em Espanha, por exemplo, 4,7 milhões de utilizadores, entre os 16 e os 45 anos, têm um perfil em alguma rede social, sendo que o maior número de utilizadores do Facebook são estudantes universitários58.

  • 59 As pesquisas foram realizadas, numa primeira fase, entre setembro e outubro de 2013 e, numa segunda (...)
  • 60 Nas pesquisas efetuadas para o trabalho em causa verificou-se que a maioria das edilidades tem uma (...)
  • 61 Neste caso é o arquivo fotográfico municipal que tem conta no Facebook mas achou-se por bem conside (...)
  • 62 Os Amigos do Arquivo Municipal de Penafiel têm uma página no Facebook que é local de difusão e part (...)
  • 63 No seu estudo, Adam Crymble identificou 104 arquivos com páginas no Facebook e ainda 64 serviços de (...)
  • 64 Para se fazer parte desta plataforma social, é necessário criar uma conta no Facebook que tanto pod (...)

38Para a identificação dos arquivos municipais portugueses no Facebook foram pesquisados os termos “arquivo municipal”, “arquivo histórico municipal” e “arquivo fotográfico municipal”59, localizando-se, apenas, 9 (2,92%) serviços de arquivo municipais no Facebook no momento da pesquisa60: Oliveira de Azeméis (distrito de Aveiro), Guimarães (distrito de Braga), Figueira da Foz61 (distrito de Coimbra), Alenquer e Lisboa (distrito de Lisboa), Valongo (distrito do Porto62), Torres Novas (Distrito de Santarém), Ponte de Lima (distrito de Viana do Castelo) e Mangualde (distrito de Viseu)63. Destes, 3 arquivos municipais têm perfis (Figueira da Foz, Alenquer e Mangualde) e os restantes 6 páginas institucionais64.

39A adesão dos serviços de arquivo municipais ao Facebook tem sido progressiva e sobretudo na segunda década do século XXI. O Arquivo Municipal Alfredo Pimenta em Guimarães tem a presença mais antiga no Facebook (2 de setembro de 2010), seguido dos arquivos municipais de Ponte de Lima (13 de dezembro de 2011) e de Oliveira de Azeméis (17 de fevereiro de 2012), do Arquivo Fotográfico da Figueira da Foz (outubro de 2013) e, mais recentemente, do Arquivo Municipal de Lisboa (26 de fevereiro de 2014). Os restantes arquivos municipais não indicam a data de adesão ao Facebook mas a sua presença regista-se, pelo menos, desde setembro de 2013.

40O arquivo com maior popularidade, na altura da recolha dos dados, era o Arquivo Histórico Municipal de Valongo com 4.492 “Gostos” na sua página de Facebook65. Note-se, por exemplo, que o “Arxiu Municipal de Barcelona” tinha 1.671 “Gostos” na mesma data66. O “Arquivo Museu Alenquer” é o segundo com maior número de seguidores 1.08567 e o Arquivo Municipal de Torres Novas o terceiro com 1.071 “Gostos”68. São os únicos que ultrapassam o milhar de seguidores no momento da consulta. Os restantes cifram-se por algumas centenas: o Arquivo Fotográfico de Figueira da Foz com 81569; o Arquivo Municipal Alfredo Pimenta com 76170; Ponte de Lima com 67571; Lisboa com 64172; Mangualde com 57573; e, por último, Oliveira de Azeméis com 20774.

41No que respeita aos conteúdos comunicados, na altura em que se efetuaram- as consultas, os arquivos de Guimarães, Lisboa, Oliveira de Azeméis, Ponte de Lima e Valongo apresentavam, na sua página do Facebook, a sua missão, informação sobre os serviços prestados, uma breve descrição e contactos institucionais. A função de difusão era referida como uma área prioritária da ação do serviço de arquivo, para além da recolha, salvaguarda, preservação e tratamento da documentação/informação. O arquivo fotográfico municipal da Figueira da Foz e o arquivo municipal de Torres Novas apenas apresentavam os contactos institucionais e os arquivos municipais de Alenquer e Mangualde não tinham qualquer informação sobre a instituição, não determinavam os seus propósitos ou o objetivo das suas páginas do Facebook.

42Veja-se, agora, qual a utilização do Facebook pelos serviços de arquivo municipais na difusão e acesso à informação arquivística que gerem.

43O Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e o Arquivo Municipal de Ponte de Lima estabelecem uma articulação da sua página do Facebook com o site do arquivo, publicitando os instrumentos de pesquisa existentes assim como documentos que estão descritos e acessíveis, através de um link que faz a ligação entre as duas plataformas. O Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, por exemplo, através da partilha dos "Destaques" e dos "Documentos com História", direciona o visitante para a página do arquivo por meio de um link que disponibiliza no Facebook. O Arquivo Municipal de Ponte de Lima partilha no Facebook as exposições virtuais que se encontram no site do arquivo.

44O Arquivo Municipal de Oliveira de Azeméis promovia, através de divulgação no Facebook, a iniciativa “A minha chupeta fica para a História”, que visava a recolha de chupetas dos habitantes locais. O Arquivo Municipal de Valongo promove a iniciativa “Documento do Mês” (com link para página do arquivo no portal da Câmara); contextualizando todas as imagens disponibilizadas, quer as do “Documento do Mês”, quer as fotografias ou os álbuns que retratam as visitas ao arquivo, as atividades educativas e as exposições realizadas, e até a comemoração do Dia Internacional dos Arquivos. O Arquivo Municipal de Torres Novas promoveu a iniciativa “Um mês, Um Poema. De José Lopes dos Santos” (com um link para o documento e a indicação do código de referência) durante o ano de 2013, sendo que este ano os documentos disponibilizados mensalmente se relacionam com o 45º aniversário do estádio municipal.

45O Facebook é usado pelos serviços de arquivo municipais para partilha de fotografias (isoladas ou em álbuns, com ou sem contextualização arquivística e indicação de código de referência) que retratam as iniciativas do serviço educativo e extensão cultural, das exposições documentais e palestras realizadas assim como de datas comemorativas, como o aniversário do arquivo ou o Dia Internacional dos Arquivos. Igualmente publicitam na plataforma atividades do arquivo ou eventos relacionados com arquivos e arquivística. Pontualmente apresenta-se documentação textual ou fotográfica com descrição e código de referência ou partilha de informações relacionadas com a localidade, os seus habitantes, a sua história e o seu património.

46Os blogues têm uma expressão menor entre os arquivos municipais portugueses, embora a sua utilização esteja “entre as principais atividades dos internautas portugueses em 2010”75. Pelo contrário, parecem ter uma maior implantação no universo das bibliotecas e disso são testemunho vários trabalhos76. O blogue “Arquivo Municipal de Espinho – Extensão Educativa”77 existe desde 2008; no portal da Câmara Municipal de Mirandela encontra-se um link para o blogue78 (criado em janeiro de 2010), onde se encontra um diretório das secções do arquivo corrente, o regulamento do arquivo municipal e um PDF com a lista dos presidentes da Câmara dos séculos XIX e XX. No distrito de Lisboa, os arquivos municipais de Alenquer79 e do Cadaval80 têm blogue, sendo que este último arquivo utiliza apenas o blogue como ferramenta de difusão e acesso à informação arquivística, não tendo qualquer outra presença na Internet.

  • 81 CERDÁ DÍAZ, Julio - Nuevas arquitecturas de la memoria. Los archivos en la era digital, p. 20.

47O Arquivo Municipal de Cascais tem conta no Flickr desde junho de 2013, e disponibiliza, todos os dias, fotografias com imagens históricas do concelho. “Partilhar Memórias é Fazer História” é o mote lançado por este serviço aos utilizadores pedindo a sua colaboração na descrição das fotografias, através de comentários, e até mesmo enviando fotografias para o endereço de correio eletrónico indicado, numa verdadeira perspetiva de que “Todos somos emissores y receptores de información, es la base del nuevo concepto de trabajo”81.

48O Arquivo Municipal de Gaia é o único arquivo municipal português que tem conta no Twitter, no entanto, todos os tweets datam de 2009 e referem-se, apenas e tão só, às 1ªs Jornadas de Arquivos Municipais das Cidades do Eixo Atlântico.

49Para além destas iniciativas de colaboração com os cidadãos, a interação online faz-se sobretudo através de contactos via email e da possibilidade de partilha de conteúdos das páginas dos serviços de arquivo municipais no email, Facebook, Twitter ou blogue do utilizador que está a consultar a documentação/informação, como por exemplo o Arquivo Municipal de Vila Nova de Famalicão, e ainda o inquérito de satisfação que o Arquivo Municipal Alfredo Pimenta faz aos seus utilizadores.

Considerações finais

50Os serviços de arquivo municipais portugueses estão ainda afastados da realidade virtual, sobretudo das ferramentas colaborativas da Web 2.0 embora paulatinamente vão surgindo novos acessos à informação arquivística online.

  • 82 Também designada por folksonomia.

51A ideia de arquivos participativos, em que os conhecimentos e competências dos internautas e dos não profissionais são aproveitados na indexação colaborativa82, na identificação de imagens, em suma numa melhor compreensão dos arquivos e no acesso à informação, está longe de se concretizar junto dos arquivos municipais portugueses. E os arquivos municipais como os mais próximos dos cidadãos são os espaços por excelência para isso.

Bibliographie

ACUÑA, María José de; AGENJO, Xavier – Archivos en la era digital: problema (y solución) de los recursos electrónicos. El profesional de la información [em linha]. Vol. 14, nº 6 (2005), p. 407-413. [Consult. 2 outubro 2013]. Disponível em: http://www.elprofesionaldelainformacion.com/contenidos/2005/noviembre/2.pdf.

ALBERCH FUGUERAS, Ramón – Ampliación del uso social de los archivos. Estrategias y perspectivas. Seminário Internacional de Arquivos de Tradição Ibérica [em linha]. Rio de Janeiro, 2000. [Consult. 3 outubro 2013]. Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/download/ramonfugueras.rtf

ALVIM, Luísa – Impossível não estar no Facebook! O nascimento das bibliotecas portuguesas na rede social. Cadernos BAD 1/2 (2011), p. 14-26.

ALVIM, Luísa – Blogues e Bibliotecas: construir redes na Web 2.0. Cadernos BAD 1 (2007), p. 38-74.

ANTÓNIO, Rafael; SILVA, Andreia – Arquivos Definitivos na Web: que futuro?. Atas do X Encontro Nacional de Arquivos Municipais Portugueses. [Em linha]. Leiria, novembro 2011. [Consult. 25 jan. 2013]. Disponível em: http://bad.pt/publicacoes/index.php/arquivosmunicipais/article/view/1

ARQUIVOS MUNICIPAIS - Gestão da Informação na Administração Municipal: passado, presente e futuro. Leiria, 4 e 5 de novembro de 2011.

BARRETO, Adalberto – Blogues e bibliotecas: informação, comunicação e nonsense à velocidade da luz. Cadernos BAD 1 (2007), p. 6-22.

BOUYE, Édouard – La web collaboratif dans les services d’archives publics: un pari sur l’intelligence et les motivations des publics [PDF]. S. l. ; 2012. [Consult. 25 janeiro 2013].

CARVER, Julian – Archives 2.0 - a summary of the way Archives NZ could use Web 2.0 technologies and approaches [Em linha]. 23 maio 2008 [Consult. 14 dez. 2013]. Disponível em: http://seradigm.co.nz/wp-content/uploads/archives_web20.pdf

CERDÁ DÍAZ, Julio – Archivos locales en la web: El futuro en la red. Compartir Archivos: Actas de las VIII Jornadas de Archivos Aragoneses. Huesca 25-28 de noviembre de 2008. [Em linha]. Huesca: Gobierno de Aragón; Diputación Provincial, t. II, p. 151-172. [Consult. 13 dez. 2012]. Disponível em: http://eprints.rclis.org/bitstream/10760/15204/1/CERDA_DIAZ_Julio_Archivos_Locales_en_la_Web.pdf

CERDÁ DÍAZ, Julio – Desarrollo de sistemas de acceso on line a fondos de archivo : Propuesta metodológica. INFO 2002: Congreso Internacional de Información, La Habana (Cuba) [Em linha]. (fevereiro 2002). [Consult. 14 dez. 2012]. Disponível em: http://www.bibliociencias.cu/gsdl/collect/eventos/index/assoc/HASH3820.dir/doc.pdf

CRYMBLE, Adam – An Analysis on Twitter and Facebook Use by the Archival Community. Archivaria, vol. 70 (Fall 2010), p. 125-151 [Consult. 12 dezembro 2012] Disponível em: http://www.crymble.ca/adam/cv/publications/Crymble-Archivaria.pdf

CROWLEY, Mary Joan – Web 2.0 and libraries [Em linha]. Conferência, Roma, 6 março 2009. [Consult. 23 novembro 2012]. Disponível em: http://eprints.rclis.org/handle/10760/12962

EIRAS, Bruno Duarte – Blogs: mais que uma tecnologia, uma atitude. Cadernos BAD 1 (2007), p. 75-86.

INSTITUTO DOS ARQUIVOS NACIONAIS / TORRE DO TOMBO – Programa de Apoio à Rede de Arquivos Municipais (PARAM). Lisboa: IAN/TT, 1998.

LEITÃO, Paulo Jorge Oliveira – A Web 2.0 e os seus públicos: o caso português. [em linha]. Páginas a & b, Porto, n.º 8, série 2 (2011), p. 107-131 [Consult. 12 dezembro 2012]. Disponível em: http://eprints.rclis.org/bitstream/10760/17943/1/A%20Web%202_PORTUGAL_UTILIZACAO.pdf

MARGAIX-ARNAL, Dídac – Las bibliotecas universitarias y Facebook: cómo y por qué estar presentes. [em linha] El profesional de la información, vol. 17, n.º 6, (noviembre-deciembra 2008), p. 589-601. [Consult. 30 setembro 2013]. Disponível em: http://www.elprofesionaldelainformacion.com/contenidos/2008/noviembre/02.html

MARGAIX-ARNAL, Dídac – Conceptos de web 2.0 y biblioteca 2.0: origen, definiciones y retos para las bibliotecas actuales [em linha]. El profesional de la información, v. 16, n. 2 (marzo-abril 2007), p. 95-106. [Consult. 30 setembro 2013]. Disponível em: http://eprints.rclis.org/bitstream/10760/9521/1/kx5j65q110j51203.pdf

MOIREZ, Pauline – Archives participatives. [em linha]. Bibliothèques 2.0 à l’heure des médias sociaux. Editions du Cercle de la librarie (2012), p. 187-197 [Consult. 30 janeiro 2013]. Disponível em: http://archivesic.ccsd.cnrs.fr/docs/00/72/54/20/PDF/ArchivesParticipatives_PMoirez.pdf

NOGUEIRA, Marta – A difusão cultural no Arquivo Nacional e nos Arquivos distritais portugueses: as exposições documentais (1990-2009). Dissertação de mestrado em Ciências da Informação e da Documentação, ramo Arquivos apresentada à Escola de Ciências Sociais da Universidade de Évora, janeiro 2012.

NOGUEIRA, Marta – Archives in Web 2.0: New Opportunities [em linha]. Ariadne 63 (April 2010). [Consult. 13 dezembro 2012]. Disponível em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/1850/3/MNogueira_Archives_in_Web_2.0

O’REILLY, Tim – What is web 2.0: design patterns and business models for the next generation of software. O’Reilly Network [Em linha]. 30 setembro 2005. [Consult. 30 setembro 2013]. Disponível em: http://www.im.ethz.ch/education/HS08/OReilly_What_is_Web2_0.pdf

PEIXOTO, António Maranhão – Los archivos municipales portugueses en los albores del siglo XXI. TABULA, Número 8 (2005), p. 81-90.

PEIXOTO, António Maranhão – Arquivos Municipais: evolução e afirmação. [em linha]. Cadernos BAD (2002), p. 96-104. [Consult. 12 dezembro 2012]. Disponível em: http://www.apbad.pt/CadernosBAD/Caderno22002/Peixoto.pdf

PENTEADO, Pedro; HENRIQUES, Cecília – A DGARQ na rota da qualificação dos Arquivos Municipais [em linha]. IX ENCONTRO NACIONAL E ARQUIVOS MUNICIPAIS “Novos Desafios da Gestão DocumentalÉvora, 14 de novembro de 2008. [Consult. 22 novembro 2012]. Disponível em: http://bad.pt/publicacoes/index.php/arquivosmunicipais/article/view/149

SAMOUELIAN, Mary – Embracing Web 2.0: Archives and the Newest Generation of Web Applications [em linha]. The American Archivist, Vol. 72 (Spring/Summer 2009), p. 42-71 [Consult. 19 setembro 2013]. Disponível em: http://archivists.metapress.com/content/k73112x7n0773111/fulltext.pdf

SILVA, Armando Malheiro da – A Informação: da compreensão do fenómeno e construção do objecto científico. Porto: Edições Afrontamento, 2006.

SINCLAIR, Joan Marguerite – The Interactive Archives: Social Media and Outreach. [em linha]. Tese apresentada à Faculdade de Estudos Graduados da Universidade de Manitoba para obtenção do grau de Mestre em Artes, novembro 2011. [Consult. 14 dezembro 2012]. Disponível em: http://mspace.lib.umanitoba.ca/handle/1993/8461

SOUSA, Paulo Jorge et al. – A Blogosfera: perspectivas e desafios no campo da Ciência da Informação. Cadernos BAD 1 (2007), p. 87-106.

THEIMER, Kate – What Is the Meaning of Archives 2.0? [em linha]. The American Archivist, vol.74 (Spring/Summer 2011), p. 58-108. [Consult. 30 janeiro 2013]. Disponível em: http://bing.exp.sis.pitt.edu/661/1/AA_Web_2.0.pdf

Notes

1 PEIXOTO, António Maranhão - Arquivos Municipais: evolução e afirmação, p. 100.

2 ANTÓNIO, Rafael e SILVA, Andreia - Arquivos Definitivos na Web: que futuro?

3 Facto que remonta, no caso lisboeta a 1863 (com a disponibilização pública dos seus fundos), Viana do Castelo em 1921, Guimarães em 1931, Porto em 1936, Amarante em 1947 e Vila Flor em 1957, a cujo interregno de longos anos se seguem, nas décadas de 80 e 90 do século XX, muitos outros exemplos de arquivos municipais (cf. PEIXOTO, António Maranhão - Los archivos municipales portugueses en los albores del siglo XXI, p. 82).

4 Durante as últimas duas décadas a preocupação fundamental dos arquivos municipais focou-se na “organização dos fundos documentais e na modernização das instalações”, sobretudo graças a este Programa. O PARAM foi lançado em 1998 pelo Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo “como meio para dar execução à Lei-Orgânica fixada no Decreto-Lei nº 60/97, de 20 de março, muito especialmente ao estabelecido na alínea r) do número 1 do Artigo 3º - “Compete ao IAN/TT […] apoiar as autarquias no planeamento e construção da rede de arquivos municipais”. (INSTITUTO DOS ARQUIVOS NACIONAIS / TORRE DO TOMBO (1998) – Programa de Apoio à Rede de Arquivos Municipais (PARAM), p. 7). Esse apoio configurou-se em 5 níveis de um programa de apoio sobretudo orientados à criação de infraestruturas e que, entre 1998 e 2003, apoiou 112 serviços de arquivos municipais, em Portugal continental e regiões autónomas (cf. Programa de Apoio à Rede..., cit.)

5 Nem todas estas plataformas são gratuitas; veja-se o caso do Overblog, serviço pelo qual se paga para fazer ligações diretas entre o Facebook ou o Twitter e o blogue.

6 SINCLAIR, Joan Marguerite - The Interactive Archives: Social Media and Outreach, p. 5.

7 ALBERCH FUGUERAS, Ramón - Ampliación del uso social de los archivos. Estrategias y perspectivas, p. 2

8 ALBERCH FUGUERAS, Ramón, op. cit., p. 10.

9 BOUYE, Édouard - La web collaboratif dans les services d’archives publics: un pari sur l’intelligence et les motivations des publics, p. 2.

10 ACUÑA, María José de e AGENJO, Xavier - Archivos en la era digital: problema (y solución) de los recursos electrónicos, p. 408.

11 SILVA, Armando Malheiro da - A Informação: da compreensão do fenómeno e construção do objecto científico, p. 21.

12 CERDÁ DÍAZ, Julio - Desarrollo de sistemas de acceso on line a fondos de archivo. Propuesta metodológica, p. 2.

13 CERDÁ DÍAZ, Julio - Archivos Locales en la Web. El Futuro en la Red, p. 155. O Inquérito da DGLAB à situação dos Arquivos da Administração Local, elaborado em 2007, permitiu chegar à conclusão que a percentagem de informação disponível online é baixa face ao total de descrições e objetos digitais que os serviços de arquivos municipais possuem. Informação obtida em conversa com o Dr. Pedro Penteado.

14 THEIMER, Kate - What Is the Meaning of Archives 2.0? p. 60.

15 CERDÁ DÍAZ, Julio - Desarrollo de sistemas de …, cit., p. 10.

16 THEIMER, Kate, op. cit., p. 67.

17 ACUÑA, María José de e AGENJO, Xavier, op. cit., p. 409.

18 SAMOUELIAN, Mary - Embracing Web 2.0: Archives and the Newest Generation of Web Applications, p. 42.

19 ALVIM, Luísa - Impossível não estar no Facebook! O nascimento das bibliotecas portuguesas na rede social, p. 16.

20 MARGAIX-ARNAL, Dídac - Conceptos de web 2.0 y biblioteca 2.0: origen, definiciones y retos para las bibliotecas actuales, p. 95.

21 CARVER, Julian - Archives 2.0 - a summary of the way Archives NZ could use Web 2.0 technologies and approaches, p. 3.

22 CERDÁ DÍAZ, Julio - Desarrollo de sistemas de …, cit., p. 8.

23 Cf. MARGAIX-ARNAL, Dídac - Conceptos de web 2.0…, cit., p. 96 e CRYMBLE, Adam - An Analysis on Twitter and Facebook Use by the Archival Community, p. 128.

24 O’REILLY, Tim - What is web 2.0: design patterns and business models for the next generation of software, p. n. n..

25 CERDÁ DÍAZ, Julio - Desarrollo de sistemas de …, cit., p. 1.

26 ALBERCH FUGUERAS, Ramón - Ampliación del uso social…, cit., p. 6.

27 MARGAIX-ARNAL, Dídac - Conceptos de web 2.0…, cit., p.100.

28 CERDÁ DÍAZ, Julio - Archivos Locales en la Web..., cit., p. 153. Em estudos recentes estima-se que 48,8% da população portuguesa acima dos 15 anos utilize a Internet e que os indivíduos que completaram o ensino secundário (88%) e o ensino universitário (94%) estão entre aqueles que mais regularmente acedem à internet (LEITÃO, Paulo Jorge Oliveira - A Web 2.0 e os seus públicos: o caso português, p.108), quer para lazer quer para trabalho. Em Espanha, estima-se que 43,2% dos internautas têm um perfil em alguma rede social (MARGAIX-ARNAL, Dídac - Las bibliotecas universitarias y Facebook: cómo y por qué estar presentes, p. 591).

29 No seu artigo, Marta Nogueira apresenta os impactos e os benefícios, assim como as resistências e desvantagens na utilização destas ferramentas. Esta autora afirma que a utilização das aplicações da Web 2.0 afeta a forma como o serviço e os produtos são acessíveis ao público e que beneficiam a imagem dos arquivos através de um maior reconhecimento junto do público e da diversificação dos seus utilizadores. A mesma autora fala em resistências por falta de conhecimentos e por não se reconhecerem estas ferramentas como aplicações “oficiais” ou válidas. (NOGUEIRA, Marta - Archives in Web 2.0: New Opportunities, p. 1-2).

30 SINCLAIR, Joan Marguerite - op. cit., p. 1.

31 CROWLEY, Mary Joan - Web 2.0 and libraries, p. 1.

32 ANTÓNIO, Rafael e SILVA, Andreia - op. cit., p. n. n.

33 O trabalho de pesquisa realizou-se entre março e maio de 2013 (na identificação de arquivos municipais portugueses na Internet) e entre agosto e outubro de 2013 (na identificação de arquivos municipais portugueses em alguma das plataformas da Web Social).

34 Só as câmaras municipais de Albufeira, Constância e Ponte de Lima estão registadas enquanto entidades no Portal Português de Arquivos: http://arquivos.pt/. Estes valores estão muito próximos daqueles já apontados por Pedro Penteado e Cecília Henriques, em 2008, em que assinalam 32% de arquivos municipais com presença na Internet, o que significa que em 5 anos pouco se alterou. Os autores limitam-se à análise do sub-universo de arquivos municipais que beneficiou de apoio do PARAM, contudo, considera-se que a tendência é a mesma, visto que dos 116 que serão alvo de análise 112 foram alvo do PARAM. (cf. PENTEADO, Pedro e HENRIQUES, Cecília - A DGARQ na rota da qualificação dos Arquivos Municipais, p. 17.)

35 Refere-se ao município de Tomar que surge apenas com esta referência na Internet; o arquivo fotográfico é tutelado pela divisão de Museologia a par com o Politécnico, sendo que o serviço de arquivo municipal propriamente não existe.

36 Só o município de Arcos de Valdevez não disponibiliza qualquer informação online.

37 Os arquivos municipais de Albufeira, Faro, Lagoa, Lagos, Loulé, Olhão, Portimão, Tavira, Vila do Bispo e Vila Real de Santo António integram a Rede de Arquivos do Algarve (http://raalg.wikidot.com/arquivos-algarvios) o que pode ajudar a explicar as estatísticas positivas alcançadas.

38 Os arquivos municipais de Vila Real e Chaves.

39 Na análise qualitativa ver-se-á que este número ascende a 24 uma vez que nem todos os arquivos municipais a disponibilizam ou indicam no seu sítio na Internet a existência de uma plataforma de pesquisa online, havendo casos de informação disponibilizada em duas plataformas distintas.

40 Neste ponto de análise optou-se por incluir nas estimativas a iniciativa “Documento do Mês”, promovida por 10 arquivos municipais.

41 O arquivo municipal de Póvoa do Varzim e o arquivo municipal de Gaia.

42 Trata-se do Arquivo Municipal da Lousã. Percurso de navegação percorrido: Áreas de atividade - Cultura - Equipamentos Culturais - Bibliotecas - Biblioteca Municipal Comendador Montenegro - Arquivo Histórico Municipal.

43 PENTEADO, Pedro e HENRIQUES, Cecília, op. cit., p. 31.

44 O Arquivo municipal de Lisboa está dividido da seguinte forma: Núcleo Intermédio, Núcleo Histórico, Núcleo do Arco do Cego e Núcleo Fotográfico (disponível em: http://www.cm-lisboa.pt/viver/cultura-e-lazer/equipamentos-culturais/arquivo-municipal e http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/

45 O Arquivo municipal do Porto apresenta na página da câmara municipal a informação sobre o arquivo geral (disponível em: http://balcaovirtual.cm-porto.pt/PT/cultura/arquivos/arquivomunicipal/Paginas/arquivomunicipal.aspx, o Arquivo Histórico Municipal Casa do Infante (disponível em: http://balcaovirtual.cm-porto.pt/PT/cultura/museus/casadoinfantemuseu/Paginas/casadoinfantenucleomuseologico.aspx) e informação sobre outros arquivos.

46 O Archeevo é utilizado pelos arquivos municipais Vila Nova de Famalicão, Albufeira, Mafra, Oeiras, Constância e Ponte de Lima.

47 No InfoGestNet é possível pesquisar a informação/documentação dos seguintes arquivos municipais: Beja, Lagoa, Alcácer do Sal, Mafra, Marinha Grande, Arcos de Valdevez, Bragança, Loulé, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Ribeira de Pena, Tavira e Vila Real. Os arquivos municipais de Tavira ou de Paredes de Coura têm o acesso a esta plataforma no site da câmara municipal mas o arquivo municipal de Mafra usa o Archeevo e os arquivos municipais de Beja, Bragança e de Vila Real não têm qualquer indicação que existe este portal com a descrição arquivística dos seus fundos!

48 O X-arq (extended-archive) é usado pelos arquivos municipais de Montemor-o-Novo, Cascais e Lisboa.

49 O GISA – Gestão Integrada de Sistema de Arquivo é utilizado pelos arquivos municipais de Braga, Porto e Vila Nova de Gaia.

50 NOGUEIRA, Marta - A difusão cultural no Arquivo Nacional e nos Arquivos distritais portugueses: as exposições documentais (1990-2009), p. 6.

51 Idem, p. 46.

52 Esta realidade também se verifica no caso dos Arquivos Distritais portugueses (cf. idem, p. 65).

53 agosto de 2013.

54 NOGUEIRA, Marta - A difusão cultural no Arquivo Nacional, cit., p. 21.

55 ALBERCH FUGUERAS, Ramón - op. cit., p. 5.

56 ALVIM, Luísa - op. cit., p. 18.

57 LEITÃO, Paulo Jorge Oliveira - op. cit., p. 111-112.

58 MARGAIX-ARNAL, Dídac - Las bibliotecas universitarias y Facebook…, cit., p. 592.

59 As pesquisas foram realizadas, numa primeira fase, entre setembro e outubro de 2013 e, numa segunda fase, em abril de 2014.

60 Nas pesquisas efetuadas para o trabalho em causa verificou-se que a maioria das edilidades tem uma página do município no Facebook. Por não se tratarem de páginas específicas destinadas à informação arquivística municipal mas a toda a informação municipal estas não foram consideradas. Contudo, isto não significa que nas contas dos municípios não seja veiculada informação sobre o arquivo, os seus fundos, os seus serviços e as suas atividades.

61 Neste caso é o arquivo fotográfico municipal que tem conta no Facebook mas achou-se por bem considerá-lo. Disponível em: https://www.facebook.com/arquivo.foz?fref=ts

62 Os Amigos do Arquivo Municipal de Penafiel têm uma página no Facebook que é local de difusão e partilha de informação relacionada com o arquivo municipal, no entanto, por não ser gerida pelo serviço de arquivo não foi considerada.

63 No seu estudo, Adam Crymble identificou 104 arquivos com páginas no Facebook e ainda 64 serviços de arquivo e 27 arquivistas que utilizam o Twitter. O autor estudou a utilização do Twitter e do Facebook pela comunidade arquivística (serviços de arquivo e arquivistas) entre Agosto e Setembro de 2009, utilizando os termos de pesquisa “archives”, “archive” or “archivist”, tendo obtido um total de 195 instituições e indivíduos (CRYMBLE, Adam - op. cit., p. 135). Para o universo francês, Pauline Moirez e Édouard Bouyé estudaram a utilização da web colaborativa pelos serviços de arquivo públicos departamentais (101) e comunais franceses (36.682) (Informações recolhidas em http://www.archivesdefrance.culture.gouv.fr/annuaire-services/departement/ e http://www.archivesdefrance.culture.gouv.fr/annuaire-services/communes/). Foram identificados apenas 13 arquivos com página no Facebook e 6 com conta no Twitter, e ainda cerca de 20 serviços que desenvolviam projetos de colaboração de indexação de documentos e identificação de imagens (MOIREZ, Pauline - Archives participatives, p. 187); estimaram-se ainda 16 novos projetos de indexação colaborativa para aquele ano de 2012 (BOUYÉ, Édouard - op. cit., p.9.)

64 Para se fazer parte desta plataforma social, é necessário criar uma conta no Facebook que tanto pode ser um perfil (sobretudo usado por pessoas individuais que vão adicionando “amigos” e mantendo um perfil atualizado com partilha de informação, imagens, vídeo, e onde podem ser definidos níveis de privacidade) como uma página (em tudo semelhante ao perfil mas mais aconselhada para instituições devido às funcionalidades de autopromoção). A grande diferença entre ambos é que as páginas do Facebook são acessíveis ao público em geral e podem ser vistas por qualquer pessoa que tenha conta no Facebook, e não apenas por amigos pré-autorizados, o que acontece no caso de se ter um perfil.

65 Disponível em: https://www.facebook.com/arquivohistoricomunicipal.valongo. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

66 Disponível em: https://www.facebook.com/bcnarxiumunicipal. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

67 Disponível em: https://www.facebook.com/arquivomuseu.alenquer. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

68 Disponível em: https://www.facebook.com/ArquivoMunicipaldeTorresNovas. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

69 Disponível em: https://www.facebook.com/arquivo.foz?fref=ts. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

70 Disponível em: https://www.facebook.com/ArquivoMunicipalAlfredoPimenta. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

71 Disponível em: https://www.facebook.com/ArquivoMunicipalPontedeLima. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

72 Disponível em: https://www.facebook.com/arquivo.mun.lisboa. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

73 Disponível em: https://www.facebook.com/arquivo.mangualde?fref=ts. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

74 Disponível em: https://www.facebook.com/ArquivoMunicipalOAZ. Dados apurados a 16 de abril de 2014.

75 LEITÃO, Paulo Jorge Oliveira, op. cit., p. 117.

76 Entre outros, veja-se: ALVIM, Luísa - Blogues e Bibliotecas: construir redes na Web 2.0; BARRETO, Adalberto - Blogues e bibliotecas: informação, comunicação e nonsense à velocidade da luz; EIRAS, Bruno Duarte - Blogs: mais que uma tecnologia, uma atitude; SOUSA, Paulo Jorge et al., - A Blogosfera: perspectivas e desafios no campo da Ciência da Informação.

77 Disponível em: http://ame-arquivomunicipalespinho.blogspot.pt/

78 Disponível em: http://arquivomunicipalmirandela.blogspot.pt/

79 Disponível em: http://arquivomuseualenquer.blogspot.pt/

80 Disponível em: http://arquivo-cadaval.blogs.sapo.pt/

81 CERDÁ DÍAZ, Julio - Nuevas arquitecturas de la memoria. Los archivos en la era digital, p. 20.

82 Também designada por folksonomia.

Auteur

Centro de História da Sociedade e da Cultura, Universidade de Coimbra

© Publicações do Cidehus, 2017

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search