Version classiqueVersion mobile

Da produção à preservação informacional: desafios e oportunidades

 | 
Nelson Vaquinhas
, 
Marisa Caixas
, 
Helena Vinagre

Parte II - Gestão da Informação no século XXI

O Fundo Fotográfico da Casa Havanesa: contributos para a Historiografia Local

Guida da Silva Cândido et Ana Cláudia de Jesus Domingues

Résumé

O projecto de criação do Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz (AFMFF) vem erguendo os seus alicerces desde 2000, uma vez considerada a necessidade de criação de um espaço vocacionado para salvaguardar e centralizar toda a memória fotográfica. Conta com um valioso espólio fotográfico constituído por cerca de 120.000 espécies. Foi enriquecido em 2008/2009 com o Fundo Casa Havanesa composto por 50.000 espécies fotográficas.
A disponibilização deste Fundo é hoje um dos principais objectivos do Arquivo. Cientes da importância da disponibilização de todo um espólio, os técnicos trabalham para a construção de uma plataforma, criada de raiz à medida das necessidades desta instituição. É construída uma plataforma Web que comporta todos os campos que uma pesquisa poderá conter, tendo em conta um Tesauro temático. Permitirá, por um lado indexar as espécies e permitir uma pesquisa mais dirigida através do interface que disponibilizará todo o acervo.

Texte intégral

I.Apresentação

Fig. 1 - Arquivo Fotográfico Municipal, Figueira Foz, 2014

Fig. 1 - Arquivo Fotográfico Municipal, Figueira Foz, 2014
  • 1 Guida Cândido - A base de dados do Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz. In Terceras Jo (...)

1O Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz (AFMFF) tem vindo, dentro do possível, a corresponder às diferentes solicitações que lhe são apresentadas, nomeadamente no que concerne à cedência de imagens para fins diversos. Sendo esta uma das funções da instituição, outras há que convém lembrar para, de alguma forma, justificar este trabalho1. Trata-se da inventariação, conservação e divulgação da colecção de fotografia, em particular do Fundo Casa Havanesa (CH), espólio desta casa, no fundo pertença da Figueira da Foz e dos figueirenses. Este serviço cultural, organicamente dependente da Divisão de Cultura da Câmara Municipal da Figueira da Foz, foi fundado em 2000 e está instalado, desde dezembro de 2003, num espaço privilegiado, contíguo ao Museu, Biblioteca e Auditório Municipais. O projecto de criação é justificado pela necessidade de erguer um espaço com identidade própria vocacionado para salvaguardar e centralizar toda a memória fotográfica que constitui, e venha a constituir, património municipal. A sua edificação visou unificar numa só estrutura toda a informação documental iconográfica que tem estado à guarda dos diferentes serviços da Câmara Municipal, nomeadamente da Biblioteca e Museu Municipais, cujas colecções deram entrada por doação ou depósito de particulares ou foram sido constituídas no âmbito das actividades desenvolvidas por estes serviços culturais.

2O serviço assegura, ao público em geral, o acesso à colecção fotográfica através de uma base de dados informática, permitindo a sua reprodução em diferentes suportes.

3Complementa este serviço uma biblioteca especializada em monografias e publicações periódicas, as quais poderão ser consultadas na sala de atendimento ao público da Biblioteca Municipal, não estando autorizado o seu empréstimo domiciliário. Tem vindo a promover iniciativas que fomentam o enriquecimento do seu espólio fotográfico de valor cultural, regional e local, vocacionando esforços para desenvolver a interacção com munícipes, coleccionadores e instituições que possam, através de depósito, doação ou venda, contribuir para o aumento do património documental iconográfico, respeitante ao concelho da Figueira da Foz. Compete-lhe, igualmente, a conservação e preservação da colecção fotográfica através das adequadas condições ambientais e de armazenamento, bem como a sua digitalização por forma a garantir a salvaguarda dos originais; promover e difundir o espólio fotográfico, respeitado a sua acepção de “bem cultural”; permitir à comunidade estudantil, investigadores e a toda a comunidade, o fácil acesso ao banco de imagens; actualizar o banco de imagens, por forma a garantir a continuidade da preservação dos registos que continuamente assinalam os mais diversos aspectos da vida da cidade e suas freguesias, seu património, suas personalidades e efemérides, etc. Aspira ainda a estabelecer contacto directo com a população local, de modo a sensibilizar os proprietários de fotografias antigas a doarem ou cederem-nas temporariamente para digitalização, por forma a enriquecer a colecção do arquivo e preservar as memórias colectivas.

4O Arquivo Fotográfico Municipal conta já com um interessante e valioso espólio fotográfico (sécs. XIX-XXI) constituído por cerca de 120.000 espécies fotográficas. A colecção merece um olhar atento. Trata-se de um número significativo, sobretudo de provas em papel, cuja temática versa essencialmente a cidade da Figueira da Foz e suas freguesias, com as quais é possível fazer a ilustração histórica desde o século XIX até à actualidade. Actualmente, aos trabalhos de tratamento técnico e preservação das espécies avulsas e colecções existentes, acrescem já outras iniciativas de interesse público: a prestação de um regular serviço de consulta/digitalização de imagens;
apoio às iniciativas de diversos serviços camarários, entidades públicas e privadas, meios de comunicação social, estudantes e investigadores; promoção e divulgação do concelho da Figueira da Foz; criação de iniciativas promotoras de vínculos entre a comunidade e o fundo patrimonial iconográfico municipal (ex. Concurso Fotográfico da Figueira da Foz com cinco edições desde 2000); difusão do espólio fotográfico através de edições em vários suportes; realização de exposições e workshops de fotografia, entre outras.

II. A Casa Havanesa e o seu Fundo

5A Figueira da Foz cresceu notoriamente nos finais do século XIX. A conjuntura de prosperidade originou o crescimento físico da cidade espelhado com a construção do Bairro Novo pela Companhia Edificadora Figueirense, constituída em finais dos anos sessenta do século XIX (1867) com o intuito de urbanizar uma área de terrenos à beira-mar. O final do século XIX trouxe, também, à cidade da Figueira da Foz a linha de caminho de ferro que põe em contacto a cidade com o restante País.

  • 2 Rui Cascão – Casa Havanesa: um estabelecimento comercial ao serviço da cultura. In Casa Havanesa: o (...)
  • 3 Idem, ibidem.

6Neste clima de progresso, foi fundada a Casa Havanesa, considerada por Rui Cascão2 como o estabelecimento comercial mais antigo da Figueira. Em 1882, já elevada a cidade, a Figueira da Foz via nascer a Casa Havanesa, edificada por José Augusto dos Santos, na Praça Nova, a 10 de Agosto 1885, tornando-se uma testemunha da História local e nacional. Dedicada de início ao negócio dos tabacos, como as suas congéneres de Coimbra e Lisboa, Rui Cascão3 considera que houve uma moda de designar as tabacarias de Havanesa. A da Figueira não foi diferente e especializou-se em produtos de qualidade para os exigentes clientes que procuravam o melhor sortido de tabacos nacionais e estrangeiros. Acompanhando a dinâmica da cidade, ou seja, a sua expansão com a criação do Bairro Novo de Santa Catarina, abre uma sucursal na rua da Boa Recordação (hoje rua Cândido dos Reis ou Picadeiro), centro da vida social, cultural e de lazer na Figueira da Foz. As portas foram abertas no Verão de 1904, ocupando uma parte do Café Europa que aí funcionava. A filial na Praça 8 de Maio manteve-se até 1935.

  • 4 Rui Cascão – Casa Havanesa: um estabelecimento comercial ao serviço da cultura. In Casa Havanesa : (...)

7José Augusto dos Santos morria sem deixar descendência, passando os seus bens para o irmão mais velho, Jacinto Augusto dos Santos. Sem vocação para os negócios, (tabelião reformado) cedeu a exploração da Havanesa ao sobrinho de ambos, José dos Santos Alves. Por volta de 1915, era proprietário deste estabelecimento, e passa a investir em livraria e papelaria. Dez anos depois era já um conceituadíssimo estabelecimento procurado por figueirenses, veraneantes portugueses e estrangeiros, que procuravam a imprensa periódica, artigos de papelaria, postais ilustrados, máquinas de escrever. Nos anos 20 são inúmeros os anúncios de artigos de fotografia, e a alusão à marca Kodak. A casa aposta na publicidade para sensibilizar os amadores e apela, frequentemente, à facilidade com que se podia captar os momentos mais marcantes das férias em família com a compra da Kodak Júnior, ou da Brownie que podia ser usada por crianças4.

  • 5 Secção fotográfica da Casa Havanesa. “A Gazeta da Figueira”. (Ago.1921) p. 4.

8Em 1921 é anunciada, na Gazeta da Figueira5 de 6 de Agosto a abertura da secção fotográfica da Casa Havanesa, sob a direcção do conceituado fotógrafo figueirense Artur Santos. Esta histórica casa comercial veio a adquirir o espólio da Casa Pereira Monteiro, anterior à Casa Havanesa, e que possuía no seu acervo uma grande quantidade de material do século XIX. Desta forma, o fundo Havanesa, para além da sua produção, reúne material de diferentes autores, diversas casas fotográficas e épocas cronológicas distintas.

9Na imprensa local figueirense são inúmeras as referências a fotógrafos e estúdios de fotografia desde 1876. Alguns sazonais, abriam as suas portas durante a época balnear que se iniciava em Junho e prolongava até Outubro/Novembro. A Photografia Europa, com loja na rua dos banhos 79 pertencia, à data, a José Gonçalves e seria adquirida nos anos 30 do século XX por Artur Santos, fotógrafo e colaborador da Casa Havanesa.

  • 6 A Casa Havanesa. “O Palhinhas” (26 Jul. 1931) p. 3.

10Também a Photografia Pereira Monteiro, na rua Cândido dos Reis nº 56, junto ao Café Europa deu vida ao Bairro Novo e oferece os seus serviços fotográficos. Ainda em 1930 o periódico O Palhinhas6 publicitava este estabelecimento como “o primeiro estabelecimento fotográfico da Província”. É desta casa comercial que José dos Santos Alves, proprietário da Casa Havanesa, veio a adquirir um considerável espólio, em concreto, negativos de chapas de vidro das duas primeiras décadas do século XX.

  • 7 A Casa Havanesa. “A Praia”. (Ago.1921) p. 6.

11No início dos anos 20, concretamente em 1921, o jornal A Praia7 dava grande destaque à secção fotográfica da Casa Havanesa que abrira as portas nesse verão.

  • 8 António Pedro Vicente - Carlos Relvas fotógrafo: contribuição para a história da fotografia em Port (...)

12Sem estúdio fotográfico destacaram-se dois importantes fotógrafos: Carlos Relvas e Manuel Santos que marcaram a história da fotografia na Figueira. Um dos mais destacados fotógrafos amadores que imortalizou a cidade em finais de século XIX, foi Relvas (1838-1894). Em 1855 a fotografia começara a industrializar-se, e a moda do retrato depressa se torna popular. Em 1862 Relvas começou a sua actividade como fotógrafo e investiu muito do seu património na introdução de processos mais modernos para o seu laboratório. Se o daguerreótipo foi utilizado até muito tarde em Portugal, não foi esta a escolha de Carlos Relvas8.

  • 9 Guida Cândido - O Fotógrafo Carlos Relvas e a Figueira da Foz. Rua Larga, Revista da Reitoria da Un (...)

13No fundo da Casa Havanesa foram contabilizadas cerca de 70 chapas de vidro de gelatina e sais de prata pertencentes a este viajante e explorador. Com uma ligação muito estreita a esta cidade, onde veraneava, pelos anos 80/90, capta como muito poucos, aspectos da vida social e comercial de uma localidade em franco crescimento económico e populacional9.

14O Fundo Casa Havanesa deu entrada no Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz (AFMFF) em duas fases. A primeira, a que corresponde a grande parte do Fundo, no último trimestre de 2008 e posteriormente, no segundo semestre de 2009, cerca de 1.500 espécies fotográficas. Com a realização do pré-inventário, determinou-se quais os materiais, formatos, quantidades e temáticas do acervo, permitindo a sua organização, para futura intervenção ao nível da catalogação, digitalização e acondicionamento.

15Composto por cerca de 50.000 espécies fotográficas, nos diferentes suportes (vidro, película e papel). Embora muitas das imagens se encontrem datadas e legendadas, o Fundo chegou acondicionado em caixas sem uma organização de colecção. Assim, e após uma primeira análise, foram segregadas as espécies danificadas e instáveis, e posteriormente agrupados por formatos e tipologias os restantes materiais. Resultou este acondicionamento em 55 caixas de armazenamento provisório. O espólio, de uma forma geral, encontra-se num estado de conservação razoável. Contudo, foram detectados algumas espécies danificadas de forma irrecuperável. Essencialmente películas com estado de deterioração avançado, com impossibilidade de digitalização das mesmas, bem como algumas chapas de vidro partidas ou com emulsão descolada, inviabilizando a sua recuperação. As provas em papel, no global, estão estabilizadas e com condições para a sua digitalização e salvaguarda das imagens de forma absoluta.

III. O Tesauro

  • 10 Guia de Fundos e colecções fotográficas. Centro Português de Fotografia, DGARQ. Porto: DGARQ – Cent (...)
  • 11 Utilizamos aqui parte do artigo apresentado nas atas das Jornadas indicadas: Guida Cândido, «A base (...)

16Recuando no tempo e ao momento em que a equipa do AFMFF – após uma primeira fase de trabalho que consistiu na elaboração de um pré-inventário da colecção – procedeu à pesquisa e estudo de um instrumento de trabalho viável, visando contribuir para a inventariação do espólio e para aumentar a acessibilidade ao público e permitir o correcto procedimento com a colecção, nomeadamente com a utilização de um instrumento de descrição das imagens. O Guia de Fundos e Colecções Fotográficos do Centro Português de Fotografia responde a algumas das necessidades, nomeadamente em termos de organização de fundos10. Contudo, recorreu-se a um instrumento de indexação estrangeiro, por se entender ser mais completo. Trata-se do Tesaure BIMA, da autoria de Sílvia Domènech i Fernàndez, do Arxiu Municipal de Barcelona11. O Arquivo Fotográfico do Arquivo Histórico de Barcelona adoptou a base de dados BIMA, para informatização de todo o material de imagem, fixa e móvel, do município de Barcelona, criando para o efeito um Tesauro, ou seja, uma linguagem controlada para a indexação de todas as informações respeitantes às imagens guardadas na base de dados.

Fig. 2 - Tesaure BIMA Sílvia Domènech i Fernàndez, Arxiu Municipal de Barcelona

Fig. 2 - Tesaure BIMA Sílvia Domènech i Fernàndez, Arxiu Municipal de Barcelona

17Foi este o ponto de partida para a elaboração do Tesauro que disponibilizamos aos utilizadores do AFMFF. Depois de analisado o instrumento catalão, procedemos às necessárias adaptações à realidade local e histórica da nossa cidade, conforme as informações que já retirámos das imagens. O Tesauro que propomos é apresentado em duas versões: o temático e o alfabético. Na primeira, os termos são apresentados de forma hierárquica; na segunda, aparecem todos os termos por ordem alfabética, com as relações que se estabelecem com todos os outros.

18O principal objectivo da utilização de um suporte da base de dados é o correcto armazenamento de informação e posterior utilização da mesma, de um modo pertinente, exaustivo e fácil para o utilizador. A gestão dessa informação prevê a salvaguarda da mesma, para que nada se perca. A base de dados armazena uma grande quantidade de informação, bastante específica, mas também em permanente crescimento e evolução, o que implica a criação de um instrumento de controlo do vocabulário empregue na indexação. O Tesauro é uma importante etapa no tratamento da informação contida no documento. A possibilidade de uma lista de termos controlados, permite uma pesquisa sem necessidade de intermediários ou especialistas em documentação. São muitas as vantagens assinaláveis ao fazer uma pesquisa com um Tesauro: permite obter respostas mais precisas; pode especializar-se numa matéria e por isso tratá-la de maneira mais exaustiva; é de fácil utilização, graças à sua estrutura alfabética e semântica; traduz a linguagem natural em linguagem documental, estabelecendo relações de equivalência e ainda revelando relações hierárquicas e associativas.

19A cobertura temática do acervo é complexa. Trata-se de um conteúdo muito particular, centrado na cidade da Figueira da Foz em fotografias (arquitectura; actividades; personalidades; dependências municipais...). Assim, este Tesauro é dotado de uma multidisciplinaridade. Dividiu-se em nove microtesauros, ou áreas temáticas, à volta das quais se articulam a totalidade dos termos deste Tesauro, muito à semelhança do Tesaure BIMA, que serviu de base de trabalho. Os microtesauros são:

  • ACTIVIDADES ECONÓMICAS - Trata-se das actividades do ser humano que asseguram a sua subsistência. Os temas referidos são agricultura, pecuária, pesca e indústria. Aqui, o mais desenvolvido é, naturalmente, a pesca, devido à localização costeira da cidade e ao peso da actividade piscatória na história, economia e desenvolvimento da cidade.

  • ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO - Refere-se à gestão municipal ou administração local, reflectindo o funcionamento, composição, actividades, organização, estrutura e personalidades dos organismos que fazem a gestão da cidade, de uma maneira particular, a Câmara Municipal.

  • ARTE - Conjunto de técnicas, estilos, actividades e obras relacionadas com uma actividade artística.

  • CIÊNCIA E TECNOLOGIA - Conjunto organizado de conhecimentos humanos relativos a certas categorias de factos ou fenómenos, nomeadamente a tecnologia como disciplina científica que trata do tema da indústria.

  • CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS - Conjunto de disciplinas que têm por objecto o estudo do Homem e fenómenos sociais numa perspectiva científica. Basicamente inclui: história, antropologia cultural, filosofia, religião, filologia, economia, direito, educação, política, ciências militares e ciências do comportamento.

  • LAZER - Tempos livres ocupados com actividades diferentes das ocupações obrigatórias de cada um. A saber: jogos, brinquedos, espectáculos, desportos, actividades culturais, turismo. No fundo, todas as actividades recreativas desenroladas na cidade da Figueira da Foz.

  • SOCIEDADE - Conjunto de relações físicas e culturais de pessoas e grupos. Prende-se com a vida social que cobre os actos sociais, a vida quotidiana e também problemas da sociedade, organização social, demografia e personalidades.

  • TRANSPORTES E COMUNICAÇÃO - Compreendendo que transporte se define pela acção de levar de um local para outro pessoas ou coisas, através de veículos, transportadores e outras instalações e a comunicação respeita à acção e processo de transmitir uma mensagem estabelecendo uma relação e interacção social.

  • URBANISMO - Ciência e técnica da organização das cidades e seu território. Trata-se de um microteasuro bastante importante que cobre grande parte da temática das fotografias do Arquivo Fotográfico Municipal (arquitectura, estrutura urbana, rede viária, etc.) sendo bastante desenvolvido e com múltiplos descritores.

20Os termos de indexação que compõem o Tesauro classificam-se em dois tipos: descritores que respeita ao termo que se utiliza na indexação para representar um determinado conceito e o não descritor, ou seja, sinónimo ou “quase-sinónimo” de um descritor. Serve de entrada num Tesauro ou num índice alfabético sendo, neste caso, remetido através de uma nota para o descritor apropriado.

21O Tesauro é formado por um conjunto de descritores e não descritores e um sistema de relações entre eles. Estes termos de indexação agrupam-se em grandes áreas temáticas criando microtesauros. Cada um dos micro tem agrupamentos com termos de topo. As relações que se estabelecem entre os diversos termos podem ser relações de equivalência, hierárquicas e associativas. Os símbolos utilizados nestas relações são colocados antes dos termos. Cada símbolo indica a relação ou função do termo ou da nota que se segue. No que concerne à organização formal, o Tesauro inclui uma apresentação sistemática e uma apresentação alfabética. No primeiro caso é a parte do Tesauro sistemática e hierárquica em que cada descritor se situa num determinado contexto semântico. Estão presentes todos os descritores agrupados em temas ou grandes áreas temáticas que se denominam microtesauros. Cada um dos micro inclui todos os descritores e as suas relações hierárquicas. Nesta parte do Tesauro não se incluem os não-descritores, nem as relações associativas ou notas explicativas. Os nomes dos micro e os termos de topo estão codificados. Os primeiros com uma letra maiúscula (de A a I); os outros apresentam a letra maiúscula do micro a que pertencem mais um número correspondente.

22Exemplo:

E. Ciências Humanas e Sociais Micro

E.1. História Termo de Topo

Disciplinas de História Termo Genérico

TE1 Arqueologia Termo Específico de 1º nível

TE2 Estruturas arqueológicas Termo Específico de 2º nível

23O Tesauro Alfabético apresenta todos os termos de indexação (descritores e não-descritores, estes com notas remissivas para os anteriores) em forma de lista alfabética.

24Cada descritor tem a seguinte informação:

Não descritor

Notas explicativas

Nome do micro a que pertence e código

Termos genéricos

Termos específicos

Termos relacionados

Exemplo:

Mercados

Use Feiras

MT Urbanismo

TG1 Edifícios comerciais

TG2 Estruturas arquitetónicas

TG3 Arquitetura

25Recomenda-se, na utilização do Tesauro, o seu acesso através do Tesauro Temático, pois a sua consulta permite obter uma visão de conjunto, uma vez que os termos aparecem agrupados tematicamente, permitindo uma orientação para a selecção dos termos mais próximos do conceito procurado. Obtém-se, assim, uma visão de conjunto de uma matéria ou de um sub-tema. Enquanto que o acesso pelo Tesauro Alfabético possibilita o acesso directo a um determinado termo e de imediato ao conjunto das diversas relações e informações. Faculta, ainda, a consulta de notas explicativas; os descritores; termos associados e toda a hierarquia.

26Como anteriormente se referiu, o AFMFF conta com um valioso espólio (séc. XIX-XXI) constituído por cerca de 120.000 espécies em suporte físico, do qual faz parte o Fundo Casa Havanesa (CH), fruto de doação, correspondendo à produção fotográfica da CH.

IV. Disponibilizar para preservar: A plataforma Web

27A disponibilização e a difusão deste valioso Fundo é hoje um dos principais objectivos do Arquivo. A massificação da informação com os novos Media exige que hoje a informação seja global, partilhada e para todos. A informação digital forma uma parte importante do nosso património cultural e intelectual e oferece benefícios muito significativos para os utilizadores. As novas auto-estradas de informação, como a Web, criaram uma diferente dimensão, que é hoje berço de uma nova cultura, com novos padrões. A sociedade é agora digital e as TIC permitem actualmente derrubar fronteiras de qualquer ordem ou condição social.

28Cientes da importância da divulgação deste espólio documental, os técnicos, oriundos de várias áreas, onde a História e as Novas Tecnologias se juntam, trabalham para a construção de uma nova plataforma digital que permita o acesso ao Fundo, sem que seja necessária uma consulta presencial exigida pela BD Bibliobase Imagem usada para organização das imagens disponíveis ao público.

29Graças a esta interdisciplinaridade é construída uma plataforma digital, facilitadora no acesso às imagens, com uma BD Mysql, que comporta todos os campos que uma pesquisa poderá conter, tendo em conta um Tesauro Temático. Numa primeira fase é, precisamente, disponibilizado um sub núcleo do Fundo (CH) de espécies fotográficas datadas de entre 1914 e 1918, num total de 193 chapas de vidro (demonstrado quantitativamente no quadro 1) com emulsão de gelatina e sais de prata que versam sobretudo temas como o turismo, lazer, urbanismo, actividades económicas e personalidades figueirenses.

Quadro 1 – Chapas de vidro a disponibilizar

1914

1915

1916

1917

1918

87

88

1

8

9

30A concepção e realização da plataforma assentam em dois níveis de execução distintos: backoffice e interface. Para o primeiro foram criadas directrizes relativamente ao upload de imagem, catalogação e indexação. A imagem, depois de inserida, teria de estar sempre visível para que o técnico que a trabalhasse tivesse sempre presente os elementos que a constituem. À direita da imagem foi proposta a “zona de catalogação” e estabeleceram-se os principais elementos necessários à sua composição.

Fig. 3 – Upload de imagem e catalogação

Fig. 3 – Upload de imagem e catalogação

31Achou-se premente a inclusão dos 744 elementos descritores começando pela apresentação dos microtesauros, a partir dos quais se desdobram os termos de encabeçamento de 1º, 2º e 3º nível. Com o referido modo de organização, evita-se, assim, uma lista extensa, e um scroll contínuo a que o técnico estaria sujeito para procurar um determinado termo. Visualmente é, também, mais apelativo dada a sua disposição. Associada a esta organização, os descritores são acompanhados de checkboxes que permitem ao técnico selecionar o termo pretendido sem que se desperdice tempo em demasia na escrita de cada palavra. De forma a optimizar a utilização do Tesauro, considera-se pertinente que, ao seleccionar um termo de determinado nível seja activado automaticamente a selecção do termo de encabeçamento de origem. Colmata-se, desta forma, um hipotético esquecimento de seleção de um microtesauro.

Fig. 4 – Microtesauros

Fig. 4 – Microtesauros

32Preenchidas as áreas da catalogação e indexação a imagem fotográfica encontra-se inserida na BD e pronta para ser pesquisável pelo utilizador.

Fig. 5 – Campos de catalogação e descritores inseridos

Fig. 5 – Campos de catalogação e descritores inseridos

33A versatilidade da plataforma, ou seja, o facto de estar assente numa base de dados construída em MySql, linguagem aberta, e por isso não condicionada a posteriores investimentos quando necessários futuros desenvolvimentos cria, à priori, uma liberdade para o AFMFF. A funcionar online, liberta o técnico que cataloga e indexa de um posto fixo, podendo realizar alterações, ou inserir novos dados, onde quer que esteja. A possibilidade de trabalhar a partir de diferentes dispositivos móveis é também uma mais valia desta aplicação, que pode ser acedida através de smartphones ou tablets. Esta forma de gestão de conteúdos poderá instituir um contributo para a modernização dos serviços públicos. Se por um lado a plataforma online cria liberdade de acesso e de gestão, a utilização do Tesauro origina facilidade de organização e de pesquisa futura, também ele adaptável consoante o objectivo final da plataforma.

34A necessidade de acelerar o processo de catalogação/indexação para posterior divulgação é fulcral para a criação de “movimento” que os arquivos necessitam para aumentar a sua visibilidade.

35O utilizador da plataforma tem ao seu serviço uma pesquisa simples ou uma pesquisa orientada, com base no Tesauro, como indicado na figura 6.

Fig. 6 – Disponibilização do Tesauro

Fig. 6 – Disponibilização do Tesauro

36Viabiliza, desta forma, uma pesquisa mais dirigida e uma futura disponibilização do acervo ao nível da Europeana Photography. Contendo espécies fotográficas datadas da primeira década do século XX (entre outras) representa uma mais valia para toda a comunidade científica e, em especial, para o estudo da cidade durante a Grande Guerra.

37A função básica de um arquivo é, hodiernamente, a de tornar acessíveis as informações contidas num determinado espólio. A disponibilização, contudo, só poderá ser bem sucedida com a melhor catalogação e, mais importante ainda, com uma indexação que permita ao documento “falar”, contar simultaneamente a sua história e constituir-se narrativa. A imagem tem um carácter de subjetividade que implica, por parte do técnico, a obrigatoriedade de apoiar a sua interpretação de forma organizada com recurso a uma linguagem controlada, veiculada por um Tesauro Temático.

38Património cultural e tecnologia, são cúmplices nesta nova era onde a necessidade de acesso a conteúdos por parte do comum cidadão ou empresas ligadas ao turismo cultural têm crescido consideravelmente nos últimos dez anos. Os documentos de imagem são fonte de protecção da memória, que resultam do produto sociocultural de um grupo de indivíduos da mesma comunidade ou sociedade. A fidelidade da fotografia conferiu então uma informação mais objectiva, insubstituível na descrição, caracterização e visualização dos cenários de acontecimentos “oferecendo” ao explorador, historiador, investigador ou simples interessado, um vasto leque de factos, de elementos da subjetividade humana que importa observar e indagar, para um mais fiel retrato da sociedade. As colecções de fotografia são uma parte fulcral do património cultural. O seu interesse documental e artístico, de elevado valor, engloba igualmente a história das técnicas, dos materiais utilizados inerentes a cada género de suporte. Os arquivos deixaram de ser apenas um local legalizado de depósito/armazenamento. Com a evolução tecnológica, o termo preservação adquire novo significado e a reprodução através da digitalização e posterior disponibilização ao público cria uma nova incumbência para estas instituições. O tratamento, o restauro e o posterior acondicionamento físico dos materiais deixaram de ser objectivos exclusivos destas entidades. A estes, acresce, o processo de digitalização e disponibilização dos documentos em formato digital, revolução trazida com a própria evolução/revolução tecnológica.

  • 12 Maria Luísa Cabral - Amanhã é sempre longe demais. Crónicas de P&C, Lisboa: Gabinete de Estudos a (...)

39A herança cultural, cuja guarda é da responsabilidade de todos nós, mas principalmente dos arquivos, bibliotecas e museus, é constituída em parte pelo legado dos nossos escritores, pensadores e artistas12 que, se por um lado urge preservar, é peremptória, igualmente, a sua partilha e difusão. As espécies fotográficas alvo de tratamento são, acima de tudo, o testemunho de uma época, o relato vivo de um fotógrafo, que com a sua subjectividade nos relata acontecimentos, de extrema importância na construção do discurso histórico actual.

40Este bem cultural tem vida. Vida impregnada das vidas que o construíram, modificaram, moldaram. Ao contemplar o bem cultural retornamos ao tempo da sua origem. O fotógrafo completou o seu trabalho e aos sujeitos preocupados com a preservação e divulgação destes documentos fotográficos, incumbe continuar-lhes a dar voz para que o historiador ou um simples interessado pela nossa História construa um novo discurso representativo do passado e fortaleça o nosso sentimento de pertença. Estes “espelhos de memórias” são um veículo preciosíssimo de transmissão de factos, tão importantes e imprescindíveis para o conhecimento da História de uma comunidade e construção da historiografia local.

Bibliographie

ANTÓNIO, Rafael; FERREIRA, Maria José - DocBase Imagem. Lisboa: Documentação Informática e Desenvolvimento, 2000.

BORGES, José Pedro de Aboim - Arqueologia da Fotografia Industrial. In I Encontro Sobre Património Industrial, Actas e Comunicações. Coimbra. Vol. II, 1990, pp.731-735.

CABRAL, Maria Luísa - Amanhã é sempre longe demais: crónicas de P&C, Lisboa: Gabinete de Estudos a&b, 2005, p.18.

CÂNDIDO, Guida - Criação de um Tesauro. Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz. In Segundas Jornadas Imagen, Cultura y Tecnologia. Madrid: Universidad Carlos III de Madrid, 2004, pp. 55-68.

CÂNDIDO, Guida - A base de dados do Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz. In Terceras Jornadas Imagen, Cultura y Tecnologia. Madrid: Universidad Carlos III de Madrid, 2005, pp. 71-82.

CÂNDIDO, GUIDA - Tesauro Temático do Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz. Não publicado. 2003.

CÂNDIDO, Guida - O Fotógrafo Carlos Relvas e a Figueira da Foz. Rua Larga, Revista da Reitoria da Universidade de Coimbra. Nº 14 (2006).

CASCÃO, Rui – Casa Havanesa: um estabelecimento comercial ao serviço da cultura. In Casa Havanesa: o encerrar de um ciclo. Figueira da Foz: Câmara Municipal da Figueira da Foz, Divisão de Cultura, Museu, Biblioteca e Arquivos, 2007.

DOMÈNECH I FERNÀNDEZ, Sílvia -Tesaure BIMA. Barcelona: Arxium Municipal de Barcelona, 1997.

Guia de Fundos e colecções fotográficas. Centro Português de Fotografia, DGARQ. Porto: DGARQ – Centro Português de Arquivos, 2007.

MATEUS, Luís Manuel - Museus e Arquivos de Fotografia: Que Fazer Com 150 Anos ­de Património Fotográfico? In I Encontro Sobre Património Industrial, Actas e Comunicações. Coimbra. Vol. II, 1990, pp.429-436.

­­­­MENDES, Maria Teresa Pinto; SIMÕES, Maria da Graça - Indexação Por Assuntos Princípios Gerais e Normas. Páginas Arquivos & Bibliotecas. Lisboa. Nº 8 (2001), pp. 7-74.

NP 3715. 1989. Lisboa: IPQ.

NP 4036, 1993. Lisboa: IPQ.

PAVÃO, Luís - Conservação de Colecções de Fotografia, Lisboa: Dinalivro, 1997.

PAVÃO, Luís - Preservação de Fotografia na Era do Digital. Páginas Arquivos & Bibliotecas. Lisboa. Nº 10 (2002), pp. 7-19.

SILVA, Armando Jorge - Fotografia Arqueologia e Património Industriais. In I Encontro Sobre Património Industrial, Actas e Comunicações. Coimbra. Vol. II, 1990, pp. 238-255.

VICENTE, António Pedro - Carlos Relvas fotógrafo: contribuição para a história da fotografia em Portugal no século XIX. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1984.

Periódicos

A Casa Havanesa. «A Praia». (Ago.1921) 6.

A Casa Havanesa. «O Palhinhas» (26 Jul. 1931) 3.

Secção fotográfica da Casa Havanesa. «A Gazeta da Figueira». (Ago.1921) 4.

Cibergrafia

Consulta de dicionário – [Em linha]. [Consult. a 1 de setembro de 2014]. Disponível em: www.priberam.pt.

Pesquisa geral – [Em linha]. [Consult. a 1 de setembro de 2014]. Disponível em: www.diccionarios.com.

Pesquisa geral – [Em linha]. [Consult. a 1 de setembro de 2014]. Disponível em: www.portoeditora.pt.

Tesauro da Unesco – [Em linha]. [Consult. a 27 de agosto de 2014]. Disponível em: http://databases.unesco.org/thesaurus/

Notes

1 Guida Cândido - A base de dados do Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz. In Terceras Jornadas Imagen, Cultura y Tecnologia. Madrid: Universidad Carlos III de Madrid, 2005, p. 71.

2 Rui Cascão – Casa Havanesa: um estabelecimento comercial ao serviço da cultura. In Casa Havanesa: o encerrar de um ciclo. Figueira da Foz: Câmara Municipal da Figueira da Foz, Divisão de Cultura, Museu, Biblioteca e Arquivos, 2007.

3 Idem, ibidem.

4 Rui Cascão – Casa Havanesa: um estabelecimento comercial ao serviço da cultura. In Casa Havanesa : o encerrar de um ciclo. Figueira da Foz: Câmara Municipal da Figueira da Foz, Divisão de Cultura, Museu, Biblioteca e Arquivos, 2007.

5 Secção fotográfica da Casa Havanesa. “A Gazeta da Figueira”. (Ago.1921) p. 4.

6 A Casa Havanesa. “O Palhinhas” (26 Jul. 1931) p. 3.

7 A Casa Havanesa. “A Praia”. (Ago.1921) p. 6.

8 António Pedro Vicente - Carlos Relvas fotógrafo: contribuição para a história da fotografia em Portugal no século XIX. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1984, p. 24.

9 Guida Cândido - O Fotógrafo Carlos Relvas e a Figueira da Foz. Rua Larga, Revista da Reitoria da Universidade de Coimbra. Nº 14 (2006), pp. 26-29.

10 Guia de Fundos e colecções fotográficas. Centro Português de Fotografia, DGARQ. Porto: DGARQ – Centro Português de Arquivos, 2007, pp. 16-19.

11 Utilizamos aqui parte do artigo apresentado nas atas das Jornadas indicadas: Guida Cândido, «A base de dados do Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz», Segundas Jornadas Imagen, Cultura y Tecnologia, Madrid, Universidad Carlos III de Madrid, 2004, pp. 55 a 68.

12 Maria Luísa Cabral - Amanhã é sempre longe demais. Crónicas de P&C, Lisboa: Gabinete de Estudos a&b, 2005, p. 18.

Table des illustrations

Titre Fig. 1 - Arquivo Fotográfico Municipal, Figueira Foz, 2014
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2681/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Fig. 2 - Tesaure BIMA Sílvia Domènech i Fernàndez, Arxiu Municipal de Barcelona
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2681/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 3 – Upload de imagem e catalogação
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2681/img-3.png
Fichier image/png, 62k
Titre Fig. 4 – Microtesauros
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2681/img-4.png
Fichier image/png, 50k
Titre Fig. 5 – Campos de catalogação e descritores inseridos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2681/img-5.png
Fichier image/png, 305k
Titre Fig. 6 – Disponibilização do Tesauro
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2681/img-6.png
Fichier image/png, 1,2M

Auteurs

Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz

Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz

© Publicações do Cidehus, 2017

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search