Version classiqueVersion mobile

Redes, bibliotecas e literacias

 | 
Fernando Gameiro
, 
António Cachopas

O Núcleo de Documentação da Câmara Municipal de Évora na Rede de Bibliotecas de Évora

Orlanda Silva

Résumé

Esta comunicação visa a partilha de experiências do Núcleo de Documentação da Câmara Municipal de Évora, dentro da Rede de Bibliotecas de Évora.
Gira Livros e Para Emprestar é Preciso Catalogar são projetos que contribuem para a concretização dos pilares enunciados nos objetivos do Núcleo de Documentação e da Rede de Bibliotecas de Évora.
A comunicação conclui que o Núcleo de Documentação e a Rede de Bibliotecas de Évora assumem o seu papel cultural e educacional nos novos paradigmas da Sociedade da Informação e do Conhecimento, uma vez que as redes de bibliotecas desempenham um papel essencial na criação de hábitos de leitura e aquisição de capacidades para a utilização da informação, as quais são indispensáveis ao cidadão para a sua afirmação, espírito crítico e exercício da cidadania.

Texte intégral

Introdução

1A Sociedade da Informação e do Conhecimento é caracterizada pelo elevado número de atividades produtivas que dependem da gestão dos fluxos informacionais, dos processos de difusão da informação e do conhecimento e do uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Contudo, com a crescente «disponibilização de informações, principalmente via Internet, surgiram barreiras relacionadas ao seu acesso, tais como o número ilimitado de fontes e o desconhecimento de certos mecanismos de filtragem, organização e mesmo de apropriação da informação» (DUDZIAK, 2003, 23).

2Assim, no contexto da sociedade atual é essencial as bibliotecas dotarem o futuro cidadão de competências, quer em literacia da informação que lhe permitam compreender a informação, «aprender a aprender», solucionar problemas, expressar corretamente os seus pensamentos e atuar no contexto pessoal, profissional, social e democrático, quer em literacia digital que lhe permitam aprender sobre o uso da tecnologia, recolher, avaliar e aplicar informação e novos conhecimentos em ambientes digitais.

3Deste modo a literacia da informação é indissociável da literacia digital, uma vez que ambos os conceitos incorporam conhecimentos, habilidades, valores pessoais e sociais e envolvem informação, conhecimento, inteligência e tecnologia.

4O Núcleo de Documentação (ND) da Câmara Municipal de Évora (CME) é um espaço de acesso à informação e ao conhecimento para a população que vive, trabalha e estuda no concelho de Évora e para os investigadores nacionais e internacionais. Integra a Rede de Bibliotecas de Évora (RBEV) desde 2012, ano da celebração do protocolo de criação desta rede. A criação de redes de bibliotecas e a cooperação entre bibliotecas desempenham um papel fundamental nos domínios da leitura e da literacia, na formação global do cidadão e no aprofundamento da cultura literária, científica, tecnológica e artística.

5No âmbito do I Seminário da Rede de Bibliotecas de Évora propusemo-nos dar a conhecer e divulgar o ND da CME, bem como partilhar informação sobre o trabalho desenvolvido por este serviço de informação na RBEV, enquanto entidade parceira e cooperante. Para tal, a metodologia adotada foi o relato de experiência, no qual procurámos pontuar o caminho por nós percorrido e os desafios enfrentados durante a implementação dos projetos Gira Livros e Para Emprestar é preciso Catalogar. Contudo, este relato de experiência apresenta limitações claras e evidentes. A mais óbvia é o facto de não haver propriamente conclusões ou evidências empíricas.

6O projeto Gira Livros iniciou-se em abril de 2011, cujos objetivos são promover o gosto pela leitura e a motivação para a leitura, bem como a promoção do livro e da leitura e o prolongamento da vida útil de livros. Por outro lado, o projeto Para Emprestar é Preciso Catalogar realizou-se na Biblioteca da Escola de S. Mamede (BESM) durante os anos 2013 e 2014. O principal objetivo foi catalogar a coleção daquela biblioteca escolar e construir o catálogo automatizado, já que uma das principais funções das bibliotecas consiste em gerir, tratar e disponibilizar informação em função das necessidades formativas e informativas dos seus utilizadores. Este catálogo foi integrado no catálogo do Agrupamento de Escolas N.º 3, bem como no catálogo coletivo da RBEV.

7Por fim, o ND e a RBEV constituem-se como recursos essenciais para a criação de hábitos de leitura e aquisição de competências para o uso da informação, indispensáveis ao exercício da cidadania e participação ativa na democracia.

O Núcleo de Documentação da Câmara Municipal de Évora. Breve caracterização do Núcleo de Documentação e do utilizador

8O concelho de Évora, de acordo com os Censos de 2011, tem uma área de 1.307,08 Km2 e conta com uma população de cerca de 56.600 habitantes. A CME é o órgão executivo colegial do município e os serviços municipais são organizados segundo um modelo de estrutura hierarquizada.

9Ao nível da estrutura nuclear, os serviços municipais organizam-se em departamentos e ao nível da estrutura flexível, os serviços municipais organizam-se em divisões, unidades municipais, secções e equipas de projeto.

10O ND da CME foi criado em 1987 e atualmente está integrado na Divisão de Cultura e Património (DCP). Este serviço surge pelo facto de Évora não ter Biblioteca Municipal, uma vez que na cidade existe a Biblioteca Pública de Évora (BPE), com depósito legal desde 1931, a qual está atualmente dependente da Biblioteca Nacional.

11A criação do ND teve como finalidade reunir as espécies bibliográficas que se encontravam dispersas pelos vários serviços da autarquia, mas foi-se constituindo como uma biblioteca especializada em história e património locais, com a missão de contribuir para a gestão autárquica, para o desenvolvimento cultural/educativo e apoiar a investigação sobre a região de Évora e do Alentejo, quer ao nível interno quer ao nível externo dos utilizadores.

12Em 1991, devido à grande afluência de utilizadores externos foram definidos os objetivos: reunir os documentos e a informação sobre Évora e a região do Alentejo; selecionar e tratar a documentação recebida na autarquia; prestar apoio na área da investigação histórica e cultural. A partir de 2003 iniciou-se a automatização do catálogo bibliográfico, o qual se encontra disponível na Internet.

13Em 2011 foi criada a Livraria Municipal, a qual se encontra inserida no espaço do ND, afirmando-se como um espaço dedicado à venda, promoção e divulgação de publicações editadas ou apoiadas pela CME. Para além da venda de livros, os munícipes e os utilizadores podem adquirir outros materiais, como postais, medalhas comemorativas, cd’s, vídeos, etc. Contudo, a par da aquisição de livros os munícipes e os utilizadores podem consultá-los e obterem esclarecimento e/ou aconselhamento apropriado.

14Este serviço de informação é direcionado aos serviços internos e aos utilizadores externos (investigadores, estudantes, professores e público em geral) que pretendam realizar trabalhos de investigação ou queiram adquirir um maior conhecimento nas áreas temáticas que constituem o fundo documental, armazenado e arrumado em diferentes suportes de informação.

15Grilo (2005, 46) refere que por intermédio das requisições preenchidas pelos utilizadores do ND foi possível chegar a conclusões relevantes sobre os mesmos. Entre 1988 e 2003 «a análise dos dados permite-nos concluir que houve um acréscimo até 1996, ano em que se registou um elevado número de utilizadores (2518) e a partir deste ano começou a registar-se uma progressiva diminuição» (GRILO, 2005). No entanto, Santos (2015) refere que em 2013 tivemos 906 utilizadores em consulta presencial e «o maior número de utilizadores verificou-se no período de Março (117 utilizadores); Abril (87 utilizadores) e Outubro (95 utilizadores). O número de utilizadores externos é superior ao número de utilizadores internos» (SANTOS, 2015).

16De acordo com Santos (2015) os utilizadores externos são, sobretudo, estudantes do ensino superior e os utilizadores internos são na sua maioria técnicos superiores. «O objetivo da sua deslocação [ao ND] é a obtenção e informação sobre Évora e o Alentejo, sobretudo relacionada com a História do Património Cultural, Urbanismo, Arquitetura, Etnografia e periódicos antigos» (SANTOS, 2015).

17Santos (2015) refere ainda que os grupos etários predominantes são o de 51-60 anos, o de 21-30 anos e o de 11-20 anos. A maioria dos utilizadores reside em Évora, mas também há utilizadores a residirem noutras zonas do país e no estrangeiro.

18Por último, o ND da CME é entidade parceira da RBEV. Esta rede concelhia teve a sua origem em 2006, com a constituição do Fórum das Bibliotecas de Évora, e teve continuidade com o projeto BIBCOM. Este projeto criou então as condições definitivas para o lançamento da RBEV e para a constituição do catálogo coletivo de bibliotecas de Évora. «Os catálogos coletivos, […], têm como funções principais organizar e difundir o conhecimento, preservando e armazenando a informação de modo a que esta possa ser eficazmente recuperada com os melhores níveis de revocação e precisão» (SANTOS, 2007, 32).

19Deste modo, em março de 2012 foi celebrado o protocolo de criação da RBEV, regulando a relação entre as entidades cooperantes e visando a sua participação ativa na Rede. As entidades cooperantes são, além do ND da CME, a Universidade de Évora, o Agrupamento n.º 1 de Escolas de Évora, Agrupamento n.º 2 de Escolas de Évora, Agrupamento n.º 3 de Escolas de Évora, Agrupamento n.º 4 de Escolas de Évora e a BPE.

Breve descrição/caracterização da coleção do Núcleo de Documentação da Câmara Municipal de Évora

20A coleção do ND integra estudos e processos produzidos pela e para a autarquia e recebeu doações documentais de personalidades ilustres, como o Dr. Mário Chicó, o Dr. Pires Gonçalves, o Dr. Carlos Serra e o Dr. Joaquim Palminha Silva, bem como da biblioteca do extinto Governo Civil de Évora.

21A coleção existente no ND é constituída, à data de julho de 2013, por cerca de 19000 existências, sendo 18819 material impresso e 149 não impresso, que se distribuem da seguinte forma: monografias, livros, brochuras, dossiers temáticos, dicionários e atlas – 16622; publicações em série – 2053; material gráfico (desenhos, fotografias, gravuras, ilustrações, postais) - 144; recursos vídeo e de projeção visual (cassetes vídeo, DVD’s e diapositivos) - 29; recursos sonoros (CD áudio) - 25; e recursos eletrónicos (CD, DVD e serviço em linha) - 95. Contudo, das 19000 existências 116 estão em acesso reservado.

22A coleção do ND está organizada nas estantes de acordo com a Classificação Decimal Universal (CDU), catalogada, classificada e indexada por cabeçalhos de assunto em base de dados informatizada e disponível no site da CME, bem como no catálogo coletivo da RBEV.

23Todavia, a coleção disponibilizada no catálogo encontra-se catalogada a 100% e classificada/indexada a 90%. Por outro lado, o fundo documental encontra-se distribuído pelas diferentes áreas temáticas (CDU):  

24

  • 1 Fonte: A autora.

Fig. 1 - Descrição da coleção1

Fig. 1 - Descrição da coleção1

Metodologia

25A metodologia adotada assenta no relato de experiência, descrevendo os projetos Gira Livros e Para Emprestar é Preciso Catalogar.

26O relato de experiência permitiu-nos descrever a nossa experiência, quer no que respeita ao planeamento, quer no que respeita à implementação dos projetos. Este relato contribui para a nossa área de atuação, estabelecendo ponderações e reflexões, que consideramos pertinentes. Por outro lado, o relato de experiência apresenta várias limitações, tais como não haver conclusões ou evidências empíricas, pois o mesmo apenas permite tecer considerações finais que permitem a melhoria dos serviços oferecidos, quer pelo ND da CME, quer pela RBEV.

27Assim, o relato da nossa experiência, relativamente ao projeto Gira Livros, divide-se em duas partes. Na primeira parte apresentamos uma justificativa sobre a realização do projeto; identificamos o público-alvo; indicamos a calendarização e equipa de trabalho; e definimos os objetivos do projeto. Na segunda parte descrevemos a implementação do projeto propriamente dito, bem como a avaliação do mesmo.

28No relato da nossa experiência, no que respeita ao projeto Para Emprestar é Preciso Catalogar, descrevemos o projeto em si, ou seja, apresentamos a calendarização e a equipa de trabalho; os objetivos; caracterizamos genericamente a Biblioteca Escolar de S. Mamede e a sua coleção; descrevemos o modo operatório, quer da catalogação quer da linguagem documental selecionada e o processo de indexação; e apresentamos a avaliação do projeto.

Projeto Gira Livros: boas práticas

29O ND da CME sempre foi muito procurado por pessoas que querem doar livros usados, que já não querem e aos quais já não atribuem utilidade e que por isso deixam de querer guardar, como tal para dar reposta a essas solicitações, este serviço criou o projeto Gira Livros. Através dele foi encontrada uma forma de dar destino às muitas doações de livros usados feitas ao ND e tornou-se também possível que munícipes e/ou visitantes da cidade adquiram livros gratuitamente, podendo assim manter, e aumentar, os seus hábitos de leitura.

30Os livros aceites, e oferecidos, no âmbito do projeto, são de todos os géneros e temas literários (romance, poesia, conto, teatro, história, banda desenhada, entre muitos outros, incluindo dicionários e/ou enciclopédias), excetuando livros escolares e livros técnicos, e devem estar em bom estado de conservação, de modo a que ainda possam ser lidos e/ou guardados.

31O projeto, destinado ao público em geral, iniciou-se a 29 de abril de 2011 e conta com a coordenação da técnica do ND, Antonieta Félix.

32A longo prazo espera-se, com o projeto Gira Livros, promover o gosto pela leitura e a motivação para a leitura, assumindo-a como fator de desenvolvimento individual e de progresso coletivo. Neste contexto, são objetivos específicos do projeto a promoção do livro e da leitura, o prolongamento da vida útil de livros e fomentar hábitos de partilha e reaproveitamento de bens de consumo.

Implementação do projeto

33Relativamente à receção de livros, as entregas de livros doados pelas pessoas ao projeto enquanto ato isolado, sem que haja intenção de levar uma oferta correspondente, podem ser feitas em mão, por correio ou através de recolha direta do serviço junto do dador, isto nos casos em que este não tenha possibilidade de se deslocar para fazer pessoalmente a doação e que seja possível ao serviço proceder a essa recolha.

34No caso de entregas com intenção de levar em troca livros de oferta, essas são feitas no local de funcionamento do projeto, as instalações do ND, em número proporcional às ofertas pretendidas.

35Quanto a horários, a receção de livros pode ser efetuada no ND de 2.ª a 6.ª feira entre as 10h00 e as 12h30 e entre as 14h00 e as 17h30, a oferta de livros decorre nos mesmos dias, mas apenas nos períodos da tarde, entre as 14h00 e as 17h30.

36O ND disponibiliza a oferta de livros nas suas instalações, através de uma correspondente doação e mediante a apresentação de um cartão de identificação pessoal válido, procedendo este serviço ao registo de todas as ofertas e doações (exemplo: para usufruir de uma oferta de três livros, a pessoa doa três livros).

37Constituem exceção a este procedimento de troca por troca as ofertas feitas a escolas, bibliotecas e outras instituições de cariz social e cultural. Estas entidades beneficiam de ofertas sem terem de fazer qualquer doação em troca.

38Importa ainda referir que o projeto Gira Livros está a ser alvo de uma avaliação, uma vez que a mesma constitui-se como um meio de análise e reflexão sobre os objetivos propostos e que este se constitui como um «veículo» de boas práticas visando a melhoria dos resultados e o aperfeiçoamento do serviço prestado à comunidade.

39De acordo com Félix (2015), o número de livros recebidos e os seus dadores sempre foi alvo de registo, mas só a partir de agosto de 2012 se começou a registar o número de livros oferecidos e os seus recetores - altura em que o funcionamento do projeto foi revisto, criando-se um regulamento próprio.

40Félix (2015) refere ainda que o número de livros recebidos tem sido sempre crescente desde o início, totalizando-se 2997 livros recebidos no final de 2014, o mesmo não acontece com o número de livros oferecidos, que nessa altura atingiram os 1397, que é muito variável, crescendo ou decrescendo de ano para ano.

41Na sua maioria, segundo Félix (2015), tanto os dadores, como os recetores, respetivamente 156 e 489 na data acima referida, são pessoas com mais de 40 anos, de ambos os sexos, residentes em Évora e com um grau de escolaridade ao nível da licenciatura ou superior a essa.

42Todavia, Félix (2015) refere que nos quatro anos de vigência do projeto a média mais estável é a de dadores, que são por norma três por mês, o número de recetores e de livros recebidos e oferecidos não é tão constante e não se proporciona a evidenciar médias.

43Conclui-se que os objetivos do projeto Gira Livros estão a ser cumpridos, os dados recolhidos permitem perceber mudanças comportamentais entre os seus utilizadores, ou seja, os mesmos estão a criar hábitos de leitura e de partilha, prolongando assim a vida útil dos livros. Por outro lado, também o ND conseguiu aproximar-se da comunidade e promover-se através deste projeto, pois as pessoas ao participarem no Gira Livros tomam conhecimento das restantes valências do serviço.

O Núcleo de Documentação da Câmara Municipal de Évora na RBEV: projeto Para Emprestar é Preciso Catalogar

44O ND da CME é uma entidade parceira da RBEV, a qual se assume como uma estrutura de cooperação entre as várias bibliotecas do concelho de Évora, independentemente da sua tipologia (escolar, universitária, pública ou municipal). Esta estrutura procura otimizar atividades e recursos, as quais se concretizam na partilha de experiências no âmbito da gestão e dinamização de bibliotecas.

45Neste contexto, realizou-se na BESM, durante os anos 2013 e 2014, o projeto Para Emprestar é Preciso Catalogar, numa perspetiva de partilha e união de esforços. Para levar a cabo tal tarefa foi formado um grupo de trabalho, no âmbito da RBEV, constituído pela técnica superior do ND da CME (Orlanda Silva) e pela professora-bibliotecária do Agrupamento N.º 3, BESM (Olga Rocha). Assim, com este projeto pretendemos catalogar a coleção desta biblioteca escolar e construir o catálogo automatizado, uma vez que os catálogos informatizados aumentam a possibilidade de pesquisa e a rápida recuperação da informação no momento da pesquisa.

46A BESM situa-se no edifício da Escola, no antigo Convento das Mónicas, e ocupa uma das salas do piso térreo onde coabitam as suas áreas funcionais. A coleção é constituída, à data de outubro de 2014, por 3059 itens distribuídos por todas as áreas temáticas da CDU. Dos 3059 itens 3057 são recursos impressos (monografias) e dois são recursos não impressos (CD).

47Importa referir que a maior parte da coleção abrange a subclasse 82 – Literatura. Na coleção também existem algumas publicações em série, mas devido à especificidade temática de cada número catalogámo-las monograficamente. Grande parte da coleção está em acesso livre, mas uma pequena parte destes recursos de informação estão em acesso reservado e a mesma está organizada nas estantes de acordo com a CDU, catalogada e classificada em base de dados informatizada.

48Relativamente às fases da cadeia documental e/ou tratamento documental, a catalogação é uma das fases mais importantes, uma vez que é uma operação técnica que consiste na análise exterior do documento de onde é feita a descrição dos seus dados bibliográficos. Contudo, a catalogação não é feita de forma livre e aleatória, pois existem códigos normativos que garantem a normalização e favorecem o intercâmbio da informação.

49A catalogação desta coleção seguiu as Regras Portuguesas de Catalogação (RPC), a International Standard Bibliographic Description (ISBD), utilizou os procedimentos definidos no Manual de Procedimentos de Catalogação da RBEV e utilizou o software Prisma/Catwin, o qual permitiu a integração do catálogo da BESM no catálogo do Agrupamento de Escolas, bem como no catálogo coletivo da RBEV.

50Por outro lado, a indexação é «uma ação que consiste em descrever ou caracterizar um documento relativamente ao seu conteúdo, representando esse conteúdo numa linguagem documental» (NP 3715, 1989, 4), a qual é uma «linguagem formal utilizada para caracterizar os dados ou o conteúdo dos documentos e permitir o seu armazenamento e recuperação» (NP 4285-4, 2000, 4), isto é, «a linguagem documental funciona assim como mediadora entre o recurso e a possibilidade da sua descoberta e, para tal, deve obedecer a regras que evitem determinadas características da linguagem natural» (SANTOS, 2007, 15).

51Neste caso usámos uma linguagem documental pré-coordenada e controlada – a CDU. As linguagens documentais pré-coordenadas são caracterizadas pela «subjetividade (conceitos compostos), autonomia do indexador e fáceis de serem utilizadas» (COSTA, 2009, 24). Este tipo de linguagem «tem a vantagem de ser mais precisa e de facilitar a estratégia de busca, evitando falsas associações e relações incorretas» (CARNEIRO, 1985, 233).

52No entanto, a linguagem documental selecionada para indexar documentos também é tipificada como linguagem controlada. «A operação de indexação é mais lenta, mas o esforço despendido na busca é reduzido […] e permite uma maior consistência na indexação» (CARNEIRO, 1985, 233) e «é uma linguagem de tipo categorial, pelo facto de o conhecimento se encontrar dividido em grandes categorias epistemológicas» (SIMÕES, 2008a, 22).

53Durante a realização deste projeto recolhemos dados, os quais analisámos. A partir da figura 1 podemos observar um resumo dos meses mais significativos da catalogação da coleção em 2013 e 2014. Na verdade os meses mais significativos ao nível das frequências absolutas foram: julho de 2013 (444); setembro de 2013 (807) e julho de 2014 (498).

  • 2 Fonte: A autora.

Fig. 2 - cronograma sobre a catalogação da coleção da escola de S. Mamede2

Fig. 2 - cronograma sobre a catalogação da coleção da escola de S. Mamede2

54Relativamente ao projeto para implementar a regra Para Emprestar é Preciso Catalogar realço o facto de a coleção estar catalogada e classificada a 100%. Todavia, a coleção não foi indexada por cabeçalhos de assunto nem foi criado o ficheiro de autoridades.

55Os meses de julho de 2013 e 2014 e setembro de 2014 foram os meses mais significativos em termos de monografias catalogadas, uma vez que encontramos 1749 casos registados. Por outro lado, foi catalogada 59,7% da coleção em 2013 e foi catalogada 40,3% da coleção em 2014.

56Neste contexto, é possível detetar pontos fortes e pontos fracos relativamente à descrição bibliográfica e à descrição de conteúdo. Relativamente aos pontos fortes podemos dizer que a coleção da Biblioteca da Escola de S. Mamede está catalogada a 100% e está classificada a 100%. No que respeita aos pontos fracos podemos dizer que a coleção não foi indexada por cabeçalhos de assunto e não foi construído o ficheiro de autoridades.

57Por fim, desenvolver uma coleção de qualidade, adequada aos interesses e necessidades dos utilizadores é fundamental para que a biblioteca possa desempenhar o papel que lhe é solicitado. Desenvolver a coleção passa também pelo tratamento documental, neste caso concreto pela catalogação e descrição de conteúdo, uma vez que a partir de agora é possível recuperar a informação.

Considerações finais

58Na Sociedade da Informação e do Conhecimento, o processo de transformação da informação em conhecimento requer do indivíduo o domínio de competências em informação, pois a informação por si só não é relevante para a afirmação do cidadão. Neste contexto, as bibliotecas e redes de bibliotecas desempenham um papel essencial, no que respeita à leitura, à literacia e à formação do cidadão, contribuindo para que o mesmo participe ativamente na democracia e exerça o seu direito à cidadania.

59Esta comunicação teve como finalidade a divulgação de boas práticas e partilhar a nossa experiência sobre as atividades desenvolvidas pelo ND da CME, quer individualmente quer no âmbito da RBEV, numa perspetiva de partilha e união de esforços.

60A metodologia adotada foi o relato de experiência. Este método apresenta várias limitações, sendo a mais óbvia o facto de não haver conclusões e evidências empíricas. Porém, a partir da nossa vivência e experiência, sobre o planeamento e a implementação dos projetos Gira Livros e Para Emprestar é Preciso Catalogar, foi possível apresentar um conjunto de considerações finais bastante credíveis e significativas para a nossa área de atuação. Por outro lado, esperamos também que a nossa experiência possa contribuir para que outros profissionais ampliem o efeito deste relato de experiência como potencial exemplo para outros projetos e vivências.

61O projeto Gira Livros funciona no ND desde 2011, visa a promoção do livro e da leitura, o prolongamento da vida útil de livros e fomentar hábitos de partilha e reaproveitamento de bens de consumo e destina-se ao público em geral, uma vez que a promoção da leitura deve abranger todos os segmentos etários e sociais.

62Assim, desde o início do projeto até dezembro de 2014 foram recebidos 2997 livros e foram oferecidos 1397 livros. Aliás, podemos afirmar que o número de livros recebidos tem crescido de ano para ano, mas o mesmo não se verifica relativamente aos livros oferecidos. Na verdade os dados que dispomos sobre os livros oferecidos não correspondem à totalidade das ofertas, uma vez que só se começou a registar o número de livros oferecidos e os recetores em agosto de 2012, altura em que foi revisto o funcionamento do projeto. Sabemos que este fator tem influência na média de livros oferecidos e dos recetores. Por outro lado, nos quatro anos de vigência do projeto verificou-se que os dadores são, em média, três por mês, número muito inferior quando comparado com os recetores, que foram 489 no total.

63O balanço que fazemos do projeto Gira Livros é positivo, na medida em que percebemos mudanças comportamentais dos utilizadores, o ND aproximou-se da comunidade e conseguiu promover-se através deste projeto.

64O projeto Para Emprestar é Preciso Catalogar realizou-se na BESM durante os anos 2013 e 2014, cujo objetivo foi catalogar a coleção desta biblioteca escolar e construir o catálogo automatizado, já que uma das principais funções das bibliotecas consiste em gerir, tratar e disponibilizar informação em função das necessidades formativas e informativas dos seus utilizadores.

65Deste modo catalogámos 3059 recursos de informação de acordo com as RPC, as ISBD’s, o Manual de Procedimentos de Catalogação da RBEV e utilizámos o software Prisma/Catwin. Neste momento podemos dizer que a coleção está catalogada e classificada na sua totalidade.

66De um modo geral a criação do catálogo automatizado desta biblioteca decorreu normalmente, apesar das condições de trabalho não terem sido as ideais. Na verdade, no decorrer do trabalho encontrámos algumas dificuldades, as quais procurámos solucionar da melhor forma possível, ainda que de um modo muito simples.

67O posto de trabalho existente na referida biblioteca não foi o melhor para concretizarmos o nosso trabalho, uma vez que não foi possível estabelecer ligação à rede interna da escola, para aceder à base de dados do agrupamento, e também não foi possível estabelecer ligação à Internet, para a pesquisa de elementos necessários para uma catalogação de qualidade. Assim, criámos o catálogo numa base de dados local, a qual depois «importámos» para a base de dados disponível na Internet.

68Por outro lado, importa referir que em 2013 e 2014, para além da descrição bibliográfica e da descrição de conteúdo dos recursos de informação, validámos os respetivos registos na base de dados, efetuou-se a etiquetagem na lombada (cota) e, finalmente procedeu-se à arrumação dos recursos de informação nas estantes.

69O balanço final que fazemos deste trabalho é muito positivo, pois cremos que o nosso objetivo foi atingido, ou seja, contribuímos decisivamente para a solução de questões fundamentais para a BESM, na medida em que construímos o catálogo informatizado (descrição bibliográfica e descrição de conteúdo), o qual se caracteriza pela fiabilidade dos resultados da pesquisa. Contudo, sugerimos que em projetos futuros, no âmbito da RBEV, seja utilizada a indexação por cabeçalhos de assunto de modo a permitir uma pesquisa específica. De acordo com Simões (2008b, 23-24) a utilização das duas linguagens documentais em simultâneo, a indexação por cabeçalhos de assunto e a CDU, permitem representar, organizar e recuperar a informação e por isso complementam-se, proporcionando dois tipos de pesquisa, uma pesquisa específica e uma pesquisa genérica, constituindo-se como uma mais-valia para os utilizadores no momento da recuperação da informação.

70Sugerimos também a criação do ficheiro de autoridades de autoria, pessoa física e/ou coletividade, uma vez que um tratamento documental eficaz pressupõe o controlo da consistência dos pontos de acesso à informação. O controlo dos pontos de acesso garante que os mesmos nomes ou assuntos tenham sempre a mesma designação quando ocorrem num registo bibliográfico, permitindo «a pesquisa e recuperação da informação referente a um determinado autor […], independentemente da forma como o pedido é formulado: isto é, quer este tenha sido feito usando pseudónimo, um nome real ou outra variante do nome» (SANTOS, 2007, 26), pois o registo de autoridade inclui o cabeçalho autorizado, os nomes rejeitados e associados, bem como as fontes de informação que justificam a criação do registo de autoridade, permitindo «o estabelecimento de uma série de relações e de referências remissivas que, correctamente preenchidas, facilitam a gestão integrada dos ficheiros de autoridade e bibliográfico de modo a satisfazer da melhor forma os pedidos de informação» (SANTOS, 2007, 26).

71Concluindo, contribuímos para o desenvolvimento da literacia, promovemos a leitura, tornámos o livro acessível a todos e desenvolvemos estratégias para atrair novos públicos.

72Acreditamos que na sociedade atual o ND e a RBEV têm o seu espaço assegurado como serviço de informação, contribuindo para a educação, a formação, o desenvolvimento do cidadão e, consequentemente para o crescimento económico.

Bibliographie

CARNEIRO, Marília Vidigal (1985) - Diretrizes para uma política de indexação. Revista da Escola de Biblioteconomia de Minas Gerais [Em linha]. Vol. 14: n.º 2, p. 221-241. [Consultado em 9 de Outubro 2014] Disponível em http://www.brapci.ufpr.br/documento.php?dd0=0000002649&dd1=5dba2.

COSTA, Maria Leonor Lopes Fantesia Pereira da (2009) - Definição de uma política de indexação numa biblioteca escolar e a recuperação da informação [Em linha]. Lisboa: Universidade de Lisboa. Faculdade de Letras. Dissertação de mestrado. [Consultado em 9 de Outubro 2014] Disponível em http://repositorio.ul.pt/handle/10451/395.

DUDZIAK, Elisabeth Adriana (2003) - Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação [Em linha]. Vol. 32: n.º 1, p. 23-35. [Consultado em 7 de Janeiro 2015]. Disponível em http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/123.

FÉLIX, Antonieta (2015) – Gira Livros: tabela geral [Em linha]. [Consultado em 15 de Janeiro 2015]. Comunicação pessoal.

GRILO, Maria Ludovina Barreiros (2005) – A biblioteca digital do património cultural de Évora: estratégia de optimização do Núcleo de Documentação e Informação da Câmara Municipal de Évora. Évora: Universidade de Évora. Departamento de História. Dissertação de mestrado.

INE (2012) - Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Alentejo [Em linha] Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. [Consultado em 9 de Outubro de 2014]. Disponível em http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=ine_censos_publicacao_det&contexto=pu&PUBLICACOESpub_boui=156654102&PUBLICACOESmodo=2&selTab=tab1&pcensos=61969554.

NP 3715.1989, Documentação - Método para a análise de documentos, determinação do seu conteúdo e selecção de termos de indexação. Lisboa: IPQ.

NP 4285-4. 2000, Documentação e informação - Vocabulário. Parte 4: Linguagens documentais. Lisboa: IPQ.

SANTOS, Maria Luísa F. N. dos (2007) – Organização do conhecimento e representação de assuntos: caminhos para uma efectiva recuperação da informação em ambiente de rede. Lisboa: Biblioteca Nacional.

SANTOS, Paula (2015) – Utilizadores presenciais no Núcleo de Documentação. [Mensagem em linha]. [Consultado em 26 de Janeiro 2015]. Comunicação pessoal.

SIMÕES, Maria da Graça (2008a) - Classificação Decimal Universal: fundamentos e procedimentos. Coimbra: Almedina.

SIMÕES, Maria da Graça (2008b) – Da abstração à complexidade formal: relações conceptuais num tesauro. Coimbra: Almedina.

Notes

1 Fonte: A autora.

2 Fonte: A autora.

Table des illustrations

Titre Fig. 1 - Descrição da coleção1
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2613/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Fig. 2 - cronograma sobre a catalogação da coleção da escola de S. Mamede2
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/2613/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 37k

Auteur

Técnica Superior (Câmara Municipal de Évora – Núcleo de Documentação), orlandasilva@cm-evora.pt

© Publicações do Cidehus, 2017

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search